O elefante ilustrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O elefante ilustrado"

Transcrição

1 O elefante ilustrado Ferramentas de modelagem literária e documentação automática em PostgreSQL e ouos SGBDs lⅳres Leandro Guimarães Faria Corcete D X Fórum Internacional de Sistemas Lⅳres () Sumário Ferramentas de modelagem Um problema muito comum em Informática é o de modelagem de dados. Programa que usa base de dados, mas o programador, arquiteto, analista ou seja-lá-qual-for-o-nome nunca planejou; cuja base de dados nem os programadores conhecem direito; que não registra todas as informações necessárias, exatamente porque a base evoluiu ad hoc; ou até que foi bem pensado no início, mas por falta de manutenção da documentação acabou com um modelo de dados que ninguém entende mais. Para falarmos só de sistemas lⅳres, dois programas que têm fama de terem modelos de dados inatáveis são o Bacula e o RT. Muitos ouos programas têm modelos insuficientemente documentados, o que limita em muito sua utilidade, senão para programadores dedicados, ao menos para usuários ocasionais; um exemplo é o vtiger a última vez que procurei, achei apenas um diagrama quase ilegível duma versão obsoleta. Nossa tendência, como informatas, é procurar ferramentas que nos ajudem a resolver problemas. Quais são as alternatⅳas de ferramentas para criação e manutenção de modelos de dados? Cérebro! Lⅳros-texto e documentação Caneta e papel Programas de diagramação

2 DDL Sério. Use seu cérebro. Pense a respeito, e gaste tempo e esforço nisso. E leia a respeito; não eⅺste substituto para o estudo. Essas são as principais ferramentas, e o PostgreSQL pode se orgulhar a ter uma das melhores documentações disponíveis, a ponto de ser usada por gente que abalha com ouos sistemas inclusⅳe por gente que cria ouos SGBDs! (SGBDs!)! Quanto às ouas ferramentas. Modelagem com diagramas Normalmente quando se pensa modelagem, se pensam diagramas. Que vão gerar código assim: DROP TYPE IF EXISTS " t y p e " CASCADE; CREATE TYPE " t y p e " AS (INPUT = a, OUTPUT = b ) ; DROP DOMAIN IF EXISTS " domain " CASCADE; CREATE DOMAIN " domain " AS t y p e NOT NULL; DROP TABLE IF EXISTS " t a b l e " CASCADE; CREATE TABLE " t a b l e " ( " f i e l d _ " domain

3 ) WITHOUT OIDS TABLESPACE " t a b l e s p a c e " ; ALTER TABLE " t a b l e " ADD CONSTRAINT " t a b l e _ p k " PRIMARY KEY( " f i e l d _ " ) ; DROP TABLE IF EXISTS " t a b l e " CASCADE; CREATE TABLE " t a b l e " ( " f i e l d _ " b o o l e a n ( ), " f i e l d _ " domain ) WITHOUT OIDS ; ALTER TABLE " t a b l e " ADD CONSTRAINT " t a b l e _ p k " PRIMARY KEY( " f i e l d _ " ) ; COMMENT ON TABLE " t a b l e " IS ' I s s o! ' ; COMMENT ON COLUMN " t a b l e ". " f i e l d _ " IS ' A q u i l o. ' ; ALTER TABLE " t a b l e " DROP CONSTRAINT " t a b l e _ f k e y " CASCADE; ALTER TABLE " t a b l e " ADD CONSTRAINT " t a b l e _ f k e y " FOREIGN KEY ( " f i e l d _ " ) REF " t a b l e " ( " f i e l d _ " ) ON UPDATE RESTRICT ON DELETE RESTRICT; O que já não é um código bonito mas o que acontece quando se tem centenas, talvez milhares de tabelas? Ferramentas de diagramação Não escalam São caras São improdutⅳas São limitadas Engessam Mas se sua necessidade é abalhar com pequenos modelos e só em PostgreSQL, o PgDesigner até que é uma boa. Na verdade, o uso de diagramas acaba sendo mais útil em duas principais situações:.. Esboços Diagramas são bem úteis para esboços, quando se quer bastante liberdade. Muna-se de caneta ou lápis, e um bocado de papel-rascunho; e dê asas à imaginação. O mero esforço de diagramar algo num programa já limitaria em muito o abalho de esboçar idéias de modelagem, principalmente quando se faz a modelagem interatⅳamente, com uma (pequena) equipe.

4 .. Apresentação Diagramas também são bastante úteis para apresentar o modelo de dados, quer em desenvolⅵmento, quer já pronto, a pessoas que não participam da modelagem diretamente: analistas, programadores, gerência, clientes e isso levanta um problema: cada um pode se interessar por uma versão diferente do diagrama; e a manutenção do diagrama pode consumir um bocado de tempo que não é propriamente abalho de modelagem, mas de ajustes gráficos. Que solução podemos apresentar?. Modelagem com SQL Uma boa opção é modelar em ISO! (ISO!) SQL! (SQL!), ou diretamente em PostgreSQL; quer dizer, no dialeto SQL! implementado pelo PostgreSQL. Poderia até ser numa linguagem mais elegante, como o D do Dataphor, que está há tempos para ganhar logo mais a capacidade de abalhar com PostgreSQL(??). A grande vantagem é que o código-fonte expressa exatamente o que o modelo contém, de maneira prática de ler e, principalmente, manipular. Por exemplo, as definições de tipos e domínios podem ser reaproveitadas na criação de macros para ouas linguagens de programação, isolando o programador, em certa medida, de mudanças nos tipos de dados da base... Gerando diagramas e outros documentos Tendo o código-fonte da base de dados, o abalho de diagramação e documentação tornase exemamente prático e flexível porque pode ser automatizado. Em PostgreSQL, temos o luxo de ês ótimas ferramentas para isso:. Ferramentas de diagramação automática AutoDoc Gráficos DocBook HTML SQL::Fairy Gráficos L A TEX Schema Spy

5 Gráficos L A TEX Não apenas paramos de nos preocupar com a diagramação, como ela pode ser automatizada: por exemplo, um programeta (script) que gere a última versão do diagrama conforme o DDL! (DDL!) armazenado no sistema de conole de código-fonte; e tornase flexível, por exemplo sendo manipulável para gerar diagramas de partes específicas do modelo, soendo ansformações etc! (etc!)... Invertendo o processo: programação literária Vejam que até agora seguimos um processo relatⅳamente desconexo:. Requisitos (OpenOffice.org &c). Modelo. Diagramas, base. Documentos E se fizéssemos isso de maneira mais integrada? Essa é a proposta da programação literária, do Donald K, criador do TEX. É muito mais prazeroso criar uma base contando a história de suas decisões sobre a modelagem. O processo fica assim:. Requisitos (OpenOffice.org &c). Copiados para um documento L A TEX. Documento desenvolⅵdo para incluir o SQL. Diagramas, base Por exemplo, uma vez recebi a seguinte amostra de código MySQL! (MySQL!) para corrigir e implantar num SGBD! (SGBD!) de verdade: Cógido MySQL a consertar CREATE TABLE IF NOT EXISTS ` sko_admin ` ( ` id ` i n t ( ) NOT NULL a u t o _ i n c r e m e n t, ` adminusername ` v a r c h a r ( ) NOT NULL, ` adminpassword ` v a r c h a r ( ) NOT NULL, ` admin ` v a r c h a r ( ) NOT NULL,

6 ` a d m i n s t a t u s ` i n t ( ) NOT NULL d e f a u l t ' ', PRIMARY KEY ( ` id ` ) ) ENGINE=MyISAM DEFAULT CHARSET= u t f AUTO_INCREMENT= ; CREATE TABLE IF NOT EXISTS ` s k o _ b l o g c a t e g o r y ` ( ` id ` i n t ( ) NOT NULL a u t o _ i n c r e m e n t, ` b l o g c a t e g o r y n a m e ` v a r c h a r ( ) NOT NULL, ` b l o g c a t e g o r y s t a t u s ` i n t ( ) NOT NULL d e f a u l t ' ', PRIMARY KEY ( ` id ` ) ) ENGINE=MyISAM DEFAULT CHARSET= u t f AUTO_INCREMENT= ; Para explicar minhas alterações, criei o seguinte código-fonte noweb: Programação literária \ d o c u m e n t c l a s s [ p t ] { a r t i c l e } \ u s e p a c k a g e { acronym, noweb } \ n o w e b o p t i o n s { s m a l l c o d e, l o n g c h u n k s } \ b e g i n { document } \ p a g e s t y l e { noweb } \ t i t l e { SkooLabo } \ a u t h o r { Leandro G u i m a r ã e s F a r i a C o r c e t e Dutra } \ m a k e t i t l e \ t a b l e o f c o n t e n t s Programação literária \ n w f i l e n a m e { i l u s. nw } \ n w b e g i n d o c s { } \ s e c t i o n { I n t r o d u c t i o n } P r i m e i r o, o que mudou e p o r q u ê. MySQL tem uma n o m e n c l a t u r a e x c ê n t r i c a. S u a s c h a v e s s ã o í n d i c e s ; a s b a s e s de dados, e squemas. U s a r e i a n o m e n c l a t u r a r e l a c i o n a l p a r a e s c l a r e c e r. \ s e c t i o n { S u p p o r t i n g f u n c t i o n s } Aqui l i s t a m o s a s f u n ç õ e s a u x i l i a r e s, p r i n c i p a l m e n t e p a r a r e s t r i ç õ e s de i n t e g r i d a d e. O p r i m e i r o exemplo v a l i d a e n d e r e ç o s de c o r r e i o

7 \ nwenddocs { } \ nwbegincode { } \ moddef { v a l f u n c } \ endmoddef \ n w s t a r t d e f l i n e m a r k u p \ n CREATE FUNCTION v a l i d _ e m a i l _ a d d r e s s ( t e x t ) RETURNS BOOLEAN IMMUTABLE LANGUAGE p l p e r l u AS u s e : V a l i d ; my e m a i l = s h i f t ; : V a l i d > a d d r e s s ( e m a i l ) or d i e " I n v a l i d e m a i l a d d r e s s : e m a i l \ \ n " ; r e t u r n ' t r u e ' ; ; \ \ l s t s e t \ { l a n g u a g e =[ LaTeX ]TeX \ } \ nwendcode { } \ n w b e g i n d o c s { } \ n w d o c s p a r Aqui d e f i n i m o s DOMAINs. São i m p o r t a n t e s p a r a manter c o n s i s t ê n c i a. \ nwenddocs { } \ nwbegincode { } \ moddef { domains } \ endmoddef \ n w s t a r t d e f l i n e m a r k u p \ n w CREATE DOMAIN username AS VARCHAR ( ) CONSTRAINT nn_un NOT NULL ; CREATE DOMAIN p a s s w o r d AS VARCHAR ( ) CONSTRAINT nn_pw ; NOT NULL \ \ l s t s e t \ { l a n g u a g e =[ LaTeX ]TeX \ } \ nwendcode { } \ n w b e g i n d o c s { } \ n w d o c s p a r Nosso p r i m e i r o exemplo de t a b e l a d e f i n i d a em d o m i n i o s de u s u á r i o. \ nwenddocs { } \ nwbegincode { } \ moddef { admin } \ endmoddef \ n w s t a r t d e f l i n e m a r k u p \ n w e n

8 ( CREATE TABLE IF NOT EXISTS admin username username CONSTRAINT p k_ a d PRIMARY KEY, p a s s w o r d p a s s w o r d, e m a i l _ a d d r e s s e m a i l _ a d d r e s s, a d m i n _ s t a t u s a d m i n _ s t a t u s > ) ; Ao p r o c e s s á lo, obtenho o s e g u i n t e \ \ a c \ {DDL\ } : CREATE FUNCTION v a l i d _ e m a i l _ a d d r e s s ( t e x t ) RETURNS BOOLEAN IMMUTABLE LANGUAGE p l p e r l u AS u s e : V a l i d ; my e m a i l = s h i f t ; : V a l i d > a d d r e s s ( e m a i l ) or d i e " I n v a l i d e m a i l a d d r e s s : e m a i l \ \ n " ; r e t u r n ' t r u e ' ; ; CREATE DOMAIN username AS VARCHAR ( ) CONSTRAINT nn_un ; NOT NULL ( CREATE TABLE IF NOT EXISTS admin username username

9 CONSTRAINT p k_ a d PRIMARY KEY, p a s s w o r d p a s s w o r d, e m a i l _ a d d r e s s e m a i l _ a d d r e s s, a d m i n _ s t a t u s a d m i n _ s t a t u s > ) ; E o s e g u i n t e c ó d i g o f o n t e \ \ LaTeX : \ \ l s t s e t \ { l a n g u a g e =[ LaTeX ]TeX \ } \ \ d o c u m e n t c l a s s [ p t ] \ { a r t i c l e \}% === > t h i s f i l e was g e n e r a t e d a u t o m a t i c a l l y b \ \ u s e p a c k a g e \ { acronym, noweb \ } \ \ n o w e b o p t i o n s \ { s m a l l c o d e, l o n g c h u n k s \ } \ \ b e g i n \ { document \ } \ \ p a g e s t y l e \ { noweb \ } \ \ t i t l e \ { SkooLabo \ } \ \ a u t h o r \ { Leandro G u i m a r ã e s F a r i a C o r c e t e Dutra \ } \ \ m a k e t i t l e \ \ t a b l e o f c o n t e n t s \ \ n w f i l e n a m e \ { db. nw \ } \ \ n w b e g i n d o c s \ { \ } \ \ s e c t i o n \ { I n t r o d u c t i o n \ } \ \ s e c t i o n \ { S u p p o r t i n g f u n c t i o n s \ } Here we l i s t s u p p o r t i n g f u n c t i o n s, u s e d m a i n l y f o r d a t a i n t e g r i t y c o n s t r a i n t s \ \ l s t s e t \ { l a n g u a g e =[ LaTeX ]TeX \ } Our f i r s t e x a m p l e i s meant t o v a l i d a t e e m a i l a d d r e s s e s. I n s t e a d o f c o d i n g a C e m a i l a d d r e s s v a l i d a t i o n a s an SQL TYPE, we j u s t make u s e o f a canned P e r l f u n g o t t e n from CPAN or y o u r t h e r e p o s i t o r y from y o u r d i s t r i b u t i o n. \ \ nwenddocs \ { \ } \ \ n wbegincode \ { \ } \ \ moddef \ { v a l f u n c \ } \ \ endmoddef \ \ n w s t a r t d e f l i CREATE FUNCTION v a l i d _ e m a i l _ a d d r e s s ( t e x t ) RETURNS BOOLEAN

10 IMMUTABLE LANGUAGE p l p e r l u AS u s e : V a l i d ; my e m a i l = s h i f t ; : V a l i d > a d d r e s s ( e m a i l ) or d i e " I n v a l i d e m a i l a d d r e s s : e m a i l \ \ \ \ n " ; r e t u r n ' t r u e ' ; ; Que v a i g e r a r um b e l o documento : \ \ f r a m e t i t l e < p r e s e n t a t i o n > \ { R e s u l t a d o f i n a l \ } Here we l i s t s u p p o r t i n g f u n c t i o n s, u s e d m a i n l y f o r d a t a i n t e g r i t y c o n s t r a i n t s Our f i r s t e x a m p l e i s meant t o v a l i d a t e e m a i l a d d r e s s e s. I n s t e a d o f c o d i n g a C e m a i l a d d r e s s v a l i d a t i o n a s an SQL TYPE, we j u s t make u s e o f a canned P e r l f u n g o t t e n from CPAN or y o u r t h e r e p o s i t o r y from y o u r d i s t r i b u t i o n. CREATE FUNCTION v a l i d _ e m a i l _ a d d r e s s ( t e x t ) RETURNS BOOLEAN IMMUTABLE LANGUAGE p l p e r l u AS u s e : V a l i d ; my e m a i l = s h i f t ; : V a l i d > a d d r e s s ( e m a i l ) or d i e " I n v a l i d e m a i l a d d r e s s : e m a i l \ \ \ \ n " ; r e t u r n ' t r u e ' ; ; Uma p i t a d a de AutoDoc ou \ \ a c \ { SQL \ } : : F a i r y, e \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { f r e n c h \ } \ { l à um b e l o documento quanto d i a g r a m a s e a n o s s a a l m e j a d a b a s e de d a d o s!

11 \ \ s u b s e c t i o n \ { C o n t r o l e do c i c l o de v i d a da b a s e \ } Agora f i c o u ó b v i o onde q u e r í a m o s c h e g a r : e x p l o r a n d o a s p o t e n c i a l i d a d e s de s e PostgreSQL e f e r r a m e n t a s a u x i l i a r e s como p r o g r a m a ç ã o l i t e r á r i a \ \ LaTeX, AutoD o u t r a s, temos c o n d i ç õ e s de t o r n a r o t r a b a l h o de A d m i n i s t r a ç ã o de Dados p a r t e p r o c e s s o de d e s e n v o l v i m e n t o, i n c l u s i v e a u t o m a t i z a n d o muito do t r a b a l h o manual \ \ s e c t i o n \ { A b r e v i a ç õ e s \ } \ \ b e g i n \ { acronym \ } \ \ a c r o \ {ABD\ } \ { A d m i n i s t r a d o r de B a s e s de Dados \ } \ \ a c r o \ { ABDs \ } \ { A d m i n i s t r a d o r e s de B a s e s de Dados \ } \ \ a c r o \ {AD\ } \ { A d m i n i s t r a d o r de Dados \ } \ \ a c r o \ {DBA \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { D a t a b a s e A d m i n i s t r a t o r \ } \ \ a c r o b a s e s de d a d o s ) \ } \ } \ \ a c r o \ {DDL\ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { Data D e f i n i t i o n Language \ } \ \ a c d e f i n i ç ã o de d a d o s ) \ } \ } \ \ a c r o \ {DER\ } \ { Diagrama de E n t i d a d e s e R e l a c i o n a m e n t o s \ } \ \ a c r o \ { DERs \ } \ { D i a g r a m a s de E n t i d a d e s e R e l a c i o n a m e n t o s \ } \ \ a c r o \ { e t c \ } [ \ \ & c ] \ { e t œ c t e r a \ } \ \ a c r o \ { IBM \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { I n t e r n a t i o n a l B u s i n e s s Machine \ \ a c r o \ { ISO \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { I n t e r n a t i o n a l S t a n d a r d s O r g a n i I n t e r n a c i o n a l de P a d r õ e s ) \ } \ } \ \ a c r o \ {MR\ } \ { Modelo R e l a c i o n a l \ } \ \ a c r o \ {MS \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { M i c r o S o f t \ } \ \ a c r o e x t r a \ { ( p r o g r a \ \ a c r o \ {MVS \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { M u l t i p l e V i r t u a l S t o r a g e \ } \ } \ \ a c r o \ {MVT\ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { Multiprogramming w i t h a V a r i a b \ \ a c r o \ {MySQL \ } \ { My \ \ t e x t s c \ { Widenius \ } SQL \ } \ \ a c r o \ {OO\ } \ { O r i e n t a ç ã o a O b j e t o s \ } \ \ a c r o \ { OS \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { O p e r a t i n g System \ } \ \ a c r o e x t r a \ { \ \ a c r o \ {PSM \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { P e r s i s t e n t S t o r e d Modules \ } \ \ a programa a r m a z e n a d o s p e r s i s t e n t e m e n t e ) \ } \ } \ \ a c r o \ { SAN \ } \ { S t o r a g e Area Network \ } \ \ a c r o \ { SANs \ } \ { S t o r a g e Area Networks \ } \ \ a c r o \ {SGBD \ } \ { S i s t e m a G e s t o r de B a s e s de Dados \ } \ \ a c r o \ { SGBDs \ } \ { S i s t e m a s G e s t o r e s de B a s e s de Dados \ } \ \ a c r o \ { SQL \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { S t r u c t u r e d Query Language \ } \ \ a e s t r u t u r a d a de p e s q u i s a s ) \ } \ } \ \ a c r o \ { z \ } \ { \ \ f o r e i g n l a n g u a g e \ { b r i t i s h \ } \ { z S e r i e s \ } \ } \ \ end \ { acronym \ } \ \ a d d c o n t e n t s l i n e \ { t o c \ } \ { s e c t i o n \ } \ { B i b l i o g r a f i a \ } \ \ b i b l i o g r a p h y \ { i l u s \ } \ \ b i b l i o g r a p h y s t y l e \ { abnt num \ }

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes

Banco de dados 1. Linguagem SQL DDL e DML. Professor: Victor Hugo L. Lopes Banco de dados 1 Linguagem SQL DDL e DML Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda: Introdução à linguagem de dados; DDL; DML; CRUD; Introdução à linguagem SQL. 2 Por que precisamos da linguagem SQL? A algebra

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios

(1,n) venda. (1,1) realizacao. cliente. (0,n) (1,1) contem. produto. Laboratório de Banco de Dados Exercicios Laboratório de Banco de Dados Exercicios Modelo conceitual segundo notação de Peter Chen cliente (1,1) realizacao (1,n) venda (0,n) produto (1,1) contem Modelo conceitual gerado pela CASE Dezign for Database

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Definição do Esquema da Base de Dados Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL - Esquema da base de dados Definição das tabelas Definição das chaves primárias Definição

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL

SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL SQL - Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL Criar uma base de dados (criar um banco de dados) No mysql: create database locadora; No postgresql: createdb locadora Criar

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

Triggers em PostgreSQL. Linguagem de Programação de Banco de Dados. Triggers em PostgreSQL. Triggers em PostgreSQL

Triggers em PostgreSQL. Linguagem de Programação de Banco de Dados. Triggers em PostgreSQL. Triggers em PostgreSQL Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Linguagem de Programação de Banco de Dados Triggers em PostgreSQL Todos os bancos de dados comerciais possuem uma linguagem procedural auxiliar para a

Leia mais

Modelagem e Administração de Dados em PostgreSQL

Modelagem e Administração de Dados em PostgreSQL Modelagem e Administração de Dados em PostgreSQL Fundamentos e práticas em bases de dados lⅳres Leandro Guimarães Faria Corcete DUTRA Ⅱ Dia PostgreSQL Distrito Federal Sumário Do que vamos falar O Modelo

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Linguagens de Programação Material

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents

Banco de dados. Linguagens de Banco de Dados II. Wedson Quintanilha da Silva - www.assembla.com/spaces/objetivobd/documents Banco de dados Linguagens de Banco de Dados II 1 Linguagem de Definição de Dados - DDL Comandos utilizados para criação do esquema de dados; Um DDL permite ao utilizador definir tabelas novas e elementos

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi Regras de Integridade Restrições de Integridade Integridade refere-se a precisão ou correção de dados em um banco de dados; Restrição refere-se a impor uma condição para qualquer atualização. Antes de

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Parte V

Disciplina de Banco de Dados Parte V Disciplina de Banco de Dados Parte V Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Modelo de Dado Relacional O Modelo Relacional O Modelo ER é independente do SGDB portanto, deve ser o primeiro modelo gerado após

Leia mais

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010

BANCO DE DADOS: SQL. Edson Anibal de Macedo Reis Batista. 27 de janeiro de 2010 BANCO DE DADOS: SQL UERN - Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Departamento de Ciências da Computação. 27 de janeiro de 2010 índice 1 Introdução 2 3 Introdução SQL - Structured Query Language

Leia mais

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações

Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações Fundamentos dos Sistemas de Informação Organização de Dados e Informações http://professor.fimes.edu.br/milena milenaresende@fimes.edu.br Sistema de Gerenciamento de Bases de Dados (DBMS) A implementação

Leia mais

Introdução à linguagem SQL

Introdução à linguagem SQL Introdução à linguagem SQL 1 Histórico A linguagem de consulta estruturada (SQL - Structured Query Language) foi desenvolvida pela empresa IBM, no final dos anos 70. O primeiro banco de dados comercial

Leia mais

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01 Banco de Dados Módulo 7 - Modelo Relacional Definição do Esquema Relacional em SQL modulo07.prz 1 10/09/01 Introdução SQL linguagem padrão para SGBDs relacionais derivada do SEQUEL (Structured English

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 10 - PROCEDIMENTOS ARMAZENADOS - STORED PROCEDURES 1. INTRODUÇÃO Em muitas situações será necessário armazenar procedimentos escritos com a finalidade de se utilizar recursos como loop, estruturas

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE)

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE) BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SQL (STRUCTUREDQUERY

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você

Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você Auditoria de sistemas Deixe que seu banco de dados faça o trabalho por você por Cristóferson Guimarães Magalhães Bueno e Odilon Corrêa da Silva 1 O objetivo deste artigo é demonstrar como criar um sistema

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL (86); SQL-2 (92); SQL-3 (99) e SQL:2003 não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere...

Leia mais

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE)

SQL (STRUCTUREDQUERY LANGUAGE) BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br SQL (STRUCTUREDQUERY

Leia mais

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo / Mauricio G. F. Nascimento. Editora Novatec

PHP Profissional. Alexandre Altair de Melo / Mauricio G. F. Nascimento. Editora Novatec Introdução Como a idéia deste livro é ir direto ao ponto, vou fazer isso já na introdução. A idéia desse livro não é explicar a teoria e filosofia do PHP, da orientação a objetos, as maravilhas dos design

Leia mais

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. StructuredQuery Language- SQL. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados StructuredQuery Language- SQL Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 A Origem Em 1970, Ted Codd (pesquisador da IBM) publicou o primeiro

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL- (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) SQL (Structured Query Language) Linguagem comercial para BD relacional padrão ISO desde a década de 80 SQL-1 (86); SQL- (9); SQL- (99) não é apenas uma linguagem de consulta! como o nome sugere... Base

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

MySQL. Prof. César Melo. com a ajuda de vários

MySQL. Prof. César Melo. com a ajuda de vários MySQL Prof. César Melo com a ajuda de vários Banco de dados e Sistema de gerenciamento; Um banco de dados é uma coleção de dados. Em um banco de dados relacional, os dados são organizados em tabelas. matricula

Leia mais

SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1

SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1 SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS 1 AULA 01 1. Qual das seguintes linguagens deu origem à atual SQL (Strututured Query Language)? a) COBOL b) FORTRAN c) SEQUEL d) C e) C++ 2. Sistema Gerenciador

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Linguagem de Consulta - SQL

Linguagem de Consulta - SQL SQL Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada; Originou-se da linguagem SEQUEL (1974); Revisada e chamada de SQL em 1976/77; Em 1986, padronizada pelo ANSI/ISO - chamada SQL-86; Em 1987

Leia mais

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs?

INTRODUÇÃO. No entanto, o que pode ser considerado um produto (resultado) da criação de BDs? BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br INTRODUÇÃO Um Banco

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes

SQL. Hélder Antero Amaral Nunes SQL Hélder Antero Amaral Nunes 2 Introdução Desenvolvida pelo departamento de pesquisa da IBM na década de 1970 (System R); Linguagem padrão de BD Relacionais; Apresenta várias padrões evolutivos: SQL86,

Leia mais

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre

BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS. Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS Prof. Patrícia Lucas 3º Trimestre ROTEIRO PARA O 3º TRIMESTRE 1. O MySQL DDL SQL 1. Como funciona o MySQL 2. Como criar um banco de dados no MySQL 3. Como criar tabelas: comandos

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução App de exemplo Implementação do exemplo Testes realizados

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Fórum Internacional Software Livre 8.0. PEAR::MDB2_Schema. Igor Feghali [ifeghali@php.net]

Fórum Internacional Software Livre 8.0. PEAR::MDB2_Schema. Igor Feghali [ifeghali@php.net] Fórum Internacional Software Livre 8.0 PEAR::MDB2_Schema Igor Feghali [ifeghali@php.net] Quem sou eu? Graduando em Engenharia de Computação pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) Participante

Leia mais

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE CONCEITOS Cliente x Servidor. Cliente É um programa (software) executado

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID

Prof. Carlos Majer Aplicações Corporativas UNICID Este material pertence a Carlos A. Majer, Professor da Unidade Curricular: Aplicações Corporativas da Universidade Cidade de São Paulo UNICID Licença de Uso Este trabalho está licenciado sob uma Licença

Leia mais

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS ARMAZENAMENTO EM BD NO DM Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução App de exemplo Implementação do exemplo Testes realizados

Leia mais

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade V: Prof.: E-mail: Período: Encontro 17 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade V: Introdução à Linguagem SQL Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 13. Introdução à Linguagem SQL Introdução

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS

TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET PROJETO DE BANCO DE DADOS Exemplos de Scripts SQL (PostgreSQL) Pizzaria 1 2 Criação de BANCO DE DADOS CREATE DATABASE nome_do_banco; CREATE DATABASE pizzaria; Criação de TABELAS SOMENTE COM CHAVE PRIMÁRIA CREATE TABLE nome_da_tabela

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL Este tutorial tem como objetivo mostrar como instalar o banco de dados My SQL em ambiente Windows e é destinado aqueles que ainda não tiveram um contato com a ferramenta.

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

MANIPULANDO BANCO DE DADOS NO POSTGRESQL SEM FAZER USO DE COMANDOS SQL

MANIPULANDO BANCO DE DADOS NO POSTGRESQL SEM FAZER USO DE COMANDOS SQL MANIPULANDO BANCO DE DADOS NO POSTGRESQL SEM FAZER USO DE COMANDOS SQL INTRODUÇÃO: O PostgreSQL é um dos mais populares e avançados sistemas gerenciadores de banco de dados (SGBD) com código aberto. É

Leia mais

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br

PostgreSQL. www.postgresql.org. André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br PostgreSQL www.postgresql.org André Luiz Fortunato da Silva Analista de Sistemas CIRP / USP alf@cirp.usp.br Características Licença BSD (aberto, permite uso comercial) Multi-plataforma (Unix, GNU/Linux,

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP. Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak

Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP. Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak Regra de negócio? São todas as regras existentes num sistema de informação, que ditam seu comportamento, suas restrições

Leia mais

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS

AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS REVISTA DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA AUDITORIA EM BANCO DE DADOS COM UTILIZAÇÃO DE REGRAS Eder Pazinatto Faculdade Anhanguera de Passo Fundo RESUMO: A busca por mecanismos que implementam segurança

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) Structured Query Language (SQL) SQL-Breve Histórico : # CREATE, ALTER e DROP; # BEGIN TRANSACTION, ROLLBACK e COMMIT; # GRANT, REVOKE e DENY; 1 Structured Query Language (SQL) Desenvolvida pelo departamento

Leia mais

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados

Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Introdução a Sistemas de Bancos de Dados Prof. UFES - Universidade Federal do Espírito Santo rapchan@inf.ufes.br http://www.inf.ufes.br/~rapchan Roteiro da Apresentação Introdução Características de um

Leia mais

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL

SQL TGD/JMB 1. Projecto de Bases de Dados. Linguagem SQL SQL TGD/JMB 1 Projecto de Bases de Dados Linguagem SQL SQL TGD/JMB 2 O que é o SQL? SQL ("ess-que-el") significa Structured Query Language. É uma linguagem standard (universal) para comunicação com sistemas

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Everson Santos Araujo everson@por.com.br Conceitos Dado - Um fato que pode ser armazenado Banco de dados (BD) - Coleção de dados interrelacionados Sistema Gerenciador de Banco

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Fundamentos do Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cláudio Luís V. Oliveira Janeiro de 2010 Definição "Um sistema cujo objetivo principal é gerenciar o acesso, a correta manutenção e a integridade dos

Leia mais