Aço e Ferros Fundidos Capítulo 1 1. Definições Aço é a liga ferro-carbono além de certos elementos residuais resultantes do processo de fabricação.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aço e Ferros Fundidos Capítulo 1 1. Definições Aço é a liga ferro-carbono além de certos elementos residuais resultantes do processo de fabricação."

Transcrição

1 Aço e Ferros Fundidos Vicente Chiaverini Capítulo 1 1. Definições O característico polimórfico do ferro e sua facilidade de processamento explicam sua ampla utilização em todos os setores da Engenharia. Aço é a liga ferro-carbono além de certos elementos residuais resultantes do processo de fabricação. Tipos fundamentais do aço: Aço Carbono - Aço de baixo teor de carbono (C<0,2%) - Aço de médio carbono (0,2%<C<0,5%) - Aço de alto teor de carbono (C>0,5%) Aço Liga - Aço de baixo teor de liga (Elementos de liga <8%) - Aço de alto teor de liga((elementos de liga >8%) 2. Alotropia do ferro puro Ponto de fusão do ferro: 1538ºC. Abaixo desta temperatura, o ferro cristaliza na forma CC(cúbico centrado) e se mantém estável até 1394ºC, é a forma delta Fe(δ). Aos 1394ºC o ferro sofre uma redisposição espontânea para CFC, é a forma gama Fe(γ). Aos 912ºC o ferro readquire a forma CCC, é a forma alfa Fe(α). Abaixo dos 912ºC não ocorre mais nenhuma forma alotrópica. Aos 770ºC (Ponto de Curie) ocorre um rearranjo não nos átomos, mas nos spins, é a forma beta.

2 DECORAR O DIAGRAMA PAGINA 24 O diagrama de equilíbrio Fe-C não se trata a rigor de diagrama de equilíbrio estável, pois ocorrem mudanças de fase com o tempo, como a decomposição do Fe 3 C em ferro e carbono na forma de grafita. O equilíbrio então é metaestável. Ponto A - ponto de fusão do ferro puro. Ponto D (impreciso) - ponto de fusão do Fe 3 C. A parte superior do gráfico corresponde às reações que ocorrem do líquido pro sólido; já a parte inferior corresponde às reações no estado sólido. Ponto C indica a presença de uma liga eutética. Ponto S ponto eutetóide. Ligas com essa composição são eutetóides. O ferro puro apresenta-se até 912 ºC sob a forma alotrópica alfa (reticulado cúbico de corpo centrado) e de 912 ºC a 1394 ºC sob a forma gama (reticulado cúbico de face centrada). O ferro gama pode manter em solução o carbono (austenita) e o ferro alfa, não. O carbono afeta a temperatura de transformação alotrópica gama-alfa no resfriamento: o aumento de carbono abaixa a temperatura de transformação até que para 0,77% de carbono ela é de 727 ºC. Abaixo de 727 ºC, nas condições de resfriamento lento, nunca existirá ferro gama ou austenita. Em teores muito baixos de carbono se verifica as fases gama e alfa. Ponto E - o teor de carbono de 2,11% separa os aços dos ferros fundidos. À medida que o esfriamento prossegue, separa-se cada vez mais ferrita. A 727 ºC o aço consistirá de ferro alfa ou ferrita e de uma certa quantidade de austenita residual com teor de carbono de 0,77%. Como a transformação gama-alfa ao ser atingida a temperatura de 727 ºC é brusca e repentina, o ferro alfa e o carbono na forma de Fe 3 C (cementita) não assumem posições perfeitamente distintas; formam lâminas delgadas distribuídas alternadamente: é a perlita (linhas escuras são cementita e linhas claras são ferrita). Finalmente um aço eutetóide, depois inteiramente solidificado, não sofrerá qualquer transformação até atingir a temperatura de 727ºC, momento em que toda austenita passara bruscamente a perlita. Em resumo, a constituição estrutural à temperatura ambiente das ligas ferro-carbono de 0% até 2,11% de carbono, esfriadas lentamente a partir de temperaturas acima da zona crítica é a seguinte: Ferro comercialmente puro ferrita Aços hipoeutetóides (até 0,77% de C) ferrita e perlita Aços eutetóides (0,77% de C) perlita Aços hipereutetóides (0,77 a 2,11% C) - perlita e cementita

3 3. Propriedades dos constituintes dos aços e sua influência sobre suas características mecânicas A austenita, nos aços-carbono comuns, só é estável acima dos 727ºC; consta de uma solução sólida de carbono no ferro gama e apresenta uma estrutura de grãos irregulares. Possui boa resistência mecânica e apreciável tenacidade. Não é magnética. A ferrita é ferro no estado alfa contendo traços de carbono. Apresenta estrutura de grãos irregulares, baixa dureza e baixa resistência à tração, mas excelente resistência ao choque e elevado alongamento. A cementita é o carbono do ferro Fe 3 C contendo 6,67% C. Dura, quebradiça é responsável pela elevada dureza e resistência dos aços de alto carbono, assim como como pela sua menor ductilidade. A perlita é a mistura mecânica de 88,5% de ferrita e 11,5% de cementita, na forma de lâminas finas dispostas alternadamente. Suas propriedades são intermediárias às da ferrita e da cementita. A transformação da austenita em perlita começa nos contornos de grãos e prossegue em direção ao seu centro. Os contornos de grãos não são as únicas localizações de átomos de energia mais elevada, pois os átomos em torno dos defeitos em ponto ou em linha apresenta tb energia extra e podem servir de localização para a nucleação de reações. O ferro comercialmente puro, constituido só de ferrita, apresenta-se mole, ductil, pouco resistente à tração e com alta resistencia ao choque. Á medida que o teor de carbono cresce, aumentam os valores representativos da resistência mecânica, isto é, o limite de escoamento, o limite de resistência à tração e à dureza, ao passo que caem os valores relativos à ductilidade, como alongamento, estricção e resistência ao choque. Alta dureza e consequentemente excessiva fragilidade de cementita podem, após uma certa quantidade, afetar desfavoravelmente a resistência mecânica do aço.

4 4. Efeito dos elementos de liga sobre o diagrama de equilíbrio Fe-C O ferro existe em duas formas alotrópicas alfa e gama estáveis e diferentes temperaturas. Essas formas se caracterizam por poderem manter em solução sólida, dentro de ampla faixa de teores, vários elementos de liga que podem participar da composição dos aços. As diferentes solubilidades dos vários elementos de liga nessas duas formas alotrópicas do ferro levam a modificações nas faixas de temperaturas em que ocorrem as transformações estruturais dos aços.

5 CAPÍTULO 2 Os constituintes resultantes da transformação por esfriamento lento de austenita: perlita, ferrita e cementita, de acordo com sua quantidade relativa permitem uma variação nas propriedades mecânicas dos aços. A formação da ferrita e da cementita exige a mudança do reticulado cristalino do ferro, assim como o movimento de átomos por difusão, através da austenita sólida. Se for aumentada a velocidade de esfriamento, não haverá tempo para uma completa movimentação atômica e as reações de modificação da austenita se modificam, podendo deixar de formar-se constituintes normais e surgirem novos constituintes. Quando se aumenta a velocidade de esfriamento da austenita no diagrama Fe-C, a posição da zona crítica abaixa, mostrando um atraso no início das transformações. Por exemplo, para o aço eutetóide cuja temperatura crítica é de 727ºC em condições de esfriamento lento, abaixo dessa temperatura tem-se só perlita. Mas em condições de esfriamento cada vez mais rápido, a temperatura crítica é cada vez menor e aparece além da perlita, a martensita. Dentro de uma faixa de velocidade há formação de perlita e martensita, porém para uma certa velocidade de esfriamento (velocidade crítica de esfriamento) pára-se de formar a perlita, ficando somente a martensita. A transformação isotérmica da austenita em perlita obedece a uma curva de reação isotérmica. O estudo experimental para os diagramas de transformação isotérmica consiste em aquecer corpos de prova de aço de pequenas dimensões a uma temperatura acima da zona critica de modo a adquirirem uma estrutura inteiramente austenítica, em seguida mergulhá-los em um banho liquido (de chumbo fundido ou sal fundido) a uma temperatura abaixo da linha inferior da zona critica e aí mantê-los por determinado tempo para se observar as transformações ocorridas com a austenita. Ver gráfico página 43. Decorrido o tempo desejado os corpos de prova são mergulhados em água ou salmoura e as propriedades são medidas ou as estruturas são observadas. No caso do aço eutetóide verifica-se que as amostras mostram quantidades crescentes de perlita para tempos crescentes de permanência na temperatura constante. No diagrama temperatura-tempo, marca-se para cada temperatura os pontos de inicio de transformação de austenita (0,5% de perlita) e os pontos de fim de transformação (99,5% de perlita). Esses pontos formam as curvas em C ou TTT. Com o diagrama para o aço eutetóide (ver página 45) podemos observar que a velocidade de transformação é baixa inicialmente; à temperatura cerca de 200ºC inicia-se a formação de martensita (linha Mi) e termina em Mf.

6 Constituintes resultantes da transformação da austenita em ordem de formação: Perlita lamelar: granulação grosseira e baixa dureza; Perlita fina: lamelas finas e dureza entre 30 e 40 Rockwell C; Bainita: ferrita em forma de pena ou carboneto de ferro muito fino com dureza entre 40 e 60 Rockwell C; Martensita: formação depende exclusivamente da temperatura e tem coloração mais clara (chamada também de acicular). A formação da martensita ocorre por uma reação por cisalhamento, através de planos cristalográficos, de modo tão rápido que não pode ser evitada mesmo por resfriamento rápido. Este resfriamento rápido transforma em alfa a forma alotrópica do ferro, a qual retém as lâminas estreitas e alongadas de austenita provenientes do cisalhamento, desenvolvendo-se tensões internas. A martensita apresenta um reticulado tetragonal e sua dureza é muito elevada devido às tensões internas, ao tamanho de grão muito pequeno. Curvas TTT para aços hipoeutetóides e hipereutetóides: No caso de aços hipoeutetóides ocorre a separação da ferrita quando o aço entra, durante o esfriamento lento, na zona crítica. Já para os aços hipereutetóides ocorre a separação da cementita quando esse aço entra na zona crítica. O aumento do teor de carbono retarda o inicio e o fim da reação para a formação de bainita, além disso, a temperatura de reação da martensita é rebaixada com o aumento do teor de carbono. Transformação em resfriamento contínuo: A maioria das operações de tratamento térmico envolve transformações que ocorrem em resfriamento continuo. Assim o diagrama para resfriamento contínuo leva a um deslocamento para a direita e para baixo das partes superiores das curvas de inicio e de fim de transformação, em relação às curvas isotérmicas (Ver Fig. 21 página 46). O diagrama indica em linhas potilhadas a parte inferior do diagrama, porque, para resfriamento continuo, uma vez ultrapassadas as curvas de inicio e de fim de transformação numa determinada velocidade de resfriamento, as transformações já se completaram. Na Fig. 22 (página 47) tem-se um resfriamento a varias velocidades. Observa-se que: um aço resfriado muito lentamente (no forno), apresenta perlita grossa e de baixa dureza; com resfriamento um pouco mais rápido (no ar) apresenta perlita mais fina e de dureza mais elevada e assim por diante. Até que ocorre um resfriamento tão rápido que não há transformação de austenita em um produto lamelar mas simplesmente passagem a martensita. A velocidade crítica de têmpera é a menor velocidade de esfriamento que produzirá estrutura inteiramente martensítica. Nota-se também que a bainita só é obtida em tratamento isotérmico. Portanto quando se visa obter a máxima dureza deve-se procurar produzir a estrutura martensítica, ou seja, escolher o tratamento térmico com resfriamento rápido. Quando se visa o mínimo de dureza deve-se escolher resfriamento lento para se obter estrutura perlítica. Velocidades maiores de esfriamento podem ocasionar tensões internas excessivas, empenamento das peças e até mesmo aparecimento de fissuras. Isso significa que, ou devem ser sacrificadas as propriedades finais do aço mediante um tratamento térmico com esfriamento menos drástico, ou se deve procurar um aço que possibilite obtenção da máxima dureza com menor velocidade de esfriamento. Efeito da secção da peça: A velocidade de esfriamento é afetada pela secção da peça, pois é obvio que o interior das peças se esfria mais lentamente que a sua superfície. A diferença é tanto maior quanto maior a velocidade de esfriamento e quanto maior a secção da peça. Esse fato é melhor evidenciado através dos exemplos na página 49. Em água ou salmoura (resfriamento rápido), a superfície esfriou com velocidade superior à velocidade critica de esfriamento, a superfície adquiriu inteiramente estrutura martensítica (dureza elevada) e o centro adquiriu estrutura perlítica e martensítica (menor dureza). Em óleo (resfriamento pouco mais lento) só a superfície passou parcialmente a estrutura martensítica e no ar (resfriamento lento) nem mesmo a superfície. Se a secção da peça for maior, mesmo em água o centro não forma martensita nem parcialmente, isto é, o centro não endurece.

7 III- Fatores que afetam a posição das curvas do diagrama TTT. Endurecibilidade ou temperabilidade 1- Fatores que influem na posição das curvas TTT -Tamanho de grão da austenita; -Homogeneidade da austenita; -Composição química: Teor de carbono; Elementos de liga*; *Todos elementos de ligar, exceto o cobalto, deslocam as curvas para a direita, isso se dá pois: -Praticamente todos elementos de liga se dissolvem na austenita; -Tendência diversa na zona crítica, durante o esfriamento; alguns tendem a ficar dissolvidos no ferro (α) e outros tendem a formar carbonetos(como o ferro) No esfriamento, os elementos de liga, ao entrarem na zona crítica, seguem a sua tendência. Quanto mais elementos de liga, mais tempo para as reações começarem e terminarem, esse fato ocasionará o deslocamento da curva para a direita, atrasando as transformações da austenita (Fe γ). Esse deslocamento facilita a obtenção, por esfriamento, da estrutura martensítica. Os elementos de liga afetam não somente a parte isotérmica do diagrama mas também a formação de martensita. Em alguns casos, como em aços cementados com alto teor de carbono e níquel ou cromo em teores variáveis, não se pode ter formação completa da martensita à temperatura ambiente pelo resfriamento comum, nesse caso, à temperatura ambiente temos austenita retida ou austenita residual. Em relação ao tamanho de grão de Fe γ, quanto maior, mais para a direita as curvas são deslocadas, atrasando a formação de perlita, que começa a se formar a partir dos contornos de grãos de Fe γ( grão tempo de transformação). Os aços com tamanho de grão grande apresentam mais facilmente estrutura martensítica no resfriamento, contudo isso não pode ser considerado vantagem.

8 Dada essa grande importância do tamanho do grão, ela deve ser especificada nos diagramas TTT, e controlada durante o processo do tratamento térmico. O controle é feito por adição de baixos teores de elementos de liga, por exemplo: Alumínio(Al), Titânio(Ti), Zircônio(Zr), Vanádio(V) e Nióbio(Nb). Homogeneidade Quanto menos homogênea a austenita(mais carbonetos residuais ou áreas ricas em carbono), mais rápida é o inicio da reação. Os carbonetos residuais atuam como núcleos para a formação de perlita, acelerando a transformação da austenita. 2- Austenita retida ou residual a. Composição química; i. Teor de carbono ii. Elementos de liga b. Temperatura de austenização; ( T austenização linha M i ) c. Estabilização da austenita. i. Resfriamento 1. Velocidade de resfriamento; 2. Interrupção do resfriamento. ii. Reaquecimento A principal causa da retenção é a composição química dos aços. O carbono é o elemento mais significativo, pois abaixa a linha M i de início de formação da martensita.o mesmo ocorre com a linha M f. Por esses fatores, quantidades cada vez maiores de austenita não transformada (austenita retida ou residual) podem ser encontradas a temperatura ambiente junto com a martensita, à medida que se aumenta o teor de carbono. Os elementos de liga, exceto o cobalto, tendem a aumentar a quantidade de austenita retida a quaisquer quantidades de carbono.

9 Na estabilização da austenita, os elementos de liga mostra tendência variável. A austenita retida é instável e pode ser transformada em martensita; isso pode causar mudanças dimensionais inesperadas, fragilizacao ou fissuração 3- Endurecibilidade ou temperabilidade -Temperabilidade (profundidade de endurecimento) -Busca a máxima dureza e máxima tenacidade; -Depende de: -Tamanho do grão de austenita -Presença de elementos de liga 4- Avaliação de temperabilidade -Velocidade crítica de esfriamento: permite a obtenção de martensita sem transformação anterior da austenita. É um critério e prático, porém com restrição. -Profundidade de endurecimento: Por uma barra de diâmetro ideal (no qual a peça inteira tem o mesmo resfriamento instantaneamente) é feito um padrão, que é usado para medir a profundidade de endurecimento. 5- Medida de Temperabilidade Método de Grossmann e Método de Jominy 5.1 Métodos de Grossmann Consiste em resfriar, a partir do estado austenítico, uma série de barras cilíndricas de diâmetros crescentes em condições controladas de esfriamento. A seguir as barras são quebradas e mede-se a dureza em toda a secção transversal. Permite determinar a profundidade a que o aço endurece através da dureza e estruturas resultantes. Diâmetro Crítico (Dc) = diâmetro da barra que, esfriada da temperatura austenítica, mostrará no centro 50% de martensita. Portanto se: Diâmetro da barra = Dc Núcleo central com 50% de martensita. Diâmetro da barra > Dc Núcleo central incompletamente endurecido. Diâmetro da barra < Dc Núcleo central completamente endurecido ou martensítico. O Dc pode ser facilmente determinado, já que a separação da zona que predomina a martensita da zona que predomina a perlita tem queda brusca de dureza. 5.2 Métodos de Jominy ( ou ensaio do resfriamento da extremidade) Mais utilizado e padronizado pela ASTM, SAE, AISI e ABNT. Um corpo de prova cilíndrico de 1 de diâmetro por 4 de comprimento é aquecido até a temperatura austenítica. Em seguida dirige-se um jato d água com pressão, temperatura e quantidade controladas, contra uma de suas extremidades. Depois de esfriado, corta-se longitudinalmente o corpo de prova, retifica as duas superfícies opostas e paralelas e mede-se sua dureza a distancias variáveis a partir da extremidade que recebeu o jato. O Diâmetro crítico (Dc) pode ser achado em função do Diâmetro Ideal (Di) através de gráficos. 6- Fatores que afetam a temperabilidade Tamanho de grão austenítico, homogeneidade da austenita e composição química.

10 A- Fatores que diminuem a temperabilidade: a) Granulação fina de austenita b) Inclusões não dissolvidas - carbonetos (ou nitretos) - inclusões não-metálicas B- Fatores que aumentam a temperabilidade: a) Elementos dissolvidos na austenita b) Granulação Grosseira da austenita c) Homogeneidade da austenita Os fatores de A aceleram a nucleação e os fatores de B retardam a nucleação e o crescimento de produtos de transformação. Elementos de liga são a influencia mais importante. Aumento da temperabilidade depende do elemento, na seguinte ordem ascendente: níquel, silício, manganês, cromo, molibdênio, vanádio e boro. 7- Importância prática da temperabilidade Faixas de temperabilidade: limites mínimos e máximos para temperabilidade. Aços especificados pela temperabilidade são denominados aços H (hardenability). Gráficos de faixa de temperabilidade permitem estimar o valor da dureza em vários pontos de endurecibilidade do corpo de prova e comparar a dureza entre aços. A presença de carbono aumenta a dureza e temperabilidade dos aços, mas em qtdades elevadas diminui e tenacidade, forma microestruturas mais duras dificultando operações de deformação a frio ou induzir empenamentos e fraturas em operações de tratamento térmico. Teor recomendado em torno de 0,5% de C. O meio mais econômico de aumentar a endurecibilidade do aço através de elementos de liga é adicionar manganês. 8- Novo método de traçado de curvas de resfriamento Gráfico permite perceber a capacidade de endurecimento dos aços de acordo com o meio de resfriamento utilizado. Obs.: - curvas correspondem só ao centro de uma barra, mas outras posições podem ser deduzidas - curvas se referem a composições médias dentro de uma certa especificação

11 Capítulo 4 1- Introdução O tratamento térmico tem como objetivo alterar as propriedades dos aços através de operações de aquecimento e resfriamento, sob condições controladas de temperatura, tempo (de permanencia em determinada temperatura), atmosfera do recinto. Dentre as principais transformções, podem-se citar : aumento de resitência mecânica, à corrosão, ao desgaste; melhoria de ductibilidade, da usinabilidade e das propriedades de corte; modificação de propriedades elétricas e magnéticas. No entanto, é necessário que o processo seja aplicado criteriosamente já que a melhora de uma propriedade pode influenciar na piora de outra. Pelo simples aplicação de tratamentos térmicos, não se verifica alteração na composição química, embora em casos em que se interessa uma modificação parcial de certas prorpiedades mecânicas O grau de transformação das propriedades de determinado aço depende diretamente de sua estrutura. Tem-se como exemplo as tranformações na austenita segundo o tipo, a velocidade e as condições de esfriamento adotadas. Vale destacar a importância dos tratamentos térmicos para aços de alto carbono e para os que apresentam elementos de liga, já que são obrigatoriamente submetidos a esse processo antes de serem colocados a serviço. 2- Fatores de influencia nos tratamentos térmicos Aquecimento : Geralmente realizado a uma temperatura acima da crítica, a fim de obter a completa austenitização do aço (ou seja, dissolução do carboneto de ferro no ferro gama). Esta é o ponto de partida para as tranformações posteriores, sendo processadas em função da velocidade de esfriamento.

12 A temperatura de aquecimento é relativamente fixa de acordo com a natureza do processo e com as propriedades e estruturas finais desejadas. Quanto mais alta essa temperatura (acima da zona crítica), maior segurnaça da completa dissolução das fases no ferro gama; ao mesmo tempo, maior será o grão de austenita, o que acarreta mais desvantagens se comparado às desvantagens de não se ter dissolução total em ferro gama. Tempo de permanência às temperatura de aquecimento: Influencia assim como a temperatura de aquecimento; quanto mais longo o tempo à temperatura de austenitização, mais completa a dissolução do carboneto de ferro no ferro gama, e maior o grão resultante. Um temperatura ligeiramente mais elevada é mais vantajosa que um tempo mais longo à temperatura inferior, de modo que possibilitamaior uniformidade através de toda secção do aço. Resfriamento: Fator mais importante, pois determinará a esttrutura e as propriedades finais. De acordo com a variação da velocidade de resfriamento, pode-se obter desde perlita grossa de baixa resitência mecânica e baixa dureza até a martensita (que é o constituinte mais duro resultante dos tratamentos térmicos). Meios usuais: ambiente do forno, ar e meios líquidos, respectivamente do mais brando para o mais drástico. O meio a ser escolhido está diretamente relacionado à estrutura final desejada, à secção e à forma da peça. Isso deve-se à possivel ocorrência de consequências inesperadas tais como empenamento e ruptura da peça, caso uma peça seja submetida a um resfriamente mais drástico do que o conveniente para sua secção. Os meio mais comumente utilizados são soluções aquosas, água, óleo e ar. Além disso, pode-se relatar que os mais drásticos são as soluções aquosas e sua eficácia é devido a ação de remover a casa de óxido superficial além da menor tendência de formar vapor na superfície do aço; e que há diferença no comportamento dos diferentes tipos de óleo (devido a diferença de viscosidade). De acordo com propriedades esperadas, tem-se a necessidade de usar meios de refriamento cada vez menos severo, implicando na escolha de aços com temperabilidade cada vez maior de modo a evitar empenamento ou fissuras. Pode-se mencionar meios ainda menos drásticos do que água aquecido e ar, são banhos de sal e banhos de metal fundido (o mais comum é o chumbo). Os banhos de sal são utilizados na têmpera de aços rápidos, de modo a permitir um resfriamento uniforme e rápido nas faixas de altas temperaturas, onde o refriamento é mais crítico. A fim de obter velocidades de resfriamento superiores às obtidas em ar tranquilo e inferiores às ontidas em óleo, outro meio utilizado na indústria moderna é representado por gás. Atmosfera de forno: Nos tratamentos térmicos dos aços, deve-se evitar basicamente a oxidação (resulta na formação de casca de óxido) e a descarbonetação (pode formar camada mais mole na superfície do metal). Agentes descarbonetamtes usuais Estes fenomenos podem ser evitados pelo uso de uma atmosfera protetora ou controlados no interior do forno, o que garante uma superfície uniformemente dura e resitente ao desgaste. As atmosféras mais comuns são obtidas pela combustão total ou parcial de carvão, óleo ou gás., e podem apresentar oxigenio, nitrogênio, vapor d`água, hidrocarbonetos, etc. 3- Recozimento É o tratamento térmico que tem entre os objetivos : diminuir dureza para melhorar usinabilidade do aço, ajustar tamanho de grão, regular textura bruta de fusão, produzir microestrutura definida, etc.

13 3.1- Recozimento total ou pleno: Consiste no aquecimento do aço acima da zona crítica (durante tempo necessário), seguido de um resfriamento muito lento (com uma velocidade de resfriamento em relação ao forno ou deixando que o aço resfrie junto com ele). A temperatura de recozimento pleno é +ou- 50 graus acima do limite superior da zona crítica para aços hipoeutetóides e acima do limite inferior para os hipereutetóides. Para esses aços, não se deve ultrapassar a linha superior pois ao atravessar novamente essa linha num refriamento, formar-se-ia nos grãos de austenita, um invólucro frágilde hidrocarbonetos, coferindo extrema fragilidade aos aços. Já na normalização, por ocorrer ao ar o refriamento, não se tem formação desse invólucro de carbonetos, de modo que seu auqecimento pode ser levado a temperatura acima da linha superior da zona crítica. Os constituintes estruturais que resultam do recozimento são perlita e ferrita para aços hipoeutetóides, cementita e perlita para os aços hipereutetóides e perlita para os aços eutetóides. A influência da temperatura de aquecimento no recozimento sobre as propriedades mecânicas dos aços está indicada na figura 55 (abaixo), relativa a um aço 0,4% de carbono, no estado ligeiramente encruado. Deste modo, pode-se perceber que de acordo com o aumento da temperatura, a ductibilidade melhora e a resitência mecânica diminui; o máximo efeito é obtido ao atingir-se o limite superior da zona crítica e a resitência é pouco afetada ao ser ultrapassada novamente, contando ainda com o acentuado crescimento de grão, o qual deve ser evitado ao deixar de utilizar aquecimentos muito além do limite superior da zona crítica. 3.2 Recozimento isotérmico ou cíclico É o aquecimento do aço nas mesmas condições que para o recozimento total. Depois o aço é resfriado rapidamente até uma temperatura dentro da porção superior do diagrama de transformação isotérmico, até se produzir a transformação completa. O esfriamento pode ser apressado como mostra o diagrama da figura 57.

14 Os produtos resultantes desse tratamento térmico são perlita e ferrita, perlita e cementita ou só perlita. O tratamento pode ser encurtado de modo que o tratamento seja muito prático para casos em que se queira tirar vantagem do resfriamento rápido desde a temperatura de transformação e desta para a temperatura ambiente. No entanto, para peças grandes o recozimento isotérmico não é vantajoso sobre o pleno, pois a velocidade de resfriamento no centro pode ser baixa. 3.3 Recozimento para alívio de tensões ou sub-crítico É o aquecimento do aço a temperaturas abaixo do limite inferior da zona crítica com o objetivo de aliviar as tensões de solidificação ou de operações de transformação mecânica a frio ou de endireitamento. Tais tensões começam a ser aliviadas a temperaturas logo acima da ambiente, mas para garantir bons resultados, é aconselhável chegar lentamente aos 500 ºC. Mas também não se deve aumentar muito a temperatura a ponto de alterar as estruturas internas e as propriedades mecânicas. O resfriamento, geralmente é ao ar. 3.4 Esferoidização É o aquecimento e resfriamento em condições a produzir uma forma globular ou esferoidal de carboneto no aço para melhorar a usinabilidade e trabalhabilidade a frio os aços (principalmente os de médio a alto teor de carbono). Feita em aços de baixo carbono tem por objetivo permitir deformação severa, pois o aço fica extremamente mole e viscoso. 3.5 Recozimento em caixa Tratamento de proteção do aço contra oxidação ou outro efeito típico de tratamento térmico. Em chapas e tiras de aço produz uma estrutura ferrítica recristalizada depois da laminação a frio. O aquecimento pode ser intermitente ou contínuo. Nos fornos intermitentes, bobinas de chapas são colocadas nos fornos e cobertas por uma capa e isso pode durar vários dias. No recozimento contínuo, chapas desbobinadas passam por câmaras de aquecimento e resfriamento em poucos minutos (ordem de 750 ºC a 850 ºC por 2 minutos); resfriamento rápido até 400 ºC ; as peças são submetidas por um superenvelhecimento (revenido) para reduzir a concentração de carbono dissolvido, melhorando a ductilidade e resistência ao envelhecimento ; resfriamento rápido até temperatura ambiente.

15 4.Normalização É o aquecimento do aço a uma temperatura acima da zona crítica, seguido de resfriamento ao ar tranqüilo. Visa refinar a granulação de peças de aço fundido e de peças depois de laminadas ou forjadas. É tratamento preliminar à têmpera e ao revenido. Produz estrutura uniforme, reduz a tendência ao empenamento, facilita a solução de carbonetos e elementos de liga. Os constituintes resultantes da normalização são ferrita e perlita fina, ou cementita e perlita fina. Dependendo do aço, bainita. Aços-liga hipereutetóides são normalizados para eliminação total ou parcial dos rendilhados de carbonetos que caracterizam suas estruturas. 5. Têmpera Consiste no aquecimento do aço até sua temperatura de austenitização entre 815ºC e 870ºC - seguido de resfriamento rápido. Os meios de resfriamentos dependem da endurecibilidade dos aços,da forma e dimensões da peça submetidas a têmpera, porque o objetivo desta operação é a obtenção da martensita.os meios mais comuns de resfriamento são líquidos ou gasosos. -líquidos: água, água com sal ou aditivos cáusticos, óleo(aditivos),soluções aquosas de polímeros -gasosos: ar, gases inertes(n,he, Ar)

16 Têmpera direta: processo mais usado, resfriamento rápido em meio apropriado Têmpera em tempo variável: utilizada quando a velocidade de resfriamento deve ser repentinamente mudada (aumento ou diminuição). Têmpera seletiva: consiste em temperar-se apenas determinadas secções das peças Têmpera em vapor: neblina para diminuir a velocidade de resfriamento. Têmpera interrompida: inclui processos de austêmpera e martêmpera. Objetivos desta operação: dureza do aço e sua resistência a tração Resultantes:redução de ductilidade, tenacidade e aparecimento de tensões internas Fatores influentes:velocidade de resfriamento,secção das peças 6. Revenido O revenimento é o tratamento térmico que normalmente sempre acompanha a têmpera, pois elimina a maioria dos incovenientes produzidas por esta; além de aliviar ou remover tensões internas, corrige as excessivas dureza e fragilidade do material, aumentando sua ductilidade e resistência ao choque O aquecimento da martensita permite a reversão do reticulado instável ao reticulado cúbico centrado, produz reajustamentos internos que aliviam as tensões, e além disso, uma precipitação de partículas de carbonetos que crescem e se aglomeram, de acordo com a temperatura e o tempo. A temperatura do revenido pode ser escolhida de acordo com a combinação de propriedade mecânicas que se deseja no aço temperado.

17 Na operação de revenimento não importa só a temperatura do tratamento importa também o tempo de permanência a temperatura considerada. 6.1 Fragilidade do Revenido Diversos aços, principalmente aços liga, caracterizam-se por adquirirem fragilidade, quando são aquecidos na faixa de temperatura ºC ou quando são resfriados, lentamente através desta faixa.a fragilidade ocorre mais rápido na faixa de ºC.Os aços carbono comuns contendo manganês abaixo de 0,30% não apresentam o fenômeno. Os aços que se tornaram frágeis podem voltar ao seu normal e ter tenacidade por assim restaurada, pelo aquecimento em torno de 600ºC ou acima, seguido de resfriamento rápido, abaixo de aproximadamente 300ºC. 6.2 Transformação da austenita retida Dependendo da composição do aço, pode-se ter à temperatura ambiente uma certa quantidade de austenita residual.a transformação dessa austenita residual é realizada por intermédio de diversos procedimentos Uma das mais importante é o revenido. O chamado 2º estágio de revenido -entre 200 e 300ºCtransforma a austenita retida em ferrita e cementita. 7.Coalescimento Qualquer tratamento capaz de produzir esferoidita(figura 71).Esse tratamento é aplicado principalmente em aços hipereutéticos e pode consistir nas seguintes operações: Aquecimento prolongado de aços laminados ou normalizados a uma temperatura logo abaixo da linha inferior da zona crítica;

18 Aquecimento e resfriamento alternados entre temperaturas logo acima e abaixo da zona crítica, ou seja, fazer a temperatura oscilar em torno da zona crítica. Resultado: Dureza muito baixa, normalmente inferior à da perlita grosseira, obtida no recozimento. Objetivos: Facilitar certas operações de deformação a frio e usinagem de aços de alto teor de carbono. Capitulo 5 - Austêmpera martêmpera e outros tratamentos térmicos 2- Austêmpera Tem substituído em muitas aplicações a tempera e o revenido, esse tratamento aproveita as transformações da austenita que podem ocorrer a temperaturas constantes, por isso a austêmpera é um tratamento isotérmico. Da austêmpera surge a bainita que é equivalente e até mesmo superior a estruturas martensiticas revenidas, e como na austêmpera não tem formação direta de martensita evita-se os inconvenientes dessas estruturas obtidas com o revenido. Seqüência de operações para se obter austêmpera: Aquecimento dentro da faixa austenitica (790 a 915 ) Resfriamento num banho a temperatura constante (260 a 400 ) Permanência no banho acima para, isotermicamente, transformar austenita em bainita Resfriamento em temperatura ambiente Vantagens da austêmpera: Melhor ductilidade, tenacidade e resistência para uma determinada dureza. Empenamento reduzido.

19 A grande vantagem da austêmpera sobre o revenido comum é que a bainita se forma direto da austenita a temperatura muito mais alta que a martensita. Com isso as tensões internas são menores, conseqüentemente não há praticamente distorções ou empenamento e é erradicada a existência de fissura de tempera. Aços mais comuns para a austêmpera: Aço carbono, 0,50% < C < 1,00% e no mínimo 0,60% de manganês Aço carbono, C > 0,90% e um pouco menos de 0,60% de manganês. Aço carbono, C < 0,50% e 1,00 < Manganês < 1,65% Aço liga, C > 0,30% e baixo teor de liga. Motivos para outros aços não serem usados na austêmpera: Transformação no cotovelo da TTT começa num tempo inferior a 1 segundo, tornando impossível o resfriamento sem a formação de alguma perlita. O tempo para transformar austenita em bainita é muito longo (ex aço 9261 leva 24h). O aço 1080 máxima secção para a austêmpera é 5mm.Aços de menores teor de C permitem proporcionalmente uma menor secção.certos aços ligas permitem no Max 25mm.Caso seja permitido a presença de perlita, secções bem maiores poderão ser usadas. O banho de austêmpera indicado é o sal fundido, constituído de nitrato de sódio seja permitido e potássio e eventualmente nitrato de sódio (transfere calor rapidamente). Esse banho evita o problema de uma barreira de vapor durante o inicio do resfriamento, é estável e solúvel em água. A figura acima mostra claramente o aspecto bainítico de um aço austemperado. Estruturas bainíticas se mostram vantajosas na faixa de dureza Rockwell C50 ou acima, na faixa 40RC a 45RC a martensita revenida é superior, já na faixa 60RC a 65RC a bainita não pode ser obtida. A austêmpera com 100% de bainita só pode ser obtida em barras de pequenos diâmetros e pequenas tiras com tenacidade excepcional e dureza próxima a 50RC. Entretanto, também é importante as propriedades que a austêmpera produz mesmo se ser inteiramente bainitica. Assim na indústria é comum a aplicação com menos de 100% de bainita.

20 A bainita apresenta algumas variações. A chamada bainita superior em aços hipoeutetóides apresenta-se como pilhas de tiras ou agulhas de ferro. O excesso de C que resulta da transformação da austenita fica acumulado nessa austenita, sendo que parte desta, com muito C, fica presa entre as tiras, com a manutenção do aço à temperatura bainitica ocorre precipitação do carbono da austenita, na forma de cementita, resultando um agregado não-lamelar de ferrita e cementita, o qual constitui a bainita. A bainita inferior forma-se na temperatura abaixo de 350, no lugar das tiras de ferrita surgem placas. A fase de C que se forma inicialmente é a épsilon e não a cementita mais depois o épsilon muda para cementita. 3- Martêmpera Representa o tratamento martêmpera. Esse tratamento constitui em uma tempera interrompida na temperatura austenitica, de modo a retardar o resfriamento do aço logo acima da transformação martesitica. Com essa técnica diminui-se a probabilidade de empenamento ou distorção das peças e de defeitos causados por resfriamento rápido. Seqüência de operações: Aquecimento a temperatura de austêmpera. Resfriamento num meio fluido quente (óleo, banho de sal ou leite fluidizado) Manutenção desse meio até a uniformidade da temperatura em toda a peça Resfriamento moderado Ao contrário da austêmpera no processo da martêmpera após o processo as peças são submetidas a uma operação comum de revenido. Alem dos empenamentos a martêmpera também da um controle dimensional melhor do que a tempera e também se tem um numero menor de tensão residual. Geralmente os aços ligas apresentam melhores condições de serem martemperados. Há um processo de martêmpera que é chamado de martêmpera modificada que ocorre a uma temperatura de banho mais baixa, variando desde um pouco abaixo da Mi (faixa de formação de martensita) até cerca de 93 C, esse processo de resfriamento mais rápida o que é importante para aços de endurecibilidade inferior, por isso esse processo é aplicado a uma maior quantidade de composições de aço. Patenteamento Processo muito empregado na indústria de arames e fios, é uma modificação da austêmpera. No patenteamento arames e barras austenizadas são resfriadas continuamente num banho, geralmente, de chumbo fundido a temperatura de 510 C a 540 C por um período de 10seg (arame) até 90seg (barra), assim o resfriamento é lento o suficiente para formar perlita fina. A diferença para a austêmpera é que em

21 vez da velocidade de resfriamento ser suficiente rápida para evitar o cotovelo da curva em C, é suficientemente lenta de modo a interceptar o cotovelo, dando assim origem a perlita fina. Esse procedimento resulta em uma moderada alta resistência e dureza e como na austêmpera as dimensões da peça deve ser controlada para não gerar peças de microestrutura mista as quais podem produzir nas peças durezas não uniforme. Endurecimento por precipitação Tratamento mais aplicado na ligas leves e em algumas de cobre. Esse tratamento se aproveita do fato de certos elementos liga se dissolverem no ferro alfa formando soluções supersaturadas e em condições determinadas se precipitam. O aço mais usado atualmente para esse tratamento é o aço maranging, que é um aço carbono muito baixo com alto teor de níquel, possuindo também titânio, alumínio e eventualmente nióbio, cobalto e molibdênio. Seqüência do endurecimento por precipitação: Austenização, 1h para cada 25mm de secção.temperatura varia de acordo com a % de liga. Resfriamento a temperatura ambiente sem se preocupar com a velocidade Envelhecimento a 480 durante de 3 a 6h. Embora não seja um processo perfeitamente explicável admite-se que no envelhecimento dos aços maraging ocorra precipitação das fases intermetálicas contendo níquel, molibdênio, titânio e eventualmente ferro. Por outro lado a estrutura martensítica é em tiras e a estrutura cristalina é a cúbica centrada. Capitulo VI Têmpera superficial Visa criar uma superfície dura e de grande resistência e desgaste à abrasão, ou seja, é uma tempera localizada apenas na superfície das peças de aço. Vantagens do endurecimento superficial em relação ao total: Em peças grandes se tem dificuldade, sob o ponto de vista pratico e econômico, de tratálas nos fornos de tratamento térmico convencional. Possibilidade de endurecer-se apenas as áreas criticas determinadas, como os dentes de engrenagem. Possibilidade de usar aços mais econômicos, como usar aços carbonos ao invés de aço liga. Melhor precisão dimensional. Controle do processo, de modo a produzir, se desejado, variações em profundidades de endurecimento. Porém camadas muito profundas podem provocar empenamento, fissura ou desenvolver tensões Diminuição dos riscos de aparecimento de fissuras originadas no resfriamento da tempera. Eliminação dos fornos de aquecimento. Maior rapidez de tratamento. Propriedades: Superfícies de alta dureza e resistência ao desgaste. Boa resistência a fadiga por dobramento. Resistência satisfatória ao empenamento. Boa capacidade para resistir cargas de contato. As temperaturas, os meios de resfriamento recomendados e as durezas resultantes para aço carbono são as seguintes

22 Em alguns casos, por exemplo, em peças maciças, como engrenagens de passo largo, pode ocorrer a rápida absorção do calor superficial pela massa não aquecida da peça. Desse modo, tem-se que poderia chamar de auto-resfriamento, que eliminaria os meios aquosos da tempera. Têmpera por chama Neste processo, aquece-se rapidamente, acima da temperatura critica, a superfície a ser endurecida, por intermédio de uma chama de oxiacetileno seguindo-se um jato de água em forma de borrifo. Existem inúmeros processos para essa tempera superficial, um deles usa-se um dispositivo semelhante ao torno onde no lugar onde é preso as peças fica a tocha de oxiacetileno e o bocal de água é colocado no carro do torno. Outro dispositivo é o chamado estacionário, este método é bem simples porque não exige equipamento elaborado alem de um dispositivo de chama, fixação e controle de tempo. A figura acima representa três métodos de aplicação do endurecimento superficial por chama. Sendo de cima pra baixo, método progressivo em que a chama é movida ao longo da área a ser endurecida, método giratório em que a peça é feita girar e método combinado em que tanto a peça como a chama se movimentam. Vários gases combustíveis podem ser usados na tempera por chama. A tabela abaixo mostra a quantidade de oxigênio e de gás combustível necessária para aquecer um centímetro quadrado de aço a 815 C a uma profundidade de 3,2mm, para alguns gases combustíveis queimados com oxigênio Têmpera por indução O calor para aquecer uma peça pode ser gerado na própria peça por indução eletromagnética. Assim se uma corrente alternada flui através de um indutor ou bobina de trabalho, estabelece-se nesta um campo magnético altamente concentrado, o qual induz um potencial elétrico na peça a ser aquecida e

23 envolvida pela bobina e, como a peça apresenta circuito fechado, a voltagem induzida provoca fluxo de corrente. A resistência da peça ao fluxo da corrente induzida causa aquecimento por perdas O modelo de aquecimento obtido por indução depende da forma da bobina de indução que produz o campo magnético, do numero de voltas da bobina, da freqüência de operação e da força elétrica da corrente alternada. Os exemplos abaixo mostram alguns exemplos de campos magnéticos e correntes induzidas por bobinas de indução: A velocidade de aquecimento obtida com bobinas de indução depende da intensidade do campo magnético ao qual se expõe a peça. Quando se deseja aquecimento a pequena profundidade adota-se corrente de alta freqüência, baixa ou intermediaria são utilizadas para obter maior profundidade Em resumo o controle da profundidade de aquecimento é conseguido, jogando-s com as seguintes variáveis: Forma da bobina. Distância ou espaço entre a bobina de indução. Taxa de alimentação de força Freqüência Tempo de aquecimento A figura abaixo mostra esquematicamente a técnica de aquecimento por indução,

24 O êxito da operação depende também da forma da bobina de indução uma vez que existem peças de vários formatos diferentes, segue abaixo alguns desenhos básicos para serem utilizados em alta freqüência. Para tais bobinas, usam-se tubos de cobre comercial, com dimensões tais que permitam um fluxo adequado de água para seu resfriamento. Alguns processos onde se aplica aquecimento superficial por indução: Tempera simultânea, onde a peça a ser tratada é feita girar dentro da bobina. Tempera continua, em que a peça, ao mesmo tempo que gira no interior da bobina, movese ao longo do seu eixo. Outros métodos de tempera superficial. Raios laser de raios eletrônicos, os quais podem ser dirigidos a zonas muito pequenas e precisamente localizadas. Consegue-se assim um aquecimento de grande intensidade. O aquecimento eletrônico, contudo, exige uma câmara de vácuo, onde a peça é colocada Aquecimento por freqüência de alta resistência, por exemplo em peças com formas de barras longas. Revenido dos aços temperados superficialmente. Em toda tempera realizada, é necessário revenir a martensita, o que não é diferente com a tempera superficial.

25 Como a tempera superficial é adotada devido a características dimensionais das peças, deve-se igualmente preferir os métodos de chama ou de indução para revenir o material. No caso da tempera superficial por chama em peças grandes, através do método progressivo, o revenido é realizado imediatamente após o resfriamento, pelo reaquecimento da superfície temperada com uma chama colocada a pequena distancia do dispositivo de resfriamento. Em peças grandes, temperadas a uma profundidade de cerca de 6mm ou mais, o calor residual presente depois do resfriamento, pode ser suficiente para aliviar as tensões da tempera, tornando desnecessário o revenido subseqüente. Aços recomendados na tempera superficial. Os aços carbonos comuns, na faixa de 0,30 a 0,60% de carbono, são os mais usados nas aplicações de tempera pó chama, podendo ser endurecidos internamente em secções de aproximadamente 12,5 mm. Geralmente os aços-ligas são usados quando se deseja maior resistência de núcleo, até porque aços carbonos não são adequados para obtenção dessa resistência em determinadas secções. Os aços de granulação fina devem ser preferidos, aos de granulação grosseira, visto que este é mais suscetível de fissuração durante o resfriamento posterior. Capítulo 7 Tratamentos termo-químicos Objetivo: endurecimento superficial dos aços, pela modificação parcial da sua composição química, nas seções que se deseja endurecer. Essa alteração da composição quimica do aço pode ser feita através da aplicação de calor e a profundidade dessa alteração depende da temperatura de aquecimento e do tempo que o aço permanece nessa temperatura. Importância dos tratamentos termo-químicos: produzem um material mais duro e resistente ao desgaste na superfície e a ductilidade e a tenacidade do núcleo permanecem. Materiais com essas características são capazes de suportar altas tensões. Processos de endurecimento superficial: cementação, nitretação, cianetação, carbonitretação e boretação. 1 Cementação: é um processo de endurecimento que consiste em aquecer o aço juntamente com uma substância que contenha carbono, de modo que este seja introduzido na superfície do aço, aumentando sua dureza. Para isso, é necessário que o aço ( em contato com a substância capaz de fornecer C) seja aquecido a temperaturas acima da zona crítica, onde a solução de carbono no ferro é mais fácil. Profundidade de penetração do carbono: depende da temperatura e do tempo. Temperaturas mais elevadas favorecem a penetração de carbono. Fatores que influem na velocidade de enriquecimento do carbono na superfície dos aços: Teor inicial de carbono: quanto menor o teor inicial, maior a velocidade de carbonetação; Coeficiente de difusão do carbono no aço: é função da temperatura e da concentração de carbono. O tamanho de grão, impurezas e elementos de liga em quantidades normais não influenciam o coeficiente de difusão; Temperatura: quanto maior é a temperatura, mais rápida é a difusão; Concentração de carbono na austenita: a solubilidade do carbono na austenita determinada no diagrama Fe-C (linha A cm ). Elementos de liga tendem a diminuir a solubilidade do carbono na austenita. O níquel é o elemento de liga que mais influencia. Natureza do agente carbonetante ou do gás de carboneteção 2.1- Considerações gerais: O aço de baixo carbono é mais adequado para a cementação; O aço deve estar no estado austenítico, ou seja, entre 850 e 950ºC; Resfriamentos mais rápidos (após a cementação) produzem um gradiente de carbono da superficie ao centro mais suave. A mudança brusca entre a área cementada e a não cementada deve ser evitada; Temperaturas mais altas de cementação produzem teores de carbono mais elevados.

26 2.2- Cementação à alta temperatura Consiste em realizar a cementação utilizando temperaturas maiores que 950ºC Vantagem sobre a cementação convencional: é mais rápida e o gradiente entre a superficie e o centro é mais gradual. Limitação: possibilidade de haver um excessivo crescimento de grão, fato que pode ser evitado adicionando-se elementos que impedem este crescimento, tais como o aluminio, titânio e nióbio. Pode-se também reduzir o tempo de cementação para evitar esse crescimento excessivo Reações fundamentais da cementação: 2CO + 3Fe Fe 3 C + CO 2 CH 4 + 3Fe Fe 3 C + 2H 2 Essas reações são reversíveis, portanto deve-se procurar remover CO 2 e H 2 para garantir a adição do carbono no aço Processos de cementação Cementação sólida ou em caixa consiste em colocar as peças de aço em caixas metálicas em contato com as misturas carburizantes. Misturas carburizantes: carvão de madeira (fornecedor de C) + substância ativadora (óleo comum ou óleo de linhaça) + carvão coque (aumenta a velocidade de transferência de calor). A cementação sólida ocorre geralmente entre 850ºC e 950ºC. Faixa de cementação recomendável: 0,625 mm a 2 mm. Vantagens: É econômico para pequenos lotes e peças de grandes dimensões; Exige menor experiência do operador; Diminui a tendência ao empenamento das peças, por estarem apoiadas na mistura carburizante sólida. Desvantagens: Não é um processo limpo como os outros; Não é recomendado para a produção de camadas finas de cementação tolerâncias estreitas; Não permite um controle muito preciso do carbono superficial e do gradiente de carbono. Quando se exige total controle da qualidade do material, esta técnica não é utilizada. É utilizada normalmente em pequenas indústrias e oficinas Cementação a gás A substância fornecedora de carbono é uma atmosfera gasosa. Vantagens em relação a cementação sólida: A mistura carburizante é estável durante toda a fase da cementação e não perde eficiência como ocorre com a mistura da cementação sólida, que vai se desgastando ao longo do processo; É um processo mais limpo; Permite maior controle do teor de carbono e da camada cementada; Permite cementação de peças delicadas; Maior velocidade de penetração do carbono. Desvantagens em relação a cementação sólida: Envolve reações mais complexas; Exige maior segurança, equipamentos mais sofisticados e profissionais capacitados.

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos Operações de aquecimento de um material

Leia mais

Tratamento Térmico dos aços : Recozimento, Normalização, Têmpera e Revenido

Tratamento Térmico dos aços : Recozimento, Normalização, Têmpera e Revenido Tratamento Térmico dos aços : Recozimento, Normalização, Têmpera e Revenido Av. Paulo de Frontin,631 CEP 20261 241 Rio Comprido Rio de Janeiro TELS.: (21) 2293 5016 FAX: (21) 2293 3607 CEL.: (21) 9983-4887

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1

AÇOS ESTRUTURAIS. Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 ESTRUTURAIS Fabio Domingos Pannoni, M.Sc., Ph.D. 1 INTRODUÇÃO Dentre os materiais encontrados no nosso dia-a-dia, muitos são reconhecidos como sendo metais, embora, em quase sua totalidade, eles sejam,

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

Tratamentos térmicos. 1. Introdução

Tratamentos térmicos. 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 3204 Mecânica Aplicada * Tratamentos térmicos 1. Introdução O tratamento

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS.

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS. 1.Curvas de transformação contínua para os aços. as curvas ttt (tempo-temperatura-transformação) dos aços eram obtidas antigamente pelo método metalográfico. hoje em dia

Leia mais

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET)

Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia (ICET) Tratamentos Térmicos Ciência dos Materiais Prof. Alcindo Danilo Oliveira Mendes 340.261-4 EP6P01 2009 2 Sumário SUMÁRIO...2 1. INTRODUÇÃO...3 1.1 TÊMPERA...6

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Os tratamentos termoquímicos. micos

Os tratamentos termoquímicos. micos Os tratamentos termoquímicos micos Os tratamentos termoquímicos micos Turma 6821 Arthur Galvão, Fábio F Borges, Israel Lima e Vitor Alex Tratamentos Termoquímicos? micos? são os tratamentos que visam o

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Qualificação de Procedimentos

Qualificação de Procedimentos Qualificação de Procedimentos Os equipamentos em geral são fabricados por meio de uniões de partes metálicas entre si empregando-se soldas. Há, portanto a necessidade de se garantir, nestas uniões soldadas,

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Direitos autorais reservados Prof. André Paulo Tschiptschin

Direitos autorais reservados Prof. André Paulo Tschiptschin TRATAMENTO TÉRMICO DE AÇOS Prof. André Paulo Tschiptschin EPUSP Engenharia Metalúrgica e de Materiais TRATAMENTO TÉRMICO pode ser definido como o aquecimento ou resfriamento controlado dos metais feito

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO.

ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. Nome: Assinatura: P2 de CTM 2012.2 Matrícula: Turma: ESTA PROVA É FORMADA POR 20 QUESTÕES EM 10 PÁGINAS. CONFIRA ANTES DE COMEÇAR E AVISE AO FISCAL SE NOTAR ALGUM ERRO. NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES POSTERIORES..

Leia mais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais Relatório Final Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND Aluno: Luciano Antonio de Morais Orientadora: Profª. Dra. Luciana Sgarbi Rossino Co Orientador: Profº. Msc.

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços

Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Constituintes estruturais de equilíbrio dos aços Austenita: É uma solução sólida de carbono em ferro gama. Somente é estável as temperaturas superiores a 723 ºC, desdobrando-se por reação eutetóide, a

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

5. Resultados e Análises

5. Resultados e Análises 66 5. Resultados e Análises Neste capítulo é importante ressaltar que as medições foram feitas com uma velocidade constante de 1800 RPM, para uma freqüência de 60 Hz e uma voltagem de 220 V, entre as linhas

Leia mais

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade).

Geralmente algumas características são obtidas em detrimento de outras, (dureza versus ductibilidade). TRATAMENTOS TÉRMICOS 1. Funções: remoção de tensões internas aumento ou diminuição de dureza aumento da resistência mecânica melhora da ductibilidade melhora da usinabilidade melhora da resistência ao

Leia mais

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW103 TW203 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. BROCAS TW103 E TW203 PROPORCIONAM FUROS COM EXCELENTE QUALIDADE E MÁXIMO DESEMPENHO NO LATÃO E MATERIAIS DE CAVACO QUEBRADIÇO EM GERAL. Conheça suas características:

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO

AÇO-CARBONO AÇO-LIGA ALOTROPIA DO FERRO AÇO-CARBONO Aço é a liga ferro-carbono contendo geralmente 0,008% ate aproximadamente 2,11% de carbono. AÇO-LIGA Aço que contem outros elementos de liga ou apresenta os teores residuais acima dos que são

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS

AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO I E (TEC 156) AULA 6: MATERIAIS METÁLICOS Profª. Cintia Maria Ariani Fontes 1 MATERIAIS

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

ENSAIO DE DUREZA EM-641

ENSAIO DE DUREZA EM-641 ENSAIO DE DUREZA DEFINIÇÃO: O ensaio de dureza consiste na aplicação de uma carga na superfície do material empregando um penetrador padronizado, produzindo uma marca superficial ou impressão. É amplamente

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Dureza de materiais metálicos

Dureza de materiais metálicos Dureza de materiais metálicos Podemos considerar a dureza de um material de engenharia como sendo a propriedade mecânica de resistir à penetração ou riscamento na sua superfície. No caso dos materiais

Leia mais

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão.

1. Difusão. A difusão só ocorre quando houver gradiente de: Concentração; Potencial; Pressão. 1. Difusão Com frequência, materiais de todos os tipos são tratados termicamente para melhorar as suas propriedades. Os fenômenos que ocorrem durante um tratamento térmico envolvem quase sempre difusão

Leia mais

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA:

OBJETIVOS: CARGA HORÁRIA MÍNIMA CRONOGRAMA: ESTUDO DIRIGIDO COMPONENTE CURRICULAR: Controle de Processos e Instrumentação PROFESSOR: Dorival Rosa Brito ESTUDO DIRIGIDO: Métodos de Determinação de Parâmetros de Processos APRESENTAÇÃO: O rápido desenvolvimento

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

Título: TREFILAÇÃO DE ARAME ATRAVÉS DE FIEIRAS E ANÉIS

Título: TREFILAÇÃO DE ARAME ATRAVÉS DE FIEIRAS E ANÉIS Título: TREFILAÇÃO DE ARAME ATRAVÉS DE FIEIRAS E ANÉIS Autor: Fabrício Dias Ferreira 200410658 Marco Túlio Silveira de Azevedo 200410652 Luiz Carlos de Azevedo Júnior 200410090 Palavras-chaves: trefilação,

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO

JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO www.sinto.com.br JATEAMENTO - INTRODUÇÃO APLICAÇÃO O Jateamento com abrasivo é um método de trabalho a frio que consiste no arremesso de partículas contra uma determinada superfície, a elevadas velocidades,

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA.

PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. PROF. KELTON WADSON OLIMPÍADA 8º SÉRIE ASSUNTO: TRANSFORMAÇÕES DE ESTADOS DA MATÉRIA. 1)Considere os seguintes dados obtidos sobre propriedades de amostras de alguns materiais. Com respeito a estes materiais,

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Desempenamento. desempenamento de uma barra

Desempenamento. desempenamento de uma barra A UU L AL A Desempenamento Na área mecânica e metalúrgica, desempenar é a operação de endireitar chapas, tubos, arames, barras e perfis metálicos, de acordo com as necessidades relativas ao projeto de

Leia mais

Tratamentos térmicos dos aços

Tratamentos térmicos dos aços Tratamentos térmicos dos aços Recozimento Aquecimento a Trec., seguido de arrefecimento lento Rec. relaxação de tensões Rec. esferoizidação Rec. completo Normalização Rec. após deformação plástica Têmpera

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana

Propriedades Mecânicas. Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Prof. Hamilton M. Viana Propriedades Mecânicas Propriedades Mecânicas Definem a resposta do material à aplicação de forças (solicitação mecânica). Força (tensão) Deformação Principais

Leia mais

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra

Corte e dobra. Nesta aula, você vai ter uma visão geral. Nossa aula. Princípios do corte e da dobra A U A UL LA Corte e dobra Introdução Nesta aula, você vai ter uma visão geral de como são os processos de fabricação por conformação, por meio de estampos de corte e dobra. Inicialmente, veremos os princípios

Leia mais

Dobramento. e curvamento

Dobramento. e curvamento Dobramento e curvamento A UU L AL A Nesta aula você vai conhecer um pouco do processo pelo qual são produzidos objetos dobrados de aspecto cilíndrico, cônico ou em forma prismática a partir de chapas de

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Como funciona o motor de corrente contínua

Como funciona o motor de corrente contínua Como funciona o motor de corrente contínua Escrito por Newton C. Braga Este artigo é de grande utilidade para todos que utilizam pequenos motores, principalmente os projetistas mecatrônicos. Como o artigo

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 12 Ensaio de Impacto. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 12 Ensaio de Impacto Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Impacto. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Definições O ensaio de impacto se caracteriza

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ÊNFASE EM PRODUÇÃO MECÂNICA CAPÍTULO 8: AÇOS PARA CONSTRUÇÃO MECÂNICA DEPARTAMENTO DE MECÂNICA MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA IV PROF. ALEXANDRE

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇ ÃO ÊNFASE EM PRODUÇ ÃO MECÂNICA

CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇ ÃO ÊNFASE EM PRODUÇ ÃO MECÂNICA UERJ CAMPUS REGIONAL DE RESENDE ENGENHARIA DE PRODUÇ ÃO ÊNFASE EM PRODUÇ ÃO MECÂNICA CAPÍTULO 6: TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS DEPARTAMENTO DE MECÂNICA E ENERGIA MATERIAIS DE CONSTRUÇ ÃO MECÂNCA

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006

Estabilizada de. PdP. Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Fonte Estabilizada de 5 Volts Autor: Luís Fernando Patsko Nível: Intermediário Criação: 22/02/2006 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos

Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Matéria: Química Assunto: Materiais Prof. Gilberto Ramos Química Materiais, suas propriedades e usos Estados Físicos Estado vem do latim status (posição,situação, condição,modo de estar). O estado físico

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que

Ensaio de torção. Diz o ditado popular: É de pequenino que A UU L AL A Ensaio de torção Diz o ditado popular: É de pequenino que se torce o pepino! E quanto aos metais e outros materiais tão usados no nosso dia-a-dia: o que dizer sobre seu comportamento quando

Leia mais

Ligas Metálicas de Engenharia

Ligas Metálicas de Engenharia 1 Ligas Metálicas de Engenharia Omar Maluf MSc, Eng. De Materiais SMM-EESC-USP 2 INTRODUÇÃO Porque os metais e suas ligas são importantes? São materiais resistentes São capazes de sofrer deformação sem

Leia mais

INSPETOR DE SOLDAGEM NÍVEL 1

INSPETOR DE SOLDAGEM NÍVEL 1 INSPETOR DE SOLDAGEM NÍVEL 1 (APOSTILA 3) PARTE 1 METALURGIA PARTE 2 ENSAIOS MECÂNICOS Connection Brasil Ltda. Todos os direitos reservados atendimento@connectionbrasil.com APOSTILA DEMONSTRATIVA CONTENDO

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática

Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Francisco Erberto de Sousa 11111971 Saulo Bezerra Alves - 11111958 Relatório: Capacitor, Resistor, Diodo

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais