PROJETO CNE/UNESCO 914BRZ DESENVOLVIMENTO, APRIMORAMENTO E CONSOLIDAÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO NACIONAL DE QUALIDADE TERMO DE REFERÊNCIA: 11/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO CNE/UNESCO 914BRZ11142.3 DESENVOLVIMENTO, APRIMORAMENTO E CONSOLIDAÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO NACIONAL DE QUALIDADE TERMO DE REFERÊNCIA: 11/2013"

Transcrição

1 PROJETO CNE/UNESCO 914BRZ DESENVOLVIMENTO, APRIMORAMENTO E CONSOLIDAÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO NACIONAL DE QUALIDADE TERMO DE REFERÊNCIA: 11/2013 Produto 1: Documento técnico contendo estudo estatístico sobre a atual situação acadêmica dos Centros Universitários no Brasil quanto à qualidade da oferta de ensino, pesquisa e extensão com vistas a avaliar o desempenho dos Centros desde a sua criação em Consultora: MARA LÚCIA CASTILHO Brasília, março de 2014

2 Lista de tabelas Tabela 1 Instituições de Ensino Superior por Categoria Acadêmica 1996 /2012 Tabela 2 - Mantenedoras, segundo a quantidade de IES 2012 Tabela 3 Mantenedoras com mais de 11 IES, segundo a quantidade de IES Tabela 4 Quantidade de Matrículas por modalidade de ensino, segundo a categoria acadêmica de IES Tabela 5 Quantidade de Ingressantes por Modalidade de Ensino, segundo o Tipo de IES Tabela 6 Quantidade de Docentes por Tipo de IES, segundo Titulação Acadêmica Tabela 7 Quantidade de Docentes por Tipo de IES, segundo Regime de Trabalho Tabela 8 Quantidade de centros universitários mantidos por uma mesma instituiçao mantenedora Tabela 9 Distribuição dos Centros Universitários por Região 1997 /2012 Tabela 10 Quantidade de Matrículas nos Centros Universitários, por Modalidade de Ensino, segundo a Categoria Administrativa Tabela 11 Quantidade de Ingressantes em Centros Universitários, por Modalidade de Ensino, segundo a Categoria Administrativa Tabela 12 Distribuição de Centros Universitários por Categoria Administrativa, segundo Faixa de Matricula na Graduação 2012 Tabela 13 Cursos (classe OCDE) e respectiva quantidade de Centros Universitários que os ofertam, por Categoria Administrativa Tabela 14 Distribuição anual de Docentes segundo a Titulação Acadêmica 2008/12 Tabela 15 Distribuição anual de Docentes segundo Regime de Trabalho 2008/12 Tabela 16 Quantidade de Matrículas, por Grau Acadêmico, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 17 Quantidade de Matrículas, por Região, segundo o Porte do Centro Universitário

3 Tabela 18 Quantidade de Matrículas, na Região Norte, segundo o Porte do Centro universitário Tabela 19 Quantidade de Matrículas, na Região Nordeste, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 20 Quantidade de Matrículas, na Região Centro-Oeste, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 21 Quantidade de Matrículas, na Região Sudeste, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 22 Quantidade de Matrículas, na Região Sul, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 23 Quantidade de Ingressantes, por Grau Acadêmico, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 24 Quantidade de Ingressantes, por Região, segundo o Porte do Centro Universitário Tabela 25 Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Grande Porte, por Titulação 2012 Tabela 26 Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Médio Porte, por Titulação 2012 Tabela 27 Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Pequeno Porte, por Titulação 2012 Tabela 28 Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Grande Porte, por Regime de Trabalho 2012 Tabela 29 Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Médio Porte, por Regime de Trabalho 2012 Tabela 30 Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Pequeno Porte, por Regime de Trabalho 2012 Tabela 31 Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares nos Centros de Grande Porte, por Tipo de Atividade 2012 Tabela 32 Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares nos Centros de Médio Porte, por Tipo de Atividade 2012 Tabela 33 Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares nos Centros de Pequeno Porte, por Tipo de Atividade

4 Tabela 34 Indicador de Pós-Graduação e IGC dos Centros Universitário de Grande Porte 2012 Tabela 35 Indicador de Pós-Graduação e IGC dos Centros Universitário de Médio Porte 2012 Tabela 36 Indicador de Pós-Graduação e IGC dos Centros Universitário de Pequeno Porte 2012 Tabela 37 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Grande Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES Tabela 38 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Grande Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES Tabela 39 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Grande Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES Tabela 40 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES Tabela 41 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES Tabela 42 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES Tabela 43 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES Tabela 44 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2011 grupo azul ciclo SINAES Tabela 45 Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES Tabela 46 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Grande Porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 Tabela 47 Comparativo de Resultados dos centros universitários de médio porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 Tabela 48 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Pequeno Porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 Tabela 49 Quantidade de Matrículas, por Modalidade segundo o Centro Universitário

5 Tabela 50 Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário Tabela 51 Quantidade de Matrículas na Educação a Presencial por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário Tabela 52 Quantidade de Matrículas na Educação Presencial por Região, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 53 Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por Região, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 54 Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Norte, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 55 Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Nordeste, segundo o Centro Universitário Tabela 56 Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Centro Oeste, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 57- Quantidade de Matriculas na Educação a Distância por UF da Região Sudeste, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 58 Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Sul, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 59 Quantidade de Ingressantes, por Modalidade segundo o Centro Universitário Tabela 60 Quantidade de Ingressantes na Educação a Distância por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário Tabela 61 Quantidade de Ingressantes na Educação Presencial por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário Tabela 62 Quantidade de Docentes, por Titulação, segundo o Centro Universitário Tabela 63 Quantidade de Docentes, por Regime de Trabalho, segundo o Centro Universitário Tabela 64 Indicador de Pós-Graduação e IGC segundo o Centro Universitário Tabela 65 Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2010 Grupo Verde ciclo SINAES Tabela 66 Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2011 Grupo azul ciclo SINAES 5

6 Tabela 67 Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2012 Grupo vermelho ciclo SINAES Tabela 68 Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares, por Modalidade de Ensino, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 69 Comparativo de Resultados entre o ano de credenciamento e o ano 2012 grupo 2 Tabela 70 Quantidade de Matrículas na Rede Pública por Região, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 71 Quantidade de Matrículas na Rede Pública por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 72 Quantidade de Docentes na Rede Pública, por Titulação, segundo o Centro Universitário Tabela 73 Quantidade de Docentes na Rede Pública, por Regime de Trabalho, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 74 Quantidade de Ingressantes na Rede Pública por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário 2012 Tabela 75 Quantidade de Ingressantes na Rede Pública por Região, segundo o Centro Universitário Tabela 76 Indicador de Pós-Graduação e IGC segundo o Centro Universitário Tabela 77 Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2010 grupo verde do ciclo SINAES Tabela 78 Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2011 grupo azul do ciclo SINAES Tabela 79 Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2012 grupo vermelho do ciclo SINAES Tabela 80 Quantidade de Alunos em Atividades Extra Curriculares, por Modalidade de Ensino, segundo o Centro Universitário Tabela 81 Comparativo de Resultados entre o ano de credenciamento e o ano 2012 Grupo 3 6

7 Lista de figuras Figura 1 Evolutivo de Centros Universitários 1997/2012 Figura 2 Centros Universitários credenciados desde a publicaçao da resolução CNE/CES n 1, de 10 de janeiro de 2010 Figura 3 Percentual de Doutores e Mestres por Centro Universitário Figura 4 Percentual de Deocentes com tempo Integral por Centro Universitário Figura 5 Percentual de Doutores e Mestres por Centro Universitário da Rede Pública Figura 6 Percentual de Docentes com Tempo Integral por Centro Universitário da Rede Pública

8 Lista de Quadros Quadro 1 Ano de credenciamento e recredenciamento dos centros universitários públicos e privados Quadro 2 Situação de recredenciamento dos centros universitários ainda não recredenciados Quadro 3 Conceito Institucional dos centros universitários, ano de atribuição do CI e número de ocorrências registradas no sistema e-mec janeiro 2014 Quadro 4 Localização das Sedes dos Centros Universitários por Região, segundo o Porte 2012 Quadro 5 Localização da Sede dos Centros Universitários por Região Quadro 6 Atuação dos Centros Universitários por Região Quadro 7 Localização da Sede, dos Centros Universitários da Rede Pública, por Região

9 LISTA DE SIGLAS ACE Avaliação das Condições de Ensino Basis Banco de avaliadores do SINAES CAPES Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CC Conceito de Curso CES Câmara de Educação Superior CI Conceito Institucional CNE - Conselho Nacional de Educação CPA Comissão Própria de Avaliação CPC Conceito Preliminar de Curso CST Cursos Superiores de Tecnologia DCN Diretrizes Curriculares Nacionais EaD Educação a distância e-mec Sistema de tramitação eletrônica de processos de regulação das IES e cursos ENADE Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes ENC Exame Nacional de Cursos FIES Fundo de Financiamento Estudantil IDD indicador de Diferença entre os Desempenhos Observado e Esperado IES Instituição de ensino superior INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira IGC Índice Geral de Cursos INES Indicadores dos Sistemas Educacionais Nacionais 9

10 LDB Lei de Diretrizes e Bases MEC Ministério da Educação OCDE Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico PAIUB Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras PDI Plano de Desenvolvimento Institucional PRONATEC Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego SERES Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior SESu Secretaria de Educação Superior SINAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura 10

11 3.1.1 Conceito Institucional dos centros universitários e ocorrências registradas no e-mec referentes ao ciclo SINAES no período de 2011 a Docentes dos centros universitários

12 APRESENTAÇÃO Este trabalho foi desenvolvido para atender à demanda do Projeto 914BRZ CNE/UNESCO Desenvolvimento, aprimoramento e consolidação de uma educação nacional de qualidade, sob a responsabilidade da Câmara de Educação Superior/Conselho Nacional de Educação (CES/CNE). Trata-se de produto de consultoria especializada, conforme Termo de Referência nº 11/2013 (TOR 11/2013), para desenvolver estudo analítico-estatístico sobre a expansão e qualidade dos Centros Universitários, desde sua criação como natureza acadêmica, a fim de subsidiar a CES de informações necessárias à elaboração de diretrizes ao processo de regulação e avaliação dos Centros Universitários. Conforme descrito no documento em referência, este trabalho visa a apresentar estudo estatístico com base nos dados declarados na coleta do Censo da Educação Superior no período de 1997 a 2012, nos dados cadastrados no Sistema e-mec e disponíveis à consulta pública, nos dados disponibilizados no portal do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), e nos portais eletrônicos das instituições de ensino superior (IES), a fim de mapear a atual situação acadêmica dos Centros Universitários no Brasil, no que se refere à qualidade da oferta de ensino, pesquisa e extensão, com vistas a avaliar o desempenho dos Centros desde a criação dessa organização acadêmica em Este documento foi organizado de maneira a contemplar: 1 Levantamento, a partir do Censo da Educação Superior e de outras fontes, da situação geral atual das instituições de ensino superior por categoria acadêmica, distribuição dos Centros universitários por região, número de matrículas nos cursos de graduação por categoria acadêmica, grau de formação dos docentes dos Centros Universitários, número de ingressantes nos cursos de graduação dos Centros Universitários, resultados dos IGC dos Centros Universitários e outros dados relevantes. 2 - Levantamento de dados a respeito do número de instituições credenciadas como Centros Universitários desde a criação desta nova categoria acadêmica, número de instituições credenciadas como Centros Universitários desde a publicação da 12

13 Resolução CNE/CES nº 1, de 10 de janeiro de 2010, comparativo dos resultados das instituições quando eram faculdades e depois de credenciadas como Centros Universitários e outros dados relevantes. Para tanto, solicitamos ao INEP os dados declarados pelas IES brasileiras no Censo da Educação Superior no período de 1996 a 2012; sistematizamos as informações públicas sobre as mantenedoras e suas respectivas mantidas, sobre os Conceitos Institucionais (CI) e respectivos anos de atribuição, e sobre os cursos e as ocorrências que constam do cadastro de Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados do sistema e-mec; resgatamos as planilhas com os resultados dos conceitos Enade, Conceito Preliminar de Curso (CPC) e Índice Geral de Cursos (IGC) disponíveis no Portal INEP de 2008 a 2012; e mapeamos, por meio dos registros dos atos do CNE e dos dados públicos do e-mec, as datas dos atos regulatórios referentes ao (re)credenciamento dessas instituições como centro universitário. As variáveis selecionadas para produção das planilhas e posterior sistematização dos dados foram as que seguem: Código da IES Nome da IES UF da sede da IES e demais endereços de atuação Organização acadêmica da IES Categoria administrativa da IES Áreas de conhecimento dos cursos da IES conforme tabela OCDE Matrículas nos cursos da IES Ingressantes nos cursos da IES Modalidade de ensino dos cursos da IES Alunos em atividades extracurriculares (pesquisa, monitoria, extensão, estágio não obrigatório) na IES Grau de formação dos cursos da IES Regime de trabalho dos docentes da IES (tempo integral, tempo parcial, horista) Titulação dos docentes da IES (graduação, especialização, mestrado, doutorado) Oferta de cursos de pós-graduação stricto sensu Faixa CPC dos cursos da IES nos ciclos SINAES 13

14 Faixa IGC das IES Conceito Institucional (CI) da IES Número de ocorrências a partir dos ciclos SINAES A partir disso, na primeira seção deste trabalho, é apresentado o histórico do surgimento dos centros universitários, abordando a abertura da Lei nº 9394/96 LDB para o surgimento de novos tipos de organização acadêmica e a necessidade de se reestruturar o sistema federal de ensino superior, a fim de atender à demanda social e econômica brasileira. A segunda seção traz um pequeno histórico dos processos de avaliação institucional das IES na década de 1990, até ser homologada a Lei nº Lei do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), e a legislação que rege os atos regulatórios de reconhecimento de curso, renovação de reconhecimento de curso, (re)credenciamento de IES, a partir dos Indicadores de Qualidade CPC, CC, IGC e CI atribuídos por meio das informações declaradas no Censo da Educação Superior, do desempenho dos estudantes no ENADE e dos dados provenientes da CAPES, no que se refere aos cursos de pós-graduação stricto sensu. Na seção 3 e suas subseções foram organizadas, por meio da estatística descritiva, tabelas e gráficos, a partir do tratamento dos dados provenientes das fontes pesquisadas Censo da Educação Superior/INEP e e-mec, de forma a apresentar a sistematização dos Indicadores de Qualidade dos centros universitários brasileiros, conforme solicitado no TOR 11/2013. Em um primeiro momento, são apresentados os dados gerais das instituições de educação superior, como, por exemplo, quantidade de IES nas diferentes categorias acadêmica e administrativa, quantidade de matrículas e de ingressantes dessas IES, e a quantidade de docentes, por titulação e por regime de trabalho. Em seguida, esses mesmos dados são apresentados de maneira a mostrar a realidade dos centros universitários como um todo, conforme descrito no TOR 11/2013, a fim de traçar um perfil com as características dessa organização acadêmica, objeto de estudo desse Termo de Referência. As demais seções apresentam o perfil dos três grupos de centros universitários a serem descritos ao longo deste trabalho, os privados que ofertam cursos somente na modalidade presencial (Grupo 1), os que ofertam, concomitantemente, cursos nas 14

15 modalidades presencial e a distância (Grupo 2), e os públicos e privados, municipais e estaduais (Grupo 3). 15

16 1 HISTÓRICO DO SURGIMENTO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS NO SISTEMA FEDERAL DE ENSINO SUPERIOR Na década de 1990, período que sucedeu a promulgação da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, foram realizados estudos e mapeamentos da educação brasileira, a fim de traçar metas e ações para atender a necessidade de qualificação profissional da população de nosso país, e diversificar a oferta e a expansão do ensino em todos os níveis básico e superior. No que se refere à educação superior, o cenário mundial apontava para a necessidade de sua ampliação e diversificação, de maneira a atender à demanda do mundo moderno e, ao mesmo tempo, acompanhar a qualidade da expansão do ensino e dos serviços ofertados pelas instituições, conforme previsto no texto da Carta Magna. Em 1996, quando a nova Lei de Diretrizes e Bases (LDB) foi aprovada, de acordo com o Censo da Educação Superior daquele ano, o sistema federal de ensino superior brasileiro contava com 922 universidades, faculdades integradas e estabelecimentos isolados de ensino. Dessas, 211 instituições eram públicas e 711 privadas 1. Nessa década, a prerrogativa de autonomia universitária para autorização de novos cursos e registro de diplomas era limitada às universidades, de forma que a agilidade do processo de ampliação de vagas e cursos nas demais categorias institucionais era dificultada pela burocracia excessiva. Segundo Durham (2007), o credenciamento de novas instituições de ensino era moroso e burocrático e, além disso, o Brasil não contava com um sistema de avaliação do ensino de graduação para acompanhar a qualidade dos cursos ofertados pelas instituições já credenciadas. Os processos avaliativos surgiram após a promulgação da Constituição Federal de 1988, que manteve o princípio da livre oferta do ensino à iniciativa privada, desde que atendidas às normas gerais de avaliação da qualidade pelo Poder Público (cf. art. 209 da CF.). Dessa forma, somente no início da década de 1990, o acompanhamento do desempenho das IES foi gradativamente regulamentado. Esse processo de avaliação da qualidade das instituições de ensino também foi contemplado pela nova LDB, em Essa nova lei dispõe que a educação superior 1 Dados provenientes do Resumo Técnico 2002 do Censo Superior, disponível em < acesso em 21/12/

17 deve ser ministrada em instituições, públicas ou privadas, com variados graus de abrangência ou especialização. Além disso, prevê que a autonomia universitária de criar e extinguir cursos e de conferir certificados, graus e diplomas pode ser atribuída a instituições que comprovem alta qualificação para o ensino ou a pesquisa, com base nas avaliações realizadas pelo Poder Público. Na década de 1990, a quantidade de instituições de ensino superior no Brasil não era suficiente para atender aos alunos egressos do ensino médio e as demandas sociais para a expansão do o sistema federal de ensino superior. Segundo Durham (2007), a análise do sistema de ensino superior no início do governo Fernando Henrique Cardoso objetivava subsidiar as políticas educacionais, o acompanhamento da tramitação da LDB e a elaboração do Plano Nacional de Educação. Essas análises revelaram alguns problemas, como, por exemplo, a baixa qualidade do ensino, a burocracia dos pesados sistemas de controle e processos de credenciamento e reconhecimento de cursos presos a critérios formais que não garantiam o acompanhamento da qualidade das IES. O currículo mínimo, que regulava os cursos, à época, não permitia a inovação curricular e, consequentemente, não acompanhava as necessidades do mundo moderno. As universidades eram as únicas instituições, no Brasil, que aliavam o ensino e a pesquisa, sendo que, em outros países, outras instituições já aliavam essas bases do ensino universitário. Era iminente a necessidade da reforma do Sistema. A abertura de novas instituições que atendessem à indissociabilidade de ensino e pesquisa não podia ser descartada, pois a quantidade de universidades brasileiras não comportava os jovens em idade de ingressar no ensino superior e não atendia ao desenvolvimento socioeconômico brasileiro. Foi aí que a Secretaria de Políticas Educacionais decidiu pela implantação de um novo modelo de organização acadêmica, sendo a autonomia universitária uma contrapartida a exigência universitária por parte das instituições, não se transformando simplesmente em uma vantagem a ser disputada através de pressões políticas (DURHAM, 2007, p. 22). Dessa forma, em 1997, por meio do Decreto nº 2.207, de 15 de abril, surgiu a figura dos centros universitários no sistema federal de ensino superior, com o objetivo de atender à demanda de expansão da educação superior brasileira, garantindo a diversificação do sistema, conforme previsto na LDB de 1996, e o alto grau de qualificação para o ensino. O artigo 6º desse Decreto dispunha que os centros universitários 17

18 são instituições de ensino superior pluricurriculares, abrangendo uma ou mais áreas do conhecimento, que se caracterizam pela excelência do ensino oferecido, comprovada pela qualificação do seu corpo docente e pelas condições de trabalho acadêmico oferecidas à comunidade escolar, nos termos das normas estabelecidas pelo Ministro de Estado da Educação e do Desporto para o seu credenciamento. (BRASIL, 1997) Com isso, a autonomia para criar, organizar e extinguir, em sua sede, cursos e programas de educação superior, de acordo com o parágrafo 2 do artigo 54 da LDB de 1996, foi estendida aos centros universitários, conforme previsão no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI), aprovado pela Secretaria de Educação Superior, quando de seu (re)credenciamento. A excelência do ensino oferecido, as condições de trabalho acadêmico e a qualificação do corpo docente caracterizavam a obrigatoriedade de aliar o ensino à pesquisa. Nesse mesmo ano, 1997, a Portaria MEC nº definiu critérios adicionais para a organização institucional dos centros universitários, conforme segue: Art. 1º Os centros universitários são instituições que se caracterizam: I quanto à origem, pela transformação de faculdades integradas, faculdades, institutos superiores ou universidades, já credenciados e em funcionamento; II quanto à abrangência, por organização pluricurricular em uma ou mais áreas do conhecimento ou de formação profissional, nos níveis de graduação, extensão e especialização; III quanto à função, pela excelência do ensino ministrado, pelas modalidades de aperfeiçoamento permanente do ensino de graduação pela qualificação constante de seu corpo docente, pela oferta de cursos de graduação, extensão, especialização e sequenciais, e pelas atividades integradas de pesquisa discente. (BRASIL, 1997) Esses preceitos das características universitárias estiveram sempre presentes nos textos legais referentes à regulação dos centros universitários. No período compreendido entre a promulgação da nova LDB e o início do Século XXI, encontramos muitas mudanças nos atos regulatórios da educação brasileira, pois essa lei estava sendo regulamentada. Como a figura dos centros universitários no sistema federal de ensino superior era nova, a legislação era alterada com bastante frequência. Todavia, o conceito dessa nova organização acadêmica, proposto pelo Decreto nº 2.207/1997, foi mantido pelos Decretos que o sucederam, até os dias atuais. Alguns anos mais tarde, em julho de 1999, o Parecer CES/CNE nº 618/99 estabeleceu os seguintes critérios para a organização dos centros universitários: 18

19 o mínimo de cinco anos de experiência no ensino superior; a existência de um PDI; o mínimo de 80% dos cursos de graduação reconhecidos; o mínimo de 90% dos professores com titulação de especialista, mestre ou doutor, sendo um mínimo de 20% mestres ou doutores; 10% dos docentes em regime de tempo integral e 40% dos docentes em regime de tempo contínuo. (BRASIL,1999 Apud GUIMARÃES E SILVA, 2005) Em 2001, com a publicação do Decreto nº 3.860, a atribuição do conceito de excelência de ensino oferecido tornou-se uma característica a ser observada desde a constituição dessa nova organização acadêmica, em razão da prerrogativa da autonomia universitária concedida a ela. Aos poucos, foram credenciados, em média, desde o Decreto nº 2.207/1997 até 2003, 13 centros universitários por ano. Em 2003, o Decreto nº vetou a criação de novos centros universitários e determinou que aqueles já credenciados deveriam comprovar, até 31 de dezembro de 2007, que satisfaziam ao princípio da indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão, previsto no art. 207 da Constituição, e aos requisitos estabelecidos no art. 52 da LDB (BRASIL, 1996), isto é: As universidades são instituições pluridisciplinares de formação dos quadros profissionais de nível superior, de pesquisa, de extensão e de domínio e cultivo do saber humano, que se caracterizam por: I - produção intelectual institucionalizada mediante o estudo sistemático dos temas e problemas mais relevantes, tanto do ponto de vista científico e cultural, quanto regional e nacional; II - um terço do corpo docente, pelo menos, com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado; III - um terço do corpo docente em regime de tempo integral. (Grifo nosso) Os incisos II e III são prerrogativas extensivas também aos centros universitários. Atualmente, o sistema federal de ensino superior é regulado pelo Decreto nº 5.773/06, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e sequenciais no sistema federal de ensino, e pela Portaria Normativa nº 40, que instituiu o e-mec, sistema eletrônico de fluxo de trabalho e gerenciamento de informações 19

20 relativas aos processos de regulação, avaliação e supervisão da educação superior no sistema federal de educação, e o Cadastro e-mec de Instituições e Cursos Superiores e consolidou as disposições sobre indicadores de qualidade, banco de avaliadores (Basis) e o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) e outras disposições. Os centros universitários são regulados, também, pelo Decreto nº 5.786/06, que dispõe sobre essa categoria acadêmica, e pela Resolução nº 1, de 20 de janeiro de 2010, que define os requisitos básicos para uma faculdade se transformar em centro universitário, conforme segue: I - mínimo de 20% (vinte por cento) do corpo docente contratado em regime de tempo integral; II - mínimo de 33% (trinta e três por cento) do corpo docente com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado; III - mínimo de 8 (oito) cursos de graduação reconhecidos e com conceito satisfatório obtido na avaliação realizada pelo Ministério da Educação; IV - plano de desenvolvimento institucional e proposta de estatuto compatíveis com a solicitação de transformação em Centro Universitário; V - programa de extensão institucionalizado nas áreas do conhecimento abrangidas por seus cursos de graduação; VI - programa de iniciação científica com projeto orientado por professores doutores ou mestres, podendo também oferecer programas de iniciação profissional ou tecnológica e de iniciação à docência; VII - plano de carreira e política de capacitação docente implantados; VIII - biblioteca com integração efetiva na vida acadêmica da Instituição e que atenda às exigências dos cursos em funcionamento, com planos fundamentados de expansão física e de acervo; IX - não ter firmado, nos últimos 3 (três) anos, termo de saneamento de deficiências ou protocolo de compromisso com o Ministério da Educação, relativamente à própria Instituição ou qualquer de seus cursos; X - não ter sofrido qualquer das penalidades de que trata o 1º do art. 46 da Lei nº 9.394/1996, regulamentado pelo art. 52 do Decreto nº 5.773/2006. (BRASIL, 2010) A excelência do ensino oferecido pelos centros universitários deve ser observada desde o processo de seu credenciamento e ao longo de sua existência. Essas prerrogativas estão presentes nos indicadores de qualidade do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES, conforme veremos a seguir. 2 A AVALIAÇÃO E OS INDICADORES DE QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES BRASILEIRAS 20

21 No início da década de 1990, foram iniciados, no Brasil, alguns procedimentos avaliativos, como, por exemplo, o Programa de Avaliação Institucional das Universidades Brasileiras (PAIUB) com o objetivo de as universidades criarem sistemas internos de avaliação que pudessem auxiliar no processo de aperfeiçoamento da instituição, para posterior averiguação pelo MEC. A intenção era mapear os aspectos indissociáveis das múltiplas atividades-fim e das atividades-meio necessárias ao atendimento da indissociabilidade entre ensino e pesquisa (BARREYRO; ROTHEN, 2008). O PAIUB deveria fundamentar o processo de aperfeiçoamento do desempenho acadêmico e de prestação de contas da Universidade à sociedade, por meio do desenvolvimento de diferentes processos avaliativos que contemplavam a avaliação interna, a avaliação externa e a reavaliação, norteados pelos princípios da globalidade, da comparabilidade, do respeito à identidade institucional, da não punição ou premiação, da adesão voluntária, da legitimidade e da continuidade (BRASIL, 1993). O processo avaliativo do PAIUB foi importante para a abertura de novas frentes avaliativas. Em 1995, a Lei nº criou o novo Conselho Nacional de Educação (CNE) e previu a criação de avaliações periódicas das instituições de ensino e de seus cursos de nível superior, com o uso de procedimentos e critérios abrangentes de acompanhamento da qualidade e da eficiência das atividades de ensino, pesquisa e extensão. Um dos procedimentos de acompanhamento da qualidade dos cursos e instituições previa a realização anual de exames nacionais para aferir os conhecimentos e competências adquiridos pelos estudantes em fase de conclusão de curso. A partir disso, em 1996, foi realizado o primeiro Exame Nacional de Cursos (ENC), mais conhecido como Provão, que era aplicado aos estudantes concluintes dos cursos dos campos de conhecimento pré-definidos pelo Estado. Em textos legais subsequentes a esse ano, o censo da Educação da Educação Superior começou a tomar novo peso nesse processo e, hoje, subsidia os indicadores de qualidade do ensino. Nessa mesma época, a partir de 1997, para proceder ao estabelecido no art. 46 da LDB: A autorização e o reconhecimento de cursos, bem como o (re)credenciamento de instituições de educação superior, terão prazos limitados, sendo renovados, periodicamente, após processo regular de avaliação, o MEC, por meio da Secretaria de 21

22 Educação Superior - SESu, iniciou a realização da avaliação das condições de oferta de cursos de graduação, por meio de visita in loco de professores especialistas, que produziam relatório detalhado a respeito do desempenho das instituições de ensino e do funcionamento dos cursos avaliados. Essas visitas eram organizadas a partir dos resultados dos cursos avaliados pelo ENC. A escala do resultado do ENC variava de A a E, sendo os resultados D e E insatisfatórios. Os cursos que obtinham resultados insatisfatórios eram avaliados por comissões de especialistas capacitados pela SESu. Nesse período, essa Secretaria também iniciou o processo de avaliação in loco para credenciar novas IES e para transformar instituições já credenciadas como faculdades em centro universitário, desde que atendessem ao estabelecido na Portaria nº 639, de 13 de maio de No período compreendido entre 1999 a 2005, o resultado dessas avaliações in loco era expresso por meio dos conceitos: Condições Muito Boas (CMB), Condições Boas (CB); Condições Regulares (CR), e Condições Insuficientes (CI). Posteriormente, essa escala foi alterada e está em vigor até os dias atuais, conforme veremos a seguir. Para consolidar esses processos avaliativos, em 2004, foi promulgada a Lei nº , que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES, com o intuito de avaliar instituições, cursos, e desempenho dos estudantes. O SINAES, desde então, avalia todos os aspectos de uma instituição de ensino superior por meio de dimensões que englobam o ensino, a pesquisa, a extensão, a responsabilidade social, o desempenho dos alunos, a gestão da instituição, o corpo docente, as instalações e vários outros aspectos. O sistema é composto por diversos instrumentos: a autoavaliação, a avaliação institucional, a avaliação externa e o Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes (ENADE). Depois de sua implantação, a partir de 2006, o resultado das avaliações in loco para (re)conhecimento de cursos e (re)credenciamento de IES passaram a ser expressos por meio de escala que varia de 1 a 5, conforme será esclarecido posteriormente. A autoavaliação é realizada pelas Comissões Próprias de Avaliação (CPA), no âmbito interno das IES, conforme Lei do SINAES. De acordo com essa lei, essas comissões têm a atribuição de conduzir os processos de avaliação internos da instituição, de sistematizar e de prestar contas das informações solicitadas pelo INEP (BRASIL, 2004). Outro instrumento do SINAES, o Exame Nacional do Desempenho dos Estudantes (ENADE), tem como objetivo avaliar o desempenho dos estudantes com 22

23 relação aos conteúdos programáticos previstos nas diretrizes curriculares dos cursos de graduação, o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao aprofundamento da formação geral e profissional, e o nível de atualização dos estudantes com relação à realidade brasileira e mundial (BRASIL, 2004). Inicialmente, esse exame era aplicado a uma amostra dos estudantes ingressantes e concluintes inscritos para realizar o exame. Desde 2004, ele é realizado todos os anos, aplicado trienalmente a cada grupo de curso, de forma a abranger a amplitude das formações profissionais previstas no sistema federal de ensino superior e nas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN). A partir de 2010, o ENADE passou a ser censitário todos os estudantes ingressantes e concluintes passaram a realizar a prova. Desde 2012, somente os estudantes concluintes participam desse exame. A partir de 2008, os indicadores de qualidade utilizados pelo MEC no processo de expedição de ato de renovação de reconhecimento de cursos e recredenciamento de instituições são vinculados aos ciclos avaliativos do SINAES verde, azul e vermelho e aos conceitos provenientes de seus instrumentos. Esses ciclos avaliativos são divididos em três grupos, tomando como base a área de conhecimento, no caso dos Bacharelados e Licenciaturas, e os eixos tecnológicos, no caso dos Cursos Superiores de Tecnologia (CST), conforme Nota Técnica 786/2013/DIREG/SERES/MEC: Grupo VERDE Bacharelados nas áreas de Saúde, Agrárias e áreas afins; CST dos eixos tecnológicos: Ambiente e Saúde, Produção Alimentícia, Recursos Naturais, Militar e Segurança. Grupo AZUL Bacharelados nas áreas de Ciências Exatas e áreas afins; Licenciaturas; CST dos eixos tecnológicos: Controle e Processos Industriais, Informação e Comunicação, Infraestrutura e Produção Industrial. Grupo VERMELHO Bacharelados nas áreas de Ciências Sociais Aplicadas, 23

24 Ciências Humanas e áreas afins; CST dos eixos tecnológicos: Gestão e Negócios, Apoio Escolar, Hospitalidade e Lazer e Produção Cultural e Design. Outras informações compõem os indicadores de qualidade do SINAES, muitas delas provenientes do Censo da Educação Superior. Anualmente, esse sistema coleta informações das instituições que compõem do sistema federal de ensino superior, em caráter declaratório, sobre alunos e docentes vinculados a instituições e cursos de educação superior. Os dados declarados constituem a base de referência a ser utilizada pelos órgãos do MEC e servem de subsídio para avaliação, supervisão e cálculo de indicadores relativos às instituições, cursos, docentes e alunos de educação superior (BRASIL, 2013). A partir de 2007, com a edição da Portaria Normativa nº 40/2007, as IES brasileiras passaram a ser reguladas pelos conceitos e Indicadores de Qualidade da Educação Superior, a saber: Conceito de Curso (CC), resultado da avaliação de curso realizada por especialistas, in loco, para autorizar, reconhecer ou renovar o reconhecimento de cursos. Conceito Institucional (CI), resultado da avaliação institucional realizada por especialistas, in loco, para (re)credenciar IES. Conceito Enade, obtido por meio dos resultados deste exame. Conceito Preliminar de Curso (CPC). Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC). Esses indicadores entraram em vigor a partir de 2008 e o IGC, calculado anualmente, passou a ser o referencial orientador das comissões de avaliação institucional para fins de recredenciamento. Esse indicador considera, em sua composição, a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado e doutorado). O conceito da pós-graduação stricto sensu, para a composição do IGC, é proveniente da avaliação realizada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). O resultado do IGC é apresentado em uma escala de 1 a 5, sendo as notas menores que 3 demonstrativas de qualidade insatisfatória, indicando a necessidade de renovação do ato de credenciamento. Nesses casos, quando a instituição 24

25 recebe avaliação in loco para (re)credenciamento institucional, é gerado o CI. Caso a nota do IGC seja positiva, o ato de credenciamento da IES é prorrogado. O CPC, calculado no ano seguinte da realização do ENADE de cada área, é uma média de diferentes medidas de qualidade de um curso, como, por exemplo: o Conceito ENADE, o desempenho dos ingressantes no ENADE, atualmente, proveniente da média dos alunos inscritos no ENEM, o Conceito IDD e as variáveis de insumo regime de trabalho e titulação do docente, organização didático pedagógica e infraestrutura provenientes das informações declaradas no Censo da Educação Superior e das respostas dos estudantes ao questionário socioeconômico do ENADE. O resultado final desse indicador é apresentado em uma escala de 1 a 5, sendo as notas menores que 3 demonstrativas de qualidade insatisfatória. Nesses casos, os cursos recebem a visita dos avaliadores do Inep para renovar o ato de reconhecimento do curso que tirou nota negativa no CPC. Após a visita de avaliação in loco para renovar o reconhecimento do curso, é gerado o CC. Os cursos que obtém nota CPC positiva superior a 3 demonstram qualidade satisfatória e têm seus atos de reconhecimento renovados automaticamente. Anualmente, a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior SERES publica Nota Técnica com os parâmetros e procedimentos para a expedição de atos regulatórios de renovação de reconhecimento de cursos e recredenciamento de IES, tomando como referência os resultados dos ciclos avaliativos do SINAES, quando da divulgação do CPC e do IGC, conforme estabelecido na legislação em vigor. Esses indicadores de qualidade da educação superior brasileira CI, IGC, CPC e seus insumos estão diretamente vinculados à participação das IES nos programas governamentais voltados para a educação, como, por exemplo, o Programa Nacional de acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) e outros. Os cursos que obtêm conceitos inferiores a três não podem participar desses programas. A organização deste trabalho fundamentou-se nesses indicadores de qualidade e em outros dados declarados pelas IES no Censo da Educação Superior, conforme solicitado no Termo de Referência 11/2013. No caso dos centros universitários, desde 1997, o Ministério da Educação requer dessas IES, por meio de decretos, portarias e resoluções, a excelência do ensino oferecido. Essa excelência deve ser avaliada considerando as condições de trabalho acadêmico ensino, pesquisa e extensão e a qualificação do corpo docente dos 25

26 centros universitários. Nas seções seguintes serão apresentados, primeiramente, os dados referentes à situação geral das IES brasileiras por categoria acadêmica e, em seguida, serão apresentados os dados da distribuição dos centros universitários por região, o número de matrícula dessa organização acadêmica e outros dados relevantes para mapear a qualidade do ensino oferecido pelos centros universitários, considerando as informações provenientes do SINAES, do e-mec e do Censo da Educação Superior. 26

27 3 SITUAÇÃO GERAL ATUAL DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR POR CATEGORIA ACADÊMICA E sta seção apresenta a situação atual do ensino superior brasileiro, no que se refere à quantidade de IES, à quantidade de instituições mantenedoras do ensino superior, à quantidade de matrículas, de ingressantes, de docentes e respectivas titulações e regime de trabalho, por categoria acadêmica das instituições de ensino. Conforme mostra a Tabela 1, segundo os dados do Censo da Educação Superior 2012, o sistema federal de ensino superior brasileiro é composto por instituições, das quais 85% são Faculdades, 8% universidades, 6% centros universitários e 2% Centros Federais de Educação Tecnológica ou Institutos Tecnológicos. Notamos que de 1996 para 1997, foram credenciadas quatorze novas universidades, representando (17%) do total do sistema federal de ensino e treze centros universitários, representando 1% das instituições. No entanto, nesse mesmo período, a Tabela 1 revela uma redução de vinte e três instituições de ensino, sendo que esse segmento representava 82% do total de instituições credenciadas. Tabela 1 Instituições de Ensino Superior por Categoria Acadêmica 1996 /2012 Categoria Acadêmica Universidade Centro Universitário Faculdade CEFET e IFET Total Universidade 15% 17% 16% 14% 13% 11% 10% 9% 8% 8% 8% 8% 8% 8% 8% 8% 8% Centro Universitário 0% 1% 2% 4% 4% 5% 5% 4% 5% 5% 5% 5% 6% 5% 5% 6% 6% Faculdade 85% 82% 82% 82% 82% 83% 84% 85% 85% 85% 85% 85% 85% 85% 85% 85% 85% CEFET e IFET 0% 0% 0% 1% 1% 1% 1% 2% 2% 2% 1% 1% 2% 2% 2% 2% 2% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Fonte - Censo de Educação Superior 2012 No período compreendido entre 1996 até 2002, foram credenciadas 26 novas universidades, 77 centros universitários, e 589 faculdades e 22 CEFET. Na última década, de 2003 a 2012, o Ministério da Educação credenciou 30 novas universidades, 62 centros universitários e 668 faculdades. Nessa década, em 2008, os CEFET transformaram-se em Instituto Federal de Educação Tecnológica (IFET), e, em 2012, eram 40 no total. 27

28 De acordo com os dados do cadastro e-mec, as IES brasileiras, públicas e privadas, são mantidas por instituições mantenedoras, conforme demonstra a Tabela 2. Desse total de mantenedoras, (82%) mantêm apenas uma IES, 221 (11%) mantêm duas IES. A Tabela 2 revela que 101 instituições mantenedoras mantêm 3 ou mais IES, e as demais 20 mantenedoras mantêm mais de onze IES cada. Tabela 2 Mantenedoras, segundo a quantidade de IES 2012 QUANTIDADE DE IES MANTENEDORAS % 1 IES % 2 IES % 3 IES 45 2% 4 IES 21 1% 5 IES 21 1% 6 IES 4 0% 7 IES 2 0% 8 IES 4 0% 9 IES 3 0% 10 IES 1 0% mais de 11 IES 20 1% Total % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 A Tabela 3 apresenta o código das vinte mantenedoras que mantêm mais de onze IES e a respectiva quantidade de IES mantida por cada uma delas, segundo o cadastro e- MEC. Essa tabela revela que sete mantenedoras mantêm mais de vinte IES cada, sendo que uma delas mantém cento e onze IES. Tabela 3 Mantenedoras com mais de 11 IES, segundo a quantidade de IES CÓDIGO DA QUANTIDADE MANTENEDORA DE IES % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % % Total % Fonte - Censo da Educação Superior

29 De acordo com a Tabela 4, em 2012, as IES brasileiras somavam, nas modalidades de ensino presencial e a distância, de matrículas, sendo no ensino presencial e no ensino a distância. Tabela 4 Quantidade de Matrículas por modalidade de ensino, segundo a categoria acadêmica de IES MODALIDADE DE ENSINO CATEGRIA ACADÊMICA Presencial A Distância Total Privada Pública Total Privada Pública Total Universidade Centro Universitário Faculdade CEFET e IFET Total Universidade 37% 86% 51% 68% 92% 72% 54% Centro Universitário 19% 1% 14% 27% 0% 23% 15% Faculdade 44% 7% 34% 4% 0% 4% 29% CEFET e IFET 0% 6% 2% 0% 8% 1% 2% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Do total de matrículas nessas duas modalidades de ensino, 54% estavam alocadas nas universidades, 15% nos centros universitários, 29% nas faculdades e 2% nos centros e institutos de educação tecnológica, conforme mostra a Tabela 4. Essa tabela revela que as universidades detinham 72% das matrículas na modalidade de ensino a distância (EaD) e os centros universitários eram responsáveis por alocar 23% das matrículas nessa modalidade de ensino. Conforme Tabela 5, o total de alunos ingressantes na educação superior, em 2012, foi , sendo no ensino presencial e no ensino a distância, isto é, 24,5% do total. 29

30 Tabela 5 Quantidade de Ingressantes por Modalidade de Ensino, segundo o Tipo de IES MODALIDADE DE EDUCAÇÃO TIPO DE IES Presencial A Distância Total Privada Pública Total Privada Pública Total Universidade Centro Universitário Faculdade CEFET e IFET Total Universidade 37% 82% 47% 66% 93% 69% 51% Centro Universitário 20% 1% 16% 32% 0% 29% 18% Faculdade 43% 8% 35% 2% 0% 2% 29% CEFET e IFET 0% 8% 2% 0% 7% 1% 2% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Do total de ingressantes, segundo a Tabela 5, as universidades receberam 51% dos estudantes, os centros universitários, 18% deles, as faculdades, 29%, e os centros e institutos de educação tecnológica, 2%. Nesse mesmo ano, dos estudantes ingressantes na EaD, 69% deles foram recebidos pelas universidades, 29% pelos centros universitários, 2% pelas faculdades e 1% de estudantes na modalidade de EaD foram recebidos pelos CEFET e IFET. Com relação aos docentes, de acordo com a Tabela 6, atualmente, há professores atuando no sistema federal de ensino superior brasileiro, sendo 32% deles doutores, 39% mestres, 26% especialistas e 3% graduados. Tabela 6 Quantidade de Docentes por Tipo de IES, segundo Titulação Acadêmica TITULAÇÃO ACADÊMICA TIPO DE IES Universidade Centro Faculdade CEFET e IFET TOTAL Doutorado Mestrado Especialização Graduação Sem Graduação Total Doutorado 46% 18% 14% 22% 32% Mestrado 33% 51% 43% 48% 39% Especialização 16% 31% 42% 22% 26% Graduação 4% 0% 1% 7% 3% Sem Graduação 0% 0% 0% 0% 0% Total 100% 100% 100% 100% 100% Fonte - Censo da Educação Superior

31 Percentualmente, o número de professores declarados no Censo 2012, sem graduação, representou 0,03%, de acordo com a Tabela 6. Do total de docentes com titulação de doutor, 46% encontram-se nas universidades, 18% nos centros universitários, 14% nas faculdades e 22% deles nos CEFET e IFET. As universidades possuem 4% de professores que possuem somente graduação, as faculdades têm 1% de professores apenas graduados, os centros e institutos de educação tecnológica têm 7% de docentes com graduação apenas e os centros universitários não possuem docentes somente com graduação, conforme demonstra a Tabela 6. Somando-se os professores com titulação de mestres e doutores, as universidades têm 79% de docentes com formação stricto sensu, os centros universitários têm 69% de professores com mestrado e doutorado, as faculdades 57% e os CEFET e IFES, 70%. Segundo o art. 69 do Decreto 5.773, o regime de trabalho docente em tempo integral compreende a prestação de quarenta horas semanais de trabalho na mesma instituição, nele reservado o tempo de, pelo menos, vinte horas semanais para estudos, pesquisa, trabalhos de extensão, planejamento e avaliação (BRASIL, 2006). Segundo o manual de Avaliação Institucional Externa , do INEP, o docente contratado para atuar 12 ou mais horas semanais na mesma IES, reservados, pelo menos, 25% do tempo para estudos, planejamento, avaliação e orientação de estudantes, é considerado de tempo parcial. Os docentes que não se enquadram como integral ou parcial, são considerados horistas. A Tabela 7 apresenta o regime de trabalho dos docentes das IES brasileiras, conforme declarado no Censo Tabela 7 Quantidade de Docentes por Tipo de IES, segundo Regime de Trabalho REGIME DE TRABALHO TIPO DE IES Universidade Centro Faculdade CEFET e IFET TOTAL Integral Parcial Horista Total Integral 67% 26% 17% 88% 47% Parcial 18% 30% 38% 5% 25% Horista 14% 44% 45% 7% 27% Total 100% 100% 100% 100% 100% Fonte - Censo da Educação Superior

32 Do total de professores que atuam na educação superior, 47% trabalham em tempo integral, 25% atuam em tempo parcial e 27% são horistas. Nas universidades, 67% dos professores trabalham em tempo integral, nos centros universitários, 26% atuam em tempo integral, nas faculdades, 17% e nos CEFET e IFET, 88% deles atuam em tempo integral. As faculdades e os centros universitários possuem, aproximadamente, 45% de professores horistas. Como o objeto de estudo deste trabalho são os centros universitários, os próximos gráficos, tabelas e quadros referir-se-ão a essa modalidade de organização acadêmica, a fim de mostrar seu desenvolvimento desde o seu surgimento, em Nas próximas seções, serão apresentados os dados gerais e individuais dos centros universitários, a partir do Censo Superior de 2012, quanto à quantidade de matrículas, de ingressantes e de professores, por titulação e por regime de trabalho. 3.1 QUANTIDADE DE CENTROS UNIVERSITÁRIOS DESDE A CRIAÇÃO DESSA NOVA CATEGORIA ACADÊMICA Nesta seção será apresentada a evolução da quantidade de centros universitários credenciados, desde o surgimento dessa categoria acadêmica, de acordo com os dados declarados no Censo da Educação Superior desde 1997, e o ano dos atos de credenciamento e de recredenciamento, segundo os registros do CNE. A Figura 1 revela que, no período compreendido entre 1997 e 2004, foram credenciados cento e sete centros universitários ano 1997 ano 1998 ano 1999 ano 2000 ano 2001 ano 2002 ano 2003 ano 2004 ano 2005 ano 2006 ano 2007 ano 2008 ano 2009 ano 2010 ano 2011 ano 2012 Figura 1 - Evolutivo de Centros Universitários /2012 Fonte - Censo da Educação Superior

33 Segundo a Figura 1, em 2004 foram credenciados 26 novos centros universitários, revelando que nesse ano foi credenciada a maior quantidade dessa nova organização acadêmica desde o seu surgimento, em A Figura 1 revela redução do número de centros universitários de 2009 para Em 2010, foi credenciado apenas um centro universitário, conforme Figura 1. A Figura 2 apresena a quantidade de centros universitários credenciados no período compreendido entre 2010 e ano 2010 ano 2011 ano 2012 Figura 2 - Centros Universitários credenciados desde a publicação da resolução CNE/CES n1, de 10 de janeiro de Fonte - Censo da Educação Superior 2012 No período representado pela Figura 2, foram credenciados treze novos centros universitários, sendo que, em 2011, foram credenciados cinco novos centros e, em 2012, oito novos centros universitários. A Tabela 8 apresenta a quantidade de centros universitários mantidos por uma mesma instituiçao mantenedora. Tabela 8 Quantidade de centros universitários mantidos por uma mesma instituiçao mantenedora QTD MANTENEDORAS % 1 Centro Univ % 2 Centros Univ. 3 2% 3 Centros Univ. 2 2% 4 Centros Univ. 1 1% 5 Centros Univ. 1 1% Total % 33

34 Conforme Tabela 8, os centros universitários são mantidos por cento e trinta e três instituições mantenedoras, sendo que 95% dessas instituições mantêm apenas um centro universitário, 2% mantêm dois centros universitários cada e 2% mantêm três centros universitários cada. A rede Luterana mantém quatro centros universitários e a Anhanguera mantém cinco centros universitários. A Tabela 9 traz a concentração de centros universitários por região, desde o surgimento dessa organização acadêmica de IES. Tabela 9 Distribuição dos Centros Universitários por Região 1997 /2012 Categoria Acadêmica Norte Nordeste Centro-Oeste Sudeste Sul Total Norte 0% 0% 3% 4% 5% 5% 6% 7% 6% 6% 7% 7% 7% 7% 6% 6% Nordeste 15% 6% 3% 4% 3% 3% 2% 3% 3% 3% 3% 3% 3% 4% 5% 7% Centro-Oeste 8% 6% 5% 6% 5% 4% 4% 9% 9% 9% 9% 9% 9% 9% 9% 9% Sudeste 77% 89% 74% 74% 76% 75% 74% 67% 68% 68% 68% 66% 66% 67% 66% 63% Sul 0% 0% 15% 12% 12% 13% 14% 14% 14% 14% 14% 15% 15% 13% 14% 15% Total 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% 100% Fonte - Censo de Educação Superior 2012 Percebemos que a maior concentração de centros universitários está na Região Sudeste (63%), seguida da Região Sul (15%). As demais Regiões brasileiras, juntas, somam 22% do total dos centros universitários credenciados. A diminuição da quantidade de centros universitários da Região Sul, em 2010, se deu, possivelmente, em razão da transformação de alguns centros universitários em universidades ou pela inatividade de algumas IES. No período compreendido entre 2010 e 2012, segundo a Tabela 9, foram credenciados cinco centros universitários na região Nordeste, dois na região Centro-Oeste, três na região Sudeste, quatro na região Sul. A quantidade de centros universitários na região Norte diminuiu de nove para oito no período compreendido entre 2010 e 2011, conforme Tabela 9. De acordo com os registros dos atos do CNE, desde 1997, esse Conselho emitiu 135 pareceres favoráveis ao credenciamento de centros universitários. Desde então, sete dessas IES foram transformadas em universidade, a saber: Nove de Julho, Positivo, Feevale, Nilton Lins, Vila Velha, Maranhão e Escola de Farmácia e Odontologia de Alfenas. 34

35 A quantidade de centros universitários credenciados atualmente difere de uma base de dados para outra. Na base do Censo da Educação Superior, há 139 centros universitários em atividade. Na base de dados do e-mec, encontramos o cadastro de 141 centros universitários, públicos e privados, em atividade. Já na base de dados do CNE, encontramos, até dezembro de 2013, 127 centros universitários credenciados em atividade. Dos centros universitários cadastrados no e-mec, treze foram credenciados por atos estaduais, e não constam dos registros do CNE, a saber: Barriga Verde, Católica de Jaraguá do Sul, Católica de Joinvile, Cesmac, Unifebe, Mineiros, União da Vitória, Zona Oeste, São José, Vale do Itajaí, São José de Itaperuna, UNIRG e Faculdades Associadas de Ensino - FAE. Ainda segundo a base de dados do e-mec, há dez centros universitários cuja categoria administrativa é registrada como pública ou especial. Esses últimos, neste trabalho, compõem o Grupo 3, conforme será esclarecido posteriormente. O Quadro 1 apresenta o ano em que cada um dos 141 centros universitários foi credenciado, e o ano em que ocorreram o primeiro e o segundo recredenciamento dessas IES, conforme registro do CNE e do e-mec. No caso dos centros universitários credenciados por atos estaduais, é apresentado somente o ano de seu credenciamento. 35

36 Quadro 1 Ano de Credenciamento e Recredenciamento dos Centros Universitários Públicos e Privados 36

37 Continuação do Quadro 1 Ano de Credenciamento e Recredenciamento dos Centros Universitários Públicos e Privados INSTITUIÇÃO CATRGORIA CREDENCIAMENTO RECREDENCIAMENTO I RECREDENCIAMENTO II CENT. UNIV. DE LINS (UNILINS) Privada CENT. UNIV. FILADÉLFIA (UNIFIL) Privada CENT. UNIV. ANHANGÜERA (UNIFIAN) Privada CENT. UNIV. CENTRAL PAULISTA (UNICEP) Privada CENT. UNIV. FUND. EDUC. INACIANA PE SABÓIA DE MEDEIROS (FEI) Privada CENT. UNIV. HERMINIO OMETTO (UNIARARAS) Privada CENT. UNIV. LUTERANO DE MANAUS (CEULM/ULBRA) Privada CENT. UNIV. DO ESTADO DO PARÁ (CESUPA) Privada ABEU - CENT. UNIV. (UNIABEU) Privada CENT. UNIV. RITTER DOS REIS (UNIRITTER) Privada CENT. UNIV. LUTERANO DE JI-PARANÁ (CEULJI/ULBRA) Privada CENT. UNIV. BELAS ARTES DE SÃO PAULO (FEBASP) Privada CENT. UNIV. FECAP (FECAP) Privada CENT. UNIV. METODISTA IZABELA HENDRIX (CEUNIH) Privada CENT. UNIV. DE MARINGÁ - UNICESUMAR (UNICESUMAR) Privada CONSERVATÓRIO BRASILEIRO DE MÚSICA - CENT. UNIV. (CBM/CEU) Privada FIAM-FAAM - CENT. UNIV. (UNIFIAM-FAAM) Privada CENT. UNIV. DE ITAJUBÁ (FEPI) Privada CENT. UNIV. EURÍPEDES DE MARÍLIA (UNIVEM) Privada CENT. UNIV. FUND. DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS - FEOB (UNIFEOB) Privada CENT. UNIV. DE BRUSQUE (UNIFEBE) Privada 2003 (-1) - CENT. UNIV. DA FUND. EDUCACIONAL GUAXUPÉ (UNIFEG) Privada CENT. UNIV. DO NORTE (UNINORTE) Privada CENT. UNIV. PADRE ANCHIETA (UNIANCHIETA) Privada CENT. UNIV. SÃO CAMILO - ESPÍRITO SANTO (SÃO CAMILO-ES) Privada CENT. UNIV. SENAC (SENACSP) Privada CENT. UNIV. FACULDADES ASSOCIADAS DE ENSINO - FAE (UNIFAE) Pública CENT. UNIV. DE ANÁPOLIS (UNIEVANGÉLICA) Privada CENT. UNIV. DE GOIÁS (UNI-ANHANGÜERA) Privada CENT. UNIV. TOLEDO (UNITOLEDO) Privada FAE CENT. UNIV. (FAE) Privada CENT. UNIV. DE LAVRAS (UNILAVRAS) Privada CENT. UNIV. EURO-AMERICANO (UNIEURO) Privada CENT. UNIV. LEONARDO DA VINCI (UNIASSELVI) Privada CENT. UNIV. DE FRANCA (UNI-FACEF) Pública 2004 (-1) - CENT. UNIV. PAULISTANO (UNIPAULISTANA) Privada CENT. UNIV. CÂNDIDO RONDON (UNIRONDON) Privada CENT. UNIV. DE ARARAS - "DR. EDMUNDO ULSON" (UNAR) Privada CENT. UNIV. DE CARATINGA (UNEC) Privada CENT. UNIV. DE PATOS DE MINAS (UNIPAM) Privada CENT. UNIV. DO DISTRITO FEDERAL (UDF) Privada CENT. UNIV. ESTÁCIO DA BA (FIB ) Privada CENT. UNIV. FLUMINENSE (UNIFLU) Privada CENT. UNIV. METODISTA (IPA) Privada CENT. UNIV. METODISTA BENNETT (BENNETT) Privada CENT. UNIV. ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE Privada

38 Continuação do Quadro 1 Ano de Credenciamento e Recredenciamento dos Centros Universitários Públicos e Privados INSTITUIÇÃO CATRGORIA CREDENCIAMENTO RECREDENCIAMENTO I RECREDENCIAMENTO II CENT. UNIV. DE JALES (UNIJALES) Privada CENT. UNIV. HERMÍNIO DA SILVEIRA (UNI IBMR) Privada CENT. UNIV. DO CERRADO-PATROCÍNIO (UNICERP) Privada CENT. UNIV. ESTADUAL DA ZONA OESTE (UEZO) Pública 2005 (-1) - CENT. UNIV. MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ (USJ) Pública 2005 (-1) - CENT. UNIV. CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM (UNISALESIANO) Privada CENT. UNIV. DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS (CIESA) Privada CENT. UNIV. DO PLANALTO DE ARAXÁ (UNIARAXÁ) Privada CENT. UNIV. GERALDO DI BIASE (UGB) Privada CENT. UNIV. METROPOLITANO DE SÃO PAULO (UNIMESP) Privada CENT. UNIV. MÓDULO (MÓDULO) Privada CENT. UNIV. PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN (UNIPLAN) Privada CENT. UNIV. DE FORMIGA (UNIFORMG) Privada CENT. UNIV. SERRA DOS ÓRGÃOS (UNIFESO) Privada CENT. UNIV. AMPARENSE (UNIFIA) Privada CENT. UNIV. DE SETE LAGOAS (UNIFEMM) Privada CENT. UNIV. BARRIGA VERDE (UNIBAVE) Privada 2006 (-1) - CENT. UNIV. DE UNIÃO DA VITÓRIA (UNIUV) Pública 2006 (-1) - CENT. UNIV. DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAÍ (UNIDAVI) Privada 2006 (-1) - CENT. UNIV. DE BAURU Privada CENT. UNIV. DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE (UNIDESC) Privada CENT. UNIV. ÍTALO-BRASILEIRO (UNIÍTALO) Privada CENT. UNIV. LUTERANO DE SANTARÉM (CEULS) Privada CENT. UNIV. CURITIBA (UNICURITIBA) Privada CENT. UNIV. DA FUND. EDUCACIONAL DE BARRETOS (UNIFEB) Privada CENT. UNIV. ESTÁCIO RADIAL DE SP - (ESTÁCIO UNIRADIAL) Privada CENT. UNIV. DO SUL DE MINAS (UNIS-MG) Privada CENT. UNIV. JORGE AMADO (UNIJORGE) Privada CENT. UNIV. UNIRG (UNIRG) Pública 2008 (-1) - CENT. UNIV. FUND. SANTO ANDRÉ (CUFSA) Privada CENT. UNIV. SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA Privada 2009 (-1) - CENT. UNIV. DE MINEIROS (UNIFIMES) Pública 2011 (-1) - CENT. UNIV. INSTITUTO EDUC. SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB (IESB) Privada CENT. UNIV. FACVEST (FACVEST) Privada CENT. UNIV. UNIFAFIBE (FAFIBE) Privada CENT. UNIV. UNISEB (UNISEB) Privada CENT. UNIV. CHRISTUS (UNICHRISTUS) Privada CENT. UNIV. FAC. SAÚDE, CIÊN. HUMANAS E TECNO. DO PI (NOVAFAPI) Privada CENT. UNIV. DO RIO GRANDE DO NORTE (UNI-RN) Privada CENT. UNIV. ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA (FESSC) Privada CENT. UNIV. ESTÁCIO DO CEARÁ ( FIC) Privada CENT. UNIV. FACEX (UNIFACEX) Privada CENT. UNIV. INTERNACIONAL (UNINTER) Privada CENT. UNIV. LA SALLE DO RIO DE JANEIRO (UNILASALLE/RJ) Privada CENT. UNIV. MAURÍCIO DE NASSAU (UNINASSAU) Privada CENT. UNIV. DINÂMICA DAS CATARATAS (UDC) Privada CENT. UNIV. TUPY Privada Fonte - Atos credenciamento e recredenciamento centros universitários CNE/SAO/CES/2014 e e-mec. (-1) Não existem informações sobre esses centros universitários nos arquivos do CNE/SAO/CES Segundo o Quadro 1, oitenta centros universitários foram recredenciados pelo menos uma vez, e vinte e quatro centros foram recredenciados duas vezes. Notamos que trinta centros universitários credenciados pelo CNE no período compreendido entre 1997 a 2008 não foram recredenciados. Ao examinarmos os processos regulatórios desses centros universitários no e-mec, identificamos que vinte e cinco dessas IES possuem processo de recredenciamento tramitando, em análise, há pelo menos cinco anos. Desses processos, nove foram protocolados no sistema e-mec em 2007, quatro processos de recredenciamento foram protocolados em 2008, cinco desses processos de recredenciamento foram protocolados em 2009 e oito, no período compreendido entre 2010 e Quatro centros universitários foram credenciados antes de 2008 e, de acordo com os registros do e-mec, não abriram processo de recredenciamento desde 38

39 então. Sobre essas trinta IES não recredenciadas, o Quadro 2 apresenta o ano de seu credenciamento, o prazo de validade do credenciamento do centro universitário e o ano de protocolo do processo de seu recredenciamento no sistema e-mec. Quadro 2 Situação de recredenciamento dos centros universitários ainda não recredenciados INSTITUIÇÃO CREDENCIAMENTO PRAZO CRED ANO ABERT PROC RECRED CENT. UNIV. AUGUSTO MOTTA (UNISUAM) CENT. UNIV. CELSO LISBOA (UCL) CENT. REGIONAL UNIV. DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL (UNIPINHAL) CENT. UNIV. ASSUNÇÃO (UNIFAI) CENT. UNIV. UNA (UNA) CENT. UNIV. LUTERANO DE MANAUS (CEULM/ULBRA) CENT. UNIV. DE MARINGÁ - UNICESUMAR (UNICESUMAR) FIAM-FAAM - CENT. UNIV. (UNIFIAM-FAAM) CENT. UNIV. METODISTA BENNETT (BENNETT) CENT. UNIV. DE ARARAS - "DR. EDMUNDO ULSON" (UNAR) CENT. UNIV. METODISTA (IPA) CENT. UNIV. FLUMINENSE (UNIFLU) CENT. UNIV. PAULISTANO (UNIPAULISTANA) CENT. UNIV. CÂNDIDO RONDON (UNIRONDON) CENT. UNIV. DO DISTRITO FEDERAL (UDF) CENT. UNIV. DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS (CIESA) CENT. UNIV. PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN (UNIPLAN) CENT. UNIV. GERALDO DI BIASE (UGB) CENT. UNIV. CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM (UNISALESIANO) CENT. UNIV. MÓDULO (MÓDULO) CENT. UNIV. METROPOLITANO DE SÃO PAULO (UNIMESP) CENT. UNIV. DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE (UNIDESC) 2006 Decreto 5.773/2006, art. 10, 7º 2008 CENT. UNIV. ÍTALO-BRASILEIRO (UNIÍTALO) 2006 Decreto 5.773/2006, art. 10, 7º 2007 CENT. UNIV. LUTERANO DE SANTARÉM (CEULS) 2006 Decreto 5.773/2006, art. 10, 7º 2013 CENT. UNIV. ESTÁCIO RADIAL DE SP - (ESTÁCIO UNIRADIAL) 2007 Decreto 5.773/2006, art. 10, 7º - CENT. UNIV. DE CARATINGA (UNEC) 2004 Decreto Estadual 2009 CENT. UNIV. DE PATOS DE MINAS (UNIPAM) 2004 Decreto Estadual 2009 CENT. UNIV. DO PLANALTO DE ARAXÁ (UNIARAXÁ) 2005 Portaria estadual 2009 CENT. UNIV. FUND. SANTO ANDRÉ (CUFSA) 2008 Decreto Estadual 2009 CENT. UNIV. DA FUND. EDUCACIONAL DE BARRETOS (UNIFEB) 2007 Decreto Estadual 2013 Fonte - Atos credenciamento e recredenciamento centros universitários CNE/SAO/CES/2014 e e-mec De acordo com o Quadro 2, não foram encontrados registros de protocolo de processo de recredenciamento de alguns centros universitários no sistema e-mec. Notamos, nesse quadro, que o ano de protocolo do processo de recredenciamento de alguns centros universitários foi realizado muitos anos depois de expirado o prazo registrado no ato autorizativo. Todos os processos protocolados no e-mec e relacionados no Quadro 2 encontram-se em fase de análise. Os CI desses centros universitários, bem como o número de ocorrências registradas no sistema e-mec, encontram-se no Quadro 3, na seção seguinte. Alguns dos centros universitários citados do Quadro 2, credenciados por atos estaduais, encontram-se em fase de migração para o sistema federal de ensino. 39

40 3.1.1 CONCEITO INSTITUCIONAL DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS E OCORRÊNCIAS REGISTRADAS NO E-MEC REFERENTES AO CICLO SINAES NO PERÍODO DE 2011 A 2013 O Quadro 3 apresenta os dados sistematizados do sistema e-mec, em 10 de fevereiro de 2014, referentes às faixas do CI dos centros universitários e a quantidade de ocorrências registradas no sistema eletrônico do MEC relacionadas aos ciclos nos últimos três anos 2011,2012 e As ocorrências registradas no sistema e-mec estão relacionadas a(o): Termo de Saneamento COM Medida Cautelar, Termo de Saneamento SEM medida cautelar, e revogação de Medida Cautelar, relacionadas ao ciclo SINAES. O Quadro 3 apresenta o total referente a esses três tipos de ocorrências registradas no e-mec, incluindo as revogações dos termos e medidas cautelares. Quadro 3 Conceito Institucional dos centros universitários, ano de atribuição do CI e número de ocorrências registradas no sistema e-mec janeiro 2014 NOME MANTENEDORA FAIXA CI ANO CI NÚMERO DE OCORRÊNCIAS IES 2011 E 2012 E 2013 ITAJUBÁ PLANALTO DE ARAXÁ SETE LAGOAS TOLEDO ARARAQUARA ARARAS UNIFAFIBE BARÃO DE MAUÁ NORTE PAULISTA ASSUNÇÃO BELAS ARTES DE SÃO PAULO ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO UNIVATES ADVENTISTA DE SÃO PAULO ÍTALO-BRASILEIRO MOURA LACERDA FECAP METODISTA IZABELA HENDRIX VOTUPORANGA LUSÍADA INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS - FEOB FIEO CENT REG UNIV DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL CAPITAL AUGUSTO MOTTA ESPÍRITO SANTO FORMIGA FIAM-FAAM LINS NEWTON PAIVA JOÃO PESSOA PAULISTANO CERRADO-PATROCÍNIO FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS PADRE ANCHIETA DE ANÁPOLIS DE GOIÁS

41 Continuação Quadro 3 Conceito Institucional dos centros universitários, ano de atribuição do CI e número de ocorrências registradas no sistema e-mec janeiro 2014 NOME MANTENEDORA FAIXA CI ANO CI NÚMERO DE OCORRÊNCIAS IES 2011 E 2012 E 2013 CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM DE BRASÍLIA DO LESTE DE MINAS GERAIS DE JALES FRANCISCANO EURÍPEDES DE MARÍLIA FILADÉLFIA METODISTA RITTER DOS REIS LUTERANO DE JI-PARANÁ LUTERANO DE SANTARÉM LUTERANO DE MANAUS LUTERANO DE PALMAS SANT ANNA ABEU CURITIBA GERALDO DI BIASE SERRA DOS ÓRGÃOS METROPOLITANO DE SÃO PAULO VOLTA REDONDA MONTE SERRAT FLUMINENSE FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ BARRA MANSA DISTRITO FEDERAL CELSO LISBOA CARATINGA METODISTA BENNETT HERMINIO OMETTO LA SALLE TRIÂNGULO ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS GRANDE DOURADOS CENTRAL PAULISTA HERMÍNIO DA SILVEIRA FAE FACEX CAMPOS DE ANDRADE SÃO CAMILO SÃO CAMILO - ESPÍRITO SANTO PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN MÓDULO SENAC ESTADO DO PARÁ

42 Continuação Quadro 3 Conceito Institucional dos centros universitários, ano de atribuição do CI e número de ocorrências registradas no sistema e-mec janeiro 2014 NOME MANTENEDORA FAIXA CI ANO CI NÚMERO DE OCORRÊNCIAS IES 2011 E 2012 E 2013 ESTÁCIO RAD SP -UNIRADIAL ESTÁCIO DA BA- FIB ESTÁCIO DO CEARÁ VÁRZEA GRANDE CARIOCA JORGE AMADO DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE SALESIANO DE SÃO PAULO CÂNDIDO RONDON NORTE BAURU AMPARENSE INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB EURO-AMERICANO CLARETIANO JORGE AMADO LEONARDO DA VINCI RIO GRANDE DO NORTE INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR COC TUPY DINÂMICA DAS CATARATAS INTERNACIONAL FAC DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO PI LA SALLE DO RIO DE JANEIRO CHRISTUS MAURÍCIO DE NASSAU RIO PRETO SUL DE MINAS DE PATOS DE MINAS DE LAVRAS FACVEST ANHANGUERA ANHANGUERA DE SÃO PAULO ANHANGUERA DE NITERÓI ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE ANHANGÜERA UNA DE BELO HORIZONTE DA CIDADE Fonte Sistema e-mec O Quadro 3 foi organizado com as informações das notas dos CI de 121 centros universitários, registradas no sistema e-mec. Não há registro, nesse sistema, das notas dos CI das demais dezoito IES objeto de estudo deste trabalho. Segundo os dados desse quadro, apenas duas instituições obtiveram CI igual a 2. Os processos de recredenciamento desses dois centros universitários, conforme Quadro 2, ainda se encontram em fase de análise pelo MEC. No período compreendido entre 2004 a 2013, sessenta e três centros universitários obtiveram CI igual a 3, cinquenta e duas IES obtiveram CI igual a 4, e quatro obtiveram CI igual a 5. Não há como identificar se o Conceito Institucional atribuído aos centros universitários foi em decorrência de avaliação externa para credenciamento de EaD, se em decorrência do ato de recredenciamento do centro universitário, ou, ainda, se em decorrência de alguma medida cautelar proveniente de processos de supervisão vinculados aos ciclos SINAES. 42

43 De acordo com o Quadro 3, setenta e oito centros universitários não possuem registro de ocorrências vinculados aos ciclos avaliativos do SINAES. Trinta e oito centros universitários possuem até duas ocorrências vinculadas ao ciclo SINAES. Quinze IES possuem entre três e cinco ocorrências vinculadas aos ciclos SINAES, uma possui sete ocorrências e uma possui treze ocorrências. Esses dados revelam que a quantidade de instituições com ocorrências vinculadas ao ciclo SINAES é pequena. As informações a serem apresentadas nas seções (pg. 60), (pg. 124) e (pg. 140), sobre os CPC dos cursos avaliados nos ciclos SINAES podem auxiliar na compreensão das ocorrências referentes a essas IES, registradas no sistema e-mec. 3.2 QUANTIDADE DE MATRÍCULAS E DE INGRESSANTES NOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS Em 2012, os centros universitários contavam com de matrículas, sendo na modalidade presencial e na EaD, conforme Tabela 10. Do total de matrículas nessas duas modalidades de ensino, 98% estavam concentradas nos centros universitários privados e 2% nos públicos. Tabela 10 - Quantidade de Matrículas nos Centros Universitários, por Modalidade de Ensino, segundo a Categoria Administrativa CATEGORIA MODALIDADE DE ENSINO ADMINISTRATIVA Presencial % A Distância % TOTAL % Privada % % % Pública % 0 0% % Total % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 A Tabela 10 revela que somente os centros universitários privados ofertam educação a distância e as matrículas na EaD representam 24% do total de matrículas nos centros universitários privados. Em relação ao total de matrículas na EaD, no Brasil, conforme visto anteriormente, os centros universitários possuem 23% do total de estudantes nessa modalidade de ensino, conforme Tabela 4. 43

44 O total de alunos ingressantes nos centros universitários, em 2012, de acordo com a Tabela 11, foi Desses, ingressaram na educação presencial e , na EaD. Tabela 11 - Quantidade de Ingressantes em Centros Universitários, por Modalidade de Ensino, segundo a Categoria Administrativa CATEGORIA MODALIDADE DE ENSINO ADMINISTRATIVA Presencial % A Distância % TOTAL % Privada % % % Pública % 0 0% % Total % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 O percentual de ingressantes nos centros universitários públicos, em relação ao total dessa categoria acadêmica, representou apenas 1%, em Os demais centros universitários concentram 99% dos ingressantes, conforme Tabela 11. Em relação ao total de ingressantes nas IES brasileiras, conforme visto na Tabela 5, os centros universitários receberam 18% desses estudantes, em 2012, sendo que 16% ingressaram na modalidade de ensino presencial e 2% na modalidade EaD. Atualmente, o sistema federal de ensino, segundo o Censo da Educação Superior 2012, conta com 139 centros universitários, dos quais 129 são privados e 10 são públicos, conforme Tabela 12. De acordo com a base de dados do Censo, existem cinco centros universitários municipais, um estadual e quatro classificados como especiais 2. Tabela 12 Distribuição de Centros Universitários por Categoria Administrativa, segundo Faixa de Matricula na Graduação 2012 FAIXA DE MATRICULA CATEGORIA ADMINISTRATIVA Privados Privados Públicos Total % Fac Presencial a Distância abaixo de % 4% entre 1000 e % 53% entre 5001 e % 82% entre e % 91% entre e % 94% entre e % 96% entre e % 96% entre e % 98% entre e % 98% acima de % 100% Total % Fonte - Censo da Educação Superior As IES classificadas como especiais (Art. 242 da Constituição Federal - CF), são aquelas criadas por lei estadual ou municipal, existentes na data da promulgação da CF, mantidas total ou parcialmente com recursos públicos e não gratuitas. Essas, segundo o cadastro e-mec, são objeto de estudo do Ministério da Educação. 44

45 Podemos observar, na Tabela 12, que apenas seis centros universitários possuem até mil alunos matriculados. Segundo essa tabela, 49% dos centros universitários possuem entre mil e cinco mil alunos matriculados; 29% possuem entre cinco mil e dez mil alunos matriculados; 9% possuem entre dez a quinze mil alunos matriculados. Os 9% restantes possuem mais de quinze mil alunos cada. Todos os centros universitários públicos possuem até cinco mil alunos matriculados. O total acumulado de centros universitários de pequeno porte com até cinco mil alunos matriculados é 53%. O percentual de centros universitários de médio porte com matrículas na faixa entre cinco e dez mil alunos é 29%. O total acumulado de centros de pequeno e médio porte é 82%. A Tabela 12 demonstra que 18% dos centros caracterizam-se como de grande porte, isto é, com mais de dez mil alunos. Apenas três centros universitários possuem acima de quarenta mil alunos, sendo a maior concentração dessas matrículas na EaD, conforme veremos em tabelas posteriores. 3.3 CURSOS OFERECIDOS PELOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS O Brasil é um país parceiro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico OCDE, e, por esse motivo, segundo o INEP, a coleta dos dados do Censo da Educação Superior relacionados aos cursos segue as classificações das áreas de conhecimento desse organismo internacional, a fim de que os indicadores educacionais possam ser comparáveis internacionalmente. Além disso, essa classificação por área permite a elaboração de estudos técnicos, pesquisas e levantamentos para a análise de indicadores pelo programa de Indicadores dos Sistemas Educacionais Nacionais INES. Dessa forma, os cursos oferecidos pelos centros universitários foram organizados, conforme os dados coletados pelo Censo da Educação Superior 2012, isto é, seguindo a classificação da OCDE. A Tabela 13 apresenta a quantidade de centros universitários que oferece a mesma área de classificação de cursos, de acordo com a última coleta do Censo Superior. As porcentagens são apresentadas em relação ao total de centros universitários 45

46 privados (129) e públicos (10). Os cursos oferecidos por menos de 10% dos centros universitários não foram contemplados nessa tabela por serem estatisticamente não relevantes. Tabela 13 Cursos (classe OCDE) e respectiva quantidade de Centros Universitários que os ofertam, por Categoria Administrativa CLASSE CATEGORIA ADMINISTRATIVA Privado % Público % Total % Administração % 9 90% % Ciências Contábeis % 9 90% % Direito % 5 50% % Pedagogia % 6 60% % Engenharia 97 75% 7 70% % Ciência da computação 88 68% 9 90% 97 70% Enfermagem 92 71% 3 30% 95 68% Comunicação Social 89 69% 5 50% 94 68% Educação Física 83 64% 7 70% 90 65% Ciências Biológicas 84 65% 1 10% 85 61% Fisioterapia 80 62% 2 20% 82 59% Letras 72 56% 2 20% 74 53% Psicologia 60 47% 7 70% 67 48% Nutrição 61 47% 0 0% 61 44% Farmácia 56 43% 3 30% 59 42% Design 56 43% 2 20% 58 42% Arquitetura e Urbanismo 55 43% 2 20% 57 41% Análise de sistemas 52 40% 1 10% 53 38% História 45 35% 1 10% 46 33% Serviço Social e orientação 44 34% 0 0% 44 32% Matemática 41 32% 2 20% 43 31% Turismo 38 29% 2 20% 40 29% Ciências ambientais e proteção ambiental 36 28% 0 0% 36 26% Serviços de beleza 36 28% 0 0% 36 26% Hotelaria 29 22% 0 0% 29 21% Relações Internacionais 28 22% 0 0% 28 20% Sistemas de informação 28 22% 0 0% 28 20% Veterinária 25 19% 2 20% 27 19% Odontologia 24 19% 2 20% 26 19% Economia 21 16% 3 30% 24 17% Gereciamento, Comércio e Vendas 24 19% 0 0% 24 17% Profissões industriais 23 18% 1 10% 24 17% Geografia 22 17% 1 10% 23 17% Agronomia 20 16% 2 20% 22 16% Química 22 17% 0 0% 22 16% Medicina 19 15% 1 10% 20 14% Tecnologia de diagnósticos e tratamento 19 15% 0 0% 19 14% Uso do Computador 19 15% 0 0% 19 14% Secretariado 17 13% 1 10% 18 13% Filosofia 15 12% 0 0% 15 11% Fonoaudiologia 14 11% 0 0% 14 10% Religião e Teologia 13 10% 1 10% 14 10% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Nota - 33 cursos foram excluído por estarem presentes em menos de 10% dos centros universitários. 46

47 A Tabela 13 demonstra que Administração, Ciências Contábeis, Direito, Pedagogia, Engenharia e Ciência da Computação são as áreas de cursos mais ofertados pelos centros universitários. Essas IES concentram seus cursos nas áreas de ciências sociais aplicadas e de ciências jurídicas. Na área das ciências da saúde, os cursos mais oferecidos são os de Enfermagem, Ciências Biológicas e Fisioterapia. O curso de Odontologia é oferecido por vinte e seis centros universitários, sendo dois deles públicos. O curso de Medicina é oferecido por vinte centros universitários, sendo apenas um ofertado por instituição pública. 3.4 DOCENTES DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS De acordo com a legislação em vigor, uma das características das instituições universitárias é a qualificação de seu corpo docente. Conforme a Resolução CES/CNE no. 1/2010, os centros universitários devem ter, no mínimo, 33% de professores com titulação de mestrado ou doutorado. A Tabela 14 mostra a concentração da titulação dos professores no período de 2008 a 2012, segundo as informações declaradas no Censo da Educação Superior Tabela 14 Distribuição anual de Docentes segundo a Titulação Acadêmica 2008/12 TITULAÇÃO ACADÊMICA Doutorado Mestrado Especialização Graduação Sem Graduação Total Doutorado 13% 15% 16% 17% 18% Mestrado 43% 45% 47% 49% 51% Especialização 34% 34% 34% 32% 31% Graduação 10% 6% 3% 1% 0% Sem Graduação 0% 0% 0% 0% 0% Total 100% 100% 100% 100% 100% Fonte Censo da Educação Superior

48 Em 2008, os centros universitários possuíam 56% de docentes com titulação de mestrado e doutorado. Percebemos, pela Tabela 14, que esse percentual foi crescendo gradativamente e atingiu, em 2012, a soma de 69% de professores com titulação de pósgraduação stricto sensu. Nesse mesmo ano, os dados estatísticos referentes aos docentes que possuem apenas graduação é insignificante, sendo representado por 0%. De acordo com a Resolução CES/CNE n. 1/2010, os centros universitários deverão ter, no mínimo, 20% de professores em regime de tempo integral. A Tabela 15 apresenta o regime de trabalho dos professores que atuam nos centros universitários. Tabela 15 Distribuição anual de Docentes segundo Regime de Trabalho 2008/12 REGIME DE TRABALHO Integral Parcial Horista Total Integral 21% 24% 25% 25% 26% Parcial 25% 23% 26% 28% 30% Horista 54% 54% 49% 47% 44% Total 100% 100% 100% 100% 100% Fonte Censo da Educação Superior 2012 A Tabela 15 demonstra que, no geral, esse percentual é atendido pelos centros universitários, pois o somatório de professores em tempo integral dessa categoria acadêmica está acima de 20%, desde 2008, tendo atingido, em 2012, 26%. O percentual de professores atuando em tempo parcial representou, em 2012, 30% e o percentual de professores que atuam como horista foi 44%. 3.5 O PERFIL DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS A partir desse momento, serão apresentadas as informações individualizadas referentes a essa organização acadêmica ou segundo o grupo a que pertencem. Para organizar as informações das seções seguintes, foram utilizadas três fontes de dados: Censo da Educação Superior, e-mec, e os registros de pareceres do CNE. 48

49 As tabelas das subseções que seguem foram organizadas conforme a base de dados do Censo da Educação Superior e, portanto, contemplam apenas 139 centros universitários, os quais foram divididos em três grupos. O Grupo 1 é formado pelos centros universitários registrados no e-mec como privados e que oferecem apenas ensino na modalidade presencial (116 centros); o Grupo 2 é formado pelos centros universitários privados que ofertam, concomitantemente, cursos de graduação nas modalidades presencial e a distância (13 centros); e o Grupo 3 é formado pelos centros universitários registrados no e-mec como públicos e especiais, conforme visto anteriormente (10 centros). O perfil de cada grupo será apresentado com as informações sobre a localização da sede dos centros universitários e de suas respectivas unidades de ensino, sobre a quantidade de matrículas, e sobre os indicadores de qualidade da educação superior brasileira, como, por exemplo, titulação e regime de trabalho docente, faixa do conceito CPC e IGC dessas IES e de seus cursos PERFIL DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 PRIVADOS QUE OFERECEM APENAS ENSINO PRESENCIAL Esta seção e suas respectivas subseções apresentam o perfil dos centros universitários do Grupo 1, formado pelos 116 centros universitários cuja natureza jurídica é registrada no e-mec como privada e que oferecem apenas ensino na modalidade presencial. Para melhor analisar os dados das IES que compõem esse grupo, elas foram subdivididas em centros universitários de grande porte que possuem mais de dez mil alunos, de médio porte centros universitários que possuem entre cinco e dez mil alunos, e de pequeno porte centros universitários que possuem menos de cinco mil alunos. Em um primeiro momento, serão apresentadas informações gerais sobre esses três subgrupos, a fim de se comparar seus perfis ATUAÇÃO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 49

50 O Quadro 4 apresenta a localização das sedes dos centros universitários do Grupo 1, por região e UF. Conforme o parâmetro descrito acima, o sistema federal de ensino possui 15 centros universitários de grande porte, 39 centros universitários de médio porte e 62 centros de pequeno porte, distribuídos conforme Quadro 4. Quadro 4 - Localização das Sedes dos Centros Universitários por Região, segundo o Porte 2012 PORTE REGIÃO Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul Grande - AL:1,BA:1,CE:1,PE:1 DF:2 MG:2,RJ:2,SP:5 - Médio - PB:1,PI:1 DF:3,GO:2,MT:1,MS:1 MG:4,RJ:6,SP:14 PR:1,RS:5 Pequeno AM:2,PA:2,RO:1,TO:1 CE:1,RN:2 GO:1.MT:1 Es:2,MG:8,RJ:9,SP:25 PR:3,SC:4 Total 6 Centros 9 Centros 11 Centros 77 Centros 13 Centros Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com o Quadro 4, os centros universitários de grande porte estão localizados na Região Nordeste (4), na Região Centro-Oeste (2) e na Região Sudeste (9). Os centros universitários de médio porte encontram-se na Região Nordeste (2), na Região Centro-Oeste (7), na Região Sudeste (24), e na Região Sul (6). Os de pequeno porte situam-se na Região Norte (6), na Região Nordeste (3), Na Região Centro-Oeste (2), na Região Sudeste (44), e na Região Sul (7). A região Norte possui a menor concentração de centros universitários (6), todos de pequeno porte, e a Região Sudeste possui a maior quantidade de IES com essa organização acadêmica (77) MATRÍCULAS NOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 A Tabela 16 apresenta a quantidade de matrículas nos centros universitários do Grupo 1. No total, as IES que compõem esse grupo, computaram matrículas em Os quinze centros universitários de grande porte detêm 35% das matrículas, os centros universitários de médio porte totalizam 39% das matrículas, e os centros universitários de pequeno porte representam 27% desse total. Os cursos que constam do Censo da Educação Superior como não aplicável são os cursos sequenciais. 50

51 Tabela 16 - Quantidade de Matrículas, por Grau Acadêmico, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE GRAU ACADÊMICO Bacharelado % Licenciatura % Tecnológico % Não Aplicável % TOTAL % Grande % % % 106 0,04% % Médio % % % 329 0,12% % Pequeno % % % 775 0,41% % Total % % % ,17% % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Os cursos de graduação, segundo a Tabela 16, concentram 77% das matrículas dos centros universitários do Grupo 1, seguidos dos cursos superior de tecnologia (14%) e das licenciaturas (9%). Esses dados revelam que a procura pela formação profissional em cursos de bacharelado é bem maior que a formação profissional em cursos superiores de tecnologia. Essa característica é diferente nos cursos do Grupo 2, conforme será visto posteriormente. As tabelas de 17 a 22 apresentam a quantidade de matrículas dos centros universitários por Região, segundo o porte. Tabela 17 - Quantidade de Matrículas, por Região, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE REGIÃO Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul TOTAL % Grande % Médio % Pequeno % Total % % 3% 12% 11% 64% 9% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Conforme Tabela 17, a maior concentração de matrículas nessas IES está na região Sudeste (64%), seguida das regiões Nordeste (12%), Centro-Oeste (11%), Sul (9%) e Norte (3%). Os centros universitários de médio porte concentram 39% dos estudantes dessas instituições de ensino. Em relação à quantidade de matrículas em todas as IES dessa organização acadêmica, os centros universitários do Grupo 1 representam 64% do total de Tabela 18- Quantidade de Matrículas, na Região Norte, segundo o Porte do Centro universitário

52 PORTE REGIÃO NORTE AM PA RO TO TOTAL Pequeno % 31% 32% 14% 23% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Na Região Norte, segundo a Tabela 18, o Pará é a Unidade da Federação (UF) que possui maior concentração de matrículas (32%), seguida do Amazonas, do Tocantins (23%) e de Roraima (14%). Tabela 19 Quantidade de Matrículas, na Região Nordeste, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE REGIÃO NORDESTE AL BA CE PB PE PI RN TOTAL % Grande % Médio % Pequeno % Total % % 12% 13% 27% 10% 22% 7% 10% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 A Tabela 19 demonstra que, no Nordeste, o Ceará detém 27% das matrículas dos centros universitários, seguido de Pernambuco (22%), Bahia (13%), Alagoas (12%), Paraíba, Rio Grande do Norte (10%) e Piauí (7%). Nessa Região, os centros universitários de grande porte concentram 70% das matrículas. Tabela 20 Quantidade de Matrículas, na Região Centro-Oeste, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE REGIÃO CENTRO OESTE DF GO MT MS TOTAL % Grande % Médio % Pequeno % Total % % 58% 20% 15% 7% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Na Região Centro-Oeste, os centros universitários de médio porte detêm 57% das matrículas. De acordo com a Tabela 20, o DF concentra 58% dos estudantes dessas IES, seguido de Goiás (20%), de Mato Grosso (15%) e de Mato Grosso do Sul (7%). 52

53 Tabela 21 - Quantidade de Matrículas, na Região Sudeste, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE REGIÃO SUDESTE ES MG RJ SP TOTAL % Grande % Médio % Pequeno % Total % % 2% 17% 21% 60% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Segundo a Tabela 21, São Paulo concentra 70% das matrículas da Região Sudeste, seguido do Rio de Janeiro (21%), de minas Gerais (17%) e do Espírito Santo (2%). Os centros universitários de médio porte, situados no Sudeste, detêm 38% das matrículas, os de grande porte agrupam 35% das matrículas e os de pequeno porte detêm 27% de matrículas. Tabela 22 - Quantidade de Matrículas, na Região Sul, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE REGIÃO SUL PR RS SC TOTAL % Médio % Pequeno % Total % % 26% 54% 20% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Na Região Sul, segundo a Tabela 22, o Rio Grande do Sul concentra 54% das matrículas dos centros universitários, o Paraná, 26%, e Santa Catarina detém 20% das matrículas dessa região. Na Região Sul, os centros universitários de médio porte agrupam 63% das matrículas das IES dessa organização acadêmica DISTRIBUIÇÃO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 PELO NÚMERO DE INGRESSANTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO As tabelas de 23 a 28 apresentam a quantidade de ingressantes nos centros universitários, segundo o porte e o grau acadêmico. O grau acadêmico não aplicável se 53

54 referem aos cursos sequenciais, que não conferem grau acadêmico aos estudantes. O número de ingressantes nesses cursos é muito pequeno 595 alunos. Tabela 23 - Quantidade de Ingressantes, por Grau Acadêmico, segundo o Porte do Centro Universitário PORTE GRAU ACADÊMICO Bacharelado % Licenciatura % Tecnológico % Não Aplicável % TOTAL % Grande % % % 80 0,07% % Médio % % % 149 0,14% % Pequeno % % % 366 0,53% % Total % % % 595 0,20% % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 O percentual de alunos ingressantes nos cursos de bacharelado foi, em 2012, 71%, conforme demonstra a Tabela 23. Nos cursos tecnológicos, esse percentual foi de 21%, seguido dos cursos de licenciatura que tiveram 8% de ingressantes. Esses percentuais, se comparados com os de matrícula, corroboram os dados da Tabela 16. A procura pelos cursos de bacharelado, na modalidade presencial, é bem maior que a procura pelos cursos superiores de tecnologia. Todavia, podemos perceber que o percentual de ingressantes nesses cursos é superior ao percentual de matrículas (20%). A Tabela 24 apresenta o total de ingressantes por região, segundo o porte dos centros universitários. Tabela 24 - Quantidade de Ingressantes, por Região, segundo o Porte do Centro Universitário REGIÃO PORTE TOTAL % Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul Grande % Médio % Pequeno % Total % % 2% 12% 11% 66% 8% 100% Fonte - Censo do Ensino Superior 2012 A Tabela 24 mostra que a região Sudeste recebeu 66% dos estudantes ingressantes nos centros universitários, seguida das regiões Nordeste (12%), Centro- Oeste (11%), Sul (8%) e Norte (2%). Os centros universitários de grande porte tiveram maior percentual de alunos ingressantes (40%), seguidos dos de médio porte (36%) e dos de pequeno porte (24%). Em relação ao total de ingressantes nos centros universitários brasileiros (Tabela 10) os ingressantes nas IES que compõem o Grupo 1 representam 58% desse total. 54

55 A partir das próximas seções, serão apresentados os dados individuais de cada um dos 139 centros universitários encontrados na base do Censo da Educação Superior DISTRIBUIÇÃO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 POR TITULAÇÃO E REGIME DE TRABALHO DOS DOCENTES Segundo o Decreto nº 5.786/2006, os centros universitários devem ter, pelo menos, um terço de seu corpo docente com titulação acadêmica de mestrado ou doutorado. A Tabela 25 apresenta a quantidade de docentes que atuam nos centros universitários de grande porte. Tabela 25 - Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Grande Porte, por Titulação 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO TITULAÇÃO Doutorado % Mestrado % Especialização % Graduação % TOTAL % DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS % % % 0 0% % UNA % % % 0 0% % DE BELO HORIZONTE 93 15% % % 0 0% 633 8% CESMAC 59 10% % % 0 0% 609 7% MAURÍCIO DE NASSAU 74 12% % % 0 0% 605 7% DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA 56 - IESB9% % % 0 0% 602 7% DA CIDADE 70 13% % % 15 3% 531 6% DE BRASÍLIA % % % 0 0% 511 6% AUGUSTO MOTTA % % 99 21% 0 0% 473 6% Estácio do Ceará 34 8% % % 0 0% 429 5% ANHANGUERA DE SÃO PAULO 36 9% % % 0 0% 391 5% Estácio Radial de São Paulo - Estácio UNIRADIAL44 12% % % 0 0% 377 5% NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO 33 9% % % 0 0% 366 4% Estácio da Bahia - Estácio FIB 36 13% % % 0 0% 272 3% ÍTALO-BRASILEIRO 29 16% 73 39% 84 45% 0 0% 186 2% Total % % % 15 0% % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Segundo a Tabela 25, os centros universitários de grande porte computam docentes, sendo que 15% deles possuem título de doutor, 51% possuem título de mestre, 35% são especialistas. A soma do percentual de professores doutores e mestres nessas IES é 66%. Apenas um centro universitário de grande porte demonstra ter 15 docentes sem curso de pós-graduação. Estatisticamente, esse número é insignificante em relação ao total e, por esse motivo, a representação do total de docentes graduados é 0%. A soma do percentual de professores mestres e doutores, em todos os centros universitários de grande porte é maior ou igual a 40%. 55

56 A Tabela 26 apresenta a quantidade de professores dos centros universitários de médio porte, por titulação. Ao todo, essas IES possuem docentes, segundo a Tabela 26. Tabela 26 - Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Médio Porte, por Titulação 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO TITULAÇÃO Doutorado % Mestrado % Especialização % Graduação % TOTAL % SENAC 80 16% % % 0 0% 499 4% DE JOÃO PESSOA 93 20% % % 0 0% 471 4% DE VOLTA REDONDA % % 78 18% 0 0% 443 4% PADRE ANCHIETA 81 19% % % 0 0% 436 4% FRANCISCANO 95 22% % 35 8% 12 3% 435 4% DE ANÁPOLIS 64 15% % % 0 0% 432 4% SÃO CAMILO % % 87 21% 0 0% 412 3% DE ARARAQUARA % % 94 23% 2 0% 411 3% FIEO % % 57 14% 20 5% 411 3% SALESIANO DE SÃO PAULO % % 59 15% 0 0% 383 3% UNIVATES 66 18% % 55 15% 0 0% 373 3% METODISTA 90 25% % 40 11% 0 0% 355 3% DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL INACIANA PE SABÓIA 173DE MEDEIROS 50% % 50 14% 0 0% 348 3% METODISTA IZABELA HENDRIX 42 12% % 35 10% 12 3% 346 3% DE VÁRZEA GRANDE 47 14% % % 0 0% 338 3% SANT ANNA 49 15% % % 0 0% 319 3% FIAM-FAAM % % 45 15% 0 0% 305 2% RITTER DOS REIS 79 26% % 24 8% 2 1% 304 2% DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS % % 29 10% 22 7% 299 2% EURO-AMERICANO 47 16% % 99 33% 0 0% 296 2% ADVENTISTA DE SÃO PAULO 90 30% % 60 20% 0 0% 296 2% DO DISTRITO FEDERAL 44 15% % 95 32% 0 0% 294 2% ANHANGUERA 40 14% 63 22% % 0 0% 287 2% DO LESTE DE MINAS GERAIS 33 12% % % 0 0% 285 2% ABEU % % 71 25% 0 0% 279 2% DA FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E 32 TECNOLÓGICAS 12% DO PIAUÍ % % 0 0% 275 2% FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ 89 34% % 64 24% 0 0% 263 2% DE PATOS DE MINAS 25 10% % % 0 0% 261 2% LA SALLE 87 34% % 22 8% 4 2% 259 2% DO TRIÂNGULO 23 9% % % 0 0% 248 2% DE BARRA MANSA 37 15% % 70 28% 3 1% 246 2% CURITIBA 52 22% % 55 23% 0 0% 239 2% PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN 41 18% % 86 38% 0 0% 228 2% ANHANGUERA DE NITERÓI 33 15% 95 42% 99 44% 0 0% 227 2% DE GOIÁS 27 13% % 51 24% 0 0% 214 2% CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM 33 16% % 36 17% 0 0% 208 2% CELSO LISBOA 21 12% 90 52% 47 27% 15 9% 173 1% ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE 27 16% 32 19% % 0 0% 169 1% CARIOCA 41 28% 76 53% 27 19% 0 0% 144 1% Total % % % 92 1% % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Desse total, 22% são doutores, 52% possuem titulação de mestrado, 26% são especialistas e nove centros universitários declararam ter em seu quadro professores sem pós-graduação, totalizando 1% do total. A soma do percentual de professores mestres e doutores, em todos os centros universitários de médio porte, é igual ou maior que 35%. A Tabela 27 apresenta a quantidade de docentes que atua nos centros universitários de pequeno porte, por titulação. Essas IES possuem, juntas, professores em atividade. 56

57 Tabela 27 - Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Pequeno Porte, por Titulação 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO TITULAÇÃO Doutorado % Mestrado % Especialização % Graduação % TOTAL % SERRA DOS ÓRGÃOS 98 18% % % 14 3% 555 5% BARÃO DE MAUÁ % % % 0 0% 429 4% DO ESTADO DO PARÁ 70 19% % 88 24% 0 0% 365 4% FILADÉLFIA 42 14% % % 0 0% 310 3% FAE 63 21% % 53 17% 0 0% 307 3% DO ESPÍRITO SANTO 29 11% % % 0 0% 272 3% GERALDO DI BIASE 47 17% % 60 22% 0 0% 269 3% MONTE SERRAT 31 12% % % 0 0% 252 2% DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA 92 40% 94 41% 46 20% 0 0% 232 2% CHRISTUS 58 26% % 25 11% 0 0% 227 2% MOURA LACERDA 54 24% % 52 23% 0 0% 223 2% CENTRAL PAULISTA 80 37% 95 43% 44 20% 0 0% 219 2% DE SETE LAGOAS 37 17% % 41 19% 0 0% 212 2% BELAS ARTES DE SÃO PAULO 51 25% % 50 24% 0 0% 208 2% LUSÍADA 37 19% % 52 26% 0 0% 200 2% LUTERANO DE PALMAS 14 7% 90 46% 92 47% 0 0% 196 2% DE FORMIGA 20 10% 85 43% 91 46% 0 0% 196 2% DE CARATINGA 25 13% 93 48% 76 39% 0 0% 194 2% - Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul19 10% % 57 30% 0 0% 188 2% HERMÍNIO DA SILVEIRA 43 23% 97 52% 45 24% 0 0% 185 2% DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS 12 7% 87 48% 82 45% 0 0% 181 2% DE VOTUPORANGA 32 18% 88 49% 58 33% 0 0% 178 2% DO NORTE PAULISTA 22 12% 73 41% 83 47% 0 0% 178 2% FACEX 17 10% 90 53% 62 37% 0 0% 169 2% CENTRO REGIONAL UNIVERSITÁRIO DE ESPÍRITO SANTO 34 DO 20% PINHAL 76 46% 57 34% 0 0% 167 2% DO RIO GRANDE DO NORTE 27 16% 90 54% 49 30% 0 0% 166 2% DE ITAJUBÁ 25 15% % 37 23% 0 0% 164 2% CAMPOS DE ANDRADE 36 23% 92 58% 32 20% 0 0% 160 2% FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS - FEOB22 14% 70 45% 65 41% 0 0% 157 2% FACVEST 39 25% % 0 0% 0 0% 156 2% FLUMINENSE 16 11% 75 49% 61 40% 0 0% 152 1% UNIFAFIBE 21 14% 95 63% 34 23% 0 0% 150 1% METROPOLITANO DE SÃO PAULO 16 11% 64 45% 63 44% 0 0% 143 1% FECAP 48 34% 86 61% 6 4% 0 0% 140 1% DE LAVRAS 23 17% 89 65% 25 18% 0 0% 137 1% CÂNDIDO RONDON 19 14% 86 63% 31 23% 0 0% 136 1% TOLEDO 20 15% 73 54% 43 32% 0 0% 136 1% DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ 19 14% 74 55% 42 31% 0 0% 135 1% DO PLANALTO DE ARAXÁ 16 12% 60 45% 58 43% 0 0% 134 1% EURÍPEDES DE MARÍLIA 17 13% 58 45% 53 41% 2 2% 130 1% DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE 7 6% 34 27% 83 67% 0 0% 124 1% LUTERANO DE JI-PARANÁ 10 8% 66 54% 46 37% 1 1% 123 1% SÃO CAMILO - ESPÍRITO SANTO 10 8% 70 58% 40 33% 0 0% 120 1% ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA 23 19% 70 58% 27 23% 0 0% 120 1% DO CERRADO-PATROCÍNIO 8 7% 62 53% 47 40% 0 0% 117 1% ASSUNÇÃO 20 17% 62 54% 32 28% 1 1% 115 1% ANHANGÜERA 15 13% 24 21% 76 66% 0 0% 115 1% AMPARENSE 8 7% 37 34% 63 58% 0 0% 108 1% LA SALLE DO RIO DE JANEIRO 24 22% 77 71% 7 6% 0 0% 108 1% DE LINS 26 25% 57 54% 23 22% 0 0% 106 1% de Bauru 26 25% 57 55% 15 15% 5 5% 103 1% MÓDULO 11 12% 62 66% 21 22% 0 0% 94 1% MOACYR SREDER BASTOS 19 21% 51 57% 20 22% 0 0% 90 1% LUTERANO DE MANAUS 9 10% 47 54% 31 36% 0 0% 87 1% DE JALES 6 7% 28 33% 51 60% 0 0% 85 1% LUTERANO DE SANTARÉM 3 4% 32 40% 38 47% 8 10% 81 1% METODISTA BENNETT 19 27% 41 58% 10 14% 1 1% 71 1% Católica de Santa Catarina em Joinville 24 34% 36 51% 10 14% 0 0% 70 1% SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA 5 8% 26 43% 29 48% 0 0% 60 1% CAPITAL 10 20% 23 47% 16 33% 0 0% 49 0% CONSERVATÓRIO BRASILEIRO DE MÚSICA % 26 54% 17 35% 0 0% 48 0% PAULISTANO 4 11% 19 50% 15 39% 0 0% 38 0% Total % % % 32 0% % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Segundo a Tabela 27, dos docentes que atuam nos centros universitários de pequeno porte, 17% são doutores, 51% são mestres, 31% são especialistas, percentualmente, 0% são graduados. Todavia, há sete centros universitários que declararam ter professores apenas graduados em seu quadro. O total do percentual de professores mestres e doutores atuantes nesses centros é 68%. A soma dos percentuais 57

58 de professores com pós-graduação stricto sensu, em todos os centros universitários de pequeno porte, é igual ou superior a 34%. Segundo a legislação vigente, os centros universitários devem ter um quinto do corpo docente em regime de tempo integral. A tabela 28 apresenta a quantidade de docentes que atuaram em tempo integral, parcial e horistas nos centros universitários de grande porte, em Tabela 28 - Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Grande Porte, por Regime de Trabalho 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIME DE TRABALHO Integral % Parcial % Horista % TOTAL % DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS % % % % UNA % % % % DE BELO HORIZONTE % 71 11% % 633 8% CESMAC % % % 609 7% MAURÍCIO DE NASSAU % 55 9% % 605 7% DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB % % % 602 7% DA CIDADE % 31 6% % 531 6% DE BRASÍLIA % % % 511 6% AUGUSTO MOTTA 97 21% 67 14% % 473 6% Estácio do Ceará 92 21% % % 429 5% ANHANGUERA DE SÃO PAULO 79 20% 80 20% % 391 5% Estácio Radial de São Paulo - Estácio UNIRADIAL 77 20% % % 377 5% NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO 74 20% 33 9% % 366 4% Estácio da Bahia - Estácio FIB 63 23% 74 27% % 272 3% ÍTALO-BRASILEIRO 66 35% 55 30% 65 35% 186 2% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Das quinze IES que compõem esse subgrupo, apenas uma demonstra ter menos que 20% de professores atuando em tempo integral. Essa IES foi credenciada por ato estadual. Em três dos centros universitários de grande porte, o percentual de professores em tempo integral é igual ou superior a 30%. Do total de professores que atuam nas IES desse subgrupo, 26% atuam em tempo parcial e 50% são horistas. A Tabela 29 apresenta a quantidade de docentes, por titulação, dos centros universitários de médio porte. 58

59 Tabela 29 - Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Médio Porte, por Regime de Trabalho 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIME DE TRABALHO Integral % Parcial % Horista % TOTAL % SENAC % % % 499 4% DE JOÃO PESSOA % % 23 5% 471 4% DE VOLTA REDONDA % % 26 6% 443 4% PADRE ANCHIETA % 18 4% % 436 4% FRANCISCANO % % 27 6% 435 4% DE ANÁPOLIS 87 20% 90 21% % 432 4% SÃO CAMILO 83 20% % % 412 3% DE ARARAQUARA 94 23% % % 411 3% FIEO 75 18% 31 8% % 411 3% SALESIANO DE SÃO PAULO 88 23% % % 383 3% UNIVATES % % % 373 3% METODISTA 82 23% % % 355 3% DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL INACIANA PE SABÓIA DE MEDEIROS 76 22% 0 0% % 348 3% METODISTA IZABELA HENDRIX 47 14% 30 9% % 346 3% DE VÁRZEA GRANDE 64 19% % % 338 3% SANT ANNA 64 20% 75 24% % 319 3% FIAM-FAAM % % 68 22% 305 2% RITTER DOS REIS 64 21% 70 23% % 304 2% DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS 76 25% 34 11% % 299 2% EURO-AMERICANO 80 27% % 22 7% 296 2% ADVENTISTA DE SÃO PAULO % 65 22% % 296 2% DO DISTRITO FEDERAL 75 26% 81 28% % 294 2% ANHANGUERA 58 20% 96 33% % 287 2% DO LESTE DE MINAS GERAIS 58 20% % % 285 2% ABEU % 31 11% % 279 2% DA FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS DO 65PIAUÍ 24% 97 35% % 275 2% FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ 41 16% 1 0% % 263 2% DE PATOS DE MINAS % 53 20% % 261 2% LA SALLE 86 33% 49 19% % 259 2% DO TRIÂNGULO 13 5% % % 248 2% DE BARRA MANSA 50 20% 70 28% % 246 2% CURITIBA 51 21% 95 40% 93 39% 239 2% PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN 79 35% 82 36% 67 29% 228 2% ANHANGUERA DE NITERÓI 50 22% 45 20% % 227 2% DE GOIÁS 49 23% 49 23% % 214 2% CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM 81 39% 66 32% 61 29% 208 2% CELSO LISBOA 13 8% 30 17% % 173 1% ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE 39 23% 81 48% 49 29% 169 1% CARIOCA 40 28% 49 34% 55 38% 144 1% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Segundo a Tabela 29, há nove centros universitários que demonstram ter percentual acima de 30% de professores atuando em tempo integral. Em sete deles, esse percentual está abaixo de 20%, sendo que, em duas dessas IES, esse percentual está abaixo de 10%. O percentual de professores que atuam em tempo parcial nas IES desse subgrupo é 30% e o percentual de professores horistas dos centros universitários de médio porte é 44%. Há, pelo menos, seis, dos trinta e nove centros que compõem esse subgrupo, cujo percentual de professores horistas é superior a 70%. 59

60 A Tabela 30 apresenta o regime de trabalho dos centros universitários de pequeno porte. Tabela 30 - Quantidade de Docentes em Centros Universitários de Pequeno Porte, por Regime de Trabalho 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIME DE TRABALHO Integral % Parcial % Horista % TOTAL % SERRA DOS ÓRGÃOS % % 85 15% 555 5% BARÃO DE MAUÁ 85 20% % % 429 4% DO ESTADO DO PARÁ 86 24% % 50 14% 365 4% FILADÉLFIA 68 22% 99 32% % 310 3% FAE % % 4 1% 307 3% DO ESPÍRITO SANTO 60 22% 45 17% % 272 3% GERALDO DI BIASE 65 24% % 51 19% 269 3% MONTE SERRAT 25 10% 51 20% % 252 2% DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA 61 26% 18 8% % 232 2% CHRISTUS % 77 34% 0 0% 227 2% MOURA LACERDA 45 20% 30 13% % 223 2% CENTRAL PAULISTA 51 23% 65 30% % 219 2% DE SETE LAGOAS 43 20% 32 15% % 212 2% BELAS ARTES DE SÃO PAULO 31 15% 46 22% % 208 2% LUSÍADA 56 28% 70 35% 74 37% 200 2% LUTERANO DE PALMAS 76 39% % 10 5% 196 2% DE FORMIGA 41 21% 41 21% % 196 2% DE CARATINGA 42 22% 36 19% % 194 2% - Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul 44 23% 77 41% 67 36% 188 2% HERMÍNIO DA SILVEIRA 17 9% 1 1% % 185 2% DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS 68 38% 53 29% 60 33% 181 2% DE VOTUPORANGA 50 28% 65 37% 63 35% 178 2% DO NORTE PAULISTA 36 20% 84 47% 58 33% 178 2% FACEX 35 21% 22 13% % 169 2% CENTRO REGIONAL UNIVERSITÁRIO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL 6 4% 59 35% % 167 2% DO RIO GRANDE DO NORTE 82 49% 84 51% 0 0% 166 2% DE ITAJUBÁ 40 24% 79 48% 45 27% 164 2% CAMPOS DE ANDRADE 42 26% 42 26% 76 48% 160 2% FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS - FEOB 37 24% 43 27% 77 49% 157 2% FACVEST 28 18% % 0 0% 156 2% FLUMINENSE 37 24% 82 54% 33 22% 152 1% UNIFAFIBE 37 25% 52 35% 61 41% 150 1% METROPOLITANO DE SÃO PAULO 39 27% 34 24% 70 49% 143 1% FECAP 33 24% 10 7% 97 69% 140 1% DE LAVRAS 32 23% 46 34% 59 43% 137 1% CÂNDIDO RONDON 37 27% 57 42% 42 31% 136 1% TOLEDO 27 20% 39 29% 70 51% 136 1% DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ 35 26% 39 29% 61 45% 135 1% DO PLANALTO DE ARAXÁ 32 24% 52 39% 50 37% 134 1% EURÍPEDES DE MARÍLIA 26 20% 25 19% 79 61% 130 1% DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE 41 33% 5 4% 78 63% 124 1% LUTERANO DE JI-PARANÁ 56 46% 52 42% 15 12% 123 1% SÃO CAMILO - ESPÍRITO SANTO 32 27% 11 9% 77 64% 120 1% ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA 40 33% 48 40% 32 27% 120 1% DO CERRADO-PATROCÍNIO 36 31% 38 32% 43 37% 117 1% ASSUNÇÃO 24 21% 40 35% 51 44% 115 1% ANHANGÜERA 24 21% 9 8% 82 71% 115 1% AMPARENSE 27 25% 20 19% 61 56% 108 1% LA SALLE DO RIO DE JANEIRO 24 22% 18 17% 66 61% 108 1% DE LINS 32 30% 25 24% 49 46% 106 1% de Bauru 23 22% 62 60% 18 17% 103 1% MÓDULO 31 33% 44 47% 19 20% 94 1% MOACYR SREDER BASTOS 19 21% 31 34% 40 44% 90 1% LUTERANO DE MANAUS 30 34% 49 56% 8 9% 87 1% DE JALES 25 29% 32 38% 28 33% 85 1% LUTERANO DE SANTARÉM 21 26% 51 63% 9 11% 81 1% METODISTA BENNETT 7 10% 0 0% 64 90% 71 1% Católica de Santa Catarina em Joinville 15 21% 21 30% 34 49% 70 1% SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA 5 8% 14 23% 41 68% 60 1% CAPITAL 8 16% 26 53% 15 31% 49 0% CONSERVATÓRIO BRASILEIRO DE MÚSICA % 30 63% 10 21% 48 0% PAULISTANO 11 29% 12 32% 15 39% 38 0% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior

61 Conforme Tabela 30, 12 centros universitários de pequeno porte declararam ter 30% ou mais de professores atuando em tempo integral, em Das 62 IES que compõem esse subgrupo, há nove que possuem percentual de professores em tempo integral abaixo de 20%, sendo que, em cinco delas, o percentual de docentes com essa carga horária é igual ou inferior a 10%. O percentual de professores de tempo parcial nos centros universitários de pequeno porte é 34%. Em três centros universitários desse subgrupo, o percentual de professores horistas é 0% e, em duas IES de pequeno porte, esse percentual é 90%. Os dados desta seção revelam que alguns centros universitários não atendem aos requisitos legais referentes à titulação dos professores e à organização da carga horária de atuação docente, isto é, 20% de docentes atuando em tempo integral OUTROS DADOS RELEVANTES DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 A Resolução CES/CNE n. 1/2010, conforme visto anteriormente, determina que os centros universitários tenham programas de extensão institucionalizados nas áreas de conhecimento abrangidas por seus cursos de graduação, e desenvolvam programas de iniciação científica. Para verificar se esses programas são institucionalizados nos centros universitários, resgatamos os dados declarados no Censo da Educação Superior 2012 sobre os estudantes participantes de atividades extracurriculares como, por exemplo, monitoria, extensão e pesquisa. Os estágios não obrigatórios são uma opção para os discentes. Todavia, como fazem parte das atividades extracurriculares, as informações pertinentes a essa atividade também comporão as tabelas desta seção. As Tabelas 31, 32 e 33 apresentam a quantidade de alunos participantes de atividades extracurriculares de pesquisa, de extensão, de monitoria e de estágio não obrigatório. Não é possível, todavia, por meio desses dados, afirmar a existência de programas de iniciação científica, pois não foram encontradas informações sobre esses programas nos endereços eletrônicos dessas IES. Para tanto, é necessário verificar os 61

62 relatórios de avaliação in loco dos centros universitários, não disponibilizados pelo INEP. De igual forma, não é possível afirmar se os estudantes participam de atividades em programas de extensão junto à comunidade externa ou se são estudantes de cursos de extensão não gratuitos oferecidos pelos centros universitários. Tabela 31 - Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares nos Centros de Grande Porte, por Tipo de Atividade 2012 TIPO DE ATIVIDADE CENTRO UNIVERSITÁRIO Estágio não TOTAL Pesquisa Extensão Monitoria Obrigatório DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB DE BELO HORIZONTE AUGUSTO MOTTA UNA DE BRASÍLIA Estácio do Ceará Estácio da Bahia - Estácio FIB Estácio Radial de São Paulo - Estácio UNIRADIAL MAURÍCIO DE NASSAU DA CIDADE DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS ANHANGUERA DE SÃO PAULO ÍTALO-BRASILEIRO CESMAC NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO Total Fonte: Censo da Educação Superior 2012 Dos estudantes matriculados nos centros universitários de grande porte, participaram de atividades extracurriculares em Entre as quinze IES que compõem esse subgrupo, segundo a Tabela 31, há quatro IES que demonstram ter, efetivamente, estudantes participando de atividades de pesquisa, nove demonstram ter apenas alunos participando de projetos de extensão e seis demonstram ter programa de monitoria. Em pelo menos cinco (33%) centros universitários desse subgrupo encontramos pouco ou nenhum estudante participante de atividade extracurricular de pesquisa e extensão. 62

63 Tabela 32 - Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares nos Centros de Médio Porte, por Tipo de Atividade 2012 TIPO DE ATIVIDADE CENTRO UNIVERSITÁRIO Estágio não TOTAL Pesquisa Extensão Monitoria Obrigatório DO TRIÂNGULO SALESIANO DE SÃO PAULO CELSO LISBOA DE GOIÁS SÃO CAMILO EURO-AMERICANO DA FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS 18 DO PIAUÍ DE VOLTA REDONDA DE ANÁPOLIS LA SALLE SANT ANNA RITTER DOS REIS METODISTA DE BARRA MANSA DO DISTRITO FEDERAL SENAC DE JOÃO PESSOA DE ARARAQUARA DO LESTE DE MINAS GERAIS PADRE ANCHIETA FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FRANCISCANO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL INACIANA PE SABÓIA DE MEDEIROS ABEU DE PATOS DE MINAS DE VÁRZEA GRANDE CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE ANHANGUERA DE NITERÓI ANHANGUERA FIAM-FAAM METODISTA IZABELA HENDRIX FIEO CARIOCA UNIVATES ADVENTISTA DE SÃO PAULO CURITIBA PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Total Fonte: Censo da Educação Superior 2012 No subgrupo dos centros universitários de médio porte, em 2012, dos estudantes matriculados, participaram de atividades extracurriculares. De acordo com a Tabela 32, dezenove centros universitários (49%) demonstram oferecer atividades de pesquisa e de extensão. Treze (33%) das IES que compõem esse subgrupo demonstram não desenvolver atividade de pesquisa, uma vez que não têm estudantes participantes desse tipo de atividade. Onze (28%) centros universitários desse subgrupo demonstram ter pouco ou nenhum estudante participante de atividade extracurricular. 63

64 Tabela 33 - Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares nos Centros de Pequeno Porte, por Tipo de Atividade 2012 TIPO DE ATIVIDADE CENTRO UNIVERSITÁRIO Estágio não TOTAL Pesquisa Extensão Monitoria Obrigatório DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE DO NORTE PAULISTA CHRISTUS SÃO CAMILO - ESPÍRITO SANTO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS TOLEDO DO ESPÍRITO SANTO DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ FRANCISCANO DO PARANÁ DO ESTADO DO PARÁ DE CARATINGA DE LAVRAS UNIFAFIBE SERRA DOS ÓRGÃOS FECAP LUTERANO DE JI-PARANÁ DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA DO PLANALTO DE ARAXÁ Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul DE ITAJUBÁ CENTRAL PAULISTA EURÍPEDES DE MARÍLIA DE FORMIGA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPOS DE ANDRADE FACEX MONTE SERRAT BARÃO DE MAUÁ MÓDULO FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA AMPARENSE ANHANGÜERA LUTERANO DE MANAUS GERALDO DI BIASE LUTERANO DE PALMAS DE LINS LUTERANO DE SANTARÉM Católica de Santa Catarina em Joinville BELAS ARTES DE SÃO PAULO DO CERRADO-PATROCÍNIO DE SETE LAGOAS LA SALLE DO RIO DE JANEIRO LUSÍADA FLUMINENSE CONSERVATÓRIO BRASILEIRO DE MÚSICA ASSUNÇÃO MOURA LACERDA DE VOTUPORANGA CAPITAL PAULISTANO FILADÉLFIA METROPOLITANO DE SÃO PAULO MOACYR SREDER BASTOS METODISTA BENNETT HERMÍNIO DA SILVEIRA de Bauru DE JALES CENTRO REGIONAL UNIVERSITÁRIO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL CÂNDIDO RONDON FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS - FEOB FACVEST SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA Total Fonte: Censo da Educação Superior

65 Dos estudantes matriculados nos centros universitários de pequeno porte, participam de atividades extracurriculares, segundo a Tabela 33. Trinta e uma (50%) IES desse subgrupo demonstram não ter estudantes participantes de atividade de pesquisa. Vinte e sete (43,5%) centros universitários de pequeno porte demonstram não possuir estudantes participantes de atividade de extensão. Desses, vinte e três (37%) declararam não oferecer nenhum tipo de atividade de pesquisa e de extensão. Nos centros universitários de médio e pequeno porte, os estudantes parecem participar mais efetivamente das atividades de extensão. Já nos centros de grande porte, a maior participação dos estudantes é encontrada nas atividades de monitoria RESULTADOS IGC E CPC DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 1 Alguns indicadores de qualidade da educação superior brasileira foram inseridos no SINAES a partir de 2007, quando foram organizados seus ciclos. As Tabelas 34, 35 e 36 apresentam as faixas do IGC dos centros universitários do Grupo 1 e informações sobre a oferta de cursos de pós-graduação stricto sensu por essas IES. Tabela 34 - Indicador de Pós-Graduação e IGC dos Centros Universitário de Grande Porte 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO Pós-Graduação IGC (faixa) DA CIDADE - 2 DE BRASÍLIA doutorado 3 DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS mestrado 3 AUGUSTO MOTTA mestrado 3 DE BELO HORIZONTE mestrado 3 CESMAC mestrado 3 UNA mestrado 3 ÍTALO-BRASILEIRO - 3 ANHANGUERA DE SÃO PAULO - 3 Estácio Radial de São Paulo - Estácio UNIRADIAL - 3 Estácio da Bahia - Estácio FIB - 3 DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BRASÍLIA - IESB - 3 Estácio do Ceará - 3 NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO - 3 MAURÍCIO DE NASSAU - 3 Fonte - Censo da Educação Superior

66 Dos centros universitários de grande porte, apenas um oferece curso de doutorado e cinco oferecem cursos de mestrado. Nove das IES que compõem esse subgrupo não ofertam cursos de pós-graduação stricto sensu, de acordo com a Tabela 34. Quatorze IES desse subgrupo obtiveram faixa IGC igual a 3, em 2012, e uma obteve IGC igual a 2. Nenhum deles obteve nota IGC igual 5. Tabela 35 - Indicador de Pós-Graduação e IGC dos Centros Universitário de Médio Porte 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO Pós-Graduação IGC (faixa) SÃO CAMILO doutorado 3 DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL INACIANA PE SABÓIA DE MEDEIROSdoutorado 3 FRANCISCANO doutorado 3 FIEO mestrado 3 DE ARARAQUARA mestrado 3 DE ANÁPOLIS mestrado 3 ANHANGUERA DE NITERÓI mestrado 3 LA SALLE mestrado 3 SALESIANO DE SÃO PAULO mestrado 3 EURO-AMERICANO mestrado 3 CURITIBA mestrado 3 DA FACULDADE DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TECNOLÓGICAS mestrado DO PIAUÍ 3 METODISTA mestrado 3 DO TRIÂNGULO - 3 METODISTA IZABELA HENDRIX - 3 ANHANGUERA - 3 DE JOÃO PESSOA - 3 DE GOIÁS - 3 SANT ANNA - 3 DE BARRA MANSA - 3 DO DISTRITO FEDERAL - 3 CELSO LISBOA - 3 DE VÁRZEA GRANDE - 3 CARIOCA - 3 DO LESTE DE MINAS GERAIS - 3 ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE - 3 PLANALTO DO DISTRITO FEDERAL - UNIPLAN - 3 FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ - 3 FIAM-FAAM ABEU DE PATOS DE MINAS - 3 DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS - 3 SENAC - 3 PADRE ANCHIETA - 3 CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM - 3 UNIVATES doutorado 4 RITTER DOS REIS mestrado 4 DE VOLTA REDONDA mestrado 4 ADVENTISTA DE SÃO PAULO - 4 Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Segundo a Tabela 35, nenhum dos trinta e nove centros universitários de médio porte obteve nota inferior a 3 no IGC. Quatro das IES desse subgrupo oferecem curso de doutorado e doze oferecem cursos de mestrado. Os demais não ofertam cursos de pós-graduação stricto sensu. Nesse subgrupo, quatro centros universitários obtiveram nota IGC igual 4 e trinta e cinco obtiveram nota IGC igual a 3. Nenhum deles obteve nota IGC igual 5. 66

67 Tabela 36 - Indicador de Pós-Graduação e IGC dos Centros Universitário de Pequeno Porte

68 CENTRO UNIVERSITÁRIO Pós-Graduação IGC (faixa) PAULISTANO - 2 DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE - 2 MOURA LACERDA mestrado 3 LUSÍADA mestrado 3 DO ESTADO DO PARÁ mestrado 3 CAMPOS DE ANDRADE mestrado 3 DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA mestrado 3 BARÃO DE MAUÁ - 3 CONSERVATÓRIO BRASILEIRO DE MÚSICA ASSUNÇÃO - 3 BELAS ARTES DE SÃO PAULO - 3 CAPITAL - 3 FILADÉLFIA - 3 LUTERANO DE JI-PARANÁ - 3 LUTERANO DE SANTARÉM - 3 LUTERANO DE MANAUS - 3 LUTERANO DE PALMAS - 3 SERRA DOS ÓRGÃOS - 3 METROPOLITANO DE SÃO PAULO - 3 MONTE SERRAT - 3 MOACYR SREDER BASTOS - 3 METODISTA BENNETT Católica de Santa Catarina em Jaraguá do Sul - 3 DE ENSINO SUPERIOR DO AMAZONAS - 3 CENTRAL PAULISTA - 3 HERMÍNIO DA SILVEIRA - 3 SÃO CAMILO - ESPÍRITO SANTO - 3 ANHANGÜERA - 3 DO NORTE PAULISTA - 3 MÓDULO - 3 DE JALES - 3 AMPARENSE - 3 CENTRO REGIONAL UNIVERSITÁRIO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL - 3 CÂNDIDO RONDON - 3 TOLEDO - 3 DO CERRADO-PATROCÍNIO - 3 ESTÁCIO DE SÁ DE SANTA CATARINA - 3 GERALDO DI BIASE - 3 DO ESPÍRITO SANTO - 3 DO PLANALTO DE ARAXÁ - 3 LA SALLE DO RIO DE JANEIRO - 3 FUNDAÇÃO DE ENSINO OCTÁVIO BASTOS - FEOB - 3 DE LINS - 3 DE ITAJUBÁ - 3 DE LAVRAS - 3 FACVEST - 3 DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL GUAXUPÉ - 3 DE CARATINGA - 3 DE FORMIGA - 3 FLUMINENSE - 3 DE SETE LAGOAS - 3 SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA - 3 FECAP mestrado 4 FAE mestrado 4 EURÍPEDES DE MARÍLIA mestrado 4 DE VOTUPORANGA - 4 FACEX - 4 de Bauru - 4 DO RIO GRANDE DO NORTE - 4 CHRISTUS - 4 UNIFAFIBE - 4 Católica de Santa Catarina em Joinville - - Fonte - Censo da Educação Superior

69 Dos sessenta e dois centros universitários de pequeno porte, somente oito ofertam curso de mestrado. Os demais não oferecem cursos de pós-graduação stricto sensu. Segundo a Tabela 36, nove IES desse subgrupo obtiveram nota IGC igual a 4, cinquenta e uma obtiveram nota IGC igual a 3 e duas delas obtiveram nota IGC igual a 2. Nenhum centro universitário de pequeno porte obteve nota IGC igual 5. As Tabelas 37, 38 e 39 demonstram o comparativo dos CPC dos grupos verde, azul e vermelho do ciclo SINAES dos cursos dos centros universitários de grande porte do Grupo 1. Tabela 37 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Grande Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS AUGUSTO MOTTA DA CIDADE Enfermagem 2 3 Enfermagem SC 3 Educação Física 3 3 Educação Física 2 2 Fisioterapia 3 3 Fisioterapia 3 2 Farmácia Nutrição UNA Serviço Social 3 3 Farmácia SC 4 Enfermagem 3 3 Nutrição SC 3 DE BELO HORIZONTE Serviço Social SC 4 Educação Física 4 3 Tec. Gestão Hospitalar não avaliada 4 Fisioterapia 3 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 4 Nutrição 3 3 ESTÁCIO DA BA- FIB DE BRASÍLIA-UNICEUB Enfermagem SC 3 Biomedicina 3 3 Farmácia SC 2 Enfermagem 2 3 Fisioterapia 3 3 Educação Física SC 3 Nutrição SC 2 Fisioterapia 3 4 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 2 Nutrição 2 3 NOSSA SRA DO PATROCÍNIO FAC METR. UNIDAS Biomedicina 3 3 Biomedicina 2 2 Enfermagem 3 3 Enfermagem 2 3 Educação Física 2 não avaliada Educação Física 3 3 Fisioterapia 3 3 Fisioterapia 3 3 Farmácia SC 4 Farmácia 3 3 Fonoaudiologia SC 2 Medicina Veterinária 3 3 Nutrição 3 3 Nutrição SC 3 Serviço Social SC 4 Odontologia 2 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Serviço Social SC 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 CESMAC Biomedicina 2 2 ESTÁCIO DO CEARÁ Enfermagem 2 3 Educação Física 3 3 Fisioterapia 3 3 Fisioterapia 3 3 Farmácia 2 3 Tec. Gestão Hospitalar não avaliada 4 Medicina Veterinária 2 3 Nutrição 1 2 Odontologia 2 3 MAURÍCIO DE NASSAU Biomedicina 1 3 ÍTALO-BRASILEIRO Enfermagem SC 3 Enfermagem não avaliada 3 Educação Física SC 3 Educação Física não avaliada 3 Fisioterapia SC 3 Fisioterapia não avaliada 3 Farmácia SC 3 Nutrição SC 3 ESTÁCIO RAD SP -UNIRADIAL Tec. Radiologia SC 4 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 2 Fonte - INEP/MEC 69

70 Segundo a Tabela 37, os cursos superiores de tecnologia em Gestão Hospitalar e em Gestão Ambiental parecem ter sido incluídos no grupo verde do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliados em 2007 e, dessa forma, não há como comparar seus resultados. Os dados dessa tabela demonstram que nove cursos superaram, em 2010, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Quatro cursos obtiveram nota CPC igual a 2 em 2007 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Os demais cursos mantiveram a nota CPC 3 de 2007 no CPC obtido em Nenhum curso desse subgrupo de centros universitários, avaliado positivamente em 2007, teve nota CPC inferior a 3 em Quando o curso não possui estudantes ingressantes ou concluintes para ser inscrito no ENADE, ele recebe conceito SC, conforme visto na seção dois deste trabalho. De acordo com os dados da Tabela 37, alguns cursos aparecem como não avaliados em 2007 ou em Esses dados sugerem que os cursos avaliados pelo grupo verde do ciclo SINAES eram diferentes em 2007 e em 2010 ou, ainda, no caso de o curso ter participado do grupo verde nos dois anos, que a IES pode não ter inscrito todos seus estudantes no ENADE em 2007 ou em 2010 e, por esse motivo, consta como não avaliado, não sendo possível comparar as notas. Pode ter ocorrido, também, que o curso tenha sido extinto e, por esse motivo, não foi avaliado. 70

71 Tabela 38 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Grande Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS AUGUSTO MOTTA DA CIDADE Arquitetura e Urbanismo SC 3 Biologia 2 2 Biologia 3 3 Computação e Informática 3 3 Computação e Informática 3 2 Computação e Informática SC 3 Engenharia (grupo I) Eng Civil 3 3 Educação Física não avaliada 3 Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 2 3 Engenharia (grupo VII) Eng. Petroleo SC 2 Engenharia (grupo VI) SC 3 História 3 3 Engenharia (grupo VII) Eng. Ambiental SC 3 Geografia 3 SC Letras 3 3 Letras 3 3 Pedagogia 2 (1) Matemática 2 SC Tecnologia em análise e desenv de sistemas 2 3 Pedagogia 3 3 Tecnologia em redes de computadores 3 3 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 2 3 UNA DE BELO HORIZONTE Arquitetura e Urbanismo SC 4 Arquitetura e Urbanismo 3 4 Biologia 4 4 Biologia SC 4 Computação e Informática 3 3 Computação e Informática 3 3 Engenharia (grupo II) Computação SC 3 Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo II) Controle e automação SC 3 Engenharia (grupo II) SC 3 Engenharia (grupo VI) -Eng Produção SC 2 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 3 SC Pedagogia SC 4 Engenharia (grupo IV) Eng Alimentos 2 4 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 3 3 Geografia 3 3 Tecnologia em gestão da produção industrial 3 (1) História 3 3 Tecnologia em redes de computadores 3 3 História(Lic) não avaliada 2 Letras 3 3 DE BRASÍLIA-UNICEUB Matemática 3 2 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Biologia 3 3 FAC METR. UNIDAS Computação e Informática 3 3 Computação e Informática 3 2 Engenharia (grupo II) Computação 2 2 Educação Física não avaliada 3 Educação Física não avaliada 3 História 3 4 Geografia 2 4 Letras(lic) 2 4 História 3 4 Letras(bac) não avaliada 3 Letras 3 3 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 2 2 Pedagogia 3 não avaliada Tecnologia em redes de computadores SC 2 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 3 3 ÍTALO-BRASILEIRO ESTÁCIO RAD SP -UNIRADIAL Filosofia 2 4 Engenharia (grupo II) Computação 3 não avaliada Pedagogia 2 3 Engenharia (grupo II) Eng Eletrica não avaliada 2 Educação Física não avaliada 3 História SC 3 Letras não avaliada 3 ANHANGUERA DE SP/IBERO AMERICANA Matemática não avaliada 2 Letras 4 3 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 2 2 Pedagogia SC 3 Tecnologia em automação industrial 2 2 Tecnologia em redes de computadores 2 2 NOSSA SRA DO PATROCÍNIO Arquitetura e Urbanismo 3 4 ESTÁCIO DA BA- FIB Artes Visuais não avaliada 3 Computação e Informática 3 3 Biologia 3 3 Engenharia (grupo II) Eng Eletrica SC 3 Computação e Informática(bac) SC 3 Engenharia (grupo VI) -Eng Produção SC 2 Computação e Informática 3 4 Pedagogia SC 3 Educação Física não avaliada 4 Tecnologia em redes de computadores SC 3 Engenharia (grupo I) Eng Civil 3 3 Engenharia (grupo II) Eng Eletrica SC 3 CESMAC Engenharia (grupo II) Eng Mecatrônica 1 3 Arquitetura e Urbanismo 2 2 Engenharia (grupo VI) Eng. Mecânica 2 3 Biologia 1 2 História 3 4 Computação e Informática 2 3 Letras 3 3 Engenharia (grupo I) 2 3 Matemática 2 3 Engenharia (grupo II) Eng Eletrica 2 2 Pedagogia 2 4 Engenharia (grupo VI) -Eng Produção 2 2 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 2 não avaliada História SC 2 Letras 1 SC Pedagogia 2 3 INST. ED SUP DE BRASÍLIA - IESB Computação e Informática SC 4 MAURÍCIO DE NASSAU Engenharia (grupo II) Computação 2 3 Arquitetura e Urbanismo SC 2 Engenharia (grupo II) Eng Eletrica 2 3 Computação e Informática SC 3 Pedagogia 2 3 Engenharia (grupo II) Telecomunicações SC 3 Engenharia (grupo VII) Eng. Ambiental SC 3 ESTÁCIO DO CEARÁ Tecnologia em redes de computadores 4 3 Computação e Informática 3 3 Educação Física não avaliada 3 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 3 3 Tecnologia em redes de computadores 3 3 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos 71

72 Segundo a Tabela 38, o curso de licenciatura em Educação Física parece ter sido incluído no grupo azul do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliado em Os dados dessa tabela demonstram que dezoito cursos superaram, em 2011, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Nove cursos obtiveram nota CPC 2 em 2008 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Três cursos obtiveram nota positiva no CPC de 2008 e receberam nota inferior a 3 no CPC de Trinta e seis cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2008 e as mantiveram no CPC de De igual forma que na tabela anterior, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em 2008 e em De acordo com os dados da Tabela 38, alguns cursos, como, por exemplo, Engenharia, Matemática, Pedagogia, Letras e História, aparecem como não avaliados em 2008 e em Esses dados sugerem que a IES pode não ter inscrito seus estudantes no ENADE em um ano ou em outro e, por esse motivo, não lhe foi atribuída nenhuma nota, não sendo possível compará-las. Pode ter ocorrido, também, que o curso tenha sido extinto e, por esse motivo, não foi avaliado. 72

73 Tabela 39 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Grande Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS AUGUSTO MOTTA DA CIDADE Administração 3 3 Administração 3 2 Direito 3 3 Direito 2 2 Comunicação social- jornalismo 2 3 Comunicação social- jornalismo 2 SC Comunicação social-publicidade 3 3 Comunicação social-publicidade 2 SC Ciências contábeis 3 3 Ciências contábeis 3 2 Turismo 2 2 Design 2 3 Tecnologia em marketing 4 2 Turismo 3 2 Tecnologia em gastronomia 3 não avaliada Teatro 3 não avaliada Tecnologia em logística não avaliada 3 Relações internacionais 2 2 Tecnologia em marketing 3 não avaliada DE BELO HORIZONTE Administração 3 3 UNA Direito 3 4 Administração 3 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Direito 3 3 Comunicação social-publicidade 3 3 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social- relações públicas 3 não avaliada Ciências econômicas 3 4 Ciências contábeis 2 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Relações internacionais 4 3 Comunicação social-publicidade 3 4 Tecnologia em design de moda 3 não avaliada Comunicação social- relações públicas 3 não avaliada Tecnologia em marketing 3 3 Design 2 não avaliada Tecnologia em processos gerenciais 3 3 Psicologia SC 3 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 Tecnologia em marketing 3 4 Tecnologia em processos gerenciais 4 3 ÍTALO-BRASILEIRO Tecnologia em gestão de recursos humanos 4 4 Administração 2 3 Tecnologia em gestão financeira 3 3 Ciências contábeis 3 3 Tecnologia em gestão comercial não avaliada 3 Tecnologia em gestão de recursos humanos 2 3 Tecnologia em logística não avaliada 3 Tecnologia em marketing não avaliada 3 Tecnologia em processos gerenciais não avaliada 3 ANHANGUERA DE SP Tecnologia em gestão financeira não avaliada 3 Administração 2 3 Direito 3 3 FAC METR. UNIDAS Comunicação social-publicidade 3 2 Administração 2 2 Ciências contábeis SC 3 Direito 2 3 Design 2 (1) Ciências econômicas 3 3 Turismo 3 3 Psicologia 3 3 Tecnologia em marketing 2 3 Ciências contábeis 2 2 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 Design 2 3 Tecnologia em logística não avaliada 3 Secretariado executivo SC 3 Relações internacionais 2 3 DE BRASÍLIA-UNICEUB Tecnologia em marketing 3 2 Administração 3 3 Tecnologia em processos gerenciais 2 3 Direito 3 3 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 Comunicação social- jornalismo 2 3 Tecnologia em gestão financeira 3 2 Comunicação social-publicidade 2 3 Tecnologia em gastronomia 3 não avaliada Psicologia 3 4 Tecnologia em logística não avaliada 3 Ciências contábeis 3 3 Relações internacionais 3 3 CESMAC Administração 2 3 ESTÁCIO RAD SP -UNIRADIAL Direito 2 3 Administração 2 3 Comunicação social- jornalismo 2 3 Direito 2 3 Comunicação social-publicidade 2 3 Comunicação social- jornalismo 2 SC Psicologia 1 3 Comunicação social-publicidade 2 2 Ciências contábeis 2 3 Ciências contábeis 2 3 Turismo 3 3 Tecnologia em marketing 2 3 Tecnologia em processos gerenciais 2 3 ESTÁCIO DA BA- FIB Tecnologia em gestão de recursos humanos 2 3 Administração 3 3 Tecnologia em gestão financeira 2 3 Direito 2 3 Tecnologia em logística não avaliada 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Comunicação social-publicidade 2 3 NOSSA SRA DO PATROCÍNIO Psicologia SC 3 Administração 2 3 Ciências contábeis 2 3 Administração 3 3 Turismo 3 SC Direito 2 4 Secretariado executivo 2 SC Comunicação social- jornalismo SC 4 Tecnologia em marketing 2 4 Comunicação social-publicidade 3 4 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 Comunicação social - radialismo 2 não avaliada Tecnologia em gestão financeira 2 4 Ciências contábeis 3 4 Tecnologia em gastronomia 3 não avaliada Turismo 3 3 Tecnologia em logística não avaliada 3 Design não avaliada 3 Secretariado executivo 3 SC INST. ED SUP DE BRASÍLIA - IESB Tecnologia em design de moda 3 não avaliada Administração 3 3 Tecnologia em marketing 2 4 Direito 3 3 Tecnologia em processos gerenciais 2 3 Comunicação social- jornalismo 3 4 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 (1) Comunicação social-publicidade 3 3 Tecnologia em gestão financeira 2 3 Psicologia 4 3 Tecnologia em gastronomia 3 não avaliada Turismo 3 3 Tecnologia em logística não avaliada 3 Secretariado executivo 3 3 Relações internacionais 3 4 MAURÍCIO DE NASSAU Tecnologia em design de moda 3 não avaliada Administração 3 3 Tecnologia em gastronomia 3 não avaliada Direito 3 4 Tecnologia em gestão de recursos humanos não avaliada 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 ESTÁCIO DO CEARÁ Comunicação social-publicidade 3 3 Administração 3 3 Comunicação social - radialismo 2 não avaliada Direito 3 3 Psicologia 2 4 Comunicação social- jornalismo 2 3 Ciências contábeis SC 3 Comunicação social-publicidade 3 2 Turismo 3 3 Ciências contábeis 3 3 Tecnologia em design de moda 3 não avaliada Turismo 3 3 Tecnologia em gastronomia 4 não avaliada Tecnologia em marketing 3 3 Tecnologia em gestão financeira não avaliada 4 Tecnologia em processos gerenciais 4 3 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 Fonte: INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos 73

74 Segundo a Tabela 39, os cursos superiores de tecnologia em Logística, em Gastronomia, em Gestão Comercial e em Design de Modas não são cursos permanentes do ciclo SINAES. Alguns desses cursos foram avaliados somente em 2009 e não o foram em 2012, e outros não foram avaliados em 2009, sendo inseridos no grupo azul do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliados em 2009 ou em Os dados dessa tabela demonstram que trinta e nove cursos superaram, em 2012, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Seis cursos obtiveram nota CPC 2 em 2009 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Nove cursos obtiveram nota positiva no CPC de 2009 e receberam nota inferior a 3 no CPC de Vinte e sete cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2009 e as mantiveram no CPC de De igual forma que na tabela anterior, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em um ano e outro. As Tabelas 40, 41 e 42 demonstram o comparativo dos CPC dos grupos verde, azul e vermelho do ciclo SINAES dos cursos dos centros universitários de médio porte do Grupo 1. Tabela 40 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES 74

75 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS ARARAQUARA TRIÂNGULO Biomedicina 3 3 Enfermagem 3 3 Educação Física 3 3 Farmácia 2 2 Enfermagem SC 4 Fisioterapia 3 3 Farmácia 2 3 Nutrição 3 3 Fisioterapia 3 3 Odontologia 2 2 Nutrição 2 3 Tec. em agronegócio não avaliada 1 Odontologia 3 3 Terapia Ocupacional SC 3 ANHANGUERA Enfermagem 2 2 METODISTA IZABELA HENDRIX Tec. Radiologia 3 SC Enfermagem 3 2 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Fisioterapia 3 4 Fonoaudiologia 3 3 FIEO Nutrição 2 3 Educação Física 4 3 Farmácia 3 3 JOÃO PESSOA Fisioterapia 4 4 Educação Física 2 SC Enfermagem SC 3 ANÁPOLIS Fisioterapia 3 3 Educação Física 3 3 Fonoaudiologia 3 SC Enfermagem 3 3 Farmácia SC 3 GOIÁS Fisioterapia 2 3 Agronomia SC 2 Odontologia 3 2 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Tec. Radiologia SC 3 FRANCISCANO SANT ANNA Biomedicina SC 3 Educação Física 3 3 Enfermagem 3 3 Enfermagem 2 3 Farmácia 3 3 Fisioterapia 3 3 Fisioterapia 3 3 Tec. Radiologia não avaliada 3 Nutrição 3 3 Odontologia SC 3 VOLTA REDONDA Serviço Social 4 4 Educação Física 3 4 Terapia Ocupacional 4 3 Enfermagem 3 3 Fisioterapia 3 SC BARRA MANSA Medicina 2 3 Educação Física 3 não avaliada Nutrição 3 3 Enfermagem 3 3 Odontologia SC 4 Farmácia 2 3 Serviço Social 4 4 Fisioterapia 3 2 Nutrição 3 3 ANHANGUERA DE NITERÓI Biomedicina SC 3 CELSO LISBOA Enfermagem 3 3 Educação Física 2 3 Farmácia 4 3 Enfermagem SC 2 Fisioterapia 2 4 Farmácia SC 3 Medicina Veterinária 3 3 Fisioterapia 3 2 Nutrição 2 3 Fonoaudiologia SC 2 Serviço Social 4 3 Nutrição SC 2 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Continuação Tabela 40 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES 75

76 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS LA SALLE SÃO CAMILO Educação Física 3 3 Enfermagem 3 3 Enfermagem 3 3 Farmácia 2 4 Fisioterapia SC 4 Fisioterapia 3 3 Nutrição 3 3 Fonoaudiologia 4 não avaliada Nutrição 3 3 VÁRZEA GRANDE Tec. Radiologia 5 4 Agronomia 4 3 Terapia Ocupacional 4 3 Educação Física 2 SC Enfermagem 2 3 LESTE DE MINAS GERAIS Farmácia 2 3 Educação Física 3 3 Fisioterapia 2 3 Enfermagem 3 3 Fonoaudiologia 3 4 Farmácia 3 3 Odontologia 2 3 Fisioterapia 3 3 Serviço Social SC 3 Nutrição 3 3 Tec. em agronegócio não avaliada 4 UNIVATES SALESIANO DE SÃO PAULO Educação Física 3 SC Serviço Social 3 3 Enfermagem 2 3 Farmácia 3 3 EURO-AMERICANO Fisioterapia 3 3 Educação Física SC 3 Nutrição 2 3 Enfermagem SC 3 Farmácia SC 3 ADVENTISTA DE SÃO PAULO Fisioterapia SC 3 Educação Física 2 3 Nutrição SC 3 Enfermagem 2 4 Fisioterapia 3 3 FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Nutrição 2 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Tec. Gestão Hospitalar não avaliada 2 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS Agronomia 3 3 ABEU Educação Física 2 2 Educação Física 2 SC Enfermagem 3 3 Enfermagem SC 2 Farmácia 3 3 Fisioterapia 1 SC Fisioterapia SC 3 Serviço Social SC 3 Zootecnia SC 3 METODISTA PADRE ANCHIETA Biomedicina SC 3 Educação Física SC 3 Educação Física 3 2 Enfermagem SC 3 Enfermagem SC 2 Farmácia SC 3 Farmácia SC 3 Fisioterapia SC 3 Fisioterapia 3 3 Nutrição SC 3 Fonoaudiologia 3 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 2 Nutrição 3 3 Serviço Social SC 3 CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Terapia Ocupacional SC 3 Educação Física 2 3 Enfermagem SC 4 Fisioterapia 3 3 Terapia Ocupacional 3 2 Fonte - INEP/MEC 76

77 Corroborando os dados da Tabela 37, de acordo com a Tabela 40, os cursos superiores de tecnologia em Gestão Hospitalar e em Gestão Ambiental parecem ter sido incluídos no grupo verde do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliados em 2007 e, dessa forma, não há como comparar seus resultados. Os dados dessa tabela demonstram que vinte e um cursos superaram, em 2010, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Três cursos obtiveram nota CPC 1 ou 2 em 2007 e permaneceram com nota baixa no CPC de Quatorze cursos obtiveram nota S/C ou superior a 3 no CPC de 2007 e obtiveram nora CPC inferior a 3 em Cinquenta e nove cursos obtiveram nota igual ou superior a 3 no CPC de 2007 e as mantiveram no CPC de 2010, sendo que cinco desses cursos obtiveram nota CPC igual a 5. Os conceitos SC foram atribuídos aos cursos que não tinham ingressantes ou concluintes no ano de realização do ENADE. De acordo com os dados da Tabela 40, alguns cursos aparecem como não avaliados em 2007 ou em Esses dados sugerem que os cursos avaliados pelo grupo verde do ciclo SINAES eram diferentes em 2007 e em 2010 ou, ainda, no caso de o curso ter participado do grupo verde nos dois anos, que a IES pode não ter inscrito seus estudantes no ENADE em 2007 ou em 2010 e, por esse motivo, consta como não avaliado, não sendo possível comparar suas notas. Pode ter ocorrido, também, que o curso tenha sido extinto e, por esse motivo, não foi avaliado. 77

78 Tabela 41 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS ARARAQUARA TRIÂNGULO Arquitetura e Urbanismo 3 2 Arquitetura e Urbanismo 3 2 Biologia 4 4 Biologia 2 4 Computação (Sistema da Informação) 2 3 Computação (Bacharelado) 2 SC Engenharia (grupo II) Computação 3 2 Computação (Sistema da Informação) 3 3 Educação Física não avaliada 3 Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo II) Controle e automação 2 2 Engenharia (grupo VI) 2 (1) Engenharia (grupo II) - Eletrotécnica 2 não avaliada Pedagogia 3 SC Engenharia (grupo II) Eletrica não avaliada 3 Engenharia (grupo VI) Produção 3 3 ANHANGUERA Pedagogia SC 3 Biologia SC 3 Engenharia (grupo VI) Produção 2 3 METODISTA IZABELA HENDRIX Pedagogia 3 4 Arquitetura e Urbanismo 3 2 Tec automação industrial 3 SC Biologia 3 3 Tec fabricação mecânica não avaliada 2 Educação Física não avaliada 3 Tec gestão da produção industrial 2 não avaliada Música não avaliada 3 Pedagogia SC 3 FIEO Biologia 3 SC JOÃO PESSOA Computação (Bacharelado) 3 3 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Educação Física não avaliada 4 Computação (Bacharelado) 2 4 Engenharia (grupo II) Computação 3 3 Educação Física não avaliada 4 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 3 SC Geografia 4 SC ANÁPOLIS História 4 SC Educação Física não avaliada 4 Letras 3 SC Computação (Sistema da Informação) 3 SC Matemática 4 SC Letras 3 SC Pedagogia 4 SC Pedagogia 2 3 Química 4 4 Tec análise desenv de sistemas 3 3 GOIÁS Tec redes de computadores 3 3 Biologia 3 3 Engenharia (grupo II) Computação SC 2 FRANCISCANO Pedagogia 3 4 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Química 3 3 Computação (Bacharelado) 3 3 Tec análise desenv de sistemas 2 não avaliada Engenharia (grupo VII) 3 4 Filosofia 4 3 RITTER DOS REIS FÍSICA 3 3 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Geografia 3 4 Computação (Sistema da Informação) 4 4 História 4 3 Letras 4 SC Letras 3 3 Pedagogia 4 5 Matemática 3 4 Tec análise desenv de sistemas SC 3 Pedagogia 3 4 Química SC 4 SANT ANNA Computação (Bacharelado) 2 2 SANT ANNA Engenharia (grupo II) Computação 2 1 Matemática 2 SC Educação Física não avaliada 3 Música não avaliada 3 Geografia 3 4 Pedagogia 3 3 História 3 3 Tec análise desenv de sistemas 2 2 Letras 3 3 Tec redes de computadores

79 Continuação Tabela 41 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS VOLTA REDONDA BARRA MANSA Biologia SC 4 Biologia 3 3 Computação (Bacharelado) 3 3 Computação (Bacharelado) 2 3 Educação Física não avaliada 5 Engenharia (grupo II) Computação 2 não avaliada Engenharia (grupo II) Eletrica não avaliada 4 Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo VI) Mecânica não avaliada 3 Engenharia (grupo VI) Produção não avaliada 3 Engenharia (grupo I) 2 não avaliada Pedagogia 3 3 Engenharia (grupo I II) 3 não avaliada História 3 não avaliada Tec redes de computadores 3 SC Letras 4 não avaliada Engenharia (grupo VII) 3 4 Matemática 2 não avaliada Letras 4 não avaliada DISTRITO FEDERAL ANHANGUERA DE NITERÓI Computação (Sistema da Informação) SC 3 Arquitetura e Urbanismo 2 3 Computação (Bacharelado) 3 3 LA SALLE Letras 4 SC Biologia 3 3 Biologia 4 CELSO LISBOA Computação (Bacharelado) 3 3 Biologia 2 3 Educação Física não avaliada 3 Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 4 4 Engenharia (grupo VII) Ambiental SC 3 Engenharia (grupo VII) Ambiental SC 4 Tec análise desenv de sistemas 2 não avaliada Filosofia 3 SC FÍSICA 4 não avaliada SÃO CAMILO Geografia 4 4 Biologia 3 4 História 4 4 Filosofia SC 4 Letras 3 3 Pedagogia 4 4 Matemática 3 4 Pedagogia 4 4 VÁRZEA GRANDE Química 4 4 Biologia 2 4 Tec redes de computadores 4 4 Computação (Bacharelado) 2 3 Tec análise desenv de sistemas não avaliada 4 Engenharia (grupo IV) Alimentos SC 3 Engenharia (grupo VII) Ambiental SC 4 CARIOCA Educação Física não avaliada 4 Computação (Bacharelado) 3 3 Letras 2 4 Tec análise desenv de sistemas 3 4 Matemática 2 4 Tec redes de computadores 3 4 Pedagogia 2 4 Tec análise desenv de sistemas 2 3 LESTE DE MINAS GERAIS LESTE DE MINAS GERAIS Arquitetura e Urbanismo 3 3 Filosofia 3 não avaliada Biologia 3 4 Geografia 3 SC Biologia não avaliada 4 História 3 SC Computação (Sistema da Informação) 3 3 Letras 3 SC Educação Física não avaliada 4 Pedagogia 3 4 Engenharia Sanitária 3 Engenharia (grupo II) - Eletrotécnica 3 ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE Engenharia (grupo II) Eletrica não avaliada 3 Computação (Bacharelado) 2 3 Engenharia (grupo VI) Mecânica 3 3 Pedagogia 3 4 Engenharia (grupo VI) Produção 3 3 Engenharia (grupo VII) Ambiental não avaliada 4 79

80 Continuação Tabela 41 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS SALESIANO DE SÃO PAULO UNIVATES Computação (Bacharelado) 2 3 Arquitetura e Urbanismo 4 4 Computação (Sistema da Informação) 3 3 Biologia 3 4 Engenharia (grupo II) Controle e automação 2 3 Computação (Bacharelado) 3 3 Engenharia (grupo II) - Eletrotécnica 2 3 Educação Física não avaliada 4 Engenharia (grupo II) Telecomunicações SC 3 Engenharia (grupo II) Controle e automação 3 4 Engenharia (grupo VII) Ambiental 3 4 Engenharia (grupo VI) Produção 3 4 Filosofia 3 4 Engenharia (grupo II) Computação 3 não avaliada Geografia 3 SC Engenharia (grupo VII) Ambiental SC 4 História 3 4 História 4 5 Matemática 3 3 Letras 3 4 Pedagogia 4 4 Pedagogia 4 4 Tec automação industrial SC 3 Química 3 3 EURO-AMERICANO ADVENTISTA DE SÃO PAULO Arquitetura e Urbanismo 3 4 Biologia 3 4 Computação (Sistema da Informação) 3 SC Computação (Bacharelado) 3 3 Tec redes de computadores 3 SC Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo I) Eng Civil SC 4 CURITIBA Letras 4 4 Tec gestão da produção industrial 3 4 Matemática 3 3 Música não avaliada 3 PLANALTO DO DF - UNIPLAN Pedagogia 3 4 Educação Física não avaliada 4 Tec análise desenv de sistemas SC 3 Tec redes de computadores SC 3 Tec redes de computadores SC 3 FUND EDUC INACIANA PE SABÓIA DE MEDEIROS FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Computação (Bacharelado) 4 3 Biologia SC 3 Engenharia (grupo I) Eng Civil 3 3 Ciências Sociais SC 2 Engenharia (grupo II) - Eletrotécnica 3 3 Computação (Sistema da Informação) 2 2 Engenharia (grupo II) Computação 3 3 Engenharia (grupo II) Computação 3 2 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 4 4 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 3 Engenharia (grupo VI) Mecânica 4 3 Engenharia (grupo II) Mecatrônica 2 Engenharia (grupo IV) Química 3 3 Engenharia (grupo V) Materiais 2 3 Engenharia (grupo IV) Têxtil 4 2 Engenharia (grupo VI) Produção 3 3 Engenharia (grupo V) Materiais 2 4 Engenharia (grupo VII) Ambiental 3 3 Engenharia (grupo VI) Produção 4 3 História SC 2 Matemática 3 2 FIAM-FAAM Química 3 2 Arquitetura e Urbanismo 3 3 PATOS DE MINAS ABEU Biologia 3 3 Educação Física não avaliada 4 Computação (Bacharelado) 3 3 História 3 4 Educação Física não avaliada 4 Letras 3 (1) História 3 SC Matemática 2 3 Letras 3 SC Pedagogia 3 3 Matemática 2 não avaliada Tec análise desenv de sistemas 2 3 Pedagogia 3 não avaliada Tec redes de computadores 2 3 Química 2 SC 80

81 Continuação Tabela 41 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2011- grupo azul ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS SENAC Computação (Bacharelado) 3 2 Computação (Bacharelado) 4 4 Engenharia (grupo I) Eng Civil 3 2 Computação (Sistema da Informação) 4 3 Engenharia (grupo II) - Eletrotécnica 2 não avaliada Engenharia (grupo VII) Ambiental SC 3 Engenharia (grupo II) Eletrica não avaliada 3 Tec redes de computadores SC 4 Engenharia (grupo IV) Alimentos 3 3 Física 3 2 METODISTA Matemática 3 3 Arquitetura e Urbanismo SC 2 Química 3 2 Biologia 3 SC Educação Física não avaliada 3 PADRE ANCHIETA Engenharia (grupo I) Eng Civil SC 2 Biologia 3 SC Engenharia (grupo VI) Produção SC 3 Computação (Sistema da Informação) 2 3 Filosofia 3 SC Educação Física não avaliada 3 História 3 SC Engenharia (grupo I) Eng Civil SC 3 Letras 3 SC Engenharia (grupo VI) Produção SC 2 Matemática 3 SC Letras 3 4 Pedagogia 3 3 Matemática 3 não avaliada Tec análise desenv de sistemas não avaliada 4 Pedagogia 3 4 Música não avaliada 3 Tec automação industrial 2 2 Tec processos químicos 2 3 CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Educação Física não avaliada 2 Engenharia (grupo II) Computação 2 3 Engenharia (grupo II) Controle e automação 2 3 Engenharia (grupo II) Telecomunicações 2 SC Pedagogia SC 3 Química 2 2 Tec análise desenv de sistemas 2 (1) Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos Confirmando os dados das Tabelas anteriores, na Tabela 41, o curso de licenciatura em Educação Física parece ter sido incluído no grupo azul do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliado em Os dados dessa tabela demonstram que vinte e sete cursos dos centros universitários de médio porte superaram, em 2011, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Sete cursos obtiveram nota CPC 2 em 2008 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Dezenove cursos obtiveram nota S/C ou positiva no CPC de 2008 e receberam nota inferior a 3 no CPC de Cento e cinco cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2008 e as mantiveram no CPC de De igual forma que na tabela anterior, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em 2008 e em De acordo com os dados da Tabela 41, com exceção do curso de licenciatura em Educação Física, alguns cursos, como, por exemplo, Engenharia, Matemática, Pedagogia, Letras e História, aparecem como não avaliados em 2008 e em Esses dados sugerem que a IES pode não ter inscrito todos seus estudantes no ENADE em um ano ou em outro e, por esse motivo, não lhe foi atribuída nenhuma nota, não sendo possível compará-las. Pode ter ocorrido, também, que o curso tenha sido extinto e, por esse motivo, não foi avaliado. 81

82 Tabela 42 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS ARARAQUARA TRIÂNGULO Administração 3 3 Administração 3 3 Ciências econômicas 2 3 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social- jornalismo 2 4 Comunicação social- jornalismo 2 4 Comunicação social-publicidade 3 3 Comunicação social-publicidade 3 3 Design SC 2 Direito 3 3 Direito 2 3 Psicologia 2 3 Psicologia 3 3 Tec design de moda 1 não avaliada Tec gestão de recursos humanos não avaliada 3 Tec gastronomia 2 não avaliada Turismo 3 SC METODISTA IZABELA HENDRIX Administração SC 3 ANHANGUERA Ciências contábeis SC 3 Administração 3 3 Direito 3 2 Direito 3 3 Comunicação social- jornalismo SC 4 Psicologia 3 3 Tec marketing 4 SC Tec gestão de recursos humanos 3 2 Tec gestão financeira 3 4 FIEO Tec marketing 4 3 Administração 3 3 Tec logística não avaliada 3 Ciências contábeis 3 2 Design 3 2 JOÃO PESSOA Direito 3 2 Administração 3 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social-publicidade 3 3 Direito 3 3 Tec gestão de recursos humanos SC 2 Psicologia 3 4 Tec logística não avaliada 3 Tec marketing não avaliada 3 ANÁPOLIS Tec gestão comercial não avaliada 3 Administração 2 4 Direito 2 3 GOIÁS Tec gastronomia 3 não avaliada Administração 3 3 Tec gestão financeira 3 4 Ciências contábeis 2 4 Tec logística não avaliada 3 Direito 3 3 Comunicação social-publicidade 3 3 FRANCISCANO Tec gestão comercial não avaliada 3 Administração 3 3 Tec gestão de recursos humanos SC 3 Ciências contábeis 3 4 Tec processos gerenciais 3 3 Ciências econômicas 3 3 Tec marketing 3 não avaliada Comunicação social- jornalismo 4 3 Comunicação social-publicidade 4 3 SANT ANNA Design 3 3 Administração 2 3 Direito 4 3 Ciências contábeis 2 2 Psicologia 4 4 Ciências econômicas 2 SC Turismo 3 3 Comunicação social- jornalismo 2 SC Comunicação social-publicidade 2 SC RITTER DOS REIS Comunicação social - radialismo 2 não avaliada Administração 3 3 Comunicação social- relações públicas 3 não avaliada Design 3 4 Tec gestão de recursos humanos 3 (1) Direito 4 4 Tec marketing 2 2 Tec gestão comercial não avaliada 2 82

83 Continuação Tabela 42 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS VOLTA REDONDA BARRA MANSA Administração 4 3 Administração 3 3 Ciências contábeis 4 4 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social-publicidade SC 4 Direito 2 4 Design SC 4 Psicologia SC 4 Direito 4 4 Tec gestão de recursos humanos 3 4 Tec gestão de recursos humanos SC 3 Tec logística não avaliada 2 ANHANGUERA DE NITERÓI DISTRITO FEDERAL Administração 3 2 Administração 3 3 Ciências contábeis 3 2 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Direito 3 3 Comunicação social-publicidade 3 4 Relações internacionais 2 3 Direito 2 3 Turismo 2 não avaliada Tec gestão de recursos humanos não avaliada 3 Tec design de moda 2 não avaliada LA SALLE Administração 3 3 CELSO LISBOA Ciências contábeis 3 4 Administração 2 2 Ciências econômicas 2 4 Ciências contábeis SC 2 Design SC 2 Psicologia 2 3 Direito 3 3 Tec gestão de recursos humanos SC 2 Relações internacionais 3 4 Tec marketing SC 2 Tec gestão de recursos humanos SC 3 Tec gestão financeira SC 3 SÃO CAMILO Tec processos gerenciais 3 3 Administração 3 3 Turismo 4 3 Psicologia SC 4 Tec gastronomia 3 não avaliada VÁRZEA GRANDE Administração 2 3 CARIOCA Ciências contábeis 2 3 Administração 2 3 Direito 2 2 Ciências contábeis 3 4 Psicologia 2 4 Comunicação social- jornalismo 2 4 Comunicação social-publicidade 2 3 Comunicação social-publicidade 3 4 Tec gestão comercial não avaliada 3 Design 3 4 Tec gestão de recursos humanos 2 3 Tec gestão de recursos humanos não avaliada 3 Tec marketing 1 SC Tec marketing 3 4 ANHANGUERA DE CAMPO GRANDE LESTE DE MINAS GERAIS Administração 4 3 Administração 3 4 Ciências contábeis 3 3 Ciências contábeis 3 4 Comunicação social-publicidade SC 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Direito 3 2 Comunicação social-publicidade 3 3 Relações internacionais 3 3 Direito 3 4 Tec logística não avaliada 2 Psicologia

84 Continuação Tabela 42 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS SALESIANO DE SÃO PAULO UNIVATES Administração 3 2 Administração 4 4 Administração 3 3 Ciências contábeis 4 4 Administração 3 3 Design SC 5 Administração 3 2 Direito 3 4 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social- jornalismo 4 4 Comunicação social-publicidade 3 3 Psicologia SC 5 Design 1 2 Comunicação social-publicidade 4 4 Direito 3 3 Relações internacionais SC 4 Direito 3 3 Comunicação social- relações públicas 3 não avaliada Direito 4 4 Tec logística não avaliada 3 Direito 3 3 Psicologia SC 4 ADVENTISTA DE SÃO PAULO Psicologia 3 4 Administração 3 3 Ciências contábeis 4 4 EURO-AMERICANO Comunicação social- jornalismo 3 4 Administração 3 4 Comunicação social-publicidade 4 4 Ciências contábeis 3 4 Direito 4 (1) Comunicação social- jornalismo 2 (1) Música 3 não avaliada Comunicação social-publicidade 2 (1) Psicologia 3 4 Direito 2 3 Relações internacionais 2 não avaliada CURITIBA Tec design de moda 3 não avaliada Administração 3 3 Tec gastronomia 3 não avaliada Direito 3 3 Tec gestão de recursos humanos 3 4 Comunicação social-publicidade 3 4 Tec marketing 2 não avaliada Relações internacionais 2 3 Tec processos gerenciais 3 não avaliada Tec gestão de recursos humanos 4 4 Tec gestão financeira 4 (1) PLANALTO DO DF - UNIPLAN Tec marketing 3 4 Administração SC 4 Direito 2 2 FAC DE SAÚDE, CIÊNCIAS HUMANAS E TEC DO PI Tec gestão de recursos humanos 3 3 Administração não avaliada 4 Tec processos gerenciais 3 (1) Direito não avaliada 3 FUND EDUC INACIANA PE SABÓIA DE MEDEIROS ABEU Administração 3 4 Administração 3 3 ADMINISTRAÇÃO 4 3 Ciências contábeis 4 3 Direito 2 3 FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ Tec gestão de recursos humanos 4 3 Administração 3 3 Tec logística não avaliada 2 Ciências contábeis 3 3 Ciências econômicas 2 3 PATOS DE MINAS Relações internacionais 1 3 Administração 3 3 Ciências contábeis 3 3 FIAM-FAAM Comunicação social-publicidade 3 (1) Comunicação social- jornalismo 2 3 Direito 3 4 Comunicação social-publicidade 2 2 Psicologia 3 (1) Comunicação social - radialismo 3 não avaliada Secretariado executivo 3 não avaliada Música 3 não avaliada 84

85 Continuação Tabela 42 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Médio Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE BARRETOS SENAC Administração 2 3 Administração 3 3 Direito 3 3 Comunicação social-publicidade SC 3 Design 3 3 METODISTA Tec gastronomia 4 não avaliada Administração 3 3 Tec gestão de recursos humanos não avaliada 4 Ciências contábeis 3 3 Tec logística não avaliada 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Tec marketing SC 4 Comunicação social-publicidade 4 3 Turismo 3 2 Direito 3 3 Música 2 não avaliada PADRE ANCHIETA Psicologia SC 3 Administração 3 3 Turismo 3 3 Ciências contábeis 2 3 Ciências econômicas 2 3 CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM Comunicação social-publicidade SC 2 Administração 4 3 Direito 3 3 Administração 3 4 Psicologia 3 4 Ciências contábeis 3 4 Tec marketing 2 4 Ciências contábeis 2 3 Tec gestão comercial não avaliada 3 Comunicação social-publicidade 3 (1) Tec logística não avaliada 2 Direito 4 4 Psicologia 3 4 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos Segundo a Tabela 42, os cursos superiores de tecnologia em Logística, em Gastronomia, em Gestão Comercial, em Gestão de Recursos Humanos e em Design de Modas não são permanentes do ciclo SINAES. Alguns desses cursos foram avaliados somente em 2009 e não o foram em 2012, e outros não foram avaliados em 2009, sendo inseridos no grupo azul do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliados em 2009 ou em Os dados dessa tabela demonstram que trinta e dois cursos dos centros universitários de médio porte superaram, em 2012, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Seis cursos obtiveram nota CPC 2 em 2009 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Vinte e seis cursos obtiveram nota S/C ou positiva no CPC de 2009 e receberam nota 2 no CPC de Cento e vinte cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2009 e as mantiveram no CPC de De igual forma que na tabela anterior, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em um ano e em outro. Algumas IES podem não ter inscrito seus estudantes no ENADE em um ano ou em outro e, por esse motivo, não lhe foi atribuída nenhuma nota, não 85

86 sendo possível compará-las. Pode ter ocorrido, também, que o curso tenha sido extinto e, por esse motivo, não foi avaliado. Tabela 43 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS METODISTA BENNETT CENTRAL PAULISTA Educação Física 3 3 Biomedicina SC 3 Fisioterapia 2 não avaliada Educação Física 3 3 Nutrição 2 3 Enfermagem SC 4 Farmácia 3 4 ENS SUP DO AMAZONAS Fisioterapia 3 4 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Nutrição 3 4 Tec. Radiologia SC 4 HERMÍNIO DA SILVEIRA Biomedicina SC 3 SÃO CAMILO - ES Fisioterapia 3 3 Educação Física 3 SC Enfermagem 2 3 FACEX (UNIFACEX) Fisioterapia 3 3 Serviço Social 3 não avaliada Nutrição SC 2 ESTADO DO PARÁ DESENV. CENTRO OESTE Enfermagem SC 3 Medicina Veterinária 1 SC Farmácia 2 3 Tec. Radiologia 2 Fisioterapia 3 3 Nutrição 2 3 NORTE PAULISTA Odontologia 3 3 Fisioterapia SC 2 ANHANGÜERA MÓDULO Educação Física 4 3 Educação Física 3 SC Enfermagem 3 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 4 DE JALES AMPARENSE Enfermagem SC 3 Biomedicina SC 3 Fisioterapia SC 2 Educação Física 3 SC Serviço Social SC 3 Enfermagem SC 3 Nutrição SC 4 CENT REG UNIV ES DO PINHAL Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Agronomia 3 2 Educação Física 2 SC CÂNDIDO RONDON Enfermagem 3 2 Biomedicina SC 3 Farmácia 3 3 Enfermagem SC 2 Fisioterapia 2 3 Medicina Veterinária 2 2 TOLEDO Educação Física 3 3 CAMPOS DE ANDRADE Educação Física 3 3 INST MAUÁ DE TECN Enfermagem 3 3 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 3 Farmácia 2 3 Fisioterapia 3 SC Nutrição 3 SC 86

87 Continuação Tabela 43 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2010 grupo verde ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CERRADO-PATROCÍNIO ESTÁCIO DE SÁ DE SC Agronomia SC 3 Fisioterapia 3 não avaliada Enfermagem SC 3 Fonoaudiologia 3 não avaliada Fisioterapia 3 2 Nutrição SC 2 ESPÍRITO SANTO Tec. em agronegócio não avaliada 3 Educação Física SC 2 Enfermagem 3 3 GERALDO DI BIASE Farmácia 3 4 Serviço Social SC 3 Fisioterapia 3 3 Serviço Social SC 4 Medicina SC 3 Nutrição 2 3 PLANALTO DE ARAXÁ Educação Física 3 3 FUND ENS OCTÁVIO BASTOS - FEOB Enfermagem 3 3 Enfermagem 2 3 Fisioterapia 3 3 Fisioterapia 3 3 Medicina Veterinária 3 3 DE LINS (UNILINS) Tec. em agronegócio não avaliada 2 Enfermagem SC 2 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 2 Serviço Social 3 3 UNIFAFIBE ITAJUBÁ Educação Física 3 não avaliada Educação Física SC 3 Enfermagem 3 não avaliada Farmácia 3 2 Fisioterapia 3 não avaliada Fisioterapia SC 2 Medicina Veterinária SC 3 LAVRAS Enfermagem não avaliada 3 FUND EDUC GUAXUPÉ Farmácia 3 2 Enfermagem SC 3 Fisioterapia 3 não avaliada Fisioterapia SC 2 Nutrição 3 SC Serviço Social 3 3 Odontologia 3 3 CARATINGA FORMIGA Educação Física 3 SC Educação Física 3 SC Enfermagem 3 2 Enfermagem 2 3 Farmácia não avaliada 3 Medicina Veterinária SC 3 Fisioterapia 2 2 Nutrição 2 SC Medicina SC 3 Serviço Social SC 3 Nutrição SC 2 SETE LAGOAS FLUMINENSE Odontologia 2 2 Tec. Gestão Ambiental não avaliada 2 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos 87

88 Segundo a Tabela 43, o curso superior de tecnologia em Gestão Hospitalar e em Gestão Ambiental parece ter sido incluído no grupo verde do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparece como não avaliado em 2007 e, dessa forma, não há como comparar seus resultados. Os dados dessa tabela demonstram que nove cursos dos centros universitários de pequeno porte superaram, em 2010, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Três cursos dos centros universitários desse subgrupo obtiveram nota CPC 2 em 2007 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Vinte e seis cursos obtiveram nota igual ou superior a 3 no CPC de 2007 e as mantiveram no CPC de 2010, sendo nove dessas notas do CPC foram igual a 4. Vinte cursos obtiveram nota S/C ou superior a 3 no CPC de 2007 e, em 2010, obtiveram nota CPC inferior, igual a 2. Os conceitos SC foram atribuídos aos cursos que não tinham ingressantes ou concluintes no ano de realização do ENADE, conforme visto na seção dois deste trabalho. De acordo com os dados da Tabela 43, alguns cursos aparecem como não avaliados em 2007 ou em Esses dados sugerem que os cursos avaliados pelo grupo verde do ciclo SINAES eram diferentes em 2007 e em 2010 ou, ainda, no caso de o curso ter participado do grupo verde nos dois anos, que a IES pode não ter inscrito seus estudantes no ENADE em 2007 ou em 2010 e, por esse motivo, consta como não avaliado, não sendo possível comparar essas notas. Tabela 44 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2011 grupo azul ciclo SINAES 88

89 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS BARÃO DE MAUÁ MOURA LACERDA Arquitetura e Urbanismo 3 3 Ciências Sociais 3 SC Biologia 4 SC Computação (Bacharelado) 2 SC Computação (Bacharelado) 3 4 Engenharia (grupo II) Computação 2 não avaliada Geografia 4 não avaliada Filosofia 3 3 História 4 4 História SC 3 Letras 4 3 Pedagogia 3 3 Pedagogia 3 3 BELAS ARTES DE SP MOURA LACERDA Arquitetura e Urbanismo 3 3 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Educação Física não avaliada 3 VOTUPORANGA Engenharia (grupo I) Civil 3 2 Arquitetura e Urbanismo 3 4 Pedagogia 3 4 Biologia 4 4 Matemática 3 não avaliada Computação (Sistema da Informação) 3 4 Educação Física não avaliada 5 Engenharia (grupo II) Computação 3 4 LUSÍADA Geografia 4 4 Pedagogia 3 4 Letras 4 4 Tec análise e desenv de sistemas 2 não avaliada Matemática 3 4 Pedagogia 4 4 CAPITAL Química 4 4 Computação (Sistema da Informação) SC 2 Tec gestão produção industrial SC 4 Letras 3 SC Tec Fabricação Mecânica não avaliada 4 Pedagogia 3 3 PAULISTANO FILADÉLFIA Computação (Sistema da Informação) 2 2 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Letras 3 Biologia 3 SC Pedagogia 3 2 Computação (Bacharelado) SC 3 Computação (Sistema da Informação) 3 3 LUT. JI-PARANÁ Pedagogia 3 SC Biologia 3 3 Computação (Sistema da Informação) 3 4 LUT. DE SANTARÉM Educação Física não avaliada 4 Computação (Sistema da Informação) 3 3 Pedagogia 3 SC Educação Física não avaliada 3 Engenharia (grupo VIII) Agrícola 2 não avaliada LUT. DE MANAUS Engenharia (grupo I) Civil não avaliada 3 Arquitetura e Urbanismo 3 3 Letras 3 (1) Biologia 3 SC Pedagogia 3 3 Computação (Sistema da Informação) 2 SC Engenharia (grupo I) Civil 2 3 LUT. DE PALMAS Engenharia (grupo II) Telecomunicações 2 SC Biologia 3 4 Engenharia (grupo IV) Química 2 3 Computação (Sistema da Informação) 3 4 Engenharia (grupo VII) Ambiental 2 3 Educação Física não avaliada 4 Tec redes de computadores 2 3 Engenharia (grupo I) Civil 3 3 Engenharia (grupo VIII) Agrícola 2 SC SERRA DOS ÓRGÃOS Pedagogia 2 SC Biologia não avaliada 4 Tec redes de computadores 3 SC Computação (Bacharelado) 4 3 Matemática não avaliada 4 Pedagogia 3 4 Continuação Tabela 44 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2011 grupo azul ciclo SINAES 89

90 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS METROPOLITANO DE SP MONTE SERRAT Biologia 3 SC Biologia 3 SC Geografia 3 não avaliada Letras 3 SC História 3 SC Pedagogia 3 4 Letras 3 SC Tec análise e desenv de sistemas SC 3 Pedagogia SC 2 METODISTA BENNETT MOACYR SREDER BASTOS Arquitetura e Urbanismo 2 3 Computação (Bacharelado) 2 SC Computação e Informática 3 não avaliada Educação Física não avaliada 3 Filosofia 3 não avaliada Física 2 SC História 4 não avaliada Geografia 3 SC Pedagogia 3 SC História 2 4 Tec análise e desenv de sistemas 2 não avaliada Letras 3 SC Matemática 2 3 CATÓLICA DE SC EM JARAGUÁ DO SUL Pedagogia 2 3 Arquitetura e Urbanismo 2 SC Engenharia (grupo II) Elétrica não avaliada 3 CENTRAL PAULISTA Engenharia (grupo II) Eletrotécnica 4 não avaliada Arquitetura e Urbanismo 4 (1) Engenharia (grupoiii) Mecânica 3 4 Biologia 4 4 Engenharia (grupo VI) Produção 3 3 Computação (Sistema da Informação) 4 3 Tec análise e desenv de sistemas 3 3 Engenharia (grupo II) Computação 3 3 Tec automação industrial 3 3 Engenharia (grupo II) Eletrotécnica 3 não avaliada Tec Fabricação Mecânica 3 SC Engenharia (grupo II) Elétrica não avaliada 3 Engenharia (grupo VI) Produção 3 3 FAE (FAE) História 4 4 Engenharia (grupo VI) Produção não avaliada 4 Letras 4 (1) Filosofia não avaliada 3 Matemática 4 SC Pedagogia 4 4 ESTADO DO PARÁ Biologia 3 4 Computação (Bacharelado) 3 3 SÃO CAMILO - ES Computação (Sistema da Informação) 3 3 Biologia 3 3 Engenharia (grupo VI) Produção SC 3 Computação (Bacharelado) 3 2 Educação Física não avaliada 3 ANHANGÜERA (UNIFIAN) História 3 4 Biologia SC 4 Letras 3 3 Computação (Bacharelado) 3 3 Matemática 2 3 Educação Física não avaliada 4 Pedagogia 3 4 Engenharia (grupo VI) 2 não avaliada Tec análise e desenv de sistemas SC 3 Letras 3 3 Pedagogia 3 4 DESENV. CENTRO OESTE Biologia 2 2 Computação (Sistema da Informação) SC 2 NORTE PAULISTA Letras SC 3 Educação Física não avaliada 3 Matemática SC 2 Tec análise e desenv de sistemas não avaliada 3 Pedagogia SC 3 Engenharia (grupo II) Computação 2 não avaliada Continuação Tabela 44 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2011 grupo azul ciclo SINAES 90

91 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS MÓDULO DE JALES Arquitetura e Urbanismo 3 3 Biologia 2 não avaliada Biologia 2 3 Computação (Sistema da Informação) 3 3 Computação (Sistema da Informação) 3 SC Educação Física não avaliada 3 Educação Física não avaliada 3 História 3 SC História 3 SC Pedagogia 3 2 Letras 3 não avaliada Pedagogia 3 4 AMPARENSE Tec análise e desenv de sistemas não avaliada 3 Biologia 3 4 Educação Física não avaliada 3 CENT REG UNIV ES DO PINHAL Letras 4 4 Biologia 3 2 Pedagogia 3 3 Computação (Bacharelado) 2 SC Química 3 3 Engenharia (grupo II) Computação 2 não avaliada Engenharia (grupo VII) Ambiental 3 3 CAMPOS DE ANDRADE Letras 2 SC Educação Física não avaliada 3 Pedagogia 2 3 Filosofia SC 4 Geografia 3 4 CÂNDIDO RONDON Matemática SC 3 Computação (Bacharelado) 2 3 Pedagogia 3 não avaliada TOLEDO Tec análise e desenv de sistemas 2 não avaliada Computação (Sistema da Informação) 3 SC Educação Física não avaliada 3 INST MAUÁ DE TECN História 3 SC Engenharia (grupo I) Civil 4 3 Letras 3 SC Engenharia (grupo II) Controle e automação 4 3 Pedagogia 3 4 Engenharia (grupo II) Eletrotécnica 3 SC Engenharia (grupoiii) Mecânica 3 3 CERRADO-PATROCÍNIO Engenharia (grupo IV) Alimentos 3 4 Biologia 3 3 Engenharia (grupo IV) Química 3 3 Educação Física não avaliada 2 Engenharia (grupo VI) Produção Mecânica 4 3 Letras 2 SC Matemática 2 3 GERALDO DI BIASE Pedagogia 3 3 Arquitetura e Urbanismo 2 3 Biologia 3 3 PLANALTO DE ARAXÁ Computação (Sistema da Informação) SC 2 Biologia 3 não avaliada Engenharia (grupo I) Civil 2 3 Computação (Sistema da Informação) 3 3 Geografia 2 SC Educação Física não avaliada 3 História 3 (1) Pedagogia 3 Letras 3 4 Matemática 2 SC FUND ENS OCTÁVIO BASTOS - FEOB Pedagogia 3 4 Biologia 3 SC Tec redes de computadores 2 não avaliada Computação (Sistema da Informação) 2 2 Geografia 4 SC ESPÍRITO SANTO História 4 SC Computação (Sistema da Informação) 3 3 Letras 3 SC Educação Física não avaliada 3 Matemática 3 SC Pedagogia SC 3 Pedagogia 3 4 Tec análise e desenv de sistemas 2 2 Química 2 3 Continuação Tabela 44 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2011 grupo azul ciclo SINAES 91

92 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS LINS ITAJUBÁ Engenharia (grupo II) Computação 3 3 Biologia 3 3 Engenharia (grupo I) Civil 2 3 Computação (Sistema da Informação) 3 2 Engenharia (grupo VII) Ambiental 3 4 Engenharia (grupo I) Civil 2 3 Engenharia (grupo II) Elétrica não avaliada 3 Letras 3 4 Engenharia (grupo II) Eletrônica não avaliada 3 Tec automação industrial 3 3 Engenharia (grupo II) Eletrotécnica 2 não avaliada Tec Fabricação Mecânica 3 3 Tec análise e desenv de sistemas 3 3 Tec Processos Químicos SC 3 LAVRAS Biologia 3 4 Pedagogia 2 3 UNIFAFIBE Química 2 SC Biologia não avaliada 3 Computação (Sistema da Informação) não avaliada 4 EURÍPEDES DE MARÍLIA Educação Física não avaliada 3 Computação (Bacharelado) 3 3 Pedagogia não avaliada 3 FUND EDUC GUAXUPÉ FACVEST Computação (Bacharelado) SC 3 Biologia não avaliada 3 Educação Física não avaliada 3 Computação (Bacharelado) não avaliada 3 Engenharia (grupo VI) Produção SC 3 Educação Física não avaliada 3 Letras 3 não avaliada Pedagogia não avaliada 3 Pedagogia 3 3 Química 3 3 CARATINGA Biologia 3 4 FORMIGA Geografia 3 3 Biologia 3 3 História 3 4 Computação (Bacharelado) 3 4 Letras 2 SC Letras 2 não avaliada Matemática 2 SC Pedagogia 3 (1) Pedagogia 2 SC Química 3 3 Química 3 3 SETE LAGOAS FLUMINENSE Biologia SC 3 Arquitetura e Urbanismo SC 2 Educação Física não avaliada 3 História 3 SC Engenharia (grupo VII) Ambiental SC 3 Letras 3 3 Letras 3 SC Matemática 3 SC Pedagogia 2 SC Pedagogia 3 (1) SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA Letras não avaliada 3 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos 92

93 De acordo com a Tabela 44, alguns cursos parecem ter sido incluídos no grupo azul do ciclo SINAES somente em 2011, conforme mostrado anteriormente. Por esse motivo, aparecem como não avaliado em Os dados dessa tabela demonstram que dezenove cursos dos centros universitários de pequeno porte superaram, em 2011, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Quatro cursos obtiveram nota CPC 2 em 2008 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Treze cursos obtiveram nota S/C ou superior a 3 no CPC de 2008 e receberam nota inferior a 3 no CPC de Noventa e seis cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2008 e as mantiveram no CPC de 2011, sendo que um curso obteve nota 5. De igual forma que nas tabelas anteriores, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em 2008 e em De acordo com os dados da Tabela 44, alguns cursos, como, por exemplo, Engenharia, Matemática, Pedagogia, Letras e História, aparecem como não avaliados em 2008 e em Esses dados sugerem que a IES pode não ter inscrito seus estudantes no ENADE em um ano ou em outro e, por esse motivo, não lhe foi atribuída nenhuma nota, não sendo possível compará-las. Pode ter ocorrido, também, que o curso tenha sido extinto e, por esse motivo, não foi avaliado. 93

94 Tabela 45 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS BARÃO DE MAUÁ ASSUNÇÃO Administração 3 não avaliada Administração 2 3 Comunicação social- jornalismo 3 3 Biblioteconomia 2 não avaliada Comunicação social-publicidade 3 2 Ciências contábeis 2 3 Direito 4 3 Direito 3 3 Teatro 3 não avaliada Secretariado executivo 4 SC Turismo 3 SC Tec marketing não avaliada 3 BELAS ARTES DE SP Tec gestão recursos humanos não avaliada 3 Comunicação social-publicidade 3 2 Tec gestão financeira não avaliada 3 Comunicação social - radialismo 3 não avaliada Design 2 3 CONS B. DE MÚSICA Relações internacionais 2 3 Música 3 não avaliada FECAP MOURA LACERDA Administração 5 4 Administração 3 4 Ciências contábeis 4 4 Ciências contábeis 3 3 Ciências econômicas 4 4 Ciências econômicas 3 4 Comunicação social-publicidade 4 3 Direito 2 3 Comunicação social- relações públicas 4 não avaliada Design 2 não avaliada Relações internacionais 3 4 Comunicação social-publicidade 3 3 Secretariado executivo 4 4 Relações internacionais 2 4 Tec gestão comercial não avaliada 3 VOTUPORANGA Tec gestão recursos humanos não avaliada 3 Administração 3 5 Tec gestão financeira não avaliada 3 Ciências contábeis 3 4 Tec logística não avaliada 3 Comunicação social- jornalismo 3 5 Tecnologia em marketing não avaliada 2 Comunicação social-publicidade 3 5 Tec processos gerenciais não avaliada 3 Direito 3 4 Psicologia SC 5 LUSÍADA Tec gestão comercial não avaliada 4 Administração 2 2 Tec gestão recursos humanos SC 4 Relações internacionais 2 1 Tec logística não avaliada 5 CAPITAL PAULISTANO Administração 2 3 Administração 2 SC Direito 2 3 Psicologia 3 3 ESTATÍSTICA 2 não avaliada Tec gestão recursos humanos 2 2 Tec gestão recursos humanos 2 3 Tec gestão financeira 1 (1) Tec logística não avaliada 2 LUT. JI-PARANÁ FILADÉLFIA Administração 3 4 Administração 2 4 Ciências contábeis 3 3 Ciências contábeis 4 4 Comunicação social- jornalismo 3 SC Direito 3 3 Comunicação social-publicidade 2 SC Psicologia 3 3 Direito 3 3 Tec logística não avaliada 5 LUT. DE SANTARÉM Direito

95 Continuação Tabela 45 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS LUT. DE MANAUS LUT. DE PALMAS Administração 2 3 Administração 3 4 Direito 2 3 Ciências contábeis 3 3 Psicologia 2 3 Comunicação social- jornalismo 2 SC Tec gestão recursos humanos 2 SC Comunicação social-publicidade 2 4 Direito 3 3 SERRA DOS ÓRGÃOS Psicologia 3 4 Administração 3 3 Ciências contábeis 3 3 MONTE SERRAT Direito 3 3 Administração 2 3 Ciências contábeis 3 3 METROPOLITANO DE SP Comunicação social- jornalismo 4 não avaliada Administração 3 3 Comunicação social-publicidade 3 4 Ciências contábeis 3 2 Comunicação social - radialismo 3 não avaliada Direito 3 3 Direito 3 2 Tec design de moda 4 não avaliada MOACYR SREDER BASTOS Tec gastronomia 2 não avaliada Administração 2 3 Tec gestão recursos humanos 3 3 Comunicação social-publicidade 2 SC Tec gestão financeira 3 não avaliada Direito 3 3 Tec processos gerenciais 2 4 Turismo 3 não avaliada METODISTA BENNETT Tec logística não avaliada 2 Administração 3 SC Direito 3 SC CATÓLICA DE SC EM JARAGUÁ DO SUL Relações internacionais 2 SC Administração 3 3 Ciências contábeis 3 3 ENS SUP DO AMAZONAS Design 2 (1) Administração 2 3 Direito 3 4 Ciências contábeis 2 4 Tec gestão recursos humanos 3 3 Ciências econômicas 2 3 Direito 3 3 CENTRAL PAULISTA Secretariado executivo SC 2 Administração 4 4 Tec gestão financeira SC 3 Ciências contábeis 4 3 Tec logística não avaliada 3 Comunicação social-publicidade 4 3 Turismo 3 4 Direito 3 3 Tec design de moda 3 não avaliada Tec gastronomia 1 não avaliada HERMÍNIO DA SILVEIRA Psicologia 3 3 FAE Administração 4 4 FACEX Ciências contábeis 3 4 Administração não avaliada 5 Ciências econômicas 3 3 Ciências contábeis não avaliada 4 Comunicação social-publicidade 3 4 Direito não avaliada 3 Design SC 4 Psicologia não avaliada 4 Direito 3 4 Secretariado executivo não avaliada 3 Tec gestão recursos humanos 4 3 Tec gestão comercial não avaliada 4 Tec gestão financeira 3 5 Tec gestão recursos humanos não avaliada 3 Tecnologia em marketing 3 3 Tec gestão financeira não avaliada 4 Tec logística não avaliada 4 Tec logística não avaliada 4 Tecnologia em marketing não avaliada 4 Turismo não avaliada 3 Continuação Tabela 45 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES 95

96 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS SÃO CAMILO - ES ESTADO DO PARÁ Administração 2 3 Administração 3 3 Ciências contábeis 3 SC Ciências contábeis 3 4 Comunicação social-publicidade não avaliada 2 Direito 4 4 Direito 3 SC Psicologia 3 SC BAURU Administração não avaliada 3 DESENV. CENTRO OESTE Ciências contábeis não avaliada 3 Administração 2 3 Direito não avaliada 4 Ciências contábeis 2 3 Direito 2 2 NORTE PAULISTA Secretariado executivo 2 2 Administração 2 3 Direito 2 3 ANHANGÜERA (UNIFIAN) Comunicação social- jornalismo 3 SC Administração 4 4 Psicologia 3 SC Ciências contábeis 3 3 Tec gastronomia 1 não avaliada Direito 4 3 Tec gestão recursos humanos SC 2 Psicologia SC 3 Tecnologia em marketing SC 2 Tec gestão recursos humanos 3 4 DE JALES MÓDULO Administração 3 3 Administração 2 3 Ciências contábeis 2 3 Ciências contábeis 3 2 Direito 2 3 AMPARENSE Tec gestão recursos humanos SC 3 Administração 2 3 Tec gestãoturismo 3 não avaliada Ciências contábeis 3 3 Tec gestão recursos humanos SC 4 CENT REG UNIV ES DO PINHAL Tec logística não avaliada 2 Administração 2 3 Tecnologia em marketing SC 3 Direito 2 3 Comunicação social-publicidade 2 SC CAMPOS DE ANDRADE Turismo 3 SC Administração 2 3 Tec gestão recursos humanos 2 não avaliada Direito 3 3 Tec gestão financeira 2 não avaliada Tecnologia em marketing 3 não avaliada RIO GRANDE DO NORTE Tec gastronomia 2 não avaliada Administração não avaliada 5 Ciências contábeis não avaliada 4 CÂNDIDO RONDON Direito não avaliada 4 Administração 2 3 Psicologia não avaliada 4 Ciências contábeis 2 3 Comunicação social-publicidade 3 4 TOLEDO Direito 2 3 Administração 2 3 Tec gestão financeira 3 3 Ciências contábeis 3 3 Tec gestão comercial não avaliada 3 Comunicação social- jornalismo 3 4 Tec gestão recursos humanos não avaliada 4 Tec design de moda 3 não avaliada Turismo SC 4 Direito 3 4 Tec logística não avaliada 3 Tec gestão recursos humanos não avaliada 3 Tabela 45 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES 96

97 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS INST MAUÁ DE TECN CERRADO-PATROCÍNIO Administração 3 3 Administração 3 3 Design SC 3 Ciências contábeis 2 3 Tec processos gerenciais 3 não avaliada Psicologia SC 4 ESTÁCIO DE SÁ DE SC GERALDO DI BIASE Administração não avaliada 3 Administração 2 3 Direito não avaliada 3 Ciências econômicas 3 SC Comunicação social- jornalismo não avaliada 3 Direito 3 3 Psicologia não avaliada 4 Tec gestão recursos humanos 3 4 Comunicação social-publicidade não avaliada 3 Tec logística não avaliada 3 Tec gestão recursos humanos não avaliada 3 ESPÍRITO SANTO PLANALTO DE ARAXÁ Administração 3 4 Administração 3 3 Administração 2 4 Ciências contábeis 3 3 Ciências contábeis 2 4 Direito 2 3 Direito 3 4 Tec gestão recursos humanos 4 (1) LA SALLE DO RJ FUND ENS OCTÁVIO BASTOS - FEOB Administração não avaliada 3 Administração 3 3 Ciências contábeis não avaliada 3 Ciências contábeis 3 3 Direito não avaliada 3 Direito 3 3 Relações internacionais não avaliada 4 Tec gestão recursos humanos 2 2 Tec logística não avaliada 4 LINS Tecnologia em marketing 2 4 Administração SC 3 Tec processos gerenciais 2 4 Secretariado executivo SC 4 Tecnologia em marketing 3 4 ITAJUBÁ Tec processos gerenciais 4 3 Psicologia 3 3 CHRISTUS UNIFAFIBE Administração não avaliada 4 Administração não avaliada 4 Ciências contábeis não avaliada 4 Ciências contábeis não avaliada 5 Direito não avaliada 4 Direito não avaliada 4 Psicologia não avaliada 4 LAVRAS Direito 3 (1) FACVEST Psicologia 2 (1) Administração não avaliada 4 Ciências contábeis não avaliada 4 EURÍPEDES DE MARÍLIA Direito não avaliada 4 Administração 3 3 Comunicação social- jornalismo não avaliada 3 Ciências contábeis 2 4 Psicologia não avaliada 4 Direito 3 4 Comunicação social-publicidade não avaliada 3 Tec gestão recursos humanos 2 3 Tec processos gerenciais 3 3 Continuação Tabela 45 - Comparativo CPC nos Centros Universitário de Pequeno Porte /2012 grupo vermelho ciclo SINAES 97

98 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS FUND EDUC GUAXUPÉ CARATINGA Administração 3 3 Administração 2 3 Ciências contábeis 3 3 Ciências contábeis 3 (1) Direito 3 3 Ciências econômicas 3 (1) Comunicação social-publicidade 2 3 FLUMINENSE FORMIGA Comunicação social- jornalismo 2 3 Administração 2 3 Comunicação social-publicidade 2 SC Biblioteconomia 2 não avaliada Comunicação social- relações públicas 2 não avaliada Ciências contábeis 3 3 Direito 3 3 Direito 3 (1) Tec logística não avaliada 2 SETE LAGOAS SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA Administração 3 3 Ciências contábeis SC 3 Ciências contábeis 2 4 Ciências econômicas 3 SC Direito 3 2 Tec gestão recursos humanos SC 3 Tec processos gerenciais 2 SC Tec logística não avaliada 2 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos Segundo a Tabela 45, os cursos superiores de tecnologia em Logística, em Gastronomia, em Gestão Comercial e em Gestão Financeira não são cursos permanentes do ciclo SINAES. Alguns desses cursos foram avaliados somente em 2009 e não o foram em 2012, e outros não foram avaliados em 2009, sendo inseridos no grupo azul do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, aparecem como não avaliados em 2009 ou em Os dados dessa tabela demonstram que cinquenta cursos dos centros universitários de pequeno porte superaram, em 2012, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Seis cursos obtiveram nota CPC 2 em 2009 e permaneceram com essa mesma nota no CPC de Dezesseis cursos obtiveram nota S/C ou positiva no CPC de 2009 e receberam nota 2 no CPC de Noventa e nove cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2009 e as mantiveram no CPC de 2012, sendo que dez desses cursos obtiveram nota CPC 5, em De igual forma que na tabela anterior, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em um ano e em outro. Há muitos cursos não avaliados sugerindo que não faziam parte 98

99 do grupo vermelho do ciclo SINAES em 2009 e foram inseridos nesse grupo em 2012, ou pelos motivos descritos anteriormente COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS DAS INSTITUIÇÕES QUANDO ERAM FACULDADES E DEPOIS DE CREDENCIADAS COMO CENTRO UNIVERSITÁRIO GRUPO 1 As próximas Tabelas apresentam a comparação entre os indicadores de qualidade referentes à quantidade de ingressantes, de matrículas, de cursos oferecidos, do IGC (quando o centro universitário tiver sido credenciado após 2007), do percentual de professores mestres e doutores, do percentual de professores que atuam em tempo integral e da oferta de curso de pós-graduação stricto sensu do ano em que o centro universitário foi credenciado e em 2012, a fim de mostrar se esses índices evoluíram, ou permaneceram estagnados, ou se reduziram. A nota do CI dos centros universitários não foi contemplada nas tabelas comparativas uma vez que não é possível comparar medidas que não sejam iguais. Conforme abordado na seção 2 deste trabalho, a escala avaliativa, antes de 2006, não era numérica, como a atual. Além disso, como visto anteriormente, nem todos os centros universitários possuem CI registrado no e-mec e, por esse motivo, este conceito não é apresentado nas tabelas comparativas que seguem. 99

100 Tabela 46 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Grande Porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciamento 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciamento INST. ED SUP DE BRASÍLIA - IESB 2011 AUGUSTO MOTTA 1997 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC 3 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 70% 62% % Doutores+Mestres 45% 79% % Docentes Tempo Integral 24% 21% % Docentes Tempo Integral 21% 21% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado DE BELO HORIZONTE 1999 UNA 2000 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 4 33 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 23% 77% % Doutores+Mestres 31% 73% % Docentes Tempo Integral 31% 21% % Docentes Tempo Integral 19% 22% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado DE BRASÍLIA-UNICEUB 1999 ESTÁCIO DO CEARÁ 2012 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC 3 3 % Doutores+Mestres 37% 80% % Doutores+Mestres 66% 66% % Docentes Tempo Integral 7% 26% % Docentes Tempo Integral 21% 21% Indicador de Pós-Graduação não possui doutorado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui ESTÁCIO DA BA- FIB 2004 ESTÁCIO RAD SP -UNIRADIAL 2007 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 9 24 Qtd Cursos 8 23 IGC - 3 IGC 3 3 % Doutores+Mestres 43% 54% % Doutores+Mestres 72% 53% % Docentes Tempo Integral 24% 23% % Docentes Tempo Integral 0% 20% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui MAURÍCIO DE NASSAU 2012 DA CIDADE 1998 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC 3 3 IGC - 2 % Doutores+Mestres 67% 67% % Doutores+Mestres 36% 66% % Docentes Tempo Integral 46% 46% % Docentes Tempo Integral 36% 30% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui FAC METR. UNIDAS 1999 ANHANGUERA DE SP 1999 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 7 28 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 28% 71% % Doutores+Mestres 51% 40% % Docentes Tempo Integral 3% 24% % Docentes Tempo Integral 14% 20% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui ÍTALO-BRASILEIRO 2006 CESMAC 1997 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 17 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 26% 55% % Doutores+Mestres 2% 51% % Docentes Tempo Integral 0% 35% % Docentes Tempo Integral 100% 17% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado NOSSA SRA DO PATROCÍNIO 1998 Ingressantes Matriculas Qtd Cursos 8 38 IGC - 3 % Doutores+Mestres 26% 41% % Docentes Tempo Integral 8% 20% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Fonte - Censo do Ensino Superior

101 Segundo a Tabela 46, dois centros universitários, credenciados há mais de dez anos, demonstram ter crescimento de 700% no número de ingressantes, sendo que, a maioria deles, teve aumento de ingressantes em torno de 200 a 300%. Em um centro universitário credenciado há mais de dez anos, esse aumento não foi significativo. O número de matrículas cresceu em todos os centros universitários credenciados há mais de um ano e o número de cursos oferecidos triplicou em muitos deles. Esse crescimento é pertinente à expansão da educação superior no país. Em três centros universitários de grande porte, o percentual de professores com titulação de mestrado e doutorado diminuiu desde o ano de seu credenciamento em relação ao ano de Em sete centros universitários houve aumento do percentual de professores em tempo integral desde seu credenciamento. Em cinco centros universitários o percentual de professores atuando em tempo integral diminuiu desde o credenciamento. Em um deles, o percentual de docentes em tempo integral no ano de seu credenciamento era 100% e, em 2012, esse percentual diminuiu para 17%. Todos os centros universitários de grande porte passaram a oferecer pósgraduação stricto sensu após seu credenciamento. Nos centros universitários credenciados após 2008, a nota do IGC no ano de credenciamento foi a mesma do ano de Nenhum centro universitário de grande porte obteve nota IGC superior a 3 em

102 Tabela 47 Comparativo de Resultados dos centros universitários de médio porte entre o ano de credenciamento e o ano

103 Continuação Tabela 47 Comparativo de Resultados dos centros universitários de médio porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciamento 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciamento DE GOIÁS 2004 DE JOÃO PESSOA 1997 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 9 14 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 57% 76% % Doutores+Mestres 35% 76% % Docentes Tempo Integral 22% 23% % Docentes Tempo Integral 0% 45% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui DE PATOS DE MINAS 2004 DE VÁRZEA GRANDE 2000 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 54% 62% % Doutores+Mestres 42% 68% % Docentes Tempo Integral 15% 41% % Docentes Tempo Integral 22% 19% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui DE VOLTA REDONDA 1999 DO DISTRITO FEDERAL 2004 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 7 19 Qtd Cursos 5 17 IGC - 4 IGC - 3 % Doutores+Mestres 21% 82% % Doutores+Mestres 29% 68% % Docentes Tempo Integral 5% 29% % Docentes Tempo Integral 1% 26% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui DO LESTE DE MINAS GERAIS 2000 DO TRIÂNGULO 1997 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC 3 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 32% 63% % Doutores+Mestres 45% 52% % Docentes Tempo Integral 16% 20% % Docentes Tempo Integral 6% 5% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui EURO-AMERICANO 2004 FIEO 1998 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 59% 67% % Doutores+Mestres 52% 81% % Docentes Tempo Integral 15% 27% % Docentes Tempo Integral 0% 18% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado FRANCISCANO 1998 FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ 2008 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 9 30 Qtd Cursos IGC - 3 IGC 3 3 % Doutores+Mestres 53% 89% % Doutores+Mestres 71% 76% % Docentes Tempo Integral 0% 51% % Docentes Tempo Integral 22% 16% Indicador de Pós-Graduação não possui doutorado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui LA SALLE 1998 METODISTA 2004 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 29 Qtd Cursos 9 28 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 54% 90% % Doutores+Mestres 70% 89% % Docentes Tempo Integral 15% 33% % Docentes Tempo Integral 29% 23% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado

104 Continuação Tabela 47 Comparativo de Resultados dos centros universitários de médio porte entre o ano de credenciamento e o ano

105 Segundo a Tabela 47, quatro centros universitários tiveram a quantidade de ingressantes reduzida desde seu credenciamento. Observamos um aumento de ingressantes acima de 300% em apenas dois centros universitários de médio porte. Na maioria das IES desse subgrupo, o número de matrículas aumentou em torno de 200%. Em todos os centros universitários desse subgrupo o número de cursos oferecidos aumentou. Mais uma vez, o crescimento do número de matrículas e de cursos demonstra que os centros universitários acompanharam a expansão do ensino superior brasileiro. O percentual de professores com titulação de mestrado e doutorado diminuiu desde o ano de seu credenciamento em relação ao ano de 2012 em apenas dois centros universitários de médio porte. Em dez IES desse subgrupo, esse percentual quase que dobrou desde o ano de credenciamento, se comparado aos percentuais de O percentual de professores atuando em tempo integral diminuiu em oito centros universitários, desde o ano de credenciamento. Em um deles, esse percentual continuou inferior a 20%. Em vinte e nove IES, o percentual de docentes em tempo integral aumentou e, em dois deles, esse percentual permaneceu o mesmo desde o seu credenciamento. Todos os centros universitários de médio porte passaram a oferecer cursos de pós-graduação stricto sensu após o credenciamento. Nos centros universitários credenciados após 2008, nesse subgrupo, a nota do IGC (3) no ano de credenciamento foi a mesma do ano de Apenas quatro, dos trinta e nove centros universitários de médio porte obtiveram IGC igual a 4 em De acordo com a Resolução n 1, de 2010, para ser credenciada como centro universitário, a instituição deve ter, no mínimo, oito cursos reconhecidos pelo MEC. No grupo dos centros universitários de médio porte, apenas três centros universitários oferecem menos de oito cursos de graduação. 105

106 Tabela 48 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Pequeno Porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento BARÃO DE MAUÁ (CBM) 1998 CONS B. DE MÚSICA (CBM/CEU) 2002 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 3 1 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 50% 71% % Doutores+Mestres 46% 65% % Docentes Tempo Integral 54% 20% % Docentes Tempo Integral 0% 17% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui ASSUNÇÃO (UNIFAI) 2000 BELAS ARTES DE SP (FEBASP) 2002 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 8 7 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 0% 71% % Doutores+Mestres 42% 76% % Docentes Tempo Integral 0% 21% % Docentes Tempo Integral 0% 15% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui MOURA LACERDA (CUML) 1997 FECAP (FECAP) 2002 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 5 6 IGC - 3 IGC - 4 % Doutores+Mestres 48% 77% % Doutores+Mestres 66% 96% % Docentes Tempo Integral 6% 20% % Docentes Tempo Integral 0% 24% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado DE VOTUPORANGA (UNIFEV) 1997 LUSÍADA (UNILUS) 1997 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 30 Qtd Cursos 10 9 IGC - 4 IGC - 3 % Doutores+Mestres 30% 67% % Doutores+Mestres 39% 74% % Docentes Tempo Integral 15% 28% % Docentes Tempo Integral 2% 28% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado CAPITAL (UNICAPITAL) 1999 PAULISTANO (UNIPAULISTANA) 2004 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 9 10 IGC - 3 IGC - 2 % Doutores+Mestres 48% 67% % Doutores+Mestres 79% 61% % Docentes Tempo Integral 9% 16% % Docentes Tempo Integral 23% 29% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui FILADÉLFIA (UNIFIL) 2001 LUT. JI-PARANÁ (CEULJI/ULBRA) 2002 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 6 16 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 41% 59% % Doutores+Mestres 28% 62% % Docentes Tempo Integral 0% 22% % Docentes Tempo Integral 0% 46% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui LUT. DE SANTARÉM (CEULS) 2006 LUT. DE MANAUS (CEULM/ULBRA) 2001 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 5 10 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 35% 43% % Doutores+Mestres 47% 64% % Docentes Tempo Integral 11% 26% % Docentes Tempo Integral 0% 34% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui

107 Continuação Tabela 48 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Pequeno Porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento LUT. DE PALMAS (CEULP) 2000 SERRA DOS ÓRGÃOS (UNIFESO) 2006 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 0% 53% % Doutores+Mestres 50% 61% % Docentes Tempo Integral 0% 39% % Docentes Tempo Integral 18% 22% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui METROPOLITANO DE SP (UNIMESP) 2005 MONTE SERRAT (UNIMONTE) 1997 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 51% 56% % Doutores+Mestres 27% 55% % Docentes Tempo Integral 22% 27% % Docentes Tempo Integral 13% 10% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui MOACYR SREDER BASTOS (UNIMSB) 1997 METODISTA BENNETT (BENNETT) 2004 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 11 9 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 42% 78% % Doutores+Mestres 65% 85% % Docentes Tempo Integral 9% 21% % Docentes Tempo Integral 19% 10% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui CATÓLICA DE SC EM JARAGUÁ DO SUL 2000 ENS SUP DO AMAZONAS (CIESA) 2005 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 17 Qtd Cursos 6 13 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 0% 70% % Doutores+Mestres 39% 55% % Docentes Tempo Integral 0% 23% % Docentes Tempo Integral 0% 38% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui CENTRAL PAULISTA (UNICEP) 2001 HERMÍNIO DA SILVEIRA (UNI IBMR) 2005 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 26 Qtd Cursos 5 14 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 63% 80% % Doutores+Mestres 47% 76% % Docentes Tempo Integral 0% 29% % Docentes Tempo Integral 0% 9% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui FAE (FAE) 2004 FACEX (UNIFACEX) 2012 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 3 16 Qtd Cursos IGC - 4 IGC 4 4 % Doutores+Mestres 84% 83% % Doutores+Mestres 23% 63% % Docentes Tempo Integral 26% 56% % Docentes Tempo Integral 21% 21% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui SÃO CAMILO - ES 2004 DO ESTADO DO PARÁ (CESUPA) 2002 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 9 16 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 33% 67% % Doutores+Mestres 51% 76% % Docentes Tempo Integral 6% 27% % Docentes Tempo Integral 0% 24% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado

108 Continuação Tabela 48 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Pequeno Porte entre o ano de credenciamento e o ano

109 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento DESENV. CENTRO OESTE (UNIDESC) 2006 BAURU 2006 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 4 8 IGC - 2 IGC - 4 % Doutores+Mestres 40% 33% % Doutores+Mestres 46% 81% % Docentes Tempo Integral 5% 33% % Docentes Tempo Integral 4% 22% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui 2012 ANHANGÜERA (UNIFIAN) 2001 DO NORTE PAULISTA (UNORP) 1998 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 14 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 44% 34% % Doutores+Mestres 23% 53% % Docentes Tempo Integral 0% 21% % Docentes Tempo Integral 0% 20% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui MÓDULO (MÓDULO) 2005 DE JALES (UNIJALES) 2005 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 53% 78% % Doutores+Mestres 37% 40% % Docentes Tempo Integral 6% 33% % Docentes Tempo Integral 11% 29% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui AMPARENSE (UNIFIA) 2006 CENT REG UNIV ES DO PINHAL 1999 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos 6 21 IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 70% 42% % Doutores+Mestres 49% 66% % Docentes Tempo Integral 22% 25% % Docentes Tempo Integral 8% 4% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui CAMPOS DE ANDRADE (UNIANDRADE) 1999 CÂNDIDO RONDON (UNIRONDON) 2004 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 5 20 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 57% 80% % Doutores+Mestres 48% 77% % Docentes Tempo Integral 0% 26% % Docentes Tempo Integral 20% 27% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui DO RIO GRANDE DO NORTE (UNI-RN) 2012 TOLEDO (UNITOLEDO) 2004 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC 4 4 IGC - 3 % Doutores+Mestres 70% 70% % Doutores+Mestres 53% 68% % Docentes Tempo Integral 49% 49% % Docentes Tempo Integral 14% 20% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui INST MAUÁ DE TECN (CEUN-IMT) 1998 CERRADO-PATROCÍNIO (UNICERP) 2005 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos - 12 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres - 80% % Doutores+Mestres 44% 60% % Docentes Tempo Integral - 26% % Docentes Tempo Integral 15% 31% Indicador de Pós-Graduação não possui mestrado Indicador de Pós-Graduação não possui não possui 109

110 Continuação Tabela 48 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Pequeno Porte entre o ano de credenciamento e o ano

111 Continuação Tabela 48 Comparativo de Resultados dos Centros Universitários de Pequeno Porte entre o ano de credenciamento e o ano 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS Ano do Credenciam ento DE CARATINGA (UNEC) 2004 DE FORMIGA (UNIFORMG) 2006 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 25% 61% % Doutores+Mestres 47% 54% % Docentes Tempo Integral 9% 22% % Docentes Tempo Integral 24% 21% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui FLUMINENSE (UNIFLU) 2004 DE SETE LAGOAS (UNIFEMM) 2006 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 8 11 Qtd Cursos IGC - 3 IGC - 3 % Doutores+Mestres 49% 60% % Doutores+Mestres 75% 81% % Docentes Tempo Integral 30% 24% % Docentes Tempo Integral 12% 20% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui SÃO JOSÉ DE ITAPERUNA 2009 CATÓLICA DE SC EM JOINVILLE 2000 Ingressantes Ingressantes Matriculas Matriculas Qtd Cursos 7 8 Qtd Cursos - 12 IGC 3 3 IGC - - % Doutores+Mestres 44% 52% % Doutores+Mestres - 86% % Docentes Tempo Integral 0% 8% % Docentes Tempo Integral - 21% Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Indicador de Pós-Graduação não possui não possui Fonte - Cendo da Educação Superior 2012 De acordo com os dados da Tabela 48, dois centros universitários não declararam informações no Censo Superior no ano de credenciamento. Vinte e quatro centros universitários tiveram a quantidade de ingressantes reduzida desde seu credenciamento, sendo que em um deles, a quantidade de ingressantes declarada no Censo Superior de 2012 é menor que 10. Observamos um aumento de ingressantes acima de 100% em apenas três centros universitários de pequeno porte, sendo que em um desses, a quantidade de ingressantes aumentou em 600%. Na maioria dos centros universitários de pequeno porte, o aumento de ingressantes é inferior a 50% e o número de matrículas, de igual forma, aumentou menos que 50%. Em onze IES desse subgrupo esse aumento foi em torno de 100%. Em cinquenta centros universitários de pequeno porte a quantidade de cursos oferecidos aumentou desde o credenciamento. Em quatro deles, esse aumento foi superior a 100%. Em dez IES desse subgrupo, a quantidade de cursos diminuiu desde o credenciamento. O aumento do número de cursos, todavia, nos 111

112 centros universitários de pequeno porte, não acompanhou o crescimento do número de matrículas. O percentual de professores com titulação de mestrado e doutorado diminuiu ou permaneceu o mesmo, desde o ano de seu credenciamento em relação ao ano de 2012, em nove centros universitários de pequeno porte. Nos demais, esse percentual aumentou desde o ano de credenciamento, se comparado aos percentuais de O percentual de professores atuando em tempo integral diminuiu em oito centros universitários de pequeno porte, desde o ano de credenciamento. Em cinco deles, esse percentual aumentou, porém continua inferior a 20%. Esse percentual exigido pela legislação em vigor não é encontrado em nove IES desse subgrupo. Todos os oito centros universitários de pequeno porte que oferecem cursos de pós-graduação stricto sensu, passaram a ofertá-los depois de o credenciamento. Não há como comparar as notas do ICG dos centros universitários credenciados antes de 2008, uma vez que esse conceito foi instituído após essa data. No subgrupo dos cinco centros universitários de pequeno porte, cinco oferecem menos de oito cursos de graduação. Um deles oferece sete cursos de graduação e foi credenciado, segundo a Tabela 48, em PERFIL DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 - CENTROS UNIVERSITÁRIOS PRIVADOS QUE OFERTAM, CONCOMITANTEMENTE, CURSOS DE GRADUAÇÃO NAS MODALIDADES PRESENCIAL E A DISTÂNCIA Dos 139 centros universitários credenciados no Brasil, apenas 13 (9,4%) oferecem educação nas modalidades presencial e a distância. As seções seguintes apresentam o perfil dos centros universitários que compõem o Grupo 2 centros universitários privados que ofertam, concomitantemente, cursos de graduação nas modalidades presencial e a distância ATUAÇÃO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 112

113 O Quadro 5 demonstra que a maior concentração de sedes dos centros universitários do Grupo 2 está na Região Sudeste (7), seguida da Região Sul (3). As demais sedes (3) estão nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Cada uma dessas regiões possuem apenas um centro universitário com oferta de cursos nas modalidades presencial e a distância. Quadro 5 - Localização da Sede dos Centros Universitários por Região CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul Claretiano SP-BATATAIS Grande Dourados MS-DOURADOS Araras SP-Araras Maringá - CEUMAR PR-MARINGA Rio Preto SP-SÃO JOSÉ DO Rio Preto Inst. Ens. Superior COC SP-RIBEIRÃO PRETO Norte AM-MANAUS Sul de Minas MG-VARGINHA Herminio Ometto SP-Araras Internacional PR-CURITIBA Jorge Amado BA-SALVADOR Leonardo da Vinci SC-INDAIAL Newton Paiva MG-BELO HORIZONTE Fonte - Censo da Educação Superior 2012 O Quadro 6 demonstra a atuação desses centros universitários na sede e nas unidades de ensino, por Região e por Unidade Federativa (UF). De acordo com esse quadro, dois centros universitários possuem unidade de ensino em quase todo o território brasileiro. Quadro 6 - Atuação dos Centros Universitários por Região CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul Claretiano AC,RO,RR,TO AL,BA DF,GO,MT,MS ES,MG,SP PR,RS Grande Dourados AC,RO,PA,TO BA,MA,PB DF,GO,MT,MS ES,MG,SP PR,SC Araras SP Maringá - CEUMAR PA,TO BA DF,MT,MS RJ,MG,SP PR,SC,RS Rio Preto PE MG,SP Inst. Ens. Superior COC AC,RO,RR, TO AL,BA,CE,MA,PB,RN,SE DF,GO,MT,MS ES,MG,RJ,SP PR,SC,RS Norte AM Sul de Minas MG Herminio Ometto SP Internacional AC,AM,AP,PA,RO,RR, TO AL,BA,CE,MA,PB,PE,PI,RN,SE DF,GO,MT,MS ES,MG,RJ,SP PR,SC,RS Jorge Amado BA PR Leonardo da Vinci AM,PA,RO BA,MA GO,MT,MS ES,SP PR,SC,RS Newton Paiva MG Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Os dados do Quadro 6 demonstram que a maioria dos centros universitários do Grupo 2 atua na região Norte e Nordeste. Quatro IES atuam apenas na Região Sudeste. Um centro universitário atua no Nordeste e no Sul. Os demais atuam em todas as 113

114 regiões, mas em menor quantidade de UF. No Nordeste, há sete centros universitários que atuam na Bahia e apenas um no Piauí. Há, pelo menos, dois centros universitários do Grupo 2 atuando em Sergipe, no Ceará e no Rio Grande do Norte. No Norte, pelo menos três centros universitários atuam em cada UF dessa região MATRÍCULAS NOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 A Tabela 49 apresenta a quantidade de matrículas nos centros universitários do Grupo 2, por modalidade de ensino presencial e EaD. As matrículas na EaD representam 71% do total e as da modalidade presencial, 29%. A maior parte dos centros universitários do Grupo 2 concentra suas matrículas na EaD, com exceção de cinco deles: Norte, Jorge Amado, Newton Paiva, Rio Preto e Sul de Minas. Tabela 49 - Quantidade de Matrículas, por Modalidade segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO MODALIDADE Distância % Presencial % TOTAL % Internacional % % % Leonardo da Vinci % % % Inst. Ens. Superior COC % % % Maringá - CEUMAR % % % Norte 39 0% % % Jorge Amado % % % Grande Dourados % % % Claretiano % % % Newton Paiva 715 6% % % Herminio Ometto % % % Rio Preto 48 1% % % Araras % % % Sul de Minas % % % Total % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 As matrículas em todos os centros universitários brasileiros somam A representação das matrículas dos centros universitários do Grupo 2 em relação ao total das matrículas dessa organização acadêmica é 34%. De acordo com os dados da Tabela 49, dois centros universitários do Grupo 2 são considerados de pequeno porte, um é considerado de médio porte e os demais são considerados de grande porte. 114

115 acadêmicos. A Tabela 50 apresenta a quantidade de matrículas na EaD nos diferentes graus Tabela 50 - Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO GRAU ACADÊMICO Bacharelado % Licenciatura % Tecnológico % TOTAL % Internacional % % % % Leonardo da Vinci % % % % Inst. Ens. Superior COC % % % % Maringá - CEUMAR % % % % Claretiano % % % % Grande Dourados % % % % Herminio Ometto 497 9% % 269 5% % Jorge Amado % 0 0% % % Araras 79 3% % 62 2% % Newton Paiva % % % 715 0% Sul de Minas % % 42 8% 530 0% Rio Preto % 0 0% 0 0% 48 0% Norte % 0 0% 0 0% 39 0% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 As matrículas na EaD, nos cursos superiores de tecnologia, segundo a Tabela 50, representam 44% do total, seguidas das licenciaturas (39%) e dos bacharelados (17%). Diferentemente da modalidade a distância, as matrículas na modalidade de ensino presencial, conforme Tabela 16 do Grupo 1, concentram-se nos cursos de bacharelado (77%) e as matrículas da modalidade presencial nos cursos superiores de tecnologia representam 14% e a das licenciaturas representam 9%. Podemos dizer, de acordo com esses dados, que a procura pelos cursos de bacharelado na EaD é equivalente à procura dos cursos superiores de tecnologia na modalidade presencial. Nos centros universitários do Grupo 2, as matrículas na modalidade presencial acompanham os resultados das IES do Grupo 1, isto é, nessa modalidade de ensino, os estudantes optam pelos cursos de bacharelado, conforme mostra a Tabela 51. Esses dados demonstram que os estudantes que procuram a modalidade de ensino presencial optam pela formação em cursos de bacharelado (74%), diferentemente dos estudantes que procuram os cursos de modalidade EaD, que optam pelos cursos de licenciatura e tecnológicos. 115

116 Tabela 51 - Quantidade de Matrículas na Educação a Presencial por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO GRAU ACADÊMICO Bacharelado % Licenciatura % Tecnológico % TOTAL % Norte % % % % Jorge Amado % 882 5% % % Newton Paiva % 1 0% % % Maringá - CEUMAR % 424 5% % % Grande Dourados % % 654 9% % Rio Preto % 435 6% 350 5% % Internacional % 302 6% % % Herminio Ometto % % % % Leonardo da Vinci % 45 1% 0 0% % Sul de Minas % 282 9% % % Inst. Ens. Superior COC % 142 6% 0 0% % Claretiano % % % % Araras % 38 5% 7 1% 799 1% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 As Tabelas 51 e 52 demonstram que os treze centros universitários do Grupo 2 possuem estudantes matriculados na educação presencial. Dois deles, juntos, que atuam nas Regiões Norte e Nordeste, possuem (46%) alunos matriculados nessa modalidade de ensino. O centro universitário do Norte concentra o maior número de alunos matriculados no Amazonas, na modalidade presencial. Na região Sudeste, há apenas um centro universitário com mais de dez mil alunos matriculados no ensino presencial. Desses centros universitários, o que possui menos alunos matriculados no ensino presencial está situado na Região Sudeste. Tabela 52 - Quantidade de Matrículas na Educação Presencial por Região, segundo o Centro Universitário 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul TOTAL % Norte % Jorge Amado % Newton Paiva % Maringá - CEUMAR % Grande Dourados % Rio Preto % Internacional % Herminio Ometto % Leonardo da Vinci % Sul de Minas % Inst. Ens. Superior COC % Claretiano % Araras % Total % % 28% 18% 7% 30% 17% 100% Fonte - Censo da Educação Superior

117 De acordo com a Tabela 53, os centros universitários do Grupo 2, juntos, possuem alunos matriculados na EaD, representando mais que o dobro de matrículas na modalidade presencial, conforme visto anteriormente. Tabela 53 - Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por Região, segundo o Centro Universitário 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO Norte Nordeste Centro Oeste Sudeste Sul TOTAL % Internacional % Leonardo da Vinci % Inst. Ens. Superior COC % Maringá - CEUMAR % Claretiano % Grande Dourados % Herminio Ometto % Jorge Amado % Araras % Newton Paiva % Sul de Minas % Rio Preto % Norte % Total % % 9% 10% 10% 31% 40% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com a Tabela 53, a Região Sul detém a maior quantidade dos alunos matriculados na modalidade EaD ( ), seguida da Região Sudeste, com alunos matriculados estudando a distância. A Região Norte possui a menor quantidade de estudantes na modalidade EaD (22.243). Os centros universitários que atuam nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, juntos, possuem (29%) alunos na modalidade de EaD. A Tabela 54 mostra que sete dos treze centros universitários do Grupo 2 atuam na região Norte. Tabela 54 - Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Norte, segundo o Centro Universitário 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO NORTE AC AM AP PA RO RR TO TOTAL % Leonardo da Vinci % Internacional % Claretiano % Inst. Ens. Superior COC % Maringá - CEUMAR % Grande Dourados % Norte % Total % % 10% 16% 2% 44% 14% 4% 10% 100% Fonte - Censo da Educação Superior

118 Dos alunos matriculados na EaD, nessa Região, 44% estão no Pará, conforme Tabela 54. A UF do Amapá possui a menor quantidade de alunos na modalidade a distância (405), seguindo Roraima, que possui 783 estudantes nessa modalidade de ensino. Nordeste. Segundo a Tabela 55, oito centros universitários do Grupo 2 atuam na Região Tabela 55 - Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Nordeste, segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO NORDESTE AL BA CE MA PB PE PI RN SE TOTAL % Leonardo da Vinci % Internacional % Inst. Ens. Superior COC % Jorge Amado % Claretiano % Maringá - CEUMAR % Grande Dourados % Rio Preto % Total % % 8% 64% 2% 13% 4% 7% 1% 1% 1% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 A maior concentração de matrículas na EaD nesses centros universitários está na Bahia, conforme mostra a Tabela 55, corroborando as informações do Quadro 6. Os centros universitários que atuam na modalidade a distância em Sergipe, Piauí e Rio Grande do Norte têm a menor quantidade de matrículas, concentrando apenas 3% do total dessa Região. Esse dado corrobora as informações apresentadas no Quadro 6 que mostra uma menor atuação dos centros universitários nessas UF. na EaD. Na Região Centro-Oeste, seis centros universitários do Grupo 2 oferecem cursos Tabela 56 - Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Centro Oeste, segundo o Centro Universitário 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO CENTRO-OESTE DF GO MT MS TOTAL % Grande Dourados % Internacional % Inst. Ens. Superior COC % Leonardo da Vinci % Maringá - CEUMAR % Claretiano % Total % % 26% 18% 20% 36% 100% Fonte - Censo da Educação Superior

119 A maior concentração de matrículas nessa modalidade de ensino, na Região Centro-Oeste, encontra-se em Mato Grosso do Sul, seguido do Distrito Federal, conforme mostra a Tabela 56. A Tabela 57 revela que onze centros universitários atuam na Região Sudeste na modalidade de EaD. Tabela 57- Quantidade de Matriculas na Educação a Distância por UF da Região Sudeste, segundo o Centro Universitário 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO SUDESTE ES MG RJ SP TOTAL % Internacional % Inst. Ens. Superior COC % Claretiano % Herminio Ometto % Maringá - CEUMAR % Araras % Leonardo da Vinci % Grande Dourados % Newton Paiva % Sul de Minas % Rio Preto % Total % % 4% 23% 3% 69% 100% Fonte - Censo da Educação Superior 2012 O Estado de São Paulo, conforme Tabela 57 detém a maior concentração de matrículas dessa Região (69%), seguido de Minas Gerais (23%). O Rio de Janeiro é a UF com menor concentração de matrículas na EaD (3%), nos centros universitários do Grupo 2. A Região Sul, conforme visto em tabelas anteriores, detém a maior concentração de matrículas na EaD e conta com oito centros universitários do Grupo 2 atuando nessa modalidade de ensino, de acordo com a Tabela 58. Tabela 58 - Quantidade de Matrículas na Educação a Distância por UF da Região Sul, segundo o Centro Universitário 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIÃO SUL PR RS SC TOTAL % Leonardo da Vinci % Internacional % Maringá - CEUMAR % Grande Dourados % Claretiano % Inst. Ens. Superior COC % Jorge Amado % Newton Paiva % Total % % 35% 25% 40% 100% Fonte - Censo da Educação Superior

120 O Estado de Santa Catarina, segundo a Tabela 58, possui a maior quantidade de alunos matriculados na EaD (40%), seguido do Paraná (35%) e, por último, o Rio Grande do Sul (25%). Conforme visto anteriormente, as matrículas na modalidade de EaD, nessa região brasileira, é equivalente à quantidade de matrículas na modalidade de ensino presencial em todos os centros universitários do Grupo DISTRIBUIÇÃO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 PELO NÚMERO DE INGRESSANTES NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO O número de alunos ingressantes na modalidade de EaD, nos centros universitários do Grupo 2, em 2012, é, aproximadamente, 200% maior que a quantidade de estudantes ingressantes na modalidade presencial, conforme demonstra a Tabela 59. Tabela 59 - Quantidade de Ingressantes, por Modalidade segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO MODALIDADE Distância % Presencial % TOTAL % Internacional % % % Leonardo da Vinci % % % Maringá - CEUMAR % % % Jorge Amado % % % Norte 41 0% % % Inst. Ens. Superior COC % 776 6% % Claretiano % 872 7% % Grande Dourados % % % Newton Paiva 402 8% % % Herminio Ometto % % % Rio Preto 107 3% % % Sul de Minas % % % Araras % % 851 0% Total % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com a Tabela 59, há apenas um centro universitário com percentual de ingressantes na modalidade EaD próximo a zero e dois deles com percentual de ingressantes inferior a 10%, em relação à quantidade de ingressantes, na mesma IES, na modalidade presencial. Aproximadamente 50% dos ingressantes na modalidade EaD, em 2012, encontram-se em dois centros universitários. Encontramos apenas um centro universitário do Grupo 2 cujo número de ingressantes é inferior a mil alunos. 120

121 A Tabela 60 apresenta a quantidade de ingressantes nos cursos de graduação, por grau acadêmico. De acordo com esses dados, 50% dos estudantes ingressaram em cursos superiores de tecnologia, sendo que a quantidade de ingressantes em cursos desse grau acadêmico está concentrada em três centros universitários. Em apenas duas IES não há ingressantes em cursos superiores de tecnologia. Tabela 60 - Quantidade de Ingressantes na Educação a Distância por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO GRAU ACADÊMICO Bacharelado % Licenciatura % Tecnológico % TOTAL % Internacional % % % % Leonardo da Vinci % % % % Maringá - CEUMAR % % % % Inst. Ens. Superior COC % % % % Claretiano % % % % Grande Dourados % % % % Jorge Amado % 0 0% % % Herminio Ometto % % % % Araras 21 4% % 9 2% 484 0% Newton Paiva % % 81 20% 402 0% Sul de Minas 85 29% % 28 10% 294 0% Rio Preto % 0 0% 0 0% 107 0% Norte % 0 0% 0 0% 41 0% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 Segundo os dados da Tabela 60, 33% dos estudantes ingressaram em cursos de licenciatura, concentrados em seis centros universitários. Os estudantes ingressos nos cursos de bacharelado somam 17% do total. Duas IES do Grupo 2 receberam apenas estudantes em cursos de bacharelado. Embora a maior concentração de ingressantes se encontre nos cursos superiores de tecnologia, não é possível dizer que esses são os mais procurados, pois eles se concentram em apenas três IES. Há centros universitários que o percentual de ingressantes nas licenciaturas é superior ao do ingressante nos cursos de bacharelado e nos tecnológicos. De acordo com a Tabela 61, diferentemente da modalidade de ensino a distância, o ensino presencial dos centros universitários do Grupo 2 concentra maior percentual de ingressantes em cursos de bacharelado (70%), seguidos dos cursos superiores de tecnologia (21%) e das licenciaturas (9%). Esses dados ratificam os resultados das tabelas anteriores. 121

122 Tabela 61 - Quantidade de Ingressantes na Educação Presencial por Grau Acadêmico, segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO GRAU ACADÊMICO Bacharelado % Licenciatura % Tecnológico % TOTAL % Norte % % % % Jorge Amado % 582 5% % % Newton Paiva % 0 0% % % Maringá - CEUMAR % 189 4% % % Grande Dourados % % % % Rio Preto % 245 7% 244 7% % Internacional % 93 4% % % Herminio Ometto % % % % Leonardo da Vinci % 1 0% 0 0% % Sul de Minas % 101 8% % % Inst. Ens. Superior COC % 1 0% 0 0% 776 2% Claretiano % % % 872 2% Araras % 0 0% 0 0% 367 1% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 As Tabelas 60 e 61 mostram que o perfil dos alunos ingressantes dos diferentes graus acadêmicos é distinto um do outro. Os estudantes que buscam sua formação em cursos de bacharelado parecem preferir os cursos na modalidade presencial. Os que buscam sua formação em cursos superiores de tecnologia parecem preferir a modalidade de ensino a distância, da mesma maneira que os que buscam se licenciar em alguma área DISTRIBUIÇÃO DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 POR TITULAÇÃO E REGIME DE TRABALHO DOS DOCENTES Conforme visto anteriormente, os centros universitários devem ter, no mínimo, 33% de professores com titulação de curso de pós-graduação stricto sensu. A Tabela 62 mostra a titulação dos docentes dos centros universitários do Grupo 2. Esses dados revelam que a soma dos percentuais de professores com diplomas de mestrado e doutorado está acima de 50% em todos eles. Isso mostra que as IES do Grupo 2 atendem a esse indicador de qualidade da educação superior. 122

123 Tabela 62 - Quantidade de Docentes, por Titulação, segundo o Centro Universitário TITULAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO Doutorado % Mestrado % Especialização % Graduação % TOTAL % Norte 68 8% % % 0 0% % Jorge Amado 93 14% % % 0 0% % Newton Paiva 73 13% % % 0 0% % Maringá - CEUMAR % % 67 15% 0 0% % Internacional 51 15% % 98 30% 0 0% 331 7% Grande Dourados 68 22% % 97 31% 0 0% 315 7% Rio Preto 61 21% % % 0 0% 290 6% Herminio Ometto 85 31% % 54 20% 2 1% 272 6% Inst. Ens. Superior COC 64 24% % 26 10% 0 0% 271 6% Sul de Minas 13 5% % % 0 0% 239 5% Claretiano 52 24% % 35 16% 0 0% 217 5% Leonardo da Vinci 20 10% % 53 25% 0 0% 209 4% Araras 10 17% 37 62% 13 22% 0 0% 60 1% Total % % % 2 0% % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com os dados da Tabela 62, apenas um centro universitário declarou ter docentes graduados no Censo A Figura 3 apresenta a soma do percentual de professores mestres e doutores dos centros universitários do Grupo 2. Percebe-se que essa soma ultrapassa 80%. em pelo menos três IES do Grupo 2. Inst. Ens. Superior COC Maringá - CEUMAR Claretiano Herminio Ometto Araras Leonardo da Vinci Jorge Amado Internacional Newton Paiva Grande Dourados Rio Preto Norte Sul de Minas 90% 85% 84% 79% 78% 75% 72% 70% 70% 69% 64% 59% 51% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Figura 3 - Percentual de Doutores e Mestres por Centro Universitário. Fonte - Censo da Educação Superior 2012 A Figura 3 demonstra que a soma do percentual de professores mestres e doutores, nos centros universitários do Grupo 2, é, no mínimo, de 50%. Em nove centros universitários desse grupo, essa soma atinge 70% ou mais. Esse dado demostra que esse indicador de qualidade dos docentes está consolidado nas IES do Grupo 2. Outra característica indicativa da qualidade do ensino oferecido pelos centros universitários é a organização da carga horária dos docentes destinada à orientação de alunos e ao desenvolvimento de atividades de pesquisa, extensão e outros. Conforme 123

124 visto anteriormente, essas IES devem ter, no mínimo, 20% de professores trabalhando em tempo integral. Tabela 63 - Quantidade de Docentes, por Regime de Trabalho, segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO REGIME DE TRABALHO Integral % Parcial % Horista % TOTAL % Norte % % % % Jorge Amado % % % % Newton Paiva % % % % Maringá - CEUMAR % % 62 14% % Internacional 80 24% 92 28% % 331 7% Grande Dourados % % 80 25% 315 7% Rio Preto 87 30% 65 22% % 290 6% Herminio Ometto 62 23% 65 24% % 272 6% inst. Ens. Superior COC 77 28% 88 32% % 271 6% Sul de Minas 62 26% 22 9% % 239 5% Claretiano 62 29% % 53 24% 217 5% Leonardo da Vinci 73 35% 71 34% 65 31% 209 4% Araras 15 25% 34 57% 11 18% 60 1% Total % % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com os dados declarados no Censo da Educação Superior 2012, e conforme Tabela 63, quatro centros universitários declaram ter percentual de professores atuando em tempo integral igual ou superior a 30%, sendo que, em um deles, esse percentual ultrapassa 50%. A maioria tem mais de 20% de professores em tempo integral. Newton Maringá Paiva - CEUMAR 18% Jorge Grande AmadoDourados 22% 37% Norte Leonardo da Vinci 23% 35% Herminio Ometto 23% Rio Preto 30% Internacional 24% Claretiano 29% Araras 25% inst. Ens. Superior COC Sul de Minas 26% 28% inst. Ens. Sul Superior de Minas COC 28% 26% Claretiano Araras 29% 25% Rio PretoInternacional 30% 24% Leonardo Herminio da Vinci Ometto 35% 23% Grande Dourados Norte 37% 23% Maringá - Jorge CEUMAR Amado 53% 22% Newton Paiva 18% 53% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% Figura 4 - Percentual de Docentos com Tempo Integral por Centro Universitário. Fonte - Censo da Educação Superior

125 Conforme Figura 4, apenas uma IES do Grupo 2 não apresenta o percentual exigido de professores atuando em tempo integral, sendo que 92% dos centros universitários desse grupo atendem a esse requisito legal RESULTADOS IGC E CPC DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 Alguns indicadores de qualidade da educação superior brasileira foram inseridos no SINAES a partir de 2007, quando foram organizados seus ciclos. As tabelas a seguir apresentam as faixas do IGC e dos CPC dos cursos avaliados nos ciclos verde, azul e vermelho do SINAES, desde A Tabela 64 apresenta as faixas do IGC 2012 dos centros universitários do Grupo 2 e as informações sobre a oferta de curso de pós-graduação stricto sensu extraídas da base de cálculo do IGC 2012, disponível no Portal do INEP. As faixas do IGC foram analisadas conforme seção dois deste trabalho. Tabela 64- Indicador de Pós-Graduação e IGC segundo o Centro Universitário CENTRO UNIVERSITÁRIO Pós-Graduação IGC (faixa) Maringá - CEUMAR mestrado 4 Grande Dourados - 4 Claretiano - 4 Herminio Ometto mestrado 3 Rio Preto - 3 Newton Paiva - 3 Inst. Ens. Superior COC/UNISEB - 3 Leonardo da Vinci - 3 Jorge Amado - 3 Norte - 3 Internacional - 3 Sul de Minas - 3 Araras - 3 Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com a Tabela 64, dos treze centros universitários que compõem o Grupo 2, três obtiveram nota IGC 4 em 2012 e dez obtiveram nota IGC 3 nesse mesmo ano. 125

126 Conforme os dados da Tabela 64, apenas dois centros universitários oferecem curso de pós-graduação stricto sensu em nível de mestrado. As demais IES do Grupo 2 não oferecem cursos de mestrado ou doutorado. Outro indicador de qualidade da educação superior é a nota do CPC dos cursos, que rege os atos regulatórios das renovações de reconhecimento de curso. A Tabela 65 traz o comparativo dos conceitos dos cursos que compõem o grupo verde do ciclo SINAES, oferecidos pelos centros universitários do Grupo 2. Tabela 65 - Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2010 Grupo Verde ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS GRANDE DOURADOS MARINGÁ - UNICESUMAR Medicina Veterinária 2 3 Medicina Veterinária 3 4 Odontologia SC 3 Odontologia 3 3 Agronomia SC 3 Agronomia SC 4 Farmácia 3 3 Farmácia 3 4 Enfermagem 3 3 Enfermagem 2 4 Nutrição 2 4 Fonoaudiologia 4 4 Educação Física 4 3 Nutrição 3 4 Fisioterapia 3 3 Educação Física 3 4 Serviço Social 4 4 Fisioterapia 4 4 Biomedicina 2 3 Serviço Social 3 SC Biomedicina 3 3 NORTE Tecnologia em Agronegócios não avaliada 4 Odontologia SC 3 Farmácia SC 2 RIO PRETO Enfermagem SC 2 Medicina Veterinária 3 3 Fonoaudiologia SC 2 Odontologia 3 3 Nutrição SC 2 Farmácia 2 4 Fisioterapia SC 2 Enfermagem 3 3 Serviço Social 3 3 Nutrição 3 4 Educação Física 3 3 LEONARDO DA VINCI Fisioterapia 3 3 Tecnologia em Gestão Ambiental não avaliada 2 Tecnologia em Gestão Ambiental não avaliada 3 HERM INIO OM ETTO NEWTON PAIVA Odontologia 3 3 Odontologia 3 3 Farmácia 3 4 Farmácia 3 3 Enfermagem 3 3 Enfermagem SC 4 Educação Física 3 3 Nutrição 4 3 Fisioterapia 3 3 Fisioterapia 3 3 Biomedicina 3 3 CLARETIANO SUL DE MINAS Enfermagem SC 3 Biomedicina SC 3 Nutrição SC 3 Enfermagem 3 3 Educação Física 2 3 Educação Física 4 4 Fisioterapia SC 3 Serviço Social 3 3 Tecnologia em Gestão Ambiental não avaliada 3 JORGE AMADO (1) Enfermagem 2 3 Fonoaudiologia SC 3 Nutrição SC 2 Educação Física 2 2 Fisioterapia 3 3 Fonte - INEP/MEC (1)Em 2007, a Instituição de ensino Jorge Amado era faculdade. Segundo a Tabela 65, os cursos superiores de tecnologia em Gestão Ambiental e em Agronegócios foram inseridos no ciclo SINAES em Os dados dessa tabela demonstram que sete cursos superaram, no CPC de 2010, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Apenas um curso permaneceu com nota CPC inferior a 3 de um ano para o outro do ciclo. Trinta e quatro cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2007 e as mantiveram no CPC de

127 A nota Sem Conceito (SC) é atribuída ao curso que não possui ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova ENADE, sugerindo que tinham sido ofertados recentemente ou que estavam em extinção. A Tabela 66 apresenta o comparativo dos conceitos dos cursos que compõem o grupo azul ciclo SINAES, oferecidos pelos centros universitários do Grupo 2. Tabela 66 - Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2011 Grupo azul ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS ARARAS GRANDE DOURADOS Matemática 2 não avaliada Letras 3 (1) Letras 3 SC Biologia 3 4 Pedagogia 3 SC Pedagogia 3 4 Arquitetura e Urbanismo 3 (1) Arquitetura e Urbanismo 2 4 História 3 SC Computação e Informática 3 4 Geografia 3 SC Artes Visuais (licenciatura) não avaliada 4 Filosofia 3 não avaliada Educação Física (licenciatura) não avaliada 4 CLARETIANO NORTE Matemática SC 4 Matemática 2 3 Letras 3 4 Letras 2 2 Química SC 3 Química 2 3 Biologia 3 4 Biologia (bacharelado) 3 4 Pedagogia 3 4 Biologia (licenciatura) não avaliada 3 História SC 4 Pedagogia 2 3 Geografia SC 4 Arquitetura e Urbanismo 2 3 Filosofia 3 4 História SC 4 Tecnologia em análise e desenv de sistemas não avaliada 3 Geografia SC 3 Computação (licenciatura) não avaliada 4 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 3 4 Computação (sistemas de informação) 3 3 Tecnologia em redes de computadores SC 3 Educação Física (licenciatura) não avaliada 4 Educação Física (licenciatura) não avaliada 3 RIO PRETO INST. ENSINO SUPERIOR COC Matemática 3 4 Matemática 3 SC Biologia 4 4 Pedagogia 3 3 Pedagogia 3 3 Arquitetura e Urbanismo SC 4 Arquitetura e Urbanismo 2 3 Computação e Informática 4 3 Computação e informática 3 3 Engenharia (grupo vii) - eng ambiental 3 5 Engenharia (grupo ii)computação 3 não avaliada Engenharia (grupo ii)eletrônica 3 3 Artes Visuais (licenciatura) não avaliada 2 NEWTON PAIVA Educação Física (licenciatura) não avaliada 4 Geografia SC 3 Computação e Informática SC 2 SUL DE MINAS Tecnologia em análise e desenv de sistemas 2 não avaliada Matemática 3 (1) Computação (bacharelado) 3 3 Engenharia (grupo iii) - engenharia mecânica 2 3 INTERNACIONAL Engenharia (grupo vi) 3 não avaliada Pedagogia 3 3 Educação Física (licenciatura) não avaliada 3 Tecnologia em automação industrial não avaliada 3 HERMINIO OMETTO LEONARDO DA VINCI Matemática 3 SC Matemática 3 (1) Física 3 SC Letras 3 (1) Química 3 3 Biologia 2 (1) Biologia(bacharelado) 3 4 Pedagogia 3 (1) Pedagogia 3 3 Geografia 4 (1) Computação e Informática SC 3 Computação e Informática 3 4 Engenharia (grupo iii) - engenharia mecânica SC 4 Engenharia (grupo ii) - engenharia elétrica SC 2 Tecnologia em alimentos 3 3 Engenharia (grupo vi) - eng. produção SC 2 Tecnologia em processos químicos 1 não avaliada Tecnologia em redes de computadores 2 não avaliada Tecnologia em saneamento ambiental 3 não avaliada Tecnologia em gestão da produção industrial não avaliada 3 Tecnologia em processos químicos não avaliada 3 JORGE AMADO MARINGÁ - UNICESUMAR Matemática 2 SC Letras 2 4 Letras 3 SC Biologia 4 4 Biologia 2 3 Pedagogia 3 3 Biologia (bacharelado) não avaliada 3 Arquitetura e Urbanismo 3 4 Pedagogia 2 3 Computação e Informática 3 3 História 2 SC Engenharia (grupo ii) - controle e automação 2 3 Computação e Informática 3 3 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 3 4 Engenharia (grupo vi) - engenharia de produção 3 3 Tecnologia em automação industrial 2 3 Tecnologia em análise e desenv de sistemas 3 3 Tecnologia em redes de computadores 2 4 Tecnologia em redes de computadores 3 3 Educação Física (licenciatura) não avaliada 4 Educação Física (licenciatura) não avaliada 3 Artes Visuais (licenciatura) não avaliada 4 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos até 30/09/2012 (2)Em 2008 e 2011, a Instituição de ensino Internacional era faculdade. 127

128 A Tabela 66 demonstra que os cursos do grupo azul do SINAES, oferecidos pelo centro universitário Araras, parecem estar em extinção, pois todos os seus cursos, avaliados no ENADE 2010, ou não foram avaliados, ou obtiveram nota SC, demonstrando não ter estudantes ingressantes ou concluintes nesses cursos. Os dados dessa tabela ratificam a informação da Tabela 38, de que o curso de licenciatura em Educação Física parece ter sido incluído no grupo azul do ciclo SINAES somente em Por esse motivo, não aparecem como não avaliados em Os dados dessa tabela demonstram, também, que doze cursos superaram, no CPC de 2011, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Trinta e quatro cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2008 e as mantiveram no CPC de De igual forma que na tabela anterior, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em 2008 e em De acordo com os dados da Tabela 66, alguns cursos aparecem como não avaliados em 2008 e em Esses dados sugerem que a IES pode não ter inscrito seus estudantes no ENADE nesses anos e, por esse motivo, não lhe foi atribuída nenhuma nota, não sendo possível compará-las. Outra sugestão, como, por exemplo, no caso dos cursos superiores de tecnologia, é que esses foram inseridos no ciclo azul somente em A Tabela 67 apresenta o comparativo dos conceitos dos cursos que compõem o grupo azul ciclo SINAES, oferecidos pelos centros universitários do Grupo

129 Tabela 67 - Comparativo CPC segundo Centro Universitário /2012 Grupo vermelho ciclo SINAES CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO e CURSOS ARARAS MARINGÁ - UNICESUMAR Administração 3 3 Administração 4 4 Direito 2 3 Direito 4 4 Comunicação social-publicidade 2 (1) Comunicação social- jornalismo 4 5 Comunicação social-publicidade 3 4 CLARETIANO Psicologia 3 4 Administração 3 3 Ciências contábeis 3 5 Ciências contábeis 3 (1) Design 3 4 Tecnologia em gestão de recursos humanos 4 4 Turismo 4 3 Tecnologia em gestão financeira 3 (1) Tecnologia em marketing 4 (1) Tecnologia em gestão de recursos humanos 4 4 RIO PRETO Tecnologia em gestão financeira 4 (1) Administração 3 4 Tecnologia em gestão comercial não avaliada 4 Direito 3 3 Tecnologia em logística não avaliada 4 Comunicação social- jornalismo 2 4 Comunicação social-publicidade 3 3 INST. ENSINO SUPERIOR COC UNISEB Ciências contábeis 3 3 Administração 4 3 Design 2 não avaliada Direito 4 3 Tecnologia em marketing 3 não avaliada Comunicação social- jornalismo 3 2 Tecnologia em processos gerenciais 3 não avaliada Comunicação social-publicidade 3 2 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 não avaliada Ciências contábeis 4 3 Tecnologia em gestão financeira 3 não avaliada NORTE NEWTON PAIVA Administração 2 3 Administração 2 3 Direito 2 3 Direito 3 3 Comunicação social- jornalismo 3 (1) Comunicação social- jornalismo 3 3 Comunicação social-publicidade 3 3 Comunicação social-publicidade 3 3 Comunicação social - radialismo 2 não avaliada Comunicação social- relações públicas 2 não avaliada Ciências econômicas 2 4 Ciências econômicas 2 3 Psicologia 2 3 Psicologia 3 3 Ciências contábeis 2 3 Ciências contábeis 3 3 Turismo 3 3 Tecnologia em processos gerenciais 2 (1) Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 LEONARDO DA VINCI Tecnologia em gestão financeira 3 (1) Administração 2 3 Tecnologia em marketing não avaliada 3 Direito 2 4 Tecnologia em gestão comercial não avaliada 2 Comunicação social-publicidade 3 3 Ciências contábeis 3 3 GRANDE DOURADOS Design SC 3 Administração 3 4 Tecnologia em processos gerenciais 2 (1) Direito 3 5 Comunicação social- jornalismo 4 5 INTERNACIONAL Psicologia 3 4 Administração 2 3 Ciências contábeis 3 3 Direito 3 3 Publicidade e propaganda não avaliada 5 Comunicação social- jornalismo SC 3 Comunicação social-publicidade SC 3 HERMINIO OMETTO Ciências contábeis 2 2 Administração SC 4 Turismo 2 3 Psicologia 3 4 Secretariado executivo 3 4 Ciências contábeis SC 4 Relações internacionais SC 3 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 4 Tecnologia em marketing não avaliada 3 Tecnologia em gestão financeira 2 4 Tecnologia em processos gerenciais não avaliada 3 Tecnologia em logística não avaliada 4 Tecnologia em gestão financeira não avaliada 3 Tecnologia em gestão comercial não avaliada 3 JORGE AMADO Tecnologia em logística não avaliada 3 Administração 2 3 Direito 2 3 Comunicação social- jornalismo 3 4 Comunicação social-publicidade 3 3 SUL DE M INAS Psicologia 3 3 Administração - Varginha 4 3 Ciências contábeis 3 3 Comunicação social- jornalismo 4 SC Design 2 3 Comunicação social-publicidade 4 3 Relações internacionais 2 4 Tecnologia em processos gerenciais - Betim 3 3 Tecnologia em design de moda 3 não avaliada Tecnologia em processos gerenciais - Varginha 3 não avaliada Tecnologia em marketing 3 3 Tecnologia em gestão de R H - Betim 3 não avaliada Tecnologia em processos gerenciais 3 3 Tecnologia em gestão de R H - Varginha 4 4 Tecnologia em gestão de recursos humanos 3 3 Tecnologia em logística não avaliada 3 Tecnologia em gestão financeira 3 2 Tecnologia em gestão comercial não avaliada 3 Tecnologia em logística não avaliada 2 Fonte - INEP/MEC (1) Unidade com cursos não reconhecidos até 30/09/2012 (2)Em 2009, a Instituição de ensino Internacional era faculdade. Segundo a Tabela 67, alguns cursos superiores de tecnologia passaram a integrar o grupo vermelho do ciclo SINAES somente em Outros faziam parte desse ciclo SINAES e não o compuseram em

130 Os dados dessa tabela demonstram que dezessete cursos superaram, no CPC de 2012, as notas inferiores que 3 obtidas no CPC de Apenas um curso permaneceu com nota CPC inferior a 3 de um ano para o outro do ciclo. Três cursos obtiveram nota positiva no CPC em 2009 e receberam nota inferior a 3 no CPC em Quarenta e oito cursos obtiveram notas positivas no CPC de 2009 e as mantiveram no CPC de De igual forma que nas tabelas anteriores, os conceitos SC demonstram que alguns cursos não tinham estudantes ingressantes ou concluintes inscritos para realizar a prova em 2009 e em Os dados da Tabela 67 demonstram que cinco cursos dos centros universitários do Grupo 2 obtiveram nota 5 no CPC de Esse resultado demonstra o esforço dessas IES em alcançar índices satisfatórios nos indicadores de qualidade estabelecidos pelo SINAES OUTROS DADOS RELEVANTES DOS CENTROS UNIVERSITÁRIOS DO GRUPO 2 De acordo com a Resolução CES/CNE n. 1/2010, entre as condições necessárias para uma instituição permanecer credenciada como centro universitário é demonstrar ter programas de extensão institucionalizados nas áreas de conhecimento abrangidas por seus cursos de graduação, e demonstrar desenvolver programas de iniciação científica. Há muitas maneiras de demonstrar ter programas de extensão e entendemos que uma delas é proveniente dos dados declarados no Censo da Educação Superior sobre os estudantes participantes de atividades extracurriculares como, por exemplo, monitoria, extensão e pesquisa. A Tabela 68 apresenta a quantidade de alunos declarados pelas IES, no Censo Superior de 2012, participantes de atividades extracurriculares de pesquisa, de extensão, de monitoria e de estágio não obrigatório. Tabela 68 - Quantidade de Alunos em Atividades Extracurriculares, por Modalidade de Ensino, segundo o Centro Universitário

131 MODALIDADE DE ENSINO CENTRO UNIVERSITÁRIO Graduação Presencial Graduação a Distância TOTAL % Pesquisa Extensão Monitoria Estágio não Estágio não Total % Pesquisa Extensão Monitoria Obrigatório Obrigatório Total % Inst. Ens. Superior COC % % % Grande Dourados % % % Claretiano % % % Rio Preto % % % Herminio Ometto % % % Sul de Minas % % % Leonardo da Vinci % % % Newton Paiva % % % Maringá - CEUMAR % % % Norte % % 277 0% Araras % % 0 0% Jorge Amado % % 0 0% Internacional % % 0 0% Total % % % Fonte - Censo da Educação Superior 2012 De acordo com a Tabela 68, na modalidade de ensino presencial, apenas cinco centros universitários do Grupo 2 demonstram ter estudantes envolvidos com programas de iniciação científica ou com pesquisa. Cinco IES desse grupo demonstram não ter estudantes envolvidos em programas de extensão. Apenas quatro centros universitários demonstram ter estudantes monitores, na modalidade de ensino presencial. Na modalidade de EaD, as atividades extracurriculares de extensão, de pesquisa e de monitoria parecem não ser oferecidas pela maioria dos centros universitários do Grupo 2. Pelo menos dois centros universitários declararam ter maior quantidade de estudantes envolvidos com atividade de pesquisa na modalidade EaD, em relação à modalidade de ensino presencial. De igual modo, três centros universitários declararam ter mais estudantes envolvidos com atividades de extensão na modalidade EaD do que na modalidade presencial. Não é possível afirmar, pelos dados declarados no Censo Superior de 2012, se as atividades de extensão são realizadas em nível de programas de extensão desenvolvidos na comunidade externa ou se os alunos declarados nessas atividades são os que realizam cursos de extensão de complementação de estudos, não gratuitos. Da mesma maneira, não há como identificar de que atividades de pesquisa os estudantes declarados participam. Essas informações só podem ser adquiridas por meio dos relatórios de avaliação externa realizadas pelo INEP. Por esse motivo, não se pode dizer, por meio desses dados, se as condições de oferta de programa de extensão e de iniciação científica são atendidas. Podemos dizer, todavia, que nem todos os centros universitários do Grupo oferecem esses tipos de 131

132 atividade extracurricular, uma vez que não há estudantes participantes desses programas COMPARAÇÃO DOS RESULTADOS DAS INSTITUIÇÕES QUANDO ERAM FACULDADES E DEPOIS DE CREDENCIADAS COMO CENTRO UNIVERSITÁRIO GRUPO 2 A Tabela 69 apresenta a comparação de alguns indicadores de qualidade no ano em que os centros universitários do Grupo 2 foram credenciados e os encontrados em Os indicadores selecionados para essa comparação foram os apresentados em tabelas anteriores, como, por exemplo, o número de matrículas, a quantidade de ingressantes, o número de cursos oferecidos, o percentual de professores que atuam em tempo integral, o percentual de docentes mestres e doutores, a quantidade de cursos de pós-graduação stricto sensu. 132

133 Tabela 69 Comparativo de Resultados entre o ano de credenciamento e o ano 2012 Grupo 2 133

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 33. Portaria n 708, publicada no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 32. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior

valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior valiação egulação upervisão Qualidade da Educação Superior Apresentação Promover a efetivação da diretriz da qualidade no ensino superior é um dos principais desafios do Ministério da Educação no período

Leia mais

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015

SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 SEMINÁRIO DE GRADUAÇÃO ENADE 2015 ROTEIRO SINAES Princípios e concepções Os Ciclos Avaliativos do Enade e os Indicadores de Qualidade Enade 2015 PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO SINAES Responsabilidade : responsabilidade

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP O Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES (Lei 10.681/2004) tem o propósito de promover a melhoria da educação superior no Brasil....assegurar

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL LUCE, Maria-Beatriz (UFRGS, Porto Alegre, BR) MOROSINI, Marília (PUCRS, Porto Alegre, BR) Projeto ALFA-ACRO ACRO Introdução BRASIL território e

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG

POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014. Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG POR DENTRO DO ENADE CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014 Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG Avaliação Institucional Processos de avaliação institucional Interna Relatórios da CPA Externa

Leia mais

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização

Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Texto orientador para a audiência pública sobre o marco regulatório dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu Especialização Comissão da Câmara de Educação Superior Erasto Fortes

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas. PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br

Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas. PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br ENADE CPC IGC Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br Contexto ENADE CPC IGC O nascimento dos indicadores (2008) Portaria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág.. Portaria n 712, publicada no D.O.U. de 0/5/2012, Seção 1, Pág. 2. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)

Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Avaliação da Educação Superior - um olhar sobre o SINAES O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES) Legislação Constituição Federal 1988 LDB Lei nº 9.394 de 1996 SINAES Lei nº 10.861

Leia mais

As políticas de avaliação da educação superior

As políticas de avaliação da educação superior VI FÓRUM DA EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DE GOIÁS: A AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR COMO INDUTORA DE QUALIDADE As políticas de avaliação da educação superior Abril 2015 Panorama da educação superior no

Leia mais

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA

A EVOLUÇÃO E OS EDUCAÇÃO SUPERIOR DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS NA REGULAÇÃO E SUPERVISÃO DA Suzana Schwerz Funghetto Coordenadora-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior/DAES/INEP A EVOLUÇÃO E OS DESAFIOS DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL AO LONGO DO SINAES A AS MUDANÇAS

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Hospital Albert UF:SP Einstein ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 33. Portaria n 707, publicada no D.O.U. de 30/5/2012, Seção 1, Pág. 32. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Porto Alegre Maio/2011

Porto Alegre Maio/2011 II Encontro Regional da ABRAFI A Influência do Censo nos resultados do CPC Porto Alegre Maio/2011 Matéria do Jornal da Globo de 23/05/2011 Série especial mostra desafios no crescimento do ensino superior

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 14/5/2011, Seção 1, Pág.147. Portaria n 545, publicada no D.O.U. de 14/5/2012, Seção 1, Pág.147. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 3/10/2011, Seção 1, Pág. 9. Portaria n 1380, publicada no D.O.U. de 3/10/2011, Seção 1, Pág. 8. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS

ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS 1 ENADE NO EaD: CST GESTÃO DA PODUÇÃO INDUSTRIAL INADEQUAÇÕES DOS CRITÉRIOS Curitiba, maio/2010 ROBSON SELEME - Universidade Federal do Paraná - robsonseleme@hotmail.com ALESSANDRA DE PAULA - Faculdade

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Brasileira de Educação Familiar e Social UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Social da Bahia

Leia mais

PROCESSOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

PROCESSOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PROCESSOS REGULATÓRIOS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CURSO DE CAPACITAÇÃO 2014 Procuradoria Educacional Institucional Pró-Reitoria de Ensino IFG Procuradoria Educacional Institucional (PEI) Faz a interlocução entre

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: CENECT Centro Integrado de Educação, Ciência e UF: PR Tecnologia S/C Ltda. ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001

DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 DECRETO Nº 3.860, DE 9 DE JULHO DE 2001 Dispõe sobre a organização do ensino superior, a avaliação de cursos e instituições, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 14/5/2011, Seção 1, Pág.147. Portaria n 546, publicada no D.O.U. de 14/5/2012, Seção 1, Pág.147. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 67, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Conhecendo o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR. Conhecendo o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Conhecendo o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES 1- ENADE INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 1- Desempenho de estudantes:

Leia mais

SINAES. Diretoria de Avaliação da Educação Superior. Coordenação Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

SINAES. Diretoria de Avaliação da Educação Superior. Coordenação Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES O Sistema Nacional da Avaliação da Educação Superior SINAES Diretoria de Avaliação da Educação Superior Coordenação Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Histórico A Avaliação da Educação Superior

Leia mais

1.1. Definir a estrutura e o conteúdo pertinente aorelato Institucional (RI); 1.2. Apresentar as especificidades do Relato Institucional;

1.1. Definir a estrutura e o conteúdo pertinente aorelato Institucional (RI); 1.2. Apresentar as especificidades do Relato Institucional; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Definir a estrutura e o conteúdo pertinente ao Relato Institucional (RI); Apresentar as especificidades do Relato Institucional;

Definir a estrutura e o conteúdo pertinente ao Relato Institucional (RI); Apresentar as especificidades do Relato Institucional; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA INEP COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Instituto Santareno de Educação Superior UF: PA ASSUNTO: Recurso contra a decisão da Secretária de Educação Superior

Leia mais

Workshop Como utilizar a Avaliação Institucional para o aprimoramento da gestão? Claudia Maffini Griboski Drª. Iara de Moraes Xavier

Workshop Como utilizar a Avaliação Institucional para o aprimoramento da gestão? Claudia Maffini Griboski Drª. Iara de Moraes Xavier Workshop Como utilizar a Avaliação Institucional para o aprimoramento da gestão? Claudia Maffini Griboski Drª. Iara de Moraes Xavier Plano Estratégico para implementação na IES; Indicadores de Avaliação

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

Palavras-chave: Educação Superior. Avaliação. Gestão. Qualidade.

Palavras-chave: Educação Superior. Avaliação. Gestão. Qualidade. AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção XX Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Engenharia da Produção (ABEPRO) Rio de Janeiro,

Leia mais

Políticas de Educação a Distância

Políticas de Educação a Distância Políticas de Educação a Distância Prof. Fernando Jose Spanhol Prof. Fernando Jose Spanhol LED/UFSC/ABED- Avaliador SESU-INEP-CEE/SC A Evolução da Legislação 1930 - Criação do Ministério dos Negócios e

Leia mais

DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p.

DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p. DECRETO FEDERAL Nº 6.303, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007 Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, 13 dez. 2007. Seção I, p. 4 Altera dispositivos dos Decretos nos 5.622, de 19 de dezembro de

Leia mais

XIX SEMINÁRIO NACIONAL ANGRAD/MEC/INEP/CFA/CNE Enade: Dúvidas e Soluções. Foz do Iguaçú, PR, 27 de Outubro 2015

XIX SEMINÁRIO NACIONAL ANGRAD/MEC/INEP/CFA/CNE Enade: Dúvidas e Soluções. Foz do Iguaçú, PR, 27 de Outubro 2015 XIX SEMINÁRIO NACIONAL ANGRAD/MEC/INEP/CFA/CNE Enade: Dúvidas e Soluções Foz do Iguaçú, PR, 27 de Outubro 2015 Número de IES e de Matrículas de Graduação, por Organização Acadêmica Brasil - 2013 Organização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Texto compilado Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Santa Marcelina UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Santa Marcelina (FASM), com sede no Município

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação da Educação Superior CAPACITAÇÃO DOS AVALIADORES NO NOVO INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DOS CURSOS

Leia mais

Avaliação, Regulação e Supervisão

Avaliação, Regulação e Supervisão Ministério da Educação Secretaria de Educação Superior Avaliação, Regulação e Supervisão SEMINÁRIO O PAPEL DA INICIATIVA PRIVADA NO ENSINO SUPERIOR: REALIDADE E DESAFIOS PARA O FUTURO Samuel Martins Feliciano

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação de Ensino Superior de Ibaiti UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade de Educação, Administração

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Faculdades Nordeste S/A UF: CE ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nordeste, com sede no Município de Fortaleza,

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Unidade de Ensino Superior Ingá Ltda. UF: PR ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Ingá, com sede no Município

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES. IGC Faixa Contínuo 2007 3 256 2008 3 252 2009 3 200 PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 529, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: UNIME - União Metropolitana para o Desenvolvimento da UF: BA Educação e Cultura ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade

Leia mais

UNESCO CNE. Projeto CNE/UNESCO 914BRZ1136.3 Desenvolvimento, aprimoramento e consolidação de uma educação nacional de qualidade

UNESCO CNE. Projeto CNE/UNESCO 914BRZ1136.3 Desenvolvimento, aprimoramento e consolidação de uma educação nacional de qualidade UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura CNE Conselho Nacional de Educação Projeto CNE/UNESCO 914BRZ1136.3 Desenvolvimento, aprimoramento e consolidação de uma educação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 668, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 18. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 29/11/2011, Seção 1, Pág. 14. Portaria n 1656, publicada no D.O.U. de 29/11/2011, Seção 1, Pág. 12. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA

DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - Sinaes Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. CÂMARA DE

RESOLUÇÃO Nº 3, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. CÂMARA DE SIC 35/10* Belo Horizonte, 20 de outubro de 2010. UNIVERSIDADE. CREDENCIAMENTO. NOVA REGULAMENTAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 3, DE 14 DE OUTUBRO DE 2010. CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR. CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO.

Leia mais

Seminários Enade 2015

Seminários Enade 2015 Seminários Enade 2015 Coordenação-Geral de Controle de Qualidade da Educação Superior CGCQES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES A Diretoria

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Cruzada Maranata de Evangelização UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Batista Brasileira, com sede no

Leia mais

Indicadores Educacionais

Indicadores Educacionais Indicadores Educacionais Claudia Maffini Griboski Diretora de Avaliação da Educação Superior Brasília-DF Novembro/2015 CXLVI Reunião do Conselho Pleno da ANDIFES Sistema Nacional de Avaliação da Educação

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PREPARANDO O ENADE (PARTE INTEGRANTE DO PROCESSO AVALIATIVO DE CURSOS E IES) Gustavo Monteiro Fagundes

PREPARANDO O ENADE (PARTE INTEGRANTE DO PROCESSO AVALIATIVO DE CURSOS E IES) Gustavo Monteiro Fagundes PREPARANDO O ENADE (PARTE INTEGRANTE DO PROCESSO AVALIATIVO DE CURSOS E IES) Gustavo Monteiro Fagundes FONTES LEGAIS Ø Lei do SINAES (Lei n. 10.861/2004): Objetivo SINAES: Assegurar processo nacional de

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1 PROCESSO : CF-2297/2014 INTERESSADO : Confea ASSUNTO : Estudos sobre o PRONATEC ORIGEM : Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP (Deliberação n 766/2014-CEAP) INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Grupo Nobre de Ensino Ltda. UF: BA ASSUNTO: Recredenciamento da Faculdade Nobre de Feira de Santana, a ser instalada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração UF: SP Regional de São Paulo ASSUNTO: Recredenciamento

Leia mais

RESOLUÇÃO CEE Nº 100/2011

RESOLUÇÃO CEE Nº 100/2011 TEXTO DA RESOLUÇÃO RESOLUÇÃO CEE Nº 100/2011 ORIENTAÇÕES OPERACIONAIS Fixa normas para o funcionamento da Educação Superior no Sistema Estadual de Ensino de Santa Catarina e estabelece outras providências.

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

DAES. Manual de Avaliação Institucional Centros Universitários. Versão preliminar. Diretoria de Estatísticas e Avaliação da Educação Superior

DAES. Manual de Avaliação Institucional Centros Universitários. Versão preliminar. Diretoria de Estatísticas e Avaliação da Educação Superior DAES Diretoria de Estatísticas e Avaliação da Educação Superior Manual de Avaliação Institucional Centros Universitários Versão preliminar Setembro de 2002 CONTEÚDO Introdução 03 Apresentação 05 Procedimentos

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 1. SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)... 3 1.1 Componentes principais do Sistema:... 4 1.1.

SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 1. SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)... 3 1.1 Componentes principais do Sistema:... 4 1.1. 2 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 1. SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR (SINAES)... 3 1.1 Componentes principais do Sistema:... 4 1.1.1 Avaliação Institucional... 4 1.1.2 Avaliação de Cursos...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADA: Instituição Educacional São Judas Tadeu

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. INTERESSADA: Instituição Educacional São Judas Tadeu PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 11/5/2011, Seção 1, Pág. 19. Portaria n 530, publicada no D.O.U. de 11/5/2012, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 10/10/2011, Seção 1, Pág. 1. Portaria n 1419, publicada no D.O.U. de 10/10/2011, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 20. Portaria n 683, publicada no D.O.U. de 26/5/2011, Seção 1, Pág. 19. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 20/2/2009, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 20/2/2009, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 20/2/2009, Seção 1, Pág. 9. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: MEC/Conselho Nacional de Educação UF: DF ASSUNTO:

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Centro Educacional João Ramalho S/C Ltda. UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento das Faculdades Integradas de Santo André

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 10/10/2011, Seção 1, Pág. 17. Portaria n 1469, publicada no D.O.U. de 10/10/2011, Seção 1, Pág.1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES

INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES III ENCONTRO do CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR INDICADORES DE QUALIDADE DA EDUCAÇÃO SUPERIOR revisando as medidas de qualidade da ES Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES Foz do Iguaçu Novembro

Leia mais

AEducação Superior. na Legislação Educacional Vigente. Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa

AEducação Superior. na Legislação Educacional Vigente. Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa AEducação Superior na Legislação Educacional Vigente Prof a. Rosimar de Fátima Oliveira Departamento de Educação Universidade Federal de Viçosa 1. Estrutura Normativa da Educação Superior AUTONOMIA ACESSO

Leia mais