Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a)"

Transcrição

1 Diagnóstico PPA (Perfil e Potencial de Aprendizagem): como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a) Como parte integrante das ferramentas de gestão pedagógica disponibilizadas pelo sistema UNO Internacional, o diagnóstico do Perfil e Potencial de Aprendizagem (PPA) nos oferece informações valiosas para entendermos a individualidade dos nossos alunos. Com o intuito é auxiliá-lo(a) na compreensão dos gráficos e conceitos inerentes ao instrumento, apresentamos à comunidade educativa do Instituto de Educação e Cultura Raízes, o documento Como ler e interpretar o relatório do(a) seu(sua) filho(a) a partir dos resultados da avaliação. A avaliação, que é normatizada e padronizada, foi desenhada para visualizarmos o nível de desenvolvimento cognitivo em 7 áreas e medir 11 habilidades intelectuais, bem como, técnicas e hábitos de estudo (este somente para 8º e 9º), preferências perceptuais, de interação e de comunicação. Obter um diagnóstico preciso do aluno auxilia na construção de planos de desenvolvimento individual para: Melhorar as habilidades diagnosticadas como baixas. Efetivar as habilidades diagnosticadas como médias ou altas. Os resultados são expressos em porcentagens e seguem uma escala que varia de 1 a 100, conforme quadro: Variação (%) Avaliação 1 a 40 Habilidade baixa 41 a 60 Habilidade média 61 a 100 Habilidade alta Torna-se necessário dizer que a avaliação tem o cuidado de comparar indivíduos no mesmo ano escolar.

2 Por fim, acreditamos que evoluímos constantemente. Inegavelmente, este instrumento de gestão do conhecimento balizará o nosso fazer pedagógico. Certos disso apoiamo-nos na afirmação de Paulo Freire: Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre. Desejamos a você uma boa análise e nos colocamos à disposição para outros esclarecimentos. Eduardo Vieira Corrêa Direção Pedagógica Instituto de Educação e Cultura Raízes 1. As Sete Áreas do Desenvolvimento Cognitivo A avaliação permite diagnosticar a situação das habilidades intelectuais divididas em 7 grandes áreas e 11 habilidades diferentes. Sobre os resultados da avaliação de habilidades intelectuais, pode-se consultar os índices medidos em porcentagens de cada uma das sete áreas avaliadas, bem como, o IPHI Índice (Pro)Médio de Habilidades Intelectuais. DECISÕES RACIOCÍNIO PLANEJAMENTO VERBAIS LEITURA APRENDIZAGEM Aluno MATEMÁTICA

3 1.1 Interpretação por áreas: ÁREAS DESCRITIVO Aprendizagem São habilidades intelectuais necessárias para que a pessoa possa compreender, processar e reter a informação apresentada. Se algumas das habilidades deste conjunto se apresentam baixas, será necessário identificá-las e estabelecer um plano de desenvolvimento. Se um aluno ou aluna apresentar um perfil mais equilibrado terá, certamente, maior repertório para a aquisição de conhecimentos nos primeiros anos do Ensino Fundamental. Verbais As habilidades verbais relacionam-se com o processamento da informação semântica. Essas habilidades são muito requeridas na vida acadêmica e cotidiana, portanto, devem ser desenvolvidas, caso se apresentem baixas. Raciocínio Habilidade para analisar as implicações da informação apresentada. Estas habilidades são importantes, porque permitem realizar análises lógicas e estruturadas para se chegar às conclusões. Decisões São as habilidades que permitem avaliar, julgar, e estabelecer prioridades e trabalhar sobre pressão. Planejamento São aquelas habilidades relacionadas com a capacidade de organizar informações e planejar atividades ou situações a médio e longo prazo. Relacionam-se com a noção espaço X tempo, uso do relógio, utilização de calendários e agendas, planejamento das sequencias de atividades relacionadas com a leitura e a redação, entre outras. Leitura Capacidade de ler com uma velocidade adequada e compreender a informação apresentada. Matemática Habilidades relacionadas com o processamento, assimilação e aplicação da informação abstrata. Estas habilidades são necessárias para compreender os sistemas numéricos.

4 2. As 11 Habilidades Intelectuais CLASSIFICAÇÃO ORIENTAÇÃO PLANEJAMENTO PROGRESSÃO NUMÉRICA VOCABULÁRIO VOCABULÁRIO DE MATEMÁTICA ANALOGIAS ENTENDIMENTO DE INSTRUÇÕES RACIOCÍNIO LÓGICO DISCRIMINAÇÃO JUÍZO DE CONCEITOS 2.1 Interpretações por habilidade avaliada HABILIDADES Classificação Orientação Planejamento DESCRITIVO Habilidade de classificar a informação de forma sistemática, de acordo com a categoria a que pertence. Habilidade relacionada com a orientação espacial e temporal o qual permite que a informação seja organizada de acordo com um sistema logico de informação. É importante para organizar as ideias, orientar-se no espaço e compreender a informação. Habilidade para transformar as ideias recebidas e visualizar as situações a médio e longo prazo. É importante para planejar e

5 Progressão Numérica Vocabulário Vocabulário de Matemática Analogias Seguir Instruções Raciocínio Lógico Discriminação Juízo de Conceitos compreender as implicações das ações realizadas. Habilidade para compreender sistemas de informação e a relação dos números entre si. É importante o seguimento de instruções e em geral na compreensão. Habilidade de conhecimento de conceitos e compreensão de unidades de informação tais como as palavras. Habilidade de conhecimento de conceitos e compreensão dos conceitos relacionados com a área de matemática, sistemas e qualquer outro que implique símbolos. Habilidade para estabelecer relações entre os diferentes dados e/ou ideias, ler entre linhas e compreender informação pouco obvia quando se apresenta de maneira semântica. É uma habilidade especialmente para a compreensão de leitura. Habilidade para compreender um sistema de informação verbal, tal como uma leitura, conversação ou conferência. É especialmente importante para as atividades acadêmicas. Habilidade para analisar as implicações da informação presentada. Esta habilidade é importante porque permite realizar análises lógicas e estruturadas e chegar a conclusões. Habilidade relacionada com tomada de decisões, que permite enfocar a atenção no que é importante e eliminar os estímulos ao redor. Relaciona-se com a figura-fundo e constância de objetos no espaço. Habilidade relacionada com tomada de decisões que permite classificar a informação e estabelecer prioridades.

6 3. Preferências de Aprendizagem 3.1 Preferências Perceptuais: Preferência Linguagem visual Numérico visual Linguagem auditiva Numérico auditiva Kinestésico (ou Cinestésico) Descritivo A aprendizagem se dá quando a pessoa vê as palavras impressas ou escritas. Tendência de escrita da informação que recebe para depois lembrar-se. A pessoa nessa condição prefere ver a escrita dos números ou dados abstratos para poder processar e trabalhar com as informações. Tendência a não necessitar de explicações orais. Pessoas auditivas preferem dizer, em voz alta, as palavras quando as lêem. Informações novas são de difícil compreensão quando apenas lidas silenciosamente. Por outro lado, são muito mais capazes de recordá-las e compreendê-las quando as escutam. Aprendem quantidades, números ou informação abstrata pelo simples fato de escutar. Não necessitam de nenhum material escrito para processar e recordar a informação. Tendem a solucionar problemas mentalmente Pessoas cinestésicas aprendem melhor através da experiência, de realizar coisas, de executar elas mesmas, preferencialmente utilizando as mãos e/ou seu corpo, escutando e vendo simultaneamente. 3.2 Preferências de Interação: Preferência Individual Equipe Descritivo Pessoa que gosta de estudar, realizar trabalhos ou receber instrução sozinha. É capaz de pensar, recordar e aprender melhor quando trabalha de forma independente. As opiniões pessoais são mais importantes que as da equipe. Gosta de interagir. Percebe que o entendimento se efetiva melhor no grupo. Dá valor as opiniões dos membros da equipe. Busca socializar e relacionar-se com outras pessoas.

7 3.3 Preferências de Comunicação Preferência Oral Descritivo Prefere interagir falando. Pessoas assim gostam de emitir opiniões e expressar suas ideias oralmente. A forma escrita de comunicação, para essas pessoas, é mais tediosa. Interage melhor quando é possível falar. Escrita Pessoas que gostam de escrever e colocar seus pensamentos no papel. Dessa maneira visualizam melhor e sentem-se mais seguras quando expressam opiniões. São capazes de organizar seus pensamentos por escrito. 4. Técnicas e Hábitos de Estudo (somente para 8º e 9º) A avaliação das técnicas e hábitos de estudo, aspectos importantes da metacognição, nos possibilita compreender qual o nível de conhecimento e compreensão que os alunos têm sobre os temas propostos e, também, o grau de aplicação procedimental de ambos os conceitos. Os gráficos ilustram três áreas: Técnicas e hábitos de estudo. Nível de conhecimento e compreensão de conceitos relacionados com técnicas e hábitos de estudo. Aplicação de técnicas de estudo. Nível de aplicação de técnicas de estudo quando a pessoa se envolve na aprendizagem de qualquer disciplina. Aplicação de hábitos de estudo. Nível de aplicação de hábitos de estudo quando a pessoa se prepara e se envolve em situações de aprendizagem. Além dos resultados de cada habilidade serem apresentados em porcentagem, como descrito na introdução, círculos (preto, branco e cinza) demonstram os níveis de desenvolvimento em cada uma das habilidades, segundo o seguinte parâmetro:

8 Habilidade baixa. Hábilidade média. Habilidade alta. 4.1 Definição dos conceitos: Técnicas de Estudo Método utilizado para aprender do modo mais eficaz e cientifico possível. Hábitos de Estudo Atividades que a pessoa realiza no ato de estudar. Metacognição Conhecimento, controle e regulação consciente na resolução de problemas (estratégias para encontrar respostas). Discriminação Percepção de igualdades e diferenças entre dois ou mais objetos com determinadas características. Comparação Operação mental que objetiva a equiparação entre objetos ou fenômenos. Priorização Avaliar, julgar e decidir o que é mais importante e fundamental dentre varias opções. Interpretação Explicar ou declarar o sentido de algo, principalmente em um texto. Organização Determinação de ordem e prioridades. Planejamento Estabelecimento de objetivos e ações adequadas, no tempo e espaço, antes de iniciar uma tarefa. Autoconhecimento Processo de reflexão no qual a pessoa conhece a si mesma. Autodomínio Conduta individual que utiliza a vontade para evitar a comodidade e ações intempestivas. É o domínio de si mesmo. Automotivação Energia interna que leva a ação e ao alcance de objetivos.

9 Referências: FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à prática educativa. São Paulo. Paz e Terra: Acesso em 2/10/ Acesso em 2/10/2013.

AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil

AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil AULA 4 O ensino da Matemática na Educação Infantil A Educação Infantil é considerada, como a primeira etapa da educação básica, no Brasil, a partir de 1996. Os eixos de trabalho orientados à construção

Leia mais

Inventário de habilidades escolares. Comunicação Oral

Inventário de habilidades escolares. Comunicação Oral Inventário de habilidades escolares Nome Idade Tempo na Escola Razões para a Indicação Grupo Aprendizagens Consolidadas (Currículo Escolar) Habilidades Realiza sem necessidade de suporte Realiza com ajuda

Leia mais

Programa de Matemática 1.º ano

Programa de Matemática 1.º ano Programa de Matemática 1.º ano Introdução A Matemática é uma das ciências mais antigas e é igualmente das mais antigas disciplinas escolares, tendo sempre ocupado, ao longo dos tempos, um lugar de relevo

Leia mais

COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS

COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS COMO ELABORAR RESPOSTAS DE QUESTÕES DISSERTATIVAS By Prof. Ms. Deborah Costa - 2014 INTRODUÇÃO 1 Este e-book discutirá sobre as questões dissertativas propostas em diferentes avaliações : universidade,

Leia mais

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação

Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatiane Moraes Analista de instrumentos de avaliação Tatianemoraes@caed.ufjf.br Objetivo Analisar e interpretar os resultados do SAEPB para (re)planejamento das ações pedagógicas implementadas em sala

Leia mais

A MATEMÁTICA E SUAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS

A MATEMÁTICA E SUAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS A MATEMÁTICA E SUAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS E.M.E.F.I. Professor Manoel Ignácio de Moraes Sala 1 Sessão 1 Professora Apresentadora: Roseli dos Santos Bassanelli Pereira Realização: Foco O projeto está sendo

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano

Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Síntese da Planificação da Área de Língua Portuguesa 1º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (Carga horária:

Leia mais

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia

Planejamento Anual. Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: Professor(s): Eni e Patrícia Planejamento Anual Componente Curricular: Matemática Ano: 7º ano Ano Letivo: 2016 Professor(s): Eni e Patrícia OBJETIVO GERAL Desenvolver e aprimorar estruturas cognitivas de interpretação, análise, síntese,

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano (Carga horária: Português

Leia mais

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo

Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo Critérios Específicos de Avaliação - 1º ciclo A avaliação, como parte integrante do processo de ensino/ aprendizagem, deverá ter em conta: Os programas e as metas curriculares em vigor para o 1º ciclo;

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas Curriculares de Matemática 1º CICLO MATEMÁTICA 4º ANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GRUPO DISCIPLINAR DE BIOLOGIA E GEOLOGIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A avaliação é uma componente essencial do processo de ensino-aprendizagem e deve ser sistemática e cuidadosa para ser objetiva e rigorosa.

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES Planificação Trimestral - 1.º Ano /2016 Matemática 1.º Período 65 dias letivos

AGRUPAMENTO de ESCOLAS de PEDRÓGÃO GRANDE CONSELHO de DOCENTES Planificação Trimestral - 1.º Ano /2016 Matemática 1.º Período 65 dias letivos Números naturais Correspondências um a um e comparação do número de elementos de dois conjuntos; Contagens de até vinte objetos; O conjunto vazio e o número zero; Números naturais até 9; contagens progressivas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013

Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 ETEc Dr Francisco Nogueira de Lima Ensino Técnico Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Produção Alimentícia Habilitação Profissional: Técnico em Alimentos

Leia mais

Ponderação dos domínios por disciplina

Ponderação dos domínios por disciplina Critérios de Avaliação - 1º ciclo Domínio Instrumentos de avaliação Peso % Cognitivo Trabalhos individuais e de grupo 15% Participação e intervenção 15% Fichas de avaliação 50 % Socioafetivo Registos 20%

Leia mais

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD

Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Tema: O Desenvolvimento de Competências e o EAD Maria Raimunda Mendes da Veiga Pedagoga. Especialista em Gestão de Pessoas veiga@enfam.jus.br Secretária Executiva da Enfam 7 de maio de 2015 1 Objetivo:

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015

PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 PLANEJAMENTO 1º TRIMESTRE/2015 TURMA: Nível 1 PERÍODO: 23/02 a 22/05 DISCIPLINA/PROFESSOR/A OBJETIVO CONTEÚDOS Viviane Bhoes Identidade e Autonomia * Reconhecer colegas e professores pelo nome; * Ampliar

Leia mais

1º ANO PROPOSTA PEDAGÓGICA. Nas relações as pequenas coisas são as grandes.

1º ANO PROPOSTA PEDAGÓGICA. Nas relações as pequenas coisas são as grandes. Processo Admissão 1º ANO PROPOSTA PEDAGÓGICA Nas relações as pequenas coisas são as grandes. (Covey) Vemos a educação da criança como um processo educativo que possibilita a vivência da cidadania, das

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa - 4 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa - 4 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa - 4 º Ano (As Aulas previstas são contabilizadas em unidades de 60 minutos e 8 horas semanais) Comunicação oral Comunicar oralmente, com progressiva

Leia mais

Documento de critérios de avaliação

Documento de critérios de avaliação Disciplina - PORTUGUÊS Metas curriculares (Despacho n.º 5122/2013, de 16 de abril) As Metas Curriculares identificam a aprendizagem essencial a realizar, tendo por base os conteúdos do programa em vigor.

Leia mais

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação.

AVALIAR. É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. O que é Avaliação? Conceito de Avaliação AVALIAR É refletir sobre uma determinada realidade a partir de dados e informações, e emitir um julgamento que possibilite uma ação. Quebra de paradigmas Tipos

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Eduardo e Ana 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 3 Foco: Espaço e Forma Utilizar o conhecimento geométrico para realizar a leitura e a representação da realidade

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

Fundamentos e Práticas de Braille II

Fundamentos e Práticas de Braille II Fundamentos e Práticas de Braille II Aula 13 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS ESCOLA E.B. /3 DE PEDROUÇOS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS GRUPO DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA º CICLO PLANIFICAÇÃO DE MATEMÁTICA 6º ANO Ano

Leia mais

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual.

Avaliação. Diagnóstico. Gerente Apuração de dados. Sistema integrado. Tudo que você precisa está a sua disposição no ambiente virtual. NÍVEL DE ENSINO: Graduação Tecnológica CARGA HORÁRIA: 40h PROFESSOR-AUTOR: Ricardo Saraiva Diniz DE DADOS ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO APRESENTAÇÃO Desempenho Olá! Seja muito bem-vindo à disciplina Análise

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário

Cursos Profissionais de Nível Secundário Cursos Profissionais de Nível Secundário Técnico de Apoio à infância e Técnico de Turismo Ano Letivo: 2014/2015 Matemática (100 horas) 10º Ano PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO A1 Geometria Resolução de problemas

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO

CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO CURSO DE PEDAGOGIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento apresenta a definição, os objetivos, a caracterização e a explicitação das condições

Leia mais

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES

Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Formas de organizar os conteúdos CONTEÚDOS ESCOLARES Multidisciplinaridade: é a organização de conteúdos mais tradicional. Os conteúdos escolares são apresentados por matérias independentes umas das outras.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ELIAS GARCIA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 2016/2017 A AVALIAÇÃO EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 1 INTRODUÇÃO Enquadramento Normativo Avaliar o processo e os efeitos, implica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LOUSADA 2012 2013 PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE MATEMÁTICA Curso Profissional de Técnico de Multimédia ELENCO MODULAR A7 Probabilidades 28 A6 Taxa de variação 36 A9 Funções de crescimento

Leia mais

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO

PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO PROVA BRASIL: LEITURA E INTERPRETAÇÃO Pamella Soares Rosa Resumo:A Prova Brasil é realizada no quinto ano e na oitava série do Ensino Fundamental e tem como objetivo medir o Índice de Desenvolvimento da

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ELIANE CALHEIROS OLIVIA EVANGELISTA BENEVIDES THIANE ARAUJO COSTA TRABALHANDO A MATEMÁTICA DE FORMA DIFERENCIADA A

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão em Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Fundação Darcy Ribeiro

Fundação Darcy Ribeiro I Fundação Darcy Ribeiro ATUAÇÃO DOS EDUCADORES PONTOS ESSENCIAIS DA PROPOSTA Vídeo 05 Coordenação Nacional Formação Inicial e Continuada do Educador do ProJovem: o especialista, o pensador, o cidadão

Leia mais

As diversas linguagens da Multiplicação

As diversas linguagens da Multiplicação As diversas linguagens da Multiplicação E.E. Profa. CLORINDA TRITTO GIANGIACOMO Sala 12 Sessão 2 Professoras Apresentadoras: Giane Feitoza do Amaral Mariane Gomes Cabral Realização: Foco O projeto As diversas

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014

GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 GEOGRAFIA UNIFAL/MG 2014 ETAPAS DO EXAME 19/09 - Divulgação eletrônica da lista de estudantes inscritos e convocados ao Enade 2014 21/10 a 23/11 Período para resposta eletrônica ao Questionário do Estudante

Leia mais

Uma reflexão crítica

Uma reflexão crítica O USO DAS TICS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E NO ENSINO FUNDAMENTAL Uma reflexão crítica Ana Cláudia G. Carvalho Ana Paula Fermin Gilmara R. Santos Patrícia Elaine B.R. Alecrim Telma Augusta da Cunha RESUMO Este

Leia mais

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Ano Letivo 2012/13 Área - Matemática 2º Ano. - Sequências

Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Ano Letivo 2012/13 Área - Matemática 2º Ano. - Sequências Ver documento METAS CURRICULARES de MATEMÁTICA http://www.dgidc.min-edu.pt Números e Operações Números Naturais Operações com números naturais Regularidades - Relações numéricas composição e decomposição

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Direcção Regional de Educação do Centro CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Domínios Capacidade/Conhecimentos (70%) Critérios Aquisição, compreensão e aplicação Expressão Progressão na aprendizagem Atitudes

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa e Metas de Aprendizagem e manual adoptado 3º CICLO MATEMÁTICA 7ºANO TEMAS/DOMÍNIOS

Leia mais

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos

1 EMENTA 2 OBJETIVOS DO COMPONENTE CURRICULAR 3 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO. Cálculo e Raios e comprimentos Plano cartesiano Análise de gráficos PLANO DE ENSINO Disciplina Fundamentos de Matemática Código Docente Daniela Macêdo Damaceno Pinheiro Semestre I/2013.1 Carga horária 80h 1 EMENTA Frações Produtos notáveis Funções, equações e inequações

Leia mais

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014

INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS Nível de Continuação (Prova Escrita e Prova Oral) Maio 2014 Prova 358 2014 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência FRANCÊS L.E II Prova 16 2013 Prova escrita 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º

Disciplina: Físico-Química. Ano: 8.º ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ Disciplina: Físico-Química Ano: 8.º Professores: Ana Padilha e Alberto Morgado Ano Letivo: 2016-2017 Índice 1. Previsão do número de aulas de 45

Leia mais

Escola Básica 2,3 de Miragaia Informação Prova de Equivalência à Frequência

Escola Básica 2,3 de Miragaia Informação Prova de Equivalência à Frequência Escola Básica 2,3 de Miragaia Informação Prova de Equivalência à Frequência Francês - 9. º Ano - Código 1 201 1- Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

Metodologia Científica. Aula 2

Metodologia Científica. Aula 2 Metodologia Científica Aula 2 Proposito da aula Conhecer a definição de Metodologia Científica; A importância da Metodologia Científica; Objetivos da Metodologia Científica enquanto disciplina; Divisão

Leia mais

A psicopedagogia na Argentina: Compreendendo a atuação do psicopedagogo

A psicopedagogia na Argentina: Compreendendo a atuação do psicopedagogo A psicopedagogia na Argentina: Compreendendo a atuação do psicopedagogo IV Congresso de Psicopedagogía escolar. UFU/Nov 2015 OBJETIVO GERAL E TAREFA: Apresentar a atuação da psicopedagogia e seus desafios

Leia mais

Atividades rítmicas e expressão corporal

Atividades rítmicas e expressão corporal Atividades rítmicas e expressão corporal LADAINHAS CANTIGAS BRINQUEDOS CANTADOS FOLCLORE MOVIMENTOS COMBINADOS DE RÍTMOS DIFERENTES RODAS Estas atividades estão relacionados com o folclore brasileiro,

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL. Documento(s) Orientador(es): Programa AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa 1º CICLO MATEMÁTICA 2º ANO TEMAS/DOMÍNIOS CONTEÚDOS OBJETIVOS TEMPO AVALIAÇÃO

Leia mais

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS 01. Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) são referências para o ensino fundamental e médio de todo Brasil, tendo como objetivo: (A) Garantir, preferencialmente,

Leia mais

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006

Israel 1994 mundo 2004 Brasil 2006 AS ORIGENS Os primeiros estudos e aplicações de uma metodologia para desenvolvimento de habilidades cognitivas, sociais, emocionais e éticas por meio de jogos de raciocínio foram iniciados em Israel em

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ/SP Área de conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: FÍSICA Série: 3º C.

Leia mais

Critérios específicos de avaliação

Critérios específicos de avaliação Critérios específicos de 1. Aspetos a considerar na específica A sumativa expressa-se de forma descritiva em todas as áreas curriculares, com exceção das disciplinas de Português e Matemática no 4º ano

Leia mais

A prova é constituída por dois cadernos (Caderno 1 e Caderno 2), sendo permitido o uso de calculadora apenas no Caderno 1.

A prova é constituída por dois cadernos (Caderno 1 e Caderno 2), sendo permitido o uso de calculadora apenas no Caderno 1. INFORMAÇÃO - PROVA FINAL A NÍVEL DE ESCOLA MATEMÁTICA Prova 82 2015 3º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova final a

Leia mais

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa

PLANO DE ENSINO Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa PLANO DE ENSINO 2016 Disciplina: Matemática 8º ano Professor(a): Gracivane Pessoa Competências e Habilidades Gerais da Disciplina Desenvolver a responsabilidade e o gosto pelo trabalho em equipe; Relacionar

Leia mais

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014

Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 Exame de Equivalência à Frequência do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade História 2014 OBJETO DE AVALIAÇÃO O Exame de Equivalência à Frequência de História tem por referência o Programa de História em

Leia mais

Resolução de problemas não numéricos

Resolução de problemas não numéricos Resolução de problemas não numéricos Ler e buscar informações Em Panizza (2006), a didática da matemática define os problemas como aquelas situações que criam um obstáculo a vencer, que promovem a busca

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Avaliação Educacional Código da Disciplina: EDU 340 Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 7º Faculdade responsável: Pedagogia Programa em vigência a partir

Leia mais

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO ATITUDES E VALORES (5%) CONHECIMENTOS E CAPACIDADES (95%) Direção Geral de Estabelecimentos Escolares - DSRN 2016/2017 Português Leitura/ Educação Literária Componente escrita: Compreensão de textos escritos

Leia mais

Seleção de pessoal. Para julgar com eficácia esses dois aspectos, é necessária, então, a coleta de dados do candidato sobre seus/suas:

Seleção de pessoal. Para julgar com eficácia esses dois aspectos, é necessária, então, a coleta de dados do candidato sobre seus/suas: Seleção de pessoal A etapa de seleção de pessoas é a que dá início a tudo, inserindo capital humano dentro da organização e fornecendo o recurso essencial para o funcionamento do PMC. O ponto principal

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência 1. INTRODUÇÃO O presente documento publicita a informação relativa à prova de equivalência à frequência do Ensino Secundário da disciplina de Psicologia B, a realizar em 2016, a nível de escola, de acordo

Leia mais

Relatório do teste de habilidade

Relatório do teste de habilidade Relatório do teste de habilidade Data: 22 junho 2010 Relatório do teste de habilidade Esse Relatório do teste de habilidade fornece as pontuações dos Testes de habilidade "Verify" do Sr. Exemplo. Se esses

Leia mais

Engenharia de Controle e Automação

Engenharia de Controle e Automação ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 2ª Série Cálculo I Engenharia de Controle e Automação A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico

Informação - Prova de Equivalência à Frequência. Espanhol Prova 15 / Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS VIEIRA DE ARAÚJO ESCOLA EB/S VIEIRA DE ARAÚJO VIEIRA DO MINHO Espanhol Prova 15 / 2015 3 Ciclo do Ensino Básico INTRODUÇÃO O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Fundão

Agrupamento de Escolas do Fundão Agrupamento de Escolas do Fundão MATEMÁTICA P GPI 13 12º Ano CURRÍCULO DA DISCIPLINA E Nº DE AULAS PREVISTAS Período PLANIFICAÇÃO ANUAL Módulos a leccionar + Conteúdos Programáticos Módulo A6- Taxa de

Leia mais

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos

Curso: Educação de Infância. Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/ Objectivos Específicos. Actividade proposta 2/3/4/5 anos Ano lectivo: 2005/2006 Estagiária: Curso: Educação de Infância 4º Ano Educadora Cooperante: Tema: Ida à livraria / Planetas Data : 3/4.04.06 Áreas Domínios Objectivos Gerais Objectivos Específicos Actividade

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Plano de Curso nº 213 aprovado pela portaria Cetec nº 134 de 04/10/2014 Etec: ERMELINDA GIANNINI TEIXEIRA Código: 0187 Município: SANTANA

Leia mais

Inteligências Múltiplas. Gardner

Inteligências Múltiplas. Gardner Gardner Inteligência antigamente era medida através de testes de QI. Baseados em Binet Habilidades: Lógico matemáticas Linguístico verbais Inteligência Um potencial biopsicológico para processar informações

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação da prova de equivalência à frequência de Francês Prova 16 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o Programa

Leia mais

Inquérito por Questionário - Professores

Inquérito por Questionário - Professores Inquérito por Questionário - Professores INSTRUÇÕES Este questionário destina-se a recolher informação para um projecto de investigação sobre "Gestão Cooperada do Currículo como mecanismo de desenvolvimento

Leia mais

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas

Formador Escolar: acompanhamento do uso coletivo do material Trilhas Instrumento para acompanhar o uso coletivo do conjunto de material TRILHAS, as práticas de leitura realizadas e o acesso das crianças aos livros. Verificar a circulação dos materiais na escola, o planejamento

Leia mais

SUPERVISÃO EDUCACIONAL

SUPERVISÃO EDUCACIONAL SUPERVISÃO EDUCACIONAL OBJETIVO: Subsidiar o trabalho nas Diretorias Regionais da Educação e as Unidades Escolares, de modo a observar, analisar, orientar, intervir e encaminhar as demandas nas seguintes

Leia mais

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador

Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como processo Sintetizador Criação do Conhecimento como Processo Sintetizador Coleta de informações publicadas e não publicadas Coleta de informações externas Coleta de informações

Leia mais

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada

INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA. TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA TIPOS DE ATIVIDADES PEDAGÓGICAS -Introdução -Trabalho Sistemático -Consolidação -Avaliação -Retomada O aprendizado e a progressão da criança dependerão do processo por ela desenvolvido,

Leia mais

Ferramentas utilizadas durante o ciclo do PDCA. Diagrama de Causa e Efeito

Ferramentas utilizadas durante o ciclo do PDCA. Diagrama de Causa e Efeito Diagrama de Causa e Efeito MATÉRIA PRIMA MÃO DE OBRA MÁQUINA Problema, situação ou evento O Diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama de Causa e Efeito ou Espinha-de-peixe, é uma ferramenta

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem

OBJETIVOS. Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL. Planejamento. Verificação Aprendizagem 1 OBJETIVOS Dar a conhecer a estrutura do Modelo de Excelência de Gestão MEG. Refletir sobre o ciclo PDCL Planejamento Execução Verificação Aprendizagem 2 INTRODUÇÃO Na aula passada, conhecemos os 11 Fundamentos

Leia mais

Informação Prova Prova código 302 de Biologia

Informação Prova Prova código 302 de Biologia Informação Prova Prova código 302 de Biologia Prova de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Despacho normativo n.º 1-D/2016, de 4 de março O presente documento

Leia mais

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE

CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE CABE A ESCOLA TANTO A APRENDIZAGEM DAS HABILIDADES BÁSICAS DE LEITURA E ESCRITA (Alfabetização), QUANTO O DESENVOLVIMENTO, PARA ALÉM DESSA HABILIDADE BÁSICA, DAS HABILIDADES, DOS CONHECIMENTOS E DAS ATITUDES

Leia mais

DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23. CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º

DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23. CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23 CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final de equivalência a frequência

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Médio ETEC MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ/SP Área de conhecimento: CIÊNCIAS DA NATUREZA E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: FÍSICA Série: 3º C.

Leia mais

Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade

Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade Escola Básica Sande S. Martinho Relatório de avaliação de Atividade Tema: Histórias tradicionais Data: 23, 26 e 27 de Maio de 2014 Esta atividade foi realizada no âmbito do projeto Todos juntos podemos

Leia mais

Gestão de sistemas em energia:

Gestão de sistemas em energia: MESTRADO EM ENERGIA Gestão de sistemas em energia: - Planejamento da Operação - Projeto de sistemas de energia Prof. Manuel Jarufe manueljarufe@ceunes.ufes.br Disciplina: Gestão de sistemas em energia

Leia mais

UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE CONSELHO PARTICIPATIVO NA ESCOLA DE ENSINO INTEGRAL. Sala 11 Temas Diversos EF II Integral

UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE CONSELHO PARTICIPATIVO NA ESCOLA DE ENSINO INTEGRAL. Sala 11 Temas Diversos EF II Integral UMA NOVA EXPERIÊNCIA DE CONSELHO PARTICIPATIVO NA ESCOLA DE ENSINO INTEGRAL Sala 11 Temas Diversos EF II Integral E.E.CARLOS MAXIMILIANO PEREIRA DOS SANTOS Professores Apresentadores: M Maria Emilia A.S.

Leia mais

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CURRÍCULO DAS ÁREAS DISCIPLINARES / CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Domínios e subdomínios Metas/Objetivos Objetivos gerais 3º Ciclo Matemática 7º Ano Conteúdos Programáticos Critérios de Avaliação Instrumentos de Avaliação Números e Operações: Números racionais Álgebra:

Leia mais

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014.

1. Introdução. Prova de Equivalência à Frequência de: 3.º Ciclo do Ensino Básico. Informação n.º 01 /2014. Prova 16 / 2014. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MEM MARTINS Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º 2; EB1 com JI da Serra das Minas n.º 1 Informação n.º 01 /2014 Prova 16 / 2014 Prova de

Leia mais

Dislexia. Dificuldade na área da leitura, gerando a troca de linhas, palavras, letras, sílabas e fonemas.

Dislexia. Dificuldade na área da leitura, gerando a troca de linhas, palavras, letras, sílabas e fonemas. Dislexia (BARROS, 2010; SILVA, 2009) Dificuldade na área da leitura, gerando a troca de linhas, palavras, letras, sílabas e fonemas. A troca de letras ocorre especialmente naquelas com diferenças sutis

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO

COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO COORDENAÇÃO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OFICINAS 2014 MATRÍCULAS: DE 27 DE FEVEREIRO A 06 DE MARÇO LÍNGUA ESTRANGEIRA ALEMÃO Profª Lourdes Sufredini Profª Luciane Probst Unidade de Ensino I Prédio João

Leia mais

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso.

Acreditamos no seu envolvimento e dedicação à sua realização e confiamos no seu sucesso. ATIVIDADE INTEGRADORA CURSO: LICENCIATURA EM PEDAGOGIA DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GESTÃO ESCOLAR CIRCUITO: 9 PERIODO: 7º Caro (a) aluno (a), Esta atividade deverá ser desenvolvida individualmente

Leia mais

COMO ESTABELECER OBJETIVOS EDUCATIVOS

COMO ESTABELECER OBJETIVOS EDUCATIVOS COMO ESTABELECER OBJETIVOS EDUCATIVOS 1 OBJETIVOS EDUCATIVOS COMPORTAMENTO INICIAL + PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM -> COMPORTAMENTO FINAL NÃO BASTA DEFINIR OS CONTEÚDOS É NECESSÁRIO IDENTIFICAR OS

Leia mais

Taxonomia. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília

Taxonomia. Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília Taxonomia Profa. Lillian Alvares, Faculdade de Ciência da Informação. Universidade de Brasília Origem O termo taxonomia tem sua origem no grego Táxis (ordem) Nomos (lei, norma) e...... derivou-se de um

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Estágio Curricular Supervisionado em Educação Infantil I Código da Disciplina: EDU Curso: Pedagogia Semestre de oferta da disciplina: 5º Faculdade responsável: Pedagogia

Leia mais