SETOR DE CELULOSE E PAPEL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SETOR DE CELULOSE E PAPEL"

Transcrição

1 SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas

2 Dados Gerais

3 Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO FLORESTAL Madeira Serrada Celulose Madeira Processada Produtos de Mad. Sólida Outros Papel Outros

4 Estimativa do Valor Bruto da Produção das Principais Cadeias Produtivas do Setor Florestal Segmento R$ Milhões Participação % Celulose e Papel % Indústria Madeireira Painéis Reconstituídos Siderurgia a Carvão Vegetal % % % Móveis % Total % Fonte: ABRAF, ABIPA, BRACELPA, IBGE, SINDIFER e STCP

5 Empregos no Setor de Florestas Plantadas 2007 Florestas Plantadas Indústria Fonte: ABRAF/STCP Segmento Diretos Indiretos Efeito Renda Total Silvicultura Siderugia a Carvão Vegetal Produtos de Madeira Móveis Celulose e Papel Total

6 Área de Florestas Plantadas no Mundo (mil hectares) PAÍSES ÁREA TOTAL DO PAÍS ÁREA DE FLORESTAS PLANTADAS JAPÃO ,5 ÍNDIA ,9 PORTUGAL ,7 CHINA ,7 INDONÉSIA ,4 ESPANHA ,8 CHILE ,9 ESTADOS UNIDOS ,7 BRASIL (2006) ,6 - CELULOSE E PAPEL (2007) ,2 % Fonte: FAO/BRACELPA

7 Dados do Setor de Celulose e Papel

8 Dados do Setor empresas em 450 municípios, localizados em 17 estados e nas 5 regiões 1,7 milhão de hectares de área plantada para fins industriais 2,8 milhões de hectares de florestas preservadas 2,2 milhões de hectares de área florestal total certificada Exportações: US$ 4,7 bilhões Saldo Comercial: US$ 3,4 bilhões (8,5% do Saldo da Balança Comercial do Brasil) Impostos pagos: R$ 2,1 bilhões Investimentos: US$ 12 bilhões nos últimos 10 anos Emprego: 110 mil empregos diretos (indústria 65 mil, florestas 45 mil) e 500 mil empregos indiretos

9 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Estados Brasileiros 1,7 milhões de hectares Mil hectares Fonte: Bracelpa

10 Evolução da Produtividade das Florestas Plantadas do Setor RAZÕES PARA OS ALTOS NÍVEIS DE PRODUTIVIDADE Clima e solo Pesquisa e desenvolvimento Setor privado organizado Mão-de-obra altamente qualificada AVANÇOS TECNOLÓGICOS Genética Biotecnologia Matéria-prima de alta qualidade Planejamento sócio-ambiental Manejo Florestal Rotação de áreas plantadas MADEIRA PARA CELULOSE Produtividade Média (m 3 /ha/ano) Espécie Cresc. Potencial Cresc. Eucalipto % % Pinus % %

11 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2007 CELULOSE PAPEL País mil toneladas País mil toneladas 1. EUA EUA Canadá China China Japão Finlândia Alemanha Suécia Canadá Brasil Finlândia Japão Suécia Rússia Coréia do Sul Indonésia Itália Chile França Índia Indonésia Alemanha Brasil Demais Demais TOTAL MUNDO Fonte: RISI

12 Produção Brasileira de Celulose e Papel Milhões t Cresc. Médio Anual Celulose 7,6% Papel 5,8% Celulose 0,8 3,1 4,4 10,4 11,2 12,0 Papel 1,1 3,4 4,7 8,6 8,7 9,0

13 Desempenho do Setor de Celulose e Papel CELULOSE Janeiro - Agosto ** (1000 t) 1000 t 1000 t % %.Produção , ,1.Importação * , ,6.Exportação * , ,3 PAPEL Janeiro - Agosto ** (1000 t) 1000 t 1000 t % %.Produção , ,7.Importação * , ,1.Exportação * , ,1 * Dados 2006 e SECEX ** Dados Preliminares

14 Brasil: Líder na Produção de Celulose de Eucalipto t Brasil Chile Uruguai Espanha Portugal China Outros Total % % % 45% 51% Brasil Chile Uruguai Espanha Portugal China Outros Fonte: PPPC Pulp and Paper Products Council

15 Balança Comercial do Setor Exportação Importação Saldo US$ Milhões Fonte: SECEX

16 Balança Comercial do Setor US$ Milhões FOB % Janeiro - Setembro** Exportação * , ,7.Celulose , ,7.Papel , ,1 Importação * , ,8.Celulose , ,0.Papel , ,6 Saldo , ,1.Celulose , ,1.Papel , ,2 % * Fonte: SECEX ** Dados Preliminares

17 Destino das Exportações Brasileiras em 2007 CELULOSE PAPEL Europa 54% África 0% América do Norte 20% América Latina 1% Ásia & Oceania 25% Europa 17% Ásia & Oceania 8% África 6% América do Norte 12% América Latina 57% Total: US$ 3,0 bilhões Total: US$ 1,7 bilhão

18 Produtos Selecionados do Agronegócio Exportações x Área Plantada em 2007 PRODUTOS EXPORTAÇÕES US$ milhões ÁREA PLANTADA mil ha US$ / ha Complexo Soja Sucroalcooleiro (*) Celulose e Papel Café (*) Fumo Não Manufaturado (*) Milho Algodão Fonte: Ministério da Agricultura/MDIC/SECEX/CONAB/FIBGE (*) Área colhida

19 DADOS ADICIONAIS

20 Reciclagem Taxa de Recuperação de Papéis Recicláveis toneladas ,0% 48% 45% % ,5% 38,3% 39% ,6% 36% % % Consumo Aparente de Papel Consumo Aparas Taxa de Recuperação %

21 Matriz Energética da Indústria de Celulose e Papel % 80% 60% % % % Licor Preto * Biomassa Óleo Combustível Gás Natural Fonte: Balanço Energético Nacional * Subproduto (Biomassa)

22 Contribuição Social do Setor A indústria de celulose e papel promove e incentiva o desenvolvimento econômico e social em regiões localizadas distantes dos grandes centros urbanos. (*) Em 2007, US$ 585 milhões foram investidos em projetos e iniciativas em áreas como: Educação Saúde Programa de educação ambiental Geração de emprego e renda Fomento Florestal: propriedades em 344 mil hectares (*) Atividades promovidas pelas empresas que representam 80% da produção vendável de celulose e papel no Brasil

23 Contribuição Ambiental Florestas plantadas não competem com agricultura tradicional Restauração de terras degradadas Conservação do solo Proteção da biodiversidade Proteção dos recursos hídricos Seqüestro de CO 2

24 PERSPECTIVAS

25 Base Florestal: Brasil, Benchmark Mundial Produtividade das Florestas de Rápido Crescimento (m 3 /ha. ano) Brasil (eucalipto) Uruguai (eucalipto) Indonésia (acácia) Potencial Chile (eucalipto) Atual Fonte: Pöyry

26 Comparação da Rotação e Rendimento Espécies de Celulose Fibra Curta Espécies Países Rotação (anos) Rendimento m 3 /ha ano Eucalipto Brasil 7 41 Eucalipto África do Sul Eucalipto Chile Eucalipto Portugal Eucalipto Espanha Bétula Suécia Bétula Finlândia Fonte: Pöyry

27 Comparação da Rotação e Rendimento Espécies de Celulose Fibra Longa Espécies Países Rotação (anos) Rendimento m 3 /ha ano Pinus spp Brasil Pinus radiata Chile Pinus radiata Nova Zelândia Pinus elliottii / taeda Estados Unidos Pinus de Oregon Canadá (costa) 45 7 Picea abies Suécia Picea abies Finlândia Picea glauca Canadá (interior) 55 3 Picea mariana Canadá (leste) 90 2 Fonte: Pöyry

28 Área Florestal (ha) Necessária para a Produção de 1,0 milhão t/ano de Celulose Brasil Península Ibérica Escandinávia Fonte: Pöyry

29 Consumo Aparente Per Capita de Papel 2007 PAÍSES SELECIONADOS kg/hab./ano Finlândia 368,6 USA Alemanha Japão 256,0 245,5 288,0 Canadá 206,0 Itália 204,6 Reino Unido França Chile 77,3 143,8 199,5 Média Mundial 61,8 kg/hab./ano México 63,4 Argentina 59,5 Brasil 42,2 Fonte: RISI

30 Principais Investimentos 2007 Em Operação Localização Produto US$ Milhões Aracruz ES Celulose de Mercado 200 Bahia Pulp BA Celulose Dissolução 400 Suzano BA Celulose de Mercado Klabin PR Papelcartão Total Em Implantação Localização Produto US$ Milhões VCP MS Celulose de Mercado International Paper MS Papel p/ Imprimir e Escrever 260 Total Em Estudo Localização Produto US$ Milhões Aracruz (*) RS Celulose de Mercado Veracel BA Celulose de Mercado VCP RS Celulose de Mercado Cenibra MG Celulose de Mercado 680 Stora Enso RS Celulose de Mercado Total (*) Projeto aprovado. Entrada em operação em Agosto/2010.

31 Programa de Investimento do Setor Programa Original Realizado Programa Revisado 2003 Previsto 2012 Acréscimo 2012/ Investimentos a Realizar Previsto Acréscimo 2012/2003 Investimentos (US$ bilhões) 14,4 6,5 8,7 15,2 Produção (Milhões t) - Celulose 9,1 14,5 59% 12,0 17,5 92% - Papel 7,9 11,5 46% 9,0 11,5 46% Exportação (Milhões t) - Celulose 4,5 7,4 64% 6,6 10,5 133% - Papel 1,8 2,0 11% 2,0 2,0 11% Exportação (US$ bilhões) - Celulose/Papel 2,8 4,3 54% 4,7 7,5 168%

32 NOVO CENÁRIO

33 Associação Brasileira de Celulose e Papel Rua Olimpíadas, 66 9º andar São Paulo SP CEP Fone: Fax:

Dados do Setor. Maio

Dados do Setor. Maio Dados do Setor Maio - 2012 Índice Dados do Setor 3 Taxas de Recuperação de Papéis Recicláveis 16 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 4 Papéis Recicláveis 17 Distribuição Geográfica das Florestas

Leia mais

Dados do Setor. Dezembro

Dados do Setor. Dezembro Dados do Setor Dezembro - 2011 Índice Dados do Setor 3 Taxas de Recuperação de Papéis Recicláveis 16 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 4 Papéis Recicláveis 17 Distribuição Geográfica das

Leia mais

Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil

Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil XV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Fernando Henrique da Fonseca Presidente da ABRAF Empresas

Leia mais

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal

O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal O Presente e Futuro do Setor Florestal Brasileiro XIV Seminário de Atualização sobre Sistemas de Colheita de Madeira e Transporte Florestal Miguel Sampol Pou Diretor Geral, Klabin S.A. Curitiba, PR Agosto

Leia mais

222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados. 2,2 milhões de hectares de área plantada para fins industriais

222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados. 2,2 milhões de hectares de área plantada para fins industriais II Encontro Brasileiro de Silvicultura (EBS) Setor de Celulose e Papel João Comério 11 de abril, 2011 Dados do Setor 222 empresas com atividade em 539 municípios, localizados em 18 Estados 2,2 milhões

Leia mais

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010

A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE. 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 A A DEMANDA de PAPEL MUNDIAL e SUSTENTABILIDADE 2o. CONGRESSO FLORESTAL DO MATO GROSSO DO SUL 8 de Junho de 2010 CONTEÚDO 1. PERFIL DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 2. OVERVIEW DO SETOR BRASILEIRO DE C&P 3.

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

Cenários Setoriais. Florestas.

Cenários Setoriais. Florestas. Cenários Setoriais Florestas O NEGÓCIO FLORESTAL NO BRASIL IMPORTÂNCIA DO SETOR DE BASE FLORESTAL Geração de valor (PIB): USD 17,5 bilhões / ano Impostos: USD 3,8 bilhões / ano Empregos: Diretos 1.500.000

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA

VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA VALORIZAÇÃO DO PAPEL E DA COMUNICAÇÃO IMPRESSA São Paulo-SP 30 de junho de 2010 Rubens Garlipp - Sociedade Brasileira de Silvicultura FUNÇÕES DAS FLORESTAS PLANTADAS PRODUÇÃO ECONÔMICA Foto: Grupo Nueva

Leia mais

DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO

DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO 8ª Festa do Eucalipto Salesópolis - SP 06 / 11/ 04 SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional

Leia mais

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel

Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel 35º. Fórum ANAVE Perspectivas da Indústria Nacional de Celulose e Papel Simone Nagai 9 de novembro, 2010 Temas: O Setor Base Florestal Contribuição Social e Ambiental Investimentos e Perspectivas 2 Desempenho

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

Logística no Setor Brasileiro de Árvores Plantadas

Logística no Setor Brasileiro de Árvores Plantadas Logística no Setor Brasileiro de Árvores Plantadas 13º Seminário Internacional em Logística Agroindustrial: Logística Florestal Beatriz Palatinus Milliet Piracicaba, 21 de março de 2016 1 Ibá - Indústria

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

Cenários Setoriais. Florestas.

Cenários Setoriais. Florestas. Cenários Setoriais Florestas www.celso-foelkel.com.br FLORESTAS PLANTADAS Uma riqueza nacional e uma estratégia para o desenvolvimento do País EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Em bilhões de dólares/ano 90 80 70

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Membro do CONAMA, CONAFLOR, CERFLOR, FCMM, CGFLOP AÇÕES Política e legislação florestal brasileira

Leia mais

Funções das Florestas Plantadas para Atendimento das Futuras Demandas da Sociedade

Funções das Florestas Plantadas para Atendimento das Futuras Demandas da Sociedade Funções das Florestas Plantadas para Atendimento das Futuras Demandas da Sociedade 5º CONGRESSO INTERNACIONAL de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL da INDÚSTRIA de BASE FLORESTAL e de GERAÇÃO DE ENERGIA São Paulo-SP

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio

As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio As Florestas Plantadas na Sustentabilidade do Agronegócio Junho de GILMAN VIANA RODRIGUES SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL EVOLUÇÃO DO USO DE FONTES

Leia mais

Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras.

Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. 1 Aviso Geral Algumas afirmações nesta apresentação podem ser projeções ou afirmações sobre expectativas futuras. Tais afirmações estão sujeitas a riscos conhecidos e desconhecidos e incertezas que podem

Leia mais

Apresentação Institucional. Agosto 2011

Apresentação Institucional. Agosto 2011 1 Apresentação Institucional Agosto 2011 Disclaimer As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento da

Leia mais

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul 1 Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul Luiz Calvo Ramires Junior 1 1. Caracterização da Atividade Florestal Brasileira DADOS SOCIOECONÔMICOS PIB Florestal = US$ 21 bilhões

Leia mais

Produção de Celulose de Eucalyptus no Brasil: Desafios e Novos Desenvolvimentos

Produção de Celulose de Eucalyptus no Brasil: Desafios e Novos Desenvolvimentos Produção de Celulose de Eucalyptus no Brasil: Desafios e Novos Desenvolvimentos Jose Lívio Gomide Congresso ABTCP/TAPPI- São Paulo, 16-19 Outubro 2006. Celulose Brasileira de Eucalyptus Fatores de Sucesso:

Leia mais

TIMBERLAND INVESTING LATIN AMERICA SUMMIT IQPC

TIMBERLAND INVESTING LATIN AMERICA SUMMIT IQPC PANORAMA DA INDÚSTRIA FLORESTAL NO BRASIL Rubens Garlipp* TIMBERLAND INVESTING LATIN AMERICA SUMMIT IQPC São Paulo - SP Março de 2008 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade Brasileira de Silvicultura

Leia mais

Economia Climática. Perspectiva macroeconômica Brasil

Economia Climática. Perspectiva macroeconômica Brasil O Setor Florestal Brasileiro Tendências e Perspectivas para a próxima Década Abril 2011 Economia Climática Perspectiva macroeconômica Brasil Estima-sequesemmudançadoclimaoPIB brasileiro em 2050 será de

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA www.sbs.org.br Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Associados e Colaboradores -Empresas e Associações de classe -Universidades

Leia mais

OS RISCOS DE UM APAGÃO FLORESTAL

OS RISCOS DE UM APAGÃO FLORESTAL OS RISCOS DE UM APAGÃO FLORESTAL Oferta e Demanda de Madeira no Brasil e na Região Sul Freitas, PhD Sociedade Brasileira de Silvicultura SOCIEDADE BRASILERIA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do

Leia mais

O SETOR FLORESTAL PRIVADO BRASILEIRO E OS DESAFIOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO

O SETOR FLORESTAL PRIVADO BRASILEIRO E OS DESAFIOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO O SETOR FLORESTAL PRIVADO BRASILEIRO E OS DESAFIOS PARA O SEU DESENVOLVIMENTO * Rubens C. Garlipp I Simpósio Ibero-Americano de Gestão e Economia Florestal Porto Seguro - BA 4 de julho de 2001 * Eng o

Leia mais

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Doádi Antônio Brena, Engº Florestal, MSc., Dr. FIMMA BRASIL 2019 WORKSHOP

Leia mais

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS

GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS GINO FRANCESCO MAZZOCCATO ASPECTOS AMBIENTAIS NAS EMBALAGENS DE MADEIRA PARA FIOS E CABOS SÃO PAULO 06 de Novembro de 2008 CARRETÉIS DE MADEIRA INTRODUÇÃO ORIGEM DA MATÉRIA-PRIMA FLORESTAS PLANTADAS MATÉRIA

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Dec (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-Dec (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) January 2014 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp

Leia mais

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-feb (1) C.

Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results toneladas / 1,000 tons (1) E/D E/B C/A A. / Jan-feb (1) C. Monthly publication of the Brazilian Pulp and Paper Association (Bracelpa) March 2013 Resultados do Setor de Celulose e Papel Pulp and Paper Sector Results 1.000 toneladas / 1,000 tons Celulose / Pulp

Leia mais

O SETOR BRASILEIRO DE ÁRVORES PLANTADAS

O SETOR BRASILEIRO DE ÁRVORES PLANTADAS 2018 O SETOR BRASILEIRO DE ÁRVORES PLANTADAS Referência mundial por sua atuação pautada pela sustentabilidade, competitividade e inovação, a indústria brasileira de árvores plantadas está entre os principais

Leia mais

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO

EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO EXPECTATIVA MÉDIA ANUAL DO MERCADO PARA A ECONOMIA BRASILEIRA: PIB, JUROS, CÂMBIO E INFLAÇÃO - 2017-2021 ANO TAXA DE CRESCIMENTO DO PIB TAXA DE JUROS SELIC TAXA DE CÂMBIO R$/US$ TAXA DE INFLAÇÃO IPCA 2017

Leia mais

PAPEL E CELULOSE. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

PAPEL E CELULOSE. Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE Novembro de 2017 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos DESEMPENHO DO SETOR DE PAPEL E CELULOSE Papel: produção segue em retração desde 2014, refletindo a fraca demanda doméstica

Leia mais

63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Maceió - AL. 23 de agosto 2006

63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Maceió - AL. 23 de agosto 2006 OS ASPECTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS DOS PLANTIOS FLORESTAIS Rubens Garlipp* 63ª Semana Oficial da Engenharia, Arquitetura e Agronomia Maceió - AL 23 de agosto 2006 * Engº Ftal Superintendente da Sociedade

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos PAPEL E CELULOSE NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO

PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO PRODUÇÃO E MERCADO DE MADEIRA DE PINUS COM VALOR AGREGADO Eng. Florestal Leonel Freitas Menezes Presidente da AGEFLOR 3 CONGRESSO INTERNACIONAL DO PINUS LAGES/SC 17/11/2011 CONTEÚDO Florestas plantadas

Leia mais

Apresentação Institucional 3T09

Apresentação Institucional 3T09 Apresentação Institucional 3T09 Outubro, 2009 Estrutura Acionária 30/06/2009 Controle Familiar + Administração Profissional Monteiro Aranha; 20% Ordinárias Klabin Irmãos; 59% Investidores Estrangeiros;

Leia mais

CAL - Conselho de Assuntos Legislativos. CITEC - Conselho de Inovação e Tecnologia. CODEMA - Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade

CAL - Conselho de Assuntos Legislativos. CITEC - Conselho de Inovação e Tecnologia. CODEMA - Conselho de Meio Ambiente e Sustentabilidade 9//6 FIERGS e sua Estrutura de Defesa de Interesse da Indústria Gaúcha. Importância Socioeconômica e Mercado Internacional do Setor de Base Florestal do RS. Os Conselhos Temáticos e Comitês que integram

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Secretaria de Comércio Exterior Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Secretaria de Comércio Exterior O comércio exterior brasileiro e o desempenho do setor industrial Welber Barral Secretário SÃO PAULO (SP), 27

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS. Sede Nacional - SP ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato têxtil; Possui 1.200 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; Sede nacional

Leia mais

Cenários Setoriais. Mercados Globais & Brasil. Celulose & Papel.

Cenários Setoriais. Mercados Globais & Brasil. Celulose & Papel. Cenários Setoriais Mercados Globais & Brasil Celulose & Papel www.celso-foelkel.com.br Fábricas estado-da-arte INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE E PAPEL 7º Produtor Mundial de Celulose e 5º de Celulose

Leia mais

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS

SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS SETOR PRODUTIVO DE BASE FLORESTAL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Doádi Antônio Brena, Engº Florestal, MSc., Dr. FIMMA BRASIL 2019 WORKSHOP

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima?

Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Maio 2014 Apresentar a Indústria de MT Compreender as DIFERENÇAS e SEMELHANÇAS O que nos afasta? O que nos aproxima? Diagnosticar as NECESSIDADES MÚTUAS Do que precisamos? Do que podemos fornecer mutuamente?

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. O Setor Florestal Brasileiro

LCF Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas. O Setor Florestal Brasileiro LCF1581-2015 Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas O Setor Florestal Brasileiro Por que das Plantações Florestais? Demanda de Madeira - Antes de 1900 Eucalyptus ornamentação - Em 1904 Necessidade

Leia mais

Apresentação. Maio 2017

Apresentação. Maio 2017 Apresentação Maio 2017 Por que investir na SUZANO? Estratégia para Maximizar o Retorno sobre o Capital Investido Vantagens Competitivas e Posição de Liderança na Indústria Forte Geração de Caixa Estratégia

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS À EFETIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO EM FRENTES PIONEIRAS

A CONTRIBUIÇÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS À EFETIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTADO EM FRENTES PIONEIRAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DA REGIÃO TOCANTINA DO MARANHÃO CENTRO DE CIENCIAS AGRARIAS CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL III SEMANA DE ESTUDO FLORESTAIS A CONTRIBUIÇÃO DAS FLORESTAS PLANTADAS À EFETIVAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS JANEIRO DE 2018 VS JANEIRO DE 2019

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS JANEIRO DE 2018 VS JANEIRO DE 2019 Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2019. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Leia mais

LCF Economia de Recursos. Hilton Thadeu Z. do Couto

LCF Economia de Recursos. Hilton Thadeu Z. do Couto LCF 685 - Economia de Recursos Florestais Hilton Thadeu Z. do Couto 1 Recursos Florestais Florestas: NATIVAS e IMPLANTADAS produzem bens Diretos e Indiretos Para manejar essas florestas (produção contínua

Leia mais

1º.. MADEN INEE Como evoluir a produtividade da cadeia de madeira energética

1º.. MADEN INEE Como evoluir a produtividade da cadeia de madeira energética 1º.. MADEN 28 - INEE Como evoluir a produtividade da cadeia de madeira energética José Otávio Brito Professor Titular ESALQ / USP Piracicaba, SP (19) 342941 - jotbrito@esalq.usp.br MUNDO: CONSUMO TOTAL

Leia mais

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões),

- Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), Janeiro / 2015 Resultados de Janeiro de 2015 - Exportação: US$ 13,7 bi, em valor, e média diária de US$ 652,6 milhões; sobre jan-14 (US$ 728,5 bilhões), redução de 10,4%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho):

Destaques. Julho: Janeiro-Julho: 12 meses (Agosto-Julho): Julho / 2012 Destaques Julho: - Exportação: 2º maior valor para julho (exp: US$ 21,0 bi); anterior jul-11 (US$ 22,3 bi); - Importação: 2º maior valor para julho (US$ 18,1 bi); anterior jul-11: US$ 19,1

Leia mais

Riscos (econômicos)climáticos Annelise Vendramini Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP FGV Ces.

Riscos (econômicos)climáticos Annelise Vendramini Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP FGV Ces. Riscos (econômicos)climáticos Annelise Vendramini Centro de Estudos em Sustentabilidade EAESP FGV Ces www.gvces.com.br Composição das Exportações Brasileiras 2015 Composição das Exportações Brasileiras

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS PRODUTOS MANUFATURADOS DE ORIGEM FLORESTAL

IMPORTÂNCIA DOS PRODUTOS MANUFATURADOS DE ORIGEM FLORESTAL Laboratório de Celulose e Papel Universidade Federal de Viçosa IMPORTÂNCIA DOS PRODUTOS MANUFATURADOS DE ORIGEM FLORESTAL Fernando José Borges Gomes Jorge Luiz Colodette Larisse Aparecida Ribas Batalha

Leia mais

Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil

Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil instituto de estudos e marketing industrial apresenta: Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil www.cgimoveis.com.br www.iemi.com.br Conteúdo Panorama Mundial Panorama Brasil Consumo e Perspectivas

Leia mais

EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS E PAÍSES DE DESTINO Julho / 2004

EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS E PAÍSES DE DESTINO Julho / 2004 EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS PRINCIPAIS BLOCOS ECONÔMICOS E PAÍSES DE DESTINO 2002-2004 Julho / 2004 EVOLUÇÃO RECENTE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS COMENTÁRIOS A - EVOLUÇÃO DAS EXPORTAÇÕES

Leia mais

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS JANEIRO DE 2017 VS JANEIRO DE 2018

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS JANEIRO DE 2017 VS JANEIRO DE 2018 Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2018. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Leia mais

com US$ 165 milhões, com aumento 12% no faturamento e 24% no volume.

com US$ 165 milhões, com aumento 12% no faturamento e 24% no volume. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2019. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CDM: OPORTUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

FLORESTAS PLANTADAS E CDM: OPORTUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FLORESTAS PLANTADAS E CDM: OPORTUNIDADE DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Rubens C. Garlipp * 4ª Semana do Meio Ambiente FIESP/CIESP 07 de junho de 2002 - São Paulo - SP * Engº Florestal - Superintendente

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

as árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis

as árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis as árvores plantadas são o futuro das matérias-primas renováveis Setor florestal Sustentabilidade é o nosso negócio! O plantio de árvores para fins industriais representa um importante segmento produtivo

Leia mais

Importância da Pesquisa no Setor Florestal. Shinitiro Oda

Importância da Pesquisa no Setor Florestal. Shinitiro Oda Importância da Pesquisa no Setor Florestal Shinitiro Oda IPEF 16/17/09/2008 Histórico Pragas e Doenças Cultivo MínimoM Melhoramento Biotecnologia Importância da Pesquisa Situação Florestal de Alguns Países

Leia mais

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS MARÇO DE 2016 VS MARÇO 2017

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS MARÇO DE 2016 VS MARÇO 2017 Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2017. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense Desempenho da Indústria Catarinense SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2012 INDICADOR % acumulado 2011/2010 SANTA CATARINA BR % % acumulado 2012/2011 acumulado 2012/2011 Produção Ind. (jan)

Leia mais

Importância das pastagens na produção animal

Importância das pastagens na produção animal Importância das pastagens na produção animal Formações vegetais Savana Floresta equatorial Tundra Savana Estepe Deserto Tabela 1. Efetivo bovino e ovino País Bovinos Ovinos Brasil 192 000 14 182 Índia

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense Desempenho da Indústria Catarinense SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2011 INDICADOR % acumulado 2010/2009 SANTA CATARINA BR % % acumulado 2011/2010 acumulado 2011/2010 Produção Ind. (jan-dez)

Leia mais

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 5º CONGRESSO MS FLORESTAL Setor Florestal em Mato Grosso do Sul Ontem, Hoje e Amanhã Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 5 de Setembro de 217 Campo Grande, MS 3 CONTEÚDO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2.

Leia mais

No gráfico abaixo são apresentados os custos por tonelada de madeira para produção de celulose nos demais países. FONTE DADOS: Bradesco

No gráfico abaixo são apresentados os custos por tonelada de madeira para produção de celulose nos demais países. FONTE DADOS: Bradesco No gráfico abaixo são apresentados os custos por tonelada de madeira para produção de celulose nos demais países. FONTE DADOS: Bradesco FONTE DADOS: Corretora Bradesco FONTE DADOS: Corretora Bradesco ANOS

Leia mais

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas

SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Cenário Atual e Perspectivas Workshop Técnico de Celulose Campo Grande MS Março 2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS,

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense Desempenho da Indústria Catarinense SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2012 INDICADOR % acumulado 2011/2010 SANTA CATARINA BR % % acumulado 2012/2011 acumulado 2012/2011 Produção Ind. (jan-fev)

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas

Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Eficiência, Gestão, Contratos e Sustentabilidade na Indústria Baseada em Florestas Plantadas Rubens Garlipp* XLIII Congresso da SOBER Sociedade Brasileira de Economia e Sociologia Rural Ribeirão Preto

Leia mais

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS JANEIRO DE 2016 VS JANEIRO DE 2017

TABELA 1 EXPORTAÇÕES DO RS JANEIRO DE 2016 VS JANEIRO DE 2017 Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de janeiro de 2017. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense

Desempenho da Indústria Catarinense Desempenho da Indústria Catarinense SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR % acumulado 2012/2011 SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 acumulado 2013/2012 Produção Ind. (jan-abr)

Leia mais

Apresentação Ma M s a is i a do d o B r B as a ili

Apresentação Ma M s a is i a do d o B r B as a ili Apresentação Masisa do Brasil Nossa empresa A Masisa faz parte do GrupoNueva, uma companhia reconhecida pelo seu forte compromisso com o desenvolvimento sustentável, expressado na gestão do Triplo Resultado

Leia mais

A indústria brasileira do aço e a infraestrutura

A indústria brasileira do aço e a infraestrutura A indústria brasileira do aço e a infraestrutura Marco Polo de Mello Lopes Presidente Executivo do Instituto Aço Brasil São Paulo 04.10.2017 I N S T I T U T O A Ç O B R A S I L ESSENCIAL INOVADOR DURÁVEL

Leia mais

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS

INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS INDICADORES CONJUNTURAIS Dezembro/2011 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09

Leia mais

SILVICULTURA DE PINUS

SILVICULTURA DE PINUS M A N O E L D E F R E I T A S C O N S U L T O R I A F L O R E S T A L SILVICULTURA DE PINUS Preparado para o SEMANA DA AGRONOMIA São José do Rio Preto - 23 de outubro de 2008 AS FLORESTAS NO MUNDO E O

Leia mais

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003

A Indústria de Papel no Brasil. BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 A Indústria de Papel no Brasil BNDES - Rio de Janeiro Miguel Sampol Pou Klabin Julho 2003 1 Produção mundial de papel por região - 2001- Em % A produção mundial está distribuída uniformemente em 3 áreas

Leia mais

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros

A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG. Alexandre Mendonça de Barros A economia agrícola internacional e a questão da expansão agrícola brasileira ABAG Alexandre Mendonça de Barros 05 de Agosto de 2013 1 Índice As transformações da economia agrícola internacional Vantagens

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso ÍNDICE 1 Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População

Leia mais

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000

FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas. São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS -MDIC- GRUPO DE TRABALHO Madeira e Florestas São Paulo/SP Setembro 2000 FÓRUM DE COMPETITIVIDADE DA CADEIA PRODUTIVA DE MADEIRA E MÓVEIS

Leia mais

Desempenho da Indústria Catarinense. Florianópolis, 24 de janeiro de 2014

Desempenho da Indústria Catarinense. Florianópolis, 24 de janeiro de 2014 Desempenho da Indústria Catarinense Florianópolis, 24 de janeiro de 2014 SANTA CATARINA e BRASIL Desempenho econômico em 2013 INDICADOR SANTA CATARINA BR % % acumulado 2013/2012 % acumulado 2012/2011 acumulado

Leia mais

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ

Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ 14 Encontro de Energia - FIESP GÁS NATURAL A PREÇO JUSTO: UMA ANÁLISE PELO LADO DA DEMANDA Prof. Edmar de Almeida Instituto de Economia - UFRJ São Paulo 5 de Agosto de 2013 PLANO DA APRESENTAÇÃO O que

Leia mais

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões),

- Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), Dezembro / 2014 Resultados de Dezembro de 2014 - Exportação: US$ 17,5 bi, em valor, e média diária de US$ 795,0 milhões; sobre dez-13 (US$ 992,7 milhões), redução de 19,9%, pela média diária; - Importação:

Leia mais

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas

L C F Recursos Florestais em Propriedades Agrícolas em Propriedades Agrícolas PRODUTOS FLORESTAIS MADEIREIROS E NÃO MADEIREIROS Prof. Geraldo Bortoletto Jr. FLORESTAS NO BRASIL (milhões ha) Florestas Naturais = 477,7 Florestas de proteção = 240,0 Florestas

Leia mais

Parceiros Comerciais do RS no período de. Comparação do mês de fevereiro de 2017

Parceiros Comerciais do RS no período de. Comparação do mês de fevereiro de 2017 Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2017. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS

POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS ATUAÇÃO GLOBAL POTENCIAL E PERSPECTIVAS DE FLORESTAS PLANTADAS NOS TROPICOS Ivan Tomaselli stcp@stcp.com.br VII CONGESSO INTERNATIONAL DE COMPENSADOS E MADEIRA TROPICAL BELÉM- OUTUBRO 2007 ASPECTOS ABORDADOS

Leia mais

Apresentação Institucional Novembro 2011

Apresentação Institucional Novembro 2011 1 Apresentação Institucional Novembro 2011 Disclaimer As declarações contidas nesta apresentação relativas às perspectivas de negócio, projeções operacionais e financeiras e perspectivas de crescimento

Leia mais

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações

Instituto de Estudos e Marketing Industrial. Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações Instituto de Estudos e Marketing Industrial Pesquisa de Mercado - Estudos Setoriais - Assessoria Empresarial - Publicações Apresentação Brasil Móveis 2006 Relatório Setorial da Indústria de Móveis no Brasil

Leia mais