MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o."

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL BRASÍLIA-DF, QUARTA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2010 BOLETIM DE SERVIÇO N o a. PARTE ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA N o. 42/2010-DG/DPF, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2010 Estabelece normas para solicitação de afastamento do sigilo bancário no âmbito da Polícia Federal e institui procedimentos a serem observados para o recebimento, processamento e análise dos dados e documentos bancários encaminhados pelas instituições financeiras. O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, no uso da atribuição conferida pelo inciso IV do art. 28 do Regimento Interno, aprovado pela Portaria n o , de 24 de novembro de 2009, do Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado da Justiça, publicada na Seção 1 do DOU n o. 225, de 25 de novembro de 2009, CONSIDERANDO a edição, pelo Banco Central do Brasil (BC), da Carta Circular n o. 3454/2010, de 14 de junho de 2010, que divulga leiaute para que as instituições financeiras prestem informações relativas a movimentação financeira e prevê que poderão ser utilizados sistemas de informática integrados de validação, transmissão, recepção e controle de atendimento das informações, observados os requisitos de segurança; CONSIDERANDO que a uniformização do leiaute estabelecida pelo Banco Central é resultado do trabalho de vários órgãos no âmbito da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA); CONSIDERANDO o Acordo de Cooperação Técnica firmado entre a Polícia Federal e a Procuradoria Geral da República, visando a transferência de tecnologia do Sistema de Investigação de Movimentação Bancária (SIMBA), para validação, transmissão, processamento e análise de dados bancários; CONSIDERANDO a edição, pela Corregedoria Nacional de Justiça, da Instrução Normativa n o. 03, de 9 de agosto de 2010, que determina às autoridades judiciárias, a quem compete a requisição de informações sobre movimentação financeira que, quando da sua formulação sejam elas solicitadas e recebidas de acordo com o disposto na Carta Circular n o. 3454/2010. R E S O L V E : CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o. Expedir a presente Instrução Normativa com a finalidade de estabelecer diretrizes gerais, no âmbito da Polícia Federal, para a solicitação de afastamento de sigilo bancário, bem como instituir procedimentos a serem observados para o recebimento, processamento e análise dos dados e documentos bancários encaminhados pelas instituições financeiras. CAPÍTULO II DA SOLICITAÇÃO DO AFASTAMENTO JUDICIAL DE SIGILO BANCÁRIO Art. 2 o. Nas investigações da Polícia Federal em que ficar constatada a necessidade de afastamento de sigilo bancário do investigado a autoridade policial deverá representar ao Poder Judiciário, conforme o disposto na Carta Circular n o. 3454/2010 e nesta Instrução Normativa, de acordo com o modelo de Representação constante do Anexo I.

2 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 2 Art. 3 o. Para cada Caso a autoridade policial deverá efetuar registro no Sistema de Investigação de Movimentação Bancária SIMBA, gerando o Código Identificador do Caso. Parágrafo único. Quando houver necessidade de nova representação judicial no mesmo Inquérito Policial deve-se utilizar o Código Identificador do Caso já cadastrado. Art. 4 o. A representação deverá conter o Código Identificador do Caso gerado no módulo SIMBA do Sistema Criminalística e a solicitação para que o código seja citado na DECISÃO JUDICIAL, a fim de ser utilizado como referência pelas instituições financeiras na identificação e individualização do Caso, bem como na validação e a remessa dos dados à Polícia Federal, via rede mundial de computadores. Art. 5 o. Na representação a autoridade policial deve solicitar que a decisão judicial pelo afastamento de sigilo bancário seja encaminhada ao Banco Central do Brasil para que o BC consulte o Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS), informe o resultado à autoridade solicitante e comunique o teor da decisão judicial às entidades financeiras identificadas. 1 o. O delegado solicitante deverá enviar memorando à Unidade de Criminalística competente, conforme modelo disponível no sistema, que designará um perito para o acompanhamento do Caso. 2 o. Após receber os dados do CCS, o delegado deverá encaminhá-los à Unidade de Criminalística, junto com a cópia da decisão judicial, para que o perito acompanhe o recebimento dos arquivos que serão remetidos pelas instituições financeiras e realize análise prévia. CAPÍTULO III DA VALIDAÇÃO, TRANSMISSÃO E RECEPÇÃO DOS DADOS BANCÁRIOS Art. 6 o. A representação pelo afastamento judicial do sigilo bancário deve conter de forma expressa que as instituições financeiras façam a validação e remessa dos dados via internet, utilizando-se os módulos VALIDADOR BANCARIO SIMBA e TRANSMISSOR BANCARIO SIMBA, conforme orientações constantes no Anexo II. Art. 7 o. Os dados bancários encaminhados pelas instituições financeiras serão recebidos de forma automática, por meio do módulo RECEPTOR SIMBA, cuja base de dados estará centralizada no Instituto Nacional de Criminalística (INC). 1 o. A cada lote de arquivos recebido, o sistema enviará uma mensagem eletrônica ao delegado solicitante, informando dados do recebimento e da instituição remetente. 2 o. Os arquivos transmitidos pelas instituições financeiras passarão pelo período de análise de integridade e consistência, momento em que o perito designado deverá adotar os procedimentos descritos no art. 8 o. e seus incisos. Art. 8 o. Durante o período de análise prévia, o perito designado deverá efetuar o acompanhamento e a conferência dos arquivos remetidos pelas instituições financeiras, devendo verificar: I a lisura da autenticação eletrônica de cada arquivo, a fim de garantir a integridade da cadeia de custódia; II o cumprimento das formalidades previstas na Carta Circular 3454/2010; III a integridade e a completude dos dados. 1 o. Ocorrendo inconsistência na autenticação eletrônica ou no leiaute dos arquivos (remetidos em desacordo com a Carta Circular n o. 3454/2010 ou com a decisão judicial), a instituição financeira deverá ser comunicada e instada pelo perito designado a fornecer um novo arquivo completo.

3 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 3 2 o. Havendo descumprimento do mandado judicial pela instituição financeira, o responsável pela recepção e análise dos dados deverá comunicar o fato ao delegado responsável pelo Caso, para as medidas cabíveis. Art. 9 o. Após o período de análise prévia, os arquivos considerados íntegros serão transferidos para a base de produção do SIMBA, quando estarão disponíveis para emissão de relatórios estatísticos, bem como para realização da perícia. 1 o. O sistema encaminhará mensagem eletrônica ao delegado responsável pelo Caso, comunicando que os dados estão disponíveis para perícia. 2 o. Ao receber a mensagem, o delegado deverá acessar o módulo SIMBA e gerar memorando solicitando realização de perícia, que deverá ser assinado e encaminhado à Unidade de Criminalística de sua circunscrição. Art. 10. Os procedimentos para solicitação de exame pericial e para emissão de laudo estão descritos no Anexo II desta Instrução Normativa. Art. 11. Os documentos de suporte de operações financeiras e de cadastro dos investigados deverão ser solicitados posteriormente, após análise e verificação de sua necessidade. CAPÍTULO IV DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E FINAIS Art. 12. Os casos omissos serão dirimidos pela Divisão de Repressão a Crimes Financeiros, órgão central de combate aos crimes financeiros e lavagem de dinheiro, ouvido o Serviço de Perícias Contábeis e Econômicas do INC nas questões que envolvam a operacionalidade do SIMBA. Art. 13. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação em Boletim de Serviço e revoga a Instrução Normativa n o. 06/2009-DG/DPF, de 6 de julho de 2009.

4 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 4 ANEXO I (MODELO) EX: EXCELENTÍSSIMO SR. DOUTOR JUIZ FEDERAL DA VARA FEDERAL CRIMINAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA REPRESENTAÇÃO POR MEDIDA CAUTELAR DE AFASTAMENTO DE SIGILO BANCÁRIO Ref.: Código Identificador do Caso: 002-PF Inquérito Policial n o. XXX/20XX/DPF Processo n o. xxxx.xx.xx.xxxxxx-xx O DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL, por intermédio do Delegado de Polícia Federal subscritor, no uso de suas atribuições legais e constitucionais, dando continuidade às investigações materializadas nos autos do Inquérito Policial n o. XXX/YY em curso perante este juízo (descrição da instância judiciária), vem expor a Vossa Excelência, para ao final requerer, o que se segue. I DOS FATOS Neste item a autoridade policial deve informar à autoridade judicial competente os levantamentos efetuados no inquérito, descrevendo a atuação do investigado ou da organização criminosa, bem como os fatos a serem apurados e o respectivo enquadramento legal, quando deverá ser demonstrada a necessidade do afastamento dos sigilos para a continuidade da investigação. A justificativa deve ser individualizada e contextualizada destacando-se a participação de cada investigado pessoa física ou jurídica da qual é necessário o afastamento do sigilo, observando o período a ser abrangido pela solicitação. Também deve ser ressaltado que o afastamento do sigilo bancário é imprescindível para a análise da origem e do destino dos recursos movimentados, da capacidade financeira dos investigados e da evolução patrimonial dos investigados, a ser demonstrada pelo cotejo com outros dados obtidos tais como informações fiscais, fiscais 1, análise do estilo de vida e levantamentos de campo que possam identificar a existência de bens não declarados ou mantidos em nomes de terceiros. II DO PEDIDO Pelo exposto, e com o objetivo de avançar nas investigações conduzidas por meio do IPL n o. XXX/YY, REPRESENTO a Vossa Excelência, com fulcro no artigo 1 o., 4 o. da Lei Complementar n o. 105/2001, PELA DECRETAÇÃO DE AFASTAMENTO DO SIGILO BANCÁRIO de todos os bens, direitos e valores mantidos em instituições financeiras, no período de DD/MM/YY a DD/MM/YY 2, pelas pessoas físicas e jurídicas relacionadas a seguir, diretamente ou por seus representantes legais, responsáveis ou procuradores, de forma individualizada ou em conjunto com outras pessoas. Dados dos investigados Item Nome CPF/CNPJ Observação 01 Federal S/A / João Federal João Federal Filho Considerar que o ano fiscal pode ser diferente do ano civil para algumas pessoas jurídicas, conforme o ramo de atividade. 2 Evitar a utilização de termos do tipo últimos 05 anos e considerar ainda que o período para afastamento dos sigilos bancário e fiscal podem ser diferentes, visto que o sigilo bancário pode ser de qualquer período e o sigilo fiscal deve acompanhar o ano fiscal.

5 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 5 Deferido o afastamento do sigilo bancário dos investigados relacionados, solicito a Vossa Excelência que faça constar na decisão judicial a referência Código Identificador do Caso n o. 002-PF e determine a adoção das seguintes medidas: a) Que o Banco Central do Brasil realize consulta ao Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS) 3, para a identificação das instituições financeiras nas quais as referidas pessoas físicas e jurídicas (investigados) mantêm relacionamento, tais como contas de depósito à vista, de poupança, de investimento, de depósitos a prazo e outros bens, direitos e valores, diretamente ou por seus representantes legais ou procuradores, bem como em relações em conjunto com terceiros. O resultado da consulta ao CCS deverá ser imediatamente encaminhado a esta autoridade policial, em meio eletrônico, no formato de planilhas tabuladas; b) Que o Banco Central do Brasil encaminhe o teor da decisão judicial de afastamento de sigilo exclusivamente às instituições financeiras com as quais os investigados mantêm ou mantiveram relacionamento durante o período de DD/MM/YY a DD/MM/YY, conforme resultado da consulta ao CCS, fazendo constar nas respectivas comunicações o Código Identificador do Caso n o. 002-PF a ser utilizado para validação e transmissão dos dados; c) Que as instituições financeiras identificadas pela consulta no CCS prestem as informações conforme o disposto na Carta Circular n o. 3454/2010, do Banco Central do Brasil, que divulga leiaute para que as instituições financeiras prestem informações relativas a movimentação financeira; d) Que as instituições financeiras identificadas pela consulta no CCS encaminhem os dados bancários dos investigados, referente ao período de DD/MM/YY a DD/MM/YY, via rede mundial de computadores, utilizando-se dos programas VALIDADOR BANCÁRIO SIMBA e TRANSMISSOR BANCÁRIO SIMBA, disponibilizados no sitio III PEDIDOS COMPLEMENTARES a) Em caso de operações com grande trâmite de dados e documentos que demandam atuação direta da perícia junto às instituições financeiras para acompanhamento e processamento dos documentos bancários. Que seja autorizado a esta autoridade policial e a peritos criminais designados para atuar no caso, requisitar diretamente às instituições financeiras, dados e documentos de suporte das operações financeiras realizadas no período de afastamento do sigilo, bem como aqueles relacionados a cadastros dos clientes e análises de crédito feito nas próprias instituições pela área de compliance ou de controles internos. b) Em caso de solicitação de dados de transações internacionais ou operações de câmbio registradas no Banco Central do Brasil. Que sejam fornecidos pelo Banco Central do Brasil, em meio eletrônico, planilha eletrônica e dados tabulados, todos os registros existentes de remessas e recebimentos de recursos internacionais e de operações de câmbio, bem como outros registros de manutenção de recursos no exterior, relacionados aos investigados. bancários. c) Em casos de força tarefa ou outras necessidades de compartilhamento dos dados 3 O Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS) é um sistema informatizado, que indica onde os clientes de instituições financeiras mantiveram ou mantem contas de depósitos à vista, depósitos de poupança, depósitos a prazo e outros bens, direitos e valores, diretamente ou por intermédio de seus representantes legais e procuradores. O cadastro NÃO contem dados de valor, de movimentação financeira ou de saldos de contas e aplicações. O Cadastro visa dar cumprimento ao artigo 3o. da Lei , de 9/7/2003, que incluiu dispositivo na Lei de Lavagem de Dinheiro (Lei 9.613/98, artigo 10A), determinando que o Banco Central "manterá registro centralizado formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores. O principal objetivo do CCS é auxiliar nas investigações financeiras conduzidas pelas autoridades competentes, mediante requisição de informações pelo Poder Judiciário (ofício eletrônico), ou por outras autoridades, quando devidamente legitimadas.

6 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 6 Que todos os dados e documentos bancários oriundos do afastamento do sigilo bancário relacionados a esta Representação possam ser compartilhados com (Receita Federal do Brasil, Controladoria Geral da União, Banco Central do Brasil, Instituto Nacional do Seguro Social, etc...) a fim de subsidiar os processos administrativos de atribuição desses órgãos. dados. d) Em casos de força tarefa ou outras necessidades de compartilhamento de todos os Que todos os dados e documentos obtidos nesse caso e juntados no decorrer das investigações possam ser compartilhados com (Receita Federal do Brasil, Controladoria Geral da União, Banco Central do Brasil, Instituto Nacional do Seguro Social, etc...) a fim de subsidiar os processos administrativos de atribuição desses órgãos. e) Em caso de necessidade de manutenção absoluta do sigilo. Que a presente Representação seja autuada em apartado e, tanto os autos quanto a presente peça, tramitem em SEGREDO DE JUSTIÇA, pois o prévio conhecimento por parte dos investigados poderá frustrar medidas que venham a ser realizadas, especialmente o cumprimento de eventual busca e apreensão. Nestes Termos, Pede Deferimento. Respeitosamente, (cidade), (dia) de (mês por extenso) de (ano). (Nome) Delegado de Polícia Federal Classe Matrícula

7 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 7 ANEXO II ORIENTAÇÕES PARA CADASTRO E TRAMITAÇÃO DE UM CASO 1 CASO DE AFASTAMENTO DE SIGILO BANCÁRIO A autoridade policial deve acessar o módulo SIMBA do Sistema Criminalística para fazer a abertura do Caso no endereço eletrônico https://ditec.dpf.gov.br/sistemas/simba. O acesso ao sistema SIMBA se dá mediante a digitação do nome do usuário, que é o endereço eletrônico institucional sem (exemplo: o endereço eletrônico do servidor é o usuário é fulano.tal), e da senha de acesso, que é a mesma do endereço eletrônico institucional. Após fazer login no módulo SIMBA, entrar na opção Casos Criar Caso e preencher os campos seguindo as instruções do sistema. Com a confirmação dos dados lançados no sistema, ocorrerá a geração automática e única do Código Identificador do Caso, o qual deverá ser OBRIGATORIAMENTE utilizado como referência no cabeçalho da representação. Um Caso aberto permitirá, em ações futuras, novas Representações, sem a necessidade de um novo código identificador, ou seja, por alteração ou inclusão de investigados, de períodos, etc. Após o preenchimento dos dados pela autoridade policial o sistema gerará modelo de REPRESENTAÇÃO pelo afastamento de sigilo. Quando da abertura do Caso, o delegado responsável deverá enviar memorando (modelo disponível no sistema), à respectiva Unidade de Criminalística, que designará um perito para seu acompanhamento. Após receber os dados do CCS o delegado deverá encaminhar cópia à Unidade de Criminalística, junto com a decisão judicial, para que o perito acompanhe o recebimento dos arquivos que serão remetidos pelas instituições financeiras e realize análise prévia. 2 ENCAMINHAMENTO DOS DADOS Em atendimento às determinações judiciais é imprescindível que as instituições financeiras encaminhem os registros bancários em cinco arquivos distintos, observando a formatação definida na Carta Circular n o. 3454/2010. Os arquivos enviados pelas instituições financeiras serão identificados pelo Código Identificador do Caso, que deverá estar contido na representação e ser informado como referência pela autoridade judicial na DECISÃO JUDICIAL pelo afastamento do sigilo bancário, como por exemplo, Identificador n o. 002-PF citado no modelo de Representação do Anexo I. A instituição financeira precisa utilizar o número Código Identificador do Caso para validar os arquivos a serem transmitidos, registrar o atendimento e possibilitar o reconhecimento da transmissão pelo módulo RECEPTOR SIMBA da Polícia Federal. Os arquivos a serem solicitados às instituições financeiras serão identificados da seguinte forma: Identificação dos arquivos: Nome do arquivo Descrição 002-PF _AGENCIAS.txt Arquivo com dados das agências bancárias da instituição financeira. Arquivo com identificação das contas bancárias que tiveram o sigilo 002-PF _CONTAS.txt afastado.também devem ser listadas as contas da mesma instituição financeira que foram parte em qualquer transação com as contas investigadas. Arquivo com identificação das pessoas (físicas ou jurídicas) titulares das contas, cujo sigilo bancário foi afastado. Também devem ser listadas as pessoas que são 002-PF _TITULARES.txt titulares de contas na mesma instituição financeira, as quais mantiveram operações financeiras com as contas alvo do afastamento no respectivo período. Arquivo com identificação dos lançamentos relacionados às contas com sigilo 002-PF _EXTRATO.txt afastado. Arquivo com identificação da(s) origem(s) ou do(s) destino(s) de recursos que 002-PF _ORIGEM_DESTINO.txt estão relacionados a um lançamento existente no arquivo EXTRATO.txt. 002-PF _AUTENTICACOES.txt Arquivo com autenticações hash dos cinco arquivos anteriores.

8 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 8 Para possibilitar a validação e transmissão dos arquivos de dados a autoridade policial deve disponibilizar às instituições financeiras as seguintes orientações: I. O aplicativo VALIDADOR BANCÁRIO SIMBA a ser utilizado para validar os arquivos a serem transmitidos, gerados de acordo com o leiaute da Carta Circular n o. 3454/2010, pode ser acessado e baixado no endereço II. O aplicativo TRANSMISSOR BANCÁRIO SIMBA para transmitir, via internet, os arquivos submetidos ao programa VALIDADOR BANCÁRIO SIMBA encontra-se disponível no endereço III. Após a transmissão dos arquivos é gerado de forma automática para a instituição financeira um comprovante da transmissão e correio eletrônico confirmando o recebimento dos arquivos no sistema RECEPTOR SIMBA da Polícia Federal. 3 RECEPÇÃO DOS ARQUIVOS Os arquivos de dados bancários remetidos pelas instituições financeiras, por meio do aplicativo TRANSMISSOR BANCÁRIO SIMBA, serão recebidos de forma automática pela Polícia Federal, por meio do módulo RECEPTOR SIMBA. Quando os arquivos de dados bancários forem recebidos, o delegado cadastrado como responsável pelo Caso será informado por mensagem eletrônica. A partir do recebimento dos arquivos poderá consultar no módulo SIMBA do Sistema Criminalística quais bancos atenderam a solicitação e dados dos produtos bancários, possibilitando cotejo com os dados obtidos na consulta ao CCS. Por sua vez, o perito designado para fazer o acompanhamento dos arquivos remetidos pelas instituições financeiras deverá verificar: a) A lisura da autenticação eletrônica de cada arquivo, visando garantir a integridade da cadeia de custódia; b) O cumprimento das formalidades previstas na Carta Circular n o. 3454/2010; c) A integridade e completude dos dados. Após o período de análise prévia os dados bancários que forem considerados íntegros serão transferidos para a base de produção, momento em que o delegado cadastrado como responsável pelo Caso receberá mensagem eletrônica do sistema, informando que eles estão disponíveis para exame e elaboração de laudo pericial. 4 SOLICITAÇÃO DE EXAME PERICIAL Após receber a mensagem eletrônica informando que os dados bancários foram transferidos para a base de produção, o delegado responsável pelo Caso deverá utilizar o módulo SIMBA do Sistema Criminalística para gerar a minuta da solicitação de exame, apontando quesitos a serem respondidos. O expediente de solicitação de exame deverá ser numerado, datado e, após a assinatura do delegado demandante, encaminhado à respectiva Unidade de Criminalística, junto com os dados do Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS), caso não tenha sido encaminhado anteriormente. 5 EMISSÃO DE LAUDOS PERICIAIS A perícia irá receber a solicitação de exames periciais encaminhada pelo delegado demandante e confirmar o recebimento no Sistema Criminalística.

9 MJ DPF Continuação do Boletim de Serviço n o. 222, de Pág. 9 Todas as atividades realizadas pelo perito relativas ao SIMBA serão diretamente no Sistema Criminalística. Não haverá necessidade de sair do sistema para acessar o módulo SIMBA. Havendo um conjunto de dados suficiente para a realização de exames, o perito irá gerar relatórios e elaborar perícia de acordo com a quesitação proposta. Ao término dos exames, o Laudo será emitido e encaminhado ao delegado solicitante, juntamente com os relatórios gerados, que poderão constar como apêndices. Os arquivos de todos os dados bancários originais enviados pelas instituições financeiras deverão ser gravados em mídia óptica que será anexada ao Laudo. O Laudo e apêndices correspondentes ficarão armazenados em meio eletrônico no módulo SIMBA do Sistema Criminalística permitindo que a autoridade policial realize consultas eletrônicas. Outras dúvidas sobre os procedimentos a serem adotados para afastamento de sigilo bancário e sobre o funcionamento do SIMBA (acesso, registro de Casos, recebimento dos dados, solicitação de perícia, consultas eletrônicas, etc.), deverão ser encaminhadas ao ou à

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015 PROVIMENTO CONJUNTO Nº 2/2015 Regulamenta os critérios para operacionalização do Sistema de Investigações Bancárias Simba no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O PRESIDENTE E O CORREGEDOR

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 14, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta os critérios a serem observados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região para operacionalização do Sistema de Investigação de Movimentações

Leia mais

Ementa: Sigilo bancário. Validador Bancário MPF. Manual do Usuário.

Ementa: Sigilo bancário. Validador Bancário MPF. Manual do Usuário. MI 003/ASSPA/PGR Brasília/DF, 14 de outubro de 2010. Memorando de Instrução - MI 003 - ASSPA/PGR Versão 3.0 Ementa: Sigilo bancário. Validador Bancário MPF. Manual do Usuário. Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 342/SEJUD.GP, DE 27 DE JULHO DE 2010 Regulamenta o processo judicial eletrônico no âmbito do Tribunal Superior do Trabalho. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR

Leia mais

Ementa: Sigilo bancário. Validador CCS SIMBA. Manual do Usuário.

Ementa: Sigilo bancário. Validador CCS SIMBA. Manual do Usuário. MI /ASSPA/PGR Brasília/DF, 24 de fevereiro de 2012. Memorando de Instrução - ASSPA/PGR Versão 2.0 Ementa: Sigilo bancário. Validador CCS SIMBA. Manual do Usuário. Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 3 /2012 Disciplina a utilização do Sistema de Informações Eleitorais no âmbito do TRE/RJ e dá outras providências.

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS. CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX OUTROS Orientador Empresarial CAC-Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte da SRF - e-cac INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF nº 580/2005

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 *

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 5ª REGIÃO Gabinete da Presidência PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * PROVIMENTO GP - 02, DE 24 DE JULHO DE 2012 * Dispõe sobre o Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos Eletrônicos (e DOC), bem como a indisponibilidade dos equipamentos de facsímile (fax)

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DA 6ª VARA ESPECIALIZADA EM CRIMES FINANCEIROS E LAVAGEM DE CAPITAIS DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO Autos n. 0006589-45.2015.4.03.6181 PROMOÇÃO DE ARQUIVAMENTO

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

INFORMAÇÃO DE SECRETARIA

INFORMAÇÃO DE SECRETARIA PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO 1ª VARA FEDERAL CRIMINAL - E-mail: 1vfcr@jfes.jus.br Av. Marechal Mascarenhas de Moraes, 1877, 2º Andar, Ilha de Monte Belo, CEP 29.053-245,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA SG/MPF N.º 3, DE 6 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os processos de emissão de Certificados Digitais aos membros, servidores, equipamentos e aplicações do Ministério Público Federal.

Leia mais

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR VOCÊ SEMPRE OUVIU DIZER QUE... OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR O QUE VOCÊ VAI FAZER A RESPEITO? QUAL O FUTURO DOS REGISTROS PÚBLICOS O QUE QUEREMOS? A QUEM INTERESSA? COMO FAZER? CRISE OPORTUNIDADE Lei nº 11.977,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03.

RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. RESOLUÇÃO Nº T2-RSP-2012/00079 DE 24 DE SETEMBRO DE 2012 PUBLICADA NO E-DJF2R DE 27/09/2012, ÀS FLS. 01/03. Disciplina, no âmbito do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, os procedimentos relativos à

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 3681 - ANTAQ, DE 6 DE OUTUBRO DE 2014. APROVA A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E OS PROCEDIMENTOS DE ASSESSORAMENTO E CONSULTORIA JURÍDICA DA PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Ref.: Consulta Pública nº 04/2014 DESPACHO nº 339/2014/PRES/CADE Submeto a Resolução anexa que institui o Sistema Eletrônico de Informações SEI como sistema oficial de gestão de documentos eletrônicos

Leia mais

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014

ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 ATO CONJUNTO PGJ-CGMP N. 02/2014 Dispõe sobre a regulamentação e a metodologia da inteligência de sinais a ser utilizada no âmbito do Ministério Público do Estado de Goiás. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 Dispõe sobre a entrega, o envio e a disponibilização dos dados e das informações em meio informatizado, que os responsáveis pelos órgãos ou entidades da administração direta

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República, Dr. ROBERTO MONTEIRO GURGEL SANTOS:

Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República, Dr. ROBERTO MONTEIRO GURGEL SANTOS: MI /ASSPA/PGR Brasília/DF, 24 de fevereiro de 2012. Memorando de Instrução - ASSPA/PGR Versão 2.1 Ementa: Sigilo bancário. Transmissor CCS, SIMBA. Manual do Usuário. Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 02/2009 Regulamenta os procedimentos relativos à certificação digital, para garantir a segurança das transações eletrônicas realizadas por meio dos sistemas, das aplicações e dos

Leia mais

PORTARIA PGE Nº 054/2011

PORTARIA PGE Nº 054/2011 PORTARIA PGE Nº 054/2011 Institui a comunicação interna eletrônica no âmbito da Procuradoria-Geral do Estado de Alagoas. O PROCURADOR-GERAL DO ESTADO DE ALAGOAS no uso da atribuição que lhe confere o artigo

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, RESOLUÇÃO SMF Nº 2.771, DE 29 DE ABRIL DE 2013. [Publicada no D. O. Rio de 30.04.2013] * Estabelece procedimentos a serem adotados para a entrega de prêmios aos tomadores de serviços pessoas naturais titulares

Leia mais

PORTARIANº 032/2015-DF

PORTARIANº 032/2015-DF PORTARIANº 032/2015-DF O Doutor ARISTEU DIAS BATISTA VILELLA, Juiz de Direito e Diretor do Foro da, no uso de suas atribuições legais, com fundamento nos artigos 52, inciso XV, da Lei nº 4.964, de 26 de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010*

ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* ATO TRT 17ª PRESI N.º 093/2010* A DESEMBARGADORA-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 17.ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de se implementar

Leia mais

PORTARIA N 55/2008/EXT/DGPJC

PORTARIA N 55/2008/EXT/DGPJC PORTARIA N 55/2008/EXT/DGPJC Disciplina os procedimentos para incineração de drogas ilícitas e dá outras providências O Diretor-Geral de Polícia Judiciária Civil do Estado de Mato Grosso, no uso das atribuições

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA SEPN Quadra 514 Norte Lote 7 Bloco B CEP 70760 542 Brasília DF www.cnj.jus.br INSTRUÇÃO NORMATIVA INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria SEI

Leia mais

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. O CORREGEDOR GERAL DA JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 20, DE 09 DE OUTUBRO DE 2013. Institui a emissão de Certidões Judiciais Cíveis e Criminais, inclusive por meio eletrônico, no âmbito da 1ª Instância do Poder Judiciário do Estado de Alagoas

Leia mais

REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS REGULAMENTO BACEN JUD 2.0 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1 o O presente regulamento visa a disciplinar a operacionalização e a utilização do sistema BACEN JUD 2.0. Parágrafo único. A utilização do sistema

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 03/2012 (consolidado com o Provimento CRE/RJ nº 01/2015) Disciplina a utilização do Sistema de Informações

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

CONTRATO DE ACESSO AO DEUTSCHE BANK CUSTÓDIA WEB

CONTRATO DE ACESSO AO DEUTSCHE BANK CUSTÓDIA WEB CONTRATO DE ACESSO AO DEUTSCHE BANK CUSTÓDIA WEB Pelo presente instrumento particular, de um lado, (a) DEUTSCHE BANK S.A. - BANCO ALEMÃO, instituição financeira com sede na Cidade de São Paulo, Estado

Leia mais

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

Edição nº 141/2015 Brasília - DF, segunda-feira, 10 de agosto de 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA 67, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta a Portaria-SEI 1 de 4 de agosto de 2015, que instituiu o Sistema Eletrônico de Informações - SEI no âmbito do Conselho Nacional de Justiça. O

Leia mais

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009

RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUCAO TJ/OE Nº 16, de 30/11/2009 (ESTADUAL) DJERJ, ADM 60 (8) - 01/12/2009 RESOLUÇÃO Nº. 16/2009 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

PROVIMENTO Nº 01/2012

PROVIMENTO Nº 01/2012 PROVIMENTO Nº 01/2012 EMENTA: Dispõe sobre os requisitos mínimos de segurança que deverão existir nos alvarás judiciais e dá outras providências. O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, Desembargador Jones Figueirêdo

Leia mais

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I DISPONIBILIZAÇÃO: sexta-feira, 12 de abril de 2013 PUBLICAÇÃO: segunda-feira, 15 de abril de 2013 Senhores(as) Usuários(as), A Seção I do Diário da Justiça Eletrônico

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO E INFORMAÇÃO DO COMÉRCIO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, ENERGIA, INDÚSTRIA E SERVIÇOS JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ÁREA DE PROTOCOLO

Leia mais

4. O cadastramento a que se refere o item anterior deve ser efetuado concomitantemente à abertura da conta.

4. O cadastramento a que se refere o item anterior deve ser efetuado concomitantemente à abertura da conta. 1 SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. As pessoas físicas ou jurídicas, residentes, domiciliadas ou com sede no exterior, podem ser titulares de contas de depósito em moeda nacional no País, exclusivamente

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FINANÇAS E O COORDENADOR-GERAL DA RECEITA ESTADUAL, no uso de suas atribuições legais e

O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FINANÇAS E O COORDENADOR-GERAL DA RECEITA ESTADUAL, no uso de suas atribuições legais e RESOLUÇÃO CONJUNTA N. 004 /2013/GAB/SEFIN/CRE Porto Velho, 09 de dezembro de 2013 Publicada no DOE n.2364, de 18.12.13 Disciplina a homologação, a apropriação e o aproveitamento de crédito fiscal do ICMS

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Publicada no Boletim de Serviço, n. 7, p. 13-18 em 6/7/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 139, DE 29 DE JUNHO DE 2012 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Institui a Política de Integração e Segurança da Informação do Sistema de Cadastro Ambiental Rural e dá outras providências. A MINISTRA DE ESTADO DO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO PORTARIA JUCESP Nº 06, DE 11 DE MARÇO DE 2013 Disciplina a integração do serviço público de registro empresarial ao processo do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 265, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2001 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso de suas atribuições, e considerando o disposto no art. 8º do Decreto nº

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.461, DE 04 DE MARÇO DE 2011. Dispõe sobre a simplificação do atendimento público prestado ao cidadão, ratifica a dispensa do reconhecimento de firma em documentos produzidos

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

TÍTULO I DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DO RECLAMANTE

TÍTULO I DAS CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS DO RECLAMANTE Insubsistente pelo advento da Lei 10.035, de 25.10.2000, DOU de 26.10.2000. PROVIMENTO Nº 208 (*) Dispõe sobre os procedimentos relativos à execução de contribuições sociais a teor do disposto no artigo

Leia mais

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA TC Nº 433, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2014. Institui o processo administrativo eletrônico no âmbito do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco. O PRESIDENTE DO DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO. Manual do Usuário

PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO. Manual do Usuário PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 6ª REGIÃO Manual do Usuário SCGB Sistema de Controle de Guias Bancárias Responsável: Henrique de Barros Saraiva Leão Conteúdo

Leia mais

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0

Sistema Nacional de Bens Apreendidos. Manual do Usuário Versão 1.0 Sistema Nacional de Bens Apreendidos Manual do Usuário Versão 1.0 Brasília, 2009 ÍNDICE I. SOBRE O SISTEMA NACIONAL DE BENS APREENDIDOS... 3 1.1- SNBA Versão 1.0... 3 1.2- Habilitação e Perfis de Acesso...

Leia mais

Análise de Dados Financeiros

Análise de Dados Financeiros Controladoria-Geral do Estado de Minas Gerais PNLD 15-05-2015 Análise de Dados Financeiros Criminosos Investigação Pesquisas Diligências de campo Interceptação de sinais Quebras de sigilo financeiro Intercâmbio

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO - CREA-SP INSTRUÇÃO Nº 2560 Dispõe sobre procedimentos para a interrupção de registro profissional. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 34,

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

Instrução Normativa nº 03, de 11 de setembro de 2006.

Instrução Normativa nº 03, de 11 de setembro de 2006. Instrução Normativa nº 03, de 11 de setembro de 2006. Dispõe sobre o Sistema Integrado de Protocolização e Fluxo de Documentos Eletrônicos do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (e-doc). O Juiz-Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA

ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA ANO XXII - 2011-4ª SEMANA DE ABRIL DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 17/2011 PIS/PASEP/COFINS ESCRITURAÇÃO FISCAL DIGITAL DO PIS/PASEP E DA COFINS - EFD-PIS/COFINS - NORMAS GERAIS Introdução - Pessoas Jurídicas

Leia mais

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005.

CONVÊNIO BACEN / STJ / CJF 2005. CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICO- INSTITUCIONAL QUE FAZEM ENTRE SI O BANCO CENTRAL DO BRASIL, O SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA E O CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL, PARA FINS DE OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA BACEN

Leia mais

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES

CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - ATUALIZAÇÕES - Evasão de divisas e lavagem de capitais as alterações da Lei 12.683/12 - Investigação de crimes financeiros - Cooperação jurídica internacional

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 SUMÁRIO 1 Orientações gerais... 4 1.1 O que são Pessoas Obrigadas?... 4 1.2 Perfis de acesso... 4 1.3

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA-TCU Nº 68, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Dispõe sobre o recebimento de documentos a serem protocolados junto ao Tribunal de Contas da União. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

CARTA-CIRCULAR 3.454 -------------------- Divulga leiaute das informações de que trata a Circular nº 3.290, de 5 de setembro de 2005.

CARTA-CIRCULAR 3.454 -------------------- Divulga leiaute das informações de que trata a Circular nº 3.290, de 5 de setembro de 2005. CARTA-CIRCULAR 3.454 -------------------- Divulga leiaute das informações de que trata a Circular nº 3.290, de 5 de setembro de 2005. Em conformidade com o contido no parágrafo único do artigo 5º da Circular

Leia mais

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010

RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Publicada no DJE/STF, n. 72, p. 1-2 em 26/4/2010 RESOLUÇÃO N 427, DE 20 DE ABRIL DE 2010 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras providências. O PRESIDENTE DO

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010

PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010 PROVIMENTO N.º CGJ- 03/2010 Disciplina a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo judicial eletrônico nas unidades jurisdicionais do Poder Judiciário do Estado do Bahia. A DESEMBARGADORA

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. PROVIMENTO Nº 09, DE 18 NOVEMBRO DE 2010. Disciplina, no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região, a digitalização e a remessa de processos através de sistema eletrônico ao Tribunal Superior do Trabalho,

Leia mais

o ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, com sede na Praça Marechal Deodoro, S/N,

o ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, com sede na Praça Marechal Deodoro, S/N, ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Acordo de Cooperação Técnica que entre si celebram o Ministério Público Federal e o Estado do Rio Grande do Sul, por intermédio da Secretaria de Segurança Pública, com a interveniência

Leia mais

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 O Diretor do Departamento de Polícia Federal, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo ítem III, do Artigo 30 do Regimento

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PORTARIA N o. 346/2006-DG/DPF Brasília/DF, 03 de agosto de 2006. Institui o Sistema de Gestão Eletrônica de Segurança Privada GESP e dá outras providências. O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL,

Leia mais

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás

Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Dispõe sobre a implantação e estabelece normas para o funcionamento do processo eletrônico no Poder Judiciário do Estado de Goiás. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS, por seu Órgão Especial, no exercício

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015

Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Ministério da Educação GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.042, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015 Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério da Educação. O MINISTRO

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-602-R00 AUTOS DE INFRAÇÃO E MULTAS 03/2014 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 17 de março de 2014. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014

GOVERNO DE SERGIPE DECRETO Nº 29.720 DE 03 DE FEVEREIRO DE 2014 PUBLICADO NO D.O.E. Nº 26.912 DE 13.02.2014. Regulamenta a Lei nº 7.650, de 31 de maio de 2013, que dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria de Estado da Fazenda SEFAZ, e o sujeito passivo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAL DE CONSUMO E PERMANENTE. Analisado por: Diretor de Patrimônio e Material (DEPAM)

MANUAL DE SOLICITAÇÃO DE MATERIAL DE CONSUMO E PERMANENTE. Analisado por: Diretor de Patrimônio e Material (DEPAM) Proposto por: Divisão de Almoxarifado (DIALM) Analisado por: Diretor de Patrimônio e Material (DEPAM) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Logística (DGLOG) Este MANUAL tem por objetivo orientar

Leia mais

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO

MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO VERSÃO: 31/3/2011 2/12 MANUAL DE NORMAS COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA MINISTÉRIO PÚBLICO DA PARAÍBA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA APGJ n. 025/2014. Dispõe sobre o gerenciamento das solicitações de perícias e demais trabalhos técnicos ou científicos, contemplados por cooperações

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

Marco Regulatório de PLD/CFT e atuação do Banco Central do Brasil

Marco Regulatório de PLD/CFT e atuação do Banco Central do Brasil Marco Regulatório de PLD/CFT e atuação do Banco Central do Brasil Brasília, 27/9/2013 Apoio: SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Agenda Banco Central do Brasil: estrutura, missão e atuação Supervisão de PLD/CFT

Leia mais

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 1 12 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 12 Em 2013, o registro de dados no

Leia mais

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO

FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO FORMULÁRIOS PARA REGISTRO DE AJUDANTE DE DESPACHANTE ADUANEIRO D.O.U. de 05/10/1992 INSTRUÇÃO NORMATIVA DpRF Nº 109, DE 2 DE OUTUBRO DE 1992 O Diretor do Departamento da Receita Federal, no uso de suas

Leia mais

Sistema de Informações ao Judiciário. InfoJud. Manual do Usuário

Sistema de Informações ao Judiciário. InfoJud. Manual do Usuário Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação Coordenação de Sistemas de Informação Divisão de Sistemas Corporativos Tributários Sistema de Informações ao Judiciário InfoJud Manual do Usuário Página 1

Leia mais

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL

SINDICÂNCIA PATRIMONIAL SINDICÂNCIA PATRIMONIAL A sindicância patrimonial, assim como os demais procedimentos investigativos, conforma um procedimento inquisitorial, sigiloso, não contraditório e não punitivo, que visa colher

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, incisos V e VII, da Constituição do Estado, DECRETO N 42.434, DE 09 DE SETEMBRO DE 2003, DOERS. Regulamenta, no âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, a modalidade de licitação denominada pregão, por meio eletrônico, para a aquisição de bens e serviços

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA 0 HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA RESOLUÇÃO 541/2007 - CJF JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SÃO PAULO NÚCLEO FINANCEIRO SEÇÃO DE

Leia mais

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010

DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 2.547-R DE 13/07/2010 DOE-ES de 14/07/2010 Introduz alterações no RICMS/ES, aprovado pelo Decreto n.º 1.090- R, de 25 de outubro de 2002. O GOVERNADOR

Leia mais

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 303/2015. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 303/2015 Disciplina a implantação do Processo Administrativo Eletrônico (Proad) no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região. O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório.

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Fique atento aos procedimentos e prazos estabelecidos pela Lei para declaração de despesas com saúde. art certificado digital-siops-10,5x29,7.indd

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA FAZENDA PUBLICADO NO DOU DE 06/02 SEÇÃO 1, PÁG. 53 Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PORTARIA PGFN Nº 79, DE 03 FEVEREIRO DE 2014 Disciplina o parcelamento do valor correspondente à

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional

P á g i n a 1. SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras. Manual Operacional P á g i n a 1 SISCOAF Sistema de Controle de Atividades Financeiras Manual Operacional P á g i n a 2 1 SUMÁRIO 2 Orientações gerais... 3 2.1 Perfis de acesso... 4 2.2 Para acessar todas as funcionalidades

Leia mais