Sumário TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS...2 CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES...2 CAPÍTULO II DO OBJETO...3 CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO EDE...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sumário TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS...2 CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES...2 CAPÍTULO II DO OBJETO...3 CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO EDE..."

Transcrição

1 Sumário TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS...2 CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES...2 CAPÍTULO II DO OBJETO CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO EDE...4 CAPÍTULO II - DAS DIRETRIZES E PRERROGATIVAS...4 CAPÍTULO III - DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL...5 Seção I Da Entidade Gestora...5 Seção II Do Comitê Gestor do EDE...6 Seção III - Da Gerência Executiva...8 CAPÍTULO IV DOS SUBPROGRAMAS DO EDE...9 Seção I Da Fábrica de Empreendimentos...9 Subseção I - Do Ingresso na Fábrica de Empreendimentos...9 Subseção II - Dos projetos habilitados...10 Subseção IV - Dos Contratos...10 Subseção VI - Do Período de Pré-Incubação...11 Seção II Da IESD Subseção I - Das Atribuições da IESD:...14 Subseção II - Do Ingresso na IESD Subseção III - Das modalidades e categorias de incubação...15 Subseção IV - Dos tipos de empreendimentos habilitados...16 Subseção V - Do Processo de Seleção...16 Subseção VI - Dos Contratos...16 Subseção VII - Da Ocupação do Espaço Físico...16 Subseção VIII Do período de Incubação...17 Subseção X Da Migração...19 Subseção XI Da retribuição ao Incentivo...19 Seção III Do Condomínio Empresarial...19 Subseção I - Das Atribuições do Condomínio Empresarial:...20 Subseção V - Dos tipos de empreendimentos habilitados...20 Subseção VIII - Dos Contratos...21 Subseção IX - Da Ocupação do Espaço Físico...21 Subseção X - Da Permanência das Empresas Participantes do Condomínio Empresarial...22 Seção IV Núcleo de Empreendedorismo e Inovação de 23

2 TÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º. Os termos a seguir terão o significado que lhes é atribuído abaixo, podendo ser utilizados no singular ou no plural: a) ÁREAS FUNCIONAIS: todas as gerências operacionais e assessorias da FPTI-BR vinculadas a cada uma das diretorias previstas no ESTATUTO; b) COMITÊ GESTOR: Comitê Gestor do EDE, órgão máximo, de caráter propositivo e consultivo do EDE; c) CONDOMÍNIO: Condomínio Empresarial, subprograma do Programa EDE; d) CONSELHO DIRETOR: órgão da administração da FPTI-BR, composto pelo Diretor Superintendente, Diretor Administrativo Financeiro e Diretor Técnico; e) DIRETOR TÉCNICO: Membro do Conselho Diretor da FPTI-BR, eleito pelo Conselho de Curadores; f) EDE: sigla de Espaço de Desenvolvimento Empresarial, programa estruturante da FPTI-BR; g) EMPRESA INCUBADA: Organização que desenvolve produtos, processos ou serviços inovadores, abrigada na IESD, que passa por processo de seleção e recebe apoio técnico e gerencial da IESD; h) EMPRESA JUNIOR: associação civil sem fins econômicos e com fins educacionais formada exclusivamente por alunos do ensino superior. Seu objetivo é promover a melhor experiência de mercado aos alunos graduandos na instituição à qual ela é vinculada; i) ENTIDADE GESTORA: É a própria FPTI-BR, enquanto responsável pelo programa estruturante EDE; j) ESTATUTO: Estatuto da FPTI-BR. k) FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS: Subprograma do Programa EDE; l) FPTI-BR: sigla de Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, fundação privada, com fins não lucrativos, instituída, mediante escritura pública lavrada no dia 13 de dezembro de 2005, no 1º Tabelionato de Notas e Protestos de Títulos da Comarca de Foz do Iguaçu, cujo objeto é manter e operar o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), contribuindo para o desenvolvimento regional, de forma sustentada, por meio de atividades que propiciem o desenvolvimento institucional, científico, tecnológico e de inovação, a difusão do conhecimento, a capacitação profissional, e a geração de empresas, emprego e renda, interagindo, para esses fins, com entidades públicas e privadas, acadêmicas e de pesquisa, de fomento e de produção. m) GERÊNCIA EXECUTIVA: Gerente responsável pelo EDE e pela utilização do conhecimento científico profissional e prático, para o desenvolvimento de 2 de 23

3 empresas inovadoras e a criação de cultura empreendedora; n) IES: sigla de Instituição de Ensino Superior; o) IESD: sigla de Incubadora Empresarial Santos Dumont, subprograma do Programa EDE; p) INVESTIDORES ANJO: indivíduos ou empresas que investem recursos em empresas já estabelecidas, mas em estágios iniciais de desenvolvimento, de forma a facilitar seu crescimento e inserção no mercado; q) INVESTIDORES CAPITAL DE RISCO: indivíduos ou empresas que investem recursos em empresas desenvolvidas, mas que necessitam de alavancagem financeira para obter um melhor posicionamento no mercado; r) INVESTIDORES DE CAPITAL SEMENTE: indivíduos ou empresas que investem recursos em projetos e em empresas nascentes com vistas a possibilitar seu nascimento e desenvolvimento e transformá-las em empreendimentos rentáveis; s) MEC: Ministério da Educação; t) MEMBROS: Todos os participantes do COMITÊ GESTOR, conforme composição descrita no Artigo 12; u) PLANO DE NEGÓCIOS: Documento que descreve o empreendimento e o modelo de negócios que o sustenta. Produto de um planejamento prévio, contempla um conjunto de atividades a serem desenvolvidas e implementadas, durante determinado período e cujas metas e compromissos traduzem a estratégia de atuação da empresa e as perspectivas de resultados. v) PTI - BR: sigla de Parque Tecnológico Itaipu Brasil, que é um espaço inovador voltado ao desenvolvimento da região trinacional do Iguassu, por meio da geração de emprego e renda, a geração e a distribuição do conhecimento, o desenvolvimento e a transferência de tecnologias, com foco em água, energia e turismo, proporcionando trocas de experiências e integração entre seus atores, para uma melhor compreensão e transformação da realidade. w) REGIMENTO: Regimento Interno do EDE; x) TIB: sigla de Tecnologia Industrial Básica. É um conjunto de conhecimentos tecnológicos, essenciais para a geração e aprimoramento de produtos, processos e serviços que se destacam pela qualidade e/ou por constituírem inovação no mercado. CAPÍTULO II DO OBJETO Art. 2º. Este Regimento define a estrutura e o funcionamento do EDE da FPTI - BR, traçando os princípios gerais que delineiam sua atuação no processo de apoio à criação e consolidação de empresas, no PTI - BR, e em seu entorno, em conformidade com os objetivos e as finalidades específicas da FPTI-BR. Art. 3º. Os termos, siglas e abreviaturas constantes neste Regimento Interno têm sua definição e significado conforme o Glossário Geral da FPTI-BR. 3 de 23

4 TÍTULO II DO EDE CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO EDE Art. 4º. O EDE foi criado para atender às diretrizes e objetivos estratégicos da ENTIDADE GESTORA. Art. 5º. O EDE possui como objetivo a geração de emprego e renda através do incentivo à criação e à fixação de empresas no PTI-BR e em seu entorno, propiciando o desenvolvimento de novos processos, produtos e serviços inovadores. CAPÍTULO II - DAS DIRETRIZES E PRERROGATIVAS Art. 6º. Na busca de seu objetivo, o EDE observará as seguintes diretrizes: (a) Apoio ao empreendedorismo e à geração de emprego e renda; (b) Fomento ao desenvolvimento de projetos inovadores, de acréscimo à ciência e à tecnologia; (c) Busca de sustentabilidade; (d) Promoção da interação entre os participantes do programa EDE, a ENTIDADE GESTORA, as demais entidades vinculadas e o ambiente regional. Art. 7º. Observando as diretrizes do Artigo 6º, caberá ao EDE : (a) Autonomia técnica e administrativa, sempre com plena observância das diretrizes e sugestões da ENTIDADE GESTORA e deliberações do COMITÊ GESTOR; (b) Constituição de um COMITÊ GESTOR, composto por representantes da ENTIDADE GESTORA, representante dos participantes dos programas do EDE e representantes de entidades representativas locais, comprometidos com o EDE e dispostos a envidar esforços para sua boa administração e existência; (c) Selecionar, tendo com base as diretrizes do Artigo 6º, os planos de negócios e projetos que tragam para o contexto do EDE, inovação, desenvolvimento, geração de emprego e renda; (d) Exigir dos participantes da FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS, IESD e CONDOMÍNIO EMPRESARIAL o cumprimento das condições estabelecidas neste REGIMENTO e em contrato, bem como de todas as regras da ENTIDADE GESTORA. (e) Realizar todas as atividades relacionadas à consecução dos seus objetivos. 4 de 23

5 CAPÍTULO III - DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Art. 8º. O EDE terá a seguinte estrutura organizacional: I. Entidade Gestora; II. Comitê Gestor; III. Gerência Executiva. Seção I Da Entidade Gestora Art. 9º. A ENTIDADE GESTORA do EDE é órgão máximo e orientador das diretrizes estratégicas. Parágrafo Primeiro - Os participantes do programa EDE deverão respeitar o ESTATUTO e demais normas técnicas e administrativas da FPTI-BR. Parágrafo Segundo - A ENTIDADE GESTORA exercerá as atividades descritas abaixo, por meio de suas ÁREAS FUNCIONAIS, as quais deverão prestar apoio operacional e técnico, dentro de suas respectivas atribuições, às necessidades demandadas pelo EDE; do DIRETOR TÉCNICO, a quem o EDE está diretamente vinculado; e do CONSELHO DIRETOR. Art. 10. Será competência do CONSELHO DIRETOR e DIRETOR TÉCNICO, em consonância com suas respectivas competências estabelecidas no ESTATUTO: I. CONSELHO DIRETOR: (a) Definir o Planejamento Estratégico da ENTIDADE GESTORA, que servirá de diretriz para o DIRETOR TÉCNICO, no âmbito do EDE; (b) Celebrar acordos, contratos ou convênios envolvendo o EDE; (c) Interpretar, em última instância, o Regimento do EDE, e deliberar sobre os atos da GERÊNCIA EXECUTIVA e do COMITÊ GESTOR, submetidos a este pelo DIRETOR TÉCNICO; (d) Aprovar alterações no REGIMENTO INTERNO; (e) Promover interna e externamente o EDE. (f) Aprovar o valor da contribuição mensal das empresas do EDE, das taxas de utilização de espaços e bem móveis, e de serviços prestados pelo EDE, proposto pela Gerência Executiva; II. DIRETOR TÉCNICO: (a) Definir políticas e diretrizes para o funcionamento do EDE; 5 de 23

6 (b) Definir o Gerente Executivo do EDE e destituí-lo em caso de conveniência ou necessidade; (c) Aprovar as normas, critérios e outros instrumentos necessários ao funcionamento do EDE, propostas pelo COMITÊ GESTOR; (d) Aprovar o Plano Anual e Pluri-anual de Trabalho do EDE, e subseqüentes alterações; (e) Aprovar a proposta orçamentária do EDE para o ano posterior; (f) Acompanhar a execução orçamentária e relatórios mensais do EDE; (g) Avaliar os relatórios de desempenho do EDE, dos projetos e das empresas, apresentados pela GERÊNCIA EXECUTIVA do EDE; (g) Resolver os casos omissos deste Regimento. Seção II Do Comitê Gestor do EDE Art. 11. O COMITÊ GESTOR do EDE é o órgão propositivo e consultivo de ações estratégicas e táticas do EDE, possuindo competência para tomar todas as decisões relacionadas ao EDE, que não sejam de expressa competência do DIRETOR TÉCNICO e do CONSELHO DIRETOR, possuindo poder deliberativo para avaliar os PLANOS DE NEGÓCIOS. Art. 12. O COMITÊ GESTOR terá a seguinte composição: I. Gerente do EDE, como Presidente do COMITÊ; II. 01 (um) representante da área de projetos da ENTIDADE GESTORA; III. 03 (três) representantes de entidades com interesse no setor, a serem indicadas pelo CONSELHO DIRETOR da ENTIDADE GESTORA; IV. 01 (um) representante das EMPRESAS DO EDE; V. Convidados. 1º. Os MEMBROS indicados nos incisos I a III deste Artigo são MEMBROS permanentes do COMITÊ GESTOR. 2º. O representante das EMPRESAS DO EDE será escolhido anualmente, mediante o voto de pelo menos a maioria simples das EMPRESAS, em assembléia convocada pela GERÊNCIA EXECUTIVA especialmente para esse fim, sendo permitida 01 (uma) recondução. 3º. Cada empresa do EDE terá direito a apenas 1 (um) voto. 4º. O representante das empresas do EDE participará das ações contempladas no Artigo 14, alíneas a, b, c e i. 6 de 23

7 5º. Convidados, a critério do Presidente, poderão participar do COMITÊ GESTOR, para o cumprimento das ações estabelecidas no Artigo 14 deste Regimento. Art. 13. O COMITÊ GESTOR reunir-se-á, ordinariamente, a cada 04 (quatro) meses, podendo ainda reunir-se extraordinariamente por iniciativa do seu Presidente. 1º. A convocação dos MEMBROS para as reuniões ordinárias e extraordinárias do COMITÊ GESTOR deverá ser efetivada com, no mínimo, 5 (cinco) dias de antecedência da data aprazada para a sua realização. 2º. Não obstante as formalidades previstas no parágrafo anterior, qualquer reunião à qual comparecerem todos os MEMBROS deverá ser considerada regular. 3º. O COMITÊ GESTOR instalar-se-á e funcionará com a presença de, no mínimo, 4 (quatro) MEMBROS. 4º. Caso não haja quorum de instalação em primeira convocação, fica automaticamente marcada para o próximo dia útil nova reunião, a qual poderá instalarse com qualquer número de participantes. 5º. A ordem do dia da reunião será apresentada pelo PRESIDENTE. Não obstante, durante a própria reunião, qualquer MEMBRO poderá propor ao Gerente do EDE a inclusão de um novo item na ordem do dia. A decisão de aceitar ou não a inclusão deste novo item deverá ser tomada pela maioria dos MEMBROS presentes à reunião. 6º. As decisões do COMITÊ GESTOR serão tomadas pela maioria simples dos MEMBROS presentes à reunião, obedecido ao quorum mínimo estabelecidos nos Parágrafos Terceiro e Quarto desta Cláusula. Art. 14. Será competência do COMITÊ GESTOR do EDE: (a) Propor ao DIRETOR TÉCNICO da ENTIDADE GESTORA, normas, critérios e outros instrumentos necessários ao funcionamento do EDE; (b) Propor ao DIRETOR TÉCNICO da ENTIDADE GESTORA o Planejamento Estratégico do EDE, o qual deverá estar alinhado ao Planejamento Estratégico da ENTIDADE GESTORA, complementando-o. (c) Conceber os editais, alinhados aos objetivos estratégicos do EDE, respeitadas as normas e procedimentos da ENTIDADE GESTORA e legislação aplicável; (d) Deliberar sobre os PLANOS DE NEGÓCIOS apresentados; (e) Deliberar sobre a progressão e a alteração de status das empresas participantes dos programas do EDE; (f) Deliberar sobre o desligamento de empresas do EDE; (g) Interpretar, em primeira instância, o Regimento Interno do EDE e decidir sobre os casos omissos e, em segunda instância, deliberar sobre os recursos contra atos e 7 de 23

8 decisões da GERÊNCIA EXECUTIVA; (h) Empenhar-se na viabilização de recursos financeiros, materiais e humanos para o suporte das atividades do EDE; (i) Opinar a respeito de assuntos sobre os quais for consultada pela GERÊNCIA EXECUTIVA; (j) Desempenhar outras atividades no âmbito de sua competência; (k) Deliberar sobre a concessão de bolsas no âmbito do EDE. Seção III - Da Gerência Executiva Art. 15. A GERÊNCIA EXECUTIVA será indicada pela ENTIDADE GESTORA, podendo ser assessorada por colaboradores, selecionados conforme normas da ENTIDADE GESTORA. Art. 16. Será competência da GERÊNCIA EXECUTIVA: (a) Cumprir e fazer cumprir o Planejamento Estratégico do EDE; (b) Elaborar o Planejamento Tático e Operacional, em conformidade com as políticas e diretrizes definidas pelo CONSELHO DIRETOR da ENTIDADE GESTORA, que será materializado em um Plano Anual de Trabalho; (c) Cumprir e fazer cumprir o Plano Anual de Trabalho, apresentando, mensalmente, os relatórios de desempenho do EDE; (d) Propor, ao COMITÊ GESTOR, mudanças em normas, critérios e outros instrumentos que tenham sido deliberados por ele; (e) Realizar a gestão dos colaboradores diretos do EDE e equipes colocadas à sua disposição; (f) Gerir os procedimentos operacionais de funcionamento do EDE e o processo de seleção de projetos e empresas para o ingresso no EDE; (g) Acompanhar, avaliar, apoiar e controlar o desempenho dos projetos e das empresas admitidas no EDE para que elas se desenvolvam e estejam alinhadas aos objetivos estratégicos da ENTIDADE GESTORA; (h) Propor ao DIRETOR TÉCNICO o valor da contribuição mensal das empresas do EDE, das taxas de utilização de espaços e bem móveis, e de serviços prestados pelo EDE; (i) Deliberar, em primeira instância, sobre os recursos contra atos e decisões do EDE; (j) Cumprir e fazer cumprir o presente Regimento; (k) Realizar todos os demais atos que não sejam de competência expressa de qualquer dos órgãos da ENTIDADE GESTORA ou do COMITÊ GESTOR. CAPÍTULO IV DOS SUBPROGRAMAS DO EDE Art. 17. O EDE é composto pelos seguintes Subprogramas: 8 de 23

9 I. Fábrica de Empreendimentos; II. Incubadora Empresarial Santos Dumont IESD; III. Condomínio Empresarial; e IV. Núcleo de Empreendedorismo e Inovação. Seção I Da Fábrica de Empreendimentos Art. 18. A FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS possui o objetivo de transformar idéias em produtos ou serviços inovadores tendo como premissa fundamental a transformação dos participantes em empresários. Art. 19. São objetivos específicos da FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS: (a) Promover a geração de empreendimentos a partir de projetos de P&D&I desenvolvido nas IES; (b) Promover o surgimento de novos negócios/empresas, a partir de produtos, processos e/ou serviços inovadores; (c) Promover a transformação dos participantes em empresários; (d) Ter Planos de Negócios aptos a participar dos editais da Incubadora Empresarial Santos Dumont IESD; (e) Reduzir os riscos envolvidos nos processos de geração de novos empreendimentos. Art. 20. A FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS terá como atribuições: (a) Assessorar os participantes selecionados na sua formação empresarial e na elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS; (b) Acompanhar a evolução dos participantes e do empreendimento; (c) Intervir, quando necessário, no desenvolvimento do projeto; (d) Subsidiar os participantes com informações relevantes para o desenvolvimento do empreendimento; (e) Apoiar e promover eventos técnicos, científicos e promocionais que estimulem a interação dos participantes com o meio empresarial e científico; (f) Apoiar na busca de investidores de capital semente para viabilização dos negócios. Subseção I - Do Ingresso na Fábrica de Empreendimentos Art. 21. Serão admitidos na FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS interessados que atendam às especificações do Artigo 22 e que passem em todas as fases de processo de seleção a ser conduzido pelo EDE, sempre que houver disponibilidade de vagas, mediante edital 9 de 23

10 público. Parágrafo Único Os editais serão concebidos atendendo às diretrizes estratégicas da ENTIDADE GESTORA e, preferencialmente, aos temas de seu interesse - água, energia e turismo, bem como às diretrizes do EDE, podendo ser incluídos nos editais de seleção de projetos da FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS outros temas que contribuam para o desenvolvimento regional ou de outra forma alinhados às finalidades da ENTIDADE GESTORA, desde que pré-aprovados pelo COMITÊ GESTOR do EDE e homologados pela ENTIDADE GESTORA. Subseção II - Dos projetos habilitados Art. 22. Estão habilitados ao processo de seleção projetos alinhados aos temas foco do EDE, conforme especificado no Artigo 21, parágrafo único, apresentados por: I. Interessados matriculados em curso de graduação (superior ou tecnólogo de nível superior) reconhecido pelo MEC; II. Interessados já graduados em curso de nível superior devidamente reconhecido pelo MEC. III. Outros, a critério do Comitê Gestor do EDE Subseção III - Do Processo de Seleção Art. 23. A seleção para ingresso de projetos na FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS se dará mediante análise dos PLANOS DE NEGÓCIOS RESUMIDOS apresentados por interessados habilitados na forma do Artigo 22. Art. 24. Os critérios de seleção de projetos para a FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS serão definidos nos respectivos editais de chamamento. Art. 25. Caberá ao COMITÊ GESTOR proceder à avaliação dos PLANOS DE NEGÓCIOS RESUMIDOS. Subseção IV - Dos Contratos Art. 26. Os selecionados firmarão com a ENTIDADE GESTORA, Contrato de Pré- Incubação, no qual serão definidos: (a) o número de horas de dedicação ao desenvolvimento do projeto; (b) as condições de submissão do projeto, após o prazo de pré-incubação, a Editais para 10 de 23

11 Seleção de Empresas para a IESD; (c) a titularidade dos direitos de propriedade intelectual derivados do desenvolvimento do projeto; (d) a inexistência de qualquer impedimento legal que impossibilite o empreendedor de realizar as atividades por ele propostas no projeto, bem como a inexistência de óbices de qualquer natureza à apresentação de PLANO DE NEGÓCIO DETALHADO em Editais para Seleção de Empresas para a IESD e a possibilidade de o empreendedor vir a se tornar sócio de empresa incubada; (e) o valor da bolsa de pré-incubação, se for o caso; (f) casos de rescisão; (g) itens relevantes específicos do projeto. Parágrafo Único Os participantes que, por qualquer motivo, não puderem ou não tiverem interesse em receber bolsa auxílio, firmarão Contrato de Pré-Incubação sem previsão de concessão de bolsa. Subseção V- Da Ocupação do Espaço Físico Art. 27. A assinatura do Contrato de Pré-Incubação dará aos participantes o direito de utilização de espaço físico de uso compartilhado, contendo computador com acesso à rede e internet. 1º. O tempo de permanência dos participantes nos espaços cedidos será igual ao prazo de pré-incubação. 2º. As condições de utilização dos espaços físicos, específicos da Pré-Incubação, serão definidas no Contrato de Pré-Incubação. Subseção VI - Do Período de Pré-Incubação Art. 28. O contrato de pré-incubação terá vigência de 06 (seis) meses, a contar da data de sua assinatura, podendo ser prorrogado por até igual período, mediante solicitação dos participantes, acompanhada de justificativa encaminhada pela GERÊNCIA EXECUTIVA e avaliação pelo COMITÊ GESTOR. Art. 29. Ao final da vigência do contrato, os participantes deverão submeter o projeto desenvolvido durante o período de pré-incubação, sob a forma de PLANO DE NEGÓCIO DETALHADO, a processo seletivo de Empresas para a IESD. Art. 30. Caso a empresa tenha concluído com sucesso o período de pré-incubação e decida não submeter um PLANO DE NEGÓCIOS DETALHADO ao processo seletivo para a IESD, todos os direitos sobre o projeto desenvolvido pela equipe no período de pré- 11 de 23

12 incubação, inclusive eventuais direitos de propriedade intelectual, passam à propriedade da FPTI-BR, sem ônus, como contrapartida pelo apoio concedido ao empreendedor ou empresa no período de pré-incubação, ressalvados eventuais direitos morais de autoria. Parágrafo Único A FPTI-BR utilizará os projetos que passarem à sua propriedade como melhor lhe convier, sendo-lhe facultado realizar a cessão, a venda, o licenciamento ou transferir de qualquer outra forma a propriedade ou os direitos sobre os mesmos para quaisquer terceiros, ou ainda utilizá-los ou alterá-los à sua melhor conveniência, sem que seja necessária qualquer autorização ou anuência para tanto. Subseção VII - Dos incentivos Art. 30. Como forma de incentivo ao desenvolvimento do projeto o EDE disponibilizará aos participantes: I. cursos e consultorias, segundo Plano do EDE; e II. bolsa auxílio, em caso de disponibilidade de recursos. 1º. O valor da bolsa auxílio a que se refere o inciso II deste Artigo, será definido em Resolução do Conselho Diretor da ENTIDADE GESTORA. 2º. O número de bolsas disponíveis e os critérios para concessão serão definidos nos Editais. Subseção VIII Das Empresas Juniores Art. 31. EMPRESAS JUNIORES devidamente constituídas poderão participar da FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS. Parágrafo Único - A participação de uma Empresa Júnior na FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS está condicionada à aprovação de um Plano de Negócios, específico para as EMPRESAS JUNIORES, submetido pelo seu Presidente Executivo, sob a tutoria de um professor pertencente ao quadro efetivo da IES à qual pertence a Empresa. Art. 32. A Pré-Incubação de EMPRESAS JUNIORES tem por objetivos: (a) Fomentar e apoiar o espírito empreendedor dos acadêmicos, através do incentivo à criação de EMPRESAS JUNIORES nas IES da região; (b) Ampliar o vínculo entre as IES, o mercado, a sociedade, as políticas de empreendedorismo e o setor empresarial, a partir da formação de empreendedores; (c) Contribuir para o fortalecimento do ambiente de formação nas IES, através da 12 de 23

13 interação teoria-prática, aumento do capital social da IES e fortalecimento da área de extensão; (d) Sensibilizar a área acadêmica para a importância das EMPRESAS JUNIORES, cuja participação é necessária para construção, a partir do conhecimento e a troca de experiências, de um movimento atuante nos seus direitos e deveres como Empresários Juniores; (e) Sensibilizar os agentes de ensino superior para a importância dos projetos das EMPRESAS JUNIORES para o desenvolvimento profissional dos acadêmicos. (f) Capacitar empreendedores para atuar como empresários/empreendedores no âmbito das EMPRESAS JUNIORES. Art. 33. A Pré-Incubação de EMPRESAS JUNIORES está sujeita às normas da FÁBRICA DE EMPREENDIMENTOS, com exceção das normas referentes à ocupação de espaço e ao período de Pré-Incubação. 1º. O EDE, disponibilizará espaço físico para instalação da EMPRESA JÚNIOR em suas dependências, observado que a ocupação do espaço físico não é obrigatória, uma vez que a empresa poderá desenvolver as atividades previstas em seu Plano de Negócios no campus da IES à qual pertence. 2º Caso a EMPRESA JÚNIOR opte por ocupar o espaço físico disponibilizado pelo EDE, ela se submeterá às regras discriminadas neste instrumento e às normas administrativas da ENTIDADE GESTORA. 3º. O período de pré-incubação de uma EMPRESA JÚNIOR será por tempo indeterminado, condicionado ao cumprimento de requisitos estabelecidos contratualmente. Art. 34. O Presidente Executivo da EMPRESA JÚNIOR poderá ter direito à percepção da bolsa auxílio pelo período em que estiver no exercício do cargo, condicionado ao cumprimento de requisitos estabelecidos contratualmente. Art. 35. A Pré-Incubação de EMPRESAS JÚNIORES pressupõe a assinatura de 02 (dois) contratos: I. Termo de Concessão de Bolsa, se for o caso, a ser firmado com o Presidente Executivo da empresa; II. Contrato de pré-incubação de EMPRESA JÚNIOR. Seção II Da IESD Art. 36. A IESD possui o objetivo de apoiar a criação e consolidação de Empresas de produtos ou processos inovadores ou de serviços especializados. 13 de 23

14 Art. 37. São objetivos específicos da IESD: (a) Promover o desenvolvimento da empresa incubada nos aspectos relacionados à gestão empresarial e inovação; (b) Possibilitar às empresas incubadas o uso dos serviços e infra-estrutura, observadas as obrigações estabelecidas no Contrato de Incubação; (c) Estimular a interação e cooperação entre as empresas incubadas, e entre estas e os programas estruturantes e parceiros da ENTIDADE GESTORA; (d) Apoiar a criação e consolidação de empreendimentos de excelência na área de tecnologia, facilitando a transformação de projetos em novos produtos, processos ou serviços especializados. (e) Propiciar às empresas condições favoráveis para o desenvolvimento de seus negócios em ambientes dinâmicos; (f) Identificar novas oportunidades de negócios, buscando apoiar a viabilização dos mesmos; (g) Facilitar a aproximação das empresas incubadas com instituições de educação, pesquisa, tecnologia e desenvolvimento institucional, bem como a interação com instituições financeiras e de fomento. Subseção I - Das Atribuições da IESD: Art. 38. No processo de incubação de empresas, a IESD terá como atribuições: (a) Prestar suporte a empreendimentos nela instalados, apoiando a sua criação, desenvolvimento, consolidação e interação com o meio empresarial; (b) Promover a capacitação gerencial dos empreendedores; (c) Apoiar e promover eventos técnicos, científicos e promocionais que estimulem a interação dos empreendimentos com o meio empresarial e científico; (d) Articular com órgãos da administração pública e privada que atuem na promoção do desenvolvimento de empreendimentos inovadores com foco nas áreas de interesse do PTI; (e) Fomentar o desenvolvimento econômico sustentável, com respeito ao meio ambiente, através de apoio a empreendimentos inovadores, que apresentem viabilidade técnica, mercadológica e financeira; (f) Auxiliar na elaboração de projetos que visem obter fomento para projetos inovadores. Subseção II - Do Ingresso na IESD Art. 39. O ingresso de empreendimentos na IESD será através de processo de seleção, 14 de 23

15 sempre que houver disponibilidade de vagas, mediante edital público. Parágrafo único Os editais serão concebidos atendendo às diretrizes estratégicas da ENTIDADE GESTORA e, preferencialmente, aos temas de seu interesse - água, energia e turismo, bem como às diretrizes do EDE, podendo ser incluídos nos editais de seleção de empresas para incubação outros temas que contribuam para o desenvolvimento regional ou de outra forma alinhados às finalidades da ENTIDADE GESTORA, desde que préaprovados pelo COMITÊ GESTOR do EDE e homologados pela ENTIDADE GESTORA. Subseção III - Das modalidades e categorias de incubação Art. 40. A incubação ocorrerá nas seguintes modalidades e categorias: Residente Modalidade Não-Residente Incubação Categoria Incubação à distância I. Modalidade Residente Incubação: Nesta modalidade, a empresa incubada instala-se no espaço físico da ENTIDADE GESTORA, dispondo de toda a infraestrutura física da incubadora e serviços oferecidos; e II. Modalidade Não-Residente Incubação à distância: Modalidade voltada para empresas que, em razão da necessidade de proximidade com seu mercado consumidor ou por outros motivos ligados à condução do negócio, não possam instalar-se no PTI. Nesta modalidade, o empreendimento não se encontra fisicamente instalado na IESD, mas conta com seu suporte, e participa e aproveita, à distância, dos serviços e apoios oferecidos pela incubadora. Parágrafo Primeiro - Serão critérios para aceitação de empresas na IESD sob a modalidade descrita no inciso II deste artigo, que elas se localizem no Brasil, na área de interesse do PTI. Parágrafo Segundo Os representantes das empresas incubadas, na modalidade do inciso II deste artigo, devem manter contato constante com a IESD, realizando visitas periódicas, nos termos e condições expressos no respectivo contrato de incubação. Subseção IV - Dos tipos de empreendimentos habilitados Art. 41. Estão habilitados ao processo de seleção os empreendimentos que se enquadrem nas categorias abaixo relacionadas: 15 de 23

16 I. Empresa criada por Pessoa Física - pesquisador/profissional que tenha uma idéia/projeto/produto e que deseje criar sua empresa na incubadora; II. Empresa criada por Pessoa Jurídica - empresa ou grupo empresarial que deseje criar uma nova empresa na incubadora; III. Pessoa Jurídica Transferida - Empresa já constituída no mercado e que deseje transferir-se para a IESD em busca de maior apoio técnico, gerencial e/ou integração com outras empresas para desenvolver processo, produto e/ou serviço; IV. Divisão de Desenvolvimento de uma Pessoa Jurídica - Empresa já constituída, que deseje instalar no IESD uma equipe técnica para pesquisa e desenvolvimento de novo processo, produto e/ou serviço inovador. Subseção V - Do Processo de Seleção Art. 42. A seleção para ingresso de projetos na IESD se dará mediante análise dos PLANOS DE NEGÓCIOS apresentados pelos indivíduos e empresas habilitados na forma do Artigo 41. Art. 43. Os critérios de seleção de projetos para a IESD serão definidos nos editais. Art. 44. Caberá ao COMITÊ GESTOR proceder à avaliação dos PLANOS DE NEGÓCIOS. Subseção VI - Dos Contratos Art. 45. Os empreendedores selecionados firmarão, com a ENTIDADE GESTORA, Contrato de Incubação, no qual serão definidos os prazos, direitos, responsabilidades do empreendedor no EDE, custos, bem como a forma de utilização de infra-estrutura, sistemas e serviços compartilhados de Incubação, no qual serão especificados ao empreendedor os termos de acesso e uso dos bens e serviços oferecidos pela IESD. Subseção VII - Da Ocupação do Espaço Físico Art. 46. A assinatura do contrato de incubação, na modalidade residente, dará à empresa o direito de utilização de espaço físico privativo, cedido em regime de subcomodato. 1º. O tempo de permanência da incubada nos espaços cedidos será igual ao prazo de incubação. 2º. As condições de utilização dos espaços físicos, específicos da incubação, serão definidas no Contrato de Incubação. 16 de 23

17 Subseção VIII Do período de Incubação Art. 47. A permanência de uma empresa na IESD será de 12 (doze) meses, a contar da data de celebração do Contrato de Incubação, podendo este prazo ser prorrogado por até 02 (dois) períodos sucessivos de 12 (doze) meses, totalizando ao final 36 (trinta e seis meses). 1º. A renovação será avaliada pelo COMITÊ GESTOR, com base no plano de acompanhamento de cada empresa, elaborado pela GERÊNCIA EXECUTIVA. 2º. O prazo estabelecido no caput deste artigo poderá, excepcionalmente, ultrapassar o limite de 36 (trinta e seis) meses, mediante solicitação formal da GERÊNCIA EXECUTIVA e aprovação pelo COMITÊ GESTOR, e comprovação de atendimento às seguintes situações: (a) Aprovação de projetos junto às agencias de fomento, referente ao projeto em desenvolvimento, com vigência superior à do contrato de incubação; (b) Período necessário ao desenvolvimento do produto inovador, superior à vigência do contrato de incubação; (c) Período necessário para homologação do produto inovador junto às agências regulamentadoras, superior à vigência do contrato de incubação; (d) Situações de força maior, que impactem no prazo de desenvolvimento do produto; (e) Situações de força maior, que impliquem na alteração substancial do Plano de Negócio; (f) Interesse fundamentado do EDE, aprovado pelo COMITÊ GESTOR Art. 48. O período de incubação contempla condições específicas e será subdividido nas seguintes fases: I. Implantação estruturação da gestão da empresa, formação da equipe básica, definição dos procedimentos e processos, desenvolvimento e conclusão do protótipo/processo; II. Crescimento início da comercialização, aprimoramento da gestão, expansão do quadro funcional e ajustes no produto/serviço; III. Consolidação venda em escala e aumento da fatia do mercado, especialização do quadro funcional com destaque para a diferenciação nas atribuições dos sócios, com atuação prioritariamente estratégica. Parágrafo Único - A duração de cada uma das fases será determinada pelo COMITÊ GESTOR do EDE, em conformidade com a performance de cada empresa, podendo haver progressão e regressão de fases, por deliberação única do mesmo. Art. 49. Concluídas as fases de incubação, e tendo a empresa cumprido as metas 17 de 23

18 previstas no plano de negócio, bem como, elaborado o seu planejamento estratégico, a empresa será considerada graduada. 1º. A Graduação é o marco que caracteriza, através de avaliação de indicadores, que a empresa está apta a deixar a incubadora. 2º. A Graduação ocorrerá conforme previsto no plano de negócio e acontecerá em no prazo máximo 36 (trinta e seis) meses, observadas as excepcionalidades estabelecidas nos incisos do artigo 46, 2º. Art. 50. Será permitida 1 (uma) reincubação, por período igual ao estipulado no Artigo 46, desde que a empresa apresente um novo projeto inovador e este seja aprovado pelo COMITÊ GESTOR do EDE. Subseção IX - Dos incentivos Art. 51. As formas de apoio do EDE/FPTI à empresa incubada ocorrerão de maneira diferenciada conforme as fases: I. Implantação O EDE priorizará as ações de inteligência competitiva, capacitação dos gestores e consultorias complementares visando a conclusão do desenvolvimento do protótipo/processo. Nesta fase caberá o apoio na busca de investidores de capital semente; II. Crescimento Apoio no desenvolvimento e execução de um plano de marketing e capacitações complementares. Nesta fase caberá o apoio na busca de recursos junto às agências de fomento e investidores anjo ; III. Consolidação Apoio na elaboração do planejamento estratégico, na busca de parcerias, projeção no mercado, fortalecimento do mercado e capacitações especializadas. Nesta fase caberá o apoio na busca de capital de risco. Art. 52. O EDE/FPTI como forma de apoio às empresas, oferecerá descontos nos custos de incubação e dos serviços à elas disponibilizados, diferenciados a cada ano de incubação, conforme tabela abaixo: PERÍODO Do 1º ao 12º mês Do 13º ao 24º mês Do 25º ao 36º mês DESCONTO 73,0% (setenta e três inteiros por cento). 46,0% (quarenta e seis por cento). 25,0% (vinte e cinco por cento). Parágrafo Único Em condições excepcionais, a GERÊNCIA EXECUTIVA poderá propor ao COMITÊ GESTOR a reavaliação dos prazos e da categoria de percentuais a que tem direito a INCUBADA. 18 de 23

19 Subseção X Da Migração Art. 53. A empresa incubada poderá, quando graduada, apresentar ao COMITÊ GESTOR proposta de participação no Condomínio Empresarial do EDE, conforme condições estabelecidas no Art. 58. Subseção XI Da retribuição ao Incentivo Art. 54. A partir da graduação, migrando ou não para o Condomínio Empresarial, a empresa incubada deverá pagar à ENTIDADE GESTORA, a título de ressarcimento complementar pela participação no programa de incubação, o equivalente a 1,5% do faturamento bruto dos últimos 12 (doze) meses, anualmente, pelo mesmo período em que ficou incubada, a ser pago em parcelas mensais, corrigido anualmente IGP-M (Índice Geral de Preços ao Consumidor) 1º Caso a empresa não esteja faturando no momento da graduação ou não tenha apurado lucro nos últimos 12 (doze) meses, nada será devido pela empresa à IESD a título de ressarcimento pela participação do programa de incubação. Seção III Do Condomínio Empresarial Art. 55. O CONDOMÍNIO possui o objetivo de apoiar o crescimento de empresas inovadoras, assim como permitir que empresas de interesse do PTI possam se instalar nas suas dependências, agregando valor aos demais atores do PTI. Art. 56. São objetivos específicos do Condomínio Empresarial: I. Promover o fortalecimento das empresas graduados na IESD; II. Atrair empresas inovadoras de base tecnológica, que contribuam para o fortalecimento dos programas estruturantes da ENTIDADE GESTORA e dos demais parceiros estratégicos do PTI; III. Promover a interação das empresas participantes do CONDOMÍNIO EMPRESARIAL com os atores do PTI; IV. Estimular o desenvolvimento de produtos, processos e/ou serviços inovadores. Subseção I - Das Atribuições do Condomínio Empresarial: Art. 57. São atribuições do CONDOMÍNIO: 19 de 23

20 (a) Oferecer oportunidades de aprimoramento empresarial; (b) Oportunizar a participação das empresas do CONDOMÍNIO nos eventos técnicos, científicos e promocionais promovidos pela ENTIDADE GESTORA e seus parceiros estratégicos, que sejam pertinentes à área de atuação da empresa; (c) Promover a aproximação de investidores de capital de risco com as empresas participantes do Condomínio Empresarial; (d) Divulgar editais de fomento para o desenvolvimento de projetos inovadores; (e) Facilitar a aproximação das participantes do Condomínio Empresarial com instituições de educação, pesquisa, tecnologia e desenvolvimento institucional, bem como a interação com instituições financeiras e de fomento; (f) Possibilitar às empresas participantes do Condomínio Empresarial o uso de serviços e infra-estrutura, pertinentes ao Programa, observadas as obrigações estabelecidas em Contrato. Art. 58. O ingresso de empreendimentos no CONDOMÍNIO se dará, mediante edital, por meio da avaliação de Plano Empresarial e está condicionado à disponibilidade de vagas. Subseção V - Dos tipos de empreendimentos habilitados Art. 59. Poderão participar do CONDOMÍNIO pessoas jurídicas regularmente constituídas que tiverem seu Plano Empresarial analisado pelo COMITÊ GESTOR e aprovado pela ENTIDADE GESTORA. Art. 60. As empresas interessadas em ocupar espaço do CONDOMÍNIO do EDE/FPTI, deverão apresentar, na forma de Plano Empresarial, uma proposta contendo, no mínimo: (a) Objetivos e justificativa; (b) Descrição do negócio (produtos, serviços e mercado) (c) Infra-estrutura necessária; (d) Geração de emprego e renda; (e) Faturamento; (f) Investimento em P&D; (g) Formas de interação com os programas estruturantes da ENTIDADE GESTORA; (h) Formas de interação com os atores do PTI (i) Proposta de prazo de permanência. 1º. O COMITÊ GESTOR avaliará a proposta e apresentará um relatório recomendando ou não a participação da empresa no Condomínio Empresarial. 20 de 23

21 2º. A não apresentação de alternativas para o cumprimento das alíneas g e h desse Artigo ensejará a não aceitação da proposta. Subseção IV - Do Processo de Seleção Art. 61. Os critérios de seleção serão definidos nos editais. Art. 62. Caberá ao COMITÊ GESTOR proceder à avaliação e emitir parecer sobre os Planos Empresariais, e ao Conselho Diretor da ENTIDADE GESTORA a decisão final quanto à aceitação ou não da empresa no Condomínio Empresarial. Subseção VIII - Dos Contratos Art. 63. A empresa que tiver seu Plano Empresarial aprovado firmará, com a ENTIDADE GESTORA, Contrato de Participação no Condomínio Empresarial, no qual serão definidos: (a) infra-estrutura e serviços de apoio disponibilizados; (b) os direitos e obrigações das partes; (c) a obrigatoriedade da empresa participantes apresentar, à GERÊNCIA EXECUTIVA, relatórios trimestrais; (d) os custos e a forma de pagamento; (e) da vigência; (f) da rescisão; (g) autorização para que a FPTI/EDE use o nome comercial ou marca da empresa participante, para fins de divulgação do EDE; (h) sigilo; (i) outras questões relevantes. Subseção IX - Da Ocupação do Espaço Físico Art. 64. A assinatura do Contrato de Participação no Condomínio Empresarial dará à empresa o direito de utilização de espaço físico privativo, cedido em regime de subcomodato. Parágrafo Único - As condições de utilização dos espaços físicos, específicos do Condomínio Empresarial, serão definidas no Contrato de Participação. Subseção X - Da Permanência das Empresas Participantes do Condomínio Empresarial 21 de 23

22 Art. 65. O prazo de permanência de uma empresa no Condomínio Empresarial será proposto pela própria empresa, não podendo ultrapassar a vigência do Contrato de Comodato firmado entre a ENTIDADE GESTORA e a ITAIPU. Parágrafo Único - A renovação será avaliada pelo COMITÊ GESTOR, com base em indicadores apresentados pela empresa, cabendo à decisão quanto à permanência ou não da empresa no Condomínio Empresarial à ENTIDADE GESTORA, com base em seu único e exclusivo juízo discricionário. Art. 66. A participação da Empresa no CONDOMÍNIO poderá ser interrompida, a qualquer momento, mediante aviso prévio estabelecido em contrato, no caso de não aprovação, pelo EDE, dos relatórios trimestrais obrigatórios entregues pela empresa à gerência do EDE, devendo ser concedida à empresa oportunidade para prestar esclarecimentos acerca dos relatórios apresentados. Seção IV Núcleo de Empreendedorismo e Inovação Art. 67. O NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO têm como objetivo a sensibilização, criação e disseminação da cultura empreendedora e da inovação na área de interesse Brasil do PTI-BR, e dar apoio às micro e pequenas empresas, instaladas no PTI e em seu entorno. Art. 68. O NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO tem como objetivos específicos: (a) Fomentar o espírito empreendedor na comunidade regional; (b) Promover a inovação tecnológica, a partir do desenvolvimento de produtos, processos ou serviços que atendam e/ou induzam a demandas do mercado; (c) Ampliar o vínculo entre as IES e o setor empresarial, a partir da formação de empreendedores; (d) Contribuir para o desenvolvimento econômico e social da região, incentivando investimentos em atividades geradoras de riqueza e trabalho. (a) Possibilitar às empresas da região o acesso às capacitações, palestras, consultorias e eventos apoiados pelo EDE; (b) Divulgar as formas de captação de recursos de fomento para a inovação; (c) Divulgar as tecnologias desenvolvidas no PTI que sejam possíveis oportunidades de negócio; (d) Apoiar as iniciativas de TIB. Subseção I Das atribuições do Núcleo de Empreendedorismo e Inovação 22 de 23

23 Art. 69. São atribuições do NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO: (a) Fomentar o desenvolvimento econômico sustentável, através de apoio a empreendimentos inovadores, que apresentem viabilidade técnica, mercadológica e financeira; (b) Articular com órgãos da administração pública e privada ações que promovam o desenvolvimento de empreendimentos inovadores com foco nas áreas de interesse do PTI; (c) Promover a capacitação empresarial buscando o aprimoramento de processos de gestão. (d) Atrair parcerias para a execução de atividades voltadas ao desenvolvimento das micro e pequenas empresas; (e) Apoiar as micro e pequenas empresas na realização de adaptações necessárias para exportação de seus produtos ou serviços; (f) Orientar os micros e pequenos empresários sobre soluções voltadas ao desenvolvimento e aprimoramento do negócio. TÍTULO II - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 73. Aos processos descritos neste Regimento Interno aplicam-se subsidiariamente o Estatuto da FPTI-BR, as normas e procedimentos internos da entidade e as normas de direito privado. Art. 74. Este Regimento Interno entra em vigor na data da sua aprovação pelo Conselho Diretor da FPTI-BR. Art. 75. As empresas e empreendedores já estabelecidos no EDE por ocasião da aprovação do presente Regimento Interno disporão de prazo de (60) dias para se adaptarem às regras e disposições deste Regimento Interno. 23 de 23

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

EDITAL PARA CHAMAMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDIMENTOS PARA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE EMPRESAS DE GUARULHOS

EDITAL PARA CHAMAMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDIMENTOS PARA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE EMPRESAS DE GUARULHOS 1 EDITAL PARA CHAMAMENTO DE PROJETOS DE EMPREENDIMENTOS PARA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE EMPRESAS DE GUARULHOS EDITAL DE SELEÇÃO DAS EMPRESAS 02/2010 I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A Agência de Desenvolvimento

Leia mais

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica

Edital 1/2014. Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica Edital 1/2014 Chamada contínua para incubação de empresas e projetos de base tecnológica A (PoloSul.org) torna pública a presente chamada e convida os interessados para apresentar propostas de incubação

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014

CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 CONSELHO CIENTÍFICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E INOVAÇÃO DO ESPÍRITO SANTO RESOLUÇÃO Nº 113, DE 11 DE SETEMBRO DE 2014 Regulamenta a concessão de Auxílio para Apoio a Incubadoras

Leia mais

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014

INCUBADORA RINETEC. Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC. Edital 001 2014 INCUBADORA RINETEC Regulamento da Chamada para ingresso de idéias inovadoras na incubadora RINETEC Edital 001 2014 1. APRESENTAÇÃO 1.1 Este edital estabelece formas, condições e critérios para que a Associação

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO

EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO EDITAL DE SELEÇÃO FLUXO CONTÍNUO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br

Leia mais

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ

EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ EDITAL Nº 01/2009 PROJETOS EMPRESARIAIS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ O presente edital regulamenta o processo de recrutamento, seleção e ingresso de projetos empresariais na Incubadora

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº.1478-R de 14 de Abril de 2005 Regulamenta a Lei Complementar nº290, de 23 de junho de 2004, publicada no Diário Oficial do Estado em 25 de junho de 2004, que dispõe sobre a criação da Fundação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP

EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP EDITAL DE SELEÇÃO PROPOSTAS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UNICAMP - INCAMP REALIZAÇÃO Fone (19)3521-5012 E-mail INCAMP@unicamp.br - Site: http://www.incamp.unicamp.br 1.

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Farmácia Universitária

Farmácia Universitária Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Faculdade de Ciências Farmacêuticas Farmácia Universitária Regimento Interno Título I Da Farmácia Universitária Art. 1o A Farmácia Universitária da UNIFAL-MG,

Leia mais

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012

EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 EDITAL DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Nº 01/2012 PROCEDIMENTOS DE RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PROJETOS EMPRESARIAIS INOVADORES PARA INGRESSO E PARTICIPAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE SÃO JOSÉ IESJ. A INCUBADORA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá Regulamento Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica Sênior do I. CONSIDERAÇÕES GERAIS ART. 1º - Este regulamento tem por objetivo orientar a apresentação, tramitação, aprovação, execução,

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI

Regimento Interno da Comissão de Avaliação e Gestão de Projetos de Pesquisa e Inovação - CAGPPI Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Farroupilha Regimento Interno da Comissão de Avaliação

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFPel

INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFPel INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFPel EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA INGRESSO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFPel Edital nº 01/2013 Novembro de 2013 1 EDITAL Nº 01/2013

Leia mais

EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO. Objetivo: Seleção de Candidatos ao Ingresso na Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de São Paulo USP/ IPEN

EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO. Objetivo: Seleção de Candidatos ao Ingresso na Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de São Paulo USP/ IPEN EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO Objetivo: Seleção de Candidatos ao Ingresso na Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de São Paulo USP/ IPEN Versão Completa 2015 Janeiro/2015 1) Objeto e Prazos O Cietec entidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO CSA N.º 05, DE 14 DE ABRIL DE 2015 Altera o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração das Faculdades

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB

CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB CASULO Incubadora de Empresas do UniCEUB TERMO ADITIVO AO EDITAL nº 02/2013 PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS ALTERAÇÃO DE DATAS E FORMA DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Apoio: Brasília, 28 de agosto de 2013.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio:

EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS. Apoio: EDITAL PARA ADMISSÃO DE EMPREENDIMENTOS INCUBADOS Apoio: Recife, 2015 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVOS... 3 3. PUBLICO ALVO... 3 4. ATORES... 3 5. ESPAÇO FÍSICO... 4 6. SERVIÇOS OFERECIDOS...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Conforme texto publicado no Boletim de Serviço nº 047 de 18/04/2005 páginas 05 a 11 REGIMENTO INTERNO DA CRECHE DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Seção I Da criação

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E CIÊNCIAS ECONÔMICAS Regulamento Específico do Curso de Especialização em Auditoria e Controle Gerencial

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS Nº. 044/2008. Seleção Pública de Projetos para a Fábrica de Empreendimentos do EDE/FPTI-BR

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS Nº. 044/2008. Seleção Pública de Projetos para a Fábrica de Empreendimentos do EDE/FPTI-BR Seleção Pública de Projetos para a Fábrica de Empreendimentos do EDE/FPTI-BR A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil (FPTI), torna público que estão abertas as inscrições para o processo de seleção

Leia mais

Edital Permanente Incubaero

Edital Permanente Incubaero Edital Permanente Incubaero A Incubaero torna pública a abertura permanente de inscrições para candidatos ao ingresso, como incubados, em seu quadro de empresas e ou de pré-projetos de base tecnológica.

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 77, DE 18 DE MARÇO DE 2014. Institui os procedimentos para o gerenciamento de projetos prioritários no âmbito da Agência Nacional de Aviação Civil - ANAC e dá outras providências.

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

TABELA DE SERVIÇOS PTI EMPREENDEDORISMO

TABELA DE SERVIÇOS PTI EMPREENDEDORISMO TABELA DE SERVIÇOS PTI EMPREENDEDORISMO VERSÃO 0.9 DATA DA ÚLTIMA ALTERAÇÃO 09/FEV/2011 DESENVOLVIDO POR PTI - EMPREENDEDORISMO APROVADO POR RESOLUÇAÕ CONSELHO DIRETOR RCD 06/2011 OBSERVAÇÃO ANEXO II -

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES

Art. 2º Revogar a Portaria nº 112, de 01 de agosto de 2008. Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. JORGE ALMEIDA GUIMARÃES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 140, DE 1º DE JULHO DE 2010 O PRESIDENTE DA COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR -

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE- UNINORTE LAUREATE Programa Incubadora Uninorte Empreende EDITAL Nº 01/2015 PRÉ-INCUBAÇÃO A Incubadora Uninorte Empreende, incubadora de empresas do Centro Universitário do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO Nº 20/2012, DE 14 DE AGOSTO DE 2012 Aprova a regulamentação do Programa de Incentivo à Pesquisa,

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA Título I Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos Art. 1 - A COORDENAÇÃO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - CPPE é o órgão

Leia mais

EDITAL nº 057/2011 INGRESSO NO MICRO DISTRITO DE BASE TECNOLÓGICA DE LAGES - INCUBADORA MIDILAGES

EDITAL nº 057/2011 INGRESSO NO MICRO DISTRITO DE BASE TECNOLÓGICA DE LAGES - INCUBADORA MIDILAGES EDITAL nº 057/2011 INGRESSO NO MICRO DISTRITO DE BASE TECNOLÓGICA DE LAGES - INCUBADORA MIDILAGES A Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense - UNIPLAC, por meio do seu Presidente o Sr. Humberto

Leia mais

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI

AGUARDANDO APROVAÇÃO DO COUNI Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DE GRADUAÇÃO E EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DA UTFPR RESOLUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA ITSM/UFSM - INCUBADORA DE EMPRESAS DE BASE TECNOLÓGICA DA UFSM EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS PARA INGRESSO NA ITSM/UFSM INCUBADORA DE EMPRESAS,

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I

Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Regulamento da CPA Comissão Própria de Avaliação DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE VISCONDE DO RIO BRANCO CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 - O presente Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI REGULAMENTO NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FEATI NUPEFE Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti FEATI SEÇÃO I Da Natureza e Missão Art. 1 O Núcleo de Pesquisa e Extensão da FEATI

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

CAPÍTULO I Do Programa

CAPÍTULO I Do Programa REGULAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO NO PROGRAMA DE INCUBAÇÃO DE EMPRESAS DA INCUBADORA DE EMPRESAS E PROJETOS DO INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES INATEL Art. 1 O presente regulamento visa disciplinar a

Leia mais

Resolução nº 018, de 03 de março de 2015.

Resolução nº 018, de 03 de março de 2015. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Conselho Superior Resolução nº 018, de 03 de março de 2015. A Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio

Leia mais

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011)

REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) REGIMENTO DOS LABORATÓRIOS MULTIUSUÁRIOS DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (RESOLUÇÃO CCS 102/2011) CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADES Art.1º- Os Laboratórios

Leia mais

1. HISTÓRICO E OBJETIVOS... 2

1. HISTÓRICO E OBJETIVOS... 2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA SUPERIOR DE DESENHO INDUSTRIAL INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN I EDITAL DE SELEÇÃO DA INCUBADORA DE EMPRESAS DE DESIGN ANO 2012 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO E OBJETIVOS...

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009.

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. 1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CENTRO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS INOVADORAS CDTI/UNITINS SELEÇÃO DE EMPRESAS EDITAL Nº 007, 13/08/2009. A Fundação Universidade do Tocantins UNITINS torna público

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Incubadora de C,T&I de Limeira Edital Permanente

Incubadora de C,T&I de Limeira Edital Permanente A Incubadora de Ciência, Tecnologia & Inovação de Limeira torna pública a abertura do Edital Permanente para as inscrições de candidatos, como empresas ou pré-projetos de base tecnológica, à incubação.

Leia mais

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ

Incubadora de Empresas de Inovação Tecnológica UNIJUÍ PRÁTICA-CHAVE 2.2 AVALIAÇÃO ANEXO I Edital de Incubação EDITAL Nº 03/2014 DA CRIATEC - INCUBADORA DE EMPRESAS DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIJUI CAMPUS IJUÍ, PANAMBI E SANTA ROSA PARA SELEÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU

Lourisvaldo Valentim da Silva Presidente do CONSU RESOLUÇÃO Nº 928/2012 - Aprova o Regulamento do Programa de Bolsas de Extensão (PROBEX). Pró-Reitoria de Extensão (PROEX). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSU) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), no

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Colegiado de Curso é órgão consultivo, normativo, de planejamento acadêmico e executivo, para os assuntos de política de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL

REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DO CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO Nº. 073/12-COGEP de 07/12/12 Curitiba

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS)

PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS) UNIVERSIDADE TIRADENTES Pró-Reitoria Acadêmica Pró-Reitoria Adjunta de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS) Março de 2006 REGULAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013

RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013 RESOLUÇÃO Nº 062 CONSUPER/2013 Dispõe sobre a regulamentação de Programa de Extensão e Projeto de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense. O Presidente do do Instituto

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS NINTEC CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ)

REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) REGIMENTO INTERNO DA FUNDAÇÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE JOINVILLE - (FITEJ) CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADES Art 1º. A Fundação Instituto Tecnológico de Joinville, doravante denominada FITEJ, entidade

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012)

CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) CHAMADA PÚBLICA PARA INCUBAÇÃO DE EMPREENDIMENTOS DA ECONOMIA CRIATIVA NO PORTO DIGITAL (CP 01/2012) 1. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Gestão do Porto Digital (NGPD), com o apoio da Secretaria de Ciência, Tecnologia

Leia mais

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012

FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO ABERTO EM 10/02/2012 FUMSOFT SOCIEDADE MINEIRA DE SOFTWARE PROGRAMAS DE APOIO E INCENTIVO AO EMPREENDEDORISMO EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS E PROJETOS PARA OS PROGRAMAS DE PRÉ-INCUBAÇÃO DE PROJETOS E PROGRAMA

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

ANEXO 1 (Modelo de Plano de Negócios) SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo breve da empresa (Descrever em uma página toda a empresa).

ANEXO 1 (Modelo de Plano de Negócios) SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo breve da empresa (Descrever em uma página toda a empresa). CAPA Nome da Empresa; Endereço, telefone; Logotipo (se houver); Nome do principal responsável; Data em que o Plano foi elaborado. ANEXO 1 (Modelo de Plano de Negócios) SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo breve da

Leia mais

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP

CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE PROJETOS DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA DE SELEÇÃO PÚBLICA PARA INCUBADORA DE DE EMPRESAS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS DO SEBRAE SP CHAMADA PERMANENTE Nº 01/2014 DE DE INCUBAÇÃO O Programa de Incubação de Projetos, através da coordenação da

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares

Professor Rodrigo Marques de Oliveira Presidente do Conselho Acadêmico do IFMG - Campus Governador Valadares SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES - CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 339, DE 12 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do Programa de Cooperação Internacional - PROCIN do Instituto de Pesquisa

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu

Universidade Positivo Resolução n o 04 de 16/04/2010 Normas Acadêmicas do Stricto Sensu RESOLUÇÃO N o 04 de 16/04/2010 - CONSEPE Dispõe sobre as normas das atividades acadêmicas dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu da Universidade Positivo. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA EM ENFERMAGEM CAPÍTULO I Natureza, Finalidade, Sede e Foro Art. 1º - A Comissão Nacional de Residência em Enfermagem - CONARENF, criada pela Portaria

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM DANÇA- ANDA - 1 - CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º. A Associação Nacional de Pesquisadores em Dança, associação sem fins lucrativos

Leia mais

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais;

A Faculdade de Ciências Farmacêuticas no uso de suas atribuições legais e regimentais; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas MG. CEP 37130-000 Fone (35)3299-1350 A Faculdade de Ciências Farmacêuticas

Leia mais

INCUBADORA EMPRESARIAL DE OSÓRIO

INCUBADORA EMPRESARIAL DE OSÓRIO INCUBADORA EMPRESARIAL DE OSÓRIO EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPRESAS PARA INGRESSO NA MODALIDADE DE INCUBAÇÃO INTERNA E INCUBAÇÃO EXTERNA Osório 2015 EDITAL nº 01/2015 DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE EMPREENDEDORES

Leia mais