ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL. Goiânia, 2S de

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL. Goiânia, 2S de"

Transcrição

1 Ofício Mens. no \5'1 /2013. ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL Goiânia, 2S de de A Sua Excelência o Senhor Deputado Estadual HELDER VALlN BARBOSA Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás Palácio Alfredo Nasser GOIÂNIA-GO Senhor Presidente, Encaminho à apreciação e deliberação dessa augusta Assembleia Legislativa o incluso projeto de lei que altera a Lei n , de 25 de novembro de 2011, e dá outras providências. A Lei a ser alterada dispõe sobre o Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Goiás e as modificações propostas visam corrigir distorções em face de demandas detectadas, alterando ou acrescentando dispositivos para eliminação de ambiguidades, além de preencher lacunas verificadas no momento de sua aplicação. Dentre as modificações introduzidas, relaciono a seguir, pela relevância, alguns dos dispositivos que serão alterados ou acrescidos nos termos do projeto em anexo. Ressalto que as demais alterações que não constituíram objeto de destaque dizem respeito a simples adequação da norma, com o fim de esclarecer algumas de suas disposições ou melhor distribuí-ias no texto da Lei. 1. Art. 6 : a nova redação visa à ampliação do rol de entidades autorizadas a firmar convênios com o Instituto ao incluir as organizações da sociedade civil de interesse PÚbli1S. organizações sociais, para fins de prestação

2 ,. ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL de serviços assistenciais aos respectivos empregados, desde que em vigor os contratos de gestão ou de parceria com o poder público. Essa permissão possibilitará o aumento da arrecadação, atenderá categorias advindas de contratos de prestação de serviços com administração pública estadual, possibilitando o acesso dos contratados ao sistema assistencial, bem como de seus empregados os quais, como contratados sob o regime da Consolidação das Leis Trabalhistas - CLT, assemelham-se aos detentores de contratos em regime temporário ou comissionados no âmbito da administração pública estadual. Nesse sentido, os empregados das 'OSs e OSCIPs que atuem nas ações/atividades vinculadas a contrato de gestão celebrado com o? Estado de Goiás, poderão ser admitidos como usuários conveniados do sistema assistencial gerido pelo Instituto, igualmente sujeitos às determinações legais aplicáveis aos demais servidores e detentores de cargo ou emprego públicos das diversas entidades autorizadas nos temos da vigente redação do dispositivo destacado. 2. Art. 7 : a alteração introduzida no capuf desse dispositivo visa possibilitar o oferecimento de serviços próprios, quais sejam, a realização de procedimentos ambulatoriais e pré-hospitalares, tanto na rede credenciada como nas unidades descentralizadas do Instituto, na Capital e interior do Estado, consolidando o novo modelo organizacional, com foco na inteira satisfação do usuário. o acréscimo do 9 3 objetiva o credenciamento de pessoas físicas e jurídicas, mediante edital de chamamento público, para prestação de serviços em "Regime Especial" de atendimento e remuneração (horários, locais, preços e agendamento diferenciados dos atuais), para suprir demanda ou deficiência de prestadores em determinadas localidades e/ou especialidades, além da realização de ajustes específicos no funcionamento dos denominados Programas Especiais e demais serviços previstos na legislação assistencial. Busca, ainda, viabilizar a implan~o de diversos projetos nas diferentes áreas de gestã~

3 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL (assistencial e administrativa) que estão em fase de desenvolvimento dentro de um conjunto de ações arrojadas que integram o programa "IPASGO MELHOR". Importa registrar a bem sucedida experiência vivenciada por intermédio de ajustes realizados para prestação de serviços de imagem, laboratório e oncologia clínica, recentemente contratados via edital de Chamamento Público n 02/2013, cujos termos de credenciamento incluíram planilha de preços diferenciados, com redução de até 30% (trinta por cento) sobre os valores atribuídos aos mesmos serviços da vigente Tabela de Procedimentos do IPASGO. 3. Art. 10.: a alteração do inciso IX atende à possibilidade de inscnçao de ex-cônjuge e de ex-companheiro(a) na condição de dependentes. Providência que atende a solicitações de servidor(a) que, em razão de vínculo funcional ao tempo de desfazimento do casamento ou união estável, fica responsável por financiar assistência à saúde ao ex-consorte, mais das vezes como parte de decisão judicial ao determinar as verbas alimentícias. O teor do inciso IX serve à harmonização da permissão inserta no capuf do art. 6, para definição dos usuários titulares inscritos por meio de ajuste com os órgãos e as entidades discriminados no dispositivo e, consequente, autorização da continuidade ou inscrição do ex-servidor ou ex-empregado de entidade conveniada no IPASGO Saúde, nos mesmos moldes atualmente permitidos ao titular ex-servidor estadual após a perda do vínculo funcional ou empregatício. Além disso, cuida de alterar o prazo para que o interessado faça a regularização como ex-servidor ou ex-empregado público nas condições autorizadas. A medida é justificada, também, pela necessidade de emprego de tratamento isonômico entre os usuários conveniados, não justificando separação de categorias, posto que todos estão sujeitos aos valores individualmente apurados em estudos técnicliespecíficos (cálculos atuariais). Há que se considerar, ainda, o respeito às regras direito do consumidor, bem como o impacto da aplicação dos 3

4 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL prazos de carência estabelecidos no art. 47, notadamente o período de 24 (vinte e quatro) meses para cobertura de doenças preexistentes. Acontece que ao término desse período os usuários que adquirem o direito à utilização dos serviços antes impedidos pela regra legal do fator moderador, muitas vezes são atingidos pela perda do vínculo funcional. Assim, não mais justificada a permanência da discriminação, em vista, inclusive, do pagamento de mensalidade em percentuais superiores (8,81% a 12,81% e de 14,48% a 18,48%), enquanto os servidores estaduais recolhem valores fixos de 6,81% e 12,81% sobre remuneração. Oportuna a referência de regra geral oriunda do órgão federal regulador dos serviços de saúde suplementar, pela edição da Resolução Normativa ~. - RN n 279, de 24 de novembro de ANS, com efeitos a partir de 1 de junho de 2012, alterando as regras que impedem a continuidade de ex-empregados demitidos sem justa causa ou aposentados, inscritos por intermédio de "plano de saúde empresarial ou contratos coletivos" firmados entre a operadora e o então empregador. Assim, com base em precedente de normativa federal, presentes o necessano amparo aos direitos do consumidor e a devida consideração à especificidade e natureza dos serviços de saúde, poderá o usuário continuar vinculado ao IPASGO, desde que assuma o pagamento integral da mensalidade e cumpra os demais requisitos legais para continuidade, não mais sendo obrigado a sair do Sistema em vista do rompimento de vínculo com a entidade contratante, por intermédio da qual foi inicialmente inscrito. O estabelecimento do prazo de até 5 (cinco) anos para opção como titular, além do incremento de receita necessário ao equilíbrio financeiro do Sistema, tanto atende à demanda reiteradamente gerada pela vontade do interessado em obter ou continuar com a proteção do plano assistencial, quanto possibilita onformidade dos procedimentos de cobrança dos créditos apurados e cobrados co o período quinquenal vigente, bem como contempla a necessidade de 4

5 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL "reposição" ou renovação nas diversas faixas etárias do quadro de usuários considerados hígidos ou de menor potencial de risco para sinistralidade imediata. Relativamente ao teor do 9 2 do dispositivo, foi inserida a permissão ao titular "separado judicialmente ou divorciado", na condição de servidor estadual, de optar pelo pagamento de mensalidade individual, conforme os valores da tabela elaborada com base em cálculo atuarial por faixa etária e modalidade de acomodação na internação. A medida resgata a isonomia de direitos em relação ao titular ou viúvo contemplado na versão normativa vigente. 4. Art. 47.: A proposta acresce os 99 4 e 5 ao dispositivo destacado para permitir que os potenciais usuários autorizados pela Lei n /11, que estejam vinculados a outro plano de saúde e desejam inscrever-se no Sistema IPASGO, façam a portabilidade dos períodos de carência que foram cumpridos no plano de origem. pedido será analisado mediante a comprovação da similaridade da lista dos procedimentos, exames e tratamentos que atestem o rol de cobertura obrigatório para os planos privados (em vista da ampla cobertura oferecida pelo IPASGO) e do período mínimo de 02 (dois) anos de inscrição até a data do requerimento no Instituto. Além de estimular a inclusão de usuário que pode ser inscrito no sistema assistencial e que não o faz em vista de prejuízo causado pelo cumprimento de novos períodos de carência, a medida permite o aumento de receita advinda de grupo considerado de baixo risco em relação à necessária e imediata utilização dos serviços. 5. Com pertinência aos dispositivos próprios constantes do incluso projeto de lei, entendo oportuno destacar apenas o art. 3, cuja proposta visa à regulamentação dos procedimentos pertinentes à recuperação dos créditos do IPASGO, por eio do contencioso administrativo e da execução judicial, conforme o visa instrumentalizar as unidades administrativas responsáveis pelos 5

6 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL referidos processos, possibilitando a apuração da liquidez, certeza e exigibilidade essenciais à legítima cobrança dos valores devidos ao Instituto, Por fim, Senhor Presidente, entendo que a presente matéria é peça fundamental para se materializarem as medidas que se revelaram necessárias à consolidação da reestruturação do Sistema IPASGO implementada pela Lei n /11, possibilitando o fortalecimento e aperfeiçoamento dos procedimentos vigentes, de modo a torná-los mais justos, eficazes e voltados para a essência da norma, que é oferecer a melhor assistência à saúde dos servidores do Estado de Goiás e demais usuários. Com essas razões e na expectativa de aprovação do projeto de lei ora encaminhado, solicito para sua tramitação o regime de urgência previsto no art. 22 da Constituição Estadual. Renovo a Vossa Excelência e a seus dignos pares protestos de elevada consideração.. F '~P '11.J"!Z>rZ-y arcom errelra en o umor GOVERNADOR SECC/JMCIEPSA 3337.all./el ipasgo 6

7 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS,DE DE.,I. " Alteraâ Lei n , de 25 de novembro de 2011, que dispoe>:sobre o Sistema de Assistência à Saúde do SerVidores do Estado de Goiás - IPASGO Saúde, e dá outras 'providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS, nos termos do art. 10 da Constituição Estadual, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 Os dispositivos a seguir enumerados da Lei n , de 25 de novembro de 2011, passam a vigorar com as seguinte alterações: "Art. 6 O IPASGO poderá, mediante celebração de cony~nio, incumbir-se da prestação de serviços de assistência à saúde dos servidores e empregados públicos dos órgãos e das entidades da administração direta e indireta da União, dos Estados e dos Municípios, bem como dos empregados das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público e Organizações Sociais, desde que vigentes contratos de gestão ou de parceria das Organizações com o poder público Art. 7 Os serviços assistenciais aos usuários do Sistema IPASGO Saúde serão oferecidos por intermédio da rede credenciada e, quando disponíveis, em unidades administrativas descentralizadas, na Capital e no Interior do Estado de Goiás, mediante contrato com pessoas físicas e jurídicas, cujas regras complementares serão estabelecidas no Regulamento Geral do Sistema de Credenciamento do Instituto, aprovado em ato do Conselho de Gestão.

8 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS ~ ~..qleg ~ 3 Conforme justificada e prévia publicação de edital de chamamento público, o IPASGO poderá realizar o credenciamento de pessoas físicas e jurídicas para prestação de serviços, em regime especial de remuneração e atendimento, para suprir demanda em determinadas especialidades e/ou localidades, bem como realizar contratos ou ajustes de parceria com profissionais e,entidades da área de saúde para viabilizar o funcionamento dos Programas Especiais e demais serviços de que trata esta Lei Art.,1 O... (, ),.,..~.. ;,.. IX - o ex-servidor estadual efetivo ou comissionado, o exocupante de emprego público estadual permanente ou admitido sob regime temporário, bem como o ex-servidor ou ex-empregado dos órgãos e das entidades autorizados no art. 6 desta Lei, que optar por sua continuidade no IPASGO Saúde ou nele se inscrever na condição de titular, no prazo de até 05 (cinco) anos, contados da data do ato do respectivo desligamento. ~ 2 O titular de cargo efetivo, emprego público estadual ativo ou inativo, de contrato por prazo determinado, de cargo comissionado, ou o pensionista dos cofres estaduais, comprovada a condição de solteiro, viúvo, separado judicialmente ou divorciado, poderá optar pelo IPASGO Saúde, mediante pagamento de mensalidade individual, conforme valores da tabela vigente, a faixa etária e o padrão de conforto da acomodação da internação. 2

9 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Art V -:-.os filhos: a) solteiros maiores de 18 (dezoito) anos; b) maiores de 18 (dezoito) anos, declarados inválidos ou incapazes após a maioridade, independentemente do estado civil, mediante contribuição individual e comprovação da alegada condição em procedimento administrativo específico. VII - o ex-cônjuge elou ex-companheiro(a) com ou sem direito a alimentos Os dependentes mencionados nos incisos IV, alínea "b", V, VI e VII do capuf deste artigo serão inscritos mediante pagamento de mensalidade individual indicada em tabela atuarial e descontada na conta corrente do titular, em valor correspondente de acomodação de internação. à faixa etária e ao padrão A perda da condição de solteiro para o filho e o neto de que tratam os incisos V, alínea "a", e VI do capuf deste artigo, respectivamente, implica a perda da condição de dependente e deve ser comunicada pelo responsável ao Instituto, para imediata exclusão e regularização do cadastro financeiro no caso de utilização indevida Art

10 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS (..) VII.- O titular solteiro, viúvo, separado judicialmente ou divorciado que optar pela modalidade de inscrição autorizada no ~ 2 0 do art. 10; ',' (:..),.. ~rt :. ( ) ~ 4 0 Fica autorizada a portabilidade dos prazos de carência cumpridos na operadora do plano de origem para o usuário que cumprir os requisitos legais de ingresso no Sistema IPASGO Saúde, independentemente da modalidade de contribuição a que estiver sujeito, mediante a comprovação do período mínimo de 02 (dois) anos de inscrição até a data do requerimento ao IPASGO, bem como da similaridade da lista dos procedimentos, exames e tratamentos que atestem o rol de cobertura mínima e obrigatória para os planos de saúde. ~ 50 O procedimento administrativo para regulamentação e realização da portabilidade dos períodos de carência contratual na forma autorizada no ~ 4 0 deste artigo será detalhado em ato normativo expedido pelo Presidente do IPASGO". (NR) Art. 2 Aos usuários inscritos na condição de parentes consanguíneos em linha reta ascendente, colateral ou por afinidade, de agregados, parentes em linha reta do titular e de conveniados por meio de entidades representativas de classe que, na data de vigência desta Lei, já estejam inscritos no IPASGO Saúde, fica garantido o direito de permanecerem no Sistema. 4

11 I,', GOVERNO 00 ESTAOO-OEGOIÁS'- I - "deixarem de satisfazer os requisitos para inclusão no Sistema até' à 'data dé vigência -desta' Lei, no caso de insuficiência de informações, documentação ou recolhimento a que derem causa; :" 11_ forem excluídos do cadastro de inscritos por qualquer motivo previstô na legislação aplicável ao controle de entrada e saída do Sistema. Art. 3 O direito do IPASGO de apurar e constituir seus créditos extingue-se após 5 (cinco) anos, contados: I' poderia ter sidd constituído; ;:: '. :1 :::: I.:...do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o crédito 1:1 ' da data em que se tornar definitiva a decisão que houver anulado, por vício formal, a constituição de crédito anteriormente efetuada. :' :: 9' 1 Os créditos do IPASGO, apurados em sua liquidez, exigibilidade e: cerlteza, serão inscritos em Dívida Ativa, conforme o caso, após esgotado o prazo de pagamento fixado em lei ou por decisão final em processo administrativo. 9 2 A apuração, inscrição via Termo Próprio, expedição da Certidão de Dívida Ativa para a cobrança pelo IPASGO e assim como o parcelamento de débitos serão disciplinados por ato da Presidência do Instituto, obedecido o disposto nas Leis nos6.830, de 22 de setembro de 1980, e , de 18 de janeiro de 2001, no que se refere aos procedimentos e prazos processuais para notificação, defesa e recursos. 9 3 A Dívida Ativa do IPASGO é composta, também, pelos valores correspondentes à respectiva atualização monetária, à multa e aos juros previstos em lei e demais encargos incidentes. 5

12 ". GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS ;, 9 4 A dispensa da constituição de créditos, sua inscrição ajuizam'ento, otl>servadosos critérios de custos de administração e cobrança, serão disciplinados em ato do Conselho de Gestão do IPASGO. 9 5 É de competência dos advogados públicos lotados no IPASGO a propositura de ações de execução judicial para cobrança da Dívida Ativa da Autarquia, 'garantidos a eles 50% (cinquenta por cento) dos honorários de sucumbência delas decorrentes, bem como das demais ações em que atuarem, nas " quais o Instituto figure como parte, sendo que a forma de distribuição da vantagem '. '. I - será disciplinada em ato da Presidência do Instituto. ' 9 6 Fica autorizada a criação do Cadastro de Devedores do IPASGO, devendo sua estrutura e seu funcionamento ser regulamentados em ato normativo do Conselho de Gestão do Instituto, sem prejuízo da inscrição do devedor em sistema de proteção ao crédito. Art. 4 Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. novembro de 2011; Art. 5 Fica revogado o art. 63 da Lei n , de 25 de Goiânia, de PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS, em de 2013, da República. SECC/JMCIEPSA 3337.a/t./ei ipasgo 6

13 ./

14

15 Ofício Mens. no \5'1 /2013. ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL Goiânia, Z de de A Sua Excelência o Senhor Deputado Estadual HELDER VALlN BARBOSA Presidente da Assembleia Legislativa do Estado de Goiás Palácio Alfredo Nasser GOIÂNIA-GO Senhor Presidente,.~p, Encaminho à apreciação e deliberação dessa augusta Assembleia Legislativa o incluso projeto de lei que altera a Lei n , de 25 de novembro de 2011, e dá outras providências. A Lei a ser alterada dispõe sobre o Sistema de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Goiás e as modificações propostas visam corrigir distorções em face de demandas detectadas, alterando ou acrescentando dispositivos para eliminação de ambiguidades, além de preencher lacunas verificadas no momento de sua aplicação. Dentre as modificações introduzidas, relaciono a seguir, pela relevância, alguns dos dispositivos que serão alterados ou acrescidos nos termos do projeto em anexo. Ressalto que as demais alterações que não constituíram objeto de destaque dizem respeito a simples adequação da norma, com o fim de esclarecer algumas de suas disposições ou melhor distribuí-ias no texto da Lei. 1. Art. 6 : a nova redação visa à ampliação do rol de entidades autorizadas a firmar convênios com o Instituto ao incluir as organizações da sociedade civil de interesse PÚbli! organizações sociais, para fins de prestação

16 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL de serviços assistenciais aos respectivos empregados, desde que em vigor os contratos de gestão ou de parceria com o poder público. Essa permissão possibilitará o aumento da arrecadação, atenderá cate.gorias advindas de contratos de prestação de serviços com administração pública estadual, possibilitando o acesso dos contratados ao sistema assistencial, bem como de seus empregados os quais, como contratados sob o regime da Consolidação das Leis Trabalhistas - CLT, assemelham-se aos detentores de contratos em regime temporário ou comissionados no âmbito da administração pública estadual. Nesse sentido, os empregados das 'OSs e OSCIPs que atuem nas ações/atividades vinculadas a contrato de gestão celebrado com o.~.p' Estado de Goiás, poderão ser admitidos como usuários conveniados do sistema assistencial gerido pelo Instituto, igualmente sujeitos às determinações legais aplicáveis aos demais servidores e detentores de cargo ou emprego públicos das diversas entidades autorizadas nos temos da vigente redação do dispositivo destacado. 2. Art. ]O: a alteração introduzida no capuf desse dispositivo visa possibilitar o oferecimento de serviços próprios, quais sejam, a realização de procedimentos ambulatoriais e pré-hospitalares, tanto na rede credenciada como nas unidades descentralizadas do Instituto, na Capital e interior do Estado, consolidando o novo modelo organizacional, com foco na inteira satisfação do usuário. o acréscimo do 9 3 objetiva o credenciamento de pessoas físicas e jurídicas, mediante edital de chamamento público, para prestação de serviços em "Regime Especial" de atendimento e remuneração (horários, locais, preços e agendamento diferenciados dos atuais), para suprir demanda ou deficiência de prestadores em determinadas localidades e/ou especialidades, além da realização de ajustes específicos no funcionamento dos denominados Programas Especiais e demais serviços previstos na legislação assistencial. Busca, ainda, viabilizar a implan~o de diversos projetos nas diferentes áreas de gestã~

17 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL (assistencial e administrativa) que estão em fase de desenvolvimento dentro de um conjunto de ações arrojadas que integram o programa "IPASGO MELHOR". Importa registrar a bem sucedida experiência vivenciada por intermédio de ajustes realizados para prestação de serviços de imagem, laboratório e oncologia clínica, recentemente contratados via edital de Chamamento Público n 02/2013, cujos termos de credenciamento incluíram planilha de preços diferenciados, com redução de até 30% (trinta por cento) sobre os valores atribuídos aos mesmos serviços da vigente Tabela de Procedimentos do IPASGO. 3. Art. 10.: a alteração do inciso IX atende à possibilidade de inscrição de ex-cônjuge e de ex-companheiro(a) na condição de dependentes. Providência que atende a solicitações de servidor(a) que, em razão de vínculo funcional ao tempo de desfazimento do casamento ou união estável, fica responsável por financiar assistência à saúde ao ex-consorte, mais das vezes como parte de decisão judicial ao determinar as verbas alimentícias. O teor do inciso IX serve à harmonização da permissão inserta no capuf do art. 6, para definição dos usuários titulares inscritos por meio de ajuste com os órgãos e as entidades discriminados no dispositivo e, consequente, autorização da continuidade ou inscrição do ex-servidor ou ex-empregado de entidade conveniada nolpasgo Saúde, nos mesmos moldes atualmente permitidos ao titular ex-servidor estadual após a perda do vínculo funcional ou empregatício. Além disso, cuida de alterar o prazo para que o interessado faça a regularização como ex-servidor ou ex-empregado público nas condições autorizadas. A medida é justificada, também, pela necessidade de emprego de tratamento isonômico entre os usuários conveniados, não justificando separação de categorias, posto que todos estão sujeitos aos valores individualmente apurados em estudos técnictis específicos (cálculos atuariais). Há que se consid.erar, ainda, o respeito às regras direito do consumidor, bem como o impacto da aplicação dos 3

18 ESTADO DE GoIÁs SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL prazos de carência estabelecidos no art. 47, notadamente o período de 24 (vinte e quatro) meses para cobertura de doenças preexistentes. Acontece que ao término desse período os usuários que adquirem o direito à utilização dos serviços antes impedidos pela regra legal do fator moderador, muitas vezes são atingidos pela perda do vínculo funcional. Assim, não mais justificada a permanência da discriminação, em vista, inclusive, do pagamento de mensalidade em percentuais superiores (8,81% a 12,81% e de 14,48% a 18,48%), enquanto os servidores estaduais recolhem valores fixos de 6,81% e 12,81% sobre remuneração. Oportuna a referência de regra geral oriunda do órgão federal regulador dos serviços de saúde suplementar, pela edição da Resolução Normativa ~ y. - RN n 279, de 24 de novembro de ANS, com efeitos a partir de 1 de junho de 2012, alterando as regras que impedem a continuidade de ex-empregados demitidos sem justa causa ou aposentados, inscritos por intermédio de "plano de saúde empresarial ou contratos coletivos" firmados entre a operadora e o então empregador. Assim, com base em precedente de normativa federal, presentes o necessano amparo aos direitos do consumidor e a devida consideração à especificidade e natureza dos serviços de saúde, poderá o usuário continuar vinculado ao IPASGO, desde que assuma o pagamento integral da mensalidade e cumpra os demais requisitos legais para continuidade, não mais sendo obrigado a sair do Sistema em vista do rompimento de vínculo com a entidade contratante, por intermédio da qual foi inicialmente inscrito. O estabelecimento do prazo de até 5 (cinco) anos para opção como titular, além do incremento de receita necessário ao equilíbrio financeiro do Sistema, tanto atende à demanda reiteradamente gerada pela vontade do interessado em obter ou continuar com a proteção do plano assistencial, quanto possibilita!j. o~ntf;ormidadedos procedimentos de cobrança dos créditos apurados e cobrados ~eriodo quinquenal vigente, bem como contempla a necessidade de 4

19 ESTADO DE GOIÁS. SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL "reposição" ou renovação nas diversas faixas etárias do quadro de usuários considerados hígidos ou de menor potencial de risco para sinistralidade imediata. Re'lativamente ao teor do S 2 do dispositivo, foi inserida a permissão ao titular "separado judicialmente ou divorciado", na condição de servidor estadual, de optar pelo pagamento de mensalidade individual, conforme os valores da tabela elaborada com base em cálculo atuarial por faixa etária e modalidade de acomodação na internação. A medida resgata a isonomia de direitos em relação ao titular ou viúvo contemplado na versão normativa vigente. 4. Art. 47.: A proposta acresce os SS 4 e 5 ao dispositivo \ destacado para permitir que os potenciais usuários autorizados pela Lei n i y /11, que estejam vinculados a outro plano de saúde e desejam inscrever-se no Sistema IPASGO, façam a portabilidade dos períodos de carência que foram cumpridos no plano de origem. pedido será analisado mediante a comprovação da similaridade da lista dos procedimentos, exames e tratamentos que atestem o rol de cobertura obrigatório para os planos privados (em vista da ampla cobertura oferecida pelo IPASGO) requerimento e do período mínimo de 02 (dois) anos de inscrição até a data do no Instituto. Além de estimular a inclusão de usuário que pode ser inscrito no sistema assistencial e que não o faz em vista de prejuízo causado pelo cumprimento de novos períodos de carência, a medida permite o aumento de receita advinda de grupo considerado de baixo risco em relação à necessária e imediata utilização dos serviços. 5. Com pertinência aos dispositivos próprios constantes do incluso projeto de lei, entendo oportuno destacar apenas o art. 3, cuja proposta visa à regulamentação dos procedimentos pertinentes à recuperação dos créditos do IPASGO, por eio do contencioso administrativo e da execução judicial, conforme o visa instrumentalizar as unidades administrativas responsáveis pelos 5

20 ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA CASA CIVIL referidos processos, possibilitando a apuração da liquidez, certeza e exigibilidade essenciais à legítima cobrança dos valores devidos ao Instituto. Por fim, Senhor Presidente, entendo que a presente matéria é peça fundamental para se materializarem as medidas que se revelaram necessárias à consolidação da reestruturação do Sistema IPASGO implementada p.ela Lei n /11, possibilitando o fortalecimento e aperfeiçoamento dos procedimentos vigentes, de modo a torná-los mais justos, eficazes e voltados para a essência da norma, que é oferecer a melhor assistência à saúde dos servidores do Estado de Goiás e demais usuários. Com essas razões e na expectativa de aprovação do projeto de lei ora encaminhado, solicito para sua tramitação o regime de urgência previsto no art. 22 da Constituição Estadual. elevada consideração. Renovo a Vossa Excelência e a seus dignos pares protestos de ~~tzarconi Ferreira Perillo JÚnlO~ 7 GOVERNADOR. r SECClJMClEPSA 3337.alt./ei ipasgo 6

21 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS LEI N, DE DE Alteraâ Lei n , de 25 de novembro de 2011, que dispõe> sobre o Sistema de Assistência à Saúde do SerVidores do Estado de Goiás - IPASGO Saúde, e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS, nos termos do art. 10 da Constituição Estadual, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 Os dispositivos a seguir enumerados da Lei n , de 25 de novembro de 2011, passam a vigorar com as seguinte alterações: "Art. 6 O IPASGO poderá, mediante celebração de,-',. conv~nio, incumbir-se da prestação de serviços de assistência à saúde dos servidores e empregados públicos dos órgãos e das entidades da administração direta e indireta da União, dos Estados e dos Municípios, bem como dos empregados das Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público e Organizações Sociais, desde que vigentes contratos de gestão. ou de parceria das Organizações com o poder público Art. r Os serviços assistenciais aos usuários do Sistema IPASGO Saúde serão oferecidos por intermédio da rede credenciada e, quando disponíveis, em unidades administrativas descentralizadas, na Capital e no Interior do Estado de Goiás, mediante contrato com pessoas físicas e jurídicas, cujas regras complementares serão estabelecidas no Regulamento Geral do Sistema de Credenciamento do Instituto, aprovado em ato do Conselho de Gestão.

22 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS /\~0;,:;ZS-:, /(v~ FOlrlAS'\:.~.': f ' \' ', /11).. I, n r. I é:v" I".,,~~..:.-o4 '. i'. ~r.llj.'." "-?'~IJ- i \'.\J~' '~ "'%::.. ;; '~~,.~~ '.- - \~ "",~[~ra I c("\::>.,'..~--~--... "'~ l---'-.~ ~~ ~ LEG 9 3 Conforme justificada e prévia publicação de edital de chamamento público, o IPASGO poderá realizar o credenciamento de pessoas físicas e jurídicas para prestação de serviços, em regime especial de remuneração e atendimento, para suprir demanda em determinadas especialidades elou localidades, bem como realizar contratos ou ajustes de parceria com profissionais e,entidades da área de saúde para viabilizar o funcionamento dos Programas Especiais e demais serviços de que trata esta Lei Art..~1O. (;..):; : IX - o ex-servidor estadual efetivo ou comissionado, o exocupante de emprego público estadual permanente ou admitido sob regime temporário, bem como o ex-servidor ou ex-empregado dos órgãos e das entidades autorizados no art. 6 desta Lei, que optar por sua continuidade no IPASGO Saúde ou nele se inscrever na condição de titular, no prazo de até 05 (cinco) anos, contados da data do ato do respectivo desligamento. 9 2 O titular de cargo efetivo, emprego público estadual ativo ou inativo, de contrato por prazo determinado, de cargo comissionado, ou o pensionista dos cofres estaduais, comprovada a condição de solteiro, viúvo, separado judicialmente ou divorciado, poderá optar pelo IPASGO Saúde, mediante pagamento de mensalidade individual, conforme valores da tabela vigente, a faixa etária e o padrão de conforto da acomodação da internação. 2

23 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Art. 15. (~..) v - os filhos: a) solteiros maiores de 18 (dezoito) anos; b)maiores de 18 (dezoito) anos, declarados inválidos ou incapazes após a maioridade, independentemente do estado civil, mediante contribuição individual e comprovação da alegada condição em procedimento administrativo específico. VII - o ex-cônjuge e/ou ex-companheiro(a) com ou sem direito a alimentos. 9 2 Os dependentes mencionados nos incisos IV, alínea "b", V, VI e VII do capuf deste artigo serão inscritos mediante pagamento de mensalidade individual indicada em tabela atuarial e descontada na conta corrente do titular, em valor correspondente à faixa etária e ao padrão de acomodação de internação A perda da condição de solteiro para o filho e o neto de que tratam os incisos V, alínea "a", e VI do capuf deste artigo, respectivamente, implica a perda da condição de dependente e deve ser comunicada pelo responsável ao Instituto, para imediata exclusão e regularização do cadastro financeiro no caso de utilização indevida Art. 41,. 3

24 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS VII- O titular solteiro, viúvo, separado judicialmente ou divorciado que optar pela modalidade de inscrição autorizada no 9 2 do art. 10; (o.. ) Art o 9 4 Fica autorizada a portabilidade dos prazos de carência cumpridos na operadora do plano de origem para o usuário que cumprir os requisitos legais de ingresso no Sistema IPASGO Saúde, independentemente da modalidade de contribuição a que estiver sujeito, mediante a comprovação do período mínimo de 02 (dois) anos de inscrição até a data do requerimento ao IPASGO, bem como da similaridade da lista dos procedimentos, exames e tratamentos que atestem o rol de cobertura mínima e obrigatória para os planos de saúde. 9 5 O procedimento administrativo para regulamentação e realização da portabilidade dos períodos de carência contratual na forma autorizada no 94 deste artigo será detalhado em ato normativo expedido pelo Presidente do IPASGO". (NR) Art. 2 Aos usuários inscritos na condição de parentes consanguíneos em linha reta ascendente, colateral ou por afinidade, de agregados, parentes em linha reta do titular e de conveniados por meio de entidades representativas de classe que, na data de vigência desta Lei, já estejam inscritos no IPASGO Saúde, fica garantido o direito de permanecerem no Sistema. 4

25 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS I ~6 L,,., ~ 'R. '», ~!l'~1 _ ~. \~ cn parágrafo único. Os usuários mencionados no 'cãp111~-déste In perdem definitivamente a condição de usuários do IPASGO Saúde, quando: I - -deixaremde satisfazer os requisitos para inclusão no Sistema até a data dé vigência.desta.lei, no caso de insuficiência de informações, documentação ou recolhimento a que derem causa; 11_ forem excluídos do cadastro de inscritos por qualquer motivo previsto na legislação aplicável ao controle de entrada e saída do Sistema. Art. 3 O direito do IPASGO de apurar e constituir seus créditos extingue-se após 5 (cinco) 'anos, contados: poderia ter sido:constituído; " I -do primeiro dia do exercício seguinte àquele em que o crédito :,: 11 -'- da data em que se tornar definitiva a decisão que houver anulado, por vício formal, a constituição de crédito anteriormente efetuada. " : 9' 1 Os créditos do IPASGO, apurados em sua Iiquidez, exigibilidade e; cetteza, serão inscritos em Dívida Ativa, conforme o caso, após esgotado o prazo de pagamento fixado em lei ou por decisão final em processo administrativo. 9 2 A apuração, inscrição via Termo Próprio, expedição da Certidão de Dívida Ativa para a cobrança pelo IPASGO e assim como o parcelamento de débitos serão disciplinados por ato da Presidência do Instituto, obedecido o disposto nas Leis nos6.830, de 22 de setembro de 1980, e , de 18 de janeiro de 2001, no que se refere aos procedimentos e prazos processuais para notificação, defesa e recursos. 9 3 A Dívida Ativa do IPASGO é composta, também, pelos valores correspondentes à respectiva atualização monetária, à multa e aos juros previstos em lei e demais encargos incidentes. 5

26 GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS,.)~ í(t:), u~.~\;),~., ~"<C \..~,.0\ ( FOLHAS J' feú.6. S { ~cp ~ ~ ::\. '< ~ " li 4 0 A ljispensa da constituição de créditos;':ilua..krlç;;o &I,~ ~<"?"r/-\ 1 é(j\,-;;"'" ajuiiam'enta, a~servadas as critérias de custas de administração. e cotitáiíça, serão. disciplinadas em ata da Canselha de Gestão. da IPASGO. S 5 É de campetência das advagadas públicas latadas na IPASGO a propasitura de ações de execução. judicial para cabrança da Dívida Ativa da Autarquia, garantidas a eles 50% (cinquenta par cento.) das hanarárias de sucumbência delas decarrentes, bem cama dás demais ações em que atuarem, nas '''i. quais a Instituto. figure côma parte, 'sendaque a farma de distribuição. da vantagem.,..... será disciplinada em ato.da Presidência do Instituto. S6 Ficaautarizada.a criação. da Cadastro de Devedares da IPASGO, devendo sua estrutura e seu funcianamenta ser regulamentados em ata normativa da Canselha de Gestão. da Instituto., sem prejuízo. da inscrição. da devedar em sistema de proteção. ao crédito.. Art. 4 Esta Lei entra em vigar na data de sua publicação.. navembra de 2011; Art 5 Fica revagada a art. 63 da Lei n , de 25 de Gaiânia, de PALÁCIO DO GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS, em de 2013, da República. SECClJMClEPSA 3337.alt.Iei ipasgo 6

27

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO

DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO DENOMINAÇÃO NATUREZA SEDE OBJETO DURAÇÃO A Caixa de Assistência dos Trabalhadores e Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo é pessoa jurídica de direito privado, constituída em Assembleia Geral

Leia mais

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000.

LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI Nº 1556, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2000. Institui o Plano de Custeio do Regime de Previdência dos Servidores Municipais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE DUQUE DE CAXIAS decreto e eu sanciono

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR N.º 64/2003 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui a Segunda Etapa do Programa de Recuperação de Créditos Fiscais do Município REFIS II e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACAJU. Faço saber que a Câmara Municipal de Aracaju aprovou

Leia mais

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Ministério da Saúde ANS Resolução Normativa RN Nº. 279, de 24.11.2011: Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU Nº. 20 e

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 279 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei nº 9.656, de 3 de junho de 1998, e revoga as Resoluções do CONSU nºs 20 e 21, de 7 de

Leia mais

Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul Sistema LEGIS - Texto da Norma LEC: 12.134

Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul Sistema LEGIS - Texto da Norma LEC: 12.134 Assembléia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul Sistema LEGIS - Texto da Norma LEC: 12.134 LEI COMPLEMENTAR Nº 12.134, DE 26 DE JULHO DE 2004. Dispõe sobre o IPE-SAÚDE e dá outras providências. O

Leia mais

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei.

LEI Nº 599/2011. Artigo 1 - As consignação Pública direta e indireta do Município de Novo São Joaquim são disciplinadas por esta Lei. LEI Nº 599/2011 DISPÕE SOBRE AS CONSIGNAÇÕES EM FOLHA DE PAGAMENTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS E DA OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEONARDO FARIAS ZAMPA, Prefeito Municipal de Novo São Joaquim MT faz saber

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS

ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS ADITIVO CONTRATUAL DE MANUTENÇÃO DE SEGURADOS DEMITIDOS OU APOSENTADOS Este aditivo é parte integrante do Seguro Saúde contratado pelo Estipulante abaixo indicado, bem como de suas Condições Gerais. Número

Leia mais

.1l.5 I:.~'JI. =-=II!-~I':::"~:::'-=-.=-.-J;'''''' .~:r. ._. ~..._~_4_. 4~"5=.V~::QI:aJ#e=.::-: .,. 'o-.:/?-:..,-e-. 0--.f--:R--::D-A-.C{t5ÃDAf..

.1l.5 I:.~'JI. =-=II!-~I':::~:::'-=-.=-.-J;'''''' .~:r. ._. ~..._~_4_. 4~5=.V~::QI:aJ#e=.::-: .,. 'o-.:/?-:..,-e-. 0--.f--:R--::D-A-.C{t5ÃDAf.. .1l.5 I:.~'JI. =-=II!-~I':::"~:::'-=-.=-.-J;'''''' 4~"5=.V~::QI:aJ#e=.::-:.~:r. - ~..._._-- - -ES:TADO:-:DE'G.OIAS._-"-'... _. R.._L_~.,. 'o-.:/?-:..,-e-. 0--.f--:R--::D-A-.C{t5ÃDAf..jIÃ PROCESSO LEGISlJITIVO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 254, DE 5 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre a adaptação e migração para os contratos celebrados até 1º de janeiro de 1999 e altera as Resoluções Normativas nº 63, de 22 de dezembro

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 4.247, DE 04 DE AGOSTO DE 2015. Dispõe sobre o Programa de Assistência Médica, Ambulatorial e Hospitalar no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES PARA OS DOCENTES SOBRE O PROCESSO DE ADESÃO AO PLANO IFES III

PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES PARA OS DOCENTES SOBRE O PROCESSO DE ADESÃO AO PLANO IFES III PLANO DE SAÚDE DO SERVIDOR CASU/UFMG INFORMAÇÕES PARA OS DOCENTES SOBRE O PROCESSO DE ADESÃO AO PLANO IFES III Com esta mensagem, a Pró-Reitoria de Recursos Humanos da Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015. Capítulo I Disposições Gerais PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº 38/2015 Institui o Programa de Recuperação Fiscal REFIS do Município de Jaboticabal, e dá outras providências. Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º Fica instituído, nos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2913, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2012. PUBLICADA NO DOE Nº 2110, DE 03.12.2012. Consolidada, alterada pela Lei nº: 3212, de 03.10.13 DOE nº 2312, DE 03.10.13. Autoriza a Procuradoria Geral do Estado de

Leia mais

Lei 18.469 de 30/05/2015

Lei 18.469 de 30/05/2015 Lei 18.469 de 30/05/2015 Publicado no Diário Oficial nº. 9442 de 30 de Abril de 2015 Súmula: Reestruturação do Plano de Custeio e Financiamento do Regime Próprio de Previdência Social do Estado do Paraná

Leia mais

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001/2009 DIREH, DE 17 DE SETEMBRO DE 2009 Dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para o ressarcimento, mediante auxílio

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal:

TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: Representante legal: TERMO DE ADESÃO A CONTRATO DE OPERAÇÃO DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Associado: Endereço: CNPJ: Inscrição Estadual: CEP: Telefone: Representante legal: RG: CPF: 1. Por este termo, o associado

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR

ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É um benefício concedido ao servidor, ativo ou inativo,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI Nº 9.656, DE 1998

REGULAMENTAÇÃO DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI Nº 9.656, DE 1998 REGULAMENTAÇÃO DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI Nº 9.656, DE 1998 Dezembro, 2011 Mauricio Ceschin Diretor-Presidente Art. 30 da Lei nº 9.656/98 Art. 30. Ao consumidor que contribuir para produtos de que tratam

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que:

VERSÃO 2013 (*) Para facilitar o entendimento do contido neste Regulamento Interno, fica definido que: REGULAMENTO INTERNO DO PLANO DE SAÚDE DA PATROCINADORA SERCOMTEL S.A. - TELECOMUNICAÇÕES, ADMINISTRADO PELA SUPRE (autorização pelo OFÍCIO Nº. 3141/SPC/COJ, DE 31/10/2000) 1. Da Finalidade VERSÃO 2013

Leia mais

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015

DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 DOU de 30/07/2015 (nº 144, Seção 1, pág. 73) DENATRAN - Departamento Nacional de Trânsito PORTARIA Nº 95, DE 28 DE JULHO DE 2015 Estabelece regras e padronização de documentos para arrecadação de multas

Leia mais

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS JAN/10 TERMO DE ADITAMENTO AO CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE PME ALTO TIETÊ - PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS O presente aditamento é parte integrante do Contrato de Assistência Médica

Leia mais

ROTINA DE COBRANÇA DE DÉBITOS DA AFRESP (Aprovada pela Portaria AFRESP nº 12/2013)

ROTINA DE COBRANÇA DE DÉBITOS DA AFRESP (Aprovada pela Portaria AFRESP nº 12/2013) ROTINA DE COBRANÇA DE DÉBITOS DA AFRESP (Aprovada pela Portaria AFRESP nº 12/2013) 1. O "Cadastro de Inadimplentes da AFRESP" (Cadin-AFRESP), criado pela Portaria AFRESP nº 12/2013, na Tesouraria da AFRESP,

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes, Assistidos

Leia mais

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014

Legislação Tributária ARRECADAÇÃO. Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Legislação Tributária ARRECADAÇÃO Ato: Lei Número/Complemento Assinatura Publicação Pág. D.O. Início da Vigência Início dos Efeitos 10057/2014 14-02-2014 14-02-2014 1 14/02/2014 14/02/2014 Ementa: Cria

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI COMPLEMENTAR Nº 11.977, DE 07 DE OUTUBRO DE 2003. (publicada no DOE nº 195, de 08 de outubro de 2003) Introduz

Leia mais

PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015)

PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015) PORTARIA Nº 4.896, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2005. (Republicação) (Texto compilado com as alterações da Portaria nº 2.592/2015) Institui, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, o Programa

Leia mais

PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014.

PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014. 1 PROJETO DE LEI N 017/2014, de 11 de Abril de 2014. Institui o programa de recuperação de créditos municipais, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Piratuba, Estado de Santa Catarina, no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014

PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 PROJETO DE LEI Nº 20.934/2014 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembleia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 252, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as regras de portabilidade e de portabilidade especial de carências, alterando as Resoluções Normativas nº 186, de 14 de janeiro de

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários.

Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Cartilha de Extensão de Benefício do Plano Empresarial aos Beneficiários. Contributários demitidos ou exonerados sem justa causa e/ou aposentados. www.saolucassaude.com.br 01_ DIREITOS E DEVERES DO BENEFICIÁRIO

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão GABINETE DO MINISTRO PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 342, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008 Altera a Portaria Interministerial nº 127/MP/MF/CGU, de 29 de maio de 2008,

Leia mais

Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde

Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde Diferenças entre adaptação e migração nos planos privados de assistência à saúde ADAPTAÇÃO MIGRAÇÃO Conceito É a alteração (aditamento) do contrato antigo, assinado antes de janeiro de 1999, para adequá-lo

Leia mais

PORTO SEGURO SEGURO SAÚDE

PORTO SEGURO SEGURO SAÚDE Prezados Senhores, Em 25/11/2011, a Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS publicou a Resolução Normativa nº 279, a qual regulamenta os artigos 30 e 31 da Lei 9656/98, tendo revogado as Resoluções

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

LEI Nº 13.450 DE 26 DE OUTUBRO DE 2015

LEI Nº 13.450 DE 26 DE OUTUBRO DE 2015 Salvador, Bahia Terça-feira 27 de Outubro de 2015 Ano C N o 21.805 LEI Nº 13.450 DE 26 DE OUTUBRO DE 2015 Altera dispositivos da Lei nº 9.528, de 22 de junho de 2005, que reorganiza o Sistema de Assistência

Leia mais

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste.

Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. A Diretoria

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº013/2003

TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº013/2003 TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº013/2003 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVA e eu, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO a seguinte lei

A CÂMARA MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, APROVA e eu, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO a seguinte lei PROJETO DE LEI N 0 1.971/06, de 21 de novembro de 2006. Cria cargos que especifica, fixa quantitativos, atribuições, vencimentos e regime jurídico, adequando-a a Emenda Constitucional Federal nº 51/06

Leia mais

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP

SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP SULAMÉRICA TRT 2ª REGIÃO / SP 1. OBJETO: 1.1. A presente proposta tem por objeto disponibilizar seguros saúde da Sul América Seguros Saúde S.A., operadora registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS Resolução nº 201/1989 Consolida a legislação que criou o Plano de Assistência Médica Suplementar. O Presidente do Instituto de Previdência do Estado do Rio Grande do Sul, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005.

DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. DECRETO Nº 7.622, DE 20 DE MAIO DE 2005. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no artigo 15, 3º da Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993 e artigo 11 da Lei Federal nº 10.520, de 17 de julho

Leia mais

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto

Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto Resolução Conjunta SF/PGE - 5, de 21-8-2008: Disciplina os procedimentos administrativos necessários ao recolhimento de débitos fiscais do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107

PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PUBLICADO DOC 17/11/2011, PÁG 107 PROJETO DE RESOLUÇÃO 03-00023/2011 da Mesa Diretora Institui no âmbito da Câmara Municipal de São Paulo Sistema de Consignação Facultativa em Folha de Pagamento na modalidade

Leia mais

DECISÃO Nº 049/2014 D E C I D E

DECISÃO Nº 049/2014 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 049/2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 10/01/2014, tendo em vista o constante no processo nº 23078.019657/13-31, de acordo com o Parecer nº 497/2013 da

Leia mais

R E S O L V E: Art. 2º Os beneficiários do Plano de Saúde classificam-se em titulares e dependentes.

R E S O L V E: Art. 2º Os beneficiários do Plano de Saúde classificam-se em titulares e dependentes. PORTARIA TRT Nº. 4.896, de 17 de novembro de 2005. Institui, no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, o Programa de Assistência Médica Hospitalar e Ambulatorial. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Orientador Empresarial FGTS Débitos Dos Empregadores Regularização Procedimentos CIRCULAR CAIXA Nº 351, DE 04 DE ABRIL DE 2005 - DOU

Leia mais

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais;

LEI Nº 2198/2001. A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2198/2001 INSTITUI O PROGRAMA DE INCENTIVO AO DESLIGAMENTO VOLUNTÁRIO NA PREFEITURA MUNICIPAL DE IBIRAÇU PDV A Prefeita Municipal de Ibiraçu, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições

Leia mais

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE

LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE LEI 11.438, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre incentivos e benefícios para fomentar as atividades de caráter desportivo e dá outras providências. * V. Dec. 6.180/2007 (Regulamenta a Lei 11.438/2006).

Leia mais

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados

Cartilha de Extensão de Benefício do. Beneficiários Contributários Demitidos. ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou. Aposentados Cartilha de Extensão de Benefício do Seguro-saúde Empresarial aos Beneficiários Contributários Demitidos ou Exonerados Sem Justa Causa e/ou Aposentados Dezembro / 2013 Índice Introdução... 02 1. Definições...

Leia mais

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006

DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 DECRETO N 28.265, DE 05 DE JUNHO DE 2006 05/06/2006 * Publicado no DOE em 08/06/2006. Regulamenta a Lei nº 13.707, de 7 de dezembro de 2005, que trata da compensação de crédito tributário com precatórios

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 19ª REGIÃO SECRETARIA DO TRIBUNAL PLENO TRIBUNAL PLENO RESOLUÇÃO ADMINISTRATIVA N. 02/2014 O PLENO DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DOS PLANOS DE ASSISTÊNCIA MÉDICO-HOSPITALAR E DE ASSISTÊNCIA ODONTOLÓGICA CONTRATADOS PELA ASTCERJ A utilização dos Planos de Assistência Médico-Hospitalar e de Assistência Odontológica

Leia mais

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num...

http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa.html?tipo=dec&num... Página 1 de 9 DECRETO 44945, DE 13/11/2008 - TEXTO ORIGINAL Altera o Decreto nº 44.046, de 13 de junho de 2005, que regulamenta a cobrança pelo uso de recursos hídricos de domínio do Estado, e o Decreto

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014

Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Portaria PGFN nº 164, de 27.02.2014 - DOU de 05.03.2014 Regulamenta o oferecimento e a aceitação do seguro garantia judicial para execução fiscal e seguro garantia parcelamento administrativo fiscal para

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº XXXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2008. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS

ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES E TERMINAIS RESOLUÇÃO N o 03/06 Aprova Manual de Instrução para Inscrição de Créditos do DETER, em Dívida Ativa.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 11 DE JULHO DE 2003

LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 11 DE JULHO DE 2003 LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 11 DE JULHO DE 2003 ALTERADO PELAS NORMAS: Lei Complementar nº 376, de 15 de dezembro de 2009; Lei Complementar nº 378, de 21 de dezembro de 2009; e Lei Complementar nº 539,

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos

LEI Nº 358/2011. Súmula: Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. Capitulo I. Objetivos LEI Nº 358/2011 Faço saber a todos os habitantes que a Câmara Municipal de Cafeara, Estado do Paraná aprovou e eu sanciono a presente Lei, que revoga a Lei nº. 084/92 de 17/09/1992. Súmula: Institui o

Leia mais

"Seção I Do Prazo de Permanência para a Portabilidade" (NR) "Seção II Dos Aspectos Operacionais Gerais da Portabilidade" (NR)

Seção I Do Prazo de Permanência para a Portabilidade (NR) Seção II Dos Aspectos Operacionais Gerais da Portabilidade (NR) CIRCULAR AHESP Nº 044/11 São Paulo, 06 de Julho de 2011 Att.: DIRETORIA ADMINISTRATIVA Ref.: MS/ANS/INSTRUÇÃO NORMATIVA-IN N.32, DE 04 DE JULHO DE 2011 Senhores Diretores: Segue abaixo íntegra da Instrução

Leia mais

Segundo o disposto na lei dos planos de saúde, o direito de permanência no contrato coletivo requer a presença de três requisitos:

Segundo o disposto na lei dos planos de saúde, o direito de permanência no contrato coletivo requer a presença de três requisitos: Blumenau, 01 de Junho de 2.012 Às Empresas Contratantes Ref.: Novas Regras para demitidos e aposentados Prezados Senhores A Lei dos Planos de Saúde (Lei n 9.656/98) confere direito de permanência nos contratos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei.

O GOVERNADOR DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte Lei. (*) Os textos contidos nesta base de dados têm caráter meramente informativo. Somente os publicados no Diário Oficial estão aptos à produção de efeitos legais. LEI Nº 3.545, DE 17 DE JULHO DE 2008. Publicada

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 5, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 5, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO CONJUNTO Nº 5, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2014 Estabelece procedimentos e prazos para abertura de créditos adicionais, no âmbito da

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº _105 /2014

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº _105 /2014 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR nº _105 /2014 Cria a TAXA DE PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E TURÍSTICA - TPAT, e acrescenta o Capítulo V ao Título III do Código Tributário Municipal e dá outras providências. A Câmara

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188)

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) RESOLUÇÃO CFM Nº 2.000/2012 (Publicada no D.O.U. 12 nov. 2012, Seção 1, p. 188) Fixa os valores das anuidades e taxas para o exercício de 2013 e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 526, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014. Altera dispositivos da Lei Complementar Estadual n.º 308, de 25 de outubro de 2005, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 14 DE JULHO DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para

Leia mais

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS

MUNICÍPIO DE PANAMBI RS DECRETO MUNICIPAL Nº 064/2014, DE 02 DE JULHO DE 2014. REGULAMENTA A LEI MUNICIPAL 3.681/2013, INSTITUIDORA DO FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA IDOSA E DA OUTRAS PROVIDENCIAS. Miguel Schmitt Prym,

Leia mais

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - PUBLICADO (A) NO JORNAL

Prefeitura Municipal de São José dos Campos - Estado de São Paulo - PUBLICADO (A) NO JORNAL PUBLICADO (A) NO JORNAL LEI COMPLEMENTAR N. 568, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2015. BOLETIM DO MUNICIPIO N ~~. de.j.f.j.jj.j.d.~ Institui o Programa de Pagamento Incentivado para os débitos tributários e não tributários

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009. RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 195, DE 2009. Dispõe sobre a classificação e características dos planos privados de assistência à saúde, regulamenta a sua contratação, institui a orientação para contratação

Leia mais

Marcones Libório de Sá Prefeito

Marcones Libório de Sá Prefeito Mensagem n. 010 /2015 Salgueiro, 14 de Setembro de 2015. Senhor Presidente, Senhores (as) Vereadores (as), Considerando os princípios de descentralização e transparência, que tem levado esta administração

Leia mais

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS

CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1 - OBJETIVO CAGEPREV - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS 1.1 Estabelecer normas para concessão de empréstimos aos participantes ativos e assistidos. 2 - QUALIFICAÇÃO PARA O EMPRÉSTIMO 2.1 Ser

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA Secretaria Geral de Governo

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA Secretaria Geral de Governo Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA MARIA Secretaria Geral de Governo DECRETO EXECUTIVO Nº 593/02, DE 31.12.2002. NORMATIZA A ADESÃO DE SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS AOS PLANOS DE

Leia mais

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46

WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 WORKSHOP Registro e Manutenção dos Produtos RN 356 IN-DIPRO 45 IN-DIPRO 46 NORMATIVOS Resolução Normativa nº 356, de 2014 Altera a RN nº 85, de 2004. Altera a RN nº 89, de 2003. Altera a RN nº 309, de

Leia mais

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012

PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012 Data do boletim informativo Volume 1, Edição 1 Di Vale-Cultura IRRF Tabela Progressiva Atuação do Psicólogo como Perito INFORMATIVO 02/2013 PROGRAMA DE CULTURA DO TRABALHADOR VALE-CULTURA Lei nº 12.761,

Leia mais

INFORMATIVO DA SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL SOBRE MUDANÇAS NO PLANSERV

INFORMATIVO DA SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAL SOBRE MUDANÇAS NO PLANSERV Universidade Estadual de Feira de Santana Autorizada pelo Decreto Federal n.º 77.496 de 27/04/76 Reconhecida pela Portaria Ministerial n.º 874/86 de 19/12/86 INFORMATIVO DA SUBGERÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços

Plano e Regulamento de Benefícios e Serviços TITULO I DEFINIÇÕES GERAIS DOS BENEFICIOS E SERVIÇOS CAPITULO I DA FINALIDADE Art.1. Este plano tem por finalidade estabelecer os benefícios e serviços da ABEPOM, bem como regulamentar os critérios, limites

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil

GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS Secretaria de Estado da Casa Civil LEI Nº 17.405, DE 06 DE SETEMBRO DE 2011. - Regulamentada pelo Decreto nº 8.039, de 28-11-2013. Dispõe sobre o Programa Bolsa Universitária.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PESSOA JURÍDICA PLANO PU

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO LEI N. 1.021, DE 21 DE JANEIRO DE 1992 "Define microempresa para efeito fiscal previsto na Lei Complementar n. 48/84 e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 01/99. A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares e regimentais, RESOLUÇÃO Nº 01/99 NORMAS DE ARRECADAÇÃO DIRETA MEDIANTE CONVÊNIO, alterações, aprova A PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DO SERVIÇO SOCIAL DA INDÚSTRIA, no uso de suas atribuições legais, regulamentares

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31604 de 10/02/2010 GABINETE DA GOVERNADORA LEI E MENSAGEM

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31604 de 10/02/2010 GABINETE DA GOVERNADORA LEI E MENSAGEM Número de Publicação: 69377 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31604 de 10/02/2010 GABINETE DA GOVERNADORA LEI E MENSAGEM L E I Nº 7.379, 8 DE FEVEREIRO DE 2010 Altera e acrescenta dispositivos na Lei nº 6.439, de 14

Leia mais

CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA

CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA CONVÊNIO DE RECIPROCIDADE E COOPERAÇÃO TÉCNICA OFERTA DE PLANO PRIVADO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE ODONTOLÓGICA BELO DENTE FAMILIAR E INDIVIDUAL Registro Produto nº. 455.668/06-2. SINCOR-MG, Sindicato dos Corretores

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Caxias do Sul DECRETO Nº 12.507, DE 17 DE OUTUBRO DE 2005. Altera dispositivos do Decreto nº. 4.067, de 15 de setembro de 1976 do Instituto de Previdência e Assistência Municipal (IPAM) e dá outras providências. JOSÉ

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 11 DE JULHO DE 2003 - D.O. 11.07.03.

LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 11 DE JULHO DE 2003 - D.O. 11.07.03. LC n.º Revoga Altera Acrescenta 376/2009 - Inciso III do art. 17-378/2009 - - 1.º e 2.º do art. 17 LEI COMPLEMENTAR Nº 127, DE 11 DE JULHO DE 2003 - D.O. 11.07.03. Autor: Poder Executivo Cria o Instituto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 315, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Altera as Resoluções Normativas - RN nº 85, de 7 de dezembro de 2004, que dispõe sobre

Leia mais

1. RELATÓRIO. É o relatório. 2. ADMISSIBILIDADE. 2.1 - Tempestividade.

1. RELATÓRIO. É o relatório. 2. ADMISSIBILIDADE. 2.1 - Tempestividade. PREGÃO ELETRÔNICO n. 07/2013 OBJETO: Contratação de pessoa jurídica de direito privado que opere plano de assistência à saúde, devidamente registrada e ativa na Agência Nacional de Saúde Suplementar, para

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais