Patrícia Tiemi Lopes Fujita Bacharelanda de Desenho Industrial Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Patrícia Tiemi Lopes Fujita Bacharelanda de Desenho Industrial Pontifícia Universidade Católica do Paraná"

Transcrição

1 A apresentação gráfica de bula de medicamentos: um estudo sob a perspectiva da ergonomia informacional The graphic presentation of patient package inserts: a study from the perspective of the information ergonomics Patrícia Tiemi Lopes Fujita Bacharelanda de Desenho Industrial Pontifícia Universidade Católica do Paraná Carla Galvão Spinillo Doutora (Phd), Departamento de Design Universidade Federal do Paraná Palavras-chave em português: medicamentos,bulas, apresentação gráfica Este artigo discute a composição gráfica de bulas de medicamentos, através dos resultados de um estudo analítico sobre os componentes e relações gráficas presentes nas bulas. Foram identificadas deficiências na hierarquia e apresentação informacional-gráfica na amostra. Algumas recomendações para a apresentação gráfica de textos nas bulas de medicamentos são também propostas. Key-words in English: medicines, inserts, graphic presentation This paper discusses the graphic configuration of medicine inserts, through the results of an analytical study on the components and graphic relations presented in the inserts. Deficiencies in hierarchy and in the information-graphic presentation were identified in the sample. Some recommendations on the graphic presentation of text in the medicine inserts are also proposed. 1- Introdução A bula de remédio é um documento de instrução impresso imprescindível no uso de medicamentos, pois fornece informações específicas sobre sua composição química, precauções/advertências/ cuidados (e.g. uso, acondicionamento do medicamento), formas de ministrar e até mesmo como preparar um medicamento (e.g. antibióticos em suspensão). A apresentação gráfica do conteúdo informacional nas bulas de remédios influencia sua leitura e compreensão, e portanto o uso dos medicamentos. Deficiências tanto ao nível de conteúdo quanto na apresentação gráfica das informações em bulas podem levar ao mau uso de medicamentos, comprometendo o bem-estar e até acarretando sérias conseqüências na saúde do indivíduo. A preocupação com a qualidade e tipo de conteúdo informacional veiculado em bulas de medicamentos faz com que governos implementem regulamentação sobre este tema junto aos fabricantes de produtos farmacêuticos. No Brasil, a informação em medicamentos [bulas e embalagem] é regulamentada pela ANVISA -Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, órgão do Ministério da Saúde. De acordo com a Portaria n.110 (1997), expedida pela ANVISA, as bulas de remédios devem conter obrigatoriamente as seguintes identificações gerais: (a) Identificação do Produto; (b) Informações ao Paciente; (c) Informação Técnica e (d) Dizeres Legais (e.g. n de registro da ANVISA/MS; farmacêutico responsável, etc) No entanto, a legislação é omissa no que se refere à apresentação gráfica das informações obrigatórias. Aspectos como legibilidade, clareza nas instruções visuais (quando empregadas), layout do documento são desconsiderados, apesar da relevância destes aspectos na leitura e compreensão da mensagem. Problemas na composição gráfica de um documento, como a bula de medicamentos, podem interferir no status hierárquico da apresentação dos elementos informacionais, caso estes possuam grau de semelhante na disposição tipográfica. Por exemplo,

2 títulos e subtítulos apresentados com mesmo tamanho, peso e caixa da fonte (e.g. Times 8 bold em caixa alta, i.e TÍTULO E SUBTÍTULO), não distinguindo a relação de hierarquia entre estes. Outros aspectos na composição textual também influenciam a eficácia comunicacional de um documento, como o tamanho da fonte, o espaçamento entre parágrafos, a entrelinha do corpo do texto (e.g. Schriver, 1999). No caso de bulas de medicamentos, além destes aspectos encontra-se também a apresentação de diferentes tipos de informação, como advertências e tabelas, fazendo das bulas um documento de considerável complexidade informacional e gráfica. Apesar da importância dos aspectos gráficos na eficácia comuncacional de bulas de medicamentos, pouco se tem investigado sobre este tema no Brasil, particularmente sob a ótica da ergonomia informacional, apesar de que problemas de ordem gráfica-informacional podem dificultar a leitura e compreensão das bulas de medicamentos. Considerando a relevância e a necessidade de investigação neste tema, é apresentado aqui um estudo analítico sobre a composição gráfica da bula de medicamentos, identificando seus componentes e relações, com vistas a propor algumas recomendações para a apresentação gráfica das bulas de medicamentos. 2- Alguns pressupostos teóricos As instruções fazem parte de nossa vida cotidiana. A satisfatória realização de uma tarefa instrucional depende da completude das informações fornecidas e da qualidade da apresentação gráfica destas, caso contrário sérias conseqüências podem ocorrer ao usuário (e.g. Wright, 1999; Spinillo, 2002). Portanto, para fazer o uso correto de um medicamento, é preciso compreender as instruções e informações apresentadas nas bulas, devendo a informação ser produzida para que possa ser utilizada e compreendida por diversos tipos de audiência (Gregory, 2004). Fujita (2004) afirma que a utilização dos recursos gráficos em textos instrucionais de bulas de medicamentos pode melhorar a qualidade e legibilidade do documento. Pesquisas também têm demonstrado que a aplicação dos métodos de design e de ergonomia pode resultar em melhoria substancial e mensurável na usabilidade de material instrucional, particularmente de bulas de medicamentos (Roger set al 1995, Penman et al 1996, Mackenzie-Taylor et al 1997 apud Sless, 2004). Van der Waarde (1999, 2003) considera que a apresentação gráfica/visual da informação é um dos fatores que influencia na eficácia do uso de bulas de medicamentos. Afirma ainda que a bula é parte integral no uso do medicamento, contribuindo positivamente na comunicação entre fornecedores de remédios e pacientes. No intuito de discutir a concordância e a adequação da apresentação gráfica em bulas de remédio, Van der Waarde (1999), estruturou um modelo para análise da apresentação gráfica deste tipo de documento. Segundo o autor, a concordância gráfica refere-se à relação entre o conteúdo da informação e sua apresentação visual, enquanto que a adequação da apresentação gráfica refere-se a o quanto a representação visual é apropriada em bulas de remédio. O modelo de Van der Waarde (1999), compreende três níveis de análise. O nível 1: componentes - refere-se à verificação da existência dos seguintes componentes gráficos da bula de medicamento, enquanto documento instrucional/informativo: Componentes Verbais: são todos os elementos que podem ser pronunciados; Componentes Pictóricos: são todas as marcas que podem ser interpretadas como figura; Componentes Esquemáticos: são combinados com outros tipos de componentes gráficos (verbal e pictórico), que geralmente são: marcadores, cores de fundo, linhas de sublinhamento, etc. Componentes Composto: são uma composição de elementos gráficos que não podem ser muito separados, mas podem ser constituídos de qualquer combinação de componente verbal pictórico ou esquemático, por exemplo: gráficos, tabelas e diagramas. O nível 2: relações- analisa as relações entre os componentes gráficos constatados, as quais são: Relação de Proximidade: refere-se à distância entre os componentes gráficos que são posicionados próximos um do outro, sugerem ter uma forte relação entre os elementos de informação; Relação de Similaridade: é uma indicação de parentesco funcional, componentes que parecem similares possuem um status hierárquico similar. Componentes gráficos que aparentam ser diferentes apresentam elementos de informação com um diferente status;

3 Proeminência: as diferenças entre os componentes gráficos são uma indicação da importância no status hierárquico entre os elementos de informação, quanto maior o contraste entre componentes gráficos, maior a diferença no status da informação; Relação de Seqüencialidade: a seqüência dos componentes gráficos indica a sucessão dos elementos de informação. E o nível 3 examina a apresentação gráfica global da bula, com relação à: Consistência: o consistente uso de componentes gráficos e relações entre componentes de todo o encarte pode tornar a estrutura da informação mais fácil de ser compreendida. Características físicas: seriam as características materiais do documento, no caso: qualidade de impressão e transparência do papel); e Estética: relacionada à apresentação gráfica geral em aspectos estéticos. 3- Metodologia O estudo da apresentação gráfica/visual da bula de remédio como documento informacional é uma pesquisa descritiva que consistiu de uma análise qualitativa de 20 bulas de remédio, a qual realizouse através da aplicação de um modelo para análise da apresentação gráfica nas bulas de remédio, de acordo com a Figura 1, estruturado por Van der Waarde (1999). Figura 1: Modelo de análise de Van der Waarde (1999) A amostra analisada (aleatória simples) constou de 20 bulas de remédio selecionadas de diversos laboratórios, as quais possuíam o conteúdo técnico obrigatório conforme Portaria n.10 (Brasil, 1997). Cada uma das bulas foi analisada de acordo com o modelo apresentado de Van der Waarde (1999), conforme Figura 1, onde primeiramente procurou-se constatar quais os tipos de componentes gráficos que constituíam cada bula (verbal, pictórico, esquemático e composto). Partindo da constatação dos componentes gráficos, examinaram-se as seguintes relações: proximidade, similaridade, proeminência e seqüencialidade e, por fim, analisouse as características gerais de apresentação gráfica da bula, com relação à consistência, aparência física (qualidade de impressão e transparência do papel) e estética. Após a análise individual das bulas, os resultados foram estruturados em uma tabela para fins de discussão dos resultados. Os valores utilizados para classificar as relações entre os componentes gráficos e análise das características gerais, foram: 1 - ruim, 2 - regular, 3 - bom. 4- Resultados e discussão A partir, da Tabela 1, estruturaram-se os resultados da análise das 20 bulas de remédio de acordo com o modelo de Van der Waarde (1999).

4 Tabela 1: Análise gráfica das bulas (Legenda: 1 - ruim, 2 - regular, 3 - bom.) Com relação aos componentes gráficos, constatou-se que todas as bulas possuem elementos verbais. Entretanto, a forma de representação gráfica destes componentes dificulta na legibilidade da informação, tais como o uso excessivo de negrito e textos em caixa alta, conforme representado nas Figuras 2 e 3. Constatou-se baixo índice de componentes pictóricos (N= 6 bulas) e grande incidência dos componentes esquemáticos e compostos. Foi notado que apenas 5 bulas apresentam por todos os componentes gráficos citados. Na análise da relação entre os componentes gráficos, o grau de proximidade foi considerado como regular na maioria da amostra, pois muitas bulas apresentavam concordância informacional nos elementos gráficos próximos entre si. A relação de similaridade foi considerada também como grau regular, visto que muitos componentes pareciam similares, porém não possuíam relação funcional e status hierárquico similar. A Figura 4 mostra o caso dos títulos dos tópicos informativos (tais como: Informações ao Paciente) e das advertências, que são representados na mesma forma gráfica, ou seja, mesmo tamanho de fonte, em negrito e caixa alta (o nome do medicamento foi substituído por letras XXXXX por questão autoral). Figura 2: exemplo de bula de remédio para componente verbal Figura 3: exemplo de bula de remédio para componente verbal Figura 4: Exemplo de Bula com relação de similaridade e proeminência

5 Esta constatação relativa ao grau de similaridade acarretou nos resultados mais expressivos da relação de proeminência, pois mais da metade da amostra foi considerada deficiente neste tópico (N=14 bulas). Elementos gráficos importantes, tais como advertências, foram encontradas com diferente status hierárquico, não diferindo na sua forma de apresentação gráfica e, conseqüentemente não causando o contraste necessário para descriminar o status da informação. Por fim, na analise do nível três - a apresentação gráfica global das bulas- verificou-se que a maioria apresenta consistência regular, pois os elementos gráficos e suas relações apresentam deficiências. Em geral, a amostra apresenta espaçamento entre as linhas e as palavras muito reduzido, particularmente quando aplicados a texto em negrito ou em caixa alta, gerando uma massa pesada visualmente na pagina (poluição visual), comprometendo assim, a legibilidade do documento. Quanto às características físicas, apesar de apresentarem uma boa qualidade de impressão, o papel utilizado nas bulas causa transparência, interferindo na leitura. Por conseqüência das constatações na consistência e nas características materiais da bula, a análise estética da amostra resultou em um conceito regular. 5-Conclusões A partir da análise qualitativa de 20 bulas de remédio de acordo com o modelo de Van der Waarde (1999), foi possível constatar diversos problemas relacionados à legibilidade, pelo uso maciço de textos em negrito e/ou em caixa alta, o espaçamento entre linhas e palavras reduzido, e a transparência do papel, ocasionando uma poluição visual que dificulta a leitura, a localização e conseqüentemente afeta a compreensão das informações. Pode-se também concluir que a hierarquia gráfica e informacional constitui uma deficiência nas bulas de medicamentos, verificada nas relações entre os componentes gráficos, particularmente nas advertências e títulos de tópicos informativos. Há portanto, carência de contraste para diferenciação de hierarquia das informações em bulas de medicamentos. 6- Recomendações e considerações gerais A partir dos resultados e considerações oriundos deste estudo analítico sobre a composição gráfica das bulas de medicamentos - de acordo com o modelo de Van der Waarde (1999), foram elaboradas algumas recomendações sobre a apresentação e relação dos componentes gráficos que constituem a bula de medicamento, as quais são: - evitar o uso excessivo de negrito em textos, usando-o somente para as informações mais importantes; - evitar o uso de textos em caixa alta; - ser consistente na representação gráfica para cada tipo de informação que apresentar um status hierárquico distinto; - utilizar espaçamento entre linhas e palavras que promovam à legibilidade; - não utilizar papel translúcido para a impressão de bulas de remédio. Por fim, pode se afirmar que a partir da análise realizada foi possível constatar muitos problemas de composição gráfica que comprometem seriamente a legibilidade das bulas de medicamento. E espera-se que este estudo possa contribuir com a melhoria na qualidade de apresentação gráfica das instruções neste tipo de documento. 7- Referências BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n.110, de 10 de março de Disponível em: Acesso em 10 de novembro de FUJITA, Patrícia Tiemi Lopes. A comunicação visual de bulas de remédios: análise ergonômica da diagramação e forma tipográfica com pessoas de terceira idade. Disponível em: Infodesign: Revista Brasileira de Design da Informação, n 1/1, ISSN , GREGORY, Judy. Using audience involvement to guide information design. Disponível em: Infodesign: Revista Brasileira de Design da Informação, n 1/1, ISSN , 2004 MACKENZIE, Taylor M. Desining for understanding within a contexto f rapidly changing information. Vision Plus Review 21, Medieninhaber: International Institute of Information Design, 1997.

6 PENMAN, R.; SLESS, D.; WISEMAN, R. Best practice in accessible documents in the private sector: Appendix V In Putting it Plainly: Current Developments and Needs in Plain English and Accessible Reading Materials, (Ed) Australian Language and Literacy Council National Board of Employment and Training Canberra: Australian Government Publishing Service, , ROGERS, D., SHULMAN, A., SLESS, D., BEACH, R. Desining Better Medicine Labels: report to PHARM. Canberra: Communication Research Institute of Austrália, SCHRIVE, Karen. Dynamics in document design. New York: Wiley & Sons, 1997 SLESS, David. TYERS, Alex. Case history # 5 Panadol 24 Pack: new instructions for consumers. Disponível em: publication_id_89_ html. CRIA, Acesso em 10 de novembro de SPINILLO, Carla Galvão. Instruções visuais: algumas considerações e diretrizes para seqüências pictóricas de procedimentos. Estudos em Design. volume 9, n 3, Rio de Janeiro, 1999 VAN DER WAARDE, Karel. The graphic presentation of patient package inserts. In: ZWAGA, Harm J. G. BOERSEMA, Theo. HOONHOUT, Henriëtte C. M. (Ed) Visual information for everyday use: Design and research perspectives. London, Taylor & Francis, p VAN DER WAARDE, Karel. Visual information about medicines. Providing patients with relevant information. SPINILLO, Carla G.; COUTINHO, Solange G. (Eds). Selected Readings of the Information Design International Conference Recife, SBDI Sociedade Brasileira de Design da Informação, p WRIGHT, Patricia. Printed Instructions: Can research make a difference? In: ZWAGA, Harm J. G. BOERSEMA, Theo. HOONHOUT, Henriëtte C. M. (Ed) Visual information for everyday use: Design and research perspectives. London, Taylor & Francis, p

Análise da estrutura gráfica de uma bula de medicamentos transcrita para o Sistema Braille

Análise da estrutura gráfica de uma bula de medicamentos transcrita para o Sistema Braille Análise da estrutura gráfica de uma bula de medicamentos transcrita para o Sistema Braille Analysis of the graphic structure of a medicine package insert transcript in to the Braille System Lopes, Maria

Leia mais

Análise da apresentação gráfica do conteúdo textual da bula de medicamento na perspectiva de leitura do paciente em contexto de uso

Análise da apresentação gráfica do conteúdo textual da bula de medicamento na perspectiva de leitura do paciente em contexto de uso Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes Programa de Pós-Graduação em Design Patricia Tiemi Lopes Fujita Análise da apresentação gráfica do conteúdo textual da bula de medicamento

Leia mais

Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual

Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual Patricia Lopes Fujita, Carla Galvão Spinillo Design da informação em bulas de medicamento: análise e classificação da estrutura e apresentação gráfica de seu conteúdo textual Information design on medicine

Leia mais

O papel do design da informação no acesso à informação técnico - cientifica em saúde: o caso da bula de medicamento

O papel do design da informação no acesso à informação técnico - cientifica em saúde: o caso da bula de medicamento O papel do design da informação no acesso à informação técnico - cientifica em saúde: o caso da bula de medicamento GT 01- Ciência, tecnologia e inovação Avance de investigación en curso Patricia Tiemi

Leia mais

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV

Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV Normas para envio de trabalhos para o I Workshop Internacional de Ergonomia do IEDUV O IEDUV traz para Vitória do Espirito Santo e em especial para o Brasil, o I Workshop Internacional de Ergonomia, neste

Leia mais

TÍTULO EM CAIXA ALTA CENTRALIZADO NEGRITO (12 ARIAL)

TÍTULO EM CAIXA ALTA CENTRALIZADO NEGRITO (12 ARIAL) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS SÃO LUÍS DE MONTES BELOS, GO PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL MESTRADO PROFISSIONAL SEMINÁRIOS APLICADOS TÍTULO EM CAIXA ALTA CENTRALIZADO NEGRITO

Leia mais

ANEXO 1 - ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO DE RESUMO EXPANDIDO NORMAS PARA PREPARAÇÃO DE TRABALHOS

ANEXO 1 - ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO DE RESUMO EXPANDIDO NORMAS PARA PREPARAÇÃO DE TRABALHOS ANEXO 1 - ORIENTAÇÕES PARA SUBMISSÃO DE RESUMO EXPANDIDO 1. Somente deverão ser apresentados trabalhos cujos dados sejam oriundos de investigação científica, tecnológica, inovação e de extensão. NÃO SERÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 47, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC Nº 47, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC Nº 47, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009 Estabelece regras para elaboração, harmonização, atualização, publicação e disponibilização de bulas de medicamentos para pacientes e para profissionais de

Leia mais

EDITAL DE MOSTRA DE PESQUISA DO X CONGRESSO DE DIREITO DA UFSC

EDITAL DE MOSTRA DE PESQUISA DO X CONGRESSO DE DIREITO DA UFSC EDITAL DE MOSTRA DE PESQUISA DO X CONGRESSO DE DIREITO DA UFSC O X Congresso de Direito da UFSC, que acontecerá nos dias 14, 15, 16 e 17 de abril de 2015, contará com a Mostra de Pesquisa na tarde do dia

Leia mais

Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira

Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira Maria Olinda Lopes, Carla Galvão Spinillo Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Experimental study reading of medicine package insert, for Braille System transcript,

Leia mais

PROPOSTA DE BULA DE MEDICAMENTOS EM BRAILLE DIRECIONADA AO USUÁRIO CEGO

PROPOSTA DE BULA DE MEDICAMENTOS EM BRAILLE DIRECIONADA AO USUÁRIO CEGO 1 Maria Olinda Lopes Universidade Federal do Paraná Programa de pós-graduação em Design PROPOSTA DE BULA DE MEDICAMENTOS EM BRAILLE DIRECIONADA AO USUÁRIO CEGO Curitiba 2009 2 Maria Olinda Lopes Universidade

Leia mais

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12:

COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: COMO ESCREVER UM MANUAL DE INSTRUÇÕES CONFORME A NR 12: Com a publicação do texto revisado da Norma Regulamentadora 12, em Dezembro de 2010 pela Portaria SIT 197 do Ministério do Trabalho e Emprego, surgiram

Leia mais

5 th Brazilian Conference of In form ation Design

5 th Brazilian Conference of In form ation Design CIDI 2013 6TH CIDI 5TH InfoDesign 6TH CONGIC 6 th Inform ation Design International Conference 5 th Brazilian Conference of In form ation Design 6 th Inform ation Design Student Conference Blucher Design

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS (TÍTULO EM PORTUGUÊS) INSTRUCTION FOR SUBMISSIONS (ENGLISH TITLE)

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS (TÍTULO EM PORTUGUÊS) INSTRUCTION FOR SUBMISSIONS (ENGLISH TITLE) INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS (TÍTULO EM PORTUGUÊS) INSTRUCTION FOR SUBMISSIONS (ENGLISH TITLE) SOBRENOME, Nome do Primeiro Autor (1); SOBRENOME, Nome do Segundo autor (2) (12 pts Negrito)

Leia mais

TÍTULO DO TRABALHO EM PORTUGUÊS (TITLE OF THE PAPER IN ENGLISH) Fotografia Autor mm. 40 mm ( boa resolução)

TÍTULO DO TRABALHO EM PORTUGUÊS (TITLE OF THE PAPER IN ENGLISH) Fotografia Autor mm. 40 mm ( boa resolução) TÍTULO DO TRABALHO EM PORTUGUÊS (TITLE OF THE PAPER IN ENGLISH) Fotografia Autor 1 30 mm 40 mm ( boa resolução) Fotografia Autor 2 30 mm 40 mm ( boa resolução) Fotografia Autor 3 30 mm 40 mm ( boa resolução)

Leia mais

Convocação para Entrega de Resumos

Convocação para Entrega de Resumos Convocação para Entrega de Resumos 4ª Conferência Sul Americana PHYSIO PILATES - POLESTAR PILATES Maturidade Ativa Salvador/ Bahia, Brasil 27 a 29 de setembro de 2012 Categorias de apresentações e de solicitações

Leia mais

INTRODUÇÃO [Times New Roman 12, Justificado, Caixa Alta, espaçamento 1,5]

INTRODUÇÃO [Times New Roman 12, Justificado, Caixa Alta, espaçamento 1,5] 1 TÍTULO DO ARTIGO [fonte Times New Roman 14, Centralizado, espaçamento 1.0] Subtítulo [Se houver, fonte Times New Roman 14, Centralizado, espaçamento 1.0] Nome do Autor 1 [Fonte Times New Roman 10, Texto

Leia mais

Ficha Técnica Manual de Identidade Manual Elaborado por: Murilo Amgarten Larissa Lobo 2010

Ficha Técnica Manual de Identidade Manual Elaborado por: Murilo Amgarten Larissa Lobo 2010 Manual de Identidade Introdução Identidade visual consiste em representar graficamente a identidade institucional de cada organização, ou seja, sua personalidade. A partir dela é possível traduzir a essência

Leia mais

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO 193 NORMAS PARA PUBLICAÇÃO Os artigos devem ter a seguinte estrutura: Título (português e inglês), Resumo, Abstract, Palavras-Chave, Keywords, Sumário, Introdução, Desenvolvimento, Considerações Finais

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. O relatório segue padrão ABNT (NBR 14724:2011), como descrito nos próximos itens:

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. O relatório segue padrão ABNT (NBR 14724:2011), como descrito nos próximos itens: NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Os professores e alunos participantes do Programa de Pesquisa e Iniciação Científica deverão apresentar Relatório Final referente às suas atividades,

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS

INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS INSTRUÇÕES PARA A PREPARAÇÃO DE TRABALHOS SOBRENOME, Nome do Primeiro Autor (1); SOBRENOME, Nome do Segundo autor (2) (12 pts Negrito) (1) Instituição de Origem, Titulação mais elevada e-mail:primeiroautor@xxx.yyyy.br

Leia mais

Nova Regra para Bulas de Medicamentos

Nova Regra para Bulas de Medicamentos XV ENCONTRO TÉCNICO E XI ENCONTRO EMPRESARIAL - ABRASP Nova Regra para Bulas de Medicamentos RESOLUÇÃO-RDC Nº 47/2009 Carolina K. Rodrigues 21/09/2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 47/2009 DOU de 19/01/2010 (republicação)

Leia mais

Tiago Costa Maia [UFPE] 1. Introdução

Tiago Costa Maia [UFPE] 1. Introdução Tiago Costa Maia [UFPE] Conteúdo ou forma? Um estudo sobre a influência da familiaridade com a linguagem pictórica e o conteúdo informacional na compreensão de seqüência pictórica de procedimento. Contents

Leia mais

Nome da disciplina Título do trabalho

Nome da disciplina Título do trabalho Nome da disciplina Título do trabalho Nome(s) do(s) aluno(s) e Número(s) do(s) aluno(s) Local e data AGRADECIMENTOS O autor agradece aqui aos orientadores e colegas que o ajudaram em qualquer ponto do

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

MÉTODOS FORMATIVOS INCORPORANDO A AVALIAÇÃO HEURÍSTICA; ETAPAS E FASES PARA DESIGN DE FOLHETO DE INSTRUÇÕES DE USO CASO EXEMPLO: COLORANTES DE CABELOS

MÉTODOS FORMATIVOS INCORPORANDO A AVALIAÇÃO HEURÍSTICA; ETAPAS E FASES PARA DESIGN DE FOLHETO DE INSTRUÇÕES DE USO CASO EXEMPLO: COLORANTES DE CABELOS MÉTODOS FORMATIVOS INCORPORANDO A AVALIAÇÃO HEURÍSTICA; ETAPAS E FASES PARA DESIGN DE FOLHETO DE INSTRUÇÕES DE USO CASO EXEMPLO: COLORANTES DE CABELOS FORMATIVE ASSESSMENT METHODS INCORPORATING THE HEURISTICS;

Leia mais

CURSO DE... Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito. NOME DO AUTOR Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito

CURSO DE... Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito. NOME DO AUTOR Letra maiúscula, fonte Times ou Arial, tamanho 12, negrito CURSO DE... NOME DO AUTOR TÍTULO: SUBTÍTULO MARINGÁ ANO NOME DO AUTOR TÍTULO: SUBTÍTULO Recuo de 7 cm, fonte 12, espaço simples Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade Metropolitana de Maringá

Leia mais

MODELO DE FORMATAÇÃO A SER UTILIZADO PELO IBEROAMERICAN JOURNAL OF INDUSTRIAL ENGINEERING

MODELO DE FORMATAÇÃO A SER UTILIZADO PELO IBEROAMERICAN JOURNAL OF INDUSTRIAL ENGINEERING MODELO DE FORMATAÇÃO A SER UTILIZADO PELO IBEROAMERICAN JOURNAL OF INDUSTRIAL ENGINEERING Nome completo do Autor 1 Nome completo do Autor 2 Nome completo do Autor 3 Nome completo do Autor 4 Nome completo

Leia mais

Manual da Marca e da Identidade Visual

Manual da Marca e da Identidade Visual Manual da Marca e da Identidade Visual fev 2017 versão 20170223 índice apresentação 2 marca desenho da marca 3 assinaturas 4 malha de construção 5 dimensionamento mínimo 6 área de proteção 7 cores cromia

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API)

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS NO VAREJO DIRETRIZES PARA ADEQUAÇÃO DE PERFIL DO INVESTIDOR (API) CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º Estas Diretrizes tem por

Leia mais

TÍTULO DO ARTIGO: Subtítulo do Artigo

TÍTULO DO ARTIGO: Subtítulo do Artigo TÍTULO DO ARTIGO: Subtítulo do Artigo Nome do autor(a) 1 Nome do(a) professor(a) orientador(a) 2 RESUMO Este modelo permite a visualização da estrutura geral de um artigo científico e apresenta orientações

Leia mais

Revista Mundo Antigo Ano II, V. 2, N 04 Dezembro 2013 ISSN Revista Mundo Antigo. Normas de Publicação. Guidelines for publication

Revista Mundo Antigo Ano II, V. 2, N 04 Dezembro 2013 ISSN Revista Mundo Antigo. Normas de Publicação. Guidelines for publication Revista Mundo Antigo Normas de Publicação Guidelines for publication 225 226 Normas de Publicação / Guidelines for publication REVISTA MUNDO ANTIGO ARTIGO - NORMAS DE PUBLICAÇÃO EXEMPLO INICIAL DE ARTIGO

Leia mais

MODELO PARA A ELABORAÇÃO DE RESUMOS

MODELO PARA A ELABORAÇÃO DE RESUMOS MODELO PARA A ELABORAÇÃO DE RESUMOS INSERIR O TÍTULO (Times New Roman, 12, centralizado, em maiúsculas, negrito). Inserir autores abaixo do título e ao lado direito; iniciar pelo sobrenome em letra maiúscula

Leia mais

A FORMA INFORMA O CONTEÚDO LAO-TSÉ. Prof. Wanderlei Paré PROJETOS

A FORMA INFORMA O CONTEÚDO LAO-TSÉ. Prof. Wanderlei Paré PROJETOS A FORMA INFORMA O CONTEÚDO LAO-TSÉ ESTILOS CADA PROJETO GRÁFICO PRÓPRIAS. TEM SUAS CARACTERÍSTICAS UM LIVRO SERÁ DIFERENTE DE UM JORNAL, UM JORNAL DIFERENTE DE UMA REVISTA, UMA REVISTA SERÁ DIFERENTE DE

Leia mais

b) Revisão: os artigos de revisão analisam e discutem trabalhos já publicados, revisões bibliográficas etc.

b) Revisão: os artigos de revisão analisam e discutem trabalhos já publicados, revisões bibliográficas etc. 1 O Artigo Científico e sua estrutura Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do

Leia mais

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

Material desenvolvido de acordo com a RDC Nº 58, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. INTERCAMBIALIDADE 1. O que são medicamentos referência, similar e genérico? É todo medicamento originador, cuja eficácia, segurança e qualidade foram comprovadas cientificamente. Todo medicamento referência

Leia mais

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA

MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA Aluno: Matrícula: Curso: Unidade de Estudo: Data Prova: / / MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA AVP MÉDIA 1 A B C D 2 A B C D 3 A B C D 4 A B C D 5 A B C D 6 A B C D 7 A B C D

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Curso de Medicina Veterinária NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURITIBA 2008 1 SUMÁRIO CURITIBA... 0 SUMÁRIO... 1 1. FORMATAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Design da Informação. Repetição e Contraste. Aula 07. Prof. Dalton Martins

Design da Informação. Repetição e Contraste. Aula 07. Prof. Dalton Martins Design da Informação Repetição e Contraste Aula 07 Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Repetição Repita alguns

Leia mais

Nome Completo do Aluno Sem Abreviar Nome Completo do Aluno Sem Abreviar Nome Completo do Aluno Sem Abreviar TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO SE HOUVER

Nome Completo do Aluno Sem Abreviar Nome Completo do Aluno Sem Abreviar Nome Completo do Aluno Sem Abreviar TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO SE HOUVER Nome Completo do Aluno Sem Abreviar Nome Completo do Aluno Sem Abreviar Nome Completo do Aluno Sem Abreviar TÍTULO DO ARTIGO: SUBTÍTULO SE HOUVER Faculdade de Araçatuba - FAAR Araçatuba-SP 2016 Nome Completo

Leia mais

DIRETRIZES E MODELO DE ARTIGO (PÔSTER) PARA O COLÓQUIO DE MODA E O CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM DESIGN E MODA

DIRETRIZES E MODELO DE ARTIGO (PÔSTER) PARA O COLÓQUIO DE MODA E O CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM DESIGN E MODA DIRETRIZES E MODELO DE ARTIGO (PÔSTER) PARA O COLÓQUIO DE MODA E O CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EM DESIGN E MODA (título com até 85 caracteres com espaços, Arial 14, negrito, centralizado, caixa alta)

Leia mais

Revista Pós Ciências Sociais. normas para publicação. 1.1 Sobre o material 1 INFORMAÇÕES AOS AUTORES

Revista Pós Ciências Sociais. normas para publicação. 1.1 Sobre o material 1 INFORMAÇÕES AOS AUTORES Revista Pós Ciências Sociais Normas para publicação 1 INFORMAÇÕES AOS AUTORES A Revista Pós-Ciências Sociais é uma publicação produzida pelo Programa de Pós- -Graduação em Ciências Sociais da Universidade

Leia mais

Revista Mundo Antigo. Normas de Publicação. Guidelines for publication. Revista Mundo Antigo Ano IV, V. 4, N 07 Junho 2015 ISSN

Revista Mundo Antigo. Normas de Publicação. Guidelines for publication. Revista Mundo Antigo Ano IV, V. 4, N 07 Junho 2015 ISSN Revista Mundo Antigo Normas de Publicação Guidelines for publication NEHMAAT http://www.nehmaat.uff.br 253 http://www.pucg.uff.br CHT/UFF-ESR NEHMAAT http://www.nehmaat.uff.br 254 http://www.pucg.uff.br

Leia mais

Processo automático de identificação de termos MeSH em falta: caso prático de Farmácia

Processo automático de identificação de termos MeSH em falta: caso prático de Farmácia Processo automático de identificação de termos MeSH em falta: caso prático de Farmácia Fernando MINGUET, Lucienne van den BOOGERD, Silvia C. LOPES, Teresa M. SALGADO, Cassyano J. CORRER, Fernando FERNANDEZ-LLIMOS

Leia mais

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória

A c o m u n i c a ç ã o m a t e m á t i c a e m c r i a n ç a s c o m N E E. Dedicatória Dedicatória Às minhas filhas, meus anjos de luz, e ao meu marido, por todo o apoio e compreensão indispensáveis para a elaboração deste trabalho, mas também para a realização deste meu sonho: Concluir

Leia mais

Cada autor traz em suas obras uma indicação para tal. Algumas pequenas alterações podem ser percebidas e não fazem diferença no corpo do texto.

Cada autor traz em suas obras uma indicação para tal. Algumas pequenas alterações podem ser percebidas e não fazem diferença no corpo do texto. 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 5: Formatação de trabalhos acadêmicos Para uma melhor visualização, interpretação, estética e organização, todo trabalho acadêmico precisa ser organizado de forma

Leia mais

Diretrizes Para Apresentação de Seminários

Diretrizes Para Apresentação de Seminários Universidade de São Paulo Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos Departamento de Ciências de Computação e Estatística Diretrizes Para Apresentação de Seminários Marcos José Santana Grupo de Sistemas

Leia mais

SP 20/04/79 NT 037/79. Considerações sobre a Elaboração de Novo Tipo de Alfabeto Utilizado em Sinalização Horizontal

SP 20/04/79 NT 037/79. Considerações sobre a Elaboração de Novo Tipo de Alfabeto Utilizado em Sinalização Horizontal SP 20/04/79 NT 037/79 Considerações sobre a Elaboração de Novo Tipo de Alfabeto Utilizado em Sinalização Horizontal Arq. Antonio Rodrigues Netto Eng.º Seiju Kato Dos estudos desenvolvidos para a elaboração

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DE RESUMOS DE TRABALHOS PARA APRESENTAÇÃO NA SECITEC 2016 DO IFG-ITUMBIARA

INSTRUÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DE RESUMOS DE TRABALHOS PARA APRESENTAÇÃO NA SECITEC 2016 DO IFG-ITUMBIARA INSTRUÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO E SUBMISSÃO DE RESUMOS DE TRABALHOS PARA APRESENTAÇÃO NA SECITEC 2016 DO IFG-ITUMBIARA - As instruções e orientações a seguir devem ser rigorosamente observadas quanto

Leia mais

SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais

SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais QUALIDADE DE PACOTE DE SOFTWARE SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais Profa. Rosana Braga (material profas Rosely Sanches e Ellen F. Barbosa) Qualidade de Produto de Software Modelo de Qualidade

Leia mais

1 Características Qualitativas de Melhoria da Informação Contábil-Financeira Útil

1 Características Qualitativas de Melhoria da Informação Contábil-Financeira Útil 1 Características Qualitativas de Melhoria da Informação Contábil-Financeira Útil... 1 1.1 Característica da Comparabilidade... 1 1.2 Característica da Verificabilidade... 3 1.3 Característica da Tempestividade...

Leia mais

ARQ 1104 DESENHO TÉCNICO E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO

ARQ 1104 DESENHO TÉCNICO E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO ARQ 1104 DESENHO TÉCNICO E TÉCNICAS DE APRESENTAÇÃO Representação gráfica da materialidade do objeto arquitetônico. DESENHO TÉCNICO Os desenhos técnicos devem ser rigorosos no que diz respeito à representação

Leia mais

Visualidade nas provas de vestibular: tipografia e princípios básicos de design

Visualidade nas provas de vestibular: tipografia e princípios básicos de design Visualidade nas provas de vestibular: tipografia e princípios básicos de design Tipografia Letra serifada Em uma definição resumida, serifa é a haste perpendicular que finaliza os principais traços de

Leia mais

BIOEQUIVALÊNCIA / BIODISPONIBILIDADE DE MEDICAMENTOS ASSOCIADOS

BIOEQUIVALÊNCIA / BIODISPONIBILIDADE DE MEDICAMENTOS ASSOCIADOS BIOEQUIVALÊNCIA / BIODISPONIBILIDADE DE MEDICAMENTOS ASSOCIADOS Mai-Jun/2013 Márcia Sayuri Takamatsu Freitas Introdução 1999 Criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Lei no. 9782, de

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS. a) cada proponente poderá inscrever até dois trabalhos, como autor principal ou como coautor;

NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS. a) cada proponente poderá inscrever até dois trabalhos, como autor principal ou como coautor; NORMAS GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS Somente serão considerados pelo Comitê Científico os trabalhos que se pautarem estritamente pelas normas de diagramação e formatação definidas para o evento e

Leia mais

Avaliação dos Relatórios de Inspeções de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos Utilizando o FormSUS. Andrea Renata Cornelio Geyer

Avaliação dos Relatórios de Inspeções de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos Utilizando o FormSUS. Andrea Renata Cornelio Geyer Avaliação dos Relatórios de Inspeções de Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos Utilizando o FormSUS Andrea Renata Cornelio Geyer 19/03/2015 Título do Projeto: Avaliação dos Relatórios de Inspeções

Leia mais

DICAS PARA ASPECTOS FORMAIS DO TRABALHO: 1 DICAS PARA ASPECTOS FORMAIS DO TRABALHO:

DICAS PARA ASPECTOS FORMAIS DO TRABALHO: 1 DICAS PARA ASPECTOS FORMAIS DO TRABALHO: DICAS PARA ASPECTOS FORMAIS DO TRABALHO: 1 DICAS PARA ASPECTOS FORMAIS DO TRABALHO: a) Linguagem: é a descrição do pensamento, na elaboração do trabalho deverá ser produzida obedecendo à forma técnica

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO

RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO Relata formalmente o progresso ou os resultados de uma investigação de pesquisa ou do desenvolvimento de um processo. Apresenta, sistematicamente, informação suficiente para

Leia mais

ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde

ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde Curso: Gestão Hospitalar Disciplina: Arquitetura Hospitalar ERGONOMIA e Saúde do Trabalhador nos Ambientes de Atenção à Saúde Professora Ma. Tainá Menezes Belém/PA 2016 ERGONOMIA: Estudo entre homem e

Leia mais

Por José Luís Carneiro

Por José Luís Carneiro Organização, Sistemas e Métodos Arranjo Físico (Layout) Por José Luís Carneiro Arranjo físico (layout) Arranjo Físico (Layout) 1 Introdução O espaço físico organizacional influi no trabalho desenvolvido

Leia mais

Normas para inscrições de trabalhos IV SIMPOM (2016)

Normas para inscrições de trabalhos IV SIMPOM (2016) Normas para inscrições de trabalhos IV SIMPOM (2016) A Secretaria do IV SIMPOM receberá inscrições de trabalhos, nas categorias comunicação oral e pôster, no período de 25/10/2015 a 15/1/2016, impreterivelmente.

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 58, DE 20 DE DEZEMBRO

Leia mais

AVALIAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UTILIZADAS EM MÉTODOS DE ANÁLISE DA TAREFA

AVALIAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UTILIZADAS EM MÉTODOS DE ANÁLISE DA TAREFA ação ergonômica, volume5, número1 AVALIAÇÃO DE REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS UTILIZADAS EM MÉTODOS DE ANÁLISE DA TAREFA Stephania Padovani Universidade Federal do Paraná s_padovani2@yahoo.co.uk Kelli Cristine

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

Normas para publicação (Anexo do Edital de convocação de trabalhos para publicação Revista Estudos Eleitorais maio/agosto de 2015)

Normas para publicação (Anexo do Edital de convocação de trabalhos para publicação Revista Estudos Eleitorais maio/agosto de 2015) Normas para publicação (Anexo do Edital de convocação de trabalhos para publicação Revista Estudos Eleitorais maio/agosto de 2015) 1. Os trabalhos encaminhados para publicação na Revista Estudos Eleitorais

Leia mais

21 ANEXO III: DAS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE CURSO 2

21 ANEXO III: DAS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE CURSO 2 21 ANEXO III: DAS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE CURSO 2 O Trabalho Final de Curso (TFC) caracteriza-se pela unicidade e delimitação do tema e pela profundidade do tratamento, e não por

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS

INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO TERMO DE REFERÊNCIA SUGERIDO PESQUISA DE OBSERVAÇÃO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - STALLINGS Objetivos Gerais do Trabalho Contratação de empresa especializada para realizar a Pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Manual para a elaboração do TCC em formato Monografia Curso de Publicidade e Propaganda 1º/2015. Monografia: disposições gerais Monografia é uma das alternativas oferecidas pela UPM como Trabalho de Conclusão

Leia mais

Diretrizes para submissão de artigos para a Revista Carioca de Ciência Tecnologia e Educação

Diretrizes para submissão de artigos para a Revista Carioca de Ciência Tecnologia e Educação Diretrizes para submissão de artigos para a Revista Carioca de Ciência Tecnologia e Educação Apresentação Essa é uma revista científica, proposta pela UniCarioca, que tem como finalidade a publicação de

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 65 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS

NORMAS GERAIS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS 1 NORMAS GERAIS PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS O evento oferece as seguintes possibilidades de envio de trabalhos: mesa-redonda, comunicação e pôster. Cada proponente poderá inscrever-se como autor principal

Leia mais

Normas para envio e confecção do RESUMOS SIMPLES. a partir do dia 01/08/2016.

Normas para envio e confecção do RESUMOS SIMPLES.  a partir do dia 01/08/2016. Normas para envio e confecção do RESUMOS SIMPLES Os interessados em apresentar trabalhos científicos na modalidade RESUMO SIMPLES deverão submeter o arquivo contendo o trabalho, para a comissão avaliadora

Leia mais

Os títulos das seções devem seguir a mesma estrutura apresentada no tópico 2 da unidade 1. Relembrando o quadro 1 apresentado como exemplo:

Os títulos das seções devem seguir a mesma estrutura apresentada no tópico 2 da unidade 1. Relembrando o quadro 1 apresentado como exemplo: 1 FORMATO GRÁFICO DE UM PAPER / ARTIGO (caderno de estudos UNIASSELVI p. 83-87) Caro(a) acadêmico(a), você aprenderá a formatar graficamente um paper. Verá, em primeiro lugar, que um trabalho com este

Leia mais

NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO NO IX EPEM

NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO NO IX EPEM NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO NO IX EPEM O IX EPEM será realizado no período de 25 a 27 de setembro de 2008, na cidade de Bauru, SP. Todos os participantes do IX EPEM deverão estar inscritos no evento. Para

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS DO II CONGRESSO DE SAUDE COLETIVA DO CURSO DE ENFERMAGEM DA FSG

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE TRABALHOS CIENTÍFICOS DO II CONGRESSO DE SAUDE COLETIVA DO CURSO DE ENFERMAGEM DA FSG DISPOSIÇÃO GERAL A Coordenação e o Núcleo Docente Estruturante do curso de ENFERMAGEM faz saber que estão abertas, a partir de 15 de julho de 2012, as inscrições de trabalhos científicos para o II CONGRESSO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, PROPESP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, PPGE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO, PROPESP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO, PPGE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Este roteiro contém os requisitos obrigatórios, estabelecidos pelo Colegiado do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Centro-Oeste,

Leia mais

Fique bem informado sobre os genéricos da Mepha

Fique bem informado sobre os genéricos da Mepha Folheto informativo para pacientes português Fique bem informado sobre os genéricos da Mepha Die mit dem Regenbogen Pergunte pelos genéricos da Mepha a preços acessíveis Preço vantajoso «Os genéricos hoje

Leia mais

Resumo: Realizar aqui o resumo do seu artigo

Resumo: Realizar aqui o resumo do seu artigo TÍTULO DO ARTIGO. USE ESTE MODELO, SALVANDO-O COMO DOCUMENTO DO WORD. DEPOIS SOBRESCREVA ESTE TÍTULO E FAÇA O MESMO NAS OUTRAS SEÇÕES, LENDO ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES. AQUI A FONTE É TIMES NEW ROMAM 12,

Leia mais

TÍTULO EM CAIXA ALTA E NEGRITO, EM TIMES NEW ROMAN LETRA EM 14, ESPAÇAMENTO SIMPLES, CENTRALIZADO

TÍTULO EM CAIXA ALTA E NEGRITO, EM TIMES NEW ROMAN LETRA EM 14, ESPAÇAMENTO SIMPLES, CENTRALIZADO TÍTULO EM CAIXA ALTA E NEGRITO, EM TIMES NEW ROMAN LETRA EM 14, ESPAÇAMENTO SIMPLES, CENTRALIZADO SOBRENOME DO AUTOR1(EM CAPSLOCK,), Nome do Autor1 Professor do Programa de XXXX ESPAÇAMENTO SIMPLES 1 SOBRENOME

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. Data de Vigência: 01/08/2016. Carla Fernanda Sandri Rafael Dal RI Segatto 0 IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO COMBATE A FRAUDES DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Páginas: 1 a 9 Código: 06 Data de Emissão: 01/07/2016 Data de Vigência: 01/08/2016 Próxima Revisão: Anual Versão n : 02 Elaborado

Leia mais

CHECK LIST PARA AVALIAÇÃO DE ROTULAGEM DE ALIMENTOS EMBALADOS Identificação da empresa: Designação do produto: Marca: Nome fantasia ou complemento de marca: INFORMAÇÕES GERAIS OBRIGATÓRIAS Conforme 1.1

Leia mais

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹

Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Análise do valor informacional em imagens de reportagens de capa da revista Superinteressante¹ Lauro Rafael Lima² Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS. Resumo O trabalho apresenta uma análise

Leia mais

7 th CIDI 7 th Information Design International Conference. 7 th CONGIC. Student Conference

7 th CIDI 7 th Information Design International Conference. 7 th CONGIC. Student Conference 7 th CIDI 7 th Information Design International Conference 7 th CONGIC 7 th Information Design Student Conference Blucher Design Proceedings Setembro, 2015 num. 2, vol.2 proceedings.blucher.com.br Informações

Leia mais

Atitude dos Consumidores face aos Apelos Emocionais e Racionais da Publicidade:

Atitude dos Consumidores face aos Apelos Emocionais e Racionais da Publicidade: Atitude dos Consumidores face aos Apelos Emocionais e Racionais da Publicidade: estudo do sector alimentar por Elisa Margarida Lopes Canedo Tese de Mestrado em Marketing Orientada por: Prof. Doutor Paulo

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS PARA FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES

INSTRUÇÕES GERAIS PARA FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES INSTRUÇÕES GERAIS PARA FORMATAÇÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES INTRODUÇÃO O presente documento objetiva padronizar a estrutura e a forma de apresentação das dissertações do Curso de Mestrado em Geotecnia e

Leia mais

II. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO I

II. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO I II. ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO I A elaboração do Relatório de Estágio é a fase de construção lógica do trabalho que foi previsto no Plano de Estágio, com base nos dados e informações coletados durante

Leia mais

XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES

XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES XXV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES TEMA: POLÍTICAS PÚBLICAS E O ENSINO DAS ARTES: ENTRE A FORMAÇÃO E A AÇÃO EM ARTES VISUAIS,

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 62 DOU 29/03/12 seção 1 - p.104

Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 62 DOU 29/03/12 seção 1 - p.104 Diário Oficial Imprensa Nacional.Nº 62 DOU 29/03/12 seção 1 - p.104 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO - RDC Nº 21, DE 28

Leia mais

ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO - TCC

ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO - TCC ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO - TCC A estrutura de trabalhos acadêmicos (TCC) compreende: parte externa e parte interna. Com a finalidade de orientar os acadêmicos, a disposição de elementos é dada no

Leia mais

CADERNOS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS. Linha Editorial

CADERNOS DA ESCOLA DE NEGÓCIOS. Linha Editorial 1 A REVISTA Publicação anual da Escola de Negócios da Unibrasil, composta pelos cursos: Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Secretariado Executivo, Sistemas de Informação e Turismo.

Leia mais

Noções básicas de planejamento visual. Fonte: Design para quem não é designer. Willians, Robin.

Noções básicas de planejamento visual. Fonte: Design para quem não é designer. Willians, Robin. Noções básicas de planejamento visual. Fonte: Design para quem não é designer. Willians, Robin. Tudo o Que Vai Volta Lições para viajar de carona pelo país Vejamos a seguir uma capa de um relatório comum

Leia mais

VIII SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NORMAS

VIII SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NORMAS Núcleo de Pesquisa VIII SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NORMAS 1. INSCRIÇÕES: 1.1. As inscrições dos trabalhos deverão ser feitas por 1 (um) de seus autores, no link que estará disponível no site da FACIMED

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Sistema integrado de Bibliotecas SIBI/PUCPR. Normalização de Trabalhos Acadêmicos. Formatação Word 2003

Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Sistema integrado de Bibliotecas SIBI/PUCPR. Normalização de Trabalhos Acadêmicos. Formatação Word 2003 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Sistema integrado de Bibliotecas SIBI/PUCPR Normalização de Trabalhos Acadêmicos Formatação Word 2003 FONTE Utiliza-se folha branca, de formato A4 (210 X 297

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE

MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE 1 MAPAS CONCEITUAIS NA EDUCAÇÃO: PROPONDO UMA NOVA INTERFACE PARA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BASEADOS NA PLATAFORMA MOODLE Rio de Janeiro - RJ - 05/2012 Categoria: C Setor Educacional: 5 Classificação das

Leia mais

1 Apresentação gráfica Formato do papel: A4 (210 x 297mm); Margens: esquerda e superior: 3cm, direita e inferior: 2cm;

1 Apresentação gráfica Formato do papel: A4 (210 x 297mm); Margens: esquerda e superior: 3cm, direita e inferior: 2cm; Breve orientação para formatação das 6 (seis) primeiras páginas de teses e dissertações, condição obrigatória para que os textos sejam divulgados pela Biblioteca Digital. Em caso de dúvida, consulte o

Leia mais

Título do Trabalho: aqui você deverá colocar o título do seu trabalho centralizado assim como se encontra neste modelo

Título do Trabalho: aqui você deverá colocar o título do seu trabalho centralizado assim como se encontra neste modelo Título do Trabalho: aqui você deverá colocar o título do seu trabalho centralizado assim como se encontra neste modelo Resumo Nesta parte você deverá escrever um resumo de seu trabalho utilizando entre

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS A redação de um relatório científico tem como um de seus principais objetivos registrar com exatidão e clareza como o experimento foi realizado e compreendido.

Leia mais

NBR 14724:2011 INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - TRABALHOS ACADÊMICOS - APRESENTAÇÃO BIBLIOTECA CENTRAL PROF. EURICO BACK

NBR 14724:2011 INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - TRABALHOS ACADÊMICOS - APRESENTAÇÃO BIBLIOTECA CENTRAL PROF. EURICO BACK NBR 14724:2011 INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO - TRABALHOS ACADÊMICOS - APRESENTAÇÃO BIBLIOTECA CENTRAL PROF. EURICO BACK ESCOPO Especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos (teses,

Leia mais

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III...

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III... RDC Nº 23 /2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº

Leia mais

Como Elaborar um Artigo

Como Elaborar um Artigo Programa Interdisciplinar ARHTE 3º Semestre Como Elaborar um Artigo Prof. Selmo Almeida DEFINIÇÃO O que é um Artigo Científico? Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta

Leia mais