VirtualizaÅÉo. VirtualizaÅÇo x86. Tàcnicas de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VirtualizaÅÉo. VirtualizaÅÇo x86. Tàcnicas de Software"

Transcrição

1 104 VirtualizaÅÇo x86 VirtualizaÅÉo Na computaåéo, o software de virtualizaåço de x86 com emulaåéo de processador e hardware x86. Um "convidado" ou "virtual" OS pode funcionar como um processo em um "hospedeiro" ou "fàsica" do sistema com pouca ou nenhuma modificaåéo para o sistema operacional convidado. Uma mñquina virtual (VM) á um ambiente criado por um virtualizador (como o VirtualBox). Clientes executam sistemas operacionais em mñquinas virtuais. O cenñrio a seguir ilustra o tàpica virtualizaåéo x86 desktop: Um PC desktop padréo (a mñquina fàsica hospedeira) á executado a 32-bit sistema operacional Linux Ubuntu. A "VMware Player para Linux" [1] á executado no sistema. A compilaåéo padréo do Microsoft Windows XP (o sistema convidado) á instalado e executado no "VMware Player para Linux" como uma mñquina virtual x86. Os usuñrios vãem um desktop normal do Windows XP dentro da janela do aplicativo VMware Player com nenhuma instalaåéo ou hardware dedicado para a mñquina virtual. Os usuñrios podem iniciar e parar a mñquina virtual na vontade de usñ-lo como um computador fàsico executando um OS com acesso a hardware, rede local e ë Internet. A mñquina virtual aparece para a mñquina hospedeira do sistema operacional como um aplicativo nativo que criar e gerenciar uma coleåéo de arquivos no disco ràgido do hospedeiro e usa a memäria RAM da mñquina hospedeira quando estñ em execuåéo. Esse aplicativo nativo, um programa Linux, neste cenñrio, aåçes de entrada e saàda séo exibidas na Ñrea de trabalho virtual. Tàcnicas de Software VMware introduziu o primeiro produto de virtualizaåéo de x86 em 8 de Fevereiro de O "VMware Virtual Platform", foi baseado em pesquisas anteriores de fundadores da VMware na Universidade de Stanford. VMware arquivou para uma patente sobre suas tácnicas em Outubro de 1998, e recebeu Patente [2] em 28 de Maio de Software de virtualizaåéo VMware e similares para a famàlia de processador x86 deve empregar tácnicas de traduåéo binñria para interceptar e virtualizar a execuåéo de determinadas instruåçes. Estas tácnicas incorrer em alguma sobrecarga de desempenho em comparaåéo com uma VM em execuåéo em uma arquitetura nativa virtualizadora (como o IBM System/370 ou Motorola MC68020). Microsoft oferece trãs opåçes de produtos baseado virtualizaåéo x86 no Windows: Microsoft Virtual PC e Microsoft Virtual Server, baseado na tecnologia adquirida da Connectix e Hyper-V,mais soluåéo empresarial avanåada. SoluÅÇes em cädigo aberto incluir QEMU, Kernel-based Virtual Machine (em inglãs: KVM) e VirtualBox. Os sistemas de investigaåéo Denali, L4 e Xen fornecem alto desempenho de virtualizaåéo de x86 atravás da implementaåéo de uma mñquina virtual que difere do hardware primario. Esta abordagem, conhecida como paravirtualizaåéo, envolve portar sistemas operacionais para rodar em mñquina virtual resultante, que néo implementar as partes do conjunto de instruåçes x86 reais que séo difàceis de virtualizar. A partir da verséo 3.0 Xen suporta a virtualizaåéo completa com um sistema operacional convidado néo modificado. Isso pressupçe que o sistema hospedeiro suporta virtualizaåéo assistida por hardware (tais como Intel VT ou AMD-V).

2 VirtualizaÅÉo x Suporte de Hardware A arquitetura do processador x86, inicialmente, néo cumprir o "Formal Requirements for Virtualizable Third Generation Architectures", uma especificaåéo para a virtualizaåéo criado em 1974 por Gerald J. Popek e Robert P. Goldberg. Assim, os desenvolvedores acharam difàcil implementar uma plataforma de mñquina virtual na arquitetura x86, sem sobrecarga significativa na mñquina hospedeira. Em 2005 e 2006, Intel e AMD (trabalho independente) resolveu este problema criando novas extensçes "Processadoras" para a arquitetura x86. Embora a aplicaåéo efectiva das extensçes do processador diferem entre AMD e Intel, tanto alcanåar o mesmo objetivo. Ambos permitem um hypervisor da mñquina virtual para executar um sistema operacional modificado, sem incorrer em penalidades de desempenho significativo de emulaåéo. AMD VirtualizaÅÇo (AMD-V) AMD mercados de virtualizaåéo extensçes para arquitetura 64-bit x86 como AMD Virtualization, abreviado AMD-V. î ainda referida como "Pacifica", o processador AMD codenome interno do projeto pelo manual de usuñrio Xen (http://bits.xensource.com/xen/docs/user.pdf). Em 23 de maio de 2006, a AMD lanåou o Athlon 64 ( "Orleans"), o Athlon 64 X2 ( "Windsor") e o Athlon 64 FX ( "Windsor") como o primeiro processador AMD para suportar esta tecnologia. AMD-V tambám possui a capacidade Athlon 64 e Athlon 64 X2 famàlia de processadores com "F" ou "G" no soquete AM2 (néo o soquete 939), Turion 64 X2 e Opteron de 2nd geraåéo [3] e 3rd-geraÅÉo [4], Phenom e os processadores Phenom II. Processadores Apenas Sempron exceto Sable e Huron néo incluem suporte para processadores AMD-V. AMD Phenom Matriz da CPU ComeÅando com a linha Barcelona, AMD Opteron CPUs virtualizadoras uma tecnologia de hardware chamado Rapid Virtualization Indexing, posteriormente adaptado pela Extended Page Tables(EPT). Tecnologia de VirtualizaÅÇo da Intel para o x86 (Intel VT-x) Anteriormente denominados "Vanderpool", VT-x representa a tecnologia de virtualizaåéo da Intel para a plataforma x86. Intel inclui Extended Page Tables (EPT), [5] uma tecnologia de virtualizaåéo page-table [6] na arquitetura Nehalem. [7] [8] A partir de 2009 nem todos os recentes processadores Intel suportam VT-x - A Intel usa o recurso para o seu segmento de mercado. [9] Para uma completa lista e actualizada consulte o site da Intel. [10] Os seguintes processadores Intel inclui suporte para VT-x: [11]

3 VirtualizaÅÉo x Pentium e 672 Pentium Extreme Edition 955 e 965 (e néo Pentium 4 Extreme Edition com HT) Pentium D exceto 945, 935, 925, 915 Core Duo T2300, T2400, T2500, T2600, T2700 (Yonah) Core 2 Duo E6300, E6400, E6320, E6420, E6540, E6550, E6700, E6750, E6850 (Conroe) Core 2 Duo E5400, E7600, E8200, E8300, E8400, E8500, E8600 e algumas versçes do E7400 e E7500 (Wolfdale) Mobile Core 2 Duo T5500, T5600, T6670, T7100, T7200, T7250, T7300, T7400, T7500, T7600, Intel Core i7 CPU (Bloomfield) T7600G, T7700, T7800, U7500, L7200, L7300, L7400, L7500, L7700, U7500, U7600, U7700 (Merom) Mobile Core 2 Duo SU9300, SU9400, SU9600, SL9300, SL9380, SL9400, SL9600, SP9300, SP9400, SP9600, P7370, P7570, P8400, P8600, P8700, P8800, P9500, P9600, P9700, T8100, T8300, T9300, T9400, T9500, T9550, T9600, T9800, T9900 (Penryn) Core 2 Quad Q6600, Q6700 (Kentsfield) Core 2 Quad Q8400, Q8400S, Q9300, Q9400, Q9400S, Q9450, Q9550, Q9550S, Q9650 e algumas versçes do Q8300 (Yorkfield) Core 2 Extreme X6800 ( Conroe XE ) Core 2 Extreme QX6700, QX6800, QX6850 (Kentsfield XE) Core 2 Extreme QX9650, QX9770, QX9775 (Yorkfield XE) Xeon 3300 e +, 5000, 7000 series Atom Z520, Z530, Z540, Z550 (Silverthorne) Todos os processadores Intel Core i7 Todos os processadores Intel Core i5 Pentium Dual-Core E6300, E6500 e algumas versçes do E5300 e E5400* [12] Celeron E3200, E3300, E3400 (que serñ lanåado em 2010) Nota: Se néo tiver certeza se um processador Intel suporta Intel VT-x ou néo, verificar o Intel Processor Spec Finder [13] para obter informaåçes oficiais. Importante: Mesmo que alguns modelos parecem suportar Intel VT, nem todas as CPUs do mesmo modelo suportam. Exemplo: Intel Core 2 Duo T5500 parece suportar Intel VT [14], mas dos quatro modelos deste processador, [15] apenas um (SL9U8 [16] ) suporta Intel VT. IOMMU Uma entrada/saàda da unidade de gerenciamento de memäria (IOMMU) permite que as mñquinas virtuais hospedeiras usem diretamente os dispositivos perifáricos, tais como Ethernet, placas aceleradors grñficas e controladores de disco ràgido, atravás da DMA e remapeamento de interrupåçes. Tanto a AMD e a Intel lanåaram especificaåçes: A especificaåéo da AMD, "AMD-Vi" (anteriormente apenas IOMMU) "Intel Virtualization Technology for Directed I/O" (VT-d)

4 VirtualizaÅÉo x Uma nota aos convidados de 64-bit Pode-se executar um 64-bits em um 32-bit OS anfitriéo se o processador subjacente á executado em modo de 64 bits e suporta as extensçes de virtualizaåéo necessñrias. Nem todas as plataformas suportam isso. VirtualizaÅÇo de recursos de ativaåço Intel VT-x caracteràstica necessñria de ativaåéo na BIOS antes dos aplicativos fazerem uso dele. A maioria dos fabricantes de computador e placa-mée/bios/chipset o suporte esta desabilitado por padréo, mas basta ativar estñ opåéo. Software usando AMD-V e/ou Intel VT O seguinte software condicionalmente faz uso de recursos de tecnologia de virtualizaåéo: Kernel-based Virtual Machine(em inglãs: KVM) - um mädulo de Linux e o hypervisor. Ele suporta ambas as arquiteturas (AMD-V e VT-x) e requer uma delas. Suporta os clientes em tempo real. VirtualBox roda em Windows, FreeBSD, Linux, Mac OS X e Solaris. Ele oferece suporte a Intel VT e AMD-V. [17] Xen - um sistema operacional separado e independente, estruturada com o Xen hypervisor como a camada mais baixa e mais privilegiadas. Ele oferece suporte a Intel VT e AMD-V. Blue Pill (prova de conceito de malware) VMware ESX Server - tambám conhecido como vsphere. Produto de virtualizaåéo da VMware suporta Intel VT e AMD-V. [18] Hyper-V - Hyper-V - a plataforma da Microsoft/Hypervisor que á executado no Windows Server Ele requer Intel VT ou AMD-V. [19] LynxSecure - Secure MILS Hypervisor da LynuxWorks [20]. Suporta Intel VT-x e VT-d. Microsoft Virtual Server (tambám com a marca Microsoft Virtual PC ou o Virtual PC com Windows) - Virtual [21] [22] Server 2005 R2 SP1 oferece suporte a virtualizaåéo assistida por hardware. Oracle VM - Oracle VM Server á (licenåa GPL) usa o Xen hypervisor, enquanto que o Oracle VM Manager á de cädigo fechado. [23] Bochs á um emulador multiplataforma da plataforma x86. Isso quer dizer que ele pode executar SO's compilados para a plataforma x86. [24] Parallels Workstation e Parallels Desktop para Mac - hypervisor leve com suporte a Intel VT-x e AMD-V. Requer suporte de hardware para executar mñquinas virtuais de 64 bits. Parallels Server - Enterprise verséo do Parallels Workstation e Desktop para Mac. IrÑ suporte a IOMMU Intel VT-d. Requer suporte de hardware para executar mñquinas virtuais de 64 bits. Padded Cell - tecnologia de mñquina virtual da Green Hills Software [25] hospedados na INTEGRITY em tempo real do sistema operacional. Suporta ambas as arquiteturas. Real-Time Systems [26] RTS Real-Time Hypervisor para x86. Sun xvm - xvm Server, baseado no Xen em x64. Virtual Iron - suporta ambas as arquiteturas. VirtualLogix [27] - suporta ambas as arquiteturas. VMware Workstation, VMware Fusion, VMware Server Å a partir de 2009, as versçes recentes suportam ambas as arquiteturas. [28] VMware Server - Exige suporte de hardware para executar 64-bit mñquinas virtuais. TenAsys [29] Virtualization Platform EVM para Windows. Windows Virtual PC 7 [30] - (a partir de 2009 verséo mais recente do Microsoft Virtual PC, rodando no Windows 7) e XP Mode [31] (Windows da mñquina virtual XP rodando dentro do Windows 7).

5 VirtualizaÅÉo x acontis technologies [32] baseadas em x86 RTOSVisor que estñ disponàvel como Type1 e Real-Time Type2 Hypervisor, como Type2 néo exigir o Intel VT ou AMD-V e tambám suporta os processadores single core. [33] Wind River Hypervisor [34] fornece virtualizaåéo em tempo real para sistemas embarcados utilizando Intel VT. Convidados de 64 bits Em algumas plataformas, á possàvel executar um cliente de 64 bits em um 32-bit OS hospedeiro se o processador subjacente á executado no modo de 64 bits e suporta as extensçes de virtualizaåéo necessñria. [35] Exemplo cenérios de virtualizaåço x86 Executando uma ou mais aplicaåçes que néo séo suportados pelo sistema operacional hospedeiro Uma mñquina virtual rodando o sistema operacional convidado exigido poderia permitir que as aplicaåçes desejadas para ser executado, sem alterar o sistema operacional hospedeiro. AvaliaÅÉo de um sistema operacional alternativo O novo sistema operacional pode ser executado dentro de uma VM, sem alterar o sistema operacional hospedeiro. A virtualizaåéo de servidores Måltiplos servidores virtuais poderéo ser executados em um ånico servidor fàsico, a fim de aproveitar melhor os recursos de hardware do servidor fàsico. Duplicando ambientes especàficos Uma mñquina virtual pode, dependendo do software de virtualizaåéo utilizado, ser repetido e instalado em vñrias mñquinas. Criando um ambiente protegido Se um convidado OS rodando em uma mñquina virtual torna-se infectado com malware o sistema operacional do hospedeiro, a exposiåéo ao risco pode ser limitado, dependendo da configuraåéo do software de virtualizaåéo. Veja tambàm VirtualizaÅÉo de Desenvolvimento MÑquina virtual A comparaåéo da plataforma de mñquinas virtuais ComparaÅÉo da aplicaåéo de mñquinas virtuais Emulador VirtualizaÅÉo assistida por hardware VirtualizaÅÉo de rede ParavirtualizaÅÉo VirtualizaÅÉo de nàvel de sistema operacional

6 VirtualizaÅÉo x Referencias [1] / www. vmware. com/ products/ player [2] / www. google. com/ patents?vid= US [3] / www. amd. com/ us-en/ Processors/ ProductInformation/ 0,,30_118_8796_8806~111165,00. html# What are the main differences between Second-Generation AMD Opteron processors and first-generation AMD Opteron processors? [4] / www. amd. com/ us-en/ Processors/ ProductInformation/ 0,,30_118_8796_8806~119722,00. html# What virtualization enhancements do Third-Generation AMD Opteron processors feature? [5] Neiger, Gil; A. Santoni, F. Leung, D. Rodgers, R. Uhlig. " Intel Virtualization Technology: Hardware Support for Efficient Processor Virtualization (http:// download. intel. com/ technology/ itj/ 2006/ v10i3/ v10-i3-art01. pdf)". Intel Technology Journal 10 (3): 167Ä178. Intel. DOI: /itj (http:// dx. doi. org/ / itj ). [6] Gillespie, Matt ( ). Best Practices for Paravirtualization Enhancements from Intel Virtualization Technology: EPT and VT-d (http:/ / software. intel. com/ en-us/ articles/ best-practices-for-paravirtualization-enhancements-from-intel-virtualization-technology-ept-and-vt-d). Intel Software Network. Intel. PÑgina visitada em [7] First the Tick, Now the Tock: Next Generation Intel Microarchitecture (Nehalem) (http:// www. intel. com/ pressroom/ archive/ reference/ whitepaper_nehalem. pdf) (application/pdf). Intel. PÑgina visitada em [8] Technology Brief: Intel Microarchitecture Nehalem Virtualization Technology (http:// download. intel. com/ business/ resources/ briefs/ xeon5500/ xeon_5500_virtualization. pdf) (application/pdf). Intel ( ). PÑgina visitada em [9] / arstechnica. com/ microsoft/ news/ 2009/ 05/ r2e-microsoft-intel-goof-up-windows-7s-xp-mode. ars [10] / ark. intel. com/ VTList. aspx [11] Intel Processor Number Details (http:// www. intel. com/ products/ processor_number/ chart/ index. htm). Intel. Intel ( ). PÑgina visitada em [12] / ark. intel. com/ VTList. aspx [13] / processorfinder. intel. com/ [14] / ark. intel. com/ Product. aspx?id=27253 [15] / processorfinder. intel. com/ List. aspx?parentradio=all& ProcFam=0& SearchKey=t5500 [16] / processorfinder. intel. com/ details. aspx?sspec=sl9u8 [17] VirtualBox architecture (http:// www. virtualbox. org/ wiki/ VirtualBox_architecture). InnoTek. [18] / www. vmware. com/ products/ vsphere/ [19] / www. microsoft. com/ windowsserver2008/ en/ us/ hyperv-faq. aspx#setupandrequirements and / videos. techielife. com/ windows-server-2008-presentation-virtualization/ video-online/ 2008/ 11/ 28 [20] / www. lynuxworks. com/ virtualization/ hypervisor. php [21] Virtual Server 2005 R2 SP1 Beta 1 download link and availability details (http:// blogs. technet. com/ jhoward/ archive/ 2006/ 04/ 28/ aspx). technet.com ( ). [22] Virtual Server 2005 R2 SP1 - beta 2 feature listing (http:// www. microsoft. com/ windowsserversystem/ virtualserver/ downloads/ servicepack. mspx). Microsoft. [23] Oracle VM Technical Information (http:// www. oracle. com/ technologies/ virtualization/ technical. html) [24] Site Oficial do Bochs (http:// bochs. sourceforge. net/ ) [25] / www. ghs. com/ products/ rtos/ integrity_pc. html [26] / www. real-time-systems. com/ real-time_hypervisor/ index. php [27] / www. virtuallogix. com/ [28] Hardware and firmware requirements for 64bit guest operating systems (http:// kb. vmware. com/ selfservice/ microsites/ search. do?language=en_us& cmd=displaykc& externalid= ). VMware, Inc. ( ). PÑgina visitada em [29] / www. tenasys. com/ evm/ [30] / www. microsoft. com/ windows/ virtual-pc/ [31] / www. microsoft. com/ windows/ virtual-pc/ get-started. aspx [32] / www. acontis. de/ eng [33] AT-RTOSVisor: Real-time Hypervisor Plattform (http:// www. acontis. com/ produkte/ at-rtosvisor/ index. php), acontis technologies GmbH, retrieved on [34] / www. windriver. com/ products/ hypervisor/ [35] VMware Server FAQs: What does 64-bit operating system support mean? (http:// www. vmware. com/ products/ server/ faqs. html), VMware Inc. retrieved on

7 IBM System/ IBM System/370 O IBM System/370 (ou simplesmente, S/370) foi uma famàlia de mainframes da IBM lanåada em 30 de junho de 1970 como sucessora da sárie IBM System/360. A sárie mantinha compatibilidade reversa com o S/360, permitindo uma migraåéo fñcil para os utilizadores; isto, alám de uma performance aprimorada, eram os temas dominantes no lanåamento do produto. As novas caracteràsticas que o distinguiam do S/360 incluàam: capacidade padréo para processor dual; suporte total para memäria virtual e aritmática de 128 bits em ponto flutuante. Nem todas estas caracteràsticas, contudo, faziam parte do S/370 inicial quando do seu lanåamento. A sárie 370 de computadores possuàa arquitetura big endian de 32 bits (diferentemente dos microprocessadores de 32 bits, tal como a sárie x86, que utilizaram arquiteturas little endian). LigaÅÑes externas IBM 370 no Museu Virtual de InformÑtica [1] Museu do Computador - Processando Dados e mais Dados [2] ReferÖncias [1] / piano. dsi. uminho. pt/ museuv/ 1970ibm370. html [2] / www. museudocomputador. com. br/ hist_histbrasil2. php MÉquina virtual Na ciãncia da computaåéo, méquina virtual á o nome dado a uma mñquina, implementada atravás de software, que executa programas como um computador real. Uma mñquina virtual (Virtual Machine Ä VM) pode ser definida como Éuma duplicata eficiente e isolada de uma mñquina realñ. A IBM define uma mñquina virtual como uma cäpia isolada de um sistema fàsico, e esta cäpia estñ totalmente protegida. MÑquinas virtuais séo extremamente åteis no dia-a-dia, pois permitem ao usuñrio rodar outros sistemas operacionais dentro de uma janela, tendo acesso a todos os softwares que precisa. VirtualBox no Ubuntu rodando o Fedora 10 DefiniÅÇo O termo mñquina virtual foi descrito na dácada de 1960 utilizando um termo de sistema operacional: uma abstraåéo de software que enxerga um sistema fàsico (mñquina real). Com o passar dos anos, o termo englobou um grande nåmero de abstraåçes Ä por exemplo, Java Virtual Machine Ä JVM que néo virtualiza um sistema real.

8 MÑquina virtual 111 Ao invás de ser uma real, isto á, um computador real feito de hardware e executando um sistema operacional especàfico, uma mñquina virtual á um computador fictàcio criado por um programa de simulaåéo. Sua memäria, processador e outros recursos séo virtualizados. A virtualizaåéo á a interposiåéo do software (mñquina virtual) em vñrias camadas do sistema. î uma forma de dividir os recursos de um computador em måltiplos ambientes de execuåéo. Os emuladores séo mñquinas virtuais que simulam computadores reais. SÉo bastante conhecidos os emuladores devàdeogames antigos e os emuladores de microcomputadores, como o VMware, o Bochs e o VM VirtualBox, software livre da Oracle. Tipos As mñquinas virtuais podem ser divididas em dois tipos: Tipo 1: Sistema em que o monitor á implementado entre o hardware e os sistemas convidados (guest system). Tipo 2: Nele o monitor á implementado como um processo de um sistema operacional real, denominado sistema anfitriéo (host system). Tipos Hàbridos: Os monitores de tipo 1 e 2 raramente séo usados em sua forma conceitual em implementaåçes reais. Na prñtica, vñrias otimizaåçes séo inseridas nas arquiteturas apresentadas, com o objetivo principal de melhorar o desempenho das aplicaåçes nos sistemas convidados. Como os pontos cruciais do desempenho dos sistemas de mñquinas virtuais séo as operaåçes de I/O, as principais otimizaåçes utilizadas em sistemas de produåéo dizem respeito a essas operaåçes. Outra importante categoria de mñquinas virtuais séo as mñquinas virtuais para computadores fictàcios projetados para uma finalidade especàfica. Atualmente a mais importante mñquina virtual desta famàlia á a JVM (mñquina virtual Java). Existem simuladores para ela em quase todos os computadores atuais, desde computadores de grande porte atá telefones celulares, o que torna as aplicaåçes Java extremamente portñveis. Uma importante vantagem sem duvida de se escrever cädigo para uma mñquina virtual á a de se poder compilar o cädigo sem que seja perdida a portabilidade, melhorando-se a velocidade em relaåéo ë programaåéo interpretada, que tambám á portñtil, porám mais lenta, jñ que neste caso cada linha serñ traduzida e executada em tempo de execuåéo, e no caso da mñquina virtual cada mnemönico da mñquina virtual á convertido no equivalente em linguagem de mñquina (ou assembly) da mñquina real. Vantagens á Facilita o aperfeiåoamento e testes de novos sistemas operacionais. á Possibilita a comparaåéo de vñrios sistemas operacionais utilizando o mesmo equipamento. á Executa diferentes sistemas operacionais sobre o mesmo hardware, simultaneamente. á Simula alteraåçes e falhas no hardware para testes ou reconfiguraåéo de um sistema operacional, provendo confiabilidade e escalabilidade para as aplicaåçes. á DiminuiÅÉo de custos com hardware. á Facilidades no gerenciamento, migraåéo e replicaåéo de computadores, aplicaåçes ou sistemas operacionais. á ConfianÅa e disponibilidade: A falha de um software néo prejudica os demais serviåos.

9 MÑquina virtual 112 Desvantagens á Gerenciamento: Os ambientes virtuais necessitam ser, monitorados, configurados e salvos. Existem produtos que fornecem essas soluåçes, mas esse á o campo no qual estéo os maiores investimentos na Ñrea de virtualizaåéo, justamente por se tratar de um dos maiores contratempos na implementaåéo da virtualizaåéo. á Desempenho: Atualmente, néo existem mátodos consolidados para medir o desempenho de ambientes virtualizados. No entanto, a introduåéo de uma camada extra de software entre o sistema operacional e o hardware, o VMM ou hypervisor, gera um custo de processamento superior ao que se teria sem a virtualizaåéo. Outro ponto importante de ressaltar á que néo se sabe exatamente quantas mñquinas virtuais podem ser executadas por processador, sem que haja o prejuàzo da qualidade de serviåo. SeguranÅa Embora a mñquina necessite do sistema real para sua inicializaåéo, trabalha de maneira independente como se fosse outro computador, isto requer tambám um sistema de seguranåa independente, ou seja, a ocorrãncia de infecåéo por vàrus na mñquina virtual néo afeta a mñquina real. ReferÖncias Marcos Laureano, MÅquinas Virtuais e Emuladores - Conceitos, TÑcnicas e AplicaÄÖes [1]. Novatec Editora. ISBN Marcos Laureano, DetecÄÇo de IntrusÇo em MÅquinas Virtuais [2]. DissertaÅÉo de mestrado apresentada na Pontàficia Universidade CatÄlica do ParanÑ. Marcos Laureano, Carlos Maziero, VirtualizaÄÇo: Conceitos e AplicaÄÖes em SeguranÄa [3]. Mini-curso do VIII SimpÄsio Brasileiro em SeguranÅa da InformaÅÉo e de Sistemas Computacionais, Diogo Menezes Ferrazani Mattos, Vantagens e Desvantagens [4]. ReferÖncias [1] / www. novateceditora. com. br/ livros/ maquinasvirtuais/ [2] / www. laureano. eti. br/ projetos/ deteccao-de-intrusao-em-maquinas-virtuais/ [3] / www. ppgia. pucpr. br/ ~maziero/ lib/ exe/ fetch. php/ research:2008-sbseg-mc. pdf [4] / www. gta. ufrj. br/ grad/ 08_1/ virtual/ VantagenseDesvantagens. html

10 Emulador 113 Emulador Na computaåéo, um emulador á um software que reproduz as funåçes de um determinado ambiente, a fim de permitir a execuåéo de outros softwares sobre ele. Pode ser pela transcriåéo de instruåçes de um processador alvo para o processador no qual ele estñ rodando, ou pela interpretaåéo de chamadas para simular o comportamento de um hardware especàfico. O emulador tambám á responsñvel pela simulaåéo dos circuitos integrados ou chips do sistema de hardware em um software. Basicamente, um emulador expçe as funåçes de um sistema para reproduzir seu comportamento, permitindo que um software criado para uma plataforma funcione em outra. VisÇo geral Os ambientes computacionais geralmente séo formados por camadas. A quantidade e o papel de cada camada pode variar de acordo com o ambiente, e seu grau de dependãncia. Alguns ambientes séo puramente fàsicos como os terminais de mainframe, e portanto, sua emulaåéo cabe apenas o tratamento dos dados enviados do terminal ou para ele, e reproduzir a interaåéo com o usuñrio. Outros ambientes podem néo possuir um firmware (algumas vezes chamado de bios), sendo que os programas que seréo executados conhecem todo o hardware, e sua emulaåéo seria basicamente a interpretaåéo das chamadas ao hardware para reproduzir seu comportamento. Alguns ambientes possuem firmware mas néo possuem sistema operacional. Nestes casos serñ necessñrio emular tambám o firmware ou obter um com o fabricante. HistÄria O primeiro emulador foi criado em 1964 por Larry Moss, na ápoca funcionñrio da IBM, consistindo em um Software que fazia com que os programas criados para o 7070 mainframe rodassem na mais nova linha de computadores da IBM, os System/360. O emulador foi um sucesso e ajudou bastante o System/360 a se tornar um best-seller na dácada de PopularizaÅÇo A popularizaåéo dos emuladores veio junto com a Internet e os emuladores de vàdeo games. As imagens extraàdas de cartuchos de vàdeo games séo chamadas de ROMs e aliadas ë programaåéo em baixo nàvel de jogos para sistemas antigos tornou fñcil a possibilidade de criaåéo de emuladores de sistemas como o Chip-8 e depois de vàdeo games mais populares como o Atari 2600 e NES. Apesar de um emulador nem sempre ser a coisa mais fñcil de configurar, com pouco conhecimento hoje jñ á possàvel rodar um jogo de Playstation em um PC atravás de um emulador sem muitos problemas, muitas vezes atá com qualidade superior ao präprio vàdeo game, jñ que podem-se aplicar efeitos como anti-aliasing que o vàdeo game néo possui e rodar os jogos em resoluåçes muito mais altas que o original.

11 Emulador 114 AplicaÅÑes/Vantagens Rodar jogos de vàdeo games. Testar cädigos cross-compilado com maior facilidade. Reaproveitamento de softwares escritos para sistemas antigos. Rodar jogos de diferentes plataformas. Desvantagens Para obtermos uma execuåéo satisfatäria do sistema que estñ sendo emulado, ou seu uso em ambiente de produåéo, o emulador e o ambiente que o executa precisam possuir um desepenho superior ao do sistema original. Quanto maior a complexidade, ou a incompatibilidade entre o ambiente emulado e o que estñ executando o emulador, maior a complexidade da implementaåéo do emulador, e maior exigãncia de hardware. Alguns perifáricos e caracteràsticas do sistema original, por serem fàsicos, seréo emulados apenas em nàvel de software, podendo néo oferecer transparãncia ao usuñrio final. Uso comercial de emuladores Emuladores no geral O processo de emular néo constitui crime. VÑrios processos jñ foram movidos com este assunto e nenhum obteve ãxito. Um exemplo de um processo perdido foi o da Creative Labs fabricante da placa de som Sound Blaster, que na ápoca era hardware bñsico para algumas aplicaåçes que utilizavam sons. Outras placas de som emularam o hardware da Sound Blaster para ficarem compativeis com tais aplicativos. Quando emular esta associado a um hardware, com exemplo vàdeo games, o emulador faz o trabalho do console, que por sua vez necessita de Roms que á o Jogo copiado de um cartucho ou CD. As roms ou jogos para emuladores séo softwares como qualquer outro. Portanto á crime obter uma rom ou jogo e executñ-lo em um emulador ou hardware sem que vocã tenha o jogo original. Computadores em computadores Dentre os emuladores comerciais que emulam computadores estéo o Softmac que emula Macintosh no PC. Sistemas mais antigos como Atari ST tambám possuem emuladores oficiais entre eles o Gemulator. VÜdeo games em computadores LanÅado em 1999, o Virtual Game Station (VGS) foi um emulador de Playstation desenvolvido pela Connectix originalmente para Macintosh e posteriormente portado para PC. A Connectix sofreu aåçes judiciais por parte da Sony, desenvolvedora do Playstation. ApÄs algum tempo de batalhas judiciais, o emulador foi adquirido pela Sony e descontinuado. A empresa encerrou suas atividades em Tambám lanåado em 1999, o bleem! foi um emulador comercial de Playstation para PC desenvolvido pela bleem Company. Posteriormente ganhou uma verséo para Dreamcast, chamada de bleemcast!. A Sony tambám moveu aåçes judicias contra a bleem Company. Apesar da Sony néo ter vencido nenhum dos processos judiciais, os custos advocatàcios, o surgimento de emuladores gratuitos e o encerramento na produåéo do Dreamcast fizeram com que a bleem Company terminasse suas atividades em 2001.

12 Emulador 115 VÜdeo games em video games A Microsoft utiliza emulaåéo em seu console de nova geraåéo, o Xbox 360, para executar jogos de seu console anterior, o Xbox. O Live Arcade traz jogos antigos mas eles néo séo emulados e sim re-programados e rodam nativamente no hardware do console. A Sony usa um emulador para emular o PlayStation original no PlayStation Portable. Esse emulador tambám á usado em todos os modelos de PS3 para emular jogos do primeiro console. A Sony ainda usou um emulador de Emotion Engine nos modelos de 80GB/60GB-europeus para emular o PlayStation 2. Esse emulador á capaz de setar jogos do PS2 em altas resoluåçes: 720p e 1080p. A Nintendo usa extensamente emuladores no Wii Virtual Console. Entre os sistemas emulados, estéo o NES, Super Nintendo, Mega Drive, Neo-Geo, PC Engine e Nintendo 64. Entretanto, os jogos de Gamecube néo séo emulados e sim rodam nativamente no hardware do console. A partir de 2006 muitas empresas lanåaram jogos em coletüneas que rodam em um emulador. Esses emuladores oferecem uma emulaåéo mais refinada se comparada aos emuladores de terceiros. Entre as empresas/jogos estéo: Sega (Sega Genesis Collection) Namco (Namco Museum) Capcom (Capcom Classics Collection) Taito (Taito Classics) Atari (Atari Anthology) Recentemante algumas empresas embutiram jogos antigos emulados em jogos comerciais como um bönus para o jogador. Entre eles estéo: Prince of Persia: Sands of Time - (Prince of Persia original do PC) Ninja Gaiden (Xbox) - (Ninja Gaiden 1, 2 e 3 verséo NES) Tekken 5 - (Tekken 1, 2 e 3 de Playstation) Zelda: Wind Waker - (Zelda: Ocarina of Time de Nintendo 64) Uso nço-comercial (caseiro) de emuladores Muitos emuladores séo livres e programados por terceiros. SÉo denominados tambám de homebrews. Entre eles estéo: Computadores em computadores Algumas arquiteturas de computadores podem ser emuladas em outro computador. Entre eles o x86 (PC comum) (Bochs), o MSX (BRSMS), DOS (DOSBox), AmigaOS (WinUAE), Mac OS (PearPC). î importante esclarecer que um emulador á diferente de uma mñquina virtual usadas em sistemas como VMWare, VirtualPC e QEMU. Num emulador, todos os recursos do sistema séo processados nele ao contrñrio da virtualizaåéo que á uma ponte entre o hardware nativo e as chamadas do sistema operacional. Outro erro comum á dizer que o WINE á um emulador de Windows - ele á um conjunto de APIs que cria uma camada de compatibilidade ao contrñrio de emulador que processa todo sistema num ånico conjunto de software. Video games em computadores A lista de consoles de video games emulados á extensa, á raro um sistema néo ser emulado geralmenre os mais novos levam tempo para conseguir emular. Entre eles, o Xbox e o Gamecube ainda néo séo satisfatoriamente emulados apesar de existir emuladores prematuros para eles. O PlayStation 2 á bem emulado no PCSX2 mas necessita de um potente computador; O Dreamcast tambám á bem emulado no nulldc. O PlayStation Portable e Nintendo DS ainda néo séo 100% emulados, mas no caso do DS o emulador NO$GBA roda perfeitamente alguns jogos. Os videogames da nova geraåéo: Xbox 360 e PlayStation 3 néo séo emulados mas a histäria mostra que

13 Emulador 116 certamente seréo no futuro. JÑ o Wii jñ possui emulaåéo primñria a partir da verséo open-source do Dolphin (originalmente um emulador de GameCube). Video games em video games î possàvel emular consoles de videogames antigos num video game atual. Para isso os consoles devem estar destravados com um Modchip ou ter seu sistema firmware modificado para possibilitar o uso de programas néo-autorizados. O primeiro emulador a conseguir esse feito foi PNESX que possibilitou emular o NES num PlayStation. O Xbox por ser um PC x86 teve dezenas de emuladores convertidos e adaptados para ele. O PlayStation 2 e o Gamecube tambám tiveram emuladores para rodar Super Nintendo e Mega Drive. LigaÅÑes externas Em PortuguÖs Roxdownload - Desde 2004 o melhor site de emulaåéo do Brasil [1] Emuladores.com.br - Diversos Emuladores para Download. [2] EmuPortugal.info - VÑrios Emuladores para diversas consolas de videojogos. [3] SuperNES - Muitas ROMS para vocã [4] ArcadeBR - Site Brasileiro sobre Arcades [5] Emulabite - Portal de emulaåéo com download de emuladores e roms [6] Emuladores e Roms de diversos sistemas [7] RoxRoms [8] EmuladorTotal - Emuladores para quase todos consoles, computadores e arcades [9] MoreROMs - Acervo de emuladores e ROMs [10] SNK-Neofighters - Portal do qual faz parte o site do emulador NeoRageX [11] ZuQuEtO.CoM - Emuladores e Roms para diversos consoles dentre eles Atari, SNES, Mega Drive e etc. [12] Em InglÖs Emulation64 [13] Emulexgames [14] Ngemu [15] Vintage Gaming Emulators [16] Zophar - Diversos Emuladores. [17] ReferÖncias [1] / www. roxdownload. net/ emuladores [2] / www. emuladores. com. br [3] / www. emuportugal. info/ [4] / supernes. us/ [5] / www. arcadebr. com. br/ [6] / www. emulabite. com [7] / emuladoreseroms. buscasulfluminense. com [8] / www. roxroms. net/ [9] / www. emuladortotal. blogspot. com [10] / www. moreroms. info [11] / www. snk-neofighters. com [12] / www. zuqueto. com [13] / emulation64. com [14] / www. emulexgames. com [15] / ngemu. com

14 Emulador 117 [16] / www. vg-network. com [17] / www. zophar. net VirtualBox VirtualBox Desenvolvedor VirtualBox rodando Fedora, sob hospedeiro Ubuntu InnoTek, Oracle VersÉo estñvel (17 de Fevereiro de 2011) Sistema Op. Gãnero(s) LicenÅa Multiplataforma MÑquina virtual ProprietÑria/GPL PÑgina oficial [1] Portal das Tecnologias de informaåço VirtualBox á um software de virtualizaåéo desenvolvido pela Sun Microsystems que posteriormente foi comprada pela Oracle que, como o VMware Workstation, visa criar ambientes para instalaåéo de sistemas distintos. Ele permite a instalaåéo e utilizaåéo de um sistema operativo dentro de outro, assim como seus respectivos softwares, como dois ou mais computadores independentes, mas compartilhando fisicamente o mesmo hardware. HistÄria Criado pela empresa Innotek, inicialmente oferecia uma licenåa proprietñria, existia uma verséo do produto para uso pessoal ou de avaliaåéo sem custo. Em Janeiro de 2007 á lanåado a verséo VirtualBox OSE (Open Source Edition) com a licenåa GPL (GNU General Public License), verséo 2. Em Fevereiro de 2008 a empresa Innoteck á adquirida pela Sun Microsystems. No dia 20 de Abril de 2009 a Oracle compra a Sun Microsystems e todos o seu produtos, incluindo o VirtualBox. CaracterÜsticas O VirtualBox tem um desenho extremamente modular com interfaces de programaåéo interna bem definidas e um desenho cliente/servidor. Isso torna fñcil o controle de vñrias interfaces de uma sä vez. Por exemplo: vocã pode iniciar uma mñquina virtual em uma mñquina tàpica virtual de interface grñfica e, em seguida, controlar essa mñquina a partir da uma linha de comando, ou possivelmente remotamente. O VirtualBox tambám vem com um kit completo desenvolvimento de software: embora seja de cädigo aberto, vocã néo tem que cortar a fonte de escrever uma nova interface para VirtualBox. As definiåçes de configuraåéo de mñquinas virtuais séo armazenados em XML e séo totalmente independentes das mñquinas locais. Por isso, as definiåçes podem ser facilmente transferidos para outros computadores.

15 VirtualBox 118 O VirtualBox tem um software especial que pode ser instalado dentro das mñquinas virtuais Windows e Linux para melhorar o desempenho e fazer integraåéo muito mais perfeita. Entre os recursos fornecidos por essas adiåçes clientes séo integraåéo do ponteiro do mouse o e soluåçes arbitrñrias de tela (por exemplo, o redimensionamento da janela do cliente). Tal como muitos outras soluåçes de virtualizaåéo, para facilitar a troca de dados entre os hospedeiros e convidados, o VirtualBox permite a declaraåéo dos diretärios de certos hospedeiros como "pastas compartilhadas", que pode ser acessadas de dentro de mñquinas virtuais. Recursos restritos O VirtualBox possui uma sárie de recursos disponàveis somente na verséo completa. Por exemplo, ele implementa um controlador virtual USB e permite-lhe arbitrariamente ligar dispositivos USB em suas mñquinas virtuais sem ter que instalar um drivers de dispositivo especàfico ao host. Diferente de qualquer outro software de virtualizaåéo, o VirtualBox apäia inteiramente o padréo Remote Desktop Protocol (RDP). Uma mñquina virtual pode atuar como um servidor RDP, o que lhe permite "executar" a mñquina virtual remotamente em alguns serviåos que exibem os dados RDP. JÑ com o recurso de USB durante RDP, uma mñquina virtual que atua como um servidor RDP pode acessar dispositivos USB que estéo conectados ë RDP cliente. Dessa forma, uma poderosa mñquina servidor pode virtualizar um lote de serviåos que necessitam dados RDP e dispositivos USB conectados. LigaÅÑes externas Sàtio oficial [2] (em inglãs) ReferÖncias [1] / www. virtualbox. org/ [2] / www. virtualbox. org

16 VMware 119 VMware VMware Desenvolvedor VMware VersÉo estñvel 7.0 (2009) Red Hat Linux 9 rodando sob o VMware. Sistema Op. Gãnero(s) LicenÅa Multiplataforma MÑquina virtual, EmulaÅÉo ProprietÑria PÑgina oficial [1] Portal das Tecnologias de informaåço VMware á um software/mñquina virtual que permite a instalaåéo e utilizaåéo de um sistema operacional dentro de outro dando suporte real a software de outros sistemas operativos. Usando software de virtualizaåéo como o VMware á possàvel executar um ou mais sistemas operacionais simultüneamente num ambiente isolado, criando computadores completos (virtuais) a executar dentro de um computador fàsico que pode rodar um sistema operacional totalmente distinto. Do ponto de vista do utilizador e do software nem sequer se nota a diferenåa entre a mñquina real e a virtual. î muito usado em centros de dados, pois permite criar redundüncia e seguranåa adicional sem recorrer a tantas mñquinas fàsicas e distribuindo e aproveitando melhor os recursos das mñquinas hospedeiras. A empresa desenvolvedora A empresa desenvolvedora do VMware, a VMware Inc., localiza-se em Palo Alto, CalifÄrnia, Estados Unidos e á uma subsidiñria da EMC Corporation. O nome á um jogo de palavras com Virtual Machine (mñquina virtual), que á o nome tácnico dado a um sistema operacional rodando sob o VMware. VersÑes do produto VMware Workstation î voltado ao uso no desktop, em ambientes de desenvolvimento. Atualmente estñ na verséo 7.1.0, e roda em CPU's Intel e AMD de 32 e 64 bits. Permite rodar vñrios "computadores virtuais" dentro de um sistema operacional (windows, versçes GNU/LINUX, MAC OS, etc), cada um destes computadores pode rodar seu präprio sistema operacional. O computador simulado pode ter uma quantidade de RAM definida (atá 3600 MB no VMware 5.5.3; atá 8GB, desconsiderando limitaåçes do hardware, no VMware 6.0) e um disco virtual delimitado (atá 950GB)

17 VMware 120 Ele pode "simular" um drive de CD-ROM,drive de disquete, placas de rede (atá 3 no VMware 5.5.3; atá 10 no VMware 6.0 beta), discos ràgidos e portas USB (USB 1.1 na verséo 5.5.3; USB 2.0 na verséo 6.0). Recursos importantes: Possibilidade de "unir" vñrias mñquinas virtuais, permitindo que todas elas sejam iniciadas ou desligadas com um mesmo comando. Tambám á possàvel definir redes internas. Suporte a 3 modos de rede: Bridged (a mñquina virtual á vista como um outro computador na rede, com IP obtido via DHCP); NAT (a mñquina virtual se conecta ao computador host, que por sua vez se conecta ë rede); e Host-Only (a mñquina virtual apenas se conecta ao host). Possibilidade de criar registros instantüneos ("snapshots") de uma mñquina virtual num dado momento. Assim, á possàvel testar configuraåçes, e se elas derem errado pode-se reverter. VMware Server (anteriormente VMWare GSX Server) Voltado ao uso em servidores de pequeno e mádio porte. Tornou-se gratuito em 12 de Junho de î um produto de "entrada" para o mercado. Conta com boa parte dos recursos da verséo Workstation, e adiciona recursos åteis ao seu uso em servidores, como o gerenciamento remoto (usando uma verséo modificada do VNC). Isto resulta em perda de desempenho na interface grñfica, porám néo á um problema para servidores que rodam "headless", ou seja, sem monitor ou interface grñfica. VMware ESX Server Voltado ao uso em servidores de grande porte. î um sistema operacional dedicado, que usa um nåcleo proprietñrio, baseado no SimOS [2]. O Red Hat Linux á usado para prover os diversos serviåos, como gerenciamento remoto. Por rodar em um nàvel mais präximo do hardware, elimina-se o overhead de ter um sistema base, e aumenta-se a seguranåa. Por este motivo ele á usado em servidores de grande porte. VMware Player Executa mñquinas virtuais prontas; Oficialmente (VersÇes anteriores ë verséo 3.0), néo á possàvel criar mñquinas virtuais novas, mas á possàvel pular esta limitaåéo de 3 formas: Instalando uma verséo de avaliaåéo do VMware Workstation e criando mñquinas virtuais novas. Usando appliances (mñquinas virtuais fornecidas pela comunidade, que operam como soluåçes prontas, onde basta apenas rodar). Usando sites néo oficiais, como o EasyVMX [3]. Usando a verséo 3.0 ou superior. VMware Fusion Uma verséo para o Mac OS X rodando em Macintosh com CPU Intel. O produto se encontra em sua terceira verséo, com suporte inclusive a acereraåéo 3d por hardware. Pode-se obter uma verséo de teste [4]. Outros produtos VMware ThinApp, um programa que permite a criaåéo de "aplicaåçes portñteis" ("portable apps") VMware P2V, uma ferramenta para migrar servidores fàsicos para mñquinas virtuais. VMware VirtualCenter, uma ferramenta para centralizar o gerenciamento de instalaåçes do VMware. VMotion, uma ferramenta para transferir mñquinas virtuais entre servidores, de forma téo transparente quanto possàvel, resultando no mànimo de downtime (tempo com o servidor fora do ar)

18 VMware 121 Funcionamento Ao contrñrio de muitos mitos divulgados pela Internet, o VMware nço á um emulador. Vai a um nàvel mais baixo, onde o processador chega por vezes a executar diretamente o cädigo da mñquina virtual. Quando isto néo á possàvel, o cädigo á convertido de forma a que o processador néo precise trocar para o modo real, o que seria uma perda de tempo. Utilidade O VMware á åtil para: Ambientes de desenvolvimento, onde á necessñrio testar uma aplicaåéo em vñrias plataformas: Muitas empresas tãm produtos multiplataforma, que precisam ser testados em Windows e em diversas distribuiåçes do Linux. Ambientes de suporte, onde á necessñrio dar suporte a diversas aplicaåçes e sistemas operacionais. Um tácnico de suporte pode rapidamente usar uma mñquina virtual para abrir um ambiente Linux ou Windows. MigraÅÉo e consolidaåéo de servidores antigos: á muito comum vermos redes com diversos servidores antigos, que resultam em um custo de manutenåéo maior. Com o VMware podemos concentrñ-los em uma mñquina sä. ManutenÅÉo de aplicaåçes antigas e teste de sistemas novos: o uso do VMware para testar sistemas operacionais á um dos usos mais comuns do produto. Por exemplo, á possàvel usñ-lo para executar o Windows dentro do Linux ou o oposto. Manter a compatibilidade de hardware. Alguns hardwares néo tãm drivers para o Linux ou para versçes mais recentes do Windows. Neste caso, á possàvel usar hardwares (ligados pela porta paralela ou USB) com uma mñquina virtual. SimulaÅÉo de instalaåçes complexas de rede. ApresentaÅÉo de demonstraåçes de sistemas completos prontos a usar, tipicamente referidas como VMware appliances. Num ambiente protegido á tàpico usar balanceador de carga, vñrias firewall e 4 servidores fàsicos para alojar com seguranåa um ånico site que use servidor web e base de dados. Com mñquinas virtuais á possàvel criar redundüncia contra falhas e seguranåa adicional contra intruséo sem recorrer a tantas mñquinas fàsicas e distribuindo e aproveitando melhor os recursos das mñquinas hospedeiras. Desde a verséo ESX 3.0, virtualizaåéo com VMware pode ser utilizado para produåéo com total seguranåa. LimitaÅÑes Algumas limitaåçes do VMware: HÑ apenas suporte experimental ë aceleraåéo 3D, tornando o VMware inviñvel para o uso de jogos. Existem alguns problemas com o uso de placas de rede sem fio (Wireless), sendo necessñrio usar o modo NAT. NÉo hñ suporte para placas PCI. Funcionalidades Descrevendo as funcionalidades: Hypervisor: á o nucleo da soluåéo de virtualizaåéo, responsñvel por particionar, encapsular e isolar os recursos da maquina para a utilizacao em ambientes virtualizados. VMFS: VMware file system á a base para se criar o datacenter virtual e permite que sejam montados pools de recursos distribuidos. Virtual SMP Ä permite que maquinas virtuais tenham mais de um processador virtual. Update Manager Ä Automatiza e facilita o update no ESX server e em maquinas virtuais. Virtual Center Agent Ä agente que troca informacoes com o Virtual Center Management Server, para gerenciamento do pool de recursos

19 VMware 122 Consolidated Backup Ä facilita a realizacao de backups do datacenter virtual. HA - High availability Ä funcionalidade que permite que a infra-estrutura do datacenter virtual identifique que houve uma queda de um servidor fisico e em um tempo muito curto religue as maquinas virtuais que estavam naquele servidor fisico em outro. Vmotion Ä funcionalidade que permite movimentar um servidor virtual entre servidores fisico SEM DESLIGAMENTO DO SERVIDOR VIRTUAL. Essa caracteràstica á muito importante pois reduz significativamente as paradas planejadas de sistema, ao mesmo tempo em que se torna um excelente aliado na alocacao dinamica de recursos do pool (flexibilidade). Storage Vmotion Ä permite movimentar as maquinas virtuais entre dois storages para evitar gargalos de IO, sem desligamento do servidor virtual. DRS Å Distributed Resource Scheduler á uma funcionalidade que permite ao datacenter virtual fazer balanceamento de carga das maquinas virtuais para adequar-se a mudancas na demanda de cada aplicacao/maquina virtual. DPM Å Dynamic Power Management permite ao sistema reduzir o consumo de energia em momentos de baixo consumo de recursos.(***ainda néo recomendado para produåéo***) LigaÅÑes externas Sàtio oficial [1], onde o usuñrio pode fazer o download de uma verséo de avaliaåéo do VMWare Workstation, ou dos produtos freeware (Server e Player). Virtual Machine Marketplace, onde á possàvel obter mñquinas virtuais prontas [5] ReferÖncias [1] / www. vmware. com [2] / simos. stanford. edu/ [3] / www. easyvmx. com [4] / www. vmware. com/ products/ beta/ fusion/ [5] / www. vmware. com/ vmtn/ appliances/ directory/

20 Xen 123 Xen Para outros significados de Xen, ver Xen (desambiguaäço) Xen á um software livre de virtualizaåéo para as arquiteturas x86, x86-64, IA-32, IA-64 e PowerPC. Xen permite a execuåéo de vñrios sistemas operacionais, simultaneamente, sobre um mesmo hardware. VersÇes modificadas de Linux e NetBSD podem ser usadas como base. Diversos sistemas Unix modificados podem ser executados. Desde a verséo 3.0, o Microsoft Windows e outros sistemas operacionais podem ser executados sobre o Xen. Xen foi originalmente desenvolvido como um projeto de pesquisa na Universidade de Cambridge, liderado por Ian Pratt, fundador da XenSource, Inc. Em 15 de agosto de 2007, a XenSource foi adquirida pela Citrix System Inc. [1] pelo valor de 500 milhçes de dälares. A Citrix agora suporta o desenvolvimento do projeto open source e vende tambám uma verséo "empresarial" do software. O primeiro lanåamento påblico do Xen foi disponibilizado em LigaÅÑes externas Site oficial do projeto [2]. Hospedado pela Universidade de Cambridge. The Xen Wiki [3] University of Cambridge, Technical Report Number 553, January 2003 [4]. Early report outlining the architecture of Xen. Tutorial de InstalaÅÉo [5] Tutorial de InstalaÅÉo do Xen no Debian ReferÖncias [1] / www. xensource. com/ about/ Pages/ CitrixPJLLetter. aspx [2] / www. cl. cam. ac. uk/ Research/ SRG/ netos/ xen/ [3] / wiki. xensource. com/ xenwiki/ [4] / www. cl. cam. ac. uk/ TechReports/ UCAM-CL-TR-553. pdf [5] / wiki. forumdebian. com. br/ index. php/ Xen

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF.

ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I. Máquina Virtual. Instalação de S.O. em dual boot. 1º Semestre 2010 PROF. ETEC RAPOSO TAVARES GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS I Máquina Virtual Instalação de S.O. em dual boot 1º Semestre 2010 PROF. AMARAL Na ciência da computação, máquina virtual é o nome dado a uma máquina,

Leia mais

Virtualização para facilitar o gerenciamento

Virtualização para facilitar o gerenciamento Virtualização para facilitar o gerenciamento O atual desafio enfrentado pela indústria de tecnologia da informação (TI) é o de continuar produzindo sistemas menores, mais leves e mais rápidos e, ao mesmo

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

poupar o meio ambiente. O Gartner declarou que a TI verde é a tendência do ano em 2008. Se a questão for virtualizar aplicações

poupar o meio ambiente. O Gartner declarou que a TI verde é a tendência do ano em 2008. Se a questão for virtualizar aplicações Cenários de aplicação e tendências na área de virtualização CAPA São tantas opções... Apresentamos os principais fornecedores de soluções de virtualização em e examinamos detalhadamente suas características.

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNAMP 1 Motivação Infraestrutura de computação - 2000 1 PC 1 SO Vários Aplicativos Utilização Baixa < 25% App App App App App App App App X86 Windows XP X86 Windows 2003

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES CORPORATIVOS EM AMBIENTE WINDOWS COM MONITORAMENTO VIA ZABBIX CURITIBA 2013 Andrey Rafael Intima VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX *

MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * MÁQUINAS VIRTUAIS: AVENTURE-SE SEM MEDO NO UNIVERSO GNU/LINUX * Rodrigo Sacramento de Britto Almeida Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano RESUMO: Assim como os demais softwares livres,

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Virtualização: Conceitos e Aplicações em

Virtualização: Conceitos e Aplicações em Virtualização: Conceitos e Aplicações em Segurança Marcos Laureano e Carlos Maziero Centro Universitário Franciscano Unifae Pontíficia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Informática

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK VIRTUALIZAÇÃO DE SISTEMAS: Implementação com o VMware no Ambiente Servidor do Frigorífico Excelência VILA VELHA

Leia mais

Máquinas Virtuais com o VirtualBox

Máquinas Virtuais com o VirtualBox Máquinas Virtuais com o VirtualBox Marcos Elias Picão www.explorando.com.br No exemplo: Windows XP dentro do Windows 7 Você pode compartilhar livremente sem interesses comerciais, desde que não modifique.

Leia mais

História dos SOs. Tópicos

História dos SOs. Tópicos História dos SOs Cap. 1 - Tanenbaum Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Tópicos 1 1ª Geração 1ª Geração: 1945 a 1955 Computadores: em meados da década de 40 Máquinas

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 MO809L Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 Virtualização Virtualização Threads/processos: Modo de fazer mais coisas ao mesmo tempo. Concorrência - impressão de execução paralela em computador

Leia mais

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES 1 MEC SETEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX

AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX AULA 10 TUTORIAL VIRTUALBOX 1 Sumário Tutorial VirtualBox - Configurações e Utilização... 3 Requisitos Mínimos... 3 Compatibilidade... 3 Download... 3 Instalação do VirtualBox... 4 Criando a Máquina Virtual

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC

Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Executando o Modo Windows XP com Windows Virtual PC Um guia para pequenas empresas Conteúdo Seção 1: Introdução ao Modo Windows XP para Windows 7 2 Seção 2: Introdução ao Modo Windows XP 4 Seção 3: Usando

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Revisão sobre hardware de computadores 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

Sistemas Virtualizados

Sistemas Virtualizados Sistemas Virtualizados Julio Cesar S. Anjos 1, Mariano Nicolao 2 1 Laboratório de Inteligência Artificial e Computação em Grid Legere Sistemas Dinâmicos Pesquisa e Desenvolvimento - Campus ULBRA/Guaíba

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Virtualização. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.

Virtualização. Conceitos e Prática. Tópicos em Sistemas de Computação 2014. Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity. Virtualização Conceitos e Prática Tópicos em Sistemas de Computação 2014 Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Estagiário Docente: Vinícius Oliveira viniciusoliveira@acmesecurity.org

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 2 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

Recursos de Gerência e Administração Aplicados a Plataformas de Virtualização

Recursos de Gerência e Administração Aplicados a Plataformas de Virtualização Recursos de Gerência e Administração Aplicados a Plataformas de Virtualização Mirelle Daiara Vieira Freitas 1, Mateus da Silva dos Santos 1, Mateus Alexandre 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Segurança

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários

23/05/2013. Partes do Sistema Computacional. Hardware. Ciclo do Processamento de Dados HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS. Hardware Software Dados Usuários 2 Partes do Sistema Computacional HARDWARE: CONCEITOS BÁSICOS Software Dados Usuários Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística

Leia mais

Virtualização. Virtualização para facilitar o gerenciamento

Virtualização. Virtualização para facilitar o gerenciamento Virtualização Virtualização para facilitar o gerenciamento O atual desafio enfrentado pela indústria de tecnologia da informação (TI) é o de continuar produzindo sistemas menores, mais leves e mais rápidos

Leia mais

SeminarioSoftwareLivreNuvens_Xen.odp

SeminarioSoftwareLivreNuvens_Xen.odp Software Livre nas Nuvens - XEN Apresentador: Gunther Boeckmann Objetivos Objetivos Introduzir os conceitos básicos de virtualização: explicar os tipos existentes, citar suas principais características

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.2, Asura Pro 10.2, Garda 10.2...2 PlugBALANCEin 10.2, PlugCROPin 10.2, PlugFITin 10.2, PlugRECOMPOSEin 10.2, PlugSPOTin10.2,...2 PlugTEXTin

Leia mais

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais CAPA As boas tecnologias já existem. Conheça agora as ferramentas mais adequadas para gerenciar cada solução de virtualização.

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Sobre o Parallels Desktop 10 for Mac

Sobre o Parallels Desktop 10 for Mac Sobre o Parallels Desktop 10 for Mac O Parallels Desktop 10 for Mac é uma grande atualização para o premiado software da Parallels para executar o Windows em um Mac. Sobre essa atualização Esta atualização

Leia mais

Criando um PC virtual

Criando um PC virtual Criando um PC virtual Microsoft Virtual PC Introdução Se você não sabe o que é virtualização de PCs, ou nem tem idéia dos inúmeros benefícios trazidos por essa técnica, recomendo ler esta introdução feita

Leia mais

Dell Data Protection Rapid Recovery 6.0. Guia do usuário do DocRetriever for SharePoint

Dell Data Protection Rapid Recovery 6.0. Guia do usuário do DocRetriever for SharePoint Dell Data Protection Rapid Recovery 6.0 Guia do usuário do DocRetriever for SharePoint 2016 Dell Inc. Todos os direitos reservados. Este produto é protegido por leis de copyright e de propriedade intelectual

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

Sobre o Parallels Desktop 9 para Mac

Sobre o Parallels Desktop 9 para Mac Sobre o Parallels Desktop 9 para Mac O Parallels Desktop 9 para Mac é uma atualização importante do premiado software da Parallels para executar o Windows em um Mac. Sobre esta Atualização Esta atualização

Leia mais

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial

TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8. Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial TUTORIAL VMWARE WORKSTATION 8 Aprenda a instalar e configurar corretamente uma máquina virtual utilizando VMware Workstation com este tutorial INTRODUÇÃO O uso de máquinas virtuais pode ser adequado tanto

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Carlos A. M. dos Santos echo unixmania at gmail dot com sed 's/ at /@/;s/ dot /./g' 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Porto

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos GTA/POLI/UFRJ HTTP://www.gta.ufrj.br/ Abstract Nowadays, the concept of virtualization is being remembered as a possible solution, which has low

Leia mais

Sobre o Parallels Desktop 7 for Mac

Sobre o Parallels Desktop 7 for Mac Sobre o Parallels Desktop 7 for Mac O Parallels Desktop 7 for Mac é uma atualização importante do premiado software da Parallels para executar o Windows em um Mac. Sobre esta Atualização Esta atualização

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.0, Asura Pro 10.0, Garda 10.0...2 PlugBALANCEin 10.0, PlugCROPin 10.0, PlugFITin 10.0, PlugRECOMPOSEin 10.0, PlugSPOTin10.0,...2 PlugTEXTin

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

História. Pioneiros AMD

História. Pioneiros AMD História Pioneiros AMD Marco na História 1969 AMD estabelece sede em Sunnyvale, Califórnia. 1970 AMD lança seu primeiro contador Lógico. 1982 A pedido da IBM, AMD assina um acordo para servir como uma

Leia mais

Virtualização e kernel, vistos por dentro

Virtualização e kernel, vistos por dentro ehabkost@redhat.com Tchelinux Porto Alegre 2008 Nível: Avançado Escopo: Código e processo de desenvolvimento do kernel Pré-requisitos: Noções básicas sobre o kernel Linux e seu processo de desenvolvimento

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

40 ERAD 2009 Caxias do Sul, 17 a 20 de março de 2009

40 ERAD 2009 Caxias do Sul, 17 a 20 de março de 2009 40 ERAD 2009 Caxias do Sul, 17 a 20 de março de 2009 4.1. Introdução A virtualização e o uso de máquinas virtuais se tornaram um assunto destaque no mundo da tecnologia da informação (TI), apesar de não

Leia mais

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres

Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Virtualização de Máquinas Uma experiência baseada em ferramentas livres Carlos A. M. dos Santos echo unixmania at gmail dot com sed 's/ at /@/;s/ dot /./g' 1º Seminário de Software Livre Tchelinux Pelotas,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores 3º Ano Sistemas de Informação 2008 Aula 05A: Hub/Switch/Gateway Servidores e Virtualização Prof. Msc. Ricardo Slavov ricardo.slavov@aes.edu.br Roteiro Pedagógico HUB Switch Bridge

Leia mais

1. Introdução - contextos de aplicações

1. Introdução - contextos de aplicações Universidade Federal de Pelotas Sumário da Aula Fundamentos de Informática Aula 1 Noções sobre Informática, Hardware, Software e Plataformas Prof. Carlos R. Medeiros gil.medeiros@ufpel.edu.br Material

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

O que é um Sistema Operacional

O que é um Sistema Operacional Sistema Operacional O que é um Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware O sistema operacional é um programa especial que acorda a máquina e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO DESENVOLVIMENTO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Links importantes http://www.android.com/ Site oficial de toda a documentação, downloads e informações sobre a plataforma. http://developer.android.com/

Leia mais

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados

Análise Comparativa entre Sistemas Operacionais Virtualizados FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Trabalho de Diplomação Felipe Machado da Costa de Andrade 061247 Andre Marcos Silva (Orientador) Trabalho de Diplomação Análise Comparativa

Leia mais

Xen Básico sobre Plano de Fundo e Virtualização

Xen Básico sobre Plano de Fundo e Virtualização 1 Xen Básico sobre Plano de Fundo e Virtualização Xen é um monitor de máquina virtual (hipervisor) que permite que se O utilize um computador físico para executar muitos computadores virtuais por exemplo,

Leia mais

Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda.

Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda. Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda. Juciely de Mesquita Rodrigues jucielyrodrigues@msn.com FCTMT Rodrigo Ronner Tertulino da

Leia mais

XenServer 6 FREE. Autor: Marcos José Andrade Viana Analista de Infraestrutura de TI Embrapa Milho e Sorgo

XenServer 6 FREE. Autor: Marcos José Andrade Viana Analista de Infraestrutura de TI Embrapa Milho e Sorgo XenServer 6 FREE Autor: Marcos José Andrade Viana Analista de Infraestrutura de TI Embrapa Milho e Sorgo Conteúdo 1. Introdução... 1 2. Requerimentos para o XenServer... 2 3. Baixando Citrix XenServer

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Virtualização na arquitetura x86

Virtualização na arquitetura x86 Virtualização na arquitetura x86 Rodrigo Grumiche Silva grumiche@inf.ufsc.br Laboratório de Pesquisa em Sistemas Distribuídos Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina

Leia mais

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7 Página: 1 de 6 Introdução Este documento auxiliará na configuração das interfaces do VmWare. Solução Por padrão ao adicionar uma interface na VmWare ele configura como E1000 ou E1000e, mas em alguns casos

Leia mais

White Paper Replicação baseada em Hypervisor

White Paper Replicação baseada em Hypervisor Replicação baseada em Hypervisor Uma Nova Abordagem à Continuidade dos Negócios Recuperação de Desastres A Zerto introduziu uma solução de replicação de conhecimento virtual, exclusivo de software, de

Leia mais

Apresentação resumida

Apresentação resumida New Generation Data Protection Powered by AnyData Technology Apresentação resumida Para obter apresentação completa ou mais informações ligue (11) 3441 0989 ou encaminhe e-mail para vendas@dealerse.com.br

Leia mais

Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0

Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0 Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0 Data Responsável Versão Doc. Observação 23/11/2012 Camilo Ribeiro da Silva 2 Revisão Conteúdo Portabilidade para Servidor de Banco de Dados... 3 Níveis de Compatibilidade

Leia mais