Design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional: estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional: estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia"

Transcrição

1 Design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional: estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia The design of visual instructions in medicine inserts from an international perspective: comparative study between Brazil and European Community Carla G. Spinillo, Karel van der Waarde bula de medicamento, instruções visuais, Brasil, Europa As instruções visuais em bulas de medicamentos tem um papel relevante na informação da tarefa de uso de fármacos a pacientes. No entanto, no Brasil e na Comunidade Européia a legislação sobre bulas e estudos na área de saúde negligenciam a representação pictórica da informação neste documento. Considerando a necessidade de pesquisa nesta temática, é apresentado um estudo comparativo da representação gráfica das instruções visuais em bulas do Brasil e Comunidade Européia. Uma amostra de 69 bulas européias e 52 brasileiras foi analisada. Os resultados mostraram deficiências semelhantes na relação figura-fundo e textoimagem, e na representação de ação e de advertências. Como conclusão, ambas localidades apresentam pouca qualidade gráfica nas bulas e a produção de informação para pacientes pela indústria farmacêutica, e governos brasileiros e europeus não considera o expertise profissional e a produção científica em design da informação. Por fim, propõe-se recomendações para o design de instruções visuais em bulas de medicamentos numa perspectiva internacional. Medicine insert, visual instructions, Brazil, Europe Visual instructions in medicine inserts have a relevant role in informing patients on the task of using medicines. However, in Brazil and European Community the legislations on medicine inserts overlook the pictorial representation of information in this users document. By considering the need of research on this topic, a comparative study on the graphic presentation of visual instructions between Brazil and European Community is presented. A sample of 69 European and 52 Brazilian inserts was analyzed. The results showed similar drawbacks in figure-ground and in text-image relations, and in the representation of action and warnings. As a conclusion, both locations present poor graphic quality of their medicine inserts, and the production of information to patients by the pharmaceutical industry, and by the Brazilian and European governments does not consider the professional expertise and the scientific production in information design. Finally, recommendations are proposed to the design of visual instructions in medicine inserts from an international perspective. 1 Introdução A indústria farmacêutica é responsável pela oferta em massa de medicamentos e pelo fornecimento de informação adequada sobre seu uso/manipulação, ocupando lugar de destaque na economia mundial e nacional. Deficiências na informação nas bulas de medicamentos podem levar mal uso de fármacos, colocando em risco o tratamento de pacientes (WAARDE, 1999, 2004, 2006; DICKINSON ET AL., 2001; BURAPADAJA ET AL., 2004; SLESS, 2004). Pesquisas na área de design da informação em saúde têm observado a eficácia de bulas e embalagens de medicamentos, enfocando principalmente os aspectos tipográficos de legibilidade, enquanto outras pesquisas sobre bulas verificam aspectos lingüísticos do texto e compreensão do mesmo por pacientes (BROWN ET. AL., 2004; FUCHS, 2010). Os estudos de caráter experimental, por sua vez, enfocam geralmente fatores de leiturabilidade das bulas relacionados à busca de informação, entendimento de termos, tempo e performance de leitura (RAYNOR, 2003; HARWOOD & HARRISON, 2004; GAL & PRIGAT, 2005; MAAT & LENTZ, 2009; ANDRIESEN, 2006; PAYNE, 2002). Entretanto, verificou-se a demanda por estudos sobre a instruções visuais sobre o uso de fármacos, ou seja, as seqüências pictóricas de procedimentos (SPPs) constantes nas bulas, visto que deficiências nestas representações visuais afetam negativamente a relação paciente-tarefa-medicamento (SPINILLO et al, 2008 a/b).

2 No que tange a eficácia comunicacional de SPPs, a literatura aponta que o uso de imagens auxilia a pronta visualização da informação instrucional (i.e. tarefa a ser realizada), na construção de planos de ação em uma tarefa, como também contribuem para a compreensão da mensagem textual, atuando como reforço ou complemento do texto (GANIER, 2001, 2004, COSIO, 2005). Cabe ressaltar que certos tipos de informação são mais bem representados por imagens (e.g. conceitos concretos, tamanho relativo e conexão entre partes), enquanto outros por textos (e.g. conceitos abstratos, representações temporais e situações condicionais), estabelecendo portanto competências comunicacionais distintas a estes modos de representação. A literatura, quer em design da informação, ergonomia informacional, psicologia cognitiva ou tecnologia instrucional, recomenda ainda o emprego associado de texto e imagens para otimização da aquisição de informação pelos leitores/usuários (e.g. WRIGHT, 2003; WOGALTER, 2006). Assim, o uso de SPPs em bulas de medicamentos pode ser tido como um fator promotor de entendimento da mensagem instrucional sobre o uso de fármacos por pacientes visto que associa imagem e texto na representação da tarefa (e.g., SPINILLO, PADOVANI & LANZONI, 2008; SPINILLO, PADOVANI & MIRANDA, 2008). Considerando a relevância de estudos sobre a representação pictórica de uso de medicamentos para a área de saúde, observa-se a demanda por estudos em dimensão internacional, visto que este tema foi recentemente explorado no Brasil (e.g. SPINILLO, PADOVANI & MIRANDA, 2008). Neste sentido, este artigo apresenta um estudo comparativo entre Brasil e Comunidade Européia sobre o design da informação em bulas de medicamentos, com enfoque em SPPs. A Europa foi escolhida como área geográfica para condução da pesquisa por: (a) congregar vários países e grande contingente de imigrantes oriundos das Américas Norte, Central e Sul, Ásia e África, permitindo diversidade quanto ao público-alvo da sua indústria farmacêutica; e (b) possuir legislação específica sobre a produção de bulas de medicamentos. Antes de apresentar este estudo, faz-se necessário considerar brevemente alguns aspectos econômicos e sociais sobre medicamentos e as bulas no Brasil e na Europa, conforme a seguir. A bula e os medicamentos numa perspectiva internacional A bula de medicamentos é considerada por pacientes o mais importante fonte de informação aliada à prescrição médica (DICKINSON ET AL., 2001; BURAPADAJA ET AL., 2004). Em relação a medicamentos de balcão, i.e., vendidos sem prescrição médica, a bula é a única fonte de informação escrita disponível ao paciente, comunicando os aspectos do fármaco, suas instruções de uso, os efeitos indesejáveis, e o seu descarte. A bula é portanto, um documento para os usuários/pacientes. No que tange os medicamentos vendidos apenas com prescrição médica, no Brasil estes estão controlados pelo Ministério da Saúde e categorizados de acordo com seu grau de periculosidade, através de um sistema cromático de rótulos/tarjas nas embalagens (vermelha e preta) e de cor de papel da prescrição (branco e azul). Para os medicamentos com tarja vermelha, a prescrição médica é no papel branco e fica retida pelo farmacêutico no ato da compra pelo paciente. Já os medicamentos com tarja preta, a prescrição é no papel azul, e além de ficar retida pelo farmacêutico, é coletada pelas agências de saúde do governo. Existem ainda os medicamentos controlados que são distribuídos pelo governo através das unidades de saúde para pacientes em tratamento de doenças graves como portadores de HIV/ AIDS e turbeculose. Nos países membros da Comunidade Européia, a venda de medicamentos é controlada pelo Comissão Européia de Saúde, órgão vinculado ao Parlamento Europeu e se dá apenas através de prescrição médica na dosagem exata prescrita ao paciente, exceto para os medicamentos de balcão. Não há sistema cromático para embalagens, visto que o farmacêutico prepara a dosagem para o paciente (e.g. número de pílulas, peso do creme) e a dispensa em uma embalagem padrão com rótulo personalizado. Neste é identificado o nome do paciente, do médico, do fármaco e a dosagem prescrita. Quanto à bula de medicamentos, no Brasil esta é produzida pela indústria farmacêutica e regulamentada pela ANVISA- Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A regulamentação brasileira dispões prioritariamente sobre o conteúdo da bula, e de forma superficial recomenda sobre a apresentação gráfica do texto do documento (RDC No 47/setembro 2009). As recomendações, assim como a normatização da bula, são baseadas na visão da comunidade farmacêutica/médica, sem considerar a real eficácia deste documento junto a seus usuários: os pacientes. Já na comunidade Européia, desde 2005 a indústria farmacêutica tem como obrigatoriedade o teste de leiturabilidade das suas bulas junto aos usuários, como parte do processo de licenciamento de fármacos. Nestes 2

3 testes a compreensão de termos é o principal foco, sendo também verificados o sucesso na busca por informações e o tempo de leitura (MAAT & LENTZ, 2009; ANDRIESEN, 2006; RAYNOR, KNAPP, MOODY & YOUNG, 2005). Vale salientar, entretanto, que os aspectos gráficos da bula são tratados apenas em relação a alguns fatores de legibilidade tipográfica (e.g. tamanho da fonte, entrelinha e alinhamento), negligenciando hierarquia informacional gráfica, ênfase visual, agrupamento visual referente à pertinência informacional. O uso de instruções visuais/spps em bulas de medicamentos não é mencionado na legislação européia (nem na brasileira), passando também à margem nos estudos sobre o tema no âmbito da farmacologia/medicina. De certa forma as legislações européia e brasileira se assemelham nas diretrizes e recomendações para organização da informação no documento e apresentação tipográfica do texto. Vale ressaltar que as recomendações de ambas localidades não apresentam referência científica que as suportem, levando a crer que se embasam em senso comum. Isto certamente fragiliza e pode até levar ao descrédito das diretrizes e recomendações propostas. No entanto, a legislação da Comunidade Européia para bulas de medicamentos avança em relação à brasileira no que concerne a exigência junto à indústria farmacêutica da condução de testes de leiturabilidade por instituições qualificadas para aprovação de novas bulas. Tal prática não é requerida na legislação do Brasil, o que acarreta na não verificação da eficácia das bulas no âmbito da compreensão do seu texto por pacientes. Apesar de positiva esta iniciativa européia, a exigência apenas de testes de leiturabilidade da bula é insuficiente para atestar a eficácia comunicativa deste documento. Para tal, é necessário verificar não apenas a compreensão da bula, mas seu efeito na tarefa de uso do fármaco por pacientes, como também seu contexto de uso. Assim, é preciso testes de usabilidade aliados aos de leiturabilidade da bula, para de fato ter-se um design da informação centrado no usuário-paciente. Quanto ao aspecto legal, a usabilidade da bula enquanto documento para pacientes/usuários de medicamentos é negligenciada pela regulamentação européia e pelas pesquisas disponíveis no tema no âmbito da saúde, até onde pode se constatar. Isto demonstra que a vasta literatura sobre a importância de instruções visuais e da usabilidade de documentos para a comunicação de mensagens em design da informação é ignorada no que tange as bulas de medicamentos na Comunidade Européia. Vale ressaltar que, resultados de pesquisas sobre bulas de medicamentos européias indicam a necessidade de se avançar nas exigências de testagem deste documento na busca de sua eficácia junto a usuários-pacientes. Raynor, Knapp, Moody e Young (2005) em estudo sobre as bulas e o impacto da regulamentação européia no uso de fármacos, constataram que um número significante de pacientes não notam ou mesmo lêem a bula. Os autores ainda afirmaram que o conteúdo e o design da bula não atendem às necessidades dos pacientes. Em outro estudo, Fuchs, Hippius, Schaefer (2005) constataram que 102 de 197 pacientes consideraram a bula difícil de entender. Com base nestes estudos é possível inferir que a qualidade gráfico-informacional da bula européia poderá levar ao uso indesejado de fármacos, afetando o sucesso do tratamento de pacientes. Dados como estes parecem refletir o grau de preocupação e até comprometimento da indústria farmacêutica com a eficácia da informação ofertada a usuários de medicamentos, através de investimentos em pesquisas nesta área. Em um estudo realizado por Gagnon e Lexchin (2008) sobre gastos na indústria farmacêutica referente às 10 maiores companhias globais, os dados mostraram que os investimentos em ações promocionais predominou sobre os investimentos em pesquisa. De acordo com os autores, entre 1996 a 2005 foram gastos por estas companhias um total de 739 bilhões de dólares em marketing e administração, enquanto que em pesquisa e desenvolvimento (P&D) foram investidos menos da metade deste montante (total de 288 bilhões). A ausência de investimentos em pesquisa sobre informação a consumidores de medicamentos está em contraste com o montante de verbas alocadas na descoberta, desenvolvimento e testagem de drogas em si. De forma paradoxal, tem-se que o grande montante gastos nestas etapas de produção de drogas poderá ser amplamente desperdiçado se os pacientes não usarem os medicamentos como o desejado devido à inadequação da informação nas bulas. Assim, é necessário dar assistência a pacientes no uso de medicamentos, e neste sentido, a bula tem um papel fundamental. Considerando estes aspectos, existe também uma demanda por pesquisas na representação pictórica de uso de fármacos em bulas de medicamentos, justificando assim, o presente estudo, conforme apresentado a seguir. 3

4 2 Estudo sobre instruções visuais em bulas de medicamentos O estudo comparativo entre instruções visuais em bulas de medicamentos no Brasil e Comunidade Européia teve como objetivo principal otimizar o design da informação em SPPs em bulas de medicamentos considerando o escopo internacional do tema. Para isto foi realizado um estudo analítico da apresentação gráfica de SPPs em bulas de medicamentos disponíveis no Brasil e Europa descrita a partir do modelo de Spinillo (2000). Este considera as variáveis gráficas: (a) apresentação do texto; (b) disposição da sequência; (c) orientadores de leitura; (d) estilo da ilustração; (e) elementos enfáticos; (f) elementos simbólicos, (g) representação da figura e (h) elementos de separação visual. A amostra brasileira constou de 52 bulas e a européia de 69 bulas referentes a fármacos ministrados de forma distintas (via oral, nasal, tópico, injetável). A partir deste estudo e com base na literatura foram propostas diretrizes e recomendações para design de SPPs em bulas numa perspectiva internacional. Foi também realizado um estudo de campo através das entrevistas com responsáveis pela Regulamentação da informação em bulas de medicamentos na Comunidade Européia pela tradução de bulas em diversas línguas dos países membros da Comunidade Européia e pelos testes de leiturabilidade e capacitação de pessoal para produção de bulas. Resultados gerais Em geral, as respostas dos entrevistados no estudo de campo demonstram que estes são sensíveis à necessidade de verificar não apenas a leitura da bula, mas também sua usabilidade como documento instrucional e informativo a pacientes. No entanto, mostraram uma visão reducionista sobre os aspectos gráficos da bula, restrita à legibilidade tipográfica de parágrafos do texto. Expressaram ainda desconhecimento do papel do design gráfico e da informação no desenvolvimento de bulas de medicamentos, creditando a produção deste documento à lingüistas e farmacêuticos. Quanto ao emprego de SPPs, houve unanimidade que estas possivelmente facilitariam o uso de medicamentos, principalmente aqueles adquiridos sem prescrição médica. Todavia, não souberam explicar porque a legislação européia era omissa nesta questão, visto a presença de instruções visuais em muitas bulas de medicamentos. Quanto ao estudo analítico das SPPs, observou-se que em geral as SPPs da amostra européia apresentaram comunalidades quanto ao estilo e disposição das ilustrações, uso de orientadores de leitura, e apresentação do texto. A maioria das instruções visuais é representada em forma de desenho, com ilustrações dispostas horizontalmente em mais de uma linha, ordenadas por números e com legendas. Em bulas com conteúdo traduzido em mais de uma língua, o texto referente às ilustrações poderia vir como legendas traduzidas ou as traduções virem separadas da imagem, em colunas a parte. Algumas bulas chegaram a apresentar até sete traduções. Quanto às deficiências gráficas, estas foram identificadas principalmente nas ilustrações quanto: (a) a relação figura-fundo devido à falta de contraste, (b) a hierarquia gráfica pictórica devido a não variação na espessura de linha, (c) a representação de ação devido à omissão de códigos gráficos como setas, (d) a ênfase visual devido à falta de destaque nos detalhes relevantes a tarefa de uso de medicamento (e.g., abertura de tampa). Já as bulas brasileiras apresentaram texto como legendas; seqüência vertical; números como orientação de leitura; bordas e espaços para separação visual; setas como elementos simbólicos; desenhos como estilo de ilustração; e representação parcial do agente e completa do medicamento. Comparando-se os resultados entre as bulas européias e as brasileiras pode-se constatar muitas semelhanças nas deficiências e poucos avanços no que concerne o design da informação, particularmente nas instruções visuais. Quanto à apresentação gráfica geral das bulas, os resultados tanto da amostra brasileira quanto da européia mostraram deficiências, particularmente quanto: (a) hierarquia da informação, (b) à ênfase em títulos e advertências, (c) ao agrupamento de informações, (d) à pertinência tipográfica entre títulos e parágrafos, (e) à apresentação de listas e tabelas, além de problemas no âmbito da (f) legibilidade tipográfica (e.g. tamanho da fonte, entrelinha, transparência do papel). Com relação à análise das SPPs, as bulas européias e brasileiras ambas apresentaram diversas deficiências comuns destacando-se: (a) inconsistência entre textos e suas ilustrações na apresentação de legendas; (b) falta de contraste visual nas ilustrações tanto na relação figura-fundo quanto na espessura de linha em desenhos; (c) problemas na utilização de convenções gráficas para ação (e.g. setas sem contraste com a imagem) e para advertências proibitivas (e.g. ausência de 4

5 códigos de negação); (d) irregularidade no alinhamento das ilustrações. Quanto a diferenças na representação pictórica da informação nas bulas, a amostra brasileira apresentou uso de retórica visual (e.g. metonímias como relógios, calendários) na representação de conceitos abstratos referentes a tempo, como por exemplo, contagem de segundos entre aplicações de inalador oral representada por balões de pensamento (metáfora visual). Já a amostra européia apresentou SPPs com representação gráfica de dosagem de fármacos, particularmente naqueles de suspensão oral, como antibióticos. O quadro a seguir apresenta algumas deficiências gráficas encontradas na análise das amostras brasileira e européia. Quadro 1: Deficiências gráficas encontradas na análise das amostras brasileira e européia Amostra brasileira Amostra européia Contraste na relação figura-fundo Ausência Ausência Hierarquia gráfica na imagem Espessura da linha Espessura da linha Representação de ação e Ausência Ausência movimento nos passos Confuso Ênfase visual em detalhes Ausência Ausência relevantes Relação ilustração-texto Confusa (legenda) Confusa (legenda) Separada (lincagem visual) Muitas legendas (tradução) Representação de advertências Ausência de marcas semânticas (proibição) Ausência de marcas semânticas (proibição) Alinhamento de imagens Inconsistente Inconsistente Imagens parciais (incompletas) Extrema - 5. Conclusões e recomendações Com base na comparação dos resultados, constatou-se que as bulas de medicamentos produzidas no Brasil e Comunidade Européia apresentam deficiências na representação gráfica da informação para pacientes, que possivelmente impactariam negativamente no uso de fármacos. Tais problemas do ponto de vista do design da informação são de natureza primária, inadmissíveis tanto no âmbito da prática profissional quanto da pesquisa na área. Isto indica que as bulas de medicamentos na Europa e no Brasil estão sendo produzidas sem a devida competência em design da informação necessária à qualidade gráfico-informacional deste documento para pacientes-usuários. Tais resultados vêm ainda a levar a conclusão de que o expertise profissional juntamente com a produção científica na área de design da informação estão sendo ignorados pela indústria farmacêutica e pelos governos brasileiros e europeus no que concerne a produção de informação para pacientes-usuários de medicamentos. A partir dos resultados foram geradas recomendações no âmbito internacional para otimização gráfica de bulas de medicamentos, que são apresentadas a seguir. Orientadores de leitura e alinhamento de imagens (disposição da sequência) Orientadores de leitura como números ou letras devem ser empregados para ordenar as imagens melhorando o fluxo de leitura da sequência visual; Imagens devem ser alinhadas horizontalmente ou verticalmente de forma consistente para evitar ambiguidade na direção de leitura da sequência; Espaço e/ou bordas devem ser empregados consistentemente em toda a sequência para separar as imagens; Se as imagens estão alinhadas horizontalmente o espaço entre as linhas (espaço horizontal) deve ser maior que entre as colunas (espaço vertical), e o oposto para imagens alinhadas verticalmente; Deve-se evitar interromper a sequência de imagens em páginas diferentes, pois isto poderá implicar em confusão na leitura da instrução visual. 5

6 Representando medicamentos e pessoas Se o medicamento requer manipulação/preparação, as imagens dos componentes da embalagem (e.g., frasco, tampa, aplicador) devem ser fornecidas antes da instrução visual (imagens introdutórias e inventariais). Isto auxilia na identificação dos elementos necessários para uso de medicamentos, especialmente por pacientes não familiarizados com o produto ou tarefa de uso; Quando possível, a representação em perfil deve ser usada para mostrar as pessoas que estão manipulando/usando o medicamento, a fim de facilitar a percepção da mensagem pictórica; Representações muito próximas (close-ups) devem ser evitadas, pois dificultam a percepção de contexto e dos elementos representados. Ênfase em imagens Quando necessário, recursos de ênfase devem ser empregados para destacar partes da imagem que são relevantes para informar pacientes sobre como usar o medicamento (e.g., cor). A relação figura-fundo deve ser visualmente destacada usando, por exemplo, áreas em cinza no fundo ou linhas mais grossas na figura para destacar do fundo. Estilo da ilustração Estilo da ilustração deve promover a fidelidade na representação, mas sem detalhes desnecessários. Assim, desenho a traço ou fotografias com o fundo removido devem ser preferidas, pois facilitam a identificação do referente. Imagens esquemáticas, estilizadas ou sombras/silhuetas devem ser evitadas, pois representam o medicamento e pessoas de forma muito simplificada. Apresentação do texto-imagem Textos devem ser usados como legendas das imagens, pois o uso combinado destes facilita o processamento da informação; Se os textos estão separado das suas imagens (não recomendado), números ou letras devem ser usados para visualmente associar estes elementos; Representação de ações Setas devem ser empregadas para representar as ações de tomar o medicamento, de forma clara e consistente. Assim, setas não devem ser usadas para ênfase ou para chamar atenção do paciente na mesma instrução visual, pois isto poderá confundir ou afetar a interpretação da mensagem; Uso de códigos visuais de história em quadrinhos (e.g., balões de pensamento) devem ser evitados, pois podem não ser familiar a pacientes; A representação de mãos também pode ser usada para mostrar ações de como manipular/tomar o medicamento. Se forem usadas, as mãos devem ser representadas de forma completa, pois a sua representação parcial pode comprometer o reconhecimento da mesma pelo paciente. Representação de advertência por imagens Imagens representando advertências devem ser visualmente destacadas das que representam a tarefa de uso do medicamento, como por exemplo, através de áreas sombreadas ou boxes. Uma barra diagonal ou Xis devem ser usados sobre a imagem para representar advertências proibitivas. Todavia, eles nao devem obstruir a imagem, impedindo a visualização da mesma. 6

7 Vale salientar que as recomendações propostas em pouco se diferenciam das apresentadas para as SPPs do Brasil em estudos anteriores (SPINILLO, 2009), visto que as deficiências encontradas nas SPPs européias, assim como os padrões de representação gráficas, são similares. A comunalidade nas alternativas para melhoria da representação pictórica de uso de medicamentos é positiva no sentido que permitem a internacionalização de, possibilitando economia no processo de design. No entanto, as semelhanças nas deficiências também significam a internacionalização da precariedade na representação gráfica de SPPs em bulas de medicamentos. Por fim, espera-se com este estudo contribuir para desenvolvimento de pesquisas empíricas onde os aspectos aqui discutidos possam ser verificados junto aos pacientes-usuários de medicamentos. Espera-se também contribuir para a reflexão sobre o design da informação em instruções visuais em bulas de medicamentos, e sobre a necessidade de maior número de investigações nesta área, para produção de dados que possam vir a sensibilizar os governos e a indústria farmacêutica no Brasil e na Europa para a importância do design centrado no usuário-paciente como o caminho mais lúcido para alcançar eficácia de bula de medicamento enquanto documento instrucional. Referências ANDRIESEN, S. Readability Testing of PILs A New Must. EPC. Autum 2006 pag Samedan Ltd Pharmaceutical Publishers. BROWN, H.; RAMCHANDANI, M.; GILLOW, T.J.; & TSALOUMAS, M. D. Are patient information leaflets contributing to informed consent for cataract surgery? Journal of Med Ethics;30: , BURAPADAJA, S.; TANTIPATHANANANDH, P.; & SIRITHUNYALUG, B. Consumer s Opinions on Reading a Medicine Leaflet. CMU. Journal, vol. 3(2), p COSIO, M. G. Information Design for medicines in Mexico. Palestra proferida no 2 Congresso Internacional de Design da Informação. São Paulo: Senac/Sociedade Brasileira de Design da Informação, DICKINSON, D.; RAYNOR, D. K.; & DUMAN, M. Patient information leaflets for medicines: using consumer testing to determine the most effective design. Patient Education and Counseling, 43, p FUCHS, J. The Way Forward in Package Insert User Tests From a CRO s Perspective. Drug Information Journal, Vol. 44, pp , 2010 FUCHS, J; HIPPIUS, M; & SCHAEFER, M. A survey of package inserts use by patients. Policy & Practice: Package inserts pp Disponível em Acessado em 07/05/2011 GAL, I. & PRIGAT, A. Why organizations continue to create patient information leaflets with readability and usability problems: an exploratory study. health education research Vol.20 no Theory & Practice. pp GANIER, F., Processing text and pictures in procedural instructions. Information Design Journal, No 10, Vol. 2, p GANIER, F. Les apports de la psychologie cognitive a la conception d'instructions procedurals. InfoDesign- Revista Brasileira de Design da Informação, Numero 1- vol 1. pp GAGNON, M-A. & LEXCHIN, J. The cost of pushing Pills: A new estimate of pharmaceutical promotion expendidures in the United States. PLOS Medicine. January 2008, Vol. 5. Issue 1.pp Disponível in Acessado em 10 de maio de HARWOOD, A.; & HARRISON J. E.. How readable are orthodontic patient information leaflets? Journal of Orthodontics, Vol. 31, 2004: MAAT H. P.;& LENTZ L. Improving the usability of patient information leaflets. Patient Education Couns

8 PAYNE, S. A.. Balancing information needs: dilemmas in producing patient information leaflets. Health Informatics Journal, (8) , RAYNOR, T. Consumer Medicines Information: An International Perspective. Thechronic Issue 7 Summer: pp RAYNOR, D. K; KNAPP, P; MOODY, A. & YOUNG, R Patient Information Leaflet: Impact of European regulation on safe and effective use of medicines. The Pahrmaceutical Journal. V pp SLESS, D. Labeling code of practice: designing usable non-prescription medicine labels for consumers Disponível em: <http://www.communication.org.au/cria_publications>. Acesso em: 31/03/2011. SPINILLO, C. An analytical approach to procedural pictorial sequences. Tese de Doutorado (PhD). Department of Typography & Graphic Communication, The University of Reading, SPINILLO, C. G. ; PADOVANI, S.; & LANZONI, C. Eficácia da bula de medicamentos na tarefa de uso de fármacos: um estudo sobre a aplicação da insulina injetável sob a perspectiva da ergonomia informacional. In: XV Congresso Brasileiro de Ergonomia, 2008, Porto Seguro. Anais do XV Congresso Brasileiro de Ergonomia, 2008,. Recife : ABERGO, v. 1. SPINILLO, C. G. ; PADOVANI, S. ; & MIRANDA, F.. Graphic and information aspects affecting the effectiveness of visual instructions in medicine inserts in Brazil. In: AHFEI- Applied Human Factors and Ergonomics Conference, 2008, Proceedings of the AHFE International Conference Louisville, : KY : USA Publishing, v. 1 WAARDE, K. The graphic presentation of patient package inserts. In H. J. G. Zwaga, T. Boersema & H. C. M. Hoonhout (Eds.), Visual Information for everyday use: design and research perspectives. London, Taylor & Francis. p , WAARDE, K. Visual information about medicines: providing patients with relevant information. In: Spinillo, C.G & Coutinho, S.G. (orgs.), Selected Readings of the Information Design International Conference Recife: SBDI- Sociedade Brasileira de Design da Informação, p WAARDE, K. Visual information about medicines for patients. In: Designing Effective Communications: Creating contexts for clarity and meaning. New York: Allworth Press, p WRIGHT, P. Criteria and ingredients for successful patient information. Journal of Audiovisual Media in Medicine, 26, 1, pp London, Taylor & Francis. ISSN X WOGALTER, M. (Editor), Handbook of Warnings (Human Factors and Ergonomics Series). Lawrence Erlbaum Associates, New York, USA Sobre os autores Carla G. Spinillo, Dra. UFPR: Doutora em Typography & Graphic Communication - University of Reading (2001), com pósdoutorado na Avans University, Holanda (2010) e é Bolsista Produtividade - PQ2 pelo CNPq. Atualmente é docente pesquisadora do PPGDesign da Universidade Federal do Paraná e co-editora da InfoDesign - Revista Brasileira de Design da Informação. Foi diretora da International Visual Literacy Association ( ) e presidente da Sociedade Brasileira de Design da Informação ( e ), sendo filiada a estas instituições. Karel van der Waarde, Dr. University of Avans, Holanda: Doutor em Typography & Graphic Communication - University of Reading (1993). É pesquisador do Leitorado de Retórica Visual da Avans University, Holanda e consultor na área de design da informação em medicamentos para várias companhias como Bayer Pharmaceuticals, GSK, Proctor & Gamble, Novo Nordisk, Genzyme, Millennium Pharmaceuticals, Omnicare, Janssen Pharmaceuticals, Tibotec, e como também para Ministry of Health, Brussel; RIZIV, Brussel. 8

Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual

Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual Patricia Lopes Fujita, Carla Galvão Spinillo Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual Information design on medicine

Leia mais

Tiago Costa Maia [UFPE] 1. Introdução

Tiago Costa Maia [UFPE] 1. Introdução Tiago Costa Maia [UFPE] Conteúdo ou forma? Um estudo sobre a influência da familiaridade com a linguagem pictórica e o conteúdo informacional na compreensão de seqüência pictórica de procedimento. Contents

Leia mais

Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira

Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira Maria Olinda Lopes, Carla Galvão Spinillo Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Experimental study reading of medicine package insert, for Braille System transcript,

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Uma experiência de ensino de desenho para crianças cegas a partir da desconstrução do esquema gráfico

Uma experiência de ensino de desenho para crianças cegas a partir da desconstrução do esquema gráfico Uma experiência de ensino de desenho para crianças cegas a partir da desconstrução do esquema gráfico Mari Ines Piekas 1 - UDESC Resumo: O presente artigo 2 relata uma experiência de desenho de esquemas

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br

Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Conselho Regional de Medicina rayer@usp.br RELAÇÃO DOS MÉDICOS COM A INDÚSTRIA DE MEDICAMENTOS, ÓRTESES/ PRÓTESE E EQUIPAMENTOS MÉDICO-HOSPITALARES Conhecer

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

5 th Brazilian Conference of In form ation Design

5 th Brazilian Conference of In form ation Design CIDI 2013 6TH CIDI 5TH InfoDesign 6TH CONGIC 6 th Inform ation Design International Conference 5 th Brazilian Conference of In form ation Design 6 th Inform ation Design Student Conference Catálogo de

Leia mais

Animações e vídeos como meio educacional: uma perspectiva do design da informação

Animações e vídeos como meio educacional: uma perspectiva do design da informação Animações e vídeos como meio educacional: uma perspectiva do design da informação Animations and videos as educational medium: a perspective from information design Miranda, Fabiano de; Graduado; Universidade

Leia mais

Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos

Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos Fundamentos de estatística aplicada à avaliação de processos farmacêuticos Objetivo Apresentar, discutir e capacitar os participantes nos principais métodos estatísticos utilizados na avaliação de processos

Leia mais

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP Contacto: erisson.pitta@mj.gov.br Telefono: 5561 2025 8991 Prezado(a)

Leia mais

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014 Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos Brasília, 29 de maio de 2014 Âmbito de aplicação Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Técnico que estabelece

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PRIMEIRA IGREJA EVANGÉLICA CONGREGACIONAL DE BRASÍLIA PRIMEIRA IGREJA EVANGÉLICA CONGREGACIONAL DE BRASÍLIA MANUAL DE MARCA

PRIMEIRA IGREJA EVANGÉLICA CONGREGACIONAL DE BRASÍLIA PRIMEIRA IGREJA EVANGÉLICA CONGREGACIONAL DE BRASÍLIA MANUAL DE MARCA MANUAL DE MARCA APRESENTAÇÃO Este manual apresenta e normatiza a utilização da marca da Primeira Igreja Evangélica Congregacional de Brasília. A marca é elemento essencial para a construção da identidade

Leia mais

Dar Crédito a Quem Merece:

Dar Crédito a Quem Merece: Série de Melhores Práticas da AJE Dar Crédito a Quem Merece: Melhores Práticas de Atribuição de Autoria Michaela Panter, PhD Sobre a autora A Dra. Panter é editora da AJE desde 2008. Ela se formou na Yale

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos

PESQUISA INÉDITA DO CREMESP. 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos PESQUISA INÉDITA DO CREMESP 93% dos médicos recebem brindes e benefícios das empresas farmacêuticas e de equipamentos 80% dos médicos recebem visitas de representantes da indústria de medicamentos Estudo

Leia mais

7 th CIDI 7 th Information Design International Conference. 7 th CONGIC. Student Conference

7 th CIDI 7 th Information Design International Conference. 7 th CONGIC. Student Conference 7 th CIDI 7 th Information Design International Conference 7 th CONGIC 7 th Information Design Student Conference Blucher Design Proceedings Setembro, 2015 num. 2, vol.2 proceedings.blucher.com.br Catalogação

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001

RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 RESOLUÇÃO CFP N.º 25/2001 Define teste psicológico como método de avaliação privativo do psicólogo e regulamenta sua elaboração, comercialização e uso. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso das atribuições

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 21, DE 28 DE MARÇO DE

Leia mais

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461

Genéricos - Guia Básico. Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Autor: Cesar Roberto CRF-RJ: 7461 Versão 3.00 2001 Introdução: Este guia visa a orientar o profissional farmacêutico sobre os genéricos, e como este deve proceder na hora de aviar uma receita nesta nova

Leia mais

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso

1 Edital para submissão de materiais para o Congresso DIGICONGRESS 2014 Congresso de Comunicação e Marketing Digital 1 Edital para submissão de materiais para o Congresso 1.1 Informações gerais - O DIGICONGRESS (Congresso de Comunicação e Marketing Digital)

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos

Estrutura e estética: Organização, layout, cores e tipos Design Web Estrutura e estética: Organiação, layout, cores e tipos Apresentação: Estrutura e Estética Organiação Navegação Layout Cores e Tipografia! " Representação e Apresentação Representação Utiliar

Leia mais

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um modo que justifique e reafirme o seu lugar na vanguarda.

Leia mais

MANUAL APLICAÇÃO LOGOTIPO LINTEC

MANUAL APLICAÇÃO LOGOTIPO LINTEC SUMÁRIO INTRODUÇÃO 03 APRESENTAÇÃO 04 VERSÃO INSTITUCIONAL 05 VERSÃO VERTICAL E HORIZONTAL 06 PRETO E BRANCO 07 PADRÕES CROMÁTICOS 08 MALHA CONSTRUTIVA 09 ÁREA DE PROTEÇÃO 10 REDUÇÃO MÁXIMA 11 APLICAÇÕES

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

5 th Brazilian Conference of In form ation Design

5 th Brazilian Conference of In form ation Design CIDI 2013 6TH CIDI 5TH InfoDesign 6TH CONGIC 6 th Inform ation Design International Conference 5 th Brazilian Conference of In form ation Design 6 th Inform ation Design Student Conference Blucher Design

Leia mais

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão

O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille. GD13 Educação Matemática e Inclusão O Processo de Adaptação de Tabelas e Gráficos Estatísticos Presentes em Livros Didáticos de Matemática em Braille Rodrigo Cardoso dos Santos 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo do trabalho. Por

Leia mais

ACORDO INÉDITO FIRMADO ENTRE CFM E INTERFARMA - 2012: EM DEFESA DAS BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE CLASSE MÉDICA E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

ACORDO INÉDITO FIRMADO ENTRE CFM E INTERFARMA - 2012: EM DEFESA DAS BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE CLASSE MÉDICA E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA ACORDO INÉDITO FIRMADO ENTRE CFM E INTERFARMA - 2012: EM DEFESA DAS BOAS PRÁTICAS NO RELACIONAMENTO ENTRE CLASSE MÉDICA E A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Camila Sarkovas Pedalini Advogada, Villaça Rodrigues &

Leia mais

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS

MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS GUIA Nº 01/2015 Versão 1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária GUIA PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO SUMÁRIO DE VALIDAÇÃO DE PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE MEDICAMENTOS VIGENTE A PARTIR DE 09/10/2015

Leia mais

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego.

2. Conforme exigido no Anexo II, item 1.4 do edital os produtos devem atender às Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho e emprego. Ilmo. Sr. Dr. Pregoeiro SESI/BA Pregão Eletrônico 20/2012 Objeto: Razões de Recurso IMUNOSUL DISTRIBUIDORA DE VACINAS E PRODUTOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA, já qualificada, em face do Pregão Presencial

Leia mais

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Nome do autor: principais atividades acadêmicas em no máximo 3 linhas, colocar e-mail. 1. Se estudante de direito colocar apenas: Acadêmico

Leia mais

Profª Cínthia Kulpa. Departamento de Design e Expressão Gráfica

Profª Cínthia Kulpa. Departamento de Design e Expressão Gráfica Profª Cínthia Kulpa Departamento de Design e Expressão Gráfica CONGRESSOS SEMINÁRIOS WORKSHOPS FÓRUNS Forma de Comunicação mais difundida PÔSTER OU BANNER Funções de um pôster Sintetizar Informações e

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução A logomarca Rio+20 - Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - e o material de campanha foram desenhados pela Graphic Design Unit, nas Nações

Leia mais

Como Fazer um Pôster?

Como Fazer um Pôster? Como Fazer um Pôster? O que é um Pôster? O pôster é um meio de comunicação visual. É uma fonte de informação do trabalho realizado, complementada por sua apresentação oral. A rigor, é um sumário e uma

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

Information system for public transportation in Brazil: some considerations on users' information demand at bus stops

Information system for public transportation in Brazil: some considerations on users' information demand at bus stops Sistema de informação de transporte público coletivo no Brasil: algumas considerações sobre demanda de informação dos usuários em pontos de parada de ônibus Information system for public transportation

Leia mais

Audiência Pública PLS 521 de 04/09/2007. Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto

Audiência Pública PLS 521 de 04/09/2007. Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto Brasília, 11 de junho de 2008 Lauro D. Moretto 1 1. Objeto da Audiência Pública Instruir o PLS 521 de 2007 de autoria do Senador Valdir Raupp, que altera a Lei nº 6360 de 23.09.1976, que dispõe sobre a

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Kamisaki, Margareth Sayuri Mestranda PPGDesign; FAAC/UNESP- BAURU margarethkamisaki@yahoo.com.br

Kamisaki, Margareth Sayuri Mestranda PPGDesign; FAAC/UNESP- BAURU margarethkamisaki@yahoo.com.br Bulas e Cartelas de Medicamentos: Possíveis soluções de leiturabilidade através do Design Gráfico. Leaflets and Packs of Medicines: Possible solutions readability through Graphic Design. Kamisaki, Margareth

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

EXAME NACIONAL DE CURSOS E POLÍTICA DE REGULAÇÃO ESTATAL DO ENSINO SUPERIOR ALFREDO MACEDO GOMES Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco alf1964@terra.com.br RESUMO

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sumário Apresentação 3 Logotipo - Versões Cromáticas 4 Diagrama de Construção, Área de Reserva e Redução 5 Convivência com Outras Marcas 6 Patrocínio 7 Aplicações sobre Fundos 8 Aplicações Incorretas 9

Leia mais

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado

Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado Acompanhamento de preços de produtos para a saúde é desnecessário e prejudicial ao mercado * Rodrigo Alberto Correia da Silva O mercado brasileiro de produtos para a saúde sofre por conta da publicação

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

O "Visualizing STEM Research Synergy Cluster

O Visualizing STEM Research Synergy Cluster O "Visualizing STEM Research Synergy Cluster Um aglomerado de investigação interdisciplinar, intersetorial e internacional (Intervenção em Aglomerado) Rosário Durão New Mexico Institute of Mining and Technology,

Leia mais

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1.

ccmed@sms.prefpoa.com.br COM O ENVIO DO PREENCHIMENTO DO ANEXO 1. CADASTRO DE MARCAS DE MEDICAMENTOS HUMANOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE/PMPA A PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE / PMPA, ATRAVÉS DA ÁREA DE AQUISIÇÕES E MATERIAIS DA SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 533, de 2013, do Senador Sérgio Souza, que estabelece a obrigatoriedade de as farmácias

Leia mais

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo...

1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3. 2.1. Objetivos... 3. 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5. 3.1. Objetivo... 1 ÍNDICE ANALÍTICO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. AVALIAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 3 2.1. Objetivos... 3 2.2. Escopo... 4 3. VALORAÇÃO DE TECNOLOGIAS... 5 3.1. Objetivo... 5 3.1.1. Negociação para comercialização e

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15):

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12 (25/06/15): Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em 25 de Junho de 2015 pela Portaria MTE 857 do Ministério do Trabalho

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

DIRETRIZES E MODELO DE ARTIGO PARA O COLÓQUIO DE MODA E O CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM DESIGN E MODA

DIRETRIZES E MODELO DE ARTIGO PARA O COLÓQUIO DE MODA E O CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM DESIGN E MODA 1 º Colóquio de Moda ª Edição Internacional º Congresso Brasileiro de Iniciação Científica em Design e Moda 201 DIRETRIZES E MODELO DE ARTIGO PARA O COLÓQUIO DE MODA E O CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE

METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA NOS USUÁRIOS E NA SUA ATIVIDADE 6 Disponibilizado no endereço http://www.acaoergonomica.ergonomia.ufrj.br Ação Ergonômica vol 3 nº. 1 (2007) pp. 01-06 METODOLOGIA PARA PROJETO DE INTERFACES E EQUIPAMENTOS NUCLEARES COM ABORDAGEM CENTRADA

Leia mais

Design para comunicação: design de solução e de interação Design for communication: design for solution and interaction

Design para comunicação: design de solução e de interação Design for communication: design for solution and interaction Stephania Padovani Design para comunicação: design de solução e de interação Design for communication: design for solution and interaction FRASCARA, Jorge. Communication Design principles, methods and

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

DESIGN DE INSTRUÇÃO DO PRODUTO APLICADO AS EMPRESAS DO OESTE DE SANTA CATARINA DESIGN OF EDUCATION PRODUCT APPLIED BUSINESS WEST OF SANTA CATARINA

DESIGN DE INSTRUÇÃO DO PRODUTO APLICADO AS EMPRESAS DO OESTE DE SANTA CATARINA DESIGN OF EDUCATION PRODUCT APPLIED BUSINESS WEST OF SANTA CATARINA DESIGN DE INSTRUÇÃO DO PRODUTO APLICADO AS EMPRESAS DO OESTE DE SANTA CATARINA DESIGN OF EDUCATION PRODUCT APPLIED BUSINESS WEST OF SANTA CATARINA Pricila Todeschini manuais de instrução; design instrucional;

Leia mais

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários

o resumo é um instrumento de trabalho acadêmico muito utilizado por alunos, professores, pesquisadores, bibliotecários APRESENTAÇÃO DE RESUMOS: Norma Brasileira Registrada n 6028 Maria do Rosário Guimarães Almeida' Maria Rosivalda da Silva Pereira" RESUMO Resumo como forma de comunicação da produção científica. Abordase,

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL

UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL A proposal use of graphic interface for development manual embroidery Mendes, Isabella Filipini; UTFPR Apucarana, isa_filipini70@hotmail.com

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 Documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados

Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos com Dois Fatores Cruzados e Dados Desbalanceados TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 5, No. 1 (24), 117-124. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Hipóteses Estatísticas Testadas por Diversos Softwares em Modelos

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

LAYOUT DE PÁGINA E USABILIDADE DO JORNAL DIÁRIO

LAYOUT DE PÁGINA E USABILIDADE DO JORNAL DIÁRIO Layout de página e usabilidade 26 LAYOUT DE PÁGINA E USABILIDADE DO JORNAL DIÁRIO Marcelo José da Mota Faculdade de Comunicação Social Jornalista Roberto Marinho de Presidente Prudente Universidade do

Leia mais

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO

COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO COMPREENDENDO PROBLEMAS DE DIVISÃO DENTRO E FORA DE UM TEXTO INFORMATIVO Karoline Maciel Sobreira Síntria Labres Lautert Marina Ferreira da Silva Costa Fernanda Augusta Lima das Chagas Universidade Federal

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO 1 IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar Hugo Fortes 1 Sandra Souza 2 RESUMO Este trabalho apresenta uma reflexão sobre imagens complexas da biologia disponíveis no site www.visualcomplexity.com.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTA FLORESTA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 6.821, DE 2002 (DO SENADO FEDERAL) Altera o art. 7º da Lei nº 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária a que ficam

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Japan Karate Shotofederation - Brasil

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Japan Karate Shotofederation - Brasil MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Japan Karate Shotofederation - Brasil Introdução Este manual tem como objetivo padronizar o uso da marca Japan Karate Shotofederation na República Federativa do Brasil, bem

Leia mais

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31.

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. RESUMO INTERAÇÃO SER HUMANO COMPUTADOR: ASPECTOS DAS INTERFACES DE UM CURSO A DISTÂNCIA

Leia mais

ESTUDO DA ERGONOMIA INFORMACIONAL SOBRE O USO DE MAPA DE RISCOS E SINALIZAÇÕES VOLTADOS AS ROTAS DE FUGA EXISTENTES NUMA PLANTA DE PROCESSAMENTO

ESTUDO DA ERGONOMIA INFORMACIONAL SOBRE O USO DE MAPA DE RISCOS E SINALIZAÇÕES VOLTADOS AS ROTAS DE FUGA EXISTENTES NUMA PLANTA DE PROCESSAMENTO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ESTUDO DA ERGONOMIA INFORMACIONAL SOBRE O USO DE

Leia mais