OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS PARTIDOS POLÍTICOS NA CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA"

Transcrição

1 RESUMO Este texto expõe a relevância dos partidos políticos no contexto constitucional português. Para este efeito, analisam-se as linhas que institucionalizam as organizações político-partidárias; os meios de ação dos partidos facultados pela Lei Fundamental; e o dever de impulsionar a participação democrática do cidadão. PALAVRAS-CHAVE partidos políticos, vida democrática, participação e limites partidários A participação dos partidos políticos na vida democrática está consagrada na Constituição da República Portuguesa, através do disposto no seu artigo 114.º. Estabelece-se a sua inclusão nos sufrágios, como pilar das atividades democráticas, e respetiva representação nos órgãos de soberania - reservando-lhes o estatuto de acompanhamento à ação executiva do Governo. Conferindo-lhes o direito de informação e participação nas matérias do Estado, os partidos estão investidos de essência democrática, assim inclusa por consequência nos órgãos de poder da República. O seu assento no órgão representativo dos cidadãos, pelo reservado no artigo 147.º da Constituição da República Portuguesa, e a exigência constitucional que estabelece a formação da Assembleia da República órgão do Estado através das candidaturas plurinominais, dos partidos políticos, expressa no seu artigo 151.º, confere aos partidos um estatuto muito importante, como parte construtiva e de formação de um órgão do Estado. Pag. 1 de 6

2 Sem atribuir um estatuto institucional, a importância reservada pela Constituição da República Portuguesa aos partidos políticos complementa-se na opção por salvaguardar direitos à oposição democrática, protegendo a expressão das correntes minoritárias. Na minha opinião, tentando assegurar também, deste modo, a impossibilidade em termos constitucionais da existência contínua e permanente de um sistema de partido único, clarificando a identidade do Estado. As divisões sociais, com os respectivos interesses, procurando a adesão da população, com as caraterísticas implícitas de alguma implementação territorial e durabilidade da organização de forma a permitirem a prossecução na busca dos seus intentos, e a confrontação de argumentos e de projetos de cada parte, com o objetivo expresso de exercer o poder, formal, institucional, estão assim alinhados constitucionalmente. Estas estruturas são demarcadas por indivíduos no seu estatuto de eleitores, simpatizantes, aderentes e militantes activos, com correspondentes taxas, eleitoral, de simpatizantes e a de militância. Podem adquirir vários tipos enquanto organização partidária, como partidos de quadros, com a participação indireta dos cidadãos na formação partidária, ou de massas, onde o cidadão integra as estruturas do partido, que atua de diversos modos na luta pelos seus objetivos de poder, para lá do apoio eleitoral. Internamente, a Lei dos Partidos Políticos define um modelo organizativo que deve ser seguido pelos partidos, através do seu artigo 24.º, contendo uma assembleia representativa dos membros, e órgãos de direcção política e de jurisdição. Na vida democrática, os partidos políticos estão sujeitos a normas: a sua constituição deve ser requerida por pelo menos 7500 eleitores, que a Lei dos Partidos Políticos estabelece no seu artigo 15.º, e a sujeição aos princípios da liberdade, ao democrático, da transparência e da cidadania, dispostos no artigo 4.º Pag. 2 de 6

3 e seguintes daquela, implica que o partido naturalmente pode seguir livremente os seus fins, regidos internamente pela participação democrática dos seus membros, orientados para a divulgação das suas actividades e estatutos. O artigo 7.º da Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, visa proteger os membros dos partidos, conferindo-lhes sem equívocos a titularização de direitos políticos. Limitada pelo disposto no artigo 46.º da Constituição da República Portuguesa, a organização política está à partida orientada para o espírito democrático, não podendo promover o desrespeito pela lei penal, nem a violência, não podendo ser do tipo militar ou armada, nem defender o racismo ou o fascismo. O artigo 9.º da Lei dos Partidos Políticos proíbe, ainda, os partidos que na sua programática tenham índole regional, dando-lhes originariamente um carácter nacional. Esta Lei Orgânica reforça o disposto do artigo 46.º da Constituição da República Portuguesa com o seu artigo 8.º, que salvaguarda a ordem constitucional democrática, com os impedimentos à prática associativa já referidos. A Lei dos Partidos Políticos ainda impõe no seu artigo 22.º a limitação ao exercício de inscrição partidária por parte de cidadãos militares, ou de forças de segurança, ou, se na efetividade, de magistrados judiciais, de magistrados do Ministério Público e diplomatas. Também na Administração Pública, os diretores-gerais, presidentes executivos dos institutos públicos e membros das entidades administrativamente independentes, não podem ser filiados. Neste contexto, os partidos políticos, 'quaisquer que eles sejam', com as limitações indicadas, são uma referência para o exercício democrático. Pag. 3 de 6

4 Os partidos políticos devem ter finalidades de contributo para o esclarecimento, estudo e debate, para a proposta e crítica, e para a promoção de todas as temáticas da vida pública, segundo o artigo 2.º da Lei dos Partidos Políticos. Devem promover a participação dos cidadãos na vida democrática, e esclarecer as questões submetidas a referendo. Os referendos são instrumentos de consulta, e não podem interferir no sistema representativo nem afectar os poderes dos vários órgãos do Estado. A forma atual da Lei atribui uma dimensão local, regional ou nacional aos referendos. Localmente, os cidadãos podem ter iniciativa de referendo, segundo o disposto no artigo 240.º da Constituição da República Portuguesa, e as Autarquias podem referendar sobre matérias das suas competências, desde que expresse interesse local e obedeça aos princípios da unidade e da subsidiariedade do Estado, descentralização e autonomia local, segundo o artigo 3.º da Lei Orgânica nº 4/2000, de 24 de Agosto. São matérias excluídas deste tipo de referendo, no disposto do artigo 4.º da mesma Lei Orgânica, as atribuídas aos órgãos de soberania, estendendo-se as limitações de modo a permitir referendos com reduzida relevância e estrito interesse local. O artigo 232.º, nº 2, da Constituição da República Portuguesa dá competências à Assembleia Legislativa de cada região autónoma para a apresentação de propostas de referendo regional para apreciação do Presidente da República. Este âmbito regional, disposto no nº 13 do artigo 115.º da Constituição, foi introduzido na revisão constitucional de 1997, e aperfeiçoado com a de O referendo nacional está consagrado constitucionalmente desde a 2ª revisão ordinária à Constituição, na revisão constitucional de 1989, e compreende Pag. 4 de 6

5 para lá das propostas do Governo e da Assembleia da República as iniciativas de cidadãos, dirigidas ao Parlamento, e limitadas às esferas de ação destes órgãos do Estado, sobre atos legislativos ou convenções internacionais. O quadro de requisitos indispensáveis pelo nº 3 do artigo 115.º da Constituição da República Portuguesa, refere ainda que as questões a apresentar num referendo deve ter relevante interesse nacional. A participação do cidadão, a título vinculativo se houver uma maioria de eleitores votantes na vida democrática, é conferida sobre assuntos que excluem as alterações à Constituição, as questões de natureza financeira, tributária e orçamental, as matérias da competência política e legislativa da Assembleia da República, dispostos no artigo 161.º da Constituição da República Portuguesa, e, com excepção da alínea i), no artigo 164.º. A iniciativa da proposta de referendo, apresentada ao Presidente da República, pode ter competências diversas, pelo disposto no artigo 10.º e 23.º da Lei Orgânica nº 15-A/98, de 3 de Abril. Deverá então ser submetido à fiscalização preventiva obrigatória da constitucionalidade e da legalidade pelo Tribunal Constitucional, nos termos do artigo 115.º, nº 8, da Constituição da República Portuguesa. Os 'Princípios gerais de direito eleitoral', do artigo 113.º da Constituição, aplicam-se também aos referendos. Os limites de iniciativa estão no impedimento às matérias que possam influenciar o orçamento do Estado em curso, e os limites temporais confinam a votação das propostas à legislatura, não podendo ser submetidas a votação uma segunda vez durante a mesma, segundo o artigo 167.º da Constituição da República Portuguesa. O artigo 7.º da Lei Orgânica nº 15-A/98, de 3 de Abril, estipula também que a realização do referendo não pode coincidir com o período entre a data de convocação e a de realização de eleições. Pag. 5 de 6

6 O referendo permite reforçar, através da participação, na iniciativa e na decisão, a vida democrática na República e nos seus eleitores. BIBLIOGRAFIA Referências bibliográficas omitidas contacte o autor PUBLICAÇÃO DA SILVA LOPES, Jaime, Os partidos políticos na Constituição portuguesa. Lisboa, Pag. 6 de 6

Aula teórica DC II B A Assembleia da República

Aula teórica DC II B A Assembleia da República Aula teórica DC II B A Assembleia da República 8/4/2016 1. Introdução e caracterização Representação dos portugueses (art. 147.º Órgão colegial permanente Função política e legislativa Designação dos membros

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos)

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais. ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 7.ª revisão 2005 (excertos) Princípios fundamentais ARTIGO 10.º (Sufrágio universal e partidos políticos) 1. O povo exerce o poder político através do sufrágio universal,

Leia mais

Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos

Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003 de 22 de Agosto Lei dos Partidos Políticos A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, para valer como lei geral da República, a

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2015

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2015 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2015 1- INTRODUÇÃO O Estatuto do Direito de Oposição, aprovado pela lei n.º 24/98, de 26 de maio, pretende assegurar o funcionamento democrático

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2014

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2014 1- INTRODUÇÃO Atendendo ao princípio constitucional que reconhece às minorias o direto de oposição democrática, consagrado no n.º 2 do artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL JORGE MIRANDA CURSO DE ESTRUTURA DO ESTADO. SISTEMAS POLÍTICOS. ATIVIDADE CONSTITUCIONAL DO ESTADO. FISCALIZAÇÃO DE CONSTITUCIONALIDADE VOL. 2 UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2016 ÍNDICE PARTE I ESTRUTURA

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território Lei nº 23/92 de 16 de Setembro LEI DE REVISÃO CONSTITUCIONAL As alterações à Lei Constitucional introduzidas em Março de 1991, através da Lei nº. 12/91 destinaram

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA

CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA A MARCELO REBELO DE SOUSA Professor Catedrático da Faculdade de Direito de Lisboa JOSÉ DE MELO ALEXANDRINO Assistente da Faculdade de Direito de Lisboa CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA ^ COMENTADA

Leia mais

AVISO N.º 34/DA/2015

AVISO N.º 34/DA/2015 AVISO N.º 34/DA/2015 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO GRAU DE OBSERVÂNCIA DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO José Eduardo Lopes Ferreira, Presidente da Câmara Municipal de Moimenta da Beira, no uso da competência

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I ÍNDICE. CAPÍTULO I A relevância do estudo do direito administrativo

DIREITO ADMINISTRATIVO I ÍNDICE. CAPÍTULO I A relevância do estudo do direito administrativo ÍNDICE DIREITO ADMINISTRATIVO I Abreviaturas e siglas CAPÍTULO I A relevância do estudo do direito administrativo 1. A relevância do estudo do direito administrativo 1.1 As abordagens do direito administrativo

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

Direito Constitucional Português

Direito Constitucional Português Direito Constitucional Português Legislação Fundamental I CONSTITUIÇÃO E LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR 1. Constituição da República Portuguesa (depois da VII revisão constitucional Lei Constitucional nº 1/2005,

Leia mais

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional)

CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I. Princípios gerais. Artigo 202. (Função jurisdicional) CONSTITUIÇÂO DA REPÚBLICA PORTUGUESA (texto integral) Tribunais SECÇÃO V CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 202. (Função jurisdicional) 1. Os tribunais são os órgãos de soberania com competência para

Leia mais

Propostas de alteração do PCP (artigos 4.º e 6.º) ( )

Propostas de alteração do PCP (artigos 4.º e 6.º) ( ) D e CDS-PP do Projeto de do D e CDS/PP ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DA COBERTURA JORNALÍSTICA EM PERÍODO ELEITORAL E REGULA A PROPAGANDA ELEITORAL ATRAVÉS DE MEIOS DE LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM

Leia mais

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA

SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA REPÚBLICA DE ANGOLA COMISSÃO CONSTITUCIONAL PROJECTO DE CONSTITUIÇÃO B SISTEMA SEMI-PRESIDENCIALISTA (Texto de Apresentação Pública) O Projecto B comporta 195 artigos e os seus principais aspectos são

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2013 (19 de outubro a 31 de dezembro)

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2013 (19 de outubro a 31 de dezembro) RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ANO 2013 (19 de outubro a 31 de dezembro) 1- INTRODUÇÃO Fomentando o preceito constitucional do reconhecimento às minorias do direto de oposição democrática,

Leia mais

NOTA JUSTIFICATIVA. Iniciativa legislativa de grupos de cidadãos eleitores na Região Autónoma da Madeira.

NOTA JUSTIFICATIVA. Iniciativa legislativa de grupos de cidadãos eleitores na Região Autónoma da Madeira. NOTA JUSTIFICATIVA A. Sumário a publicar no Diário da República Iniciativa legislativa de grupos de cidadãos eleitores na Região Autónoma da Madeira. B. Síntese do conteúdo do projeto Proposta de Decreto

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. 6ª Revisão Lei Constitucional 1/2004, de 24 de Julho

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA. 6ª Revisão Lei Constitucional 1/2004, de 24 de Julho CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA 6ª Revisão Lei Constitucional 1/2004, de 24 de Julho ( excertos ) PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Artigo 10º ( Sufrágio universal e partidos políticos ) 1. O povo exerce o

Leia mais

Escola: Nome: Nº: Turma:

Escola: Nome: Nº: Turma: Escola: Nome: Nº: Turma: Skimming e scanning Skimming e scanning são duas técnicas de leitura de textos. Utilizamos frequentemente estas duas técnicas em conjunto para poupar tempo na identificação, localização

Leia mais

Relatório de Observância do Direito de Oposição

Relatório de Observância do Direito de Oposição Relatório de Observância do Direito de Oposição (de acordo com o artigo 100 da Lei n. 24/98, de 26 de maio) Versão conforme com a distribuída para apreciação dos Membros do Órgão Executivo Municipal, em

Leia mais

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO 2015 A Lei n.º 24/98 de 26 de maio criou o Estatuto do Direito de Oposição o qual pretende assegurar o funcionamento dos órgãos eleitos, garantindo às minorias

Leia mais

Lei Nº 29/1987, de 30 de Junho. (republicada pela Lei nº 52-A/2005 de 10 de Outubro) Estatuto dos Eleitos Locais. Artigo 1º Âmbito

Lei Nº 29/1987, de 30 de Junho. (republicada pela Lei nº 52-A/2005 de 10 de Outubro) Estatuto dos Eleitos Locais. Artigo 1º Âmbito Lei Nº 29/1987, de 30 de Junho (republicada pela Lei nº 52-A/2005 de 10 de Outubro) Estatuto dos Eleitos Locais Artigo 1º Âmbito 1 - A presente lei define o Estatuto dos Eleitos Locais. 2 - Consideram-se

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO 2011 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO NO ANO DE 2011 1. Introdução O Estatuto do Direito de Oposição, aprovado

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO Apreciado em reunião da Câmara Municipal e em sessão da Assembleia Municipal, realizadas nos dias 30 de Maio e 6 de Junho de 2014, respectivamente. RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO

Leia mais

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º

Direito Constitucional. TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Direito Constitucional TÍTULO I - Dos Princípios Fundamentais art. 1º ao 4º Constituição A constituição determina a organização e funcionamento do Estado, estabelecendo sua estrutura, a organização de

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica

Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica Regulamento de Funcionamento do Orçamento Participativo na Freguesia de Benfica Preâmbulo A Junta de Freguesia de Benfica

Leia mais

SUMÁRIO NORMAS CONSTITUCIONAIS AMBIENTAIS Capítulo 1

SUMÁRIO NORMAS CONSTITUCIONAIS AMBIENTAIS Capítulo 1 SUMÁRIO Capítulo 1 NORMAS CONSTITUCIONAIS AMBIENTAIS... 23 1. Conceito de Constituição... 23 2. Sentidos ou concepções de Constituição... 23 2.1. Sentido sociológico... 24 2.2. Sentido político... 24 2.3.

Leia mais

SUMÁRIO TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Capítulo 1

SUMÁRIO TEORIA DA CONSTITUIÇÃO Capítulo 1 SUMÁRIO Capítulo 1 TEORIA DA CONSTITUIÇÃO... 23 1. Conceito de Constituição... 23 2. Sentidos ou concepções de Constituição... 23 2.1. Sentido sociológico... 24 2.2. Sentido político... 24 2.3. Sentido

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS»

PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROJETO DE LEI N.º 530/XII/3 (PSD, CDS-PP) - «LEI QUE DEFINE OS PRINCÍPIOS QUE REGEM A COBERTURA JORNALÍSTICA DAS ELEIÇÕES E DOS REFERENDOS NACIONAIS» PROPOSTA DE SUBSTITUIÇÃO REGIME JURÍDICO DA COBERTURA

Leia mais

TEMPO DE JUSTIÇA A REFORMA DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA E DO ESTATUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS

TEMPO DE JUSTIÇA A REFORMA DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA E DO ESTATUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS TEMPO DE JUSTIÇA A REFORMA DA CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA PORTUGUESA E DO ESTATUTO DA ORDEM DOS ADVOGADOS Visa esta comunicação submeter a reflexão alguns pontos que me parece oportuno debater, acerca da

Leia mais

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATIVO AO ANO DE 2010 O Estatuto do Direito de Oposição, aprovado pela Lei n.º 24/98 de 26 de Maio, assegura às minorias o direito de constituir

Leia mais

Deliberação Ratificação de parecer legislativo do CPTA e ETAF

Deliberação Ratificação de parecer legislativo do CPTA e ETAF Deliberação pública Ratificação de parecer legislativo do CPTA e ETAF Tendo em consideração que: a) Encontrava-se em apreciação parlamentar a Proposta de Lei n.º 331/XII que autoriza o Governo a rever

Leia mais

Município de Fornos de Algodres Câmara Municipal

Município de Fornos de Algodres Câmara Municipal ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ANO DE 2014 I. INTRODUÇÃO Nos termos da Constituição da República Portuguesa é reconhecido às minorias o direito de oposição democrática. Os partidos

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª

PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE LEI N.º 299/XII/2.ª DEFINE O REGIME DE AUDIÇÃO E PARTICIPAÇÃO DAS AUTARQUIAS LOCAIS E POPULAÇÕES NO PROCESSO LEGISLATIVO DE CRIAÇÃO, EXTINÇÃO, FUSÃO E MODIFICAÇÃO DE AUTARQUIAS

Leia mais

REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro)

REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) REGULAMENTO DA SECÇAO REGIONAL DO NORTE (SRN) (Artigo 3 do Decreto-Lei nº. 487/99, de 16 de Novembro) Publicado no Diário da República, m Série, n."26l, de 11 de Novembro de 2003 ÍNDICE Artigo 1º. - Criação,

Leia mais

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares

Projeto de Decreto Legislativo Regional. Regime dos Requerimentos Parlamentares Projeto de Decreto Legislativo Regional Regime dos Requerimentos Parlamentares As perguntas parlamentares constituem um instrumento de fiscalização e controlo parlamentar da atividade governativa cuja

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal Orçamento Participativo para o ano de 2015 (aprovado na sessão ordinária da Assembleia Municipal de Leiria de 28 de fevereiro de 2014) Carta de Princípios A de Leiria reconhece, com a criação e implementação

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 8/2007 REGIME DAS PRECEDÊNCIAS PROTOCOLARES E DO LUTO REGIONAL NA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES A particular configuração que as regras das precedências protocolares assumem

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 458/2013. Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal Constitucional

ACÓRDÃO N.º 458/2013. Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal Constitucional Página 1 de 5 [ TC > Jurisprudência > Acordãos > Acórdão 458/2013 ] ACÓRDÃO N.º 458/2013 Processo n.º 420/13 3.ª Secção Relator: Conselheira Catarina Sarmento e Castro Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO PARECER DO C.S.M.P. Projectos de proposta de Lei que procedem à criação do Tribunal Arbitral do Desporto I. INTRODUÇÃO Solicitou a Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias

Leia mais

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde

Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde Fórum Concelhio Para a Promoção da Saúde CASCAIS SAUDÁVEL 1. Contexto SÓCIO-POLÍTICO: Saúde na ordem do dia Envelhecimento da população Sustentabilidade do SNS Transferência de competências para as Autarquias

Leia mais

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 2015

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 2015 ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 2015 I. ENQUADRAMENTO LEGAL A Lei n.º 24/98, de 26 de maio aprovou o Estatuto do Direito de Oposição, assegurando às minorias

Leia mais

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna

A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna Competências da Assembleia A competência legal da Assembleia de Freguesia desdobra-se nas seguintes vertentes: a) Competência de organização interna ex.: elaboração do regimento; comissões ou grupos de

Leia mais

2015 Câmara Municipal de Nordeste. Relatório do Direito de Oposição

2015 Câmara Municipal de Nordeste. Relatório do Direito de Oposição Relatório do Direito de Oposição ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO AVALIAÇÃO DE 2015 Aprovado pela Lei n.º 24/98, de 26 de maio, o Estatuto do Direito de Oposição assegura às minorias, o direito

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho. Estatuto dos Eleitos Locais. Artigo 1.º Âmbito

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho. Estatuto dos Eleitos Locais. Artigo 1.º Âmbito Lei n.º 29/87, de 30 de Junho Estatuto dos Eleitos Locais Artigo 1.º Âmbito 1 - A presente lei define o Estatuto dos Eleitos Locais. 2 - Consideram-se eleitos locais, para efeitos da presente lei, os membros

Leia mais

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia

Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Portugiesisch Niedersächsischer Landeswahlleiter Informações do Presidente da Comissão Eleitoral da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral autárquico da Baixa Saxónia Princípios do sistema eleitoral

Leia mais

CAMARA MUNICIPAL DE MAFRA ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE 2014

CAMARA MUNICIPAL DE MAFRA ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE 2014 CAMARA MUNICIPAL DE MAFRA ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE 2014 O Estatuto do Direito de Oposição tem enquadramento legal na Lei n. 24/98, de 26 de Maio, a qual determina, no seu

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO DO ANO 2015 DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CUMPRIMENTO DO ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO DO ANO 2015 DO MUNICÍPIO DE SANTO TIRSO O Estatuto do Direito de Oposição, aprovado pela Lei 24/98, de 26 de maio, determina, no seu artigo 1, que deve ser assegurado às minorias o direito de constituir e exercer uma oposição democrática aos

Leia mais

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO. 1. Introdução RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 201 3

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO. 1. Introdução RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 201 3 ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO REFERENTE AO ANO DE 201 3 1. Introdução Nos termos da alínea yy) do n.º 1 do artigo 33.º do Anexo I da Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, compete

Leia mais

ESTATUTO DIREITO DE OPOSIÇÃO - RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ANUAL. Referente ao ano de 2014, nos termos da Lei n.º 24/98, de 26 de maio.

ESTATUTO DIREITO DE OPOSIÇÃO - RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ANUAL. Referente ao ano de 2014, nos termos da Lei n.º 24/98, de 26 de maio. ESTATUTO DIREITO DE OPOSIÇÃO - RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO ANUAL Referente ao ano de 2014, nos termos da Lei n.º 24/98, de 26 de maio. I - Introdução O Direito de Oposição começa por ter consagração na Constituição

Leia mais

Sessão pública de apresentação /////////////////////////////////////////////////

Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// Sessão pública de apresentação ///////////////////////////////////////////////// carta de princípios A Câmara Municipal de Torres Novas reconhece que os orçamentos participativos são um símbolo da importância

Leia mais

Funcionamento do Orçamento Participativo da Junta de Freguesia de Olivais

Funcionamento do Orçamento Participativo da Junta de Freguesia de Olivais Capítulo 320 Funcionamento do Orçamento da Junta de Freguesia de Olivais MR.003.01.Vers.1.0.a Página 1 de 10 Conteúdo Preâmbulo... 3 Disposições... 4 Artigo 1.º Definições... 4 Artigo 2.º Montantes do

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE PALMELA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E INTERVENÇÃO SOCIAL Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Palmela Nota Justificativa Reconhecendo: 1. A juventude como força motriz do desenvolvimento de uma comunidade, região, país, através das suas múltiplas

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 254/X

PROJECTO DE LEI N.º 254/X Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 254/X ALTERA A LEI N.º64/93, DE 26 DE AGOSTO (ESTABELECE O REGIME JURÍDICO DE INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS DOS TITULARES DE CARGOS POLÍTICOS E ALTOS CARGOS PÚBLICOS)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO CONSTITUCIONAL (02308)

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER PÚBLICO Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular TEORIA GERAL DO PODER

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Proposta de Regulamento Eleitoral das eleições primárias abertas a militantes e simpatizantes do PS para a designação do candidato do PS ao cargo do Primeiro-Ministro CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo

Leia mais

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES

SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES SOCIEDADE PORTUGUESA PARA O ESTUDO DAS AVES ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição, designação e sede) 1. É constituída a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves, adiante designada abreviadamente apenas

Leia mais

Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente

Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente Pag.2/10 Regulamento de Funcionamento Do Orçamento Participativo da Freguesia de São Vicente Preâmbulo A Junta de Freguesia

Leia mais

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25

LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS INTRODUÇÃO Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS UTILIZADAS... 21 INTRODUÇÃO... 23 Capítulo 1 FUNDAMENTOS TEÓRICOS DO PROCESSO LEGISLATIVO... 25 1. Processo e procedimento... 25 1.1. Procedimentos legislativos... 26 2. Princípios

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

Assembleia Nacional Popular

Assembleia Nacional Popular REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU Assembleia Nacional Popular LEI N. º /20 A Assembleia Nacional Popular decreta, nos termos da alínea l) do artigo 86.º da Constituição o seguinte: LEI DA COMISSÃO NACIONAL DE

Leia mais

Câmara Municipal de Sintra. Cf. artigo 114º, nº 3, da Constituição da República Portuguesa

Câmara Municipal de Sintra. Cf. artigo 114º, nº 3, da Constituição da República Portuguesa I. ENQUADRAMENTO NORMATIVO O Estatuto do Direito de Oposição foi aprovado pela Lei nº 24/98, de 26 de maio, tendo em vista assegura às minorias o direito de constituir e exercer uma oposição democrática

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Praia da Vitória. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Praia da Vitória. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude da Praia da Vitória Preâmbulo A Câmara Municipal da Praia da Vitória e a Assembleia Municipal da Praia da Vitória, atenta à sua relação de proximidade com

Leia mais

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS

REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS REGULAMENTO DOS ESTUDANTES SOCIAIS-DEMOCRATAS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Estudantes Sociais-Democratas) Os Estudantes Sociais-Democratas (adiante designados por ESD) são a estrutura sectorial

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Sumário: Da obrigatoriedade de elaboração do auto de identificação, de relatório e da comunicação ao Ministério Público, bem como sobre o fundamento material da condução do cidadão à Esquadra para identificação.

Leia mais

Notas sobre a Organização e os Processos Eleitorais

Notas sobre a Organização e os Processos Eleitorais Notas sobre a Organização e os Processos Eleitorais Versão 3.0, Outubro de 2015 Quando se realizam as eleições para os órgãos da Juventude Socialista? Nacional: Delegados ao Congresso Nacional, eleitos

Leia mais

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO

RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO RELATÓRIO E PARECER SOBRE O PROJECTO DE RESOLUÇÃO RELATIVO AO PEDIDO DE DECLARAÇÃO DE INCONSTITUCIONALIDADE DA LEI N.º 11/2003, DE 13 DE MAIO HORTA, 7 DE MAIO DE 2004 CAPÍTULO I INTRODUÇÃO A Comissão de

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação 2007/1 ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO ELEITORAL E PARTIDÁRIO Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau

CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA. Victor Barau CURSO FORMAÇÃO CIDADÃ DEMOCRACIA REPRESENTATIVA Victor Barau 1- O Conceito da palavra Democracia Democracia demos = povo, e kratos = autoridade Origem Conceito Moderno: Revoluções Francesa e Americana.

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BAIÃO Reunião de Câmara E D I T A L

CÂMARA MUNICIPAL DE BAIÃO Reunião de Câmara E D I T A L E D I T A L ----------- DR. JOSÉ LUÍS PEREIRA CARNEIRO, Presidente da Câmara Municipal de Baião: -------- ---------- FAZ PÚBLICO, no uso das competências que lhe são atribuídas pela alínea t) do n.º 1

Leia mais

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral

Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Garantias legais de equilíbrio do exercício do direito de antena durante o processo eleitoral Por: Cremildo Paca Falar sobre as garantias legais de equilíbrio do direito de antena é um exercício desafiante.

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-2353/94 (A6) DATA: 1999-09-30 Assunto: Efeito

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 136/XI/1.ª

PROJECTO DE LEI N.º 136/XI/1.ª PROJECTO DE LEI N.º 136/XI/1.ª ALTERA O REGIME DAS INELEGIBILIDADES NAS ELEIÇÕES PARA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, PARA A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, PARA O PARLAMENTO EUROPEU E PARA OS ÓRGÃOS DAS AUTARQUIAS

Leia mais

Caso prático 4. Direito Constitucional I. (resolvido) Charles é doutorado por Oxford, residindo em Portugal há 10 anos.

Caso prático 4. Direito Constitucional I. (resolvido) Charles é doutorado por Oxford, residindo em Portugal há 10 anos. Caso prático 4 Direito Constitucional I (resolvido) Charles é doutorado por Oxford, residindo em Portugal há 10 anos. a) Poderá Charles candidatar-se a Reitor da Universidade de Lisboa? b) Poderá Charles

Leia mais

Organização Administrativa BOM DIA!!!

Organização Administrativa BOM DIA!!! BOM DIA!!! 1. Introdução 2. Administração Pública 3. Órgão Público 4. Classificação dos Órgãos 5. Descentralização e Desconcentração 6. Função Pública 7. Cargo Público 8. Agente Público 1. Introdução Regime

Leia mais

i) Imposto sobre o Valor Acrescentado.

i) Imposto sobre o Valor Acrescentado. Sua Excelência A Presidente da Assembleia da República Palácio de São Bento 1249-068 LISBOA Vossa Ref.ª Vossa Comunicação Nossa Ref.ª Proc. P-006/09 (A6) Assunto: Leis eleitorais. Candidaturas apresentadas

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo I Teoria da Constituição...1

SUMÁRIO. Capítulo I Teoria da Constituição...1 SUMÁRIO Capítulo I Teoria da Constituição...1 1. Constituição...1 1.1 Conceito...1 1.2. Classificação das Constituições...1 1.3. Interpretação das Normas Constitucionais...3 1.4. Preâmbulo Constitucional...5

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: DIREITO ELEITORAL Código da Disciplina: JUR262 Curso: Direito Semestre de oferta da disciplina: Faculdade responsável: Direito Programa em vigência a partir de: 2015

Leia mais

ESTATUTOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CAPOEIRA

ESTATUTOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CAPOEIRA ESTATUTOS DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE CAPOEIRA Capitulo I Princípios Gerais Artigo Primeiro Natureza A Federação Portuguesa de Capoeira, FPC, adiante designada por Federação, é uma pessoa coletiva de direito

Leia mais

CURSO: Controle Social e Gestão Participativa 06/3/13. O papel da legislação para o Controle Social e a Gestão Participativa.

CURSO: Controle Social e Gestão Participativa 06/3/13. O papel da legislação para o Controle Social e a Gestão Participativa. MODALIDADES DE GESTÃO NO SUS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Carlos Neder XXVII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE CURSO: Controle Social e Gestão Participativa 06/3/13 O papel da legislação para o Controle

Leia mais

Regulamento do 11º Congresso Nacional dos Professores

Regulamento do 11º Congresso Nacional dos Professores Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Regulamento do 11º Congresso Nacional dos Professores Nota: O documento original encontra-se em anexo, no formato PDF. O Conselho Nacional da FENPROF,

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores

Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores Regulamento do Conselho Municipal da Juventude do Concelho de Lagoa - Açores PREÂMBULO As políticas públicas dirigidas à juventude assumem nos dias de hoje uma transversalidade indiscutível. O estabelecimento

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2017

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2017 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o, DE 2017 (Do Sr. JOÃO DERLY e outros) Altera os art. 14 e 77, e cria o art. 17-A, todos da Constituição Federal, para permitir a apresentação de candidaturas a cargo

Leia mais

Carta Europeia de Autonomia Local

Carta Europeia de Autonomia Local Conselho da Europa Carta Europeia de Autonomia Local Adoptada e aberta à assinatura em Estrasburgo, a 15 de Outubro de 1985. Entrada em vigor na ordem internacional: 1 de Setembro de 1988. Portugal: Assinatura:

Leia mais

UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES

UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES Secção A Judicatura e o Ministério Público na Reforma da Justiça UM TRIBUNAL DA RELAÇÃO PARA OS AÇORES Depois da ideia geral da virtude, não conheço outra ideia mais bela do que a dos direitos, ou melhor,

Leia mais

Objetivos: Dar ao aluno noções gerais sobre o Estado e a ordem social e oferecer-lhe o pleno conhecimento da organização constitucional brasileira.

Objetivos: Dar ao aluno noções gerais sobre o Estado e a ordem social e oferecer-lhe o pleno conhecimento da organização constitucional brasileira. DISCIPLINA: CONSTITUCIONAL I CARGA HORÁRIA TOTAL: 60 CRÉDITOS: 04 CÓDIGO: DIR 02-07411 Dar ao aluno noções gerais sobre o Estado e a ordem social e oferecer-lhe o pleno conhecimento da organização constitucional

Leia mais

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.

Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n. Aprovado por Deliberação n.º /2010 ANTEPROJECTO DE LEI SOBRE OS ACTOS PRÓPRIOS DOS ADVOGADOS E SOLICITADORES ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2010, de de Na sequência da aprovação e entrada em vigor da Lei

Leia mais

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE 2015

ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE 2015 ESTATUTO DO DIREITO DE OPOSIÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DE 2015 A Lei n.º 24/98, de 26 de maio aprovou o Estatuto do Direito de Oposição que, no seu art. 1.º, assegura às minorias o direito de constituir

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE LAGOA Preâmbulo Considerando que os órgãos de poder local constituem a fonte mais próxima da soberania estatal junto dos cidadãos, reconhecidos como os

Leia mais

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A.

II O Conselho Distrital tem competência para emitir parecer, nos termos do disposto no artigo 50.º, nº 1, al. f) do E.O.A. PARECER Nº 59/PP/2014-P CONCLUSÕES 1 - Não existe incompatibilidade para o exercício da advocacia por parte de Advogado que seja Tesoureiro de junta de freguesia. 2 O advogado que tesoureiro de uma junta

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SUBCOMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SUBCOMISSÃO DE POLÍTICA GERAL INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A Subcomissão de Política Geral, em 23 de junho de 2015, procedeu à apreciação, relato e emissão de parecer sobre a Proposta de Lei n.º 342/XII/4 que altera o Código Civil, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

Direito Constitucional Aspectos Gerais

Direito Constitucional Aspectos Gerais Direito Constitucional Aspectos Gerais Constituição: Conceito, Classificação. Histórico das Constituições Brasileiras. Disciplina: Instituições de Direito Professora Doutora Emanuele Seicenti de Brito

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 49/XI NOMEAÇÃO E CESSAÇÃO DE FUNÇÕES DOS MEMBROS DAS ENTIDADES REGULADORAS INDEPENDENTES

PROJECTO DE LEI Nº 49/XI NOMEAÇÃO E CESSAÇÃO DE FUNÇÕES DOS MEMBROS DAS ENTIDADES REGULADORAS INDEPENDENTES PROJECTO DE LEI Nº 49/XI NOMEAÇÃO E CESSAÇÃO DE FUNÇÕES DOS MEMBROS DAS ENTIDADES REGULADORAS INDEPENDENTES A Constituição da República Portuguesa dispõe, desde a revisão de 1997, que a lei pode criar

Leia mais

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º

OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL. Artigo 1º. Artigo 2º. A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem a sua sede em Lisboa Artigo 3º OBJECTIVOS, SEDE E ANO SOCIAL Artigo 1º A Sociedade Portuguesa de Bioquímica tem por objectivo promover, cultivar e desenvolver em Portugal a investigação e o ensino da Bioquímica e ciências afins e facilitar

Leia mais

ARQUIVO MÁRIO SOARES

ARQUIVO MÁRIO SOARES ARQUIVO MÁRIO SOARES PASTA N.º 2406,000 Imagem n.º: 2 Carta MS, António Almeida Santos, Jorge Campinos Comissão Permanente PS Presidente do Conselho da Revolução Intervenção no programa televisivo Grande

Leia mais

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL

PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL João Albuquerque PROGRAMA DE CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL (Ano Lectivo de 2010/2011) Faculdade de Direito da Universidade de Macau 2 CAPÍTULO I O POLÍTICO I A noção de Política em sentido

Leia mais

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S

O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S O JOGO DAS ELEIÇÕES A C T I V I D A D E S M A T E M Á T I C A S ÍNDICE Tabelas de Preferência Transitividade e Eliminação de Candidatos Movimentação das preferências individuais Transitividade Eliminação

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS REGIME JURÍDICO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS E ESTUDANTIS Decreto nº 15/03 de 22 de Abril (Diário da República I Série nº 31, de 22 de Abril de 2003) A juventude angolana

Leia mais