COMPRE HOJE, COMECE A PAGAR AMANHÃ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPRE HOJE, COMECE A PAGAR AMANHÃ"

Transcrição

1 HOTSPOT COMPRE HOJE, COMECE A PAGAR AMANHÃ Com ou sem crise económica, empresas e consumidores recorrem a ferramentas financeiras para renovar o parque informático TEXTO SUSANA ESTEVES FOTOS ARQUIVO PCGUIA A PCGuia foi às compras. Precisávamos de renovar o nosso parque informático e fomos à procura de um PC, de um monitor, uma impressora e demais periféricos. Como a crise toca a todos, fomos poupadinhos e não ultrapassámos os 2500 euros, dinheiro que não tínhamos para pagar na hora. O que fizemos? O que muitos portugueses, empresários ou não, fazem actualmente: procurámos recorrer a ajudas financeiras. Investigámos um pouco e rapidamente percebemos que há vida para além dos créditos bancários, nomeadamente para as empresas. Vamos por partes. Um empréstimo de 2500 euros foi o cenário fictício apresentado pela nossa revista a várias instituições bancárias e algumas das mais conhecidas financeiras que exploram o mercado nacional. O objectivo era ter como resposta a oferta mais vantajosa para o cliente, mas a este desafio só tiveram coragem de responder as entidades abaixo citadas, apesar de muitas outras terem sido contactadas. Recorrer a crédito para compra de material informático não é um pedido estranho ou sequer raro, e como tal, algumas delas possuem programas desenhados à medida desta necessidade. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS A CGD disponibiliza os seguintes produtos com o intuito de financiar a aquisição de material informático: 1. Crediformação Caixa (especialmente dirigido a estudantes universitários) Este produto permite a aquisição de computadores, material informático ou outro material ou equipamento, por estudantes candidatos a licenciaturas, mestrados e doutoramentos, ou a outros cursos. Esta oferta contempla montantes a partir de mil euros até 30 mil euros (formação em Portugal) ou 50 mil euros (formação no estrangeiro). Se se tratar de um estudante abrangido pelo Acordo de Bolonha, pode beneficiar ainda de redução/isenção nas comissões da seguinte forma: Comissão de estudo: redução de 50% e isenção para clientes ao abrigo de protocolos com institutos de Ensino Superior** Comissão de contratação: redução de 50% Taxas de juro: Fixa: 7,5% (com fiança) ou 9% (sem garantias) (Redução até 1% para instituições de Ensino Superior com protocolo com a CGD) Indexada à Euribor 1 Mês (*) + spread de 0,75% a 2,50% dependendo da garantia apresentada (redução até 0,25% para instituições de Ensino Superior com protocolo com a CGD) Nota: Em função da média obtida no ano lectivo anterior, poderão ser atribuídas condições especiais (*) TAEG de 5,226% calculada com base na Euribor 1 Mês (a) + 0,75%, em 20/01/2009, para um empréstimo de 2500 euros, pelo prazo de 132 meses, sem seguro de vida, sem comissão de estudo e com garantia real. Inclui 50% da comissão de contratação e imposto do selo sobre a utilização do crédito. (a) Taxa correspondente à média aritmética simples das taxas Euribor a 1 M, apurada com referência ao mês imediatamente anterior ao do início de cada período de contagem de juros, arredondada para a milésima de ponto percentual mais próxima, na base 360, acrescida de spread. Prazos PRAZO TOTAL 1) Período de utilização 2) Período de diferimento 3) Período de reembolso Cursos no âmbito do Acordo de Bolonha 1º Ciclo LICENCIATURA (3 anos) até 144 meses (12 até 48 meses 36 meses º Ciclo MESTRADO (2 anos) até 132 meses (11 até 36 meses 24 meses + 12 na taxa de juro (só aplicável no âmbito do Acordo de Bolonha), podendo mesmo a taxa de juro a atribuir passar a ser de Euribor a 1 M (*) reduzida de 1,00 p.p. (se a média do ano anterior for >= 18 valores). 3º Ciclo DOUTORAMENTO (3 anos) até 144 meses (12 até 48 meses 36 meses + 12 Período de diferimento: até 12 meses (após o fim do período 1º e 2º Ciclos LICENCIATURA+ MESTRADO até 168 meses (14 anos), incluindo: até 72 meses sendo no máximo, igual à duração dos 2 cursos + 12 até 12 meses (após o fim do período de utilização); OUTROS CURSOS até 168 meses (14 anos), incluindo: até 72 meses sendo no máximo, igual à duração do curso + 12 até 84 meses. até 84 meses. até 84 meses. até 84 meses. de 1 até 84 meses. PCGUIA 125

2 NOTÍCIAS HOTSPOT 2. Crédito Pessoal ao Consumo Produto destinado aos restantes clientes que pretendam adquirir material informático. O montante mínimo fixa-se nos mil euros e os prazos podem ir até 60 meses (com fiança ou sem garantia), ou até aos 132 meses (com hipoteca de imóvel ou penhor de aplicações financeiras). A taxa de juro pode ser fixa (6,45% a 13,95%) ou indexada à Euribor 1 Mês (*): Euribor + spread de 0,75% a 9%, dependendo das garantias apresentadas. (*) TAEG de 7,704%, calculada com base num spread de 0,75%, em 20/01/2009, para uma operação de 2500 euros, pelo prazo de 60 meses, sem seguros de vida e protecção ao crédito, com garantia real. Inclui comissão de estudo, de contratação e imposto de selo sobre a utilização do crédito. Questionada sobre as vantagens face a outras instituições, a CGD elegeu a flexibilidade nas taxas de juro e nos prazos, a rapidez na resposta e o facto de premiar o mérito académico como algumas das mais-valias das suas ofertas. (*) TAEG de 7,704%, calculada com base num spread de 0,75%, em 20/01/2009, para uma operação de 2500 euros, pelo prazo de 60 meses, sem seguros de vida e protecção ao crédito, com garantia real. Inclui comissão de estudo, de contratação e imposto de selo sobre a utilização do crédito. (a) Taxa correspondente à média aritmética simples das taxas Euribor a 1M, apurada com referência ao mês imediatamente anterior ao do início de cada período de contagem de juros, arredondada para a milésima de ponto percentual mais próxima, na base 360, acrescida de spread. MILLENNIUM BCP Face ao cenário proposto, o Millennium BCP apresentou uma prestação de 54,65 euros por 60 meses para um empréstimo realizado por um cliente frequente (produto actualmente em campanha), com 35 anos e bom grau de risco (TN=7,25%; TAEG= 11,832%). O imposto de selo pela utilização do crédito, a comissão de dossier e o seguro de vida estão incluídos no financiamento. Neste caso, o BCP garante que as prestações se mantêm inalteráveis durante todo o prazo do contrato, e que existe uma resposta imediata para clientes com perfil de risco adequado ao produto e que disponibilizem a informação solicitada e suficiente. A informação que nos foi dada enfatiza ainda o facto de não existirem comissões mensais de processamento (uma única comissão de dossier), o prazo é alargado e não existem penalizações por liquidação antecipada a partir de ¼ do prazo. CETELEM No site da Cetelem (www.cetelem.pt) existe uma ferramenta de simulação que permite a qualquer consumidor analisar qual a mensalidade e condições a que estaria sujeito num pedido de crédito. Colocámos os 2500 euros como valor para o crédito, indicámos que o empréstimo era para compra de material informático (no caso da Cetelem existe uma categoria designada Informática, Electrodomésticos) e apontámos um período máximo de 24 meses. O resultado foi uma mensalidade de 128,62 euros, com TAEG de 24,90%. O pedido de crédito pode ser feito online e o dinheiro é disponibilizado 48 horas após aprovação. Apesar de responder directamente aos pedidos do consumidor final, a Cetelem tem uma presença mais forte junto dos pontos de venda. Por via destas parceiras comerciais o consumidor pode fazer a compra e o crédito no mesmo local. Segundo indicou a Cetelem, esta estrutura mais indirecta é sustentada por uma política de formação que o Cetelem garante aos seus parceiros, por forma a garantir que o cliente tem o melhor aconselhamento possível no que aos produtos financeiros diz respeito, e demais informações e sugestões adaptadas às suas necessidades específicas. Neste mercado em particular, o banco Cetelem aconselha os seus diversos parceiros a apresentarem modalidades de crédito não superiores a 36 meses para que o prazo do contrato de crédito não ultrapasse a garantia nem a vida útil do artigo. Para o sector da distribuição do banco Cetelem, este mercado tem um peso de 15%, para o qual contribuem não só as lojas especialistas, como também grandes superfícies que comercializam electrodomésticos, electrónica e informática. Nesta percentagem incluem-se materiais informáticos (portáteis e PC), consumíveis e periféricos. COFIDIS À semelhança dos rivais de mercado, a Cofidis também permite o envio de um pedido de crédito a partir da Internet, e permite a simulação das prestações mensais. A diferença está nos valores. No site desta financeira só nos é permitido fazer uma simulação de 2 mil ou de 3 mil euros. Optando por esta última quantia, a mensalidade fixa-se nos 161 AS PROPOSTAS: PRAZO: 12 MESES 36 MESES 60 MESES Taxa Nominal 14,5 14,5 14,5 Prestação 227,61 88,05 60,97 TAEG 17,99 17,37 17,37 Seguro de Vida Incluído euros (24 meses), com uma TAEG de 28,45%. Esta financeira não tem qualquer produto especificamente direccionado para créditos relativos à compra de material informático. Todos os créditos são pessoais e não questiona o porquê, característica que a Cofidis apontou à PCGuia como a principal vantagem da sua oferta. CREDIBOM Para dar resposta ao nosso pedido de crédito, a Credibom apresentou como oferta mais vantajosa a solução Flexibom Informática e Multimédia, que para esta simulação em particular oferece prazos diversos que vão até aos 60 meses. João Rodrigues, da direcção de Marketing da Credibom, fez questão de sublinhar que, para além 126 PCGUIA

3 deste produto, a financeira disponibiliza vários produtos que permitem a mesma finalidade, (vários produtos de Crédito Pessoal) e que, por isso também são utilizados para este fim, entre outros, sendo que esses têm condições diferentes das mencionadas. Independentemente do produto escolhido, este executivo garante que a oferta prima pela simplificação de processos, de forma a melhorar a experiência do cliente. «Temos actualmente instituído um processo com análise rigorosa, mas simples e eficiente, e que é iniciado telefonicamente ou via Internet e concluído com a transferência do montante solicitado para a conta do cliente no máximo de 48 horas após a recepção da documentação», disse. UM OUTRO TIPO DE AJUDA Se o cenário é de crise para a maioria, é também de oportunidade de negócio para outros. O renting de material informático é uma alternativa que está a começar a entrar nas salas de reuniões das empresas, principalmente durante a discussão dos orçamentos. Porquê? Pela falta de liquidez financeira das empresas, e devido ao facto de muitas companhias seguirem actualmente um modelo de gestão moderna que recorre a este tipo de instrumento financeiro, como garantia de investimento contínuo na modernização do seu parque tecnológico. A verdade é que cada vez mais as companhias preferem contar com custos fixos mensais e com serviços que garantam uma resolução rápida de problemas, com o menor impacte possível para o negócio. Em tempo de crise, as surpresas não são bem-vindas. A PCGuia falou com algumas empresas ligadas, entre outras coisas, ao renting de equipamento informático, um negócio que está ainda a conquistar terreno em Portugal, mas que tudo indica ter um futuro promissor no nosso país. O Grenke Renting é especialista em financiamento na área das tecnologias da informação, e possui produtos financeiros vocacionados para o financiamento de impressoras, fotocopiadoras, computadores, servidores, software e qualquer outro tipo de equipamento tecnológico. Em traços gerais, Sérgio Nunes, managing director da companhia, garante que esta consegue executar as análises de crédito em 20 minutos, pagar as facturas no mesmo dia em que recebe os documentos e processar a informação de uma forma simples e rápida. Segundo ele, «a média europeia do grupo na resposta a solicitações de crédito até 25 mil euros é de apenas 10 minutos». Seguir, ou não, a opção de renting parte exclusivamente de uma opção estratégica da empresa, uma vez que este, enquanto instrumento de financiamento, tem características muito próprias, que podem ser atractivas neste panorama económico. Por exemplo, as prestações do renting são 100% dedutíveis como despesas operacionais, e neste caso não existe sujeição ao imposto de selo sobre os juros e abertura de crédito. O IVA é normalmente dedutível; quando não é dedutível tem um menor impacte na tesouraria, uma vez que o seu pagamento é distribuído pela duração do contrato, incluído em cada uma das rendas. Uma vez que as companhias de renting planeiam revender o equipamento no final do contrato de renting, quando efectuam uma oferta ao cliente não consideram o custo de aquisição do equipamento por completo. Consequentemente, o valor actual da soma das rendas é quase sempre mais baixo do que o custo de aquisição do equipamento. «As empresas que utilizam o renting em vez de comprarem [o material informático], normalmente realizam poupanças adicionais», confirmou. Sérgio Nunes avançou ainda com outro exemplo: «Em vez de empatar o capital em activos de rápida depreciação, como é o caso dos computadores, impressoras ou servidores, pode-se pagar o activo ao mesmo tempo que se ganha com os benefícios do seu uso.» Por outro lado, ao pagar a despesa do renting em prestações mensais, as empresas mantêm o seu capital circulante e linhas de crédito disponíveis para as actividades que produzem lucro. O renting garante ainda um financiamento a 100% sem entrada inicial, algo que não acontece na maior parte dos métodos tradicionais de financiamento. O recurso a esta opção permite ainda às companhias fugirem às perdas associadas ao curto tempo de vida dos equipamentos informáticos, isto porque o renting facilita a correspondência entre o tratamento contabilístico e vida útil do equipamento. A lista de clientes está longe de contemplar apenas empresas com menos liquidez financeira. Tratase de uma questão estratégica, como confirmou o director da Grenke. «As empresas cada vez mais evitam efectuar esforços financeiros desnecessários que condicionam a sua liquidez. O renting permite prestações baixas com condições simples e menos impostos. As prestações pagas podem ser deduzidas fiscalmente na íntegra. A liquidez e independência financeira da empresa são mantidas, o capital próprio permanece intacto e as linhas de crédito com o banco são preservadas.» MERCADO COM POTENCIAL Um dos indicadores de performance mais importantes do grupo é o número de pedidos de financiamento. Com uma oferta de renting em cima da mesa desde 2002, a Futurdata tem visto este serviço crescer mais nos últimos tempos. Como confirmou à PCGuia Eduardo Gonçalves, sócio-gerente da Futurdata, Portugal está a aproximar-se de outros países europeus e também dos Estados Unidos, no que diz respeito à percentagem que o renting tem ao nível do financiamento para equipamento informático.

4 PRO NOTÍCIAS HOTSPOT CASE STUDY O RENTING GARANTE UM FINANCIAMENTO A 100%, ALGO QUE NÃO ACONTECE NA MAIOR PARTE DOS MÉTODOS TRADICIONAIS OPINIÃO Cuidados no recurso ao crédito A competitividade dos mercados coloca à disposição dos consumidores uma grande diversidade de serviços financeiros, obrigando-os a tomar inúmeras e complexas decisões que exigem uma boa preparação para fazer as escolhas mais acertadas. No entanto, a escolha acertada não é fácil para o consumidor, num domínio em que a informação disponível exige competências e conhecimentos específicos para a sua compreensão. O recurso ao crédito para pagar a casa, o carro, as mobílias ou o computador para o filho tornouse mais banal no seio das famílias portuguesas. Mas, os produtos financeiros utilizam uma terminologia cada vez mais técnica e são produtos cada vez mais complexos. Sempre que o consumidor pretende recorrer ao crédito deve saber que a taxa anual de encargos efectiva global (TAEG), é o principal indicador comparativo e é um elemento que figura, obrigatoriamente, em todas as comunicações comerciais. Por outro lado, o acompanhamento das condições da concorrência permite-lhe estar informado e ajuda-o a negociar junto da instituição de crédito. Para fazer uma boa escolha o consumidor deve simular diversos montantes para vários prazos de pagamento no maior número possível de instituições de crédito. Quanto mais longo for o prazo, mais caro ficará o empréstimo, mas pagará uma prestação mais baixa. Deve sempre informar-se sobre todas as despesas (comissões, registos provisórios, celebração do contrato, conversão de registos, seguros exigidos, entre outros). Em alguns países esta modalidade atinge já 40% do negócio de equipamento informático. A oferta desta companhia consiste na disponibilização de equipamento informático (PC, portáteis, servidores, monitores, entre outros) durante um período de tempo que pode ir de 1 a 4 anos (tipicamente 3 anos), mediante o pagamento de uma renda mensal. Os equipamentos têm sempre garantia (hardware) igual ao período do contrato de renting. No final do contrato, o cliente pode optar pela compra do equipamento mediante o Por exemplo, se um consumidor pretender comprar um computador e não tiver dinheiro para o adquirir, pode encontrar linhas de financiamento específicas nos bancos ou recorrer ao financiamento das lojas, concedido por sociedades financeiras para aquisições a crédito (SFAC). Existe uma grande variedade de propostas no mercado, cabendo ao consumidor um papel determinante que é o de efectuar a escolha. Para tomar uma decisão responsável é necessário que o consumidor reúna várias propostas e compare as várias simulações obtidas. Depois, deve verificar qual é o valor da TAEG, vai encontrar taxas com valores bastante diferentes, e quanto mais baixa for a TAEG, mais barato é o empréstimo. Para além, de fazer uma boa escolha é necessário que o consumidor verifique se o seu orçamento suporta a prestação. Se o consumidor verificar que irá fazer um esforço considerável para pagar a mensalidade, o melhor será adiar a compra com recurso ao crédito (o recomendável é que a taxa de esforço não ultrapasse os 40%, ou seja,o valor das prestações com crédito não deve representar mais de 40% do rendimento mensal da família). É fundamental que quando o consumidor decida contratar um crédito o faça de forma esclarecida e responsável ou seja deve ter pleno conhecimentos do contrato que assinou e deve ter acautelado que o peso das prestações não põe em causa o equilíbrio do seu orçamento familiar. Natália Nunes, Gabinete de Apoio ao Sobreendividado da DECO pagamento de um valor residual previamente acordado. «Além da disponibilização do equipamento, poderemos acrescentar outros serviços como, por exemplo, substituir o equipamento em caso de avaria, adicionar um contrato de assistência total ou um seguro e actualizar o equipamento antes do término do contrato», acrescentou Eduardo Gonçalves, sublinhando ainda que o facto de a resposta a um pedido de renting ser rápida e sem demasiadas burocracias é uma vantagem em relação a outras soluções, nomeadamente, leasings bancários. Em Portugal, a Grenke já tem mais de 400 parceiros (revendedores e integradores). O valor médio por contrato é de 8 mil euros e os pedidos são colocados maioritariamente por PME. No último ano fiscal, o grupo recebeu pedidos de financiamento, dos quais aproximadamente geraram novos negócios de locação. No ano de 2008, o grupo Grenke teve um volume de negócios de aproximadamente 601 milhões de euros. A trabalhar o mercado nacional deste Maio de 2008, a Grenke dirige os seus produtos/serviços exclusivamente para a área de TIC, e propõe-se, por exemplo, liquidar a factura ao revendedor no preciso momento em que este entrega toda documentação. A crise financeira tem sido uma oportunidade de negócio óbvia para a Grenke, que se preveniu atempadamente contra os efeitos da inconstância dos mercados financeiros. Devido à crise do subprime nos E.U.A, existiu uma escassez grave nos fundos de refinanciamento que foram remediados com elevadas injecções de liquidez pelos bancos centrais internacionais. Segundo Sérgio Nunes, o grupo Grenke não foi afectado por esta escassez, pois já tinha reforçado a sua liquidez, devido aos spreads de refinanciamento bastante baixos, antes no início da crise. «Isto irá permitir-nos alargar ainda mais a nossa vantagem competitiva no refinanciamento com condições atraentes no futuro. Iremos usar esta vantagem competitiva para nos distinguirmos ainda mais da concorrência e para aumentar os ganhos do grupo, sobretudo em relação aos bancos, que, como sabemos, foram fortemente penalizados com toda esta turbulência», sublinhou. 128 PCGUIA

5 O managing director da companhia garantiu ainda que a empresa irá concentrar-se no core business (operações de baixo valor no sector da informática e telecomunicações) e fugir à tentação de financiar outro tipo de produtos. «Tentação que acontece num contexto em que as instituições financeiras estão a diminuir a concessão de crédito levando mesmo o governo a intervir», destacou. Em países como Portugal, onde este tipo de instrumento financeiro é pouco conhecido, existe, na opinião das prestadoras destes serviços, um grande potencial de crescimento. Como mencionou Sérgio Nunes, as estatísticas, estudos e pesquisas indicam que a penetração dos equipamentos tecnológicos para escritórios, com alguma flutuação, irá, a médio prazo, continuar a crescer e que a locação, como um método de financiamento, irá crescer acima da média. «Isto aplica-se em especial às pequenas e médias empresas, o nosso mercado-alvo, enquanto que a locação como ferramenta de financiamento já é bastante utilizada nas grande empresas», acrescentou. CRISE FAZ DISPARAR PEDIDOS DE RENTING A Jacomo Ramos & Pinto é uma empresa que trabalha no mercado das TI, e que passou a oferecer aos seus clientes a possibilidade de adquirirem equipamentos informáticos através de um sistema de renting, tudo devido à parceria formada com a Grenke. «Como a maior parte das empresas nacionais, começámos a ter alguns problemas com o pagamento dos clientes. Procurámos então uma solução que pudesse garantir que os clientes realizassem os seus investimentos e nós resolveríamos os problemas de tesouraria e cobrança», explicou o engenheiro informático da empresa, Luís Bivar Ramos. Fruto da parceria, a empresa oferece actualmente aos seus clientes a opção de renting informático, de 500 a 50 mil euros (para valores superiores é necessário uma análise diferente), podendo 30% deste valor ser traduzido em serviços. Os projectos são aprovados em cerca de 20/30 minutos. Os principais clientes são maioritariamente microempresas e PME que pretendem renovar o parque informático ou fazer investimentos nesta área. Apesar de a oferta de renting ser recente, Luís Ramos indicou que os pedidos têm vindo a duplicar e a triplicar mensalmente. «As empresas procuram formas de comprar a crédito e como já estão familiarizadas com o renting automóvel, acabam por aceitar bem esta ideia e tentam obter mais informações. A procura tem sido generalizada, desde a aquisição de uma multifunções laser a cores até à renovação completa do parque informático. Qualquer investimento que ultrapasse os 600 euros», disse o engenheiro informático da empresa. A crise económica deverá fazer aumentar os pedidos de renting. «Os gestores das empresas tentarão reduzir ao máximo os seus custos e activos, mas há investimentos no parque informático que não podem ser adiados. «Pensamos que o Renting informático terá um boom enorme durante este ano», explicou. OPINIÃO Benefícios fiscais para computadores A compra de material informático passou a gozar de benefícios fiscais em IRS em 1998, ano em que as alterações ao EBF deram especial atenção à I&D e, salvo um breve período, resistiu até hoje. Tratava-se, à primeira vista, de facilitar a massificação da utilização da informática e do acesso à Internet. A versão actual do artigo 68.º do EBF garante que metade dos montantes gastos na aquisição de computadores pessoais, incluindo software e aparelhos de terminal, é dedutível no IRS até ao limite de 250 euros. Esta regra vale, entre 2009 e 2011, para um computador por cada membro do agregado familiar que frequente um qualquer nível de ensino, mas só se aplica se o computador for de uso pessoal, se a taxa de IRS for inferior a 42% e se o computador for novo. Um exemplo. Compro um computador para uso pessoal por 900 euros. Tenho um estudante na família e a minha taxa de IRS é inferior a 42%. Posso deduzir no IRS metade do que gastei (450 euros) até ao limite de 250 euros. Ou seja, deduzo 250 euros. Este benefício foi prorrogado pelo OE deste ano até ao ano de 2011, mas a experiência mostra que é provável que volte a ser renovado daqui a 2 anos. As alterações ao EBF em 2006, depois de um breve período em que o benefício foi eliminado, mudaram o carácter do benefício. Por um lado, excluíram-se os agregados com taxas de IRS de 42%; por outro, passou a exigir-se que existam estudantes no agregado. Isto leva-nos a outro ponto. Os custos da actividade profissional são, em geral, dedutíveis quer em IRC, quer em IRS. Além disso, o IVA que suportamos no âmbito dessa actividade também é deduzido quando somos sujeitos passivos deste imposto. Quer isto dizer que todos os anos podemos deduzir montantes dispendidos em computadores. Só que essa dedução é uma normal consideração fiscal dos custos da actividade, não é um benefício. E posso recorrer à dedução à colecta dos 250 euros e, ao mesmo tempo, amortizar o custo do computador e deduzir o IVA que paguei? Não. O EBF estabelece que o benefício só se aplica a computadores de uso pessoal. É por isso, aliás, que exige a menção uso pessoal na factura. Ora, se o computador é de uso pessoal não é de uso profissional e isso impede-me de deduzir o IVA, bem como de considerar a compra uma despesa da minha actividade. Naturalmente, a quase totalidade dos computadores são aplicáveis a uso pessoal, ou profissional. É preciso fazer contas Uma última nota para os montantes em causa. A percentagem dedutível tem vindo a aumentar (de 20% para 50%) e o limite a ser alargado (de 150 euros para 250 euros). Apesar de o benefício ter uma aplicabilidade limitada, a verdade é que o OE para 2009 prevê uma despesa fiscal com este benefício de 25 milhões de euros. Uma gota de água no oceano dos benefícios, mas o equivalente à dedução de, pelo menos, 1 milhão de computadores. Quase duas vezes e meia a despesa fiscal de IRS com as energias renováveis. Isto quer dizer uma coisa muito simples: aqueles 25 milhões de euros são pagos por todos os contribuintes que não compram computadores portáteis. Aqui chegados, passamos a ser desmanchaprazeres e a recordar coisas óbvias. Os impostos são um jogo de soma zero. O que não pago eu, pagas tu. Quantos mais benefícios fiscais houverem, mais complicado será o sistema. Quantas mais isenções temos, taxas mais elevadas temos. E assim por diante. Há isenções que valem a pena, pois compensam bem a receita que fazem perder. Esperemos que esta seja uma delas. A PERCENTAGEM DEDUTÍVEL TEM VINDO A AUMENTAR (DE 20% PARA 50%) E O LIMITE VAI SER ALARGADO J.L. Saldanha Sanches, fiscalista PCGUIA 129

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO VANTAGENS FISCAIS A LOCAÇÃO REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO A 100% SEM ENTRADA INICIAL EVITA REDUZIR O CUSTO

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à ordem 19.1. Depósitos à ordem 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO PESSOAL Índice Finalidades do crédito pessoal Ficha de Informação Normalizada (FIN) Montante e prazo Modalidades de reembolso Garantias Custos do crédito Taxa

Leia mais

FOLHETO DE TAXAS DE JURO

FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.1. Depósitos à Ordem 19.1. Depósitos à Ordem 17.2. Depósitos a Prazo 19.2. Depósitos a Prazo

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

HYPOSWISS PRIVATE BANK GENEVE, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL

HYPOSWISS PRIVATE BANK GENEVE, SA - SUCURSAL EM PORTUGAL FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

RENTING DE QUIOSQUES MULTIMÉDIA

RENTING DE QUIOSQUES MULTIMÉDIA RENTING DE QUIOSQUES MULTIMÉDIA Uma decisão inteligente Grupo Partteam Rua Artur Cupertino Miranda, Nº 51, Loja 4 4760-124 VN Famalicão tel: +351 252 378 589 fax: + 351 252 378 591 www.quiosques.com www.partteam.pt

Leia mais

ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL

ST. GALLER KANTONALBANK AG - SUCURSAL EM PORTUGAL FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 17 CONTAS DE DEPÓSITO 19 CONTAS DE DEPÓSITO 17.2. Depósitos a prazo 19.2. Depósitos a prazo 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Leia mais

Protocolo BBVA Soluções Financeiras

Protocolo BBVA Soluções Financeiras Protocolo BBVA Soluções Financeiras Conheça as soluções financeiras que o BBVA tem para lhe oferecer e aproveite o Protocolo BBVA com condições exclusivas para os Associados do SPLIU. Para o BBVA cada

Leia mais

Taxa Anual Nominal (TAN) Euribor 6 meses + Spread 1,750% a 4,250% Euribor 6 meses + Spread 3,750% a 6,250% 0,032% 0,596% Euribor 6 meses +

Taxa Anual Nominal (TAN) Euribor 6 meses + Spread 1,750% a 4,250% Euribor 6 meses + Spread 3,750% a 6,250% 0,032% 0,596% Euribor 6 meses + 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Empréstimos a taxa variável Taxa Anual Efectiva (TAE) Prestação Indexada; Prestação Mínima; Crédito Não Residentes; Spread 1,750% a 4,250% 4,939% Prazo máximo

Leia mais

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO

Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Glossário de Crédito Habitação do NOVO BANCO Tipo de Propriedade 1ª Habitação Residência habitual do agregado familiar (habitação própria permanente). 2ª Habitação Residência não habitual do agregado familiar

Leia mais

Condições actuais do Protocolo para Colaboradores

Condições actuais do Protocolo para Colaboradores Direcção de Parcerias Comerciais Protocolos Condições actuais do Protocolo para Colaboradores Novembro de 2009 Conta Ordenado BPI Isenção das principais despesas do dia-a-dia: Isenção das despesas de manutenção

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo

Preçário. Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo Preçário CAIXA CENTRAL - CAIXA CENTRAL DE CRÉDITO AGRICOLA MÚTUO, CRL E CAIXAS DE CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO DO SISTEMA INTEGRADO DO CRÉDITO AGRÍCOLA MÚTUO Caixa Central de Crédito Agricola Mútuo e Caixas

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

BANCO CREDIBOM, SA Entrada em vigor: 01-07-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO

BANCO CREDIBOM, SA Entrada em vigor: 01-07-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos 20.1. Linhas de crédito e contas correntes 18.2.

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do BANCO PRIMUS, SA, contém o Folheto de Comissões e Despesas

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL

Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Preçário DE LAGE LANDEN INTERNATIONAL, B.V. - SUCURSAL EM PORTUGAL SUCURSAL Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 19-Jan-2015 O Preçário

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

4,567% 35, Arrendamento: 20 anos). Ver Nota (1) Crédito Habitação Regime Deficientes Civis - 0,739% 5,641%

4,567% 35, Arrendamento: 20 anos). Ver Nota (1) Crédito Habitação Regime Deficientes Civis - 0,739% 5,641% 18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (CLIENTES PARTICULARES) FOLHETO DE TAXAS DE JURO Entrada em vigor: 7setembro2015 18.1. Crédito à Habitação e Contratos Conexos [18.1.20150923.08] Empréstimos em Taxa Variável Crédito

Leia mais

São condições para colaboradores de empresas aderentes e que merecem partilhar as conquistas da sua empresa.

São condições para colaboradores de empresas aderentes e que merecem partilhar as conquistas da sua empresa. São condições para colaboradores de empresas aderentes e que merecem partilhar as conquistas da sua empresa. Com a domiciliação de um ordenado superior a 350 /mês passa a ter acesso a um vasto conjunto

Leia mais

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado.

É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. de Cooperação Barclays at Work Índice 4. Crédito Habitação 5. Leasing 6. Seguros IV. Check List V. Contactos I. O Barclays no Mundo Grupo Financeiro

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemática e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014

Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Preçário INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 11-09-2014 Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 03-08-2015 O Preçário

Leia mais

18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20.1. Linhas de crédito e contas correntes 18.2. Crédito pessoal 18.3. Crédito automóvel 18.4.

Leia mais

BANCO CREDIBOM, SA Entrada em vigor: 01-12-2015 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. 20.4. Outros créditos

BANCO CREDIBOM, SA Entrada em vigor: 01-12-2015 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. 20.4. Outros créditos FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20.1. Linhas de crédito e contas correntes 18.2. Crédito pessoal 18.3. Crédito automóvel 18.4.

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Banco de Portugal EUROSISTEMA INSTRUÇÃO N.º 10/2010 Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental Folha 1 ASSUNTO: Ficha de Informação Normalizada de Crédito à Habitação e de Crédito Conexo O Banco de Portugal

Leia mais

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos CH e associados Taxa Indexada - Euribor 12m Multiopções associados Taxa Indexada - Euribor 12m Euribor 12m + Spread 1,95% a 5,80% Euribor 12m + Spread 2,95%

Leia mais

Preçário DEUTSCHE BANK AG, SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário DEUTSCHE BANK AG, SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário DEUTSCHE BANK AG, SUCURSAL EM PORTUGAL BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de O Preçário completo do Deutsche Bank AG, Sucursal em Portugal,

Leia mais

Banif SA - Pag. 1 de 13

Banif SA - Pag. 1 de 13 FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA - CRÉDITO À HABITAÇÃO E DE CRÉDITO CONEXO PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição

Leia mais

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL

Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM PORTUGAL Preçário UNION DE CREDITOS INMOBILIARIOS, S.A., EFC - SUCURSAL EM INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO COM SEDE EM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO

Leia mais

Com a domiciliação de um ordenado superior a 350 /mês passa a ter a possibilidade de aceder a:

Com a domiciliação de um ordenado superior a 350 /mês passa a ter a possibilidade de aceder a: O seu contacto no Millennium bcp: Sucursal: EVORA MURALHA Nome: Luís Rosado Telefone: 266009530 Para si que tem o seu Ordenado no Millennium bcp! S.Ser.Trab.Camara Municipal Evora e o Millennium bcp prepararam

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe III

Linha de Crédito PME Investe III Linha de Crédito PME Investe III Condições e Procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: empresas localizadas nas regiões do Continente, salvo quanto à Linha Específica para

Leia mais

Descubra histórias de ambição em www.realizaassuasambicoes.pt

Descubra histórias de ambição em www.realizaassuasambicoes.pt Oferta de Cooperação Barclays at Work No Barclays acreditamos que é bom ter ambições e, por isso, queremos ajudá-lo a que realize as suas. Descubra histórias de ambição em www.realizaassuasambicoes.pt

Leia mais

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar.

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras no seu orçamento Se quer planear as suas poupanças, há ferramentas disponibilizadas pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras

Leia mais

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua

Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Crédito para Estudantes do Ensino Superior com Garantia Mútua Termos de referência para as condições mínimas de acesso ao Fundo de Contragarantia Mútua,

Leia mais

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014

Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 Preçário FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Data de Entrada em vigor: 23-10-2013 FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-07-2014 O Preçário completo da Orey Financial, Instituição Financeira

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA

FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA FIN - FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA PARTE I - CONDIÇÕES FINANCEIRAS DO CRÉDITO À HABITAÇÃO A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO E OBSERVAÇÕES 1. Identificação da Instituição Denominação Caixa Geral de Depósitos,

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus PROTOCOLO CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. ORDEM DOS ENGENHEIROS Oferta 1 º Trimestre 2013

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. ORDEM DOS ENGENHEIROS Oferta 1 º Trimestre 2013 Oferta de Cooperação Barclays at Work Excelência Proximidade Profissionalismo É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado 300 Anos de Experiência 50 Milhões de Clientes 60 Países ORDEM DOS ENGENHEIROS

Leia mais

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? 18 de junho de 2014 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável Conta Corrente Caucionada Conta Corrente Caucionada IVA Advance Conta Gestão de Tesouraria Linha Banif FEI PME SMC Linhas de Crédito

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:42 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

Abra uma Conta Ordenado BBVA e conheça todas as vantagens que tornam a sua vida mais fácil:

Abra uma Conta Ordenado BBVA e conheça todas as vantagens que tornam a sua vida mais fácil: Protocolo BBVA Soluções Financeiras Conheça as soluções financeiras que o BBVA tem para lhe oferecer e aproveite o Protocolo BBVA com condições exclusivas para os Sócios e Filhos dos Sócios do COFRE DA

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO *

O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * PUBLICADO NA EDIÇÃO IMPRESSA SEGUNDA-FEIRA, 10 DE DEZEMBRO DE 2012 POR O DINHEIRO NÃO CAI DO CÉU E PARECE QUE VOA DO BOLSO * Elaborar o orçamento familiar é muito importante porque permite controlar melhor

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 01-set-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável Conta Corrente Caucionada Conta Corrente Caucionada IVA Advance Conta Gestão de Tesouraria Linha Banif FEI PME Euribor 1M, 3M, 6M,

Leia mais

Informação Geral sobre o Crédito Habitação do «NOVO BANCO»

Informação Geral sobre o Crédito Habitação do «NOVO BANCO» Informação sobre o do «NOVO BANCO» Observações Preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011

FICHA DE INFORMAÇÃO GERAL DE CRÉDITO À HABITAÇÃO Versão 7/11 1Julho 2011 Observações preliminares O presente documento não constitui uma oferta juridicamente vinculativa. Os dados quantificados são fornecidos de boa fé e constituem uma descrição exacta da oferta que o mutuante

Leia mais

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE)

20. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (OUTROS CLIENTES) (ÍNDICE) 20.1. Linhas de crédito e contas correntes Empréstimos a taxa variável Conta Corrente Caucionada Conta Corrente Caucionada Conta Gestão de Tesouraria Linhas de Crédito Protocoladas Protocolo Turismo de

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

Introdução às Finanças

Introdução às Finanças Introdução às Finanças Aula Teórica 3 Esta informação é restrita ou confidencial, não podendo ser duplicada, publicada ou fornecida total ou parcialmente a terceiros sem o prévio consentimento dos autores.

Leia mais

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar?

O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? O (Sobre)-Endividamento das Famílias: Prevenir ou Solucionar? Luísa Marabuto Clara Magalhães Celeste Varum Carla Monteiro GEACE-UA 5ª Conferência Internacional de Educação Financeira 15 e 16 de Julho de

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CRÉDITO À HABITAÇÃO Índice Finalidades do crédito à habitação Avaliação da capacidade financeira Ficha de Informação Normalizada (FIN) Prazo Modalidades de reembolso

Leia mais

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor:

Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Data de Entrada em vigor: Preçário BANCO PRIVADO ATLANTICO - EUROPA, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 1-jul-15 O Preçário completo do Banco Privado Atlântico Europa, S.A., contém o Folheto

Leia mais

Protocolo para Colaboradores

Protocolo para Colaboradores Protocolo para Colaboradores Março 2014 O PROTOCOLO E SUAS VANTAGENS O Protocolo é um acordo entre um Parceiro e o Banco, atribuindo vantagens aos seus Colaboradores em produtos e serviços financeiros

Leia mais

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2%

Actualização dos limites das deduções à colecta fixados em valor variável entre 2.4% e 3.2% IRS Escalões de IRS Actualizados os escalões de IRS em 2.5%. Em regra, contribuintes de todos os escalões sofrerão reduções pouco significativas do IRS a pagar sobre os seus rendimentos. Excepção para

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO

OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros Clientes 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 18.2. Crédito pessoal 20.1. Linhas de crédito e contas correntes 18.3. Crédito automóvel 20.4.

Leia mais

Simulação de Crédito Habitação Santander Totta

Simulação de Crédito Habitação Santander Totta Página 1 de 14 Super Crédito Habitação Taxa Variável FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA DE CONTRATOS DE CRÉDITO À HABITAÇÃO (ao abrigo do Aviso do Banco de Portugal nº2/2010, de 16 de Abril, e da instrução

Leia mais

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA

Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Preçário COFIDIS SUCURSAL DE INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO COM SEDE NA UNIÃO EUROPEIA Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto das Comissões

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL (ao abrigo do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho) A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

BANCO CREDIBOM, SA FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 01-Jul-2010. 20.4. Outros créditos

BANCO CREDIBOM, SA FOLHETO DE TAXAS DE JURO. Entrada em vigor: 01-Jul-2010. 20.4. Outros créditos FOLHETO DE TAXAS DE JURO Clientes Particulares Outros clientes 18 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20 OPERAÇÕES DE CRÉDITO 20.1. Linhas de crédito e contas correntes 18.2. Crédito pessoal 18.3. Crédito automóvel 18.4.

Leia mais

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANCO PRIMUS, SA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor do Folheto de e Despesas: 20-abr-2015 Data de Entrada em vigor do

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

essencial para VARs, integradores e resellers Suplemento do Jornal Channel Partner n.º 60 ESPECIAL PMEs

essencial para VARs, integradores e resellers Suplemento do Jornal Channel Partner n.º 60 ESPECIAL PMEs essencial para VARs, integradores e resellers Suplemento do Jornal Channel Partner n.º 60 ESPECIAL PMEs ESPECIAL PMEs setembro 2009 Renting Uma decisão inteligente Num ambiente extremamente competitivo

Leia mais

DAMOS FORÇA AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS

DAMOS FORÇA AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS AGOSTO 2015 LINHA PME CRESCIMENTO 2015 (TAE 2,876%) DAMOS FORÇA AO FINANCIAMENTO DAS EMPRESAS Vai efetuar uma candidatura ao Programa Portugal 2020? Procura uma opção de financiamento para agilizar a gestão

Leia mais

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação

Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Código de Conduta Voluntário de Crédito Habitação Indíce ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR 3 ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO

Leia mais

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Empréstimos a taxa variável Taxa Anual Efectiva (TAE) Crédito Habitação - Residentes (Aquisição, Construção, Obras e Transferências RG) Spread 3,60% a 5,95%

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008,

DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DECRETO-LEI N.º 51/2007, DE 7 DE MARÇO, ALTERADO PELO DECRETO-LEI N.º 88/2008, DE 29 DE MAIO E PELO DECRETO-LEI N.º 192/2009, DE 17 DE AGOSTO Regula as práticas comerciais das instituições de crédito no

Leia mais

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica Sectores Exportadores. Linha Micro e Pequenas Empresas Junho 2009 2 PME Investe IV Condições Específicas Breve Resumo das Condições CARACTERIZAÇÃO GERAL Linha Específica Sectores Exportadores Linha Micro e Pequenas Empresas Montante Global Até 400 milhões

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

GRENKE: Para uma maior flexibilidade comercial O renting simplificado

GRENKE: Para uma maior flexibilidade comercial O renting simplificado GRENKE: Para uma maior flexibilidade comercial O renting simplificado Os benefícios do renting Para si: :: Acelera as decisões de compra. As baixas prestações do renting serão mais atractivas para os seus

Leia mais

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

18. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 18.1. Crédito à habitação e contratos conexos Empréstimos a taxa variável Taxa Anual Efectiva (TAE) Crédito Habitação (Aquisição, Construção, Obras e Transferências RG) Euribor 3M ou 6M + Spread 2,50%

Leia mais

ANEXO I CONTA BES100% Gestão corrente da liquidez Constituição de poupança Acesso ao crédito Segurança

ANEXO I CONTA BES100% Gestão corrente da liquidez Constituição de poupança Acesso ao crédito Segurança ANEXO I CONTA BES100% Definição A Conta BES 100% é constituída por um Depósito à Ordem, uma Conta Poupança e um Descoberto Autorizado, e dispõe de um mecanismo de movimentação automática entre as duas

Leia mais

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BMW BANK GMBH, SUCURSAL PORTUGUESA BANCOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO O Preçário completo da BMW Bank GMBH, Sucursal Portuguesa, contém o Folheto

Leia mais

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. 300 Anos de Experiência. 50 Milhões de Clientes

Excelência Proximidade Profissionalismo. É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado. 300 Anos de Experiência. 50 Milhões de Clientes Oferta de Cooperação Barclays at Work 1 / 7 Excelência Proximidade Profissionalismo É bom saber que pode contar com quem está ao seu lado 300 Anos de Experiência 50 Milhões de Clientes 60 Países Spliu

Leia mais

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015 CAMPANHA CAMPANHA Ao domiciliar as ajudas ao rendimento em conta BST, por um valor estimado mínimo de 10.000, durante um período mínimo de 2 anos, recebe um destes equipamentos TV LED ou Mini Ipad. Para

Leia mais