Ceifas, malhas e desfolhadas em terras do Dão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ceifas, malhas e desfolhadas em terras do Dão"

Transcrição

1 Ceifas, malhas e desfolhadas em terras do Dão por José Manuel Azevedo e Silva in separata da revista MUNDA, nº 5 Coimbra, 1983 O povo, mesmo pobre e analfabeto, é um repositório de autêntica sageza, na riqueza da tradição que não exclui inovação e adaptação e na força criadora da poesia, da música, dos contos, das adivinhas, dos ensalmos, do fabrico de artefactos, completamente desconhecida da gente das cidades, mas que constitui o cerne da Na ção. (Orlando Ribeiro, Nota Preliminar a Vilarinho da Furna, de Jorge Dias, 1981) Além do cultivo da vinha, é tradicional na região do rio Dão a cultura dos cereais de pragana. Desde muito cedo, talvez desde o Neolítico Peninsular, que aqui se cultiva o trigo, o centeio e a cevada, indispensável à fabricação do pão que, com a castanha, constituíram, durante muitos séculos, a base da alimentação das gentes desta região; Nos últimos dois séculos, porém, a base alimentar do beirão sofreu gradualmente significativa alteração. Assim, enquanto que os cereais de pragana cederam parte do seu papel alimentar a um outro cereal novo o milho grosso de maçaroca a castanha foi substituída pela batata. O milho grosso, introduzido em Portugal no século XVI, nos campos de Coimbra, foi-se difundindo por todo o país, mais rapidamente numas que noutras regiões. É de crer que cedo tivesse subido os vales do Mondego e do Dão, mas só a partir do século XVIII se começou a generalizar o seu cultivo. Tratando-se dum cereal de Verão, a generalização do cultivo do milho em Portugal veio complementar a produção agrícola e, até certo ponto, colmatar a tradicional carência de cereais panificáveis, atenuando a fome e as consequentes epidemias e desencadeando um apreciável surto demográfico, o que levou Orlando Ribeiro a falar duma «revolução do milho». Mas continua a cultivar-se na região bastante centeio, cevada e algum trigo. Antes da chegada das malhadeiras e ceifeiras mecânicas a estas paragens, por volta dos anos sessenta do nosso século, todo este trabalho era feito pelo braço das ceifeiras, ceifeiros e malhadores. Além dos cereais, ceifa-se também a erva de semente, deixada crescer nos lameiros para garantir a sementeira dos pastos do ano que vem e ainda a erva para a manjedoura do gado e o feno para o Inverno. A erva de semente é ceifada antes de secar completamente para que se não debulhe ao ceifar e, em seguida, é atada em molhinhos que, pela sua semelhança com uma figura de mulher sentada no chão, ao serem postos na vertical, são chamados «meninas» ou «bonecas». Uma vez criado o cereal, homens e mulheres, vergados sob sol ardente, empunhando seitoiras (foices) e delineando o eito de acordo com o número de ceifeiros, atacavam decididamente a seara. Nas últimas décadas, a par da seitoira, passou também a usar-se a gadanha. É uma folha de aço meio curva e muito bem afiada, munida dum cabo da altura do ceifador que permite ao gadanheiro segar de pé, agarrando com a mão esquerda na ponta do cabo e, com a direita, numa pequena mãozinha cravada transversalmente ao meio do cabo. Atrás, alguns homens iam atando com vincelhos o cereal ceifado em molhos que depois se dispunham cuidadosamente em montes, construídos de forma cónica, de modo a que o cereal fosse secando pela sua disposição ao sol e, ao mesmo tempo, ficasse protegido contra os eventuais aguaceiros da época. A estes amontoados de molhos de cereal chama-se na região rolheiros, se contêm menos de uma dúzia de molhos, e medas, se o monte é maior, comportando, por vezes, várias dezenas de molhos.

2 Passadas algumas semanas, em Julho/Agosto, quando os trabalhos agrícolas vagam um pouco, os molhos são tirados dos rolheiros e das medas e carreados para a eira ou «lagem». Esta última designação, sem dúvida a mais vulgarizada, advém do facto de nos primórdios serem utilizados para as malhas os lajedos naturais, só depois melhorados com blocos de granito justapostos horizontalmente. Nos tempos modernos, muitas eiras foram aumentadas ou construídas de novo em blocos graníticos e, mais recentemente, em plataformas de cimento. A malha é a operação de debulha dos cereais, quer do milho, quer dos cereais de pragana. A designação provém do objecto fundamental da debulha, o malho, nesta região conhecido por mangual, O mangual é um utensílio rudimentar, feito essencialmente de duas peças de madeira: o pírtigo, de cerca de meio metro de comprimento, feito dum pau pesado e duro, normalmente de figueira, e a mangueira, de cerca de 1,5 m, feita dum pau leve mas resistente, preferentemente de sabugueiro ou de castanho. As duas peças são ligadas uma à outra pela meã que funciona como charneira entre a casula de ferro que termina em argola, enfiada na ponta da mangueira, e a dobra do fato do pírtigo. A meã e o fato são de couro de boi, bem como as correias, as quais terminam com um dispositivo de segurança, a segurelha, cuja função é segurar e ajustar o fato ao pírtigo. Além do mangual, outras alfaias eram utilizadas na malha: ancinhos e forquilhas para manejar a palha (os ancinhos de preferência com os dentes de madeira); vassouras e vassouros de giesta para varrer a eira; o rodo para juntar o cereal, bem como para o espalhar na eira; os cestos e outro vasilhame para erguer o grão e limpá-lo das praganas e outras partículas pela acção do vento; a pá para ensacar o cereal, depois de bem limpo e bem seco, pronto para ser guardado nos arcazes, sem perigo de apanhar gorgulho. Embora a malha seja um trabalho duro e essencialmente reservado aos homens, as mulheres também têm um papel importante a desempenhar: umas chegam os molhos, seguram a beira com o ancinho, ajudam a tirar a palha e servem o vinho, outras preparam as refeições (o dejejum ou mata-bicho, o almoço, a piqueta, o jantar e a merenda) lançando mão da coelheira, da capoeira, do fumeiro e da salgadeira. O trabalho é duro e, como diz o lavrador, «da barriga puxa o boi e de casa se manda a gente».

3 A malha do milho, muito embora utilize a eira e sensivelmente as mesmas alfaias, é muito diferente da do cereal de pragana, quer na técnica utilizada, quer pelo facto de ser despida de qualquer cerimonial campesino. O ritual ocorre sim, mas na desfolhada ou descasca, como veremos adiante. A malha dos cereais de pragana, particularmente a do centeio, era acompanhada dum ritual próprio. Em tempos mais recuados, este trabalho era em grande parte feito pelo sistema de permuta ou torna. Os lavradores combinavam as suas malhas em dias diferentes, juntando-se um dia na malha de um, outro dia na de outro e assim por diante até que todos os que se agruparam tivessem a malha feita. Para fugir às inclemências do sol, o pessoal levantava-se cedo, para que, ao romper da aurora, já estivesse na eira.

4 E, de imediato, lançavam mãos à obra. Começavam por dispor o cereal em camadas sobrepostas, de tal modo que as espigas ficassem na parte de cima. Então, os malhadores, mangual em punho, dispunham-se frente a frente em duas filas iguais (três, quatro, cinco, seis ou mais em cada fila) e começavam por delinear eitos paralelos ao lado da eira para o qual ficaram voltadas as espigas, batendo rítmica e alternadamente com os manguais. Depois de algumas dezenas de mangualadas e uma vez malhado o primeiro troço do eito, uma fila recuava dois pequenos paços, a outra avançava outros dois, continuando assim até ao fim desse eito. Em seguida, sem parar de malhar, retomavam novo eito paralelo ao anterior, seguindo a mesma técnica, apenas com uma diferença: a fila que dantes avançava recua agora e voltará a avançar no eito seguinte. E assim por diante até chegar ao fim da eira. Terminada esta fase, o cereal era virado na eira, novamente em camadas paralelas, mas com as espigas voltadas para o lado oposto, repetindo-se a operação anterior com os manguais. Tal como na primeira fase, os malhadores começavam a malhar do lado para onde ficaram voltadas as espigas, ou seja, do lado da eira oposto ao anterior. Tanto a ceifa como a malha eram trabalhos de colheita. Por isso, eram acompanhados de descantes, à mistura com certa algazarra e muita alegria, num verdadeiro ambiente de festa. Para o laborioso povo campesino, a festa é irmã do trabalho. Uma festa que, tendo por mordomo-mor a Natureza, nos transmite a frescura e o encanto de uma arte de viver o ciclo da vida (nascimento, crescimento, maturidade e morte) e o ciclo do trabalho campestre [lavrar, semear, tratar e colher). Mas enquanto que na ceifa os cânticos eram os mais diversos, nomeadamente os alusivos aos santos populares, dada a proximidade das festas de Santo António, S. João e S. Pedro, a malha tinha a sua canção própria que, com algumas variantes, se cantava em toda a região. As quadras e a música que a seguir apresentamos foram recolhidas em Tibaldinho, povoação situada no coração da Beira Alta e da região do Dão. A música das malhas é lenta, dolente e cadenciada ao ritmo e ao compasso das pancadas dos manguais. É dividida em duas frases semelhantes, apenas com a diferença de que a primeira termina a duas e a segunda a três vozes.

5 O movimento rítmico dos corpos desperta o desejo de cantar, sobretudo depois de aquecerem com o esforço e com o vinho. Quanto aos versos, são quadras de pura feição popular, sendo curiosamente repetidos o primeiro e o terceiro versos de cada quadra. (i) Recolha e escrita musical do autor. 1 Nosso amo tem uma vaca, Também tem um bezerrinho; A vaca chama-se andúvia, O bezerro anduvinho. 2 P'rás bandas dalém do rio, Tem meu pai uma tapada; De dia rega-a o sol, De noite a orvalhada. 3 Lá abaixo vem a raposa, Carregada de cebolas; Vem de jurar a verdade, Qua as há-de comer todas. 4 Â porta do Santo António, Está um ramo de loureiro; Olhem a pouca vergonha, Fazem do santo vendeiro.

6 5 Nosso amo anda triste, Por o Sol já ir baixinho; Não se entristeça meu amo, Que o Sol vai devagarinho. 6 Ao dar da palha, ao dar da palha, Ao dar da palha, ao dar da beira, Venha o vinho, venha o vinho, Venha o vinho à carreira. Embora o fim último do conteúdo de todas as quadras seja pedir o vinho ao patrão, achamos que vale a pena analisar cada uma delas em particular. Na primeira quadra, os malhadores aludem a uma vaca e a um bezerrinho que o patrão pode ter ou não ter, o que, para o caso, pouco interessa. O que é interessante é a forma subtil como baptizaram a vaca para, por simples derivação morfológica da palavra, baptizarem o bezerro de «anduvinho», numa clara alusão ao derivado da uva. A segunda e a terceira quadras parecem, à primeira vista, que nada se relacionam com o vinho. Porém, na linguagem campesina, assim não acontece. Tal como a tapada, a garganta dos cantadores está seca e precisa de ser regada, não com o sol e a orvalhada, mas com bom vinho. Porquê e para quê a história da raposa carregada de cebolas, jurando que as há-de comer todas? É que a cebola é enófila. Por isso, no espírito do camponês, a ideia de cebola está intimamente associada à ideia de vinho. Deste modo, recorrendo inconscientemente à pavlóvica teoria do reflexo condicionado, ao falarem na cebola estão sub-repticiamente a lembrar ao amo que mande a patroa ou o filho mais novo trazer o vinho. Na quarta quadra, os malhadores recorrem ao típico ramo de loureiro colocado, como bandeira a meia haste, à porta da venda (taberna)(1). Desta vez, não se sabe nem interessa quem (fértil imaginação poética a dos camponeses!...), pôs um ramo de loureiro à porta de Santo António, fazendo do santo vendeiro. Inqualificável desfaçatez! Mas isso pouco importa. A linguagem utilizada nesta quadra é eficaz nos objectivos a atingir, pelo que o garrafão, a garrafa ou a tradicional cabaça não se farão esperar. A quinta quadra também não alude explicitamente ao vinho. Porém, mais uma vez a psicologia campesina recorre a um tipo de linguagem que arranca ao subconsciente a ideia de vinho. É que o melhor antídoto para a tristeza é o vinho. Por outro lado, há ainda muito que jardar, pois o Sol, embora já baixinho, vai devagarinho. Na última quadra, os malhadores não estão com subterfúgios e vão direitos ao assunto: «ao dar da palha, ao dar da beira, venha o vinho à carreira». No final de cada uma das duas fases da eirada, as mulheres apanhavam com ancinhos as espigas que tinham saltado para fora, colocando-as em redor da eira, mas dentro desta, por cima da palha, a fim de serem também malhadas. Nesta altura, é da praxe uma rodada de vinho e os malhadores não se fazem rogados, pedindo-o descaradamente. Por isso, esta quadra, embora apresentada em último lugar, não significa que fosse a última a ser cantada. Ela era cantada tantas vezes quantas as beiras a malhar. (1) Na região de Entre Douro e Minho, mais particularmente no concelho de Ponte de Lima, é frequente ver-se por cima ou ao lado da porta de entrada para a taberna, uma imagem de Santo António esculpida, com a intenção de livrar o taberneiro dos maus olhados e dos caloteiros.

7 Aliás, também não era obrigatório que as restantes quadras fossem cantadas pela ordem por nós apresentada, embora fosse o critério mais frequente. Contudo, havia que adaptá-las às circunstâncias. Dependia muito da maneira como o patrão se comportava a mandar servir o vinho. Os malhadores não cantavam sempre que malhavam. Havia o período de aquecimento até chegar o momento azado para a cantoria. E, mesmo quando cantavam, havia um certo intervalo entre as quadras. Ao iniciarem cada troço do eito, malhavam mais docemente para amaciar a palha e não quebrar as espigas, iam aumentando gradualmente a pancada e, de quando em vez, lá ia uma, duas ou mais quadras. Por vezes, antes de passarem ao troço seguinte, entravam em renhido despique, para ver a fila que mais forte malhava. Quando assim acontecia, as pancadas eram acompanhadas por uma espécie de roncos (há, há, há...), produzidos pela súbita passagem do ar na garganta ofegante, o que ainda mais lhes estimulava as forças. Ao longe, os estrondos dos malhos pareciam estoiros de morteiros. Depois, passavam ao troço seguinte com pancadas leves, aumentando a pouco e pouco o ímpeto e, a todo o momento, podia acontecer o retomar dos descantes. Este duro trabalho, iniciado de manhã cedo, era interrompido para o almoço (cerca das 8 horas), para a piqueta (cerca das 10 horas), para o jantar (cerca das 13 horas) seguido da retemperante sesta e, se o trabalho não ficou concluído, por uma substancial merenda à tardinha. Havia ainda outras curtas interrupções para empinar a cabaça. Nos últimos dois séculos, como vimos, o milho grosso de maçaroca veio reforçar substancialmente as possibilidades alimentares das gentes desta região. Com efeito, as grossas espigas de maçaroca não substituíram as esguias espigas praganosas. O milho surge, pois, como cereal em tudo complementar: é um cereal de Verão, enquanto que os cereais de pragana são de Inverno; é sachado em vez de mondado; é regado, enquanto que os cereais de Inverno o não são; prefere as terras fundas dos lameiros que forneceram as pastagens para o gado durante o Inverno, enquanto que os restantes cereais preferem as terras secas, pois nas terras muito húmidas azougam; permite ser cultivado nas terras onde foram criados os outros cereais, desde que essas terras sejam susceptíveis de serem regadas; os trabalhos da cultura do milho começam praticamente quando acabam os dos cereais de pragana. O milho é um cereal que requer muito trabalho. Além da sementeira e da sacha tem de ser regado várias vezes, consoante o rigor do estio e a qualidade da terra. Depois da utilização dos adubos químicos, leva geralmente uma adubagem com a primeira rega. Na mesma terra do milho pode ainda cultivar-se simultaneamente o feijão, o chícharo. o grão-de-bico, a abóbora, etc. Fornece também material para a alimentação e para a cama do gado. Pode, pois, dizer-se que uma boa cultura de milho enche a casa e a palheira. Quando o milho fica com a barba seca, escana-se, isto é, corta-se a cana que fica na parte superior do milheiro, acima da maçaroca. A parte inferior do milheiro chama-se toro. Antes de ser cortada a cana, flutua lá na ponta a bandeira (a flor masculina, ao passo que a barba constitui a flor feminina). As canas são postes a secar ao sol durante alguns dias e depois são juntas em camadas sobrepostas formando moreias, de modo a continuarem a apanhar sol, resguardando-se ao mesrno tempo das orvalhadas nocturnas e das chuvas, Passado algum tempo e antes das previsíveis chuvas outonais, desmancham-se as moreias e fazem-se faixas de palha para serem guardadas no palheiro. São as chamadas faixas de palha de ponta, principal manjar do gado bovino. Cerca de um mês depois de escanado, o milho fica maduro. Então, cada milheiro é ceifado com a seitoira. Depois, é junto em grandes rimas (serras de milho) na terra do milharal ou então é levado em carros ou carroças para junto da eira. Aprazado o dia para a desfolhada (casca ou descasca como aí se diz) aparecem os familiares, vizinhos e amigos. Dispõem-se à volta da serra de milho e começa a desfolhada que consiste no

8 retirar da maçaroca do folhelho que a envolve. É um trabalho alegre como todo o trabalho de colheitas. Canta-se, contam-se anedotas, contos, pilhérias ou adivinhas, conversa-se animadamente, tendo como música de fundo o «frufru» característico da palha seca em movimento. Todo este ambiente é bruscamente interrompido quando um cascador encontra o festejado milho rei o qual adquire o direito de abraçar todos os presentes. É o delírio geral. Os rapazes, por vezes, levam espigas de milho rei de casa, para apresentarem, no caso de não virem a ser bafejados pela sorte, conseguindo, assim, o direito de abraçar as raparigas. Travam-se, muitas vezes, renhidos despiques, para ver quem é melhor cascador, cascando à dúzia, ao quarteirão ou ao cesto cheio. Estes despiques aumentam naturalmente o ritmo de trabalho, aumentando logicamente as probabilidades de encontrar o desejado milho rei. Em muitos trabalhos agrícolas preside o espírito de competição que faz apelo ao natural sentido lúdico do homem, com que, de certo modo, suaviza a dureza do trabalho. Na medida em que se trata de arrecadar o produto de um ano de labor, o trabalho das colheitas é sempre feito em ambiente de grande satisfação e alegria. Se o ano foi bom, as tulhas e os arcazes ficam cheios, o que dá uma satisfação redobrada. Se foi mau, resta a esperança dum melhor ano que vem. Com a debulhadora mecânica, sem comezainas, sem cânticos, sem a alegria contagiante do numeroso grupo de pessoas que povoava a eira, a malha tornou-se um trabalho como outro qualquer e o ritual campesino que lhe estava associado, desapareceu. Daí que tenhamos empreendido a tarefa de recolha destes usos e costumes do mundo campesino e a sua publicação em letra de forma, para que, pelo menos de modo descritivo, permaneçam no nosso espírito e os possamos legar às gerações vindouras. Como escreveu Almeida Garrett («Romanceiro», 1843) «o tom e o espírito verdadeiro português esse é forçoso estudá-lo no grande livro nacional, que é o povo e as suas tradições e as suas virtudes e os seus vícios e as suas crenças e os seus erros». E J. Leite de Vasconcelos (Etnografia Portuguesa, 1933) acrescenta que «diante dos aumentos da civilização que se alastra pelas múltiplas camadas sociais, e que portanto destrói mais ou menos as tradições, sobretudo aquelas que estão em contraste com ela, importa indagar com urgência as que ainda restam (...). Acudamos a tudo, enquanto é tempo!». Ontem como hoje, é patente a preocupação em preservar a riqueza das tradições culturais, verdadeiro subconsciente do povo, inesgotável fonte onde constantemente vai beber o consciente colectivo. José Manuel Azevedo e Silva Assistente da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Recolhas Etnográficas Trajos. Autoria. Comissão Técnica GFCB

Recolhas Etnográficas Trajos. Autoria. Comissão Técnica GFCB Recolhas Etnográficas Trajos Autoria Comissão Técnica GFCB FICHA ETNOGRÁFICA:n.º Assunto: Trajo de trabalho Data da Recolha: 07/1967 Objecto: Ceifeira Época em que foi usado: Inicio do séc. XX (1920/1930)

Leia mais

Michel Giacometti : 80 anos, 80 imagens

Michel Giacometti : 80 anos, 80 imagens I Paisagem e Arquitectura 684/01 Vista Parcial Meã, Parada de Ester, Castro d Aire Agosto 1963 A aldeia da Meã, localizada na Serra de Montemuro, à beira do Rio Paiva, remonta as suas origens à Alta Idade

Leia mais

Caderno de actividades

Caderno de actividades Caderno de actividades Para responderes correctamente às perguntas que se seguem, talvez queiras ler o livro Era uma Vez uma Casa, à venda no Sítio do Livro, e também visitar o sítio infanto-juvenil www.barry4kids.net.

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Viagem de Santo António

Viagem de Santo António Ficha de transcrição / São Pedro do Sul / Viagem de Santo António Viagem de Santo António Classificação: Conto Assunto: No tempo das ceifas, em Manhouce, dois lavradores vão juntos colher o centeio confiando

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria,

Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, O Afonso levantou-se de um salto, correu para a casa de banho, abriu a tampa da sanita e vomitou mais uma vez. Posso ajudar? perguntou a Maria, preocupada, pois nunca tinha visto o primo assim tão mal

Leia mais

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil.

SAMUEL, O PROFETA Lição 54. 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. SAMUEL, O PROFETA Lição 54 1 1. Objetivos: Ensinar que Deus quer que nós falemos a verdade, mesmo quando não é fácil. 2. Lição Bíblica: 1 Samuel 1 a 3 (Base bíblica para a história o professor) Versículo

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Pai-nosso S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Bom dia! Há gestos que nesta altura a quaresma, ganham uma dimensão ainda maior. Enchem-nos. Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas de uma aldeia

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

2009, Ivo Dias de Sousa Todos os direitos reservados ISBN: 9789892311692

2009, Ivo Dias de Sousa Todos os direitos reservados ISBN: 9789892311692 2009, Ivo Dias de Sousa Todos os direitos reservados ISBN: 9789892311692 [uma chancela do grupo LeYa] Rua Cidade de Córdova, n. 2 2610-038 Alfragide Telef.: (+351) 21 427 2200 Fax: (+351) 21 427 2201 http://twitter.com//luadepapel

Leia mais

2009 Gilberto Gonçalves

2009 Gilberto Gonçalves No ano de 2004, um grupo de amigos pertencentes aos Bombeiros Voluntários de Fafe decidiu juntar-se para preparar uma pequena brincadeira para a festa de aniversário da Associação Humanitária, recorrendo

Leia mais

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas)

Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Português Língua Estrangeira Teste (50 horas) Nome: Data: A Importa-se de responder a umas perguntas? Está bem. Obrigado. 1 Como é que se chama? 2 O que é que faz? 3 Vive aqui agora? 4 Há quanto tempo

Leia mais

Um havia um menino diferente dos outros meninos: tinha o olho direito preto, o esquerdo azul e a cabeça pelada. Os vizinhos mangavam dele e gritavam: Ó pelado! Tanto gritaram que ele se acostumou, achou

Leia mais

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos

O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior. Acordes Básicos O básico da Guitarra - Aula 6 J. Junior Acordes Básicos Muitas vezes, o que mexe com a gente e nos faz querer tocar guitarra é aquele solo ou riff do guitarrista da nossa banda favorita, mas devemos saber

Leia mais

REGRAS JOGO CHINCUI. Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE).

REGRAS JOGO CHINCUI. Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE). 1 - MATERIAL REGRAS JOGO CHINCUI Um baralho de 40 cartas constituído por 4 naipes de 10 cartas (ÀS,REI,VALETE,DAMA,SETE,SEIS,CINCO,QUATRO,TERNO e DUQUE). 2 - NÚMERO DE PARTICIPANTES Jogam 5 companheiros

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

JOAO MELO CANTICO DA TERRA E DOS HOMENS. poesia. Posfácio de Inocencio Mata. outras margens

JOAO MELO CANTICO DA TERRA E DOS HOMENS. poesia. Posfácio de Inocencio Mata. outras margens JOAO MELO ^ Posfácio de Inocencio Mata ^ CANTICO DA TERRA E DOS HOMENS poesia outras margens Título: Cântico da Terra e dos Homens Autor: João Melo Editorial Caminho, 2010 Capa: Joana Tordo Pré-impressão:

Leia mais

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados.

1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. 1. Substitui as palavras assinaladas pelos sinónimos (ao lado) que consideres mais adequados. É bonita a história que acabaste de contar. Vou dar este livro ao Daniel, no dia do seu aniversário. Ele adora

Leia mais

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos!

Caridade quaresmal. Oração Avé Maria. Anjinho da Guarda. S. João Bosco Rogai por nós. Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Bom dia a todos! 2ª feira, 09 de março: Dar esmola Esta semana iremos tentar aprender a dar. A dar aos que mais precisam. E vamos ver que Dar é BRU TAL!!!! Um dia, uma mulher vestida de trapos velhos percorria as ruas

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO

CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO COLÉGIO ARNALDO 2015 CADERNO DE ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA Aluno (a): Turma: 2º Ano Professora: Data de entrega: Valor: 20 pontos CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Leitura e interpretação de textos

Leia mais

I.ª Parte. Nome: Ano: Lê o texto que se segue com muita atenção.

I.ª Parte. Nome: Ano: Lê o texto que se segue com muita atenção. Nome: Ano: Turma: Classificação: I.ª Parte Lê o texto que se segue com muita atenção. O JARDIM DO TIO RICARDO O meu tio Ricardo tem um jardim. Como gosta muito de flores e de árvores e outras plantas e

Leia mais

Viagem de estudo extraordinária

Viagem de estudo extraordinária Viagem de estudo extraordinária Caravela em cristal No dia 11 de outubro fomos a uma viagem de estudo a Alcobaça. -Primeiro fui à fábrica de cristal chamada Atlantis. Eu aprendi que as matérias-primas

Leia mais

O Campo: os trabalhos e os dias

O Campo: os trabalhos e os dias O Campo: os trabalhos e os dias O vindimador na vinha Pintura do panteão dos Reis (Igreja de San Isidoro de Leon) No termo medieval torriense, tal como na maior parte do território que viria a integrar

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

III SEMANA DO MEIO AMBIENTE

III SEMANA DO MEIO AMBIENTE III SEMANA DO MEIO AMBIENTE Durante a Semana do Meio Ambiente de 2008, o CMJF procurou envolver todos os alunos na discussão e reflexão sobre questões relativas ao ambiente. Através dos coordenadores de

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Produçaõ de peixes. Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979)

Produçaõ de peixes. Adaptado de: Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin (FAO, 1979) Produçaõ de peixes Adaptado de: "Better Farming Series 27 - FreshWater Fish Farming: How to Begin" (FAO, 1979) Onde pôr seu tanque de peixes 1. Você tem que escolher um lugar bom para sua tanque. 2. Lembra

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11

ÍNDICE. Breve nota... 9 Prefácio... 11 ÍNDICE Breve nota... 9 Prefácio... 11 Minha mãe, que lindas terras!... 23 A pata rainha... 28 Ai... ai... ai...... 32 Coradinha... 37 Joanico... 45 O vento... 56 A serpente... 59 Maria a macha... 65 O

Leia mais

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL

1. História do Voleibol. 2. Caracterização do Voleibol. 2. Regras do Voleibol. Documento de Apoio de Voleibol VOLEIBOL VOLEIBOL 1. História do Voleibol O Voleibol foi criado em 1885, em Massachussets, por William G. Morgan, responsável pela Educação Física no Colégio de Holyoke, no Estado de Massachussets, nos Estados

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno

ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ. O caderno ESCOLA EB 2,3 DE EIRÍZ O caderno da compostagem Saudações ambientais! Um dos maiores problemas ambientais dos nossos dias é a enorme quantidade de lixo que todos produzimos. A compostagem permite não só

Leia mais

8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS GABARITO

8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS GABARITO 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL PORTUGUÊS GABARITO 1. A alternativa que melhor completa a frase abaixo é: Até agora, você queria conhecer os das coisas existentes. Daqui para a frente, acrescente outra pergunta:

Leia mais

Pós-Modernismo. Literatura Professor: Diogo Mendes 19/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo. Texto I. Poema Brasileiro

Pós-Modernismo. Literatura Professor: Diogo Mendes 19/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo. Texto I. Poema Brasileiro Pós-Modernismo Texto I Poema Brasileiro No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos de idade No Piauí de cada 100 crianças que nascem 78 morrem antes de completar 8 anos

Leia mais

COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS DO METODO DE MONTE CARLO

COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS DO METODO DE MONTE CARLO COMO SIMULAR PROJEÇOES FINANCEIRAS ATRAVÉS! O que é o método de simulação de Monte Carlo?! Como utilizar números aleatórios para testar uma simulação financeira?! Como gerar números aleatórios pelo Excel?!

Leia mais

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI]

Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância [SNIPI] Informação para os pais Estimulando a linguagem das crianças Do nascimento aos 2 anos O bebé recém-nascido tenta comunicar com os pais através

Leia mais

Prova Escrita de Português Língua Não Materna

Prova Escrita de Português Língua Não Materna EXAME NACIONAL DO ENSINO BÁSICO E DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova 28 739 /1.ª Chamada 1.ª Fase / 2008 Decreto-Lei n.º 6/2001, de 18 de Janeiro e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março A PREENCHER PELO ESTUDANTE

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS

O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS Janeiro de 2001 O PROTOCOLO BÁSICO PARA OCASIÕES FORMAIS 1) Saber que o pão se corta sempre com as mãos, que um homem não se deve sentar até que todas as mulheres

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES

AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES AUTORES E ILUSTRADORES: FELIPE DE ROSSI GUERRA JULIA DE ANGELIS NOGUEIRA VOGES 1ºC - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS

Leia mais

Uma estrela subiu ao céu

Uma estrela subiu ao céu Compaixão 1 Compaixão Não desprezes aqueles a quem a vida desfavoreceu, mas ajuda-os no que estiver ao teu alcance. Cada pessoa tem em si algo de bom que é preciso fazer desabrochar. Uma estrela subiu

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 O ANJO Hans Christian Andersen 3 Contos de Hans Christian Andersen Hans Christian Andersen nasceu em Odensae, em 2 de abril de 1805, e faleceu em Conpenhague em 1875.

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

LIÇÃO 3 Outros Exemplos de Crescimento

LIÇÃO 3 Outros Exemplos de Crescimento LIÇÃO 3 Outros Exemplos de Crescimento O principal exemplo de maturidade cristã na Bíblia é Jesus Cristo, o nosso irmão mais velho. Ele assumiu a forma de servo e obedeceu ao Pai totalmente. Ele humilhou-se

Leia mais

UM FORTE HOMEM DE DEUS

UM FORTE HOMEM DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SANSÃO, UM FORTE HOMEM DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FERNANDO DE FABINHO SOBRE O DIA DO PADEIRO E DO PANIFICADOR SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR.

PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FERNANDO DE FABINHO SOBRE O DIA DO PADEIRO E DO PANIFICADOR SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR. PRONUNCIAMENTO DO EXCELENTÍSSIMO DEPUTADO FERNANDO DE FABINHO SOBRE O DIA DO PADEIRO E DO PANIFICADOR SRAS. DEPUTADAS, SRS. DEPUTADOS, SR. PRESIDENTE Nossa intenção hoje, dia 08 de julho, é a de homenagear

Leia mais

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar

Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar. Tempo de pensar no que virá Planejar Mais um ano está começando... Tempo de pensar no que passou Avaliar Tempo de pensar no que virá Planejar Hámomentos em nossa vida em que temos duas opções: Desistir Recomeçar Quando a VIDA decepciona João

Leia mais

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto

Atividade: Leitura e interpretação de texto. Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Atividade: Leitura e interpretação de texto Português- 8º ano professora: Silvia Zanutto Orientações: 1- Leia o texto atentamente. Busque o significado das palavras desconhecidas no dicionário. Escreva

Leia mais

Alimentação. no primeiro ano de vida

Alimentação. no primeiro ano de vida Alimentação Trv. Noronha, nº5 A Lisboa Telef: 21 394 73 10 Fax: 21 394 73 18 Email: usf.arco@arslvt.minsaude.pt no primeiro ano de vida A diversificação alimentar deve ser iniciada entre os 4-6 meses de

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org

Evangelhos. www.paroquiadecascais.org Evangelhos 1. Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Mateus (Mt 5, 1-12a) ao ver a multidão, Jesus subiu ao monte e sentou-se. Rodearam-n O os discípulos e Ele começou a ensiná-los, dizendo:

Leia mais

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri

José da Fonte Santa. Magia Alentejana. Poesia e desenhos. Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa. Edições Colibri José da Fonte Santa Magia Alentejana Poesia e desenhos Pesquisa e recolha de Isabel Fonte Santa Edições Colibri índice Nota Prévia 3 Prefácio 5 O Amor e a Natureza Desenho I 10 A rapariga mais triste do

Leia mais

6 Estimular a Criatividade

6 Estimular a Criatividade OZARFAXINARS N.2 DEZEMBRO 2005 121 6 Estimular a Criatividade Como aspecto menos valorizado pela Escola, a criatividade pode estimular novas formas de o jovem se relacionar com o mundo, desenvolvendo atitudes

Leia mais

O porco que veio no rio

O porco que veio no rio Ficha de transcrição / Esposende / O porco que veio no rio O porco que veio no rio Classificação: Episódio de vida Assunto: Numa época de grande escassez e dificuldade, uma mulher encontro um porco que

Leia mais

Conte comigo... Igreja... Quem está disposto a servir a Deus, através dela?

Conte comigo... Igreja... Quem está disposto a servir a Deus, através dela? Conte comigo... Igreja... Quem está disposto a servir a Deus, através dela? Mateus 13.24-30 - A parábola do joio 24 Outra parábola lhes propôs, dizendo: O reino dos céus é semelhante a um homem que semeou

Leia mais

Genialidade, Fernando Pessoa

Genialidade, Fernando Pessoa Um homem de génio é produzido por um conjunto complexo de circunstâncias, começando pelas hereditárias, passando pelas do ambiente e acabando em episódios mínimos de sorte. Genialidade, Fernando Pessoa

Leia mais

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA

PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE A AUTORA, SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO Para o professor Ou isto

Leia mais

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org

Histórias Tradicionais Portuguesas. Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO. Autora: Lina. Publicado em: www.escolovar.org Histórias Tradicionais Portuguesas Alice Vieira AS MOEDAS DE OURO DE PINTO PINTÃO VAMOS CONHECER O LIVRO A CAPA A CONTRACAPA A LOMBADA Observa a capa do livro e responde: 1.Título 2. Nome da autora 3.

Leia mais

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro

A Rainha, o guarda do tesouro e o. papel que valia muito ouro A Rainha, o guarda do tesouro e o papel que valia muito ouro Há muito, muito tempo atrás, havia uma rainha que governava um reino chamado Portugal. Essa rainha chamava-se D. Maria I e como até tinha acabado

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

Muito bem, Cícero! Vim para acompanhar o Dr. Carlos na visita a algumas pessoas que estão com sintomas de LEISHMANIOSE. Quer vir conosco?

Muito bem, Cícero! Vim para acompanhar o Dr. Carlos na visita a algumas pessoas que estão com sintomas de LEISHMANIOSE. Quer vir conosco? Maria é uma das milhares de Agentes Comunitárias de Saúde que trabalham nos municípios brasileiros. Todos os dias, ela visita sua comunidade para saber como anda a saúde dos moradores. Olá, Cícero, como

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Viagem a Dornes e Sertã

Viagem a Dornes e Sertã Viagem a Dornes e Sertã (19 e 20 de Março de 2011) Por: RuckFules 1 No fim de semana, aproveitando os belos dias de Sol com que a chegada da Primavera nos presenteou, decidi dar uma volta pelo interior,

Leia mais

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A.

Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Título: O senhor do seu nariz e outras histórias Texto: 2006, Álvaro Magalhães Ilustração: 2010, João Fazenda 2010, Edições ASA II, S.A. Portugal ISBN 9789892311340 Reservados todos os direitos Edições

Leia mais

VI JORNADAS DE ETNOBOTÂNICA III Fim-de-semana DA URTIGA 13,14 e 15 de Maio de 2011

VI JORNADAS DE ETNOBOTÂNICA III Fim-de-semana DA URTIGA 13,14 e 15 de Maio de 2011 VI JORNADAS DE ETNOBOTÂNICA III Fim-de-semana DA URTIGA 13,14 e 15 de Maio de 2011 PROGRAMA Segundo o autor cubano, Jorge Onélio Cardozo, o ser humano tem duas grandes fomes, a de pão e a de beleza; a

Leia mais

João e o pé de feijão ESCOLOVAR

João e o pé de feijão ESCOLOVAR João e o pé de feijão ESCOLOVAR Era uma vez um rapaz chamado João que vivia com a sua mãe numa casa muito modesta. A mãe era desempregada e só tinha uma pequena horta onde cultivava todo o tipo de legumes.

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

Vamos falar de amor? Amornizando!

Vamos falar de amor? Amornizando! Vamos falar de amor? Amornizando! Personagens 1) Neide Tymus (Regente); 2) Sérgio Tymus (Marido Neide); 3) Nelida (Filha da Neide); 4) Primeiro Coralista; 5) Segundo Coralista; 6) Terceiro Coralista; 7)

Leia mais

Gramática e Redação. Exercícios de Revisão I

Gramática e Redação. Exercícios de Revisão I Nome: n o : E nsino: A no: T urma: Data: Prof(a): Fundamental 7 o Gramática e Redação Exercícios de Revisão I Leia com atenção o texto abaixo. Ignácio de Loyola Brandão nasceu em Araraquara, no Estado

Leia mais

O trabalho com as cantigas e parlendas

O trabalho com as cantigas e parlendas O trabalho com as cantigas e parlendas nós na sala de aula - módulo: língua portuguesa 1º ao 3º ano - unidade 4 Cantigas e parlendas ajudam a introduzir a criança no mundo da leitura. Isso porque são textos

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais

Mecânica 2007/2008. 3ª Série

Mecânica 2007/2008. 3ª Série Mecânica 2007/2008 3ª Série Questões: 1. Se o ouro fosse vendido a peso, preferia comprá-lo na serra da Estrela ou em Lisboa? Se fosse vendido pela massa em qual das duas localidades preferia comprá-lo?

Leia mais

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1)

Roteiro semanal. 3º ano Matutino. Deus é bom e sua bondade dura para sempre. (Salmos 106:1) Roteiro semanal 3º ano Matutino De 23 a 27 de fevereiro Colégio Guilherme Ramos. Goiânia, 23 de fevereiro de 2015. Professora: Nome: Turma: 3 ano Ensino Fundamental Segunda-feira 23/02/2015 Português no

Leia mais

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA

FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA FACTORES DA EVOLUÇÃO DEMOGRÁFICA Admite se o caráter mais ou menos estacionário da população portuguesa até meados do século XVII, ultrapassando um tanto, embora com altos e baixos, o milhão de habitantes.

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

Proprietários de uma fazenda

Proprietários de uma fazenda enviaram uma amostra para o concurso. Além do prêmio de 50 mil dólares, que Mônica usou para comprar um carro novo, a cafeicultora ajudou a divulgar a cidade de Araponga, MG, e contribuiu para a consolidação

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS

SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Bíblia para crianças apresenta SAMUEL, O MENINO SERVO DE DEUS Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Lyn Doerksen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia

Leia mais

Cada coisa no seu lugar

Cada coisa no seu lugar A U A UL LA M Ó D U L O 13 Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Cada coisa no seu lugar Cenatexto Hilda chega, finalmente, a sua casa. Os meninos estão todos encarapitados no velho sofá, com os olhos vidrados

Leia mais

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas

Manual de Aplicação do Jogo da Escolha. Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas Manual de Aplicação do Jogo da Escolha Um jogo terapêutico para jovens usuários de drogas 1 1. Como o jogo foi elaborado O Jogo da Escolha foi elaborado em 1999 pelo Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas

Leia mais

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes

Menu. Comidas típicas. Contribuições para o Brasil e Ijuí. Significado da bandeira Árabe. Costumes Árabes Componentes: Sabrina, Lucille,Giovana, M, Lucas C, João Vitor Z, Samuel. Disciplina: Estudos Sociais, Informática Educativa, Língua Portuguesa. Professores: Uiliam Michael, Cristiane Keller, Daniele

Leia mais

Não deixem nenhuma criança Em suas terras trabalhar Lhes digo com segurança Melhor pra elas é estudar

Não deixem nenhuma criança Em suas terras trabalhar Lhes digo com segurança Melhor pra elas é estudar EMPREGADO VERSOS EMPREGADOR Você empregador Cumpra o seu dever Registre o trabalhador E aperreio não vai ter Ele será seu defensor E vai fazer você crescer A carteira eu entrego Pra ter tudo anotado Ninguém

Leia mais

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento).

Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). O Caminho de Emaús Faz um exercício de relaxamento coloca-te na presença de Deus. Reza um salmo (aquele que o teu coração pedir no momento). Leitura: Lc 24, 13-35 Todos nós percorremos frequentemente o

Leia mais

O Manuel trouxe um papel para dar ao ao senhor Miguel que lhe deu um lindo anel com um grande camafeu mas quem o quer ter na mão não há outra

O Manuel trouxe um papel para dar ao ao senhor Miguel que lhe deu um lindo anel com um grande camafeu mas quem o quer ter na mão não há outra Não percebo nada!!! O Manuel trouxe um papel para dar ao ao senhor Miguel que lhe deu um lindo anel com um grande camafeu mas quem o quer ter na mão não há outra opinião! Que lindos amores eu tenho! lindos,

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Departamento de Especulações.indd 11 03/07/15 16:43

Departamento de Especulações.indd 11 03/07/15 16:43 1 Os antílopes têm uma visão dez vezes melhor do que a nossa, disseste me. Foi no início ou quase. O que significa que numa noite clara eles conseguem ver os anéis de Saturno. Ainda passariam alguns meses

Leia mais

Compostagem doméstica

Compostagem doméstica Compostagem doméstica Na Natureza tudo se transforma 1 2 3 Este guia vai ser-lhe útil! Com este pequeno guia pode, finalmente, tirar partido do seu lixo e sentir-se bem por isso! Os restos de comida, as

Leia mais

Termómetro de Máxima e de Mínima

Termómetro de Máxima e de Mínima Abrigo O Abrigo da estação Agro-meteorológica da Escola Secundária de Cinfães encontrase a uma altura de 1,5 metros e é construído por ripas de madeira branca, que permitem uma ventilação natural e ao

Leia mais

A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO

A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO A PASSAGEM DAS ÁGUAS A HISTÓRIA DA FAMÍLIA DE ZÉ DE PEDRO E MARIA DO CARMO Adriana Galvão Freire, Bióloga, Mestre em Administração Rural, Assessora Técnica da Assessoria e Serviços a Projetos em Agricultura

Leia mais

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 Puxa um banco ou uma cadeira O Sr. António fabrica na sua oficina de marcenaria bancos e cadeiras de madeira. Os bancos e as cadeiras têm pés exactamente iguais. Cada banco leva 3 pés e cada cadeira tem

Leia mais