Exercícios de Fixação TCP/IP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exercícios de Fixação TCP/IP"

Transcrição

1 Capítulo 2 Endereço de Rede Exercícios de Fixação TCP/IP a) (V) Os pacotes IP são datagramas não-confiáveis b) (F) Os endereços do tipo 127.x.x.x são utilizados em redes do tipo Intranet c) (F) Os endereços do tipo 10.x.x.x são endereços de Loopback d) (V) Um roteador tem pelo menos 2 endereços IP e) (V) De acordo com o padrão Internet, uma rede de endereços classe C, com máscara não possui nenhuma máquina f) (F) Para um endereço classe C, utilizando-se uma máscara com 4 bits no quarto octeto podemos ter 224 máquinas g) (F) Cada vez que o pacote IP passe em um roteador, o campo TTL é decrementado em 2 (um para cada porta) h) (V) Se o campo TTL do pacote IP ficar igual a 0 o pacote é descartado i) (V) O campo de check-sum serve para validar se o pacote esta correto ou não j) (V) É possível dizer explicitamente no pacote IP qual rota ele deve seguir, independente das informações de roteamento k) (F) Não é possível saber todo o caminho que um pacote passou da estação origem até a estação destino 2) Relacione a Primeira coluna com a Segunda: Coluna 1 Coluna 2 1 Classe A (0 à 126) 3 Utiliza no mínimo três octetos para identificar a rede 2 Classe B (128 à 191) 4 Endereço utilizado para mensagens multicasting e broadcasting 3 Classe C (192 à 223) 2 Utiliza no mínimo dois octetos para identificar a rede 4 Classe D (224 à 239) 5 Reservado para aplicações futuras 5 Classe E (240 à 247) 1 Utiliza no mínimo um octeto para identificar a rede Capítulo 3 Mapeamento de endereço do nível de rede em endereço do nível físico a) (F) O protocolo RARP converte um endereço IP em um endereço físico b) (F) O protocolo ARP converte um endereço físico em um endereço IP c) (V) Tanto o ARP quanto o RARP armazenam uma tabela, em cache, com o endereço IP e físico por um determinado período d) (V) O RARP é utilizado principalmente para estações diskless quando dão boot remoto e) (V) O pacote ARP/RARP possui as mensagens ARP request e response e RARP request e response f) (F) Todo pacote em uma rede X.25 é fragmentado

2 2) Quando um gateway possui um endereço IP de destino e necessita do endereço físico desta máquina, ele deve preencher o pacote ARP com quais campos: a) Endereço IP de destino e Endereço físico do remetente b) Endereço físico do remetente e endereço IP do remetente c) Endereço IP de destino, endereço físico e IP do remetente d) Nenhuma das resposta anteriores Resposta: Letra C 3) A respeito de fragmentação podemos afirmar que a) A fragmentação sempre ocorre porque os arquivos são grandes b) Um pacote é sempre fragmentado em uma rede Ethernet c) Pacotes só são fragmentados se a área de dados da próxima rede for menor do que a área de dados da rede atual. d) Pode acontecer a fragmentação de um pacote já fragmentado Resposta: Letra c e d Capítulo 4 - ICMP 1) Falso ou Verdadeiro a) (F) O ICMP é uma aplicação do modelo Internet b) (V) O ICMP permite que gateways intermediários reportem erros à origem c) (F) Após receber uma mensagem de falha na linha de comunicação por exemplo o ICMP toma a decisão de redirecionar os pacotes por um outro caminho d) (V) É o ICMP que reporta a origem se o campo TTL do pacote IP zerou e) (V) O PING é um programa que utiliza o formato de pacotes ICMP para verificar se uma máquina destino esta desconectada da rede e verificar se gateways estão congestionados f) (V) Uma mensagem ICMP do tipo Echo Reply é enviada somente a uma solicitação do tipo Echo Request. g) (F) Em uma mesma mensagem ICMP é possível receber se uma máquina esta inacessível e ainda se a rota esta congestionada h) (F) Quando o ICMP detecta que uma rota não esta otimiza ele troca para uma rota mais automatiza i) (F) Só as mensagens padrão são tratadas pelo ICMP, outros problemas são reportados à camadas superiores j) (V) É possível sincronizar relógios e fazer estimativa de tempo utilizando o ICMP 2) A respeito do campo TTL podemos afirmar que: a) É um campo que marca a hora que o pacote saiu da estação de origem b) Foi extinto por causa dos pacotes ICMP c) Seu valor é sempre zero d) É decrementado ao passar por um gateway Resposta: Letra d

3 3) A respeito do ICMP pode-se afirmar que: a) As mensagens ICMP podem se perder no meio do caminho b) É um protocolo de gerenciamento da rede c) Aumenta o tráfego na rede por ser um protocolo que trabalha com o TCP d) O ICMP só tem sentido graças ao PING Resposta: Letra a Capítulo 5 - Transporte a) (F) A arquitetura Internet prevê dois protocolos no nível de transporte. O TCP e o UDP, ambos garantem a entrega de dados ao destino. b) (V) O UDP é mais rápido que o TCP por não prover garantia de entrega dos pacotes ao desitno c) (F) Em transações de comércio eletrônico é utilizado o UDP pela garantia e velocidade que ele provê d) (V) Em um ambiente cliente-servidor cada aplicação precisa de uma versão servidor e outra versão cliente e) (V) Cada aplicação servidora na Internet usa uma porta para as aplicações cliente se comunicarem com ela f) (F) O número da porta do servidor tem que ser igual ao do cliente para eles estabelecerem uma conexão g) (F) O número de porta só é necessário com o protocolo TCP, já que o UDP não tem garantia de entrega de pacotes h) (V) É possível colocar a aplicação de WWW na porta 3456 (Lembre-se que pelo padrão a aplicação WWW é na porta 80). i) (V) Para uma aplicação cliente se conectar a uma aplicação servidora ela precisa fornecer o número IP da máquina destino e a porta da máquina destino j) (F) A transferência de dados no TCP é sempre feita no modo simplex k) (F) No UDP, antes de enviar algum dado é preciso estabelecer uma conexão l) (V) O TCP faz controle de fluxo e de erros m) (F) No pacote TCP não é preciso necessariamente informar o número da porta de origem n) (F) No pacote UDP não é preciso informar o número da porta de origem o) (V) Mesmo o UDP não garantindo a entrega de dados ele possui no seu pacote um campo de Checksum 2) O servidor de WWW foi configurado para rodar na porta 23, isto significa dizer que: ( ) Esta porta passará a receber conexões para WWW e Telnet ( X ) O servidor de Telnet deverá ser configurado para outra porta, pois esta está sendo usada pelo WWW ( ) O servidor de WWW não poderá ser configurado para esta porta, pois esta é a porta do Telnet ( X ) É impossível configurar estes parâmetros pois a porta WWW é uma porta padrão e nunca poderá ser mudada para outra, somente se o IETF permitir

4 3) Sobre o TCP e o UDP podemos afirmar que: ( ) Ambos são protocolos de transporte do modulo OSI ( ) O TCP é muito mais eficiente (rápido) do que o UDP por garantir que o dado chegará ao destino corretamente ( ) Não existe nenhuma aplicação prática para o UDP, devendo todos os pacotes UDP serem encapsulados em pacotes TCP ( X ) É preciso estabelecer uma conexão quando se usa o TCP, já no UDP isto não é necessário Capítulo 6 - Roteamento a) (V) O roteamento baseia-se no campo de IP destino do protocolo IP b) (V) O roteamento direto é utilizado quando as máquinas envolvidas encontram-se na mesma rede c) (F) No roteamento direto utiliza-se o RARP para encontrar o endereço físico da outra máquina d) (V) O roteamento indireto é utilizado quando as máquinas envolvidas encontram-se em redes diferentes e) (F) No roteamento indireto utiliza-se o ARP para encontrar o endereço físico da máquina destino f) (F) Em uma rede com roteamento direto é necessário o uso de um gateway g) (V) Para que uma mensagem seja enviada de uma rede para outra ela necessariamente precisará do roteamento indireto e do roteamento direto h) (V) Um gateway é sempre necessário para se conectar duas redes i) (F) É de responsabilidade do gateway conectado à máquina de origem entregar o pacote IP à máquina destino mesmo que ele tenha que passar por diversas outras redes j) (V) Quando um pacote chegar a uma rede vindo de roteamento indireto ele será tratado como um roteamento direto k) (F) A tabela de roteamento tem que guardar todo o caminho para qualquer rede l) (F) Os provedores da Internet possuem um banco de dados enorme para guardar todas as informações de roteamento para qualquer endereço na Internet m) (F) O tamanho da tabela de roteamento é proporcional à quantidade de gateways ligados à rede n) (F) As tabelas de roteamento tem que ser alteradas diariamente ou no máximo semanalmente. Isto justifica o trabalho do analista de redes 2) A melhor resposta sobre o que é um gateway é: ( ) É um equipamento que serve para interconectar redes do mesmo tipo (Ethernet e Ethernet por exemplo) ( ) É um equipamento que serve para interconectar redes de tipos diferentes (Ethernet e FDDI) por exemplo) ( ) É um equipamento que serve para interconectar redes independente do seu tipo (X ) É um equipamento que serve para interconectar redes independente do seu tipo através do protocolo TCP/IP

5 ( ) É um equipamento que serve para interconectar redes independente do seu tipo através do protocolo TCP/IP e que estejam ligadas à Internet 3) Quais devem ser os passos para se encaminhar um pacote de uma máquina 1 (M1) da Rede 1 para uma máquina 2 (M2) da Rede 2 interconectados por um gateway G1 nos seguintes casos: 3.1) O pacote sai de M1 para M2 pela primeira vez ( ) ARP Gateway Default, Envia dados para Gateway Default, RARP Gateway Default para Rede 2 ( ) M1 envia para Gateway Default, Gateway Default para M2 (X ) ARP Gateway Default, Envia dados para Gateway Default, ARP Gateway Default para Rede 2 ( ) RARP Gateway Default, Envia dados para Gateway Default, RARP Gateway Default para Rede 2 3.2) O pacote sai de M1 para M2 pela segunda vez ( ) ARP Gateway Default, Envia dados para Gateway Default, RARP Gateway Default para Rede 2 (X ) M1 envia para Gateway Default, Gateway Default para M2 ( ) ARP Gateway Default, Envia dados para Gateway Default, ARP Gateway Default para Rede 2 ( ) RARP Gateway Default, Envia dados para Gateway Default, RARP Gateway Default para Rede 2 Capítulo 7 IGP a) (F) A responsabilidade de um protocolo do tipo EGP é controlar o roteamento dentro de um sistema autônomo b) (F) Os protocolos do tipo IGP são utilizados para interligar vários sistemas autônomos ao backbone c) (F) Todos sistemas autônomos tem que rodar o mesmo algoritmo de roteamento. d) (V) O IGP baseia-se em mensagens ICMP para manipular suas tabelas de rotas e) (F) O protocolo RIP usa a métrica de hop e não usa a técnica de Vector Distance f) (V) O número máximo de hops do RIP é de 16 g) (F) Por carregar informações importantes de roteamento o RIP utiliza o protocolo TCP h) (V) A convergência do RIP é extremamente lenta i) (F) No RIP, se um gateway esta ligado a duas redes, caso uma fique inoperante a outra é instantaneamente utilizada j) (F) A diferença básica entre o RIP e Hello é que o Hello utiliza a métrica de hops enquanto o RIP utiliza Vector Distance k) (F) O protocolo Hello é melhor que o OSPF por usar balanceamento de cargas

6 l) (F) O protocolo OSPF utiliza a métrica de delay e é bastante parecido com o RIP m) (V) O OSPF baseia-se no endereço IP de destino e no tipo de serviço para rotear um pacote n) (V) Em um sistema autônomo que utiliza OSPF todos os roteadores possuem um grafo de toda a topologia da rede. o) (V) Erros em interfaces são facilmente diagnosticados e informados com o OSPF p) (F) O OSPF não tem autenticação de roteador. Isto pode ser uma porta de entrada fácil para crackers (piratas de informação) q) (V) A troca de informações entre roteadores é bem pequena no OSPF r) (V) Cada interface de um roteador OSPF possui um valor associado para ser utilizado como métrica. s) (F) O IGRP é um protocolo aberto, padrão Internet t) (V) O IGRP utiliza também como parâmetro para roteamento a confiabilidade no caminho (menor taxa de erros) u) (V) O IGRP utiliza um vetor de métricas ao invés de uma métrica simples v) (V) O IGRP pode escolher vários caminhos para o roteamento dentro de uma faixa específica w) (F) O IGRP é descrito na RFC ) Sobre os protocolo de roteamento podemos afirmar que: ( ) O RIP é o único protocolo que possui autenticação ( ) O IGRP é um protocolo que a sua convergência é bastante lenta (X ) O OSPF basea-se no tipo de serviço para escolher as rotas ( ) O protocolo Hello utiliza balanceamento de cargas para escolher as suas rotas 3) Sobre rotas estáticas e dinâmicas podemos afirmar que: ( ) Rotas estáticas não são utilizadas porque a Internet esta crescendo todo dia (X ) Rotas estáticas são definidas manualmente já as rotas dinâmicas vão sendo traçadas em funções de parâmetros da rede naquele momento ( ) Rotas estáticas e dinâmicas são definidas manualmente ( ) Rotas dinâmicas só são utilizadas dentro de LANS por estas terem uma velocidade maior Capítulo 8 EGP a) (F) O protocolo IGP conecta dois sistemas autônomos rodando EGP b) (V) Gateways que usam EGP utilizam protocolos IGP para obter informações do sistema autônomo c) (V) O EGP faz constantes requisições aos vizinhos para ver se eles estão respondendo d) (V) Cada sistema autônomo possui um número que é informado nas mensagens de EGP e) (F) Mensagens EGP utilizam o protocolo TCP f) (V) Existe um campo de número de sequência no pacote EGP para fazer o sincronismo entre mensagens enviadas e recebidas

7 g) (V) Para que um gateway exterior obtenha informações sobre um vizinho interior este envia uma mensagem do tipo Neighbor Acquisition 2) Sobre o EGP podemos afirmar que ( ) É usado em LANs (X ) É utilizado em Backbones (X ) Mensagens EGP são enviadas utilizando o UDP ( ) EGP é um protocolo para interligar diferentes redes dentro da mesma empresa Capítulo 9 DNS a) (V) O Serviço de DNS associa um nome hierárquico com um número IP b) (F) A administração do DNS é feita por um único organismo denominado NIC (Network Information Center) c) (F) O serviço de DNS usa o protocolo TCP para converter um nome em um número IP d) (F) Toda máquina na Internet precisa Ter um nome hierárquico e) (V) Toda máquina na Internet precisa Ter um endereço IP f) (F) Toda máquina na Internet precisa Ter um endereço IP e um nome hierárquico g) (F) Os Estados Unidos não tem terminação no nomes hierárquicos, por exemplo US porque eles são melhores do que todo mundo h) (V) Os domínio do tipo nome-do-domínio.br são de instituições educacionais ou de pesquisa i) (V) O Nslookup é um programa que converte nomes hierárquicos em números IPs utilizando o serviço de DNS j) (F) Para se configurar o servidor de DNS para estações Windows 95/NT é necessário informar o nome hierárquico do servidor de DNS 2) O nome da minha empresa é XYZ Informática, situada na Avenida Paulista em São Paulo. Pergunta-se: (As perguntas abaixo podem Ter mais de uma resposta correta, uma única resposta correta ou nenhuma resposta correta) 2.1) Qual será o possível nome do meu domínio: a) ( ) b) (X ) XYZ.COM.BR c) ( ) XYZ.BR d) ( ) XYZ.INF.BR 2.2) Caso o nome que você queira já esteja sendo utilizado por outra empresa do Rio Grande do Sul, o que você faz? a) ( ) Processa a empresa afinal este é o nome da sua empresa registrado na Junta Comercial

8 b) ( ) Tenta uma solução amigável com a outra empresa, alternando os dias de utilização do domínio c) ( ) Isto nunca aconteceria porque o NIC é um órgão central e verifica todos os nomes nas Juntas Comerciais d) ( ) Cadastro o meu domínio normalmente, pois as empresas estão em estados diferentes 2.3) Após criar o domínio, você sente a necessidade de criar sub-domínios. O que você faz? a) ( ) Para cada novo sub-domínio eu tenho que pedir autorização ao meu provedor de acesso b) (X ) Eu crio os sub-domínios que eu quiser, afinal de contas quem é que manda neste domínio c) ( ) Preciso pedir autorização do NIC, afinal de contas ele é o órgão que administra todo o DNS mundial d) ( ) Eu procuro uma solução mais fácil do que a criação de sub-domínios porque os endereços IP estão acabando 3) Você é o Administrador de redes da empresa XYZ Informática. Você conhece cada máquina pelo nome e pelo número IP. Por você ser um excelente profissional a empresa te concede um cruzeiro ao Caribe com sua esposa (seria sua Segunda lua de mel). Devendo você na volta fazer uma palestra sobre DNS em Londres. No meio da viagem para o Caribe você resolve checar se o seu disquete com as apresentações estão corretos. Para sua infelicidade você descobre que os disquetes ficarão expostos ao sol e derreterão. Mas como você é uma pessoa prevenida deixou guardado uma cópia da apresentação no servidor da empresa. Quando você tenta se conectar ao site da empresa descobre que o serviço de DNS deles não esta funcionando, então o que você faz para pegar os seus arquivos? a) ( ) Interrompo a viagem, pego um avião de volta para o Brasil, copio a apresentação para três disquetes e vou para Londres fazer a minha apresentação b) ( ) Mando um para pedindo que me enviem os arquivos via sedex para Londres c) (X ) Curto o resto da viagem. Espero chegar em Londres, então vou tomar um café em um Internet Café (uma lanchonete que esta ligada à Internet) e pego os meus arquivos no servidor de FTP da empresa através do endereço IP que eu sei de cabeça. d) ( ) Coloco a culpa neste administrador de redes por não Ter configurado o serviço direito e passo o resto da viagem emburrado e) (X ) Envio um para um amigo meu e peço para que ele passe na empresa, pegue os arquivos e mande para o do comandante do navio. Depois eu pego, pois agora eu vou tomar um banho de piscina f) (X ) Faço uma conexão telnet com o servidor da empresa, através do número IP, concerto o serviço de DNS, era só uma linha que estava errada, depois me conecto através do FTP utilizando o nome hierárquico 4) A empresa Cute Models (domínio CUTE.COM) te contratou para ligar a rede deles à Internet, configurando o serviço de DNS para todas as máquinas. Mas como você é o Administrador de Redes júnior, nunca instalou o serviço de DNS em uma empresa, você

9 não sabe qual nome dar para as máquinas. Ao encontrar o seu amigo da empresa XYZ Informática ele te sugere escolher os nomes das máquinas que tenham alguma relação entre si, de um determinado conjunto. Ele te diz que na empresa onde ele trabalha o nome das máquinas são nomes de frutas. Daí você volta para a Cute Models e configura todas as máquinas com nomes de frutas. O que acontece? a) (X ) As máquinas vão funcionar perfeitamente, estão em domínios diferentes b) ( ) As máquinas podem não funcionar se as duas empresas escolherem a mesma fruta c) ( ) Vocês tem que estar sempre em contato para não usar o nome da mesma fruta, senão como que o NIC vai saber em qual rede esta máquina esta d) ( ) Os nomes hierárquicos vão ser iguais mais os endereços IPs são diferentes portanto não tem problema nenhum e) ( ) As duas empresas vão Ter que disputar na justiça quais nomes de frutas cada uma vai poder usar Capítulo 10 Aplicações a) (V) As aplicações padrão da Internet estão situadas entre as portas 1 à b) (V) As demais aplicações estão entre as portas à c) (F) A porta 23 do TCP impede que você tenha uma porta UDP com o mesmo número d) (F) O serviço de FTP é utilizado para acessar uma máquina remotamente executando qualquer programa nela e) (F) Para que uma máquina A conecte-se a uma máquina B através do telnet é preciso que a máquina B esteja rodando o serviço de WWW f) (V) Quando você conecta-se a uma máquina pelo telnet, você tem que utilizar os comandos daquele sistema operacional g) (F) Pelo telnet e o DNS estarem extremamente relacionados, você só pode acessar uma máquina pelo nome hierárquico h) (F) O serviço de FTP é utilizado somente para fazer downloads de arquivos i) (V) Para trazer um arquivo texto de uma máquina UNIX para uma máquina Windows é necessário informar a opção ascii do FTP j) (V) No serviço de , dentro do mesmo domínio não pode existir duas pessoas com o mesmo login k) (V) O login do pode não Ter nada a ver com o nome do usuário l) (F) O protocolo utilizado para transferência de mensagens entre os diversos servidores de é o SMNP m) (F) Você só pode acessar a Internet se a sua máquina possuir o Internet Explorer ou o Netscape n) (F) A Internet é o serviço de WWW o) (V) O serviço de WWW permite a visualização de páginas com hipertextos p) (F) O comando Finger utiliza mensagens ICMP para verificar se uma máquina esta ligada e quanto tempo o pacote esta demorando para ir até o destino e voltar a máquina origem

10 q) (F) O ping é uma aplicação que permite obter maiores informações sobre um determinado usuário r) (V) O serviço de Finger precisa estar ativo na máquina remota para que um usuário tenha acesso a ele 2) Sobre o FTP podemos afirmar que: ( ) É um programa para acessar uma máquina remotamente e executar um programa ( ) Permite a visualização de páginas WWW ( ) Transfere somente arquivos textos (X ) Caso o usuário tenha uma senha na máquina remota, é possível fazer um download e um upload ( ) O FTP é o protocolo padrão para todas as transferências de dados, quer sejam páginas HTML (Home Page), quer sejam arquivos ou mesmo os s. 3) Sobre o podemos afirmar que: (X ) Utiliza o SMNP para fazer a entrega de dados ( ) O usuário precisa estar com seu computador ligado para receber um (X ) O servidor de precisa estar funcionando para receber os s deste domínio ( ) É possível Ter o mesmo login em servidores diferentes, deste que estes sejam do mesmo domínio

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Histórico Objetivos Camadas Física Intra-rede Inter-rede Transporte Aplicação Ricardo Pinheiro 2 Histórico Anos

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes

Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 07 - Ferramentas para Administração e Gerência de Redes Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão AS ou SA; IGP e EGP; Vetor de Distância,

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet

Arquitetura TCP/IP. Filosofia da Internet Arquitetura TCP/IP Filosofia da Internet foi projetada p/: ser aberta o bastante p/ permitir a execução em uma grande variedade de equipamentos de resistir a possíveis danos que prejudicassem seu funcionamento

Leia mais

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II

A Camada de Rede. Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II A Camada de Rede e o protocolo IP... 2 O protocolo IP... 2 Formato do IP... 3 Endereçamento IP... 3 Endereçamento com Classes

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Módulo 8. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Módulo 8 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Roteamento IP (Internet Protocol) 2 Roteamento IP 3 Roteamento IP Tarefa executada pelo protocolo

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Apostila TCP/IP Wandreson Luiz Brandino wandreson.com Wandreson@wandreson.com Setembro/1998

Apostila TCP/IP Wandreson Luiz Brandino wandreson.com Wandreson@wandreson.com Setembro/1998 Apostila TCP/IP Wandreson Luiz Brandino wandreson.com Wandreson@wandreson.com Setembro/1998 Índice 1 Introdução ao TCP/IP 4 1.1 Histórico 4 1.2 Documentação 5 2 Endereço de Rede 6 2.1 Endereço IP 7 2.2

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto

Redes de Computadores. Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Redes de Computadores Protocolo TCP/IP Profa. Priscila Solís Barreto Internet G G G Introdução Protocolo: Conjunto de regras que determinam como o hardware e o software de uma rede devem interagir para

Leia mais

Existem alguns conceitos básicos que são imprencindíveis ao entendimento do TCP/IP e de redes que o utilizam.

Existem alguns conceitos básicos que são imprencindíveis ao entendimento do TCP/IP e de redes que o utilizam. I. Número de IP II. Máscara de Sub-Rede III. Gateway Padrão (Default Gateway) IV. DNS V. DHCP VI. Portas VII. Outros Termos VIII. Visão Geral de uma rede TCP/IP IX. Protocolos do TCP/IP TCP/IP (Transmission

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

6.1. TELNET 6.2. FTP 6.3. SNMP 6.4. DSN 6.5. SMTP 6.6. RPC 6.7. NFS

6.1. TELNET 6.2. FTP 6.3. SNMP 6.4. DSN 6.5. SMTP 6.6. RPC 6.7. NFS Arquitetura TCP/IP Por André Luís Santos de Aguiar Visitantes: http://www.siteflow.com/hvb2e/stats.cgi?andrelsatcpip http://www.siteflow.com/hvb2e/stats.cgi?andrelsatcpip Índice 1. HISTÓRICO 2. MODELO

Leia mais

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1

Informática I. Aula 22. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Informática I Aula 22 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 22-03/07/06 1 Critério de Correção do Trabalho 1 Organização: 2,0 O trabalho está bem organizado e tem uma coerência lógica. Termos

Leia mais

by Fabricio Bertholi Dias (Engenharia Elétrica - UFES)

by Fabricio Bertholi Dias (Engenharia Elétrica - UFES) by Fabricio Bertholi Dias (Engenharia Elétrica - UFES) Número de IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão (Default Gateway) DNS DHCP Portas Outros Termos Visão Geral de uma rede TCP/IP Protocolos do TCP/IP

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Computador Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Arquiteturas físicas e lógicas de redes de computadores

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I

Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I Alfamídia Linux: Administração de Redes em ambiente Linux I UNIDADE 1 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDES... 3 1.1 TCP/IP - O INÍCIO... 3 1.2 ENTENDENDO O IP... 3 1.3 ENTENDENDO O GATEWAY DE REDE... 5 1.4 O SERVIDOR

Leia mais

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um

Foi inicialmente desenvolvido como parte de um PROTOCOLO TCP/IP 1 INTRODUCÃO Foi inicialmente desenvolvido como parte de um projeto incentivado pela DARPA; Tinha como objetivo desenvolver tecnologias para que as máquinas interligadas em rede continuassem

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Introdução ao protocolo TCP/IP Camada de aplicação Camada de transporte Camada de rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 É o protocolo mais usado da atualidade 1 :

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP

USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP USO GERAL DOS PROTOCOLOS SMTP, FTP, TCP, UDP E IP SMTP "Protocolo de transferência de correio simples (ou em inglês Simple Mail Transfer Protocol ) é o protocolo padrão para envio de e- mails através da

Leia mais

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Thiago de Almeida Correia São Paulo 2011 1. Visão Geral Em uma rede de computadores local, os hosts se enxergam através de dois endereços, sendo um deles o endereço Internet

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II INTERNET Protocolos de Aplicação Intranet Prof: Ricardo Luís R. Peres As aplicações na arquitetura Internet, são implementadas de forma independente, ou seja, não existe um padrão

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

1. Alguns protocolos básicos da pilha TCP/IP

1. Alguns protocolos básicos da pilha TCP/IP 1. Alguns protocolos básicos da pilha TCP/IP 1.1 Exemplo de subredes HUB ROTEADOR HUB 1.2 ICMP - Internet Control Message Protocol ICMP é um protocolo que roda sobre IP e é usado para comunicar diversas

Leia mais

Arquitetura Internet (TCP/IP)

Arquitetura Internet (TCP/IP) Instituto Federal do Pará - IFPA Ricardo José Cabeça de Souza ricardo.souza@ifpa.edu.br 2010 Redes Básicas S-10 Arquitetura Internet (TCP/IP) MÁSCARA DA SUB-REDE Indica como separar o NetId do HostId,

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula)

Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2013.09 v2 2013.09.10 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

P L A N O D E D I S C I P L I N A

P L A N O D E D I S C I P L I N A INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ SC CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES / REDES DE COMPUTADORES P L A N O D E D I S C I P L I N A DISCIPLINA: Redes de Computadores Carga Horária: 95 HA

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação Guilherme Pereira Carvalho Neto Portas e Serviços Goiânia 2015 Relatório de portas e serviços na rede Relatório produzido com base em dados colhidos

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (6 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.09.05 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Arquiteturas

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br

O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O Protocolo IP (2) Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática zegonc@inf.ufes.br O IP e a Máscara de Sub-Rede O IP se baseia em duas estruturas para efetuar o roteamento de datagramas:

Leia mais

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina;

Aula prática. Objetivo IPCONFIG. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br. Informa a configuração atual de rede da máquina; Aula prática Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Objetivo Nesta aula, você aprenderá a utilizar alguns utilitários de rede que podem ajudá-lo a identificar problemas na rede. No windows existem

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

3. Arquitetura TCP/IP

3. Arquitetura TCP/IP 3. Arquitetura TCP/IP A arquitetura internet foi criada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, com o objetivo de se ter uma rede interligando várias universidades e órgãos do governo de maneira

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Protocolos. Modelo em Camadas. unesp. Interfacemanto e Controle Eletro-Eletrônico. Eletrônico. Prof. Agnelo Marotta Cassula

Protocolos. Modelo em Camadas. unesp. Interfacemanto e Controle Eletro-Eletrônico. Eletrônico. Prof. Agnelo Marotta Cassula unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Interfacemanto e Controle Eletro-Eletrônico Eletrônico Protocolos Prof. Agnelo Marotta Cassula 1 Modelo em Camadas Para reduzir a complexidade,

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados

Modulo 3. Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados Modulo 3 Professor: Leandro Engler Boçon E-mail: leandro@facear.edu.br Disciplina: Comunicação de dados 1 Protocolo ARP Address Resolution Protocol 2 IP utiliza endereços de 32 bits para localização de

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática

Firewall. Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes. Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Disciplina: Serviços de Redes Campus Cachoeiro Curso Técnico em Informática Firewall (definições) Por que do nome firewall? Antigamente, quando as casas

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais