Prospecto Preliminar de Oferta Pública de Distribuição Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prospecto Preliminar de Oferta Pública de Distribuição Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da"

Transcrição

1

2 Prospecto Preliminar de Oferta Pública de Distribuição Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da "As informações contidas neste prospecto preliminar estão sob análise da Comissão de Valores Mobiliários, a qual ainda não se manifestou a seu respeito. O presente prospecto preliminar está sujeito a complementação e correção. O prospecto definitivo será entregue aos investidores durante o período de distribuição." Porto Seguro S.A. Companhia Aberta - CVM n.º CNPJ n.º / NIRE n.º Alameda Barão de Piracicaba 740, 10º andar São Paulo, SP Código ISIN BRPSSAACNOR Ações Ordinárias - R$ [ ] por Ação Ordinária No contexto desta Distribuição Pública, estima-se que o Preço de Distribuição por Ação deverá ficar entre R$16,00 e R$20,00, ressalvado que o Preço de Distribuição por Ação poderá, eventualmente, ser fixado fora desta faixa. A Porto Seguro S.A. ( Companhia ) e seus acionistas Stela Yara Blay e Rosas Empreendimentos e Participações Ltda. ( Acionistas Vendedores ) ofertarão (i) por meio de oferta pública de distribuição primária, até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia; e (ii) por meio de oferta pública de distribuição secundária, ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia e de titularidade dos Acionistas Vendedores, representativas, em conjunto, de aproximadamente 23,6% do capital social da Companhia ( Ações ), as quais se encontram livres e desembaraçadas de quaisquer ônus ou gravames, em mercado de balcão não organizado ( Distribuição Pública ). A Distribuição Pública será realizada no Brasil, nos termos da Instrução 400 da Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ), e, ainda, com esforços de colocação nos Estados Unidos da América para investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados no exterior, definidos em conformidade com o disposto narule144a do U.S. SecuritiesActof1933, conforme alterado ( SecuritiesAct ), em operações isentas de registro segundo o SecuritiesAct, e nos demais países, com base no Regulation S editado pela Securities and Exchange Commission. Nos termos do art. 24 da Instrução CVM 400, a quantidade total das Ações poderá ser acrescida de lote suplementar de até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia, representativas de aproximadamente 3,4% do capital social da Companhia ( Lote Suplementar, sendo que, salvo se disposto de maneira diversa, as referências às Ações serão também referência às Ações do Lote Suplementar), equivalentes a 15% das Ações (sem considerar as Ações Adicionais), conforme opção outorgada pela Companhia à Instituição Líder, destinada a atender a eventual excesso de demanda verificado no decorrer da Distribuição Pública, nas mesmas condições e preço das Ações inicialmente distribuídas, opção essa a ser exercida no prazo de até 30 (trinta) dias contados da data de publicação do anúncio de início da Distribuição Pública ( Opção de Lote Suplementar ). Salvo se disposto de maneira diversa, as referências às Ações serão também referência ao Lote Suplementar. Sem prejuízo do exercício da Opção de Lote Suplementar, nos termos do art. 14, 2º, da Instrução CVM 400, a quantidade total das Ações também poderá, a critério da Companhia, ser aumentada em até 20% do total das Ações objeto da Distribuição Pública Primária (sem considerar as Ações do Lote Suplementar) poderá ser acrescida de até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia, representativas de aproximadamente 4,5% do capital total e votante da Companhia ( Ações Adicionais, sendo que, salvo se disposto de maneira diversa, as referências às Ações serão também referência às Ações Adicionais), equivalentes a 20% das Ações objeto da Distribuição Pública (sem considerar as Ações do Lote Suplementar), nas mesmas condições e preço das Ações inicialmente distribuídas, a ser exercida pela Companhia em comum acordo com a Instituição Líder até a data de publicação do anúncio de início da Distribuição Pública. A Distribuição Pública foi aprovada pelo Conselho de Administração da Companhia em reunião realizada em [ ] de novembro de A Distribuição Pública Secundária foi aprovada pelos sócios da Rosas em reunião realizada em [ ] de novembro de O Preço de Distribuição por Ação foi fixado após a conclusão do procedimento de coleta de intenções de investimento ( Procedimento de Bookbuilding ), que foi realizado pela Instituição Líder. Preço (R$) Comissões (R$) Recursos Líquidos (R$) Por Ação Ordinária [ ] [ ] [ ] Distribuição Pública Primária [ ] [ ] [ ] Distribuição Pública Secundária [ ] [ ] [ ] Total da Distribuição Pública [ ] [ ] [ ] Os investidores devem ler a seção III. Fatores de Risco constante das páginas 19 a 25 deste Prospecto. Registro da Distribuição Pública Primária na CVM: [ ], em [ ] de Registro da Distribuição Pública Secundária na CVM: [ ], em [ ] de As ações da Companhia serão registradas para negociação no segmento do Novo Mercado da Bovespa sob o código PSSA3. O registro da presente distribuição pública não implica, por parte da CVM, garantia da veracidade das informações prestadas ou julgamento sobre a qualidade da companhia emissora, bem como sobre as ações a serem distribuídas. A presente oferta pública foi elaborada de acordo com as disposições do Código de Auto-Regulação da ANBID para as Ofertas Públicas de Títulos e Valores Mobiliários registrado no 5º Ofício de Títulos e Documentos do Estado do Rio de Janeiro sob o n.º , atendendo aos padrões mínimos de informação contidos no mesmo, não cabendo à ANBID qualquer responsabilidade pelas referidas informações, pela qualidade da Companhia, das instituições participantes e dos títulos e valores mobiliários objeto da Oferta. Coordenador Global Instituições Subcontratadas Participante Especial Vinculado A data deste Prospecto é 29 de outubro de 2004.

3 ÍNDICE I. Glossário, Abreviaturas e Termos Definidos... 3 II. Sumário do Prospecto... 7 III. Fatores de Risco IV. Declarações e Informações Prospectivas V. Apresentação das Informações Financeiras VI. Destinação dos Recursos VII. Capitalização VIII. Diluição IX. Informações sobre o Mercado X. Informações Financeiras Selecionadas XI. Discussão e Análise da Administração sobre a Situação Financeira e os Resultados Operacionais XII. A Indústria Brasileira de Seguros XIII. Atividades da Companhia XIV. Administração XV. Principais Acionistas e Acionistas Vendedores XVI. Operações com Partes Relacionadas XVII. Descrição do Capital Social XVIII. Dividendos XIX. Informações sobre a Distribuição Pública XX. Identificação dos Administradores, Consultores e Auditores ANEXOS A. Ata da Reunião do Conselho de Administração de 18 de novembro de A-1 B. Estatuto Social... B-1 C. Modelos do Boletim de Subscrição e do Contrato de Compra e Venda... C-1 D. Demonstrações contábeis referentes aos períodos de nove meses findos em 30 de setembro de 2004 e de 2003 e relatório dos auditores independentes sobre revisão limitada... D-1 E. Demonstrações contábeis referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes... E-1 F. Demonstrações contábeis referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2002 e de 2001 e parecer dos auditores independentes... F-1 G. Informações Anuais IAN 31 de dezembro 2003 (apenas informações não destacadas no Prospecto)... G-1

4 (Esta página foi intencionalmente deixada em branco)

5 I. GLOSSÁRIO, ABREVIATURAS E TERMOS DEFINIDOS Termo ou expressão Acionistas Vendedores Ações Ações Adicionais Ações da Companhia Ações do Lote Suplementar Ações dos Acionistas Vendedores Administração ADUSEPS Agency Agreement Agentes de Colocação Internacional ANS Art. Arts. AXA Brasil Azul Seguros Bacen Bovespa Brasil CBLC CDI CETIP CMN CNSP COFINS Comissões Companhia Conselho de Administração CONSU Contrato de Coordenação Contrato de Estabilização Controladores Corretora Significado Stela Yara Blay e Rosas. As ações ordinárias, nominativas, escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia, objeto da Distribuição Pública. Até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia, equivalentes a 20% das Ações objeto da Distribuição Pública (sem considerar as Ações do Lote Suplementar), nas mesmas condições e preço das Ações inicialmente distribuídas, a serem emitidas pela Companhia em comum acordo com a Instituição Líder até a data de publicação do anúncio de início da Distribuição, nos termos do parágrafo 2º do artigo 14 da Instrução CVM 400, sendo que, salvo se disposto de maneira diversa, as referências às Ações serão também referência às Ações Adicionais ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia objeto da Distribuição Pública Primária. Até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia objeto da Distribuição Pública Primária, equivalentes a 15% das Ações objeto da Distribuição Pública (sem considerar as Ações Adicionais), conforme opção outorgada pela Companhia à Instituição Líder, destinada a atender a um eventual excesso de demanda que venha a ser constatado no decorrer da Distribuição Pública, nas mesmas condições e preço das Ações inicialmente distribuídas, a ser exercida no Prazo de Exercício, nos termos do artigo 24 da Instrução CVM 400, sendo que, salvo se disposto de maneira diversa, as referências às Ações serão também referência às Ações do Lote Suplementar ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia e de titularidade dos Acionistas Vendedores objeto da Distribuição Pública Secundária. A administração da Companhia. Associação de Defesa dos Usuários de Seguros, Planos e Sistemas de Saúde. Placement Facilitation and Agency Agreement, celebrado entre a Companhia, os Acionistas Vendedores, a Instituição Líder e os Agentes de Colocação Internacional. Pactual Capital Corporations e Santander Investments Securities Inc. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Artigo (de leis, instruções etc.). Artigos (de leis, instruções etc.). AXA Brasil Seguros S.A. Azul Companhia de Seguros Gerais, nova denominação da AXA Brasil Seguros S.A. Banco Central do Brasil. Bolsa de Valores de São Paulo. República Federativa do Brasil. Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia. Certificado de Depósito Interbancário. Câmara de Custódia e Liquidação. Conselho Monetário Nacional. Conselho Nacional de Seguros Privados. Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social Comissões de comercialização e distribuição devidas a corretores, instituições financeiras e outras seguradoras. Porto Seguro S.A. O conselho de administração da Companhia. Conselho de Saúde Suplementar. Contrato de Coordenação e de Colocação de Ações Ordinárias de Emissão de Porto Seguro S.A., celebrado entre a Companhia, os Acionistas Vendedores, a Instituição Líder e a CBLC. Instrumento Particular de Contrato de Prestação de Serviços de Estabilização de Preços das Ações Ordinárias de Emissão de Porto Seguro S.A., celebrado entre a Companhia, os Acionistas Vendedores, a Instituição Líder e a Corretora. Os acionistas controladores da Companhia, conforme a definição de acionista controlador prevista na Lei 6404/76. Pactual Corretora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. 3

6 Corretores Corretores de seguro autorizados a intermediar a comercialização de seguros no Brasil. CPMF Contribuição Provisória sobre Movimentação ou Transmissão de Valores e de Créditos e Direitos de Natureza Financeira. CSLL Contribuição social sobre o lucro líquido. CVM Comissão de Valores Mobiliários. Data da Liquidação Até último dia útil do Prazo de Distribuição. Observado o disposto no Contrato de Coordenação, a mesma data em que a Companhia efetuar o Data de Liquidação das Ações do Lote depósito das Ações do Lote Suplementar objeto do exercício da Opção do Lote Suplementar na Suplementar CBLC. Decreto-lei 73/66 Decreto-lei nº 73, de 21 de novembro de 1966, e suas alterações. Deloitte Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes. Diretoria A diretoria da Companhia. Distribuição Pública Oferta pública de distribuição das Ações por meio da Distribuição Pública Primária e da Distribuição Pública Secundária. Distribuição Pública Primária Distribuição Pública Secundária DPVAT Estatuto Social Oferta pública de distribuição das Ações da Companhia, e, eventualmente, das Ações do Lote Suplementar e das Ações Adicionais. Oferta pública de distribuição das Ações dos Acionistas Vendedores. Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres. O estatuto social da Companhia. Exposição FAQE Fenaseg FGV FIE Funcionários IBGE IDEC IFRS IGPM Índice combinado Índice DA Índice de comissão Índice de sinistralidade Este termo pode ter diversos significados no ramo de seguros: possibilidade de sinistro; sinistro em potencial aferido pelo tipo de construção, área ou valores; ou uma unidade de aferição do valor do risco assumido por uma empresa (por exemplo, um veículo segurado por um ano). Fundo de aplicação em quotas de fundos de investimento especialmente constituído. Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização. Fundação Getúlio Vargas. Fundo de Investimento Especialmente Constituído. Para os fins da Distribuição Pública, os funcionários e diretores da Companhia, Porto Seguro, Porto Seguro Saúde, Porto Seguro Vida, Azul Seguros, Porto Seguro Proteção Monitoramento, Portopar, Portoseg e Porto Seguro Consórcios. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. International Financial Reporting Standards, ou padrões internacionais de contabilidade. Índice Geral de Preços Mercado, calculado e divulgado pela FGV. A soma dos índices de sinistralidade, com o índice DA e o índice de comissão. Quociente obtido na divisão das despesas administrativas pelo total de prêmios auferidos. Quociente obtido na divisão do total das despesas de comercialização pelo total de prêmios ganhos. Quociente obtido na divisão do total de sinistros retidos pelo total de prêmios ganhos. Instituição Líder ou Coordenador Global Instituições Subcontratadas Banco Pactual S.A. Banco Safra de Investimentos S.A. e Banco Santander Brasil S.A. Instrução CVM 325 Instrução nº 325 da CVM, de 27 de janeiro de Instrução CVM 400 Instrução nº 400 da CVM, de 29 de dezembro de Investidores pessoas físicas ou jurídicas e clubes de investimento, incluindo os Funcionários, que Investidor(es) Não Institucional(is) não sejam considerados Investidores Institucionais. Investidores Institucionais Os Investidores Institucionais Locais e os Investidores Institucionais Estrangeiros. Investidores Institucionais Estrangeiros Investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados no exterior. Instituições financeiras, fundos de investimento, entidades administradoras de recursos de terceiros registradas na CVM, entidades autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil, Investidores Institucionais Locais companhias seguradoras, sociedades de capitalização, entidades abertas e fechadas de previdência complementar, clubes de investimento e pessoas jurídicas com patrimônio líquido superior a R$ ,00. IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, divulgado pelo IBGE. 4

7 IRB IRPJ ISS IRB-Brasil Resseguros S.A., atual denominação do antigo Instituto de Resseguros ao Brasil. Imposto de renda pessoa jurídica. Imposto sobre serviços. Lei /00 Lei nº , de 10 de dezembro de Lei /01 Lei nº , de 12 de fevereiro de Lei 4131/62 Lei nº 4.131, de 3 de setembro de Lei 6385/76 Lei 6404/76 Lei 8212/91 Lei 8541/92 Lei 8981/95 Lei 9249/95 Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e suas alterações. Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e suas alterações. Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, e suas alterações. Lei nº 8.541, de 23 de dezembro de 1992, e suas alterações. Lei nº 8.981, de 20 de janeiro de 1995, e suas alterações. Lei nº 9.249, de 26 de dezembro de 1995, e suas alterações. Lei 9430/96 Lei nº 9.430, de 27 de dezembro de Lei 9656/98 Lei nº 9.656, de 3 de junho de Lei 9718/98 Lei nº 9.718, de 27 de novembro de Lei 9876/99 Lei nº 9.876, de 26 de novembro de 1999, e suas alterações. Lei 9961/00 Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000, e suas alterações. Até ações ordinárias de emissão da Companhia que serão destinadas a atender um Lote Suplementar eventual excesso de demanda na Distribuição Pública. conforme opção outorgada pela emissora à Instituição Líder. MP 2177/01 Medida Provisória nº , de 24 de agosto de MP 812/94 Medida Provisória nº 812, de n.a. Não se aplica. Opção de Lote Suplementar Opção outorgada pela Companhia à Instituição Líder em caso de excesso de demanda na Distribuição Pública. Pares Pares Empreendimentos e Participações S/C Ltda. Participante Especial Vinculado Portopar. O Participante Especial Vinculado e as corretoras membros da Bovespa., subcontratadas pela Participantes Especiais Instituição Líder, para efetuar exclusivamente esforços de colocação das Ações junto aos Investidores Não Institucionais. Pedido de Reserva Os pedidos de reserva das Ações realizados pelos Investidores Não Institucionais nos termos do Contrato de Distribuição, e que deverão ser preenchidos durante o Período de Reserva. Período de Reserva O período de 8 de novembro de 2004 a 17 de novembro de 2004 para os Investidores Não Institucionais efetuarem seus Pedidos de Reserva, sendo que para os Investidores Não Institucionais que sejam (i) administradores da Companhia, (ii) controladores ou administradores da Instituição Líder, das Instituições Subcontratadas e dos Participantes Especiais, ou (iii) outras pessoas vinculadas à Distribuição Pública, bem como os cônjuges ou companheiros, ascendentes, descendentes e colaterais até o segundo grau de cada uma das pessoas referidas nos itens (i), (ii) ou (iii) acima, necessariamente, em 8 de novembro de Controladores ou administradores da Companhia, a Instituição Líder, Subcontratados e outras Pessoas Vinculadas pessoas vinculadas à Distribuição Pública, seus cônjuges ou companheiros, ascendentes, descendentes e colaterais até o segundo grau. PGBL Plano Gerador de Benefício Livre. PIAC Programa de Incentivo à Adaptação de Contratos. PIB Produto interno bruto. PIS Programa de Integração Social. Porto Seguro Porto Seguro Companhia de Seguros Gerais. Porto Seguro Consórcios Porto Seguro Administração de Consórcios Ltda. Porto Seguro Empreendimentos Porto Seguro Empreendimentos S.A. Porto Seguro Proteção e Monitoramento Porto Seguro Proteção e Monitoramento Ltda. Porto Seguro Saúde Porto Seguro Seguro Saúde S.A. Porto Seguro Uruguay Porto Seguro Seguros del Uruguay S.A. Porto Seguro Vida Porto Seguro Vida e Previdência S.A. Portopar Portopar Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Portoprev Porto Seguro Previdência Privada. 5

8 Portoseg Prazo da Distribuição Pública Prazo de Exercício Preço de Distribuição Prêmio Prêmios auferidos Prêmios ganhos Prêmios não ganhos Procedimento Bookbuilding Provisões PTAX 800 Portoseg S.A. Crédito, Financiamento e Investimento. Prazo de até três dias úteis, contados da data da publicação do anúncio de início da Distribuição Pública, para efetuar a colocação pública das Ações. Prazo de até 30 dias contado da data de publicação do anúncio de início da Distribuição Pública para a Instituição Líder exercer a Opção do Lote Suplementar. O preço de cada Ação, Ação do Lote Suplementar ou Ação Adicional, de R$[ ]. Contraprestação devida pelo segurado à seguradora. Prêmios totais subscritos durante certo período. A parcela de prêmios de seguro correspondente à parcela já decorrida do período de cobertura da apólice. A parcela de prêmios auferidos referente a apólice cujo período de risco ainda não decorreu. Procedimento de precificação das Ações por meio de coleta de intenções de investimento. Passivo contabilizado pelas seguradoras e resseguradoras para refletir o custo estimado de pagamentos de indenização, benefícios e despesas correlatas. Taxa calculada de câmbio calculada ao final de cada dia; é a taxa média de todos os negócios com dólares realizados naquela data no mercado interbancário de câmbio, para liquidação em D2, conforme divulgado pelo Banco Central do Brasil, por meio do SISBACEN. Regulação de sinistro Processo de exame das causas e circunstâncias de algum sinistro avisado. É feito para verificar se o sinistro avisado está coberto pela apólice e se o segurado cumpriu suas obrigações legais e contratuais. Resolução ANS 64/03 Resolução nº 64 da ANS, de 22 de dezembro de Resolução CMN 2689/00 Resolução nº do CMN, de 26 de janeiro de Resolução CMN Resolução nº do CMN, de 28 de novembro de Resolução CNSP 106/04 Resolução nº 106 do CNSP, de 16 de janeiro de Resolução CNSP 98/02 Resolução nº 98 do CNSP, de 30 de setembro de Resseguro Operação pela qual a seguradora cede parte de determinado risco a alguma resseguradora. Retenção A quantia ou parcela ou risco que uma seguradora assume por sua própria conta. Rosag Rosag Empreendimentos e Participações S.A. Rosas Rosas Empreendimentos e Participações Ltda. Salvados Objetos que são resgatados após o sinistro e que ainda possuem valor econômico. Securities Act U.S. Securities Act of 1933 dos Estados Unidos da América, conforme alterado. Seguro de vida Seguro de vida por tempo determinado Sinistro Subscrição Subsidiárias Financeiras SUS SUSEP Taxa DI TCAC TJLP U.S. GAAP VGBL Vida Toda Vida Universal Apólice que prevê benefício garantido a ser pago em uma data específica ou quando da morte do titular da apólice, caso ocorra antes. Proteção de seguro por período limitado, que expira sem valor se o segurado ainda estiver vivo após o período determinado especificado na apólice. Fato cuja ocorrência dá ao segurado o direito de receber indenização paga pela seguradora. Processo pelo qual uma companhia de seguro ou resseguro analisa as propostas apresentados para cobertura de seguro ou resseguro e determina se irá fornecer, no todo ou em parte, a cobertura solicitada por um prêmio acordado. Porto Seguro Consórcios, Portoseg e Portopar. Sistema Único de Saúde. Superintendência de Seguros Privados. Taxa média de depósitos interfinanceiros de um dia (DI) calculada pela CETIP e expressa em taxa efetiva anual, base 252 dias úteis. Taxa de crescimento anual composta. Taxa de Juros de Longo Prazo. United States Generally Accepted Accounting Principles, ou princípios contábeis geralmente aceitos nos Estados Unidos da América. Vida Gerador de Benefício Livre: produto destinado a formação de poupança resgatável. Este produto destina-se a oferecer benefícios enquanto o segurado estiver vivo. Este produto oferecerá prêmios nivelados e benefícios nivelados relativos a morte, construindo um montante em dinheiro que poderá auxiliar o segurado e os beneficiários do segurado a satisfazer suas necessidades financeiras bem como proporcionar renda para os anos de aposentadoria. Este produto permitirá o pagamento de indenizações por número específico de anos (pagamento limitado em vida) ou pelo resto da vida (durante a vida toda). Este produto oferece indenizações em vida ao segurado. Neste produto, os prêmios, líquidos de determinadas despesas, e os juros serão creditados à conta do segurado, a uma taxa determinada periodicamente pela seguradora. Este produto permite flexibilidade quanto ao valor e prazo dos pagamentos de prêmios e quanto ao nível de benefícios relativos a falecimento oferecidos. 6

9 II. SUMÁRIO DO PROSPECTO Este sumário não pretende ser completo e não substitui o restante deste Prospecto. Por ser resumo, este sumário não contém todas as informações que o investidor deve levar em conta antes de investir nas Ações. O investidor deve ler todo o Prospecto cuidadosamente, incluindo a seção Fatores de Risco e as demonstrações contábeis consolidadas auditadas (e suas respectivas notas) incluídas neste Prospecto. Para efeito de comparação da Companhia com o mercado, este Prospecto excluiu dos números da Companhia bem como dos números de mercado a produção relativa ao produto VGBL. Visão Geral PORTO SEGURO S.A. Embora tenha sido constituída como sociedade holding em setembro de 1997, a história da Companhia começou em 1945, quando sua subsidiária Porto Seguro começou a vender seguros na Cidade de São Paulo. A Companhia oferece, por intermédio de suas subsidiárias diretas e indiretas (Porto Seguro, Porto Seguro Saúde, Porto Seguro Vida, Porto Seguro Uruguay e Azul Seguros), ampla gama de produtos de seguro, incluindo seguro de automóvel, saúde, patrimoniais, de vida (incluindo previdência e produtos similares de previdência) e seguros de transportes, para pessoas físicas, famílias, empresas e entidades governamentais no Brasil, especialmente no Estado de São Paulo, e no Uruguai. Com base nos prêmios auferidos em 2003, conforme dados da SUSEP e ANS, a Companhia foi a maior seguradora de automóveis, a terceira maior de saúde, a décima maior de outros tipos de seguros patrimoniais e a décima primeira maior seguradora de vida do Brasil. A Companhia acredita que a Porto Seguro Uruguay seja a segunda maior seguradora de automóveis no Uruguai. Em 30 de setembro de 2004, a Companhia tinha aproximadamente 1,5 milhões de clientes. A participação da Companhia no mercado total de seguros no Brasil tem se mantido relativamente estável desde 2001, e foi de 7,3% em A Companhia é uma das principais seguradoras no Estado de São Paulo. São Paulo é o Estado mais rico do Brasil, com PIB de R$0,4 trilhão em 2001, o que equivalia a aproximadamente 33,4% do PIB brasileiro naquele ano. Até o advento do Plano Real em 1994, que reduziu a inflação e estabilizou a moeda brasileira, a participação do setor de seguros na economia brasileira era pouco significativa. Desde então, o mercado brasileiro de seguros tem crescido mais rapidamente do que o PIB. Apesar da elevada taxa de crescimento, o mercado brasileiro de seguros ainda é pouco explorado em comparação com os mercados de outros países. A Companhia acredita que esse fato representa oportunidade de crescimento para a Companhia. Ver XII. A Indústria Brasileira de Seguros Visão Geral. A principal linha de produtos da Companhia é a de seguro de automóvel, que respondeu por R$1.372,9 milhões e R$1.185,3 milhões, ou 60,9% e 60,0%, do total de prêmios auferidos pela Companhia em 2003 e no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2004, respectivamente. A segunda maior linha de produtos da Companhia é a de seguro saúde, que respondeu por R$373,1 milhões e R$327,2 milhões, ou 16,5% e 16,6%, do total de prêmios auferidos pela Companhia em 2003 e no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2004, respectivamente. A terceira maior linha de produtos da Companhia é a de seguros patrimoniais, que respondeu por R$206,6 milhões e R$165,5 milhões, ou 9,2% e 8,4%, do total de prêmios auferidos pela Companhia em 2003 e no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2004, respectivamente. A quarta maior linha de produtos da Companhia é a de seguros de vida, que respondeu por R$139,8 milhões e R$116,4 milhões, ou 6,2% e 5,9%, do total de prêmios auferidos pela Companhia em 2003 e no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2004, respectivamente. A Companhia também oferece seguros de transportes para mercadorias transportadas por transportadoras comuns por ar, terra e mar. 7

10 Em novembro de 2003, a Companhia ampliou sua presença no mercado de seguros por meio da aquisição da Azul Seguros, que oferece seguro de automóvel, seguros patrimoniais e seguros de vida (excluindo os produtos de previdência). Antes da aquisição, a Azul Seguros denominava-se AXA Brasil e era subsidiária da seguradora multinacional francesa AXA. Os prêmios auferidos pela Azul Seguros no segundo semestre de 2003, de R$ 68,9 milhões, correspondiam a 3,1% dos prêmios auferidos pela Companhia, totalizaram R$ 111,3 milhões no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2004, representando 5,6% dos prêmios auferidos pela Companhia. Além do investimento na Azul Seguros, a Companhia fez investimentos em ativos permanentes de R$24,0 milhões em 2001, R$40,5 milhões em 2002, R$37,5 milhões em 2003, bem como R$23,6 milhões e R$11,6 milhões nos períodos de nove meses encerrados em 30 de setembro de 2003 e 2004, respectivamente, geralmente impulsionados pela necessidade de inovação de tecnologia a fim de manter ou melhorar as vantagens competitivas e a eficiência operacional da Companhia. Em 27 de outubro de 2004, a Companhia adquiriu as Subsidiárias Financeiras mediante aumento de capital com emissão à acionista Porto Seguro Empreendimentos de ações ordinárias. Tal operação foi realizada com base nos patrimônios líquidos da Companhia e das Subsidiárias Financeiras em 30 de setembro de 2004, que eram de R$770,2 milhões e R$60,2 milhões respectivamente. Ver XIII. Atividades da Companhia Negócios no Exterior e Outros Negócios Subsidiárias Financeiras. Em 31 de dezembro de 2003 e em 30 de setembro de 2004, a Companhia dispunha de ativos consolidados totais de R$3,1 bilhões e R$3,6 bilhões, respectivamente. No exercício encerrado em 31 de dezembro de 2003 e no período de nove meses encerrado em 30 de setembro de 2004, as receitas consolidadas da Companhia foram de R$2,8 bilhões e R$2,3 bilhões, respectivamente. As tabelas a seguir mostram informações relevantes sobre a Companhia: Prêmios por segmento Valores em milhões de reais. Em 31 de dezembro de TCAC Em 30 de setembro de Variação s03-s04 Seguro de automóvel 1.174, , ,9 8,1% 1.032, ,3 14,8% Seguro saúde 297,7 311,2 373,1 11,9% ,2 20,7% Seguro de vida 112,8 123,8 139,8 11,3% 103,1 116,4 12,9% Seguro de transportes 58,4 72,6 64,1 4,8% 48,4 44,2-8,7% Seguros patrimoniais e outros 193,6 192,6 206,6 3,3% 153,1 165,5 8,1% Porto Seguro Uruguay (todos) 37,7 44,8 30,7-9,6% 22,4 25,8 15,2% Azul Seguros (todos) (1) n.a. n.a. 68,9 n.a. n.a. 111,3 n.a. Total de prêmios auferidos 1.874, , ,1 9,7% 1.630, ,7 21,2% (2) (1) Prêmios auferidos pela Azul Seguros nos últimos seis meses de Embora a Azul Seguros ofereça seguro de automóvel, seguro de vida e seguros patrimoniais, para facilitar a comparação em todo este Prospecto, todo prêmio auferido da Azul Seguros foi segregado em uma única categoria separada. (2) Com exclusão dos prêmios auferidos da Azul Seguros, em setembro de 2004, o crescimento foi de 14,4%. Valores em milhões de reais. Eficiência Operacional Em 31 de dezembro de Em 30 de setembro de Prêmios auferidos 1.874, , , , ,7 Prêmios ganhos 1.763, , , , ,6 Índice de sinistralidade 58,6% 59,5% 61,5% 60,4% 60,3% Índice de comissão (1) 21,5% 21,6% 21,2% 21,2% 20,9% Índice DA 18,4% 19,2% 20,0% 19,8% 18,2% Índice combinado (2) 98,5% 100,3% 102,6% 101,2% 99,3% (1) Não contempla comissões de planos de previdência e prestação de serviços. (2) As definições dos índices constam do Glossário deste Prospecto. 8

11 Rentabilidade Valores em milhões de reais. Em 31 de dezembro de Em 30 de setembro de Receita total 2.139, , , , ,5 Patrimônio líquido 502,1 579,9 664,3 655,4 770,2 Lucro líquido 94,3 122,0 141,1 118,3 105,6 Rentabilidade sobre o patrimônio (ROAE) (1) 19,9% 22,6% 22,7% 26,3% 20,1% Lucro por ação 1,45 1,88 2,17 1,82 1,63 Valor patrimonial por ação 7,73 8,93 10,23 10,09 11,86 (1) Lucro líquido do período divido pelo patrimônio líquido médio do período. Principais Pontos Fortes A Companhia acredita que seus principais pontos fortes são os seguintes: Marca Amplamente Reconhecida. A Companhia acredita que a marca Porto Seguro esteja entre as mais reconhecidas no mercado brasileiro de seguros. Isso fortalece os esforços de marketing da Companhia e constitui vantagem competitiva substancial sobre novos concorrentes e concorrentes de pequeno porte; Uso Ativo de Seu Amplo Banco de Dados de Clientes e Sinistros. A Companhia possui amplo banco de dados de clientes atuais e potenciais e das tendências referentes a sinistros. A Companhia também detém tecnologia da informação exclusiva, que utiliza para analisar o banco de dados, gerar modelos e desenvolver estratégias diferenciadas de preços, que possibilitam manter processo de subscrição lucrativo e eficaz; Ampla Gama de Produtos e Serviços. A Companhia oferece ampla gama de produtos de seguros, com grande variedade de coberturas e maior valor agregado e serviços correlatos do que seus concorrentes. A Companhia acredita que isso (i) tem possibilitado desenvolver excelente reputação para a Companhia no mercado, (ii) diferencia a Companhia da concorrência, e (iii) tem resultado em significativa fidelidade dos clientes; Forte Relacionamento com Corretores. A Companhia mantém forte relacionamento com os corretores, o que permite não apenas manter, mas ampliar sua base de clientes, além de efetuar vendas cruzadas de produtos de seguros novos e correlatos, conforme tais produtos se tornem disponíveis. Ver Estratégias Fortalecer seu Relacionamento com Corretores ; e Administração Experiente e de Alta Qualidade. A Administração é composta por profissionais qualificados, com experiência reconhecida no mercado brasileiro de seguros. A maioria dos diretores trabalha na Companhia há mais de vinte anos e têm vivenciado as várias tendências do mercado. Alguns dos diretores já ocuparam importantes cargos nas principais organizações do mercado brasileiro de seguros. A Companhia acredita que essa experiência habilita a Administração a identificar novas oportunidades de crescimento para a Companhia e desenvolver e implementar estratégias que protejam seus mercados-base de seguros. Estratégias A Companhia busca obter crescimento e lucratividade por meio de concentração em linhas de produto lucrativas e áreas geográficas favoráveis. Para atingir esse objetivo, as estratégias da Companhia são: Continuar a Expansão em seu Principal Mercado A Companhia é líder no segmento líder do mercado de seguros, que é o seguro de automóvel, nos principais mercados do País, que são os estados de São Paulo e Rio de Janeiro, e continuará sua expansão nestes e em outros mercados brasileiros. 9

12 Os Estados de São Paulo, incluindo a Capital, e Rio de Janeiro, representam aproximadamente 75% e 9,5%, respectivamente, dos prêmios auferidos da Companhia e 52% e 16,5%, respectivamente, dos prêmios auferidos no mercado brasileiro de seguros em A Companhia acredita que o Estado de São Paulo ainda oferece importantes oportunidades de crescimento, onde Companhia mantém ampla rede de filiais e de relacionamentos com número significativo de corretores. Em São Paulo, a rede de filiais e o relacionamento com corretores têm propiciado à Companhia não apenas base de dados de potenciais clientes, mas também presença física significativa. Isso permitirá à Companhia prosseguir com a expansão de sua carteira e de seus serviços tanto no segmento de seguro de automóvel como em inúmeras outras áreas correlatas. Além disso, a Companhia acredita que sua participação de mercado no Estado de São Paulo proporciona economias de escala e conhecimento técnico, especialmente no segmento de seguro de automóvel, que propiciam um processo de subscrição e precificação superior a de seus competidores, facilitando a conquista e manutenção de clientes. A Companhia pretende tirar proveito de sua posição em São Paulo, para manter ou aumentar sua participação de mercado no segmento de seguro de automóvel, e aumentar sua participação de mercado no segmento de seguro saúde e seguro de vida, além de outros produtos e serviços. A recente expansão da Porto Seguro no Rio de Janeiro, onde sua participação aumentou significativamente, é bom exemplo desta estratégia. Além disso, a recente aquisição da seguradora Axa Brasil (atualmente denominada Azul Seguros) colocará a Companhia em contato com novo mercado, de menor renda, mais sensível a preços, o que deve permitir melhor segmentação e servir para impulsionar a penetração em outras regiões do País. Expandir Geograficamente A Companhia pretende continuar a tirar proveito de seu profundo conhecimento do mercado de seguro de automóvel e do forte reconhecimento de sua marca e da reputação de seus serviços, para obter maior penetração de seus negócios em cidades de pequeno e médio porte com potencial lucrativo em todo o Brasil. Durante os últimos dez anos, a Companhia ampliou suas redes de distribuição, para incluir filiais nas capitais de todos os estados do Brasil, exceto Acre, Rondônia e Amapá. Ao fazer isso, a Companhia regionalizou suas tarifas e ao mesmo tempo, criou redes para oferecer serviços da mesma qualidade, usando a mesma estratégia e filosofia de negócio utilizadas em São Paulo. A Companhia acredita que a expansão geográfica continuará acontecendo, agora principalmente nas cidades pequenas e médias no Estado de São Paulo e em outros Estados. Em vários casos, a Companhia poderá melhorar sua presença em cidades de pequeno e médio porte sem necessidade de ampliar muito sua rede de filiais, por meio da expansão do número de corretores com os quais mantém relacionamento. Muito embora seja possível que a Companhia também venha a procurar crescer por intermédio da aquisição de outras companhias se surgirem oportunidades atraentes (como foi o caso da Azul Seguros), a Companhia tem procurado seguir com mais freqüência as estratégias de crescimento orgânico. Aumentar a Diversificação no Mix Total de Produtos Através do Seguro Saúde, Seguro de Vida e Planos de Previdência e de Outros Produtos Correlatos A Companhia pretende ampliar seus negócios valendo-se de sua rede de distribuição, com aumento da venda cruzada de seus produtos feita pelos corretores. Em especial, seguro saúde, seguro de vida e planos de previdência têm sido as linhas de maior crescimento no mercado brasileiro de seguros, e a Companhia acredita que tais segmentos representam oportunidades de crescimento. Ver XII. A Indústria Brasileira de Seguros. A Companhia acredita também que os negócios de administração de consórcio, administração de recursos e de crédito e financiamento, conduzidos por suas Subsidiárias Financeiras são complementares ao seu negócio principal de seguros e também oferecem significativas oportunidades de crescimento. Ver XIII. Atividades da Companhia Subsidiárias Financeiras. Os segmentos de seguro de vida e planos de previdência têm apresentado as maiores taxas de crescimento no Brasil desde 1995, e a Companhia espera a continuação dessa tendência. A Companhia pretende efetuar de maneira mais incisiva as vendas cruzadas de seus seguros de vida e planos de previdência para seus clientes atuais. Em 30 de setembro de 2004, menos de 1,6% de seus clientes no segmento de seguro de automóvel havia comprado esses produtos, e a Companhia acredita que poderá obter maior penetração desses produtos nessa base de clientes. 10

13 A Companhia acredita que seu segmento de seguro saúde oferece oportunidades similares de crescimento e que obterá maior penetração de seus produtos de seguro saúde em grupo em sua base atual de segurados. A Companhia também pretende comercializar mais agressivamente seus produtos de seguro saúde em pequenas e médias cidades fora da região metropolitana de São Paulo. Além disso, a Companhia pretende continuar a ampliar sua diversificada gama de produtos, por meio da criação e oferta de novos produtos e serviços de valor agregado, complementares aos seus produtos de seguro que possam ser oferecidos pelos corretores. A Companhia acredita que as Subsidiárias Financeiras estão em atividades que, a Companhia acredita, continuarão a crescer, e pretende ampliar esses negócios nos próximos anos. Fortalecer seu Relacionamento com Corretores A Companhia comercializa a maior parte de seus produtos através de cerca de 19 mil corretores. A Companhia acredita que o bom relacionamento com corretores gera importante vantagem competitiva. A Companhia continuará a manter forte relacionamento com corretores, oferecendo: (i) treinamento abrangente; (ii) apoio de marketing e operacional; (iii) serviços eficazes de administração de sinistros; (iv) pagamentos rápidos de comissões; (v) prêmios de reconhecimento; e (vi) apoio interno para as operações de corretores. A Companhia também pretende manter o que chama de política de portas abertas para com os corretores, por intermédio da qual os corretores são encorajados a se comunicar freqüentemente com a Companhia, para manifestar preocupações e oferecer sugestões sobre como a Companhia pode atender melhor clientes e corretores. A Companhia acredita que a expansão de sua força de distribuição representa parte importante da estratégia de expansão regional. A Companhia pretende desenvolver relações com novos corretores, especialmente fora da região metropolitana de São Paulo, além de fortalecer o relacionamento com os corretores com os quais trabalha atualmente, com o objetivo de captar maior porcentagem de seus negócios. Manter Subscrições Conservadoras, Voltadas para a Geração de Lucros A Companhia pretende continuar a investir em novos e melhores processos de seleção de riscos e precificação. A Companhia enfatiza política voltada para os lucros, ao invés de abordagem de subscrição voltada para o volume de prêmios ou a participação de mercado. Os elementos-chave da política de subscrição da Companhia são e continuarão sendo: (i) manutenção de controle centralizado de subscrição, para garantir que as políticas e os procedimentos da Companhia sejam utilizados de maneira consistente e apropriada; (ii) acompanhamento permanente da qualidade dos negócios propostos pelos corretores; e (iii) utilização das técnicas mais avançadas para o desenvolvimento de seu próprio banco de dados de subscrições, sinistros e outras experiências estatísticas, o uso de informações públicas de crédito e histórico geral do cliente enquanto segurado da Companhia e quando segurado de outras seguradoras, para que a Companhia possa selecionar e avaliar riscos de modo lucrativo. Manter sua Reputação junto a seus Clientes A Companhia pretende manter e fortalecer, perante seus clientes atuais e potenciais, a reputação de prestar bons serviços e superar expectativas e para isso, pretende continuar a investir em novos e melhores serviços agregados que a destaquem da concorrência. Por exemplo, os clientes de seguro de automóvel desfrutam de serviços de emergência em suas residências. Tais serviços, a Companhia acredita, são altamente atraentes e não são normalmente oferecidos pela concorrência como parte das apólices de seguro de automóvel. A Companhia acredita que sua reputação de fornecimento de serviço superior, que foi inicialmente desenvolvida em seu segmento de seguro de automóvel, tem criado forte fidelização dos clientes, e essa fidelização tem sido estendida para outros produtos e melhorará os esforços da Companhia para ampliar também as vendas nos segmentos de seguro saúde, seguro de vida e planos de previdência. 11

14 O organograma abaixo apresenta a estrutura acionária da Companhia e de suas subsidiárias na data deste Prospecto. Os percentuais representam a participação no capital total e votante das sociedades indicadas nos quadros: Rosag Porto Seguro Pares Empreendimentos Rosas Stela Yara Blay Outros 8,86% 42,37% 25,74% 1,59% 17,32% 4,12% 100% Companhia 99,99% 99,92% 99,92% 99,7% 99,94% 100% Portopar Porto Seguro Consórcios Portoseg Azul Seguros Porto Seguro Proteção e Monitoramento Porto Seguro 99,97% Porto Seguro Vida 100% Porto Seguro Saúde 100% Porto Seguro Uruguay A sede da Companhia situa-se na Alameda Barão de Piracicaba, nº 740, 10º andar, CEP , na Cidade de São Paulo, Estado de São Paulo. O número de telefone da Companhia nesse endereço é (11) O endereço de correio eletrônico da gerência de relações com investidores da Companhia é 12

15 A DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA Companhia... Acionistas Vendedores... Instituição Líder... Instituições Subcontratadas... Participantes Especiais... Agentes de Colocação Internacional... Distribuição Pública... Porto Seguro S.A. Stela Yara Blay e Rosas Empreendimentos e Participações Ltda. Banco Pactual S.A. Banco Safra de Investimento S.A. e Banco Santander Brasil S.A. Portopar, na qualidade de Participante Especial Vinculado, e as corretoras membros da Bovespa, subcontratadas pela Instituição Líder, para efetuar exclusivamente esforços de colocação das Ações junto aos Investidores Não Institucionais. Pactual Capital Corporation e Santander Investments Securities Inc. Serão ofertadas (i) por meio da Distribuição Pública Primária, as Ações da Companhia, ou seja, até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia; e (ii) por meio da Distribuição Pública Secundária, as Ações dos Acionistas Vendedores, ou seja, ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia e de titularidade dos Acionistas Vendedores, representativas, em conjunto, de aproximadamente 23,6% do capital total e votante da Companhia, em mercado de balcão não organizado. A Distribuição Pública será realizada no Brasil nos termos da Instrução CVM 400 e, ainda, com esforços de colocação nos Estados Unidos da América para investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados no exterior, definidos em conformidade com o disposto na Rule 144A do Securities Act, em operações isentas de registro segundo o Securities Act, e nos demais países, com base no Regulation S editado pela Securities and Exchange Commission. Lote Suplementar... A quantidade total das Ações objeto da Distribuição Pública Primária (sem considerar as Ações Adicionais) poderá ser acrescida das Ações do Lote Suplementar, ou seja, até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia, representativas de aproximadamente 3,4% do capital total e votante da Companhia, equivalentes a 15% das Ações objeto da Distribuição Pública (sem considerar as Ações Adicionais), conforme opção outorgada pela Companhia à Instituição Líder, destinada a atender a eventual excesso de demanda que venha a ser constatado no decorrer da Distribuição Pública, nas mesmas condições e preço das Ações inicialmente distribuídas, a ser exercida no prazo de até 30 dias contado da data de publicação do anúncio de início da Distribuição Pública, nos termos do art. 24 da Instrução CVM

16 Ações Adicionais... Preço de Distribuição por Ação... Valor Total da Distribuição Pública... Direitos e Vantagens das Ações... Restrições à Venda das Ações... Sem prejuízo das Ações do Lote Suplementar,, nos termos do parágrafo 2º do artigo 14 da Instrução CVM 400, a quantidade total das Ações objeto da Distribuição Pública Primária (sem considerar as Ações do Lote Suplementar) poderá ser acrescida das Ações Adicionais, ou seja, até ações ordinárias, nominativas escriturais e sem valor nominal de emissão da Companhia, representativas de aproximadamente 4,5% do capital total e votante da Companhia, equivalentes a 20% das Ações objeto da Distribuição Pública (sem considerar as Ações do Lote Suplementar), nas mesmas condições e preço das Ações inicialmente distribuídas, a ser exercida pela Companhia em comum acordo com a Instituição Líder até a data de publicação do anúncio de início da Distribuição Pública. R$[ ]. R$[ ]. As Ações garantem aos seus titulares: (i) direito de voto nas assembléias gerais da Companhia, sendo que cada Ação dará direito a um voto; (ii) direito ao dividendo mínimo obrigatório, em cada exercício social, equivalente a 25% do lucro líquido ajustado nos termos do art. 202 da Lei 6.404/76, conforme alterada; (iii) em caso de alienação de controle da Companhia, ainda que por meio de operações sucessivas, direito de alienação de suas Ações nas mesmas condições asseguradas ao acionista controlador alienante; (iv) todos os demais direitos assegurados às Ações nos termos da Lei 6404/76, do Regulamento do Novo Mercado e do Estatuto Social; e (v) direito de recebimento de dividendos que vierem a ser declarados pela Companhia a partir da Data de Liquidação ou, no caso das Ações do Lote Suplementar, a partir da Data de Liquidação das Ações do Lote Suplementar. De acordo com os Lock-Up Agreements, a Companhia, a Administração e os Acionistas Vendedores obrigaram-se a não alienar as ações da Companhia de sua titularidade ou negociar derivativos lastreados em tais ações por período de 180 dias após a conclusão da Distribuição Pública. Ademais, as regras do Novo Mercado exigem que os administradores da Companhia e os Controladores não vendam ou ofertem à venda as ações da Companhia de sua titularidade, ou derivativos lastreados nas ações, durante os primeiros seis meses após o início da negociação das Ações no Novo Mercado. Após este período inicial de seis meses, os administradores da Companhia e os Controladores não poderão vender ou ofertar a venda mais do que 40% de tais ações, ou derivativos lastreados em tais ações, por seis meses adicionais. As Ações subscritas por Funcionários com desconto de 20% sobre o Preço de Distribuição (concedido Funcionários cujo valor total da subscrição não exceda R$3.000,00) não poderão ser negociadas, alienadas, vendidas, cedidas, 14

17 transferidas, conferidas ao capital, ou dispostas, de qualquer forma, direta ou indiretamente, a título gratuito ou oneroso, pelo prazo de seis meses contados da data de publicação do anúncio de início da Distribuição Pública. Público Alvo... A Instituição Líder (por si ou por meio das Instituições Subcontratadas e dos Participantes Especiais) efetuará a Distribuição Pública junto a investidores pessoas físicas ou jurídicas, incluindo os Funcionários, que não sejam considerados Investidores Institucionais e clubes de investimento (Investidores Não Institucionais), e, ainda, junto a investidores institucionais, incluindo instituições financeiras, fundos de investimento, entidades administradoras de recursos de terceiros registradas na CVM, entidades autorizadas a funcionar pelo Bacen, companhias seguradoras, sociedades de capitalização, entidades abertas e fechadas de previdência complementar, clubes de investimento e pessoas jurídicas com patrimônio líquido superior a R$ ,00 (Investidores Institucionais). Os Agentes de Colocação Internacional realizarão, ainda, esforços de colocação nos Estados Unidos da América para investidores institucionais qualificados, residentes e domiciliados no exterior, definidos em conformidade com o disposto na Rule 144A do Securities Act, em operações isentas de registro segundo o Securities Act, e nos demais países, com base no Regulation S editado pela Securities and Exchange Commission, nos termos do Agency Agreement, sendo que tais investidores deverão subscrever ou adquirir as Ações nos termos da Resolução CMN 2689/00, e da Instrução CVM 325. Inadequação da Distribuição Pública a Certos Investidores... Plano de Distribuição... Não há inadequação específica da Distribuição Pública a certo grupo ou categoria de investidor, mas esta Distribuição Pública não é adequada a investidores avessos ao risco inerente a investimentos em ações. Como todo e qualquer investimento em ações, a subscrição ou aquisição das Ações apresenta certos riscos e possibilidades de perdas patrimoniais que devem ser cuidadosamente considerados antes da tomada de decisão de investimento. Os investidores devem ler III. Fatores de Risco nas páginas 19 a 25 deste Prospecto. O plano de distribuição das Ações, organizado pela Instituição Líder, com a expressa anuência da Companhia e dos Acionistas Vendedores, leva em consideração as relações com clientes e outras considerações de natureza comercial ou estratégica das Instituição Líder, dos Acionistas Vendedores e da Companhia, observado, entretanto, que a Instituição Líder deverá assegurar a adequação do investimento ao perfil de risco de seus clientes, bem como o tratamento justo e eqüitativo aos investidores, nos termos do parágrafo 3º do art. 33 da Instrução CVM

18 Pedidos de Reserva... Os Investidores Não Institucionais deverão realizar seus Pedidos de Reserva no período de 8 de novembro de 2004 a 17 de novembro de 2004, sendo que os Investidores Não Institucionais que sejam (i) administradores da Companhia, (ii) controladores ou administradores da Instituição Líder, das Instituições Subcontratadas e dos Participantes Especiais, ou (iii) outras pessoas vinculadas à Distribuição Pública, bem como os cônjuges ou companheiros, ascendentes, descendentes e colaterais até o segundo grau de cada uma das pessoas referidas nos itens (i), (ii) ou (iii) acima, deverão realizar seus Pedidos de Reserva, necessariamente, em 8 de novembro de Liquidação... Regime de Colocação Garantia Firme A liquidação física e financeira ocorrerá três dias úteis após a data da publicação do Anúncio de Início da Distribuição, com entrega das Ações aos respectivos investidores. Respeitados o deferimento do pedido de registro da Distribuição Pública na CVM, a realização do Procedimento de Bookbuilding e a publicação do anúncio de início da Distribuição Pública, a Instituição Líder realizará a colocação das Ações, em regime de garantia firme, de acordo com os procedimentos previstos na Cláusula VIII do Contrato de Distribuição. Tal garantia é vinculante a partir do momento em que for concluído o Procedimento de Bookbuilding e assinado o Contrato de Distribuição. Conforme previsto no Contrato de Distribuição, a Instituição Líder terá o Prazo de Distribuição para efetuar a colocação pública das Ações. Se, ao final do Prazo de Distribuição, as Ações não tiverem sido totalmente colocadas, a Instituição Líder adquirirá ou subscreverá, no último dia do Prazo de Distribuição, pelo Preço de Distribuição, o saldo resultante da diferença entre (i) a totalidade das Ações; e (ii) a quantidade de Ações efetivamente colocadas no mercado pela Instituição Líder. Neste sentido, nos termos do Contrato de Distribuição, até as 16:30 horas da Data da Liquidação, caso alguma das Instituições Subcontratadas, dos Participantes Especiais ou dos Investidores Institucionais deixar de efetuar a transferência do valor bruto da colocação das Ações (sem a dedução da remuneração a que fizerem jus ou das Despesas (conforme definido no Contrato de Distribuição), a Instituição Líder deverá creditar na conta de liquidação da CBLC a diferença entre (a) o produto do Preço de Distribuição multiplicado pela quantidade total de Ações; e (b) o valor efetivamente recebido pela CBLC. Destinação dos Recursos... Os recursos líquidos obtidos na Distribuição Pública Primária serão utilizados no financiamento da estratégia de expansão da Companhia, conforme detalhado nas seções VI. Destinação dos Recursos e XIII. Atividades da Companhia Estratégias. 16

19 Mercados de Negociação... Fatores de Risco... Informações Adicionais... Declaração da Companhia, dos Acionistas Vendedores e da Instituição Líder... Após o registro da Distribuição Pública, as Ações serão negociadas no segmento do Novo Mercado da Bovespa sob o código PSSA3. Para explicação acerca dos fatores de risco que devem ser considerados cuidadosamente, antes da decisão de investimento nas Ações, ver seção III. Fatores de Risco. Para descrição completa das condições aplicáveis à Distribuição Pública, ver XIX. Informações sobre a Distribuição Pública. O pedido de registro da Distribuição Pública foi apresentado à CVM em 22 de setembro de 2004, e a CVM concedeu o registro da Distribuição Pública Primária em [ ], sob nº [ ], e da Distribuição Pública Secundária em [ ], sob nº [ ]. Maiores informações sobre a Distribuição Pública e sobre o procedimento de reserva, incluindo cópias do Contrato de Distribuição, do Contrato de Estabilização e dos demais documentos e contratos relativos à Distribuição Pública poderão ser obtidos com a Instituição Líder, as Instituições Subcontratadas e com os Participantes Especiais. Ver XIX. Informações sobre a Distribuição Pública Informações Adicionais. A Companhia e os Acionistas Vendedores confirmam a veracidade, consistência, qualidade e suficiência das informações contidas neste Prospecto e das informações prestadas, por cada qual, por ocasião do registro da Distribuição Pública e fornecidas ao mercado durante sua distribuição. A Instituição Líder confirma que tomou todas as cautelas e agiu com elevados padrões de diligência para assegurar que as informações prestadas pela Companhia ou fornecidas ao mercado durante o prazo de distribuição, incluindo aquelas eventuais ou periódicas constantes da atualização do registro da companhia que integram este Prospecto, são verdadeiras, consistentes, corretas e suficientes, permitindo aos investidores tomada de decisão fundamentada a respeito da Distribuição Pública. A Companhia, os Acionistas Vendedores e a Instituição Líder declaram que (i) este Prospecto contém as informações relevantes necessárias ao conhecimento pelos investidores da Distribuição Pública e das Ações, da Companhia, suas atividades, situação econômico-financeira, os riscos inerentes à sua atividade e quaisquer outras informações relevantes e (ii) este Prospecto foi elaborado de acordo com as normas pertinentes. 17

20 Cronograma Tentativo das Etapas da Oferta N.º Evento Data de Realização/ Data Prevista (1) 1 Publicação do Aviso ao Mercado 29/10/04 Disponibilização do Prospecto Preliminar 29/10/04 2 Início do Road Show 1/11/04 3 Período de Reserva de Pessoas Vinculadas 8/11/04 (Data Única) Início do Período de Reserva de Pessoas Não Vinculadas à Distribuição Pública 8/11/04 4 Encerramento do Período de Reserva das Pessoas Não Vinculadas à Distribuição 17/11/04 Pública Encerramento do Road Show 17/11/04 5 Procedimento de Bookbuilding 18/11/04 Fixação do Preço de Distribuição 18/11/04 Assinatura do Contrato de Distribuição das Ações 18/11/04 Início do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar 18/11/04 6 Registro da Distribuição 19/11/04 Publicação do Anúncio de Início da Distribuição Pública 19/11/04 7 Início da Negociação das Ações Ordinárias de Emissão da Companhia na Bovespa 22/11/04 8 Data de Liquidação da Oferta 24/11/04 9 Final do Prazo para Exercício da Opção de Lote Suplementar 20/12/04 10 Publicação do Anúncio de Encerramento 21/12/04 1) As datas previstas para os eventos futuros são meramente indicativas, e estão sujeitas a alterações e atrasos. Quaisquer comunicados ao mercado, serão informados por meio de publicação de Aviso ao Mercado no Diário Oficial do Estado de São Paulo e nos jornais Folha de S. Paulo, Valor Econômico e Gazeta Mercantil e por meio de aviso na página da Companhia na Internet, que é 18

Prospecto de Oferta Pública de Distribuição Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da

Prospecto de Oferta Pública de Distribuição Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da Prospecto de Oferta Pública de Distribuição Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da Porto Seguro S.A. Companhia Aberta - CVM n.º 01665-9 CNPJ n.º 02.149.205/0001-69 - NIRE n.º 35.300.151.666

Leia mais

SOLICITAÇÃO PARA OFERTA DE COMPRA DE TÍTULOS OU VALORES MOBILIÁRIOS NO BRASIL, NOS ESTADOS UNIDOS DA

SOLICITAÇÃO PARA OFERTA DE COMPRA DE TÍTULOS OU VALORES MOBILIÁRIOS NO BRASIL, NOS ESTADOS UNIDOS DA Minuta As informações contidas neste Prospecto preliminar estão sob análise da CVM, a qual ainda não se manifestou a seu respeito. O presente Prospecto preliminar está sujeito a complementação e correção.

Leia mais

Prospecto Definitivo de Oferta Pública de Distribuição Secundária de Ações Ordinárias de Emissão de PORTO SEGURO S.A.

Prospecto Definitivo de Oferta Pública de Distribuição Secundária de Ações Ordinárias de Emissão de PORTO SEGURO S.A. Prospecto Definitivo de Oferta Pública de Distribuição Secundária de Ações Ordinárias de Emissão de PORTO SEGURO S.A. Companhia Aberta - CVM nº 01665-9, CNPJ nº 02.149.205/0001-69 - NIRE nº 35.300.151.666

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Release de Resultado Janeiro/08

Release de Resultado Janeiro/08 PORTO SEGURO anuncia lucro líquido de R$10,0 milhões ou R$0,13 por ação em janeiro de 2008 São Paulo, 17 de Março de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados de janeiro de 2008. As

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

RENOVA ENERGIA S.A. Companhia Aberta. CNPJ nº 08.534.605/0001-74 NIRE 35.300358.295

RENOVA ENERGIA S.A. Companhia Aberta. CNPJ nº 08.534.605/0001-74 NIRE 35.300358.295 RENOVA ENERGIA S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 08.534.605/0001-74 NIRE 35.300358.295 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 25 DE FEVEREIRO DE 2010 1. DATA, HORA E LOCAL: Aos 25 dias do

Leia mais

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES

ÍNDICE. Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO Definições... 5 Resumo das Características da Oferta... 7 2. INFORMAÇÕES SOBRE OS ADMINISTRADORES, CONSULTORES E AUDITORES Administradores da Emissora... 13 Coordenador Líder... 13

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE EMPRÉSTIMO DE AÇÕES

INSTRUMENTO PARTICULAR DE EMPRÉSTIMO DE AÇÕES INSTRUMENTO PARTICULAR DE EMPRÉSTIMO DE AÇÕES Pelo presente instrumento particular, as Partes : (a) BANCO CITIBANK S.A., instituição financeira com sede na Avenida Paulista, n.º 1.111, 2º andar parte,

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar.

Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar. Ao seu lado, onde você estiver, no que você precisar. 0 0 Participação da Indústria no PIB - Internacional Prêmios/PIB em % (2004) 1 1 A Indústria de Seguros no Brasil Desde a implantação do Plano Real,

Leia mais

Resultados do 2T08 PSSA3

Resultados do 2T08 PSSA3 Resultados do PSSA3 Perspectivas Perspectivas para o para segundo 2008 semestre de 2008 A Aumento criação de de empregos 31,6% no formais número até de empregos junho foi o formais maior desde em relação

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Código ISIN nº BRCMGDDBS017. Rating: Fitch A+ (bra)

Código ISIN nº BRCMGDDBS017. Rating: Fitch A+ (bra) AVISO AO MERCADO Companhia Aberta CNPJ/MF n 06.981.180/0001-16 Avenida Barbacena, 1200 17º andar, Ala A1 Belo Horizonte MG 30190-131 Código ISIN nº BRCMGDDBS017 Rating: Fitch A+ (bra) O BB Banco de Investimento

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE AÇÕES À VISTA PARA INVESTIDORES INSTITUCIONAIS

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE AÇÕES À VISTA PARA INVESTIDORES INSTITUCIONAIS CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE AÇÕES À VISTA PARA INVESTIDORES INSTITUCIONAIS Redecard S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ/MF n.º 01.425.787/0001-04 Av. Andrômeda, 2.000, Bloco 10, Níveis 4

Leia mais

GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.

GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340. GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado (Categoria A ) CNPJ/MF nº 08.764.621/0001-53 NIRE 35.300.340.833 FATO RELEVANTE GENERAL SHOPPING BRASIL S.A. ( Companhia ), em atendimento

Leia mais

Telefônica Brasil S.A.

Telefônica Brasil S.A. Este anúncio é de caráter exclusivamente informativo, não se tratando de oferta de venda de valores mobiliários. ANÚNCIO DE ENCERRAMENTO DE OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS E

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Resultados do 3T08 PSSA3

Resultados do 3T08 PSSA3 Resultados do PSSA3 Porto Seguro Fundação Mudança de controle Líder Segmento Auto no Brasil Grupos Seguradores Funcionários diretos Sucursais e escritórios no Brasil Principais cidades 2 Estrutura Societária

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01665-9 PORTO SEGURO S.A. 02.149.205/0001-69 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01665-9 PORTO SEGURO S.A. 02.149.205/0001-69 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DFP - DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PADRONIZADAS EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Data-Base - 31/12/26 Divulgação Externa Legislação Societária O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER

Leia mais

Resultados do 4T08 e 2008 PSSA3

Resultados do 4T08 e 2008 PSSA3 Resultados do 4T08 e 2008 PSSA3 Questões Onde queremos chegar? Como vamos chegar? Onde estamos? Como estamos indo? 2 Mercado Segurador Brasileiro Expanção Geográfica: Oportunidade de Crescimento Queremos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 226, DE 2010. Dispõe sobre os critérios para a realização de investimentos pelas sociedades seguradoras, resseguradores locais,

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

PROSPECTO PRELIMINAR DE OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA

PROSPECTO PRELIMINAR DE OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO PRIMÁRIA DE AÇÕES ORDINÁRIAS DE EMISSÃO DA As informações contidas neste Prospecto Preliminar estão sob análise da Comissão de Valores Mobiliários, a qual ainda não se manifestou a seu respeito. O presente Prospecto Preliminar está sujeito a complementação

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

MATERIAL PUBLICITÁRIO

MATERIAL PUBLICITÁRIO OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE QUIROGRAFÁRIA, EM ATÉ QUATRO SÉRIES, DA QUARTA EMISSÃO DA EDP ENERGIAS DO BRASIL S.A. EDP ENERGIAS DO BRASIL

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO DAYCOVAL RENDA ITAPLAN CNPJ/MF N.º 10.456.810/0001-00 ATA DE ASSEMBLEIA GERAL DE COTISTAS REALIZADA EM 04 DE MAIO DE 2012 I. Data, Hora e Local da Reunião: Aos 03 de maio,

Leia mais

Press Release Novembro/07

Press Release Novembro/07 Press Release Novembro/07 Lucro Líquido de R$395,4 milhões ou R$ 5,14 por ação, de Janeiro a Novembro de 2007. São Paulo, 02 de janeiro de 2008 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO

REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO REGULAMENTO DO FUNDO: ALFAPREV RF PRIVATE - FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA PREVIDENCIÁRIO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O ALFAPREV RF PRIVATE - Fundo de Investimento

Leia mais

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR

.MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR .MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR RESOLUÇÃO - RDC Nº 65, DE 16 DE ABRIL DE 2001 (*) Dispõe sobre as sociedades seguradoras especializadas em saúde. A Diretoria Colegiada da Agência

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741

Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 Diário da República, 1.ª série N.º 178 11 de setembro de 2015 7741 6.3 Contabilização de uma alteração no estatuto de uma entidade de investimento 46 Quanto uma entidade deixar de ser uma entidade de investimento,

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

Prospecto Preliminar de Distribuição Pública Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da

Prospecto Preliminar de Distribuição Pública Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da Prospecto Preliminar de Distribuição Pública Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da As informações contidas neste Prospecto Preliminar estão sob análise da Comissão de Valores Mobiliários, a qual

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 4T11

Reunião Pública dos Analistas 4T11 Grjrr Reunião Pública dos Analistas 4T11 Porto Seguro Agenda Visão da Indústria de Seguros Cenário Atual Perspectivas Visão Geral da Porto Seguro Estrutura Linhas de Negócio Estratégia e Cultura Resultados

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80

ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 ANÚNCIO DE INÍCIO DE DISTRIBUIÇÃO DO Fundo de Investimento Imobiliário Votorantim Securities CNPJ/MF: 10.347.505/0001-80 VOTORANTIM ASSET MANAGEMENT DTVM LTDA. ( Administrador ), comunica o início da distribuição

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 3T11

Reunião Pública dos Analistas 3T11 Grjrr Reunião Pública dos Analistas 3T11 Porto Seguro História e Posição A empresa se desenvolveu e atingiu posição de liderança em Auto e Residência, e conta com forte estrutura operacional e de distribuição

Leia mais

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1

Formulário de Referência - 2011 - DURATEX S.A. Versão : 6. 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 Índice 3. Informações financ. selecionadas 3.3 - Eventos subsequentes às últimas demonstrações financeiras 1 18. Valores mobiliários 18.5 - Descrição dos outros valores mobiliários emitidos 2 19. Planos

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

ANÚNCIO DE INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DAS COTAS DO GIF I - FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF: 08.872.941/0001-27

ANÚNCIO DE INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DAS COTAS DO GIF I - FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF: 08.872.941/0001-27 ANÚNCIO DE INÍCIO DA DISTRIBUIÇÃO PÚBLICA DAS COTAS DO GIF I - FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF: 08.872.941/0001-27 BEM DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. comunica o início

Leia mais

Prospecto Definitivo de Distribuição Pública Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da

Prospecto Definitivo de Distribuição Pública Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da Prospecto Definitivo de Distribuição Pública Primária e Secundária de Ações Ordinárias de Emissão da Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações Companhia Aberta e de Capital Autorizado CNPJ

Leia mais

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são

atividade a prática de operações de arrendamento As sociedades de arrendamento mercantil são Arrendamento mercantil ou leasing é uma operação em que o proprietário de um bem cede a terceiro o uso desse bem por prazo determinado, recebendo em troca uma contraprestação. No que concerne ao leasing,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 531, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2013 Altera dispositivos da Instrução CVM nº 356, de 17 de dezembro de 2001 e da Instrução CVM nº 400, de 29 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM torna público que o Colegiado,

Leia mais

PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº 13.720.522.0001-00

PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII. CNPJ nº 13.720.522.0001-00 PEDIDO DE RESERVA PARA AS QUOTAS DE EMISSÃO DO EUROPAR II BANIF FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ nº 13.720.522.0001-00 Código ISIN: BREURDCTF006 Nº [ ] CARACTERÍSTICAS DA OFERTA Pedido de reserva

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

Prospecto Preliminar de Distribuição Pública Primária de Ações Ordinárias de Emissão da

Prospecto Preliminar de Distribuição Pública Primária de Ações Ordinárias de Emissão da As informações contidas neste Prospecto Preliminar estão sob análise da Comissão de Valores Mobiliários. O presente Prospecto Preliminar está sujeito a complementação e correção. O Prospecto Definitivo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Prospecto Preliminar da Oferta Pública de Distribuição Primária de Ações Ordinárias de Emissão da

Prospecto Preliminar da Oferta Pública de Distribuição Primária de Ações Ordinárias de Emissão da As informações contidas neste Prospecto Preliminar estão sob análise da Comissão de Valores Mobiliários, a qual ainda não se manifestou a seu respeito. O presente Prospecto Preliminar está sujeito à complementação

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até UBS PACTUAL SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. DTVM comunica o início da distribuição, de até 240 (duzentas e quarenta) cotas, escriturais, com valor inicial de R$1.000.000,00 (um milhão de reais), de emissão do

Leia mais

Reunião Pública de Analistas 1T11

Reunião Pública de Analistas 1T11 Reunião Pública de Analistas 1T11 Porto Seguro Inicio das atividades Mudança de Controle Líder nacional em seguro de automóvel Líder nacional em seguro de residência Empregados Diretos Porto S/A Sucursais

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999

DA EMISSÃO DAS DEBÊNTURES. Artigo com redação dada pela Instrução CVM nº 307, de 7 de maio de 1999 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 281, DE 4 DE JUNHO DE 1998, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM N os 307/99 E 480/09. Dispõe sobre o registro de distribuição pública de debêntures por

Leia mais

Divulgação de Resultados 2T08

Divulgação de Resultados 2T08 Divulgação de Resultados 2T08 Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2008 A Sul América S.A. (Bovespa: SULA11) anuncia hoje os resultados do segundo trimestre de 2008 (2T08). As informações operacionais e financeiras

Leia mais

Anúncio de Início da Oferta Pública de Distribuição de cotas do ÁQUILLA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII

Anúncio de Início da Oferta Pública de Distribuição de cotas do ÁQUILLA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII Anúncio de Início da Oferta Pública de Distribuição de cotas do ÁQUILLA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO - FII CNPJ/MF nº 13.555.918/0001-49 Foco Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.,

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos:

CIRCULAR N 2.971. Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Art. 1º Regulamentar os seguintes normativos: CIRCULAR N 2.971 Documento normativo revogado pela Circular nº 3.280, de 9/3/2005. Regulamenta as Resoluções nº 2.644, de 1999, nº 2.694 e nº 2.695, ambas de 2000, e divulga o Regulamento sobre Contas

Leia mais

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA

ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA ANEXO II MODELO DE CONTRATO DE COMPRA E VENDA BR Malls Participações S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CVM n.º 19.909 Av. Afrânio de Melo Franco 290, salas 102, 103 e 104, CEP 22430-060, Rio

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.638, DE 28 DEZEMBRO DE 2007. Mensagem de veto Altera e revoga dispositivos da Lei n o 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011. 01/03/2011 às 09:30h

Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011. 01/03/2011 às 09:30h Conferência Telefônica dos Resultados do 4T11 e 2011 01/03/2011 às 09:30h Agenda 4T11e 2011 Principais Realizações e Destaques em 2011 Receitas, Lucro Líquido e Retorno sobre Capital Desempenho dos principais

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

Descrição do Fundo "LEIA O PROSPECTO ANTES DE ACEITAR A OFERTA

Descrição do Fundo LEIA O PROSPECTO ANTES DE ACEITAR A OFERTA Descrição do Fundo O Fundo é o resultado da parceria entre a Rio Bravo e a Fernandez Mera e tem como objetivo atender a uma crescente demanda por investimentos imobiliários através de instrumentos do mercado

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 ATO DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS TRANSITÓRIAS Art. 90. O prazo previsto no caput do art. 84 deste Ato das Disposições Constitucionais Transitórias

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Administrado por BOLETIM DE SUBSCRIÇÃO DE COTAS DA 2ª EMISSÃO

Administrado por BOLETIM DE SUBSCRIÇÃO DE COTAS DA 2ª EMISSÃO FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO THE ONE Administrado por RIO BRAVO INVESTIMENTOS DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CNPJ n.º 72.600.026/0001-81 Avenida Chedid Jafet, n.º 222, bloco

Leia mais

R$ 250.000.000,00 (duzentos e cinqüenta milhões de reais)

R$ 250.000.000,00 (duzentos e cinqüenta milhões de reais) Retificação do Anúncio de Início da Distribuição Pública de Quotas da Primeira Emissão do RIVIERA GR INDUSTRIAL FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES CNPJ/MF n.º 10.214.548/0001-98 Código ISIN das Quotas:

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

A data deste Prospecto Preliminar é 7 de janeiro de 2011.

A data deste Prospecto Preliminar é 7 de janeiro de 2011. As informações contidas neste Prospecto Preliminar estão sob análise da ANBIMA Associação Brasileiradas Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais e da Comissão de Valores Mobiliários, as quais ainda

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

Prospecto Definitivo da Oferta Pública de Distribuição Primária de Ações Ordinárias de Emissão da

Prospecto Definitivo da Oferta Pública de Distribuição Primária de Ações Ordinárias de Emissão da Prospecto Definitivo da Oferta Pública de Distribuição Primária de Ações Ordinárias de Emissão da Direcional Engenharia S.A. Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ/MF 16.614.075/0001-00 - NIRE 3130002583-7

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2008. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização Patrimônio R$ Mil Líquido 1.DISPONIBILIDADES 8 0,03 Depósitos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO

RESOLUÇÃO Nº 20 DAS SOCIEDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS, CONSTITUIÇÃO E AUTORIZAÇÃO 1 RESOLUÇÃO Nº 20 Documento normativo revogado pela Resolução 2735, de 28/06/2000. O BANCO CENTRAL DA REPÚBLICA DO BRASIL, na forma da deliberação do Conselho Monetário Nacional, em sessão de 28.2.66,

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais