A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990*"

Transcrição

1 A questão do trabalho infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de 1990* Rafael Loures Ogg¹ Cleise Maria de Almeida Tupich Hilgemberg² Palavras-chave: Violação; Criança; Mercado de Trabalho. * Trabalho apresentado no XVIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, realizado em Águas de Lindóia/SP Brasil, de 19 a 23 de novembro de Acadêmico, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG, Curso de Ciências Econômicas 2. Doutora, professora, Universidade Estadual de Ponta Grossa UEPG, Departamento de Economia,

2 Introdução De acordo com Veiga (1998, pág. 31) um dos fatores que contribui para o rebaixamento dos custos do trabalho em países em fase de desenvolvimento está atrelado ao trabalho infantil. Segundo o autor um posto de trabalho ocupado por uma criança substitui o de um adulto cuja remuneração seria certamente superior à da criança. O trabalho infantil é um fenômeno global de grandes proporções, especialmente em países em desenvolvimento, neste contexto, Campos e Alverga (2001, p. 228) mostram que grande parte da força de trabalho infantil ocorre por necessidades do ambiente familiar, visto que pela causa e efeito as condições de sobrevivência são precárias. Logo, os autores esclarecem que: Associado à realidade social e econômica, o apoio familiar à inserção precoce no trabalho produtivo subsiste a despeito da legislação que coíbe a contratação e o exercício desse tipo de atividade por crianças, e a tantos programas de atendimento voltados para essa população. Toda a proibição e evidência das conseqüências nefastas do trabalho precoce não têm sido suficientes para fazer estancar o crescimento dos índices das novas vítimas flagradas no trabalho doméstico, na agricultura, nas atividades terceirizadas e domiciliares etc. (CAMPOS; ALVERGA, 2001, p. 228). Conforme apresenta Ogg e Silva (2008), o trabalho infantil é uma violação dos direitos fundamentais da criança e adolescente. No mundo existem 150 milhões de crianças trabalhando. Segundo dados do Fórum Nacional de Erradicação do Trabalho Infantil no Brasil estimam-se que 3,5 milhões de crianças trabalhem nos mais diversos tipos de atividades exploratórias. Outros autores como Neto e Moreira (1998, p. 438) apresentam o trabalho infantil não apenas no contexto sócio histórico, adequando também grande destaque ao socioeconômico. Assim, estes autores colocam que o fortalecimento e a continuidade do trabalho infantil interessam ao mercado, provindo que esta violação de direitos implica a gastos reduzidos e expressivos lucros. Onde, para Hilgemberg (2003) a composição do mercado de trabalho estratificado por gênero, por idade e para grandes regiões em períodos específicos, identifica a presença no mercado de trabalho brasileiro à participação do trabalho infantil em grande escala em setores econômicos de grande importância. Desta forma, algumas questões podem ser levantadas para melhor entendimento da composição da força de trabalho na década de 1990, tais como: Como são constituídas as famílias que compõem a força de trabalho no Brasil? Quantas destas famílias possuem crianças no mercado de trabalho? E, quais as consequências gerais deste comportamento na sociedade? Isto posto, o entendimento destas questões permitem qualificar melhor o mercado de trabalho no Brasil, bem como o procedimento adotado pelas famílias ao ofertar trabalho. Sendo assim, compreende-se o trabalho infantil num aspecto sócio histórico e econômico onde a economia global e a exclusão social possuem papéis fundamentais na compreensão do mesmo, podendo-se analisar o trabalho infantil pela ótica da globalização e do fracionamento das cadeias produtivas, que de acordo com Dupas (1998), incorporou parte dos bolsões de mão-de-obra barata mundiais sem necessariamente elevar-lhes a renda. Assim sendo, os postos de trabalho formal crescem menos que os investimentos diretos. Se, por um lado, surgem oportunidades bem remuneradas no trabalho flexível, por outro, o setor informal também abriga o emprego muito precário e a miséria. Deste modo foram compostas bases de dados para organização, compreensão, análises e por fim conclusões finais sobre os objetivos e questionamentos pertinentes desta pesquisa como os apresentados acima. 1

3 Materiais e Revisão de literatura Além de destacar que a metodologia utilizada nesta pesquisa baseia-se na estatística descritiva e comparativa através dos dados obtidos nas PNADs Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio - IBGE para a década de Também é importante salientar o cenário onde esta pesquisa está embasada, neste caso o mercado de trabalho na década de O qual segundo Pinheiro et all (1999) apud Hilgemberg (2003, p. 20), (...) foi afetado pelo custo da mão-de-obra (incluindo os custos impostos pela legislação trabalhista vigente no país), pelo processo tecnológico e a situação conjuntural da demanda. Resumindo, para Neri* et all (2000), a economia brasileira passou por importantes modificações ao longo da década de 90. Durante esse período, ocorreram a abertura da economia ao fluxo de comércio e de capitais internacionais e queda na taxa de inflação e redução da presença do Estado na economia. Essas mudanças estruturais resultaram em efeitos importantes sobre o ritmo e a estrutura do crescimento da economia, afetando, significativamente, o desempenho do mercado de trabalho. Não sendo pertinente a justificação, a década de 1990 é importante quanto à temática do trabalho infantil por diversas circunstâncias, entre as quais está a criação do Estatuto da Criança e do Adolescente ECA, que de acordo com Ferreira (2001) foi o fato mais marcante ocorrido no Brasil nessa era de reconhecimento crescente de direitos. Resultados e Discussão Quanto à análise dos dados obtidos nesta pesquisa, observa-se que a composição por gênero nas unidades familiares (Tabela 1) na década de 1990 eram compostas por cerca de 63,94% de pessoas do sexo masculino, em comparação as pessoas do sexo feminino em torno de 36,06%. Tabela 1 COMPOSIÇÃO DAS UNIDADES FAMILIARES POR GÊNERO BR DÉC 90 ANO TOTAL MASCULINO % Masculino FEMININO % Feminino , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,22 Média 63,94 36,06 2

4 No mesmo sentido, dados de inserção no mercado da trabalho por índice de idade (Tabela 2) e dados de escolaridade para a década (Tabela 3) demonstram que cerca de 3% das crianças de 10 a 14 anos e 10% dos adolescentes de 15 a 19 anos possuem 8 a 10 anos de estudos, uma média de 15,13% na década. Em contra partida há uma elevada taxa de 57,56% de pessoas que possuem menos de 8 anos de escolaridade. Tabela 2 PESSOAS INSERIDAS NO MERCADO DE TRABALHO POR ÍNDICE DE IDADE BR DÉC 1990 ANO TOTAL 10 a 14 % 10 a a 19 % 15 a , , , , , , , , , , , , , , , ,72 Média 3,03 10,37 Tabela 3 ÍNDICES DE ESCOLARIDADE PARA ANOS DE ESTUDO COMPLETOS BR DÉC 1990 ANO TOTAL Menos de 1 a 7 anos % Menos de 1 a 7 anos 8 a 10 anos % 8 a 10 anos , , , , , , , , , , , , , ,19 3

5 , ,05 Média 57,56 15,13 Para Ferreira (p. 213), o conhecimento dos aspectos gerais sobre o trabalho infantil na década de noventa foi fundamental para que o governo e a sociedade firmassem ações em seu combate e prevenção, mesmo que este planejamento mostrasse carência em ser realizado. A realidade desta situação muitas vezes tentava permanecer oculta, porém a análise das variáveis socioeconômicas e demográficas promoveu a clareza do trabalho infantil, apontando algumas soluções, mesmo as estratégias de ação tendo falhado em pontos principais onde o trabalho infantil se expos. Assim, através do cruzamento e comparações de dados juntamente com uma estimativa se obtiveram as seguintes relações para o índice de escolaridade para década de 1990 (Tabela 4): observando primeiramente 1995 em relação a 1990, há um aumento para 1995 de 3,16% de no caso crianças e adolescentes com anos de estudos completos a mais do que no início da década, já a relação de 1999 para 1995, a taxa de aumento no índice de escolaridade cai, porém este dado mesmo tendo um valor relativamente baixo ainda assim não se torna um dado negativo, pois podemos apontar que as crianças e adolescentes não contidas neste índice para que se pudesse gerar o aumento desta taxa, passaram da qualificação de Menos de 1 a 7 anos de estudos para 8 a 10 anos de estudos completos (Tabela 3 respectivamente), principalmente entre 1996 e 1997, mais propiciamente a partir de 1997 quando há uma larga queda nos índices, podendo-se inferir que a partir de 1996 o governo já começava a dar os primeiros passos para programas de incentivo à educação, tal como o bolsa escola, que segundo a Secretaria de Estado e Desenvolvimento Social e Transferência de renda é aquele benefício ao qual as famílias que possuem em sua composição ao menos uma criança ou adolescente de entre 3 e 17 anos podem receber este auxílio com o objetivo do programa de incentivar a permanência dessas crianças e adolescentes na rede de ensino escolar. Por fim, dados gerais para a década, relação de 1999 para 1990 apontam para a estatística de 4,64% de crianças e adolescentes com anos a mais de estudo para Tabela 4 VARIAÇÕES PERCENTUAIS PARA ÍNDICES DE ESCOLARIDADE BR DÉC 1990 ANO Valor % 1995 para , para , para ,64 4

6 Conclusões Para a Unicef (apud Veiga, 1998) o trabalho infantil pode estar associado à pobreza e aos baixos níveis de desenvolvimento humano e social, como resultado da baixa participação escolar dessas crianças. Ressalta ainda que países que apresentam altos índices de analfabetismo, baixos índices de permanência na escola de crianças e parcela significativa da população em situação de miséria absoluta ou próxima disso, são aqueles que apresentam as maiores proporções de crianças em situação de exploração. Além disto, e não menos importante há também o fator cultural que envolve tradições e costumes que facilitam a exploração da mão-de-obra infantil e tornam as soluções ainda mais difíceis. (OCDE, 1996: Gonçalves, 1996; Veiga, 1998) Neste sentido, há grande importância a cerca do estudo da família e a sua influência sobre a incidência do trabalho infantil, onde Ranjan (1999) apud Kassouf (2007, p. 14), desenvolve um modelo teórico para uma economia em desenvolvimento, mostrando que o trabalho infantil surge graças à pobreza e às imperfeições no mercado de crédito. O autor mostra que se a família pobre tivesse acesso ao crédito, na presença de altos retornos à educação, ela estaria propensa a colocar o filho na escola em vez de colocá-lo no trabalho. Ademais, mostra que a proibição do trabalho infantil reduz o bem-estar de famílias que tinham a intenção de fazer seus filhos trabalharem. Ele destaca que a proibição, que só pode ser imposta ou cumprida no setor formal da economia, pode piorar a situação das crianças forçando-as a trabalhar no setor informal, sob piores condições de trabalho. Deste modo, especialmente nos países da periferia, os governos comprometidos com a estabilidade não têm orçamento suficiente e estruturas eficazes para garantir a sobrevivência dos novos excluídos. Através da obtenção dos dados que possibilitaram a identificação da composição das famílias por gênero, idade e grau de escolaridade, foi possível mostrar que a partir da estabilização econômica nos anos de 1995 houve uma diminuição da participação da criança na força de trabalho, bem como o entendimento da composição das famílias na oferta de trabalho e o impacto das suas decisões na participação do trabalho infantil no Brasil no período analisado. Assim, a partir deste trabalho pode-se estabelecer uma comparação do comportamento das famílias na composição do mercado de trabalho infantil, permitindo que políticas públicas mais efetivas possam ser realizadas para os setores que ainda se utilizam desse mecanismo como fator de baixo custo. De tal modo, também é importante refletir num ponto de vista sociocultural que o Trabalho Infantil só diminuirá ou terá fim quando a sociedade mudar a maneira de compreender e justificar a existência do mesmo. Este é um gravíssimo problema que necessita de total solução com urgência. Todos os dias crianças e adolescentes estão sendo prejudicadas em seu desenvolvimento físico, mental e moral. Ou seja, tendo seus direitos violados. 5

7 REFERÊNCIAS CONSULTADAS CAMPOS, H. R.; ALVERGA, A. R. Trabalho infantil e ideologia: contribuição ao estudo da crença indiscriminada na dignidade do trabalho. Rio Grande do Norte, v. 6, n. 2, p , Direitos negados: a violência contra a criança e o adolescente no Brasil, Helena Oliveira (COORD.) 2 ed. Brasília, DF: Unicef, DUPAS, G. A lógica da economia global e a exclusão social. São Paulo, v. 12, n. 34, p , Set./Dez ELIMINAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL CRIANÇA QUE TRABALHA COMPROMETE SEU FUTURO. Diretor. Rio de Janeiro: CECIP, 1990? Videocassete. Estatuto da Criança e do Adolescente, IASP - Imprensa Oficial do Estado Paraná, FERREIRA, M. A. F. Trabalho infantil e produção acadêmica nos anos 90: tópicos para reflexão. Estudos de Psicologia, Rio Grande do Sul, p HILGEMBERG, C.M.A.T. Efeitos da Abertura Comercial e das Mudanças Estruturais sobre o emprego na economia brasileira: uma análise para a década de Tese de doutorado Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Piracicaba, KASSOUF, A. L. O que conhecemos sobre o trabalho infantil? São Paulo, v. 17, n. 2, p , BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Secretaria de Inspeção do Trabalho. Prevenção e erradicação do trabalho infantil e proteção ao trabalhador adolescente. Brasília, NETO, O. C.; MOREIRA, M. R. Trabalho infanto-juvenil: motivações, aspectos legais e repercussão social. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Departamento de Ciências Sociais, OGG, R. L. ; SILVA, L. A. M.. Trabalho infantil: uma violação dos Direitos Fundamentais da Criança e do Adolescentes. In: 4º Encontro Paranaense de Pesquisa e Extensão em Ciências Aplicadas - ENPPEX, 2008, Ponta Grossa. IV ENPPEX - Encontro Paranaense de Pesquisa e Extensão em Ciências Sociais Aplicadas, v. 4º. p OGG, R. L. ; HILGEMBERG, C. M. A. T. A Questão do trabalho Infantil no mercado de trabalho: um estudo da oferta de trabalho na década de Ponta Grossa: XX Encontro Anual de Iniciação Científica, X Encontro de Pesquisa da UEPG e I Encontro Anual de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico Trabalho Infantil: nunca mais!,feti-pr Ajir Gráfica e Editora Paraná,(?). VEIGA, J.P.C. A questão do trabalho infantil. Coleção ABET. São Paulo: Associação Brasileira de Estudos do Trabalho, 1998, v.7.

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Novo do Parecis, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9480,98 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 27577

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Rio Branco, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 530,1 km² IDHM 2010 0,707 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 5070 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Alto Araguaia, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5557,93 km² IDHM 2010 0,704 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 15644 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Várzea Grande, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 940,83 km² IDHM 2010 0,734 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 252596 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Maringá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11554,5 km² IDHM 2010 0,663 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 6590 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Sinop, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3204,92 km² IDHM 2010 0,754 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 113099 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Castanheira, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3966,38 km² IDHM 2010 0,665 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 8231 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Diamantino, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7657,48 km² IDHM 2010 0,718 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 20341 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cáceres, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 24478,87 km² IDHM 2010 0,708 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 87942 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Guarita, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1091,25 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 4932 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Bandeirantes, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 9573,21 km² IDHM 2010 0,650 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 11643 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pedra Preta, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4205,57 km² IDHM 2010 0,679 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 15755 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Juara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 21474,36 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 32791 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Feliz Natal, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11491,38 km² IDHM 2010 0,692 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10933 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo São Joaquim, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5039,25 km² IDHM 2010 0,649 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 6042 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pontes E Lacerda, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 8455,3 km² IDHM 2010 0,703 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 41408 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Chapada dos Guimarães, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5657,43 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17821 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Matupá, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5172,94 km² IDHM 2010 0,716 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 14174 hab. Densidade

Leia mais

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Determinantes Sociais da Saúde. Professor: Dr. Eduardo Arruda Determinantes Sociais da Saúde Professor: Dr. Eduardo Arruda Conteúdo Programático desta aula Epidemiologia social e os Determinantes Sociais da Saúde (DSS); Principais Iniquidades em Saúde no Brasil;

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Campo Verde, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 4810,5 km² IDHM 2010 0,750 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 31589 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lucas do Rio Verde, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3674,76 km² IDHM 2010 0,768 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 45556 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santo Antônio do Leverger, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 12301,06 km² IDHM 2010 0,656 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 18463

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Barão de Melgaço, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 11217,65 km² IDHM 2010 0,600 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7591 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Jaciara, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1663,25 km² IDHM 2010 0,735 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 25647 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Confresa, MT 01/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5819,29 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 25124 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vila Rica, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 7468,7 km² IDHM 2010 0,688 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 21382 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Nova Olímpia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1572,86 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17515 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Félix do Araguaia, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 16915,81 km² IDHM 2010 0,668 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10625

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Lambari D'Oeste, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 1340,24 km² IDHM 2010 0,627 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 5431 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guarujá, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 143,71 km² IDHM 2010 0,751 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 290752 hab. Densidade

Leia mais

Introdução à Economia do Trabalho II

Introdução à Economia do Trabalho II Introdução à Economia do Trabalho II Solange Ledi Gonçalves Doutoranda Teoria Econômica Universidade de São Paulo XLII Encontro Nacional dos Estudantes de Economia Tópicos 1. Introdução 2. Demanda e oferta

Leia mais

Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão

Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão A Estrutura Etária DOS JOVENS AOS IDOSOS PIRAMIDES ETARIAS Estrutura etária é a divisão de uma população por grupos de idade e sexo - IDOSOS 60 ANOS OU MAIS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Taperoá, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 664,9 km² IDHM 2010 0,578 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 14936 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Arapiraca, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 352,81 km² IDHM 2010 0,649 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 214006

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pirpirituba, PB 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 79,64 km² IDHM 2010 0,595 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10326 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Satuba, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 43,78 km² IDHM 2010 0,660 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 14603

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Maravilha, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 281,36 km² IDHM 2010 0,569 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 10284

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Palmeira dos Índios, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 462,76 km² IDHM 2010 0,638 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Viçosa, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 356,67 km² IDHM 2010 0,586 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 25407

Leia mais

Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira

Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Forum Mundial de Direitos Humanos Brasília, 12 dezembro 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de União dos Palmares, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 429,08 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Major Isidoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 455,14 km² IDHM 2010 0,566 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Olho D'Água do Casado, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 324,54 km² IDHM 2010 0,525 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Marechal Deodoro, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 333,64 km² IDHM 2010 0,642 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Belém, AL 13/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 48,36 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010) 4551 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São Luís do Quitunde, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 406,14 km² IDHM 2010 0,536 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Pão de Açúcar, AL 14/01/2014 - Pág 1 de 14 Report a map error Caracterização do território Área 662,95 km² IDHM 2010 0,593 Faixa do IDHM Baixo (IDHM entre 0,5 e 0,599) (Censo 2010)

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Plano de Pesquisa. Aplicação da Pesquisa. Metodologia de Pesquisa: Via telefone (C.A.T.I) Quantitativa. Universo

Plano de Pesquisa. Aplicação da Pesquisa. Metodologia de Pesquisa: Via telefone (C.A.T.I) Quantitativa. Universo 1 Plano de Pesquisa Metodologia de Pesquisa: Aplicação da Pesquisa Quantitativa Via telefone (C.A.T.I) Cnae: 4781-4/00 Amostra Universo 5.746 265.510 Período de Coleta de 05 de agosto a 21 de agosto 2015

Leia mais

INTENÇÃO DE PARTICIPAÇÃO EM AMIGO SECRETO 2016

INTENÇÃO DE PARTICIPAÇÃO EM AMIGO SECRETO 2016 INTENÇÃO DE PARTICIPAÇÃO EM AMIGO SECRETO 2016 Novembro 2016 AMIGO SECRETO 57,2% Dos que têm a intenção de presentear no Natal também pretendem participar do amigo secreto 42,8% Não pretendem participar

Leia mais

A População Brasileira e Mundial

A População Brasileira e Mundial A População Brasileira e Mundial A População Brasileira e Mundial 1. As pirâmides representam a estrutura etária da população mundial e são resultantes da interação de dois elementos básicos: o crescimento

Leia mais

Como superar a precariedade do emprego feminino

Como superar a precariedade do emprego feminino Como superar a precariedade do emprego feminino Ana Flávia Machado (Cedeplar/UFMG) Conferência Regional sobre a Mulher da América Latina e do Caribe Fatos estilizados Radical mudança do papel das mulheres

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL

SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E PROMOÇÃO SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORA BIPARTITE CIB RESOLUÇÃO 007/2004 CIB A Comissão Intergestora Bipartite CIB, em reunião ordinária realizada no dia 23 de novembro de 2004 RESOLVE Art. 1º - Aprovar o documento CRITÉRIOS

Leia mais

Implantação do Programa Saúde do Homem no município de. Fabio de Mello Secretário Municipal de Saúde. Santa Terezinha de Itaipu

Implantação do Programa Saúde do Homem no município de. Fabio de Mello Secretário Municipal de Saúde. Santa Terezinha de Itaipu Implantação do Programa Saúde do Homem no município de Santa Terezinha de Itaipu. Fabio de Mello Secretário Municipal de Saúde Santa Terezinha de Itaipu Santa Terezinha de Itaipu PR Área total: 248.133

Leia mais

Empoderando vidas. Fortalecendo nações.

Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Empoderando vidas. Fortalecendo nações. Nota metodológica sobre o cálculo de indicadores demográficos do Brasil Apesar dos avanços na qualidade das estatísticas vitais no Brasil, eles ocorreram de forma

Leia mais

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 7

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 7 CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 7 Nome de urna: Chayenne Silva Número: 7005 - Coordenadora de projetos sociais na Associação Comunitária Núcleo Esperança; - Conselheira Tutelar suplente 2011-2015 -Professora

Leia mais

Gênero e desigualdade

Gênero e desigualdade economia Gênero e desigualdade A disparidade de ganhos financeiros entre homens e mulheres diminuiu muito nos últimos anos no país. Contudo, quando se observam as diferenças em função do nível de escolaridade,

Leia mais

REDE SOCIOASSISTENCIAL

REDE SOCIOASSISTENCIAL REDE SOCIOASSISTENCIAL O que é Vulnerabilidade Social? Pode ser entendida como a condição de risco em que uma pessoa se encontra. Um conjunto de situações mais, ou menos problemáticas, que situam a pessoa

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família Brasil na América do Sul População: 175 milhões Área: 8.514.215,3 km² 26 estados e DF 5.562 municípios População pobre: em torno

Leia mais

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014

Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos. Brasília, 2 de abril de 2014 Programa Bolsa Família Desenho, Instrumentos, Evolução Institucional e Impactos Brasília, 2 de abril de 2014 O que é? A quem se destina? Qual sua dimensão? Qual o desenho básico do programa? Que desafios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Curso: Agronomia / Zootecnia / Medicina Veterinária Habilitação: Engenheiro Agrônomo / Zootecnista / Médico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Curso: Agronomia / Zootecnia / Medicina Veterinária Habilitação: Engenheiro Agrônomo / Zootecnista / Médico

Leia mais

COMÉRCIO REDUZ INTENÇÃO DE INVESTIMENTOS EM ESTOQUES EM JANEIRO DE 2017

COMÉRCIO REDUZ INTENÇÃO DE INVESTIMENTOS EM ESTOQUES EM JANEIRO DE 2017 Divisão Econômica COMÉRCIO REDUZ INTENÇÃO DE INVESTIMENTOS EM ESTOQUES EM JANEIRO DE 2017 Parcela significativa dos varejistas de produtos semiduráveis (25%) e pequenos comerciantes (29,8%) consideram

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA População Brasileira 2014: atingiu o número de 204 milhões de habitantes. Formada a partir de três grandes grupos étnicos: índios, brancos e negros. A maioria da população é branca

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO ENTRE TRABALHADORES JOVENS

ACIDENTES DE TRABALHO ENTRE TRABALHADORES JOVENS Universidade Federal da Bahia - UFBA Instituto de Saúde Coletiva - ISC Programa Integrado em Saúde Ambiental do Trabalhador PISAT Programa de Colaboração com a University of North Carolina at Chapel Hill,

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA

PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA PROPOSTA DE LEI N.º 346/XII CRIAÇÃO DO OBSERVATÓRIO DA CRIANÇA Recentes indicadores sociais confirmam a crescente e indisfarçável gravidade dos problemas da pobreza junto das crianças no nosso País. Os

Leia mais

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP

Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP Prof. Danilo Pastorelli Mestre em Economia UNESP Graduado em História UNESP Graduando em Pedagogia UNESP prof.danilopastorelli@saojudas.br características gerais intenso crescimento do PIB intenso crescimento

Leia mais

Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD

Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD Trabalho de Conclusão da Disciplina-TCD História Anos 50: Era das proteínas Anos 70: Fiasco da proteínas Natureza multifatorial Descrição Desnutrição Energético- Proteico Definição Causas Ingestão insuficiente

Leia mais

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia

Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Aula Data 1 29/out 1 30/out Ter 2 31/out Qua 2 1/nov Qui Sugestão de cronograma das aulas de Introdução à Economia Conteúd o Especificado Economia: análise (ec. positiva ) e política (ec. normativa ),

Leia mais

IBGE DIVULGA ATUALIZAÇÃO DO RETRATO DO COMÉRCIO BRASILEIRO

IBGE DIVULGA ATUALIZAÇÃO DO RETRATO DO COMÉRCIO BRASILEIRO IBGE DIVULGA ATUALIZAÇÃO DO RETRATO DO COMÉRCIO BRASILEIRO Pesquisa Anual de Comércio radiografou as principais variáveis do comércio no Brasil ao fim do ciclo de forte expansão do setor. Entre 2007 e

Leia mais

Sonhos de consumo dos brasileiros. Janeiro 2015

Sonhos de consumo dos brasileiros. Janeiro 2015 1 Sonhos de consumo dos brasileiros Janeiro 2015 2 Objetivo, Metodologia e Amostra Objetivo Identificar o comportamento dos brasileiros para decisão de compra, planejamento e aquisição do sonho de consumo.

Leia mais

Desemprego. Copyright 2004 South-Western

Desemprego. Copyright 2004 South-Western Desemprego 20 Desemprego Há dois tipos de desemprego: de curto prazo e de longo prazo. Desemprego de longo prazo: taxa natural de desemprego na economia. Por exemplo: tempo médio que leva para uma pessoa

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades.

Estratégia de Desenvolvimento Regional, Política Pública Negociada e Novas Institucionalidades. Seminário Internacional. Desarrollo Económico Territorial: nuevas praxis em América Latina y el el Caribe em el siglo XXI CEPAL/ILPES, Santiago de Chile, 19 al 21 de octubre de 2010 Estratégia de Desenvolvimento

Leia mais

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi

Direito Societário IV. Prof. Henrique Subi Direito Societário IV Prof. Henrique Subi 1 8. Sociedades institucionais 8.1. Sociedade em comandita por ações - Tem o capital dividido em ações - Os diretores possuem responsabilidade ilimitada pelas

Leia mais

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti.

Obesidade Infantil. Nutrição & Atenção à Saúde. Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. Obesidade Infantil Nutrição & Atenção à Saúde Grupo: Camila Barbosa, Clarisse Morioka, Laura Azevedo, Letícia Takarabe e Nathália Saffioti. A Obesidade Infantil O Problema da Obesidade Infantil É uma doença

Leia mais

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 12, nº 2, Novembro, 2006, Encarte Tendências. p

cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol. 12, nº 2, Novembro, 2006, Encarte Tendências. p cesop OPINIÃO PÚBLICA, Campinas, Vol., nº, Novembro, 00, Encarte Tendências. p. - Este Encarte Tendências tem como tema principal a imagem atual dos partidos para o eleitorado brasileiro. Especificamente,

Leia mais

EFEITO DO ESTATUTO DO DESARMAMENTO SOBRE O CONSUMO DE ARMAS DE FOGO

EFEITO DO ESTATUTO DO DESARMAMENTO SOBRE O CONSUMO DE ARMAS DE FOGO EFEITO DO ESTATUTO DO DESARMAMENTO SOBRE O CONSUMO DE Aluno: Thaís Figueiredo Dana Orientador: João Manoel Pinho de Mello Introdução A violência é um tópico que ganhou destaque nos últimos anos e, por

Leia mais

Mostra de Projetos Projeto Municipal + Leite das Crianças

Mostra de Projetos Projeto Municipal + Leite das Crianças Mostra de Projetos 2011 Projeto Municipal + Leite das Crianças Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: Projetos Finalizados Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal de Paranavaí - Secretaria

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016

A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL MARÇO 20 MARÇO - 2017 A presença feminina no mercado de trabalho do Distrito Federal 2016 Entre 2015 e 2016, o nível de ocupação no Distrito

Leia mais

b) Determinar as raízes de f(x) = g(x) quando m = 1/2. c) Determinar, em função de m, o número de raízes da equação f(x) = g(x).

b) Determinar as raízes de f(x) = g(x) quando m = 1/2. c) Determinar, em função de m, o número de raízes da equação f(x) = g(x). 1. (Fuvest 2004) Seja m µ 0 um número real e sejam f e g funções reais definidas por f(x) = x - 2 x + 1 e g(x) = mx + 2m. a) Esboçar, no plano cartesiano representado a seguir, os gráficos de f e de g

Leia mais

ECO Economia Brasileira

ECO Economia Brasileira Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2012 ECO 112 - Economia Brasileira Eloi Martins Senhoras Available at: http://works.bepress.com/eloi/115/

Leia mais

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA

CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA CONGRESSO NACIONAL COMISSÃO MISTA DE PLANOS, ORÇAMENTOS PÚBLICOS E FISCALIZAÇÃO PROJETO DE LEI DE REVISÃO DO PLANO PLURIANUAL PARA 2004-2007 (Projeto de Lei nº 41/2005-CN) PARECER DA COMISSÃO SUBSTITUTIVO

Leia mais

Realização: Conselho Setorial da Industria do Vestuário do Paraná

Realização: Conselho Setorial da Industria do Vestuário do Paraná Realização: C Conselho Setorial da Industria do Vestuário do Paraná OBJETIVO Promover a moda paranaense e gerar negócios! VISIBILIDADE Inserir o Paraná no calendário nacional do setor. COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

MUNDO DO TRABALHO E PROCESSO SAÚDE-DOENÇA. Profª Maria Dionísia do Amaral Dias Deptº Saúde Pública Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP

MUNDO DO TRABALHO E PROCESSO SAÚDE-DOENÇA. Profª Maria Dionísia do Amaral Dias Deptº Saúde Pública Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP MUNDO DO TRABALHO E PROCESSO SAÚDE-DOENÇA Profª Maria Dionísia do Amaral Dias Deptº Saúde Pública Faculdade de Medicina de Botucatu UNESP Março/2015 ABORDAR algumas características do mundo do trabalho

Leia mais

Políticas salariais em tempos de crise 2010/11

Políticas salariais em tempos de crise 2010/11 Políticas salariais em tempos de crise 2010/11 Organização Internacional do Trabalho travail@ilo.org PARTE I: Salários na Crise Econômica e Financeira Crescimento global dos salários mensais reduzido pela

Leia mais

TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER. Implementação e implantação da Secretaria ou Departamento dos Direitos e das Políticas para a Mulher.

TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER. Implementação e implantação da Secretaria ou Departamento dos Direitos e das Políticas para a Mulher. TEMA: 1 - A MULHER NOS ESPAÇOS DO PODER DIF IC UL DAD ES A falta de recursos financeiros (orçamentos específicos para a área) dos entes federados. Desconhecimento dos Conselhos dos Direitos da Mulher Falta

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais