FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES"

Transcrição

1 0 FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO BASEADA EM CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SITUADA NO INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ FORTALEZA - CE 2010

2 1 FACULDADE LOURENÇO FILHO RONDINELLY COELHO RODRIGUES UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA DE TRABALHO BASEADA EM CONTABILIDADE GERENCIAL PARA UMA EMPRESA DE PEQUENO PORTE SITUADA NO INTERIOR DO ESTADO DO CEARÁ Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel do Curso de Ciências Contábeis, da Faculdade Lourenço Filho FLF, sob orientação do Professor Ms. Ari Holanda Júnior. Fortaleza Ceará 2010

3 2 Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel no Curso de Ciências Contábeis, da Faculdade Lourenço Filho FLF. Rondinelly Coelho Rodrigues Monografia aprovada em: / / Professor Ms. Ari Holanda Júnior Orientador 1º Examinador Professor Ms. Alcides Feitosa Neto 2º Examinador Professora Especialista Christiane Sousa Ramos Professora s. Helena Coordenadora do Curso

4 3 DEDICATÓRIA À minha mãe, sempre dedicada, ocupou papel fundamental na minha formação e principalmente na realização desse trabalho, incentivando e fazendo acreditar ser possível alcançar um ideal, ainda que o caminho seja longo e difícil de ser trilhado. A minha filha Larissa Ketley, minha fonte inspiradora ao longo dessa jornada. Ao meu pai, companheiro e amigo, que sempre torceu pelo meu sucesso. Aos meus irmãos, que me incentivaram e sempre demonstraram orgulho de me ter como irmão. E a uma pessoa em especial que foi minha grande estimuladora nos passos iniciais dessa jornada.

5 4 AGRADECIMENTOS A Deus, por conceder-me a vida e por estar comigo em todos os momentos, dandome saúde e perseverança para alcançar meus objetivos; Ao meu orientador, professor Ari Holanda Júnior, pela paciência, colaboração e compreensão das minhas dificuldades e limitações; Aos professores que dedicaram seu tempo repassando conhecimentos e experiências os quais foram de grande valia para o enriquecimento do nosso aprendizado; A minha sócia Julia Pitombeira, pelo incentivo que tornou possível a minha participação nesse curso; A todos meus amigos que, de alguma forma, contribuíram para a realização desse trabalho.

6 5 RESUMO As pequenas empresas têm grande importância para o desenvolvimento da economia nacional. Seu papel no crescimento da oferta de emprego e no aumento de renda para grande fatia da população ativa do país é inquestionável. Porém existe um alto índice de fechamento dessas empresas por falta de planejamento e controle. Essas empresas, por surgirem geralmente como uma forma de complementar a renda familiar, às vezes chegam a um patamar de crescimento acima do esperado, crescimento esse que vem de forma desordenada e desestruturada. Ao longo dos anos, várias definições foram atribuídas à administração. Henry Fayol (apud MARION, 2008) define administrar como: planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar. Baseado nessa definição entende-se que o caminho mais correto para alcançar o sucesso empresarial pode-se dar pela aplicação de alguns ensinamentos básicos que existem na literatura sobre administração. Esse trabalho vem de uma forma bem prática mostrar ferramentas que podem auxiliar empresários na administração do seu negócio, para que o tão almejado sucesso seja alcançado. A contabilidade, por sua vez, não serve apenas para registrar a história financeira da empresa, mas também para atender as necessidades dos seus gestores abrangendo os vários outros campos do conhecimento para satisfazer as necessidades estratégicas e operacionais, com informações objetivas, úteis e relevantes. ATKINSON (2000), fala que a informação gerencial contábil é uma das fontes informacionais primárias para a tomada de decisão e controle nas empresas. A contabilidade gerencial disponibiliza ferramentas, que são capazes, se usadas de maneira correta, a fornecer dados e indicadores que são de grande valia para os gestores, onde os mesmos serão auxiliados para compreenderem melhor a dinâmica que envolve todas as atividades de sua empresa. IUDÍCIBUS (1998), diz que a contabilidade gerencial, num sentido mais profundo, está voltada única e exclusivamente para a administração da empresa, procurando suprir informações que se encaixem de maneira válida e efetiva no modelo decisório do administrador. Palavras chaves: Contabilidade Gerencial, Ferramentas, Controle. Contabilidade Gerencial, Ferramentas, Co

7 6 SUMÁRIO Lista de quadros... 8 INTRODUÇÃO O QUE É GESTÃO A importância da gestão Paradigmas teóricos da administração Funções básicas da empresa Funções gerais da administração Papéis do gestor segundo Fayol A importância do controle A contabilidade gerencial como instrumento de controle Os ciclos de atividade da empresa Ciclo econômico Ciclo financeiro Ciclo operacional Informação gerencial contábil Contabilidade financeira Contabilidade gerencial Contabilidade financeira versus contabilidade gerencial Contador gerencial DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Balanço patrimonial Demonstração do resultado do exercício Demonstração do fluxo de caixa ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Análise vertical Análise Horizontal Índices de liquidez Índice de liquidez imediata Índice de liquidez corrente Índice de liquidez geral Índice de liquidez seca Índices de endividamento Índice de participação de capital de terceiros Índice de garantia de capital próprio ao capital de terceiros Índice de composição do endividamento Índice X qualidade da dívida Índices de atividade Prazo médio de recebimento de vendas Prazo médio de pagamento de compras Prazo médio de renovação de estoques posicionamento de atividade Índices de rentabilidade Taxa de retorno sobre investimento Taxa de retorno sobre o patrimônio líquido Margem de lucro líquido METODOLOGIA ESTUDO DE CASO Considerações iniciais... 39

8 5.2 - Objeto de estudo Análise dos balanços Análises horizontal e vertical dos balanços Resultados das análises horizontal e vertical Análise dos índices Resultado da análise dos índices CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXO - Termo de Autorização 52 7

9 8 LISTA DE QUADROS QUADRO 1 - Funções da informação gerencial contábil QUADRO 2 - Características básicas das contabilidades gerencial e financeira QUADRO 3 - Comparação entre contabilidade financeira e gerencial QUADRO 4 - Modelo de balanço patrimonial QUADRO 5 - Modelo de demonstração de resultado de exercício QUADRO 6 - Modelo da demonstração do fluxo de caixa método direto QUADRO 7 - Modelo da demonstração do fluxo de caixa método indireto QUADRO 8 - Balanço patrimonial da Empresa Brasileira de Velas Ltda QUADRO 9 - DRE da Empresa Brasileira de Velas Ltda QUADRO 10 - Análise horizontal e vertical do ativo QUADRO 11 - Análise horizontal e vertical do passivo QUADRO 12 - Análise horizontal e vertical da DRE S QUADRO 13 - Análise dos índices... 45

10 9 INTRODUÇÃO As empresas de pequeno porte são empresas que, em sua grande maioria, nascem da necessidade de uma ou mais pessoas terem seu próprio negócio. Inicialmente como uma simples forma de complementar a renda familiar, chegando às vezes a um patamar de crescimento acima do esperado, crescimento este que vem de forma desordenada e desestruturada. As empresas de pequeno porte brasileiras são responsáveis por grande parte da oferta de emprego em nosso país e também são geradoras indispensáveis de riqueza e estimuladoras do desenvolvimento não só financeiro como também social do Brasil. Para poderem se manter nesse mercado cada vez mais competitivo, nossas empresas de pequeno porte devem começar a trabalhar de forma mais planejada, colocando em prática alguns dos ensinamentos de grandes mestres da administração, como Henry Fayol (apud MARION, 2008), que define o ato de administrar como: planejar, organizar, comandar, coordenar e controlar. Se as empresas trabalharem baseadas nesses princípios básicos, a probabilidade de obterem sucesso empresarial pode aumentar significativamente, evitando, assim, que as mesmas façam parte de uma grande e triste taxa de mortalidade empresarial existente no Brasil. É nessa busca pelo desenvolvimento organizacional de maneira firme e consistente que as empresas devem se utilizar das ferramentas da contabilidade gerencial, de forma que as mesmas são capazes, se usadas de maneira correta, a fornecer dados e indicadores que são de grande valia para os gestores, os quais mesmos serão auxiliados para compreenderem melhor a dinâmica que envolve todas as atividades de sua empresa. Sabendo que uma empresa de fabricação de velas, situada no interior do estado do Ceará, não utiliza, ou ao menos tem conhecimento das ferramentas disponibilizadas pela contabilidade gerencial, esse trabalho pretende mostrar importantes paradigmas da área de Administração, descrever a literatura da área de Contabilidade Gerencial e suas importantes ferramentas, analisar, verificar e identificar possíveis erros nessa administração. Por fim, propor metodologia de

11 10 trabalho baseada em contabilidade gerencial, mostrando que se trabalhando com base em indicadores de forma organizada e integrada, são assegurados os melhores resultados, sendo os gestores norteados com base em alguns princípios quais os passos a serem seguidos por quem tanto almeja o sucesso empresarial. A contabilidade gerencial, num sentido mais profundo, está voltada única e exclusivamente para a administração da empresa, procurando suprir informações que se encaixem de maneira válida e efetiva no modelo decisório do administrador. (IUDÍCIBUS, 1998). A contabilidade gerencial é muito importante para qualquer tipo de empresa, contudo não são todas as empresas que disponibilizam das ferramentas utilizadas na contabilidade gerencial para que seus gestores possam ser auxiliados com fornecimento de indicadores e dados para sua tomada de decisão. É baseado nessa necessidade de informação por parte dos gestores que a contabilidade se mostra cada vez mais útil para uma gestão de sucesso: estar em dia com todos os eventos ligados à atividade da empresa, saber as variações patrimoniais, fazer planejamento e ter o controle, todas essas atribuições faz com que a contabilidade gerencial seja uma grande aliada dos administradores da empresa. Consciente das dificuldades enfrentadas por grande parte das pequenas empresas e principalmente dessa situada no interior do estado do Ceará, que será caso de estudo, esse trabalho monográfico objetiva servir como um ponto de apoio na implantação e utilização da contabilidade gerencial na empresa, buscando o crescimento organizacional, com qualidade dos produtos ofertados e satisfação de seus gestores bem como dos colaboradores de maneira geral. Levando-se em consideração a importância desse trabalho, ele está dividido em quatro capítulos. No primeiro capítulo é feito um estudo bibliográfico, mostrando a importância da gestão. Nele falasse um pouco sobre os paradigmas da administração, os papéis do gestor segundo Taylor, a importância do controle e mostra a contabilidade gerencial como instrumento de controle. Também se abordam as diferenças entre contabilidade financeira e gerencial. No segundo capítulo são mostradas algumas demonstrações contábeis, suas estruturas e as principais contas que nelas estão inseridas. Demonstrações estas que servem de objeto de estudo para a contabilidade gerencial

12 11 No terceiro capítulo são ilustradas as várias maneiras de se fazer análises das demonstrações contábeis, onde estas fornecem dados da situação patrimonial da empresa e também dão importantes informações a serem utilizadas no auxílio a tomada de decisão. No quarto capítulo mostra-se a aplicação da contabilidade gerencial através de um estudo de caso em uma empresa que trabalha na fabricação de velas, situada no interior do estado do Ceará. Para finalizar temos as conclusões em relação ao estudo.

13 O QUE É GESTÃO Se o conceito de gestão for estudado, pode-se saber que esta palavra deriva do latim gestione, que quer dizer ato de gerir, gerência, administração. Com essa definição, conclui-se que gestão e administração são sinônimas. De acordo com Fernandez (apud MOSSIMANN; FISCH, 1999) administração pode ser conceituada da seguinte forma: Administração se refere ao campo das atividades humanas que tem como finalidade principal a coordenação em grupo para o desempenho de funções de planejamento, organização, direção e controle em relação a certos fatores básicos, através de esforços motivacionais apropriados, de maneira que os vários objetivos do grupo e dos indivíduos que dele fazem parte, sejam atingidos num grau ótimo com eficiência ótima. Então pode-se definir gestão como sendo um fenômeno que toda organização que queira entrar ou se manter num elevado nível de desempenho frente ao cenário empresarial de concorrência cada vez mais acirrada, necessita. Visando garantir a utilização de forma eficaz de todos os recursos disponibilizados pela organização, com o propósito de atingir todos os objetivos previamente determinados, através de tomadas de decisões racionais e fundamentadas, com o recolhimento e tratamento de dados e informações relevantes dos ambientes internos (localizado dentro da empresa) e os externos (localizado no ambiente que envolve externamente a empresa), para que estas venham a satisfazer as necessidades da organização A importância da gestão Considera-se que gerir seja uma arte, pois através de uma boa gestão, podese estruturar e impulsionar o andamento dos diversos setores de uma organização. Ter que lidar com pessoas (que executam tarefas ou planejam, organizam, controlam, assessoram, pesquisam e etc.), que lhe estão subordinadas ou que estão no mesmo nível ou acima, estar atento aos eventos passados e presentes, bem como as previsões futuras, tendo que ter um horizonte muito amplo, estar ligado aos objetivos que a empresa pretende alcançar por meio de atividade conjunta de todos e ainda ter que administrar as disponibilidades financeiras que podem ser limitadas,

14 13 usando-as de maneira mais eficaz possível, tudo isso faz parte de um bom gerenciamento. É baseado num bom gerenciamento que todos os objetivos organizacionais previamente definidos serão alcançados, da melhor forma, com menor custo e com a maior eficiência e eficácia. Para se fazer um bom gerenciamento é necessário ao menos conhecer os três tipos básicos de gestão empresarial, que são: gestão operacional, gestão financeira e gestão econômica. A primeira está relacionada a todas as áreas de atividade da empresa, ligada diretamente aos recursos humanos, produção, vendas, compras, finanças, manutenção. Enfim voltada para a execução do trabalho e o modo como este é feito em cada empresa, de acordo com suas particularidades. A segunda preocupa-se basicamente com a programação financeira da empresa, esse tipo de gestão permite a tomada de decisão de acordo com as disponibilidades da empresa. Sua principal função é a geração de recursos monetários para que sejam executadas as atividades operacionais da empresa, recursos esses que sejam os mais favoráveis possíveis e menos onerosos, e a outra função é distribuir, ou seja, como aplicar esses recursos eficientemente entre as diversas formas que os mesmos serão utilizados. O terceiro tipo de gestão, conforme Guerreiro (1989 p. 248), os recursos possuem valores econômicos por serem escassos; por sua vez, os produtos e serviços também possuem valores econômicos porque trazem satisfação no atendimento de necessidades". Na gestão econômica, procura-se avaliar a forma pela qual a empresa atinge seus resultados econômicos, e tem como ponto de sustentação o planejamento e o controle. (MOSSIMAMM, 2008). Dessa forma a gestão econômica vem a se preocupar com todas as atividades da empresa, independente das suas áreas ou segmentos visando à otimização do resultado global. 1.2 Paradigmas teóricos da administração Ao longo dos tempos, surgiram diversas teorias de cunho administrativo, cada uma dessas teorias surgiu como uma proposta aos problemas empresariais mais relevantes de sua época.

15 14 Essas teorias ainda hoje podem ser aplicadas às situações atuais, mas para isso o administrador deve conhecer bem e saber onde cada qual se adequa melhor a realidade da sua empresa. Para servir como um ponto de apoio no desenvolvimento desse trabalho, dentre todas as teorias da administração, a teoria clássica da administração será estudada mais profundamente. A teoria clássica da administração se caracteriza pela ênfase na estrutura que a organização deve possuir para ser eficiente, para ter um nível de eficiência ótima, a empresa deve ser uma organização formal, onde sua estrutura organizacional é analisada de cima para baixo, ou seja, da direção para a execução. Essa teoria tinha como visão que para se alcançar o sucesso, a empresa tinha que ser vista como um todo. A eficiência só seria garantida dando-se a devida importância para cada componente da organização, sejam elas órgãos ou departamentos e até mesmo as pessoas e seus cargos ocupados. Na teoria clássica a administração é vista como uma forma organizada e metódica, onde a divisão de trabalho será de forma bem definida e consequentemente conduzirá a especialização por parte de quem faz parte da empresa, respeitando-se os níveis hierárquicos e os departamentos, e cada setor tem que estar em sintonia com o objetivo geral da empresa Funções básicas da empresa Henry Fayol (apud MARION, 2008), afirmava que a empresa teria funções básicas, essas funções serviriam para harmonizar e integrar o bom funcionamento da empresa, são elas: Funções técnicas, que seriam relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa; Funções comerciais, relacionadas com a compra, venda e permutação; Funções financeiras, que seriam as relacionadas com a procura e a gerência de capitais financeiros; Funções de segurança, essa função seria relacionada com a proteção e preservação de bens e das pessoas que fazem parte da organização; Funções contábeis uma das mais importantes para se controlar o patrimônio da empresa, ela se relacionava com inventários, registros, balanços, custos e estatística;

16 15 Funções administrativas, que seriam relacionadas com a integração de cúpula das outras cinco funções administrativas, coordenando e sincronizando as demais funções da empresa, pairando sempre acima delas Funções gerais da administração Henry Fayol (apud MARION, 2008), também definiu os princípios gerais da administração que no total são 14, esses princípios devem se adaptar a qualquer tempo ou circunstância em que a empresa se encontre, são eles: Divisão do trabalho que consiste na especialização das tarefas e das pessoas para aumentar a eficiência; Autoridade e responsabilidade, onde autoridade é o direito de dar ordens e o poder de esperar obediência. A responsabilidade é uma consequência natural da autoridade e significa o dever de prestar contas. Ambas dever estar equilibradas entre si; Disciplina é onde se depende da obediência, aplicação, energia, comportamento e respeito aos acordos estabelecidos; Unidade de comando, nele cada empregado deve receber ordens de apenas um superior. É o princípio de autoridade única; Unidade de direção são uma cabeça e um plano para cada conjunto de atividades que tenham o mesmo objetivo; Subordinação dos interesses individuais aos gerais nele os interesses gerais da empresa deve sobrepor-se aos interesses particulares das pessoas; Remuneração do pessoal, nela deve haver justa e garantida satisfação para os empregados e para a organização em termos de retribuição; Centralização, que se refere à concentração da autoridade no topo da hierarquia da organização; Cadeia escalar, onde é a linha de autoridade que vai do escalão mais alto ao mais baixo em função do princípio do comando; Ordem, que significa um lugar para cada coisa e cada coisa em seu lugar. É a ordem material e humana; Equidade são a amabilidade e justiça para alcançar a lealdade do pessoal;

17 16 Estabilidade do pessoal revela que a rotatividade de pessoal é prejudicial para a eficiência da organização. Quanto mais tempo uma pessoa permanecer no cargo, tanto melhor para a empresa; Iniciativa mostra que a capacidade de visualizar um plano e assegurar pessoalmente o seu sucesso; Espirito de equipe, a harmonia e a união entre as pessoas são grandes forças para a organização. Dessa forma entende-se que para se administrar se usa conjunto de ações, utilizando-se dos mais diversos tipos de recursos, para atingir os resultados de maneira cada vez mais satisfatórios. É através da boa administração que essas ações podem entrar em sintonia e o impacto sobre o desempenho venha a ser capazes de utilizar corretamente seus recursos para atingir os objetivos corretos. 1.5 Papéis do gestor segundo Fayol Segundo Fayol (apud MARION, 2008), o conjunto das funções administrativas que formam o processo administrativo é formado por funções distintas que cada uma delas influencia e é influenciada pelas demais, são elas: PLANEJAR Que é o processo de estabelecer objetivos especificando a forma como os mesmos serão atingidos, sendo desenvolvido um conjunto de ações para que os objetivos traçados sejam atingidos; COMANDAR - Significa fazer com que os subordinados executem o que deve ser feito, aqui deve ser claro que existe a relação hierárquica; ORGANIZAR É forma de coordenar todos os recursos disponíveis, sejam humanos, financeiros ou materiais alocando-os da melhor forma segundo o planejamento traçado; COORDENAR Harmoniza todas as atividades do negócio, facilitando seu trabalho e sucesso. Sincroniza coisas e ações em proporções certas e adapta meios aos fins visados; CONTROLAR É estabelecer padrões e medidas de desempenho a que venham assegurar que as atitudes adotadas são as mais compatíveis com o

18 17 que a organização almeja, visando maximizar que tudo seja executado conforme as regras estabelecidas e as ordens ditadas. 1.6 A Importância do controle O controle é uma das funções gerenciais que se deve dar maior importância em qualquer que seja a organização, é nesse estágio que será verificado de forma minuciosa se todas as outras etapas de uma boa gestão (planejar, comandar, organizar e coordenar) foram executadas de forma correta. Com o controle se certifica se tudo ocorreu em conformidade com o plano adotado, as instruções transmitidas e os princípios estabelecidos. O objetivo principal é localizar as fraquezas e erros que possam ter passado despercebidos em todas as etapas da organização, no intuito de exterminá-los, para que em seguida sejam adotadas novas medidas para prevenir a recorrência dos erros e fraquezas. 1.7 A contabilidade gerencial como instrumento de controle A Contabilidade Gerencial é uma ferramenta de grande valia para que se tenha uma gestão de sucesso. Pode-se afirmar que a Contabilidade Gerencial com informações relevantes ou relatórios contábeis feitos sob medida de maneira clara e objetiva para que a administração os utilize na tomada de decisão entre alternativas conflitantes, ou na avaliação de desempenho, ajudam de forma imensurável os gestores no caminho rumo ao desenvolvimento organizacional de sucesso. São várias as formas de utilização da contabilidade gerencial como instrumento de controle, as informações fornecidas podem ser usadas para, coordenar as operações da empresa, monitorar as eficiências de produção e de vendas, planejar o crescimento entre as diversas atividades da empresa e avaliar e controlar o desempenho dos departamentos operacionais, produção, distribuição e compras. Com a Contabilidade Gerencial o controle frente à organização se dará de forma muito mais consistente e fundamentada na certificação de que tudo ocorreu

19 18 de acordo com o que foi planejado e para que sejam corrigidas e feitas as devidas retificações em possíveis erros encontrados nessa etapa da administração 1.8 Os ciclos de atividade da empresa É importante salientar que principalmente as atividades comerciais e as industriais possuem ciclos, estes ciclos são utilizados para mensurar o tempo em que as atividades da empresa são desenvolvidas, é uma necessidade da empresa que ela venha a trabalhar sempre com certa folga no seu caixa para poder fazer uma boa administração e honrar suas dívidas junto aos fornecedores. Os ciclos que fazem parte no desenvolvimento da atividade empresarial são: ciclo operacional, ciclo financeiro e ciclo econômico. Ao se trabalhar com esses ciclos os administradores da empresa poderão saber como está fluindo os recursos da empresa, sabendo dessa forma se ela está tendo folga para honrar suas dívidas, ou se terá que de alguma forma arranjar um meio de financiamento para que as mesmas sejam honradas, um grande aliado para que exista essa folga almejada, é um bom poder de negociação junto aos fornecedores Ciclo econômico Esse ciclo vem a indicar o período em que a mercadoria fica estocada na empresa, ele inicia-se desde o momento da compra junto ao fornecedor e só vem a encerrar no momento em que esta mercadoria for vendida. É interessante para a empresa que esse ciclo seja sempre o menor possível Ciclo financeiro Esse ciclo inicia-se no momento em que a empresa desembolsa os valores necessários para a aquisição da mercadoria e encerram-se quando acontece o recebimento referente às vendas das mercadorias anteriormente adquiridas, para esse ciclo ser favorável para a empresa, ela tem que ter grande poder de negociação com seus fornecedores, dessa forma ela conseguirá alongar o prazo de desembolso e por outro lado fazer o possível para ter um curto prazo no recebimento das suas vendas.

20 Ciclo operacional O ciclo operacional é representado pela soma dos ciclos financeiro e econômico, ou seja, inicia-se quando a empresa compra mercadoria e encerra-se no recebimento dos recursos provenientes da vendas. 1.9 Informação gerencial contábil A informação gerencial contábil é uma das fontes informacionais primárias para a tomada de decisão e controle nas empresas (ATKINSON, 2000, p. 45). Com o propósito de servir como auxílio, visando à escolha das melhores decisões e aperfeiçoar os processos e desempenhos das empresas, os sistemas gerenciais contábeis e seus respectivos responsáveis, são peças fundamentais no fornecimento das informações gerenciais contábeis, essas informações podem ser relacionadas a diversos segmentos dentro da empresa, são desde dados financeiros e operacionais até sobre os níveis de satisfação dos clientes, informações sobre os funcionários ou de determinados produtos e serviços. Essas informações gerenciais contábeis devem ser orientadas para o futuro e venham a suprir a necessidade de auxílio para o processo decisório. A informação gerencial contábil participa de várias funções organizacionais diferentes, controle operacional, custeio do produto e do cliente, controle administrativo e controle estratégico. (ATKINSON, 2000, p. 45). QUADRO 1 Funções da informação gerencial contábil Funções da informação gerencial contábil Controle operacional Fornece informação (Feedback) sobre a eficiência e a qualidade das tarefas executas. Custeio do produto e Mensura os custos dos recursos para se produzir, vender e entregar um do cliente produto ou serviço aos clientes. Controle administrativo Fornece informação sobre o desempenho de gerentes e de unidades operacionais. Controle estratégico Fornece informações sobre o desempenho financeiro e competitivo de longo prazo, condições de mercado, preferências dos clientes e inovações tecnológicas. Fonte: Atkinson (2000, p. 46 )

21 Contabilidade financeira Pode-se afirmar que a Contabilidade Financeira é a parte da contabilidade que trabalha basicamente para atender os interesses do público externo (acionistas, credores, bancos, financeiras, fornecedores, entidades reguladoras e autoridades governamentais e tributárias), através da elaboração e comunicação de informações econômicas da empresa, fornecendo demonstrativos que simplesmente ilustram a situação da empresa em determinada data. Segundo Crepaldi (1998, p. 27) "A contabilidade financeira registra a história financeira da empresa, lida com formulações de relatórios destinados aos stakeholders." Esses demonstrativos são elaborados de forma objetiva, confiável, consistente e precisa, sendo os mesmos feitos de acordo com regras e princípios fundamentais da contabilidade e também por autoridades governamentais Contabilidade gerencial A Contabilidade Gerencial, de forma bem clara e objetiva é um método no qual se utilizam as várias técnicas e procedimentos contábeis já conhecidos na contabilidade financeira (contabilidade de custos, analise financeira e de balanços) observando-as de forma orientada para o futuro, que servirá de auxílio para os gestores em seu processo decisório. A Contabilidade Gerencial busca atender as necessidades do público interno da empresa (funcionários, administradores e executivos), com o propósito de identificar, mensurar, reportar e analisar as informações sobre os eventos financeiros da empresa. Sem restrições a Contabilidade Gerencial vem de forma atual a satisfazer as necessidades estratégicas e operacionais, com informações objetivas, úteis e relevantes. A contabilidade gerencial também se vale, em suas aplicações, de outros campos do conhecimento não circunscritos à contabilidade. Atinge e aproveita conceitos de administração da produção, da estrutura organizacional, bem como da administração financeira, campo mais amplo, no qual toda a contabilidade empresarial se situa (IUDÍCIBUS, 1998, p. 21 ).

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA

O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FACULDADE LOURENÇO FILHO BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS ELIS MARIA CARNEIRO CAVALCANTE O PLANEJAMENTO DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS COMERCIAIS POR MEIO DA ATUAÇÃO DA CONTROLADORIA FORTALEZA 2010 1 ELIS

Leia mais

FACULDADE LOURENÇO FILHO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE LOURENÇO FILHO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE LOURENÇO FILHO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS JULIO WAGNER NASCIMENTO ROLIM O CONTROLE INTERNO NAS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FORTALEZA 2010 1 JULIO WAGNER NASCIMENTO ROLIM O CONTROLE

Leia mais

UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: O&M I PROFESSOR: FABIO SIQUEIRA. Organização & Métodos I

UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: O&M I PROFESSOR: FABIO SIQUEIRA. Organização & Métodos I 1 UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: O&M I PROFESSOR: FABIO SIQUEIRA Organização & Métodos I 2 1. A ORGANIZAÇÃO EMPRESARIAL Segundo Maximiano (1992) "uma

Leia mais

VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA

VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA Instituto de Ciências Econômicas e Gerenciais Curso de Ciências Contábeis VIABILIDADE DE ABERTURA DE UMA EMPRESA NO RAMO DE BELEZA E ESTÉTICA Andréa Gomes de Oliveira Belo Horizonte 2011 Andréa Gomes de

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO ALAN VECILOSKI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DOS PRODUTOS E SERVIÇOS DO ESTALEIRO FIBRAFORT Projeto de Estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração

Leia mais

GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA

GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA CARAGUATATUBA - SP 2003 GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: UM ESTUDO SOBRE O RECONHECIMENTO DA DEPRECIAÇÃO NA CONTABILIDADE DOS ESTADOS BRASILEIROS

NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: UM ESTUDO SOBRE O RECONHECIMENTO DA DEPRECIAÇÃO NA CONTABILIDADE DOS ESTADOS BRASILEIROS 1 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: UM ESTUDO SOBRE O RECONHECIMENTO DA DEPRECIAÇÃO NA CONTABILIDADE DOS ESTADOS BRASILEIROS RESUMO O setor público vem passando por um processo de convergência

Leia mais

UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA TRABALHO DE GRADUAÇÃO UM MODELO PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE PEQUENAS EMPRESAS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Autor: Rodrigo Queiroz da Costa Lima

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE PROJETOS DA PAISAGEM PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES Currso:: Gesttão de Prrojjettos APOSTIILA maio, 2006 Introdução Conseguir terminar o

Leia mais

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3 1 INTRODUÇÃO A concorrência está cada vez mais forte, e as oportunidades de mercado são precisas serem administradas, e ficarem em alerta a competitividade causada por mudanças no mercado, tanto dentro

Leia mais

A Tecnologia da Informação ERP e seus Benefícios na Gestão de Processos e Crescimento dos Negócios

A Tecnologia da Informação ERP e seus Benefícios na Gestão de Processos e Crescimento dos Negócios RESUMO A Tecnologia da Informação ERP e seus Benefícios na Gestão de Processos e Crescimento dos Negócios Autoria: Mágli Rodrigues, Lilian Moreira de Alvarenga Assolari Na busca pela competitividade, as

Leia mais

CLÍNICA VETERINÁRIA São Paulo 2ª Edição - 2005

CLÍNICA VETERINÁRIA São Paulo 2ª Edição - 2005 CLÍNICA VETERINÁRIA São Paulo 2ª Edição - 2005 ÍNDICE UM ALERTA AO EMPREENDEDOR... 7 PARA NÃO FRACASSAR... 8 SOBRE OPORTUNIDADE... 10 PLANO DE NEGÓCIO: O QUE É? COMO ELABORAR?... 11 O QUE CONSIDERAR NUM

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING. O futuro não está à nossa frente. Ele já aconteceu. (Kotler, 2000, pg.23)

ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING. O futuro não está à nossa frente. Ele já aconteceu. (Kotler, 2000, pg.23) KOTLER, Philip Administração de Marketing 10ª Edição, 7ª reimpressão Tradução Bazán Tecnologia e Lingüística; revisão técnica Arão Sapiro. São Paulo: Prentice Hall, 2000. ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING O futuro

Leia mais

Conceitos de resultado: lucro ou prejuízo - a divulgação adequada para o controle e avaliação de estratégias

Conceitos de resultado: lucro ou prejuízo - a divulgação adequada para o controle e avaliação de estratégias 185 Conceitos de resultado: lucro ou prejuízo - a divulgação adequada para o controle e avaliação de estratégias Silvio Aparecido Crepaldi (Mestre) Faculdade de Administração - Unifenas Guilherme Simões

Leia mais

A Análise das Demonstrações Contábeis e sua Importância para Evidenciar a Situação Econômica e Financeira das Organizações

A Análise das Demonstrações Contábeis e sua Importância para Evidenciar a Situação Econômica e Financeira das Organizações 1 A Análise das Demonstrações Contábeis e sua Importância para Evidenciar a Situação Econômica e Financeira das Organizações Alessandro Aristides de Oliveira 1 Andréia Regina da Silva Solange Maria de

Leia mais

O NOVO PAPEL DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES

O NOVO PAPEL DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ UVA PRÓ-REITORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA Curso de Especialização em Administração Judiciária Célia Maria Pontes O NOVO PAPEL DA LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES Fortaleza

Leia mais

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com

Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com Essa publicação faz parte do AMIGO DA PEQUENA EMPRESA, um projeto do SEBRAE-SP em parceria com a Casa do Contabilista de Ribeirão Preto Conselho Deliberativo Presidente: Fábio Meirelles (FAESP) ACSP Associação

Leia mais

5. Esta Norma aplica-se a todas as entidades do setor público, exceto as Empresas Estatais não dependentes.

5. Esta Norma aplica-se a todas as entidades do setor público, exceto as Empresas Estatais não dependentes. NBC TSP 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir a forma pela qual as demonstrações contábeis destinadas a atender propósitos gerais devem ser apresentadas,

Leia mais

5. AUDITORIA FINANCEIRA

5. AUDITORIA FINANCEIRA 5. AUDITORIA FINANCEIRA 5.1 Conceito A Auditoria Financeira tem como objeto o exame de demonstrações contábeis, bem como de seus quadros isolados, elementos, contas ou itens específicos das entidades que

Leia mais

A COMUNICAÇÃO NA EMPRESA E SUA INFLUÊNCIA NOS PROJETOS. Resumo. Introdução. Sérgio Marcos Silva Leitão 1

A COMUNICAÇÃO NA EMPRESA E SUA INFLUÊNCIA NOS PROJETOS. Resumo. Introdução. Sérgio Marcos Silva Leitão 1 2 A COMUNICAÇÃO NA EMPRESA E SUA INFLUÊNCIA NOS PROJETOS Sérgio Marcos Silva Leitão 1 Resumo Este artigo tem como objetivo mostrar como as falhas no processo de comunicação podem ser uma das principais

Leia mais

4. Empresas estatais estão definidas na NBC TSP 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis.

4. Empresas estatais estão definidas na NBC TSP 1 Apresentação das Demonstrações Contábeis. NBC TSP 26 - Redução ao Valor Recuperável de Ativo Gerador de Caixa Objetivo 1. O objetivo desta Norma é definir os procedimentos que uma entidade adota para determinar se um ativo gerador de caixa sofreu

Leia mais

ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR MANUAL DO MESTRE. EXERCÍCIOS PROPOSTOS CORRESPONDE À 4 a EDIÇÃO DO LIVRO-TEXTO

ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR MANUAL DO MESTRE. EXERCÍCIOS PROPOSTOS CORRESPONDE À 4 a EDIÇÃO DO LIVRO-TEXTO ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR MANUAL DO MESTRE EXERCÍCIOS PROPOSTOS CORRESPONDE À 4 a EDIÇÃO DO LIVRO-TEXTO ALEXANDRE ASSAF NETO FINANÇAS CORPORATIVAS E VALOR EXERCÍCIOS PROPOSTOS

Leia mais

FIB FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO INTEGRADA- PESSOAS E SISTEMA DE INFORMAÇÃO

FIB FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO INTEGRADA- PESSOAS E SISTEMA DE INFORMAÇÃO FIB FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU GESTÃO INTEGRADA- PESSOAS E SISTEMA DE INFORMAÇÃO Frank Campos Pellim Gisele Sumiko Nunes Mashiba Priscila Oliveira dos Santos A ENTREGA DE VALOR COMO FERRAMENTA DE INOVAÇÃO

Leia mais

Comparações entre Práticas Contábeis

Comparações entre Práticas Contábeis kpmg Comparações entre Práticas Contábeis 2ª edição - Maio 2001 DPP Bras il KPMG Brazil - Office Directory São Paulo Rua Dr. Renato Paes de Barros, 33 04530-904 São Paulo, SP Tel 55 (11) 3067.3000 Fax

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO. DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSOS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA E MECANICA ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DA QUALIDADE Carlos

Leia mais

O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA JORDÃO MORAIS IMPORT EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS DE LOGÍSTICA

O GRAU DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DA JORDÃO MORAIS IMPORT EM RELAÇÃO AOS SERVIÇOS DE LOGÍSTICA SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DO VALE DO IPOJUCA Mantenedora da Faculdade do Vale do Ipojuca FAVIP CURSO DE ADMINISTRAÇÃO COM HABILITAÇÃO EM GESTÃO DE NEGÓCIOS Andressa Danielly Vasconcelos Silva O GRAU DE SATISFAÇÃO

Leia mais

Uma contribuição sobre a construção de indicadores e sua importância para a gestão empresarial

Uma contribuição sobre a construção de indicadores e sua importância para a gestão empresarial Revista da FAE Uma contribuição sobre a construção de indicadores e sua importância para a gestão empresarial Djair Roberto Fernandes* Resumo Independentemente do tamanho e do setor em que está inserida,

Leia mais

O PROFISSIONAL CONTÁBIL DIANTE DA CONVERGÊNCIA DAS NORMAS CONTÁBEIS

O PROFISSIONAL CONTÁBIL DIANTE DA CONVERGÊNCIA DAS NORMAS CONTÁBEIS O PROFISSIONAL CONTÁBIL DIANTE DA CONVERGÊNCIA DAS NORMAS CONTÁBEIS 2 1 INTRODUÇÃO A Contabilidade, por ser considerada uma ciência social, sofre grandes influências dos aspectos culturais, históricos,

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso

Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE Departamento de Administração Graduação Trabalho de Conclusão de Curso O Impacto do Desenvolvimento de Lideranças no Clima

Leia mais

DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA

DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA Marcelo Cherto PRESIDENTE DO GRUPO CHERTO www.cherto.com.br www.franchisestore.com.br DICAS PRÁTICAS PARA QUEM PENSA EM INVESTIR NUMA FRANQUIA O emprego é um animal em extinção Some-se à Globalização

Leia mais