ABRANGÊNCIA DA CPLP POTENCIALIDADES, SÍMBOLOS E OBRIGAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ABRANGÊNCIA DA CPLP POTENCIALIDADES, SÍMBOLOS E OBRIGAÇÕES"

Transcrição

1 CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP Desenvolver e promover o sector privado da CPLP ABRANGÊNCIA DA CPLP POTENCIALIDADES, SÍMBOLOS E OBRIGAÇÕES

2 2 A abrangência da CPLP envolve: 86 países 2,2 mil milhões de habitantes (31% da população mundial) 4 contientes (Àfrica, Àsia, América e Europa) 6 Comunidades Económicas Regionais (CEDEAO, CEEAC, SADC, ASEAN, MERCOSUL e União Europeia) 3 Comunidades Monetárias Regionais (UEMOA, CEMAC e ZONA URO) 32 países com moedas que têem uma paridade fixa entre elas

3 3

4 4 ABRANGÊNCIA DA CPLP POR CONTINENTE Àfrica (38 Países) América (10 Países) Àsia (11 Países) Europa (27 Países)

5 5 4 Continentes (Àfrica, América, Àsia e Europa): ÀFRICA 38 Países (70% do total dos países do continente africano) 9,5% da população mundial ( habitantes) 3 Comunidades económicas regionais (CEDEAO, CEEAC e SADC) 2 Comunidades monetárias regionais (UEMOA e CEMAC) 15 países que têem uma moeda com uma paridade fixa com o uro (8 da UEMOA, 6 da CEMAC e Cabo Verde)

6 6 AMÉRICA 10 países (cerca de 26% do total dos países do continente americano) 5,6% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade económica regional (MERCOSUL) ÀSIA 11 países (cerca de 30% do total dos países do continente asiático) 8,8% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade económica regional (ASEAN)

7 7 EUROPA 27 países (60% dos países do continente europeu) 6,1% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade económica regional ( União Europeia) 1 Comunidade monetária (Zona uro) 17 países com a mesma moeda ( uro)

8 8 POPULAÇÃO DA ABRANGÊNCIA DA CPLP ASEAN (11 PAÍSES) CEDEAO (15 PAÍSES) CEEAC (9 PAÍSES) SADC (14 PAÍSES) MERCOSUL (10 PAÍSES) UNIÃO EUROPEIA (27 PAÍSES)

9 9 CEDEAO Comunidade Económica dos Estados da Àfrica Ocidental 15 países (cerca de 28% dos países do continente africano) Cerca de 5% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade monetária regional (UEMOA) 8 países com a mesma moeda (Franco CFA) que tem uma paridade fixa com o uro 9 países com moedas (Escudo CV e FCFA) que têem uma paridade fixa com o uro 2 países membros da CPLP (Cabo Verde e Guiné-Bissau) 1 país observador da CPLP (Senegal)

10 PILARES DA ESTRATÉGIA 10 POPULAÇÃO da CEDEAO (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 7 Nigéria ,2% 49 Gana ,7% 56 Costa do Marfim (UEMOA) ,9% 62 Burquina Faso (UEMOA) ,4% 65 Níger (UEMOA) ,1% 67 Mali (UEMOA) ,8% 72 Senegal (UEMEOA) ,1% 77 Guiné ,4% 90 Benim (UEMOA) ,0% 101 Togo (UEMOA) ,2% 112 Serra Leoa ,7% 127 Libéria ,2% 148 Gâmbia ,6% 149 Guiné-Bissau (UEMOA) ,5% 168 Cabo Verde ,2% TOTAL / CEDEAO (15 Países) ,0% 4,5% UEMOA (8 Países) ,0% ÀFRICA (54 Países) ,1% 15,1% MUNDIAL (200 Países) ,0%

11 11 CEEAC Comunidade Económica dos Estados da Àfrica Central 9 países (cerca de 17% dos países do continente africano) Cerca de 1% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade monetária regional (CEMAC) 6 países com a mesma moeda (Franco CFA) que tem uma paridade fixa com o uro 2 países membros da CPLP (Guiné Equatorial e São Tomé e Príncipe) Observação: Angola e a RDC não foram comptabilisados na CEEAC

12 12 POPULAÇÃO da CEEAC (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 59 Camarões ,8% 74 Ruanda ,9% 76 Chade ,8% 81 Burúndi ,2% 117 República Centro-Africana ,8% 124 Congo-Brazaville ,7% 150 Gabão ,5% 163 Guiné Equatorial ,1% 180 São Tomé e Príncipe ,3% TOTAL / CEEAC (9 Países) ,0% 0,9% CEMAC (6 Países) ,6% ÀFRICA (54 Países) ,1% 15,1% MUNDIAL (200 Países) ,0%

13 13 SADC Comunidade para o Desenvolvimento da Àfrica Austral 14 países (cerca de 26% dos países do continente africano) 4% da população mundial ( habitantes) 2 países membros da CPLP (Angola e Moçambique) 2 países observadores da CPLP (Ihas Maurícias e Namíbia)

14 14 POPULAÇÃO da SADC (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 19 RDC - Congo-Kinshasa ,9% 27 África do Sul ,2% 29 Tanzânia ,5% 51 Moçambique ,3% 55 Madagáscar ,7% 60 Angola ,3% 66 Malávi ,7% 71 Zâmbia ,9% 73 Zimbabué ,4% 142 Namíbia ,8% 143 Botsuana ,7% 147 Lesoto ,7% 151 Suazilândia ,5% 151 Ilhas Maurícias ,5% TOTAL / SADC (14 Países) ÀFRICA (54 Países) ,0% 4,0% 26,8% 15,1% MUNDIAL (200 Países) ,0%

15 15 MERCOSUL Mercado Comum da América do Sul 10 países (cerca de 26% dos países do continente americano) Cerca de 6% da população mundial ( habitantes) 1 país membro da CPLP (Brasil)

16 16 POPULAÇÃO do MERCOSUL (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 5 Brasil ,2% 30 Colômbia ,4% 33 Argentina ,6% 43 Peru ,4% 46 Venezuela ,1% 63 Chile ,3% 68 Equador ,8% 83 Bolívia ,6% 103 Paraguai ,6% 134 Uruguai ,8% TOTAL MERCOSUL (10 Países) AMERICA DO SUL (13 Países) ,0% 5,6% 99,7% 42,2% AMERICA (39 Países) ,4% MUNDIAL (200 Países) ,0%

17 17 ASEAN Associação de Nações do Sudueste Asiático 11 países (cerca de 30% dos países do continente asiático) Cerca de 9% da população mundial ( habitantes) 1 país membro da CPLP (Timor Leste)

18 18 POPULAÇÃO da ASEAN (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 4 Indonésia ,9% 12 Filipinas ,7% 13 Vietname ,7% 20 Tailândia ,8% 25 Mianmar ,7% 44 Malásia ,7% 69 Camboja ,4% 102 Laos ,1% 114 Singapura ,9% 156 Timor Leste ,2% 172 Brunei ,1% TOTAL / ASEAN (11 Países) ÀIA (37 Países) ,0% 8,8% 14,8% 59,5% MUNDIAL (200 Países) ,0%

19 19 UE União Europeia 27 países (60% dos países do continente europeu) Cerca de 6% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade monetária regional (Zona uro) 17 países com a mesma moeda ( uro) 1 país membro da CPLP (Portugal) 2 países observadores da CPLP (Geórgia e Turquia)

20 ACTIVIDADES PRIORITÁRIAS 20 POPULAÇÃO da UNIÃO EUROPEIA (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % Nº PAÍS POPULAÇÂO % Nº PAÍS POPULAÇÂO % 16 Alemanha (Zona uro) ,0% 84 República Checa ,4% 145 Eslovénia (Zona uro) ,5% 21 França (Zona uro) ,4% 87 Hungria ,2% 153 Estónia (Zona uro) ,3% 22 Reino Unido ,8% 92 Suécia ,1% 157 Chipre (Zona uro) ,3% 23 Itália (Zona uro) ,3% 95 Áustria (Zona uro) ,9% 170 Luxemburgo (Zona uro) ,1% 28 Espanha (Zona uro) ,0% 100 Bulgária ,6% 171 Malta (Zona uro) ,1% 34 Polónia ,0% 110 Dinamarca ,3% 57 Roménia ,1% 113 Eslováquia (Zona uro) TOTAL / UE (27 Países) ,0% ,3% 6,1% Países Baixos (Zona uro) Portugal (Zona uro) ,9% ,5% 119 Finlândia (Zona uro) Irlanda (Zona uro) ,2% Zona uro (17 Países) ,9% ,1% 4,7% 79 Grécia (Zona uro) ,5% 131 Lituânia ,8% EUROPA (45 Países) ,6% 82 Bélgica (Zona uro) ,4% 141 Letónia ,5% MUNDIAL (200 Países) ,0%

21 21 UEMOA União Económica e Monetária da Àfrica Ocidental 8 países (cerca de 15% dos países do continente africano) Cerca de 2% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade monetária regional (UEMOA) 8 países com a mesma moeda (Franco CFA) que tem paridade fixa com o uro 1 país membro da CPLP (Guiné-Bissau) 1 país observador da CPLP (Senegal)

22 22 POPULAÇÃO da UEMOA (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 56 Costa do Marfim ,9% 62 Burquina Faso ,4% 65 Níger ,1% 67 Mali ,8% 72 Senegal ,1% 90 Benim ,0% 101 Togo ,2% 149 Guiné-Bissau ,5% UEMOA (8 Países) ,0% CEDEAO (15 Países) ÀFRICA (54 Países) ,0% 4,5% 30,1% 15,1% MUNDIAL (200 Países) ,0%

23 23 CEMAC Comunidade Económica e Monetária dos Estados da Àfrica Central 6 países (cerca de 11% dos países do continente africano) Cerca de 1% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade monetária regional (CEMAC) 6 países com a mesma moeda (Franco CFA) que tem paridade fixa com o uro 1 país membro da CPLP (Guiné Equatorial)

24 24 POPULAÇÃO da CEMAC (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % 59 Camarões ,8% 76 Chade ,8% 117 República Centro-Africana ,8% 124 Congo-Brazaville ,7% 150 Gabão ,5% 163 Guiné Equatorial ,1% CEMAC (6 Países) ,6% CEEAC (9 Países) ÀFRICA (54 Países) ,0% 0,9% 6,1% 15,1% MUNDIAL (200 Países) ,0%

25 25 UE União Europeia 17 países (cerca de 38% dos países do continente europeu) Cerca de 5% da população mundial ( habitantes) 1 Comunidade monetária regional (Zona uro) 17 países com a mesma moeda ( uro) 1 país membro da CPLP (Portugal)

26 26 POPULAÇÃO da ZONA URO (Estimada em 2012) Nº PAÍS POPULAÇÂO % Nº PAÍS POPULAÇÂO % Nº PAÍS POPULAÇÂO % 16 Alemanha ,0% 95 Áustria ,9% 171 Malta ,1% 21 França ,4% 113 Eslováquia ,3% 77,9% Zona uro (17 Países) 23 Itália ,3% 116 Finlândia ,2% 4,7% 28 Espanha ,0% 119 Irlanda ,1% 100,0% União Europeia (27 Países) 64 Países Baixos ,9% 145 Eslovénia ,5% 6,1% 78 Portugal ,5% 153 Estónia ,3% EUROPA (45 Países) ,6% 79 Grécia ,5% 157 Chipre ,3% 82 Bélgica ,4% 170 Luxemburgo ,1% MUNDIAL (200 Países) ,0%

27 27 7,00 ACESSO AO CRÉDITO NAS DIFERENTES REGIÕES DO MUNDO Fonte: Banco Mundial 70% 6,00 60% 5,00 50% 4,00 40% 3,00 30% 2,00 20% 1,00 10% 0,00 OCDE EUROPA DO LESTE AMÉRICA LATINA E CARAÍBAS ÀSIA DO LESTE E PACÍFICO ÀSIA CENTRAL E DO SUL ÀFRICA SUBSAHARIANA MÉDIO ORIENTE E ÀFRICA DO NORTE 0% REGIÕES DO MUNDO INDICE DE ACESSO AO CRÉDITO TAXA DE COBERTURA DAS CENTRAIS DOS RISCOS (%)

28 28 50% ACESSO AO FINANCIAMENTO POR CONTINENTE Fonte: BAfD Inquérito às empresas (2010) 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% Àfrica Àsia América Europa PEQUENAS MÉDIAS GRANDES

29 29 POSICIONAMENTO DAS EMPRESAS FACE AO CRÉDITO Fonte: Banco Mundial Making Finance Work for Africa 60,0% 50,0% 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% NÃO NECESSITAM DE CRÉDITOS SEM FINANCIAMENTO APESAR DA NECESSIDADE BENEFICIARAM DE FINANCIAMENTOS PEQUENAS MÉDIAS GRANDES

30 ,00 CUSTOS DE TRANSPORTE TERRESTRE (em $US) Fonte: Relatório sobre a competividade em Àfrica (2009) Forum Económico Mundial 1.000,00 800,00 600,00 400,00 200,00 0,00 ÀFRICA ÀSIA ORIENTAL EUROPA DE LESTE E ÀSIA CENTRAL AMÉRICA LATINA E CARAÍBAS ÀSIA MERIDIONAL EXPORTAÇÕES IMPORTAÇÕES

31 31 DESENVOLVIMENTO DAS PME AFRICANAS PRINCIPAIS OBSTÁCULOS Fonte: Banco Mundial Making Finance Work for Africa 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% ACESSO AO FINANCIAMENTO FISCALIDADE ELECTRICIDADE INCERTEZAS POLÍTICAS CORRUPÇÃO DELITOS QUALIFICAÇÃO DA MÃO DE OBRA DIREITOS DO TRABALHO PAÍSES COM FRACOS RENDIMENTOS PAÍSES COM RENDIMENTOS MÉDIOS ou ELEVADOS TOTAL

32 32 DESENVOLVIMENTO DAS PME AFRICANAS PRINCIPAIS OBSTÁCULOS Fonte: BAfD Relatório sobre a competividade em África (2007) 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% ACESSO AO/ CUSTO DO FINANCIAMENTO ELECTRICIDADE CORRUPÇÃO FISCALIDADE QUALIFICAÇÃO DA MÃO DE OBRA PEQUENAS MÉDIAS GRANDES

33 33 Oportunidades de negócios e de investimentos: Agricultura, hidraulica rural, irrigação, criação de gado, pescas e segurança alimentar Indústrias (sobretudo na agro-indústria) Indústrias extrativas (petróleo, gaz natural, bauxite, urânio, fosfato, carvão, etc.) Energias (sobretudo nas energias renováveis) Transportes de carga e passageiros (terrestre, marítimo e aéreo) Construção civil e obras públicas (barragens hidro-eléctricas, pontes, auto-estradas, estradas, portos, aeroportos, caminhos de ferro, etc.) Educação (Institutos politécnicos, centros de investigação científica, formação e capacitação profissional, etc.)

34 34 Oportunidades de negócios e de investimentos: Saúde (Centros de diagnósticos clínicos e clínicas privadas) Àgua potável (Captação, redes de distribuição, gestão, etc.) Saneamento (Estações de tratamento de àgua residuais e redes de esgotos) Recolha, tratamento e reciclagem de resíduos sólidos urbanos Tecnologias de Informação e de Comunicação (TIC) Serviços (Estudos económicos e sociais, estudos técnicos, gestão, arquitectura, engenharia, finanças, TIC, etc.) Finanças (Bancos de investimento, de fomento industrial, de exportação e de habitação, assim como bolsas de valores nacionais e regionais, etc.)

35 35 Fontes de Financiamento (mundiais e continentais): Banco Mundial (SFI) Banco Africano de Desenvolvimento (Guichet para o sector privado) Banco Interamericano de Desenvolvimento Banco Asiático de Desenvolvimento Banco Europeu de Desenvolvimento e de Investimento

36 36 Outras Fontes de Financiamento : Banco de Investimento e de Desenvolvimento da CEDEAO (BIDC) Banco da Àfrica Ocidental de Desenvolvimento (BOAD) Banco de Desenvolvimento dos Estados da Àfrica Central Banco de Desenvolvimento da Àfrica Austral Banco Islâmico de Investimento Fundo da OPEP Fundos do Kuwait, Emirados Àrabes Unidos, Catar, etc.

37 37 Diversificadas formas de financiamento : Empréstimos a médio e longo prazo para financiar projectos de investimentos estratégicos e prioritários, compra de empresas, etc. Linhas de crédito para financiar micro-projectos e financiar as PME Adiantamentos globais especializados Linhas de refinanciamento às Instituições Financeiras Nacionais Acordos-quadros de refinanciamento Linhas de crédito-arrendamento

38 38 Diversificadas formas de financiamento : Empréstimos participativos Participação, acções ou partes sociais no capital de empresas ou de Instituições Financeiras Nacionais Financiamento de estudos de viabilidade, de execução e de engenharia de projectos de investimento estratégicos e prioritários Assistência na preparação, promoção e execução de projectos Empréstimos com condições especiais e taxas de juros bonificadas para projectos de sectores prioritários de desenvolvimento com rentabilidade difusa

39 VISÃO ESTRATÉGICA 39 Um sector privado na CPLP: Responsável; Dinâmico; e Competitivo. E que pretende: Contribuir para o crescimento social e económico inclusivo, durável e ecológico da CPLP; Ter um papel importante na integração regional; e Explorar o potencial da abrangência da CPLP.

40 OBJECTIVO 40 Transformar o sector privado da CPLP Contribuir a reduzir a pobreza e as disparidades sociais na CPLP Criar mais empregos nos países membros da CPLP (sobretudo aos jovens e mulheres) Reforçar a paz e o bem-estar social das populações da CPLP

41 PRINCIPIOS OPERACIONAIS 41 A Assembleia Geral da CE-CPLP deverá aprovar o programa de promoção e acompanhamento da transformação do sector privado A CE-CPLP fará uma seleção criteriosa das intervenções a programar A CE-CPLP deverá sempre comprovar a sua mais-valia nas intervenções programadas

42 PILARES DA ESTRATÉGIA 42 PILAR 1: Ambiente de negócios e clima de investimento PILAR 2: Acesso às infraestruturas sociais e económicas PILAR 3: Desenvolvimento das empresas

43 RESULTADOS ESPERADOS 43 PILAR 1: Ambiente de negócios e clima de investimento Instauração de um ambiente de negócios e de um clima favorável aos investimentos na CPLP Desenvolvimento de empresas capazes de assumir as suas responsabilidades sociais

44 RESULTADOS ESPERADOS 44 PILAR 2: Acesso às infraestruturas sociais e económicas Alargamento do acesso às infraestruturas sociais e económicas eficientes, adequadas, que permitam o desenvolvimento eficiente das actividades empresariais na CPLP Sistemas de manutenção das infraestruturas sociais e económicas instaurados nos países membros da CPLP, para garantir a boa conservação desses investimentos

45 RESULTADOS ESPERADOS 45 PILAR 3: Desenvolvimento das empresas Sector empresarial diversificado, dinâmico, forte, eficiente, inovador e com base alargada na CPLP Sector empresarial capaz de transformar e de valorizar os produtos locais Sector empresarial que produz bens e serviços de qualidade

46 PRODUTOS 46 Capacidade no domínio de desenvolvimento do sector privado para apoiar os países membros da CPLP nos esforços para: Obtenção de um crescimento social e económico mais inclusive, mais durável e mais ecológico; Melhorar as infraestruturas sociais e económicas; Aumentar as capacidades humanas e técnicas; e Melhorar a competividade do sector privado na CPLP

47 ACTIVIDADES PRIORITÁRIAS 47 PILAR 1: Ambiente de negócios e clima de investimento (1/2) Apoiar a instauração de um quadro politico, legislativo e regulamentar favorável, a fim de promover o desenvolvimento do sector privado na CPLP Promover as oportunidades e as iniciativas de investimentos nos países membros da CPLP, especialmente as que visão aprofundar e alargar os mercados financeiros e de capitais, nomeadamente aquelas que encorajam a criação de um largo leque de instituições e de serviços financeiros, o desenvolvimento de instrumentos financeiros para mobilizar financiamentos a longo prazo, assim como ações que visem aumentar os empréstimos para financiar os projetos do sector privado nos países membros da CPLP

48 ACTIVIDADES PRIORITÁRIAS 48 PILAR 1: Ambiente de negócios e clima de investimento (2/2) Promover e apoiar as iniciativas que visem melhorar os quadros institucionais e operacionais para as PPP, incluindo o reforço das capacidades de análise para a seleção, avaliação e acompanhamento das PPP, assim como para a identificação, preparação, avaliação e seguimento de projetos estratégicos nos países membros da CPLP Apoiar o reforço das Comunidades económicas regionais e as autoridades nacionais para encorajar e promover a integração do sector financeiro à escala regional, os investimentos transfronteiriços, a eliminação das barreiras não tarifárias ao comércio, a harmonização dos códigos de investimento e de engenharia, a segurança da qualidade e as normas de certificação

49 ACTIVIDADES PRIORITÁRIAS 49 PILAR 2: Acesso às infraestruturas sociais e económicas Ajuda aos países membros da CPLP para ultrapassarem os contrangimentos identificados ligados às infraestruturas sociais e económicas, que bloqueiam o desenvolvimento do sector privado, sobretudo no sector de transporte e de energia Reforço das competências, de educação/formação técnica e profissional e de capacitação dos recursos humanos na CPLP

50 ACTIVIDADES PRIORITÁRIAS 50 PILAR 3: Desenvolvimento das empresas Assistência técnica aos países membros para atacarem os desafios específicos que impedem o desenvolvimento das empresas e do sector privado na CPLP, a saber: A falta de competências; Dificuldades de acesso a financiamentos; A baixa competividade das empresas; e A fraca integração regional, para tirar proveito do enorme potencial da abrangência da CPLP.

51 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS 51 PILAR 1: Ambiente de negócios e clima de investimento Operações de apoio às reformas na CPLP Assistência técnica e reforço das capacidades Estudos económicos e sectoriais Diálogo permanente com os países membros sobre as políticas e serviços de apoio e aconselhamento Coordenação com todos os atores e parceiros de desenvolvimento da CPLP

52 PRINCIPAIS INTRUMENTOS 52 PILAR 2: Acesso às infraestruturas sociais e económicas Identificação, preparação, avaliação e acompanhamento de PPP Promoção de projetos estratégicos e mobilização de financiamentos Assistência técnica e reforço de capacidades Estudos económicos e sectoriais Diálogo permanente com os países membros sobre as políticas e serviços de apoio e aconselhamento Coordenação com todos os atores e parceiros de desenvolvimento da CPLP

53 PRINCIPAIS INSTRUMENTOS 53 PILAR 3: Desenvolvimento das empresas Apoio à melhoria da competividade das empresas Assistência técnica e reforço das capacidades Apoio à integração regional Reforço da cooperação entre as empresas e as associações empresariais dos países membros da CPLP Diálogo permanente com os países membros sobre as políticas e serviços de apoio e aconselhamento Coordenação com todos os atores e parceiros de desenvolvimento da CPLP

54 INSTRUMENTOS COMPLEMENTARES 54 Plano quinquenal ( ) da CE-CPLP Observatório das actividades empresariais da CE-CPLP Portal económico e empresarial da CE-CPLP União dos bancos, seguradoras e instituições financeiras da CPLP Fundo de coesão económica e social da CPLP Centro de arbitragem e de mediação de conflitos da CPLP Marca CPLP União económica e empresarial da CPLP

55 CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP Desenvolver e promover o sector privado da CPLP 55 Obrigado pela vossa atenção e participação Orador: Arq. Fernando MEDINA LOBATO Conselheiro do Presidente da CE-CPLP E.Mail: Tel: (351)

Paying Taxes CPLP 2013 Apresentação de resultados

Paying Taxes CPLP 2013 Apresentação de resultados www.pwc.pt Paying Taxes CPLP 213 Apresentação de resultados Jaime Carvalho Esteves 23 de janeiro 213 Agenda 1. Metodologia Paying Taxes 2. Resultados CPLP 3. Comparações 4. Relações económicas entre Portugal

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa 2013 O #Lusofonia (Cardinal Lusofonia) é uma publicação que se enquadra na promoção do conhecimento público sobre as economias dos Países de

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2016 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação

Membros da IFC. Corporação Financeira Internacional. Data de afiliação Membros da IFC Corporação Financeira Internacional Membro Data de afiliação Afeganistão 23 de setembro de 1957 África do Sul 3 de abril de 1957 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 20 de julho de 1956

Leia mais

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário

População estrangeira residente em Portugal, por nacionalidade e sexo, segundo o grupo etário POPULAÇÃO ESTRANGEIRA RESIDENTE E PORTUGAL 263322 12641 13174 16773 18713 27278 33693 32825 28375 21820 15712 10714 8835 7614 15155 143319 6644 7129 8951 9991 13983 18061 18393 16279 12722 8994 5933 4835

Leia mais

ESTRATÉGIA A MÉDIO PRAZO DA CE-CPLP ( )

ESTRATÉGIA A MÉDIO PRAZO DA CE-CPLP ( ) ESTRATÉGIA A MÉDIO PRAZO DA CE-CPLP (2015-2020) PAÍSES MEMBROS DA CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste Outubro / 2014

Leia mais

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas

Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas Dados Estatísticos sobre as Comunidades Portuguesas População portuguesa e de origem portuguesa residente no estrangeiro (estimativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Direcção Geral dos Assuntos

Leia mais

País_Acondicionamento_Fev_2012 (valores em quilogramas)

País_Acondicionamento_Fev_2012 (valores em quilogramas) País/Acondicionamento Carrega Descarrega Total Geral Alemanha 28.679.316 13.003.023 41.682.339 Carga geral fraccionada 6.145.879 6.145.879 Granel sólido 12.024.535 3.440.000 15.464.535 Roll on/off (c/propulsor)

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2017 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, PIB EUR, mil milhões, preços

Leia mais

Prevalência global de excesso de peso e obesidade de adultos por Região

Prevalência global de excesso de peso e obesidade de adultos por Região Prevência glob de excesso de peso e obesidade de adultos por Região Nacion/Region Região europeia Albânia 2008-9 Nacion 10302 15-49 44.8 8.5 29.6 9.7 DHS Arménia 2005 Nacion 6016 15-49 26.9 15.5 DHS Áustria

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS

INDICADORES ECONÔMICOS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC INDICADORES ECONÔMICOS Regiões Selecionadas: África, América Latina

Leia mais

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa

Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Publicação anual Outubro 2018 Indicadores socioeconómicos dos Países de Língua Portuguesa Comunidade em gráficos Área terrestre Milhares de km 2 População Milhões de habitantes, Produto Interno Bruto EUR,

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

ACTA FINAL. AF/ACP/CE/2005/pt 1

ACTA FINAL. AF/ACP/CE/2005/pt 1 ACTA FINAL AF/ACP/CE/2005/pt 1 AF/ACP/CE/2005/pt 2 Os plenipotenciários de: SUA MAJESTADE O REI DOS BELGAS, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA CHECA, SUA MAJESTADE A RAINHA DA DINAMARCA, O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores. 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório Anual 2014 Indicadores 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 1071 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº Iniciativas

Leia mais

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim

VISTOS CONSULARES. Afeganistão Sim Sim. África do Sul Não Não. Albânia Sim Sim. Alemanha Não Não. Andorra Não Sim. Angola Sim Sim VISTOS CONSULARES - Você vai para o exterior? Uma das primeiras providências a ser tomada é procurar saber se o país de seu destino exige visto no passaporte junto à embaixada ou ao consulado para permitir

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório 1º Semestre 2014 Indicadores Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas

Ação Cultural Externa Relatório 1º Semestre 2014 Indicadores Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Ação Cultural Externa Relatório 1º Semestre 2014 Indicadores 1 1. Iniciativas apoiadas pelo Camões, IP a) número (total): 558 2. Número de iniciativas apoiadas por áreas geográficas Áreas Geográficas Nº

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DO SECTOR DE ILUMINAÇÃO

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DO SECTOR DE ILUMINAÇÃO Balança Comercial do Sector de Iluminação (NC 9405) (Milhares de Euros) Saídas 55.069 67.990 80.302 72.280 68.860 6,7-4,7 Entradas 134.122 150.968 152.643 142.992 128.606-0,7-10,1 Saldo -79.052-82.978-72.341-70.712-59.745-6,4-15,5

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE RECURSOS HUMANOS DA OMS NA REGIÃO AFRICANA. Documento Informativo. ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO...1 CATEGORIAS DE CONTRATOS...

RELATÓRIO SOBRE RECURSOS HUMANOS DA OMS NA REGIÃO AFRICANA. Documento Informativo. ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO...1 CATEGORIAS DE CONTRATOS... WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA ANTÉ BUREAU RÉGIONAL DE L AFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL AFRICANO COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima-quinta

Leia mais

CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL

CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL CONFEDERAÇÃO EMPRESARIAL DA CPLP 2015 2 1. FUNCIONAMENTO DA CE-CPLP 1. FUNCIONAMENTO DA CE-CPLP 1.1 Quem somos? 9 Estados Membros Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique,

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 28-mar-2017

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 28-mar-2017 Preçário Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora os valores

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E BLOCOS ECONÔMICOS

GLOBALIZAÇÃO E BLOCOS ECONÔMICOS GLOBALIZAÇÃO E BLOCOS ECONÔMICOS PUC GO 2015 LOZANO EXERCÍCIOS ESSENCIAIS (Unicamp-SP) GLOBALIZAÇÃO As transformações representadas na figura a seguir permitiram ao autor considerar que há aniquilamento

Leia mais

Esquemas. & diagramas caderno 17

Esquemas. & diagramas caderno 17 Esquemas & diagramas caderno 17 Tipos de fichas e tomadas Diversos tipos de formatos de fichas e tomadas que existem no mundo Actualmente, existem no mundo 14 tipos diferentes de fichas e tomadas de corrente.

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 02-mar-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Programa Juventude em Acção

Programa Juventude em Acção Programa Juventude em Acção ADENDA ao Guia do Programa 2007 24 de Janeiro de 2007 D830 A presente adenda ao Guia da do Programa Juventude em Acção é válida a partir de 1 de Janeiro de 2007 Capítulo B:

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 05/09/2009) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 05/09/2009) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Nuvens escuras. Janeiro de 2019

Nuvens escuras. Janeiro de 2019 Perspectivas Económicas Globais: Nuvens escuras África subsariana Janeiro de 2019 Desenvolvimentos recentes: A recuperação na África subsariana continua, embora num ritmo mais lento. Estima-se que o crescimento

Leia mais

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO

ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO ÍNDICE DE PERCEPÇÃO DA CORRUPÇÃO 2017 A Transparência Internacional é um movimento global com uma visão: um mundo em que governos, empresas, sociedade civil e a vida cotidiana das pessoas sejam livres

Leia mais

NOÇÕES DE SUBDESENVOLVI- MENTO

NOÇÕES DE SUBDESENVOLVI- MENTO NOÇÕES DE SUBDESENVOLVI- MENTO O conceito de subdesenvolvimento é bastante recente: surgiu com a onda de descolonização afro-asiática, iniciada após a Segunda Guerra Mundial. Nessa época, o avanço dos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA ANEXO DA DECISÃO PL-1877/2015 Diárias Nacionais do Confea Tabela de Equivalência com o Anexo I, Decreto 5992/06 Classificação do Cargo / Emprego/ Função Norma Legal aplicável (Decreto 5992/2006) 1) Presidente

Leia mais

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016

Preçário. REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 13-dez-2016 Preçário REALTRANSFER Instituição de Pagamento, S.A. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de O Preçário completo da REALTRANSFER, Instituição de Pagamento, S.A., contém o Folheto de Comissões

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

Consulta sobre o futuro da Europa

Consulta sobre o futuro da Europa Consulta sobre o futuro da Europa Os campos assinalados com um asterisco (*) são de preenchimento obrigatório. Participe nesta consulta e expresse as suas preocupações, esperanças e expectativas em relação

Leia mais

Os institutos seculares do mundo

Os institutos seculares do mundo Os institutos seculares do mundo DADOS ESTATÍSTICOS - Maio de 2018 Pesquisa realizada no final de 2017 entre os membros da CMIS CMIS Conferenza Mondiale Istituti Secolari Observação de método: a base dos

Leia mais

...da Oceania Apátridas 5. Principais Nacionalidades 6. Por Nacionalidade, Sexo, Segundo a Idade 19

...da Oceania Apátridas 5. Principais Nacionalidades 6. Por Nacionalidade, Sexo, Segundo a Idade 19 98 Í n d i c e Nota Introdutória III 1 Residentes 1 1.1.1. Evolução Global de 1981 a 21 2 1.1.2. Crescimento Verificado Por Continente 2 1.1.3. Residentes da União Europeia 3 1.1.4....Restantes Países

Leia mais

Previdência no Brasil: desajustes, poupança, produtividade e reforma. Paulo Tafner

Previdência no Brasil: desajustes, poupança, produtividade e reforma. Paulo Tafner Previdência no Brasil: desajustes, poupança, produtividade e reforma Paulo Tafner CINDES 2017 Vitória, Setembro de 2017 Previdência Social: Fatos Trajetória do envelhecimento e dos gastos previdenciários

Leia mais

Os países indicados a seguir podem participar plenamente em todas as Ações do Programa Erasmus+: Noruega Turquia Sérvia3

Os países indicados a seguir podem participar plenamente em todas as Ações do Programa Erasmus+: Noruega Turquia Sérvia3 Países elegíveis O Programa Erasmus+ está aberto aos seguintes países: Países do Programa Os países indicados a seguir podem participar plenamente em todas as Ações do Programa Erasmus+: Estados-Membros

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 01/2011, de 17 de novembro de A Diretoria da Fundação Professor Valle Ferreira, no uso de suas atribuições, resolve: CAPÍTULO I

RESOLUÇÃO N. 01/2011, de 17 de novembro de A Diretoria da Fundação Professor Valle Ferreira, no uso de suas atribuições, resolve: CAPÍTULO I RESOLUÇÃO N. 01/2011, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a concessão, pela Fundação Professor Valle Ferreira, de apoio financeiro para a realização de eventos de ensino, pesquisa e extensão na Faculdade

Leia mais

Congressista brasileiro é o segundo mais caro entre 110 países

Congressista brasileiro é o segundo mais caro entre 110 países http://www1.folha.uol.com.br/poder/1231296-congressista-brasileiro-e-o-segundo-mais-caro-entre-110-paises.shtml 17/02/2013-03h00 Congressista brasileiro é o segundo mais caro entre 110 países PAULO GAMA

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Viana do Castelo, de 2014 Internacionalização - Desafios Enquadramento Evolução Recente Comércio Internacional de Bens e Serviços 2009-2013

Leia mais

Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA

Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, SA PAÍS/ACONDICIONAMENTO CARREGA DESCARREGA TOTAL ALEMANHA 40.621 46.091 86.712 Contentores 15.433 142 15.575 Granel líquido 0 5.135 5.135 Granel sólido 0 28.765 28.765 Roll on/off (c/propulsor) 25.187 12.050

Leia mais

LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU

LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU LISTA DE PAÍSES - POLIONU 2018 AGNU África do Sul 1 Alemanha 1 Angola 1 Arábia Saudita 1 Argélia 1 Argentina 1 Bangladesh 1 Brasil 1 Camboja 1 Canadá 1 Cazaquistão 1 China 1 Congo 1 Coreia do Norte 1 Coreia

Leia mais

PRODUÇÃO CIENTÍFICA PORTUGUESA, SÉRIES ESTATÍSTICAS

PRODUÇÃO CIENTÍFICA PORTUGUESA, SÉRIES ESTATÍSTICAS PRODUÇÃO CIENTÍFICA PORTUGUESA, 1990-2008 SÉRIES ESTATÍSTICAS FICHA TÉCNICA Título Produção Científica Portuguesa, 1990-2008: Séries Estatísticas Autor Direcção de Serviços de Informação Estatística em

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 04/05/2018) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 04/05/2018) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007.

1. O presente é um relatório sobre a participação no Acordo Internacional do Café (AIC) de 2007. ICC 119-3 6 março 2017 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 119. a sessão 13 17 março 2017 Londres, Reino Unido Acordo Internacional do Café de 2007 Participação aos 3 de março de 2017 Antecedentes

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP

Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP www.pwc.com/pt Enquadramento económico dos mercados regionais da CPLP Oportunidades maximizadas? Jaime Carvalho Esteves 19 de Março 2013 Agenda 1. Conceito de hub 2. Relevância da CPLP 3. Os mercados de

Leia mais

Ângela Marli Ewerling Luíz BLOCOS ECONÔMICOS NAFTA MERCOSUL UNASUL UNIÃO EUROPEIA SADC APEC ASEAN

Ângela Marli Ewerling Luíz BLOCOS ECONÔMICOS NAFTA MERCOSUL UNASUL UNIÃO EUROPEIA SADC APEC ASEAN Blocos Econômicos Ângela Marli Ewerling Luíz BLOCOS ECONÔMICOS NAFTA MERCOSUL UNASUL UNIÃO EUROPEIA SADC APEC ASEAN Sobre a autora Ângela Marli Ewerling Luíz Graduação: Licenciatura em Geografia - FAFI

Leia mais

REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS

REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS ÁFRICA DO SUL n.º 53/08 22 Setembro n.º 222/2008 publicado em 20-11-2008 EM VIGOR DESDE 22-10-2008 ALEMANHA ANDORRA Lei 12/82 03 Junho n.º 20/2017 14 fevereiro publicado em 14-10-1982 EM VIGOR DESDE 08-10-1982

Leia mais

Anexos. Notas técnicas sobre a informação estatística

Anexos. Notas técnicas sobre a informação estatística Anexos Notas técnicas sobre a informação estatística A maioria dos países adoptou a definição de refugiado contida na Convenção de 1951 Relativa aos Refugiados, mas há diferenças nacionais importantes

Leia mais

ESTADOS MEMBROS DAS NAÇÕES UNIDAS

ESTADOS MEMBROS DAS NAÇÕES UNIDAS ESTADOS MEMBROS DAS NAÇÕES UNIDAS Segue-se a lista (de acordo com a ordem alfabética em português) dos 191 Estados Membros das Nações Unidas com as datas em que aderiram à Organização: Membros Data de

Leia mais

REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS

REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS ÁFRICA DO SUL n.º 53/08 22 Setembro n.º 222/2008 publicado em 20-11-2008 EM VIGOR DESDE 22-10-2008 ALEMANHA Lei 12/82 03 Junho publicado em 14-10-1982 EM VIGOR DESDE 08-10-1982 15% 11º 10% a) 12º 10% ANDORRA

Leia mais

As relações diplomáticas Brasil África

As relações diplomáticas Brasil África As relações diplomáticas Brasil África Secretário André Baker Méio Chefe da Divisão da África I (África Ocidental) Ministério das Relações Exteriores Estrutura da apresentação 1. INTRODUÇÃO 2. LAÇOS HISTÓRICOS

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

5. TRANSFERÊNCIAS (PARTICULARES) (ÍNDICE)

5. TRANSFERÊNCIAS (PARTICULARES) (ÍNDICE) 5.1. Ordens de transferência unitárias s/ (1), Net 1. Transferências Internas / Nacionais 1.1 - Para conta domiciliada na própria Instituição de Crédito (Internas) - com pelo menos um interveniente em

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia

Jornal Oficial da União Europeia L 30/6 2.2.2018 REGULAMENTO DELEGADO (UE) 2018/162 DA COMISSÃO de 23 de novembro de 2017 que altera o anexo I do Regulamento (UE) n. o 1305/2013 do Parlamento Europeu e do Conselho e os anexos II e III

Leia mais

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade 19.01.2015 Objetivo O objetivo do escopo geográfico da Fairtrade International é determinar em quais países as

Leia mais

5. TRANSFERÊNCIAS (PARTICULARES) (ÍNDICE)

5. TRANSFERÊNCIAS (PARTICULARES) (ÍNDICE) 5.1. Ordens de transferência unitárias 1. Transferências a Crédito Internas /Nacionais 1.1 - Transferências a Crédito Intrabancárias - com pelo menos um interveniente em comum Ordem Permanente Intrabancária

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 29/06/2017) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 29/06/2017) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 25/05/2015) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 25/05/2015) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Um Novo Mercado Económico da CPLP

Um Novo Mercado Económico da CPLP Um Novo Mercado Económico da CPLP Com a Co-organização da 1ª Conferência Económica Novo Mercado Económico da CPLP Montebelo Indy Maputo Congress Hotel, Moçambique 18 e 19 de outubro de 2017 Versão de 26

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Tratados de Dupla Tributação Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Convenções Celebradas por Portugal para Evitar a Dupla Tributação Europa

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE E DERIVADOS

PORTUGAL: COMÉRCIO INTERNACIONAL DE LEITE E DERIVADOS Balança Comercial Portuguesa de Leite e Derivados (Milhares de Euros) Exportação 172.852 226.378 271.971 225.496 268.753 13,3 19,2 Importação 367.724 436.717 518.991 480.416 461.748 6,6-3,9 Saldo -194.872-210.340-247.019-254.920-192.995

Leia mais

6ª Sessão: Recursos para a Estratégia de Segurança Nacional

6ª Sessão: Recursos para a Estratégia de Segurança Nacional 6ª Sessão: Recursos para a Estratégia de Segurança Nacional Dr. Raymond Gilpin Impacto pelo Conhecimento Impacto através da perspicácia Visão geral Tendências recentes do crescimento económico Importância

Leia mais

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002

Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 a Página da Educação www.apagina.pt Relatório sobre o Desenvolvimento Humano 2002 O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acaba de publicar o seu Relatório sobre o Desenvolvimento Humano

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai

IX-5 Lista de Consulado Geral e Embaixadas em Kansai IX-5 Lista de Consulado Geral e s em Kansai 1. Consulado Geral, e consulado em Kansai Consulado Geral Endereço Telefone Australia Ed. Twin 21 MID Tower 16º andar, 06-6941-9271 Consulado Geral da Austrália

Leia mais

Introdução ao Centro de Estudos Estratégicos de África

Introdução ao Centro de Estudos Estratégicos de África Introdução ao Centro de Estudos Estratégicos de África Impacto por meio de conhecimento Mandato Iniciativa dos Centros Regionais Centro Europeu de Estudos de Segurança Centro de Estudos Estratégicos do

Leia mais

Introdução ao Centro de Estudos Estratégicos de África

Introdução ao Centro de Estudos Estratégicos de África Introdução ao Centro de Estudos Estratégicos de África Impacto pelo Conhecimento Mandato Iniciativa dos Centros Regionais Centro Europeu de Estudos de Segurança Centro de Estudos Estratégicos do Médio

Leia mais

Características Gerais

Características Gerais Características Gerais Bloco mais antigo; Está no mais adiantado estágio de integração; Estágios de Integração Objetivos Zona de Livre Comércio União Aduaneira Mercado Comum União Monetária União Política

Leia mais

ICC setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109. a sessão setembro 2012 Londres, Reino Unido

ICC setembro 2012 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 109. a sessão setembro 2012 Londres, Reino Unido ICC 109 7 18 setembro 2012 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 109. a sessão 25 28 setembro 2012 Londres, Reino Unido Acordo Internacional do Café de 2007 Participação aos 17 de setembro

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor

Tabela prática das convenções para evitar a dupla tributação celebradas por Portugal. Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Países (ordem alfabética) Diploma legal Troca dos instrumentos de ratificação / entrada em vigor Redução de taxas Dividendos Juros Royalties Art. º Taxa Art. º Taxa Art. º Taxa ÁFRICA DO SUL n.º 53/08

Leia mais

CAP. 5- ENQUADRAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO DA ENERGIA RENOVAVEL EM STP CENTRO DE FORMAÇÃO BRASIL- SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

CAP. 5- ENQUADRAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO DA ENERGIA RENOVAVEL EM STP CENTRO DE FORMAÇÃO BRASIL- SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE CAP. 5- ENQUADRAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO DA ENERGIA RENOVAVEL EM STP CENTRO DE FORMAÇÃO BRASIL- SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Junho 2018 Dr. Sleid Costa SUMÁRIO 1-MERCADO DE ENERGIA RENOVÁVEL EM STP 2-INSTITUIÇÕES

Leia mais

O FUNDO AFRICANO PARA AS EMERGÊNCIAS DE SAÚDE PÚBLICA: RELATÓRIO DE PROGRESSOS DO DIRECTOR REGIONAL. Documento de informação

O FUNDO AFRICANO PARA AS EMERGÊNCIAS DE SAÚDE PÚBLICA: RELATÓRIO DE PROGRESSOS DO DIRECTOR REGIONAL. Documento de informação 6 de Setembro de 2013 COMITÉ REGIONAL PARA A ÁFRICA ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima-terceira sessão Brazzaville, Congo, 2 6 Setembro de 2013 Ponto 20.3 da ordem do dia provisória O FUNDO AFRICANO PARA AS EMERGÊNCIAS

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Rumo à Ratificação Universal da Convenção N.º 144 relativa às Consultas Tripartidas no Centenário da OIT em 2019

Rumo à Ratificação Universal da Convenção N.º 144 relativa às Consultas Tripartidas no Centenário da OIT em 2019 Rumo à Ratificação Universal da Convenção N.º 144 relativa às Consultas Tripartidas no Centenário da OIT em 2019 TRIPARTISMO: UM PILAR PARA UMA MELHOR GOVERNAÇÃO A Convenção sobre as Consultas Tripartidas

Leia mais

MSRA: Sessão Simultânea

MSRA: Sessão Simultânea CENTRO ÁFRICA DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS MSRA: Sessão Simultânea Tendências da Dívida Externa e Interna em África Luka Kuol, PhD Adis Abeba, 16 de janeiro de 2019 Impacto pelo Conhecimento Simpósio de Gestão

Leia mais

Tabela Matrix SIP final

Tabela Matrix SIP final Países Valores em R$ Afeganistão 2,9131 África Do Sul 0,5163 África Do Sul-Móvel 1,6446 Aguila 1,0989 Alasca 0,1254 Albania 0,9588 Albania-Móvel 1,0104 Alemanha 0,1475 Alemanha-Móvel 1,7553 Andorra 0,3688

Leia mais

Tabela Matrix SIP para MSO

Tabela Matrix SIP para MSO Países Valores em R$ Afeganistão 1,9750 África Do Sul 0,3500 África Do Sul-Móvel 1,1150 Aguila 0,7450 Alasca 0,0850 Albania 0,6500 Albania-Móvel 0,6850 Alemanha 0,1000 Alemanha-Móvel 1,1900 Andorra 0,2500

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO MIGRATÓRIA VOLUNTÁRIO REQUISITOS E PROCEDIMENTOS DE VISTOS PARA INGRESSAR NO PANAMÁ

CLASSIFICAÇÃO MIGRATÓRIA VOLUNTÁRIO REQUISITOS E PROCEDIMENTOS DE VISTOS PARA INGRESSAR NO PANAMÁ CLASSIFICAÇÃO MIGRATÓRIA VOLUNTÁRIO REQUISITOS E PROCEDIMENTOS DE VISTOS PARA INGRESSAR NO PANAMÁ Neste documento, estão descritos os tipos de vistos exigidos pelas autoridades migratórias da República

Leia mais

Preçário NOVACAMBIOS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTO, SA

Preçário NOVACAMBIOS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTO, SA Preçário NOVACAMBIOS - INSTITUIÇÃO DE PAGAMENTO, SA INSTISociedade financeira com sede em território nacional, de acordo com o previsto no Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras

Leia mais

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MANUAL DE CONCESSÃO DE AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTES DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Em atendimento às Portarias CAPES n 156 de 28 de novembro de 2014 e n 132 de 18 de agosto de 2016, que

Leia mais

Projecto Diversidade Linguística na Escola

Projecto Diversidade Linguística na Escola Projecto Diversidade Linguística na Escola Coordenação: Maria Helena Mira Mateus Glória Fischer Dulce Pereira Objectivos Estudo da diversidade linguística presente nas escolas de ensino básico da área

Leia mais

Migrações. Distribuição Geográfica da População Estrangeira Ano de 2012

Migrações. Distribuição Geográfica da População Estrangeira Ano de 2012 Distribuição Geográfica da População Estrangeira Ano de 2012 A distribuição territorial da população estrangeira evidencia uma concentração predominante na zona litoral do país, com destaque para os distritos

Leia mais

Ponto 8.2 da ordem do dia provisória

Ponto 8.2 da ordem do dia provisória 5 de Abril de 2007 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Quinquagésima-sétima sessão Brazzaville, República do Congo, 27-31 de Agosto de 2007 Ponto 8.2 da ordem do dia provisória ELIMINAÇÃO DA LEPRA:

Leia mais

TABELA PRÁTICA DAS CONVENÇÕES PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO CELEBRADAS POR PORTUGAL REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS

TABELA PRÁTICA DAS CONVENÇÕES PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO CELEBRADAS POR PORTUGAL REDUÇÃO DE TAXAS PAÍSES DIPLOMA LEGAL TROCA DOS ÁFRICA DO SUL n.º 53/08 22 Setembro n.º 222/2008 publicado em 20-11-2008 EM VIGOR DESDE 22-10-2008 ALEMANHA Lei 12/82 03 Junho publicado em 14-10-1982 EM VIGOR DESDE 08-10-1982 15% 11º 10% a) 12º 10% ARGÉLIA

Leia mais

Anexo 3. Mulheres na política e reservas à CEDAW Mulheres em Parlamentos Nacionais (% assentos em Câmara Baixa ou Única) 2008 a/ 1997 a/

Anexo 3. Mulheres na política e reservas à CEDAW Mulheres em Parlamentos Nacionais (% assentos em Câmara Baixa ou Única) 2008 a/ 1997 a/ Anexo 3. na política e reservas à CEDAW Afeganistão 27,7-3,7 g/ África do Sul 33,0 25,0 c/ 44,8 Albânia 7,1-6,7 g/ Alemanha 31,6 26,2 33,3 Andorra 25,0 7,1 37,5 Angola 15,0 9,5 6,3 Antígua e Barbuda 10,5

Leia mais

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes

Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes Carta IEDI nº 809 Indústria Mundial: O Brasil na contramão dos emergentes ANEXO ESTATÍSTICO Crescimento anual do VTI e VTI per capita, 2005-2015, (em %, em U$ constante 2010). VTI total VTI per capita

Leia mais

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES

EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES JUNHO / 215 SUMÁRIO PÁG. 1 - ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES 3 2 - EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE COUROS E PELES - CAPÍTULO 41 COMPLETO 4 3 -

Leia mais

Anexo estatístico do desenvolvimento humano

Anexo estatístico do desenvolvimento humano Anexo Estatístico Anexo estatístico do desenvolvimento humano Guia do leitor 129 Legenda dos países e classificações do IDH, 2011 132 Tabelas estatísticas 133 Notas técnicas Cálculo dos índices de desenvolvimento

Leia mais