1380 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Resolução n.º 7/12

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1380 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Resolução n.º 7/12"

Transcrição

1 1380 DIÁRIO DA REPÚBLICA Resolução n.º 7/12 de 23 de Março Cônscios de que um dos momentos mais sublimes da democracia é o exercício efectivo do direito de voto. Considerando que os períodos eleitorais são potenciadoé importante que seja adoptada uma postura cívica e moral conforme emana a Constituição da República de Angola, a Convindo disciplinar a conduta dos partidos políticos ou coligações de partidos políticos, candidatos, militantes e simpatizantes dos partidos políticos e coligações de partidos políticos, órgãos de comunicação social, forças da ordem pública, eleitores, membros das assembleias de voto, observadores e delegados de lista. A Assembleia Nacional aprova, por mandato do povo, nos da República de Angola, a seguinte resolução: à presente resolução, de que é parte integrante. publicação. Vista e aprovada pela Assembleia Nacional, em Luanda, Publiquese. O Presidente da Assembleia Nacional, António Paulo Kassoma.

2 I SÉRIE N.º 57 DE 23 DE MARÇO DE CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL Disposições Gerais Objecto e Princípios (Objecto) disciplinares de conduta dos agentes eleitorais. 2. Para efeitos do presente Código são agentes eleitorais os partidos políticos ou coligações de partidos políticos, os candidatos, militantes e simpatizantes dos partidos políticos, os membros dos órgãos da administração eleitoral, os membros das assembleias de voto, as forças da ordem pública, os eleitores, os observadores eleitorais, os órgãos da comunicação social, os delegados de lista às assembleias de voto, as entidades religiosas, as autoridades tradicionais e os agentes da sociedade civil. (Princípios gerais) princípios: e) f) g) h) i) j) responsabilidade. 2. As eleições devem ser organizadas e os agentes eleitorais devem agir tendo em conta os seguintes princípios: garantia constitucional e legal de liberdade e res ambiente conducente a eleições livres, justas, isenção, transparência e não discriminação no existência de cadernos eleitorais actualizados e e) f) g) localização das assembleias de voto em espaços h) contagem dos votos nas assembleias de voto em i) j) cooperação e aceitação dos órgãos da administração eleitoral e do mandato de conduzirem eleições k) respeito pela lei, pelos órgãos de soberania, pelos símbolos nacionais, pelos bens públicos e privados e em especial, o compromisso do cuml) m) mente, pela via do diálogo e a contestação de quaisquer irregularidades do processo eleitoral junto das instituições eleitorais ou do tribunal n) postura de reforço da cultura de tolerância recíproca e de sã convivência entre cidadãos, extensiva aos dirigentes e responsáveis, aos militantes e o) postura de magnanimidade, respeito, aceitação e p) asseguramento de liberdade de acção política de q) abstenção da utilização de propaganda indecorosa e de linguagem ou da prática de acções que possam conduzir ou incitar os seus apoiantes ou os cidadãos em geral a cometerem actos de r) s) liberdade de circulação por todo o território naciot) igualdade de oportunidade de acesso à imprensa, u) ordem pública no tratamento de todos os interv) promoção da igualdade de direitos e da não discriminação ou exclusão independentemente do estatuto económico ou social e das opções políx) defesa da paz, da independência nacional, da integridade territorial e do compromisso com o reforço da democracia, da unidade e da reconciliação nacional, da justiça, do desenvolvimento de Angola e da dignidade humana. Disposições Especiais Agentes Eleitorais Partidos Políticos promover a educação cívica dos seus militantes em reunir com os seus militantes ou promover actos de campanha em lugares públicos, depois de

3 1382 DIÁRIO DA REPÚBLICA e) absterse de utilizar os meios de comunicação social para ofender moralmente os candidatos e militantes de outros partidos políticos ou coligacomunicação prévia à autoridade competente e manifestar publicamente o seu programa de govere) apontar as razões do seu programa de governação e f) tempo de antena para apresentar o seu programa de g) protecção pelas forças da ordem pública. rais, os partidos políticos devem absterse de: incitar o povo ou os seus militantes à violência ou à prática de actos de vandalismo quer contra os militantes de outros partidos políticos ou coligação de partidos políticos, quer contra os bens reunirse em espaços públicos sem prévia comuni perturbar as actividades de outros partidos políti lência contra outros partidos políticos e seus e) recorrer à corrupção para angariar militantes para o partido político ou coligação de partidos políf) recorrer a promessas eleitorais irrealizáveis ou contrárias aos princípios constitucionalmente g) adoptar outras condutas contrárias a ética eleitoral, à lei e aos bons costumes. Candidatos promover a educação cívica dos seus apoiantes em reunirse em espaços públicos com prévia comuni manifestar publicamente o seu programa de gover apontar as razões do seu programa de governação e) protecção pelas forças da ordem pública. No exercício da sua actividade política, os candidatos devem absterse de: incitar os apoiantes do seu partido político ou da coligação dos partidos políticos à violência ou a actos de vandalismo quer contra os apoiantes de outros candidatos ou militantes de outros parti reunirse em espaços públicos sem prévia comuni violência contra os outros candidatos e seus e) recorrer a promessas eleitorais irrealizáveis ou contrárias aos princípios constitucionalmente f) adoptar outras condutas contrárias a ética eleitoral, à lei e aos bons costumes. Militantes e Simpatizantes dos Partidos Políticos coligações de partidos políticos têm direito a: promover actividades recreativas em lugares previamente seleccionados dentro dos horários promover passeatas de apoio ao seu partido político ou coligação de partidos políticos, nos termos da e) promover debates em torno dos programas e linhas f) convencer os demais eleitores das vantagens do programa do seu partido político ou coligação g) protecção pelas forças da ordem pública. coligação de partidos políticos devem: respeitar a diferença de opção dos militantes de outros partidos políticos ou da coligação dos absterse de praticar actos de violência contra partidos políticos, candidatos, activistas, ou militantes de outros partidos políticos ou coliga absterse de se imiscuir nos assuntos das Assem absterse de se imiscuir em assuntos das forças da

4 I SÉRIE N.º 57 DE 23 DE MARÇO DE f) absterse de caluniar e difamar dirigentes, militantes e activistas de outros partidos políticos ou g) absterse da prática de actos contrários à ética eleitoral, à democracia, à lei e aos bons costumes. Comissão Nacional Eleitoral (Princípios) tratamento condigno pelos partidos políticas, coligações de partidos políticos, candidatos, e) receber todos os meios necessários para o cumprif) não ser incomodado ou perturbado por militantes de outros partidos políticos ou coligação de g) credenciamento e demais sinais distintivos da sua actividade. regemse pelos princípios de transparências de competência, de isenção partidária, de consensualidade e de cooperação. Com vista a promover a organização do processo eleitoral de modo a garantir o respeito pelos princípios referidos sua actividade devem: e) observar, rigorosamente, o estipulado na Lei legislação. Forças da Ordem Pública seguintes competências: organizar, executar, coordenar e conduzir os pro solicitar informações aos partidos políticos e colidemais agentes sobre matérias relacionadas com promover acções tendentes à educação cívica e a e) promover o esclarecimento objectivo dos cidadãos f) g) efectuar os sorteios referentes às listas de candih) i) j) k) credenciar os delegados de lista dos partidos polítil) m) promover que o processo eleitoral se desenvolva em condições de plena liberdade, justiça e transn) colaborar com entidades públicas e privadas, partidos políticos e coligação de partidos políticos. Membros das Assembleias de Voto As forças da ordem pública, no exercício da sua missão, têm direito a: meios logísticos e demais meios para o cumpri serem respeitadas pelos demais agentes eleitorais. As forças da ordem pública, no exercício das suas actividades, devem: actuar com imparcialidade e transparência em relação a todos os concorrentes e aos cidadãos absterse de se imiscuir nos assuntos dos membros absterse da prática de conduta contrária à lei. Eleitores ser devidamente esclarecido durante a campanha ser protegido para exercer o seu direito de voto. direitos:

5 1384 DIÁRIO DA REPÚBLICA absterse de promover campanhas dentro do recinto não imiscuirse nos assuntos reservados aos meme) f) absterse de perturbar a ordem e a disciplina no g) comparecer no seu local de votação com o cartão h) i) não incitar outros eleitores à violência. Observadores Eleitorais no exercício da sua missão, têm direito a: permanecer no local de votação para observar o ser acreditado como observador eleitoral. no exercício da sua missão, têm os seguintes deveres: absterse de fazer política ou campanha a favor de um partido político ou coligação de partidos absterse de levantar falsas informações em relação aos partidos políticos e coligações de partidos não se imiscuir nos assuntos dos membros das e) f) aceitar as áreas de acção para a observação. Órgãos de Comunicação Social tura eleitoral, têm os seguintes direitos: serem respeitados pelos candidatos a Deputados, partidos políticos e coligações de partidos políticos e demais agentes eleitorais. absterse de transmitir ou publicar mensagens de incitamento ao ódio e à violência. Delegados de Lista tratamento condigno pelos demais agentes eleito não serem incomodados nem perturbados por militantes ou simpatizantes de partidos políticos ou e) credenciamento e demais sinais distintivos da sua actividade. devem: absterse de fazer política ou campanha eleitoral a absterse de levantar falsas informações em relação aos partidos políticos e coligação de partidos e) promover que o processo eleitoral se desenvolva em condições de plena liberdade, justiça e transparência. Entidades Religiosas As entidades religiosas têm direito a: receber dos órgãos da administração eleitoral todas as informações úteis sobre o processo eleitoral. As entidades religiosas devem absterse de: tura eleitoral, devem: utilizar linguagem que conduza à intolerância política, à discriminação ou à violência entre cidadãos.

6 I SÉRIE N.º 57 DE 23 DE MARÇO DE Autoridades Tradicionais As autoridades tradicionais têm direito a: prestar informações aos cidadãos da respectiva receber dos órgãos da administração eleitoral todas as informações úteis sobre o processo eleitoral. As autoridades tradicionais devem absterse de: prestar informações parciais em benefício de um utilizar linguagem que conduza à intolerância política, à discriminação ou à violência entre desrespeitar os demais deveres estabelecidos por lei. Agentes da Sociedade Civil promover actividades tendentes ao esclarecimento (Responsabilidade) cício de outros direitos nem a obrigação de cumprimento de outros deveres previstos por lei. 2. A violação dos princípios ou dos direitos e deveres constantes do presente Código pode ser passível de responsabilidade penal e civil nos termos da lei, independentemente da censura da sociedade e dos demais actores eleitorais. (Dúvidas e omissões) As dúvidas e as omissões resultantes da interpretação e da aplicação do presente Código são resolvidas pela Assembleia Nacional. O Presidente da Assembleia Nacional, António Paulo Kassoma. Resolução n.º 8/12 de 23 de Março Considerando que a Constituição da República de Angola determina que o povo angolano exerce o poder político através do sufrágio universal, livre, igual, directo, secreto e periódico, do referendo e das demais formas estabelecidas pela Constituição, nomeadamente para a escolha Considerando que os processos eleitorais são organizados por órgãos de administração eleitoral independentes, cuja estrutura, funcionamento, composição e competência realizar acções com vista à participação dos cida ser respeitado pelos demais agentes eleitorais. incitar os eleitores à violência e à não participação levantar falsas informações a respeito de qualquer utilizar linguagem que conduza à intolerância, à designa dezasseis cidadãos sob proposta dos partidos políticos e coligações de partidos políticos com assento parlamentar, para integrarem as respectivas Comissões A Assembleia Nacional aprova, por mandato do povo, Constituição da República de Angola, a seguinte resolução: imiscuirse nos assuntos próprios dos agentes eleie) f) desrespeitar os demais deveres estabelecidos por lei. I. COMISSÃO PROVINCIAL ELEITORAL DA PROVÍNCIA DO BENGO Disposições Finais (Registo eleitoral) As disposições do presente Código aplicamse, com as devidas adaptações, aos agentes envolvidos no processo de registo eleitoral. 5. Agostinho Domingos da Costa 9. Isabel Augusto José

De Observação Eleitoral. Revoga a Lei n.º 4/05, de 4 de Julho (Lei de Observação Eleitoral).

De Observação Eleitoral. Revoga a Lei n.º 4/05, de 4 de Julho (Lei de Observação Eleitoral). De Observação Eleitoral. Revoga a Lei n.º 4/05, de 4 de Julho (Lei de Observação Eleitoral). Índice LEI DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL... 5 CAPÍTULO I Disposições Gerais... 5 ARTIGO 1.º (Objecto)... 5 ARTIGO

Leia mais

Lei n.º 4/05 de 4 de Julho. Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais, quer por estrangeiros;

Lei n.º 4/05 de 4 de Julho. Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais, quer por estrangeiros; Lei n.º 4/05 de 4 de Julho Convindo regular a observação eleitoral quer por nacionais, quer por estrangeiros; Nestes termos, ao abrigo do disposto na alínea b) do artigo 88.º da Lei Constitucional, a Assembleia

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL

Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL Resolução Nº 10/05 CÓDIGO DE CONDUTA ELEITORAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Secção I Objecto e Princípios Artigo 1º (Objecto) 1. O presente Código estabelece os princípios e as regras disciplinadoras

Leia mais

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS DE ANTENA

REGULAMENTO DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS DE ANTENA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES REGULAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO DOS TEMPOS DE ANTENA Maputo, Julho de 2014 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES Deliberação n.º 60/CNE/2014

Leia mais

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Por: Cremildo Paca Falar sobre as garantias legais de equilíbrio do direito de antena é um exercício desafiante.

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique CÓDIGO DE CONDUTA DOS CANDIDATOS, PARTIDOS POLÍTICOS, COLIGAÇÕES DE PARTIDOS E GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES PROPONENTES, CONCORRENTES ÀS ELEIÇÕES Ficha Técnica Propriedade: STAE

Leia mais

IIª ASSEMBLEIA DA CONFERÊNCIA DAS JURISDIÇÕES CONSTITUCIONAIS DOS PAISES DA LINGUA OFICIAL PORTUGUESA CJCPLP

IIª ASSEMBLEIA DA CONFERÊNCIA DAS JURISDIÇÕES CONSTITUCIONAIS DOS PAISES DA LINGUA OFICIAL PORTUGUESA CJCPLP Espécies de eleições políticas previstas na Constituição do país do órgão de jurisdição constitucional. I- Em São Tomé e Príncipe está previsto na Constituição a Eleição. (1) - Eleição do Chefe do Estado,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES CÓDIGO DE CONDUTA DOS CANDIDATOS, PARTIDOS POLÍTICOS, COLIGAÇÕES DE PARTIDOS E GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES PROPONENTES, CONCORRENTES ÀS ELEIÇÕES Maputo,

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE O SORTEIO DE DISTRIBUIÇÃO. Artigo 1.º (Objecto) TEMPOS DE ANTENA NA RÁDIO E NA TELEVISÃO

REGULAMENTO SOBRE O SORTEIO DE DISTRIBUIÇÃO. Artigo 1.º (Objecto) TEMPOS DE ANTENA NA RÁDIO E NA TELEVISÃO TEMPOS DE ANTENA NA RÁDIO E NA TELEVISÃO Considerando que as candidaturas às eleições gerais têm direito à utilização do serviço público de radiodifusão e televisão, durante o período oficial da campanha

Leia mais

Regulamento n.º /2012. de de

Regulamento n.º /2012. de de Regulamento n.º /2012 de de Considerando que as candidaturas às eleições gerais têm direito à utilização do serviço público de radiodifusão e televisão, durante o período oficial da campanha eleitoral;

Leia mais

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos,

Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Sua Excelência Presidente da República de Angola, Engenheiro José Eduardo dos Santos, Excelentíssima Primeira-Dama da República de Angola, Drª Ana Paula dos Santos, Excelentíssimo Senhor Vice-Presidente

Leia mais

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO B SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA (Texto de Apresentação Pública) O Projecto B comporta 195 artigos e os seus principais aspectos são

Leia mais

Conteúdo PRINCÍPIOS E LINHAS MESTRAS SOBRE A INDEPENDÊNCIA DAS COMISSÕES ELEITORAIS (EMBS) NA REGIÃO DA SADC PREÂMBULO 2

Conteúdo PRINCÍPIOS E LINHAS MESTRAS SOBRE A INDEPENDÊNCIA DAS COMISSÕES ELEITORAIS (EMBS) NA REGIÃO DA SADC PREÂMBULO 2 Conteúdo PREÂMBULO 2 CARACTERÍSTICAS DAS COMISSÕES ELEITORAIS (EMB) 6 PODERES E DEVERES 10 INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA 15 RESPONSABILIDADE 17 PRINCÍPIOS E LINHAS MESTRAS SOBRE A INDEPENDÊNCIA DAS COMISSÕES

Leia mais

Assembleia Nacional Popular

Assembleia Nacional Popular REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Assembleia Nacional Popular LEI N. º /20 A Assembleia Nacional Popular decreta, nos termos da alínea l) do artigo 86.º da Constituição o seguinte: LEI DA COMISSÃO NACIONAL DE

Leia mais

Glossário. Apuramento de votos é a contabilização dos votos feita na mesa da assembleia de voto.

Glossário. Apuramento de votos é a contabilização dos votos feita na mesa da assembleia de voto. ANEXO Glossário Para efeitos da presente Lei, entende-se por: A Abertura da assembleia de voto é o procedimento através do qual o presidente da mesa de assembleia de voto, em cumprimento das directivas

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 266/IX ALTERA A LEI DE FINANCIAMENTO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E DAS CAMPANHAS ELEITORAIS. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 266/IX ALTERA A LEI DE FINANCIAMENTO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E DAS CAMPANHAS ELEITORAIS. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 266/IX ALTERA A LEI DE FINANCIAMENTO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E DAS CAMPANHAS ELEITORAIS Exposição de motivos De acordo com a Recomendação 1516 (2001), do Conselho da Europa, sobre o

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS»

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO REGIME JURÍDICO DA COBERTURA

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. 6ª Revisão Lei Constitucional 1/2004, de 24 de Julho

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. 6ª Revisão Lei Constitucional 1/2004, de 24 de Julho CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 6ª Revisão Lei Constitucional 1/2004, de 24 de Julho ( excertos ) PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 10º ( Sufrágio universal e partidos políticos ) 1. O povo exerce o

Leia mais

Glossário. Assembleia de Voto É o local onde o eleitor vota, ou o conjunto de cerca de 1.000 eleitores que a integram.

Glossário. Assembleia de Voto É o local onde o eleitor vota, ou o conjunto de cerca de 1.000 eleitores que a integram. Glossário Apuramento Geral É a determinação final e a nível nacional através de escrutínio, da vontade expressa pelos eleitores relativamente à escolha dos Deputados ao Parlamento e do Presidente da República.

Leia mais

REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA

REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA ARTIGO 1. OBJETIVOS REGULAMENTO DAS MISSÕES DE OBSERVAÇÃO ELEITORAL DA COPA As missões de observação eleitoral da Confederação Parlamentar das Américas

Leia mais

Escola: Nome: Nº: Turma:

Escola: Nome: Nº: Turma: Escola: Nome: Nº: Turma: Skimming e scanning Skimming e scanning são duas técnicas de leitura de textos. Utilizamos frequentemente estas duas técnicas em conjunto para poupar tempo na identificação, localização

Leia mais

CENTRO DE ESCRUTÍNIOS

CENTRO DE ESCRUTÍNIOS CENTRO DE ESCRUTÍNIOS Considerando que a Lei n.º 36/11, de 21 de Dezembro, Lei Orgânica sobre as Eleições Gerais, e a Lei n.º 12/12, de 13 de Abril, Lei Orgânica sobre a Organização e Funcionamento da

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE MARKETING

CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE MARKETING CÓDIGO DE CONDUTA DOS PROFISSIONAIS DE MARKETING O objectivo do presente Código de Conduta é promover e manter, para o benefício dos profissionais de marketing, das empresas e organizações e dos consumidores,

Leia mais

PROJECTO LEI N.º 320/X. Combate à corrupção e defesa da verdade desportiva

PROJECTO LEI N.º 320/X. Combate à corrupção e defesa da verdade desportiva PROJECTO LEI N.º 320/X Combate à corrupção e defesa da verdade desportiva O fenómeno desportivo granjeia hoje na sociedade portuguesa um indiscutível lugar de destaque e concita sobre si o interesse e

Leia mais

DECLARAÇÃO DO PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL ELEITORAL

DECLARAÇÃO DO PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL ELEITORAL DECLARAÇÃO DO PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL ELEITORAL Povo Angolano, Minhas Senhoras e meus senhores No dia 23 de Agosto de 2017, os angolanos exerceram, pela quarta vez, o seu direito de voto, consagrado

Leia mais

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo. Código de Ética e Conduta Profissional da CCDR-LVT Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Código de Ética e Conduta Profissional Agosto 2009 Código de Ética e Conduta Profissional Um Código de Ética e Conduta Profissional

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

DIREITO ELEITORAL. UNIDADE 1 Direito Eleitoral Código Eleitoral (Lei nº 4.737, de 15/07/1965)

DIREITO ELEITORAL. UNIDADE 1 Direito Eleitoral Código Eleitoral (Lei nº 4.737, de 15/07/1965) DIREITO ELEITORAL SUMÁRIO UNIDADE 1 Direito Eleitoral Código Eleitoral (Lei nº 4.737, de 15/07/1965) UNIDADE 2 Órgãos da Justiça Eleitoral (TSE, TREs, Juízes Eleitorais e Juntas Eleitorais) 2.1 Composição

Leia mais

RELATÓRIO DA CERIMÓNIA DA ASSINATURA DO ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROVEDORIA DE JUSTIÇA E EMBAIXADA DO REINO UNIDO EM ANGOLA

RELATÓRIO DA CERIMÓNIA DA ASSINATURA DO ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROVEDORIA DE JUSTIÇA E EMBAIXADA DO REINO UNIDO EM ANGOLA REPÚBLICA DE ANGOLA ----*---- PROVEDORIA DE JUSTIÇA RELATÓRIO DA CERIMÓNIA DA ASSINATURA DO ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A PROVEDORIA DE JUSTIÇA E EMBAIXADA DO REINO UNIDO EM ANGOLA LUANDA, AGOSTO DE 2013

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB FFFF REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO PEDAGÓGICO DO ISGB Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece os princípios, as regras e os procedimentos aplicáveis à eleição dos membros do Conselho Pedagógico

Leia mais

i) Imposto sobre o Valor Acrescentado.

i) Imposto sobre o Valor Acrescentado. Sua Excelência A Presidente da Assembleia da República Palácio de São Bento 1249-068 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. P-006/09 (A6) Assunto: Leis eleitorais. Candidaturas apresentadas

Leia mais

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal

sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal TRADUÇÃO da versão em francês CONSELHO DA EUROPA Recomendação CM/Rec(2012)11 do Comité de Ministros aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal (adoptada pelo

Leia mais

Assembleia da República. Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de CAPÍTULO I Disposições gerais

Assembleia da República. Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de CAPÍTULO I Disposições gerais Anexo 3 Assembleia da República Lei n. 20/2002 de 10 de Outubro de 2002 Publicado no Boletim da República Quinta-feira, 10 de Outubro de 2002, I SÉRIE Número 41 Havendo necessidade de introduzir alterações

Leia mais

PROCESSO EXTRAORDINÁRIO DE ACTUALIZAÇÃO DAS INSCRIÇÕES NO RECENSEAMENTO ELEITORAL ATRAVÉS DA CRIAÇÃO DE UM FICHEIRO CENTRAL INFORMATIZADO

PROCESSO EXTRAORDINÁRIO DE ACTUALIZAÇÃO DAS INSCRIÇÕES NO RECENSEAMENTO ELEITORAL ATRAVÉS DA CRIAÇÃO DE UM FICHEIRO CENTRAL INFORMATIZADO PROCESSO EXTRAORDINÁRIO DE ACTUALIZAÇÃO DAS INSCRIÇÕES NO RECENSEAMENTO ELEITORAL ATRAVÉS DA CRIAÇÃO DE UM FICHEIRO CENTRAL INFORMATIZADO Lei nº 130-A/97, de 31 de dezembro A Assembleia da República decreta,

Leia mais

DECLARAÇÃO PRELIMINAR DA MIISÃO DE OBSERVAÇÃO DA UNIÃO AFRICANA ÀS ELEIÇÕES GERAIS DE 31 DE AGOSTO DE 2012 NA REPÚBLICA DE ANGOLA

DECLARAÇÃO PRELIMINAR DA MIISÃO DE OBSERVAÇÃO DA UNIÃO AFRICANA ÀS ELEIÇÕES GERAIS DE 31 DE AGOSTO DE 2012 NA REPÚBLICA DE ANGOLA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 251-11-5517700 Fax : 251-11-5517844 DECLARAÇÃO PRELIMINAR DA MIISÃO DE OBSERVAÇÃO DA UNIÃO AFRICANA ÀS ELEIÇÕES

Leia mais

Capítulo I Constituição do Orçamento

Capítulo I Constituição do Orçamento REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 2/03 de 7 de Janeiro O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira que expresso em termos de valores, para um

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS ÓRGÃOS DISTRITAIS E LOCAIS

REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS ÓRGÃOS DISTRITAIS E LOCAIS Aprovado no Conselho Nacional dos TSD, em 10 de Fevereiro de 2001 REGULAMENTO ELEITORAL PARA OS ÓRGÃOS DISTRITAIS E LOCAIS Artº 1º (Princípios Gerais) 1. As eleições para os órgãos distritais e locais

Leia mais

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O

PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O PARLAMENTO DOS JOVENS E N S I N O B Á S I C O E S E C U N D Á R I O O QUE É? O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da Assembleia da República (AR) dirigida aos jovens do 2.º e do 3.º ciclos

Leia mais

MPLA. Data: Local: Luanda

MPLA. Data: Local: Luanda MPLA Discurso do Camarada João Lourenço, Candidato Do MPLA a Presidente da República, na Abertura do Encontro com as Instituições Religiosas Reconhecidas. Data: 24.02.17 Local: Luanda Distintos Membros

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

Propostas de alteração do PCP (artigos 4.º e 6.º) ( )

Propostas de alteração do PCP (artigos 4.º e 6.º) ( ) D e CDS-PP do Projeto de do D e CDS/PP ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DA COBERTURA JORNALÍSTICA EM PERÍODO ELEITORAL E REGULA A PROPAGANDA ELEITORAL ATRAVÉS DE MEIOS DE LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 01/2005 de 14 de Novembro. Considerando a necessidade de se regular a organização e funcionamento da Comissão Nacional Eleitoral;

DELIBERAÇÃO N.º 01/2005 de 14 de Novembro. Considerando a necessidade de se regular a organização e funcionamento da Comissão Nacional Eleitoral; DELIBERAÇÃO N.º 01/2005 de 14 de Novembro Considerando a necessidade de se regular a organização e funcionamento da Comissão Nacional Eleitoral; Nos termos do n.º 2 do art.º154.º da Lei n.º6/05 de 10 de

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO

REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO REGULAMENTO ELEITORAL MANDATO 2008/2010 Apreciado na 33.ª reunião plenária do CDN, em 20 de Março de 2007 e pelo Conselho Nacional de Delegados no dia 31 de Março de 2007. Aprovado em reunião plenária

Leia mais

Eleição para o Parlamento Europeu 18 de Junho de 1989

Eleição para o Parlamento Europeu 18 de Junho de 1989 COMISSÃO NACIONAL DE ELEIÇÕES (Lei n. 71/78, de 27 de Dezembro) Eleição para o Parlamento Europeu 18 de Junho de 1989 Mapa-Calendário a que se refere o Artº 6º da Lei nº 71/78, de 27 de Dezembro Quadro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO RENOVA BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO RENOVA BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO RENOVA BRASIL 1. APRESENTAÇÃO O RENOVABR é um projeto que busca identificar, selecionar e desenvolver novas lideranças políticas. Este documento tem como objetivo a apresentação

Leia mais

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna Competências da Assembleia A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna ex.: elaboração do regimento; comissões ou grupos de

Leia mais

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU

COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE VISEU ANO EUROPEU DA IGUALDADE DE OPORTUNIDADE PARA TODOS Projecto de Actividades para Alunos do 1º CEB VISEU, 2007 INDICE Introdução:...3 Objectivos:...3

Leia mais

Direito Constitucional

Direito Constitucional Barbara Rosa Direito Constitucional Princípios Fonte: elfactorhumanoburgos.com Direito Constitucional Princípios PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS - Elementos basilares da Constituição. - Eles nos auxiliam a entender

Leia mais

Estatutos da Associação de Estudantes

Estatutos da Associação de Estudantes Estatutos da Associação de Estudantes Escola Básica e Secundária de Melgaço A.E.E.B.S.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Designação 1 A associação denomina-se A.E.E.B.S.M. e é uma coletividade

Leia mais

Projecto de Lei N.º 397/IX (Cria o Provedor da Saúde)

Projecto de Lei N.º 397/IX (Cria o Provedor da Saúde) Projecto de Lei N.º 397/IX (Cria o Provedor da Saúde) Exposição de motivos A nossa Lei Fundamental reconhece a todos os cidadãos o direito à protecção da saúde, concretizado através de um serviço nacional

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS REDE JURIS DIREITO CONSTITUCIONAL PROF. BRUNO PONTES PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS (arts. 1º ao 4º) TÍTULO II DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS (arts. 5º ao 17) Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA

REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Área Proponente GGV REGULAMENTO ELEIÇÃO DO REPRESENTANTE DOS TRABALHADORES NO CONSELHO DE AUDITORIA Data de Emissão 02-08-2013 Regulamento Eleitoral Artigo 1.º (Direito de voto) Compete aos trabalhadores

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

CÓDIGO DE CONDUTA DO MUNICÍPIO DE BARCELOS CÓDIGO DE CONDUTA DO ÍNDICE Capítulo I Âmbito de Aplicação Capítulo II Princípios Gerais Capítulo III Relacionamento com o Exterior Capítulo IV Relações Internas Capítulo V - Aplicação CÓDIGO DE CONDUTA

Leia mais

Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos

Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como lei geral da República, a

Leia mais

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ

PROPOSTA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ PROPOSTA DE ASSOCIAÇÃO DISTRITAL DE XADREZ DE BEJA REGULAMENTO ELEITORAL DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE XADREZ Artigo 1º Ano das Eleições 1. As Eleições para a Assembleia Geral e Órgãos Sociais da Federação

Leia mais

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede

CAPÍTULO I Princípios Gerais. ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR FRANCISCO FERNANDES LOPES ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º Denominação, âmbito e sede 1 - A Associação de Estudantes do Agrupamento

Leia mais

LEI N.º 4/92 de 6 de Maio

LEI N.º 4/92 de 6 de Maio LEI N.º 4/92 de 6 de Maio A edificação de uma sociedade de justiça social, a defesa e a preservação da igualdade de direitos para todos os cidadãos, o reforço da estabilidade social e a valorização da

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura

Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura Adoptados pelo Sétimo Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS DE SETEMBRO E 1 DE OUTUBRO DE 2017

RELATÓRIO SÍNTESE ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS DE SETEMBRO E 1 DE OUTUBRO DE 2017 RELATÓRIO SÍNTESE ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2017 30 DE SETEMBRO E 1 DE OUTUBRO DE 2017 1464 PEDIDOS DE INFORMAÇÃO E PARTICIPAÇÕES 1 (765 POR ESCRITO / 699 POR TELEFONE) 1 Os dados disponíveis indicam 1196 na

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA A MARCELO REBELO DE SOUSA Professor Catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa JOSÉ DE MELO ALEXANDRINO Assistente da Faculdade de Direito de Lisboa CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ^ COMENTADA

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99 Preâmbulo Na elaboração preliminar deste Estatuto colaboraram Juízes de diversos países do mundo. O presente Estatuto é o resultado do seu trabalho e teve o consenso

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA Preâmbulo Considerando que os órgãos de poder local constituem a fonte mais próxima da soberania estatal junto dos cidadãos, reconhecidos como os

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos do Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º (Denominação) O Fórum de Juventude da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, a

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 194/IX SOBRE A CONSTITUIÇÃO EUROPEIA Considerando o Relatório sobre os Trabalhos da Convenção sobre o Futuro da Europa e sobre o Projecto de Tratado que estabelece uma Constituição

Leia mais

DECLARAÇÃO PRELIMINAR

DECLARAÇÃO PRELIMINAR ECOWAS COMMISSION COMISSÃO DA CEDEAO COMMISSION DE LA CEDEAO CABO VERDE 2016 ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DECLARAÇÃO PRELIMINAR I- INTRODUÇÃO 1- Em conformidade com as disposições do Protocolo Suplementar sobre

Leia mais

DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA

DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA DEMOCRACIA, ÉTICA E CIDADANIA Seminário do ENADE Agronomia, Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Educação Física, Medicina Veterinária e Estética e Cosmética Profª. Ma. Denise Tatiane Girardon

Leia mais

Luanda, 25 de Agosto de 2017

Luanda, 25 de Agosto de 2017 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA MISSÃO DE OBSERVAÇÃO DA UNIÃO AFRICANA NAS ELEIÇÕES GERAIS REPÚBLICA DE ANGOLA 23 DE AGOSTO DE 2017 DECLARAÇÃO PRELIMINAR I. INTRODUÇÃO Luanda, 25 de Agosto

Leia mais

PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO

PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO PROPOSTA DE Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Figueira da Foz PREÂMBULO O Conselho Municipal da Juventude da Figueira da Foz, criado em 7/05/2007, surgiu por iniciativa da Câmara Municipal

Leia mais

REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA

REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E CONTROLO DA VIOLÊNCIA Federação Portuguesa de Damas Aprovado em reunião de Direcção realizada em 05 Abril de 2010 Homologado em Assembleia Geral a 25 de Fevereiro de 2012 CAPÍTULO

Leia mais

Comunicado da 10ª Reunião Ordinária do Comité Permanente da Comissão Política

Comunicado da 10ª Reunião Ordinária do Comité Permanente da Comissão Política Comunicado da 10ª Reunião Ordinária do Comité Permanente da Comissão Política Nos dias 14 e 15 de Maio de 2015, decorreu em Luanda, a 10ª Reunião Ordinária do Comité Permanente da Comissão Política da,

Leia mais

Perguntas Frequentes (FAQ s)

Perguntas Frequentes (FAQ s) Perguntas Frequentes (FAQ s) Estatuto Disciplinar dos Trabalhadores que exercem funções públicas ( (Publicitado em Janeiro de 2011) 1/6 Como posso saber se o documento de Perguntas Frequentes da URH é

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015.

ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS. Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015. ASSOCIAÇÃO DE ESTUDANTES DA ESCOLA SECUNDÁRIA ANTERO DE QUENTAL ESTATUTOS Estatutos aprovados a 18 de Março de 2015 Página 1 de 15 CAPÍTULO I Princípios Gerais ARTIGO 1.º (Denominação, âmbito, sede, sigla

Leia mais

nós, filiados e filiadas ao PT abaixo assinados, nos dirigimos às instâncias partidárias para relatar o que segue.

nós, filiados e filiadas ao PT abaixo assinados, nos dirigimos às instâncias partidárias para relatar o que segue. 1 São Paulo, 25 de setembro de 2014 Ao Diretório Municipal do PT em São José dos Campos Ao presidente municipal do PT À comissão de ética municipal do PT Companheiros e companheiras, Tendo em vista que:

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de 2010 1 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O presente Código de Conduta (a seguir designado por «Código») estabelece linhas de orientação em matéria de ética profissional para todos os

Leia mais

Cotas para mulheres?

Cotas para mulheres? Cotas para mulheres? Direito: PEC propõe alterar a Constituição Federal para que, nas eleições para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas dos Estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO ELEITORAL E PARTIDÁRIO Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

Deliberação (Ata n.º 156/XIV)

Deliberação (Ata n.º 156/XIV) Deliberação (Ata n.º 156/XIV) Participação do PPD/PSD contra o PND relativa a propaganda Lisboa 24 de junho Reunião n.º 156/XIV, de 24.06.2014 Assunto: Participação do PPD/PSD contra o PND relativa a propaganda

Leia mais

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro

Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro Projecto de Regulamento para a Eleição dos Estudantes das Comissões de Curso da Universidade de Aveiro O Regulamento Geral de Estudos da Universidade de Aveiro, aprovado em, publicado no Diário da República

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL AÇORES MAPA CALENDÁRIO (Artº 6º da Lei nº 71/78, de 27 de Dezembro) Quadro cronológico das operações eleitorais (Decreto-Lei 267/80, de 8 de Agosto, e diplomas complementares

Leia mais

AS RECEITAS E DESPESAS DA CAMPANHA ELEITORAL

AS RECEITAS E DESPESAS DA CAMPANHA ELEITORAL AS RECEITAS E DESPESAS DA CAMPANHA ELEITORAL Manual de Candidatura Eleições Autárquicas 2001 REGRAS A RETER Os partidos, coligações e grupos de cidadãos eleitores devem : abrir conta bancária afecta à

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA

REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA REGULAMENTO ELEITORAL DOS ÓRGÃOS LOCAIS DA JSD MADEIRA Artigo 1.º É aprovado como regulamento o documento que regula as eleições dos órgãos locais regionais, nos termos seguintes: Parte I Parte geral Artigo

Leia mais

SUA EXCELÊNCIA FERNANDO DA PIEDADE DIAS DOS SANTOS, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA

SUA EXCELÊNCIA FERNANDO DA PIEDADE DIAS DOS SANTOS, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA SUA EXCELÊNCIA FERNANDO DA PIEDADE DIAS DOS SANTOS, PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA EXCELÊNCIAS SENHORES VICES-PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA NACIONAL DISTINTOS SECRETÁRIOS DA MESA DA

Leia mais

FRIEDRICH EBERT STIFTUNG

FRIEDRICH EBERT STIFTUNG Prevenção, Gestão e Transformação de Conflitos Eleitorais na Região da SADC Conferência promovida pela FRIEDRICH EBERT STIFTUNG Sessão III: O papel dos actores chave na prevenção, gestão e transformação

Leia mais

INFORME ESPECIAL ASSESSORIA PARLAMENTAR Nº 01

INFORME ESPECIAL ASSESSORIA PARLAMENTAR Nº 01 INFORME ESPECIAL ASSESSORIA PARLAMENTAR Nº 01 Elaborado em 09 de julho de 2013 REFORMA POLÍTICA DEPUTADOS DESCARTAM REFORMA POLÍTICA VÁLIDA PARA 2014 O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, afirmou

Leia mais

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia

Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia Universidade do Minho, julho 2016 Universidade do Minho Regulamento Eleitoral para o Conselho de Gestão da Escola de Engenharia O

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA

REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA REGULAMENTO ELEITORAL DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO DA ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS SOCIAIS, DE LEIRIA Secção I Do Conselho Técnico-Científico Artigo 1º Composição 1. De acordo com o disposto

Leia mais

Regulamento Geral das Comissões de Curso

Regulamento Geral das Comissões de Curso Regulamento Geral das Comissões de Curso ARTIGO 1º Enquadramento O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime instituído pelo Capítulo II e VIII dos Estatutos da AEFEUP. ARTIGO 2º Definição

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL IFSP CAMPUS REGISTRO

REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL IFSP CAMPUS REGISTRO REGIMENTO INTERNO DAS ELEIÇÕES DO GRÊMIO ESTUDANTIL IFSP CAMPUS REGISTRO Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 01. O presente Regimento será aplicado pela Comissão Eleitoral no período das eleições

Leia mais

Lei n.º 21-D/92 de 28 de Agosto - Lei Sindical

Lei n.º 21-D/92 de 28 de Agosto - Lei Sindical Lei n.º 21-D/92 de 28 de Agosto - Lei Sindical e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1 / 15 Considerando as importantes transformações que se operam em Angola, nos domínios político,

Leia mais