GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA"

Transcrição

1 GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA CARAGUATATUBA - SP 2003

2 GABRIELA CHRISTINA WAHLMANN UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ATIVIDADE DE CONTROLADORIA NAS MICROEMPRESAS NA CIDADE DE UBATUBA Monografia apresentada para obtenção do título de Bacharel pelo curso de Ciências Contábeis pelas Faculdades Integradas Módulo. Orientador: Professor Ms. Ricardo Maroni Neto CARAGUATATUBA - SP 2003

3 Dedico este trabalho Às minhas filhas Alexandra, Karin e Christine, razões maiores de minha vida.

4 Agradecimentos Ao saudoso Professor Ms. Marcelo Francisco Almeida que não mediu esforços no sentido de reduzir nossa ignorância quanto aos Métodos e Técnicas de Pesquisa. Ao Professor Ms. Ricardo Maroni Neto pela paciente, dedicada e incansável orientação desde o grupo de iniciação científica até a elaboração do presente trabalho. Aos Professores Ms. Silas Sandoval Filho e à colega Marilia Lopes da Silvia Ferreira por terem se disposto a realizar a revisão de língua portuguesa. Aos Professores da Faculdade de Ciências Contábeis pela amizade, pelo apoio e conhecimento transmitido nas disciplinas componentes do curso. Aos colegas e amigos pelo carinho e incentivo demonstrado durante todo o período de curso. Às minhas filhas pelo amor e encorajamento sem limites.

5 Onde você está hoje é o resultado das suas decisões de ontem. Onde você estará amanhã dependerá das decisões que você estará tomando hoje. Carl Baker

6 R E S U M O Este trabalho está voltado para a conceituação da Controladoria, assim como para a caracterização da atividade de Controladoria existentes nas microempresas de Ubatuba, em virtude da problemática ligada aos elevados níveis de mortalidade empresarial neste segmento da economia. A pesquisa se realizou por meio de revisão bibliográfica, levantamento de dados estatísticos e pesquisa de campo. Os resultados obtidos, de um lado, apresentam a Controladoria como gestor de informações úteis ao processo decisório de administração, oriundas do ambiente interno e externo da empresa e, de outro, mostram a inexistência de uma atividade de Controladoria no setor e conseqüentemente de seus benefícios potenciais. Este fato se dá, principalmente, por motivo de capacitação insuficiente por parte do microempresário.

7 S U M Á R I O INTRODUÇÃO A CONTROLADORIA E SUAS ATRIBUIÇÕES A origem da Controladoria A Controladoria nos anos setenta e oitenta Tung 1972 A Controladoria no papel do guia e navegador da entidade Kanitz 1976 Conceito clássico Yoshitake 1984 Controle, eliminar o indesejável A Controladoria nos anos noventa A Controladoria segundo modelo GECON Mosimann e Fisch 1993 Redefinindo a Controladoria Catelli A Controladoria segundo a gestão econômica Outros autores atrelados ao modelo GECON A Controladoria segundo autores de visão empírica Oliveira Filosofia da excelência empresarial Perez Júnior, Pestana e Franco 1995 Decisão-ação informação-controle Autores contemporâneos Coronado 2002 Atacado e varejo Beuren 2002 A Controladoria e sua história Brito 2002 Instituições financeiras Oliveira; Perez Júnior; Silva 2002 Controladoria estratégica Peleias 2002 Gestão usando padrões Gientorsky 2002 Controladoria na gestão do conhecimento Padoveze 2003 Controladoria estratégica e operacional Comentários finais 46 2 A MICROEMPRESA E SEU PAPEL ECONÔMICO NA ECONOMIA NACIONAL Aspectos econômicos. 50

8 8 2.2 Aspectos jurídicos e fiscais Estatuto da microempresa e empresa de pequeno porte Simples federal Simples paulista Síntese dos critérios Perfil da microempresa Comentários finais 60 3 UBATUBA: ASPECTOS GEOGRÁFICOS E ECONÔMICOS Breve histórico do município Características geográficas Características econômicas Atividade empresarial Geração de empregos O problema da sazonalidade Comentários finais 75 4 PESQUISA DE CAMPO Procedimentos de pesquisa Definição da amostra Coleta de dados Resultados de pesquisa Perfil do empresário Perfil da empresa Característica do sistema de informação utilizado pela empresa Visão estratégica do empresário Forma de gestão Cálculo de custo e formação de preço Papel do contador Opinião do empresário em relação à Controladoria Comentários finais 92 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 94 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 98 ANESXOS 102 Anexo I Questionário 102

9 LISTA DE TABELAS Tabela 2.1 Tabela 3.1 Tabela 3.2 Tabela 3.3 Participação das Microempresas na Economia Brasileira com dados de Área, população e densidade demográfica do Litoral Norte do Estado de São Paulo 64 População de Ubatuba conforme urbanização, sexo e idade no ano de Distribuição das empresas e empregos gerados por atividade no município de Ubatuba no ano de Tabela 3.4 Empregados conforme o porte do empreendimento 68 Tabela 3.5 Número de empregados formais conforme o grau de instrução 69 Tabela 3.6 Empregados conforme a sua remuneração 70 Tabela 3.7 Número de veículos que chegaram às cidades de Ubatuba e Caraguatatuba nos anos de 2000, 2001 e 2002 pelas rodovias de acesso (Tamoios, Osvaldo Cruz e Rio Santos) Tabela 4.1 Faixa Etária 81 Tabela 4.2 Formação Escolar 82 Tabela 4.3 Área de formação do empresário 82 Tabela 4.4 Atividade da empresa 83 Tabela 4.5 Informações mais importantes para o empresário no dia-a-dia 84 Tabela 4.6 Fonte de Informações 85 Tabela 4.7 Sistema de controle 85 Tabela 4.8 Perspectivas para o futuro 86 Tabela 4.9 Alterações necessárias na empresa 87 Tabela 4.10 Dificuldades de gestão 88 Tabela 4.11 Cálculo do custo 89 Tabela 4.12 Formação de preço 90 Tabela 4.13 Demanda por ferramenta de gestão 91 Tabela 4.14 Implantação de Sistema de Informações Gerenciais 91 Tabela 4.15 Demanda por serviços de consultoria 92 73

10 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 3.1 Gráfico 3.2 Número de veículos envolvidos em acidentes nas rodovias de acesso ao Litoral Norte durante o ano de Consumo mensal de água em m3 no município de Ubatuba no ano de LISTA DE QUADROS Quadro 1.1 Síntese do levantamento bibliográfico 20 Quadro 1.2 Síntese das principais atribuições da Controladoria 47 Quadro 2.1 Síntese dos critérios de classificação de microempresa 58 Quadro 2.2 Características de diferenciação das pequenas empresas 59

11 INTRODUÇÃO A Controladoria constitui uma área das Ciências Contábeis composta por um conjunto de conhecimentos interdisciplinares oriundos da Administração de Empresas, Economia, Informática, Estatística e, principalmente, da própria Contabilidade. Nas organizações representa o segmento responsável por propiciar um processo decisório de qualidade mediante o fornecimento de informações previamente analisadas. A Controladoria é um importante instrumento do processo de gestão cujo objetivo de auxiliar na obtenção de melhores resultados econômicos e financeiros provenientes das diversas ações realizadas dentro das organizacionais de qualquer setor da economia. No entanto, o segmento econômico das microempresas não se beneficia deste tipo de instrumento por motivo de seus custos elevados, estrutura e organização insuficiente da empresa e principalmente formação gerencial inepta de seus administradores. A maioria das microempresas dispõe de serviços de contabilidade terceirizada, que apenas cuidam das obrigações fiscais das empresas e se encontram fisicamente distantes de todas as informações gerenciais. Para Tung (1972, p. 27), não há condições para a existência da Controladoria nas pequenas empresas, já que as diversas funções gerenciais são desempenhadas pela mesma pessoa, o que não ocorre nas empresas médias e grandes, nas quais os cargos são bem delimitados permitindo que uma pessoa possa executar poucas

12 12 funções. Somente neste ambiente a atuação da Controladoria é necessária para a Administração Financeira, pois serve como observadora e controladora dos gestores. Em contraposição, Yoshitake (1984, p. 29) defende que as funções da Controladoria podem ser exercidas tanto nas empresas de grande como de pequeno e médio porte. Em decorrência das dificuldades econômicas inerentes à sua estrutura organizacional, são estas últimas as que mais necessitam dos instrumentos de controle gerencial. Por meio da atividade de Controladoria, muitas decisões, até então tomadas intuitivamente, passam a ser embasadas por análises sistemáticas de possibilidades futuras. No entanto, existem fatores humanos que podem limitar ou até impedir sua aplicação, são eles: comportamento, motivação, fatores psicológicos, cultura, valores éticos e costumes sociais (YOSHITAKE, 1984, p. 15). Geralmente, os pequenos negócios são dirigidos por empreendedores com pouca capacitação gerencial, alguns até com preconceito em relação à consultoria externa e ao uso de qualquer técnica científica de gerenciamento, ou por gerentes de empresas maiores que resolvem abrir seu próprio negócio, mas não são empreendedores (KASSAI, 1997, p. 7). No caso das pequenas empresas familiares, as decisões muitas vezes são tomadas conforme o aprendido com os pais, sem mesmo conhecer e compreender suas causas e efeitos (KASSAI, 1997, p. 8). Conforme registros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 98% das empresas existentes no Brasil são de micro e pequeno porte. Com base nos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) do IBGE e Relação Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego (RAIS/MTE) de 1994, 1995 e 1996, as micro e pequenas empresas mantêm em

13 13 torno de 60% das Pessoas Ocupadas no Brasil, estando incluídos neste cálculo: empregados, empresários de micro e pequenas empresas e os Conta Própria que constituem os negócios próprios sem empregados (SEBRAE, 2003). A Carta Magna Brasileira de 1988, ao definir a Ordem Econômica Financeira, relaciona em seu primeiro capítulo os Princípios Gerais da Atividade Econômica. O Artigo 170 da Constituição Federal, diz que a ordem econômica está fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tendo por fim assegurar a todos uma existência digna, conforme os ditames da justiça social. O Artigo 179 do referido capítulo determina que: A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios dispensarão às microempresas e às empresas de pequeno porte, assim definidas em lei, tratamento jurídico diferenciado, visando a incentivá-las pela simplificação de suas obrigações administrativas, tributárias, previdenciárias e creditícios, ou pela eliminação ou redução destas por meio de lei (CONSTITUIÇÃO FEDERAL, 1988). Sendo assim, estas empresas recebem um tratamento diferenciado por parte dos órgãos públicos e creditícios, visando melhor distribuição de renda e justiça social. Porém, os benefícios fiscais não impedem os altíssimos índices de mortalidade. Fontes do Cadastro Central de Empresas e do IBGE comprovam que, nos anos de 1997 a 2000, a mortalidade das empresas com ocupação de zero a quatro pessoas foi de 20-25%, as com 5-10 pessoas apresentou 7-9% de mortalidade, decrescendo nas várias faixas de pessoal ocupado até chegar a um percentual de 1-3% nas empresas com mais de 500 trabalhadores (SEBRAE, 2003). Percebe-se, portanto, que há problemas graves nas microempresas que se refletem diretamente em sua continuidade, fato este que traz conseqüências sérias nas áreas econômica e social do país.

14 14 Registros colhidos junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE mostram que o quadro empresarial da cidade de Ubatuba, situada no Litoral Norte do Estado de São Paulo, é característico de uma Estância Balneária, e, como tal, praticamente ausente de empresas industriais, constituído em sua ampla maioria por pequenas empresas comerciais e de prestação de serviços, vinculadas direta ou indiretamente ao turismo. Este vínculo tem, por conseqüência, um comportamento sazonal de vendas. O comércio em geral convive anualmente com grandes variações entre o elevado faturamento nos meses de alta temporada e geralmente com um prejuízo nos meses de maio, junho e agosto, principalmente no caso de empresários que visam apenas o cliente turista. Aqueles que habitam a cidade e presenciam o dia-a-dia de todo ciclo anual são testemunhas de que muitos empresários, principalmente do setor comercial, chegam a fechar suas portas neste período e notam, também, o elevado número de empresas sendo abertas para pouco tempo depois serem encerradas ou abandonadas. Diante deste contexto, formula-se como problema da presente pesquisa a seguinte questão: Quais as características da atividade de controladoria nas microempresas de Ubatuba? Para permitir uma visão mais detalhada do problema de pesquisa, foram elaboradas as seguintes questões auxiliares: Quais as atribuições dadas à Controladoria? Quais informações gerenciais são utilizados no processo decisório das microempresas e como são coletados? O microempresário sente necessidade de aperfeiçoar seu processo de gestão, seja por conta própria ou com o auxílio de

15 15 terceiros? Como hipótese da pesquisa, tem-se que as microempresas em Ubatuba, em sua grande maioria, não fazem uso do potencial de benefícios oferecidos pela Controladoria para o melhor desempenho de seu processo gerencial, seja tanto para o planejamento estratégico e operacional, como para a execução e controle. O alto índice de mortalidade se dá principalmente pela falta de capacitação gerencial, ou seja, a não utilização de informações gerenciais que melhoram a qualidade do processo decisório com o objetivo de eficiência, eficácia e efetiva continuidade das empresas. Os objetivos gerais do trabalho são estudar as atribuições teóricas da Controladoria e a prática do processo de gestão para conhecer a existência dessa atividade nas microempresas da cidade de Ubatuba. Como objetivos específicos, tem-se a realização de uma revisão da bibliografia para relacionar as atribuições teóricas da controladoria e a investigação das microempresas para indagar sobre as informações gerenciais utilizadas e o processo de decisão. O presente trabalho, intitulado Um Estudo Exploratório sobre a Atividade de Controladoria nas Microempresas na Cidade de Ubatuba, desenvolve uma pesquisa sobre o tipo de informações que servem de suporte decisório nas microempresas de Ubatuba. A elaboração da pesquisa se justifica em razão de seus resultados e dos conhecimentos adquiridos que poderão nortear a realização de pesquisas posteriores visando a criação de um modelo de Controladoria que se adapte às condições reais das microempresas.

16 16 As comunidades beneficiadas são as dos profissionais da área e a dos estudantes, visto que o trabalho mostra como de fato ocorre a atividade de Controladoria nas microempresas, fornecendo a esses profissionais a forma de utilização das informações gerenciais no processo decisório. Desta maneira, proporcionaria um maior conhecimento das peculiaridades de seus clientes, facilitando a adequação de possíveis tipos de cursos, assessorias e consultorias. Para os estudantes, permite a comparação entre a teoria ministrada na academia e a realidade das empresas da região. O trabalho é desenvolvido com base no método dedutivo, quanto à pesquisa bibliográfica, pois, partindo do conhecimento amplo, busca verificar sua aplicação em uma situação específica. No que se refere à pesquisa de campo, é indutivo, onde parte da análise de dados de uma amostra representativa de uma população. Com relação à técnica de coleta de dados, emprega-se a pesquisa bibliográfica para o levantamento dos conceitos teóricos necessários, e questionário para a pesquisa de campo. Pode-se caracterizar esta pesquisa como qualitativa com relação aos tipos de dados, cuja fonte é primária para os dados coletados junto às empresas e secundária com relação à conceituação da Controladoria. A pesquisa tem uma finalidade exploratória realizada pelo método monográfico por estudar aspectos particulares, ou seja, as microempresas de Ubatuba. Seu objeto de estudo é restrito e o ambiente de pesquisa é o bibliográfico e de campo com um propósito de pesquisa empírica, por conciliar realidade e teoria. Trata-se de um resumo de assunto por síntese de trabalhos e concomitantemente original, por testar uma região específica.

17 17 O trabalho é composto de introdução, quatro capítulos e as considerações finais. Inicia-se o trabalho buscando no primeiro capítulo uma definição da Controladoria e de suas atribuições. Corresponde a uma revisão dos conceitos e seu desenvolvimento cronológico na literatura especializada brasileira dando uma visão histórica dos anos setenta até a atualidade. No segundo capítulo, o termo Microempresa é abordado, relacionando-o com a legislação competente e descrevendo sua posição na economia nacional. O terceiro capítulo caracteriza o quadro geo-econômico do município de Ubatuba, com ênfase no ambiente empresarial. O último capítulo descreve a realização de uma pesquisa de campo e a análise dos resultados obtidos.

18 1 A CONTROLADORIA E SUAS ATRIBUIÇÕES O objetivo deste capítulo é buscar uma definição para a Controladoria e suas atribuições conforme o seu desenvolvimento histórico na literatura especializada brasileira. Por atribuições, deve-se entender as competências pertencentes a um determinado assunto e expressas sob a forma de funções e características, que revelam a sua atividade e suas obrigações (FERREIRA, 1999). Para atingir o objetivo proposto procedeu-se da seguinte forma: identificação das obras conforme o objeto de estudo, análise da bibliografia quanto aos conceitos, aos objetivos, às características e às funções que cada autor atribui à Controladoria; organização e comparação das informações coletadas em ordem cronológica. 1.1 ORIGEM DA CONTROLADORIA Um levantamento histórico sobre as origens da Controladoria feito por Ricardino Filho (1999, p. 217) encontrou fontes anteriores ao século XV. O termo Controller provém do latim, sendo herdado e modificado pelo idioma inglês. Conforme Michelis (1998), control é traduzido do inglês como: regular; controlar; guiar; força; autoridade; direção; poder; verificação; fiscalização; instalação de controle; comando; alavanca; testar por comparação com padrão. Desde a referida época, as atividades do controller sempre foram de acompanhamento da atividade econômica tanto pública como privada.

19 19 Por volta de 1850, a função da Controladoria aparece nos Estados Unidos inicialmente no setor público, depois extende-se também às empresas privadas como a General Eletric e General Motors nas primeiras décadas do século XX (RICARDINO FILHO, 1999, p. 219). Seu principal objetivo: efetuar um controle centralizado e rígido nas grandes corporações, suas subsidiárias, filiais, departamentos e divisões espalhadas nos Estados Unidos e em outros países (BEUREN, 2002, p. 20). Beuren (2002, p. 20) atribui o desenvolvimento da Controladoria no início do século XX a três fatores: verticalização, a diversificação e a expansão geográfica das organizações, com o conseqüente aumento da complexidade de suas atividades. A função do Controller nasce no Brasil com a instalação das multinacionais norte-americanas, que enviavam profissionais para ensinar as teorias e práticas contábeis e a implementação de um sistema de informações capaz de atender aos diferentes usuários, além de manter o controle operacional das empresas (BEUREN, 2002, p. 20). Cada vez mais, a Controladoria passou a ocupar um lugar mais destacado no mundo dos negócios, especialmente a partir dos anos 60 (RICARDINO FILHO, 1999, p. 223). Em decorrência disto, também a literatura referente ao assunto se desenvolveu. No Brasil, as primeiras obras aparecem nos anos 70. Até os dias de hoje (março de 2003), uma pesquisa identificou dezenove livros específicos que contêm o termo Controladoria em seus títulos, além de cinco obras pertencentes a áreas afins como Sistema de Informações, Contabilidade Gerencial, Contabilidade de Custos e Administração Financeira, que comentam a atividade da Controladoria (MARONI NETO; WAHLMANN; SARRALHEIRO, 2003, p. 2).

20 20 O Quadro 1.1 apresenta as principais referências bibliográficas específicas relacionadas à Controladoria a serem abordadas no itens 1.2 a 1.5, constituídas por dezenove obras literárias e uma palestra ministrada em congresso. Quadro 1.1 Síntese do levantamento bibliográfico ANOS 70 E 80 ANOS 90 Tung (1972) Treuherz (1974) Treuherz; Santos; Silva (1975) Kanitz (1976) Yoshitake (1984) TRABALHOS CONTEMPORÂNEOS Nakagawa (1993) Campiglia; Campiglia (1993) Mosimann; Fisch (1993) Oliveira (1994) Perez Júnior; Pestana; Franco (1995) Marion (1996) Figueiredo; Caggiano (1997) Catelli (1999) Coronado (2001) Schmidt (2002) Oliveira; Perez Júnior; Silva (2002) Brito (2003) Peleias (2002) Padoveze (2003) Gientorsky (2002) Fonte: Adaptado de Maroni Neto, Wahlmann e Sarralheiro (2003, p. 3). 1.2 A CONTROLADORIA NOS ANOS SETENTA E OITENTA O levantamento bibliográfico identificou cinco obras referentes à Controladoria, oriundas dos anos de 1970 a 1989, sendo elas: Tung (1972), Treuherz (1974), Treuherz, Santos e Silva (1975), Kanitz (1976) e Yoshitake (1984). Observa-se que em algumas destas primeiras obras confunde-se o conceito de Controladoria com as características do controller, uma vez que o conhecimento da Controladoria ainda é distribuído em várias ciências. Algumas destas passagens se encontram citadas nos textos analisados a seguir. Seria o mesmo que apresentar a contabilidade como as atribuições do contador. O conhecimento existente na Controladoria é muito mais amplo do que atividade e o caráter daquele que a exerce.

21 21 Constatou-se que as obras de Treuherz, apesar de seus títulos conterem o termo Controladoria e seus conteúdos explicarem algumas ferramentas aplicadas ao tema, não apresentam uma abordagem conceitual. Na obra Controladoria por objetivos: estudo de um caso, o texto de Teuherz é redigido em forma de um diálogo, por meio do qual um diretor financeiro ensina um contador a desenvolver um sistema de apuração de informações extra-contábeis, usando como ferramentas o lucro bruto, a margem de contribuição e os pontos de equilíbrio global e setorial, além de demonstrar alguns modelos de relatórios gerenciais. O termo Controladoria aparece somente no título da obra não havendo conceituação teórica da palavra nem abordagem sobre suas características. Na obra Problemas de controladoria, contabilidade gerencial e finanças, Treuherz, Santos e Silva apresentam uma série de casos aplicáveis como exercícios. Portanto, a presente seção será dedicada apenas às obras dos restantes três autores: Tung, Kanitz e Yoshitake, textos estes que ainda não apresentam enfoque científico e estão embasados nas funções empíricas atribuídas ao Controller na literatura estrangeira da época Tung 1972 A Controladoria no papel do guia e navegador da entidade A obra, Controladoria financeira das empresas, de Nguyen H. Tung, economista, pós-graduado em administração, publicada em 1972, é a única que descreve a Controladoria através da visão de Gestão Financeira e a ela atribui a responsabilidade da aquisição e utilização plena de recursos necessários para que a organização seja eficiente e adaptada ao meio externo.

22 22 Para o autor, a Controladoria é um órgão de staff, instrumento da administração financeira, que aplica métodos próprios, com base em um conjunto de princípios flexíveis aplicados a todas as atividades da organização, desde o inicio do planejamento até o resultado final (TUNG, 1972, p. 27). A Controladoria objetiva o fornecimento de dados e informações para a tomada de decisão da cúpula, pesquisando e planejando, evidenciando os pontos de estrangulamento presentes e futuros, evitando as reduções nas margens de lucro (TUNG, 1972, p. 28). Para elucidar melhor o conceito, o autor Tung apresenta uma comparação entre a tarefa do controller, ou seja, aquele que exerce a Controladoria, com a atividade de navegação. Para Heckert e Willson 1 apud Tung, a tarefa da Controladoria é comparável ao navegador de uma embarcação que mantém informado o comandante quanto à distância percorrida, ao local em que se encontra, à velocidade e à resistência encontrada, aos desvios de rota, aos recifes perigosos e aos caminhos traçados nos mapas, para que o navio chegue ao seu destino em segurança (TUNG, 1972, p. 28). Conforme Tung (1972, p. 46), Para que haja o máximo aproveitamento dos sistemas de planejamento e de controle, é estritamente necessário que as interligações entre os vários grupos sejam definidas e suas responsabilidades e autoridades claramente determinadas. Conforme observado por Maroni Neto, Wahlmann e Sarralheiro (2003, p. 6), nota-se em vários trechos da obra que o autor confunde a conceituação da Controladoria com a descrição das atribuições e funções da pessoa que está no cargo de controller, o que pode ser comprovado nas seguintes passagens: 1 1. HECKERT, J. Brooks; WILLSON, James.D. Controllership. 2. ed. The Ronald Press: New York, 1963, p. 9.

23 23 [...] é tarefa do controller idealizar uma organização econômica que abranja setores de acessoria (TUNG, 1972, p. 47, grifo do autor); [...] as unidades anteriores que focalizaram as funções e os conhecimentos globais sobre a empresa, que o controller precisa possuir para poder desempenhar devidamente suas atividades (TUNG, 1972, p. 49, grifo do autor); [...] não há [...] diferença entre a organização do departamento (sic) do controller e a dos demais departamentos da empresa (TUNG, 1972, p. 83, grifo do autor) Kanitz 1976 Conceito clássico No livro de Stephen Charles Kanitz Controladoria: Teoria e estudo de casos de 1976, o autor traz para o Brasil, por meio de uma revisão na literatura estrangeira, alguns novos conceitos da época, que irão embasar a caracterização da controladoria a partir desta data. Kanitz (1976, p. IX) mostra que, devido ao aumento progressivo de tamanho e complexidade das empresas, a contabilidade, como instrumento para fornecer as informações necessárias aos administradores, [...] está evoluindo para um sistema chamado de Controladoria, cuja função é de avaliar o desempenho das diversas divisões da empresa fazendo parte dos Management Control Systems (sistemas de controle gerencial). A Controladoria é um órgão Administrativo diretamente subordinado à presidência, que necessita para seu bom desempenho dos conhecimentos de várias áreas diferentes tais como Contabilidade, Administração, Economia, Psicologia, Estatística. Matemática, Informática e outras relacionadas com o ramo de atividade da empresa. Conhecimentos estes que não só consideram dados quantitativos, mas também qualitativos (KANITZ, 1976, p. 6). Para o autor, O controller [...] a rigor não controla, mas presta assessoria na tarefa de controlar a empresa [...] o controlador, para poder desempenhar bem o seu

24 24 papel, deve se manter neutro, evitando aplicar as medidas corretivas, que emanam de seu departamento, ou seja, consiste em um órgão de staff (KANITZ, 1976, p. 8). É função de um sistema de controle zelar para que as coisas corram bem em termos de resultados finais, não como forma de poder autocrático, mas sim corresponde a mais um instrumento de administração que a crescente complexidade das empresas exige em troca de um bom desempenho. De acordo com o modelo descentralizado, delega-se poderes de decisão aos diferentes departamentos [...] em troca do direito de ser informado periodicamente, de criticar as decisões tomadas e de estabelecer alguns parâmetros para decisões futuras, [...] esse tipo de controle permite uma administração aberta, mais próxima dos problemas da empresa, e, ainda mais, valoriza os elementos humanos que nela trabalham (KANITZ, 1976, p. 2). O autor aborda a problemática de se criar um sistema eficaz de avaliação de desempenho dos administradores de um lado, e de outro, uma forma de avaliar o desempenho da organização sob o comando dos mesmos (eficiência e viabilidade organizacional) (KANITZ, 1976, p. 23). As empresas são consideradas sistemas abertos, isto é, sofrem influências das variáveis do seu ambiente externo como, por exemplo, as políticas econômicas, tecnologia, concorrência, clientes e fornecedores. Ao elaborar o sistema de informação, deve-se considerar o custo da informação selecionando-se apenas as relevantes e necessárias, evitando falta ou desperdício de maneira a compor um conjunto de informações quantitativamente suficientes e qualitativamente certas (KANITZ, 1976, p. 16, grifo nosso). Outro conceito fundamental, colocado por Kanitz (1976, p ), é a visão de centro de lucro no lugar de centro de custos como critério de avaliação das

25 25 subdivisões da empresa (departamentos ou setores), sendo este, um dos pontos, que transformam a gestão financeira em gestão econômica (grifo nosso). O controle, segundo Kanitz (1976, p. 2-6), é composto de três fases: a) Informação - enviar dados da unidade controlada para a unidade controladora. b) Análise comparar e interpretar resultados. c) Comunicação - transmitir o resultado da avaliação à unidade controlada. Kanitz relaciona seis principais atividades da Controladoria e diz: [...] a função básica do controlador consiste em dirigir, e na maioria dos casos, implantar os sistemas a seguir relacionados (1976, p. 6-8, grifo nosso): a) Informação constituído pelos sistemas contábeis e financeiros da entidade. b) Motivação influência sobre o comportamento dos componentes da empresa e previsão dos impactos nos mesmos quando da implantação de determinados sistemas de controle. c) Coordenação identificação precoce de eventuais problemas para alertar a administração e sugestões corretivas. d) Avaliação interpretação dos fatos através dos resultados por centro de resultado, por área de responsabilidade e desempenho gerencial. e) Planejamento avaliar o passado para planejar o futuro, fazendo análises comparativas entre a situação projetada e a atual, verificando a viabilidade dos planos e a possibilidade de servirem de base para futuras avaliações. f) Acompanhamento - verificação contínua da realização dos planos traçados e correção de eventuais desvios.

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze

A Controladoria no Processo de Gestão. Clóvis Luís Padoveze 1 A Controladoria no Processo de Gestão Clóvis Luís Padoveze Cascavel - 21.10.2003 2 1. Controladoria 2. Processo de Gestão 3. A Controladoria no Processo de Gestão 3 Visão da Ciência da Controladoria

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio

29/10/2014. Métodos de Custeio TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO. Formas de Custeio Gestão de Custos TEORIA DA DECISÃO MODELOS DE DECISÃO Métodos de Custeio TEORIA DA MENSURAÇÃO MODELOS DE MENSURAÇÃO Formas de Custeio TEORIA DA INFORMAÇÃO MODELOS DE INFORMAÇÃO Sistemas de acumulação A

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Auditoria Interna Como assessoria das entidades

Auditoria Interna Como assessoria das entidades Auditoria Interna Como assessoria das entidades Francieli Hobus 1 Resumo A auditoria interna vem se tornando a cada dia, uma ferramenta indispensável para as entidades. Isso está ocorrendo devido à preocupação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ.

ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. ESCRITÓRIO MODELO DA FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros Agosto/2013 Introdução É notória nos dias de hoje a dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego nas empresas

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Graduação em Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria Aline Fernanda de Oliveira Castro Michelle de Lourdes Santos A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Sistema de informações gerenciais Sistema de informações gerencial => conjunto de subsistemas de informações que processam dados e informações para fornecer

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

CINTIA BARBARA DA CUNHA CONTROLADORIA PARA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CURITIBA

CINTIA BARBARA DA CUNHA CONTROLADORIA PARA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CURITIBA CINTIA BARBARA DA CUNHA CONTROLADORIA PARA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CURITIBA 2012 CINTIA BARBARA DA CUNHA CONTROLADORIA VOLTADA PARA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Monografia apresentada ao Departamento

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL

CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL CONTROLADORIA: DIFERENCIAL COMPETITIVO NO PROCESSO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL Ítalo Alves Gomes Rafael Rocha Salvador Prof Esp. Francisco César Vendrame Profª Esp. Jovira Maria Saraceni Profª M. Sc. Máris

Leia mais

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES Samira da Silva Scodeler* Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fabio Luiz Carvalho** Univás - Pouso Alegre/MG e-mail: fabio@ipecont.com.br

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1

A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 A CONTABILIDADE E SUA IMPORTÂNCIA PARA UM GRUPO DE EMPRESAS COMERCIAIS 1 SILVA, Cleusa Pereira da 2 ; FELICE, Luciana Maria Vizzotto 4 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; VIERO, Claudinei 4 1 Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Existem três categorias básicas de processos empresariais:

Existem três categorias básicas de processos empresariais: PROCESSOS GERENCIAIS Conceito de Processos Todo trabalho importante realizado nas empresas faz parte de algum processo (Graham e LeBaron, 1994). Não existe um produto ou um serviço oferecido por uma empresa

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MARKETING

PLANEJAMENTO DE MARKETING PLANEJAMENTO DE MARKETING A análise ambiental e o planejamento beneficiam os profissionais de marketing e a empresa como um todo, ajudando os gerentes e funcionários de todos os níveis a estabelecer prioridades

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16

DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 DURAÇÃO DO CURSO O Curso de Ciências Contábeis, bacharelado poderá ser integralizado em um período de no mínimo 8 (oito) semestres e no máximo 16 (dezesseis) semestres. PERFIL DO EGRESSO O perfil desejado

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

"Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada

Gestão Contábil para micro e. pequenas empresas: tomada "Gestão Contábil para micro e pequenas empresas: tomada de decisão Julio Cesar. Pergunta: - O que é importante na tomada de decisão. O que devemos saber para decidir algo?? Algumas INFORMAÇÕES acerca do

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ESTRATÉGIA COMPETITIVA Profa. Lérida Malagueta Estratégia competitiva Já conhecemos os conceitos sobre a teoria da decisão estratégica e de como competem e cooperam: Os decisores As empresas

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

Princípios de Finanças

Princípios de Finanças Princípios de Finanças Apostila 02 A função da Administração Financeira Professora: Djessica Karoline Matte 1 SUMÁRIO A função da Administração Financeira... 3 1. A Administração Financeira... 3 2. A função

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade

FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade FIPECAFI e CFC renovam convênio de capacitação de profissionais de Contabilidade A FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras) e o CFC (Conselho Federal de Contabilidade)

Leia mais

Módulo - Controladoria

Módulo - Controladoria Prof.Msc. Márcia Adriana Magalhães Omena Especialista em Auditoria e Gestão de Negócios CESMAC/AL Mestra em Gestão de Empresas - UAL Conceitos Conceitos Comparação Conceitos Tem a missão de zelar pela

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento

M A N U A L TREINAMENTO. Mecânica de Veículos Piçarras Ltda. Manual Prático de Procedimento do Treinamento M A N U A L TREINAMENTO 1. Introdução A velocidade das mudanças tecnológicas, o aumento da diversidade nos locais de trabalho e a acentuada mobilidade dos trabalhadores atuais são aspectos do mundo contemporâneo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão

ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM. Reflexões voltadas para a Gestão ANEC PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UMA ABORDAGEM Reflexões voltadas para a Gestão MUDANÇAS EDUCAÇÃO NO BRASIL 1996 Lei 9.934 LDB 1772 Reforma Pombalina 1549 Ensino Educação público no dos Brasil Jesuítas Lei

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 392 A UTILIZAÇÃO DA CONTABILIDADE GERENCIAL NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Débora Regina

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS

A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS Francklin Luan da Silva 1 * RESUMO O sucesso e o equilíbrio de uma organização no ambiente atual é um dos maiores desafios para acionistas e empresários. É uma

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Principais dificuldades

Principais dificuldades Principais dificuldades A maior dificuldade apontada pelas organizações contábeis pesquisadas foi receber informações dos clientes com qualidade e prazo. Apenas 16% delas indicaram problemas com a aderência

Leia mais

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos

UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA (UAUDI) Conceitos & Normativos Exercício 2015 Auditoria Interna Unidade de Auditoria Interna - CEFET/RJ Normativos: Portaria nº 07, de 15/01/2001: cria a Unidade de Auditoria

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

João Telles Corrêa Filho Março de 2010

João Telles Corrêa Filho Março de 2010 Administrar é medir. Esta frase dá bem a medida da importância de contarmos com bons indicadores. Mas, afinal, o que são e porque usar medidas de desempenho? Estas medidas, também chamadas de indicadores

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs

Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs Gestão Contábil e Financeira nas Pequenas e Médias Empresas PMEs. 1 A Contabilidade como Ferramenta de Gestão: Nova Visão Empresarial Benefícios e Vantagens; Parceria do Administrador e do Profissional

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto

O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência. Planejamento do projeto O processo de conversão pode ser complexo e trabalhoso - Procure ajuda de quem tem experiência Conversão para IFRS - Enfrentando o desafio A conversão para IFRS é um processo complexo e multifacetado.

Leia mais

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1

INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.0 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA 1.1 1.2 ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Qual o objetivo das empresas para a administração financeira? Maximizar valor de mercado da empresa; Aumentar a riqueza dos acionistas.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO

ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM PROF. CARLOS ALBERTO CONCURSO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM TEMA 04: ATIVIDADES DO ENFERMEIRO ATIVIDADES DO ENFERMEIRO SUPERVISÃO GERENCIAMENTO AVALIAÇÃO AUDITORIA

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014

FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 1 FATEC EaD TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR SÃO PAULO 2014 2 Sumário 1. Introdução... 3 2. Finalidade do Projeto Interdisciplinar... 3 3. Disciplinas Contempladas... 4 4. Material

Leia mais