UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ MARLON OBERST CORDOVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ MARLON OBERST CORDOVIL"

Transcrição

1 0 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ MARLON OBERST CORDOVIL RESPONSABILIDADE DO MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NAS AÇÕES COLETIVAS: UMA ABORDAGEM SOB A ÓTICA DO ACESSO A JUSTIÇA COMO FORMA DE CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO SOCIAL DEMOCRÁTICO DE DIREITO Rio de Janeiro 2009 MARLON OBERST CORDOVIL

2 1 RESPONSABILIDADE DO MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NAS AÇÕES COLETIVAS: UMA ABORDAGEM SOB A ÓTICA DO ACESSO A JUSTIÇA COMO FORMA DE CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO SOCIAL DEMOCRÁTICO DE DIREITO Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Direito Público e Evolução Social, pela Universidade Estácio de Sá. ORIENTADOR: PROF. DR ALUÍSIO GONÇALVES DE CASTRO MENDES Rio de Janeiro 2009

3 2 VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA A dissertação RESPONSABILIDADE DO MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NAS ÇÕES COLETIVAS: UMA ABORDAGEM SOB A ÓTICA DO ACESSO A JUSTIÇA COMO FORMA DE CONSOLIDAÇÃO DO ESTADO SOCIAL DEMOCRÁTICO DE DIREITO elaborada por MARLON OBERST CORDOVIL e aprovada por todos os membros da Banca Examinadora foi aceita pelo Curso de Mestrado em Direito como requisito parcial à obtenção do título de MESTRE EM DIREITO Rio de Janeiro, de de 2009 BANCA EXAMINADORA Orientador: Prof. Dr. Aluísio Gonçalves de Castro Mendes Presidente Universidade Estácio de Sá Prof. Dr. Universidade Estácio de Sá Prof. Dr. Universidade

4 3 À minha família, pelas incontáveis horas de convívio subtraídas.

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos os professores do curso de mestrado pela excelência das aulas ministradas. Agradeço também, em particular, à Professora Teresinha pelo exemplo de dedicação e amor à profissão. Agradeço, em especial, ao meu orientador, Professor Aluísio Mendes, não só pelas magníficas aulas proferidas, como também pelas sugestões ofertadas, sem as quais não seria possível realizar esta Dissertação.

6 5 RESUMO A presente dissertação foi elaborada como requisito para a conclusão do Mestrado em Direito da Universidade Estácio de Sá, na área de Concentração Direito Público e Evolução Social e no contexto da Linha de Pesquisa Acesso à Justiça e Efetividade do Processo. A pesquisa partiu da problematização da responsabilidade do membro do Ministério Público por atos praticados no exercício de suas funções no âmbito das ações coletivas. Nesse contexto, tomou-se como objeto de estudo a responsabilidade civil sob a ótica da garantia Constitucional do acesso à justiça, partindo do pressuposto que é função do Ministério Público participar ativamente da consolidação do Estado Social Democrático de Direito. Especificamente, o objetivo foi examinar a hipótese da extensão dessa responsabilidade, no contexto de um Estado Social Democrático de Direito. Para contextualizar o objeto da pesquisa, efetivou-se breve retrospectiva da evolução do Estado, em suas relações com a sociedade e reflexos no Direito, para melhor compreensão da virada paradigmática que culminou no Estado Social Democrático de Direito com seu potencial transformador da realidade social. Com esses fundamentos, a análise empreendida permite perceber a configuração de um sistema especial de responsabilização dos membros do Ministério Público em confronto com eventual descontentamento do poder público ou de particulares. Do ponto de vista metodológico, trata-se de estudo documental, orientado pelo modelo crítico-dialético, que tomou como fontes de consulta, além de estudos elucidativos da evolução histórica das relações entre a sociedade, o Estado e o Direito, a legislação e a doutrina nacional e estrangeira, bem como jurisprudência referente à natureza da atuação do membro do Ministério Público na ação civil pública e sua eventual responsabilização por danos decorrentes de seu munus. Os principais resultados indicam que a responsabilização só pode ocorrer nas hipóteses de dolo, compreendidas aqui todas as formas de sua manifestação, e que a respectiva ação deve ser manejada em face do Estado. Ao final, apresentam-se conclusão e sugestões com o intuito de contribuir para a compreensão e fortalecimento da atuação do Ministério Público e de cada um de seus membros na persecução dos mandamentos constitucionais, tendo em vista a sedimentação do Estado Social Democrático de Direito e o alargamento do acesso à Justiça. Palavras-chave: Ministério Público; Estado Social Democrático de Direito; Ações coletivas; Responsabilidade Civil.

7 6 ABSTRACT This dissertation was prepared as a requirement for completing the Masters in Law course at the University of Estácio de Sá in the area of concentration Social Development and Public Law and in the Line of Access to Justice Research and Effectiveness Process. The research started from the problem as to mark out the responsibility of the Brazilian Public Prosecution Service s member for acts committed in the exercise of its functions in a public collective actions. In this context, was taken as object of study the liability from the perspective of the constitutional guarantee of access to justice on the basis that is a function of the prosecutor actively participate in consolidation of the Social Democratic State of Law. Specifically, the objective was to examine the hypothesis of the likely extent of that liability. To contextualize the object of search, is effective brief historical retrospective of the State, Law and society to provide a better understanding of the paradigmatic turn that culminated in the Social Democratic State of Law with its potential for transforming social reality. With this fundamental, allows the undertaken analysis to realize the configuration of a special system of responsibility of the Brazilian Public Prosecution Service s members in confrontation of any dissatisfaction of the public or private power. From the methodological point of view, it is documentary study, guided by the critical-dialectical model, which took as sources besides elucidatory studies of the historical evolution of the relations between the society, the State and the Right, the legislation and the national and foreign doctrine, as well as jurisprudence referring to the nature of the acting of the member of the Public Prosecution Service in a public collective actions and any liability for damages resulting from his charge. The main results indicate that the responsibility only can take place in the hypotheses of fraud, when all the forms of his demonstration were understood here, and that the respective action must be handled in view of the State. To the end, conclusion and suggestions show up with the intention of contributing to the understanding and strengthening of the acting of the Public Prosecution Service and of each one of its members in the persecution of the constitutional orders, having in mind the sedimentation of the Social Democratic State of Right and the enlargement of the access to the Justice.

8 7 Key words: Brazilian Public Prosecution Service s; Social Democratic State of Law; Public Collective Actions; Liability. SUMARIO INTRODUÇÃO...9 CAPÍTULO 1. ESTADO, DIREITO E SOCIEDADE Aspectos Gerais O Poder Público na Antiguidade O Poder Político na Idade Média O Estado Moderno (Absolutista) O Estado Moderno (Liberal de Direito) O Estado Moderno (Social de Direito welfare state)...55 CAPÍTULO 2. AS AÇÕES COLETIVAS NO ESTADO SOCIAL DEMOCRÁTICO DE DIREITO Aspectos Gerais Principais consequências do Estado Social Democrático de Direito Democracia participativa O acesso à justiça de direitos transindividuais Os interesses transindividuais Definição de interesses transindividuais Espécies de interesses transindividuais O processo coletivo como instrumento efetivo de acesso à justiça As ações coletivas Antecedentes da legitimidade nas ações coletivas no Brasil O sistema atual de legitimidade nas ações coletivas no Brasil A espécie de legitimidade outorgada ao Ministério Público nas ações coletivas: As ações coletivas como forma de exercício da cidadania para a tutela e efetivação dos interesses transindividuais...96 CAPÍTULO 3. O MINISTÉRIO PÚBLICO COMO AGENTE INDUTOR DE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL...99

9 Os antecedentes da formação política e jurídica do Ministério Público O Ministério Público no Estado Social Democrático de Direito A independência funcional: instrumento indispensável para a consecução dos fins do Ministério Público A legitimidade do Ministério Público para questionar judicialmente as políticas públicas e a possibilidade de causar danos a terceiros CAPÍTULO 4. A RESPONSABILIDADE CIVIL DO MEMBRO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NAS AÇÕES COLETIVAS Fundamentos Teóricos Pressupostos da responsabilidade civil: conduta, culpa lato sensu, nexo causal e dano Os agentes políticos: um paralelismo entre os membros do Ministério Público e os magistrados A Teoria do Orgão A natureza jurídica da responsabilidade civil do Estado O abuso do direito e a sua relação com a improbidade processual O sistema especial de responsabilização civil do membro do Ministério Público O elemento subjetivo que justifica a responsabilização do membro do Ministério Público A responsabilidade civil não processual Improbidade processual: o abuso do direito de demandar A responsabilidade indireta: sistema de escudos Da ilegitimidade passiva do membro do Ministério Público Do não cabimento da denunciação da lide A responsabilização direta dos membros do Ministério Público: uma forma indireta de intimidação CAPÍTULO 5. CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...215

10 9 INTRODUÇÃO A Constituição da República de 1988 instaurou novo paradigma nas relações entre o Estado e a sociedade, especialmente, ao introduzir princípios que conduzem à busca da valorização e efetivação da dignidade da pessoa humana, entre outros aspectos. A nova concepção implícita na Carta impinge ao Estado uma atuação transformadora, explicitada por normas de programação final, de caráter vinculante, que lhe prescrevem o dever de perseguir os fins constitucionalmente projetados, cujos objetivos apontam para a implementação dos direitos sociais e do respeito aos direitos humanos 1. Conforme o novo paradigma, a tarefa precípua do Estado não mais se orienta para a proteção exclusiva ou prioritária dos direitos individuais do cidadão, eis que lhe cabe implementar, simultaneamente, medidas e políticas que garantam a efetividade dos direitos fundamentais sociais, favorecendo o pleno desenvolvimento da pessoa humana e de interesses sociais e/ou remover obstáculos que impeçam essas metas. Cumpre agora ao Estado Social Democrático de Direito reestruturar um modelo de sociedade, há muito esgarçada pelas mazelas derivadas de privilégios de toda sorte, por meio de uma atuação prospectiva de superação de desigualdades, com vistas a solidificar um regime democrático que realize justiça e inclusão social. Nesse enfoque, o cidadão só pode ser considerado como tal, se encontrar possibilidades concretas de participação efetiva nas decisões da vida pública. Todavia, a simples existência de normas constitucionais que contemplem direitos sociais de cidadania, por si, não garante sua concretização fática; os direitos, sobretudo dessa magnitude, reclamam mobilização política e social, para migrar da letra fria da lei, para o mundo real onde cumprirão sua missão. Como ressaltado, o ideário social cristalinamente plasmado na Constituição implica um perfil estatal patrocinador, nas diferentes instâncias, de amplo programa de políticas públicas, para as quais o Estado e a sociedade definam o ponto de interseção a partir do qual os Direitos Sociais se tornarão realidade. Em outras palavras: a necessá- 1 PULIDO, Carlos Bernal. Fundamento, Conceito e Estrutura dos Direitos Sociais: Uma crítica a Existem direitos sociais? de Fernando Atria. In: SOUZA NETO, Cláudio Pereira de; SARMENTO, Daniel. Direitos Sociais. Fundamentos, Judicialização e Direitos Sociais em espécie. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008, p

11 10 ria revolução social requer medidas concretas que garantam a prestação do ente estatal na implementação dos princípios e valores insertos no texto constitucional. E, para que os valores constitucionais epigrafados sejam efetivados, não se pode conceber que o ordenamento jurídico existente seja visto apenas como uma moldura de normas meramente formais. Contudo, no Brasil, tanto o legislativo como o Poder Executivo têm deixado lacunas, no que concerne ao desempenho satisfatório de seu papel nessa seara, e, diante disso, o que tem se visto é a sua substituição pelo Judiciário, como agente tido como responsável pelas prestações sociais. 2 Nessas circunstâncias, a proteção jurídica dos interesses transindividuais ganha relevo, em especial no que toca aos direitos difusos, porquanto representam, em última análise, a proteção a direitos fundamentais e impostergáveis como manifestação do próprio exercício de cidadania, alcançando questões sociais nevrálgicas, como a malversação no trato da coisa pública e a carência de políticas públicas preventivas para a proteção e conservação do meio ambiente e para a promoção dos direitos sociais. Sob esse prisma, as ações coletivas despontam como um dos mais importantes instrumentos de transformação social que o constituinte colocou à disposição da sociedade para realizar os valores constantes da Carta Magna de 1988, em especial no que se atém à defesa e promoção dos direitos sociais. É neste contexto que se insere a presente dissertação, que tem por escopo estudar o sistema de responsabilidade civil aplicável aos membros do Ministério Público diante de sua nova postura constitucional advinda com o Estado Social Democrático de Direito, notadamente quanto a eventual abuso do direito de demandar em sede de ações coletivas. O tema é instigante; a despeito disso, poucos autores o enfrentaram, não raro em artigos esparsos, com acentuado dissenso nas suas conclusões. Por exemplo, há muitas divergências sobre se o agente ministerial pode ser responsabilizado em caso de culpa, e ainda se, nessas hipóteses, poderá ser acionado diretamente pelo lesado, ou se só poderá ser regressado pelo Estado. Não se chegou também a um denominador comum sobre a possibilidade da denunciação da lide, nas ações de responsabilidade civil do Estado, em face de ato praticado por membro do Ministério Público. 2 BELLO, Enzo. Cidadania e Direitos Sociais no Brasil: Um enfoque político e social. In: SOUZA NETO, Cláudio Pereira de; SARMENTO, Daniel. Direitos Sociais. Fundamentos, Judicialização e Direitos Sociais em espécie. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008, p. 199.

12 11 De outro ângulo, a jurisprudência é vacilante não tendo encontrado ainda posicionamento definitivo sobre esses apontamentos. Do ponto de vista acadêmico, a relevância da dissertação repousa igualmente no fortalecimento da Linha de Pesquisa Acesso à Justiça e Efetividade do Processo do curso de Mestrado em Direito Público e Evolução Social da Universidade Estácio de Sá e, do ponto de vista da prática, no intuito da concretização do acesso à justiça no âmbito de direitos transindividuais. 3 Sob esse enfoque, ao procurar delimitar o âmbito da responsabilização dos agentes do principal órgão incumbido da defesa desses direitos, deseja-se contribuir para a melhoria do acesso à justiça, o que poderá interessar não só aos profissionais do direito que se ocupam da tutela coletiva, mas, sobretudo, a sociedade em geral que é a destinatária dessa proteção jurídica. Para alcançar esse desiderato, realizou-se pesquisa de natureza documental, orientada pelo modelo crítico-dialético 4, sob a premissa de que avanços obtidos no sentido da proteção de direitos coletivos acompanham movimentos sociais em diferentes áreas, que se mobilizaram com o propósito do reconhecimento de suas demandas, em relação à prestação obrigacional do ente estatal. As fontes consultadas abarcaram legislação, doutrina e jurisprudência. No espectro legal, conferiu-se primazia à Constituição da República Federativa do Brasil e às normas infraconstitucionais que cuidam da matéria, sobretudo as Leis Orgânicas do Ministério da União, do Estado do Rio de Janeiro e a Nacional; os Códigos de Processo Civil e Civil, bem como outros diplomas legais, inclusive já revogados, que, de forma direta ou indireta, tratam da responsabilidade civil do Estado. Efetuou-se, também, breve análise da legislação portuguesa pertinente. No plano doutrinário, buscou-se fundamento em obras de autores nacionais e estrangeiros, não só na seara jurídica, como sociológica, filosófica e da história do Direito em sua relação com a sociedade no Brasil e em outros países. Finalmente, no 3 As ações coletivas abarcadas nesse trabalho incluem apenas as ações civil públicas e a de improbidade administrativa, onde o membro do Ministério Público funciona como órgão agente. 4 Através do método crítico-dialético, procura-se a desconstrução e a reconstrução do objeto investigado, partindo-se da premissa que os avanços sociais em todas as dimensões têm trajetória não linear, mas a- companham as contradições que permeiam a sociedade. Assim, o que se busca é analisar o processo histórico, para identificar em seu contexto e no cotejo com a realidade presente, as possibilidades transformadoras. Definição utilizada pela professora Maria Teresinha Pereira e Silva nas aulas ministradas na disciplina Metodologia do Ensino e da Pesquisa Jurídica, do curso de Mestrado em Direito da Universidade Estácio de Sá, primeiro semestre de 2007.

13 12 campo da jurisprudência, consultaram-se decisões dos Tribunais Superiores, dos Tribunais estaduais e federais, bem como de algumas decisões de primeira instância. A Dissertação está arquitetada em quatro capítulos, cuja estrutura se descreve a seguir. No primeiro capítulo, procura-se contextualizar o objeto da pesquisa por meio de digressão histórica 5 sobre a relação entre o público e o privado para, a partir dessa análise, examinar brevemente a evolução do trinômio Estado-Sociedade-Direito. A importância dessa abordagem é bem definida por Aluisio Mendes 6, nos seguintes termos: (...) para se conhecer o presente e projetar o futuro, fundamental o estudo do passado, restaurando-se as experiências bem-sucedidas e apropriadas à época atual e evitando-se os erros, além da compreensão do Direito dentro de um contexto maior, seja no tempo, no espaço e nas suas relações com a superestrutura. Nesse sentido, oportuna a lição de Cícero: "Nescire... quid ante quam natus sis acciderit id est semper esse puerum" (Do Orador, XXXIV). No segundo capítulo efetua-se uma análise do Estado Social Democrático de Direito, onde se procura identificar as principais conseqüências sociais produzidas sob esse regime. Ainda nesse capítulo foram tecidas breves considerações sobre os direitos transindividuais, estabelecendo-se sua definição e perfilando-se suas espécies. A seguir, trata-se da evolução das ações coletivas, do seu sistema de legitimidade delimitando sua natureza jurídica para depois analisar sua normatividade. Num segundo momento, a ênfase recai no exame da espécie de legitimidade concedida ao Ministério Público. Posteriormente, enfrenta-se o tema central do trabalho, precisamente o sistema de responsabilidade civil do membro do Ministério Público nas ações coletivas, discorrendo sobre as questões mais palpitantes que envolvem o assunto, para então relacionar as conclusões da Dissertação. 5 Destacando a importância de se aprender com o passado, Tucci e Azevedo advertem que: (...) o propósito do estudo da história do Direito está em oferecer ao Direito atual a compreensão de sua retrospectiva, esclarecendo as suas dúvidas e levantando, passo a passo, a estrutura de seu ordenamento, seus institutos mais perenes, suas bases de fundo, até chegar à razão de ser de seu significado e conteúdo. TUCCI, Jose Rogério Cruz; AZEVEDO, Luiz Carlos de. Lições de história do processo civil romano. São Paulo: RT, 2001, p MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Direito processual Civil Romano. In: Revista de Direito Processual Civil, n 1. Curitiba: Genesis, 1996.

14 13 CAPÍTULO 1. ESTADO, DIREITO E SOCIEDADE 1.1. ASPECTOS GERAIS. A análise das relações entre a História e o Direito torna-se cada vez mais relevante, na medida em que a percepção da normatividade só é devidamente compreendida, se conjugada ao contexto histórico em que foi produzida. Se a História expressa a complexa manifestação da experiência humana, no bojo de acontecimentos e instituições, é a partir dela que as diversas sociedades devem ser analisadas e, nesse cenário, compreender seus entendimentos do que sejam Direito e Justiça, para que, com base em uma visão crítica acerca da experiência pretérita, se possa compreender a problemática presente e alinhavar e implementar políticas que concretizem o ideal de uma sociedade mais justa e plural. Nesse viés, o Estado Social Democrático de Direito constitui legado precioso, após longo período de maturação pelo qual o poder foi exercido de maneiras as mais diversas. Como se sabe, a figura do Estado como concebida hodiernamente, não existia nos primórdios da humanidade, havendo períodos em que a fronteira entre atividade pública e a atividade privada era de difícil percepção. Decorre desse dado de realidade que as estruturas e os significados do que seja público e privado oscilaram ao sabor das tendências políticas, econômicas e sociais, pois são os segmentos hegemônicos da comunidade organizada que decidem seu alcance, segundo interesses peculiares a dado ponto do tempo e do espaço. Por isso, nem sempre a zona lindeira entre o público e o privado pode ser divisada com clareza, tendo em vista que a tonalidade que os distingue nada mais é, senão o reflexo da própria estrutura de um e de outro. Dessa mobilidade instável resultou a necessidade de realinhar constantemente o significado dos termos público e privado. 7 Essa instabilidade cíclica também decorre da complexidade inerente à formulação de um valor porque o valor se torna o resultado, não de um critério único, 7 Expressão utilizada pelo professor Luiz Edson Fachin nas aulas ministradas na disciplina de Interpenetração entre o Direito Público e o Direito Privado, do curso de Mestrado em Direito da Universidade Estácio de Sá, mar./jul 2008.

15 14 mas de um critério sincrético, devido a tantos aspectos (políticos, sociológicos, filosóficos, jurídicos), todos concorrentes 8, e, nesse contexto, o dado normativo surge como expressão e síntese da multiplicidade dos critérios que tendem a individualizar o valor, estabelecendo a definição do que compõe o público e o privado. Isso posto, não é difícil perceber porque esses institutos caminham lado a lado, quais duas serpentes irmanadas que traçam uma trilha em movimentos sinuosos, ora separadas, ora entrelaçadas. Toda existência subsiste a partir de um sistema de equilíbrios instáveis. É assim com a natureza, com as forças do Universo e não poderia deixar de ser também com a espécie humana. A distinção entre a vida pública e a vida privada tem importância substancial para a existência humana 9. É imprescindível para o ser humano preservar a vida individual e familiar, onde revela seu íntimo, estabelece seu refúgio, convive com os entes mais próximos e consigo mesmo. Noutro giro, também é fundamental que participe ativamente da vida pública onde possa desenvolver as aptidões pessoais, profissionais, interaja socialmente, exerça a cidadania política e conviva com os semelhantes. Essa necessidade foi uma constante histórica, nas mais variadas civilizações. No limiar da vida em sociedade, a crença assentava-se em que toda forma de governo ou liderança provinha dos deuses e/ou de seus representantes na terra. Esse entendimento era fruto da percepção limitada que se tinha sobre as coisas do mundo, coerente com uma visão mítica e temente ao desconhecido. Na medida em que, uma a uma, as sociedades entraram em colapso, o poder político dos homens passou a ser empregado paulatinamente como meio de salvação. Acreditava-se que, ao mudar os limites do homem através dos meios políticos, um mundo melhor seria criado. As mazelas protagonizadas pelo poder público e pela sociedade no curso da história conduziram à instauração de regimes tirânicos, que deram margem a levantes pelo mundo, mas também, e é o que nos interessa nesse trabalho, contribuíram para o aperfeiçoamento do sistema judicial de proteção às pessoas, o que inicialmente ocorreu num espectro mais estrito, compreendendo determinados grupos de indivíduos, para, paulatinamente, experimentar uma fase de maior alargamento e abranger toda uma coletividade, até que se compreendesse a importância da proteção do ser humano, não em 8 PERLINGIERE, Pietro. Perfis do direito civil. Rio de Janeiro: Renovar, 1977, p SALDANHA, Nelson. O jardim e a praça. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris editor, 1986, p.26.

16 15 abstrato, mas em concreto, enquanto ser individuado, ou membro de um grupo, no tempo e no espaço. De pronto, cumpre esclarecer que o escorço histórico que segue não tem a pretensão de esgotar o tema sobre a evolução das diversas sociedades em seus aspectos político, social, ou do Direito. O que se objetiva é estruturar um substrato filosófico que evidencie a vital importância do Estado Social Democrático de Direito que, por sua vez, constitui a base da argumentação da análise do objeto de pesquisa desta Dissertação. Por essa razão, a análise restringe-se às civilizações que se destacaram na história do Direito, até a contemporaneidade, onde se concentra a análise nas questões brasileiras O PODER POLÍTICO NA ANTIGUIDADE. Os Impérios Orientais da Antiguidade foram formados por sociedades diversas (egípcios, assírios, babilônicos, hititas...) que se impuseram pelo poder militar, alicerçados em um sistema de clãs familiares de hegemonia patriarcal, cujas atividades se desenvolviam nos campos, num mundo de aldeias e de pastoreio. Nessa época, a humanidade já se encontrava socialmente organizada e vivenciou a fase da vingança coletiva 10 que sucedeu à da vingança individual 11, quando os seres humanos se sentiam autorizados a fazer justiça pelas próprias mãos. Num terceiro momento, sobreveio uma forma de vingança privada parcial, que se dava pela vontade do ofendido, mas sob a vigilância e intervenção do poder político encarnado na imagem de um Rei-Deus. A propósito, vale mencionar, como dos mais expressivos exemplos, o regime do Código de Hamurabi imposto pelo célebre imperador babilônico (1790 A.C A.C.), que fez vigente a fórmula da reparação do mal pelo mal ( olho por olho, 10 A vingança coletiva surge com a organização, ainda que de forma primitiva do clã e do grupo, imbuídos de espírito de solidariedade e interesses comum na proteção da coletividade. O clã protegia e vingava junto com o ofendido, manifestando sua resposta de forma ilimitada, com excesso, sem sistema nem lógica. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. O direito na história: noções introdutórias. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008, p É considerada a fase mais primitiva da pena, levando alguns autores a desconsiderar efetivamente o procedimento como uma pena porque dotada de caráter de satisfação pessoal. Por ser imposta como vingança, muitas vezes, não guardava proporcionalidade com a pessoa do criminoso ou com o crime cometido, ficando sua extensão e forma de execução a cargo do ofendido. Por isso, em muitas ocasiões, a pena ultrapassava a pessoa do infrator e atingia a sua família ou a sua tribo, sendo dizimada. Ibidem, p. 16.

17 16 dente por dente ), mais tarde, sacramentada pelos romanos como a Lei de Talião 12. Rígida e inflexível, por vezes cruel, a legislação de Hamurabi recepcionou de forma inaugural uma noção de vingança delimitada pelo poder político, que seria lapidada pelas civilizações subsequentes, até que se evoluísse para o regime da vingança pública. A proteção aos direitos conhecidos fundamentais na contemporaneidade, em especial os direitos humanos, era impensável nessas épocas primitivas. Apesar disso, alguns autores fazem alusão à existência de autoridades que atuavam no interesse e proteção do povo, como no Egito Antigo (4.000 A.C.) em que havia funcionários da realeza denominados Magiaí com a função de castigar os rebeldes, reprimir os violentos, proteger os cidadãos pacíficos e os desamparados 13. Todavia, tanto os Magiaí, quanto outros mencionados 14 tinham por escopo concretizar os interesses do soberano a quem estavam vinculados e, quando muito, beneficiavam reflexamente a população. Muito embora várias civilizações da antiguidade tenham sido protagonistas de fatos que interessam ao nosso tema, é curial que se faça referência apenas à grega e romana, que se notabilizaram exatamente por serem o berço da democracia (grega) e a romana, por ter elaborado o mais completo e racional ordenamento jurídico que o mundo jamais conhecera. Em Atenas, o Direito não era professado a partir do ensino jurídico, pois se entendia que devia ser aprendido pela vivência e que as leis deveriam fazer parte da educação do cidadão. Não obstante inexistisse uma classe de juristas 15, vislumbra-se nesse povo importante contribuição, embrionária é verdade, para a questão dos interesses coletivos, na medida em que as Leis de Drácon (621 A.C.) e Sólon (594 A.C.) procuram abolir a justiça familiar 16 -fonte de sangrentos conflitos- com o fim de diluir a 12 DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil Brasileiro. Responsabilidade Civil, Volume 7, 21.Ed. São Paulo: Saraiva. 2007, p LYRA, Roberto. Teoria e Prática da Promotoria Pública. Rio de Janeiro: Livraria Jacintho, 1937, p Os Éforos de Esparta. MAZZILLI, Hugo Nigro. Regime Jurídico do Ministério Público, 6 ed. São Paulo: Saraiva, 2007, p Como as discussões sobre a Justiça e as Leis eram públicas e se restringiam à cidade de Atenas, os discursos eram essencialmente persuasivos, porque os julgadores eram leigos. Então as argumentações utilizadas assemelhavam-se às hoje empregadas no Tribunal do Júri, daí porque as escolas que existiam eram voltadas para a retórica, a dialética, e a filosofia. MONDIN, Battista. Curso de Filosofia: Os Filósofos do Ocidente, Volume 1, 5. ed. São Paulo: Edições Paulinas, 1982, p As civilizações clássicas estruturavam-se sobre o valor-família, fundado numa religião doméstica voltada para o culto aos antepassados. Cada família tinha a própria divindade; por isso o homem primitivo não podia viver fora da família. A justiça familiar consistia na denominada vingança de sangue e ocorria dentro dos grupos familiares ou entre clãs. Tendo em vista a forte carga emocional envolvida nos constantes e violentos embates, esse sistema gerava acentuada instabilidade social. SAUWEN FILHO, João Francisco. Ministério Público Brasileiro e o Estado Democrático de Direito. Rio de Janeiro: Renovar, 1999, p

18 17 solidariedade familiar, transformando a cidade no centro da vida social e política, outorgando-lhe o poder de decidir e manter a paz, o que acabou por formatar a característica marcante da sociedade ateniense. Berço da civilização ocidental e da democracia moderna, a Grécia representou um dos melhores exemplos do viver público, posto que as principais atividades sociais ocorriam a partir das reuniões e deliberações efetuadas na ágora, a praça principal na constituição da polis 17, a cidade grega da Antigüidade clássica. Normalmente era um espaço livre de edificações, configurada pela presença de mercados e feiras livres em seus limites, sem prejuízo da existência de esparsas construções de caráter público. Enquanto elemento de exaltação do espaço urbano, a ágora manifestava-se sobremaneira como a expressão máxima da esfera pública na urbanística grega, formatando um âmbito público por excelência. Ali, o cidadão grego convivia, desenvolviam-se as discussões políticas e se deliberava através dos tribunais populares. 18 Era, portanto, o espaço da cidadania local a que, segundo Aristóteles (384 A.C.-382 A.C.), pertencia o homem como animal político, assim naturalmente concebido. Por esse motivo, a ágora (juntamente com a pnyx, o espaço de realização das assembléias) era considerada símbolo da democracia direta, e, em especial, da democracia ateniense, na qual todos os cidadãos tinham igual voz e direito a voto. Entre os Estados-cidades gregos, a de Atenas 19 é a mais conhecida de todas as ágoras nas pólis da antiguidade. 20 Todavia, não se pode olvidar que as diferenças empíricas e valorativas do fenômeno democrático implicaram alterações conceituais e ressignificações do termo democracia, em sua trajetória desde a antiguidade até a contemporaneidade. Nesse sentido, o conceito de cidadão ateniense não alcançava o povo inteiro excluindo diversos componentes da cidade Tal dissonância decorre, dentre outros motivos, da conheci- 17 Aquilo que os antigos entendiam como cidade não corresponde exatamente à noção atual do núcleo urbano. Eram núcleos formados por certo número de famílias, que cultuavam, além de reservadas divindades, um deus da comunidade, dos grupos de famílias, um deus da cidade. A formação de uma cidade era um ato religioso. SAUWEN FILHO,. Op. Cit., p Esse procedimento se aproxima do que John Rawls denomina de ideal da razão pública. RAWLS, John. O Direito dos Povos. São Paulo: Martins Fontes, 2004, p Apesar de sua importância histórica, Esparta não se converteu num modelo ideal, a ponto de inspirar os filósofos e juristas ocidentais. 20 LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p Não eram considerados cidadãos: os escravos, as mulheres, os estrangeiros, os devedores do tesouro público. 22 Sobre o tema veja-se, dentre outros, a análise de AZAR FILHO, Celso Martins. Sócrates e o Direito: Lei, Democracia, e Justiça. In: KLEVENHUSEN, Renata Braga (Coord.). Direitos Fundamentais e

19 18 da comparação efetuada entre a democracia dos antigos e a democracia dos modernos. 23 É nesse rumo a observação de Bobbio 24 nas duas formas de democracia, a relação entre participação e eleição está invertida. Enquanto hoje a eleição é a regra, e a participação direta a exceção, antigamente a regra era a participação direta, e a eleição, a exceção. Insta salientar, também, que, para os antigos, a democracia não era a melhor forma de governo, e nem a preferida, exatamente por seu caráter popular, de poder conduzido pelo povo ao qual sempre foram atribuídos os piores vícios e defeitos da humanidade e que resultaram em descomando e degradação social. 25 O ateniense Aristóteles, por exemplo, classificava as constituições em justas e injustas e, comparativamente, dizia que a República era justa, por representar uma forma de governo popular, que cuida do bem de toda a cidade, enquanto que a democracia era injusta, porque subordinada ao comando da massa popular que pretende suprimir diferenças sociais em nome da igualdade. Segundo análise de Jose Lopes 28, deve-se aos Sofistas a inauguração do debate filosófico sobre a liberdade, a política, e a ética, os quais exercitavam reflexões metódicas sobre questões tais como: Quem faz? por que faz? como faz? e como se mudam as leis? Esses questionamentos só foram possíveis na medida em que os gregos abandonaram a idéia de que as leis eram reveladas exclusivamente pelos deuses ou resultavam apenas de tradições herdadas. Novos Direitos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005, p. 1-45, e por SAUWEN FILHO, João Francisco. Op. Cit., p A liberdade dos antigos era participativa, republicana, e proporcionava aos cidadãos o direito de influenciar diretamente nas políticas, mediante debates e votos em assembléia pública. Para suportar esse nível de participação, a cidadania era obrigação moral e requeria considerável investimento de tempo e dedicação. Geralmente, precisava também de uma sub-sociedade de escravos, encarregados do trabalho produtivo, de maneira a deixar os cidadãos livres para deliberar em questões públicas. A Liberdade dos Antigos também era limitada a sociedades relativamente pequenas e homogêneas, nas quais o povo podia reunir-se convenientemente, para tratar de questões públicas. A Liberdade dos Modernos, em contraste, era baseada na possessão de liberdades civis, na regência da Lei e em muita interferência estatal. A participação direta seria limitada, em conseqüência do tamanho dos Estados modernos e também do resultado inevitável de se ter criado uma sociedade comercial, na qual não há escravos, onde quase todos são remunerados em troca de trabalho. Distinta da primeira, os votantes elegeriam representantes, que deliberariam no Parlamento, baseados na vontade popular e salvariam o povo da necessidade de envolvimento político diário. CONSTANT, Benjamim. A Liberdade dos Antigos Comparada à dos Modernos. Coimbra: Editora Tenacitas, BOBBIO, Norberto. Teoria Geral da Política: A Filosofia Política e as Lições dos Clássicos. Tradução de Daniela Beccaccia Versiane. Rio de Janeiro: Campus, 2000, p BOBBIO, Norberto. Op. Cit., p MONDIN, Battista. Volume 1, Op. Cit., p Como a maioria dos pensadores da antiguidade que invocavam o Direito Natural, Aristóteles justificava a escravidão, sob o argumento de que alguns homens seriam, por natureza, livres e outros escravos. 28 LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p

20 19 Nesse toar, ao deslocar o centro da vida da família para a cidade, os gregos concluíram que a solidariedade cívica exigia regras universais que valessem para todos os casos, não sendo mais suficiente a aplicação da prudência a cada caso concreto, como se fazia na Justiça das Aldeias. Não obstante tal conclamação à consciência cívica, os litígios proliferavam, sendo permitido a qualquer cidadão apresentar-se perante um juiz ou tribunal para a defesa de seus interesses. Ocorre, todavia, que, baseado no discurso persuasivo, a atuação nos julgamentos reclamava uma oratória eloqüente que apenas pequena parcela da sociedade detinha. A expressiva maioria, uma legião de ignorantes e analfabetos, ficava a mercê dos logógrafos 29, sendo que esse quadro era agravado em face da arcaica noção de cidadania por eles exercitada, onde a regra era a exceção, o que produziu uma legião de socialmente excluídos que não contavam com quem pudesse zelar por seus direitos. Com a invasão da Grécia pelo Império Macedônio no século IV A.C., como é curial, os conquistadores impuseram seu regime de governo e o seu gênero cultural e, nesse contexto, ficaram vedadas quaisquer reuniões na ágora, o que fez ruir a democracia ateniense. Como a reflexão e a filosofia faziam parte indissociável do povo grego, o ideal do sábio 30 não foi estancado junto com a democracia, mas foi redesenhado. A- gora que a polis estava arruinada e o homem se via perdido em um caótico universo político, ele não podia mais atingir a felicidade, senão apoiando-se nas próprias forças e recolhendo-se em si mesmo. Nesse toar, o pensador grego refugiou-se na vida privada, para ali exercitar suas reflexões, relativizando o valor, até então absoluto, da polis (me- 29 Eram os redatores dos discursos forenses, os quais dominavam as técnicas jurídicas e, por isso, podiam, onerosamente, confeccionar peças para os julgamentos, tais como: pedidos, defesas, etc... Não se confundiam com a figura do advogado, tal qual hoje conhecido, na medida em que não traçavam estratégias, nem produziam provas, limitando-se a decodificar o relato do interessado para a linguagem forense. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p A educação era o principal meio pelo qual se conservavam e transmitiam os valores espirituais e físicos do homem. Ao comparar a educação da Antiguidade grega com as grandes civilizações do Oriente, é fácil observar significativo salto da primeira em relação às outras. Não é à toa que a Grécia Antiga é apontada como berço da civilização ocidental. A educação do homem grego a Paidéia visava formar um elevado tipo de homem. Diferente da concepção oriental, em que o homem ideal era considerado alguém sobre-humano, uma espécie de homem-deus que ultrapassava a medida natural, a Grécia apresentou uma nova visão de homem, em que ele era a medida das coisas. A partir daí, surgiu a questão da individualidade (embora longe de se confundir com o cultivo da subjetividade característico da Modernidade). Os grandes sábios da Grécia, ao contrário dos do Oriente, não eram considerados enviados dos deuses, profetas ou homens sagrados, mas mestres independentes e formadores de seus ideais. Era um ambiente onde predominava a liberdade de pensamento. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p. 22.

21 20 dida de existência dos gregos) identificando-se com o logos cósmico na forma das filosofias Estoicista e Epicurista. 31 Enquanto os gregos, por força das circunstâncias, transitavam do público para o privado, os romanos realizaram trajetória inversa. Fundada por Rômulo 32, Roma foi edificada por homens livres que nasceram nas cercanias e logo perceberam que as relações privadas dimensionadas em compartimentos estanques não se sustentariam. Fincados no ideal da virtude dos homens e movidos por um espírito guerreiro expansionista, inauguraram um sistema republicano 33, avançado para as civilizações da época, onde a propriedade dos indivíduos se distinguia da coisa pública, dando azo a que a noção de ordem pública ganhasse contornos de controle estatal, até então nunca vistos. 34 No período monárquico, o rei era revelado pelos deuses ao Colégio de Pontífices 35, inexistindo sucessão hereditária. A estrutura social era formada pelos patrícios, os grandes proprietários; os clientes, que recebiam amparo e proteção dos patrícios; e os plebeus, que ocupavam a base da sociedade (artesãos, comerciantes e pequenos proprietários). Os dois últimos grupos representavam a esmagadora maioria do povo romano e não tinham qualquer participação nas decisões sobre seus destinos. Nessa época, vigia o direito romano primitivo ou arcaico, que se estendeu até meados do período republicano, sob a forma de um direito consuetudinário, legítimo representante de uma sociedade organizada em clãs, que pouco conhecia a escrita, onde não havia nítida distinção entre o direito e a religião. Por volta de A.C., foi 31 Dentre outros veja-se: ABBAGNANO, Nicola. História da Filosofia, Vol. II, 3.ed. Tradução de Antonio Borges Coelho. Lisboa: Editorial Presença, 1984, p , e SALDANHA, Nelson. Op. Cit. P Lendariamente atribuída aos gêmeos Rômulo e Remo, a fundação de Roma marcou o início da civilização romana. A estória desenvolve-se a partir da queda de Tróia no século XII A. C., acreditando-se que esses dois irmãos foram concebidos pelos Deuses Marte e Ares e, posteriormente, acolhidos e amamentados pela loba Capitolina. Roma teria sido fundada em 21 de abril de 753 A.C. nas localidades de Palatino e Aventino, tendo como primeiro governante Rômulo, que teria assassinado seu irmão na disputa pelo trono. Para povoar a cidade, dado que os recursos locais eram insuficientes, Rômulo permitiu que se alojassem, nos arredores de Roma, exilados, devedores insolentes, homicidas e escravos fugidos. Além disso, para assegurar a continuidade da população da cidade, foi preciso arranjar mulheres. Deu-se, então, o rapto das sabinas, ocasionando uma guerra contra os sabinos, que acabou, no entanto, com um tratado de união entre os dois povos. A segunda geração romana era, desse modo, uma mistura entre habitantes das colinas romanas, latinos e sabinos, fusão que deu origem à formação étnica do povo de Roma (os Quirites). JANNUZZI, Giovanni. Breve História da Itália, Volume 1. Buenos Aires: Letemendía, 2005, p Roma conheceu três grandes regimes constitucionais : A Monarquia (753 A.C.-509 A. C.), a República (509 A.C.-27 A.C.), e o Império, que se divide em duas partes: Principado de Augusto (27 A. C.-284 D.C.) e o Dominato de Diocleciano (284 D.C.-até a queda do Império do Ocidente em 476 D.C.). LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p MAQUIAVEL, Nicolau. Discursos Sobre a Primeira Década de Tito Lívio. Tradução de MF. São Paulo: Martins Fontes, 2007, p Que tinha a atribuição de guardar os registros legislativos romanos e dar interpretação às leis, as quais vinculavam os magistrados. O colégio era formado pela aristocracia romana. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p. 29.

22 21 elaborada a Lei das XII Tábuas 36, com finalidade de resolver conflitos entre plebeus e patrícios. Durante a República, o poder político era exercido de maneira mista. De um lado, o Senado 37, o Colégio de Pontífices, e as magistraturas 38 atuavam como formas de poder oligárquico conservador; de outro, atuavam as assembléias com poder marcantemente legislativo 39. Apesar do relativo avanço das leis quanto à proteção e participação do cidadão comum, Roma ainda vivia num sistema social de castas, onde os socialmente desafortunados (cerca de noventa por cento da população) se viam compelidos a adotar a posição de clientes dos poderosos, pois precisavam de alguém que os protegesse social, moral e economicamente, sob pena de sucumbir. Muito embora o Direito romano seja referência na antiguidade e tenha influenciado as sociedades modernas, seu sistema processual inicial era segregador 40. A 36 Desde a Monarquia até o início da República Romana, as leis eram guardadas em segredo pelos pontífices e por outros representantes da classe dos patrícios, sendo executadas com especial severidade contra os plebeus. Um plebeu, Terentílio (Gaius Terentilius), propôs em 462 A.C. a compilação e publicação de um código legal oficial, de modo que os plebeus pudessem conhecer a lei, para não serem surpreendidos pela sua execução. Os patrícios opuseram-se à proposta por vários anos, mas em 451 A.C. um decenvirato (um grupo de dez homens) foi designado para preparar o projeto do código. Supõe-se que os romanos enviaram uma embaixada para estudar o sistema legal dos gregos, em especial as leis de Sólon, possivelmente nas colônias gregas do sul da Península Itálica, conhecida então com Magna Grécia. Os dez primeiros códigos foram preparados em 451 A.C. e, o segundo decenvirato concluiu os dois últimos. As Doze Tábuas foram promulgadas em 450 A.C, havendo sido literalmente inscritas em doze tabletes de madeira, afixados no Fórum romano, de maneira a que todos pudessem lê-las e conhecê-las. As Doze Tábuas não constituem compilação abrangente e sistemática do direito da época (e, portanto, não formam códigos na acepção moderna do termo). São, antes, uma série de definições de diversos direitos privados e de procedimentos. A Lei das XII Tábuas foi consequência da luta dos plebeus por direitos políticos. MEIRA, SilvioA.B.. A Lei das XII Tábuas- Fonte do Direito Público e Privado, 5.ed. Belém: Edições CEJUP, 1989, p O Senado não tinha características de representação popular como nos dias atuais, nem tampouco era um órgão legislativo. Funcionava como conselho de anciãos (responsáveis pela sobrevivência e transmissão das tradições romanas), respondia a consultas, opinava sobre os negócios. Em síntese, era responsável pela condução das políticas interna e externa de Roma. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p Eram cargos eletivos constituídos pelos: cônsules; censores; questores; e pretores. Somente as castas superiores poderiam concorrer às eleições. Os magistrados eram encarregados de administrar a Justiça, possibilitando que os conflitos fossem dirimidos ordenada e pacificamente por um juiz (iudex). Além da função de preparar as bases para julgamento, atuavam com poder de polícia judiciária. A função de juiz era exercida por membros da aristocracia constante de uma lista previamente elaborada, onde um era escolhido pelo pretor para atuar num caso concreto: daí ser conhecido como juiz popular. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p. 31 e Eram três as formas: as assembléias por centúrias (comitia centuriata), formadas pelos militares e monopolizada pelos patrícios, era a mais importante da República porque responsável pela votação de todas as leis; as assembléias de tribos (comitia tributa), constituídas pelas tribos onde todos os seus integrantes votavam; e as assembléias da plebe (concilium plebis), formadas pela base social romana. Somente as deliberações das duas primeiras podiam transformar-se em leis para toda a República. A última só vinculava os plebeus. LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p Segundo anotações de Aluisio Mendes: A capacidade processual era restrita, como reflexo da própria organização social romana em torno dos grupos tribais e famílias, representados pelos pater familias. Depois, foram sendo admitidos os filhos, as pessoas jurídicas e peregrinos. Em relação às pessoas jurídi-

23 22 primeira fase do processo formular 41 tinha início com a comunicação da pretensão ao adversário, mas essa pretensão precisava ser deduzida pública e formalmente à frente do pretor, sendo obrigação do postulante levar o seu contendor à presença do magistrado, pois tal ato não constituía atribuição da polícia judiciária. Em outras palavras: o autor precisava ser capaz de, ele mesmo, levar o réu às barras do tribunal; o processo só se iniciava se o autor dispusesse de meios financeiros e pessoais (dinheiro, amigos, escravos, clientes) que o auxiliassem a localizar o réu e a conduzi-lo coercitivamente à presença do pretor. Disso decorria flagrante limitação do acesso à justiça, contribuindo para que apenas determinadas classes sociais as mais abastadas- pudessem transformar as suas questões num processo judicial. 42 Apesar de Roma ter surgido como fortificação para proteger-se das invasões estrangeiras, a evolução militar romana foi excepcional e, ao longo da Monarquia e início da República, os romanos já haviam conquistado toda a península Itálica. Com essas conquistas, Roma passou a exercer uma política imperialista (de caráter expansionista), entrando em choque com Cartago - importante colônia fenícia no norte da África - que controlava o comércio marítimo no Mediterrâneo. O conflito entre Roma e Cartago deflagrou as Guerras Púnicas (em 264 A.C) estendendo-se até o ano de 146 A.C. quando Roma anexou a Sicília e destruiu Cartago. Atraídos pelas riquezas do Oriente, Roma conquistou a Macedônia, a Grécia, o Egito e o Oriente Médio, a parte ocidental da Europa, a Gália e a península Ibérica também foram conquistadas. Contudo, a expansão territorial trouxe profundas mudanças na estrutura social, política, econômica e cultural de Roma. 43 No aspecto social e econômico, houve enorme aumento da escravidão, já que os prisioneiros de guerra eram transformados em escravos. Além disso, as terras anexadas à República através das conquistas possuíam o status de ager publicus e deveriam ser destinadas aos camponeses; todavia, o patriciado acabou se apossando destas cas, importante frisar que, no começo, tão-somente, com o habere corpus, ou seja, possuindo patrimônio, e com o ius coeundi, que era a autorização para o funcionamento, tais como as piae causae e dos mosteiros. Quando recusada a capacidade processual da pessoa jurídica, as pessoas físicas integrantes intervinham através do litis consortium. MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Direito processual Civil Romano. Op. Cit. 41 O processo formular vigeu no período clássico da República e caracterizava-se por uma divisão em duas fases: a primeira, denominada iure, ocorria perante o pretor cuja tarefa era organizar a controvérsia convolando o conflito real num conflito judicial; a segunda fase é denominada in iudicium onde o litígio era dirimido por um juiz popular (iudex). Para uma abordagem mais detalhada, vejam-se MENDES, Aluisio Gonçalves de Castro. Direito processual Civil Romano. Op. Cit., e TUCCI, Jose Rogério Cruz. Op. Cit. p LOPES, Jose Reinaldo de Lima. Op. Cit., p JANNUZZI, Giovanni. Op. Cit., p

Distinção entre Norma Moral e Jurídica

Distinção entre Norma Moral e Jurídica Distinção entre Norma Moral e Jurídica Filosofia do direito = nascimento na Grécia Não havia distinção entre Direito e Moral Direito absorvia questões que se referiam ao plano da consciência, da Moral,

Leia mais

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.:

R.: R.: R.: R.: R.: R.: R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Como o relevo

Leia mais

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada

A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sicília banhada Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península nsula Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, C Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo,

Leia mais

Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas ilhas de Córsega, Sardenha e Sicília banhada pelos mares Mediterrâneo, Tirreno,

Leia mais

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio.

Localização. Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. HISTÓRIA DE ROMA Localização Planície central da península itálica. Conhecida como Lácio. Primeiros habitantes: Autóctones: nativos do local Sul Sículos Norte Lígures Povoamento Povoamento semelhante ao

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

Roma. Antiguidade Clássica

Roma. Antiguidade Clássica Roma Antiguidade Clássica Características gerais Península itálica (Lácio); Rio Tibre; Solo fértil desenvolvimento da agricultura; Litoral pouco recortado ausência de portos naturais em abundância; Habitantes

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

PLANO DE ENSINO EMENTA

PLANO DE ENSINO EMENTA Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Introdução ao Direito I Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Direito Privado Área: Direito Civil PLANO DE ENSINO EMENTA Acepções, enfoques teóricos

Leia mais

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano.

As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império romano. Trabalho realizado por: Luís Bernardo nº 100 8ºC Gonçalo Baptista nº 275 8ºC Luís Guilherme nº 358 8ºC Miguel Joaquim nº 436 8ºC Índice; Introdução; As famílias no Antigo Egipto; As famílias no Império

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império;

Roma Antiga. O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; ROMA Roma Antiga O mais vasto império da antiguidade; Lendária fundação pelos gêmeos Rômulo e Remo, em 753 a.c.; Roma - centro político do Império; Sua queda, em 476, marca o início da Idade Média. O mito

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23

Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 Sumário NOTA À TERCEIRA EDIÇÃO... 15 NOTA PRÉVIA... 19 PREFÁCIO... 21 APRESENTAÇÃO... 23 CAPÍTULO I... 25 1. Novos riscos, novos danos... 25 2. O Estado como responsável por danos indenizáveis... 26 3.

Leia mais

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a

O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a IDEIAS A RETER SOBRE A GRÉCIA O regime democrático apareceu em Atenas no século V a.c., concretizado pelas reformas legislativas levadas a efeito pelo arconte Clístenes (508 a 507) e mais tarde aperfeiçoadas

Leia mais

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História

A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA. Profº Alexandre Goicochea História A CIVILIZAÇÃO CLÁSSICA: GRÉCIA Profº Alexandre Goicochea História ORIGENS O mundo grego antigo ocupava além da Grécia, a parte sul da península Balcânica, as ilhas do mar Egeu, a costa da Ásia Menor, o

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

Roma. Profª. Maria Auxiliadora

Roma. Profª. Maria Auxiliadora Roma Profª. Maria Auxiliadora Economia: Agricultura e Pastoreiro Organização Política: MONARQUIA 753 a.c. 509 a.c. Rex = Rei (chefe supremo, sacerdote e juiz) Conselho de Anciãos = Senado (legislativo)

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Grupo de Pesquisa Institucional de Acesso à Justiça e Tutela de direitos Proposta de implementação I Objeto: Realização de estudos e pesquisas pela comunidade acadêmica da Faculdade de Direito de Campos

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo

Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Panorama dos pré-socráticos ao helenismo Heidi Strecker* A filosofia é um saber específico e tem uma história que já dura mais de 2.500 anos. A filosofia nasceu na Grécia antiga - costumamos dizer - com

Leia mais

Povos seminômades que migraram das regiões da Europa e Ásia

Povos seminômades que migraram das regiões da Europa e Ásia TEXTO BASE: Roma Antiga Monarquia (753 509 a.c.) A história da Roma antiga divide-se politicamente em três fases: Monarquia, República e Império. Tais fases foram permeadas por constantes processos de

Leia mais

Identifique qual regime descrito acima e qual a cidade-estado da Grécia o adotou. R.:

Identifique qual regime descrito acima e qual a cidade-estado da Grécia o adotou. R.: PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- "Com a nova divisão

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O que é uma ONG? Rodrigo Mendes Delgado *. Uma ONG é uma Organização Não-Governamental. Mas, para que serve uma ONG? Simples, serve para auxiliar o Estado na consecução de seus objetivos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE DIREITO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Projeto de Pesquisa Individual Prof. FREDERICO VIEGAS DIREITO CIVIL- CONSTITUCIONAL

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade II Natureza-Sociedade: questões ambientais 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA

CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA CAPÍTULO: 5 AULAS: 9, 10, 11 e 12 GRÉCIA ANTIGA INTRODUÇÃO Período: 2000 a.c. 146 a.c. Região: Península Balcânica: Solo pobre e montanhoso. Várias ilhas. Uso da navegação. ORIGENS Ilha de Creta. Vida

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Direitos Fundamentais i

Direitos Fundamentais i Direitos Fundamentais i Os direitos do homem são direitos válidos para todos os povos e em todos os tempos. Esses direitos advêm da própria natureza humana, daí seu caráter inviolável, intemporal e universal

Leia mais

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA

ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA Prof.: Otto Terra ROMA ANTIGA EXPANSÃO E CRISE DA REPÚBLICA HISTÓRICO Poder nas mãos dos Patrícios; Sociedade censitária; Significativo aumento do número de escravos; Sociedade Patriarcal; Tensões sociais:

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno.

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Foi fundada no século VIII a.c., com a unificação de aldeias latinas e sabinos. Sua história política é dividida em 3 períodos:

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II

Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Orientação de estudo semanal turma 231 Filosofia II Na orientação dessa semana faremos questões objetivas sobre filosofia política. II. Questões sobre Filosofia Política 1. Foi na Grécia de Homero que

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

PARECER DECRETO CALL CENTER

PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO CALL CENTER PARECER DECRETO 6.523/2008 Elizabeth Costa de Oliveira Góes Trata-se de parecer com vistas a analisar a aplicabilidade do Decreto 6.523/2008, de 31 de julho de 2008, no que

Leia mais

Profº Hamilton Milczvski Jr

Profº Hamilton Milczvski Jr Profº Hamilton Milczvski Jr A Formação Segundo a mitologia romana, a cidade de Roma foi fundada por dois irmãos gêmeos, Rômulo e Remo, os quais haviam sido abandonados no Rio Tibre. Atraída pelo choro

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique

Grécia Antiga. Profº Paulo Henrique Grécia Antiga Profº Paulo Henrique Periodização Período pré-homérico (2800 1100 a.c.): povoamento da Grécia. Período homérico (1100 800 a.c): poemas Ilíada e Odisséia. Período arcaico (800 500 a.c) : formação

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade.

INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. INTERESSE PÚBLICO: Supremacia e Indisponibilidade. Jaileno Miranda Conceição¹ RESUMO O Direito Administrativo é um ramo do Direito Público composto por órgãos, agentes, e pessoas jurídicas administrativas,

Leia mais

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01

Processo Seletivo/UFU - julho 2007-1ª Prova Comum FILOSOFIA QUESTÃO 01 FILOSOFIA QUESTÃO 01 Leia atentamente o seguinte verso do fragmento atribuído a Parmênides. Assim ou totalmente é necessário ser ou não. SIMPLÍCIO, Física, 114, 29, Os Pré-Socráticos. Coleção Os Pensadores.

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPEDES DE MARÍLIA AUTOR(ES): GIOVANE MORAES PORTO TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DOS PRECEDENTES VINCULANTES NO ORDENAMENTO JURÍDICO BRASILEIRO E A DELIMITAÇÃO DO QUADRO SEMÂNTICO DOS TEXTOS NORMATIVOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS

DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS DA CONDIÇÃO JURÍDICA DOS ENTES DESPERSONALIZADOS Alécio Martins Sena 1 Os entes despersonalizados estão elecandos no artigo 12 do Código de Processo Civil Brasileiro, sendo eles a massa falida, o espólio,

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND

INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ IFPR ASSIS CHATEAUBRIAND GRUPO DE PESQUISAS FILOSOFIA, CIÊNCIA E TECNOLOGIAS IF-SOPHIA ASSIS CHATEAUBRIAND ECONOMIA, SOCIEDADE E RELIGIÃO NA GRÉCIA ANTIGA: O HOMEM GREGO Prof.

Leia mais

O MUNDO ROMANO CMJF HISTÓRIA 1º ANO

O MUNDO ROMANO CMJF HISTÓRIA 1º ANO O MUNDO ROMANO CMJF HISTÓRIA 1º ANO Civilização Romana 753 a.c. Origem lendária: A Eneida de Virgílio: Enéias herói da guerra de Tróia, Rômulo e Remo, O rapto das sabinas. Etruscos Latinos (Palatino) e

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS

DEVERES DOS AGENTES PÚBLICOS AGENTES PÚBLICOS José Carlos de Oliveira Professor de Direito Administrativo na graduação e no Programa de Pós-Graduação do Curso de Direito da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Unesp/Franca No

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO

PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO PROFESSOR: JORGE AUGUSTO MATÉRIA: HISTÓRIA 6º ANO ASSUNTO: GRÉCIA ANTIGA VIDEOAULA: 15 POLÍTICA Politicamente, Esparta era baseada na oligarquia. Diarquia: formada por dois reis, com autoridade religiosa

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político

Escravismo Antigo. Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar e político Escravismo Antigo Estrutura econômica Escravos produzem maior parte da riqueza Estrutura social Baseado na liberdade que se tem. Dois grupos sociais: à Livres: Desenvolvimento intelectual, artístico, militar

Leia mais

A CIDADE-ESTADO ESTADO GREGA ORIGEM DAS PÓLIS GREGAS Causas geomorfológicas A Grécia apresenta as seguintes características: - Território muito montanhoso; na Antiguidade, as montanhas estavam cobertas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI.

A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. A IMPORTÂNCIA DA LINGUAGEM NA DIFUSÃO DA PROPOSTA PEDAGÓGICA CRISTÃ NA ALTA IDADE MÉDIA, SÉCULOS V E VI. BORTOLI, Bruno de (PIC/UEM) MARQUIOTO, Juliana Dias (PIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO

Leia mais

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL

PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL 1 PARAMETROS DO ESTRITO CUMPRIMENTO DE DEVER LEGAL Prof.Dr.Luís Augusto Sanzo Brodt ( O autor é advogado criminalista, professor adjunto do departamento de Ciências Jurídicas da Fundação Universidade Federal

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

Lista de Exercícios:

Lista de Exercícios: PROFESSOR(A): Ero AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DATA DA REALIZAÇÃO ROTEIRO DA AVALIAÇÃO 2ª ETAPA AVALIAÇÃO RECUPERAÇÃO DISCIPLINA: HISTÓRIA ANO: 6º CONTÉUDOS ABORDADOS Cap. 4: o mundo grego todos os temas Cap

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 6 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. A fundação de Roma é contada de duas formas: a lendária e a histórica. Na explicação lendária, Rômulo matou Remo e tornou- -se

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP)

DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP) DIREITOS HUMANOS E UNIVERSALIDADE Gisele Aparecida Pereira da Silva (Advogada, membro da Comissão de Direitos Humanos da OAB-Bauru/SP) A concepção contemporânea dos direitos humanos fundamentais nasceu

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

Maquiavel. Teoria Política. (Capítulo 24, pág 298 a 302)

Maquiavel. Teoria Política. (Capítulo 24, pág 298 a 302) Maquiavel Teoria Política (Capítulo 24, pág 298 a 302) CONTEXTO HISTÓRICO (SÉC XIV e seguintes) 1. FORMAÇÃO DAS MONARQUIAS NACIONAIS (Portugal, França, Inglaterra, Espanha). 2. Monarquias Nacionais ESTADO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

EDILSON FRANCISCO GOMES

EDILSON FRANCISCO GOMES Convenção 189 da OIT e Regulamentação do Aviso Prévio Proporcional ao Tempo de Serviço pelo Supremo Tribunal Federal: uma investigação sob o enfoque da Análise Econômica do Direito. EDILSON FRANCISCO GOMES

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO

A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE ESPECIAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A CRÍTICA AO ATO DE SUPERIOR E A LIBERDADE DE EXPRESSÃO Marcelo Vituzzo Perciani

Leia mais

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO

CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO CONCEITO DE DIREITO: DEFINIÇÕES E DIFERENÇAS ENTRE DIREITO, DIREITO PÚBLICO E PRIVADO, DIREITO OBJETIVO E SUBJETIVO E DIREITO POSITIVO João Alex Ribeiro Paulo Roberto Bao dos Reis Severino Gouveia Duarte

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

CIVILIZAÇÃO ROMANA. Prof. Alexandre Cardoso

CIVILIZAÇÃO ROMANA. Prof. Alexandre Cardoso CIVILIZAÇÃO ROMANA Prof. Alexandre Cardoso Roma A aldeia que virou Império Geografia e Povoamento A civilização romana se localizou na parte continental pela península Itálica e na parte insular pelas

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA

GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA GUARDA MUNICIPAL E SEGURANÇA PÚBLICA Aristides Medeiros ADVOGADO Consoante estabelecido no art. 144, caput, da Constituição Federal, os órgãos incumbidos da segurança pública, isto é, da segurança geral,

Leia mais

O MUNDO ROMANO. Profª Viviane Jordão

O MUNDO ROMANO. Profª Viviane Jordão O MUNDO ROMANO Profª Viviane Jordão LOCALIZAÇÃO NO ESPAÇO Europa Península Itálica Ásia África Versão Histórica Gregos 2000 a.c. Gauleses Etruscos Península Itálica Italiotas Fundam Roma A civilização

Leia mais

A história de Roma é recheada de lutas internas, conflitos sociais, golpes políticos, guerras e conquistas. A lenda da sua fundação já prenunciava a

A história de Roma é recheada de lutas internas, conflitos sociais, golpes políticos, guerras e conquistas. A lenda da sua fundação já prenunciava a A história de Roma é recheada de lutas internas, conflitos sociais, golpes políticos, guerras e conquistas. A lenda da sua fundação já prenunciava a trajetória tumultuada dos romanos. Roma situa-se na

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA SEGURANÇA BRIGADA MILITAR OPM Eu, 3º Sgt QPM-1, Id Func nº /1, servindo atualmente neste Departamento, venho através deste, interpor JUSTIFICATIVA

Leia mais

DIREITO CIVIL NO EMPREENDIMENTO TURÍSTICO

DIREITO CIVIL NO EMPREENDIMENTO TURÍSTICO DIREITO CIVIL NO EMPREENDIMENTO TURÍSTICO GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O trabalho aqui apresentado, como uma exigência para a conclusão do módulo Direito Civil no Empreendimento Turístico,

Leia mais

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor. Dados da Disciplina Ementa

FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor. Dados da Disciplina Ementa FUNDAÇÃO FACULDADES INTEGRADAS DE ENSINO SUPERIOR DO MUNICÍPIO DE LINHARES Dados do Professor Curso: Direito Período: 1º Ano: 2011/02 Disciplina: História e Institutos Jurídicos Carga Horária Semestral:

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO

GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO GRÉCIA ANTIGA DAS ORIGENS AO PERÍODO ARCAICO A CIVILIZAÇÃO GREGA Localização: Península Balcânica Condições geográficas: relevo acidentado, montanhoso e solo pouco fértil, isolava os vários grupos humanos

Leia mais

Delegação da União Europeia em Moçambique

Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS E COOPERAÇÃO GABINETE DO ORDENADOR NACIONAL PARA A COOPERAÇÃO MOÇAMBIQUE / UE Delegação da União Europeia em Moçambique REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES

DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES DIREITO ADMINISTRATIVO I. NOÇÕES PRELIMINARES 1. DIREITO: é o conjunto de normas de conduta coativa impostas pelo Estado, se traduz em princípios de conduta social, tendentes a realizar Justiça, assegurando

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais