Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais."

Transcrição

1 Nota Técnica. 001/2016 Assessoria Contábil. Assunto: Aspectos Orçamentos e Financeiros para operacionalização do componente Básico do Bloco da Assistência Farmacêutica considerando as formas de gestão trazidas pela Deliberação CIB-SUS/MG nº 2.164, de 19 de agosto de Ref: Resposta a diversas solicitações de Secretários Municipais de Saúde de e Técnicos dos Municípios de Minas Gerais. 1 Da análise e Fundamentação A Deliberação CIB-SUS/MG nº 2.164, de 19 de agosto de 2015 regulamenta o financiamento e a execução do Componente Básico do Bloco da Assistência Farmacêutica composto por medicamentos e insumo. Designa aos municípios a possibilidade em aderir a 03 (três) formas de gestão dos recursos relativos ao Bloco, a saber: Art. 2º (...) I - Totalmente Centralizado no Município (TCM): Os recursos financeiros dos gestores federal, estadual e municipal são depositados no Fundo Municipal de Saúde e aplicados pelo município na aquisição dos medicamentos e produtos definidos no Anexo I da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME) vigente. II - Parcialmente Descentralizado no Município (PDM): Os recursos financeiros dos gestores federal e municipal são depositados no Fundo Municipal de Saúde, sendo aplicados pelo município na aquisição dos medicamentos e produtos definidos no Anexo I da RENAME vigente. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE 3 O Estado fica responsável pela aplicação dos recursos relativos à sua contrapartida na aquisição e distribuição dos medicamentos e produtos definidos no Anexo I e III desta Deliberação. III - Totalmente Centralizada no Estado (TCE): Os recursos financeiros do gestor federal, estadual e municipal são depositados no Fundo Estadual de Saúde, sendo aplicados pelo estado na aquisição e distribuição dos medicamentos e produtos definidos no Anexo I e III desta Deliberação. 1

2 Em síntese, cabe esclarecer, como a própria redação da Deliberação dispõe, os recursos direcionados ao Bloco de Assistência Farmacêutica das fontes Federal, Estadual e Municipal poderão ser executados diretamente pelo Fundo Municipal de Saúde para aquisição de medicamentos e produtos definidos na Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (RENAME), respeitados os critérios da forma de gestão aderida. Estabelece ainda que o processo de execução orçamentária das ações e serviços no âmbito da Assistência Farmacêutica será elaborado com base nas diretrizes previstas na Portaria GM/MS nº 2.135, de 25 de dezembro de 2013, iniciando-se portanto com o processo de planejamento no sistema de saúde, onde os instrumentos Plano Municipal de Saúde e Programação Anual de Saúde deverão manter compatibilização com os instrumentos de planejamento e o orçamento do município, Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e a Lei Orçamentária Anual (LOA). Assim, considerando a organização Orçamento-Programa trazida pela Lei nº 4.320/1964 o ente municipal deverá adequar, ou mesmo criar o Programa relativo ao Componente Básico do Bloco da Assistência Farmacêutica no Plano Municipal de Saúde estipulando as ações e metas anuais na Programação Anual de Saúde e consequentemente ajustar o Plano Plurianual e a Lei Orçamentária Anual com esses instrumentos de planejamento da Saúde, respeitando a forma de gestão dos recursos escolhida. Desta feita, algumas questões dá ótica operacional contábil deverão ser observadas, em especial, caso o município opte pelas formas Parcialmente ou Totalmente Centralizadas dos recursos no município: Por tratar-se de recursos novos não autorizados anteriormente pela lei orçamentária anual e não constantes do orçamento fiscal, ou seja, proveniente de excesso de arrecadação o município solicitará ao legislativo 2

3 (Câmara Municipal) a alteração do orçamento anual por meio de autorização de créditos orçamentários adicionais especiais. Conforme normatiza a Lei 4.320/194 no art. 41, créditos adicionais especiais, são estimativas de recursos destinados a despesas para as quais não haja dotação orçamentária específica; Autorizado o credito adicional especial pelo Legislativo o Prefeito Municipal, por meio de decreto, abre o credito adicional e, portanto a dotação orçamentaria da despesa com medicamentos e insumos poderá ser executada. Fundamentação Lei 4.320/1964. Art. 40. São créditos adicionais, as autorizações de despesa não computadas ou insuficientemente dotadas na Lei de Orçamento. Art. 41. Os créditos adicionais classificam-se em: II - especiais, os destinados a despesas para as quais não haja dotação orçamentária específica; Art. 42. Os créditos suplementares e especiais serão autorizados por lei e abertos por decreto executivo. Art. 43. A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da existência de recursos disponíveis para ocorrer a despesa e será precedida de exposição justificativa. 1º Consideram-se recursos para o fim deste artigo, desde que não comprometidos: II - os provenientes de excesso de arrecadação IV - o produto de operações de credito autorizadas, em forma que juridicamente possibilite ao poder executivo realiza-las. 3º Entende-se por excesso de arrecadação, para os fins deste artigo, o saldo positivo das diferenças acumuladas mês a mês entre a arrecadação prevista e a realizada, considerando-se, ainda, a tendência do exercício. 3

4 Importante destacar, o ato que abrir o crédito adicional especial para as fontes Federal, Estadual e municipal deverá indicar a importância, a espécie do mesmo e a classificação da despesa, até onde fôr possível. Os recursos recebidos da União devem ser contabilizados na conta de receita Transferência de Recursos do SUS Bloco Assistência Farmacêutica. Já os recursos recebidos do Estado devem ser contabilizados na conta de receita Transferência de Recursos do Estado para Programas de Saúde Repasses Fundo a Fundo A organização orçamentária da despesa do Bloco da Assistência Farmacêutica deverá ser respeitado a classificação por Subfunções trazida pela Portaria MOG 42/99, sendo o código 303 Suporte Profilático e Terapêutico direcionado para o Programa. Logo, a classificação das Fontes e Destinação de Recursos introduzida pela Lei Complementar 101, art. 08º e o art. 50, que permite, no ato da ordenação da despesa, indicar precisamente com qual recurso do Bloco a despesa será paga, são: ESPECIFICAÇÃO DA FONTE E DESTINAÇÃO DE RECURSOS 1.02 Receitas de Impostos e de Transferências de Impostos Vinculados à Saúde Recursos provenientes dos impostos municipais, os quais devem ser classificados no código de receita (Impostos), e as transferências de impostos do Estado e União aos Municípios, destinados à saúde Transferências de Recursos do SUS para Assistência Farmacêutica Recursos transferidos para financiamento de ações de assistência farmacêutica, conforme dispõe a Portaria n 204/GM, de 29/01/2007, do Ministério da Saúde. 4

5 1.55 Transferências de Recursos do Fundo Estadual de Saúde Recursos de transferência do Estado para o Município, referentes ao Fundo Estadual de Saúde, que não sejam repassados por meio de convênios. Por fim, a classificação orçamentaria do Elemento de Despesa para medicamentos do Programa relacionado a Assistência Financeira Básica poderá ir até o subitem do elemento da despesa, conforme demonstrado abaixo: 30. Material de Consumo Medicamentos Medicamentos distribuídos para uso domiciliar Sugerimos a classificação no elemento de despesa material de consumo e não material de distribuição gratuita, por, tratar-se de programa de saúde com metas e indicadores sensíveis ás condições de saúde e não somente uma política pública atuante sobre determinantes sociais e econômicos, conforme previsto na LC 141/12. É o que nos cumpre informar. Belo Horizonte. 08/06/2016. Douglas Moreira Dias Contador CRC/MG

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO,

LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, LEI MUNICIPAL Nº. 284/2008 Nova Iguaçu de Goiás-GO, 09.12.2008 Estima a Receita e fixa a Despesa do município de NOVA IGUAÇU DE GOIÁS, para o exercício Financeiro de 2009 e dá outras providências. A CÂMARA

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado

Contabilidade Pública. Aula 2. Apresentação. Aula 2. Orçamento Público. O orçamento nacional deve ser equilibrado Contabilidade Pública Aula 2 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Aula 2 Orçamento Público: conceito e finalidades. O orçamento nacional deve ser equilibrado As dívidas públicas devem ser reduzidas...

Leia mais

CRÉDITOS ADICIONAIS suplementares, especiais extraordinários

CRÉDITOS ADICIONAIS suplementares, especiais extraordinários CRÉDITOS ADICIONAIS A Lei do Orçamento Anual tem vigência de um ano, constituindo-se em plano de trabalho do governo e instrumento delimitador de sua ação, pois durante a vigência da LOA, ou seja, durante

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAMBÉ DO MATO DENTRO MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE ITAMBÉ DO MATO DENTRO MINAS GERAIS LEI Nº 520/2011 Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Itambé do Mato Dentro para o Exercício de 2012. Eu, WAVEL DIAS LAGE, Prefeito do Município de Itambé do Mato Dentro, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

LEI N o 1043/2014 SÚMULA: Estima a Receita e fixa a Despesa para o Exercício Financeiro de 2015.

LEI N o 1043/2014 SÚMULA: Estima a Receita e fixa a Despesa para o Exercício Financeiro de 2015. LEI N o 1043/2014 SÚMULA: Estima a Receita e fixa a Despesa para o Exercício Financeiro de 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE CRUZEIRO DO IGUAÇU - ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ Gabinete do Presidente

ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ Gabinete do Presidente LEI MUNICIPAL Nº 2511 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA ORÇAMENTÁRIA DO MUNICÍPIO DE BARRA DO PIRAÍ PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2015. A Câmara Municipal de Barra do Piraí

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições O Orçamento Público é um Planejamento que gera um compromisso de um governo em relação às políticas públicas; Ele reflete

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 05/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 05/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 05/A QUESTÃO 16 A proposta orçamentária que o Poder Executivo encaminhará ao Poder Legislativo nos prazos estabelecidos nas Constituições e Leis Orgânicas dos

Leia mais

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei:

O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: LEI MUNICIPAL Nº 378, EM 11 DE OUTUBRO DE 2002. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA 2003 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Charrua, Estado do Rio Grande do Sul, FAÇO SABER que

Leia mais

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de Belém, para o exercício de 2016. O PREFEITO MUNICIPAL DE BELÉM, Faço saber que a CÂMARA MUNICIPAL DE BELÉM estatui e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º

Leia mais

FINANCIAMENTO FEDERAL

FINANCIAMENTO FEDERAL FINANCIAMENTO FEDERAL SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE O art. 198 da CF preconiza que as ações e serviços públicos de saúde - asps integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único organizado

Leia mais

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAUINI GABIENTE DA PREFEITA Ato do Poder Executivo

ESTADO DO AMAZONAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAUINI GABIENTE DA PREFEITA Ato do Poder Executivo LEI MUNICIPAL Nº245, de 30 de dezembro de 2014. Estima a Receita e fixa a Despesa do Orçamento Anual do Município de PAUINI, para o exercício financeiro de 2015. A Prefeita Municipal de Pauini, Estado

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAÚ DO TOCANTINS RUA02 ESQUINA COM AV. B Nº388 CENTRO CEP: FONE/FAX: /1108/1112 CNPJ:

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAÚ DO TOCANTINS RUA02 ESQUINA COM AV. B Nº388 CENTRO CEP: FONE/FAX: /1108/1112 CNPJ: LEI Nº. 393/2014, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2014. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO PARA O EXERCÍCIO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE JAÚ, Estado do Tocantins, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016

AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 AUDIÊNCIA PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E TECNOLOGIA DIRETORIA DE ORÇAMENTO

Leia mais

PROJETO DE LEI nº 13/14

PROJETO DE LEI nº 13/14 PUBLICAÇÃO nº 18/14 PROJETO DE LEI nº 13/14 Abre crédito adicional especial no valor de R$ 204.100,00 (duzentos e quatro mil e cem reais), destinados a aquisição e instalação de equipamentos de academia

Leia mais

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL BARRO ALTO

ESTADO DA BAHIA PREFEITURA MUNICIPAL BARRO ALTO LEI Nº 069/2009 De 31 de dezembro de 2009. Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de BARRO ALTO Ba, para o Exercício Financeiro de 2010. O PREFEITO MUNICIPAL DE BARRO ALTO, Estado da Bahia, no

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu LEI N o 3.941, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, para o exercício financeiro de 2012. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 30 de setembro de 2014. MENSAGEM Nº 036/2014. Exmo. Sr. Francisco Ricardo Gattini DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Com os nossos cordiais cumprimentos,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2016

PROJETO DE LEI Nº /2016 PROJETO DE LEI Nº 028-03/2016 DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DE 2017, e dá outras providências. IRINEU HORST, Prefeito Municipal de Colinas, RS, no uso de suas atribuições e

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social. Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social fevereiro / 2011 O PLANEJAMENTO E A EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA DO SUAS Bases Legais do Financiamento Instrumentos

Leia mais

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015

LEI Nº , DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 Orçamento do Estado 2016 Governo do Estado de São Paulo LEI Nº 16.083, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2015 Orça a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício de 2016. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO:

Leia mais

Diário Oficial Eletrônico Nova Londrina - Paraná

Diário Oficial Eletrônico Nova Londrina - Paraná 1 CONTRATANTE: MUNICÍPIO DE NOVA LONDRINA-PR CNPJ/MF sob nº 81.044.984/0001-04 CONTRATADO: JOBER DISTRIBUIDORA LTDA ME CNPJ sob nº 10.934.378/0001-16 Pregão Presencial n.º 054/2013 DA PRORROGAÇÃO DO PRAZO

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Principais Pontos da Lei Orçamentária A Lei Orçamentária Anual é a peça de planejamento que detalha quais recursos serão aplicados nos programas de governo,

Leia mais

LEI N , DE 3º DE SETEMBRO DE 2014

LEI N , DE 3º DE SETEMBRO DE 2014 Poder Executivo LEI N. 2.321, DE 3º DE SETEMBRO DE 2014 Altera a Lei n. 2159/2013 (PPA exercício 2014/2017), a Lei n. 2160/2013 (LDO exercício de 2014) e alterações e abre Crédito Suplementar na Lei n.

Leia mais

LEI N , de 06 de abril de A Prefeita do Município de Mato Leitão, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI N , de 06 de abril de A Prefeita do Município de Mato Leitão, Estado do Rio Grande do Sul. LEI N. 2.385, de 06 de abril de 2016. INCLUI AÇÕES NO PLANO PLURIANUAL PPA, NA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO, ABRE CRÉDITOS ADICIONAIS ESPECIAIS E SUPLEMENTARES NO ORÇAMENTO DO MUNICÍPIO, E DÁ OUTRAS

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação)

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO (continuação) III. VEDAÇÕES ORÇAMENTÁRIAS A vedação, tratada pelo art. 167, da CF, é dividida em 2 tópicos: a) Execução Orçamentária (limitações a serem aplicadas no

Leia mais

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento

O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento O sistema orçamentário como parte do sistema de planejamento Eleições Programas partidários Coalisão Plataforma eleitoral Plano de Desenvolvimento e outros em andamento na Administração Pública Médio prazo

Leia mais

Conforme o artigo 7º da Lei estadual nº 9.277/2010, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010:

Conforme o artigo 7º da Lei estadual nº 9.277/2010, que dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da Lei Orçamentária para o exercício de 2010: MANUAL DE DESCENTRALIZAÇÃO DE CRÉDITO Vitória, 06 de abril de 2010 1. Objetivo O objetivo deste documento é especificar as rotinas contábeis para o registro da Descentralização Orçamentária. 2. Nome Descentralização

Leia mais

Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina.

Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina. DECRETO N o 2.879, de 30 de dezembro de 2004 Aprova a Classificação das Fontes de Recursos para o Estado de Santa Catarina. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0013/2009

NOTA TÉCNICA Nº 0013/2009 NOTA TÉCNICA Nº 0013/2009 Brasília, 25 de novembro de 2009. ÁREA: Área de Saúde TÍTULO: Inscrição do Fundo Municipal de Saúde no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CNPJ. REFERÊNCIA(S): Emenda Constitucional

Leia mais

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira

11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 11. Demonstrativo de Capacidade e Sustentabilidade Financeira 188 PDI 2015-2019 11.1 Planejamento orçamentário e financeiro O Orçamento Público, em sentido amplo, é um documento legal (aprovado por lei)

Leia mais

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA

CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA CALENDÁRIO DE OBRIGAÇÕES E PRAZOS PARA A PREFEITURA É DE SUMA IMPORTÂNCIA ESTARMOS ATENTOS AOS PRAZOS LIMITE, PARA QUE TENHAMOS MAIOR TRANQÜILIDADE PERANTE NOSSOS CLIENTES E OS GESTORES PERANTE A SOCIEDADE,

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011

ESTADO DE RONDÔNIA PREFEITURA DE ESPIGÃO DO OESTE Procuradoria Geral do Município LEI Nº 1.532/2011 LEI Nº 1.532/2011 Dispõe sobre a autonomia financeira das unidades escolares urbanas e rurais da rede pública municipal de Ensino, orienta sua implantação, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais

OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais OFICIO N. 1986/2012 Franca, em 23 de Julho de 2012 NOVA CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO Estudos Iniciais Parte I - Registro do Orçamento 1. Previsão da Receita Orçamentária O Orçamento para o exercício

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO E FINANÇAS FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TRT s 04 PROVAS 16 QUESTÕES ( )

ORÇAMENTO PÚBLICO E FINANÇAS FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TRT s 04 PROVAS 16 QUESTÕES ( ) ORÇAMENTO PÚBLICO E FINANÇAS FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TÉCNICO TRT s 04 PROVAS 16 QUESTÕES (2012 2010) A apostila contém provas de Orçamento Público e Finanças de concursos da Fundação Carlos Chagas

Leia mais

Mês: Janeiro/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - JANEIRO/2017 ÁREA

Mês: Janeiro/2017 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - JANEIRO/2017 ÁREA Mês: Janeiro/1 DATA LIMITE OBRIGAÇÕES - JANEIRO/1 ÁREA Ver Regulamentação Receber Balancetes da Câmara Municipal e demais Entidades da Administração Indireta para Consolidação Ver Regulamentação Recolher

Leia mais

LEI Nº /2016. Art. 1º - Ficam inclusas as metas e as ações, na Lei nº 6.378/2013, de 16 de dezembro de 2013, Plano Plurianual PPA de 2014/2017.

LEI Nº /2016. Art. 1º - Ficam inclusas as metas e as ações, na Lei nº 6.378/2013, de 16 de dezembro de 2013, Plano Plurianual PPA de 2014/2017. LEI Nº 6.613 /2016 Altera as Leis nº 6.378/13, de 16 de dezembro de 2013, Plano Plurianual PPA de 2014/2017, Lei nº 6.553, de 01 de Julho de 2015, Lei de Diretrizes Orçamentária LDO para 2016, nº 6.569

Leia mais

LEI Nº. 418 DE 09 DE FEVEREIRO DE Marcos Roberto Fernandes Corrêa, Prefeito

LEI Nº. 418 DE 09 DE FEVEREIRO DE Marcos Roberto Fernandes Corrêa, Prefeito LEI Nº. 418 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2010. ALTERA OS ANEXOS V E VI DA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIA DE 2010 E AUTORIZA A ABERTURA DE CRÉDITOS ADICIONAIS ESPECIAIS NO ORÇAMENTO MUNICIPAL Marcos Roberto Fernandes

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul

Estado do Rio Grande do Sul Município de Caxias do Sul DECRETO Nº 18.289, DE 13 DE JULHO DE 2016. Aprova o Plano de Classificação e a Tabela de Temporalidade de s da Secretaria Municipal de Gestão e Finanças atividadesfim, para efeitos legais. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO

DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO DIREITO FINANCEIRO ORÇAMENTO PÚBLICO I. PRINCÍPIOS ORÇAMENTÁRIOS São diretrizes de direito financeiro que aplicamse direta e imediatamente à confecção do orçamento pelo Estado. São normas especificamente

Leia mais

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS

CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS CURSO: TECNICAS LEGISLATIVAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Fica criado o Fundo Municipal de Assistência Social (FMAS), instrumento de gestão orçamentária e financeira do município, que tem por

Leia mais

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011

LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 LEI Nº 760 DE 18 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente do Município de Paranatinga. CAPÍTULO I Do Fundo Municipal de Meio Ambiente Art. 1º Fica instituído o Fundo Municipal de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATEUS LEME

PREFEITURA MUNICIPAL DE MATEUS LEME Página 00001 Lei nº 2.420, de 01 de Dezembro de 2008 Estima a receita e fixa a despesa do Município de Mateus Leme, MG, para o exercício financeiro de 2009. O povo do Município de Mateus Leme, por seus

Leia mais

PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.837, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2015 Habilita Municípios e Estados a receberem recursos referentes ao incremento temporário do Limite Financeiro da Assistência de Média e Alta Complexidade (MAC).

Leia mais

LEI Nº 035/2008 ALTERA PROGRAMA DE GOVERNO NA LDO, PPA E LOA, ABRE CRÉDITO ADICIONAL ESPECIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS FAZ SABER

LEI Nº 035/2008 ALTERA PROGRAMA DE GOVERNO NA LDO, PPA E LOA, ABRE CRÉDITO ADICIONAL ESPECIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS FAZ SABER LEI Nº 035/2008 ALTERA PROGRAMA DE GOVERNO NA LDO, PPA E LOA, ABRE CRÉDITO ADICIONAL ESPECIAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O PREFEITO MUNICIPAL DE SANTIAGO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

NOVA DISCIPLINA DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

NOVA DISCIPLINA DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE NOVA DISCIPLINA DO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE Abril de 2016 HISTÓRICO: A Lei nº 4320/64, em seus artigos 71 a 74, instituiu, dentro das normas do direito público financeiro, os fundos especiais, que constituem

Leia mais

Câmara Municipal da Estância Turística de Avaré A S S E S S O R I A J U R Í D I C A Processo n.º 193/2.016. Projeto de Lei nº 133/2016. Autor: Prefeito Municipal Assunto: Dispõe sobre abertura de Crédito

Leia mais

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS

SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA. 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS SEMINÁRIO MACRORREGIONAL SOBRE O CONTROLE SOCIAL REGIÃO METROPOLITANA 31 de outubro de 2013 Auditório da Fetag Porto Alegre - RS LEI COMPLEMENTAR N 141/2012 E O PROCESSO DE FINANCIAMENTO DO SUS Sistema

Leia mais

DECRETO Nº 8.389, DE 04 DE JULHO DE 2016.

DECRETO Nº 8.389, DE 04 DE JULHO DE 2016. DECRETO Nº 8.389, DE 04 DE JULHO DE 2016. Define os critérios para o fornecimento de insumos destinados ao monitoramento da glicemia capilar aos portadores de diabetes cadastrados em Programa de Hipertensão

Leia mais

PESQUISA FUNDEPES CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 003/2015

PESQUISA FUNDEPES CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 003/2015 FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÃO E PESQUISA FUNDEPES CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 003/2015 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUPRIMENTO DE FUNDOS PELA FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

USP: PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA PARA 2016

USP: PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA PARA 2016 1 USP: PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA PARA 2016 Com base no Projeto de Lei Orçamentária do Estado de São Paulo para 2016, (Projeto de Lei nº 071/2015), encaminhada à Assembleia Legislativa, e nas vigentes Diretrizes

Leia mais

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017.

PROJETO DE LEI. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. PROJETO DE LEI Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2017. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estima a receita da

Leia mais

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA

ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIO DA SAÚDE ASPECTOS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA Brasília, 25 de agosto de 2011 22/06/2015 1 PRESSUPOSTOS DO CONTRATO ORGANIZATIVO DE AÇÃO PÚBLICA I PRESSUPOSTOS

Leia mais

CAPÍTULO IV CRÉDITOS ADICIONAIS 1. Introdução 2. Créditos suplementares 3. Créditos especiais

CAPÍTULO IV CRÉDITOS ADICIONAIS 1. Introdução 2. Créditos suplementares 3. Créditos especiais SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1.1 O Direito Financeiro e a Administração Financeira e Orçamentária 1.2 Normas gerais de Direito Financeiro 2. A atividade financeira

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Orçamento Público Atividade financeira do Estado 1.2. Aspectos gerais do Orçamento Público 1.3. Conceitos 1.4. Tipos/Técnicas orçamentárias 1.4.1. Orçamento Tradicional/Clássico 1.4.2.

Leia mais

Princípios Orçamentários

Princípios Orçamentários 01. Acerca dos princípios orçamentários aceitos em nosso país, é incorreto afirmar a) a existência da separação do orçamento da União em fiscal, de investimento das estatais e da seguridade social não

Leia mais

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de Suprimento de Fundos pela Fundação de Educação Tecnológica e Cultural da Paraíba FUNETEC-PB. O SUPERINTENDENTE da Fundação de

Leia mais

O que é orçamento público?

O que é orçamento público? O que é orçamento público? É a previsão de arrecadação de receitas e a fixação de despesas para um período determinado. É computar, avaliar, calcular a previsão da arrecadação de tributos e o gasto de

Leia mais

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01

Sumário. LRF_Book.indb 15 19/03/ :29:01 Sumário Capítulo 1 Disposições Gerais... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Objetivo da obra... 6 1.3. Apresentando a LRF... 6 1.4. Origem da LRF... 7 1.5. Previsão constitucional para implementação da LRF...

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO Nº 142, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009

CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO Nº 142, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO ATO Nº 142, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 Abre ao Orçamento da Justiça do Trabalho, em favor dos Tribunais Regionais do Trabalho da 2ª, 5ª, 9ª, 11ª, 12ª, 18ª, 22ª e

Leia mais

PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016

PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016 PORTARIA No- 268, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016 Regulamenta a aplicação das emendas parlamentares que adicionarem recursos à Rede SUS no exercício de 2016, para aplicação no incremento do Teto de Média e

Leia mais

ARTIGO DO MÊS 2013 Movimento Nossa Betim Rua Paulo de Freitas nº 16 Sala

ARTIGO DO MÊS 2013 Movimento Nossa Betim Rua Paulo de Freitas nº 16 Sala ARTIGO DO MÊS Setembro 2013 Periodicamente o Movimento Nossa Betim divulga artigos sobre temas ligados à sustentabilidade no contexto da gestão de cidades Movimento Nossa Betim Rua Paulo de Freitas nº

Leia mais

Sumário. Serviço Público e Administração Pública

Sumário. Serviço Público e Administração Pública Sumário Capítulo 1 Contabilidade Pública 1.1 Conceito 1.2 Objeto 1.3 Objetivo 1.4 Campo de Aplicação 1.5 Exercício Financeiro 1.6 Regime Orçamentário e Regime Contábil 1.6.1 Regime de Caixa 1.6.2 Regime

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CÂMARA MUNICIPAL DE OURO BRANCO MG EXERCÍCIO DE 2014 DIRETRIZES CONTÁBEIS Tendo em vista as inovações da Contabilidade no Setor Público, o Poder Legislativo

Leia mais

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe.

4 - A LOA compreende, entre outros, o orçamento de investimento de todas as empresas de que a União participe. Orçamento Público CF/88 (CESPE SAD/PE Analista de Controle Interno Especialidade: Finanças Públicas/2010) - A seção II do capítulo referente às finanças públicas, estabelecido na CF, regula os denominados

Leia mais

que define as prioridades do governo e que tem características orçamentárias. Tem seu início no primeiro ano de mandato do poder

que define as prioridades do governo e que tem características orçamentárias. Tem seu início no primeiro ano de mandato do poder Resumo Aula-tema 02: Orçamento Público O ORÇAMENTO PÚBLICO surgiu da necessidade de o Estado prestar melhores serviços à população, canalizando as energias sociais para o desenvolvimento nacional, prevenindo

Leia mais

RESOLUÇÃO SES/SUS-MG Nº 3748 DE 16 DE MAIO DE 2013.

RESOLUÇÃO SES/SUS-MG Nº 3748 DE 16 DE MAIO DE 2013. RESOLUÇÃO SES/SUS-MG Nº 3748 DE 16 DE MAIO DE 2013. Divulga o elenco de hospitais e o respectivo valor do recurso financeiro para as instituições contempladas pelo Programa de Fortalecimento e Melhoria

Leia mais

LEI DE ORÇAMENTÁRIAS

LEI DE ORÇAMENTÁRIAS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 1. Introdução A Lei de Diretrizes Orçamentárias foi instituída pela Constituição de 1988 e funciona como um elo entre o PPA e a LOA, estabelecendo ano a ano o que deve constar

Leia mais

CAPÍTULO VI VEDAÇÕES CONSTITUCIONAIS EM MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA Questões de concursos anteriores Gabarito

CAPÍTULO VI VEDAÇÕES CONSTITUCIONAIS EM MATÉRIA ORÇAMENTÁRIA Questões de concursos anteriores Gabarito SUMÁRIO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA 1.1 O Direito Financeiro e a Administração Financeira e Orçamentária 1.2 Normas gerais de Direito Financeiro 2. A atividade financeira

Leia mais

Organização da Aula 2. Gestão do Orçamento Público. Aula 2. Contextualização

Organização da Aula 2. Gestão do Orçamento Público. Aula 2. Contextualização Organização da Aula 2 Gestão do Orçamento Público Aula 2 Base legal e orçamento público Princípios Constitucionais; Legislação e instrumentos legais de planejamento público orçamentário. Prof. Nivaldo

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE AMÉRICO BRASILIENSE

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE AMÉRICO BRASILIENSE 1 LEI Nº 2088 De 23 de novembro de 2016 Estima a Receita e Fixa a Despesa do Município de Américo Brasiliense/SP para o exercício financeiro de 2017 e dá outras providências. CLEIDE APARECIDA BERTI GINATO,

Leia mais

Município de Caxias do Sul

Município de Caxias do Sul 1 LEI Nº 7.389, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2011. Estima a Receita e fixa a Despesa do para o exercício de 2012. Art. 1º A receita consolidada do para o exercício econômico-financeiro de 2012, consideradas as

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO UNIDADE: ÁGUAS CLARAS AFO II Administração Financeira e Orçamentária - Pública 1 AFO II Administração Financeira e Orçamentária Pública 1º/2013 UNIDADE III ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 , DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DOS EXERCÍCIOS DE 2014 E 2013 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E 2013 (VALORES

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF

CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL. Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF CONSÓRCIOS PÚBLICOS REGULAMENTAÇÃO CONTÁBIL Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF 1 Consórcios Públicos Legislação Aplicável Lei 11.107/05 Regras de direito financeiro

Leia mais

AULA 12: DESPESA PÚBLICA

AULA 12: DESPESA PÚBLICA 1 AULA 12: DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Introdução 2 Glossário do Tesouro Nacional: Despesa pública é a aplicação (em dinheiro) de recursos do Estado

Leia mais

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social

Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social Orçamento e Financiamento da Assistência Social Monitoramento e Avaliação da Assistência Social Célio Vanderlei Moraes Orçamento e Financiamento da Assistência Social Orçamento e Financiamento: Definições

Leia mais

Projeto de Lei n.º 025/2015

Projeto de Lei n.º 025/2015 [ Página n.º 1 ] ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016. MABEL DE FÁTIMA MILANEZI ALMICI, Prefeita Municipal de Castanheira, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições

Leia mais

Financiamento das ações e serviços de saúde, com enfoque na execução orçamentária, financeira e contábil dos Fundos de Saúde

Financiamento das ações e serviços de saúde, com enfoque na execução orçamentária, financeira e contábil dos Fundos de Saúde Ministério da Saúde Secretaria Executiva Fundo Nacional de Saúde Financiamento das ações e serviços de saúde, com enfoque na execução orçamentária, financeira e contábil dos Fundos de Saúde Vejo um país

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 239, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013.

LEI MUNICIPAL Nº. 239, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº. 239, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Dispõe sobre o Plano Plurianual do Município de Pauini para o período 2014-2017. A PREFEITA MUNICIPAL DE PAUINI, FAZ saber a todos que a Câmara Municipal

Leia mais

Diário Oficial Eletrônico Nova Londrina - Paraná

Diário Oficial Eletrônico Nova Londrina - Paraná 1 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO E ADJUDICAÇÃO Licitação: Modalidade PREGÃO PRESENCIAL Nº. 035/2015 O de Nova Londrina, Estado do Paraná, torna público que homologou a Licitação na modalidade PREGÃO PRESENCIAL Nº.

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social

Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social Secretaria Nacional de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social Novembro/2011 PRINCIPAIS AÇÕES DA SNAS QUE INTEGRAM O BRASIL SEM MISÉRIA Índice de Gestão Descentralizada - SUAS Investimento

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 11.897, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008. Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ /

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ / UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO CNPJ 63.025.530/0001-04 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (VALORES EXPRESSOS EM REAIS, EXCETO QUANDO INDICADO DE OUTRA FORMA) Em atendimento

Leia mais

I - a créditos extraordinários abertos e reabertos no exercício de 2016; II - a despesas financiadas com recursos de doações e convênios;

I - a créditos extraordinários abertos e reabertos no exercício de 2016; II - a despesas financiadas com recursos de doações e convênios; PORTARIA N o 67, DE 01 DE MARÇO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, no uso das atribuições que lhe confere o inciso II do parágrafo único do art. 87 da Constituição Federal,

Leia mais

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba

SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE. MUNICÍPIO:Barra de Guabiraba UF:Pernambuco SIOPS - SISTEMA DE INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS PÚBLICOS EM SAÚDE RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA E DAS DESPESAS PRÓPRIAS COM AÇÕES

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua O Financiamento do SUS: CF-88 art. 198: O SUS é financiado por recursos do Orçamento da Seguridade Social da União, dos estados, do Distrito

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1.563/16.

LEI MUNICIPAL Nº 1.563/16. LEI MUNICIPAL Nº 1.563/16. Este ato esteve fixado no painel de publicação no período de 31/05/2016 a 30/06/2016. Graziele Natividade Mat. 610 Responsável. Autoriza a contratação temporária de excepcional

Leia mais

PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais"

PAINEL 3: Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais PAINEL 3: "Desafios e Perspectivas face a Nova lei de finanças públicas e o processo de Convergência aos padrões internacionais" PLS 229: Inovações, Riscos e oportunidades NATAL - RN 20 de Outubro de 2016

Leia mais

LEI N.º 3.986, DE 15 DE ABRIL DE 2013.

LEI N.º 3.986, DE 15 DE ABRIL DE 2013. LEI N.º 3.986, DE 15 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DE METAS FINANCEIRAS DA LEI Nº 3.862/2012 PLANO PLURIANUAL E DA LEI Nº 3.863/2012 LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS LDO, E SOBRE A ABERTURA DE

Leia mais

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público

Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Instrumentos de Planejamento e Orçamento Público Conceitos básicos do orçamento no setor público: ciclo orçamentário e instrumentos Fábio Pereira dos Santos As origens históricas do orçamento público Século

Leia mais

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São

XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Normas e Procedimentos do Fundo Municipal de Saúde: preparando o final da gestão Áquilas Mendes Professor Doutor da FSP/USP e do Departamento de Economia da PUC-SP XXVII Congresso de Secretários Municipais

Leia mais

DECRETO Nº DE 01 DE SETEMBRO DE 2008.

DECRETO Nº DE 01 DE SETEMBRO DE 2008. DECRETO Nº 1.010 DE 01 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre a Abertura de Crédito Adicional Suplementar autorizado pela Lei Municipal nº 1.026 de 11 de dezembro de 2007. GETÚLIO GONÇALVES VIANA, PREFEITO

Leia mais

LEI Nº 4.917, DE 27 DE AGOSTO DE Projeto de Lei de autoria do Prefeito Municipal

LEI Nº 4.917, DE 27 DE AGOSTO DE Projeto de Lei de autoria do Prefeito Municipal Projeto de Lei de autoria do Prefeito Municipal Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Proteção e Bem-Estar Animal COMPBEA e a criação do Fundo Municipal de Proteção e Bem- Estar Animal FUBEM

Leia mais

O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA AS PEÇAS DE UM ORÇAMENTO

O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA AS PEÇAS DE UM ORÇAMENTO O ORÇAMENTO PÚBLICO MUNICIPAL E OS RECURSOS PARA A INFÂNCIA AS PEÇAS DE UM ORÇAMENTO 1. Quais os instrumentos legais nos quais se encontram os recursos, as receitas, as despesas e as prioridades municipais

Leia mais

CURSO ON-LINE - CURSO REGULAR DE AFO EM EXERCÍCIOS. (ESAF, CESPE, FCC e FGV - mais de 300 questões apenas de 2009 e 2008) PROFESSOR: SÉRGIO MENDES

CURSO ON-LINE - CURSO REGULAR DE AFO EM EXERCÍCIOS. (ESAF, CESPE, FCC e FGV - mais de 300 questões apenas de 2009 e 2008) PROFESSOR: SÉRGIO MENDES AULA 5 CRÉDITOS ADICIONAIS Olá amigos! Como é bom estar aqui! As alterações qualitativas e quantitativas do orçamento viabilizam a realização anual dos programas mediante a alocação de recursos para as

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO Nº 392, DE 6 DE JUNHO DE 2002 Altera a Resolução n.º 289, de 30 de junho de 1998, e dá outras providências O PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI

RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE 2016. CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI Dispõe sobre o processo de prestação de serviços pela Universidade Federal do Cariri

Leia mais