RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina."

Transcrição

1 RESUMO FRACASSO, Rafael Monari. Panorama da silvicultura familiar no Planalto Sul de Santa Catarina p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal Área: Produção Florestal) Universidade do Estado de Santa Catarina. Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal, Lages, A Silvicultura é uma atividade que exerce considerável importância na economia do Brasil, tanto pela geração de empregos quanto pelos produtos e serviços oferecidos. Entretanto, é necessária sua expansão também aos pequenos proprietários rurais, oportunizando o crescimento desse setor e novas alternativas de renda aliada ao desenvolvimento regional. O Planalto Sul de Santa Catarina é uma região com predomínio de florestas plantadas e, por isso, a caracterização da silvicultura familiar é importante para compreender a dinâmica dessa atividade. O objetivo deste trabalho é analisar a silvicultura familiar a partir de um estudo comparativo internacional e de caso na região do Planalto Sul de Santa Catarina. Para isso, a pesquisa foi realizada com um enfoque qualitativo e a coleta de dados através de observações in loco e de entrevistas semiestruturadas aos atores envolvidos nesse processo como produtores, órgãos de pesquisa e prefeituras municipais. Além disso, o levantamento bibliográfico da silvicultura familiar em nível internacional baseou-se em cinco países: Estados Unidos, Canadá, Espanha, Finlândia e Áustria. Os resultados indicam que existem variações nos motivos para possuir florestas nos países analisados e que mudanças estruturais ocorreram ao longo do tempo, principalmente relacionadas com o envelhecimento dos proprietários e a diminuição da área das propriedades. Em nível local, foram caracterizados três tipos de produtores com plantios florestais

2

3 em pequenas propriedades: os moradores do meio rural, os não moradores e os fomentados. Com isso, conclui-se que a silvicultura é uma atividade presente nas pequenas propriedades do Planalto Sul de Santa Catarina, proporcionando geração e diversificação de renda. Contudo, é necessário investimento em pesquisa, programas de extensão e de apoio financeiro para destacar o potencial florestal regional. Palavras-chave: Atividade florestal. Caracterização. Pequenas propriedades.

4

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO 1.1 OBJETIVOS... ERRO! INDICADOR NÃO Objetivo Geral... Erro! Indicador não definido Objetivos Específicos... Erro! Indicador não definido. 2 MATERIAL E MÉTODOS... ERRO! INDICADOR NÃO 2.1 DESCRIÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO ERRO! INDICADOR NÃO Localização geográfica... Erro! Indicador não definido População... Erro! Indicador não definido Bioma... Erro! Indicador não definido Clima... Erro! Indicador não definido Geologia... Erro! Indicador não definido Solos... Erro! Indicador não definido Hidrologia... Erro! Indicador não definido Economia... Erro! Indicador não definido. 2.2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS... ERRO! INDICADOR NÃO 3 ABORDAGEM DA SILVICULTURA NO CONTEXTO MUNDIAL... ERRO! INDICADOR NÃO 3.1 COBERTURA FLORESTAL MUNDIAL... ERRO! INDICADOR NÃO 3.2 REVISÃO INTERNACIONAL... ERRO! INDICADOR NÃO Estados unidos... Erro! Indicador não definido Espanha... Erro! Indicador não definido Finlândia... Erro! Indicador não definido Canadá... Erro! Indicador não definido Áustria... Erro! Indicador não definido. 3.3 CONSIDERAÇÕES ENTRE OS PAÍSES... ERRO! INDICADOR NÃO

6 4 SILVICULTURA E AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL E EM SANTA CATARINA.. ERRO! INDICADOR NÃO 4.1 CONTEXTUALIZAÇÃO... ERRO! INDICADOR NÃO 4.2 DESENVOLVIMENTO DA SILVICULTURA NO BRASIL... ERRO! INDICADOR NÃO 4.3 O SETOR FLORESTAL NO BRASIL... ERRO! INDICADOR NÃO 4.4 O SETOR FLORESTAL EM SANTA CATARINA.. ERRO! INDICADOR NÃO Cobertura Florestal... Erro! Indicador não definido Produtos Primários... Erro! Indicador não definido Produtos industriais... Erro! Indicador não definido. 4.5 IMPORTÂNCIA DA SILVICULTURA NO BRASIL E EM SANTA CATARINA... ERRO! INDICADOR NÃO Número de empresas... Erro! Indicador não definido Número de empregos... Erro! Indicador não definido Valor bruto da produção da Silvicultura... Erro! Indicador não definido. 4.6 AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL... ERRO! INDICADOR NÃO Agricultura Familiar em Santa Catarina... Erro! Indicador não definido. 4.7 SILVICULTURA NA AGRICULTURA FAMILIAR E EM PEQUENAS PROPRIEDADES... ERRO! INDICADOR NÃO 4.8 CONSIDERAÇÕES... ERRO! INDICADOR NÃO 5 DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INSERÇÃO DA SILVICULTURA FAMILIAR NO PLANALTO SUL DE SANTA CATARINA...ERRO! INDICADOR NÃO 5.1 ANÁLISE SÓCIO ESPACIAL... ERRO! INDICADOR NÃO

7 5.2 AGRICULTURA FAMILIAR NO PLANALTO SUL DE SANTA CATARINA... ERRO! INDICADOR NÃO 5.3 SILVICULTURA NO PLANALTO SUL DE SANTA CATARINA... ERRO! INDICADOR NÃO 5.4 PROPRIETÁRIOS FLORESTAIS DO PLANALTO SUL DE SANTA CATARINA... ERRO! INDICADOR NÃO Proprietários moradores... Erro! Indicador não definido Proprietários não moradores...erro! Indicador não definido Proprietários fomentados. Erro! Indicador não definido. 5.5 DINÂMICA DA SILVICULTURA NA AGRICULTURA FAMILIAR... ERRO! INDICADOR NÃO 5.6 CONSIDERAÇÕES... ERRO! INDICADOR NÃO 6 CONCLUSÕES... ERRO! INDICADOR NÃO REFERÊNCIAS... ERRO! INDICADOR NÃO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO

STCP.COM.BR CONSULTORIA ENGENHARIA GERENCIAMENTO 1 2 5º CONGRESSO MS FLORESTAL Setor Florestal em Mato Grosso do Sul Ontem, Hoje e Amanhã Joésio Pierin Siqueira joesio@stcp.com.br 5 de Setembro de 217 Campo Grande, MS 3 CONTEÚDO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO 2.

Leia mais

MUDANÇAS DE COBERTURA VEGETAL E USO AGRÍCOLA DO SOLO NA BACIA DO CÓRREGO SUJO, TERESÓPOLIS (RJ).

MUDANÇAS DE COBERTURA VEGETAL E USO AGRÍCOLA DO SOLO NA BACIA DO CÓRREGO SUJO, TERESÓPOLIS (RJ). MUDANÇAS DE COBERTURA VEGETAL E USO AGRÍCOLA DO SOLO NA BACIA DO CÓRREGO SUJO, TERESÓPOLIS (RJ). Ingrid Araújo Graduanda em Geografia, UFRJ isa-rj@hotmail.com Leonardo Brum Mestrando em Geografia UFRJ

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DE PLANTIOS FLORESTAIS SOLTEIROS E DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS

VIABILIDADE ECONÔMICA DE PLANTIOS FLORESTAIS SOLTEIROS E DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS COMUNICADO TÉCNICO N o 22, fev.98, p.1-4 VIABILIDADE ECONÔMICA DE PLANTIOS FLORESTAIS SOLTEIROS E DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS Honorino Roque Rodigheri * A expansão e modernização da agricultura brasileira,

Leia mais

Ana Paula Moreira da Silva

Ana Paula Moreira da Silva A atual infraestrutura de sementes e mudas de espécies florestais nativas pode atender às novas expectativas da demanda por restauração florestal no Brasil? Ana Paula Moreira da Silva Como nasceu a pesquisa?

Leia mais

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO

TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO TRABALHO ASSALARIADO NA AGRICULTURA NORDESTINA NO PERÍODO 2001-08 No período 2001-08, o total de pessoas ocupadas na agricultura nordestina apresentou um quadro de relativa estabilidade. No entanto, houve

Leia mais

Geografia. Rebecca Guimarães

Geografia. Rebecca Guimarães Geografia Rebecca Guimarães 01 -(FGV) CANÇÃO DOS SEM-TERRA A enxada sobe e desce na terra encharcada Sobe e desce A vontade do homem que a sustenta, de ser dono da terra lavrada, da terra tratada. A enxada

Leia mais

Serviço Florestal Brasileiro. Gerência de Informações Florestais. Setembro de 2011

Serviço Florestal Brasileiro. Gerência de Informações Florestais. Setembro de 2011 Serviço Florestal Brasileiro Gerência de Informações Florestais Setembro de 2011 AGENDA 1. INVENTÁRIO FLORESTAL NACIONAL IFN-BR 2. O COMPONENTE SOCIOAMBIENTAL NO IFN-BR 3. SELEÇÃO DOS DOMICÍLIOS PARA A

Leia mais

Caracterização dos Sistemas de Cultivo nas Terras de Plantar do Sistema Faxinal Taquari dos Ribeiros Rio Azul, Paraná

Caracterização dos Sistemas de Cultivo nas Terras de Plantar do Sistema Faxinal Taquari dos Ribeiros Rio Azul, Paraná Caracterização dos Sistemas de Cultivo nas Terras de Plantar do Sistema Faxinal Taquari dos Ribeiros Rio Azul, Paraná Camila Bittencourt SILVA e Silvia Méri CARVALHO Universidade Estadual de Ponta Grossa

Leia mais

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO

I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO I - METOLOGIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE MANEJO O conceito de Plano de Manejo, segundo a definição da Lei n 9.985, de 18 de julho de 2000 (institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza),

Leia mais

IMPACTOS SOCIAIS EM REGIÕES DE FLORESTAS PLANTADAS. Sergio Alvareli Júnior UFV Universidade Federal de Viçosa

IMPACTOS SOCIAIS EM REGIÕES DE FLORESTAS PLANTADAS. Sergio Alvareli Júnior UFV Universidade Federal de Viçosa IMPACTOS SOCIAIS EM REGIÕES DE FLORESTAS PLANTADAS Sergio Alvareli Júnior UFV Universidade Federal de Viçosa Sergio Alvareli Júnior Eng. Florestal, M. Sc. Ciência Florestal Doutorando em Ciência Florestal

Leia mais

EUCALIPTOCULTURA NO NORDESTE BRASILEIRO: Estudos de casos em pequenas e médias propriedades. Prof. Adalberto Brito de Novaes

EUCALIPTOCULTURA NO NORDESTE BRASILEIRO: Estudos de casos em pequenas e médias propriedades. Prof. Adalberto Brito de Novaes EUCALIPTOCULTURA NO NORDESTE BRASILEIRO: Estudos de casos em pequenas e médias propriedades Prof. Adalberto Brito de Novaes PROMOÇÃO: COLEGIADO DE ENGENHARIA FLORESTAL/UESB PANORAMA INTERNACIONAL DO SETOR

Leia mais

Secretaria Municipal de Meio Ambiente SMAC-Rio

Secretaria Municipal de Meio Ambiente SMAC-Rio Secretaria Municipal de Meio Ambiente SMAC-Rio Contextualização teórico-metodológica PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: ETAPA 1: Instituição do Grupo de Trabalho composto por funcionários da SMAC: Marcelo Hudson

Leia mais

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas

12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. Política Agrícola para Florestas Plantadas 12 CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL Política Agrícola para Florestas Plantadas Florestas Plantadas Legislação Lei 12.187/2009 Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima - PNMC

Leia mais

5 METODOLOGIA 5.1 MÉTODO DE PESQUISA

5 METODOLOGIA 5.1 MÉTODO DE PESQUISA 5 METODOLOGIA 5.1 MÉTODO DE PESQUISA O mercado de exportação de bovinos vivos é um assunto pouco explorado, assim como o estudo da realidade do gerenciamento da cadeia de suprimentos e dos fatores que

Leia mais

Solos do Nordeste: características e potencial de uso. Djail Santos CCA-UFPB, Areia

Solos do Nordeste: características e potencial de uso. Djail Santos CCA-UFPB, Areia Solos do Nordeste: características e potencial de uso Djail Santos CCA-UFPB, Areia GeoBrasil 2002 O estado dos solos O estado dos solos (GeoBrasil, 2002) A área do Nordeste brasileiro é de aproximadamente

Leia mais

APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Documento Síntese

APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Documento Síntese APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO NAS DIFERENTES REGIÕES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Documento Síntese Coordenação Apoio Institucional Vitória ES 2015 1 APTIDÃO PARA A SILVICULTURA DE EUCALIPTO

Leia mais

Síglia Regina Souza / Embrapa. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) Sustentabilidade do agronegócio com preservação ambiental

Síglia Regina Souza / Embrapa. Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) Sustentabilidade do agronegócio com preservação ambiental Síglia Regina Souza / Embrapa Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF) Sustentabilidade do agronegócio com preservação ambiental 1 Síglia Regina Souza / Embrapa O que é Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Leia mais

A produção orgânica com base nos dados do Censo Agropecuário do IBGE (2006)

A produção orgânica com base nos dados do Censo Agropecuário do IBGE (2006) A produção orgânica com base nos dados do Censo Agropecuário do IBGE (2006) Palestrante: Andréia Vigolo Lourenço Agricultura Orgânica no cenário global Contexto atual (FIBL & IFOAM, 2015): Dados coletados

Leia mais

Projeto Carbono Florestal

Projeto Carbono Florestal Projeto Carbono Florestal Realização: Patrocínio: Locais de Influência do Projeto: O projeto está sendo desenvolvido no Tocantins nos municípios de Pium e Marianópolis em áreas de assentamentos rurais

Leia mais

Dinâmicas sócio ecológicas no entorno do Parque Estadual do Rio Doce (PERD): cenários e governança para futuros sociobiodiversos

Dinâmicas sócio ecológicas no entorno do Parque Estadual do Rio Doce (PERD): cenários e governança para futuros sociobiodiversos PELD 2017-2020 Dinâmica biológica e a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica do médio Rio Doce-MG, considerando os impactos do rompimento da barragem de rejeitos de Mariana-MG Subprojeto 4 Dinâmicas

Leia mais

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL A definição de áreas rurais no Brasil SUBSÍDIOS AO PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL J O S É IRINEU R A N G E L R I G OT T I ( U F M G ) R E N ATO H A DAD (PUC-MINAS) DESAFIOS: País imenso, heterogêneo

Leia mais

SETOR DE CELULOSE E PAPEL

SETOR DE CELULOSE E PAPEL SETOR DE CELULOSE E PAPEL 7º Encontro da Cadeia Produtiva de Madeira e Móveis BENTO GONÇALVES 12/11/2008 Pedro Vilas Boas Dados Gerais Cadeia Produtiva do Setor Florestal Lenha Carvão Vegetal PRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de Atividades.

Relatório de Atividades. Relatório de Atividades 2016 www.apremavi.org.br Programa Matas Legais Objetivo: Desenvolver um programa de Conservação, Educação Ambiental e Fomento Florestal que ajude a preservar e recuperar os remanescentes

Leia mais

O FENÓMENO DA DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL CONTINENTAL

O FENÓMENO DA DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL CONTINENTAL ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E EXPLORAÇÃO SUSTENTADA DE RECURSOS GEOLÓGICOS 6º ENCONTRO O FENÓMENO DA DESERTIFICAÇÃO EM PORTUGAL CONTINENTAL A IMPORTÂNCIA DA GEOLOGIA NO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO asoares@ist.utl.pt,

Leia mais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais

Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Agricultura Brasileira: importância, perspectivas e desafios para os profissionais dos setores agrícolas e florestais Claudio Aparecido Spadotto* A importância da agricultura brasileira Nesse texto o termo

Leia mais

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO

CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO CÁLCULO DOS TEORES DE CARBONO NO SOLO NA ZONA DE TRANSIÇÃO DO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA COM O CERRADO BRASILEIRO Renata Soares Pinto (*), Carlos Fernando Lemos Universidade Federal de Santa Maria- renatasoares261@gmail.com

Leia mais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais 111 Demanda por lenha no Paraná: oportunidade para o sistema agrossilvipastoril Ives Clayton Gomes dos Reis Goulart 1, Gilson Martins 2, Emiliano Santarosa 3, Rogério Morcelles Dereti 4, Joel Penteado

Leia mais

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas

Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Associação Paulista de Produtores de Florestas Plantadas Hernon José Ferreira - Presidente Mercado Florestal A indústria de base florestal no Brasil vive um momento de franca expansão, devido principalmente

Leia mais

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO O estado de Mato Grosso está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, fazendo fronteira com os estados do Pará e Amazonas ao norte, Mato

Leia mais

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho

Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Geoprocessamento na delimitação de áreas de conflito em áreas de preservação permanente da sub-bacia do Córrego Pinheirinho Juliano Boeck Santos Osmar Delmanto Junior Célia Regina Lopes Zimback Ana Paula

Leia mais

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS:

CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: CONHEÇA OS CURSOS OFERECIDOS: Agricultura Habilita estudantes a observar, organizar e planejar a forma de manejo do solo, bem como traçar medidas de otimização da produção agrícola. Assim, o profissional

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA. Adaptado de Devanir Garcia dos Santos Agência Nacional de Águas Gerência de Uso Sustentável de Água e Solo

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA. Adaptado de Devanir Garcia dos Santos Agência Nacional de Águas Gerência de Uso Sustentável de Água e Solo PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA Adaptado de Devanir Garcia dos Santos GESTÃO COMPARTILHADA Harmonizar a relação entre produtor a montante da bacia hidrográfica e usuário a jusante Através do reconhecimento econômico

Leia mais

Tainá Oliveira Assis População, Espaço e Ambiente Prof. Dra. Silvana Amaral Kampel Prof. Dr. Antônio Miguel Vieira Monteiro

Tainá Oliveira Assis População, Espaço e Ambiente Prof. Dra. Silvana Amaral Kampel Prof. Dr. Antônio Miguel Vieira Monteiro Tainá Oliveira Assis População, Espaço e Ambiente Prof. Dra. Silvana Amaral Kampel Prof. Dr. Antônio Miguel Vieira Monteiro Contexto LUCC: consequências. Taxas de conversão e regeneração. Quais os atores?

Leia mais

Fragilidade Ambiental Método auxílio multicritério à tomada de decisão

Fragilidade Ambiental Método auxílio multicritério à tomada de decisão Fragilidade Ambiental Método auxílio multicritério à tomada de decisão Fragilidade Ambiental Parcial Município de Cachoeira Paulista SP Marcelo Cardoso da Silva Bandoria Mestrado em Sensoriamento Remoto

Leia mais

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO E APOIO AS EMPRESAS/INSTITUIÇÕES ASSOCIADAS

POLÍTICAS DE DESENVOLVIMENTO DO AGRONEGÓCIO E APOIO AS EMPRESAS/INSTITUIÇÕES ASSOCIADAS www.cedagro.org.br O que é o CEDAGRO? O Centro de Desenvolvimento do Agronegócio - CEDAGRO, registrado em 27/10/2004, em Vitória/ES, é uma organização não governamental, sem fins econômicos, pessoa jurídica

Leia mais

O IMPACTO DA INDÚSTRIA E DA AGROPECUÁRIA NO CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2013

O IMPACTO DA INDÚSTRIA E DA AGROPECUÁRIA NO CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2013 O IMPACTO DA INDÚSTRIA E DA AGROPECUÁRIA NO CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2013 SILVA, Almir Cléydison Joaquim da¹; SILVA, Beatriz Batinga²; SILVA, Maria Eduarda de Lima³; MENDONÇA,

Leia mais

Caracterização dos estabelecimentos agropecuários da região sul do Brasil com base no Censo Agropecuário 2006

Caracterização dos estabelecimentos agropecuários da região sul do Brasil com base no Censo Agropecuário 2006 Caracterização dos estabelecimentos agropecuários da região sul do Brasil com base no Censo Agropecuário 2006 Laura Wichrowski Gauterio Izete Pengo Bagolin RESUMO - O estudo fornece uma caracterização

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br O papel da Geotecnologia na formulação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação

Leia mais

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS 5 TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS O projeto Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro de redução de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE), o Governo

Leia mais

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS

TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS 5 TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS O projeto Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro de redução de emissões de Gases de Efeito de Estufa (GEE), o Governo

Leia mais

DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO

DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO DEMANDA E USOS DA FLORESTA DE EUCALIPTO 8ª Festa do Eucalipto Salesópolis - SP 06 / 11/ 04 SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional

Leia mais

Contribuição do Jornalismo Online para o Pacqto Programa de Ação e Combate às Queimadas do Tocantins

Contribuição do Jornalismo Online para o Pacqto Programa de Ação e Combate às Queimadas do Tocantins Contribuição do Jornalismo Online para o Pacqto Programa de Ação e Combate às Queimadas do Tocantins Valmir Araújo Liana Vidigal Universidade Federal do Tocantins Apresentação O trabalho consiste numa

Leia mais

MCTI. Tecnologia e Inovação. Ciência e Mercado Valorização da Floresta em Pé na Amazônia

MCTI. Tecnologia e Inovação. Ciência e Mercado Valorização da Floresta em Pé na Amazônia MCTI Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ciência e Mercado Valorização da Floresta em Pé na Amazônia Análise das Opções Produtivas e Prioridades para Viabilizá-las Charles R. Clement Economia

Leia mais

FATORES DE SUCESSO PARA A ALTA PRODUTIVIDADE DE FLORESTAS

FATORES DE SUCESSO PARA A ALTA PRODUTIVIDADE DE FLORESTAS FATORES DE SUCESSO PARA A ALTA PRODUTIVIDADE DE FLORESTAS Ariel Evandro Fossa Gerente Florestal AGOSTO DE 2015 Coleta e rerrefino Celulose Lwart Lubrificantes 40 anos Atuação Coleta e rerrefino de OLUC

Leia mais

INFORMATIVO. Foto: K.Carvalheiro/BID TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS

INFORMATIVO. Foto: K.Carvalheiro/BID TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS INFORMATIVO 5 Foto: K.Carvalheiro/BID TECNOLOGIAS DE BAIXO CARBONO MANEJO SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS NATIVAS 2016 PROJETO O PROJETO RURAL SUSTENTÁVEL Na perspectiva de colaborar com o esforço brasileiro

Leia mais

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS AGRÁRIAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL

LINHA DE PESQUISA: DINÂMICAS AGRÁRIAS, POLÍTICAS PÚBLICAS E DESENVOLVIMENTO REGIONAL Descentralização de políticas públicas, participação social e desenvolvimento regional O projeto tem como objetivo analisar o processo de descentralização das políticas públicas no Brasil e seus efeitos

Leia mais

Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima

Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima Conversão do Uso e Cobertura da Terra no Sudeste de Roraima Discente: Carlos Antonio da Silva Junior Engenheiro-Agrônomo Docentes: Dr. Antonio Miguel Vieira Monteiro Dr. Claudio Barbosa São José dos Campos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SILVICULTURA Fundada em 1955 Entidade do setor privado florestal Abrangência nacional Membro do CONAMA, CONAFLOR, CERFLOR, FCMM, CGFLOP AÇÕES Política e legislação florestal brasileira

Leia mais

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Implantação de sistema silvipastoril com eucalipto

Experiências em Recuperação Ambiental. Código Florestal. Implantação de sistema silvipastoril com eucalipto Experiências em Recuperação Ambiental Código Florestal Implantação de sistema silvipastoril com eucalipto Implantação de sistema silvipastoril com eucalipto 1. Bioma: Mata Atlântica Estado: Paraná Município:

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE ATER PARA DIVERSIFICAÇÃO DO TABACO COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE SENTINELA DO SUL/RS.

CHAMADA PÚBLICA DE ATER PARA DIVERSIFICAÇÃO DO TABACO COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE SENTINELA DO SUL/RS. CHAMADA PÚBLICA DE ATER PARA DIVERSIFICAÇÃO DO TABACO COMO FERRAMENTA DE DESENVOLVIMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE SENTINELA DO SUL/RS. NOME DO ALUNO: NÁSTIA DUARTE GARCIA Orientador: Prof. Dr. Alberto Bracagioli

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO

INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB838 SENSORIAMENTO REMOTO II - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2010 PROF. DR. CARLOS

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Geografia Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1 Ano Carga Horária: 67 h (80 aulas)

DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Geografia Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1 Ano Carga Horária: 67 h (80 aulas) DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: Geografia Curso: Técnico em Meio Ambiente Integrado ao Ensino Médio Série: 1 Ano Carga Horária: 67 h (80 aulas) Docente Responsável: Jose Eduardo Nunes do Nascimento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO ORIZÍCOLA NO RIO GRANDE DO SUL E REGIÃO FRONTEIRA OESTE

CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO ORIZÍCOLA NO RIO GRANDE DO SUL E REGIÃO FRONTEIRA OESTE CARACTERIZAÇÃO DA PRODUÇÃO ORIZÍCOLA NO RIO GRANDE DO SUL E REGIÃO FRONTEIRA OESTE 1. INTRODUÇÃO A agricultura irrigada é uma prática agrícola composta por conjunto de equipamentos e técnicas que tem como

Leia mais

ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO-BAIXO CURSO DO RIO ARAGUARI

ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO-BAIXO CURSO DO RIO ARAGUARI ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO MÉDIO-BAIXO CURSO DO RIO ARAGUARI RESUMO Fausto Miguel da Luz Netto faustoluz_netto@hotmail.com Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Geografia

Leia mais

Cadeia Produtiva de Madeira na Amazônia Brasileira

Cadeia Produtiva de Madeira na Amazônia Brasileira Cadeia Produtiva de Madeira na Amazônia Brasileira Marie Gabrielle Piketty CIRAD-USP Baseado sobre trabalhos liderados pelo IMAZON, Belém, Para Entre outros: Lentini M., Verissimo A., Sobral L, 2003. Fatos

Leia mais

Condições edáficas do Nordeste para empreendimentos florestais. Prof. Paulo Rogério Soares de Oliveira UFRN

Condições edáficas do Nordeste para empreendimentos florestais. Prof. Paulo Rogério Soares de Oliveira UFRN Condições edáficas do Nordeste para empreendimentos florestais Prof. Paulo Rogério Soares de Oliveira UFRN Dezembro de 2011 Introdução Edafologia é a ciência que trata da influência dos solos em seres

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR Prof. Antonio

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR Prof. Antonio Lázaro Sant

Leia mais

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará

Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Oportunidade de Atração de Investimentos no Setor de Celulose no Brasil Potencial de Negócios em Celulose no Pará Belém, PA Junho -2016 1 Mercado de Floresta Plantada 2 Mercado de Floresta Plantada Distribuição

Leia mais

O QUE É ILPF ILP IPF. A ILPF pode ser utilizada em diferentes configurações, combinando-se dois ou três componentes em um sistema produtivo:

O QUE É ILPF ILP IPF. A ILPF pode ser utilizada em diferentes configurações, combinando-se dois ou três componentes em um sistema produtivo: ILPF EM NÚM3R05 O QUE É ILPF A integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) é uma estratégia de produção agropecuária que integra diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais, dentro

Leia mais

Ecossistemas Brasileiros

Ecossistemas Brasileiros Campos Sulinos Ecossistemas Brasileiros Estepe (IBGE, 1991) Mosaico campoflorestal Campos Sulinos Estepe (Campos Gerais e Campanha Gaúcha): Vegetação gramíneo-lenhosa com dupla estacionalidade (Frente

Leia mais

CRIAÇÃO DE ABELHAS NATIVAS SEM FERRÃO (MELIPONICULTURA) NO MUNICÍPIO DE VISTA GAÚCHA. DIOGO CANSI

CRIAÇÃO DE ABELHAS NATIVAS SEM FERRÃO (MELIPONICULTURA) NO MUNICÍPIO DE VISTA GAÚCHA. DIOGO CANSI CRIAÇÃO DE ABELHAS NATIVAS SEM FERRÃO (MELIPONICULTURA) NO MUNICÍPIO DE VISTA GAÚCHA. DIOGO CANSI Orientadora: Prof. Dr. Rumi Regina Kubo Coorientador: Tutor Msc. Lucas Oliveira do Amorim INTRODUÇÃO Estre

Leia mais

EAD CR CAMPEIRO 7. Visão Geral do Sistema

EAD CR CAMPEIRO 7. Visão Geral do Sistema EAD CR CAMPEIRO 7 Visão Geral do Sistema Prof. Dr. Enio Giotto Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria O Projeto CR Campeiro O Projeto de Ciência

Leia mais

Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina

Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina Modelagem de cenários de uso e cobertura da terra no litoral sul de Santa Catarina Um potencial no apoio à identificação de áreas para conservação DANIEL COHENCA A N A L I S TA A M B I E N TA L I B A M

Leia mais

Avaliação da evapotranspiração em. município de Barretos-SP

Avaliação da evapotranspiração em. município de Barretos-SP SER 300 Introdução ao Geoprocessamento - 2012 Avaliação da evapotranspiração em áreas de cana-de-açúcar no município de Barretos-SP Bruno Silva Oliveira Contextualização Cana-de-açúcar A produção do etanol

Leia mais

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016

UFPR- SCA - CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL GRADE HORÁRIA - 1º SEMESTRE 2016 1º PERÍODO AT141 FÍSICA I - 3 55 2F07:30-10:30 CD046 EXPRESSÃO GRÁFICA I - GEOMETRIA DESCRITIVA - 3 35 35 CENTRO 4F 09:30-12:30 4F 09:30-12:30 CM22 MATEMÁTICA I - 4 55 CENTRO 5F 07:30-09:30 6F 09:30-11:30

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE APÍCOLA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB.

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE APÍCOLA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB. AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DA ATIVIDADE APÍCOLA NOS ASSENTAMENTOS RURAIS DO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB. Luci Cleide Farias Soares Sousa 1 ; Jose da Silva Sousa 1 ; Jose Aldenor de Sousa 1 ; Rafael Rocha

Leia mais

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU)

Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica. Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Biodiversidade e Mudanças Climáticas na Mata Atlântica Iniciativa Internacional de Proteção ao Clima (IKI/BMU) Índice da Apresentação Lições aprendidas Projeto Proteção da Mata Atlântica II (2009 a 2012)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 82, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

Engajamento dos produtores rurais para efetividade das ações de restauração florestal NOVEMBRO 2018

Engajamento dos produtores rurais para efetividade das ações de restauração florestal NOVEMBRO 2018 Engajamento dos produtores rurais para efetividade das ações de restauração florestal NOVEMBRO 2018 2 FUNDAÇÃO RENOVA fundacaorenova.org 3 FUNDAÇÃO RENOVA fundacaorenova.org 4 FUNDAÇÃO RENOVA fundacaorenova.org

Leia mais

Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil

Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil Composição da Área de Floresta Plantada no Brasil Curitiba Fevereiro, 2014 1. INTRODUÇÃO Com objetivo de disponibilizar informação qualificada ao mercado de base florestal, a CONSUFOR desenvolveu uma pesquisa

Leia mais

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul

Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul 1 Programa Estadual de Desenvolvimento Florestal de Mato Grosso do Sul Luiz Calvo Ramires Junior 1 1. Caracterização da Atividade Florestal Brasileira DADOS SOCIOECONÔMICOS PIB Florestal = US$ 21 bilhões

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Componente Específica Geografia. Código da Prova /2015

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Componente Específica Geografia. Código da Prova /2015 INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E CAPACIDADES Componente Específica Geografia Código da Prova 6200 2014/2015 O presente documento divulga informação relativa à Prova de Avaliação de

Leia mais

SESU/MEC - CNE - ABENGE Reunião de 11 de abril de 2017

SESU/MEC - CNE - ABENGE Reunião de 11 de abril de 2017 SESU/MEC - CNE - ABENGE Reunião de 11 de abril de 2017 1. ASPECTOS A SEREM CONSIDERADOS NA PRIMEIRA PARTE DA REUNIÃO: DIRETRIZES E PROJETO DE CURSOS DE ENGENHARIA 1.1. A FORMAÇÃO EM ENGENHARIA: PRINCIPAIS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil

TERMO DE REFERÊNCIA. Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil TERMO DE REFERÊNCIA Projeto de Reflorestamento com Espécies Nativas no Bioma Mata Atlântica Paraná Brasil Contextualização e justificativa A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos,

Leia mais

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem:

I - NATURAL II - ESTRUTURAL. Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: Os problemas estruturais que caracterizam a agricultura nacional podem ser de ordem: I - NATURAL Relacionados com condicionalismos naturais, já que a atividade agrícola está muito dependente de fatores

Leia mais

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA

COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA COMPARATIVO DE LUCRATIVIDADE ENTRE O PLANTIO DE MILHO SEQUEIRO/SOJA E O ARRENDAMENTO DA ÁREA Mariana S. de Proença 1, Leonel J. Ribeiro 2, Maria C. Ferrari 3, Flavia C. Cavalini 4 1 Graduanda em Agronegócio,

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DA MAMONA NO MUNICÍPIO DE ITAETÊ, CHAPADA DIAMANTINA-BA

VIABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DA MAMONA NO MUNICÍPIO DE ITAETÊ, CHAPADA DIAMANTINA-BA Página 397 VIABILIDADE ECONÔMICA DA CULTURA DA MAMONA NO MUNICÍPIO DE ITAETÊ, CHAPADA DIAMANTINA-BA Edson Fernandes Araújo Macedo ¹; Julio Cezar Vasconcelos ²; Genebaldo Antonio Figueredo Alves ³ ¹ SEAGRI/EBDA/INCRA,

Leia mais

Expansão da cana-de-açúcar na microrregião de Quirinópolis, Goiás

Expansão da cana-de-açúcar na microrregião de Quirinópolis, Goiás Expansão da cana-de-açúcar na microrregião de Quirinópolis, Goiás Adriana Aparecida SILVA (1) ;Selma Simões de CASTRO (2) (1) Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia

Leia mais

O QUE É ILPF ILP IPF. A ILPF pode ser utilizada em diferentes configurações, combinando-se dois ou três componentes em um sistema produtivo:

O QUE É ILPF ILP IPF. A ILPF pode ser utilizada em diferentes configurações, combinando-se dois ou três componentes em um sistema produtivo: ILPF EM NÚM3R05 O QUE É ILPF A integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF) é uma estratégia de produção agropecuária que integra diferentes sistemas produtivos, agrícolas, pecuários e florestais, dentro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR Prof. Antonio

Leia mais

GERENCIAMENTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO CURIMATAÚ ORIENTAL PARAIBANO: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB

GERENCIAMENTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO CURIMATAÚ ORIENTAL PARAIBANO: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB GERENCIAMENTO DA ÁGUA SUBTERRÂNEA NO CURIMATAÚ ORIENTAL PARAIBANO: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE ARARUNA-PB Phillipy Johny Lindolfo da Silva 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Bruno Menezes da Cunha Gomes 3 ; Yuri

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7ºANO

PERFIL DE APRENDIZAGENS 7ºANO 7ºANO No final do 7º ano, o aluno deverá ser capaz de: Compreender o objeto e o método da Geografia. Conhecer diferentes formas de representação da superfície terrestre. Compreender diferentes tipos de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR

DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE ILHA SOLTEIRA CURSO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA SOCIOLOGIA E ÉTICA DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL E AGRICULTURA FAMILIAR Prof. Antonio Lázaro Sant

Leia mais

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período

Desenvolvimento Local. Aula 15. Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período Desenvolvimento Local Aula 15 Política de desenvolvimento Rural em Portugal: Principais instrumentos de financiamento para o período 2014-2020. PAC 2014-2020 Desafios e objetivos Desafios Objetivos políticos

Leia mais

Novo Código Florestal e as perspectivas de exploração comercial de espécies perenes

Novo Código Florestal e as perspectivas de exploração comercial de espécies perenes Novo Código Florestal e as perspectivas de exploração comercial de espécies perenes Peter Wimmer Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Ministério do Meio Ambiente CAR PRA PAI Legislação

Leia mais

RESTAURAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA

RESTAURAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA RESTAURAÇÃO DA VEGETAÇÃO NATIVA Restauração Florestal em larga escala promovendo geração de trabalho e renda PROGRAMA DE GARANTIA Case: Recuperação de 124 nascentes no assentamento rural São Pedro, em

Leia mais

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO

A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO A ECONOMIA PORTUGUESA NO MUNDO MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO 29 DE SETEMBRO 2010 INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Porque é que é importante Crescimento

Leia mais

III Congresso Brasileiro de Eucalipto

III Congresso Brasileiro de Eucalipto III Congresso Brasileiro de Eucalipto Uso de Eucalipto em Consórcio com Nativas para Restauração Florestal em Áreas de Reserva Legal Vitória, 3 de Setembro de 2015 NOSSAS CRENÇAS MISSÃO VISÃO Desenvolver

Leia mais

Resultados do Circuito Tecnológico Aprosoja Safra 2010/11 18 A 29 DE OUTUBRO 2010

Resultados do Circuito Tecnológico Aprosoja Safra 2010/11 18 A 29 DE OUTUBRO 2010 Resultados do Circuito Tecnológico Aprosoja Safra 2010/11 18 A 29 DE OUTUBRO 2010 APRESENTAÇÃO O Circuito Tecnológico Aprosoja no Campo Safra 2010/11, idealizado pela Associação dos Produtores de Soja

Leia mais

Indicadores demográficos e dados de sensoriamento remoto para estudos do desmatamento na Várzea Amazônica

Indicadores demográficos e dados de sensoriamento remoto para estudos do desmatamento na Várzea Amazônica Indicadores demográficos e dados de sensoriamento remoto para estudos do desmatamento na Várzea Amazônica Seminário para disciplina: SER-457 - População espaço e Ambiente Ministrantes: Ph. D. Antônio Miguel

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MARTIM DE FREITAS ESCOLA BÁSICA 2/3 MARTIM DE FREITAS Ano letivo 2016/2017 ESCOLA BÁSICA / MARTIM DE FREITAS Ano letivo 06/0 º Ano de Escolaridade I Período (6 aulas) (6 aulas) I ( aulas) DOMÍNIO: A TERRA, ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES Unidade A Geografia e o Território -O objeto

Leia mais

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA

PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA PROGRAMA PRODUTOR DE ÁGUA NO GUARIROBA Rossini Ferreira Matos Sena Especialista em Recursos Hídricos Superintendência de Implementação de Programas e Projetos Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável

Leia mais

COLETA DE IMAGENS AÉREAS

COLETA DE IMAGENS AÉREAS Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná Fundação de Apoio à Universidade Federal do Paraná. COLETA DE IMAGENS AÉREAS Lei Federal nº 10.257/2001. Lei Federal nº 11.977/2009. Lei Federal nº 12.651/2012.

Leia mais

É um dos princípios fundamentais que constitui a base de toda a operação de seguro e que se pode entender como sendo:

É um dos princípios fundamentais que constitui a base de toda a operação de seguro e que se pode entender como sendo: Presidente da Comissão de Seguro Rural da FenSeg 05/10/2016 MUTUALISMO É um dos princípios fundamentais que constitui a base de toda a operação de seguro e que se pode entender como sendo: reunião de um

Leia mais

Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil

Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil Apresentação do Setor de Florestas Plantadas no Brasil XV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Fernando Henrique da Fonseca Presidente da ABRAF Empresas

Leia mais

Masisa Empreendimentos Florestais. Rio Grande do Sul Abril

Masisa Empreendimentos Florestais. Rio Grande do Sul Abril Masisa Empreendimentos Florestais Rio Grande do Sul Abril - 2009 Venezuela México 100.523 ha (Forest planted) Wood Panels Solid Wood Chile Wood Panels 86.662 ha (Forest planted) Solid Wood Argentina Brazil

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DESIGUAL: A PROBLEMÁTICA DA VULNERABILIDADE SOCIAL ENTRE OS JOVENS DE SANTA CATARINA

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DESIGUAL: A PROBLEMÁTICA DA VULNERABILIDADE SOCIAL ENTRE OS JOVENS DE SANTA CATARINA 01656 EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DESIGUAL: A PROBLEMÁTICA DA VULNERABILIDADE SOCIAL ENTRE OS JOVENS DE SANTA CATARINA Natalia Carolina de Oliveira Vaz Resumo Este projeto de pesquisa está em andamento,

Leia mais