O PRAZER DA MILITÂNCIA: A ÉTICA ESTÉTICA DA NEGRITUDE ILÊ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PRAZER DA MILITÂNCIA: A ÉTICA ESTÉTICA DA NEGRITUDE ILÊ"

Transcrição

1 1 O PRAZER DA MILITÂNCIA: A ÉTICA ESTÉTICA DA NEGRITUDE ILÊ Rita Maia1 RESUMO: Trata-se de uma análise das múltiplas interpretações em torno das produções culturais do Bloco Afro Ilê Aiyê, na modificação e valoração positiva da imagem dos negros na cidade do Salvador. Os desfiles de carnaval e os espetáculos promovidos pelo bloco emitem uma imagem de negro diversa da habitual, fornecem novos modelos e formas para identificação da população afro-descendente, bem como, influem nas estruturas de percepção da população local, interferindo e transformando, em vários graus, as hierarquias estéticas, culturais, políticas e econômicas na cidade do Salvador. Palavras-chave: Beleza; Negritude; Bloco; Carnaval; Estética. ABSTRACT: An analysis of about various interpretations and cultural productions of the Block Afro Ilê Aiyê, changing to a positively valuate the blacks people image in the city of Salvador. The spectacles and the carnival promoted for the block emit a diverse image of black of the habitual and supply new models and forms of identification to the afro-descendant population, as well as, influence our structures of perception, intervening and transforming, in some degrees, the aesthetic, cultural hierarchies, economic politics in the city of Salvador Key-words: Black beauty; Block afro; Aesthetic; Carnival. 1 Os Fundamentos de uma Beleza Negra Em 1974, surgiu na cidade de Salvador um bloco carnavalesco composto apenas por negros de pele marcadamente escura e que, posteriormente, por fazer em seus desfiles uma alusão direta à ascendência africana, aos valores negros locais e mundiais, acabou por ser denominado pelos veículos de mídia e pela população local como um bloco afro. 1 Doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas Faculdade de Comunicação da Universidade Federal da Bahia UFBA. Professora da Faculdade da Cidade do Salvador e da Universidade Católica do Salvador.

2 2 Deste modo nasce o Ilê Aiyê (cuja tradução do nome em iorubá para o português quer dizer casa de todos ), um território festivo, onde se privilegia, de modo radical e irrestrito, a ascendência negra, valorizada e reiterada mediante estratégias cosméticas. De referências retiradas da vivência e experiência local e comunitária da tradição afrobaiana, mescladas as marcas inaugurais do movimento global da contracultura e da negritude, o bloco sai às ruas em 1975, ostentando uma fantasia que consistia basicamente de um tecido transado no corpo em estilo afro, harmonizado com cabelos estilo Black Power. Seus componentes empunham cartazes com palavras de ordem dos movimentos negros no mundo, em prol da negritude, como se fossem alegorias carnavalescas. Tudo isso inaugurou um estilo peculiar, uma curiosa mistura de bloco carnavalesco, experimentalismo, performance artística e manifestação política. D. Maria Luíza i, foliã pioneira do bloco, complementa: A gente comprava o pano estampado e fazia a fantasia. Não era fantasia, costura, nem nada. Era amarração. Tinha tudo: palha, búzio, fitas. A gente usava peneiras, abanos, cabaças e a alegoria da gente era isso... (MARIA LUÍZA CORREA, 2003). Assim inicia-se o percurso do Bloco na criação de uma estética única, contrária aos cânones de beleza hegemônicos (tradicionalmente eurocêntricos), e aliado aos recursos plásticos se estabelecem princípios normativos, com valores, jeitos de ser e fazer expressivos, emocionais e convenientes aos integrantes da comunidade do bloco; configura-se aos poucos um estilo de vida característico da negritude Ilê. Tecido estampado utilizado na primeira fantasia do Bloco, em 1975 Fonte: Arquivo pessoal

3 3 Para a criação dos seus emblemas, os idealizadores do Bloco misturaram a história de reis e rainhas de várias nações africanas, heróis da negritude brasileira e mundial, revestindo-os de uma aura mítica, reunindo uma coleção de temas e tipos através de um panteão sincrético, que absorve imagens e referências de uma África histórico-mítica, de um panteão de personalidades das lutas políticas de libertação de países africanos e dos contemporâneos grupos e lutas dos negros norte-americanos pelos direitos civis. Reunindo um eclético conjunto de ídolos e modelos de negritude, que engloba desde Zumbi dos Palmares a Marcus Garvey, e no qual também figuram os diretores fundadores do bloco, a iconografia e cosmética daí resultantes oferecem não só identidade ao grupo específico de foliões e admiradores do Ilê Aiyê, mas, acaba por tornar-se, aos poucos, um elemento identitário forte da afro-baianidade. A roupa criada a partir da técnica de amarração de tecidos coloridos, um método absolutamente intuitivo desenvolvido por Dete Lima (fundadora do bloco e irmã do atual presidente), tornou- se uma marca forte da indumentária do bloco que é utilizada para shows e espetáculos. Amarração do turbante e roupa já com as inovações plásticas da estampa Fonte: Arquivo pessoal Foi em meados de 1978 que aconteceu a criação da padronagem, com as cores definitivas que representam o bloco. Elas possuem um significado simbólico assim traduzido pelos

4 4 componentes: branco=paz, vermelho=sangue do negro derramado na luta pela liberdade, amarelo=riqueza e beleza e o negro= a cor da pele. Foi o artista plástico Jota Cunha o responsável pelo estilo gráfico das imagens do bloco que decoram as fantasias, as publicações e o site na Internet. É ele o criador do perfil azeviche, uma imagem inspirada em uma máscara africana, que acabou se tornando a marca do bloco. Perfil Azeviche Fonte: Jota Cunha, Ilê Aiyê O estilo afro do Ilê Aiyê expressa várias tendências do trajar com matriz africana ou baiana. Estas se alternam ou se mesclam com usos do movimento hippie e outros inventivos adereços contemporâneos. Ele transita entre o afro-pop, hip-hop e até no tradicional traje romântico das baianas, que foi preservado pela tradição inerente aos rituais e às cerimônias do candomblé. Todos os tipos de adaptações são feitos pelos associados nas suas fantasias do bloco, no entanto, tanto no carnaval quanto no cotidiano, a sua estética se caracteriza pela permanência por um estilo mais ou menos rígido e tradicionalizante do ser/parecer negro, expresso, por exemplo, no uso de cabelos naturais (sem processo de alisamento), arrumado em complexos trançados ou então ao estilo Black Power, significando uma atitude de valoração positiva e preservação dos traços fenotípicos negros. Nos usos cosméticos do vestuário sempre aparecem palavras de ordem ou imagens de líderes negros. Trechos de músicas repetem sistematicamente o nome do bloco e do Curuzu ii, associando-os aos valores da negritude, da vida cotidiana e da história do negro, que, por sua vez, são sempre investidos de valoração positiva pela associação do negro com valores como: beleza, coragem, luta, orgulho, respeito, vitória, união, amor, liberdade e igualdade

5 5 Tecido do Ilê Aiyê que expressa os valores e a história do bloco. Fonte: Jota Cunha, tecido para fantasia do Bloco. As roupas do bloco traduzem seus princípios éticos; vesti-las é parte da incorporação de um estado extraordinário de conduta e expressão: [...] a nossa roupa é o nosso design, é uma outra situação. Nossas palhas dizem muita coisa, nossas contas, nossa maquiagem, nossa dança, nosso torso, nossos tecidos têm uma outra magia. A gente passa uma imagem pra o público de que essa é a personalidade e a auto-estima da mulher negra. (MENEZES, 2003). Essa estética, que não se encerra nos usos corporais, acaba funcionando como um discurso militante, como um método suave para a conscientização do valor da tradição e da cultura afro-descendente, da necessidade de luta e ações afirmativas para negros e não-negros. As canções do bloco para o carnaval contam a história das várias nações africanas e do negro no Brasil, complementando as informações sobre a cultura negra que o conteúdo da educação formal escolar até o momento não supre satisfatoriamente. Esse foi o diferencial que determinou o surgimento de estilo de um bloco que acabou por ser denominado de afro. Seu traço distintivo diante dos outros foi a atitude reativa à discriminação racial e à utilização de recursos plásticos e espetaculares como instrumento de um discurso em que advoga um projeto igualitário para os afro-descendentes. Recriando uma África imaginada e celebrando as raízes e a pureza da tradição, o Ilê Aiyê (e, mais tarde, os outros blocos afros) segue, criando narrativas que acabam exercendo o papel de mito fundador para esta nova realidade social e midiática. Nos seus recursos expressivos

6 6 foi criada a fonte imagética para a modelização de um mundo alternativo àquele hegemônico, instituído sobre bases segregacionistas. Do espetáculo do carnaval e de suas festas para o cotidiano, a imagem do bloco toma forma e se enriquece nas ações promovidas na passagem da sua razão social, de Associação Cultural para a de Entidade de Utilidade Pública. Assim, um capital simbólico gerado no âmbito da festa e do lazer se transforma em outro, mais reconhecido como o resultado válido de uma ação política efetiva. 2 Forma/Ativismo, Identidades e Identificações Os espetáculos e o trabalho assistencialista criados pelo bloco afro Ilê Aiyê constituíram para os afro-descendentes da Bahia a possibilidade da existência de um negro valorado, favorecendo a identificação com a herança negra para a população local e oferecendo aos olhos e à sensibilidade dos negros uma forma-de ser possível e desejável. Nisto a forma se aproxima do que os místicos denominam essencificação. A essência é plena daquilo que é, e daquilo que poderia ser. Para retomar uma observação de Ernst Benz [...] a essência não contém unicamente a forma, como também todas as potências e possibilidades de realização, de desdobramento e de evolução de uma coisa [...] (MAFFESOLI, 1998, p. 87). A forma que a imagem do negro produzida pelo bloco configurou, em seu caráter espetacular e bastante peculiar, exerce um profundo poder de atração. Sua força se explica justamente pelo fato de satisfazer as expectativas de vários segmentos sociais locais e externos. Essa imagem de negro toma uma forma que [...] acentua, caricaturiza, carrega no traço e, assim, faz sobressair o invisível, o subterrâneo, quase se poderia dizer, o subliminal... (MAFFESOLI, 1998, p. 89) e a ação formativa do bloco consiste justamente em dar reconhecimento a um conjunto de valores, estilos e modos que já existiam concretamente, mas que ainda não tinham alçado visibilidade e expressividade. O fato é que assumir a identidade negra a partir dos ideais veiculados pelo Ilê Aiyê corresponde a uma transformação profunda. É uma passagem entre dois mundos, de um campo de fenômenos a outro, habitando um campo em que a identidade é levada a assumir uma nova forma. Poder-se-ia dizer que é um (re)nascimento para uma nova vida, como bem demonstra este

7 7 depoimento da cantora do bloco, onde aparecem os sinais de uma trasformação individual assim expressa: Porque eu quando comecei no Ilê Aiyê, fazia parte de um coral no mosteiro de São Bento e cantava em barzinho. E não tinha uma consciência do que era ser negro do que era ter raça, uma identidade. Quando eu cheguei no Ilê Aiyê em oitenta e oito, eu vim ter essa nova vida. Eu fui gerada, eu fui recebendo os primeiros passos, fui aprendendo e tendo respeito, foram me valorizando. (GRAÇA OMAXILÊ, cantora do Bloco, 2002). Aprender a ser gente para muitos afro-descendentes baianos foi e é inevitavelmente, desligar-se de um universo imagético e valorativo hegemônico eurocêntrico, é aprender a ser negro, buscando, com isso, construir as suas próprias categorias de valor de grupo e indivíduo. O fato é que a escassez cotidiana de imagens com referências positivas para o corpo negro aponta a pertinência e o alcance da demanda latente pelas imagens que constituem o discurso plástico-imagético produzido pelo bloco. Hanz Belting (2005) aponta o fato de que as imagens (formas-mediuns) que são criadas e veiculadas são os elementos primários de todo aprendizado social. Para ele, o corpo, mídia primordial do ser-no-mundo, possui e veicula um vocabulário imagético repleto de códigos identitários, de sinais de solidariedade e distinção incorporados durante o processo de individuação. Quando se trata de imagem, observa-se um fenômeno que não estaria apenas atrelado a um suporte ou a uma coisa apreendida, captada pela capacidade visual. À idéia de imagem podem ser aplicadas as noções de instituição, convenção e consenso. As imagens estão na base de toda realidade social. A fabricação das imagens é em si um ato simbólico (BELTING, 2001), ela influencia e formata o nosso olhar. Os nossos modos de viver estão profundamente atrelados aos nossos modos de ver. Pierre Francastel (1982;1983) advoga pela autonomia das imagens em relação às palavras. Para ele, a atividade figurativa do homem resulta em imagens-formas que se tornam cânones, os esquemas por meio dos quais compreende-se e representa-se o mundo. Mesmo minimizando a importância de fatores culturais, as Teorias da Gestalt apontam para uma busca intrínseca de adequação entre aquilo que se vê e a expectativa do que se iria ou se experava ver. Em todo ato perceptivo existe uma expectativa (GOMES FILHO, 2000), sempre existe algo de disposição no estar-no-mundo que, inevitavelmente, será determinado pelo horizonte simbólico e imagético do indivíduo. É esta visão da atividade figurativa e formadora que aponta para o ato de plasmação do mundo negro produzido nos espetáculos do bloco. Nos desfiles do carnaval, nas suas festas

8 8 sanzonais, nos shows da banda e, mais notadamente, na Noite da Beleza Negra iii do Ilê Aiyê, são abertas as possibilidades de instituição de novas formas positivas do ser negro. Os territórios de negritude constituídos pelo bloco estimulam um processo contínuo de experiência valorativa e validação dos atributos negros. Neles, a partilha e o reconhecimento público tornam esses atributos reconhecíveis e assimiláveis. As formas habitam todas as instâncias da vida: são os habitus iv descritos por Pierre Bourdieu, as tipificações reconhecidas por Alfred Schultz, as schematas de Gombrich v e uma infinidade possível de outros termos utilizados para denominar e explicar os moldes (ou modelos) pelos dos quais se compreende, se interpreta e se expressa o mundo. A forma consiste na descoberta de um esquema de pensamento imaginário, a partir do qual os artistas organizam diferentes matérias (FRANCASTEL, 1982, p. 10). E a partir do qual se plasma a vida em sociedade, pode-se acrescentar. Nesse sentido, a atuação do Ilê Aiyê seria a de constituição de formas positivas que concorreram para atenuar a força de formas negativas com as quais eram constituídas e compreendidas as imagens e os atributos negros. Da festa para o cotidiano, foram migrando formas simbólicas que transformaram os esquemas de tipificação e autotipificação para os afrodescendentes na Bahia. Em conseqüência, pode-se dizer que essas mudanças vêm acarretando um contínuo reposicionamento dos afro-descendentes nos esquemas classificatórios e hierárquicos vigentes na cidade. Ao favorecer modelos positivos de auto-expressão para essa população, o bloco modificou um esquema de valoração simbólico, no qual qualquer traço corporal da ascendência negra seria assimilado como um estigma, um motivo de vergonha e um objeto de ocultação. Essa perspectiva se torna forte e evidente ao partir-se do pressuposto de que o homem é, ao mesmo tempo, produtor de imagens e imagem de si próprio. Antes do Ilê Aiyê, o corpo negro e, em conseqüência, a identidade negra não encontravam modelos locais ou externos que lhe conferissem possibilidade de uma existência positiva. Pode-se-ia até encontrá-los em veículos midiáticos, mas de modo desrealizado, sem um espaço-território onde esses atributos pudessem ser partilhados, vividos e experimentados. Além do mais, o processo formativo na criação-interpretação de imagens sempre é submetido às limitações impostas pelo universo de significados que são partilhados por meio de um conjunto de imagens preexistentes. Sempre há uma espécie de inércia ou resistência a um conjunto de imagens-interpretações originais. Há sempre a necessidade de uma adaptação para que as novas formas sejam assimiladas.

9 9 O fato é que se trarça-se meticulosamente uma história de regulação da imagem do negro, ver-se-á que ela obedece a padrões sociais bastante rigorosos. No Brasil do séc. XIX, o uso de insígnias de poder, como chapéu alto, bengala, luva, sobrecasaca por negros, era alvo de ruidosa sanção social (FREYRE, 2000, p.430). No Brasil da década de 70, quando um novo estilo de bloco é inaugurado com a saída do Ilê Aiyê às ruas, a vaia e rejeição pública também foram o resultado da recepção às novas formas. O fato é que, criando novos modelos, o Ilê Aiyê foi o detonador de um movimento local para a reafricanização e valoração do cotidiano, da cultura e da aparência negra na cidade. No entanto, foram necessárias três décadas de existência para que as conseqüências positivas das suas imagens se consolidassem de modo irreversível, transformando o bloco em um dos grandes referenciais identitários, não só para negros, como para toda a sociedade baiana. O discurso de beleza negra produzido pelo bloco parece ser o grande vetor do seu sucesso e da assimilação de suas imagens. Todo mundo quer ser belo. Além disso, tomando como pressuposto o fato de que se percebe o mundo mediante uma economia de esforço cognitivo, o discurso de beleza tem o poder de associar aos negros e aos blocos afros um conjunto infinito de outros atributos positivos. Não se pode negar que os símbolos, enquanto formas, são imagens arquetípicas dos modelos de organização de mundo. Sua eficiência comunicativa se dá pela sua adequação ao contexto, pela sua conveniência a uma situação. As imagens emitidas e aceitas publicamente sempre serão aquelas que estão carregadas de sentido e pertinência em relação ao seu contexto e aos interesses, tanto dos grupos que as emitem, quanto daqueles que as absorvem ou consomem. O fato é que as imagens de beleza produzidas pelo bloco agregam valor àqueles que as detêm, àqueles que delas se aproximam e àqueles que para elas contribuem. Pela circularidade e conveniência que os discursos estéticos acabam por adquirir, principalmente por e para aqueles que possuem o poder de veicular e controlar as imagens na sociedade, as imagens produzidas pelo bloco tornaram-se um traço distintivo para garantir a ocupação de espaços e territórios nos novos cenários da configuração de poder em seus diversos níveis e tipos.

10 10 Governador, Prefeito e Presidente do Bloco Afro Ilê Aiyê na saída do sábado de carnaval, no bairro do Curuzu, em Fonte: Arquivo Pessoal Desse modo, pode-se dizer que os múltiplos desdobramentos advindos dessas trocas simbólicas para a população negra ainda não podem ser seguramente previstos ou avaliados em toda sua extensão, mas decerto possuem um caráter absolutamente transformador das bem conhecidas condições preexistentes de percepção/construção da imagem de negro no cotidiano local e global. 3 Alinhavando uma Bela Forma: Acabamentos e Aberturas Pela atuação do Ilê Aiyê, é facil verificar como as imagens são elementos constituintes e constituídos pela realidade. Mais do que meros objetos, elas são um componente autônomo da vida social. O Ilê Aiyê desenvolveu, manipulou e transformou um universo de imagens em discursos eloqüentes, que difundiram, por uma idéia-estilo de beleza negra, a possibilidade de valoração positiva para afro-descendentes, transformando objetivamente a identidade negra local. Suas estratégias artísticas e espetaculares, de modo consciente ou não, tornaram-se eficientes instrumentos para a redefinição das estruturas cognitivas vigentes em torno da aparência negra na cidade.

11 11 Vale salientar que os espetáculos do bloco tornaram-se rituais que são referências e atendem aos interesses de diversos grupos locais negros e não-negros. Isto porque, além de produzir um manancial de imagens-modelos para afro-descendentes, também são tomados como fonte de imagens atraentes da população local, receptores externos e internos, utilizadas pela indústria do lazer e a cultura afro-axé, estabelecida na Bahia e que, em grande escala, determina o estilo dos produtos e souvenirs regionais pitorescos. Por outro lado, essas imagens e espetáculos também abriram possibilidades para uma melhor inserção sócio-econômica para os negros e, ainda que de modo tênue, quebraram a hegemonia, no senso comum, da idéia de negro como um indivíduo aprioristicamente inferior. Disto, observa-se que do surgimento do bloco, a criação das suas imagens, a rejeição inicial até a sua atual aceitação pública, houve um processo que correspondeu às expectativas expressivas de quase toda a população local entre negros e não-negros. Sem dúvida, as novas formas criadas pelo Ilê Aiyê acentuaram a imagem do negro enquanto um sujeito ativo nas relações e nas hierarquias cotidianas na cidade. Elas deram e ainda dão visibilidade à beleza do mundo negro, antes diluído em interpretações e imagens de pobreza, mau gosto e ignorância. Mesmo ainda sujeitos a condições sócio-econômicas que os colocam em desvantagem em relação aos outros, não-negros, os indivíduos de pele escura, hoje, possuem algum referencial imagético positivo para o seu corpo e sua existência, uma referência de si em uma imagem que não se coaduna com a posição de inferioridade e cujos atributos são objeto de orgulho, não só para várias camadas da população afro-baiana, mas para o arsenal de referências positivas e marcos de resistência da herança africana na diáspora. Na Bahia, como no mundo inteiro, os discursos e as imagens de negritude vêm exercendo um papel fundamental, indicando, inspirando e constituindo uma nova forma de articulação de grupos negros na diáspora, em busca de um melhor posicionamento social. Por tudo que se viu, pela sua originalidade criativa e pelo alcance das imagens por ele produzida, o Ilê Aiyê, além de ser a expressão local desse movimento de caráter mundial, constituiu um modelo de discurso e atuação política de forte apelo agregador, gerando identificações com o clamor à justiça social e à reparação condizentes ao movimento de ação afirmativa e ao apelo estético que gera o desejo de assimilação, identificação e incorporação das imagens de sua (nossa) Beleza Negra.

12 12 Referências BELTING, Hans. Pour une anthropologie des images. Paris: Gallimard, FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. São Paulo: Perspectiva, FRANCASTEL, Pierre. Imagem, visão e imaginação. Lisboa: Edições 70, FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos.12 ed. Rio de Janeiro: Record, GOMES FILHO, João. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. São Paulo: Escrituras, MAFFESOLI, Michel. Elogio da razão sensível. Petrópolis: Vozes, 1998 OSTROWER, Fayga. Universos da arte. 9. ed. Rio de Janeiro: Campus, THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna. 2. ed., Petrópolis, RJ: Vozes, Notas i Este e outros depoimentos fazem parte de um conjunto de entrevistas desenvolvidas para tese da autora durante os anos de 2002 e ii Bairro onde fica a sede do bloco. iii Noite da Beleza Negra do Ilê Aiyê, uma festa onde ocorre a escolha da Deusa do Ébano, Rainha do Bloco para o carnaval, onde todos os atributos da estética negra são experimentados, comemorados e valorizados. iv O habitus tende a reproduzir o sistema social do qual é produto e tem a característica de fazer essa reprodução passar despercebida. O habitus está na origem dos preconceitos, é por meio dele que se operam as classificações sociais. Enfim, para Bourdieu (1977), o habitus é um conjunto de esquemas geradores de classificações e práticas suscetíveis de ser classificadas que funcionam na prática sem ter acesso à representação explícita e são o produto, na forma de disposições, de uma posição diferencial no espaço social. v E. H. Gombrich, em seu trabalho intitulado Arte e ilusão (1995), desenvolve uma curiosa observação de como os conceitos adquiridos fornecem um esquema psicológico (schemata) que influenciam as formas de expressão e compreensão do mundo. Ele observa que, no processo da criação artística, a estilização da natureza sempre corresponde a um processo interpretativo. Mesmo nas obras mais realistas é sempre evocado um sem-número de recursos de interpretação pessoal que produziriam a estilização. Toda percepção seria, então, restritiva, seletiva e desenvolveria um trabalho de enquadramento e classificação do objeto representado dentro de um universo de informações e habilidades dadas anteriormente.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO.

V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014. Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. V Seminário de Metodologia de Ensino de Educação Física da FEUSP- 2014 Relato de Experiência INSERINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL NO CONTEXTO COPA DO MUNDO. RESUMO Adriana Vieira de Lima Colégio Marista Arquidiocesano

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira MATEMÁTICA E MÚSICA ESTRUTURA MUSICAL EM ESCALA MATEMÁTICA Área de Concentração: Matemática, Ciências Naturais e Teoria Musical Disciplina de Concentração: Matemática

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação.

Palavras-chave: Implantação da Lei 10.639/03, Racismo, Educação. A PRESENÇA DO NEGRO NA ESCOLA ESTRATÉGIAS DE LUTA CONTRA O RACISMO ATRAVÉS DA APLICAÇÃO DA LEI 10.639/03 NAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE CRATO-CE Dayze Carla Vidal da Silva (Universidade Regional do Cariri)

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 05 Aquisição da Informação Dalton Lopes Martins dmartins@gmail.com 2sem/2014 Aquisição da Informação PROCESSO 2 - A aquisição da informação envolve as seguintes

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso.

Trabalho submetido ao XVIII Prêmio Expocom 2011, na Categoria Cartaz Avulso, modalidade cartaz avulso. RESUMO Email Marketing: Pós-Graduação em Arquitetura Contemporânea 1 Silvia Fernanda Santos de SENA 2 Thiago Jerohan Albuquerque da Cruz 3 Fernando Israel FONTANELLA 4 Universidade Católica de Pernambuco,

Leia mais

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS

RAÇA BRASIL TEMAS & CÓDIGOS GRUPOS TEMÁTICOS Personalidade Personalidade Carreira 521 Personalidade Personalidade Perfil 412 Estética Cabelos Femininos 157 Negritude Discriminação Racial 130 Sociedade Eventos 122 Estética Moda Feminina & Masculina

Leia mais

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO

PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE FLORESTA ISEF PROJETO BRINQUEDOTECA: BRINCANDO E APRENDENDO FLORESTA PE 2013 SUMÁRIO I. JUSTIFICATIVA II. OBJETIVO A. GERAIS B. ESPECIFICOS III. DESENVOLVIMENTO IV. CRONOGRAMA

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL

A IMPRENSA E A QUESTÃO INDÍGENA NO BRASIL FACULDADE SETE DE SETEMBRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL COM HABILITAÇÃO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA ALUNA: NATÁLIA DE ARAGÃO PINTO ORIENTADOR: PROF. DR. TIAGO SEIXAS THEMUDO A IMPRENSA

Leia mais

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo

Hiperconexão. Micro-Revoluções. Não-dualismo ESTUDO SONHO BRASILEIRO APRESENTA 3 DRIVERS DE COMO JOVENS ESTÃO PENSANDO E AGINDO DE FORMA DIFERENTE E EMERGENTE: A HIPERCONEXÃO, O NÃO-DUALISMO E AS MICRO-REVOLUÇÕES. -- Hiperconexão 85% dos jovens brasileiros

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Bacharelado em Humanidades

Bacharelado em Humanidades UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Bacharelado em Humanidades 1. Perfil do Egresso Em consonância

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio

Currículo Referência em Teatro Ensino Médio Currículo Referência em Teatro Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas Investigar, analisar e contextualizar a história do Teatro compreendendo criticamente valores, significados

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

O DESENHO DO PAR EDUCATIVO: UM RECURSO PARA O ESTUDO DOS VINCULOS NA APRENDIZAGEM 1

O DESENHO DO PAR EDUCATIVO: UM RECURSO PARA O ESTUDO DOS VINCULOS NA APRENDIZAGEM 1 O DESENHO DO PAR EDUCATIVO: UM RECURSO PARA O ESTUDO DOS VINCULOS NA APRENDIZAGEM 1 Ana Maria Rodrigues Muñiz 2 Quando o educador começa a abandonar concepções funcionalistasassociacionistas sobre a aprendizagem

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

Dia Nacional da Consciência Negra

Dia Nacional da Consciência Negra Dia Nacional da Consciência Negra Sobre a EBC Criada em 007 para instituir o Sistema Público de Comunicação, a Empresa Brasil de Comunicação é formada pela TV Brasil, TV Brasil Internacional, Agência Brasil,

Leia mais

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo

http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo http://www.youtube.com/watch?v=h54vsr wwueo Site:http://www.ccnma.org.br Coordenador: Carlos Sérgio Ferreira (coordenação cultura e identidade Afro brasileira) O Centro de Cultura Negra do Maranhão é uma

Leia mais

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica

BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica BRINCAR É UM DIREITO!!!! Juliana Moraes Almeida Terapeuta Ocupacional Especialista em Reabilitação neurológica PORQUE AS CRIANÇAS ESTÃO PERDENDO TODOS OS REFERENCIAIS DE ANTIGAMENTE EM RELAÇÃO ÀS BRINCADEIRAS?

Leia mais

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas

A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas A ideia inicial é tornar o conteúdo mais dinâmico, menos descritivo e valorizar mais as pesquisas, as atividades lúdicas, artísticas, investigativas e as representações subjetivas sobre os conceitos estudados.

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

A criança e as mídias

A criança e as mídias 34 A criança e as mídias - João, vá dormir, já está ficando tarde!!! - Pera aí, mãe, só mais um pouquinho! - Tá na hora de criança dormir! - Mas o desenho já tá acabando... só mais um pouquinho... - Tá

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES

Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES Princípios, valores e iniciativas de mobilização comunitária. Território do Bem - Vitória/ES O Ateliê de Idéias é uma organização social, sem fins lucrativos, fundada em 2003, que tem como missão desenvolver

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade

ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL. Um novo setor/ator da sociedade ORGANIZAÇÕES DA SOCIDEDADE CIVIL NO BRASIL Um novo setor/ator da sociedade Emergência da Sociedade Civil Organizada I fase Séculos XVIII e XIX Entidades Assistenciais tradicionais Confessionais Mandato

Leia mais

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress.

Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. 1 TUTORIAL PARA DEIXAR POSTAGENS E PÁGINAS BEM POSICIONADAS Abaixo você conhecerá algumas técnicas de SEO utilizadas para obter grande sucesso com as postagens no WordPress. Conhecimento básico de Html

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA

A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA A EDUCAÇÃO QUILOMBOLA Moura (2001) nos traz um desafio preocupante, não só a partir do debate sobre a melhoria estrutural das escolas em comunidades quilombola, da qualificação continuada dos professores,

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM

COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM COMPETÊNCIAS E SABERES EM ENFERMAGEM Faz aquilo em que acreditas e acredita naquilo que fazes. Tudo o resto é perda de energia e de tempo. Nisargadatta Atualmente um dos desafios mais importantes que se

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

PROJETO INTELECTUAL INTERDISCIPLINAR HISTÓRIA E GEOGRAFIA 7º ANO A ESCRAVIDÃO EM UBERABA: PASSADO E PRESENTE

PROJETO INTELECTUAL INTERDISCIPLINAR HISTÓRIA E GEOGRAFIA 7º ANO A ESCRAVIDÃO EM UBERABA: PASSADO E PRESENTE PROJETO INTELECTUAL INTERDISCIPLINAR HISTÓRIA E GEOGRAFIA 7º ANO A ESCRAVIDÃO EM UBERABA: PASSADO E PRESENTE Professores Responsáveis: Marcus Oliveira e Franceline Miranda Quantidade de vagas: 15 a 25

Leia mais

Dia_Logos. café teatral

Dia_Logos. café teatral café Café Teatral Para esta seção do Caderno de Registro Macu, a coordenadora do Café Teatral, Marcia Azevedo fala sobre as motivações filosóficas que marcam esses encontros. Partindo da etimologia da

Leia mais

A Sociologia de Weber

A Sociologia de Weber Material de apoio para Monitoria 1. (UFU 2011) A questão do método nas ciências humanas (também denominadas ciências históricas, ciências sociais, ciências do espírito, ciências da cultura) foi objeto

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

Título do Case: Diversidades que renovam, transformando novas realidades

Título do Case: Diversidades que renovam, transformando novas realidades Título do Case: Diversidades que renovam, transformando novas realidades Categoria: Práticas Internas. Temática: Pessoas. Resumo: A motivação dos funcionários é importante para incentivar o trabalho e

Leia mais

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS

Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Roteiro de Aplicação da Economia Criativa e Inovação como critérios na FETEPS Com objetivo de auxiliar na elaboração dos trabalhos, apresentamos critérios relacionados a Economia Criativa e Inovação, conceitos

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

Selecionando e Desenvolvendo Líderes

Selecionando e Desenvolvendo Líderes DISCIPULADO PARTE III Pr. Mano Selecionando e Desenvolvendo Líderes A seleção de líderes é essencial. Uma boa seleção de pessoas para a organização da célula matriz facilitará em 60% o processo de implantação

Leia mais

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas

O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas O curso da Vida e a Pré-Aposentadoria: perspectivas antropológicas FUNDACENTRO/SP Novembro 2013 Prof. Dr. Silas Guerriero Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião - PUC-SP silasg@pucsp.br O Ser

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

InfoReggae - Edição 17 Grupos: Makala Música & Dança 01 de novembro de 2013. Coordenador Executivo José Júnior

InfoReggae - Edição 17 Grupos: Makala Música & Dança 01 de novembro de 2013. Coordenador Executivo José Júnior O Grupo Cultural AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta potencialidades artísticas que elevam a autoestima de jovens das camadas populares.

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário

Organizando Voluntariado na Escola. Aula 1 Ser Voluntário Organizando Voluntariado na Escola Aula 1 Ser Voluntário Objetivos 1 Entender o que é ser voluntário. 2 Conhecer os benefícios de ajudar. 3 Perceber as oportunidades proporcionadas pelo voluntariado. 4

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR

BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR BEM-VINDO AO ESPAÇO DO PROFESSOR APRESENTAÇÃO Nosso objetivo é inaugurar um espaço virtual para o encontro, o diálogo e a troca de experiências. Em seis encontros, vamos discutir sobre arte, o ensino da

Leia mais

1 A sociedade dos indivíduos

1 A sociedade dos indivíduos Unidade 1 A sociedade dos indivíduos Nós, seres humanos, nascemos e vivemos em sociedade porque necessitamos uns dos outros. Thinkstock/Getty Images Akg-images/Latin Stock Akg-images/Latin Stock Album/akg

Leia mais

www.mapasmentais.com.br Aplicando as pressuposições da PNL com mapas mentais

www.mapasmentais.com.br Aplicando as pressuposições da PNL com mapas mentais www.mapasmentais.com.br Aplicando as pressuposições da PNL com mapas mentais Por Virgílio Vasconcelos Vilela Master Practitioner/Trainer em PNL As pressuposições são as verdades ou princípios dos quais

Leia mais

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5

Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Processos Técnicos - Aulas 4 e 5 Trabalho / PEM Tema: Frameworks Públicos Grupo: equipe do TCC Entrega: versão digital, 1ª semana de Abril (de 31/03 a 04/04), no e-mail do professor (rodrigues.yuri@yahoo.com.br)

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A evolução da espécie humana até aos dias de hoje

A evolução da espécie humana até aos dias de hoje 25-11-2010 A evolução da espécie humana até aos dias de hoje Trabalho elaborado por: Patrícia da Conceição O aparecimento da espécie humana não aconteceu de um momento para o outro. Desde as mais antigas

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DCN DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS 01. Diretrizes Curriculares Nacionais são o conjunto de definições doutrinárias sobre princípios, fundamentos e procedimentos na Educação Básica, expressas pela Câmara

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações

O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações O papel educativo do gestor de comunicação no ambiente das organizações Mariane Frascareli Lelis Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho UNESP, Bauru/SP e-mail: mariane_lelis@yahoo.com.br;

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta

Design Web - Percepção. Elisa Maria Pivetta Design Web - Percepção Elisa Maria Pivetta GESTALT Percepção Visual Elisa Maria Pivetta Percepção visual No sentido da psicologia e das ciências cognitivas é uma de várias formas de percepção associadas

Leia mais

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social

Espaço t Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária. Instituição Particular de Solidariedade Social Associação para o Apoio à Integração Social e Comunitária Instituição Particular de Solidariedade Social Missão O Espaço t Associação para Apoio à Integração Social e Comunitária, criada em 1994, é uma

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

Questões - Festas populares do mês de junho

Questões - Festas populares do mês de junho Questões - Festas populares do mês de junho 1. Descreva os elementos característicos da Festa Junina presentes nas imagens. Abertura de São João 2011, no Pelourinho http://commons.wikimedia.org/wiki/file:s%c3%a3o_jo%c3%a3o_no_pel%c3%b4_2.jpg

Leia mais

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO

REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO REFLEXÕES PEDAGÓGICAS SOBRE A DANÇA NO ENSINO MÉDIO Izabele Trindade Caldas (CALDAS I. T.) e Elaine Melo de Brito Costa (COSTA E. M. DE B.). Departamento de Educação Física Universidade Estadual da Paraíba

Leia mais

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU

EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU 1 EDUCAÇÃO E PROGRESSO: A EVOLUÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO DA ESCOLA ESTADUAL ELOY PEREIRA NAS COMEMORAÇÕES DO SEU JUBILEU Resumo Rodrigo Rafael Pinheiro da Fonseca Universidade Estadual de Montes Claros digasmg@gmail.com

Leia mais

Situação Financeira Saúde Física

Situação Financeira Saúde Física Um dia um amigo me fez uma séria de perguntas, que me fez refletir muito, e a partir daquele dia minha vida vem melhorando a cada dia, mês e ano. Acreditando que todos temos um poder interno de vitória,

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #14 - outubro 2014 - e r r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. não Eu Não r que o f existe coleção Conversas #14 - outubro 2014 - a z fu e r tu r uma fa o para c ul m d im ad? e. Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Paradigmas de Organização Escolar: pressupostos teóricos e práticos. Administração/gestão escolar: teorias e tendências atuais no Brasil. A escola concebida e organizada a partir das Diretrizes

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia

Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber. Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia Unidade 3: A Teoria da Ação Social de Max Weber Professor Igor Assaf Mendes Sociologia Geral - Psicologia A Teoria de Ação Social de Max Weber 1 Ação Social 2 Forma de dominação Legítimas 3 Desencantamento

Leia mais

?- Período em que participavam das aulas.

?- Período em que participavam das aulas. Iniciativa Apoio como foi a campanha HISTÓRIAS EX ALUNOS 1997 2013 as perguntas eram relacionadas ao:?- Período em que participavam das aulas. - Impacto que o esporte teve na vida deles. - Que têm feito

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL

ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL ENXERGUE O DEFICIENTE VISUAL Rafael SOARES Emílio MANSUETO Filipe BAXTER Rafael STANGHERLIN Paulo FALABELLA (professor orientador) Centro Universitário de Belo Horizonte Uni-BH, Belo Horizonte, MG Resumo:

Leia mais

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins

Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins Colégio Dom Bosco Ensino Médio Integral e Curso LTDA CNPJ 14.055.114/0001-43 Quadra ACSU SE 20, Avenida NS B. Conjunto 2, Lote 5 - Estado do Tocantins EDITAL N.º 01/2015 PROCESSO SELETIVO PARA COLÉGIO

Leia mais

A FUNÇÃO DO DOGMA NA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA (1963) THOMAS KUHN (1922-1996)

A FUNÇÃO DO DOGMA NA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA (1963) THOMAS KUHN (1922-1996) A FUNÇÃO DO DOGMA NA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA (1963) THOMAS KUHN (1922-1996) Embora a atividade científica possa ter um espírito aberto (...) o cientista individual muito frequentemente não o tem. Quer

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais