Patricia Tiemi Lopes Fujita Mestranda em Design UFPR PPG Design

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patricia Tiemi Lopes Fujita Mestranda em Design UFPR PPG Design"

Transcrição

1 A importância da informação no processo de aquisição e uso de s no Brasil The importance of information in the process of acquisition and use of medicines in Brazil Patricia Tiemi Lopes Fujita Mestranda em Design UFPR PPG Design Carla Galvão Spinillo PhD em Design UFPR PPG Design Medicamentos, informação, análise da tarefa Considerando a importância das informações orais e visuais no processo de aquisição e uso de s, apresenta-se neste artigo uma análise sobre a demanda de atividade cognitiva necessária para se executar a tarefa de Tomar o. A análise foi realizada a partir do diagrama estruturado por Van der Waarde (2004, 2006) sobre a experiência de um paciente durante a aquisição e uso de um, construiu-se em uma estrutura de decomposição da tarefa, proposta por Moraes & Mont Alvão, sendo analisada através do modelo desenvolvido por Militello & Hutton (1998), para identificar quais etapas demandam maior atividade cognitiva. Medicines, information, task analysis Considering the importance of oral and visual information on the acquisition and the use of medication, it is presented in this article an analysis about the demand of cognitive activity necessary to execute the task of take the medicine. The Analysis was made prior to the diagram structured by Van Der Waarde(2004,2006) about a patient s experience during a acquisition and use of a medicine, it was developed a structure of decomposition of the task analysis, proposed by Moraes & Mont Alvão, being analized through the model developed by Militello & Hutton (1998), to identify which steps demand more cognitive activity. 1.Introdução As instruções fazem parte de nossa vida cotidiana. A satisfatória realização de uma tarefa instrucional depende da completude das informações fornecidas e da qualidade da apresentação gráfica destas, caso contrário, sérias conseqüências podem ocorrer ao usuário (e.g. WRIGHT, 1999; SPINILLO, 2002). As informações visuais exercem um papel importante no uso de s e a compreensão da informação é parte de uma eficiente comunicação entre os que provêm cuidados à saúde e aos pacientes (VAN DER WAARDE, 2004). Portanto, para fazer o uso correto de um, é preciso ler e compreender o conteúdo informacional nas bulas. Van der Waarde (2006), considera que para proporcionar informações relevantes, é essencial investigar todo o processo de obtenção e uso de s. Neste sentido, é necessário analisar as situações nas quais a informação é usada pelos pacientes, pois esta desempenha um papel importante durante o processo não apenas de uso de um, mas também de sua aquisição após da prescrição médica. Raynor (1993) concorda que os profissionais da saúde cumprem um papel importante no processo de obtenção da informação, devendo proporcionar aos pacientes tanto informação oral como escrita, contribuindo desta forma, no conhecimento prévio do por parte do paciente/leitor. Em estudo realizado por Dickinson et al (2003), sobre os interesses do paciente, constatou-se que estes buscam informações sobre um

2 , tanto de forma oral como escrita, relacionadas aos efeitos colaterais, contraindicações, e posologia (como utilizá-lo). Em levantamento realizado por Fujita (2006) observou-se que grande parte das informações contidas na bula não é de interesse de pacientes, como tabelas de composição química, dados médicos, etc. Os profissionais da saúde, por sua vez, consideram que a prescrição médica é o documento mais relevante para os pacientes. Entretanto, vale ponderar que a prescrição médica, apesar de objetiva e essencial ao paciente, não contém algumas das informações necessárias ao uso de s, como: advertências, contra-indicações e efeitos colaterais que estão presentes na bula. Portanto, a bula, juntamente com a prescrição médica são documentos essenciais para a aquisição e uso adequado de s, possuindo funções informacionais diferenciadas. O uso/consulta isolada destes documentos, pode acarretar em desconhecimento de informações essenciais ao usuário/paciente levando até mesmo a ações indesejáveis, como a auto-medicação, que coloca a sua saúde em risco. Em estudo realizado por Silva et al. (2000), a bula foi apontada como a fonte de informação mais importante sobre s após a prescrição médica. Tanto a informação oral quanto a escrita sobre o uso de s são importantes e complementares na educação do paciente. Os autores afirmam ainda que a informação oral fornecida pelo médico é frequentemente insuficiente, tendo em vista que, na consulta, o paciente pode priorizar as informações recebidas sobre a doença e o diagnóstico, prestando menor atenção às informações sobre o prescrito. Além disso, o paciente pode não compreender a informação verbal ou esquecer parte dela após a consulta. Portanto, a informação escrita constitui um reforço tanto do ponto de vista cognitivo quanto de memória. Neste sentido, a bula de torna-se um meio efetivo de apoio e complementação às orientações orais transmitidas ao paciente sobre o, para auxiliá-lo no processo de aquisição e uso deste. Considerando a importância das informações orais e visuais no processo de aquisição e uso de s, apresenta-se neste artigo uma análise sobre a demanda de atividade cognitiva necessária para se executar a tarefa de tomar um corretamente. A análise foi realizada considerando o diagrama estruturado por Van der Waarde (2004, 2006) sobre a experiência de um paciente durante a aquisição e uso de um. A partir deste foi elaborada a representação de tarefa com estrutura de decomposição proposta por Moraes e Mont Alvão (1998) Em seguida a tarefa foi analisada através do modelo desenvolvido por Militello e Hutton (1998) para identificar quais ações demandam maior atividade cognitiva. 2. Análise da tarefa do processo de aquisição e uso de s Segundo Van der Waarde (2006), para proporcionar informações relevantes ao usuário/paciente referentes ao uso de s, é essencial investigar todo o processo de obtenção e uso destes, sendo necessário observar situações onde a informação é acessada. A tarefa de usar um não se restringe a administrar o mesmo, mas sim envolve etapas anteriores essenciais à tomada de decisões sobre o. O processo de tomar um fármaco se inicia na prescrição médica (oral e/ou escrita), seguida do contato com o farmacêutico para aquisição do. O farmacêutico eventualmente pode fornecer informações orais adicionais no momento da aquisição do fármaco. Este, por sua vez, apresenta informações na embalagem e na bula que o acompanha. Por fim, o usuário/paciente deverá processar todas as informações adquiridas através do médico/prescrição; do farmacêutico e da bula/embalagem. Neste sentido, o usuário/paciente deverá ler, lembrar, relembrar e transformar toda a informação recebida em ações de execução de tarefa sobre o uso e o manuseio de um dado (VAN DER WAARDE, 2004; GUSTAFSSON et al, 2005).

3 A fim de analisar as ações dos usuários em diferentes contextos de uso de s prescritos, Van der Waarde (2004, 2006) estruturou um diagrama que considera cinco etapas no processo de aquisição e uso de fármacos: (1) decisão sobre a saúde (problema); (2) consulta médica; (3) visita à farmácia; (4) tomar o ; (5) decisão sobre a saúde (resultado medicação). Apesar deste diagrama, ter sido estruturado considerando os parâmetros legislativos e culturais da União Européia, ele pode ser aplicado ao contexto de uso de s no Brasil, visto o caráter geral destas etapas. Considerando que o paciente pode a partir da etapa 5 voltar a tomar a medicação, foi realizado ajuste na apresentação gráfica do diagrama proposto por Van der Waarde (2004, 2006), para que o mesmo explicite o caráter cíclico do processo. A Figura 1 ilustra o diagrama proposto ajustado. Vale salientar que o termo Tomar/ministrar o é usado pelo autor tanto para identificar a tarefa, como a etapa e sub-etapa referentes a ingerir/usar o fármaco. Na segunda etapa (2) Consulta médica, o paciente precisa descrever detalhes pessoais, sintomas e incômodos ao médico, que irá diagnosticar o problema de saúde; pedir exames complementares caso necessário- e prescrever um. Nesta etapa o paciente deve compreender e memorizar as informações transmitidas pelo médico. Em seguida à consulta o paciente deverá realizar a terceira etapa (3) Visita à farmácia para adquirir o e eventualmente receber também informações orais do farmacêutico, onde mais uma vez o paciente tem de entender e memorizar explicações orais. Na quarta etapa, (4) Tomar o ; inicia-se um processo de uso do, o qual é detalhado a seguir. Na quinta etapa Decisão sobre a saúde (resultado medicação) o paciente toma decisão sobre suspender ou não a medicação dependendo do resultado do mesmo sobre sua saúde. No caso de continuar com a medicação, o paciente deverá consultar o médico e repetir, portanto, as demais etapas. Em relação a Tomar o (quarta etapa do diagrama 1), Van der Waarde (2004, 2006), considera quatro sub-etapas: (a) abrir a embalagem; (b) considerar a informação da embalagem e bula; (c) tomar o e (d) parar de tomar o (decisão a partir do resultado da medicação), conforme ilustrado pelo Diagrama 2 a seguir: Diagrama 1: Processo de aquisição e uso de ajustado do diagrama de Van der Waarde (2004, p.85; 2006, p.41). Na primeira etapa (1) Decisão sobre a saúde (problema) o paciente precisa inicialmente reconhecer sintomas adversos sobre sua saúde, para tomar a decisão de ir ao médico. Porém, segundo Van der Waarde (2004, 2006) esta decisão pode variar entre pacientes, de acordo com suas características culturais, geográficas, idade e gênero. Diagrama 2: Processo de uso do (Fonte: Van der Waarde, 2004, p.85). 2.1 Decomposição seqüencial e demanda cognitiva da tarefa de Tomar um Em relação à importância da informação para a execução da tarefa de Tomar o, como também da demanda cognitiva envolvida nesta, o diagrama proposto por Van der Waarde carece de maior detalhamento, visto que trata de

4 forma geral as etapas do processo. Neste sentido, para se obter uma visualização detalhada do processo de Tomar o foi desenvolvida uma representação de tarefa empregando-se o modelo de decomposição seqüencial, proposto por Moraes e Mont Alvão (1998). Este tem como objetivo explicitar a estrutura da tarefa, definindo as atividades que a compõe e a seqüência em que as mesmas ocorrem, que são apresentadas no Fluxograma 1 a seguir: Fluxograma 1: Decomposição seqüencial da tarefa Tomar o Na representação seqüencial da tarefa de Tomar o a etapa (2) Considerar a informação, envolve o maior número de outputs: quatro origens de informação (médico, farmacêutico, bula e embalagem) a serem observadas pelo usuário/paciente. Na etapa seguinte, (3) Tomar o, as opções dadas (comprimido, injetável ou suspensão), refere-se às possibilidades de apresentação do fármaco aos usuários, que são excludentes entre si. Portanto, a consideração da informação constitui a etapa mais relevante na tomada de decisão sobre o uso do, e que possui maior demanda cognitiva, conforme constatado a seguir. Na análise da demanda de atividades cognitivas necessárias para tomar um, a partir da tarefa descrita no Fluxograma 1, empregou-se do modelo desenvolvido por Millitello e Hutton (1998). Este permite descrever e identificar a demanda de atividades cognitivas durante a execução de uma tarefa, relacionada a seis categorias: conhecimento, compreensão, aplicação, análise, síntese e avaliação. Aplicando-se estas categorias às atividades cognitivas envolvidas na tarefa de Tomar um observa-se que na primeira etapa (Abrir a embalagem), ocorre o contato inicial do paciente com o e com as informações visuais localizadas na embalagem externa (caixa), na bula e na embalagem interna (e.g. blister, frasco). Nesta etapa o paciente/usuário realiza as atividades cognitivas na categoria de conhecimento: identificar e reconhecer o adquirido. Deficiência na apresentação gráfica das embalagens externa e/ou interna, e na bula do (e.g. legibilidade e leiturabilidade do texto, hierarquia da mensagem) podem levar a problemas na compreensão das informações sobre o uso e acondicionamento do fármaco, entre outros (Tabela 1). Categoria Atividades cognitivas Conhecimento Identificar Reconhecer

5 Tabela 1: Demanda de atividades cognitivas durante a primeira etapa Abrir a embalagem. Na segunda etapa (Considerar a informação), o paciente/usuário precisa processar todas as informações recebidas durante o processo de aquisição do. Para isso o usuário/paciente deverá realizar as atividades cognitivas nas categorias de conhecimento (identificar e adquirir informações); compreensão (interpretar as informações lidas); aplicação (relacionar as informações e resolver, tomando decisões sobre as informações) e análise (analisar e comparar as informações adquiridas), conforme Tabela 2. Categorias Atividades cognitivas Conhecimento Adquirir Identificar Compreensão Interpretar Aplicação Relacionar Resolver Análise Analisar Comparar Tabela 2: Demanda de atividades cognitivas durante a segunda etapa Considerar a informação. Na terceira etapa (Tomar o ) o paciente deve usar o fármaco corretamente, sendo que, dependendo da sua forma farmacêutica (e.g. comprimido, injeção, suspensão) poderá implicar em diferentes ações de tarefa (e.g. tomar, injetar, preparar). Portanto, nesta etapa serão consideradas todas as atividades cognitivas necessárias na categoria de aplicação: usar e aplicar (Tabela 3). Categoria Atividades cognitivas Aplicação Aplicar Usar Tabela 3: Demanda de atividades cognitivas durante a terceira etapa Tomar o. Na quarta e última etapa (Decisão de saúde) o paciente/usuário precisa avaliar os resultados do tratamento (e.g. se os sintomas adversos desapareceram, se houve efeitos colaterais ou reações adversas); e decidir se/quando deve parar de tomar o ou se necessita voltar ao médico. Nesta etapa serão portanto realizadas as atividades cognitivas nas categorias de análise (analisar e comparar) e avaliação (julgar) indicadas na Tabela 4. Categoria Atividades cognitivas Análise Analisar Comparar Avaliação Julgar Tabela 4: Demanda de atividades cognitivas durante a quarta etapa Decisão de saúde. 2.2 Aspectos influenciadores na execução da tarefa Na etapa de Consideração da informação alguns aspectos relacionados às informações recebidas durante o processo de aquisição/uso do podem influenciar negativamente a execução da tarefa. Estes dizem respeito às informações orais e escritas. As orais referem-se às transmitidas pelo médico durante a consulta e pelo farmacêutico no momento da compra do. As escritas referem-se à prescrição, embalagens e bula. Os aspectos que podem afetar negativamente a tarefa de tomar o seriam: (a) na prescrição médica: caligrafia do médico, clareza na redação e completude das informações prescritas; (b) na embalagem externa: similaridade visual entre embalagens de s; (c) na embalagem interna: possível perda de informação na retirada do em blisters, e/ou s em blisters fracionados. Quanto a (d) bula de, problemas de leitura podem estar associados a (1) legibilidade do texto como tamanho do corpo tipográfico, espaçamento entre linhas, uso excessivo de caixa alta e/ou negrito, tamanho das colunas e alinhamento justificado do texto; (2) leiturabilidade do texto (e.g. linguagem muito técnico-medica), (3) apresentacao gráfica das informações (e.g. hierarquia tipográfica, separação das informações), (4) apresentacao de instrucoes visuais (e.g. legibilidade pictórica, omissão de passos), e (5) transparência do papel. Diversos estudos na literatura apontam para efeitos indesejáveis desses aspectos na compreensão da mensagem e na realização da tarefa de Tomar um (e.g. Spinillo & Fujita, 2006; Sless & Tyers, 2004; Wright, 1999); principalmente por usuários idosos ou

6 com baixo grau de escolaridade (Fujita, 2004; Spinillo et al, 2007).A Tabela 5 a seguir mostra os possíveis problemas oriundos das informações impressas recebidas: Informações Possíveis problemas Envolvidos Situação Conseqüências Prescrição médica Embalagem externa Embalagem interna - Caligrafia deficiente do medico - Falta de clareza na redação das informações - Incompletude das informações prescritas A similaridade visual entre embalagens de s (e.g. genéricos, de mesmo laboratório farmacêutico) - Perda de informação na retirada do em blisters, e/ou s em blisters fracionados Paciente/usuário Leitura da prescrição Incompreensão do conteúdo/ Uso equivocado do Farmacêutico Farmacêutico Paciente/usuário Farmacêutico Técnico de saúde Dispensação do Dispensação do Utilizando mais de um no tratamento Dispensação do Dispensação do em hospitais/ambulatórios Dispensação equivocada do Dispensação equivocada do Uso equivocado do Dispensação equivocada do Dispensação equivocada do Paciente/usuário Uso na residência Uso equivocado do Bula de - Legibilidade do texto - Leiturabilidade do texto - Apresentação gráfica das informações - Apresentação de instruções visuais - Transparência do papel Tabela 5: Aspectos que influenciam a tarefa de Tomar o. Paciente/usuário Uso na residência Uso equivocado do 3. Conclusões e considerações A partir da decomposição da tarefa de Tomar um, foi possível analisar a demanda de atividades cognitivas durante cada etapa da tarefa. A segunda etapa decomposta, Considerar a informação foi identificada como a de maior demanda cognitiva, abrangendo as categorias de conhecimento, compreensão, aplicação e análise e sete atividades cognitivas. Nesta etapa, a compreensão da leitura das informações na prescrição medica, na bula e na embalagem ocorre em interação com as informações orais memorizadas (medico e farmacêutico) recebidas durante a aquisição do nas etapas anteriores. Salienta-se que nesta etapa são processadas as informações essenciais para a execução do processo de Tomar o. Portanto, problemas na etapa de Consideração da informação podem afetar o sucesso da tarefa e conseqüentemente comprometerem a eficácia do tratamento e a saúde do paciente/usuário. Neste sentido, ratifica-se a importância da informação no processo de aquisição e uso de s pelo paciente/usuário brasileiro. 4. Recomendações gerais No intuito de contribuir para a melhoria do design de informações na área de saúde, no âmbito da ergonomia informacional, são sugeridas algumas recomendações baseadas nos problemas encontrados na análise da tarefa Tomar o, quanto à:

7 Embalagem externa do : Evitar a similaridade visual entre s do mesmo laboratório farmacêutico (e.g. s genéricos) Embalagem interna do Desenvolver embalagens de comprimido (blister) de forma que no momento que o é destacado não ocorra a perda de informações que são importantes para os pacientes/usuários (e.g. identificação do, prazo de validade). Bula: Evitar o uso excessivo de negrito em textos, usando-o somente para as informações mais importantes; Evitar o uso de textos em caixa alta; Utilizar espaçamento entre linhas e palavras que promovam à legibilidade. Ser consistente na representação gráfica para cada tipo de informação que apresentar um status hierárquico distinto. Não utilizar papel translúcido para a impressão de bulas. 5. Referências DICKINSON, D.; RAYNOR, T. D. K.; KENNEDY, J. G.; BONACCORSO, S.; STURCHIO, J et al. What information do patients need about medicines? BMJ, Education and Debate. Vol. 327, 2003, pp FUJITA, P. T. L. A comunicação visual de bulas de remédios: análise ergonômica da diagramação e forma tipográfica com pessoas de terceira idade. Infodesign: Revista Brasileira de Design da Informação, n 1/1, Disponível em: SecaoIC1-2.pdf, Acesso em: 20 de Abril, FUJITA, P. T. L.; SPINILLO, C. G. A apresentação gráfica de bula de s: um estudo sob a perspectiva da ergonomia informacional. In: Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade ERGODESIGN, 2006, Bauru. Anais. Bauru: UNESP, p CD-ROM. ISBN: FUJITA, P. T. L. Medicamentos no Brasil: uma análise na perspectiva do design Projeto de conclusão de curso (Bacharel em Desenho Industrial Programação Visual) Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba GUSTAFSSON, D. J.; KÄLVEMARK, S.; NILSSON, G.; NILSSON, J. L. G. et al. (2005). Patient Information leaflets patient s comprehension of information about interactions and contraindications. Pharm World Sci. Vol. 27, pp MILITELLO, L. G.; HUTTON, R. J. B. Applied cognitive task anlysis (ACTA): a practicioner s toolkit for understanding cognitive task demands. Ergonomics, vol. 41, n.11, p MORAES, A.; MONT ALVÃO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações. Rio de Janeiro: 2AB, MORRIS, L. A.; AIKIN, K. J. (2001). The pharmacokinetics of patient communications. Drug Inform Journal, v.35. pp RAYNOR, D. K. T. (1992). Patient compliance the pharmacist s role. Int. Journal Pharm Practice. v.1. pp SILVA, Tatiane da, DAL-PIZZOL, Felipe, BELLO, Carina M et al. (2000). Bulas de s e a informação adequada ao paciente. Revista Saúde Pública, abr., vol.34, no.2, p ISSN SLESS, David. TYERS, Alex. Case history # 5 Panadol 24 Pack: new instructions for consumers. CRIA, Disponível em: publication_id_89_ html. Acesso em 20 de outubro de SPINILLO, C. G. Are visual instructions successful messages? Some considerations in the analysis of procedural pictorial sequences. In: Selected Readings of the International Visual Literacy Association. [S.l.: s.n.], p. 1-10, ; PADOVANI, S.; MIRANDA, F.; FUJITA, P. T. L. et al. Instruções visuais em bulas de s no Brasil: um estudo analítico sobre a representação pictórica da informação. In: 3º Congresso Internacional de Design da Informação, 2007, Curitiba. Anais. Curitiba: SBDI, CD-ROM. ISBN: VAN DER WAARDE, Karel. The graphic presentation of patient package inserts. In: ZWAGA, Harm J. G. BOERSEMA, Theo.

8 HOONHOUT, Henriëtte C. M. (Ed) Visual information for everyday use: Design and research perspectives. London, Taylor & Francis, p VAN DER WAARDE, K. Visual information about medicines. Providing patients with relevant information. In: SPINILLO, Carla G.; COUTINHO, Solange G. (Eds). Selected Readings of the Information Design International Conference Recife, SBDI Sociedade Brasileira de Design da Informação, p VAN DER WAARDE, K. Visual information about medicines for patients. In: FRASCARA, J. (Eds). Designing Effective Communications: Creating contexts for clarity and meaning. New York: Allworth Press, p WRIGHT, P. Printed Instructions: Can research make a difference? In: ZWAGA, Harm J. G. BOERSEMA, Theo. HOONHOUT, Henriëtte C. M. (Eds) Visual information for everyday use: Design and research perspectives. London, Taylor & Francis, p WRIGHT, P. Comprehension of printed instructions: examples from health materials. In: WAGNER, D. R.; VENEZKY, D.; STREET, B. (Eds.) Literacy: an international handbook. Boulder, CO: Westview Press, p

Patrícia Tiemi Lopes Fujita Bacharelanda de Desenho Industrial Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Patrícia Tiemi Lopes Fujita Bacharelanda de Desenho Industrial Pontifícia Universidade Católica do Paraná A apresentação gráfica de bula de medicamentos: um estudo sob a perspectiva da ergonomia informacional The graphic presentation of patient package inserts: a study from the perspective of the information

Leia mais

Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual

Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual Patricia Lopes Fujita, Carla Galvão Spinillo Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual Information design on medicine

Leia mais

Análise da apresentação gráfica do conteúdo textual da bula de medicamento na perspectiva de leitura do paciente em contexto de uso

Análise da apresentação gráfica do conteúdo textual da bula de medicamento na perspectiva de leitura do paciente em contexto de uso Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Programa de Pós-Graduação em Design Patricia Tiemi Lopes Fujita Análise da apresentação gráfica do conteúdo textual da bula de medicamento

Leia mais

Análise da estrutura gráfica de uma bula de medicamentos transcrita para o Sistema Braille

Análise da estrutura gráfica de uma bula de medicamentos transcrita para o Sistema Braille Análise da estrutura gráfica de uma bula de medicamentos transcrita para o Sistema Braille Analysis of the graphic structure of a medicine package insert transcript in to the Braille System Lopes, Maria

Leia mais

BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE

BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE BULA PROFISSIONAL DE SAÚDE ÁGUA PARA INJEÇÃO HALEX ISTAR SOLUÇÃO INJETÁVEL Água para injeção ÁGUA PARA INJEÇÃO NOME DO PRODUTO Água para injeção APRESENTAÇÃO Solução injetável, límpida e hipotônica, estéril

Leia mais

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX)

RUA H, N 0 02, GALPÃO III - SANTO ANTONIO DE JESUS - BA CEP CNPJ: / FONE: (0XX) VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Farma: Cartucho contendo frasco com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido Ascórbico...200

Leia mais

SUMÁRIO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA O USO CORRETO DE MEDICAMENTOS... 4 CONSELHOS IMPORTANTES...5 RECEITA MÉDICA...6 RECEBENDO O MEDICAMENTO...

SUMÁRIO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA O USO CORRETO DE MEDICAMENTOS... 4 CONSELHOS IMPORTANTES...5 RECEITA MÉDICA...6 RECEBENDO O MEDICAMENTO... SUMÁRIO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA O USO CORRETO DE MEDICAMENTOS... 4 CONSELHOS IMPORTANTES...5 RECEITA MÉDICA...6 RECEBENDO O MEDICAMENTO...7 BULA DO MEDICAMENTO...8 COMO TOMAR O MEDICAMENTO...8 QUANDO

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12:

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em Dezembro de 2010 pela Portaria SIT 197 do Ministério do Trabalho e Emprego, surgiram

Leia mais

KITNOS. Comprimido. 500 mg

KITNOS. Comprimido. 500 mg KITNOS Comprimido 500 mg KITNOS etofamida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Nome comercial: Kitnos Nome genérico: etofamida APRESENTAÇÃO Kitnos comprimidos de 500 mg em embalagem contendo 6 comprimidos.

Leia mais

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg

FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg FLORATIL (Saccharomyces boulardii) Merck S/A Cápsulas 100 & 200 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas de gelatina. Floratil 100 mg - Embalagem contendo 12 cápsulas. Floratil 200 mg - Embalagem contendo 6 cápsulas.

Leia mais

BISMU-JET. sulfato de neomicina + tartarato de bismuto e sódio + cloridrato de procaína LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA.

BISMU-JET. sulfato de neomicina + tartarato de bismuto e sódio + cloridrato de procaína LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. BISMU-JET sulfato de neomicina + tartarato de bismuto e sódio + cloridrato de procaína LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. Suspensão Oral 25 mg/ml + 25 mg/ml + 15 mg/ml BISMU-JET sulfato de neomicina

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ATIVOS ADULTOS IDR CRIANÇAS IDR 20 gotas (1 ml) 1 vez ao dia até 20 gotas (1 ml) 4 vezes ao dia

CONCENTRAÇÃO DOS PRINCÍPIOS ATIVOS ADULTOS IDR CRIANÇAS IDR 20 gotas (1 ml) 1 vez ao dia até 20 gotas (1 ml) 4 vezes ao dia VITER C ácido ascórbico APRESENTAÇÃO Linha Hospitalar: Caixa contendo 50 frascos com 20 ml. FORMA FARMACÊUTICA Solução oral USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada ml da solução oral contém: Ácido

Leia mais

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g.

TETMOSOL Sabonete sulfiram. Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. TETMOSOL Sabonete sulfiram I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO TETMOSOL Sabonete sulfiram APRESENTAÇÕES Sabonete com 4 g de sulfiram em embalagem contendo 1 sabonete de 80 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg

simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg simeticona EMS S/A Comprimido 40 mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787 de 1999. APRESENTAÇÃO Comprimidos 40mg: embalagem contendo 20 ou 500 (Embalagem Hospitalar)

Leia mais

simeticona GERMED FARMACÊUTICA LTDA cápsula gelatinosa 125 mg

simeticona GERMED FARMACÊUTICA LTDA cápsula gelatinosa 125 mg simeticona GERMED FARMACÊUTICA LTDA cápsula gelatinosa 125 mg I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona APRESENTAÇÕES gelatinosa de 125 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula gelatinosa contém:

Leia mais

A GESTÃO EM SUAS MÃOS FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS

A GESTÃO EM SUAS MÃOS FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS A GESTÃO EM SUAS MÃOS FERRAMENTA DE ANÁLISE DE RISCOS SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. SOFTWARE 3. PROCESSO FERRAMENTAS 4. SUMÁRIO EXECUTIVO 5. RELATÓRIO PROJETO INTEGRADO 6. FUNCIONALIDADES 7. CONTATO 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

Proviron. Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona

Proviron. Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona Proviron Bayer S.A. Comprimidos 25 mg mesterolona 1 Proviron mesterolona APRESENTAÇÃO: Proviron é apresentado na forma de comprimido simples, com 25 mg de mesterolona, em embalagens contendo 2 blísteres

Leia mais

Organoneuro Cerebral

Organoneuro Cerebral Organoneuro Cerebral Laboratório Gross S/A Drágea tartarato do ácido gamaminobutírico 100mg + ácido glutâmico 100mg + fosfato de cálcio dibásico 50mg + nitrato de tiamina 25mg + cloridrato de piridoxina

Leia mais

Sintaflat. (simeticona) Laboratório Globo Ltda. Comprimido 40 mg

Sintaflat. (simeticona) Laboratório Globo Ltda. Comprimido 40 mg Sintaflat (simeticona) Laboratório Globo Ltda. Comprimido 40 mg Sintaflat simeticona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO: Comprimido de 40 mg. Embalagem contendo 20 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO:

Leia mais

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. INTERCAMBIALIDADE 1. O que são medicamentos referência, similar e genérico? É todo medicamento originador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. Todo medicamento referência

Leia mais

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg

NATURETTI. Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg NATURETTI Senna alexandrina Miller + Cassia fistula 28,9 mg + 19,5 mg Espécie vegetal e parte da planta utilizada Espécie vegetal: Senna alexandrina Miller (sene), Cassia fistula (cássia). Partes utilizadas:

Leia mais

Algoritmia. Algoritmos e Programação, CET - CO. Francisco Rente

Algoritmia. Algoritmos e Programação, CET - CO. Francisco Rente Algoritmia Algoritmos e Programação, CET - CO francisco.rente@estgoh.ipc.pt Agenda Problemas Vs. Resoluções O que é a Algoritmia? Algoritmo de Euclides Formas de representação de Algoritmos Representação

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE

MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE 1 MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE Rio de Janeiro - RJ - 05/2012 Categoria: C Setor Educacional: 5 Classificação das

Leia mais

Design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional: estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia

Design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional: estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia Design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional: estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia The design of visual instructions in medicine inserts from an

Leia mais

GOTAS BINELLI. Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml

GOTAS BINELLI. Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml GOTAS BINELLI Laboratório Daudt Oliveira Ltda Solução 30 mg/ml GOTAS BINELLI dropropizina 30mg/mL IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO GOTAS BINELLI dropropizina APRESENTAÇÃO Solução oral (30 mg/ml). Frasco contendo

Leia mais

Micolamina ciclopirox 80mg/g ESMALTE 8% Uso adulto Uso externo

Micolamina ciclopirox 80mg/g ESMALTE 8% Uso adulto Uso externo Micolamina ciclopirox 80mg/g ESMALTE 8% Uso adulto Uso externo APRESENTAÇÃO Embalagem com frasco contendo 6g de solução e 24 lixas para unhas. COMPOSIÇÃO Ciclopirox...80 mg Excipientes...q.s.p...1 g (álcool

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO comprimidos revestidos

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO comprimidos revestidos BULA RDC 47/09 BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO comprimidos revestidos Nomenclatura botânica oficial: Glycine max (L.) Merr. Nome popular: Soja Família: Leguminosae Parte da planta utilizada:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA Qualificação: Técnico

Leia mais

Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller

Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller Farmacêutica pela ULBRA - 1997 Coordenadora Serviço de Farmácia do HMV 1997 - Jul/15 Coordenadora Serviço de Farmácia da Hospitalar Home

Leia mais

Pidomag (pidolato de magnésio)

Pidomag (pidolato de magnésio) Pidomag (pidolato de magnésio) Laboratórios Baldacci Ltda. Flaconetes PIDOMAG pidolato de magnésio APRESENTAÇÕES Solução Oral de 150mg/mL cartucho com 12 flaconetes de 10 ml. VIA ORAL - USO ADULTO E PEDIÁTRICO.

Leia mais

MEMORIOL B (glutamina 200 mg, glutamato de cálcio 250 mg, fosfato de ditetraetilamônio 6 mg, cloridrato de piridoxina 20 mg)

MEMORIOL B (glutamina 200 mg, glutamato de cálcio 250 mg, fosfato de ditetraetilamônio 6 mg, cloridrato de piridoxina 20 mg) MEMORIOL B 6 200 (glutamina 200 mg, glutamato de cálcio 250 mg, fosfato de ditetraetilamônio 6 mg, cloridrato de piridoxina 20 mg) Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimido revestido MEMORIOL B 6 200 glutamina

Leia mais

APRESENTAÇÃO - LUFTAL

APRESENTAÇÃO - LUFTAL LUFTAL BULA PARA O PACIENTE LUFTAL comprimidos e gotas LUFTAL simeticona ATENÇÃO: O NOME DA SUBSTÂNCIA ATIVA DE LUFTAL FOI MODIFICADO DE DIMETICONA PARA SIMETICONA. A QUALIDADE, SEGURANÇA E EFICÁCIA DO

Leia mais

BULA PARA O PACIENTE. Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg

BULA PARA O PACIENTE. Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg BULA PARA O PACIENTE Nome do medicamento: cloridrato de loperamida Forma farmacêutica: comprimido Concentração: 2 mg BULA PARA O PACIENTE cloridrato de loperamida Medicamento genérico Lei nº 9.787, de

Leia mais

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina)

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina) ASSEPTCARE (digliconato de clorexidina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Solução spray 10mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: ASSEPTCARE digliconato de clorexidina APRESENTAÇÕES

Leia mais

5 th Brazilian Conference of In form ation Design

5 th Brazilian Conference of In form ation Design CIDI 2013 6TH CIDI 5TH InfoDesign 6TH CONGIC 6 th Inform ation Design International Conference 5 th Brazilian Conference of In form ation Design 6 th Inform ation Design Student Conference Blucher Design

Leia mais

Infográficos animados e interativos em saúde

Infográficos animados e interativos em saúde Infográficos animados e interativos em saúde Um estudo sobre a compreensão de notícias Rafael de Castro Andrade ORIENTADORA Carla Galvão Spinillo UFPR Setor de Artes, Comunicação e Design Programa de Pós

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO EM ANÁLISES CLÍNICAS PROFESSORA: CYNTHIA BARBOSA FIRMINO PLANO DE ENSINO FUNÇÃO: Proteção e Prevenção SUBFUNÇÃO: Fundamentos básicos

Leia mais

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol

Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Laboratório Janssen cilag Farmacêutica Ltda. Referência Tylenol Apresentação de Tylenol Gotas (paracetamol) Solução oral 200 mg/ml em frasco plástico com 15 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO USO ORAL COMPOSIÇÃO

Leia mais

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml

MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão. 75 mg/ml MYLICON (simeticona) Janssen-Cilag Farmacêutica Ltda. Suspensão 75 mg/ml IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Mylicon simeticona Gotas APRESENTAÇÕES Suspensão oral (75 mg/ml) em frascos gotejadores contendo 15

Leia mais

LORATADINA Hypermarcas S/A Comprimido 10mg

LORATADINA Hypermarcas S/A Comprimido 10mg LORATADINA Hypermarcas S/A Comprimido 10mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LORATADINA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Comprimido de 10mg em embalagens contendo 12 comprimidos.

Leia mais

RITMONEURAN RTM Passiflora incarnata MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

RITMONEURAN RTM Passiflora incarnata MEDICAMENTO FITOTERÁPICO RITMONEURAN RTM Passiflora incarnata MEDICAMENTO FITOTERÁPICO IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nomenclatura botânica oficial: Passiflora incarnata L. Nomenclatura popular: Passiflora, Flor da paixão, Maracujá.

Leia mais

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg

Nome do medicamento: LUFTAL MAX. Forma farmacêutica: cápsulas. Concentrações: 125 mg Nome do medicamento: LUFTAL MAX Forma farmacêutica: cápsulas Concentrações: 125 mg APRESENTAÇÕES Cápsulas gelatinosas de 125 mg em embalagem com 10 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula

Leia mais

MEMORIOL B (glutamina, glutamato de cálcio, fosfato de ditetraetilamônio, cloridrato de piridoxina) Laboratórios Baldacci Ltda.

MEMORIOL B (glutamina, glutamato de cálcio, fosfato de ditetraetilamônio, cloridrato de piridoxina) Laboratórios Baldacci Ltda. MEMORIOL B6 200 (glutamina, glutamato de cálcio, fosfato de ditetraetilamônio, cloridrato de piridoxina) Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimido revestido MEMORIOL B6 200 glutamina glutamato de cálcio fosfato

Leia mais

Simplificação Administrativa. Elaboração do Plano de Trabalho. Identificação dos Elementos. do Processo. Modelagem do. Processo.

Simplificação Administrativa. Elaboração do Plano de Trabalho. Identificação dos Elementos. do Processo. Modelagem do. Processo. CAPÍTULO 06 ÁRVORE DE SOLUÇÕES Simplificação Administrativa Planejamento da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Administrativa Elaboração do Plano de Trabalho Mapeamento do Processo Mapeamento

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010

Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Ficha de Unidade Curricular 2009/2010 Unidade Curricular Designação Introdução ao Pensamento Projectual Área Científica Design Ciclo de Estudos 1.º ciclo Carácter: Obrigatória Ano Lectivo 2008/2009 Semestre

Leia mais

AURIS SEDINA SOLUÇÃO OTOLÓGICA 18,6 MG DE FENOL E 1,3 MG DE MENTOL

AURIS SEDINA SOLUÇÃO OTOLÓGICA 18,6 MG DE FENOL E 1,3 MG DE MENTOL AURIS SEDINA SOLUÇÃO OTOLÓGICA 18,6 MG DE FENOL E 1,3 MG DE MENTOL MODELO DE BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO SOLUÇÃO OTOLÓGICA DE AURIS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014

Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Geografia Série: 2ª

Leia mais

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina)

ASSEPTCARE. (digliconato de clorexidina) ASSEPTCARE (digliconato de clorexidina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Solução Solução spray 10mg/mL I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: ASSEPTCARE digliconato de clorexidina APRESENTAÇÕES

Leia mais

Paracetamol. Prati-Donaduzzi Comprimido e Comprimido revestido 500 mg e 750 mg. Paracetamol_bula_paciente

Paracetamol. Prati-Donaduzzi Comprimido e Comprimido revestido 500 mg e 750 mg. Paracetamol_bula_paciente Paracetamol Prati-Donaduzzi Comprimido e Comprimido revestido 500 mg e 750 mg Paracetamol_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE paracetamol Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido

Leia mais

Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a)

Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a) Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a) Como parte integrante das ferramentas de gestão pedagógica disponibilizadas pelo sistema

Leia mais

EPALIV MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

EPALIV MEDICAMENTO FITOTERÁPICO EPALIV MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Peumus boldus Molina Nomenclatura popular: Boldo, Boldo do Chile Família: Monimiaceae Parte da planta utilizada: folhas FORMA FARMACÊUTICA

Leia mais

EDITAL DE MOSTRA DE PESQUISA DO X CONGRESSO DE DIREITO DA UFSC

EDITAL DE MOSTRA DE PESQUISA DO X CONGRESSO DE DIREITO DA UFSC EDITAL DE MOSTRA DE PESQUISA DO X CONGRESSO DE DIREITO DA UFSC O X Congresso de Direito da UFSC, que acontecerá nos dias 14, 15, 16 e 17 de abril de 2015, contará com a Mostra de Pesquisa na tarde do dia

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município:TUPÃ Eixo Tecnológico:: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira

Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira Maria Olinda Lopes, Carla Galvão Spinillo Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Experimental study reading of medicine package insert, for Braille System transcript,

Leia mais

FURP-NITRATO DE PRATA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Solução Oftálmica. 10 mg/ml

FURP-NITRATO DE PRATA. Fundação para o Remédio Popular FURP. Solução Oftálmica. 10 mg/ml FURP-NITRATO DE PRATA Fundação para o Remédio Popular FURP Solução Oftálmica 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE FURP-NITRATO DE PRATA 10 mg/ml Colírio nitrato de prata APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Cartucho

Leia mais

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA

ANEXO 4 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE MEDICINA E CIRURGIA PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: MEDICINA DEPARTAMENTO: DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS FISIOLÓGICAS DISCIPLINA: FARMACOLOGIA I CARGA HORÁRIA: 60 HORAS CRÉDITOS: 03 CÓDIGO: SCF00019 PROFESSOR: PRÉ-REQUISITOS: FISIOLOGIA

Leia mais

BACTRONEO. (mupirocina)

BACTRONEO. (mupirocina) BACTRONEO (mupirocina) Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A. Pomada Dermatológica 20mg/g I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: BACTRONEO mupirocina APRESENTAÇÕES Pomada dermatológica com 2% de mupirocina

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Bacrocin mupirocina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Pomada com 2% de mupirocina (20 mg/g): Embalagem com uma bisnaga de 15 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada grama de Bacrocin pomada

Leia mais

Information system for public transportation in Brazil: some considerations on users' information demand at bus stops

Information system for public transportation in Brazil: some considerations on users' information demand at bus stops Sistema de informação de transporte público coletivo no Brasil: algumas considerações sobre demanda de informação dos usuários em pontos de parada de ônibus Information system for public transportation

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA DEFINIÇÕES / RESUMO Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. 1 NORMAS VISÃO GERAL Qualidade é estar em conformidade com os requisitos dos clientes; Qualidade é antecipar e satisfazer os desejos

Leia mais

Operações com Números Naturais Multiplicação e Divisão

Operações com Números Naturais Multiplicação e Divisão Operações com Números Naturais Multiplicação e Divisão Resumo Iconográfico Duração Pré-requisitos Pré-requisitos técnicos Estratégias Avaliação LEGENDA Uma hora-aula de 45 minutos Conhecimentos adquiridos

Leia mais

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml.

APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml. SALSEP 360 cloreto de sódio APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio em embalagens contendo 1 frasco spray nasal com 15 ml ou 50 ml. USO NASAL PEDIÁTRICO (ENTRE 0 A 4 ANOS DE IDADE)

Leia mais

ANASEPTIL. (sulfato de polimixina B + sulfato de neomicina + bacitracina zíncica + óxido de zinco + peróxido de zinco)

ANASEPTIL. (sulfato de polimixina B + sulfato de neomicina + bacitracina zíncica + óxido de zinco + peróxido de zinco) ANASEPTIL (sulfato de polimixina B + sulfato de neomicina + bacitracina zíncica + óxido de zinco + peróxido de zinco) Cosmed Indústria de Cosméticos e Medicamentos S.A. Pó 5000UI + 5,0mg + 500UI + 635,3mg

Leia mais

Judicialização. Solicitação de Medicamento e Insumo indeferido pelo Estado

Judicialização. Solicitação de Medicamento e Insumo indeferido pelo Estado * Fora da lista; * Não para o CID; Judicialização Solicitação de Medicamento e Insumo indeferido pelo Estado * Outras situações similares (ex.: Dosagem maior que a especificada; Não esgotou medicamento

Leia mais

INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011

INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 INFORME TÉCNICO SOBRE A RDC Nº20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

Fluitoss. Xarope adulto 50mg/mL e Xarope pediátrico 20mg/mL

Fluitoss. Xarope adulto 50mg/mL e Xarope pediátrico 20mg/mL Fluitoss Xarope adulto 50mg/mL e Xarope pediátrico 20mg/mL MODELO DE BULA COM INFORMAÇÕES AO PACIENTE Fluitoss carbocisteína APRESENTAÇÕES Xarope adulto 50mg/mL Embalagem contendo 01 frasco com 100mL +

Leia mais

SUPIROCIN mupirocina

SUPIROCIN mupirocina SUPIROCIN mupirocina Glenmark Farmacêutica LTDA. Pomada dermatológica Bisnaga de 10g - 20,00 mg/g Bisnaga de 5 g - 20,00 mg/g Bisnaga de 15g - 20,00 mg/g Supirocin_VP00 1 SUPIROCIN mupirocina LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

UNTRAL (biotina) Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. cápsula 2,5 mg

UNTRAL (biotina) Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. cápsula 2,5 mg UNTRAL (biotina) Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A. cápsula 2,5 mg BULA PARA O PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO UNTRAL biotina APRESENTAÇÕES Cápsulas

Leia mais

Dropropizina. Prati-Donaduzzi Xarope 1,5 mg/ml e 3 mg/ml. Dropropizina_bula_paciente

Dropropizina. Prati-Donaduzzi Xarope 1,5 mg/ml e 3 mg/ml. Dropropizina_bula_paciente Dropropizina Prati-Donaduzzi 1,5 mg/ml e 3 mg/ml Dropropizina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE dropropizina Medicamento genérico Lei n 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES de 1,5 mg/ml ou 3 mg/ml em embalagem

Leia mais

Vibral dropropizina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Vibral dropropizina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Vibral dropropizina APRESENTAÇÕES VIBRAL (dropropizina) Xarope Adulto (3 mg/ml): frasco de 120 ml. VIBRAL (dropropizina) Xarope Pediátrico (1,5

Leia mais

7ºANO ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/2

7ºANO ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/2 7ºANO ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/2 1º A Terra: Estudos e Representações Descrição da paisagem Exprimir-se de forma correcta utilizando o vocabulário geográfico Observar paisagens, para identificar os principais

Leia mais

ESPINHEIRA SANTA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

ESPINHEIRA SANTA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO ESPINHEIRA SANTA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek Nomenclatura popular: Espinheira santa, cancerosa, cancorosa-de-sete-espinhos, cancrosa,

Leia mais

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo

2015-2016. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2º Ciclo Setembro 2015 Este documento pretende dar a conhecer a todos os intervenientes no processo educativo os critérios de avaliação, e respetivas percentagens, a que

Leia mais

MEMORIOL. Comprimidos revestidos

MEMORIOL. Comprimidos revestidos MEMORIOL Comprimidos revestidos MEMORIOL B6 200 glutamina glutamato de cálcio fosfato de ditetraetilamônio cloridrato de piridoxina APRESENTAÇÕES Comprimidos revestidos cartucho com 20. VIA ORAL USO ADULTO

Leia mais

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica

Terramicina com sulfato de polimixina B. cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B. Pomada Tópica Terramicina com sulfato de polimixina B cloridrato de oxitetraciclina, sulfato de polimixina B Pomada Tópica PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Terramicina com sulfato de polimixina B - pomada tópica.

Leia mais

Ornitargin (cloridrato de arginina aspartato de ornitina citrulina)

Ornitargin (cloridrato de arginina aspartato de ornitina citrulina) Ornitargin (cloridrato de arginina aspartato de ornitina citrulina) Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos Revestidos ORNITARGIN cloridrato de arginina aspartato de ornitina citrulina APRESENTAÇÕES Comprimidos

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (Carga horária:

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS SOBRENOME, Nome do Primeiro Autor (1); SOBRENOME, Nome do Segundo autor (2) (12 pts Negrito) (1) Instituição de Origem, Titulação mais elevada e-mail:primeiroautor@xxx.yyyy.br

Leia mais

ALCACHOFRA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO

ALCACHOFRA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO ALCACHOFRA NATULAB MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Cynara scolymus L. Nomenclatura popular: Alcachofra Família: Asteraceae Parte da planta utilizada: Folhas FORMA FARMACÊUTICA Cápsula

Leia mais

O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação

O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação O Farmacêutico e os medicamentos de venda livre (OTC) A automedicação [...] As pessoas, em grande número, estão conscientes quanto ao controle ou tratamento de certos tipos de doenças, sem auxílio de médico

Leia mais

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS

Prof. M.e Livaldo dos Santos. Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. M.e Livaldo dos Santos Unidade II PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Objetivos Compreender o significado de planejamento operacional. Entender o papel do planejamento operacional

Leia mais

Root cause analysis. O que é «root cause analysis»?

Root cause analysis. O que é «root cause analysis»? Metodologias de Diagnóstico e Elaboração de Relatórios FASHT Root cause analysis Profª Cesaltina Pires cpires@uevora.pt O que é «root cause analysis»? É um processo para investigar e identificar as «raízes»

Leia mais

BUSCA POR INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS NA BASE DE DADOS MICROMEDEX

BUSCA POR INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS NA BASE DE DADOS MICROMEDEX BUSCA POR INFORMAÇÕES SOBRE MEDICAMENTOS NA BASE DE DADOS MICROMEDEX I. ACESSO À BASE MICROMEDEX 1. A base de dados Micromedex pode ser acessada via Portal de Periódicos CAPES, inserindo o termo Micromedex

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UTILIZADAS EM MÉTODOS DE ANÁLISE DA TAREFA

AVALIAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UTILIZADAS EM MÉTODOS DE ANÁLISE DA TAREFA ação ergonômica, volume5, número1 AVALIAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UTILIZADAS EM MÉTODOS DE ANÁLISE DA TAREFA Stephania Padovani Universidade Federal do Paraná s_padovani2@yahoo.co.uk Kelli Cristine

Leia mais

Mupirocina. Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g. Mupirocina_bula_paciente

Mupirocina. Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g. Mupirocina_bula_paciente Mupirocina Prati-Donaduzzi Pomada dermatológica 20 mg/g Mupirocina_bula_paciente INFORMAÇÕES AO PACIENTE mupirocina Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÃO Pomada dermatológica de 20 mg/g

Leia mais

Normas para a apresentação de dissertações de mestrado e teses de doutoramento

Normas para a apresentação de dissertações de mestrado e teses de doutoramento Normas para a apresentação de dissertações de mestrado e teses de doutoramento A fim de uniformizar os critérios para a apresentação de dissertações (mestrado) e de teses (doutoramento), é estabelecida

Leia mais

CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1

CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE MONITORES CAPACITAÇÃO DIDÁTICA COMPORTAMENTAL Freqüência obrigatória de 100% SALA 10 PRÉDIO 1 CAPACITAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA -14 de agosto a 11 de setembro de 2014 Prof. José

Leia mais

Multisoro Infantil. Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Solução nasal cloreto de sódio 9 mg/ml

Multisoro Infantil. Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Solução nasal cloreto de sódio 9 mg/ml Multisoro Infantil Multilab Indústria e Comércio de Produtos Farmacêuticos Ltda Solução nasal cloreto de sódio 9 mg/ml Multisoro Infantil cloreto de sódio FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Solução Nasal

Leia mais

No XI Simpósio de Ciências Aplicadas da Fait - Encontro de Pesquisa e Extensão, que acontecerá nos dias 10,11, 12, 13 e 14 de Novembro de 2014.

No XI Simpósio de Ciências Aplicadas da Fait - Encontro de Pesquisa e Extensão, que acontecerá nos dias 10,11, 12, 13 e 14 de Novembro de 2014. Em que consiste o conhecimento humano? Somos os únicos capazes de conhecer? Como o conhecimento pode ser legitimado? O que é método? Estas são algumas das questões que pretendemos senão responder, investigar...

Leia mais

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas

URO-VAXOM. Lisado bacteriano de Escherichia coli. APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas URO-VAXOM Lisado bacteriano de Escherichia coli APRESENTAÇÕES Cápsulas de 6 mg de lisado bacteriano de Escherichia coli. Caixas com 10 e 30 cápsulas USO ORAL USO ADULTO E/OU PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO Cada

Leia mais

design > comunicação visual Profa. Julie Pires

design > comunicação visual Profa. Julie Pires design > comunicação visual Profa. Julie Pires Teorias do Design 1 [BAV105] DESIGN Design é inventar, projetar, programar, coordenar uma longa lista de fatores humanos e técnicos, traduzir o invisível

Leia mais

MATEMÁTICA - 2º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos

MATEMÁTICA - 2º ANO. Novo programa de matemática Objetivos específicos MATEMÁTICA - 2º ANO NÚMEROS E OPERAÇÕES Números naturais Noção de número natural Relações numéricas Sistema de numeração decimal Classificar e ordenar de acordo com um dado critério. Realizar contagens

Leia mais

Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA FARMACÊUTICA

Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA FARMACÊUTICA ARLIVRY Extrato seco de folhas de Hedera helix - Araliaceae - Hera MEDICAMENTO FITOTERÁPICO Nomenclatura botânica oficial: Hedera helix - Hera Família: Araliaceae Parte da planta utilizada: Folha FORMA

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 VENALOT. Takeda Pharma Ltda. Comprimido de liberação prolongada cumarina 15 mg + troxerrutina 90 mg

BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 VENALOT. Takeda Pharma Ltda. Comprimido de liberação prolongada cumarina 15 mg + troxerrutina 90 mg VENALOT Takeda Pharma Ltda. Comprimido de liberação prolongada cumarina 15 mg + troxerrutina 90 mg 1 APRESENTAÇÕES Comprimidos de liberação prolongada de 15 mg (cumarina) + 90 mg (troxerrutina). Embalagem

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

Projeto de Interface Homem- Máquina

Projeto de Interface Homem- Máquina Projeto de Interface Homem- Máquina PCS 013 Profa. Lúcia V. L. Filgueiras Profa. Selma S. S. Melnikoff Projeto de Interface- Homem- Máquina Em geral, esta atividade é realizada na fase de análise ou de

Leia mais