MANUAL TÉCNICO DE PISO INTERTRAVADO DE CONCRETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL TÉCNICO DE PISO INTERTRAVADO DE CONCRETO"

Transcrição

1 MNUL ÉCNICO DE PISO INERRVDO DE CONCREO

2 MNUL ÉCNICO DE PISO INERRVDO DE CONCREO

3 MNUL ÉCNICO DE PISO INERRVDO DE CONCREO PROJEO quiles Gadelha Ponte Lewton Parente de Oliveira EXECUÇÃO quiles Gadelha Ponte Lewton Parente de Oliveira REVISÃO ÉCNIC quiles Gadelha Ponte Lewton Parente de Oliveira Vitor Gadelha lmeida PROJEO GRÁFICO E CP Marcos Zartur Batista Santos 111m Blocos e Pisos Manual técnico de piso intertravado de concreto/ Blocos e Pisos. Fortaleza: Blocos e Pisos, p. 1. Pavimentação. 2. Piso Intertravado. I. ítulo. CDU:

4 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Sumário SUMÁRIO 1 INRODUÇÃO Pré-fabricados O Manual Definição e Informações Gerais sobre Pisos e Pavimentos Intertravados de concreto Vantagens da pavimentação com pisos intertravados de concreto MÉRI-PRIM Cimento Portland gregados gregado miúdo gregado graúdo Água ditivos Pigmentos PROCESSO DE FBRICÇÃO Dosagem do concreto Mistura Moldagem Cura Estocagem CONROLE DE QULIDDE mostragem Dimensões Resistência à Compressão NORMS ÉCNICS E SELO DE QULIDDE PROJEO E DIMENCIONMENO DO PVIMENO Subleito Sub-base Base Camada de ssentamento Camada de Rolamento Camada de Rejuntamento Confinamento Lateral CONSRUÇÃO DO PVIMENO Subleito Sub-base e Base Cofinamentos Externos e Internos Camada de ssentamento Camada de Rolamento ssentamento das peças Compactação Inicial Rejuntamento, compactação final e limpeza...

5 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Sumário 8 USO E MNUENÇÃO FOOS DE OBRS REFERÊNCIS...

6 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 1. INRODUÇÃO Introdução 1 Capítulo 1.1 Pré-fabricados busca pela racionalização dos processos construtivos, visando redução de custos e garantia da qualidade tem sido uma constante entre as empresas construtoras brasileiras. Nesse contexto, os fornecedores devem participar de forma ativa desta evolução, modernizando sua linha de produção, adicionando inovações e facilidades, contribuindo para a garantia da qualidade do produto final. Com essa visão que a Pré-fabricados, uma das maiores empresas de pré-fabricados de concreto do Brasil, ingressou no mercado de pisos intertravados de concreto, fornecendo um produto de alta qualidade, produzido em duas modernas plantas industriais. empresa coloca-se à disposição de Foto 01: Blocos e Pisos ( Fortaleza ) seus clientes, através de uma equipe técnica composta por engenheiros e técnicos especializados, para dar suporte desde a etapa de projeto, passando pela fabricação e execução do pavimento. 1.2 O Manual Foto 02: Blocos e Pisos ( Recife ) O Manual écnico dos Pisos Intertravados de Concreto da Blocos e Pisos foi desenvolvido como um guia técnico e prático para seus clientes. Este Manual está dividido em três partes.! primeira apresenta aspectos gerais sobre as matérias-primas, dosagem de concreto, fabricação, cura, estocagem e controle de qualidade dos pisos intertravados.! segunda trata das normas brasileiras e do selo de qualidade da ssociação Brasileira de Cimento Portland (BCP). 5

7 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Introdução! terceira parte aborda as fases de projeto, dimensionamento, construção, utilização e manutenção do pavimento com pisos intertravados de concreto. 1.3 Definição e Informações Gerais sobre Pisos e Pavimentos Intertravados de concreto Os pisos intertravados são pequenas peças de concreto produzidos industrialmente através de processos mecânicos, garantindo um baixo custo, uma qualidade controlada e um alto desempenho mecânico. Devidamente assentados e compactados formam uma pavimentação intertravada. Esse sistema de pavimentação é uma evolução dos antigos calçamentos feitos com paralelepípedo ou pedra tosca, contudo, esses dois últimos não são pisos intertravados, portanto, não possuem a mesma performance como pavimento. Definimos o intertravamento do piso como sendo a capacidade que a peça tem de resistir e transmitir às peças vizinhas os esforços oriundos do tráfego, sejam eles esforços verticais, horizontais ou de rotação e giração. O pavimento intertravado de concreto foi originado na Europa do pósguerra e somente na década de 70 foi introduzido no Brasil, onde até hoje é utilizado com grande sucesso. lém de apresentar inúmeras vantagens técnicas, possui um custo muito competitivo ou inferior quando comparado com outras alternativas como o pavimento flexível e rígido. Podemos ver a seguir alguns modelos de pisos: Foto 03: Modelos de pisos intertravados * 1.4 Vantagens da Pavimentação com Pisos Intertravado de Concreto pavimentação intertravada com peças de concreto apresenta algumas vantagens como mostrado a seguir: * Existem também outros modelos de pisos, podendo inclusive ser desenvolvido modelos específicos conforme o desejo do cliente. 6

8 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Introdução Vantagens no Processo de Fabricação! Fabricação industrializada em série através de processos mecânicos e automáticos, garantindo um baixo custo, uniformidade e uma qualidade elevada;! Consomem menos energia no processo de fabricação, principalmente se comparados aos pavimentos asfálticos. Vantagens no Processo Construtivo e Estocagem! Não exige equipamentos especiais nem uma mão-de-obra especializada, devido a enorme facilidade em seu assentamento;! s peças que compõem o pavimento chegam em paletes de madeira prontas para aplicação, sem necessidade do emprego de processos térmicos ou químicos, como no caso da pavimentação com asfalto, nem necessitam de concretagem no local como o pavimento rígido de concreto;! estocagem dos pisos pode ser feita por um longo período de tempo, inclusive quando expostos às intempéries. Foto 04: Estocagem Foto 05: ransporte e descarregamento Vantagens no Comportamento! Vida útil elevada, em média 25 anos, desde que possuam a resistência adequada, estejam colocados sobre uma base apropriada e as peças bem assentadas;! Elevada resistência à compressão, abrasão e agentes agressivos;! O pavimento pode ser liberado para o tráfego imediatamente após a limpeza final;! É um pavimento parcialmente permeável, proporcionando a drenagem das águas pluviais; 7

9 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Introdução! o contrário do que ocorre com outros tipos de pavimentação, com o decorrer do tempo, ele apresenta menor vibração e ruído, devido ao preenchimento gradual dos seus poros;! o invés de se degradarem com as intempéries, os blocos, por serem de concreto ganham resistência mecânica com o tempo; Foto 06: Pavimento com elevada resistência! São resistentes à ação de óleo e derramamento de combustíveis;! Superfície anti-derrapante, oferecendo uma melhor aderência e uma maior segurança até em pista molhada;! presenta uma deformação vertical inferior se comparado com o pavimento flexível;! presenta uma menor absorção da luz solar, provocando uma menor elevação da temperatura, comparado com pavimentos de cores escuras. Distância entre os pontos: 100 metros 14:30h 14:34h Foto 07: Pavimento intertravado Foto 08: Pavimento asfáltico Vantagens na Manutenção! Baixo custo de manutenção, pois em torno de 95% dos blocos podem ser reaproveitados a um custo baixíssimo;! Possibilitam reparos sem marcas visíveis. 8

10 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto IntroduÁ o Foto 09: Reaproveitamento das peças Foto 10: SinalizaÁ o horizontal Vantagens da Estética! Facilitam a incorporação da sinalização horizontal devido à fabricação de peças coloridas;! Podem ter ao mesmo tempo grande capacidade estrutural e valor paisagístico;! Variedade de cores, diversidade de formas e texturas, múltiplas disposições em planta, adaptando-se a quaisquer necessidades, obtendo-se os mais variados e agradáveis efeitos estéticos. Vantagens nos Custos! Possui uma maior reflexão da luz artificial, proporcionando uma representativa redução no consumo de energia. Foto 11: Iluminação no pavimento asfáltico Foto 12: Iluminação no pavimento intertravado 9

11 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Vantagens no Campo de plicação IntroduÁ o Fotos 13 e 14: Utilização em aeroportos e portos. Podem ser aplicados em diversos locais como:! Portos e aeroportos;! Calçadas, residências, praças, parques e jardins;! Áreas Industriais;! Estacionamentos, pátios de manobra e terminais de cargas;! Vias urbanas e estradas;! Oficinas;! erminais de transportes coletivos;! Condomínios;! Faixas de sinalização e demarcatórias; Fotos 15 e 16: Utilização em praáas e c ondomìnios. 10

12 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Introdução Fotos 17 e 18: Utilização em calçadões e residências 11

13

14 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 2. MÉRI-PRIM PR FBRICÇÃO DO PISO DE CONCREO MatÈria prima 2 C ul apít o 2.1 Cimento Portland tualmente, no Brasil, existem diversos tipos de Cimento Portland, os quais diferem entre si, pela sua composição. Segundo a literatura, podemos citar a seguir os principais tipos de cimentos produzidos e oferecidos no mercado nacional, que são:! Cimento Portland Comum ( CP-I / CP-I-S );! Cimento Portland Composto ( CP-II-E / CP-II-Z / CP-II-F );! Cimento Portland de lto-forno ( CP-III );! Cimento Portland Pozolânico ( CP-IV );! Cimento Portland de lta Resistência Inicial ( CP-V-RI );! Cimento Portland Resistente aos Sulfatos ( RS );! Cimento Portland de lta Resistência Inicial Resistente a Sulfatos com dição de Sílica tiva;! Cimento Portland Branco;! Cimento Portland de Baixo Calor de Hidratação;! Cimento para Poços Petrolíferos. Blocos e Pisos adota na composição do concreto que é utilizado para fabricação dos pisos o Cimento Portland Composto com Fíler da classe 32, CPII-F 32, ou similar. Esse tipo de cimento é especificado, segundo a NBR É importante salientar que devido à necessidade de outras colorações, pode-se utilizar o Cimento Portalnd Branco, contudo, as características mecânicas do piso têm que ser preservadas. 2.2 gregados gregado miúdo reia fina natural, quartzosa, com grãos de diâmetro máximo igual ou inferior a 0,6 mm. s demais características obedecerão a NBR Foto 19: reia fina com diâmetro máximo de 0,6 mm 13

15 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto MatÈria prima reia média natural, quartzosa, proveniente de leito de rio, com grãos de diâmetro máximo igual ou inferior a 6,3 mm. s demais características obedecerão a NBR Pó de pedra, proveniente da britagem de rochas sãs, com grãos de diâmetro máximo igual ou inferior a 6,3 mm. s demais características obedecerão a NBR Foto 20: reia média com diâmetro máximo de 6,3 mm gregado graúdo Foto 21: Pó de pedra com diâmetro máximo de 6,3mm Pedra britada, oriunda de rochas sãs duras e estáveis, possuindo um diâmetro máximo de 9,5 mm. forma do agregado deve ser, preferencialmente, do tipo cúbico ou esférico. s demais características deverão estar em conformidade com a norma NBR Água Foto 22: Brita com diâmetro máximo de 9,5mm água utilizada no concreto para fabricação dos pisos é de fundamental importância estar livre de impurezas, para que a mesma não provoque reações indesejáveis no concreto, alterando, assim, o desempenho da peça. s demais características deverão estar em conformidade com a NM

16 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto MatÈria prima 2.4 ditivos Os aditivos para concreto melhoram a trabalhabilidade do mesmo, aumentando a velocidade do ciclo de produção, garantindo, assim, um menor custo operacional e uma reduá o no desgaste das formas. Os aditivos tambèm melhoram as propriedades do concreto fresco e endurecido, pois reduzem a quantidade de água na mistura (fator água/cimento), diminuindo a quebra das peças na fabricação e aumentando a resistência final da peça pronta, contribuindo, assim, para uma melhor qualidade do produto final. Como exemplo, podemos citar os incorporadores de ar, plastificantes e desmoldantes, como os aditivos mais usados nas modernas fábricas. Plastificantes que alterem o tempo de pega do cimento não devem ser utilizados. 2.5 Pigmentos Os pigmentos são produtos que adicionados no concreto os tornam coloridos. Esses pigmentos devem ser inorgânicos (base óxido), para que o bloco seja resistente à alcalinidade do cimento, aos raios solares e às intempéries. É importante o cuidado na dosagem do concreto, pois, sendo inorgânicos, alteram a trabalhabilidade do concreto, exigindo a adição de mais água na mistura, o que ocasiona a redução na resistência desse concreto. Podemos facilmente encontrar no mercado esses pigmentos à base de óxido, onde veremos a seguir na QUDRO 1. PIGMENOS INORGÂNICOS À BSE DE ÓXIDO COR DO CONCREO ESPECIFICÇÃO DO PIGMENO VERMELHO ÓXIDO DE FERRO VERMELHO (a-fe2o 3) PREO ÓXIDO DE FERRO PREO (Fe2O 4) MRELO ÓXIDO DE FERRO MRELO (a-feooh) MRROM VERDE ZUL Quadro 01 Pigmentos inorgânicos à base de óxido ÓXIDO DE FERRO MRROM (Mistura de a-fe2o 3, a-feooh e/ou Fe2O 4) ÓXIDO DE CROMO (Cr2O 3) ÓXIDO DE COBLO (Co(l, Cr) 2O 4) 15

17

18 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 3. PROCESSO DE FBRICÇÃO DE PISOS INERRVDOS Processo de fabricação 3 Capítulo O processo de fabricação pode ser dividido em 5 etapas principais (FIGUR 1): 3.1 Dosagem do Concreto: os agregados, aglomerante, água e o aditivo são dosados em peso automaticamente em proporções previamente definidas, de acordo com o traço já definido pela equipe técnica e o laboratório, tendo em vista o produto a ser fabricado; 3.2 Mistura: toda a matéria-prima é transferida automaticamente para o misturador para ser homogeneizada e transformada em concreto; Foto 23 e 24: Vista interna do misturador de eixo horizontal e Homogeneização do concreto 3.3 Moldagem: é a etapa de vibro-prensagem do produto. Do misturador, o concreto segue para alimentação da máquina, onde ocorrerá a prensagem e a vibração, que devem ser realizadas com grande energia de compactação. pós esse processo, as peáas estão prontas para a cura. 3.4 CUR: após a moldagem, as peças seguem para as câmaras de cura totalmente estanques, ambientes com temperatura e umidade controladas. s peças devem permanecer nestas câmaras pelo tempo necessário para garantir a maior hidratação do cimento e conseqüentemente a qualidade final do produto. Dependendo do tempo de permaníncia na c mara e da temperatura 17

19 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Processo de fabricação externa, pode ser necess rio realizar uma cura acelerada para a qual È utilizado vapor de gua. Fotos 25: Processo de vibro-prensagem e moldagem das peças. 3.5 Estocagem: depois da retirada das peças das câmaras de cura, estas são dispostas em paletes de madeira e marcadas quanto ao lote de identificação. Em seguida, elas seguem para o estoque onde ficarão até serem transportadas para os clientes. Fotos 26: rmazenamento em câmara de cura 18

20 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 1 Estocagem SILO DE ESOCGEM DE CIMENO Processo de fabricação 1 Estocagem SILO DE ESOCGEM DE GREGDOS BLNÇ 3 Mistura MISURDOR LIMENÇÃO DE GREGDOS CORRE I RNSPORDOR 2 Dosagem de agregados BLNÇ 4 Moldagem VIBRO-PRENS 5 Cura CÂMRS DE CUR 6 Paletização e Estocagem 2 Dosagem de agregados Fig. 01: Esquema de fabricação de pisos intertravado de concreto Esta é uma descrição resumida do processo produtivo de uma fábrica de pisos moderna. 19

21

22 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 4. CONROLE DE QULIDDE Controle de qualidade 4 Capítulo O controle de qualidade na fabricação de pisos intertravados é de extrema importância, pois é com ele que garantimos a qualidade das peças. Segundo a NBR PeÁas de concreto para pavimentaá o - EspecificaÁ o, pode-se verificar os seguintes parâmetros a serem seguidos para que se obtenha um produto de qualidade: 4.1 mostragem: 2 No mínimo 6 peças para cada lote de até 300m e uma peça adicional 2 para cada 50m suplementar, até perfazer o lote máximo de 32 peças. 4.2 Dimensões:! Comprimento Máximo de 400 mm, com variação máxima permitida de 3mm;! Largura Mínima de 100 mm, com variação máxima permitida de 3mm;! Espessura Mínima de 60 mm, com variação máxima permitida de 5mm. 4.3 Resistência à Compressão:! 35MPa: para pisos sujeitos ao tráfego de veículos comerciais de linha; Exemplo: carros, ônibus, caminhões, carretas e empilhadeiras de pequeno porte.! 50MPa: para pisos sujeitos ao tráfego de veículos que provoquem elevados esforços de abrasão. Exemplo: empilhadeiras e guindastes especiais. 21

23

24 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 5. NORMS ÉCNICS E SELO DE QULIDDE Normas técnicas e selo de qualidade 5 Capítulo Fundada em 1940, a ssociaá o Brasileira de Normas Ècnicas (BN), é o órgão responsável pela normalização técnica no país, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. É uma entidade privada e sem fins lucrativos reconhecida como Fórum Nacional de Normalização ÚNICO através da Resolução n.º 07 do CONMERO, de Os pisos intertravados de concreto possuem propriedades e características técnicas definidas pelas normas da BN, segundo ela, as normas prescrevem o método de determinação da resistência à compressão, e fixa as condições exigíveis para aceitação das peças. BN dispõe de duas normas relacionadas com pisos de concreto para pavimentação intertravada: NBR PEÁS DE CONCREO PR PVIMENÁ O: DEERMINÁ O D RESISÍNCI COMPRESS O - MÈODO DE ENSIO NBR PEÁS DE CONCREO PR PVIMENÁ O: ESPECIFICÁ O Hoje, o mercado de pisos intertravados conta com o Selo de Qualidade da ssociaá o Brasileira de Cimento Portland (BCP). Essa entidade integra o Conselho Empresarial Mundial de Desenvolvimento Sustentável, formado por 10 maiores grupos de cimento mundiais. Este selo de qualidade é concedido ao produto das empresas que garantem a adequação dos mesmos (peças de concreto para pavimentação) às normas técnicas brasileiras elaboradas pela BN. Por isso os pisos intertravados com Selo 23

25 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto de Qualidade da BCP apresentam dimensões regulares, boa aparência, maior durabilidade e resistência, atestando sua qualidade para os mais variados fins. lém disso, como a qualificaá o é reavaliada a cada seis meses, os processos de melhoria do produto são constantes. Normas técnicas e selo de qualidade 24

26 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 6. PROJEO E DIMENSIONMENO DE PVIMENO Projeto e dimensionamento de pavimento 6 Capítulo O pavimento intertravado de concreto tem inúmeras vantagens em relação aos demais tipos de pavimentação. Contudo, a camada de rolamento composta por peças de concreto não atua sozinha, por isso, é de fundamental importância dimensionar corretamente as camadas que suportarão as cargas provenientes do tráfego, para se obter um pavimento adequado ao uso final. Para se dimensionar um pavimento são necessários alguns dados de projeto, tais como:! Índice de Suporte Califórnia (CBR): determina a capacidade de suporte do solo;! Cargas: tipo de carga que atuará no pavimento (móvel ou estática), a magnitude ou quantidade, a freqüência e a configuração;! Período de Projeto a ser adotado (anos). Com base nesses dados, emprega-se um dos métodos citados abaixo para o dimensionamento:! PC - Portland Cement ssociation (EU), empregado para tráfego de veículos de linha e especiais;! CC - Concrete and Cement ssociation (Inglaterra), empregado para tráfego de veículos de linha;! CC - Concrete and Cement ssociation (Inglaterra), empregado para tráfego de veículos de linha;! ICPI - Interiock Concrete Pavement Institute (EU), empregado para tráfego de veículos de linha. No dimensionamento ficam determinados as espessuras e os materiais a serem utilizados nas camadas de subleito, sub-base e base do pavimento. Determina-se também a espessura da peça de concreto a ser usada na camada de rolamento. Consequentemente, a seção típica do pavimento fica definida, conforme exemplo a seguir: 25

27 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Projeto e dimensionamento de pavimento Figura 2-Seção ransversal ípica da Estrutura Final do Pavimento Intertravado 6.1 Subleito: compreende a espessura final de terraplenagem ou solo natural sobre a qual será executado o pavimento. Ela deverá suportar as cargas das camadas posteriores, estar limpa, regularizada e compactada na cota de projeto, antes da execução da sub-base. s áreas de solo instável, (borrachudos), são inadequados, devendo ser corrigidos com utilização de materiais estáveis e, eventualmente, execução de drenagem. O CBR do material, na energia normal de compactação, é um parâmetro fundamental para que possamos avaliar a capacidade de suporte do subleito; 6.2 Sub-base: é a primeira camada do pavimento, dependendo do projeto, esta camada poderá ser dispensável. cota final dessa camada não deve variar mais do que 2,0cm em relação ao que foi especificado no projeto. Os tipos mais comuns são as granulares, solo escolhido ou solo brita, por exemplo, ou tratadas, tais como o solo melhorado com cimento. Para as granulares, o CBR mínimo deve ser de 20% e para tratadas, o CBR mínimo deve ser de 30%. 6.3 Base: quando necessária, a base pode ser construída de material granular, sem aderência ou material estabilizado com cimento. sua espessura mínima é de 10 cm. Essa camada deve apresentar um perfil semelhante ao da superfície final do pavimento, não devendo ter variações superiores a 2,0cm, em relação às cotas de projeto e prevendo inclinações de 2% a 3% no pavimento, para que se permita a drenagem de águas pluviais; 26

28 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Projeto e dimensionamento de pavimento 6.4 Camada de ssentamento: constitui uma camada de areia com espessura entre 3,0 a 5,0cm, que deve estar perfeitamente nivelada e não compactada, levando em considerações as inclinações quando o projeto assim determinar. Recomenda-se a utilização de uma areia limpa, sem finos plásticos, material orgânico ou argila. Sua granulometria é sugerida a seguir: 3/8 in 9,5 mm Nº 4 4,75 mm Nº 8 2,38 mm Nº 16 1,18 mm Nº 30 0,60 mm Nº 50 0,30 mm Nº 100 0,15 mm Nº 200 0,075 mm abela 01 - Granulometria sugerida para areia de assentamento 6.5 Camada de Rolamento: composta por piso intertravado de concreto com espessura definida, de acordo com o tipo de tráfego que será empregado. Essa camada é responsável pela solicitação direta das cargas verticais do tráfego, distribuindo, assim, com maior ou menor intensidade as cargas horizontais (efeito do intertravamento), devendo transferir o mínimo possível de carga vertical para as camadas subjacentes. Devem ser considerados também os esforços de torção que o tráfego exerce sobre o pavimento. Podemos ver a seguir fotos que ilustram os esforços que atuam no pavimento e cargas verticais exercidas por uma empilhadeira de, aproximadamente, 6,5ton. Este esforço está distribuído horizontalmente no piso que, pelo efeito de intertravamento, suporta muito bem. Note que sob o piso foram removidas as camadas de assentamento e de base: ipo de ráfego ráfego leve (automóveis) ráfego comercial (ônibus, caminhões, automóveis, etc) ráfego pesado (portos, aeroportos, etc) abela 2-ipo de ráfego x Espessura do Piso 27

29 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Projeto e dimensionamento de pavimento Foto 27 : Esforços verticais, horizontais e de torção que podem atuar no pavimento. Fotos 28: Carga vertical distribuída horizontalmente no piso. Fotos 29: Carga vertical distribuída horizontalmente no piso. 6.6 Camada de Rejuntamento: garante o funcionamento mecânico do pavimento, influenciando o intertravamento e reduzindo a percolação de água entre as peças. Devem ser utilizados uma areia fina ou pó de pedra, desde que os mesmos estejam limpos e secos. granulometria sugerida segue conforme BEL 3 a seguir: Nº 16 1,18 mm Nº 200 0,075 mm abela 3-Granulometria Sugerida para reia de Rejuntamento 28

30 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 6.7 ContenÁ o Lateral: é composta de elementos de contenção como os meios-fios (ou guias). É indispensável, pois garante o confinamento das peças, evitando que o tráfego solte e separe as peças entre si, perdendo a condição de intertravamento. O travamento lateral n o garante o alinhamento. Projeto e dimensionamento de pavimento 29

31

32 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto 7. CONSRUÇÃO DO PVIMENO Construção do pavimento 7 Capítulo s etapas de construção dos Pavimentos Intertravados obedecem à seguinte ordem: subleito, sub-base, base, confinamentos externo e interno, camada de assentamento e camada de revestimento. seguir, podemos ver uma ilustração esquematizada do processo construtivo: Figura 3-Procedimento Construtivo do Pavimento seguir serão descritos os aspectos construtivos e algumas especificações para o controle da execução do pavimento: 7.1 Subleito inspeção da área é o primeiro passo para a construção do pavimento. O subleito poderá ser constituído pelo terreno natural ou ser formado por um pavimento já existente, ficando o pavimento em ambos os casos na cota determinada pelo projeto. execução do subleito deve ser iniciada com a topografia que determinará a necessidade de se executar cortes ou aterros, além de indicar as inclinaáıes que serão adotadas. Em seguida, deverão ser retirados os objetos estranhos à construção da via, exceto pavimentos antigos que sejam utilizados como fundação do novo. Deve-se retirar toda camada superficial vegetal e o material de natureza orgânica. Verifica-se também, se a área permanece úmida ou se há risco de alagamento no período de inverno. Em locais com essas características pode ser necessário construir camadas de drenagem que 31

33 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Construção do pavimento permitam o escoamento da água. 7.2 Sub-base e Base Uma vez executado o subleito, construímos as camadas de sub-base (se especificada no projeto) e a base. O tipo de material que irá constituí-las deverá ser indicado pelo projetista, para que após a compactação final, a respectiva camada atinja a capacidade de suporte (CBR) desejada. espessura da sub-camada que constitui a sub-base e a base é determinada em função do material que compõe cada camada e do equipamento que deverá compactá-la. nova sub-camada só deverá ser executada quando a anterior estiver completamente compactada, atingindo o índice de suporte desejado. Fotos 30 e 31-Construção da Camada de Sub-base e Base 7.3 Confinamentos Externo e Interno Os confinamentos externos (passeio, sarjeta ou contenção lateral) e internos (bocas-de-lobo, jardineiras, poços de visita etc.) devem ser construídos antes do espalhamento do colchão de areia de assentamento do pavimento. Eles devem ser todos alinhados e nivelados, e, no caso da contenção lateral (meio-fio de concreto), fixado na camada de base. Deve-se fazer o controle de cotas, durante a execução, de modo que, após o assentamento das peças, esses componentes atendam às cotas determinadas no projeto. 32

34 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Construção do pavimento Fotos 32 e 33-linhamento e Nivelamento do Meio-Fio Foto 34-Exemplo de Confinamento Externo e Interno 7.4 Camada de ssentamento camada de assentamento só deverá ser executada quando estiverem prontas as camadas subjacentes, os sistemas de drenagem, instalações elétricas e de lógica, instalações hidráulicas e sanitárias e os confinamentos externos e internos. camada de areia deve ser espalhada e rasada em um movimento único de uma régua. Nunca no sentido de vai-vem. É importante se controlar as cotas das guias que garantem a espessura uniforme da camada (em torno de 3cm a 5cm) e o espaço para as peças até a cota final do pavimento. areia deve ser média ou grossa, limpa e com a umidade natural. 33

35 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto pós o nivelamento da camada, a área deve ser isolada para evitar qualquer irregularidade do colchão causada por qualquer tipo de tráfego, pois caso isso ocorra, poderá refletir na camada de rolamento final. Não é recomendável nivelar grandes extensões de areia a frente da linha de assentamento das peças, pois com isso minimizamos os riscos de variações na camada. lém de se evitar perder o trabalho, no caso de uma forte chuva. Construção do pavimento Foto 35-Nivelamento da Camada de ssentamento Foto 36-Controle das Cotas 7.5 Camada de Revestimento O piso intertravado, quanto ao tipo e a forma de assentamento, admite diversos arranjos, como podemos ver a seguir: Foto 37-Espinha de Peixe 90º Foto 38-Espinha de Peixe 45º Foto 39-rama 34

36 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Construção do pavimento Foto 40-Fileira Foto-41-Formas rquitetônicas pós a escolha do tipo e formato do piso que deve ser assentado e a camada de assentamento pronta, o próximo passo é a colocação das peças que formarão a camada de rolamento. Convém salientar que quando houver tráfego de veículo no pavimento, não devem existir juntas contínuas que fiquem paralelas ao sentido do tráfego. Estudos revelam que no caso do piso retangular, o arranjo espinhade-peixe pode proporcionar um melhor desempenho do pavimento, pois com ele ocorrem menores deformações plásticas, sendo os mais aconselháveis quando houver tráfego de veículos ou cargas pesadas ssentamento das peças etapa de assentamento das peças é considerada a mais importante da construção do pavimento, pois ela é fundamental para a qualidade final do mesmo. equipe mínima de trabalho deverá ser constituída por três operários: um assentador, um auxiliar para transportar e outro para abastecer o assentador com as peças, trabalhando sempre com proteção adequada e no esquema de rodízio para não sobrecarregar a capacidade física do assentador. Os operários devem trabalhar sempre sobre o piso já assentado, por onde será feito também o abastecimento das peças. Foto 42-ssentamento do Piso 35

37 Manual écnico de Piso Intertravado de Concreto Construção do pavimento o iniciar a colocação das peças, deve-se ter o cuidado com o ângulo correto, e sempre iniciar por pontos de referíncias, onde os apoios são bem definidos, como por exemplo, o meio-fio. s peças devem ser posicionadas firmemente, lado a lado, encaixando-se com cuidado, não afetando o colchão de areia. Se ocorrer o surgimento de fendas, as peças devem ser batidas com martelo de borracha, tendo sempre em vista um melhor ajuste. s juntas entre as peças devem variar de 2 a 3 mm. É importante manter sob controle o posicionamento e o alinhamento das peças, utilizando-se, para isso, linhas longitudinais e transversais fixadas e esticadas a cada 5 m. Os ângulos retos devem ser conferidos através do triângulo retângulo ou gabaritos de madeira. Foto 43-linhamento das Peças Foto 44-Guilhotina Hidráulica Foto 45-Serra Circular 36

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

Situação errada: piso escorregadio

Situação errada: piso escorregadio A calçada deve ser construída a partir do meio-fio (guia) de concreto pré-moldado instalado pela Prefeitura ou pelo loteador, que faz parte do acabamento com 15cm de altura entre o passeio e a rua. Os

Leia mais

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto

Pavimentação Intertravada de Blocos de Concreto Pavimentação Intertravada de Blocos de Recomendações Gerais Est. Mun. Eduardo Duarte, 1100 - Esq. RST 287. Santa Maria - RS Fone: (55) 3221 2000 e-mail : prontomix@prontomix.com.br Conceitos Gerais O que

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE Associação de Ensino Superior Unificado do Centro Leste ESTUDO COMPARATIVO ENTRE PAVIMENTO RÍGIDO R E FLEXÍVEL Msc. Flavia Regina Bianchi Engª.. Isis Raquel Tacla Brito Engª.. Veronica Amanda Brombley

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P11 BASE DE CONCRETO MAGRO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 3.1 CIMENTO... 3 3.2 AGREGADOS...

Leia mais

MANUAL DO FABRICANTE:

MANUAL DO FABRICANTE: MANUAL DO FABRICANTE: ALVENARIA ESTRUTURAL Características e especificações, instruções de transporte, estocagem e utilização. GESTOR: Engenheiro civil EVERTON ROBSON DOS SANTOS LISTA DE TABELAS Tabela

Leia mais

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES

CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES OBRA: ESTACIONAMENTOS DO COMPLEXO MULTIEVENTOS E CAMPUS DE JUAZEIRO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES 1/5 PISOS EXTERNOS Pavimentação em Piso Intertravado de Concreto Conforme delimitado

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA

CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Prof.: Mayara Moraes CIMENTO PORTLAND: NOMENCLATURA TIPO CP XXX RR Cimento Portland Composição Classe - Resistência aos 28 dias(mpa) SIGLA Ex.:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P10 BASE DE SOLO CIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...4 2. DESCRIÇÃO...4 3. MATERIAIS...5 3.1 CIMENTO...5 3.2 SOLO...5 3.3 ÁGUA...6

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

Concreto Convencional

Concreto Convencional TIPOS DE CONCRETO Concreto Convencional Pode-se dizer que o Concreto Convencional é aquele sem qualquer característica especial e que é utilizado no dia a dia da construção civil. Seu abatimento (Slump)

Leia mais

BRICKA Manual de Pavimentação

BRICKA Manual de Pavimentação Indice A MELHOR OPÇÃO EM PISOS DE CONCRETO...1 PAVER: O PISO DE CONCRETO VERSÁTIL E ECONÔMICO...2 Peças são reaproveitáveis e reduzem custos de iluminação...2 PAVIMENTAÇÃO GANHA ESTILO NA FUNÇÃO DECORATIVA...3

Leia mais

Definição. laje. pilar. viga

Definição. laje. pilar. viga Definição É a rocha artificial obtida a partir da mistura, e posterior endurecimento, de um aglomerante (normalmente cimento portland), água, agregado miúdo (areia quartzoza), agregado graúdo (brita),

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES

MEMORIAL DESCRITIVO DISTRITO DE CELINA/ALEGRE ES MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (PRINCIPAL) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA ANDRÉ MORELLI (CONTINUAÇÃO) PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DA RUA PAULO AMITH PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS...

PAVIMENTAÇÃO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PADRONIZADOS... 1/25 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 11 RETIRADA DE PAVIMENTOS, GUIAS E SARJETAS... 2 12 EXECUÇÃO DE PAVIMENTOS, GUIAS E SARJETAS... 3 13 RECOMPOSIÇÃO DE

Leia mais

PISOS EM CONCRETO ARMADO

PISOS EM CONCRETO ARMADO PISOS EM CONCRETO ARMADO CONCEITOS BÁSICOS Pisos armados são estruturas constituídas por placas de concreto, armadura em telas soldadas posicionada a 1/3 da face superior, por juntas com barras de transferência,

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO LOCAL: EM PARTE DA RUA RIBEIRÃO SÃO PAULO CONTEÚDO:

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO

CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO CONTROLE TECNOLÓGICO DE PAVIMENTOS DE CONCRETO TECNOLOGIA DO CONCRETO CR - CONCRETO ROLADO CS - CONCRETO SIMPLES CONCRETO ROLADO CONCEITUAÇÃO Concreto de consistência seca e trabalhabilidade que permita

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BASE DE SOLO-CIMENTO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de base de solo-cimento,

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO MACADAME SECO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de macadame seco em camadas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO MEIO-FIO PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO

BOLETIM TÉCNICO MEIO-FIO PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO BOLETIM TÉCNICO MEIO-FIO PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO BT-82 Associação Brasileira de Cimento Portland MEIO-FIO PRÉ-MOLDADO DE CONCRETO São Paulo abril de 1997 (mudanças no aspecto gráfico) 1 a edição - 1980

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA estado do rio grande do sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO INHACORÁ MEMORIAL DESCRITIVO OBRA CALÇAMENTO - PAVIMENTAÇÃO COM PEDRAS IRREGULARES NO PERIMETRO URBANO DE SÃO JOSE DO INHACORA COORDENADAS:

Leia mais

Campo Bom/RS - praça Irmão Weter Cortesia Enfoque

Campo Bom/RS - praça Irmão Weter Cortesia Enfoque Campo Bom/RS - praça Irmão Weter Cortesia Enfoque Fevereiro 2010 Manual de Pavimento Intertravado: Passeio Público COPYRIGHT Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) Todos os direitos de reprodução

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO CÂMPUS RESTINGA

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO CÂMPUS RESTINGA MEC/SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E DE PLANEJAMENTO DPO - REITORIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PAVIMENTAÇÃO E DRENAGEM DO ESTACIONAMENTO

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos

Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos materiais pétreos. Fabricação de blocos cerâmicos. Classificação dos produtos cerâmicos Classificação dos materiais pétreos Fabricação de blocos cerâmicos Pedras naturais: encontradas in natura, usadas normalmente após beneficiamento. Ex.: agregados, placas de rocha para revestimento. Pedras

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P23-REPARAÇÃO DE PAVIMENTOS DANIFICADOS POR ABERTURA DE VALAS DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

Diretrizes para a construção de ciclovias. Arq. Cristiane Bastos

Diretrizes para a construção de ciclovias. Arq. Cristiane Bastos Diretrizes para a construção de ciclovias Arq. Cristiane Bastos Contextualização Planejamento da rede Projeto básico Projeto executivo Execução CONTEXTUALIZAÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO POLÍTICA NAC.DE MOBILIDADE

Leia mais

ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland

ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland Manual de placas de concreto: Passeio público. COPYRIGHT Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP) Todos os direitos de reprodução ou tradução reservados

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Manual Soluções Pisos

Manual Soluções Pisos Manual Soluções Pisos Soluções Pisos A ArcelorMittal dispõe da maior variedade de produtos para o desenvolvimento de soluções inovadoras para pisos de concreto, atendendo às mais variadas obras. A diversidade

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS

PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA: UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PARA FABRICAÇÃO E ASSENTAMENTO DE PAVERS XV INIC / X EPG - UNIVAP 2011 Emerson Carlos Miranda Cavalcanti1, Rogério Penna Forte

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 2)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 2) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 2) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Memorial de Especificações de Materiais e Execução

Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 1 Memorial de Especificações de Materiais e Execução Pág. 2 Índice 1 Estrutura... 3 Tabela 01 Tolerâncias dimensionais para seções transversais de elementos lineares e para espessura de elementos

Leia mais

Conceitos de Projeto e Execução

Conceitos de Projeto e Execução Pisos Industriais: Conceitos de Projeto e Execução Públio Penna Firme Rodrigues A Importância do Pavimento Industrial Conceituação Piso - Pavimento Quanto à fundação Fundação direta (sobre solo ou isolamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROPONENTE: PREFEITURA PALMITINHO

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROPONENTE: PREFEITURA PALMITINHO OBRA: PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA PROPONENTE: PREFEITURA PALMITINHO MEMORIAL DESCRITIVO 1.0-OBJETO: O presente memorial tem por finalidade descrever as obras e serviços necessários para execução de Pavimentação

Leia mais

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO:

MAXIJUNTA - 3 EM 1 PRODUTO: INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível de alta adesividade para áreas internas e externas. Assenta e rejunta pastilhas de porcelana e cerâmica até 7,5 x 7,5 cm,

Leia mais

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos

Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto. Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Curso de Tecnologia de Pavimentos de Concreto Módulo 2 Projeto e Dimensionamento dos Pavimentos Fundamento da mecânica dos pavimentos e da ciência dos pavimentos rígidos Projetar uma estrutura que dê conforto,

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA

MAXIJUNTA - PASTILHAS DE PORCELANA INDICAÇÕES: Argamassa colante de assentamento e rejuntamento simultâneo flexível, de alta adesividade, para áreas internas e externas. O Maxijunta Pastilhas de Porcelana é indicado principalmente para

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas.

O presente memorial descritivo tem por finalidade descrever os serviços que compõe a obra de Capeamento Asfáltico nas vias acima descritas. MEMORIAL DESCRITIVO CAPEAMENTO ASFÁLTICO SOBRE PEDRAS IRREGULARES Proprietário: MUNICÍPIO DE ITATIBA DO SUL Local: - Rua Argentina = 5.910,43 m²; - Rua Estados Unidos = 1.528,98 m². Total = 7.439,41 m²

Leia mais

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1

CONSTRUÇÕES RURAIS: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO. Vandoir Holtz 1 Vandoir Holtz 1 ARGAMASSA Classificação das argamassas: Segundo o emprego: Argamassas para assentamento de alvenarias. Argamassas para revestimentos; Argamassas para pisos; Argamassas para injeções. DOSAGEM

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Assunto: Tecnologia de Concreto e Argamassas Prof. Ederaldo Azevedo Aula 8 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br 8. Tecnologia do Concreto e Argamassas 8.1. Concreto: 8.1. Concreto: Concreto é a mistura

Leia mais

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas

Por que pavimentar? 1. IMPORTÂNCIA PARA ECONOMIA MUNDIAL. 1. Importância para Economia Mundial (cont.) Extensão de vias pavimentadas INTRODUÇÃO AO DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Por que pavimentar? Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia

Leia mais

VOLUME 9 METODOLOGIAS CONSTRUTIVAS DE PAVIMENTAÇÃO

VOLUME 9 METODOLOGIAS CONSTRUTIVAS DE PAVIMENTAÇÃO VOLUME 9 1 INTRODUÇÃO A execução de obras e serviços de pavimentação no meio urbano requer um planejamento específico, com a utilização de métodos adequados e dominados pelas empresas executoras. A utilização

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Período: 2º semestre de 2014 Docente: Priscila Borges Alves Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo Prontuário: 20.006-2 Regime de trabalho: [ X ] RDE [ ] 40h [ ] 20h Área: [ ]

Leia mais

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST.

Concreto Definições. Concreto Durabilidade. Concreto Definições. Concreto Definições. Produção do concreto ANGELO JUST. UNICAP Curso de Arquitetura e Urbanismo EXECUÇÃO DE ESTRUTURAS DE CONCRETO: Mistura, transporte, lançamento, adensamento e cura. MATERIAIS E TECNOLOGIA CONSTRUTIVA 1 Prof. Angelo Just da Costa e Silva

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland

MATERIAIS DE CONSTRUÇAO. DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland MATERIAIS DE CONSTRUÇAO DECIV EM UFOP Aglomerantes Cimento Portland Cimento Portland Cimento Portland 3 Cimento Portland Aglomerante hidráulico produzido a partir da moagem do clínquer constituído por

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

3 Programa Experimental

3 Programa Experimental 3 Programa Experimental 3.1.Planejamento dos experimentos Com o objetivo de quantificar a diferença entre as resistências à compressão de corpos-de-prova moldados e de testemunhos extraídos, e de verificar

Leia mais

PAÇO MUNICIPAL PROF. MIGUEL REALE

PAÇO MUNICIPAL PROF. MIGUEL REALE ANEXO V MEMORIAL DESCRITIVO INFRA ESTRUTURA TURÍSTICA NO BAIRRO SERRANO SÃO BENTO DO SAPUCAÍ -SP 1 ÍNDICE 1. GENERALIDADES 2. PREPARAÇÃO DO TERRENO 3. TUBULAÇÕES DE AGUAS PLUVIAIS 4. PISO E PAVIMENTAÇÃO

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA

CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAPIRANGA OBRA: ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PARA ESGOTO - ELEVADO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. CIVIL MICHAEL MALLMANN MUNICÍPIO: ITAPIRANGA - SC 1 INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS Deve ser

Leia mais

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO

CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO CONCRETO PROJETADO PARA RECUPERAÇÃO DE ESTRUTURAS ANÁLISE DAS RESISTÊNCIAS À COMPRESSÃO E ADERÊNCIA À TRAÇÃO Marcos ANJOS (1); Walney SILVA (2); Alexandre PEREIRA (3); Hoffman RODRIGUES (4); Valtencir

Leia mais

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas submetidas a tráfego leve e médio no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO

Leia mais

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO

CONCRETO Componentes AGLOMERANTES. AGLOMERANTES Classificação. AGLOMERANTES Requisitos importantes. AGLOMERANTES Propriedades fundamentais CIMENTO CONCRETO Componentes Fase contínua Pasta de cimento endurecida Zona de transição Interface entre a pasta e o agregado Fase descontínua Agregados Componente cuja principal característica é endurecer quando

Leia mais

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO

CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO CONCRETO DO PREPARO À CURA CONTROLE TECNOLÓGICO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I PREPARO, RECEBIMENTO, LANÇAMENTO E CURA DO CONCRETO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO Maressa Soares de Sousa (1) Mestranda em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo IFCE.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO E ENDURECIDO MCC2001 AULA 2 e 3 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica

MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica PREFEITURA MUNICIPAL DE GALVÃO ESTADO DE SANTA CATARINA MEMORIAL DESCRITIVO Pavimentação Asfáltica Rua Manoel Lustosa Martins Julho 2015 MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Execução de pavimentação asfáltica sobre

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA

DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA DOSAGEM DE CONCRETO AUTO- ADENSÁVEL PARA APLICAÇÃO EM PAREDES DE CONCRETO MOLDADAS NA OBRA Alessandra L. de Castro; Rafael F. C. dos Santos; Givani Soares de Araújo 54º Congresso Brasileiro do Concreto

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS

PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS PROJETO TÉCNICO: CICLOVIAS FICHA TÉCNICA DE SISTEMATIZAÇÃO DO PROJETO REALIZAÇÃO: ABCP Associação Brasileira de Cimento Portland Programa Soluções para Cidades COORDENAÇÃO GERAL: Érika Mota EQUIPE: Fernando

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2. Apoio às aulas práticas MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Apoio às aulas práticas Joana de Sousa Coutinho FEUP 2002 MC2 0 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 2 Calda de cimento Argamassa Betão Cimento+água (+adjuvantes) Areia+ Cimento+água (+adjuvantes)

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08

PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 ESPECIFICAÇÃO E PROCEDIMENTOS REV. 0 JUL. 08 PMSP SMSP CALÇADAS DA AVENIDA PAULISTA 1 / 7 1. OBJETIVO: O objetivo deste documento é definir técnicas e procedimentos para intervenções e reparos sobre pisos de concreto moldado in loco, em conformidade

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 04. FUNDAÇÃO Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP FUNDAÇÃO 1. TIPO DE SOLO A primeira parte da casa a ser construída são suas fundações, que

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Valmir Bonfim Diretor Técnico do Grupo ANE Fresagem de pavimentos Microfresagem para

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland, compactada com rolo (sub-base de concreto rolado)

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland, compactada com rolo (sub-base de concreto rolado) MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR MEMORIAL DESCRITIVO MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR Local: Diversas Ruas Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade expor de maneira detalhada

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: pavimentação asfáltica Município: QUINZE DE NOVEMBRO 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte

Leia mais

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...);

- Pisos e revestimentos Industriais (pinturas especiais, autonivelantes, uretânicas, vernizes...); A TECNIKA iniciou suas atividades em meados de 2003, impulsionada pela demanda do mercado, sempre preocupada em buscar e oferecer soluções técnicas inovadoras, tendo como focos principais as áreas de impermeabilização

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais