biomas e ecossistemas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "biomas e ecossistemas"

Transcrição

1 biodiversidade

2 biodiversidade O conceito de ecossistema, de acordo com o dicionário Houaiss, é o sistema que inclui os seres vivos e o ambiente, com suas características físico-químicas e as interrelações entre ambos. É um sistema complexo de interação, em que os organismos vivos (plantas, animais, microorganismos) e o seu meio ambiente abiótico, ou seja, não-vivo (luz, sol, terra, água, ar), são inseparavelmente interrelacionados e interatuantes. Já a ideia de bioma refere-se a uma grande área de vida formada por um complexo de comunidades e hábitats (lugares onde vivem as espécies), ou seja, abrange a soma de diversos ecossistemas que guardam características semelhantes entre sua formação vegetal, seu clima predominante e sua história. O Brasil é o país com a maior diversidade biológica do planeta, abrigando em seus seis grandes biomas (Mara Atlântica, Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pantanal e Pampa) algo em torno de 15% e 20% do número total de espécies conhecidas no mundo. A proporção exata dessa riqueza biológica provavelmente jamais será conhecida, por causa das dimensões continentais do território, da extensão da nossa plataforma marinha e da complexidade dos ecossistemas. Parte considerável do patrimônio foi perdida de forma irreversível antes mesmo de ser conhecida e continua sendo em função da fragmentação de habitats, da exploração excessiva dos recursos naturais e da contaminação do solo, das águas e da atmosfera. O conceito de biodiversidade parte do binômio, bio, que significa vida, e diversidade, que é sinônimo de variedade. Em seu uso mais corrente, essa ideia abrange a multiplicidade de seres vivos existentes nos diversos biomas e ecossistemas do nosso planeta, porém o termo pode ainda se referir às formas como os organismos vivos funcionam e como interagem com outros seres e com o ambiente em que vivem. A Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) define o termo biodiversidade como a variabilidade entre organismos vivos de todas as origens, compreendendo ainda a diversidade genética dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas. Outras definições ampliam o termo, já que o indicam não só como um produto da natureza, mas em muitos casos como resultado da ação das sociedades e culturas humanas. Por exemplo: os índios da Amazônia, abriam clareiras na floresta para extrair a madeira de suas canoas, mas isso permitia que a luz do sol chegasse onde antes não conseguia e plantas que não teriam condições de se desenvolver, passassem a crescer. Nesse sentido, a biodiversidade não é sinônimo de natureza intocada pela mão do homem, mas também uma construção cultural e social. A criação de animais pelo homem, cultura amplamente arraigada em sociedades de inúmeros graus de complexidade, também ilustra nossa influência no curso evolutivo das espécies domesticadas. Quando cruzamos animais de raças diferentes para aumentar sua produtividade, por exemplo, ou simplesmente criamos cachorros de diversas raças que porventura deixam descendentes, alteramos de alguma forma a dinâmica natural da biodiversidade. Isso sem falar nas combinações de genes de diferentes espécies que já usamos no cultivo da soja, por exemplo, entre tantos outros produtos agrícolas promovidos pela engenharia genética.

3 Assim percebemos que as espécies vegetais e animais são objetos de conhecimento, domesticação e uso, além de fonte de inspiração para mitos e rituais das sociedades. Por isso, precisamos nos esforçar para que nossas relações com a biodiversidade sejam as mais sustentáveis possíveis e possibilitem que gerações futuras possam desfrutar de uma qualidade de vida igual ou superior a nossa. importância A biodiversidade é de fundamental importância para nossas sociedades, culturas, economias e para a própria manutenção da vida no planeta por diversas razões. Entre outros motivos, nossa fonte de riquezas materiais e espirituais está diretamente relacionada à biodiversidade, já que quase toda produção humana depende dela em alguma etapa pelo menos. A produção alimentícia, farmacêutica ou de cosmésticos, por exemplo, faz uso direto da biodiversidade, utilizando plantas e animais em seus processos industriais. Produtores agrícolas também recebem grandes benefícios a partir de seu uso indireto, como quando criam abelhas em pomares para aumentar a polinização das flores, elevando a produtividade de frutos. Além disso, a Mata Atlântica oferece outras possibilidades econômicas que não implicam na destruição do meio ambiente e em alguns casos podem gerar renda para as comunidades locais e tradicionais. Alguns exemplos são o uso de plantas para se produzir remédios, matérias-primas para a produção de vestimentas, corantes, essências de perfumes, ou ainda a exploração de árvores por meio do corte seletivo para a produção de móveis certificados, o chamado manejo sustentável, o ecoturismo e, mais recentemente, o mercado de carbono. Mas sua importância vai além disso. Quando dizemos que cada espécie possui um valor funcional, entendemos que todos os indivíduos possuem um papel fundamental para a regulação de seu ecossistema, tanto para o meio abiótico, como para com os outros seres vivos. Por exemplo, os predadores precisam se alimentar para se manterem vivos, mas ao mesmo tempo atuam de maneira a controlar o número de presas numa determinada área. Se o eliminamos do seu ambiente de origem, provavelmente haverá o crescimento da população de suas presas e isso pode acarretar outros desequilíbrios, inclusive para o homem, como acontece no caso das pragas. As plantas também são fundamentais, pois participam do balanço de gás carbônico e oxigênio da atmosfera, e ainda resguardam o solo e as águas das intempéries. Além disso, atribuímos à biodiversidade um valor potencial, pois consideramos que espécies subutilizadas no presente podem vir a ter uma utilidade, direta ou indireta, no futuro. E, em última instância, a manutenção da vida no planeta depende da sua diversidade, caso contrário, nossas chances de adaptação a mudanças radicais imprevistas seriam ínfimas.

4 biomas e ecossistemas Um bioma é composto pela biodiversidade de uma determinada região geográfica, que apresenta uma vegetação bastante similar, com um clima relativamente uniforme e tendo uma história comum em sua formação. Por isso, toda sua diversidade biológica também é muito parecida. Atualmente, é fundamental que conheçamos os biomas e ecossistemas em que estamos inseridos, para que possamos fazer um uso sustentável da natureza em nosso favor. Precisamos dar conta das especificidades de cada região, com seu clima, recursos hídricos e biodiversidade, para que a exploração do meio ambiente não se torne predatória. E, além disso, podemos considerar o homem como parte integrante e pertencente ao bioma da região em que vive. Sob essa ótica, a importância do estudo e compreensão dos biomas se torna mais relevante ao desenvolvimento de novas formas de relação com o meio ambiente Devido à grande extensão de seu território, o Brasil abrange seis grandes biomas e conhecer melhor cada um deles é de suma importância para o desenvolvimento social, econômico e cultural do país. Biomas Continentais Brasileiros Área Aproximada (km2) Área / Total Brasil Amazônia ,29% Cerrado ,92% Mata Atlântica ,04% Caatinga ,92% Pampa ,07% Pantanal ,76% Área total Brasil Fonte:

5 Caatinga A agropecuária é uma atividade essencial para a sobrevivência do homem no modelo de sociedade adotado atualmente, pois é direta e indiretamente responsável pela produção alimentícia de todo o mundo. A prática da irrigação é a maior consumidora de água do planeta, especialmente em áreas de condições climáticas e ambientais adversas, como é o caso das terras secas do Oriente Médio e do norte da África, em que seu uso pode chegar a 80% de toda água consumida no país. A tendência para as próximas décadas é de que sua utilização nessa atividade cresça, acompanhando o aumento na demanda por alimentos e da população mundial. Os países em desenvolvimento e principalmente os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) terão um papel preponderante nessa questão, pois suas populações e economias encontram-se em franca expansão e possuem um grande potencial para exploração de recursos naturais. As estimativas da ONU (Organização das Nações Unidas) indicam que a população mundial ultrapassará 9 bilhões de pessoas em 2050, o que representa um crescimento de quase 50% em relação aos números do ano De acordo com dados de 2009 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 1,54 bilhões de hectares no mundo estão sob produção agrícola. Destes, 278 milhões são irrigados, ou 18% da área total cultivada do planeta, o que corresponde a praticamente a metade dos alimentos produzidos no mundo (44%). A expectativa de crescimento da área irrigada em nível mundial é de mais 200 milhões de hectares, dos quais 30 milhões estarão no Brasil, o que credencia o nosso país como o 2º maior potencial para irrigação no mundo, só superado pela China. Apesar de sua utilidade, a água ainda é usada muitas vezes de forma inadequada, o que na agricultura pode ser constatado principalmente na escolha e na má execução de sistemas de irrigação. A eficiência no uso de recursos hídricos é considerada baixa atualmente se levados em conta os critérios de sustentabilidade, mas pode ser melhorada com o desenvolvimento de pesquisas e a implantação de sistemas de irrigação mais racionais. Nesse sentido, precisamos superar os desafios para racionalizar o uso da água, controlar os efeitos sobre o meio ambiente e desenvolver mecanismos para ampliação da produção alimentícia. Os efeitos da atividade agropecuária sobre o meio ambiente são diversos e envolvem quase toda a cadeia de produção, do corte de árvores para uso do terreno, à irrigação e uso de agrotóxicos. A seguir temos alguns exemplos de como isso pode ocorrer. O desmatamento de florestas deixa o solo desprotegido e suscetível à erosão, ou destruição do solo. Quando chove a água escoa, carrega a terra solta e a deposita na cabeceira dos rios, provocando assoreamento e alterando sua dinâmica. O uso de adubos e agrotóxicos também prejudica a saúde dos rios e lençóis freáticos, pois favorece o escoamento e a infiltração de substâncias poluentes (a irrigação possui um papel central nesse processo), afetando não somente a qualidade das águas, mas também todo o ecossistema envolvido, inclusive os homens que se relacionam com ele, por exemplo pescando.

6 Amazônia A Amazônia seduz o mundo pela exuberância de uma natureza primitiva, hoje bastante ameaçada por sua devastação. A Amazônia guarda a maior diversidade biológica do planeta e escoa cerca de 20% de toda água doce da face da Terra. Seu início se deu há 12 milhões de anos, quando os Andes se elevaram e fecharam a saída das águas para o Pacífico. Formouse então um fantástico Pantanal, quase um mar de água doce, coberto só por águas. Depois, com tantos sedimentos, a crosta terrestre tornou a emergir, formando o que é hoje a Amazônia. Ela ocupa km², cerca de 49,29% do território brasileiro, abrangendo a totalidade de cinco unidades da federação (Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima), grande parte de Rondônia (98,8%), mais da metade de Mato Grosso (54%), além de parte de Maranhão (34%) e Tocantins (9%). A área desmatada da Amazônia já atinge 16,3% de sua totalidade. Hoje, cerca de 17 milhões de brasileiros vivem no bioma Amazônia, sendo que cerca de 70% no meio urbano. Cerrado O Cerrado é o mais antigo bioma brasileiro. Fala-se em aproximadamente 65 milhões de anos. É tão antigo, que 70% de sua biomassa está dentro da terra. Por isso se diz que é uma floresta de cabeça para baixo e alguns especialistas apontam para a impossibilidade de sua revitalização, pois uma vez devastado, sua recuperação é muito difícil. O Cerrado é ainda a grande caixa d água brasileira, já que do Planalto Central é que se alimentam as bacias hidrográficas que correm para o sul, para o norte, para o oeste e para o leste do país. O Cerrado guarda uma fantástica biodiversidade, porém, 57% do bioma já foi totalmente devastado e a metade do que resta se encontra bastante danificada. Sua devastação é muito veloz, chegando a três milhões de hectares por ano. Nesse ritmo, estima-se que em 30 anos ele estará praticamente devastado por inteiro. A partir da década de 70, sob o embalo do regime militar, a atividade agropecuária se expandiu bastante sobre esse bioma, primeiramente para a criação de gado e depois para o plantio de soja. A devastação de sua cobertura vegetal está comprometendo suas nascentes, rios e riachos. Ao se eliminar a vegetação, também se está eliminando os mananciais. Um rio como o São Francisco tem 80% de suas águas com origem no Cerrado. O Bioma Cerrado ocupa Km², ou seja, 23,92% do território brasileiro e abrange a totalidade do Distrito Federal, mais da metade dos estados de Goiás (97%), Maranhão (65%), Mato Grosso do Sul (61%), Minas Gerais (57%) e Tocantins (91%), além de porções de outros seis estados.

7 Mata Atlântica. A Mata Atlântica já foi a grande floresta costeira do Brasil, se estendendo desde o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul. Em alguns lugares adentrava o continente, como no Paraná, onde ocupava 98% do território. Era também o mais rico bioma brasileiro em biodiversidade. Ainda é, em termos de biodiversidade relativa (por área ocupada), mas hoje considerase o mais devastado dos nossos biomas, com apenas cerca de 10% de sua cobertura vegetal restante distribuída em manchas isoladas, quase sempre sem comunicação entre si. A Mata Atlântica é o exemplo mais contundente do modelo de desenvolvimento predatório do nosso país. Desde a colonização, quando extraíram grandes quantidades de pau-brasil para o tingimento de tecidos na Europa, até a instalação do atual complexo industrial, passando pela implantação de grandes monoculturas, o bioma sofre com a exploração predatória. Quem vive onde algum dia houve o domínio da Mata Atlântica, muitas vezes desconhece seus vestígios, tamanha sua devastação. A Mata Atlântica ocupa km², ou seja, 13,04% do território nacional. Cobre inteiramente três estados - Espírito Santo, Rio de Janeiro e Santa Catarina - e 98% do Paraná, além de porções de outras 11 unidades da federação. Aproximadamente 70% da população brasileira vive na área desse bioma, perto de 120 milhões de pessoas. Por mais precarizado que esteja, é desse bioma que a população depende para beber água e ter um clima ainda ameno. A biodiversidade da Mata Atlântica é semelhante à da Amazônia em números absolutos e os animais mais conhecidos são o mico-leão-dourado, a onça-pintada, o bicho-preguiça e a capivara. Ecossistemas, serviços ambientais e paisagens da Mata Atlântica A Mata Atlântica caracteriza-se por uma vegetação exuberante e uma grande diversidade de animais. Entre os povos indígenas que vivem no domínio da Mata Atlântica estão os Wassu, Pataxó, Tupiniquim, Gerén, Guarani, Krenak, Kaiowa, Nandeva, Terena, Kadiweu, Potiguara, Kaingang, Guarani M Bya e Tangang. No estado do Rio de Janeiro, os remanescentes da Mata Atlântica situam-se principalmente nas Serras do Mar e da Mantiqueira. Se fizermos uma viagem do nordeste ao sul do Brasil, pelo litoral e pelos planaltos interioranos, não iremos admirar simplesmente a bela paisagem de uma face da Mata Atlântica, mas uma série de ecossistemas com características próprias, devido às variações de altitude e latitude. Entre os ecossistemas da Mata Atlântica, podemos citar a mata de araucárias, no sul do país, os campos de altitude, em regiões elevadas, os brejos interioranos, e os manguezais, restingas e ilhas oceânicas no litoral. Abordaremos aqui apenas alguns ecossistemas localizados no estado do Rio de Janeiro, bem como os serviços ambientais que prestam, que são benefícios que obtemos a partir do funcionamento dos ecossistemas, tais como a formação do solo, a regulação climática, a produção de oxigênio, o fornecimento de alimentos e a proteção dos recursos hídricos.

8 Floresta A floresta ombrófila densa é o tipo mais característico da Mata Atlântica e se apresenta como uma floresta grandiosa e heterogênea, de solo bem drenado e fértil, sendo caracterizada por árvores de folhas largas e sempre verdes. Sua vegetação apresenta altura média de 15 metros, mas as grandes árvores chegam a atingir até 40 metros. O grande número de cipós, bromélias, orquídeas e outras plantas que se hospedam nas imponentes árvores dão a esta floresta um caráter tipicamente tropical. Esta cobertura forma uma região de sombra que cria o microclima típico da mata, sempre úmido e sombreado. As florestas também podem oferecer uma infinidade de bens e serviços ambientais. Atualmente damos maior ênfase aos recursos comerciais, que possuem um valor de uso direto, mas além dessa primeira percepção elas também oferecem benefícios intangíveis que garantem a sustentabilidade das diversas atividades econômicas e da sociedade de forma geral. Entre outros, os principais benefícios indiretos que a conservação da biodiversidade garante são: a manutenção de serviços ecológicos, como a contenção de encostas, a polinização, a ciclagem de nutrientes, o controle de pragas e vetores de doenças, a mitigação do efeito estufa e a regulação da temperatura e da umidade do ar. Isso sem falar na beleza cênica e nos serviços culturais, que satisfazem as necessidades espirituais, psicológicas e estéticas da sociedade, oferecendo inspiração para a cultura, arte e para experiências espirituais. Populações rurais e particularmente as tradicionais, como caiçaras, indígenas, quilombolas e caboclos, têm sua cultura, crenças e modo de vida muito associados aos ecossistemas nativos. Em relação à mitigação do efeito estufa, é importante lembrar que no Brasil a emissão de gás carbônico (CO2) está intimamente ligada à conversão das florestas em áreas agrícolas e de pecuária pelo desmatamento. As emissões decorrentes das queimadas de floresta e do desmatamento são superiores às geradas por atividades industriais ou pelo uso de automóveis. Através do processo de fotossíntese, as plantas absorvem e armazenam gás carbônico da atmosfera, garantindo melhorias climáticas. Nas florestas em crescimento, o montante de carbono sequestrado aumenta, estabilizando quando elas chegam à maturidade. Em um hectare de floresta tropical são armazenados cerca de 224 toneladas de biomassa, contendo aproximadamente 110 toneladas de carbono. Estima-se que as florestas brasileiras armazenam milhões de toneladas de carbono em sua biomassa: mais do que todas as florestas europeias juntas conseguem armazenar (FAO, 2007). Com relação aos serviços hidrológicos, podemos dizer que as florestas contribuem para a regulação dos fluxos hídricos e a manutenção da qualidade da água. Florestas preservadas em margens de rios, encostas e topos de montanhas reduzem os riscos de inundações e deslizamentos por extremos climáticos. Elas protegem os solos contra erosão e evitam que as águas das chuvas carregadas de sedimentos escorram diretamente aos rios, além de amenizarem a rápida perda de água em épocas de seca. Como exemplo, temos o caso de quase mil mortos por deslizamentos de terra e inundações ocorridas no estado do Rio de Janeiro no ano de 2011, fenômeno esse que acontece em grande parte por conta da retirada da mata de encosta.

9 Manguezal Outro ecossistema de grande importância é o manguezal. Composto por um tipo singular de vegetação litorânea muito influenciada pela mistura da água salgada do mar com os sedimentos provenientes dos rios, possui um solo lodoso de salinidade alta e quase sempre encharcado, variando com a maré. Além disso, é pouco arejado, o que impossibilita a existência de uma flora rica, e apresenta um odor característico de enxofre, por causa da grande quantidade de matéria orgânica em decomposição. Na área metropolitana do Rio de Janeiro podemos encontrar florestas de mangue preservadas na Reserva Biológica e Arqueológica de Guaratiba, no interior da Baía de Guanabara, entre outros lugares. O manguezal se constitui como um ecossistema de grande valor. Por ser um local abrigado e com muitos nutrientes, ele atrai uma diversidade de espécies de caranguejos, peixes, moluscos, mariscos, aves e mamíferos que utilizam seu espaço como refúgio para alimentação e reprodução. Apesar disso, não é um local muito rico em variedade de espécies, destacando-se mais pela grande quantidade das populações que neles vivem, como os caranguejos. Consideramos esse ecossistema um dos ambientes naturais mais produtivos do Brasil, já que a população litorânea obtém dele variados benefícios através da pesca. Nesse sentido, o mangue também possui uma forte influência sobre a cultura das populações que abriga. Um exemplo dessa influência pode ser observado no nascimento do movimento pernambucano chamado Manguebeat. A exploração predatória do mangue e do meio ambiente como um todo, contribuindo para o aumento da desigualdade social na região, foi uma das bases para a formação da expressão cultural liderada por Chico Science e Fred Zero Quatro. O manguezal também oferece muitos outros serviços ambientais de grande importância. Serve de zona de desova e de alimento de inumeráveis espécies de peixes e tem, junto com os arrecifes, a função de armazenar e reciclar os elementos nutritivos, regulando o equilíbrio aquático e protegendo as terras da erosão. Oferece uma abundância de alimentos bem maior do que os ecossistemas costeiros próximos e contem grande quantidade de matéria orgânica, tornando-se assim atrativo para larvas e peixes jovens, que encontram um local seguro de predadores e com abundância de alimento. Além disso, os manguezais fazem o controle de enchentes, estabilizando a linha costeira e de rios e também favorece as atividades de subsistência, pois atua como suporte para a pesca e a mariscagem. Serve ainda à preservação das aves, por estar vinculado a rotas de migrações de várias espécies, e à geração e produção de vida animal, principalmente marinha, sendo um verdadeiro berçário da vida.

10 Restinga A restinga corresponde à região subsequente a de dunas ou à praia. Possui um relevo plano e é cortado por rios que correm lentos e tortuosos. As espécies de plantas apresentam um gradativo crescimento de seu porte, por isso encontramos espécies mais baixas em localidades junto à praia e espécies de maior porte conforme nos dirigimos ao interior. Assim como os manguezais e as florestas, contribuem para a manutenção da biodiversidade e para a estabilidade do solo, além de serem fontes de recursos naturais para muitas comunidades costeiras. Campos de altitude Os campos de altitude situam-se nas áreas mais elevadas do estado, como o Pico da Agulhas Negras, em Itatiaia. Geralmente essas regiões são forradas por espécies de gramas e possuem poucos e espaçados arbustos, sofrendo uma grande influência do clima mais frio, dos ventos e da erosão. fauna A biodiversidade atlântica também se estende ao reino dos animais. Os principais exemplos são macacos, preguiças, onças, jaguatiricas, papagaios, araras, tucanos, cobras e insetos. Até hoje, são conhecidas no bioma cerca de 260 espécies de mamíferos, mais de mil espécies de pássaros, quase 200 de répteis, cerca de 340 de anfíbios e 350 de peixes. Sem falar nos demais invertebrados e nas espécies que ainda nem foram descobertas pela ciência. Outro número impressionante da fauna da Mata Atlântica se refere ao endemismo, ou seja, às espécies exclusivas desse bioma. Do total de vertebrados pertencentes ao bioma, aproximadamente 700 são endêmicos. Num bioma reduzido a cerca de 10% de sua cobertura original, é inevitável que a diversidade de animais esteja pressionada pelas atividades humanas. A Mata Atlântica abriga hoje mais da metade dos animais ameaçados de extinção no Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Entre as causas para o desaparecimento de espécies e indivíduos estão a caça e a pesca predatórias, a introdução de seres exóticos nos ecossistemas e também a deterioração ou supressão dos habitats dos animais, causados pela expansão da agricultura e pecuária, bem como pela urbanização. No caso dos anfíbios, por exemplo, seus locais de procriação, como brejos e áreas alagadas, são muitas vezes considerados um empecilho às atividades humanas e são eliminadas através de drenagem ou utilizadas

11 para despejo de esgoto. Os anfíbios são animais de extrema importância para o equilíbrio das populações de espécies que se relacionam nas teias alimentares, pois controlam a população de insetos e outros invertebrados e servem de comida para répteis, aves e mamíferos. preservação Atualmente a Mata Atlântica encontra-se em um estado de intensa fragmentação e destruição. Até hoje, na extensão do bioma, são exploradas inúmeras espécies florestais madeireiras e não madeireiras como o caju, o palmito-juçara, a erva-mate e as plantas medicinais e ornamentais, entre outras. Se por um lado essa atividade gera emprego e divisas para a economia, grande parte da exploração acontece de forma predatória e ilegal, estando muitas vezes associada ao tráfico internacional de espécies. A proteção da fauna e da flora está diretamente relacionada à proteção do meio ambiente onde essas espécies se relacionam e sobrevivem. Em paralelo, outras medidas importantes são a fiscalização da caça, da posse de animais em cativeiro e do comércio ilegal de espécies silvestres; fiscalização efetiva da atividade pesqueira e a realização de programas de educação ambiental junto à população, visando à conscientização humana acerca da necessidade de preservar o meio ambiente. É importante também estabelecer limites para a ocupação do solo e incrementar a formação de novas áreas de preservação ambiental em todos os municípios situados dentro desse bioma. A busca do desmatamento zero no bioma passa pela adoção de critérios de sustentabilidade em todas as atividades humanas. Isso significa um esforço coletivo da indústria, do comércio, da agricultura e do setor energético na adoção de novos modelos de produção, menos agressivos ao meio ambiente, bem como do poder público, no sentido de garantir a fiscalização ambiental, a elaboração e o cumprimento das leis e, finalmente, a conscientização dos cidadãos, consumidores que podem exigir padrões de sustentabilidade e cobrar dos governantes se mobilizarem pela manutenção da floresta de pé e pela recuperação das áreas degradadas. Há diversos projetos de recuperação de fragmentos de mata atlântica que esbarram sempre na urbanização e na falta de planejamento do espaço, principalmente na região Sudeste. A nível nacional, graças aos inúmeros parques e bosques dentro de seu perímetro urbano, Curitiba é a cidade brasileira onde a mata atlântica está melhor preservada. Alguns feitos na nossa história tiveram grande importância no caminhar para uma forma mais sustentável de relação com a natureza. Em 1937 foi criado o Parque Nacional do Itatiaia, que possui uma área de 30 mil hectares e localiza-se na divisa dos estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. Antes disso, em 1808, já havia sido criado por Dom João VI o

12 Jardim Botânico do Rio de Janeiro, que atualmente possui 137 hectares e é vinculado ao Ministério do Meio Ambiente. Outro fato de relevância para a preservação do meio ambiente foi a criação do Código Florestal em 1965, que determinou as florestas e demais formas de vegetação como bens de interesse comum de todos os habitantes do país e definiu a Amazônia Legal, os direitos de propriedade e restrições de uso para algumas regiões que compreendem estas formações vegetais e os critérios para supressão e exploração da vegetação nativa. Atualmente, está em processo de discussão um novo Código Florestal, que pretende alterar drasticamente a legislação florestal brasileira. Polêmico em diversos pontos, tais como no percentual de mata necessária para proteger margens de rios e encostas de morro, e na quantidade obrigatória a ser preservada de mata dentro das propriedades rurais, a alteração do Código Florestal vem sendo alvo de uma campanha pelo veto da presidente Dilma Rousseff aos seus trechos mais prejudiciais à conservação das matas. Há milhares de ONGs e grupos de cidadãos espalhados pelo país que se empenham na preservação e revegetação da Mata Atlântica. A Rede de ONGs da Mata Atlântica (RMA: template/display.php?style=index ) tem um projeto de monitoramento participativo, e desenvolveu com o Instituto Socio-Ambiental (ISA: ) um dossiê da Mata, por municípios do domínio original. No domínio do bioma existem 131 unidades de conservação federais, 443 estaduais, 14 municipais e 124 privadas, distribuídas por dezesseis estados, com exceção de Goiás. Falaremos mais adiante sobre o papel desenvolvido pelo Jardim Botânico do Rio de Janeiro nas áreas de pesquisa e conservação do meio ambiente. o rio de janeiro e a floresta da tijuca Como já vimos, o estado do Rio de Janeiro está completamente inserido nos domínios da Mata Atlântica e, apesar da maior parte da sua cobertura vegetal ter sido danificada pela intervenção humana nos últimos séculos, apresenta grande parte dos ecossistemas componentes desse bioma. Podemos encontrar preservadas ainda hoje algumas áreas de mangue, restinga e florestas pelo seu território. A Floresta da Tijuca é, sem dúvida, uma importante área de preservação ambiental e contribui bastante para a qualidade de vida que a capital oferece. Reconhecida como a terceira maior área verde urbana do Brasil, ela localiza-se no município do Rio de Janeiro e é superada em área apenas pelo Parque Estadual da Pedra Branca e pelo Parque da Cantareira. Trata-se de vegetação secundária, uma vez que é fruto de um reflorestamento promovido na época do Segundo Reinado, quando se tornou patente que o desmatamento, causado pelas fazendas de café, estava prejudicando o abastecimento de água potável da então capital do Império.

13 Em 1760, o café foi introduzido no Rio de Janeiro e despontou como uma atividade promissora, espalhando-se pelos sítios existentes na cidade. No início do século XIX, o lugar onde mais se plantava café no Brasil era a Tijuca. A partir daí, ele se projetou na história brasileira. Para a Mata Atlântica, a introdução do café significou uma ameaça mais séria que qualquer outra anterior. A chegada da família real com toda a sua corte (em torno de 15 mil pessoas) ao Rio de Janeiro causaria fortes impactos numa cidade que era pequena até então. Um dos graves problemas era o de como fornecer água a tanta gente, se o único manancial hídrico existente se mostrava insuficiente. A intensificação da crise do abastecimento d água permeou todo o período joanino e se estabeleceu também em todo o período imperial. Já em 1817, D.João VI baixou um decreto que determinava o fim do corte de árvores junto a mananciais e nas beiras dos riachos nas proximidades da capital. Na década de 1830 os cafezais alcançaram predominância ainda maior no Maciço da Tijuca e o plantio do café foi associado a uma redução da disponibilidade de água. A cidade foi atingida por secas severas nos anos de 1824, 1829, 1833 e 1843, entremeadas com algumas estiagens menos graves. No ano de 1843 a história da expansão do café pelo maciço da Tijuca iria começar a se modificar. Neste ano, os cafezais aí existentes sofreram os efeitos de uma violenta praga, que diminuiu drasticamente a sua produtividade. A produção cafeeira já vinha decrescendo bastante, afetada pela exaustão progressiva do solo e pela total ausência de cuidados com a terra. Plantados sem qualquer preocupação com a manutenção da fertilidade do solo, os cafezais logo aceleraram o processo de esgotamento da terra e a aceleração dos processos erosivos, pois facilitavam que camadas superficiais do solo fossem carregadas pela ação das chuvas. O fenômeno das enxurradas se tornou rotineiro: a falta de cobertura vegetal fazia com que todas as águas das grossas chuvas de verão escorressem em grande volume e velocidade diretamente para as calhas dos riachos, provocando inundações repentinas nas partes baixas da cidade. Foi também no ano de 1843 que o problema periódico da falta d água atingiu proporções críticas na cidade, fazendo com que o governo passasse a tomar medidas de preservação dos mananciais. Em 1860, o Governo Imperial propõe um Plano Geral de Abastecimento d Água e nomeia uma comissão para sua elaboração. Em 1861, o Imperador D. Pedro II nomeia o major Manuel Gomes Archer como Administrador da Floresta da Tijuca, dando início ao processo de restauração florestal, que durou13 anos, plantando cerca de 80 mil mudas de espécies variadas de árvores, nativas e exóticas. Em 1868, uma nova seca atingiu o Rio de Janeiro e tornou-se urgente à captação de alguns mananciais que ainda não haviam sido utilizados no alto da Tijuca (rio Cachoeira), no Andaraí Grande (Joana) e no Jardim Botânico (rio Macacos e afluentes) que passaram a fazer parte do sistema de abastecimento hídrico da cidade. Em 1877, Gastão de Escragnolle assumiu o posto de Administrador da Floresta da Tijuca e continuou a tarefa de replantio das árvores, inclusive de plantas exóticas (originárias de outros continentes), embora em escala, e ritmo inferiores aos de Archer. Escragnolle dedicava sua gestão à tarefa de tornar a Floresta da Tijuca acessível a seus visitantes, transformando-a num lugar de lazer e recreação. Contou com a ajuda do naturalista e paisagista francês Auguste Glaziou e abriu estradas, parques, belvederes, chafarizes, trilhas, pontes e lagos artificiais na Floresta da Tijuca. A recuperação dos mananciais hídricos continuava sendo uma tarefa importante. No período da gestão de Escragnolle, entre 1877 e 1887,

14 foram plantadas novas mudas de plantas. Estima-se que a Floresta da Tijuca foi restabelecida entre 1862 e 1887, com cerca de 95 mil mudas de plantas. Em 1889, foi proclamada a república no Brasil e muitos atos de gestão do Governo Imperial passavam a despertar certo desprezo pelos criadores do novo regime. Entre 1889 e 1943, a Floresta da Tijuca viveu um tempo de certo abandono administrativo. No final da década de 1920, a prefeitura elaborou o Plano Diretor da cidade, com a sugestão de que fosse criado o Parque Nacional do Rio de Janeiro, que teria como utilidade ser um reservatório eterno de ar, água e vegetação. Em 1943, o prefeito da cidade do Rio de Janeiro convocou Raymundo Ottoni de Castro Maya para ser o novo Administrador da Floresta da Tijuca e recuperá-la. Quando Castro Maya assumiu a maior parte das obras de jardinagem e paisagismo tinham sido encobertas pela floresta e pelo desprezo das autoridades públicas. Parques, praças, trilhas, casas, lagos e outros equipamentos se encontravam em péssimas condições. Castro Maya conseguiu aumentar significativamente o número de visitantes atraídos para a Floresta da Tijuca durante o período de sua gestão ( ) e recuperou várias das instalações da Floresta da Tijuca. Em 1960, a Floresta da Tijuca passava a ser gerida administrativamente pelo recém-criado Estado da Guanabara. Em 6 de julho de 1961, o governo federal criou, através do Decreto nº , o Parque Nacional da Tijuca, onde incluía a Floresta da Tijuca. Enfim, realizava-se o projeto de Raymundo Ottoni Castro Maya de transformar a Floresta da Tijuca num Parque Nacional. Em 1966, o Parque Nacional da Tijuca foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) e, em 1967, o Decreto nº redefiniu os limites espaciais do parque e modificou seu nome oficial para Parque Nacional da Tijuca, que até então era reconhecido por Parque Nacional do Rio de Janeiro. Mas parte da floresta na área da Covanca e Andaraí foram excluídas do Parque, devido ao fato de várias favelas estarem implantadas nas suas encostas. Atualmente a Floresta da Tijuca é uma importante área de lazer, com trilhas e espaços privilegiados para prática de esportes, ciclismo, corrida e montanhismo. Dispõe de praças com brinquedos para crianças, espaços reservados para churrascos, confraternizações familiares e comunitárias e restaurantes. E, de acordo com Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio), é a Área de Conservação federal mais visitada do país, recebendo uma média de 2 milhões de visitantes ao ano. uso sustentável, unidades de conservação e o jardim botânico A questão dos usos sustentáveis de cada bioma, no nosso caso a Mata Atlântica, passa, em primeiro lugar, pela conscientização de instituições públicas, privadas e da própria população sobre a importância que o meio

15 ambiente possui no nosso modo de vida. Historicamente, o pensamento preponderante foi aquele que distinguiu o homem e a sociedade da natureza, como se ambos não fossem parte integrante de um mesmo sistema. O que ocorre atualmente é que as consequências da relação humana predatória para com a natureza vem causando cada vez mais danos à saúde do planeta. Isso significa que o anacronismo da antiga forma de entender a relação homem-natureza está sendo colocado em xeque e um novo modelo de relação já está sendo pensado para que possamos garantir às gerações futuras e ao meio ambiente condições de vida adequadas. Nesse caso, há dois tipos de sustentabilidade em jogo: a ambiental e a social. Entendendo que a educação desempenha um papel central nessa nova configuração social, econômica e cultural, podemos destacar a importância das atividades desenvolvidas pelos Jardins Botânicos e Unidades de Conservação na promoção de um espaço propício ao diálogo e à confrontação do diversos pontos da vista acerca de questões ambientais. Os projetos educativos propõem de início o reconhecimento do sentido que o meio ambiente tem para o homem que o habita, contextualizando situações próximas ao seu cotidiano e suas relações com a biodiversidade local, evidenciando a importância do meio ambiente, assim como os direitos e deveres que devemos ter para com o mesmo. Apesar de ser um processo de certa lentidão, deve ser mantido em continuidade, visto que as mudanças no pensamento e na postura de certa população em relação aos seus costumes exigem grandes esforços para serem consolidadas. Outro aspecto das áreas protegidas ou Unidades de Conservação é o de atuar no intento de proteger espécies da fauna e flora, garantir a manutenção da biodiversidade, a regulação do clima e o abastecimento de mananciais de água, proporcionando qualidade de vida às pessoas, além da proteção de locais de grande beleza cênica. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) define unidade de conservação como espaço territorial e seus recursos ambientais com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público, com objetivos de conservação e limites definidos, ao qual se aplicam garantias adequadas de proteção. Na Mata Atlântica, essas áreas vão de pequenas Reservas Particulares do Patrimônio Natural, com apenas 1 hectare, até grandes áreas públicas como o Parque Estadual da Serra do Mar, com 315 mil hectares. O SNUC estabelece duas grandes categorias para a criação, gestão e implantação de Unidades de Conservação (UCs). São elas: Unidades de Proteção Integral onde é permitido apenas o uso indireto da biodiversidade, por meio de visitação pública, atividades de educação ambiental e pesquisa, fazendo parte desse grupo as Estações Ecológicas, Reservas Biológicas e Parques Nacionais, entre outros; e as Unidades de Uso Sustentável que permitem a utilização racional de uma parcela dos seus recursos naturais, onde a exploração do ambiente visa garantir a continuação dos recursos naturais com usos socialmente justos e economicamente viáveis. Incluem-se aqui seis categorias, tais como Áreas de Proteção Ambiental (APA) e Florestas Nacionais (Flonas), entre outros. As Unidades de Conservação de proteção integral são as mais importantes para a proteção da biodiversidade, mas ainda cobrem somente 2% do território original da Mata Atlântica. Existem hoje mais de 960 unidades de conservação protegendo o bioma e visando à manutenção de diferentes formações florestais.

16 O Jardim Botânico do Rio de Janeiro atua basicamente de três formas na conservação do meio ambiente. Através do Programa Mata Atlântica (PMA), procura gerar conhecimento sobre o bioma para assegurar sua preservação, sendo que ao longo dos anos estabeleceu várias parcerias que potencializaram a geração de informação e conhecimento sobre este importante patrimônio da humanidade. Entre os focos do projeto estão o Parque Nacional do Itatiaia e nas Reservas Biológicas Poço das Antas, União e Tinguá. Nestas unidades de conservação federais são desenvolvidos estudos em anatomia, ecologia, taxonomia e etnobotânica, que em última análise subsidiam ações de conservação, restauração ecológica e manejo das áreas remanescentes. Além disso, o Instituto de Pesquisas Jardim Botânico procura promover reflexões sobre a temática ambiental e estimular mudanças de atitudes, visando à conservação da biodiversidade. perda de espécies Em decorrência da histórica exploração predatória que fizemos da Mata Atlântica, hoje possuímos uma série de espécies ameaçadas de extinção, tanto de animais como de plantas. Esse tipo de ameaça se refere ao momento em que o número de indivíduos de uma determinada espécie não é suficiente para assegurar a permanência da mesma ao longo do tempo, nas atuais condições ambientais em que vivem. E suas principais causas são a destruição do habitat de origem das espécies, através do desmatamento ou da poluição, da caça, e até mesmo do turismo irresponsável. Para termos uma ideia das consequencias, seguem alguns números. De um total de 627 espécies brasileiras na lista vermelha do Ministério do Meio ambiente (2010), mais de 60% são originárias da Mata Atlântica (380). Uma em cada quatro espécies endêmicas desse bioma está ameaçada de extinção. No Estado do Rio de Janeiro, atualmente há 257 espécies ameaçadas de extinção, das quais 43 são invertebrados terrestres (borboletas, libélulas, mariposas), 28 invertebrados aquáticos (camarões,caranguejos, moluscos), 48 peixes (39 de água doce e 9 de água salgada), 4 sapos e pererecas, 9 répteis (1 lagarto, 2 cobras, 1 jacaré e 5 tartarugas), 82 aves e 43 mamíferos.

17 Referências: Instituto Brasileiro de Florestas (Mata Atlântica): bioma-mata-atlantica.html Lista Fauna Ameaçada do Rio de Janeiro (2000): downloads/view.download/5/19.html) Aliança para a conservação da Mata Atlântica: Projetos Educativos no Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro: diadia/arquivos/file/conteudo/artigos_teses/ teses_geografia2008/dissertacaomilenarodrigues.pdf A Importância da Floresta da Tijuca na cidade do Rio de Janeiro: CGABHMonografiaEduardoCoelho.pdf Biomas Brasileiros: noticia_visualiza.php?id_noticia=169

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Biomas, Domínios e Ecossistemas

Biomas, Domínios e Ecossistemas Biomas, Domínios e Ecossistemas Bioma, domínio e ecossistema são termos ligados e utilizados ao mesmo tempo nas áreas da biologia, geografia e ecologia, mas, não significando em absoluto que sejam palavras

Leia mais

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador

Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Instituição executora do projeto: Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste (CEPAN) Coordenador Geral: Felipe Pimentel Lopes de Melo Coordenador Técnico: Maria das Dores de V. C. Melo Coordenação Administrativa-Financeira:

Leia mais

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA

Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA Atividade de Ciências 5º ano Nome: ATIVIDADES DE ESTUDO Complete com as principais características de cada bioma: MATA ATLÂNTICA FLORESTA AMAZÔNICA FLORESTA ARAUCÁRIA MANGUEZAL PANTANAL CAATINGA CERRADO

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Os Biomas Brasileiros

Os Biomas Brasileiros Os Biomas Brasileiros Roberto Malvezzi, Gogó 1 Hoje se fala muito em "biomas". Palavra um tanto estranha até pouco tempo atrás. Entretanto, na sua fala em um evento organizado pela Itaipu Binacional, o

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 O território brasileiro e suas regiões.( 7º ano) *Brasil é dividido em 26 estados e um Distrito Federal (DF), organizados em regiões. * As divisões

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS BRASILEIROS 2011 Aula VII BRASIL E VARIABILIDADE FITOGEOGRÁFICA O Brasil possui um território de dimensões continentais com uma área de 8.547.403 quilômetros quadrados. 4.320

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO

RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO RESERVA DA BIOSFERA DO CINTURÃO VERDE DA CIDADE DE SÃO PAULO O QUE SÃO Reservas da Biosfera? - Reservas da Biosfera são áreas de ecossistemas terrestres ou aquáticos estabelecidas para promoverem soluções

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

Prof. MSc. Leandro Felício

Prof. MSc. Leandro Felício Prof. MSc. Leandro Felício Ecossistema: Sistema integrado e auto funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente. Bioma: Conjunto

Leia mais

Caatinga: exclusivamente brasileira

Caatinga: exclusivamente brasileira Caatinga: exclusivamente brasileira Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade e Florestas Departamento de Conservação da Biodiversidade Parque Nacional da Serra da Capivara - PI Caatinga:

Leia mais

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso

A Biodiversidade é uma das propriedades fundamentais da natureza, responsável pelo equilíbrio e estabilidade dos ecossistemas, e fonte de imenso Biodiversidade Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades ecológicas nas quais elas ocorrem. Pode ser entendida como uma associação de vários

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

Os impactos ambientais de maior incidência no país

Os impactos ambientais de maior incidência no país Os impactos ambientais de maior incidência no país Segundo a Pesquisa de Informações Básicas Municipais Perfil dos Municípios Brasileiros/MUNIC 2008, realizada regularmente pelo Instituto Brasileiro de

Leia mais

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini

TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25. Profº André Tomasini TERCEIRÃO GEOGRAFIA FRNTE 8 A - aula 25 Profº André Tomasini Localizado na Região Centro-Oeste. Campos inundados na estação das chuvas (verão) áreas de florestas equatorial e tropical. Nas áreas mais

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo

FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA. DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber. Ipê Amarelo FORMAÇÃO VEGETAL BRASILEIRA DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Aziz Ab`Saber Ipê Amarelo Fatores que influenciam na distribuição das formações vegetais: Clima 1. Temperatura; 2. Umidade; 3. Massas de ar; 4. Incidência

Leia mais

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio

Como Eu Ensino Biomas brasileiros Material de apoio Roteiro da atividade: Jogo da Sobrevivência Como jogar 1. Cada jogador iniciará o jogo com uma população de sessenta quatis na primeira geração e, portanto, marcará na folha-região 60 indivíduos no eixo

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais

O homem e o meio ambiente

O homem e o meio ambiente A U A UL LA O homem e o meio ambiente Nesta aula, que inicia nosso aprendizado sobre o meio ambiente, vamos prestar atenção às condições ambientais dos lugares que você conhece. Veremos que em alguns bairros

Leia mais

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa.

O desmatamento das florestas tropicais responde por 25% das emissões globais de dióxido de carbono, o principal gás de efeito estufa. Biodiversidade Introdução Na Estratégia Nacional para a Biodiversidade, desenvolvida pelo Ministério do Meio Ambiente, acordou-se que o Brasil deve dar ênfase para seis questões básicas: conhecimento da

Leia mais

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério

www.tiberioge.tibe o.c rioge om.br o.c A Ge G og o r g afi f a Le L va v da d a Sério 1 FLORESTA AMAZÔNICA 2 Características Localiza-se: Região Norte; parte do norte do Mato Grosso e Goiás; e parte oeste do Maranhão; O maior bioma brasileiro ocupa, praticamente, um terço da área do País.

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável

E C O L O G I A. Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que a tornam habitável E C O L O G I A Deriva do grego oikos, com sentido de casa e logos com sentido de estudo Portanto, trata-se do estudo do ambiente da casa Incluindo todos os organismos e todos os processos funcionais que

Leia mais

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira

Bioma : CERRADO. Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Bioma : CERRADO Alessandro Mocelin Rodrigo Witaski Gabriel Kroeff Thiago Pereira Dados Geográficos - Segunda maior formação vegetal da América do Sul - Abrange os estados do Centro-Oeste(Goiás, Mato Grosso,

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão)

1ª PARTE - OBJETIVA ESPECIFICA (Valendo 05 pontos cada questão) PREFEITURA DE VÁRZEA ALEGRE CE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 01/2014 SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO CONTRATAÇÂO TEMPORÁRIA - PROVA DE GEOGRAFIA PROFESSOR DE GEOGRAFIA (6º ao 9º ANO) ASSINATURA DO

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS

DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS DOMÍNIO DOS MARES DE MORROS Situação Geográfica Este domínio estende-se se do sul do Brasil até o Estado da Paraíba (no nordeste), obtendo uma área total de aproximadamente 1.000.000 km².. Situado mais

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil

Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil Os Domínios Morfoclimáticos do Brasil A classificação morfoclimática reúne grandes combinações de fatos geomorfológicos, climáticas, hidrológicos, pedológicos e botânicos que por sua relativa homogeinidade,

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas

Capítulo 07. Distribuição dos Ecossistemas Capítulo 07 Distribuição dos Ecossistemas A terra possui regiões que apresentam características próprias, onde cada uma desenvolve sua flora e fauna típica, sejam elas aquáticas ou terrestres, vindo a

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste

Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades. Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água

Leia mais

A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é:

A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é: 16. (Unifesp) Observe o mapa: A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é: (A) Floresta Eequatorial, Caatinga, Cerrado e Mangue. (B) Mata Aatlântica, Mata dos Cocais, Caatinga e

Leia mais

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp

BIOMA. dominante. http://www.brazadv.com/passeios_ecol %C3%B3gicos_mapas/biomas.asp BIOMAS DO BRASIL BIOMA Definição: Bioma, ou formação planta - animal, deve ser entendido como a unidade biótica de maior extensão geográfica, compreendendo varias comunidades em diferentes estágios de

Leia mais

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas?

O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudanças climáticas? O que é preciso para desenvolver uma experiência global sobre florestas e mudançasclimáticas? Entrevista com o Dr. Stuart Davies, Diretor do CentrodeCiênciasFlorestaisdoTrópico Em2007,oBancoHSBCdoou100milhõesde

Leia mais

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35

A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 A BIOSFERA DO BRASIL (I) AULAS 34 E 35 OS BIOMAS DO BRASIL: (Aziz Ab Saber) O que se leva em consideração nesses domínios morfoclimáticos? Clima. Relevo. Solo. Vegetação. Vida. História da Terra e da ocupação

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO

FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Aluno (a): Disciplina GEOGRAFIA Curso Professor ENSINO MÉDIO FERNANDA ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO Série 1ª SÉRIE Número: 1 - Conteúdo: Domínios morfoclimáticos - estudar as interrelações

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES

BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES Nome: Data: / / 2015 ENSINO FUNDAMENTAL Visto: Disciplina: Natureza e Cultura Ano: 1º Lista de Exercícios de VC Nota: BRASIL: UM PAÍS DE MUITAS ESPÉCIES QUANDO OS PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL, COMANDADOS

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Fitogeografia do Brasil.

Fitogeografia do Brasil. Fitogeografia do Brasil. Profº Me. Fernando Belan Alexander Fleming Introdução Devido as grandes dimensões territoriais, estabelecemse muitas formações vegetais características de alguma região do Brasil.

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais