sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal"

Transcrição

1 TRADUÇÃO da versão em francês CONSELHO DA EUROPA Recomendação CM/Rec(2012)11 do Comité de Ministros aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal (adoptada pelo Comité de Ministros em 19 de Setembro de 2012, durante a 1151.ª reunião dos Delegados dos Ministros) O Comité de Ministros, tendo em conta o artigo 15.b do Estatuto do Conselho da Europa, Recordando que o objectivo do Conselho da Europa é realizar uma união mais estreita entre os seus membros, nomeadamente a fim de salvaguardar e promover os ideais e princípios que constituem o seu património comum; Recordando igualmente que todos os membros do Conselho da Europa aceitaram o princípio do primado do direito, bem como o princípio segundo o qual todas as pessoas sob sua jurisdição gozam dos direitos humanos enunciados na Convenção para a Protecção dos Direitos do Homem e das Liberdades Fundamentais (STE n 5); Consciente de que, em muitos Estados Membros, devido às diferentes tradições jurídicas, o Ministério Público desempenha igualmente uma função fora do sistema de justiça penal e que essa função varia consideravelmente nos diferentes sistemas jurídicos nacionais; Constatando, em especial, que essa função pode incluir, nos diferentes sistemas jurídicos nacionais, a defesa do interesse geral ou público, a assistência jurídica aos cidadãos na protecção dos seus direitos humanos e das liberdades fundamentais, a representação do Estado perante os tribunais, o controlo dos órgãos públicos e de outras entidades, e uma função consultiva junto dos tribunais e que, além disso, a natureza dessas funções pode variar no direito privado e no público; Tendo em conta a jurisprudência aplicável do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, designadamente no domínio dos princípios relativos a um processo equitativo; Pág. 1 de 5

2 Recordando a sua Recomendação Rec(2000)19 aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público no sistema de justiça penal; Reportando-se ao Parecer n.º 3 (2008) do Conselho Consultivo de Procuradores Europeus (CCPE) sobre «O papel do Ministério Público fora do sistema da justiça penal» e às conclusões das Conferências de Procuradores Gerais da Europa em Budapeste (29-31 de Maio de 2005) e em São Petersburgo (2-3 de Julho de 2008); Recordando os princípios enunciados no parecer conjunto do Conselho Consultivo de Juízes Europeus (CCJE) e do CCPE sobre Juízes e Procuradores numa Sociedade Democrática («Declaração de Bordéus») de 18 de Novembro de 2009 e, em especial, os princípios aplicáveis ao Ministério Público no exercício de funções que se estendem para além do domínio penal; Tendo em conta o relatório de 2010 da Comissão Europeia para a Democracia pelo Direito (Comissão de Veneza) sobre normas europeias para a independência do sistema judicial (parte II: Ministério Público), bem como os diferentes pareceres sobre esse tema; Constatando a ausência de normas jurídicas internacionais comuns relativas às tarefas, funções e organização do Ministério Público fora do sistema de justiça penal; Convicto, consequentemente, da necessidade de estabelecer princípios comuns para os Estados Membros sobre o papel do Ministério Público fora do sistema de justiça penal, Recomenda que, quando o Ministério Público desempenhe funções fora do sistema de justiça penal, os Estados-Membros tomem todas as medidas necessárias e adequadas para garantir que essas funções sejam exercidas com especial atenção à protecção dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais e respeitando plenamente o princípio do primado do direito, sobretudo no que se refere ao direito a um processo equitativo e, para esse efeito, que tenham plenamente em conta os princípios enunciados no anexo à presente recomendação. Anexo à Recomendação CM/Rec(2012)11 A. Âmbito de aplicação 1. A presente recomendação e os princípios enunciados no presente anexo aplicam-se em todos os casos em que o sistema jurídico nacional confie ao Ministério Público um papel fora do sistema de justiça penal. B. Missão do Ministério Público 2. Nos casos em que o sistema jurídico nacional atribua ao Ministério Público competências e atribuições fora do sistema de justiça penal, a sua missão deverá consistir na defesa do interesse geral ou público, na protecção dos direitos do Homem e das liberdades fundamentais e no respeito do Estado de direito. Pág. 2 de 5

3 C. Princípios comuns 3. As atribuições e competências do Ministério Público fora do sistema de justiça penal devem, em todos os casos, ser estabelecidas na lei e claramente definidas a fim de evitar ambiguidades. 4. Tal como no domínio do direito penal, o Ministério Público deve exercer as suas atribuições e competências fora do sistema de justiça penal, respeitando plenamente os princípios da legalidade, da objectividade, da equidade e da imparcialidade. 5. A Recomendação Rec(2000)19 do Comité de Ministros dirigida aos Estados Membros sobre o papel do Ministério Público no sistema de justiça penal deve aplicarse, com as devidas adaptações, aos procuradores que exerçam atribuições e competências fora do sistema de justiça penal no que se refere: às garantias que lhes devem ser reconhecidas para o exercício das suas funções; ao seu relacionamento com os órgãos dos poderes executivos, legislativo e judicial; e aos seus deveres e responsabilidades para com os cidadãos. 6. O Ministério Público deve adoptar uma abordagem na sua actividade tão transparente e aberta quanto possível, mas respeitando plenamente a sua obrigação de confidencialidade. 7. A conduta dos procuradores deve reger-se por códigos deontológicos adequados. 8. O Ministério Público deve dispor dos recursos financeiros e humanos necessários e beneficiar de formação adequada para poder exercer correctamente as suas obrigações fora do sistema de justiça penal. 9. A fim de harmonizar as políticas e práticas vigentes nas jurisdições nacionais, o Ministério Público poderá encarar a possibilidade de difundir aos magistrados respectivos linhas de orientação e informações sobre boas práticas fora do sistema de justiça penal. D. Princípios aplicáveis às atribuições e competências específicas do Ministério Público fora do sistema de justiça penal No que se refere ao acesso dos cidadãos à justiça e às vias de recurso jurídicas 10. O Ministério Público não deve dispor de competências fora do sistema de justiça penal que tenham por efeito restringir o direito de qualquer pessoa singular ou colectiva de intentar uma acção ou de agir como defensor para defesa dos seus interesses perante um tribunal independente e imparcial, mesmo nos casos em que o Ministério Público actue ou tencione actuar como parte. Pág. 3 de 5

4 11. Quando o Ministério Público esteja habilitado a tomar decisões que afectem os direitos e obrigações de pessoas singulares ou colectivas, esses poderes deverão ser estritamente limitados, definidos na lei e não deverão prejudicar o direito das partes a interpor recurso sobre matéria de facto e de direito perante um tribunal independente e imparcial. O Ministério Público deve agir com toda a independência face a qualquer outro poder e as suas decisões devem ser fundamentadas e comunicadas às pessoas em causa. No que se refere aos processos judiciais em que o Ministério Público age como parte principal 12. A competência do Ministério Público para instaurar ações judiciais ou para agir como defensor não deve prejudicar o princípio da igualdade de armas entre as partes em litígio. 13. O Ministério Público não deve dissimular elementos de prova pertinentes para as questões relacionadas com o litígio. 14. A faculdade de realizar inquéritos preliminares deve estar prevista na lei. O seu exercício deve processar-se de modo proporcional e não dever conferir uma vantagem injustificada ao Ministério Público. 15. Quando os interesses de um cidadão forem representados pelo Ministério Público, essa pessoa deverá poder ser parte no processo. Tal não deverá impedir o Ministério Público de permanecer como parte no processo quando esteja em causa o interesse geral ou público. 16. O direito do Ministério Público interpor recurso ou de pedir a revisão de uma decisão por uma jurisdição de grau superior não deverá ser diferentes dos das demais partes no processo e deve ser exercido nas mesmas condições, nomeadamente quanto ao prazo para a interposição de recurso. No que se refere aos processos judiciais em que o Ministério Público age como parte principal ou como parte acessória 17. As partes no processo devem ser informadas, quer pelo Ministério Público quer pelo tribunal, sobre a decisão do Ministério Público de agir como parte principal ou como parte acessória 18. Quando o Ministério Público apresente um parecer escrito antes da audiência em tribunal, esse parecer deverá ser colocado à disposição de todas as partes com antecedência suficiente para que estas possam examiná-lo, sob pena de a audiência poder ser adiada. 19. As partes no processo deverão ter a possibilidade de formular observações sobre o parecer do Ministério Público e de apresentar contra-argumentos. Pág. 4 de 5

5 20. O Ministério Público não deverá, nem participar nas deliberações do tribunal, nem dar a impressão de o fazer. 21. Os princípios enunciados no n.º 16 da presente Recomendação são aplicáveis a este subtítulo. No que se refere à segurança jurídica e ao trânsito em julgado 22. Tendo em vista o respeito dos princípios da segurança jurídica e do trânsito em julgado, os fundamentos com que o Ministério Público pode solicitar a revisão de uma decisão definitiva de um tribunal devem limitar-se a casos excepcionais, e essa revisão deverá efectuar-se num prazo razoável. Salvo nos casos em que a revisão não seja susceptível de afectar os direitos e obrigações das partes tal como estabelecidos na decisão alvo de revisão, as partes no processo inicial devem ser informadas da revisão e, se o desejarem, devem ter a possibilidade de nele intervir. E. Papel do Ministério Público como órgão de supervisão 23. Quando o Ministério Público exerça funções de supervisão das autoridades nacionais, regionais e locais, bem como de outras entidades, com o fim de garantir o seu funcionamento adequado e conforme com a lei, deverá exercê-las de forma independente, transparente e no respeito integral do princípio do Estado de direito. 24. No caso de entidades privadas, o Ministério Público só deverá ser autorizado a exercer funções de supervisão quando existam motivos razoáveis e objectivos para pensar que a entidade privada em causa violou as suas obrigações legais, incluindo as decorrentes da aplicação dos tratados internacionais relativos aos direitos do Homem. 25. As autoridades ou outras entidades visadas por qualquer acto levado a cabo pelo Ministério Público nos termos dos n.ºs 23 e 24 da presente Recomendação deverão ser habilitadas a apresentar observações e a contestar esses actos perante um tribunal. F. Cooperação nacional e internacional 26. Tendo em vista o adequado exercício das suas funções, o Ministério Público deverá estabelecer e, se for o caso, desenvolver a cooperação ou contactos com mediadores ou instituições semelhantes, com outras autoridades nacionais, regionais e locais, e com representantes da sociedade civil, nomeadamente com organizações não governamentais. 27. Deverá ser apoiada a cooperação internacional entre serviços do Ministério Público com competências semelhantes fora do sistema de justiça penal, bem como o auxílio mútuo a nível prático, dentro e fora do âmbito dos tratados internacionais pertinentes. &BackColorIntranet=EDB021&BackColorLogged=F5D383 Pág. 5 de 5

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia

As suas questões. sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia As suas questões sobre o Tribunal de Justiça da União Europeia PORQUÊ UM TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA (TJUE)? Para construir a Europa, os Estados (actualmente 27) celebraram entre si Tratados

Leia mais

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo

Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99. Preâmbulo Estatuto Universal do Juiz de 17NOV99 Preâmbulo Na elaboração preliminar deste Estatuto colaboraram Juízes de diversos países do mundo. O presente Estatuto é o resultado do seu trabalho e teve o consenso

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA

CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA DA FUNDAÇÃO VISABEIRA INSTITUIÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (Aprovado em reunião do Conselho de Administração de 28 de Março de 2014) PREÂMBULO As fundações são instituições privadas sem

Leia mais

Carta Europeia de Autonomia Local

Carta Europeia de Autonomia Local Conselho da Europa Carta Europeia de Autonomia Local Adoptada e aberta à assinatura em Estrasburgo, a 15 de Outubro de 1985. Entrada em vigor na ordem internacional: 1 de Setembro de 1988. Portugal: Assinatura:

Leia mais

Adoptado pela Direcção 26 de Setembro de 2011 e aprovado pela Assembleia Geral 24 de Setembro de 2011

Adoptado pela Direcção 26 de Setembro de 2011 e aprovado pela Assembleia Geral 24 de Setembro de 2011 CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA Adoptado pela Direcção 26 de Setembro de 2011 e aprovado pela Assembleia Geral 24 de Setembro de 2011 1. Preâmbulo a. Este Código de Conduta foi elaborado em consonância

Leia mais

CÓDIGO DE BOA CONDUTA ADMINISTRATIVA

CÓDIGO DE BOA CONDUTA ADMINISTRATIVA CÓDIGO DE BOA CONDUTA ADMINISTRATIVA CENTRO DE TRADUÇÃO DOS ORGÃOS DA UNIÃO EUROPEIA DECISÃO de 10 de Fevereiro de 2000 SOBRE O CÓDIGO DE BOA CONDUTA ADMINISTRATIVA O CENTRO DE TRADUÇÃO DOS ORGANISMOS

Leia mais

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data:

CÓDIGO de CONDUTA. Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica. Edição: 1 Data: CÓDIGO de CONDUTA do Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica O Operador da Rede Nacional de Transporte de Energia Eléctrica é a entidade concessionária da Rede Nacional de Transporte

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO MUNICÍPIO DE SALVATERRA DE MAGOS 1 ÍNDICE Siglas... 3 1.Introdução... 4 2.Objeto... 4 3. Âmbito de aplicação... 4 4. Princípios gerais... 4 5. Princípios básicos.7 6. Disposições

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU PT A presente versão consolidada não oficial do Código de Conduta dos membros do Conselho do BCE destina-se unicamente a fins de informação. B BANCO CENTRAL EUROPEU CÓDIGO DE CONDUTA DOS MEMBROS DO CONSELHO

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE COIMBRA, E.P"+ Código de Ética./t'.l./j L~ Preâmbulo ~ t~ ; C>

CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE COIMBRA, E.P+ Código de Ética./t'.l./j L~ Preâmbulo ~ t~ ; C> ~o-jt1 CENTRO HOSPITALAR E UNIVERSITÁRIO DE COIMBRA, E.P"+ Código de Ética./t'.l./j L~ Preâmbulo ~ t~ ; C> o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, E.P.E., adiante designado por CHUC, EPE, criado

Leia mais

Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural. Edição: 1 Data:

Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural. Edição: 1 Data: Código de Conduta Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural Edição: 1 Data: 20.04.2011 O Operador da Rede Nacional de Transporte de Gás Natural é a entidade concessionária da Rede Nacional

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E AS NAÇÕES UNIDAS SOBRE A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-JUGOSLÁVIA

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E AS NAÇÕES UNIDAS SOBRE A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-JUGOSLÁVIA ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E AS NAÇÕES UNIDAS SOBRE A EXECUÇÃO DE SENTENÇAS DO TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-JUGOSLÁVIA A República Portuguesa, doravante denominada "Portugal", e As Nações

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS RELATIVOS À INDEPENDÊNCIA DA MAGISTRATURA. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura

PRINCÍPIOS BÁSICOS RELATIVOS À INDEPENDÊNCIA DA MAGISTRATURA. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura PRINCÍPIOS BÁSICOS RELATIVOS À INDEPENDÊNCIA DA MAGISTRATURA Adotados pelo Sétimo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, realizado em Milão de 26 de agosto

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS RELATIVOS À FUNÇÃO DOS ADVOGADOS

PRINCÍPIOS BÁSICOS RELATIVOS À FUNÇÃO DOS ADVOGADOS PRINCÍPIOS BÁSICOS RELATIVOS À FUNÇÃO DOS ADVOGADOS Adotados pelo Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, realizado em Havana, Cuba, de 27 de agosto

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS TRABALHADORES

CÓDIGO DE CONDUTA DOS TRABALHADORES CÓDIGO DE CONDUTA DOS TRABALHADORES DA SECRETARIA-GERAL DO MF Índice Introdução 2 I - Âmbito 3 II Objectivos 3 III - Princípios Gerais 4 IV - Relações Internas e Externas 6 V Vigência, Publicidade e Revisão

Leia mais

Código de Conduta dos Deputados ao Parlamento Europeu em matéria de Interesses Financeiros e de Conflitos de Interesses

Código de Conduta dos Deputados ao Parlamento Europeu em matéria de Interesses Financeiros e de Conflitos de Interesses Código de Conduta dos Deputados ao Parlamento Europeu em matéria de Interesses Financeiros e de Conflitos de Interesses Artigo 1 Princípios de base No exercício das suas funções, os deputados ao Parlamento

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA CRI(97)36 Version portugaise Portuguese version COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA RECOMENDAÇÃO DE POLÍTICA GERAL N. 2 DA ECRI: OS ÓRGÃOS ESPECIALIZADOS NA LUTA CONTRA O RACISMO, A XENOFOBIA,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 14.7.2004 COM(2004) 496 final 2004/0168 (COD) Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO relativo à criação de um agrupamento europeu de cooperação

Leia mais

Aviso do Chefe do Executivo n.º 13/2005

Aviso do Chefe do Executivo n.º 13/2005 Aviso do Chefe do Executivo n.º 13/2005 Publicação do Acordo entre o Governo da Região Administrativa Especial de Macau e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong sobre a Transferência

Leia mais

Junto se envia, à atenção das delegações, a versão parcialmente desclassificada do documento em epígrafe /10 EXT 2 ml DG H 2B

Junto se envia, à atenção das delegações, a versão parcialmente desclassificada do documento em epígrafe /10 EXT 2 ml DG H 2B Conselho da União Europeia Bruxelas, 3 de junho de 2015 (OR. en) 10206/10 EXT 2 FREMP 21 JAI 474 COHOM 135 COSCE 11 DESCLASSIFICAÇÃO PARCIAL do documento: 10206/10 RESTREINT UE data: 26 de maio de 2010

Leia mais

Artigo nº 1 Âmbito. Artigo nº 2 Princípios Gerais

Artigo nº 1 Âmbito. Artigo nº 2 Princípios Gerais CÓDIGO DE CONDUTA CÓDIGO DE CONDUTA O presente Código de Conduta, adiante designado por Código, estabelece o conjunto de princípios e valores em matéria de ética profissional a observar por todos os colaboradores

Leia mais

REGULAMENTO PROVEDOR DO ESTUDANTE

REGULAMENTO PROVEDOR DO ESTUDANTE REGULAMENTO PROVEDOR DO ESTUDANTE ESSCVP Artigo 1º (Âmbito de aplicação) O presente Regulamento visa definir o modo de actuação do Provedor do Estudante da Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO

REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO REGULAMENTO DO ACONSELHAMENTO ETICO E DEONTOLÓGICO NO ÂMBITO DO DEVER DE SIGILO Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010

Leia mais

Deliberação n.º 2180/2009, de 1 de Julho (DR, 2.ª série, n.º 142, de 25 de Julho de 2009) Aprova o Código de Conduta do INFARMED, I.

Deliberação n.º 2180/2009, de 1 de Julho (DR, 2.ª série, n.º 142, de 25 de Julho de 2009) Aprova o Código de Conduta do INFARMED, I. (DR, 2.ª série, n.º 142, de 25 de Julho de 2009) Aprova o Código de Conduta do INFARMED, I. P que: O Conselho Directivo do INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I. P., considerando

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE ESTRANGEIROS NA VIDA PÚBLICA A NÍVEL LOCAL

CONVENÇÃO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE ESTRANGEIROS NA VIDA PÚBLICA A NÍVEL LOCAL CONVENÇÃO SOBRE A PARTICIPAÇÃO DE ESTRANGEIROS NA VIDA PÚBLICA A NÍVEL LOCAL Aberta à assinatura em Estrasburgo, a 5 de fevereiro de 1992 (Série de Tratados Europeus, n.º 144). Entrada em vigor na ordem

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de

CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de CÓDIGO DE CONDUTA Janeiro de 2010 1 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O presente Código de Conduta (a seguir designado por «Código») estabelece linhas de orientação em matéria de ética profissional para todos os

Leia mais

Estatutos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade de Países de Língua Portuguesa Página 1/9 Artigo 1 Denominação A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, doravante designada por CPLP, é o foro multilateral privilegiado para

Leia mais

Decreto Relativo à organização e às modalidades de funcionamento da Direcção Geral dos Concursos Públicos

Decreto Relativo à organização e às modalidades de funcionamento da Direcção Geral dos Concursos Públicos Decreto Relativo à organização e às modalidades de funcionamento da Direcção Geral dos Concursos Públicos Decreto N.º./2011 de de.. Preâmbulo Considerando a necessidade de reestruturação da Direcção Geral

Leia mais

AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS

AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS AS INSTITUIÇÕES EUROPEIAS PARLAMENTO EUROPEU Composição: 732 deputados Organizados em grupos políticos Eleitos de 5 em 5 anos por sufrágio directo e universal Reuniões: Estrasburgo Sessões Plenárias mensais

Leia mais

Estatutos do Centro de Arbitragem Comercial 1

Estatutos do Centro de Arbitragem Comercial 1 Estatutos do Centro de Arbitragem Comercial 1 Artigo 1.º 1 O Centro de Arbitragem da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa é a instituição de arbitragem através da qual a Câmara de Comércio e Indústria

Leia mais

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE

III ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE L 81/24 Jornal Oficial da União Europeia 27.3.2009 III (Actos aprovados ao abrigo do Tratado UE) ACTOS APROVADOS AO ABRIGO DO TÍTULO VI DO TRATADO UE DECISÃO-QUADRO 2009/299/JAI DO CONSELHO de 26 de Fevereiro

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL

CÓDIGO DE CONDUTA DA CERTIEL MENSAGEM DO PRESIDENTE São nossos objectivos garantir que as nossas formas de estar e de comunicar sejam, em cada momento, sinónimo da transparência e da idoneidade com que actuamos na concretização das

Leia mais

RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS SOBRE PRINCÍPIOS DAS ESTATÍSTICAS OFICIAIS

RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS SOBRE PRINCÍPIOS DAS ESTATÍSTICAS OFICIAIS RECOMENDAÇÕES INTERNACIONAIS SOBRE PRINCÍPIOS DAS ESTATÍSTICAS OFICIAIS Adrião Simões Ferreira da Cunha * Pelo seu interesse como quadro de referência para a engenharia dos Sistemas Estatísticos Nacionais,

Leia mais

Estatutos do PDR. Artigo 1º (Missão e objetivos)

Estatutos do PDR. Artigo 1º (Missão e objetivos) Estatutos do PDR Artigo 1º (Missão e objetivos) 1. O PDR tem por objetivos e rege-se pelos princípios constantes da sua declaração de princípios anexa aos presentes estatutos. 2. O PDR tem por missão intervir

Leia mais

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

Proposta de DECISÃO DO CONSELHO COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 22.6.2011 COM(2011) 360 final 2011/0157 (NLE) Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura e à conclusão do acordo monetário entre a União Europeia e a República Francesa

Leia mais

Unidade de Recursos Humanos

Unidade de Recursos Humanos 2016 1 CODIGO DE ÉTICA E CONDUTA 2016 INTRODUÇÃO O presente tem como objectivo, não só estar em consonância com a alínea a) do ponto 3 da Recomendação do Conselho de Prevenção da Corrupção de 7 de Novembro

Leia mais

DISPOSIÇÕES SOBRE OS PARLAMENTOS NACIONAIS NO TRATADO DE LISBOA. Tratado da União Europeia e Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia TUE

DISPOSIÇÕES SOBRE OS PARLAMENTOS NACIONAIS NO TRATADO DE LISBOA. Tratado da União Europeia e Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia TUE DISPOSIÇÕES SOBRE OS PARLAMENTOS NACIONAIS NO TRATADO DE LISBOA Tratado da União Europeia e Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia TUE Título I - Disposições comuns Artigo 5.º 1. A delimitação

Leia mais

RECOMENDAÇÃO Rec (2002) 12 do Comité de Ministros aos Estados-membros relativa à Educação para a Cidadania Democrática

RECOMENDAÇÃO Rec (2002) 12 do Comité de Ministros aos Estados-membros relativa à Educação para a Cidadania Democrática RECOMENDAÇÃO Rec (2002) 12 do Comité de Ministros aos Estados-membros relativa à Educação para a Cidadania Democrática (Adoptada pelo Comité de Ministros a 16 de Outubro de 2002, durante a 812ª reunião

Leia mais

ÍNDICE GERAL. apresentação da 8ª edição 7 apresentação da 7ª edição 9 apresentação da 6ª edição 11 apresentação da 1ª edição 13

ÍNDICE GERAL. apresentação da 8ª edição 7 apresentação da 7ª edição 9 apresentação da 6ª edição 11 apresentação da 1ª edição 13 ÍNDICE GERAL apresentação da 8ª edição 7 apresentação da 7ª edição 9 apresentação da 6ª edição 11 apresentação da 1ª edição 13 PARTE I 15 1. Introdução 17 2. A pré-história da integração europeia (as ideias

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30/06/2003 C(2003)1731 final DECISÃO DA COMISSÃO de 30/06/2003 nos termos da Directiva 95/46/CE do Parlamento Europeu e do Conselho relativa à adequação do

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais

REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I. Princípios Gerais REGULAMENTO INTERNO DO PROVEDOR DO CLIENTE DO BCN CAPÍTULO I Princípios Gerais Artigo 1.º Funções 1. O Provedor do Cliente do BCN tem por função principal a defesa e promoção dos direitos, garantias e

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS O cumprimento da função de supervisão financeira por parte da CMVM, especialmente num contexto de crescente internacionalização e globalização dos mercados, de elevadíssima

Leia mais

REGULAMENTO DO PERÍODO DE ADAPTAÇÃO

REGULAMENTO DO PERÍODO DE ADAPTAÇÃO REGULAMENTO DO PERÍODO DE ADAPTAÇÃO ARTIGO 1.º (Objecto) 1. O presente Regulamento estabelece os procedimentos aplicáveis ao período de adaptação dos cidadãos moçambicanos inscritos em Ordem ou Associação

Leia mais

Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco

Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco Regulamento da Comissão de Ética da Escola Superior de Saúde Dr. Lopes Dias do Instituto Politécnico de Castelo Branco Artigo 1º Natureza e Objeto 1 - A Comissão de Ética (CE) da Escola Superior de Saúde

Leia mais

Resolução 53/144 da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de dezembro de 1998.

Resolução 53/144 da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de dezembro de 1998. DECLARAÇÃO SOBRE O DIREITO E A RESPONSABILIDADE DOS INDIVÍDUOS, GRUPOS OU ÓRGÃOS DA SOCIEDADE DE PROMOVER E PROTEGER OS DIREITOS HUMANOS E LIBERDADES FUNDAMENTAIS UNIVERSALMENTE RECONHECIDOS (DEFENSORES

Leia mais

1. A associação tem os seguintes associados fundadores:

1. A associação tem os seguintes associados fundadores: ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação. 2. A associação tem a sua sede na, freguesia de, concelho de. 3. A associação tem o número de pessoa colectiva e o número

Leia mais

Adoptada pela Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho na sua 67.ª sessão, em Genebra, a 23 de Junho de 1981.

Adoptada pela Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho na sua 67.ª sessão, em Genebra, a 23 de Junho de 1981. Convenção n.º 156 da OIT Relativa à Igualdade de Oportunidades e de Tratamento para os Trabalhadores dos dois Sexos: Trabalhadores com Responsabilidades Familiares Adoptada pela Conferência Geral da Organização

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2004D0003 PT 29.03.2015 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 4 de Março de 2004 relativa ao acesso do público

Leia mais

Declarações para a Acta do Conselho

Declarações para a Acta do Conselho CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 10 de Dezembro de 2002 Dossier interinstitucional: 2000/0243 (CNS) 15435/02 ADD 1 RC 22 ADENDA À NOTA PONTO "A" de: Secretariado do Conselho para: Conselho n.º doc.

Leia mais

Tribunal da Função Pública

Tribunal da Função Pública Tribunal da Função Pública Tribunal da Função Pública HISTORIAL Para construir a Europa, alguns Estados (atualmente vinte e oito) celebraram entre si tratados que instituíram as Comunidades Europeias,

Leia mais

J\ ~{ ( XIII Enc()ntr() de Procuradores-(1erais da CPLP DECLARAÇÃO DA PRAIA

J\ ~{ ( XIII Enc()ntr() de Procuradores-(1erais da CPLP DECLARAÇÃO DA PRAIA XIII Enc()ntr() de Procuradores-(1erais da CPLP Ciddde da Frdid. 13 d 16 de,julho de 201,5 DECLARAÇÃO DA PRAIA Os Procuradores Gerais da República dos Estados Membros da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Exmo. Senhor (Nome e morada)

Exmo. Senhor (Nome e morada) Exmo. Senhor (Nome e morada) Na sequência da reclamação apresentada em (data de apresentação da reclamação), do acto de processamento do seu vencimento, relativo ao mês de Janeiro de 2011, e em resposta

Leia mais

Código de Ética e Condita do PO CH. Agosto Programa Operacional Capital Humano

Código de Ética e Condita do PO CH. Agosto Programa Operacional Capital Humano Código de Ética e Condita do PO CH Agosto 2015 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DO PROGRAMA OPERACIONAL CAPITAL HUMANO 1. DEFINIÇÃO O Código de Ética do PO CH é o instrumento no qual se inscrevem os valores e

Leia mais

-APOIO JUDICIÁRIO- Um Direito Fundamental em toda a União Europeia

-APOIO JUDICIÁRIO- Um Direito Fundamental em toda a União Europeia -APOIO JUDICIÁRIO- Um Direito Fundamental em toda a União Europeia Declaração Universal dos Direitos do Homem Artigo 10º Toda a pessoa tem direito, em plena igualdade, a que a sua causa seja equitativa

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE VENCIMENTOS Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE VENCIMENTOS ÍNDICE Instituição da Comissão de Vencimentos...

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7

CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 CÓDIGO DE CONDUTA 1/7 ÍNDICE Página A Missão da Fundação AEP 3 Visão 3 Valores 3 Objetivos 3 Objeto, Âmbito e Aplicação 4 Transparência na Atuação e Publicitação das Contas 4 Impedimentos ou Incompatibilidades

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA

COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA CRI(98)29 Version portugaise Portuguese version COMISSÃO EUROPEIA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA RECOMENDAÇÃO DE POLÍTICA GERAL N. 3 DA ECRI: A LUTA CONTRA O RACISMO E A INTOLERÂNCIA PARA COM OS ROMS/CIGANOS

Leia mais

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91

SUPREMO TRIBUNALDE JUSTIÇA LEI N.º 10/91 LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS 1. A Antecessora da ONU Sociedade das Nações A Sociedade das Nações era também conhecida como Liga das Nações Foi idealizada a partir dos 14 Pontos de Wilson Foi criada na

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

CONVENÇÃO-QUADRO DO CONSELHO DA EUROPA RELATIVA AO VALOR DO PATRIMÓNIO CULTURAL PARA A SOCIEDADE

CONVENÇÃO-QUADRO DO CONSELHO DA EUROPA RELATIVA AO VALOR DO PATRIMÓNIO CULTURAL PARA A SOCIEDADE 1 CONVENÇÃO-QUADRO DO CONSELHO DA EUROPA RELATIVA AO VALOR DO PATRIMÓNIO CULTURAL PARA A SOCIEDADE Faro, 27.10.2005 Preâmbulo Os Estados membros do Conselho da Europa, signatários da presente Convenção,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Preâmbulo Os princípios da prossecução do interesse público, da legalidade, da justiça e da imparcialidade, da igualdade, da proporcionalidade, da colaboração e boa fé, da informação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS CÓDIGO DE CONDUTA DO GABINETE DE PLANEAMENTO E POLÍTICAS ABRIL 2010 Código de Conduta do GPP 1. Enquadramento 2 2. Princípios gerais 2 2.1. Igualdade de tratamento e não discriminação 2 2.2. Diligência,

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA UNIÃO EUROPEIA O Tribunal de Justiça da União Europeia é uma das sete instituições da UE. Congrega duas jurisdições: o Tribunal de Justiça propriamente dito e o Tribunal Geral

Leia mais

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU JACOB SÖDERMAN

O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU JACOB SÖDERMAN PT O PROVEDOR DE JUSTIÇA EUROPEU JACOB SÖDERMAN Caros Leitores: O Tratado de Maastricht criou o Gabinete do Provedor de Justiça Europeu, tendo por objectivo lutar contra os casos de má administração nas

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 98/2006 de 6 de Junho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 98/2006 de 6 de Junho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 98/2006 de 6 de Junho O artigo 144.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi conferida

Leia mais

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO

*** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 12.9.2017 2013/0255(APP) *** PROJETO DE RECOMENDAÇÃO sobre o projeto de regulamento do Conselho que dá execução

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1/6

CÓDIGO DE CONDUTA 1/6 1/6 DO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA CAPÍTULO I Âmbito e Objectivo Artigo 1º Âmbito 1 - O presente Código de Conduta estipula o conjunto das regras de natureza

Leia mais

Jornal Oficial nº L 225 de 12/08/1998 p

Jornal Oficial nº L 225 de 12/08/1998 p Directiva 98/59/CE do Conselho de 20 de Julho de 1998 relativa à aproximação das legislações dos Estados-membros respeitantes aos despedimentos colectivos Jornal Oficial nº L 225 de 12/08/1998 p. 0016-0021

Leia mais

FUNDAÇÃO SANTA MARIA DA SILVA CÓDIGO DE CONDUTA. As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir

FUNDAÇÃO SANTA MARIA DA SILVA CÓDIGO DE CONDUTA. As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir FUNDAÇÃO SANTA MARIA DA SILVA CÓDIGO DE CONDUTA As fundações são instituições privadas sem fins lucrativos que visam contribuir para o bem comum, para o desenvolvimento sustentável e para a promoção de

Leia mais

Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal

Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal 1/7 Lei n.º 122/99, de 20 de Agosto, Regula a vigilância electrónica prevista no artigo 201.º do Código de Processo Penal JusNet 170/1999 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 194, Série

Leia mais

1 JO no C 24 de , p JO no C 240 de , p JO no C 159 de , p. 32.

1 JO no C 24 de , p JO no C 240 de , p JO no C 159 de , p. 32. Directiva 91/533/CEE do Conselho, de 14 de Outubro de 1991, relativa à obrigação de a entidade patronal informar o trabalhador sobre as condições aplicáveis ao contrato ou à relação de trabalho Jornal

Leia mais

Decreto-Lei nº 144/2009, de 17 de Junho

Decreto-Lei nº 144/2009, de 17 de Junho Decreto-Lei nº 144/2009, de 17 de Junho O presente decreto-lei vem introduzir no ordenamento jurídico português a figura do mediador do crédito, cuja actividade visa a defesa e promoção dos direitos, garantias

Leia mais

DIRECTIVA 2009/22/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/22/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 110/30 Jornal Oficial da União Europeia 1.5.2009 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/22/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 relativa às acções inibitórias em matéria de protecção dos

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais ***II PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais ***II PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais 2004/0209(COD) 3.10.2008 ***II PROJECTO DE RECOMENDAÇÃO PARA SEGUNDA LEITURA sobre a proposta de directiva do Parlamento Europeu

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA OLIVEIRA REGO E ASSOCIADOS

CÓDIGO DE CONDUTA OLIVEIRA REGO E ASSOCIADOS CÓDIGO DE CONDUTA DA OLIVEIRA REGO E ASSOCIADOS Página 1 de 7 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3 2. PRINCÍPIOS E NORMAS 2.1. Princípios de Actuação 3 2.2. Igualdade e Tratamento / Não discriminação 4 2.3. Lealdade

Leia mais

Versão consolidada provisória do Tratado que estabelece uma Constituição para a Europa

Versão consolidada provisória do Tratado que estabelece uma Constituição para a Europa CONFERÊNCIA DOS REPRESENTANTES DOS GOVERNOS DOS ESTADOS-MEMBROS Bruxelas, 25 de Junho de 2004 CIG 86/04 Assunto: CIG 2003/2004 Versão consolidada provisória do Tratado que estabelece uma Constituição para

Leia mais

O Governo Português e o Conselho da Europa:

O Governo Português e o Conselho da Europa: Resolução da Assembleia da República n.º 21/96 Acordo Suplementar ao Acordo Geral sobre Privilégios e Imunidades do Conselho da Europa, concluído entre Portugal e o Conselho da Europa, referente ao Centro

Leia mais

REGULAMENTO DO JE JÚRI DE ÉTICA DO ICAP

REGULAMENTO DO JE JÚRI DE ÉTICA DO ICAP REGULAMENTO DO JE JÚRI DE ÉTICA DO ICAP Artigo 1º (ÂMBITO) O JE é um organismo do ICAP, estatutariamente consagrado, independente, imparcial e isento e que tem como principal atribuição e competência a

Leia mais

III. (Actos preparatórios) CONSELHO

III. (Actos preparatórios) CONSELHO 21.9.2010 Jornal Oficial da União Europeia C 253 E/1 III (Actos preparatórios) CONSELHO POSIÇÃO (UE) N. o 13/2010 DO CONSELHO EM PRIMEIRA LEITURA tendo em vista a adopção do regulamento do Parlamento Europeu

Leia mais

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81.

Convocada para Genebra pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e aí reunida a 7 de Junho de 1994, na sua 81. Resolução da Assembleia da República n.º 37/2006 Convenção n.º 175, sobre trabalho a tempo parcial, da Organização Internacional do Trabalho, adoptada em Genebra em 24 de Junho de 1994. A Assembleia da

Leia mais

Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura

Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional. Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura Direitos Humanos na Administração da Justiça - Conduta profissional Princípios Básicos Relativos à Independência da Magistratura Adoptados pelo Sétimo Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção

Leia mais

«Régies Cooperativas»

«Régies Cooperativas» «Régies Cooperativas» DECRETO-LEI Nº 31/84 DE 21 DE JANEIRO (INSTITUI O REGIME DAS COOPERATIVAS DE INTERESSE PÚBLICO, VULGARMENTE DESIGNADAS «RÉGIES COOPERATIVAS») 1. O nº 4 do artigo 5º do Código Cooperativo,

Leia mais

Jr" Comunicação Interna de Irregularidades

Jr Comunicação Interna de Irregularidades UNIDADE LOCAL DE SAÚDE DO ALTO MINHO, E.P.E. Conse1b~Qe Admlr.!5tra!L~O. 11 Olr sessão N.Q~ Data {..!t..jjllt~lb Jr" Comunicação Interna de Irregularidades Artigo 1 Objetivo e âmbito o presente regulamento

Leia mais

Estatutos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha

Estatutos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha Estatutos do Comitê Internacional da Cruz Vermelha Artigo 01 DE JANEIRO DE 2018 Adotados em 21 de dezembro de 2017 e em vigor desde 1º de janeiro de 2018. Faça o download dos Estatutos do CICV O Comitê

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE CABO VERDE TITULO V DO PODER JUDICIAL CAPITULO 1 PRINCÍPIOS GERAIS. Artigo 209º (Administração da Justiça)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE CABO VERDE TITULO V DO PODER JUDICIAL CAPITULO 1 PRINCÍPIOS GERAIS. Artigo 209º (Administração da Justiça) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DE CABO VERDE TITULO V DO PODER JUDICIAL CAPITULO 1 PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 209º (Administração da Justiça) A administração da Justiça tem por objecto dirimir conflitos de interesses

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO MPU. Lei Orgânica do MPU. Lei Complementar 75/1993 Garantias e Prerrogativas. Prof. Karina Jaques

LEGISLAÇÃO DO MPU. Lei Orgânica do MPU. Lei Complementar 75/1993 Garantias e Prerrogativas. Prof. Karina Jaques LEGISLAÇÃO DO MPU Lei Orgânica do MPU Lei Complementar 75/1993 Garantias e Prerrogativas Prof. Karina Jaques MPU Instituição permanente Essencial à função jurisdicional do Estado Defensora Ordem jurídica

Leia mais

BANCO CENTRAL EUROPEU

BANCO CENTRAL EUROPEU L 230/56 Jornal Oficial da União Europeia 30.6.2004 BANCO CENTRAL EUROPEU DECISÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 3 de Junho de 2004 relativa aos termos e condições para os inquéritos efectuados pelo Organismo

Leia mais

Noções de Estado. Organização da Federação e Poderes do Estado

Noções de Estado. Organização da Federação e Poderes do Estado Noções de Estado Noções de Estado Organização da Federação e Poderes do Estado Estado É a sociedade política e juridicamente organizada, dotada de soberania, dentro de um território, sob um governo, para

Leia mais

Orientação sexual e identidade de género no Conselho dos Direitos do Homem das Nações Unidas

Orientação sexual e identidade de género no Conselho dos Direitos do Homem das Nações Unidas P7_TA(2011)0427 Orientação sexual e identidade de género no Conselho dos Direitos do Homem das Nações Unidas Resolução do Parlamento Europeu, de 28 de Setembro de 2011, sobre direitos humanos, orientação

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos: Instituições. Comissão Interamericana de Direitos Humanos - Parte 1.

DIREITOS HUMANOS. Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos: Instituições. Comissão Interamericana de Direitos Humanos - Parte 1. DIREITOS HUMANOS Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos: Instituições Comissão Interamericana de Direitos Humanos - Parte 1. Profª. Liz Rodrigues - Criada por Resolução na 5º Reunião de

Leia mais

Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho (COM(2003) 510) 1,

Tendo em conta a proposta da Comissão ao Parlamento Europeu e ao Conselho (COM(2003) 510) 1, P5_TA(2004)0266 SIS (certificados de matrícula dos veículos) ***I Resolução legislativa do Parlamento Europeu sobre uma proposta de regulamento do Parlamento Europeu e do Conselho que altera a Convenção

Leia mais

TÍTULO VI AS REGRAS COMUNS RELATIVAS À CONCORRÊNCIA, À FISCALIDADE E À APROXIMAÇÃO DAS LEGISLAÇÕES CAPÍTULO 1 AS REGRAS DE CONCORRÊNCIA SECÇÃO 1

TÍTULO VI AS REGRAS COMUNS RELATIVAS À CONCORRÊNCIA, À FISCALIDADE E À APROXIMAÇÃO DAS LEGISLAÇÕES CAPÍTULO 1 AS REGRAS DE CONCORRÊNCIA SECÇÃO 1 TÍTULO VI AS REGRAS COMUNS RELATIVAS À CONCORRÊNCIA, À FISCALIDADE E À APROXIMAÇÃO DAS LEGISLAÇÕES CAPÍTULO 1 AS REGRAS DE CONCORRÊNCIA SECÇÃO 1 AS REGRAS APLICÁVEIS ÀS EMPRESAS Artigo 81.o 1. São incompatíveis

Leia mais

CONVENÇÃO N.º 151 CONVENÇÃO RELATIVA À PROTECÇÃO DO DIREITO DE ORGANIZAÇÃO E AOS PROCESSOS DE FIXAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA FUNÇÃO PÚBLICA.

CONVENÇÃO N.º 151 CONVENÇÃO RELATIVA À PROTECÇÃO DO DIREITO DE ORGANIZAÇÃO E AOS PROCESSOS DE FIXAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA FUNÇÃO PÚBLICA. CONVENÇÃO N.º 151 CONVENÇÃO RELATIVA À PROTECÇÃO DO DIREITO DE ORGANIZAÇÃO E AOS PROCESSOS DE FIXAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA FUNÇÃO PÚBLICA. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO

INSTITUTO NACIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Protocolo de Cooperação entre o INA - Instituto Nacional de Administração, I.P. e a VELLOWSCIRE - Consultoria e Soluções Informáticas, Lda. Outubro 2011 DE ADMINISTRACÀO Entre: INA - Instituto

Leia mais

Lista UE de pessoas, grupos e entidades sujeitas a medidas específicas de combate ao terrorismo

Lista UE de pessoas, grupos e entidades sujeitas a medidas específicas de combate ao terrorismo UNIÃO EUROPEIA ~FICHA DE INFORMAÇÃO~ Lista UE de pessoas, grupos e entidades sujeitas a medidas específicas de combate ao terrorismo IMPRENSA 6 de Fevereiro de 2008 A UE aprovou pela primeira vez medidas

Leia mais

Diploma. Cria o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros

Diploma. Cria o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Diploma Cria o Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Decreto-Lei n.º 228/2000 de 23 de Setembro A supervisão do sistema financeiro nacional cabe a três autoridades distintas e independentes entre

Leia mais