RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS)"

Transcrição

1 RESUMO TEÓRICO (CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS) 1. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ESTADO DO TEMPO E CLIMA? Estado do tempo É o conjunto de condições atmosféricas que se verificam num determinado lugar, num curto período de tempo varia ao longo do dia e de lugar para lugar. Clima É a sucessão habitual dos estados do tempo, durante um longo período de tempo, geralmente 30 ou mais anos. COMO VARIA O ESTADO DO TEMPO? As condições da atmosfera num dado lugar e num dado momento resultam da conjugação dos valores dos vários elementos do clima. Assim, é frequente haver variações do tempo: Ao longo do dia: numa determinada localidade, em períodos da manhã, pode, num dado momento estar céu limpo e vento fraco para, momentos depois, por exemplo, o céu ficar nublado, a intensidade do vento aumentar e haver ocorrência de chuva; De lugar para lugar: o tempo que se faz sentir numa localidade do Centro do país, pode, para o mesmo momento, ser diferente do que se faz sentir numa localidade do Norte do país. QUAL A DIFERENÇA ENTRE ELEMENTOS E FATORES DO CLIMA? Chamam-se elementos do clima todos os elementos meteorológicos (atmosféricos) que caracterizam o clima de uma região. Os mais importantes são: A TEMPERATURA (grau de aquecimento do ar); A PRECIPITAÇAO (queda de água, em forma de chuva, neve ou granizo); O VENTO (movimento do ar com uma determinada direção e intensidade; A NEBULOSIDADE (porção do céu coberto por nuvens); A PRESSÃO ATMOSFÉRICA (força que o ar exerce sobre a atmosfera; A HUMIDADE DO AR (quantidade de vapor de água presente na atmosfera). ESTES ELEMENTOS VARIAM NO TEMPO E NO ESPAÇO, DEVIDO AOS FATORES CLIMÁTICOS. Os fatores climáticos são fenómenos e situações naturais que influenciam o comportamento dos elementos do clima. Destacam-se a: A LATITUDE; O RELEVO; A PROXIMIDADE OU AFASTAMENTO DO MAR (CONTINENTALIDADE) AS CORRENTES MARÍTIMAS. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 1

2 2. A TEMPERATURA: DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO COMO VARIA A TEMPERATURA? Observa a figura 1. Fig.1 Distribuição da temperatura média à superfície da Terra, em Janeiro e Julho. Da análise da figura 1, podemos concluir que: Independentemente da época do ano, verifica-se, no geral, uma diminuição da temperatura média em Latitude; No hemisfério Norte as temperaturas médias mensais mais baixas registam-se no Inverno (Janeiro) e as mais elevadas no Verão (Julho); Na região intertropical (entre o trópico de câncer e o trópico de capricórnio), a variação da temperatura média é pouco significativa ao longo do ano. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 2

3 A TEMPERATURA VARIA À SUPERFÍCIE DA TERRA DE LUGAR PARA LUGAR, AO LONGO DO ANO E AO LONGO DO DIA. COMO VARIA A TEMPERATURA AO LONGO DO DIA? Em latitude há uma variação da intensidade da radiação solar que se faz sentir ao longo do dia, do DIA NATURAL período em que o Sol se encontra acima da linha do horizonte, ou seja, entre o nascer e o pôr-do-sol. Observa a figura 2. Fig.2 O movimento diurno aparente do Sol no hemisfério Norte e a variação da temperatura ao longo do dia. A temperatura varia ao longo do dia para qualquer lugar da superfície terrestre. Sendo: Mínima, durante a madrugada, antes do nascer do Sol, porque durante a noite os lugares não recebem radiação solar (6 e 8 horas); Máxima, entre as 13 e 15 horas, porque é neste período que se atinge o valor mais elevado de radiação solar. AS ESTAÇÕES DO ANO O movimento anual aparente do Sol (movimento que o Sol parece fazer ao longo do ano) só se efetua na zona intertropical, entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio. Observa a figura 3. Fig.3 O movimento anual aparente do Sol no hemisfério Norte. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 3

4 O Sol passa então o Zénite (os raios solares fazem um ângulo de 90º com a superfície da Terra), em quatro momentos do ano, que correspondem ao início das estações do ano. Considerando o hemisfério Norte: No equador, no dia 21 de Março, inicia-se a Primavera Equinócio de Março; No Trópico de Câncer, no dia 21 de junho, inicia-se o verão Solstício de Junho; No equador, no dia 23 de Setembro, inicia-se o Outono Equinócio de Setembro; No trópico de Capricórnio, no dia 22 de Dezembro, inicia-se o Inverno Solstício de Dezembro. COMO VARIA O DIA NATURAL EM LATITUDE Lê o quadro seguinte que ilustra a variação do dia em Latitude. Momento do ano Solstício de Junho Equinócios de Setembro e Março Solstício de Dezembro Dentro do círculo polar Árctico 24h dia 24h noite O dia é igual à noite Entre o círculo polar Árctico e o equador O dia é maior do que a noite O dia é menor do que a noite Equador O dia é igual à noite Entre o equador e o círculo polar antárctico O dia é menor do que a noite O dia é maior do que a noite O dia é igual à noite Dentro do círculo polar antárctico 24h noite 24h dia A VARIAÇÃO DA TEMPERATURA DEPENDE DO GRAU DE INCLINAÇÃO DOS RAIOS SOLARES SOBRE A SUPERFÍCIE TERRESTRE. Observa a figura 4. Fig.4 Representação do grau de inclinação dos raios solares sobre a Terra com a Latitude Na zona intertropical, entre o trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio o grau de inclinação dos raios solares é menor e, por isso, a temperatura é mais elevada. (I) Na zona polar (dentro do círculo polar Ártico e do Círculo Polar Antártico), o grau de inclinação dos raios solares é maior e, por isso, a temperatura é mais baixa.(iii) A TEMPERATURA E O GRAU DE INCLINAÇÃO DOS RAIOS SOLARES A temperatura de um lugar é mais elevada quando os raios solares chegam à Terra na perpendicular. A temperatura de um lugar é mais baixa quando os raios solares chegam à Terra com maior inclinação. ç A inclinação dos raios solares na superfície terrestre varia com a Latitude devido à forma quase esférica da Terra e à inclinação do eixo terrestre. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 4

5 QUAIS SÃO OS FATORES RESPONSÁVEIS PELA VARIAÇÃO DA TEMPERATURA? 2.1. A TEMPERATURA E A LATITUDE A latitude é um dos fatores climáticos fundamentais para a variação da temperatura na superfície terrestre. À medida que a latitude aumenta verifica-se um aumento do grau de inclinação dos raios solares e uma diminuição da temperatura na superfície terrestre. A TEMPERATURA DIMINUI À MEDIDA QUE A LATITUDE AUMENTA 2.2. A TEMPERATURA E O RELEVO A Temperatura diminui com a Altitude: À medida que a altitude aumenta, a temperatura diminui 0,6ºC por cada 100 metros. O relevo também influencia a temperatura através da orientação geográfica das montanhas em relação aos raios solares e à linha de costa. Em relação aos raios solares: As vertentes soalheiras (voltadas a sul no hemisfério Norte e a norte no hemisfério Sul) têm temperaturas mais elevadas porque recebem maior quantidade de radiação solar; As vertentes umbrias (voltadas a norte no hemisfério Norte e a sul no hemisfério Sul) têm temperaturas mais baixas porque recebem menos quantidade de radiação solar. Em relação à linha de costa: As montanhas concordantes (paralelas à linha de costa), constituindo obstáculos à passagem para o interior dos ventos húmidos do oceano. Contribuem para que o litoral tenha temperaturas mais amenas ao longo do ano e que o interior seja mais frio no inverno e mais quente no verão; As montanhas discordantes (perpendiculares ou oblíquas à linha de costa) contribuem para que a temperatura seja amena ao longo do ano. A TEMPERATURA DIMINUI À MEDIDA QUE A ALTITUDE AUMENTA 2.3. A TEMPERATURA E A PROXIMIDADE E O AFASTAMENTO DO MAR Os lugares do LITORAL, por estarem mais próximos do mar, têm temperaturas mais amenas ao longo do ano; Os lugares do INTERIOR, por estarem mais afastados do mar, têm temperaturas mais baixas no inverno e mais elevadas no verão (maior amplitude térmica anual). O MAR AMENIZA A TEMPERATURA 3. A PRECIPITAÇÃO: DISTRIBUIÇÃO E VARIAÇÃO COMO E POR QUE É QUE OCORRE PRECIPITAÇÃO? A precipitação está associada à existência de nuvens, no entanto, nem sempre ocorre. Para que ocorra precipitação é necessário que as gotículas em suspensão que formam as nuvens originem gotas de água maiores e com um peso que lhes permita vencer a gravidade e atingir o solo. Mas para ocorrer precipitação é necessário que exista a subida do ar. Deste facto, o ar ao subir, vai expandir-se e arrefecer, até atingir o ponto de saturação, a partir deste momento o ar pode condensar, formando nuvens, que por sua vez podem levar à ocorrência de precipitação. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 5

6 TIPOS DE PRECIPITAÇÃO A subida do ar pode acontecer através de quatro processos diferentes, originando quatro tipos de precipitação: Orográficas subida do ar ao longo das vertentes montanhas; Convergente subida do ar devido à convergência dos ventos numa determinada zona; Convectiva subida do ar, causada pelo seu aquecimento, após ter contactado com uma superfície mais quente. Ao aquecer, torna-se mais leve e sobe; Frontal subida do ar devido ao contacto de duas massas de ar diferente. Lê os quadros seguintes: OROGRÁFICAS Resultam da ascensão do ar ao longo das vertentes das montanhas. CONVERGENTES Resultam da ascensão do ar devido à convergência dos ventos numa determinada zona. Exemplo: Cordilheira Central e serras do noroeste português, como a serra do Gerês e da Peneda. CONVECTIVAS Resultam da ascensão do ar, causada pelo seu aquecimento, após ter contactado com uma superfície mais quente. Ao aquecer, torna-se mais leve e ascende. Exemplo: zonas de baixas pressões equatoriais. FRONTAIS Resultam da ascensão do ar, devido ao contacto de duas massas de ar diferentes. Exemplo: interior dos continentes das zonas temperadas (muito frequentes no Verão). Exemplo: sobretudo nas latas e médias latitudes do hemisfério Norte. A precipitação, como a temperatura é influenciada pela latitude, altitude, afastamento e proximidade do mar e das correntes marítimas, o que explica a sua desigual distribuição à superfície da Terra A PRECIPITAÇÃO, A LATITUDE e a PRESSÃO ATMOSFÉRICA A circulação do ar na atmosfera influência a pressão atmosférica, que por sua vez influência o estado do tempo. O ar desloca-se sempre das altas para as baixas pressões, o que origina a convergência e a subida do ar nas áreas de baixas pressões, e divergência e descida do ar nos centros de altas pressões. Altas pressões polares (no hemisfério norte e hemisfério sul); Baixas pressões subpolares (no hemisfério norte e hemisfério sul); Altas pressões subtropicais (no hemisfério norte e hemisfério sul); Baixas pressões equatoriais. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 6

7 A distribuição dos principais centros de pressão atmosférica em latitude influencia a distribuição da precipitação mundial. Fig.5 Distribuição da precipitação anual e dos centros de pressão atmosférica em Latitude Os centros de baixas pressões estão associados a céu muito nublado e ao mau tempo contribuem para o aumento da precipitação. Os centros de altas pressões estão associados a céu limpo e a tempo seco contribuem para a diminuição da precipitação. Fig.6 O movimento do ar, nos centros de baixas e de altas pressões, no hemisfério norte. CENTROS BAROMÉTRICOS Centros de altas pressões ou Anticiclone Centros de baixas pressões ou Ciclone A pressão aumenta da periferia para o centro; A pressão é mais elevada no centro. A pressão diminui da periferia para o centro; A pressão é mais baixa no centro. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 7

8 MOVIMENTO DO AR Centros de altas pressões ou Anticiclone Centros de baixas pressões ou Ciclone Movimento do ar é descendente (desce) na vertical e divergente (espalha-se) à superfície; O ar ao descer em altitude, a sua temperatura aumenta; conseguindo reter o vapor de água; Não há formação de nuvens nem ocorrência de precipitação; Estado do tempo associado a céu limpo e tempo seco. Movimento do ar é ascendente (sobe) na vertical e convergente (choca) à superfície; O ar sobe em altitude, a sua temperatura diminui, o que provoca a condensação do vapor de água; Formam-se nuvens que podem originar ocorrência de precipitação. Assim, podemos verificar: Nas regiões equatoriais, onde há elevadas temperaturas, o ar sobe, formando centros de baixas pressões que originam precipitação muito abundante. Próximo dos trópicos, o ar desce, originando altas pressões, que são responsáveis pelo tempo seco predominante nessas latitudes. Nas latitudes médias, dá-se a convergência do ar tropical com o ar polar, formando-se as baixas pressões que explicam a ocorrência de precipitação abundante. Nos pólos, onde há baixas temperaturas, formam-se altas pressões e, por isso, há baixos valores de precipitação A PRECIPITAÇÃO E O RELEVO A precipitação é influenciada pela altitude e pela sua exposição em relação à linha de costa. De facto, a precipitação é mais elevada em áreas de maior altitude e nas áreas montanhosas concordante. As áreas de montanhas concordantes são paralelas à linha de costa e são fortemente influenciadas pelos ventos húmidos. As montanhas podem ter vertentes barlavento (lado de onde sopra o vento), que estão expostas aos ventos húmidos e vertentes sotavento, que estão abrigadas dos ventos húmidos. Nas vertentes barlavento é maior a precipitação do que nas vertentes sotavento, que normalmente são muito secas A PRECIPITAÇÃO E A PROXIMIDADE E AFASTAMENTO DO MAR As áreas próximas do mar são influenciadas pelos ventos húmidos marítimos registando valores elevados de precipitação, à medida que os ventos marítimos vão avançando para o interior do território, perdem humidade e o seu efeito amenizador da temperatura. Assim, verifica-se um contraste litoral/interior. Correntes quentes Precipitação elevada Elevada evaporação; Ar muito húmido. Correntes frias Precipitação fraca Fraca evaporação; Ar mais seco. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 8

9 4. OS CLIMAS E AS FORMAÇÕES VEGETAIS OS PRINCIPAIS CLIMAS DO MUNDO A conjugação dos factores climáticos origina três grandes tipos de clima quentes, temperados e frios. COMO SE DISTRIBUEM OS CLIMAS NO MUNDO? Fig.7 Os principais tipos de climas no mundo. Os climas distribuem-se em três zonas climáticas: Zona Quente ou Intertropical temperaturas médias mensais e anuais elevadas e pouca variação anual; Zona Temperada do Norte e do Sul temperaturas médias anuais moderadas e com variação das temperaturas médias mensais ao longo do ano; Zona Fria do Norte e do Sul temperaturas médias anuais negativas e um grande contraste nas temperaturas médias mensais. Fig.8 Mapa distribuição dos climas. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 9

10 EMPERADOS Mediterrâneo Desértico Quente Tropical Seco QUENTES Tropical húmido equatorial Fig.9 Tabela classificação climática e as formações vegetais associadas aos climas quentes Climas Gráfico Termopluviométrico Temperatura Precipitação Formação vegetal localização - Elevada e constante ao longo do ano; - Baixa amplitude térmica anual. - Elevados valores anuais; - Sem meses seco. Floresta equatorial ou selva muito densa, devido à elevada temperatura e humidade a vegetação é compacta e muito verde, com grande biodiversidade. Latitudes próximas do equador - Elevada ao longo do ano reduzido; - Reduzida variação anual - Reduzida amplitude térmica anual - Estação húmida e estação seca; - Predomínio da estação húmida (chuva abundante durante mais de 6 meses) Floresta tropical abundância e densidade da vegetação apenas ultrapassada pela floresta equatorial. Savana formação herbácea, com algumas árvores dispersas. Zona envolvente do clima equatorial - Elevada ao longo do ano; - Variação anual; - Reduzida amplitude térmica anual. - Estação húmida e estação seca; - Predomínio da estação seca (precipitação concentrada em 3 a 4 meses) Estepe Vegetação herbácea e arbustiva rasteira. Zona que envolve os desertos - Elevada durante o dia e baixa durante a noite; - Elevada amplitude térmica diurna e anual - Uma única estação quente e seca - Ausência de meses húmidos. Vegetação xerófila - vegetação resistente à secura Desertos quentes CLIMAS QUENTES Os climas quentes, localizados na região intertropical, caracterizam-se, em geral: Pela elevada temperatura; Pela precipitação, que diminui, em latitude, do equador pra os trópicos de câncer e de capricórnio; é muito elevada no equatorial e rara no desértico quente. Fig.10 Tabela classificação climática e as formações vegetais associadas aos climas temperados Climas Gráfico Termopluviométrico Temperatura Precipitação Formação vegetal localização - Verões quentes; - Invernos amenos; - Amplitudes térmicas anuais médias. - Período seco no Verão; - Chuvas irregulares no Outono e no Inverno; - Três meses secos. Floresta mediterrânica constituída por estrato arbóreo pouco denso, com raízes profundas e folhas persistentes (sobreiro, pinheiro manso) Maquis(medronheiro, urze) Garrigue(alfazema, alecrim) Litoral junto ao mar mediterrâneo T E M A O M E I O N A T U R A L Página 10

11 Polar FRIOS Subpolar Continental Marítimo ou Oceânica - Verões amenos; - Invernos amenos; - Reduzidas amplitudes térmicas anuais - Totais anuais elevados; - Ausência de período seco. Floresta Caducifólia Composta por vegetação de folha caduca, como o carvalho ou freixo. Litoral ocidental dos continentes - Verões quentes; - Invernos frios com temperaturas negativas; - Fortes amplitudes térmicas - Escassa, sobretudo no Verão; - No inverno ocorre sob a forma de neve. Floresta de folha mista espécies de folha caduca que se misturam com outras de folhas persistentes. Sobretudo no interior da América do Norte e da Europa. CLIMAS TEMPERADOS Os climas temperados fazem a transição entre os quentes e os frios. Caracterizam-se, em geral: Pela temperatura moderada; Pela existência de uma estação seca, que corresponde à quente, enquanto a estação húmida corresponde à fria no clima temperado mediterrânico; Pela elevada precipitação, sobretudo no Outono e Inverno no temperado marítimo; Pela existência de temperaturas negativas no Inverno no temperado continental. Fig.11 Tabela classificação climática e as formações vegetais associadas aos climas frios Climas Gráfico Termopluviométrico Temperatura Precipitação Formação vegetal localização - Sempre baixa ao longo do ano; - Invernos muito frios; - Verões curtos; - Chuva escassa; - Precipitação anual sob a forma de neve. Taiga ou Floresta de coníferas Árvores de folha perene (abetos, pinheiros) - Alasca -Canadá - Sibéria - Valores constantemente baixos (< 0ºc) - elevada amplitude térmica anual - Rara (sob a forma de neve) Tundra Vegetação herbácea formada por musgos, líquenes e arbustos anões. - Norte do Canadá; - Norte da Sibéria; - Antárctida e Gronelândia. CLIMAS FRIOS Caracterizam-se, em geral: Pela baixa temperatura; Pela reduzida precipitação, com excepção do de altitude, que apresenta uma precipitação mais abundante. T E M A O M E I O N A T U R A L Página 11

12 Montanha ou altitude - Temperatura diminui com a altitude - Abundante durante todo o ano - Vegetação de Montanha Estratificação da vegetação em andares (prados, musgos, fetos e líquenes) Principais cadeias montanhosas - Montanhas rochosas - Andes - Himalaias - Alpes T E M A O M E I O N A T U R A L Página 12

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais

Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Distribuição e caraterização do clima e das formações vegetais Início Zonas climáticas No planeta Terra existem cinco grandes zonas climáticas:

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas

O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas UC História e Geografia de Portugal II Geografia de Portugal 3. O CLIMA PORTUGUÊS: Noções básicas e fatores geográficos Regiões climáticas portuguesas IPS-ESE ME12C André Silva O Clima Português: Elementos

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

Os diferentes climas do mundo

Os diferentes climas do mundo Os diferentes climas do mundo Climas do Mundo Mapa dos climas do mundo Climas quentes Equatoriais Tropical húmido Tropical seco Desértico quente Climas temperados Temperado Mediterrâneo Temperado Marítimo

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 O Sol e a dinâmica da natureza. O Sol e a dinâmica da natureza. Cap. II - Os climas do planeta Tempo e Clima são a mesma coisa ou não? O que

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS

O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS 2011/2012 Geografia 7º Ano de escolaridade O MEIO AMBIENTE CLIMA E FORMAÇÕES VEGETAIS Estado do tempo e clima Elementos e fatores do clima A ATMOSFERA: Invólucro gasoso (camada de ar) que envolve a Terra;

Leia mais

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha

Os Grandes Biomas Terrestres. PROF Thiago Rocha Os Grandes Biomas Terrestres PROF Thiago Rocha Bioma: Uma comunidade de plantas e animais, com formas de vida e condições ambientais semelhantes. (Clements, 1916) Florestas tropicais A área de ocorrência

Leia mais

Exercícios - Fatores Exógenos

Exercícios - Fatores Exógenos Exercícios - Fatores Exógenos 1. A figura abaixo retrata a barreira que o relevo representa para os ventos e as massas de ar. Com base nesta figura são feitas as seguintes afirmativas: ( F ) As letras

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8

Climas e Formações Vegetais no Mundo. Capítulo 8 Climas e Formações Vegetais no Mundo Capítulo 8 Formações Vegetais Desenvolvem-se de acordo com o tipo de clima, relevo, e solo do local onde se situam.de todos estes, o clima é o que mais se destaca.

Leia mais

Os principais tipos climáticos mundiais

Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais Os principais tipos climáticos mundiais 1 massas de ar -Definição - Origens - Tipos - Frentes (fria e quente) 2 Climas -O que define os climas? - Tipos de climas

Leia mais

Elementos e Fatores de Diferenciação

Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO Elementos e Fatores de Diferenciação VEGETAÇÃO E ZONEAMENTO CLIMÁTICO A interferência climática sobre a cobertura vegetal é um dos principais fatores que possibilitam uma pluralidade paisagística.

Leia mais

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com

IC II Lab. Geo Física. Aula 5. Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com IC II Lab. Geo Física Aula 5 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Domínios vegetacionais e faunísticos Mudanças climáticas e seres vivos Domínios Morfoclimáticos

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015

Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Terra: Estudos e Representações Plano Curricular de Geografia- 3º Ciclo -7ºAno 2014/2015 Domínio Subdomínios /Objetivos Gerais Descritores Nº de Aulas Previstas 1- A Geografia e o Território 1.1-Compreender

Leia mais

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA

PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA PROF. JEFERSON CARDOSO DE SOUZA UFRGS 2012 São fatores limitantes dos biomas: Umidade: ausência ou excesso; Solo: tipo de nutrientes e tempo de intemperismo; Temperatura: Amplitude Térmica; Luz solar:

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA 7.º ANO DE GEOGRAFIA 7.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica

Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica Exercícios Tipos de Chuvas e Circulação Atmosférica 1. De acordo com as condições atmosféricas, a precipitação pode ocorrer de várias formas: chuva, neve e granizo. Nas regiões de clima tropical ocorrem

Leia mais

Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de agulha; Latifoliadas folhas largas e grandes; Perenes nunca perdem as folhas por completo; Caducas (decíduas) perdem as folhas antes de secas ou

Leia mais

GEOGRAFIA. Professora Bianca

GEOGRAFIA. Professora Bianca GEOGRAFIA Professora Bianca TERRA E LUA MOVIMENTO DA LUA MOVIMENTOS DA TERRA TEMPO E CLIMA Tempo é o estado da atmosfera de um lugar num determinado momento. Ele muda constantemente. Clima é o conjunto

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

Tarefa online 8º ANO

Tarefa online 8º ANO Tarefa online 8º ANO 1) Estabelecendo-se correlações entre a exploração florestal no Globo e as Zonas Climáticas, pode-se inferir que: 2) O Domínio morfoclimático das pradarias é uma área marcada: a) pelo

Leia mais

Escola Básica e Secundária da Graciosa

Escola Básica e Secundária da Graciosa Escola Básica e Secundária da Graciosa Disciplina: Geografia Ano letivo 2014/2015 Planificação Anual Longo Prazo 7º Ano Conteúdos Metas Curriculares Avaliação TEMA 1: A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAÇÕES

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

As grandes paisagens naturais

As grandes paisagens naturais As grandes paisagens naturais Prof. Jutorides Regiões Polares Dividem-se em Ártica e Antártica; Ártica: Norte da Europa, Rússia, Canadá e Groenlândia; Clima: mínima -35oC e máxima 10oC; Vegetação: Tundra

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMARATE PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO Grupo GEOGRAFIA (420) Ano letivo 2014/2015 Ano de Escolaridade 7º Disciplina Geografia Conteúdos Metas curriculares Estratégias - Recursos Avaliação

Leia mais

Domínio - A Terra: Estudos e Representações

Domínio - A Terra: Estudos e Representações Agrupamento de Escolas de Moura Planificação Anual Geografia 7. Ano 2014-2015 Domínio - A Terra: Estudos e Representações Conteúdos Metas Curriculares Estratégias/ Calendarização 1. Compreender o objeto

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE GEOGRAFIA - 7.º ANO DE GEOGRAFIA - 7.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO Dentro do domínio da geografia e o território, o aluno deve compreender o objeto e o método da Geografia. No dominio da representação da superfície

Leia mais

Professores: Clodoaldo e Jaime

Professores: Clodoaldo e Jaime Professores: Clodoaldo e Jaime A atmosfera é uma camada gasosa que envolve a Terra composta por vários gases. Ela é dividida em camadas de acordo com a altitude e as propriedades físicas, e composição

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE SALVATERRA DE MAGOS 2009/2010

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE SALVATERRA DE MAGOS 2009/2010 A Radiação Solar Recursos Hídricos Conceito: Água disponivel em vários estados A água é um bem renovável pois não sai da Terra. A distribuição e a qualidade da água variam Humidade: Percentagem de vapor

Leia mais

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba

VEGETAÇÃO. Página 1 com Prof. Giba VEGETAÇÃO As formações vegetais são tipos de vegetação, facilmente identificáveis, que dominam extensas áreas. É o elemento mais evidente na classificação dos ecossistemas e biomas, o que torna importante

Leia mais

Prof: Franco Augusto

Prof: Franco Augusto Prof: Franco Augusto Efeito de latitude A forma esférica da Terra, faz os raios solares chegarem com intensidades variadas nas diversas porções do planeta. Nas áreas próximas à linha do Equador, com baixas

Leia mais

Rotas de aprendizagem - Projetos

Rotas de aprendizagem - Projetos Página1 Rotas de aprendizagem - Projetos Domínio - A Terra: Estudos e Representações Subdomínio: A e o Território 1/2 Quinzenas (Inicio: 1.º período) 1) Reconhecer a como a ciência que estuda os territórios

Leia mais

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Dinâmica do Clima. Precipitação

Universidade de Aveiro Departamento de Física. Dinâmica do Clima. Precipitação Universidade de Aveiro Departamento de Física Dinâmica do Clima Precipitação Objectivos Analisar a evolução do Clima, no nosso caso a taxa de precipitação, desde Dezembro de 1994 até Dezembro de 2006.

Leia mais

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima

A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima A atmosfera e sua dinâmica: o tempo e o clima - Conceitos e definições (iniciais) importantes: - Atmosfera: camada gasosa que envolve a Terra (78% Nitrogênio, 21% Oxigênio e 1% outros). A camada gasosa

Leia mais

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação

Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Massas de ar do Brasil Centros de ação Sistemas meteorológicos atuantes na América do Sul Breve explicação Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br

Leia mais

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA

TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA TEMA 6 CIRCULAÇÃO GERAL DA ATMOSFERA Como já foi visto no estudo dos movimentos atmosféricos, a distribuição dos ventos na superfície deve ser aproximadamente as das Figuras da página seguinte. Os ventos

Leia mais

A distribuição da população mundial

A distribuição da população mundial A distribuição da população mundial Trabalho que pode ser visualizado na página da Internet: www.geografiafixe.com.sapo.pt Professor: José Maia Distribuição da população Quais são as principais razões

Leia mais

Climas em Relação ao Mapa Mundi

Climas em Relação ao Mapa Mundi Climas em Relação ao Mapa Mundi A Terra é inclinada a o Sol e sua t ranslação compõe oval. em direção um m ovimento Quanto mais perto do equador menor a amplitude térmica O Sol incide c om maior intensidade

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima.

Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Interacção Oceano-Atmosfera. O transporte de calor pelos oceanos. Os oceanos como reguladores do clima. Vimos como o oceano, através da influência que exerce no conteúdo de humidade da atmosfera afecta

Leia mais

Data: / / Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas no mapa pelos números arábicos.

Data: / / Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas no mapa pelos números arábicos. -* Nome: nº Ano: 1º Recuperação de Geografia / 2º Bimestre Professor: Arnaldo de Melo Data: / / 1-(UDESC) Observe o mapa abaixo.. Analise as proposições sobre as massas de ar que atuam no Brasil, representadas

Leia mais

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos

O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos O estado de tempo e o clima Elementos e fatores climáticos Escola Estadual Desembargador Floriano Cavalcanti PIBID-UFRN Geografia 6º ano O ESTADO DE TEMPO O ESTADO DE TEMPO VARIA: 11H 30M AO LONGO DO DIA

Leia mais

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO

COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO A DINÂMICA ATMOSFÉRICA CAPÍTULO 1 GEOGRAFIA 9º ANO Vanessa Andrade A atmosfera é essencial para a vida, porque além de conter o oxigênio que respiramos, ela mantém a Terra quente,

Leia mais

Elementos e fatores climáticos

Elementos e fatores climáticos Elementos e fatores climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade,

Leia mais

Planificação a longo prazo

Planificação a longo prazo A Terra: Estudos e Representações 1º Período / 2º Período Planificação a longo prazo Professores: Carlos Naré e Isabel Rodrigues Ano letivo: 2015-2016 Número de aulas previstas (3 x 45 minutos / semana)

Leia mais

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades

Climatologia. humanos, visto que diversas de suas atividades Climatologia É uma parte da que estuda o tempo e o clima cientificamente, utilizando principalmente técnicas estatísticas na obtenção de padrões. É uma ciência de grande importância para os seres humanos,

Leia mais

b)condução.- O vapor d água e os aerossóis aquecidos, aquecerão por contato ou condução o restante da mistura do ar atmosférico, ou seja, o ar seco.

b)condução.- O vapor d água e os aerossóis aquecidos, aquecerão por contato ou condução o restante da mistura do ar atmosférico, ou seja, o ar seco. 4.3. Temperatura e transporte de Energia na Atmosfera ( Troposfera ).- A distribuição da energia solar na troposfera é feita através dos seguintes processos: a)radiação.- A radiação solar aquece por reflexão

Leia mais

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL

CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL CLIMA E DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS DO BRASIL Essa aula vai permitir que você conheça elementos e fatores do clima, as relações entre eles, os tipos de climas do Brasil e as características dos domínios morfoclimáticos

Leia mais

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem?

A diversidade de vida no planeta. Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? A diversidade de vida no planeta Que animais selvagens você conhece? Em que ambiente natural e continente você acha que eles tem origem? Domínios naturais terrestres São extensas áreas geográficas com

Leia mais

Sistema Sol-Terra-Lua

Sistema Sol-Terra-Lua Sistema Sol-Terra-Lua Parte 1 As estações do ano Parte 2 As fases da Lua Parte 3 Eclipses Parte 4 - Marés 1 Parte 1 As estações do ano A latitudes medianas (como a nossa) há variações significativas de

Leia mais

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III

BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS. Aula III B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO TUNDRA, TAIGA E FLORESTAS TEMPERADAS 2011 Aula III AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA TUNDRA O termo Tundra deriva da palavra finlandesa Tunturia, que significa

Leia mais

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1

REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 REVISÃO PARA AV1 Unidade 1 Cap. 1 Continente Americano Prof. Ivanei Rodrigues Teoria sobre a formação dos continentes Transformação da crosta terrestre desde a Pangeia até os dias atuais. A Teoria da

Leia mais

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld

BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS. Jonathan Kreutzfeld BIOMAS DOMÍNIOS VEGETAIS Jonathan Kreutzfeld FITOGEOGRAFIA É a ciência que estuda a distribuição geográfica dos vegetais de acordo com as suas características. BIÓTOPO: Delimitação de um habitat. Temperatura

Leia mais

Qual o motivo das estações do ano?

Qual o motivo das estações do ano? Qual o motivo das estações do ano? Estações do Ano: W Início da Primavera 23 set Hemisfério Sul Início do Inverno 22 jun Início do Verão 22 dez g Início do Outono 21 mar Estações do Ano: Hemisfério Norte

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo

Data: /08/2014 Bimestre: 2. Nome: 8 ANO B Nº. Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 8 ANO B Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1- (1,0) A mundialização da produção industrial é caracterizada

Leia mais

OS GRANDES BIOMAS TERRESTRES

OS GRANDES BIOMAS TERRESTRES OS GRANDES BIOMAS TERRESTRES Bioma é uma comunidade de plantas e animais, com formas de vidas e condições ambientais semelhantes, cada bioma é representado por um tipo de vegetação principal que lhe confere

Leia mais

Clima e Vegetação. Clima e Vegetação. Prof. Tiago Fuoco

Clima e Vegetação. Clima e Vegetação. Prof. Tiago Fuoco Clima e Vegetação O Continente Americano possui a maior extensão Norte-Sul entre todos os continentes do globo e está localizado em todas as zonas climáticas da Terra. Os climas presentas na América são:

Leia mais

A importância do continente europeu reside no fato de este ter

A importância do continente europeu reside no fato de este ter Conhecido como velho mundo, o continente europeu limitase a oeste com o Oceano Atlântico, ao sul com o Mediterrâneo, ao norte com o oceano Glacial Ártico e a leste com a Ásia, sendo que os Montes Urais

Leia mais

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM

EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA 2º PERÍODO JULHO GEOGRAFIA - ENEM 1. Fenômeno astronômico marca início do inverno no hemisfério sul A figura abaixo ajuda a compreender o fenômeno. Para dar

Leia mais

Geografia Fascículo 07 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis

Geografia Fascículo 07 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Geografia Fascículo 07 Fernanda Zuquim Guilherme De Benedictis Índice As Grandes Paisagens Naturais Resumo Teórico...1 Exercícios...3 Gabarito...5 As Grandes Paisagens Naturais Resumo Teórico Os ambientes

Leia mais

Biomas e formações vegetais mundiais

Biomas e formações vegetais mundiais Biomas e formações vegetais mundiais Bioma é uma comunidade biológica, ou seja, a fauna e a flora e suas interações entre si e com o ambiente físico, o solo, a água, o ar. O bioma da Terra compreende a

Leia mais

Cap. 4 Paisagens Climatobotânicas

Cap. 4 Paisagens Climatobotânicas Cap. 4 Paisagens Climatobotânicas CLIMA X TEMPO Tempo: são as condições instantâneas, de momento, podem variar de um dia para o outro; Clima: é um estudo estatístico das médias de variações do tempo ao

Leia mais

Distinguir os conjuntos

Distinguir os conjuntos A UU L AL A Distinguir os conjuntos Nesta aula, vamos acompanhar como os geógrafos distinguem conjuntos espaciais diferenciados na superfície da Terra. Vamos verificar que tais conjuntos resultam de diferentes

Leia mais

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo

O Clima do Brasil. É a sucessão habitual de estados do tempo O Clima do Brasil É a sucessão habitual de estados do tempo A atuação dos principais fatores climáticos no Brasil 1. Altitude Quanto maior altitude, mais frio será. Não esqueça, somente a altitude, isolada,

Leia mais

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia

Capítulo 5 A Geografia da União Europeia Capítulo 5 A Geografia da União Europeia A Europa é um Continente? América Do Norte EUROPA Ásia OCEANO ÁRTICO América Central África OCEANO PACÍFICO América do Sul OCEANO ATLÂNTICO OCEANO ÍNDICO Oceania

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

Grandes Ideias. CLIMAS QUENTES: Os. climas quentes situam-se, como o nome zona quente (entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio).

Grandes Ideias. CLIMAS QUENTES: Os. climas quentes situam-se, como o nome zona quente (entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio). PÁG: 1 / Os Climas do Mundo: CLIMAS QUENTES: Os climas quentes situam-se, como o nome indica, na zona quente (entre os trópicos de Câncer e de Capricórnio). 1. Clima Equatorial: Estação Quente e Húmida:

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos?

FATORES CLIMÁTICOS Quais são os fatores climáticos? Quais são os fatores climáticos? o Latitude A distância a que os lugares se situam do equador determina as suas características climáticas. Por isso, existem climas quentes, temperados e frios. o Proximidade

Leia mais

01- Sobre os diversos climas do planeta e suas características pluviométricas, assinale o que for correto.

01- Sobre os diversos climas do planeta e suas características pluviométricas, assinale o que for correto. PROFESSOR: Mariane Biteti BANCO DE QUESTÕES - CHTS - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== 01- Sobre os diversos climas

Leia mais

Massas de Ar e Frentes

Massas de Ar e Frentes Massas de Ar e Frentes Propriedades das Massas de Ar Massas de Ar adquirem as propriedades da superfície subjacente As massas de ar são classificadas de acordo com seu local de origem Características

Leia mais

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos!

Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento. Bons Estudos! EXERCÍCIO DE REVISÃO - GEOGRAFIA 6º ano Profª. Ms. Graziella Fernandes de Castro Queridos alunos, Para ajudá-los nos estudos, após resolver o exercício de revisão faça a correção a partir deste documento.

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com.

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º. Pré Universitário Uni-Anhanguera 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com. Lista de Exercícios-02-Bimestre II Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: 01 - (UNIVAG MT) (www.movimentodasartes.com.br)

Leia mais

Movimentos da Terra e suas consequências

Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra e suas consequências Movimentos da Terra A Terra descreve, como todos os outros planetas principais do Sistema Solar: Movimento de rotação movimento em torno de si própria, em volta

Leia mais

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA?

MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? MAS O QUE É A NATUREZA DO PLANETA TERRA? A UNIÃO DOS ELEMENTOS NATURAIS https://www.youtube.com/watch?v=hhrd22fwezs&list=plc294ebed8a38c9f4&index=5 Os seres humanos chamam de natureza: O Solo que é o conjunto

Leia mais

Índices Teleconectivos

Índices Teleconectivos Índices Teleconectivos NAO North Atlantic Oscillation ENSO El Niño Southern Oscillation Dinâmica do Clima Ana Picado 338 Carina Lopes 868 Introdução: Dinâmica do Clima A circulação atmosférica é bem conhecida

Leia mais

Plano de Estudo da disciplina de GEOGRAFIA 2014-2015. 3º Ciclo 8º Ano. (Decreto-Lei nº 139/2012 de 5 de julho) 2014-2015

Plano de Estudo da disciplina de GEOGRAFIA 2014-2015. 3º Ciclo 8º Ano. (Decreto-Lei nº 139/2012 de 5 de julho) 2014-2015 Plano de Estudo da disciplina de GEOGRAFIA 204-205 º Ciclo 8º Ano (Decreto-Lei nº 9/202 de 5 de julho) Organização e gestão do currículo Avaliação dos conhecimentos a adquirir e das capacidades a desenvolver

Leia mais

Terminologia Vegetal

Terminologia Vegetal Efeitos da latitude e da altitude sobre os biomas. Terminologia Vegetal Aciculifoliadas folhas em forma de ; Coriáceas folhas, e normalmente ; Decíduas antes de secas ou invernos rigorosos; Latifoliadas

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns.

Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. OS BIOMAS BIOMAS Conjunto de ecossistemas caracterizados por tipos fisionômicos vegetais comuns. ECOSSISTEMA Comunidade de organismos (biocenose) junto com o ambiente físico e químico (biótopo) no qual

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH

REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH REVISÃO UDESC GAIA GEOGRAFIA GEOGRAFIA FÍSICA PROF. GROTH 01. (UDESC_2011_2) Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), existem no Brasil oito Bacias Hidrográficas. Assinale a alternativa

Leia mais

As grandes paisagens naturais da Terra. - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude)

As grandes paisagens naturais da Terra. - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude) As grandes paisagens naturais da Terra - Regiões Polares: latitudes maiores que 66 Norte e Sul. (critério = latitude) > Pólo Norte (Ártico): compreende o Oceano Glacial Ártico, Noruega, Suécia e Finlândia,

Leia mais

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas

Clima, tempo e a influência nas atividades humanas As definições de clima e tempo frequentemente são confundidas. Como esses dois termos influenciam diretamente nossas vidas, é preciso entender precisamente o que cada um significa e como se diferenciam

Leia mais

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra

1. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra 1. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. Jefferson Oliveira Prof. ª Ludmila Dutra Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. Aula 6 Revisão e avaliação da unidade I. 2 Tempo Estado momentâneo da atmosfera. Determinada

Leia mais

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA)

CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) CORREÇÃO DA ORIENTAÇÃO PARA PROVA TRIMESTRAL = 8º ANO = DIA 25/10 (3ª FEIRA) BOM ESTUDO Profª Sueli Rocha CONTEÚDO: Os tipos de clima do continente Americano 01 Conceituar clima R: Clima é a seqüência

Leia mais

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA.

A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A interdependência entre os elementos na BIOSFERA. A biosfera contém inúmeros ecossistemas (conjunto formado pelos animais e vegetais em harmonia com os outros elementos naturais). Biomas: conjuntos dinâmicos

Leia mais