Cqdigo. deetica. econduta. Tupy

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cqdigo. deetica. econduta. Tupy"

Transcrição

1 Cqdigo deetica econduta Tupy

2 Carta de apresentação O Código de Ética e Conduta Tupy foi revisto e adequado às transformações que ocorreram na Empresa desde a sua última edição. No começo de 2013 foram definidos novos conceitos de Missão, Visão e Valores, e isso nos propiciou novos fundamentos para alcançar nossos objetivos estratégicos. Nesse cenário, contudo, manteve-se inalterada uma diretriz: a maneira como os funcionários devem se relacionar no trabalho e na condução dos negócios da Empresa. Respeito, transparência e integridade formam a base sobre a qual a Tupy quer construir seu futuro. E, justamente com o objetivo de esclarecer como a Empresa idealiza o comportamento dos funcionários, foi criado o Código de Ética e Conduta. Este documento deve ser praticado por todas as pessoas que tenham relação com a Tupy. Se você ainda estiver com alguma dúvida após a leitura, procure esclarecêla por meio de um dos canais de comunicação que a Empresa disponibiliza. A Tupy tem convicção da importância da participação de cada pessoa no processo de disseminação das orientações deste material para todos os níveis da organização. Nesse sentido, conto com sua colaboração para que essas diretrizes se consolidem como base de nossa Empresa. Luiz Tarquínio Sardinha Ferro Presidente

3 Sumário I - Missão, Visão e Valores II - Código de Ética e Conduta Tupy - conceitos e princípios 1. A quem o Código se aplica 2. Sistema de Ética e Conduta Tupy 3. Comitê de Ética 4. Canais de comunicação 5. Confidencialidade 6. Consequências III - Nossos princípios éticos 1. Respeito mútuo entre funcionários e terceiros 2. Combate aos assédios moral ou sexual 3. Repúdio aos trabalhos infantil e escravo 4. Valorização da diversidade 5. Cumprimento à legislação, políticas, regras e contratos 6. Ações sem conflito de interesses 7. Manutenção do sigilo e/ou transparência de informações 8. Uso adequado da propriedade intelectual 9. Promoção da saúde e segurança 10. Compromisso com o meio ambiente e comunidades Código de Ética e Conduta TUPY 5

4 I - Missão, Visão e Valores O conjunto da nossa Missão, Visão e Valores nos guia para a construção do Código de Ética. São eles: Missão Tupy Contribuir para o sucesso de seus acionistas e clientes, por meio do fornecimento de produtos fundidos, usinados e serviços de alto valor, colaborando para a realização dos objetivos de seus funcionários e apoiando as comunidades em que atua. Visão Tupy Ser líder global da indústria de fundição e usinagem de ferro, com negócios diferenciados de componentes de alta tecnologia e de hidráulica industrial. Reconhecida por ser: Primeira opção dos clientes Empregador preferido e Atraente para o mercado de capitais. Valores Tupy São os princípios e crenças que representam aquilo em que a Empresa acredita. São orientadores do comportamento da Organização no cumprimento da sua Missão e Visão: Pessoas Saúde e Segurança Excelência econômica Meio ambiente e comunidade Orientação ao cliente Integridade Comprometimento Comunicação e Aprendizagem e Inovação. 6 Código de Ética e Conduta TUPY Código de Ética e Conduta TUPY 7

5 II - Código de Ética e Conduta Tupy conceitos e princípios O Código de Ética e Conduta Tupy é um documento que descreve a postura e os princípios da Tupy no que diz respeito às relações internas, externas e à condução dos nossos negócios. A essência do Código está definida nos Valores da Tupy e deverá ser obrigatoriamente de conhecimento dos públicos interno e externo. 1. A quem o Código se aplica O Código se destina aos funcionários da Tupy S.A. e de suas subsidiárias e nos conduz no relacionamento com nossos acionistas, clientes, comunidade, governo e fornecedores. *Se os fornecedores subcontratarem outras empresas para a entrega de produtos e serviços, é da responsabilidade do fornecedor assegurar que a atividade do subcontratante esteja em conformidade com os requisitos do Código de Ética e Conduta Tupy. 3. Comitê de Ética O Comitê de Ética é um grupo isento de funcionários, que zela pelo cumprimento do Código e cuida de sua gestão. O Comitê visa: Promover os nossos princípios e condutas Assegurar sua compreensão e disseminação Atualizar ou modificar seu conteúdo e Fazer as recomendações aos funcionários com cargo de liderança quando necessário. O Comitê é composto por funcionários da Tupy, representando os setores de Recursos Humanos, Jurídico e Auditoria Interna. Os componentes são apontados pela Vice-Presidência de Recursos Humanos e validados pela Diretoria Executiva. Reúnem-se mensalmente ou de forma extraordinária, sempre que solicitado por qualquer um de seus membros. Quando necessário, representantes de outras áreas da Empresa também são convidados para participar das reuniões do Comitê, para fazer suas considerações sobre uma determinada manifestação. 2. Sistema de Ética e Conduta Tupy O Sistema de Ética é o mecanismo de auxílio para o cumprimento do que está descrito neste Código. O principal objetivo é fazer com que os nossos princípios e condutas sejam disseminados e esclarecidos, além de ser uma ferramenta de gestão que auxilia os funcionários em cargo de liderança nos processos decisórios. O Sistema de Ética e Conduta Tupy é composto pelos princípios e condutas, canais de comunicação, comitê e procedimentos para tratar as manifestações. 4. Canais de comunicação Para encaminhamento das manifestações foram estabelecidos os seguintes canais de comunicação: Formulário disponível nas urnas distribuídas nas unidades da Tupy Fone Brasil Fone México Código de Ética e Conduta TUPY Código de Ética e Conduta TUPY 9

6 5. Confidencialidade A confidencialidade das informações registradas e de quem fez a manifestação é garantida. A manifestação pode ser anônima ou não. A Tupy garante um ambiente seguro e confidencial para os autores das manifestações. Espera-se que os relatos sejam feitos com responsabilidade e consistência. Todas as manifestações são avaliadas, investigadas e esclarecidas por meio dos processos cabíveis para tomada de ações, preservando sua confidencialidade. III - Nossos princípios éticos Todas as ações que nós, funcionários da Tupy, adotamos no exercício de nossas funções de trabalho devem ser baseadas nos seguintes princípios éticos, tanto nas relações internas quanto nas relações com terceiros. 1. Respeito mútuo entre funcionários e terceiros. 2. Combate aos assédios moral ou sexual. 3. Repúdio aos trabalhos infantil e escravo. 6. Consequências A constatação de falta aos princípios éticos implicará em sanções disciplinares que poderão culminar com a rescisão do contrato de trabalho ou das respectivas relações institucionais ou comerciais. 4. Valorização da diversidade. 5. Cumprimento à legislação, políticas, regras e contratos. 6. Ações sem conflito de interesses. 7. Manutenção do sigilo e/ou transparência de informações. 8. Uso adequado da propriedade intelectual. 9. Promoção da saúde e segurança. 10. Compromisso com o meio ambiente e comunidades. 10 Código de Ética e Conduta TUPY Código de Ética e Conduta TUPY 11

7 1. Respeito mútuo entre funcionários e terceiros Para cada princípio ético há padrões de comportamento esperados por todos nós. A seguir, podemos conferir quais são as expectativas da Tupy. O respeito pessoal e profissional ao compromisso institucional assumido deve direcionar as relações entre nossos funcionários e destes com terceiros. Devemos nos tratar com dignidade. Quem exerce posição de liderança deve dar exemplo de comportamento ético. No ambiente de trabalho, devemos agir com espírito de equipe, comprometimento e lealdade. Relacionamo-nos com autoridades públicas com transparência, integridade e imparcialidade. Mantemos posição de neutralidade e isenção em relação a candidatos e partidos políticos. A mesma postura dos funcionários é exigida nas dependências da Tupy ou em eventos em que representamos a Empresa. Concedemos patrocínios e aprovamos campanhas e peças publicitárias que estejam de acordo com os comportamentos éticos, gerando exposição respeitosa Código de Ética e Conduta TUPY 13

8 2. Combate aos assédios moral ou sexual Os relacionamentos pessoais e profissionais dos funcionários da Tupy devem ocorrer de forma respeitosa. Tanto o assédio moral quanto o assédio sexual ocorrem, via de regra, entre pessoas de hierarquias diferentes. O assédio moral acontece quando o superior, utilizando sua posição, constrange ou humilha seu colega de menor posição. No caso do assédio sexual, o superior usa de sua posição para obter algum tipo de relação afetiva ou sexual com o seu subordinado, o qual se sente obrigado a tanto para manter seu emprego. Os assédios moral ou sexual também podem ser caracterizados quando o gestor sabe que está ocorrendo situação de constrangimento, humilhação ou indevidas insinuações entre seus subordinados (de mesma hierarquia) e não toma as medidas necessárias para corrigir a situação. 3. Repúdio aos trabalhos infantil e escravo Acreditamos que as pessoas devem trabalhar na Tupy por escolha própria, sem nenhuma forma de coação ou exploração. A Tupy espera e incentiva que seus parceiros institucionais e comerciais ajam da mesma maneira. Repudiamos os trabalhos infantil, forçado, análogo ao escravo ou escravo. Temos o compromisso de informar qualquer situação que possa caracterizar este tipo de trabalho, seja internamente ou nas empresas terceirizadas. A Tupy, de acordo com a legislação, contrata menores de 18 anos apenas na condição de aprendiz industrial. Repudiamos práticas abusivas no uso do cargo, função ou posição, como arrogância, intimidações, ameaças, humilhações e constrangimentos. Utilizamos cargos, funções ou posições somente de maneira adequada, sem a obtenção de vantagens. 14 Código de Ética e Conduta TUPY 15

9 4. Valorização da diversidade 5. Cumprimento da legislação, políticas, regras e contratos Respeitamos e valorizamos a diversidade de raça, cor, sexo, orientação sexual, religião, origem, classe social, idade, bem como pessoas com deficiência. Em todos os níveis, nossas ações são baseadas na legislação vigente onde atuamos, em nossas políticas internas e nas regras determinadas ou acordadas com os órgãos responsáveis. Repudiamos atitudes de discriminação, desqualificação, intimidação e constrangimento de qualquer indivíduo. Nesse contexto, as oportunidades de trabalho são definidas pela competência profissional. As relações da Tupy com o público interno, clientes, visitantes e fornecedores devem ocorrer observando os termos definidos pela lei. As políticas internas devem ser respeitadas e cumpridas por todos. Nas relações institucionais e comerciais, a Tupy sempre zelará pelo cumprimento de suas obrigações contratuais previamente acordadas entre as partes. Critérios profissionais, técnicos e comerciais são os únicos que devem ser considerados nas relações de negócios. Respeitamos as leis de concorrência e antitruste e rejeitamos práticas que possam ser interpretadas como não competitivas, monopolistas, de cartelização ou contrárias às leis nacionais ou internacionais

10 6. Ações sem conflito de interesses Os negócios da Tupy devem estar isentos de interesses pessoais de qualquer natureza. Atividades profissionais paralelas à Tupy são permitidas desde que não conflitem com os interesses da Tupy ou com a atuação profissional. Os bens da Tupy e a jornada de trabalho dos funcionários não podem ser usados em benefício próprio. Ao representar a Empresa em eventos ou no relacionamento com públicos externos (governo, clientes e fornecedores, entre outros), devemos agir de acordo com os interesses da Tupy. Não permitimos a comercialização de produtos ou serviços dentro das nossas instalações. Presentes, comissões, vantagens e favores cujas circunstâncias possam caracterizar um favorecimento pessoal não devem ser aceitos, salvo cortesias impessoais, como brindes institucionais. 7. Manutenção do sigilo e/ou transparência de informações Consideramos que as informações da Tupy formam um ativo importante e estratégico para o negócio. Pessoas cuja posição permite acesso a informações estratégicas e confidenciais devem manter sigilo sobre fatos relacionados aos negócios, processos e produtos da Tupy. Apenas pessoas autorizadas podem divulgar informações ou falar em nome da Tupy. Comunicações e documentos para uso interno ou externo devem conter somente informações que expressem a realidade dos fatos. O relacionamento da Tupy com a imprensa é realizado de maneira respeitosa e considera a liberdade de imprensa. Divulgamos de forma transparente as informações aos acionistas, órgãos fiscalizadores e demais interessados. Utilizamos o nosso conhecimento sobre os nossos negócios somente para benefício da Tupy. 18 Código de Ética e Conduta TUPY Código de Ética e Conduta TUPY 19

11 8. Uso adequado da propriedade intelectual O conhecimento desenvolvido pela Tupy está entre nossos maiores ativos e deve ser protegido. As tecnologias, produtos, processos e metodologias por nós desenvolvidos no exercício de nossas funções, com ou sem participação de parceiros caracterizam-se como bens de propriedade da Tupy. O acesso aos computadores e sistemas da Tupy ocorre por meio de senhas pessoais e intransferíveis. Cada um de nós é responsável pela própria senha e por sua correta utilização. 9. Promoção da saúde e segurança Somos responsáveis por cuidar de nossa saúde e segurança, assim como de outras pessoas que estejam nas dependências da Tupy. As normas e os procedimentos relacionados à saúde e segurança devem ser seguidos rigorosamente. Temos o compromisso de proporcionar em nossas instalações um ambiente de trabalho seguro, com revisão constante das questões de saúde e segurança. As Regras de Ouro em Saúde e Segurança no Trabalho devem ser cumpridas. 20 Código de Ética e Conduta TUPY 21

12 10. Compromisso com o meio ambiente e comunidades O respeito e a correta interação com o meio ambiente e com as comunidades em que estamos inseridos são essenciais para o desenvolvimento pleno da Tupy. Mais informações estão disponíveis nas publicações internas e no site Cumprimos todas as normas, leis e diretrizes relacionadas ao meio ambiente. Orientamos e nos direcionamos pela Política do Investimento Social Tupy. 22 Revisão 03 fevereiro de novo formato e conteúdo revisado / Este material foi coordenado pela área de Recursos Humanos Código de Ética e Conduta 23 Projeto editorial e gráfico: CASAMARCAecodesign - Comunicação Empresarial e Design

13 CASAMARCAecodesign

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

Código de Conduta Empresarial

Código de Conduta Empresarial Código de Conduta Empresarial Prezados Colegas, A Cristal construiu uma empresa global baseada nos valores de honestidade, confiança e respeito. Estes princípios orientam nossa conduta dentro e fora de

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA. No relacionamento com colegas e outros Profissionais, cada Profissional deverá:

CÓDIGO DE CONDUTA. No relacionamento com colegas e outros Profissionais, cada Profissional deverá: CÓDIGO DE CONDUTA Introdução Este Código define as regras de conduta aos quais os Sócios, os Diretores, bem como todos os funcionários da AGROFEL Agro Comercial Ltda, e terceiros, que ajam em seu interesse

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental

POLÍTICA CORPORATIVA Responsabilidade Socioambiental POLÍTICA - Versão: 1.0 POLÍTICA CORPORATIVA Área Reponsável: DIRETORIA DE CONTROLADORIA E COMPLIANCE 1. OBJETIVO A Política Corporativa de ( Política ) define um conjunto de princípios, diretrizes e responsabilidades

Leia mais

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade...

POLÍTICA ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS ÍNDICE. 1. Objetivo...2. 2. Abrangência...2. 3. Definições...2. 4. Diretrizes...3. 5. Materialidade... ENGAJAMENTO DE STAKEHOLDERS Folha 1/8 ÍNDICE 1. Objetivo...2 2. Abrangência...2 3. Definições...2 4. Diretrizes...3 5. Materialidade...7 Folha 2/8 1. Objetivos 1. Estabelecer as diretrizes que devem orientar

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.

CÓDIGO DE ÉTICA. Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014. CÓDIGO DE ÉTICA (Aprovado pela Resolução n. 010 de 04 dezembro de 2014.) CONSIDERANDOS * Dada a missão da Faculdade Inedi, de constituir num centro

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO BANCO DA AMAZÔNIA A Socioambiental (PRSA) substitui a Política Corporativa pela Sustentabilidade (2011), e incorpora a contribuição das partes interessadas

Leia mais

Código de Conduta e ética empresarial Colaboradores e Fornecedores

Código de Conduta e ética empresarial Colaboradores e Fornecedores Código de Conduta e ética empresarial Colaboradores e Fornecedores Material confidencial uso exclusivo da Decision Group 09/14_V03 Aprovadores Ronaldo Ramos Diretor de Recursos Humanos Andrea Feres Consultora

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição.

Esta política abrange a todos os departamentos da Instituição. I. OBJETIVO Esta Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA), tem como objetivo estabelecer os princípios e as diretrizes compatíveis com a natureza e complexidade das atividades e produtos da Instituição,

Leia mais

Código de Ética da ABTT

Código de Ética da ABTT Código de Ética da ABTT Prezados (as) Associados (as), A ABTT, ao longo de sua existência, tem conduzido suas atividades na crença de que para seu associado desenvolver-se e ter sucesso, é imprescindível

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI

Auditoria de Sistemas de Informação. Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Auditoria de Sistemas de Prof. Eugênio Guimarães de Souza Esp. em Governança de TI Globalização => disseminação da informação; É mais fácil interceptar a informação; Empresários deixam de tomar decisões

Leia mais

GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE

GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE GUIA SOBRE A APLICAÇÃO DOS ASPECTOS LINGUÍSTICOS DA CARTILHA DE ADESÃO À AGENCE UNIVERSITAIRE DE LA FRANCOPHONIE Adotado pelo conselho associativo da Agence universitaire de la Francophonie 13 de setembro

Leia mais

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda.

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. Período coberto pela sua Comunicação de Progresso (COP) De: 02/02/2016 A: 31/12/2016 Declaração de Apoio 02/02/2015 Aos participantes do Pacto Global: Tenho o prazer

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL - PRSA A presente política foi elaborada pela PLANNER e é documento complementar ao procedimento interno, sendo proibida sua reprodução total ou parcial, de

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM ABR/2013 Nº 01/ SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. Este Regulamento estabelece as políticas básicas das

Leia mais

Em atendimento a Resolução nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos a seguir a nossa: POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

Em atendimento a Resolução nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos a seguir a nossa: POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Em atendimento a Resolução nº 4.327 de 25 de abril de 2014, apresentamos a seguir a nossa: POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2 1. Apresentação Este documento atende à Resolução nº 4.327 do Banco

Leia mais

Regulamento do Auditor Padi

Regulamento do Auditor Padi 1 de 7 1. OBJETIVO Caracterizar os auditores externos do Padi Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem, classificando-os e definindo os critérios de sua seleção, suas qualificações, competências

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI

Política de Responsabilidade Socioambiental da PREVI 1.1. A PREVI, para o cumprimento adequado de sua missão administrar planos de benefícios, com gerenciamento eficaz dos recursos aportados, buscando melhores soluções para assegurar os benefícios previdenciários,

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

Código de ética e conduta empresarial

Código de ética e conduta empresarial 1 INTRODUÇÃO A diretoria da Naspers estabelece a liderança pelo exemplo formulando nossos valores e garantindo que os padrões de ética empresarial, como contido neste Código, estejam integrados nas estratégias

Leia mais

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil

O Ministério da Saúde da República Federativa do Brasil MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O MINISTERIO DA SAÚDE DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O MINISTÉRIO DO TRABALHO, DA SAÚDE E DAS POLÍTICAS SOCIAIS DA REPÚBLICA ITALIANA SOBRE COOPERAÇÃO NO CAMPO DA SAÚDE

Leia mais

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança

Plano de Segurança da Informação. Política de Segurança Plano de Segurança da Informação Inicialmente, deve se possuir a percepção de que a segurança da informação deve respeitar os seguintes critérios: autenticidade, não repúdio, privacidade e auditoria. Também

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2012 REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO 2 de 1 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH

Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH Regulamento do Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1º O Núcleo de Apoio à Pesquisa do Curso de Medicina da UNIFENAS-BH (NAPMED-BH) foi criado

Leia mais

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO

A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO A RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL NO CONTEXTO DO PODER JUDICIÁRIO Renatto Marcello de Araujo Pinto Comitê Gestor da PNRSJT Comissão de Responsabilidade Socioambiental DILEMAS DO DESENVOLVIMENTO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária.

Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. Dos Serviços de Obras, Arquitetura, Engenharia e Tecnologia, Sanitária. - Planejar, programar, executar, avaliar, capacitar, orientar e fiscalizar as atividades relacionadas à análise, avaliação e aprovação

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 12

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 12 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 12 Índice 1. Códigos de Ética Profissional e Empresarial - Continuação..3 1.1. A Responsabilidade Social... 3 1.2. O Direito Autoral... 4 2 1. CÓDIGOS DE ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO GLOSSÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO AÇÕES ESTRATÉGICAS Ações que objetivam, basicamente, o aproveitamento das oportunidades, e potencialidades, bem como a minimização do impacto das ameaças e fragilidades.

Leia mais

Novo Código de Ética Profissional

Novo Código de Ética Profissional Novo Código de Ética Profissional As Entidades Nacionais representativas dos profissionais da Engenharia, da Arquitetura, da Agronomia, da Geologia, da Geografia e da Meteorologia pactuam e proclamam o

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências

Gestão de Pessoas e Avaliação por competências Gestão de Pessoas e Avaliação por competências quer a empresa que não existe! Funcionário quer o profissional que não existe! Empresa A visão evolutiva da área de Gestão de Pessoas... 1930 Surgem departamentos

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel

Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel Política de Responsabilidade Socioambiental Sulcredi São Miguel SÃO MIGUEL DO OESTE, JUNHO DE 2015. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SULCREDI SÃO MIGUEL 1 ABRANGÊNCIA Esta política orienta o

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015

CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 CÓDIGO DE CONDUTA Junho de 2015 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...4 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...5 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...5 Artigo 2.º Princípios Gerais...5 Artigo 3.º Legalidade...5 Artigo 4.º

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 3 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Preparação Nesta etapa, a auditoria é organizada objetivando minimizar o tempo despendido pelos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS COMPORTAMENTAIS (NEC) DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Em reunião de 05 de setembro de 2014, o Núcleo de Estudos Comportamentais (NEC), autorizado pelo disposto no inciso

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCOS BANCO ABN AMRO S.A. Setembro de 2013 SP Rua Leopoldo Couto de Magalhães Júnior, 700, 4º andar Itaim Bibi São Paulo SP CEP: 04542000 Tel: (11) 30737400 Fax: (11) 30737404

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

[De]Codificando a Comunicação de uma Organização Criativa: Um Estudo de Caso no CESAR

[De]Codificando a Comunicação de uma Organização Criativa: Um Estudo de Caso no CESAR Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração Ana Aragão da Cunha Lima e Nascimento Relatório

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 (*)

RESOLUÇÃO Nº 22, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 (*) Republicação INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL Comitê de Tecnologia e Informação RESOLUÇÃO Nº 22, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 (*) Normatiza o uso do Correio Eletrônico na Previdencia Social. O COMIT DE TECNOLOGIA

Leia mais

Capítulo I Disposições Gerais

Capítulo I Disposições Gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Marco de Canaveses Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, visando promover e

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO DO IFRN INCUBADORA TECNOLÓGICA NATAL CENTRAL EDITAL Nº 01/2016 - SELEÇÃO DE IDEIAS EMPREENDEDORAS PARA PRÉ-INCUBAÇÃO EM HOTEL DE PROJETOS A direção-geral do Campus Natal

Leia mais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais

Adotada Total / Parcial. Fundamento da não adoção. Recomendação. Não adotada. 1. Princípios Gerais / 1. Princípios Gerais As instituições devem adotar uma política de remuneração consistente com uma gestão e controlo de riscos eficaz que evite uma excessiva exposição ao risco, que evite potenciais conflitos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO. SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2016/17

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO. SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2016/17 REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE BOLSAS IBERO-AMERICANAS. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO. SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2016/17 No espírito das orientações, propostas e conclusões contidas

Leia mais

Código de Conduta. Mensagem do Presidente. Marcos Sawaya Jank Presidente

Código de Conduta. Mensagem do Presidente. Marcos Sawaya Jank Presidente Código de Conduta Código de Conduta Mensagem do Presidente Elaborado de acordo com os princípios e políticas definidos e aprovados pelos Conselhos Deliberativo e Fiscal da UNICA, este código de conduta

Leia mais

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental

1. Introdução. Gestão Orçamental. Júlia Fonseca 2010/2011. Gestão Orçamental 1. Introdução Júlia Fonseca 2010/2011 CICLO DE GESTÃO Planeamento Implementação Controlo de gestão Ciclo de gestão Planeamento Feedback Implementação Controlo Planear Dirigir e Motivar Controlar PLANEAMENTO

Leia mais

Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental

Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental Resolução 4.327 Politica de Responsabilidade Socioambiental Novembro de 2014 Brasil (confidencial) RESOLUÇÃO 4.327 BACEN e SARB14 - Febraban Regulação sobre Responsabilidade Socioambiental Bacen Resolução

Leia mais

O que é a Ouvidoria? O que faz a Ouvidoria?

O que é a Ouvidoria? O que faz a Ouvidoria? Saiba como funciona O que é a Ouvidoria? A Ouvidoria é um órgão de apoio estratégico e especializado, além de eficaz mediadora na busca de soluções de conflitos e eficiente agente promotor de mudanças.

Leia mais

Nome da Empresa: Check-List preenchido por: Data: Check-List de Madeira Controlada Política da Empresa Comentários Conformidade Uma política de comprometimento público foi elaborada declarando que a empre-

Leia mais

Política de uso. AR SSL Corporativa. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços. Versão 1.0

Política de uso. AR SSL Corporativa. DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços. Versão 1.0 Política de uso AR SSL Corporativa DAGSer Diretoria Adjunta de Gestão de Serviços Versão 1.0 Outubro de 2014 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Definições... 3 3. Público alvo... 4 4. Credenciamento... 4

Leia mais

CHAMADA MCT / FINEP ENERGIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM TECNOLOGIA INOVADORA NA ÁREA DE

CHAMADA MCT / FINEP ENERGIA DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM TECNOLOGIA INOVADORA NA ÁREA DE CHAMADA MCT / FINEP Ministério da Ciência e Tecnologia / Financiadora de Estudos e Projetos IDENTIFICAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS COM TECNOLOGIA INOVADORA NA ÁREA DE ENERGIA O Ministério da Ciência e Tecnologia

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA)

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL (PRSA) Página 1 de 12 1 ASPECTOS GERAIS DA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1.1 - Princípios da Relevância e da Proporcionalidade Para o estabelecimento

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental. Anbima BCB. 17 de novembro de 2015

Responsabilidade Socioambiental. Anbima BCB. 17 de novembro de 2015 Responsabilidade Socioambiental Anbima BCB 17 de novembro de 2015 Fases de desenvolvimento Proposição Consulta Comando Publicação Controle Consolidação Resolução 4327/14: Dispõe sobre as diretrizes que

Leia mais

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6

EMPRESAS 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.6 II EMPRESAS 2.1 Termo de Adesão 2.2 Formulário de Identificação 2.3 Autorização de uso de imagem organizacional 2.4 Autorização de uso de imagem pessoal 2.5 Questionário 2.6 Diretrizes para o envio de

Leia mais

Rabobank International Brazil

Rabobank International Brazil Rabobank International Brazil Política de Gerenciamento de Capital Resolução 3.988/2011 Conteúdo 1. Introdução... 3 Patrimônio de Referência Exigido (PRE)... 3 2. Princípios... 4 3. Papéis e Responsabilidades...

Leia mais

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL

MANUAL DE CONDUTA ÉTICA E CONDUTA EMPRESARIAL E CONDUTA EMPRESARIAL R WEM EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS LTDA. Página 2 de 9 Ciente de sua responsabilidade como fabricante de produtos médicos, a WEM divulga seu manual de conduta ética e conduta empresarial.

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA)

Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) 1. Objetivo O objetivo do presente documento é estabelecer os princípios e diretrizes determinadas pela administração do Banco Fidis, em relação à gestão

Leia mais

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed

Diretriz Nacional de Comunicação. Sistema Unimed Diretriz Nacional de Comunicação Sistema Unimed Diretriz de Comunicação Definição Política ou Diretriz de Comunicação é um processo articulado de definição de valores, objetivos, diretrizes, normas e estruturas,

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL (SUPERVISIONADO)

REGULAMENTO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL (SUPERVISIONADO) REGULAMENTO DE ESTÁGIO PROFISSIONAL (SUPERVISIONADO) GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROFª MS. ELAINE CRISTINA SIMOES BRAGANÇA PAULISTA 2013 O estágio é um ato educativo supervisionado, desenvolvido no ambiente

Leia mais

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES Este regulamento contém as regras aplicáveis ao Hackathon Kimberly-Clark Edição Huggies ( Evento ), promovida pela KIMBERLY-CLARK BRASIL INDÚSTRIA E

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 13:39:41 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Andrea Gaspar/BRA/VERITAS em 02/12/2013 Verificado por Cristiane Muniz em 05/12/2013 Aprovado por Denis Fortes/BRA/VERITAS em 06/12/2013 ÁREA GRH Tipo Procedimento Regional Número

Leia mais

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas

Auditorias Independentes COMPLIENCE AUDITORIAS DE 2A PARTE. em atividades aéreas AUDITORIAS DE 2A PARTE em atividades aéreas " O QUE É E COMO ATUAMOS NESTA ÁREA. O significado de complience é o de agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou um pedido, ou seja,

Leia mais

EDITAL nº 092/2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA EDITAL DE SELEÇÃO DE DOCENTE

EDITAL nº 092/2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA EDITAL DE SELEÇÃO DE DOCENTE EDITAL nº 092/2013 CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA EDITAL DE SELEÇÃO DE DOCENTE A Coordenadoria de Graduação do Centro Universitário Metodista, do IPA, e a Gestão de Pessoas, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental Criação: junho/2015 Page 1 of 5 1. OBJETIVOS A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ou Política ) tem o objetivo de estabelecer os princípios,

Leia mais

Política de investimentos sociais 3M

Política de investimentos sociais 3M Política de investimentos sociais 3M 1. Objetivos A presente política tem por finalidade estabelecer os critérios para investimento em projetos sociais com recursos próprios visando: Estabelecer os princípios

Leia mais

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro

Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Data: 06 a 10 de Junho de 2016 Local: Rio de Janeiro Justificativas O Estado contemporâneo busca superar uma parte substantiva dos obstáculos que permeiam as políticas públicas e as ações privadas através

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015. - Risco Operacional - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2015 - Risco Operacional - Sumário 1. Introdução:... 3 2. Abrangência:... 3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:... 3 3. Responsabilidades:... 4 Comitê

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda

1. APRESENTAÇÃO Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda Técnica Assessoria de Mercado de Capitais e Empresarial Ltda 1. APRESENTAÇÃO O Código de Ética e Conduta visa estabelecer e manter o mais alto padrão de comportamento ético e profissional. O Código deve ser observado por todos os sócios, colaboradores, consultores,

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009

Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Auditoria e Análise de Segurança da Informação Forense Computacional Prof. José Maurício S. Pinheiro - UGB - 2009 Forense Computacional 2 Forense Computacional A forense computacional pode ser definida

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE FOTOGRAFIA AMADOR Cacique Doble Semana da Pátria 2015

REGULAMENTO CONCURSO DE FOTOGRAFIA AMADOR Cacique Doble Semana da Pátria 2015 REGULAMENTO CONCURSO DE FOTOGRAFIA AMADOR Cacique Doble Semana da Pátria 2015 SUSTENTABILIDADE: Meu jeito de ver o mundo APRESENTAÇÃO O Concurso de Fotografia Amador SUSTENTABILIDADE: Meu jeito de ver

Leia mais

COMO DESTINAR PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DEVIDO. Existe hoje uma grande valorização para pessoas engajadas e responsáveis socialmente.

COMO DESTINAR PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DEVIDO. Existe hoje uma grande valorização para pessoas engajadas e responsáveis socialmente. COMO DESTINAR PARTE DO IMPOSTO DE RENDA DEVIDO. Flávia Boavista F. Ruiz Existe hoje uma grande valorização para pessoas engajadas e responsáveis socialmente. É importante que se faça a destinação de parte

Leia mais

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Considerando: O relevo formativo, social, cultural e cívico do voluntariado e o papel importante que a Universidade de Aveiro (UA) pode desempenhar

Leia mais

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS UNIDADE RECURSOS HUMANOS E PROCESSOS GERÊNCIA DE GESTÃO DE PROCESSOS

POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS UNIDADE RECURSOS HUMANOS E PROCESSOS GERÊNCIA DE GESTÃO DE PROCESSOS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS COB UNIDADE RECURSOS HUMANOS E PROCESSOS GERÊNCIA DE GESTÃO DE PROCESSOS POLRH-001 GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Revisão: 03 ÁREA RESPONSÁVEL: Recursos Humanos SUMÁRIO CAPÍTULO

Leia mais

Impressora Latex série 300. Garantia limitada

Impressora Latex série 300. Garantia limitada Impressora Latex série 300 Garantia limitada 2013 Hewlett-Packard Development Company, L.P. 1 Avisos legais As informações contidas neste documento estão sujeitas a alteração sem aviso prévio. As únicas

Leia mais

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016

1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 1º Concurso - Universidades Jornalismo e Publicidade - Maio Amarelo 2016 Justificativa O Movimento Maio Amarelo nasceu com uma só proposta: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Conforme a resolução 3.721 do Banco Central do Brasil, define-se risco de crédito como a possibilidade de ocorrência de perdas associadas

Leia mais

Code of Business Conduct (Código de conduta de negócios) Princípios básicos de conduta legal

Code of Business Conduct (Código de conduta de negócios) Princípios básicos de conduta legal Code of Business Conduct (Código de conduta de negócios) Princípios básicos de conduta legal 2 Código de conduta de negócios Código de conduta de negócios 3 Prefácio Prezados Colaboradores Em 1886, nossa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS

Programa Gulbenkian de Língua e Cultura Portuguesas REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO DE APOIO A CONGRESSOS NOS DOMÍNIOS DA LÍNGUA E DA CULTURA PORTUGUESAS 2014 Enquadramento A Fundação Calouste Gulbenkian (Fundação), através de concurso, vai conceder apoio à organização

Leia mais

Brazilian Depositary Receipt BDR Nível I Não Patrocinado

Brazilian Depositary Receipt BDR Nível I Não Patrocinado Renda Variável Brazilian Depositary Receipt BDR Nível I Não Patrocinado O produto Os Brazilian Depositary Receipts Nível I Não Patrocinados (BDR NP) são valores mobiliários, emitidos no Brasil por instituições

Leia mais

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MANUAL DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU APRESENTAÇÃO A disputa por uma vaga no mercado de trabalho está cada vez mais intensa, tornando os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu indispensáveis. Fazê-los em uma

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus Direitos iguais e inalienáveis é o fundamento

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal

11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Marco Legal: Constituição de 1988 11. Ciclo de Gestão do Governo Federal Instrumentos: Planejamento Orçamento Finanças Controle LDO PPA LOA Elementos Normativos: Plano Plurianual - PPA, Lei de Diretrizes

Leia mais

FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA REGULAMENTO DA OUVIDORIA DA FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º - A Ouvidoria da FACULDADE SOGIPA DE EDUCAÇÃO FÍSICA- é um canal de diálogo com a comunidade acadêmica ou

Leia mais

Estrutura de gerenciamento do risco de mercado

Estrutura de gerenciamento do risco de mercado 1. Sistema Sicoob Estrutura de gerenciamento do risco de mercado A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 2. Principais competências dos

Leia mais

Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais

Governança Corporativa de Empresas Familiares. Migrando do Conselho para os níveis operacionais Governança Corporativa de Empresas Familiares Migrando do Conselho para os níveis operacionais O que é "empresa familiar"? A família detém o controle societário Empresas Familiares no Mundo Fonte: Consultoria

Leia mais

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016 EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- VITÓRIA 003/2016 ALTERADO EM 14/06/2016 Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE

Leia mais