Sâmia Rodrigues Gorayeb. Arquitetura de Computadores Processadores

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sâmia Rodrigues Gorayeb. Arquitetura de Computadores Processadores"

Transcrição

1 Sâmia Rodrigues Gorayeb Arquitetura de Computadores Processadores

2 Arquitetura de Computadores Agenda: 1. Introdução (definição). 2. Funções 3. Arquitetura básica 4. Componentes 5. Funcionamento 6. Modelo de Von Neumann 7. Interpretador 8. RISC X CISC 9. Computadores modernos Processadores

3 Introdução O processador é um componente vital do sistema de computação. É o cérebro do computador. Função Realizar operações de controle e de processamento. Executar os programas armazenados na memória principal

4 Arquitetura básica de um computador: Arquitetura básica de um processador:

5 Componentes Unidade de Controle - UC: É o dispositivo mais complexo da CPU; Responsável pela busca de instruções na memória principal e determinação de seus tipos; Controla a ação da UAL; Realiza a movimentação de dados;

6 Componentes Unidade Aritmética e Lógica - UAL: Responsável por realizar as operações matemáticas e booleanas; Registradores: Utilizados para o armazenamento temporário de dados ou de informações de controle; Program Counter: aponta para a próxima instrução a ser buscada; Registrador de Instrução: armazena a instrução que está sendo executada;

7 Componentes Relógio: Processadores Dispositivo gerador de pulsos cuja duração é chamada de ciclo; A quantidade de vezes em que este pulso se repete em um segundo define a unidade de medida do relógio A unidade de medida usual para a freqüência dos relógios da CPU é o Hertz (HZ) Como se trata de freqüências elevadas, abreviam-se os valores usando-se se MHz

8 Funcionamento Buscar uma instrução na memória - ler; Interpretar a instrução - decodificar; Buscar os dados onde estiverem armazenados; Executar a operação com os dados; Guardar o resultado no local definido na instrução; Reiniciar o processo, apanhando nova instrução.

9 Modelo de Von Neumann É uma arquitetura de computador que se caracteriza pela possibilidade de uma máquina digital armazenar seus programas no mesmo espaço de memória que os dados, podendo assim, manipular tais programas. Até então as instruções eram lidas de cartões perfurados e executadas uma a uma.

10 Modelo de Von Neumann É o modelo que define um computador seqüencial digital em que o processamento das informações é feito passo a passo. Tem um comportamento determinístico. A memória Central só aceita um acesso de cada vez, seja para leitura ou para escrita.

11 Modelo de Von Neumann Componentes: unidade de entrada, memória, unidade aritmética e lógica (ALU), unidade de controle (CU) e unidade de saída Função buscar um programa na memória, instrução por instrução, e executá-lo sobre os dados de entrada.

12 Modelo de Von Neumann A unidade de entrada provê instruções e dados ao sistema, que são armazenados na memória. Essas instruções são processadas pela UAL, sob a supervisão da UC e os resultados são enviados para unidade de saída.

13 Modernização do Modelo Particiona o modelo computacional em CPU, memória e entrada e saída.

14 Modelo de Barramento do Sistema É o caminho compartilhado responsável pela comunicação entre os componentes. Barramento de dados: transporta a informação que está sendo transmitida; Barramento de endereços: identifica para onde a informação está sendo enviada; Barramento de controle: descreve aspectos sobre a informação que está sendo transmitida e de que forma; Barramento de energia: responsável por levar energia aos componentes;

15 Instruções Todo processador tem uma seqüência de instruções: busca, decodificação e execução; Um dos fatores que diferenciam os processadores são os seus conjuntos de instruções operações básicas fornecidas; As operações básicas são: de memórias, aritméticas, comparações e de controle;

16 Instruções As instruções de um processador podem ser classificadas como: registrador memória (permite que o unidades de dados sejam armazenados) ou registrador-registrador (busca operandos em registradores e coloca-os os na entrada da UAL para realizar alguma operação sobre eles.

17 Interpretador É um programa que consegue buscar, decodificar e executar instruções; Essa equivalência de processadores construídos em hardware e interpretadores é muito importante na organização e projeto de sistemas de computadores.

18 Interpretador Após especificar a linguagem de máquina de um processador, os projetistas devem decidir: Se constroem um processador em hardware que execute diretamente os programas; Ou se devem escrever um interpretador para interpretar os programas. Porém nesse caso é necessário que se projete um hardware para rodar o interpretador.

19 Interpretador (cont) Existem casos com parte da construção híbrida, ou seja, parte da execução sob a responsabilidade de hardware e parte baseada na interpretação por software.

20 Interpretador (cont) O interpretador divide as instruções em um conjunto de pequenos passos. Logo o processador pode ser muito mais simples e muito mais barato que os construídos em hardware. Essa economia é importante se a máquina tiver um grande número de instruções e se as instruções forem complicadas e com muitas opções de execução.

21 Interpretador (cont) Os primeiros computadores tinham um conjunto de instruções simples, porém conforme a necessidade foram criadas máquinas mais robustas com instruções mais complexas No caso de computadores de alta performance foi criada a possibilidade de execução intercalada, ou em paralelo.

22 Interpretador (cont) Em contrapartida o custo do desenvolvimento de software cada vez mais alto e as exigências de compatibilização de instruções, criaram a necessidade de implementação de instruções complexas em máquinas de performance baixa.

23 Interpretador (cont) Em 1950 a IBM introduziu o termo arquitetura para descrever o nível de compatibilidade entre as máquinas. Uma nova família de computadores poderia ter uma única arquitetura e muitas implementações diferentes. Como construir um computador de baixo custo capaz de executar todas as instruções complexas das máquinas de alta performance?

24 Interpretador (cont) A resposta foi baseada em máquinas com hardware puro e em máquinas cujas instruções eram interpretadas. Vantagens dos computadores mais simples: Capacidade de corrigir eventuais erros ; Oportunidade de incorporara novas instruções; Projeto estruturado que permitia o desenvolvimento, o teste e a documentação de instruções complexas.

25 RISC x CISC RISC: computador com conjunto reduzido de instruções. A melhor maneira de se projetar um processador era com um pequeno número de instruções, todas muito simples, capazes de serem executadas em um ciclo de caminho de dados(buscando o conteúdo de dois registradores, operando-os os e guardando o resultado em outro registrador). CISC: computador com conjunto complexo de instruções. A melhor maneira de se projetar um processador era com instruções complexas.

26 RISC x CISC (cont) Principal argumento era que por mais que uma máquina RISC precisasse executar 5 instruções para fazer o mesmo que uma máquina CISC e as suas instruções fossem 10 vezes mais rápidas, por não serem interpretadas as máquinas RISC venceriam.

27 RISC x CISC (cont) É importante observar que naquela época a velocidade das memórias principais havia alcançado a velocidade das memórias read-only only,, de modo que a penalidade paga pela interpretação cresceu bastante o que favorecia as máquinas RISC.

28 RISC x CISC (cont) Em função da melhor performance da tecnologia RISC, podemos acreditar que as máquinas projetadas em tecnologia CISC não teriam mais espaço no mercado. Porém isso não ocorreu por questão de compatibilidade com as máquinas mais antigas e levando em consideração que as mudar de arquitetura seria jogar no lixo bilhões de dólares.

29 RISC x CISC (cont) Além disso a Intel tem se esforçado em utilizar idéias básicas do projeto RISC em suas máquinas com filosofia CISC. A partir do 486, a Intel passou a projetar seus processadores com um núcleo RISC (responsável pela execução de instruções mais simples). Porém as instruções mais complexas são interpretadas. Resultando em instruções comuns sendo executadas rapidamente e instruções menos comuns sendo executadas em um tempo maior.

30 RISC x CISC (cont) RISC: Todas as instruções das máquinas são executadas diretamente pelo hardware. Tornando a velocidade de execução mais rápida. CISC: As instruções mais complexas podem ser divididas em várias partes, cada uma sendo executadas por uma seqüência de microinstrução.esse passo extra torna a máquina mais lenta.

31 Computadores Modernos Utilizam as filosofias RISC e CISC: algumas instruções são executadas diretamente no hardware e outras são interpretadas. Os computadores modernos executam o máximo possível de instruções por segundo, independente do tempo que cada instrução vai demorar pra ser executada.

32 Computadores Modernos (cont) John Hennessy projetou o processador MIPS (milhões de instruções por segundo) Esse princípio sugere que o paralelismo pode ter um papel muito importante na melhora de performance, visto que desta maneira é possível executar um grande número de instruções lentas ao mesmo tempo.

33 Computadores Modernos (cont) Apesar das instruções serem apresentadas na ordem lógica, nem sempre elas serão executadas nessa ordem. Isso ocorre, pois alguns recursos necessários a sua execução podem estar ocupados. Caso uma instrução dependa de outra, isso deve ficar claro no modelo de execução, ou seja, para que isso ocorra é necessário uma certa burocracia que deve ser levada em consideração.

34 Computadores Modernos (cont) A decodificação é um dos processos críticos que mais influenciam na velocidade de execução das instruções. È o processo que determina quais recursos serão usados na execução das instruções.

35 Computadores Modernos (cont) Para agilizar esse processo é necessário projetar as instruções de forma mais regular possível, usando um tamanho único em todas elas e com o menor número de campos possível. Quanto menos formatos de instrução houver, melhor será a sua decodificação.

36 Computadores Modernos (cont) A forma mais simples de dividir operações em vários passos é estabelecer que os operandos para a maioria das instruções venham de registradores e retornem para registradores. A operação de transferir operandos da memória para os registradores deve ser realizada por instruções especiais.

37 Computadores Modernos (cont) Como o acesso a memória pode demorar, a execução das instruções especiais pode ser intercalada com a a execução de outras instruções, desde que as instruções especiais não façam nada além dessa transferência. Isso leva a criação de instruções LOAD e STORE para realizar acesso à memória.

38 Computadores Modernos (cont) Considerando que o acesso à memória é lento, há necessidade de se ter vários registradores (mínimo 32), de modo que, sempre que uma palavra venha da memória seu conteúdo possa ser mantido em um registrador até que esse valor não seja mais necessário. O processo de armazenar o conteúdo de um registrador na memória, por falta de registrador, deve ser evitado.

39 Computadores Modernos (cont) Uma das maneiras de melhorar a performance das máquinas é fazer com que os chips rodem cada vez mais rápido, aumentando a velocidade do clock,, mas existe um limite tecnológico para isso. Conseqüentemente como forma de obter uma performance ainda melhor os arquitetos voltam-se para a execução de duas ou mais operações ao mesmo tempo para uma certa velocidade de clock (paralelismo).

40 Computadores Modernos (cont) Existem duas maneiras de paralelismo: A nível de instrução; Á nível de processador; O paralelismo a nível de instrução é explorado dentro de instruções individuais de maneira a conseguir que a máquina execute mais instruções por segundo.

41 Computadores Modernos (cont) Sabe-se que o maior gargalo para velocidade de execução de instruções é o acesso à memória e para tentar minimizar esse problema as máquinas tem capacidade de buscar antecipadamente instruções da memória de modo à encontra-la no processador quando chegar o momento de executá-las. Tais instruções eram armazenadas em um conjunto de registradores chamados de buffer de pré-busca.

42 Computadores Modernos (cont) A pré-busca divide a execução das instruções em duas partes: a busca e a efetiva execução. O conceito de pipeline leva a estratégia bem mais além, divide a execução das instruções em várias partes, cada uma tratada por um hardware dedicado exclusivamente a ela. Lembrando que a execução ocorre em paralelo.

43 Computadores Modernos (cont) Pipeline com 5 estágios 1. Busca a instrução da memória e armazena no buffer até o momento de execução. 2. Decodifica a instrução, determina seu tipo e quais operandos serão necessários à sua execução. 3. Ocorre a localização e a busca dos operandos que podem estar em registradores ou na memória. 4. Os operandos passam pelo caminho de dados, a execução propriamente dita. 5. O resultado do processamento é escrito em um registrador

44 Computadores Modernos (cont) Operação de pipeline em função do tempo.

45 Computadores Modernos (cont) O processamento de pipeline permite que se estabeleça uma relação entre quanto uma instrução demora pra ser executada (latência) e a quantos MIPS o processador executa (banda passante).

46 Computadores Modernos (cont) É possível projetar um processador com dois pipelines,, onde uma única unidade busca pares de instruções e coloca cada uma em um pipeline.

47 Computadores Modernos (cont) A determinação do par de instruções compatíveis é feita segundo um conjunto de regras. A existência de 4 pipelines é conceitualmente possível, porém seria necessário a duplicação de hardware. Portanto, em vez disso as máquinas de alta performance usam outra metodologia. A idéia básica é ter um único pipeline com várias unidades funcionais.

48 Computadores Modernos (cont) A arquitetura superescalar busca uma instrução muito mais rápido passando-a a a uma das unidades funcionais que operam em paralelo disponível, depois o processador busca a instrução seguinte. A idéia do processador superescalar traz o fato de que o estágio 3 pode distribuir instruções muito mais rápido que a capacidade do estágio 4 tem de executá- las.

49 Computadores Modernos (cont) Arquiteturas superescalares com 5 unidades funcionais.

50 Computadores Modernos (cont) O paralelismo na execução de instrução ajuda a aumentar a velocidade de execução, mas a operação dos processadores em pipeline ou em superecalar deixa a performance no máximo 10 vezes melhor. Para obter ganhos da ordem de 50, 100, ou mais é necessário projetar computadores com mais de um processador.

51 Computadores Modernos (cont) Um processador matricial é composto de um grande número de processadores idênticos que executam a mesma seqüência de instruções sobre diferentes conjuntos de dados. Um processador vetorial é muito eficiente na execução de uma seqüência de operações em pares de elementos de dados. Todas as operações aritméticas são realizadas em uma única UAL que opera em pipeline.

52 Computadores Modernos (cont) Os dois processadores trabalham sobre conjunto de dados e ambos executam instruções únicas sobre os dados. Mas enquanto o processador matricial faz isso com tantos somadores quanto forem os elementos do vetor, o processador vetorial contém registradores vetoriais que podem ser carregados de uma única instrução que os carrega um depois do outro.

53 Computadores Modernos (cont) Os processadores matriciais são pouco comercializados, em função de serem eficientes somente na solução de problemas que executam os mesmos cálculos sobre diversas estruturas de dados diferentes simultaneamente. Esses processadores podem executar algumas operações mais rapidamente, mas precisam de muito hardware e são muito difíceis de serem programados.

54 Computadores Modernos (cont) O processamento vetorial pode ser incorporado a processadores convencionais, o resultado é que as partes de um programa que podem ser vetorizadas serão executadas mais rapidamente se puder aproveitar a unidade vetorial do processador.

55 Computadores Modernos (cont) O primeiro multiprocessador é composto de vários processadores independentes compartilhando a mesma memória. Considerando que cada processador pode ler ou escrever em qualquer parte da memória, é necessário que as atividades sejam coordenadas por software, para evitar que a atividade de um processador interfira na atividade de outro.

56 Computadores Modernos (cont) Os sistemas multiprocessadores com um pequeno número de processadores são de fácil construção. A dificuldade está na conexão dos processadores à memória e para resolver isso construíram sistemas com um grande número de computadores interconectados sem qualquer tipo de memória comum, conhecidos como multicomputadores.

57 Computadores Modernos (cont) Os processadores de um sistema multicomputador comunicam-se por meio do mecanismo de troca de mensagens de maneira veloz. Os sistemas multiprocessadores são mais fáceis de programar e os sistemas multicomputadores mais fáceis de construir.

58 Computadores Modernos (cont) As empresas tem apontado para sistemas híbridos que combinam as vantagens de ambos, são computadores que dão a ilusão de memória compartilhada sem arcar com o ônus de implementá-lo lo diretamente.

59 Conclusão A demanda por computadores cada vez mais rápidos parece não ter fim. À medida que os processadores vão ficando mais rápidos seus projetistas começam a esbarrar em limitações de ordem física, como a velocidade da luz no meio escolhido. Além disso quanto mais rápido for o chip, mais calor ele vai produzir.

60 Conclusão (cont) Com isso os arquitetos de computadores estão sempre sendo desafiados para melhorar cada vez mais a performance das máquinas que eles projetam. Porém caso ocorra alguma mudança de paradigmas tecnológicos todas as nossas convicções atuais serão história. Por isso é necessário que os projetistas estejam sempre atentos a essas mudanças.

61 Exercício: Processadores 1. O que é o processador? 2. Qual a principal função do processador? 3. Quais são os componentes de um processador que usa o modelo de Von Neumann? 4. Qual a principal característica do modelo de Von Neumann? 5. Explique o funcionamento do modelo de Von Neumann. 6. Quais mudanças ocorreram na modernização do modelo de Von Neumann? 7. Para que servem os barramentos de sistema?

62 Exercício (cont): Processadores 8. Cite um dos tipos de barramento e para que serve. 9. Qual é a seqüência básica de instrução de um processador? 10. Cite uma operação básica executada por um conjunto de instruções. 11. Como as instruções de um processador podem ser classificadas? 12. Como é chamado o programa que tem as mesmas funções que o processador em hardware puro? 13. Explique como funciona o interpretador.

63 Exercício (cont): Processadores 14. Cite uma vantagem e uma desvantagen de usar o interpretador. 15. Cite uma vantagem e uma desvantagen de usar hardware puro. 16. Qual a diferença entre RISC e CISC? 17. Por que apesar da tecnologia RISC ter melhor performance que a CISC as máquinas não foram substituídas? 18. Qual das duas tecnologias os processadores modernos usam? 19. Como os computadores modernos trabalham?

64 Exercício (cont): Processadores 20. Qual a maior vantagem de usar paralelismo? 21. Por que a decodificação é um processo crítico nos computadores modernos? 22. Como é possível acelerar o processo de decodificação? 23. Por que a transferência de operandos da memória para os registradores deve ser feita por instruções especiais? 24. Cite uma maneira de melhorar a performance dos computadores? 25. Quais são as maneiras existentes de paralelismo?

65 Exercício (cont): Processadores 26. Qual a principal função do paralelismo a nivel de instrução? 27. Qual a principal função do paralelismo a nivel de processador? 28. Para que serve o buffer de pré-busca? 29. O que é o pipeline? 30. Explique o passo-a-passo de um pipeline de 5 estágios. 31. Por que a existência de 4 pipelines não foi utilizada? 32. O que é a arquitetura superescalar?

66 Exercício (cont): Processadores 33. Qual é a diferença entre um processador matricial e um vetorial? 34. Explique o funcionamento de um multiprocessador. 35. Explique o funcionamento de um multicomputador. 36. Qual é a vantagem dos sistemas multiprocessadores e multicomputadores? 37. Qual é a desvantagem dos sistemas multiprocessadores e multicomputadores? 38. Como funcionam os computadores modernos que usam sistemas híbridos?

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Conhecida como Processador ou é o cerebro do computador Unifica todo sistema e

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

Conceitos Básicos Processador

Conceitos Básicos Processador Infra-Estrutura de Hardware Conceitos Básicos Processador Prof. Edilberto Silva www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Sumário Conceitos básicos Organização da CPU Execução das Instruções RISC x CISC Paralelismo

Leia mais

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register PROCESSADORES Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores, memória e dispositivos de entrada e saída. A CPU é o cérebro do computador. Sua função é executar programas armazenados

Leia mais

Unidade Central de Processamento UCP (CPU)

Unidade Central de Processamento UCP (CPU) Unidade Central de Processamento UCP (CPU)! Arquitetura Convencional (Von Neumann) UCP BARRAMENTO MEMÓRIA PRINCIPAL ENTRADA E SAÍDA ! Visão geral da CPU UC - UNIDADE DE CONTROLE REGISTRADORES A B C D ALU

Leia mais

3. Unidade Central de Processamento

3. Unidade Central de Processamento 3. Unidade Central de Processamento Um microprocessador é um chip responsável por buscar e executar instruções e dados existentes na memória RAM. Vai de regra as instruções são bastante simples, como por

Leia mais

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3

CPU. Funções: Componentes: Processamento; Controle. UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 CPU CPU Funções: Processamento; Controle Componentes: UC (Unidade de Controle); Registradores; ALU s, FPU s etc. Arquitetura de Computadores 3 Processador A função de um computador é executar tarefas

Leia mais

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação Arquitetura e Organização de Processadores Aula 1 Introdução Arquitetura e Organização 1. Arquitetura

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

2. A influência do tamanho da palavra

2. A influência do tamanho da palavra PROCESSAMENTO 1. Introdução O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável pela realização das operações de processamento (os cálculos matemáticos etc.) e de controle, durante

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

28/8/13. Processadores. Introdução

28/8/13. Processadores. Introdução Processadores 1 Introdução 2 1 Data path 3 Data Path Composto pelo conjunto de registradores e o ULA Instruções register-memory Operações diretamente na memória Transferências entre memória e registrador

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa

Organização e Arquitetura de Computadores. Leslier S. Corrêa Organização e Arquitetura de Computadores Leslier S. Corrêa O nome refere-se ao matemático John Von Neumann, que foi considerado o criador dos computadores da forma como são projetados até hoje. Entretanto,

Leia mais

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas:

Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Todo processador é constituído de circuitos capazes de realizar algumas operações primitivas: Somar e subtrair Mover um dado de um local de armazenamento para outro Transferir um dado para um dispositivo

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização

Hardware: Componentes Básicos. Sistema de Computador Pessoal. Anatomia de um Teclado. Estrutura do Computador. Arquitetura e Organização Hardware: Componentes Básicos Arquitetura dos Computadores Dispositivos de Entrada Processamento Dispositivos de Saída Armazenamento Marco Antonio Montebello Júnior marco.antonio@aes.edu.br Sistema de

Leia mais

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto

COMPUTADOR. Adão de Melo Neto COMPUTADOR Adão de Melo Neto 1 Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman Processador = UCP = unidade de controle + unidade lógica aritmética Memória; Barramento (novo elemento):

Leia mais

Montagem e Manutenção Processadores

Montagem e Manutenção Processadores Montagem e Manutenção Processadores Processador Cérebro Computacional Evolução dos Computadores 1ª Geração => Válvulas (1945-1955) ENIAC: Tinha 19.000 válvulas Pesava 30 toneladas Área de150 m 2 Evolução

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br Introdução Instruções Primitivas L0 Linguagem de máquina; Divergência de capacidades: Os pc's podem fazer x As pessoas querem

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani)

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior (Material: Douglas Juliani) Agenda Conceitos Componentes Funcionamento ou tarefas Otimização e desempenho Conceitos Componente de Hardware que

Leia mais

Processador. Processador

Processador. Processador Departamento de Ciência da Computação - UFF Processador Processador Prof. Prof.Marcos MarcosGuerine Guerine mguerine@ic.uff.br mguerine@ic.uff.br 1 Processador Organização básica de um computador: 2 Processador

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE Campus Ibirama Arquitetura de Hardware Professor Eduardo Stahnke Arquiteturas Grande diversidade das arquiteturas de computadores Componentes básicos do computador Os Principais

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Bernardo Gonçalves Introdução ao Computador 2008/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Bernardo Gonçalves Introdução ao Computador 2008/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Bernardo Gonçalves Introdução ao Computador 2008/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 Índice 1. A Organização do Computador...3 1.1 Processadores... 3 2 1. A ORGANIZAÇÃO DO COMPUTADOR Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais CAP 2: Conceitos de Hardware e Software Prof. MSc. Diego R. Moraes diegorm@anhanguera.com Download de todo conteúdo da disciplina https://sites.google.com/site/diegorafaelmoraes/downloads

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

30/5/2011. Sistemas computacionais para processamento paralelo e distribuído

30/5/2011. Sistemas computacionais para processamento paralelo e distribuído Arquitetura de Computadores Sistemas computacionais para processamento paralelo e distribuído Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Processamento

Leia mais

Arquitetura e Organização de Processadores. Aulas 06 e 07. Superescalaridade

Arquitetura e Organização de Processadores. Aulas 06 e 07. Superescalaridade Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação Arquitetura e Organização de Processadores Aulas 06 e 07 Superescalaridade 1. Introdução princípios

Leia mais

Memória. Memória Cache

Memória. Memória Cache Memória Memória Cache Revisão - Memória Principal Memória que armazena os dados e programas em linguagem de máquina em execução corrente Razoavelmente barata Tempo de acesso da ordem de nano-segundos a

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 1. Descreva as funções desempenhadas pelos escalonadores de curto, médio e longo prazo em um SO. 2. Cite três motivos pelos quais o controle do processador

Leia mais

Unidade I. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis

Unidade I. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis Unidade I Organização de Computadores Prof. Renato Lellis O que é um computador? Computador Datação 1789 cf. MS1 Acepções substantivo masculino 1 o que computa; calculador, calculista 2 Rubrica: informática.

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof.

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. EA869 Pipeline Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Objetivos Conhecer técnicas de como melhorar o desempenho de um processador.

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Capítulo 3 Organização Interna de um Computador

Capítulo 3 Organização Interna de um Computador Capítulo 3 Organização Interna de um Computador 3.1 UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO A Unidade Central de Processamento - UCP (em inglês, Central Processing Unity - CPU) é a responsável pelo processamento

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Arquitetura de Von Newmann Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Vídeos Vídeo aula RNP http://edad.rnp.br/rioflashclient.php?xmlfile=/ufjf/licenciatura_com

Leia mais

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Ciência da Computação Disciplina de Algoritmos Paralelos e Distribuídos

Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Ciência da Computação Disciplina de Algoritmos Paralelos e Distribuídos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Ciência da Computação Disciplina de Algoritmos Paralelos e Distribuídos Pensando em Paralelo Pensar em paralelo é uma tarefa que exige disciplina

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Microprocessadores. Artur Moreira 11ºM1 Nº 4

Microprocessadores. Artur Moreira 11ºM1 Nº 4 Microprocessadores Artur Moreira 11ºM1 Nº 4 O que são microprocessadores? Estes dispositivos são fabricados através da nanotecnologia e servem essencialmente para executar as tarefas de um computador e

Leia mais

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada

Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada Célula, Palavra, Ciclo de Instruções e Lógica Temporizada IFBA Instituto Federal de Educ. Ciencia e Tec Bahia Curso de Analise e Desenvolvimento de Sistemas Arquitetura de Computadores 20 e 21/30 Prof.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Estrutura da CPU Organização de registradores Ciclo de instrução

Estrutura da CPU Organização de registradores Ciclo de instrução Estrutura da CPU Organização de registradores Ciclo de instrução Elucidar o funcionamento da CPU, processamento das informações e a comunicação entre a CPU e demais componentes do computador. O processador

Leia mais

É um sinal elétrico periódico que é utilizado para cadenciar todas as operações realizadas pelo processador.

É um sinal elétrico periódico que é utilizado para cadenciar todas as operações realizadas pelo processador. Universidade Estácio de Sá Curso de Informática Disciplina de Organização de Computadores II Prof. Gabriel P. Silva - 1 o Sem. / 2005 2 ª Lista de Exercícios 1) O que é o relógio de um sistema digital?

Leia mais

2 Arquitetura de Computadores

2 Arquitetura de Computadores 2 Arquitetura de Computadores Definição 1. Um computador é uma máquina composta de um conjunto de partes eletrônicas e eletromecânicas, com capacidade de coletar, armazenar e manipular dados, além de fornecer

Leia mais

Conceitos sobre Computadores

Conceitos sobre Computadores Conceitos sobre Computadores Prof. UNESP - São José do Rio Preto Linguagem Computacional Neste tópico veremos: Os Componentes físicos dos computadores O hardware: principais partes dos computadores atuais.

Leia mais

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador

MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador Kelly Rosa Braghetto DCC IME USP 25 de março de 2014 MAC2166 Introdução à Computação Aula 1 Como Funciona um Computador DCC IME USP 1

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

Modelo de Programação Paralela

Modelo de Programação Paralela Modelo de Programação Paralela As arquiteturas paralelas e distribuídas possuem muitos detalhes Como especificar uma solução paralela pensando em todos esses detalhes? O que queremos? Eecutar a solução

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 02: Organização e Arquitetura de Computadores / Lógica Digital (Parte I) O conteúdo deste documento tem por objetivo

Leia mais

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo

Prof. Benito Piropo Da-Rin. Arquitetura, Organização e Hardware de Computadores - Prof. B. Piropo Prof. Benito Piropo Da-Rin UCP ou microprocessador: Circuito Integrado inteligente (capaz de cumprir diferentes funções determinadas por instruções ) CI capaz de efetuar todas as operações necessárias

Leia mais

Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU

Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU Arquitetura de Computadores Unidade Central de Processamento CPU CPU Funções realizadas pelo processador: Função controle Responsável pela busca, interpretação e controle da execução das instruções, bem

Leia mais

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura

INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Função e Estrutura. Introdução Organização e Arquitetura. Organização e Arquitetura Introdução Organização e Arquitetura INTRODUÇÃO À ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Eduardo Max Amaro Amaral Arquitetura são os atributos visíveis ao programador. Conjunto de instruções, número

Leia mais

O Funcionamento do Processador

O Funcionamento do Processador O Funcionamento do Processador Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Os cinco componentes clássicos de um Computador - Controle O

Leia mais

O Funcionamento do Processador

O Funcionamento do Processador O Funcionamento do Processador Arquiteturas para Alto Desmpenho Prof. pauloac@ita.br Sala 110 Prédio da Computação www.comp.ita.br/~pauloac Os cinco componentes clássicos de um Computador - Controle O

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz PROCESSADORES PARTE II 2 ULA UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA A ULA - Arithmetic Logic Unit - que em

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral

Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral Arquitetura e organização de computadores Uma visão geral MAC 344 - Arquitetura de Computadores Prof. Siang Wun Song Baseado em W. Stallings - Computer Organization and Architecture Objetivo do disciplina

Leia mais

Sistemas Computacionais e Hardware. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais

Sistemas Computacionais e Hardware. Disciplina: Informática Prof. Higor Morais Sistemas Computacionais e Hardware Disciplina: Informática Prof. Higor Morais 1 Agenda Sistema Computacional O Computador e seus componentes Hardware 2 Unidade de entrada Unidade de saída Unidade de Processamento

Leia mais

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação AULA 2 Prof.: Jadiel Mestre. Componentes de um Sistema de Informação Os componentes de um sistema de informação são divididos em três partes 2 1 Componentes físicos do computador Dispositivos de Entrada/Saída

Leia mais

SSC0611 Arquitetura de Computadores

SSC0611 Arquitetura de Computadores SSC0611 Arquitetura de Computadores 7ª Aula Pipeline Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Arquitetura CISC CISC Complex Instruction Set Computer Computadores complexos devido a: Instruções

Leia mais

Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Computador Digital (Hardware) 2 Computador Digital Constituído por um conjunto de componentes interligados (hardware): processadores, memórias, registradores,

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Conceitos básicos de hardware, software e peopleware e modelo de Von Neumann

Conceitos básicos de hardware, software e peopleware e modelo de Von Neumann Conceitos básicos de hardware, software e peopleware e modelo de Von Neumann Professor Wagner Gadêa Lorenz wagnerglorenz@gmail.com Disciplina: Curso de Sistemas de Informação Cachoeira do Sul, 10 de Março

Leia mais

ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES. Adão de Melo Neto

ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES. Adão de Melo Neto ENDEREÇAMENTO DE INSTRUÇÕES Adão de Melo Neto 1 TIPOS DE OPERAÇÕES 2 TIPOS DE OPERAÇÕES TIPOS DE INSTRUÇÕES/OPERAÇÕES (RELEMBRANDO) 3 INTRODUÇÃO TIPOS DE INSTRUÇÕES/OPERAÇÕES (RELEMBRANDO) 4 INTRODUÇÃO

Leia mais

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa

Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho. Introdução. Ementa DCC-IM/NCE UFRJ Pós-Graduação em Informática Micro-Arquiteturas de Alto Desempenho Introdução Gabriel P. Silva Ementa Revisão de Organização de Computadores Hierarquia de Memória Memória Virtual Memória

Leia mais

Como os Processadores Funcionam

Como os Processadores Funcionam clubedohardware.com.br Por Gabriel Torres Editor executivo do Clube do Hardware Introdução Apesar de cada microprocessador ter seu próprio desenho interno, todos os microprocessadores compartilham do mesmo

Leia mais

Barramentos internos/externos

Barramentos internos/externos Barramentos Uma das características principais de um processador são os seus barramentos. Os barramentos são auto-estradas por onde circula a informação, seja no interior do CPU ou do interior para o exterior,

Leia mais

ULA (ALU) - UNIDADE DE ARITMÉTICA E LÓGICA

ULA (ALU) - UNIDADE DE ARITMÉTICA E LÓGICA FATEC SP - Análise e Desenvolv. De Sistemas - Ambiente Operacional PÁG. 1 II) ELEMENTOS DE HARDWARE: DIAGRAMA DE BLOCOS DE UM COMPUTADOR 1) CPU - UNIDADE CENTRAL DE PROCESSAMENTO RESPONSÁVEL PELA EXECUÇÃO

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Conjunto de Instruções Slide 1 Sumário Características de Instruções de Máquina Tipos de Operandos Tipos de Operações Linguagem de Montagem Slide 2 Características

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Álvaro Elias Flôres alvaro.flores@sc.senai.br MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Introdução A atividade de um computador pode ser definida por um modelo simples: Introdução Na etapa de processamento

Leia mais

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa

Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP. Memórias de Dados e de Programa 4. Memórias de Dados e de Programa Professor: Vlademir de Oliveira Disciplina: Microcontroladores e DSP 4.1 Memórias Semicondutoras Algumas definições Célula: Dispositivo de armazenamento de 1 bit. Palavra:

Leia mais

Programador/a de Informática

Programador/a de Informática 481040 - Programador/a de Informática UFCD - 0770 Dispositivos e periféricos Sessão 2 SUMÁRIO Tipos de motherboard; Processador e Tecnologias de Microprocessador; Registos Internos; Dissipadores e Ventoinhas;

Leia mais

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Instalação e Organização de Computadores Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Prof. Diego Pereira

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Execução de Tarefas. O software consiste num conjunto de códigos ou instruções desenvolvidos para facilitar o controlo da máquina.

Execução de Tarefas. O software consiste num conjunto de códigos ou instruções desenvolvidos para facilitar o controlo da máquina. Processador Execução de Tarefas O software consiste num conjunto de códigos ou instruções desenvolvidos para facilitar o controlo da máquina. Um programa para ser executado normalmente precisa de uma requisição

Leia mais

Aula 15: Ciclo de Execução e Introdução ao Pipeline

Aula 15: Ciclo de Execução e Introdução ao Pipeline Aula 15: Ciclo de Execução e Introdução ao Pipeline Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Ciclo de Execução; Intro ao Pipeline FAC

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores I. de Computadores Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de I Organização Básica B de (Parte V, Complementar)

Leia mais

1. Conceitos Básicos de Computação

1. Conceitos Básicos de Computação Introdução à Computação I IBM1006 1. Conceitos Básicos de Computação Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Computação e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 1.Conceitos Básicos de Computação 1.1.

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Cache Slide 1 Introdução Tamanho Função de Mapeamento Política de Escrita Tamanho da Linha Número de Memórias Cache Cache em Níveis Slide 2 Introdução

Leia mais

Hardware Conceitos Básicos. Introdução*à*Informática 14

Hardware Conceitos Básicos. Introdução*à*Informática 14 Hardware Conceitos Básicos Introdução*à*Informática 14 Hardware Conceitos Básicos Componentes principais de um computador Introdução*à*Informática 15 Hardware Conceitos Básicos CPU (Unidade Central de

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos Sistemas operacionais modernos criam vários processadores virtuais, cada um para executar um programa. Para monitorar

Leia mais

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução Unidade 4 Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução 4.1) Converta os seguintes números decimais para hexadecimal: 145, 226, 1043, 3456 91h, E2h, 413h, D80h 4.2) Sem converter as bases, faça as

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Componentes básicos de um computador Memória Processador Periféricos Barramento O processador (ou microprocessador) é responsável pelo tratamento de informações armazenadas

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Infraestrutura de TI: Hardware

Arquitetura de Computadores. Infraestrutura de TI: Hardware Arquitetura de Computadores Infraestrutura de TI: Hardware Computação Informação + Automação Tratamento dos dados em informação por meios automáticos Dispositivos eletrônicos Aplicados em Computadores,

Leia mais

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída Nome: Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída 1. A gerência de dispositivos de entrada e saída é uma das principais e mais complexas funções de um sistema

Leia mais