INFLUÊNCIA DO PROCESSO MIGRATÓRIO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DO PROCESSO MIGRATÓRIO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA."

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DO PROCESSO MIGRATÓRIO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA. Elisabeth dos Santos Bentes Economista, M.Sc. Professora Adjunta Universidade da Amazônia UNAMA Rua Curuçá nº 914. Bairro do Telégrafo. Belém - Pará. CEP: Mário Miguel Amin Economista Agrícola, Ph.D. Professor Titular da Universidade da Amazônia UNAMA Av. Nazaré nº Apto Bairro: Nazaré. Belém Pará CEP: Área Temática: 6 Agricultura e Meio Ambiente. Forma de apresentação: Em sessão sem debatedor.

2 2 INFLUÊNCIA DO PROCESSO MIGRATÓRIO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA. RESUMO: O presente estudo tem como objetivo principal analisar a influência do processo migratório sobre o desenvolvimento sustentável da Região Norte brasileira, a partir da década de 1960, tomando-se como base os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE e as diversas pesquisas realizadas pelo Instituto do Homem e do Meio Ambiente Imazon, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA, Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia IPAM, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA, Banco Mundial, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa, etc. Partindo-se da hipótese de que há uma correlação positiva entre a migração e a degradação ambiental dessa região, tomou-se como direcionamento para este estudo a evolução histórica da economia amazônica. Assim, através do uso das estatísticas disponíveis em confronto com os fatos históricos, tornou-se possível mostrar que o processo migratório, que se desenvolveu na referida região, quer seja de forma legal ou de forma espontânea, contribuiu de modo sensível com o seu desmatamento, impactando de forma irreversível sobre a sustentabilidade do meio ambiente amazônico. PALAVRAS-CHAVE: Região Norte; processo migratório; desenvolvimento sustentável.

3 3 INFLUÊNCIA DO PROCESSO MIGRATÓRIO NO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA. 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos, secas, incêndios florestais, ondas de calor, inundações, tempestades, terremotos, maremotos e tsunamis fazem parte do cotidiano da humanidade. Isto justifica a crescente preocupação de grande parte da população, especialmente, dos ambientalistas, com a preservação dos recursos naturais, como forma de garantia de vida na Terra, uma vez que é o uso desordenado desses recursos que conduz aos desastres ecológicos, que nada mais são do que manifestações da natureza contra a insanidade humana, exposta pela forma predatória de exploração do meio natural em função da satisfação do seu próprio ego, caracterizada pelo consumo crescente e diversificado de bens e serviços, e pela busca incessante por maiores lucros. Diante da ocorrência de tais fenômenos naturais, buscam-se suas origens na vasta literatura sobre a questão ambiental mundial que, em virtude de sua complexidade, é analisada sob vários enfoques e relacionada às mais diversas causas, que precisam ser combatidas, mediante políticas públicas bem definidas. Tratando-se, especificamente, da Amazônia, o grau de complexidade da questão ambiental é muito maior, em virtude das especificidades dessa vasta região, com 3,9 milhões de Km² de extensão, equivalente a mais de 45% do território nacional, além de possuir uma enorme diversidade biológica. Observa-se que o uso predatório da floresta faz parte de sua história, de tal forma que conduziu ao desequilíbrio da relação homem-natureza, uma vez que, ao utilizar os recursos naturais, geralmente, não se leva em consideração a sua finitude. Nesse processo de degradação do meio ambiente amazônico, que compromete a sobrevivência das gerações futuras, participam, na condição de agentes principais, os madeireiros, os fazendeiros, os agricultores, os garimpeiros e etc., cada um agindo de acordo com suas conveniências, com maior ou menor intensidade. Entretanto, neste trabalho, direcionou-se o foco da questão ambiental para o processo migratório, que ocorreu a partir da década de 1960, período em que teve início a inserção da região ao contexto nacional e, cuja influência sobre a mesma, considerada como vazio demográfico, foi de grandes proporções, haja vista a transformação operada no âmbito econômico, social e ambiental. Dessa forma, objetiva-se analisar sua influência sobre a sustentabilidade da Amazônia, partindo-se da hipótese de que há uma correlação positiva entre a migração e a degradação ambiental dessa região. E, para atingir esse objetivo, tomouse como direcionamento para este estudo a evolução histórica da economia amazônica, na qual estão inseridos os pontos relevantes que constituem o conjunto de elementos necessários para dar resposta ao seguinte questionamento: Qual a influência do processo migratório sobre o desenvolvimento sustentável da Amazônia? A resposta à questão é de grande importância no momento atual, quando se torna cada vez mais forte a preocupação com a sustentabilidade da região diante de dois fatores principais: o crescimento populacional intenso e o conseqüente aumento da demanda de bens oriundos da floresta. 2. METODOLOGIA Considerou-se como área de estudo, no presente trabalho, a Região Norte do Brasil ou Amazônia Clássica, que compreende os estados do Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Roraima, Rondônia e Tocantins, em virtude da facilidade de obtenção dos dados necessários para a

4 4 análise, em um dos principais órgãos de pesquisa que é o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE. A análise contempla, especialmente, as décadas de 1960, 1970 e 1980, pela relevância do processo migratório nesse espaço de tempo. Como instrumento básico, utilizou-se a pesquisa bibliográfica, tendo como apoio os estudos sobre a região realizados por pesquisadores do Instituto do Homem e do Meio Ambiente Imazon, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA, Instituto de Pesquisas Ambientais da Amazônia IPAM, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA, Banco Mundial, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa, etc. Tais estudos representam um tesouro de conhecimento sobre a região tão explorada e pouco beneficiada e apontam diferentes causas para a destruição da floresta; as idéias neles contidas, algumas vezes são convergentes e outras são divergentes, no que se refere ao modo de vida dessa floresta. Observa-se que, de modo geral, os diversos pesquisadores, evidenciados neste estudo, percorrendo diferentes caminhos, convergem para um mesmo ponto: a relação existente entre a abertura de estradas, o processo migratório e a destruição da floresta. Por exemplo, enquanto Machado (2004) afirma que há uma relação direta entre a política de reforma agrária e o desflorestamento da Amazônia, técnicos do INPE (2003) evidenciam a associação entre os assentamentos pioneiros, as estradas e o desflorestamento, haja vista que as áreas mais atingidas localizam-se em regiões que se desenvolveram em áreas de assentamento pioneiro e de grandes rodovias. A idéia é compartilhada por técnicos do IPAM (2003) que mostram que dois terços do desmatamento da referida região se encontram dentro de uma faixa de 100 km ao longo das estradas asfaltadas. A correlação entre a questão ambiental da Amazônia e os movimentos populacionais foi estabelecida nos trabalhos de outros pesquisadores como: Veríssimo e Arima (2000) que vêem como causa dos desmatamentos a exploração madeireira predatória, a pecuária extensiva e os assentamentos de reforma agrária e Homma (1993) que afirma que: A agricultura com lavouras temporárias, apesar de existir em menor dimensão de área do que as pastagens, apresenta grande efeito cumulativo nas áreas de matas alteradas. Outros pesquisadores dão sua contribuição para as tomadas de decisões políticas para a região, como Margulis (2003) que, em pesquisa realizada para o Banco Mundial, explica: que a pecuária é a principal atividade econômica na região e que são os médios e grandes pecuaristas os maiores responsáveis pelos desmatamentos. Os pequenos proprietários atuam como fornecedores de mão-de-obra ou agentes intermediários que esquentam a posse da terra, mas sua contribuição direta para os desmatamentos é pequena. Também Diegues (1999) caminha na mesma direção, quando relata: a criação de pastagens para o gado é o principal uso da terra nas áreas desmatadas e pode ser muito mais importante que o impacto das atividades dos colonos sobre a floresta. Entretanto, Kitamura (1994) não vê uma relação direta entre o aumento populacional e a degradação dos recursos naturais da Amazônia. Para ele, o problema está na concentração fundiária, pois a pressão para utilização da terra leva ao seu esgotamento no longo prazo. 3. RESULTADOS Esquecida durante mais de quatro séculos, a Amazônia só teve sua economia inserida no contexto nacional na década de 1960, quando o governo federal, com o intuito de desenvolvimento e segurança nacionais, estabeleceu políticas para a região. Sua ocupação, inicialmente, caracterizou-se como expansão da fronteira agrícola, impulsionada por frentes camponesas espontâneas oriundas do Nordeste. Com a criação da operação amazônica, em 1966, o governo brasileiro deu prioridade máxima à ocupação do vasto território, a fim de

5 5 integrar para não entregar. Essa operação caracterizou-se pela presença efetiva do Estado, através da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM, órgão que administrava os incentivos fiscais e do Banco da Amazônia BASA, atuando na área do crédito regional. Segundo Costa (1992), o modelo de desenvolvimento, gerado para o Brasil na segunda metade do século XX, ao incluir a Amazônia, buscava a integração de novas áreas e a ampliação de mercado. A explicação está no fato de que, durante o período militar, o direcionamento das políticas públicas era para a geração de divisas, priorizando-se a agricultura em grande escala, voltada para a exportação, ao mesmo tempo em que se apontava a agricultura de subsistência como autora dos impactos ambientais e negava-se a capacidade da agricultura familiar para desencadear o desenvolvimento regional. Acompanhando a evolução histórica da economia amazônica, analisam-se, a seguir, as variáveis que, em conjunto, explicam a questão proposta neste trabalho, isto é, infra-estrutura rodoviária, processo migratório, crescimento populacional, desmatamento e desenvolvimento sustentável. 3.1 INFRA-ESTRUTURA RODOVIÁRIA Como as políticas públicas, nas décadas de 1960 e 1970, visavam, principalmente, à inserção da região ao contexto nacional, o governo federal tomou como instrumento estratégico para essa integração a construção de estradas, cujo pioneirismo coube à Belém- Brasília (BR-010). Em seguida, construíram-se outras rodovias federais, como a Transamazônica, a Cuiabá-Santarém, a Perimetral Norte, a Porto Velho - Manaus, a Porto Velho-Rio Branco e a Cuiabá-Porto Velho, constituindo-se, assim, a infra-estrutura básica que contribuiu para que em toda a Amazônia se intensificasse um processo de ocupação pelo incremento do crescimento econômico e populacional e por uma integração maior com economia nacional, tendo como conseqüência imediata a maior exploração dos recursos naturais. Com a criação do Programa de Integração Nacional - PIN começaram os projetos de colonização oficial, em torno de agrovilas, localizando-se ao longo das rodovias federais. A meta desse programa era localizar famílias ao longo da Transamazônica e da Cuiabá- Santarém, de acordo com o Primeiro Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) Também, ampliou-se a colonização espontânea e aumentou a oferta de terra, atraindo milhares de famílias para a região, movidas pelo desejo de uma vida melhor. É evidente que as construções das rodovias Belém-Brasília, Transamazônica, Santarém-Cuiabá, etc., não somente facilitaram a penetração da floresta, como também promoveram a colonização da área por pequenos agricultores. O fato é que, esses pequenos agricultores, ao receberem seus lotes de terra, empregavam o fogo para limpar e fortalecer o solo, em virtude da falta de recursos financeiros próprios, da dificuldade de acesso ao crédito, da carência de assistência técnica para produzir de forma rentável e do desconhecimento sobre a forma de manejo ambiental da terra. Essa é uma técnica antiga, porém perigosa, pois o fogo, encontrando a floresta ressequida, abre caminho para uma maior radiação solar, aumentando a vulnerabilidade da mesma. Analisadas em conjunto vê-se que há uma complementaridade entre ambas as causas da degradação ambiental, o que se justifica pela função social exercida por uma rodovia como elemento de integração. De certa forma, verifica-se uma ligação entre os fatos ocorridos no período analisado: a abertura da Belém-Brasília constituiu-se num marco para o desenvolvimento da região amazônica, tirando-a do isolamento, ligando-a ao Centro-Sul do país; o asfaltamento

6 6 impulsionou o fluxo migratório para a região, intensificando a demanda por terra e a ampliação da malha rodoviária contribuiu para a dinâmica do processo migratório. Assim, ao longo da Transamazônica promoveu-se a colonização na década de Grande parte dos colonos veio do Nordeste, porém foram substituídos por colonos do Centro- Sul, em virtude de não apresentarem condições para permanecerem na atividade. O fracasso dos assentamentos realizados ao longo dessa rodovia induziu o governo a substituir a colonização baseada na pequena propriedade pelos Grandes Projetos. Com essa finalidade, em 1974, foi implantado o Programa de Pólos Agropecuários e Agrominerais da Amazônia - Polamazônia, que conjugava a construção de infra-estrutura com a concessão de subsídios para as empresas privadas, nacionais e internacionais. O grande interesse do governo brasileiro tanto pela ocupação do Amazônia, quanto pela exploração dos seus recursos naturais abundantes, pode ser avaliado através dos dados da Tabela 1, pois, de km de rodovias no ano de 1960, passou-se para km em 1985, ou seja, sete vezes mais do que a extensão existente no início do processo de ocupação da região. Também, evidenciam-se dois intervalos de tempo importantes na história do transporte brasileiro: o acréscimo de 200% ( km) na malha rodoviária no período , quando a política governamental se firmava na condição de expandir a fronteira agrícola, através dos assentamentos nas novas áreas abertas e o período , quando houve um aumento de 45% ( km) na extensão das rodovias, para atender aos interesses dos grandes projetos, no sentido de escoamento da produção em direção ao exterior. Tabela 1 - Extensão de rodovias na Região Norte (km) Ano Extensão % var. absoluta Fonte: Homma (1993). A expansão da rede rodoviária, unindo o norte ao sul de um país de dimensões continentais como o Brasil, produziu efeitos positivos sobre a região Amazônica, na medida em que, tirando-a do isolamento histórico, proporcionou o crescimento de sua economia, que pode ser observado através da evolução do seu Produto Interno Bruto PIB e de sua renda per capita, no período de 1970 a 1998, cujas variações em termos percentuais foram muito superiores às variações ocorridas nos mesmos indicadores relativos à economia brasileira: enquanto o PIB brasileiro obteve um acréscimo em torno de 1610%, o PIB regional atingiu 3.644%; por outro lado, enquanto a renda per capita brasileira é acrescida em 883 %, a renda per capita regional sofre um incremento de 1.049% (Tabela 2). Entretanto, deve-se levar em consideração que a fabulosa evolução dos dois indicadores econômicos supracitados, também. é uma conseqüência de outros fatores contidos nas políticas voltadas para a região, como é o caso da Zona Franca de Manaus e de ações de política ambiental.

7 7 Tabela 2. PIB a custo de fatores (US$ de 1980) e renda per capita (US$/hab.) do Brasil e da Região Norte, 1970/1998. Ano Brasil Região Norte PIB Renda pc PIB Renda pc % Fonte: FGV (1999); Silva & Medina (1999); Conjuntura Econômica (jul. 2000). Do ponto de vista social, a Região Norte, também, obteve resultados positivos, haja vista a evolução do Índice de Desenvolvimento Humano IDH, que passou de 0,425, em 1970, para 0,676, em 1991, o que corresponde a um acréscimo de 59%. Entretanto, os ganhos sociais, provavelmente, devem ser contabilizados em função de outros fatores, uma vez que os estados da região que mais evoluíram nesse sentido foram: o Acre (76%) e o Amazonas (74%), que são os estados nos quais os recursos naturais foram, de certa forma, preservados. O Estado do Acre caminhou no sentido da preservação ambiental com a criação de reservas florestais e uso do manejo florestal. O Estado do Amazonas buscou seu desenvolvimento através da criação da Zona Franca de Manaus. Além disso, em ambos, há a predominância de estabelecimentos familiares, cuja filosofia de vida contém a visão de futuro, daí as razões pelas quais continuam avançando no sentido de melhoria de sua população, conforme mostra a Tabela 3. Por outro lado, os efeitos negativos também se manifestaram e se reproduziram, provavelmente, com maior intensidade, haja vista o aumento da violência, a alta concentração de terra e de renda, o aumento da exclusão social, etc. O índice médio de concentração fundiária no período de 1960 a 1985 foi igual a 0,8542 (MDA, 2000). O relatório do IPAM (2003) aponta para o centro da questão: a rápida expansão da fronteira através da construção de estradas sem um investimento proporcional na capacidade do governo de gerenciar a região, resultou na migração e colonização espontânea e desordenada, na extração descontrolada dos recursos naturais (p.e. madeira e ouro), e na diluição, ainda maior da capacidade de gerência do próprio governo. Tabela 3. Índice de desenvolvimento Humano IDH da Região Norte 1970/1996. Região/Estados % (1991/1970 % (1996/1970) Norte 0,425 0,595 0,676 0, Acre 0,376 0,506 0,662 0, Amapá 0,509 0,614 0,767 0, Amazonas 0,437 0,696 0,761 0, Pará 0,431 0,587 0,657 0, Rondônia 0,474 0,611 0,725 0, Roraima 0,463 0,619 0,687 0, Tocantins - - 0,534 0, Fonte: BNDES (2001)

8 8 3.2 PROCESSO MIGRATÓRIO A partir da década de 1950, verifica-se, na Amazônia, ativa expansão populacional, mostrada por Bentes (2003) da seguinte forma: Com cerca de 50 milhões de hectares de terras férteis prontas para serem incorporadas ao processo produtivo, o vasto e rico espaço amazônico foi apropriado de maneira rápida, razão da existência dos conflitos generalizados. Seu ritmo de urbanização foi mais rápido que o do resto do Brasil, sendo o fluxo migratório o fator fundamental para que isso ocorresse. É importante observar que a Região Norte vem seguindo a tendência nacional de forte concentração urbana, haja vista que a participação de sua população urbana passou de 35,54%, em 1960, para 69,87%, em 2000 (Tabela 4). Porém, apesar dessa tendência, verificase que 30% da população ainda permanecem no campo, ou seja, são habitantes que não podem ser esquecidos; é preciso que sejam criadas políticas públicas para as áreas rurais, a fim de melhorar a qualidade de vida da população local, garantindo a sua permanência no local de origem e, também, para que a zona rural possa se transformar em atrativo para a população que vive comprimida nas periferias dos grandes centros urbanos, sujeita às mais diversas privações de suas liberdades substantivas. Tabela 4. Evolução da participação das populações urbana e rural do Brasil e da Região Norte 1950/2000 (%). Brasil Região Norte Períodos Urbana Rural Urbana Rural ,16 63,84 29,64 70, ,08 54,92 35,54 64, ,94 44,06 45,13 54, ,59 32,41 51,63 48, ,59 24,41 59,05 40, ,25 18,75 69,87 30,13 Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005). O avanço da urbanização, mostrado na Tabela 5, chama a atenção para o fato de que, a partir de 1960, a urbanização da Região Norte acontece com maior intensidade do que no Brasil, especialmente na década de 1980, quando a taxa de variação da urbanização regional (131,77%) foi, aproximadamente, três vezes maior que a taxa nacional (53,01%). Um outro ponto que pode ser observado é que, no período de 1960 a 1991, tanto a população urbana quanto a rural apresentam taxas de variação positivas e crescentes, indicando a ocorrência do movimento populacional inter e intra-regional, conforme explicação dada por Bentes (2003): Nas décadas de 1970 e 1980, as grandes obras para suporte dos Grandes Projetos constituíram-se em incentivo ao processo migratório. É um período em que também se verificou uma mobilização intra-regional, uma vez que, ao terminar uma obra, a mão-de-obra liberada partia em busca de novo trabalho em outro projeto ou nos garimpos. Os resultados do Censo Demográfico 2000 mostram a persistência da maior intensidade da urbanização regional comparada à do país, porém, as taxas de variação populacional urbana ocorrida na última década do século XX são declinantes. Tal

9 9 comportamento dos últimos anos da série é justificado, em parte, pelo arrefecimento do movimento migratório para a região em função da falta de um estimulo maior nesse sentido. Entretanto, a migração ainda persiste nos dias atuais, em direção às áreas de florestas ou detentoras de recursos minerais, isto é, pela imensa riqueza natural nelas contidas. Tabela 5 - Variações das populações urbanas e rurais do Brasil e da Região Norte /2000 Período Brasil (%). Região Norte (%). Urbana Rural Urbana Rural ,83 16,95 43,14 19, ,66 16,90 64,88 26, ,39 5,90 69,34 23, ,43-6,06 86,72 43, ,01-11,86 131,77 49, ,29-11,13 52,20-5,39 Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005). Diegues (1999) explica o processo de ocupação do espaço amazônico da seguinte forma: A fim de ocupar a região, o governo estimulou a chegada de camponeses sem terra do nordeste e do sul. Centenas de milhares de colonos de áreas temperadas foram atraídos para a região amazônica sem o conhecimento de práticas agrícolas adequadas a um ambiente de floresta tropical. Parte destes novos colonos chegou espontaneamente, atraídos pela propaganda de terras baratas, e parte chegou à região através de assentamentos organizados, como foi o caso do estado de Rondônia. Grande parte desses assentamentos fracassaram devido a baixa fertilidade da terra, a carência de serviços básicos (comercialização, extensão rural e infra-estrutura) e condições ecológicas, culturais e políticas distintas. Os Grandes Projetos levaram a uma intensificação no uso dos recursos naturais e, portanto, a um grau elevado de interferência no meio ambiente. Devido à ação dos grandes investimentos nessa direção, é visível a modificação das paisagens amazônicas, uma vez que as florestas deram lugar ao cultivo e às pastagens artificiais ou a grandes buracos a céu aberto, deixados pela extração de minérios. É o que se vê, por exemplo, no Estado do Pará, como resultados de projetos como: Jarí, Serra Pelada, Icomi, etc. Becker (1998) evidencia a importância do papel dos migrantes na expansão da fronteira amazônica, explicando que: Nas décadas de 1950 e 1960 a maior parte do fluxo migratório era espontânea, destinava-se ao norte de Goiás e ao sul do Pará e era formada por trabalhadores rurais, pequenos ocupantes, posseiros e proprietários sem capital vindos do Nordeste. /.../ a partir de 1970, contudo, a intensificação da apropriação privada das terras e o controle das terras virgens pelo governo impediram o movimento espontâneo de ocupação. Simultaneamente a migração passa a ser fortemente induzida e orientada pelo governo e é acrescida de pequenos e médios produtores e pequenos investidores do Sul que se destinam também a Rondônia e ao Mato Grosso. Isto porque a colonização constitui condição não só do povoamento, mas também da formação da força de trabalho. Em virtude da grande extensão de terras, é possível verificar que a migração da região apresenta diferenças no seu modo de ser, haja vista que, enquanto a Amazônia Ocidental foi

10 10 ocupada por pessoas, em grande parte, vindas dos Estados do sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e do interior de São Paulo, na Amazônia Oriental, a ocupação se deu a partir da abertura da rodovia Belém-Brasília, em grande parte por nordestinos e foi consolidada com os grandes projetos agrícolas e mineradores. 3.3 CRESCIMENTO POPULACIONAL A população da Região Norte apresentou crescimento acelerado em comparação com a população do país, em particular no período de 1970 a 1980, quando se verifica uma variação percentual de 63,2% e uma taxa anual de 5,02%, superior à taxa nacional de 2,48% a.a. Também, no período de 1980 a 1991, houve uma variação de 70,6% e, apesar de a taxa de crescimento anual desse período (3,96%) ser inferior à do período anterior, persistiu o avanço da região em relação ao país (1,89% a.a.). Em termos absolutos, a população regional cresceu de 2,9 milhões em 1960 para 5,9 milhões em 1980, uma variação de 51%, no período em foco. Essa evolução populacional de forma marcante é justificada pela evolução do processo migratório em função da colonização e dos Grandes Projetos. E mais, se a comparação for estabelecida entre os anos de 1991 e de 1950, verificar-se-á que a população regional quintuplicou, haja vista que passou de dois para dez milhões de habitantes (Tabela 6). A década de 1980 é evidenciada pela intensificação do extrativismo mineral, atraindo milhares de pessoas de outras regiões do país. Além disso, observa-se, nos dados da Tabela 6, que em todas as décadas do período em estudo, a taxa geométrica de crescimento regional foi superior à nacional. A dinâmica desse processo de crescimento pode ser justificada em função da intensificação do processo migratório, uma vez que a taxa de crescimento vegetativo para a região deve acompanhar o ritmo de queda da taxa nacional e que vem se situando em torno de 1,3%, conforme dados do IBGE (2005). Tabela 6. Indicadores demográficos do Brasil e da Região Norte 1920/2000. Ano Taxa geométrica de População (milhões) % crescimento (%) Região Região Região Brasil Brasil Brasil Norte Norte Norte ,6 1, ,2 1,6 34,6 13,1 1,49 0, ,9 2,0 26,0 25,9 2,34 2, ,0 2,9 36,7 43,0 2,76 3, ,1 3,6 31,2 23,0 2,48 3, ,0 5,9 27,8 63,2 2,48 5, ,8 10,0 23,4 70,6 1,89 3, ,1 11,3 7,0 12,5 0,80 2, ,8 12,9 8,1 14,3 1,80 3,40 Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005) A questão populacional regional também pode ser olhada sob o ângulo da participação da região no total nacional. A Tabela 7 mostra o aumento da participação da região no total do país em torno de 95%, no período de 1960 a 1996, passando de uma participação de 3,7% (1960) para 7,2% (1996). Nota-se que, no período de 1960 a 1980, a participação da população da Região Norte no total do Brasil é a menor comparada às participações de todas as outras regiões brasileiras. Porém é percebível que, enquanto a participação da população da

11 11 região Norte cresceu em 95%, as regiões Nordeste, Sudeste e Sul tiveram suas participações reduzidas, em 10%, 3% e 10%, respectivamente. Tabela 7. Participação da população regional no total do país (%) Regiões % (1996/1960) Norte 3,7 3,9 4,9 6,9 7,2 7,6 95 Nordeste 31,6 30,2 29,3 28,9 28,4 28,1-10 Sudeste 43,8 42,8 43,5 42,7 42,7 42,6-3 Sul 16,7 17,7 16,0 15,1 15,0 14,8-10 Centro-Oeste 4,2 5,4 6,3 6,4 6,7 6,9 60 Brasil 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 - Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005). As Fguras 1a e 1b estabelecem uma comparação entre o aumento das participações das regiões Norte de Centro-Oeste no total populacional brasileiro do ano de 2000 em relação ao ano de 1960 e das reduções nos percentuais das demais regiões. Sul 17% Centro-Oeste 4% Norte 4% Nordeste 32% Sul 15% Centro-Oeste 7% Norte 8% Nordeste 28% Sudeste 43% Sudeste 42% (a) (b) Figura 1 Participação da população regional no total do País, em 1960 e Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005). Embora tenha ocorrido um incremento substancial no contingente populacional, no período em análise, a Região Norte caracteriza-se por possuir a menor densidade demográfica, em função de sua grande extensão territorial, comparada às demais regiões (Figura 2); enquanto a referida região ocupa 45% do território brasileiro, as demais ocupam: 19% (Centro-Oeste), 18% (Nordeste), 11% (Sudeste) e 7% (Sul). E mais, vê-se que sua densidade passou de 0,53 para 3,35 habitantes/km², no intervalo de tempo de 1950 a 2000, enquanto que a densidade demográfica do país passou de 6,1 para 19,92 habitantes/km², no mesmo período (Tabela 8). Centro-Oeste 19% Sul 7% Norte 45% Sudeste 11% Nordeste 18% Figura 2 - Participação da área regional no total da área do País (%) Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005).

12 12 Tabela 8. Densidade demográfica (habitantes /km²). Períodos Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro- Oeste ,6 0,37 7,24 14,77 6,14 0, ,84 0,42 9,29 19,84 9,95 0, ,1 0,53 11,57 24,39 13,61 0, ,34 0,76 14,43 33,6 20,64 1, ,1 1,09 18,45 43,62 28,95 2, ,23 1,76 22,79 56,87 33,63 4, ,26 2,66 27,33 67,77 38,38 5, ,92 3,35 30,69 78,2 43,54 7,23 Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005). Técnicos do IPEA (1997), em estudo sobre o crescimento econômico da Amazônia relativo ao período de 1960 a 1995, afirmam que: Muito menos que o crescimento econômico, é a explosão populacional que perturba os equilíbrios ecológicos originais. E, apontam como uma alternativa para recuperar o equilíbrio a redução do número de habitantes. Entretanto, acredita-se que essa não é a solução eficiente, se for levada em consideração a participação da população regional no total nacional comparada às demais regiões brasileiras, conforme mostra a Tabela 7, na qual se verifica que as regiões de maiores participações são o sudeste e o nordeste brasileiros, cuja participação conjunta atingiu 71,1% do total nacional em Também, é importante considerar a sua densidade demográfica, que sempre foi a menor em relação às demais regiões brasileiras (Tabela 8). O acelerado crescimento demográfico ocorrido na Região Norte em função da migração intensa, no período em questão, torna-se evidente quando se analisa o crescimento populacional dos principais municípios localizados ao longo das principais rodovias (Tabela 9). Observa-se que a variação média da população residente nos municípios selecionados no ano de 1991 em relação à residente em 1970 foi de 598%. Entre eles, destacam-se: Itaituba, no Estado do Pará, cujo acréscimo foi sete vezes mais que no início do período. Neste caso, além da estrada como fator de atratividade para as atividades agrícolas, tem-se como fator desencadeador do processo migratório para a região a existência de ouro em abundância no município. Itupiranga com 592% de variação populacional no período de 1970 a 1991, em função de fatores locacionais existentes na área de influência da BR-230, às proximidades de Marabá, do qual foi desmembrado. Jacundá, cujo incremento populacional foi de 1.838%, no período de 1970 a 1991, tem sua sede localizada às margens da Rodovia PA-150 e foi desmembrado de Marabá, tendo, portanto, sofrido a influência do processo migratório ocorrido na área de influência da BR-230. Na área desenvolveu-se a pecuária e o extrativismo vegetal, principalmente de castanha-do-pará e de madeiras de lei. Marabá, localizado no Estado do Pará, na BR-230; também, como os demais, seu crescimento populacional sofreu a influência da estrada e teve como centro de atração para a migração, em um primeiro momento, os programas de colonização do governo federal para a Transamazônica; depois, houve a fase dos Grandes Projetos, na qual o

13 13 extrativismo mineral serviu como ponto de atratividade para trabalhadores de outras regiões brasileiras e de outros estados da própria região, ávidos pelo desejo de enriquecimento rápido. São Félix do Xingu com um incremento populacional de 967%, acentuando-se (1657%) na primeira metade da última década do século XX. A proximidade da rodovia foi o principal fator de atração, levando ao desenvolvimento do extrativismo madeireiro em larga escala. Senador José Porfírio, com uma variação populacional de 1.213%, tem como elemento integrador a Transamazônica. Na década de 1970, houve um forte fluxo migratório para a região, baseado, principalmente, na agricultura e pecuária. Na década de 80, o dinamismo econômico continuou num ritmo similar, no entanto, com forte desmatamento e exploração irracional dos recursos florestais. Outros municípios apresentaram no período um elevado crescimento populacional, como é o caso de Tucuruí (491%), no Estado do Pará, em função da construção da Hidrelétrica de Tucuruí, que serviu de incentivo para o processo migratório regional, impactando substancialmente sobre o meio natural e sobre o modo de vida da população local e Manaus (225%) em função da Zona Franca, haja vista que de uma população de aproximadamente 312 mil habitantes, em 1970, ultrapassou o total de um milhão de habitantes, duas décadas mais tarde. O que chama a atenção nos dados da Tabela 9 é que a maioria dos municípios, de maiores incrementos populacionais, pertence ao Estado do Pará, que, de acordo com as pesquisas desenvolvidas em relação ao meio ambiente, é o estado que apresenta maior índice de desmatamento da Região Norte ou Amazônia Clássica; entretanto, considerando-se o espaço geográfico da Amazônia Legal, o Pará, atualmente, é superado pelo Estado de Mato Grosso, conforme dados do Balanço Ambiental realizado pela Embrapa (2002) Tabela 9. Municípios da Região Norte com maiores taxas de crescimento populacional, localizados ao longo das principais rodovias, 1970/1996. Municípios População residente % (1991/ % (1996/ ) 1970) Altamira - Pa Ananindeua - Pa Araguaína - To Boa Vista - Rr Itaituba - Pa Itupiranga - Pa Jacundá - Pa Marabá - Pa Paragominas - Pa Paraíso Tocantins To Porto Velho - Ro São Félix do Xingu - Pa Senador J. Porfírio Pa Variações médias (%) Fonte: Elaborada com base nos dados do IBGE (2005).

14 DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA Dois problemas principais são gerados pela forma como a agropecuária e o extrativismo têm sido praticados na Região Norte: o desmatamento, em grande escala e as queimadas, que provocam o aumento da poluição atmosférica devido ao lançamento no ar de dióxido de carbono (CO 2 ), metano (CH 4 ), óxido nitroso (N 2 O), ozônio (O 3 ) e outros gases. As queimadas são muito utilizadas na região com a finalidade de limpar o terreno para a formação de pastagens e para a lavoura. Ambos são responsáveis pela diminuição da infiltração de água no solo, uma vez que as águas das chuvas, ao invés de penetrarem no solo, passam a correr por sua superfície, carregando sedimentos que são depositados nos leitos dos rios, provocando o assoreamento dos mesmos. O fenômeno dificulta não só a navegação como também facilita o transbordamento do rio durante o período das chuvas. Além disso, o uso de agrotóxicos e de máquinas agrícolas provoca contaminação do solo e dos rios, a erosão do solo e a destruição de microorganismos nele existente. Existem divergências não somente quanto às causas, mas também quanto à amplitude do desmatamento na Amazônia, conforme pode ser visto nos seguintes resultados de pesquisas: enquanto técnicos do INPE (2003) estimam que a área desflorestada total na Amazônia brasileira cresceu de 10 milhões de hectares, em 1970, para 53 milhões de hectares em 1997, com base em imagens de satélite, Veríssimo e Arima (2000) estimam que o desflorestamento que ocorreu nas três ultimas décadas do século passado foi de 15% da área da floresta tropical amazônica de 4 milhões de km² e afirmam que nas décadas de 1970 e 1980, o fato aconteceu em função dos incentivos fiscais para infra-estrutura rodoviária e energética e que, na década de 1990, foi em função da exploração madeireira predatória, da pecuária extensiva e dos assentamentos de reforma agrária, Entretanto, segundo relatório do IPAM (2003), o processo de ocupação eliminou km2 de florestas através do corte e da queima da vegetação, cujo resultado é a liberação de 2 a 4% das emissões globais de carbono para a atmosfera, o que vem contribuir para o efeito estufa. Há a estimativa de um desmatamento de 33 a 55% das florestas existente dentro da faixa de 100 km de largura ao longo das rodovias. Considerando-se os dados do desmatamento da Amazônia contidos na Tabela 10, verifica-se que para cada quilômetro de estrada construída, há uma área desmatada de 27,3 km². Logo, fazendo-se o confronto com os dados da Tabela 1, na qual estão registrados km de rodovias construídas no período de 1960 a 1980, estima-se um desmatamento igual a ,3 km², área superior à apontada nas diversas pesquisas. Tabela 10. Desmatamento ao longo das rodovias pavimentadas na Amazônia. Rodovias Extensão (km) Área desmatada¹ (km²) Belém-Brasília (BR-010) Cuibá-Porto Velho (Br -364) PA Total (¹) Área desmatada se refere à faixa de 50 km para cada lado da rodovia. Fonte: Homma (1998) As divergências existentes quanto à extensão do desmatamento na Amazônia são mostradas por Homma (1993) através de uma metodologia que permite estimar o período de pousio e o tempo de cultivo consecutivo nas lavouras temporárias da região amazônica. Pelo estudo desenvolvido por esse pesquisador, verifica-se que só com as lavouras temporárias, a

15 15 extensão da área alterada foi praticamente o dobro das estimativas baseadas em imagens de satélite. Por exemplo, enquanto para 1980, as estimativas de satélite acusam uma área alterada de hectares, o resultado da pesquisa aponta para hectares. A justificativa está no fato de que as imagens de satélite na maioria das vezes não captam ações de degradação ambiental encobertas pelas árvores de maiores portes. Homma (1998) mostra que a pressão do desmatamento na Amazônia apresenta-se em dois extremos: enquanto entre os índios o tempo de pousio é longo e a freqüência das queimadas e das derrubadas é baixa, entre os pequenos agricultores, o tempo de pousio é curto e a freqüência das derrubadas e das queimadas é alta (Figura 3). Com grande conhecimento sobre o desenvolvimento regional, Pandolfo (1994) afirma que a extensão atribuída aos desmatamentos da região amazônica apóia-se, freqüentemente, em dados numéricos dissociados da realidade e que, no Brasil, a instituição credenciada para levantamentos dessa natureza é o INPE, que atribui, no período de 1970 a 1988, uma taxa de desmatamento de 5,124% para a Amazônia Legal. Nº de derrubadas e queimadas Pequenos produtores índios Anos de pousio. Figura 3. Relação entre o tempo de pousio e a freqüência de derrubadas e queimadas praticadas pelos pequenos produtores e pelos índios. Fonte: Homma (1998). A influência do processo migratório sobre os desmatamentos ocorridos no Norte brasileiro, no período em análise, também, pode ser vista através da relação com a dinâmica da lavoura temporária, refletida nos dados contidos na Tabela 11, na qual se evidencia o período de 1970 a 1975, em que a área destinada à lavoura temporária praticamente duplicou (97%). É o período em que, Homma (1993), com base nas estimativas populacionais do IBGE, mostra a face invisível do desmatamento, na Amazônia, a uma taxa de 14,5% ao ano, coincidindo com a maior intensidade do fluxo migratório para a região. Foi o desmatamento feito por pequenos agricultores para lavouras temporárias. Esse período de grande acréscimo nas áreas de lavouras temporárias traduziu-se em maior utilização dos recursos naturais de forma predatória, na qual predominam as queimadas e o desmatamento.

16 16 Tabela 11 - Indicadores da dinâmica da lavoura temporária na Região Norte. 1950/1985. Taxa geométrica de Ano Área (1.000 ha) % crescimento (%) ,4 3, ,1 14, ,4 4, ,8 2,2 Fonte: IBGE (1998) Segundo Almeida (1996), o desmatamento em larga escala tem se concentrado em um arco que vai do Estado do Pará, no leste, passando por Mato Grosso, até Rondônia, no Oeste, chamado de arco do desmatamento. Com base no último relatório do Programa Piloto para a Preservação das Florestas Tropicais (PPG-7), Savini (2005) diz que o modelo de redistribuição de terras praticado pelo Incra na Amazônia está contribuindo para o desmatamento da região, porque os assentados recebem os lotes de terra, mas nenhuma assistência técnica para produzir nem para aprender a manejar essa terra. Então, para se capitalizarem, derrubam e vendem madeira. Portanto, existe uma incompatibilidade entre as políticas ambientais e fundiárias do governo federal. A conclusão obtida, a partir de viagens às regiões onde o processo de desmatamento da Amazônia brasileira é mais acelerado, é que a lógica do reassentamento do Incra é fadada ao fracasso sócio-ambiental. Não somente porque se concentra em simples distribuição de terra, baseada em critérios mais políticos que econômicos, como, também, porque contribui para o fracasso de pequenos projetos familiares, estimula o desmatamento e alimenta os esquemas criminosos de controle da terra. 3.4 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Um dos fenômenos mais discutidos na atualidade é a destruição da camada de ozônio como conseqüência do uso desordenado dos recursos naturais. A mudança do clima no planeta Terra tem levado as pessoas a perceberem que, da preservação do meio ambiente, depende o futuro da humanidade. Essa tomada de consciência é importante para que a natureza seja menos agredida e a vida na terra seja preservada. Dentre os principais problemas da vida moderna que afetam o meio ambiente citam-se: o desmatamento, a poluição do ar, da água e do solo. Em grande parte são as atividades humanas que provocam o aquecimento da terra e as mudanças climáticas, através da crescente emissão de gases do efeito estufa (GEE), como o dióxido de carbono e do desmatamento (Medeiros, 2004). No primeiro caso, o Brasil ainda esta incluído na lista de paises de menores emissões, porém, no segundo caso, é considerado como vilão, em virtude dos desmatamentos ocorridos de forma intensa na região amazônica, uma vez que as riquezas, nela contidas, despertam o interesse e a cobiça daqueles que já convivem com a escassez de recursos, conseqüência do uso predatório de seu capital natural. Determinados fatos históricos registram que o interesse pela sustentabilidade da Amazônia já existe desde muito tempo, tanto que Branco (1995) enfatiza o trabalho de Robert Goodland e Haward Irwin denominado de A selva Amazônica: do inferno verde ao deserto vermelho?, baseado em suas expedições à América tropical, no período de 1799 a 1804, no qual já estava contida a preocupação de fazer sem destruir, colonizar sem impactar, ocupar sem violentar seus legítimos residentes. São ações que, segundo o referido autor, atendem ao conceito de desenvolvimento sustentável, apresentado pelo CMMAD (1991)

17 17 como: desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as gerações futuras satisfazerem as suas próprias necessidades. Entretanto, Kitamura (1994), ao analisar o desenvolvimento sustentável da Amazônia, afirma que os problemas ambientais, que nela ocorrem, resultam das políticas públicas mal planejadas e surgiram com o estilo de desenvolvimento implantado à partir da década de 1960, podendo ser vistos sob as seguintes formas: desmatamento, poluição dos rios por mercúrio e contaminação dos ambientes urbanos. Porém, o desenvolvimento sustentável dessa região começou a ser discutido somente na década de 1970, em nível internacional, devido aos danos causados ao meio ambiente pelos desmatamentos e queimadas, sob a forma de diminuição do oxigênio da terra e a aceleração do efeito estufa. Para Nepstad (2000), as atividades humanas na floresta amazônica têm diferentes impactos ecológicos. Fazendeiros e agricultores derrubam e queimam a floresta para implantar pastagens e culturas agrícolas. Os madeireiros, para cada árvore que retiram, danificam várias outras, reduzindo o numero de espécies vegetais e animais. Outros coletam vários produtos não-madeireiros como látex, frutos e animais. Dos três níveis de uso, o primeiro tem grande impacto ecológico, pois a floresta é substituída por outros tipos de vegetação resultando em mudanças drásticas na hidrologia, no conteúdo de carbono e na diversidade biológica. Com um índice de pluviosidade acima de 1500 mm, um dos maiores do mundo, segundo Coutinho (2002), a Amazônia vem sentindo os efeitos dos desmatamentos, caracterizado pela redução desse índice nas três ultimas décadas. Segundo Homma (1998) existem na região amazônica pequenos produtores que usam as queimadas e os desmatamentos como garantia de sobrevivência. Eles cultivam 2 a 3 hectares durante 2 a 3 anos, de forma que há sempre uma demanda por terras. Ele conclui: Pode-se afirmar que a maior parte dos desmatamentos são atualmente realizados por este seguimento de pequenos produtores. A saída que Homma (1993) encontra para reduzir a pressão sobre os recursos da região amazônica é a redução das correntes migratórias, através do aumento da produtividade e da reorganização fundiária nas áreas de agricultura tradicional. Na visão da Comissão Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento CMMAD (1991) o desenvolvimento sustentável requer inúmeras ações, entre as quais destaca-se a administração do crescimento demográfico, que, no caso da região amazônica, aconteceu de forma intensa e desordenada, refletindo negativamente sobre o meio ambiente. 3.5 CONCLUSÕES O modelo de desenvolvimento econômico implantado na Amazônia gerou graves problemas ambientais e sociais, em virtude da falta de sensibilidade na análise dos fatores relacionados às especificidades dessa vasta região. No momento atual, quando o mundo todo, diante da preocupação com a questão ambiental e a conseqüente escassez de alimentos para suprir uma população que cresce em um ritmo galopante, se volta para a Amazônia, pela sua imensa riqueza natural, é preciso que seja aplicada uma política estratégica especifica para a região, cujo foco principal devem ser as comunidades locais e para as quais o atendimento, do ponto de vista da educação, da saúde e da melhoria de renda, deve ser prioritário. Em virtude da ligação entre as questões sociais e as questões ambientais, as políticas públicas atuais são voltadas para a melhoria de vida das populações regionais, olhando sempre o crescimento econômico sustentável, uma vez que é a partir da preocupação e da prioridade dada ao homem que se pode atingir o desenvolvimento, em toda a sua plenitude. Por isso, as diretrizes básicas da Política Nacional Integrada para a Amazônia, compreendem: a) reorientação do crescimento adequando-se aos sistemas ambiental e social da região; b) Integração interna e externa cuja estratégia de ocupação será desenvolvida através da gestão ambiental que utilizará instrumentos como: plano de manejo, licenciamento ecológico-

18 18 econômico; c) Valorização humana. Portanto, considera-se o desenvolvimento com base no tripé: econômico, social e ambiental. É preciso que as intenções contidas nas políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável regional sejam efetivadas, pois, o que se verifica, na prática, é a prevalência do econômico, em virtude de interesses maiores que não condizem com os interesses locais. A questão social deveria estar acima de tudo, uma vez que, o homem, através de sua capacidade criadora, pode atingir o fim desejado, ou seja, o desenvolvimento sustentável, tendo como base a estratégia regional, em que as atividades produtivas são praticadas de forma racional. Resolvida a questão social, conseqüentemente, a questão ambiental terá solução. Neste caso, as estradas que, conforme os resultados da pesquisa, serviram de elemento de destruição, passarão a funcionar como vetor de progresso, facilitando o escoamento da produção e a integração da região ao contexto nacional e internacional. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Oriana Trindade (org.). A evolução da fronteira amazônica oportunidades para o desenvolvimento sustentável. Belém: Imazon, BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL BNDES. Desenvolvimento regional no Brasil: tendências e novas perspectivas. Revista do BNDES, Rio de Janeiro. V. 8 N. 16. Dezembro de BECKER, Bertha K. Amazônia. São Paulo: Ática, BENTES, Elisabeth dos Santos. Segurança alimentar no Estado do Pará: situação atual e perspectivas. Dissertação de mestrado. Belém: Unama, BRANCO, Samuel Murgel. O Desafio amazônico. São Paulo: Moderna, COMISSÃO MUNDIAL PARA O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CMMAD. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: FGHV, COSTA, J. M.M. Amazônia: desenvolvimento ou retrocesso. Belém,: CEJUP, COUTINHO, L. A seca é fogo. Revista Veja, Disponível em: httm:/www.mct.gov.br/prog/ppg7/secafogo.htm. Acesso em: DIEGUES, Antonio Carlos (org.). Desmatamentos e modos de vida na Amazônia. São Pulo: NUPAUB/USP, EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA. Balanço ambiental. Brasília, DF, CDD (21 ed.) HOMMA, A.K.O. Extrativismo vegetal na Amazônia: limites e oportunidades. Brasília: Embrapa-SPI, Amazônia: meio ambiente e desenvolvimento agrário. Brasília: Embrapa- SPI; Belém: Embrapa-CPATU, 1998.

O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional.

O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional. O Plano de Integração Nacional de 1970 e as rodovias na Amazônia: o caso da região amazônica na política de integração do território Nacional. Aluno Bernardo Pacheco Loureiro N USP 4355431 AUP 270 A formação

Leia mais

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento

Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente. José Antonio Sena do Nascimento Amazônia : Uma Abordagem Geográfica da Dinâmica Populacional Recente José Antonio Sena do Nascimento Jorge Kleber Teixeira Silva 1 O trabalho em questão faz parte de uma linha de pesquisa desenvolvida

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional

REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional REGIÃO NORTE REGIÃO NORTE: MAIOR REGIÃO BRASILIERA EM EXTENSÃO. 45% do território nacional GRANDE ÁREA COM PEQUENA POPULAÇÃO, O QUE RESULTA EM UMA BAIXA DENSIDADE DEMOGRÁFICA (habitantes por quilômetro

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica

Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Uma Estratégia Produtiva para Defesa da Biodiversidade Amazônica Painel: Inovação e Exploração de Fontes Locais de Conhecimento Bertha K. Becker Laget/UFRJ BNDES 30/11/2010 Problemática: Reconhecimento

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002

Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia. Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 Estimativa do Custo Econômico do Desmatamento na Amazônia Ronaldo Seroa da Motta Rio, julho 2002 QUADRO 1 Exemplos de Valores Econômicos dos Recursos Florestais Valor de uso Valor passivo ou de não-uso

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

IMPACTO VIRTUOSO DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS SOBRE A PROTEÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA SUFRAMA JUNHO DE 2007

IMPACTO VIRTUOSO DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS SOBRE A PROTEÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA SUFRAMA JUNHO DE 2007 IMPACTO VIRTUOSO DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS SOBRE A PROTEÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA SUFRAMA JUNHO DE 2007 IMPACTO VIRTUOSO DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS SOBRE A PROTEÇÃO DA FLORESTA AMAZÔNICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos

Universidade Federal de Uberlândia PRGRA Pró-Reitoria de Graduação DIRPS Diretoria de Processos Seletivos GEOGRAFIA Gabarito Final - Questão 1 A) Dentre os fatores que justificam a expansão da cana-de-açúcar no Brasil, destacam-se: Aumento da importância do álcool ou etanol na matriz energética brasileira;

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: Questão 01) O Brasil está dividido em três grandes complexos econômicos regionais: Centro-Sul,

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.

É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é conseqüência. A) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial. PROVA DE GEOGRAFIA QUESTÃO 09 Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT

04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT 04 a 06 de Novembro de 2015 Cuiabá - MT Padrões de evolução de atividades agropecuárias em regiões adjacentes ao Pantanal: o caso da série histórica da agricultura e da produção animal na bacia do Rio

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil

População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil RELEASE 17 de JULHO de 2008. População e PIB das cidades médias crescem mais que no resto do Brasil Aumentos de riquezas e de habitantes nas cidades com 100 mil a 500 mil, neste século, superam a média

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Paisagens Climatobotânicas do Brasil

Paisagens Climatobotânicas do Brasil Paisagens Climatobotânicas do Brasil 1. Observe a figura abaixo. Utilizando seus conhecimentos e as informações da figura, assinale a alternativa correta. a) A tundra constitui o bioma mais devastado do

Leia mais

REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1

REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1 REDUÇÕES DE EMISSÕES DE CARBONO POR DESMATAMENTO EVITADO NO ESTADO DO AMAZONAS: UMA PROPOSTA DE ESTIMAÇÃO 1 Carlos Eduardo Frickmann Young 2 Vivian Mac-Knight 3 Roberta Carvalho Muniz 4 Raphael Simas Zylberberg

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Questões ambientais do Brasil

Questões ambientais do Brasil Questões ambientais do Brasil Ao longo da história do Brasil, o desmatamento esteve presente em todos os ciclos econômicos responsáveis pela construção do país, o que reduziu bastante a biodiversidade

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul

-III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3. 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul -III Assembléia Mundial pela Saúde dos Povos PHA3 6 a 11 de julho de 2012 Universidade de Western Cape Cape town, África do Sul EM DEFESA DA AMAZÔNIA "ambientes sociais e físicos que destroem ou promovem

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA ATENÇÃO: Este trabalho deverá ser realizado em casa, trazendo as dúvidas para serem sanadas durante as aulas de plantão. Aluno (a): 5º ano Turma: Professora:

Leia mais

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia

O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia O Cerrado brasileiro: geopolítica e economia Bernardo Campolina Universidade Federal do Tocantins Seminário Crise Mundial e Desenvolvimento Regional: Desafios e Oportunidades para o Brasil BNDES Rio de

Leia mais

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil

A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil A Floresta Amazônica, as mudanças climáticas e a agricultura no Brasil Quem somos? A TNC é a maior organização de conservação ambiental do mundo. Seus mais de um milhão de membros ajudam a proteger 130

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS.

A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. A ONU ESTIMA QUE, ATÉ 2050, DOIS TERÇOS DA POPULAÇÃO MUNDIAL ESTARÃO MORANDO EM ÁREAS URBANAS. EM 1950, O NÚMERO CORRESPONDIA A APENAS UM TERÇO DA POPULAÇÃO TOTAL. CERCA DE 90% DO AVANÇO DA POPULAÇÃO URBANA

Leia mais

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues

Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues Força Total Amazônia Prof a. Rose Rodrigues 1- (UNICAMP) As figuras a seguir representam duas concepções geopolíticas de ocupação da Amazônia brasileira no período militar. Responda às perguntas: a) Quais

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA

COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE GEOGRAFIA A UFPR elaborou boas questões de geografia para esta edição do vestibular. Destacamos a abrangência, com questões de assuntos importantes, como orientação, migrações, urbanização

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Natureza e Cultura: Contextos e Espaços

Natureza e Cultura: Contextos e Espaços iências Humanas E SUAS T ECC NOLOGIASS Tema Natureza e Cultura: Contextos e Espaços Ficha de Estudo 119 Tópico de estudo Impacto ambiental das atividades econômicas no Brasil Entendendo a competência Competência

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

Ensino Médio 3ª Série.

Ensino Médio 3ª Série. Ensino Médio 3ª Série. Divisão e Dinâmica Regional Brasileira INTRODUÇÃO 1ª PARTE: DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL 2ª PARTE: DINÂMICA REGIONAL BRASILEIRA Regionalização A divisão de um espaço ou território

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II A nova Pirâmide Etária do Brasil; Crescimento horizontal devido às migrações; É um tipo de gráfico que representa os dados sobre

Leia mais

Principais características geográficas do estado do Goiás

Principais características geográficas do estado do Goiás Principais características geográficas do estado do Goiás Laércio de Mello 1 Para iniciarmos o estudo sobre o estado de Goiás é importante primeiramente localizá-lo dentro do território brasileiro. Para

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

CADERNO DE ATIVIDADES

CADERNO DE ATIVIDADES COLÉGIO ARNALDO 2014 CADERNO DE ATIVIDADES GEOGRAFIA Aluno (a): 4º ano Turma: Professor (a): Valor: 20 pontos Conteúdo de Recuperação Sistema Solar. Mapa político do Brasil: Estados e capitais. Regiões

Leia mais

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE

DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DESENVOLVIMENTO INTELIGENTE DOZE PRINCÍPIOS PARA MAXIMIZAR O ESTOQUE DE CARBONO E A PROTEÇÃO AMBIENTAL NAS FLORESTAS DA AMAZÔNIA Baseados nos estudos do Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas,

Formação das Rochas. 2.Rochas sedimentares: formadas pela deposição de detritos de outras rochas, Relevo Brasileiro 1.Rochas magmáticas ou ígneas, formadas pela solidificação do magma.podem ser intrusivas formadas dentro da crosta terrestre ou extrusivas na superfície. Formação das Rochas 2.Rochas

Leia mais

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia

Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto. Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Aquecimento Global e Protocolo de Kyoto Professor Thiago Espindula Disciplina de Geografia Exercícios (ENEM 2006) Com base em projeções realizadas por especialistas, teve, para o fim do século

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO PROJETO LEI 6.424/05 CONGRESSO NACIONAL AUDIÊNCIA PÚBLICA BRASILIA, 1 DEZEMBRO 2009 PROF. LUIZ CARLOS BALDICERO MOLION, PhD INSTITUTO DE CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Urbanização no Brasil

Urbanização no Brasil Urbanização no Brasil Urbanização é o aumento proporcional da população urbana em relação à população rural. Segundo esse conceito, só ocorre urbanização quando o crescimento da população urbana é superior

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Diretoria de Estatísticas Educacionais RESULTADO DO CENSO DA EDUCAÇÃO BÁSICA 2009 O Censo Escolar, realizado anualmente pelo

Leia mais

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25 Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB, Emprego e Renda no Estado do Acre: Evolução no Período 2000 a 2013. Dr. Paulo Roberto Correia

Leia mais

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1

Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Pacto pela Valorização da Floresta e pelo Fim do Desmatamento na Amazônia 1 Introdução Os signatários deste documento propõem à sociedade brasileira um Pacto Nacional pela Valorização da Floresta e pelo

Leia mais