Ceifas, malhas e desfolhadas em terras do Dão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ceifas, malhas e desfolhadas em terras do Dão"

Transcrição

1 Ceifas, malhas e desfolhadas em terras do Dão por José Manuel Azevedo e Silva in separata da revista MUNDA, nº 5 Coimbra, 1983 O povo, mesmo pobre e analfabeto, é um repositório de autêntica sageza, na riqueza da tradição que não exclui inovação e adaptação e na força criadora da poesia, da música, dos contos, das adivinhas, dos ensalmos, do fabrico de artefactos, completamente desconhecida da gente das cidades, mas que constitui o cerne da Na ção. (Orlando Ribeiro, Nota Preliminar a Vilarinho da Furna, de Jorge Dias, 1981) Além do cultivo da vinha, é tradicional na região do rio Dão a cultura dos cereais de pragana. Desde muito cedo, talvez desde o Neolítico Peninsular, que aqui se cultiva o trigo, o centeio e a cevada, indispensável à fabricação do pão que, com a castanha, constituíram, durante muitos séculos, a base da alimentação das gentes desta região; Nos últimos dois séculos, porém, a base alimentar do beirão sofreu gradualmente significativa alteração. Assim, enquanto que os cereais de pragana cederam parte do seu papel alimentar a um outro cereal novo o milho grosso de maçaroca a castanha foi substituída pela batata. O milho grosso, introduzido em Portugal no século XVI, nos campos de Coimbra, foi-se difundindo por todo o país, mais rapidamente numas que noutras regiões. É de crer que cedo tivesse subido os vales do Mondego e do Dão, mas só a partir do século XVIII se começou a generalizar o seu cultivo. Tratando-se dum cereal de Verão, a generalização do cultivo do milho em Portugal veio complementar a produção agrícola e, até certo ponto, colmatar a tradicional carência de cereais panificáveis, atenuando a fome e as consequentes epidemias e desencadeando um apreciável surto demográfico, o que levou Orlando Ribeiro a falar duma «revolução do milho». Mas continua a cultivar-se na região bastante centeio, cevada e algum trigo. Antes da chegada das malhadeiras e ceifeiras mecânicas a estas paragens, por volta dos anos sessenta do nosso século, todo este trabalho era feito pelo braço das ceifeiras, ceifeiros e malhadores. Além dos cereais, ceifa-se também a erva de semente, deixada crescer nos lameiros para garantir a sementeira dos pastos do ano que vem e ainda a erva para a manjedoura do gado e o feno para o Inverno. A erva de semente é ceifada antes de secar completamente para que se não debulhe ao ceifar e, em seguida, é atada em molhinhos que, pela sua semelhança com uma figura de mulher sentada no chão, ao serem postos na vertical, são chamados «meninas» ou «bonecas». Uma vez criado o cereal, homens e mulheres, vergados sob sol ardente, empunhando seitoiras (foices) e delineando o eito de acordo com o número de ceifeiros, atacavam decididamente a seara. Nas últimas décadas, a par da seitoira, passou também a usar-se a gadanha. É uma folha de aço meio curva e muito bem afiada, munida dum cabo da altura do ceifador que permite ao gadanheiro segar de pé, agarrando com a mão esquerda na ponta do cabo e, com a direita, numa pequena mãozinha cravada transversalmente ao meio do cabo. Atrás, alguns homens iam atando com vincelhos o cereal ceifado em molhos que depois se dispunham cuidadosamente em montes, construídos de forma cónica, de modo a que o cereal fosse secando pela sua disposição ao sol e, ao mesmo tempo, ficasse protegido contra os eventuais aguaceiros da época. A estes amontoados de molhos de cereal chama-se na região rolheiros, se contêm menos de uma dúzia de molhos, e medas, se o monte é maior, comportando, por vezes, várias dezenas de molhos.

2 Passadas algumas semanas, em Julho/Agosto, quando os trabalhos agrícolas vagam um pouco, os molhos são tirados dos rolheiros e das medas e carreados para a eira ou «lagem». Esta última designação, sem dúvida a mais vulgarizada, advém do facto de nos primórdios serem utilizados para as malhas os lajedos naturais, só depois melhorados com blocos de granito justapostos horizontalmente. Nos tempos modernos, muitas eiras foram aumentadas ou construídas de novo em blocos graníticos e, mais recentemente, em plataformas de cimento. A malha é a operação de debulha dos cereais, quer do milho, quer dos cereais de pragana. A designação provém do objecto fundamental da debulha, o malho, nesta região conhecido por mangual, O mangual é um utensílio rudimentar, feito essencialmente de duas peças de madeira: o pírtigo, de cerca de meio metro de comprimento, feito dum pau pesado e duro, normalmente de figueira, e a mangueira, de cerca de 1,5 m, feita dum pau leve mas resistente, preferentemente de sabugueiro ou de castanho. As duas peças são ligadas uma à outra pela meã que funciona como charneira entre a casula de ferro que termina em argola, enfiada na ponta da mangueira, e a dobra do fato do pírtigo. A meã e o fato são de couro de boi, bem como as correias, as quais terminam com um dispositivo de segurança, a segurelha, cuja função é segurar e ajustar o fato ao pírtigo. Além do mangual, outras alfaias eram utilizadas na malha: ancinhos e forquilhas para manejar a palha (os ancinhos de preferência com os dentes de madeira); vassouras e vassouros de giesta para varrer a eira; o rodo para juntar o cereal, bem como para o espalhar na eira; os cestos e outro vasilhame para erguer o grão e limpá-lo das praganas e outras partículas pela acção do vento; a pá para ensacar o cereal, depois de bem limpo e bem seco, pronto para ser guardado nos arcazes, sem perigo de apanhar gorgulho. Embora a malha seja um trabalho duro e essencialmente reservado aos homens, as mulheres também têm um papel importante a desempenhar: umas chegam os molhos, seguram a beira com o ancinho, ajudam a tirar a palha e servem o vinho, outras preparam as refeições (o dejejum ou mata-bicho, o almoço, a piqueta, o jantar e a merenda) lançando mão da coelheira, da capoeira, do fumeiro e da salgadeira. O trabalho é duro e, como diz o lavrador, «da barriga puxa o boi e de casa se manda a gente».

3 A malha do milho, muito embora utilize a eira e sensivelmente as mesmas alfaias, é muito diferente da do cereal de pragana, quer na técnica utilizada, quer pelo facto de ser despida de qualquer cerimonial campesino. O ritual ocorre sim, mas na desfolhada ou descasca, como veremos adiante. A malha dos cereais de pragana, particularmente a do centeio, era acompanhada dum ritual próprio. Em tempos mais recuados, este trabalho era em grande parte feito pelo sistema de permuta ou torna. Os lavradores combinavam as suas malhas em dias diferentes, juntando-se um dia na malha de um, outro dia na de outro e assim por diante até que todos os que se agruparam tivessem a malha feita. Para fugir às inclemências do sol, o pessoal levantava-se cedo, para que, ao romper da aurora, já estivesse na eira.

4 E, de imediato, lançavam mãos à obra. Começavam por dispor o cereal em camadas sobrepostas, de tal modo que as espigas ficassem na parte de cima. Então, os malhadores, mangual em punho, dispunham-se frente a frente em duas filas iguais (três, quatro, cinco, seis ou mais em cada fila) e começavam por delinear eitos paralelos ao lado da eira para o qual ficaram voltadas as espigas, batendo rítmica e alternadamente com os manguais. Depois de algumas dezenas de mangualadas e uma vez malhado o primeiro troço do eito, uma fila recuava dois pequenos paços, a outra avançava outros dois, continuando assim até ao fim desse eito. Em seguida, sem parar de malhar, retomavam novo eito paralelo ao anterior, seguindo a mesma técnica, apenas com uma diferença: a fila que dantes avançava recua agora e voltará a avançar no eito seguinte. E assim por diante até chegar ao fim da eira. Terminada esta fase, o cereal era virado na eira, novamente em camadas paralelas, mas com as espigas voltadas para o lado oposto, repetindo-se a operação anterior com os manguais. Tal como na primeira fase, os malhadores começavam a malhar do lado para onde ficaram voltadas as espigas, ou seja, do lado da eira oposto ao anterior. Tanto a ceifa como a malha eram trabalhos de colheita. Por isso, eram acompanhados de descantes, à mistura com certa algazarra e muita alegria, num verdadeiro ambiente de festa. Para o laborioso povo campesino, a festa é irmã do trabalho. Uma festa que, tendo por mordomo-mor a Natureza, nos transmite a frescura e o encanto de uma arte de viver o ciclo da vida (nascimento, crescimento, maturidade e morte) e o ciclo do trabalho campestre [lavrar, semear, tratar e colher). Mas enquanto que na ceifa os cânticos eram os mais diversos, nomeadamente os alusivos aos santos populares, dada a proximidade das festas de Santo António, S. João e S. Pedro, a malha tinha a sua canção própria que, com algumas variantes, se cantava em toda a região. As quadras e a música que a seguir apresentamos foram recolhidas em Tibaldinho, povoação situada no coração da Beira Alta e da região do Dão. A música das malhas é lenta, dolente e cadenciada ao ritmo e ao compasso das pancadas dos manguais. É dividida em duas frases semelhantes, apenas com a diferença de que a primeira termina a duas e a segunda a três vozes.

5 O movimento rítmico dos corpos desperta o desejo de cantar, sobretudo depois de aquecerem com o esforço e com o vinho. Quanto aos versos, são quadras de pura feição popular, sendo curiosamente repetidos o primeiro e o terceiro versos de cada quadra. (i) Recolha e escrita musical do autor. 1 Nosso amo tem uma vaca, Também tem um bezerrinho; A vaca chama-se andúvia, O bezerro anduvinho. 2 P'rás bandas dalém do rio, Tem meu pai uma tapada; De dia rega-a o sol, De noite a orvalhada. 3 Lá abaixo vem a raposa, Carregada de cebolas; Vem de jurar a verdade, Qua as há-de comer todas. 4 Â porta do Santo António, Está um ramo de loureiro; Olhem a pouca vergonha, Fazem do santo vendeiro.

6 5 Nosso amo anda triste, Por o Sol já ir baixinho; Não se entristeça meu amo, Que o Sol vai devagarinho. 6 Ao dar da palha, ao dar da palha, Ao dar da palha, ao dar da beira, Venha o vinho, venha o vinho, Venha o vinho à carreira. Embora o fim último do conteúdo de todas as quadras seja pedir o vinho ao patrão, achamos que vale a pena analisar cada uma delas em particular. Na primeira quadra, os malhadores aludem a uma vaca e a um bezerrinho que o patrão pode ter ou não ter, o que, para o caso, pouco interessa. O que é interessante é a forma subtil como baptizaram a vaca para, por simples derivação morfológica da palavra, baptizarem o bezerro de «anduvinho», numa clara alusão ao derivado da uva. A segunda e a terceira quadras parecem, à primeira vista, que nada se relacionam com o vinho. Porém, na linguagem campesina, assim não acontece. Tal como a tapada, a garganta dos cantadores está seca e precisa de ser regada, não com o sol e a orvalhada, mas com bom vinho. Porquê e para quê a história da raposa carregada de cebolas, jurando que as há-de comer todas? É que a cebola é enófila. Por isso, no espírito do camponês, a ideia de cebola está intimamente associada à ideia de vinho. Deste modo, recorrendo inconscientemente à pavlóvica teoria do reflexo condicionado, ao falarem na cebola estão sub-repticiamente a lembrar ao amo que mande a patroa ou o filho mais novo trazer o vinho. Na quarta quadra, os malhadores recorrem ao típico ramo de loureiro colocado, como bandeira a meia haste, à porta da venda (taberna)(1). Desta vez, não se sabe nem interessa quem (fértil imaginação poética a dos camponeses!...), pôs um ramo de loureiro à porta de Santo António, fazendo do santo vendeiro. Inqualificável desfaçatez! Mas isso pouco importa. A linguagem utilizada nesta quadra é eficaz nos objectivos a atingir, pelo que o garrafão, a garrafa ou a tradicional cabaça não se farão esperar. A quinta quadra também não alude explicitamente ao vinho. Porém, mais uma vez a psicologia campesina recorre a um tipo de linguagem que arranca ao subconsciente a ideia de vinho. É que o melhor antídoto para a tristeza é o vinho. Por outro lado, há ainda muito que jardar, pois o Sol, embora já baixinho, vai devagarinho. Na última quadra, os malhadores não estão com subterfúgios e vão direitos ao assunto: «ao dar da palha, ao dar da beira, venha o vinho à carreira». No final de cada uma das duas fases da eirada, as mulheres apanhavam com ancinhos as espigas que tinham saltado para fora, colocando-as em redor da eira, mas dentro desta, por cima da palha, a fim de serem também malhadas. Nesta altura, é da praxe uma rodada de vinho e os malhadores não se fazem rogados, pedindo-o descaradamente. Por isso, esta quadra, embora apresentada em último lugar, não significa que fosse a última a ser cantada. Ela era cantada tantas vezes quantas as beiras a malhar. (1) Na região de Entre Douro e Minho, mais particularmente no concelho de Ponte de Lima, é frequente ver-se por cima ou ao lado da porta de entrada para a taberna, uma imagem de Santo António esculpida, com a intenção de livrar o taberneiro dos maus olhados e dos caloteiros.

7 Aliás, também não era obrigatório que as restantes quadras fossem cantadas pela ordem por nós apresentada, embora fosse o critério mais frequente. Contudo, havia que adaptá-las às circunstâncias. Dependia muito da maneira como o patrão se comportava a mandar servir o vinho. Os malhadores não cantavam sempre que malhavam. Havia o período de aquecimento até chegar o momento azado para a cantoria. E, mesmo quando cantavam, havia um certo intervalo entre as quadras. Ao iniciarem cada troço do eito, malhavam mais docemente para amaciar a palha e não quebrar as espigas, iam aumentando gradualmente a pancada e, de quando em vez, lá ia uma, duas ou mais quadras. Por vezes, antes de passarem ao troço seguinte, entravam em renhido despique, para ver a fila que mais forte malhava. Quando assim acontecia, as pancadas eram acompanhadas por uma espécie de roncos (há, há, há...), produzidos pela súbita passagem do ar na garganta ofegante, o que ainda mais lhes estimulava as forças. Ao longe, os estrondos dos malhos pareciam estoiros de morteiros. Depois, passavam ao troço seguinte com pancadas leves, aumentando a pouco e pouco o ímpeto e, a todo o momento, podia acontecer o retomar dos descantes. Este duro trabalho, iniciado de manhã cedo, era interrompido para o almoço (cerca das 8 horas), para a piqueta (cerca das 10 horas), para o jantar (cerca das 13 horas) seguido da retemperante sesta e, se o trabalho não ficou concluído, por uma substancial merenda à tardinha. Havia ainda outras curtas interrupções para empinar a cabaça. Nos últimos dois séculos, como vimos, o milho grosso de maçaroca veio reforçar substancialmente as possibilidades alimentares das gentes desta região. Com efeito, as grossas espigas de maçaroca não substituíram as esguias espigas praganosas. O milho surge, pois, como cereal em tudo complementar: é um cereal de Verão, enquanto que os cereais de pragana são de Inverno; é sachado em vez de mondado; é regado, enquanto que os cereais de Inverno o não são; prefere as terras fundas dos lameiros que forneceram as pastagens para o gado durante o Inverno, enquanto que os restantes cereais preferem as terras secas, pois nas terras muito húmidas azougam; permite ser cultivado nas terras onde foram criados os outros cereais, desde que essas terras sejam susceptíveis de serem regadas; os trabalhos da cultura do milho começam praticamente quando acabam os dos cereais de pragana. O milho é um cereal que requer muito trabalho. Além da sementeira e da sacha tem de ser regado várias vezes, consoante o rigor do estio e a qualidade da terra. Depois da utilização dos adubos químicos, leva geralmente uma adubagem com a primeira rega. Na mesma terra do milho pode ainda cultivar-se simultaneamente o feijão, o chícharo. o grão-de-bico, a abóbora, etc. Fornece também material para a alimentação e para a cama do gado. Pode, pois, dizer-se que uma boa cultura de milho enche a casa e a palheira. Quando o milho fica com a barba seca, escana-se, isto é, corta-se a cana que fica na parte superior do milheiro, acima da maçaroca. A parte inferior do milheiro chama-se toro. Antes de ser cortada a cana, flutua lá na ponta a bandeira (a flor masculina, ao passo que a barba constitui a flor feminina). As canas são postes a secar ao sol durante alguns dias e depois são juntas em camadas sobrepostas formando moreias, de modo a continuarem a apanhar sol, resguardando-se ao mesrno tempo das orvalhadas nocturnas e das chuvas, Passado algum tempo e antes das previsíveis chuvas outonais, desmancham-se as moreias e fazem-se faixas de palha para serem guardadas no palheiro. São as chamadas faixas de palha de ponta, principal manjar do gado bovino. Cerca de um mês depois de escanado, o milho fica maduro. Então, cada milheiro é ceifado com a seitoira. Depois, é junto em grandes rimas (serras de milho) na terra do milharal ou então é levado em carros ou carroças para junto da eira. Aprazado o dia para a desfolhada (casca ou descasca como aí se diz) aparecem os familiares, vizinhos e amigos. Dispõem-se à volta da serra de milho e começa a desfolhada que consiste no

8 retirar da maçaroca do folhelho que a envolve. É um trabalho alegre como todo o trabalho de colheitas. Canta-se, contam-se anedotas, contos, pilhérias ou adivinhas, conversa-se animadamente, tendo como música de fundo o «frufru» característico da palha seca em movimento. Todo este ambiente é bruscamente interrompido quando um cascador encontra o festejado milho rei o qual adquire o direito de abraçar todos os presentes. É o delírio geral. Os rapazes, por vezes, levam espigas de milho rei de casa, para apresentarem, no caso de não virem a ser bafejados pela sorte, conseguindo, assim, o direito de abraçar as raparigas. Travam-se, muitas vezes, renhidos despiques, para ver quem é melhor cascador, cascando à dúzia, ao quarteirão ou ao cesto cheio. Estes despiques aumentam naturalmente o ritmo de trabalho, aumentando logicamente as probabilidades de encontrar o desejado milho rei. Em muitos trabalhos agrícolas preside o espírito de competição que faz apelo ao natural sentido lúdico do homem, com que, de certo modo, suaviza a dureza do trabalho. Na medida em que se trata de arrecadar o produto de um ano de labor, o trabalho das colheitas é sempre feito em ambiente de grande satisfação e alegria. Se o ano foi bom, as tulhas e os arcazes ficam cheios, o que dá uma satisfação redobrada. Se foi mau, resta a esperança dum melhor ano que vem. Com a debulhadora mecânica, sem comezainas, sem cânticos, sem a alegria contagiante do numeroso grupo de pessoas que povoava a eira, a malha tornou-se um trabalho como outro qualquer e o ritual campesino que lhe estava associado, desapareceu. Daí que tenhamos empreendido a tarefa de recolha destes usos e costumes do mundo campesino e a sua publicação em letra de forma, para que, pelo menos de modo descritivo, permaneçam no nosso espírito e os possamos legar às gerações vindouras. Como escreveu Almeida Garrett («Romanceiro», 1843) «o tom e o espírito verdadeiro português esse é forçoso estudá-lo no grande livro nacional, que é o povo e as suas tradições e as suas virtudes e os seus vícios e as suas crenças e os seus erros». E J. Leite de Vasconcelos (Etnografia Portuguesa, 1933) acrescenta que «diante dos aumentos da civilização que se alastra pelas múltiplas camadas sociais, e que portanto destrói mais ou menos as tradições, sobretudo aquelas que estão em contraste com ela, importa indagar com urgência as que ainda restam (...). Acudamos a tudo, enquanto é tempo!». Ontem como hoje, é patente a preocupação em preservar a riqueza das tradições culturais, verdadeiro subconsciente do povo, inesgotável fonte onde constantemente vai beber o consciente colectivo. José Manuel Azevedo e Silva Assistente da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

Viagem de Santo António

Viagem de Santo António Ficha de transcrição / São Pedro do Sul / Viagem de Santo António Viagem de Santo António Classificação: Conto Assunto: No tempo das ceifas, em Manhouce, dois lavradores vão juntos colher o centeio confiando

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Caderno de actividades

Caderno de actividades Caderno de actividades Para responderes correctamente às perguntas que se seguem, talvez queiras ler o livro Era uma Vez uma Casa, à venda no Sítio do Livro, e também visitar o sítio infanto-juvenil www.barry4kids.net.

Leia mais

Michel Giacometti : 80 anos, 80 imagens

Michel Giacometti : 80 anos, 80 imagens I Paisagem e Arquitectura 684/01 Vista Parcial Meã, Parada de Ester, Castro d Aire Agosto 1963 A aldeia da Meã, localizada na Serra de Montemuro, à beira do Rio Paiva, remonta as suas origens à Alta Idade

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Recolhas Etnográficas Trajos. Autoria. Comissão Técnica GFCB

Recolhas Etnográficas Trajos. Autoria. Comissão Técnica GFCB Recolhas Etnográficas Trajos Autoria Comissão Técnica GFCB FICHA ETNOGRÁFICA:n.º Assunto: Trajo de trabalho Data da Recolha: 07/1967 Objecto: Ceifeira Época em que foi usado: Inicio do séc. XX (1920/1930)

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

2009, Ivo Dias de Sousa Todos os direitos reservados ISBN: 9789892311692

2009, Ivo Dias de Sousa Todos os direitos reservados ISBN: 9789892311692 2009, Ivo Dias de Sousa Todos os direitos reservados ISBN: 9789892311692 [uma chancela do grupo LeYa] Rua Cidade de Córdova, n. 2 2610-038 Alfragide Telef.: (+351) 21 427 2200 Fax: (+351) 21 427 2201 http://twitter.com//luadepapel

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

I.ª Parte. Nome: Ano: Lê o texto que se segue com muita atenção.

I.ª Parte. Nome: Ano: Lê o texto que se segue com muita atenção. Nome: Ano: Turma: Classificação: I.ª Parte Lê o texto que se segue com muita atenção. O JARDIM DO TIO RICARDO O meu tio Ricardo tem um jardim. Como gosta muito de flores e de árvores e outras plantas e

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro A Rainha, o guarda do tesouro e o papel que valia muito ouro Há muito, muito tempo atrás, havia uma rainha que governava um reino chamado Portugal. Essa rainha chamava-se D. Maria I e como até tinha acabado

Leia mais

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de

QUESTÃO 1 Nessa charge, o autor usou três pontos de exclamação, na fala da personagem, para reforçar o sentimento de Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para a questão 1. (Disponível em: )

Leia mais

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar Tempo de pensar no que virá Planejar Hámomentos em nossa vida em que temos duas opções: Desistir Recomeçar Quando a VIDA decepciona João

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Esta semana iremos tentar aprender a dar. A dar aos que mais precisam. E vamos ver que Dar é BRU TAL!!!! Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas

Leia mais

Viagem de estudo extraordinária

Viagem de estudo extraordinária Viagem de estudo extraordinária Caravela em cristal No dia 11 de outubro fomos a uma viagem de estudo a Alcobaça. -Primeiro fui à fábrica de cristal chamada Atlantis. Eu aprendi que as matérias-primas

Leia mais

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental

Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha. Ensino Fundamental Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha Ensino Fundamental Turma: PROJETO INTERPRETA AÇÂO (INTERPRETAÇÃO) Nome do (a) Aluno (a): Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

VI JORNADAS DE ETNOBOTÂNICA III Fim-de-semana DA URTIGA 13,14 e 15 de Maio de 2011

VI JORNADAS DE ETNOBOTÂNICA III Fim-de-semana DA URTIGA 13,14 e 15 de Maio de 2011 VI JORNADAS DE ETNOBOTÂNICA III Fim-de-semana DA URTIGA 13,14 e 15 de Maio de 2011 PROGRAMA Segundo o autor cubano, Jorge Onélio Cardozo, o ser humano tem duas grandes fomes, a de pão e a de beleza; a

Leia mais

8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS GABARITO

8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS GABARITO 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS GABARITO 1. A alternativa que melhor completa a frase abaixo é: Até agora, você queria conhecer os das coisas existentes. Daqui para a frente, acrescente outra pergunta:

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Lição 9 Completar com Alegria

Lição 9 Completar com Alegria Lição 9 Completar com Alegria A igreja estava cheia. Era a época da colheita. Todos tinham trazido algo das suas hortas, para repartir com os outros. Havia muita alegria enquanto as pessoas cantavam louvores

Leia mais

Já tinha muito tempo que queríamos pescar no rio Uruguai, é claro, buscando os esportivos Dourados.

Já tinha muito tempo que queríamos pescar no rio Uruguai, é claro, buscando os esportivos Dourados. Relato da pescaria em Porto Xavier - Março de 2013 Texto: Jamanta. Fotos: Jamanta, Klaus, Cristiano e Ike. Já tinha muito tempo que queríamos pescar no rio Uruguai, é claro, buscando os esportivos Dourados.

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

2009 Gilberto Gonçalves

2009 Gilberto Gonçalves No ano de 2004, um grupo de amigos pertencentes aos Bombeiros Voluntários de Fafe decidiu juntar-se para preparar uma pequena brincadeira para a festa de aniversário da Associação Humanitária, recorrendo

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração do Centro de Especialidades Odontológicas de Campo Limpo São Paulo-SP, 20 de outubro de 2004 Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O PEQUENO DE GIDEÃO

Bíblia para crianças. apresenta O PEQUENO DE GIDEÃO Bíblia para crianças apresenta O PEQUENO EXÉRCITO DE GIDEÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II

A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Meditação Crianças de 10 a 11 anos NOME: DATA: 03/03/2013 PROFESSORA: A CRIAÇÃO DO MUNDO-PARTE II Versículos para decorar: 1 - O Espírito de Deus me fez; o sopro do Todo-poderoso me dá vida. (Jó 33:4)

Leia mais

Para onde vou Senhor?

Para onde vou Senhor? Para onde vou Senhor? Ex 40:33-38 "Levantou também o pátio ao redor do tabernáculo e do altar e pendurou a coberta da porta do pátio. Assim, Moisés acabou a obra. Então a nuvem cobriu a tenda da congregação,

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Aluno (a): Turma: 2º Ano Professora: Data de entrega: Valor: 20 pontos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Leitura e interpretação de textos

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

Capítulo 1. Festas da Cidade

Capítulo 1. Festas da Cidade Capítulo 1 Festas da Cidade Festas da Cidade 6 de abril de 10 000 a.c. 10h00 domingo Domesticar! 7 É esta a nova palavra que teremos de aprender, se quisermos a nossa cidade cada vez mais moderna! gritou

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português

endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Disciplina: Prova: português Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 6.O ANO EM 2013 Colégio Disciplina: Prova: português desafio nota: Texto para as questões de 1 a 3. Material: 1 xícara quase cheia de farinha

Leia mais

João e o pé de feijão ESCOLOVAR

João e o pé de feijão ESCOLOVAR João e o pé de feijão ESCOLOVAR Era uma vez um rapaz chamado João que vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe era desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes.

Leia mais

Até quando uma população pode crescer?

Até quando uma população pode crescer? A U A UL LA Até quando uma população pode crescer? Seu José é dono de um sítio. Cultiva milho em suas terras, além de frutas e legumes que servem para a subsistência da família. Certa vez, a colheita do

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa

10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa 10 coisas que cachorros ensinam sobre o que de fato importa Cães são uma fonte constante de amor e diversão, mas, além disso, nos ensinam algumas das maiores lições de nossas vidas Debbie Gisonni, do Cachorro:

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

Conte comigo... Igreja... Quem está disposto a servir a Deus, através dela?

Conte comigo... Igreja... Quem está disposto a servir a Deus, através dela? Conte comigo... Igreja... Quem está disposto a servir a Deus, através dela? Mateus 13.24-30 - A parábola do joio 24 Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM

OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM OS AMIGOS NÃO SE COMPRAM Era o dia 22 de dezembro. O Natal aproximava-se e o Pai Natal estava muito atarefado a preparar os sacos com os brinquedos. Muito longe dali, em Portugal, um menino chamado João

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

UM FORTE HOMEM DE DEUS

UM FORTE HOMEM DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso

6D Estúdio. promessa de ir além das 3 dimensões. Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso 6D Estúdio promessa de ir além das 3 dimensões Eles eram seis e, hoje, são sete sócios trabalhando do design impresso ao design em movimento, em vídeo ou internet. Eles unem diferentes conhecimentos técnicos

Leia mais

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA

FOTO-AVENTURA. Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100. 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA FOTO-AVENTURA Nikon D600. 85mm. f/16. 10. ISO 100 10 zoom - FOTOGRAFIA PRÁTICA Nova Zelândia CADA QUILÓMETRO É UMA POTENCIAL FOTOGRAFIA IR AO OUTRO LADO DO MUNDO APENAS PARA FOTOGRAFAR NÃO É PARA QUALQUER

Leia mais

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa

Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 12 Campanha de Advento Setor da Catequese do Patriarcado de Lisboa 2 Jogo da corrida das ovelhas 11 1. Monta-se o presépio (8 de dezembro). 2. Faz-se um caminho para a manjedoura. 3. Cada elemento da família

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8

Livro de Nuno Afonso CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES. 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 CENTRO CULTURAL MESTRE JOSÉ RODRIGUES 8 de Agosto 15.00 horas 1 / 8 Apresentação do livro de Nuno Baptista-Afonso Nuno Baptista-Afonso nasceu em Mirandela, em 1979, mas é um Alfandeguense, pois aqui foi

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett

1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett 1. Frei Luís de Sousa Almeida Garrett De entre as alternativas a seguir apresentadas, escolhe a que te parecer mais correcta, assinalando com um círculo. 1.1. O autor da obra Frei Luís de Sousa é A. Camões.

Leia mais

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 Puxa um banco ou uma cadeira O Sr. António fabrica na sua oficina de marcenaria bancos e cadeiras de madeira. Os bancos e as cadeiras têm pés exactamente iguais. Cada banco leva 3 pés e cada cadeira tem

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org Histórias Tradicionais Portuguesas Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO DE PINTO PINTÃO VAMOS CONHECER O LIVRO A CAPA A CONTRACAPA A LOMBADA Observa a capa do livro e responde: 1.Título 2. Nome da autora 3.

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL?

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? Cândida Penteado CBES Marinhais Alice Mendonça Universidade da Madeira Objectivo do estudo: determinar se os estereótipos de género se

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu lado concreto

Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu lado concreto Universidade Severino Sombra Fundamentos Teóricos e Metodologia de Matemática 1 1 Com uma coleção de figuras e de formas geométricas que mais parecem um jogo, mostre à turma que os números também têm seu

Leia mais

Alguns exemplos de problemas resolvidos

Alguns exemplos de problemas resolvidos Alguns exemplos de problemas resolvidos Partilhamos contigo alguns problemas e respetivas resoluções que selecionámos, para ilustrar todo este desafiante processo de resolução de problemas. Vais reparar

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 739 /1.ª Chamada 1.ª Fase / 2008 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas

COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? e as oficinas têm de se adaptar às novas COMO GERIR A OFICINA EM TEMPOS DE CRISE? 1 1 Com esta crise, já não há filas à porta das oficinas, nem listas de marcações com vários dias de espera. Era bom, era, mas já foi! Os tempos são de mudança

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena

Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Associação Juinense de Educação Superior do Vale do Juruena Faculdade de Ciências Contábeis e Administração do Vale do Juruena Curso: Especialização em Psicopedagogia Módulo: Noções Fundamentais de Direito

Leia mais

ECOLOGIA NO MEU TEMPO

ECOLOGIA NO MEU TEMPO ECOLOGIA NO MEU TEMPO Na fila do supermercado, o caixa diz a uma senhora idosa que ela deveria trazer suas próprias sacolas para as compras, uma vez que os sacos de plástico não são amigáveis ao meio ambiente...

Leia mais

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira Aluno: Camila Aparecida Pinto Serie: 7º ano A política brasileira Na política brasileira, existe uma grande chaga aberta e crescente já se tornou grande praga. Doença maldita, domina e contamina a toda

Leia mais

Graduados, empreendedores lançaram-se estrada fora

Graduados, empreendedores lançaram-se estrada fora 2015-08-05 09:00:55 Uma das frases que mais se tem ouvido neste final do ano lectivo, dos recém licenciados, é que o que os espera é o desemprego. Outra palavra que hoje se ouve bastante é empreendadorismo.

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

7 Negócios Lucrativos

7 Negócios Lucrativos 7 Negócios Lucrativos CAPÍTULO 1 Mentalidade Geralmente empreendedores ficam caçando uma maneira nova de ganhar dinheiro constantemente, e de fato é isso que faz com que uns cheguem ao topo e outros não,

Leia mais

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO.

Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. Ap. Ozenir Correia TEMA: OPERAÇÃO JERICÓ X OPERAÇÃO LAVA JATO. TEXTO: 1 Entrando em Jericó, atravessava Jesus a cidade. 2 Eis que um homem, chamado Zaqueu, maioral dos publicanos e rico, 3 procurava ver

Leia mais

O trabalho com as cantigas e parlendas

O trabalho com as cantigas e parlendas O trabalho com as cantigas e parlendas nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 4 Cantigas e parlendas ajudam a introduzir a criança no mundo da leitura. Isso porque são textos

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI

Bíblia para crianças. apresenta O SÁBIO REI Bíblia para crianças apresenta O SÁBIO REI SALOMÃO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

Cada coisa no seu lugar

Cada coisa no seu lugar A U A UL LA M Ó D U L O 13 Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Cada coisa no seu lugar Cenatexto Hilda chega, finalmente, a sua casa. Os meninos estão todos encarapitados no velho sofá, com os olhos vidrados

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais