DA ONU À OEA: UMA BREVE ANÁLISE SOBRE O DIREITO DOS POVOS INDÍGENAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DA ONU À OEA: UMA BREVE ANÁLISE SOBRE O DIREITO DOS POVOS INDÍGENAS"

Transcrição

1 DA ONU À OEA: UMA BREVE ANÁLISE SOBRE O DIREITO DOS POVOS INDÍGENAS GERMANO LUIZ GOMES VIEIRA 1 Resumo: O presente estudo tem como propósito fazer uma análise da mais recente declaração da ONU sobre o direito dos povos indígenas, abordando a classificação desses grupos enquanto povos e a conseqüente repercussão desta terminologia para o Direito Internacional. Em resultado está a constatação que este novo diploma internacional, emanado da Organização das Nações Unidas (ONU), prevê o que de mais novo se pensa sobre os direitos dos povos indígenas no âmbito internacional e procura efetivamente estabelecer os mais recentes standards internacionais sobre o assunto. Palavras-chave: Direito dos Povos Indígenas, direito de autodeterminação, direito à autonomia, ONU, Direito Internacional. INTRODUÇÃO A humanidade, a meu ver, tem uma dívida profunda para com os povos indígenas. É certo que são povos que foram, e ainda o tem sido vítimas de injustiças históricas e supressão de direitos desde a época das colonizações até os nossos dias. São povos que fazem parte da história da humanidade. Que têm ainda muito a dizer quanto a medicina, botânica, relação humana e sustentabilidade. 1 Bacharel em Direito, mestrando em Direito Público e Internacional pela Universidade Católica Portuguesa (Porto). Advogado.

2 Nas últimas décadas, a demanda desses povos por direitos aumentou-se significativamente. E, considerar que realmente existe esta demanda própria e natural por direitos é um primeiro fundamento teórico ao considerarmos uma certa evolução no pensamento internacional sobre o direito dos povos indígenas. Outro fato importante é considerarmos a capacidade que tiveram, nas últimas décadas, para se fazerem representados perante organismos internacionais para tentar assegurar direitos diversos que lhes dizem respeito. Estamos diante de uma nova fase na garantia dos direitos dos povos indígenas, seja pela discussão acerca dos direitos, seja pela previsão de novos diplomas internacionais sobre o assunto, nomeadamente, a mais recente declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas 2 e o projeto de declaração americana sobre os direitos dos povos indígenas da Organização dos Estados Americanos 3. Existem ainda duas Convenções importantes, que somadas à Declaração da ONU resultam nos diplomas internacionais mais importantes que dizem respeito aos direitos dos povos indígenas, nos últimos anos. São elas: as Convenções e 169 5, ambas da Organização Internacional do Trabalho. De uma maneira exemplificativa, os direitos que ultimamente têm sido mais discutidos e exigidos pelos povos indígenas passam pelo direito a um sistema econômico tradicional, direitos coletivos sobre seu território e respectivos recursos, direito a um modo de vida tradicional, direito de auto-governo, autonomia e autodeterminação. Este estudo, portanto, procura fazer uma breve análise sobre a Declaração da ONU na tentativa de identificar o que de mais novo tem sido pensado e estabelecido sobre os direitos dos povos indígenas, passando pelo direito de autonomia, direito de autodeterminação, direitos coletivos e direito de auto-identificação. 2 Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, aprovada em 13 de setembro de Nos últimos anos, os Estados membros da OEA e os povos indígenas do continente americano têm trabalhado na elaboração de uma declaração ampla para promover e proteger os direitos humanos dos povos indígenas nos moldes da Declaração da ONU, aguardando ser aprovada em Assembléia Geral nos próximos meses. 4 Convenção 107 da OIT, de 05 de junho de 1957 Convenção sobre a Proteção e Integração das Populações Indígenas e outras Populações Tribais e Semitribais de Países Independentes. 5 Convenção 169 da OIT, de 07 de junho de 1989 Convenção sobre Povos Indígenas e Tribais em Países Independentes.

3 I As Convenções 107 e 169 da OIT A Convenção 107 da OIT parece representar o que se pensava à época sobre o direito dos povos indígenas. Havia uma aparente intenção em assegurar direitos de igualdade, sociais e de desenvolvimento econômico, permeando setores da segurança, saúde e educação. Dois objetivos estavam em voga, nomeadamente a proteção e a integração dos povos indígenas. Estes, ainda sobre a nomenclatura de populações indígenas, no sentido de se evitar na altura as implicações que o termo povos recebia no âmbito internacional. 6 Todavia, o principal objetivo desta Convenção era criar meios de facilitar a integração dos povos indígenas às demais populações do Estado em causa, procurando desta forma alcançar uma certa civilidade. A idéia era que somente integrados na comunidade nacional do Estado em causa é que poderiam desfrutar de direitos vantajosos já assegurados às outras parcelas da população como direitos sociais, econômicos, políticos e culturais. Por isso, qualquer menção à autonomia era ausente nesta Convenção. Hoje, esta Convenção recebe críticas justamente pela mudança e evolução dos standards internacionais acerca dos direitos dos povos indígenas. A Convenção 107 é vista, pois, como um diploma assimilacionista e integralista, que não mais se encaixa com os pensamentos atuais sobre a garantia dos direitos indígenas. Entretanto, com a Convenção 169, de 1989, mais de três décadas depois, é retirado o apoio ao integralismo dos standards anteriores. 7 Ao invés disso, há uma ênfase em garantir aos povos indígenas a possibilidade de manter seus costumes, participação nas decisões sobre a exploração de recursos naturais em suas terras e permissão em criar 6 A expressão Povos no plano internacional, liga-se diretamente ao direito de autodeterminação.e neste sentido, chocava-se com a temerosidade de alguns Estados de que ao assegurar um direito de autodeterminação estar-se-ia a um passo de processos de independência e do direito de secessão. 7 Vide C. Brölmann, R. Lefeber e M. Zieck, Peoples and Minorities in International Law, Martinus Nijhoff Publishers. Amsterdam, 1993, p Segundo os autores, muitos fatores importaram na decisao de revisao da Convenção 107 e um deles é that the language cointened in Convention 107 is clearly patronizing (it uses such phrases as a less advanced stage when refering to indigenous peoples). Moreover, the goal of progressive integration of indigenous peoples had become outdated.

4 suas próprias instituições e perseguir o seu próprio desenvolvimento econômico. Os pilares desta mais recente Convenção são, portanto, a preservação e participação. Sendo assim, o que parece ter sido levado em consideração através das discussões no âmbito da OIT quando das reuniões de revisão da Convenção 107 para a Convenção 169, nos anos de 1988 e 1989, foi a idéia de que pluralismo, auto-suficiência, autodesenvolvimento pareciam ser o que daria às populações indígenas as melhores possibilidades e meios de participação diretos na formulação e implementação de políticas oficiais que lhes dissessem respeito. 8 II A Declaração das Nações Unidas sobre os direitos dos povos indígenas II.1 A definição de povos indígenas: elementos caracterizadores Muito tem sido escrito sobre o direito dos povos indígenas ultimamente. Todavia um conceito amplo nem sempre foi fácil de se estabelecer. O mais completo, a meu ver, é o transcrito abaixo, do Sr. Martinez Cobo, relator especial da ONU 9 : Povos, comunidades e nações indígenas serão aqueles que, tendo uma continuidade histórica com sociedades pré-invasão e pré-coloniais que se desenvolveram no seus territórios, se consideram distintos de outros setores das sociedades agora prevalecentes nesses territórios ou em parte deles. Atualmente, representam sectores não dominantes da sociedade e estão determinados em preservar, desenvolver e transmitir às gerações futuras os seus territórios 8 International Labour Conference, 75 th Sess. At (1988), ILO. 9 J.R. MARTINEZ COBO, Study of the problem of discrimination Against Indigenous Populations, E/CN.4/Sub.2/1986/7/Add.4, par. 379

5 ancestrais e a sua identidade étnica, com base da sua existência continuada como povos, de acordo com os seus próprios padrões culturais, instituições sociais e sistemas jurídicos. Haveria, portanto dois aspectos importantes a se considerar: um subjetivo que tem a ver com a auto-identificação enquanto indígena, numa visão clara de consciência de grupo, e outro objetivo, no sentido de ser um link entre individuo e comunidade, numa visão de aceitação e reconhecimento dessas populações como um de seus membros. Consequentemente, os quatro elementos que caracterizam os povos indígenas são a anterioridade histórica, cultura distinta, posição não-dominante e auto-identificação. Pacífico é perceber que os elementos cultura distinta e posição não-dominante também servem para a definição de uma minoria. Os demais elementos, nomeadamente anterioridade histórica e auto-identificação merecem maior atenção neste estudo. A anterioridade histórica é geralmente vista como fator de diferenciação entre minorias e povos indígenas, pois teria a ver com a idéia inicial de que povos indígenas seriam: os descendentes existentes de povos que habitavam, total ou parcialmente, o território atual de um Estado, numa altura em que pessoas de uma cultura ou origem étnica diferentes aí chegaram, vindos de outras partes do Mundo 10, diferentemente das minorias, cujo conceito como já se disse, permeia elementos de cultura distinta e posição não-dominante Commission on Human Rights, Preliminary Report on the Study of the Problem of Discrimination Against Indigenous Populations, E/CN.4/Sub.2/L.566, par. 34 e ss. 11 Cita-se F. Capotorti e seu conceito de minorias proposto em Study on the Rights of Persons Beloging to Ethinic, Religious and Linguistic Minorities de F. Capotorti, Naçoes Unidas, New York, 1979, Doc. E/CN.4/Sub.2/384/Ver.1, par 568. Grupo numericamente inferior à restante população de um Estado, numa posição não-dominante, cujos membros sendo nacionais do Estado possuem características étnicas, religiosas ou lingüísticas diferenciadas da restante população e evidenciam, mesmo que implicitamente um sentido de solidariedade dirigido à preservação de sua cultura, tradição, religião ou língua. Proposta semelhante a de J.DESCHÊNES, Proposal concerning a Definition of the Term Minority E/CN.4/Sub.2/1985/31, par 181. Muitos desses elementos são seguidos pela doutrina, que recorre, tal como para o conceito de povos indígenas, a critérios objetivos e subjetivos na conceituação de minorias, quando inclui a natureza distinta do grupo, o fator numérico, a não-dominância, o interesse em

6 Ainda, entende-se que o elemento anterioridade histórica pode referir-se em um ou mais dos seguintes fatores: ocupação de terras ancestrais, antepassados comuns aos ocupantes originais da território em causa, cultura distinta, língua ou residência em certas regiões do Estado. 12 Assim, a anterioridade histórica pode também em teoria relacionarse com fatores não geográficos, como língua e cultura. Antes de passarmos ao quarto elemento, a auto-identificação, entendemos que há um outro elemento que merece ser aqui apontado que é a particular relação que o indígena tem com seu território. Acreditamos que o território para o indígena é identitário. O conceito de povos indígenas é indissociável do conceito de um território especifico. Em outras palavras, o povo indígena necessita do território para poder existir enquanto indígena. Ou seja a identidade cultural exige um grau de controlo sobre o próprio território e neste sentido há uma necessidade de autonomia territorial. E esta, por sua vez, ao lado da autonomia cultural/pessoal será uma das formas especificas do exercício do direito de autodeterminação. 13 A questão da auto-identificação recebe menção expressa na Declaração da ONU nos artigos 9º e 33º 14. Havia, a certa altura das discussões do projeto da Declaração, uma preocupação de alguns Estados quanto ao subjetivismo que teria o elemento da autopreservar elementos ímpares da cultura minoritária, o sentimento de comunidade do grupo e a autoidentificação. 12 UN Doc. E/Cn.4/Sub.2/1983/21/Add.8 par A questão do território tem menção expressa na atual declaração da ONU sobre os direitos dos povos indígenas em diversos artigos como veremos adiante, a qual veio por se tornar um corpo legal firme quanto aos direitos coletivos. Oportuno, porquanto, ressaltar que um dos objetos mais discutido no período do projeto da Declaração foi justamente a questão dos direitos coletivos dos povos indígenas sobre seu território. 14 ART 9 Os povos indígenas tem o direito individual de pertencerem a comunidades ou nações indígenas em conformidade com as tradições ou costumes da comunidade ou nação em tese. ART. 33 Os povos indígenas têm o direito de determinar a sua própria identidade de acordo com seus costumes e tradições. O antigo art. 8º do projeto da declaração ainda era mais enfático. Trazia que os povos indígenas tem o direito individual e coletivo de manterem e desenvolverem suas identidades e características, incluindo o direito de auto-identificação como indígenas e de serem reconhecidos como tais. No mesmo sentido, já previa a Convenção 169 OIT, em seu Art 1 n 2, que a consciência de sua identidade indígena ou tribal deverá considerar-se um critério fundamental para determinar os grupos aos quais se aplicam as disposições da presente Convenção.

7 identificação. 15 Todavia, os representantes dos povos indígenas contra-argumentaram que não bastava uma vertente subjetiva para a identificação. Era necessário que a comunidade indígena o reconhecesse como tal. Seria, portanto, um direito a ser exercido e controlado pela comunidade. A não inclusão do conceito de povos indígenas na Declaração da ONU, em modesta opinião, para além do intuito de não solidificar o conceito, pode ser vista como um desenvolvimento do próprio elemento da auto-identificação como um aspecto de liberdade individual e coletiva. II.2 A autodeterminação e autonomia Ao lado dos direito coletivos dos povos indígenas sobre seu território, a questão da autodeterminação foi o outro objeto que recebeu maiores discussões na fase do projeto da Declaração da ONU. 16 Apesar disso, os representantes dos povos indígenas insistiam para o fato de que o direito de autodeterminação deveria ser o coração da Declaração. 17 Estava, portanto, formada a discussão. De um lado, os povos indígenas exigiam o reconhecimento de seu direito fundamental a uma autodeterminação interna, e de outro, 15 Alguns Estados expressaram sua preocupação de que, com o direito de auto-identificação, os direitos e princípios previstos na Declaração da ONU seriam aplicados à todos aqueles que assim se autoidentificassem. E isto, num futuro próximo, poderia ser uma seria controvérsia legal. A meu ver sem razão esta atitude, pois o direito de auto-identificação não é porta aberta ao subjetivismo, devido ao link objetivo que deve existir entre comunidade e individuo no que tange a sua identificação externa e aceitação. 16 Muitos Estados, tais como Austrália, Canadá, Brasil, Argentina, Nicarágua, Nova Zelândia, entre outros, manifestaram sua preocupação quanto a assegurar um direito de autodeterminação, devido principalmente a suas visões distorcidas de um conseqüente direito a secessão, independência e desrespeito a autonomia territorial. Isso se traduz no seguinte Joint Statement by Austrália, New Zealand and The United States of América on the Chair s text on the Declaration: As providências que articulam a autodeterminação para os povos indígenas neste texto são inapropriadamente reproduzidas (..). Isto poderia ser falseado como conferindo um direito unilateral a autodeterminação e possível secessão em uma parcela específica da população nacional, ameaçando a unidade política, integridade territorial e a estabilidade dos estados membros das Nações Unidas. 17 O direito de autodeterminação é o coração desta declaração. Nós não vamos consentir que em nenhuma língua limite ou menospreze o direito de autodeterminação. Pritchard S. Indigenous Peoples, The United Nations, and Human Rights. Zed Books, London, 1998, p. 46

8 os Estados apresentavam suas preocupações com a questão da integridade territorial. Todavia, a maioria dos Estados pareciam estar prontos para aceitar o reconhecimento do direito à autodeterminação desde que ficasse claro que isso não incluiria um direito à secessão. Isto, aliás ficou claro no projeto desde há fase de discussões. 18 Na Declaração, não há menção negativa à um direito de independência. E, pensamos que nem era preciso, pois em uma interpretação orgânica deste diploma internacional, percebe-se que existem formas especificas de exercer esse direito de autodeterminação. E isto é categoricamente previsto no artigo 4º, da DDPI 19. Ou seja, a Declaração traz a forma de como se exercer o direito de autodeterminação: conservando suas instituições autônomas, gerindo seu livre-desenvolvimento, suas normas internas, saúde, educação, etc., de uma maneira geral, exercendo a autonomia. 20 Hoje, o direito de autodeterminação dos povos indígenas tem características próprias que apenas são compatíveis com o reconhecimento de um direito de autonomia. A autonomia, para os povos indígenas, mais que um direito, é vista como a vitória de um argumento: o fato da autonomia ser intrínseca a eles enquanto povos. Inicialmente a autonomia era vista como o direito de fazer as próprias leis e na vertente das relações internacionais e ciências jurídicas seria a condição de um fenômeno de se conformar com suas próprias leis e não estar sujeito a regras mais altas A propósito, vide C. Brölmann, R. Lefeber e M. Zieck, ob cit n. 6, p. 215 quando trazem que the draft Declaration does expressly grant the right of self-determination to indigenous peoples but seems to avoid the impression that it would allow the possibility of secession. 19 A autodeterminação recebe previsão expressa no Art. 3, DDPI: Os povos indígenas tem o direito à autodeterminação. Em virtude deste direito, determinam livremente sua condição política e perseguem livremente seu desenvolvimento econômico, social e cultural. Este artigo, portanto, deve ser lido em complemento ao artigo seguinte, para poder-se entender a forma de exercício da autodeterminação. Art. 4, DDPI: Os povos indígenas, no exercício de seu direito de autodeterminação, tem o direito à autonomia e auto-governo nas questões relacionadas com seus assuntos internos e locais, assim como dispor de meios para financiar suas funções autônomas. 20 Para os povos indígenas, a autodeterminação não deve ser entendida somente como independência e secessão. Autodeterminação deve ser entendida como livre controlo, escolha e modo de vida e não como secessão. UN Doc. E/CN.4/1996/84, par Parte da doutrina traz ainda uma bifurcação do direito de autonomia: autonomia cultural/pessoal e autonomia territorial. A primeira seria o atributo de uma comunidade cujos membros estão ligados por características individuais como a consciência étnica ou de idioma e independente do local em que ocupam num determinado Estado. (Lapidoth, R. Autonomy, United states Institute of Peace Press: 1997, p. 37) e a segunda entendida como a capacidade de auto-governo em certos assuntos em um territorio geograficamente delimitado. São conceitos não exclusivos e em algumas vezes devem até ser combinados.

9 Importante, contudo, ressaltar que reconhecendo o direito de autonomia, o direito de autodeterminação torna-se muito menos ameaçador, deixando de ser um vilão temido pelos Estados. O direito de autonomia é, portanto, reconhecido pelo direito internacional na medida em que configura uma dimensão, das mais importantes, do direito de autodeterminação. II.3 Os direitos coletivos sobre o território, uma menção ao aspecto colonial e a obrigação de fazer por parte dos Estados A relação ímpar entre povos indígenas e suas terras e territórios é a chave principal de seus anseios. 22 E era sim esperado que a Declaração nascedoura refletisse a importância dos direitos sobre o território para os povos indígenas, com a concordância dos Estados. 23 Portanto, quanto ao objetivo de se estabelecer e assegurar na Declaração da ONU os direitos coletivos dos povos indígenas, este parece ter sido alcançado. A declaração veio, a meu ver, se tornar um corpo legal forte quanto aos direitos coletivos, o que nos deixa claro pelas disposições dos artigos nela contidos. 24 Vários Estados que têm povos indígenas aceitam o seu direito a autonomia cultural e mesmo em certos casos, a autonomia territorial. Um exemplo são os EUA que têm cerca de 557 tribos indígenas a exercer certa autonomia em seu território, algumas delas até mesmo para além dos standards internacionais. 22 A questão territorial enquanto direito coletivo é para os povos indígenas tão importantes que mereceu menção expressa no Grupo de Trabalho para elaboração da Declaração como se vê: O Exercício de nossos direitos coletivos não é somente um fator importante para nossa espiritualidade, mas também para manter entre gerações, nosso direito natural sobre nossa sociedade, cultura, economia e política. O elemento chave para os direitos coletivos indígenas é a profunda relação social, cultural, econômica e espiritual entre os povos indígenas e seus territórios terras, recursos e meio ambiente. (Propostas dos representantes dos povos indígenas, 7ª sessão do WGDD, UN Doc. E.CN.4/2002/98, anexo II, p 28). 23 While during the negotiations at the WGDD all indigenous and States representatives usually agreed on the importance of stressing and legally affirming their special relationship to the land, there were some areas of contention. The principal debates took place on the issues of collective rights and land restitution. (J. Gilbert, Indigenous Rights in the Making: The United Nations Declaration on the Rights of Indigenous Peoples, International Journal on Minority and Group Rights 14 (2007) p. 223) 24 Exemplo disso: Reconhecendo e reafirmando que os indígenas tem direito a todos os direitos humanos reconhecidos no direito internacional sem discriminação, e que os povos indígenas possuem direitos coletivos que são indispensáveis para sua existência, bem-estar e desenvolvimento integral enquanto

10 Ainda, os direitos dos povos indígenas sobre seu território deriva de uma ocupação tradicional e das leis e costumes indígenas em relação ao direito de propriedade. Neste âmbito, a lei internacional parece ceder aos argumentos históricos. O preâmbulo da Declaração reconhece que os povos indígenas sofreram injustiças históricas como resultado da colonização e da retirada de suas terras. 25 Para a Declaração, era um peso da história que não podia desta vez ser ignorado. Quanto ao desapossamento, lembramos oportunamente que, do projeto do Art. 26 para o atual Art.26, n 2, adotado pela Declaração, houve uma considerável alteração. O direito de propriedade previsto às terras que os povos indígenas have tradictionally owned or otherwise occupied or used 26 deu lugar ao direito de propriedade às terras que atualmente ocupam. 27 Adiante, no artigo 27 seria discutido o direito a uma restituição. Neste ponto, no WGDD, muitos Estados expressaram sua preocupação com a afirmação até então trazida no projeto quanto a um direito à restituição 28, enquanto os representantes dos povos indígenas apoiavam a consagração de tal direito. Não havendo acordo sobre tal controvérsia, o direito à restituição da terra passou a ser parte de um direito maior de compensação e deixou de ser o principal principio. A Declaração, portanto, afirma que povos (22º parágrafo preâmbular). Os povos indígenas têm o direito às terras, territórios e recursos que tradicionalmente tenham possuído, ocupado, utilizado ou adquirido. (Art. 26º, n 1 DDPI) Os povos indígenas têm o direito de possuir, utilizar, desenvolver e controlar suas terras, territórios e recursos que possuem em razão da propriedade tradicional ou outro tipo tradicional de ocupação ou utilização, assim como aqueles adquiridos de outra forma. (Art. 26º, n 2 DDPI). 25 Preocupada com o fato de que os povos indígenas terem sofrido injustiças históricas como resultado, entre outras coisas, da colonização e de haverem sido desapossados de suas terras, territórios e recursos, o que os impediu de exercer, em particular, seu direito a um desenvolvimento em conformidade com suas próprias necessidades e interesses. (6º parágrafo preâmbular). Oportunamente quanto às situações coloniais, diz-se que foi um argumento em auxilio aos anseios por direitos por parte dos povos indígenas, já que para assegurar direitos como o da autodeterminação, o primeiro passo dado foi a comparação com situações coloniais. E depois, num segundo momento, rompeu-se com essa associação para garantir o exercícios desses direitos e formar um regime próprio de direitos para os povos indígenas que no âmbito da autodeterminação eliminaria um tom ameaçador de direito de secessão. 26 O antigo art. 26 estabelecia que indigenous peoples have the right to own, develop, control and use the lands and territories, including the total environment of the lands, air, water, coastal seas, sea-ice, flora and fauna and other resources which they have traditionally owned or otherwise occupied or used. (destaque nosso). 27 A Austrália, na altura pontuou que apenas concordaria com o Art. 26º se it apllied to lands that indigenous peoples currently owned or exclusively used. (UN Doc. e/cn.4/2003/92, p.8, par 32.). 28 O antigo artigo 27 estabelecia que indigenous peoples have the right to the restitution of the lands, territories and resources ( ). (destaque nosso)

11 a regra de restituição não deve ser o primeiro principio e apenas quando não for realmente possível outros métodos de compensação ou reparação é que ela deve ser contemplada. Para finalizar este breve estudo sobre os direitos dos povos indígenas, achou-se por conveniente traçar algumas palavras sobre um aspecto também interessante desta atual Declaração da ONU: uma obrigação de fazer que decorre dos Estados para com os povos indígenas. De fato, os Estados parecem ter sido colocados em particular função de garantir direitos. Tanto é que, por isso, a declaração afirma que os Estados devem adotar medidas eficazes para assegurar a proteção do direito de revitalizar, utilizar, fomentar e também transmitir às gerações futuras aspectos de sua cultura. Devem ainda assegurar que os povos indígenas entendam e se façam entender com meios adequados 31 e, sobretudo, em cooperação com os povos indígenas, devem adotar todas as medidas, inclusive legislativas, para alcançar os objetivos da Declaração. 32 No mesmo sentido, os Estados ainda devem garantir às crianças indígenas, isto se o desejarem, formas de educação em todos os níveis sem discriminação. Para além disso, e o que nos parece mais interessante é que os Estados, em conjunto com os povos indígenas, devem adotar medidas eficazes para que suas crianças, mesmo aquelas que já vivem fora da comunidade, tenham acesso quando possível à educação em sua própria 29 No mesmo sentido, Jerémie Gilber, ob. cit. infra n.20, p A atual DDPI, estabelece em seu artigo 28º que os povos indígenas têm o direito à reparação, que podem incluir a restituição ou, quando no sendo possível, uma indenização justa e eqüitativa pelas terras, territórios ou recursos (...) Também, no Art. 20º, é trazido um direito à reparação, quando estabelece que os povos indígenas desapossados de seus meios de subsistência e desenvolvimento têm direito a uma reparação justa e eqüitativa 31 Art. 13º, n 1, DDPI Os povos indígenas têm o direito de revitalizar, utilizar, fomentar e transmitir às gerações futuras suas historias, idiomas, tradições orais, filosofias, sistemas de escritura e literatura e atribuir nomes às suas comunidades, lugares e pessoas, assim como mantê-los. Art. 13º, n 2 DDPI OS Estados devem adotar medidas eficazes para assegurar a proteção desse direito e também para assegurar que os povos indígenas possam entender e fazerem-se entendidos em atuações políticas, jurídicas e administrativas proporcionando para isso, quando necessário, serviços de interpretação e outros meios adequados. 32 Art. 38, DDPI Os Estados, em consulta e cooperação com os povos indígenas, devem adotar as medias apropriadas, incluindo medidas legislativas, para alcançar todos os fins da presente Convenção.

12 cultura e em seu próprio idioma, 33 num amplo sentido de respeito do fomento da cultura própria do povo indígena em causa. Claro está pela Declaração que os povos indígenas têm agora uma gama de direitos para exercer, principalmente no que diz respeito ao seu auto-desenvolvimento, auto-controlo e auto-governo. De fato, o texto deste diploma legal prevê em vários artigos 34 as formas de os exercerem em níveis de educação, social, cultura, político e até mesmo jurídico em conformidade com as normas internacionais de direitos humanos. Ainda, os Estados apesar de terem recebido obrigações para com os povos indígenas, devem respeitar, sobretudo, o direito deles de se absterem de qualquer relação a nível mais estreito com o próprio Estado em causa. De fato, os artigos da Declaração sempre mencionam direitos de participação e não obrigação. Além disso, os povos e os indivíduos indígenas têm o direito de não serem submetidos a qualquer forma de assimilação forçada, quanto menos à destruição de sua cultura. 35 Têm, portanto, o direito de pertencer a uma comunidade ou nação indígena em conformidade com suas tradições e costumes sem discriminação de nenhum tipo. 36 CONCLUSÃO Como é sabido, a Declaração das Nações Unidas sobre o direito dos povos indígenas não é vinculativa. 37 Foi também o argumento utilizado pelos Estados 33 Art. 14º, n 2, DDPI Os povos indígenas, em particular as crianças, têm o direito a todos os níveis e a todas as formas de educação do Estado sem discriminação. Art. 14º, n 3 Os Estados devem adotar medidas eficazes, conjuntamente com os povos indígenas, para que os seus membros indígenas, em particular as crianças, incluindo os que vivem fora da comunidade, tenham acesso, quando for possível, à educação em sua própria cultura e em seu próprio idioma. 34 Recomenda-se uma observação aos artigos 8º, n 2; 11º, 2; 15º, n 2; 16º, n 2; 17º, n 2; 19º, 21º, n 2; 22º n 2, e 29º, que trazem em alguma medida, obrigações para os Estados. 35 Art. 8, n 1, DDPI. 36 Art. 9, DDPI Os povos indígenas têm o direito de pertencer a uma comunidade ou nação indígena, em conformidade com suas tradições e costumes da comunidade ou nação de que se trate. Do exercício deste direito não podem sofrer discriminação de nenhum tipo. 37 A propósito, em Assembléia Geral de 13 de setembro de 2007, 143 paises votaram a favor da Declaração, houve 11 abstenções (Na América do Sul, a Colômbia foi o único pais que se absteve e o Brasil, apesar de ter sido em vários momentos contra aspectos da Declaração, trazendo objeções, acabou

13 favoráveis para conseguirem a adesão de outros Estados e a conseqüente aprovação no Conselho. Todavia, apesar de não ter o caráter obrigatório, a Declaração por ser da ONU, tem um peso político muito grande. O objetivo principal desta Declaração foi, fundado no consenso aspirado entre Estados e povos indígenas, trazer o direito de autodeterminação, suas formas de exercício especificas, autonomia e auto-governo, bem como previsões de liberdades individual e coletivas. A Declaração procurou, portanto, estabelecer o que de mais novo se pensa sobre os direitos dos povos indígenas e ir no mesmo sentido dos mais recentes standards internacionais sobre o assunto. O projeto de declaração americana sobre os direitos dos povos indígenas também parece caminhar no mesmo para esta direção. Depois de mais de duas décadas de discussões e objeções, o mais novo diploma internacional na defesa dos povos indígenas esta em vigor. É uma gama enorme de direitos, cujo exercício deve ser assegurado pela comunidade e sociedade civil como um todo. Está nas nossas mãos, portanto, impedir que estes direitos caiam no vazio. Sobretudo, impedir que esta recente e importante Declaração torne-se letra morta ou papel sem valor. LISTA DE ABREVIATURAS OEA Organização dos Estados Americanos ONU Organização das Nações Unidas OIT Organização Internacional do Trabalho EUA Estados Unidos da América por votar a favor) e 4 paises votaram contra, nomeadamente Canadá, Estados Unidos da América, Austrália e Nova Zelândia.

14 DDPI Declaração das Nações Unidas sobre o Direito dos Povos Indígenas WGDD Working Group on the Draft Declaration BIBLIOGRAFIA ANAYA, S. James. Indigenous Peoples in International Law. Oxford University Press. New York, AZEREDO LOPES, José Alberto de. Entre a Solidão e o Intervencionismo: Direito de Autodeterminação dos povos e reações de Estados terceiros. Publicações Universidade Católica. Porto, 2003, p BRÖLMANN, Catherine, LEFEBER, René, ZIECK, Marjoleine. Peoples and Minorities in International Law. MartinusNijhoff Publishers. Amsterdão, 1993, p. 190 e ss. CAPOTORTI, F. Study on the Rights of Persons Beloging to Ethinic, Religious and Linguistic Minorities. Naçoes Unidas, New York, 1979, Doc. E/CN.4/Sub.2/384/Ver.1, par 568. COBO. J. Martinez. Study of the problem of discrimination Against Indigenous Populations, E/CN.4/Sub.2/1986/7/Add.4, par. 379 DESCHÊNES, J. Proposal concerning a Definition of the Term Minority E/CN.4/Sub.2/1985/31, par 181 GILBERT, Jerèmie. Indigenous Rights in the Making: The United Nations Declaration on the Rights of Indigenous Peoples, International Journal on Minority and Group Rights 14 (2007) p. 223 LÂM, Maivân Clech. At the Edge of the State: Indigenous Peoples and Self- Determination. Transnational Publishers Inc. New York, p.41 e ss. LAPIDOTH, Ruth. Autonomy: flexible solutions to ethnic conflicts. Washington, p 16 e ss.

15 MCCORQUODALE, Robert. Self-Determination in International Law. Australian National University. Ashgate Dortmouth. Vermont, POLANCO, Héctor Díaz. Indigenous Peoples in Latin America: the quest for selfdetermination. Latin American Perspectives Series no. 18. Oxford, PRADO, Rafael. O genocídio do povo Oro-Towati (Oro-Win): um caso de violação de direitos humanos nas delvas de Rondônia. Fundação Universidade Federal de Rondônia. Porto Velho, PRITCHARD, Sara. Indigenous Peoples, The United Nations, and Human Rights. Zed Books, London, 1998, p. 46 THORNBERRY, Patrick. International Law and the Rights of Minorities. Clarendon Paperbacks. Oxford, p

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas

Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas A Assembléia Geral, Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas Tomando nota da recomendação que figura na resolução 1/2 do Conselho dos Direitos Humanos, de 29 de junho de 2006,

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas DECLARAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE OS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS Perguntas e Respostas I - Introdução O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, comemora a adoção da Declaração dos Direitos dos

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Convenção para a Salvaguarda do patrimônio Cultural Imaterial Assunto: Proteção do Patrimônio Cultural Imaterial Decreto: 5208 Entrada

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos

PRINCÍPIOS DE PARIS. Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos PRINCÍPIOS DE PARIS Princípios relativos ao estatuto das instituições nacionais para a promoção e proteção dos direitos humanos Competência e atribuições 1. Uma instituição nacional disporá de competência

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

Povos Indígenas e Desenvolvimento Sustentável:

Povos Indígenas e Desenvolvimento Sustentável: Justiça para os Povos Indígenas O Centro de Recursos Jurídicos para os Povos Indígenas Indian Law Resource Center é uma organização legal e de advocacy sem fins lucrativos criada e dirigida por índígenas

Leia mais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais

Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Direitos dos povos e comunidades tradicionais na Constituição Federal como direitos fundamentais Paulo Gilberto Cogo Leivas Procurador Regional da República. Mestre e Doutor em Direito pela UFRGS. Coordenador

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Legislação nacional e internacional

Legislação nacional e internacional Legislação nacional e internacional CDB Convenção sobre Diversidade Biológica A CDB foi estabelecida durante a ECO -92, no Rio de Janeiro, em junho de 1992. Esse tratado das Nações Unidas é um dos mais

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Acordo sobre o Aquífero Guarani

Acordo sobre o Aquífero Guarani Acordo sobre o Aquífero Guarani A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai e a República Oriental do Uruguai, Animados pelo espírito de cooperação e de integração

Leia mais

ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS

ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS ACESSO AOS MECANISMOS CONVENCIONAIS DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS DOCUMENTO PREPARADO PARA O MÊS DA ONU PETIÇÕES INDIVIDUAIS DANIELA IKAWA QUAIS SÃO OS MECANISMOS DE PROTEÇÃO EXISTENTES? O QUE SÃO MECANISMOS

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA POVOS INDÍGENAS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA POVOS INDÍGENAS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA POVOS INDÍGENAS PO-02/2013 Unidade Responsável: Mudanças Climáticas e Energia OBJETIVOS: Descrever os procedimentos relacionados a ações proativas para lidar com as questões

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, Presidência da RepúblicaCasa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.051, DE 19 DE ABRIL DE 2004. Promulga a Convenção n o 169 da Organização Internacional do Trabalho - OIT sobre Povos Indígenas

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Por Carlos ley Noção e Significados A expressão direitos humanos é uma forma abreviada de mencionar os direitos fundamentais da pessoa humana. Sem esses direitos a pessoa não

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências;

Preocupados com a discriminação de que são objeto as pessoas em razão de suas deficiências; CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA A ELIMINAÇÃO DE TODAS AS FORMAS DE DISCRIMINAÇÃO CONTRA AS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA (CONVENÇÃO DA GUATEMALA), de 28 de maio de 1999 Os Estados Partes nesta Convenção,

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios;

Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; Povos tradicionais e locais; Acesso a conhecimento tradicional; Panorama legal nacional e internacional; Repartição de benefícios; CTA na indústria e instituições de pesquisa; Propriedade industrial e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Carlos Gomes) Assegura às pessoas com deficiência auditiva o direito a atendimento por tradutor ou interprete de LIBRAS nos órgãos e entidades da administração pública,

Leia mais

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto

Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto Declaração de Brighton sobre Mulheres e Desporto A I Conferência Mundial sobre Mulheres e Desporto realizou-se em Brighton, no Reino Unido, entre os dias 5 e 8 de Maio de 1994, reunindo à mesma mesa políticos

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha.

Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Visualização. O questionário só pode ser preenchido em linha. Questionário «Para uma avaliação intercalar da Estratégia Europa 2020 do ponto de vista dos municípios e regiões da UE» Contexto A revisão

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, CONVENÇÃO (111) SOBRE A DISCRIMINAÇÃO EM MATÉRIA DE EMPREGO E PROFISSÃO* A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração do Secretariado

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012

11º GV - Vereador Floriano Pesaro PROJETO DE LEI Nº 128/2012 PROJETO DE LEI Nº 128/2012 Altera a Lei nº 14.485, de 19 de julho de 2007, com a finalidade de incluir no Calendário Oficial de Eventos da Cidade de São Paulo o Dia Municipal de Combate a Homofobia, a

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Profª Msc. Luciana Flôr Correa Pós-graduação em Educação e Direitos Humanos Disciplina: Educação e Direitos Sociais

Profª Msc. Luciana Flôr Correa Pós-graduação em Educação e Direitos Humanos Disciplina: Educação e Direitos Sociais Profª Msc. Luciana Flôr Correa Pós-graduação em Educação e Direitos Humanos Disciplina: Educação e Direitos Sociais - Interatividade; - Participação; - Liberdade; - Observação; - Percepção; - Reflexão;

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Coletivos dos Povos

Declaração Universal dos Direitos Coletivos dos Povos Declaração Universal dos Direitos Coletivos dos Povos Preâmbulo CONSIDERANDO os progressos conseguidos, em particular a partir da "Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão" na tomada de consciência

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo

Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Corte Internacional de Justiça se manifesta acerca da declaração de independência do Kosovo Análise Europa Segurança Jéssica Silva Fernandes 28 de Agosto de 2010 Corte Internacional de Justiça se manifesta

Leia mais

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio

Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Direito Internacional Aplicado Tratados e Convenções Direito Internacional Penal Convenção para a Prevenção e a Repressão do Crime de Genocídio Conclusão e assinatura: Nova Iorque EUA, 09 de dezembro de

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

Projeto de Lei Básica Estado Nacional do Povo Judeu

Projeto de Lei Básica Estado Nacional do Povo Judeu Conexao Israel www.conexaoisrael.org Projeto de Lei Básica Estado Nacional do Povo Judeu Autores: Ayelet Shaked (HaBait HaYehudit) Yariv Levin (Likud) Robert Ilatov (Israel Beiteynu) 1. Estado Judeu a)

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE

PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO SILMARA SILVEIRA ANDRADE POLÍTICAS PÚBLICAS EDUCACIONAIS: FORTALECIMENTO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA Assunção, Paraguay Abril 2015 POLÍTICAS PÚBLICAS

Leia mais

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT]

NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS. INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] NBA 10: INDEPENDÊNCIA DOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO [Issai 10, Preâmbulo, e NAT] 1. Os Tribunais de Contas somente podem realizar suas tarefas quando são independentes da entidade auditada e são protegidos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Adotado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela resolução 2200A (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 16 de Dezembro

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Presidência da República Federativa do Brasil. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Presidência da República Federativa do Brasil Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial A SEPPIR CRIAÇÃO A Seppir (Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial)

Leia mais

Direitos das Pessoas Idosas e a Implementação da Convenção

Direitos das Pessoas Idosas e a Implementação da Convenção Direitos das Pessoas Idosas e a Implementação da Convenção Perly Cipriano Subsecretário de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos - Brasil Dados atuais sobre envelhecimento no mundo No ano de 2007, 10.7%

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Estatuto da Comissão Interamericana de Direitos Humanos Aprovado pela resolução AG/RES. 447 (IX-O/79), adotada pela Assembléia Geral da OEA, em seu Nono Período Ordinário de Sessões, realizado em La Paz,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**)

Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Declaração de Princípios sobre a Tolerância * (**) Os Estados Membros da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura reunidos em Paris em virtude da 28ª reunião da Conferência

Leia mais

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE)

COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) COMITÊ INTERAMERICANO CONTRA O TERRORISMO (CICTE) DÉCIMO PERÍODO ORDINÁRIO DE SESSÕES OEA/Ser.L/X.2.10 17 a 19 de março de 2010 CICTE/DEC.1/10 Washington, D.C. 19 março 2010 Original: inglês DECLARAÇÃO

Leia mais

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071

Outubro 2013. ARTIGO 19 Rua João Adolfo, 118 conjunto 802 Centro CEP: 01050-020 - São Paulo SP www.artigo19.org +55 11 3057 0042 +55 11 3057 0071 A Artigo 19 apresenta análise comparada de países que permitem publicidade e propaganda comercial em rádios comunitárias em referência à minuta do Projeto Legislativo do Senado que propõe possibilitar

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO.

COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO. COMUNICACAO NA ABORDAGEM DOS APATRIDAS: DA PERSPECTIVA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE, CEDEAO. APRESENTADO POR Veneranda Juíza Presidente Maria do Céu Monteiro Silva DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA COMUNIDADE,CEDEAO

Leia mais

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC DECLARAÇÃO DE QUÉBEC Sobre a preservação do "Spiritu loci" Assumido em Québec, Canadá, em 4 de outubro de 2008 INTRODUÇÃO Reunião na histórica cidade de Québec (Canadá) de 29 de setembro a 4 de outubro,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL AOS CONTRATOS DE COMPRA E VENDA INTERNACIONAL DE MERCADORIAS (Concluída em 22 de dezembro de 1986) Os Estados-Partes da presente Convenção, Desejando unificar as regras

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+

PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ PLANO DE GESTÃO DA TERRA INDIGENA SETE DE SETEMBRO EM CACOAL-RONDÔNIA-BRASIL. PAITER X PROJETO REDD+ GASODÁ SURUI TURISMOLOGO E COORDENADOR DE CULTURA PAITER NA ASSOCIAÇÃO METAREILA DO POVO INDIGENA SURUI.

Leia mais

Colégio Senhora de Fátima

Colégio Senhora de Fátima Colégio Senhora de Fátima A formação do território brasileiro 7 ano Professora: Jenifer Geografia A formação do território brasileiro As imagens a seguir tem como principal objetivo levar a refletir sobre

Leia mais

Convenção nº 107 da OIT, de 05 de junho de 1957

Convenção nº 107 da OIT, de 05 de junho de 1957 Convenção nº 107 da OIT, de 05 de junho de 1957 Concernente à proteção e integração das populações indígenas e outras populações tribais e semitribais de países independentes. A Conferência Geral da Organização

Leia mais

Declaração dos Direitos da Criança (1959)

Declaração dos Direitos da Criança (1959) Declaração dos Direitos da Criança (1959) Preâmbulo Visto que os povos das Nações Unidas, na Carta, reafirmaram a sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor do ser humano, e resolveram

Leia mais

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do PBA-CI

Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do PBA-CI Rastreabilidade da Matriz de Indicadores Comitê Gestor Indígena do -CI Rastreabilidade da Matriz de Indicadores - COMITÊ GESTOR INDÍGENA DO -CI - IMPACTOS IMPACTOS E FONTE EXPECTATIVAS Participação indígena

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES)

MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES) Convenção 148 MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES) A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho de Administração do Departamento Internacional

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes

Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes 1 CONVENÇÃO N. 159 Reabilitação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes I Aprovada na 69ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1983), entrou em vigor no plano internacional em

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho.

Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. Resumo Aula-tema 02: Fontes, princípios, renúncia e transação do Direito do Trabalho. O propósito dessa aula é reconhecer quais os lugares de onde se originam os direitos trabalhistas, onde procurá-los

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES

CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES CEDOPE - CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E PESQUISA DE HIS- TÓRIA DOS DOMÍNIOS PORTUGUESES SÉCULOS XV A XIX O CEDOPE tem como objetivo central constituir-se em centro de pesquisas relativas à história do universo

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP

Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Cerimónia de Assinatura Protocolo AICEP/CRUP Lisboa, 10 janeiro 2014 António Rendas Reitor da Universidade Nova de Lisboa Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas Queria começar

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA

LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA LEGISLAÇÃO APLICADA A AQUICULTURA C O N T E Ú D O : N O Ç Õ E S D E D I R E I T O : I N T R O D U Ç Ã O A O E S T U D O D O D I R E I T O A M B I E N T A L C A R A C T E R Í S T I C A S D A L E G I S L

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais