Fórum Regional sobre Reforço dos Sistemas de Saúde para os ODS e a CUS de Dezembro 2016, Windoeck, Namíbia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fórum Regional sobre Reforço dos Sistemas de Saúde para os ODS e a CUS de Dezembro 2016, Windoeck, Namíbia"

Transcrição

1 Fórum Regional sobre Reforço dos Sistemas de Saúde para os ODS e a CUS 8-13 de Dezembro 2016, Windoeck, Namíbia Segurança do sangue e outros produtos médicos de origem humana na Região Africana 1. INTRODUÇÃO O sangue e outros produtos médicos de origem humana (MPHO) derivam, no todo ou em parte, do organismo humano e destinam-se a aplicação clínica. Incluem sangue total, componentes lábeis do sangue e produtos medicinais derivados do plasma (PDMP), células humanas, tecidos e órgãos. A sua disponibilidade, segurança e uso apropriado são componentes essenciais de uma boa oferta de cuidados de saúde. São igualmente um importante apoio para o desenvolvimento e sucesso de algumas iniciativas, tais como a consecução dos objectivos do desenvolvimento sustentável relacionados com a saúde, a cobertura universal de saúde e a saúde reprodutiva, materna, do recém-nascido e da criança. Os avanços ocorridos na cirurgia e na medicina em geral, tais como o desenvolvimento de medicamentos imunossupressores, permitiram o transplante bem sucedido de órgãos, salvando inúmeras vidas em todo o mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) adoptou várias resoluções exortando os Estados- Membros a tomarem medidas para a disponibilidade, segurança e qualidade do sangue e de outros MPHO. A Assembleia Mundial da Saúde (WHA), através das resoluções WHA28.72 e WHA58.13 em particular, instava os Estados-Membros a promoverem o desenvolvimento dos serviços nacionais de sangue com base em dádivas voluntárias e não remuneradas (VNRBD) e a tomar outras medidas necessárias para proteger e promover a saúde dos dadores e dos receptores de sangue [1,2]. A resolução WHA63.12 sobre disponibilidade, segurança e qualidade dos produtos do sangue exortava os Estados-Membros a tomarem todas as medidas necessárias para criarem, implementarem e apoiarem programas de sangue e plasma nacionalmente coordenados, geridos com eficácia e sustentáveis, de acordo com a disponibilidade de recursos, com a finalidade de se atingir a autossuficiência, a não ser que circunstâncias especiais o impeçam [3]. O sangue e os produtos do sangue estão incluídos no Formulário-Modelo de Medicamentos Essenciais da OMS [4]. Recentemente, a OMS emitiu orientações provisórias para as autoridades sanitárias nacionais e para os serviços de transfusão de sangue, sublinhando os passos necessários para a colheita de sangue total convalescente (CWB) ou plasma convalescente (CP) de doentes que tenham recuperado da doença do vírus do Ébola (DVE), para transfusão para doentes nas fases iniciais da doença, como tratamento empírico [5 ]. 1

2 A Declaração de Istanbul sobre Turismo de Tráfico de Órgãos e de Transplantes em 2008 afirmava que todos os países precisam de um quadro legal e profissional que reja as atividades de doação e transplante de órgãos, assim como um sistema regulador transparente que garanta a segurança do dador e do receptor e a aplicação de normas e de proibições de práticas não éticas [6]. A sexagésima terceira WHA, através da resolução WHA63.22 de 2010, aprovou os Princípios Orientadores da OMS sobre o Transplante de Células, Tecidos e Órgãos Humanos, que incluem: (i) reforço dos princípios da dignidade humana e da solidariedade, (ii) prevenção de ganhos financeiros nas transações que envolvam partes do corpo humano, incluindo o turismo de tráfico e transplante de órgãos, e (iii) responsabilidade dos Estados-Membros na proteção das pessoas pobres e vulneráveis contra a sua exploração e na oferta de acesso equitativo a MPHO seguros [7]. Como parte da implementação desta resolução mundial, o Comité Regional da OMS para a África adoptou a resolução AFR/RC44/R12, em 1994, exortando os Estados-Membros da Região Africana a tomarem medidas urgentes para formularem políticas de segurança do sangue, mobilizarem recursos para o desenvolvimento de infraestruturas para os serviços de sangue nos hospitais centrais e distritais e definirem objectivos e metas para fazerem transfusões de sangue livres de VIH nas unidades de cuidados de saúde [8]. Além disso, para melhorar a disponibilidade de produtos do sangue seguros em todos os Estados-Membros, o Escritório Regional da OMS para a África adoptou, em Setembro de 2001, uma estratégia regional para a segurança do sangue [9] que definiu quatro metas a alcançar até ao final de 2012: (i) uma análise da situação da segurança do sangue realizada em todos os Estados-Membros; (ii) uma política nacional do sangue formulada e adoptada em 75% dos países da Região; (iii) um teste obrigatório a todas as unidades de transfusão de sangue para quatro ITT: Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), vírus da Hepatite B (HBV), vírus da Hepatite C (HCV) e sífilis; e (iv) que, pelo menos, 80% das dádivas de sangue em todos os países da Região sejam VNRBD. Relativamente à Doação e Transplante de Células, Tecidos e Órgãos, houve uma reunião de peritos em transplante de órgãos, que representavam os governos de toda a Região Africana, em Abuja, na Nigéria, em 2009, sob os auspícios da Organização Mundial da Saúde (OMS), e que emitiu uma Declaração chamada Declaração de Abuja [10]. 2. ANÁLISE DA SITUAÇÃO 2.1 Sangue e produtos do sangue Com base no inquérito de 2013, realizado entre Agosto de 2015 e Fevereiro de 2016 [11], dos 46 Estados-Membros que responderam, 38 (82,6%) países tinham formulado e adoptado uma política nacional do sangue, 33 países 1 (71,7%) tinham elaborado um plano estratégico para a 1 Argélia, Angola, Botsuana, Burundi, Cabo Verde, República Centro-Africana, Chade, Comores, Congo, Côte d Ivoire, República Democrática do Congo, Eritreia, Etiópia, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Quénia, Lesoto, Madagáscar, Maláui, Mali, Mauritânia, Maurícia, Namíbia, Níger, Nigéria, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Serra Leoa, África do Sul, Tanzânia, Togo, Uganda, Zâmbia, Zimbabué 2

3 implementação da sua política do sangue e havia legislação sobre transfusões em 19 países 2 (41,3%). Trinta e quatro países 3 (73,9%) têm orientações nacionais sobre o uso clínico apropriado do sangue e produtos do sangue e 13 países 4 (28.3%) criaram um sistema nacional de hemovigilância. Vinte e um países 5 (45,6%) alcançaram o nível de % de VNRBD. A taxa média de dádivas de sangue foi de 4,7 unidades/1000 habitantes e 9 países (Argélia, Botsuana, Congo, Gabão, Maurícia, Namíbia, Seicheles, África do Sul e Suazilândia) estão a colher, pelo menos, 10 unidades/1000 habitantes. A percentagem média de VNRBD é de 67,0% e a taxa global de exclusão é de 13,0%. Quarenta e quatro países 6 (95,6%) estão a rastrear cem por cento para o VIH, 42 (91,3%) para a HBV 7, 41 (89,1%) para a HCV e a sífilis. A percentagem de unidades de sangue testado para ITT é de 99,9% para o VIH, 99,2% para a HBV, 98,6% para a HCV e 98,3% para a sífilis 8. A mediana da percentagem das unidades de sangue reactivas às ITT é de 1,3% para o VIH, 4,2% para a HBV, 1.0% para a HCV e 0,8% para a sífilis. Vinte e cinco países (79,9%) com centros de sangue estão a participar num esquema de avaliação externa da qualidade (AEQ) pra diferentes ITT, enquanto 4 países (Angola, Maurícia, Namíbia e África do Sul) têm NBTS acreditados. Trinta e nove países (84,8%) de 46 preparam componentes do sangue. A percentagem média de unidades de sangue separadas em componentes do sangue é de 64,8% e 24,3% dos centros de transfusão estão a preparar componentes do sangue. O concentrado de glóbulos vermelhos (RCC) é o componente mais preparado pelos países, seguido de plasma fresco congelado (FFP). 2 Argélia, Angola, Botsuana, Burundi, Cabo Verde, Camarões, Comores, Côte d Ivoire, Etiópia, Madagáscar, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, África do Sul, Tanzânia, Togo, Zâmbia, Zimbabué 3 Argélia, Angola, Benim, Botsuana, Burkina Faso, Congo, Côte d Ivoire, Eritreia, Etiópia, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Quénia, Lesoto, Libéria, Madagáscar, Maláui, Mauritânia, Moçambique, Namíbia, Níger, Nigéria, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Seychelles, Serra Leoa, África do Sul, Sudão do Sul, Suazilândia, Uganda, República Unida do Uganda, Zâmbia, Zimbabué 4 Botsuana, Burkina Faso, Cote d Ivoire, República Democrática do Congo, Gana, Libéria, Maláui, Maurícia, Namíbia, Ruanda, África do Sul, Uganda, República Unida da Tanzânia, Zimbabué 5 Benim, Botsuana, Burundi, Cabo Verde, República Centro-Africana, Côte d Ivoire, Eritreia, Quénia, Lesoto, Maláui, Maurícia, Namíbia, Ruanda, Senegal, África do Sul, Suazilândia, Togo, Uganda, República Unida da Tanzânia, Zâmbia, Zimbabué 6 Argélia, Angola, Benim, Burkina Faso, Botsuana, Burundi, Cabo Verde, República Centro-Africana, Chade, Comores, Congo, Côte d Ivoire, Eritreia, Etiópia, Gabão, Gâmbia, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Quénia, Lesoto, Libéria, Madagáscar, Maláui, Mali, Mauritânia, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Níger, Nigéria, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Seychelles, Serra Leoa, África do Sul, Sudão do Sul, Suazilândia, Togo, Uganda, United Republico f Tanzânia, Zâmbia, Zimbabué 7 Argélia, Angola, Benim, Burkina Faso, Botsuana, Burundi, Cape Verde, República Centro-Africana, Comores, Congo, Côte d Ivoire, Eritreia, Etiópia, Gabão, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Quénia, Lesoto, Libéria, Madagáscar, Maláui, Mali, Mauritânia, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Níger, Nigéria, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Seychelles, Serra Leoa, África do Sul, Sudão do Sul, Suazilândia, Togo, Uganda, República Unida da Tanzânia, Zâmbia, Zimbabué 8 Argélia, Angola, Benim, Burkina Faso, Botsuana, Burundi, Cabo Verde, República Centro-Africana, Congo, Côte d Ivoire, Eritreia, Etiópia, Gabão, Gana, Guiné, Guiné Bissau, Quénia, Lesoto, Libéria, Madagáscar, Maláui, Mali, Mauritânia, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Níger, Nigéria, Ruanda, São Tomé e Príncipe, Senegal, Seychelles, Serra Leoa, África do Sul, Sudão do Sul, Suazilândia, Togo, Uganda, República Unida da Tanzânia, Zâmbia, Zimbabué 3

4 A percentagem global de sangue e componentes do sangue descartados é de 7,0%, sendo as principais razões as ITT (5,3%). A percentagem média de unidades de sangue transfundidas foi de 28,7% como sangue total, 58,7% como RCC, 7,2% como plaquetas derivadas do sangue total e 7,0% como FFP. Dos 4415 hospitais, 641 (14,5%) tinham uma Comissão Hospitalar de Transfusões (HTC), 22,4% tinham um sistema de monitorização da prática da transfusão clínica e 13,45% tinham um mecanismo para reportar eventos e reacções adversas das transfusões. Dos doentes que receberam transfusões, 18,5% eram menores de cinco anos, 6,0% tinham entre 5 e 14 anos, 40,6% entre 15 e 44 anos, 16,7% entre 45 e 59 anos e 18,2% tinham 60 anos ou mais. Apenas 3 países (6,5%) notificaram dados sobre reacções adversas graves após a transfusão. A África do Sul é o único país que produziu todos ou parte dos produtos médicos derivados do plasma (PDMP), através do fracionamento do plasma colhido no país. Nos restantes países, todos esses produtos foram importados do estrangeiro e 20 países (43,5%) tinham incluído PDMP no seu formulário de medicamentos essenciais. 2.2 Células, órgãos e tecidos humanos para transplantes Apesar do facto desta forma de tratamento poder salvar vidas ou restaurar funções essenciais quando não existe nenhuma outra alternativa, a análise da situação dos MPHO indica que há muito poucos dados disponíveis na Região Africana da OMS. Esta situação não se alterou significativamente desde a reunião da Aliança Mundial para os Transplantes (GAT), realizada em Durban, em 2013 [12]. De facto, os transplantes apenas são feitos num pequeno número de países (Argélia, Camarões, Etiópia, Gana, Quénia, Maláui, Nigéria, Ruanda, África do Sul e Zâmbia). Nestes países, efetuam-se actividades de hemodiálise e transplante. Em 2012, havia 97 centros que faziam diálise e 15 centros que faziam transplantes de dadores vivos. Havia um total de 3377 doentes em hemodiálise e foram executados 77 transplantes de rins de dadores vivos. Durante este período, 211 doentes viajaram para o estrangeiro para fazerem transplante de rins e um para transplante de fígado. A maioria destes programas beneficia de alguma participação positiva dos governos. Esses compromissos traduzem-se em financiamento, apoio e vontade do Ministério da Saúde em trabalhar num quadro legislativo. O rastreio de órgãos e tecidos para o controlo das doenças infecciosas (VIH, HBV, HCV e CMV) está disponível em África, mas não existem dados disponíveis. Apenas alguns médicos dos países africanos conhecem a Declaração de Istanbul sobre o turismo de tráfico e transplantes de órgãos. No entanto, o Escritório Regional da OMS para a África desenvolveu, com base numa das Sedes da OMS, um instrumento para o inquérito sobre os MPHO, para criar uma base de dados regional e contribuir para o observatório mundial da doação e transplante de órgãos. Na realidade, a avaliação da situação nos países fornecerá a informação básica necessária para a definição de uma estratégia regional e de acções prioritárias a implementar como parte da vigilância destes produtos médicos. 3. PRINCIPAIS DESAFIOS 4

5 Desde a doação até ao seguimento dos receptores, os sistemas de saúde enfrentam muitos desafios que comprometem seriamente a disponibilidade de sangue seguro e de outros MPHO para os doentes da Região, especialmente nas zonas mais remotas. São estes os principais desafios: Fragilidades dos sistemas nacionais reguladores do sangue, que são frequentemente incapazes de executar a supervisão reguladora eficaz necessária para assegurar a implementação de padrões de qualidade. Falta de regulamentação das doações e do tráfico de órgãos, uma vez que a maioria dos países que têm serviços de transplante não possuem um quadro legal nacional para a doação de órgãos. Os transplantes não são uma prioridade e ainda não são contemplados nos sistemas de saúde da maioria dos países, não estando ainda criado em todos os países o quadro legislativo apropriado em que os transplantes e as transfusões de sangue possam operar Reservas insuficientes de sangue, produtos do sangue e órgãos disponíveis de forma sustentável, garantindo a sua qualidade e segurança; consequentemente, muitos doentes que requeiram transfusões e transplantes que salvem a sua vida ainda não têm acesso a sangue seguro e a outros MPHO. A grande falta de sangue, produtos do sangue e órgãos disponíveis para transfusão e transplantes significa uma escassez que é a causa profunda do tráfico de sangue de órgãos, com o risco associado de exploração dos doadores e graves problemas de segurança para os receptores. Os testes de rastreio obrigatório não se realizam em 100% do sangue e outras unidades de MPHO colhidas, por falta de reagentes e consumíveis essenciais; e os laboratórios de tipificação dos tecidos ainda não estão bem estabelecidos na Região Africana da OMS, assim como o controlo da qualidade dos reagentes; além disso, as boas práticas não se cumprem uniformemente em toda a Região Africana. Os produtos do sangue são, frequentemente, indevida ou excessivamente prescritos em todos os países e as transfusões desnecessárias expõem os doentes ao risco de reações adversas graves e de infecções transmissíveis por transfusão (ITT), limitando a disponibilidade de produtos do sangue para os doentes que realmente deles precisam. O desenvolvimento dos sistemas nacionais de hemovigilância ainda é fraco na Região e, do mesmo modo, também o registo de incidentes e eventos adversos relacionados com as transfusões de sangue e transplantes de órgãos, tanto em dadores como em receptores Em muitos países da Região, o financiamento da segurança do sangue e dos transplantes de órgãos depende de programas bilaterais ou multilaterais. Os países não conseguem recuperar totalmente os custos quando os fundos chegam ao fim; por conseguinte, o financiamento é insuficiente para garantir produtos do sangue sustentáveis e a disponibilidade e segurança de outros MPHO. 5

6 4. OPORTUNIDADES O Comité Regional para a segurança do sangue adoptou uma Estratégia Regional que definia quatro metas a alcançar por todos os países da Região. A criação de sistemas nacionais de sangue, com serviços de transfusão de sangue bem organizados e coordenados em alguns países que possam oferecer reservas suficientes e um abastecimento rápido de sangue seguro, componentes do sangue e produtos do sangue que possam dar resposta às necessidades de todos os doentes. Existem algumas iniciativas, como os ODS relacionados com a saúde, CUS e RMNCH, cujo desenvolvimento e sucesso requerem a disponibilidade de sangue seguro. A Sociedade Africana de Transfusão de Sangue (AfSBT) elaborou normas regionais e um programa de acreditação faseado que pode ajudar os NBTS em África a implementarem sistemas eficazes de qualidade. Existe uma Base de Dados Mundial para a Segurança do Sangue (GDBS), que é usada para a recolha e gestão dos indicadores de segurança do sangue na Região Africana da OMS, simultaneamente com outras Regiões. Existência de parceiros técnicos e financeiros para prestar assistência a alguns países na implementação dos seus programas de segurança do sangue. Como parte da luta contra o VIH/SIDA, o Fundo Mundial ofereceu apoio financeiro para a segurança do sangue, através da prevenção da transmissão da doença por via sanguínea. Existência de uma iniciativa mundial chamada Project Notify, organizada conjuntamente pela OMS, Centro Nacional Italiano de Transplantes (CNT) e Projecto de Vigilância das Substâncias de Origem Humana financiado pela UE (MPHO V&S), que se destinava a incrementar o perfil da vigilância dos MPHO. 5. ACÇÕES PRIORITÁRIAS Implementar uma governação, liderança e gestão eficazes dos NBTS e serviços de transplante de órgãos, incluindo financiamento sustentável. Atingir 100% de VNRBD, para dar resposta à necessidades das unidades de sangue seguro, através do reforço dos conhecimentos do público sobre a necessidade de VNRBD, direitos dos doentes e consentimento informado, como base para o acesso universal a transfusões de sangue seguro. Rastrear 100% das unidades de sangue para as 4 ITT obrigatórias, com garantia de qualidade, usando procedimentos, equipamento e reagentes apropriados. Desenvolver um sistema nacional de qualidade abrangente, eficaz e sustentável para as transfusões de sangue, que seja fundamental para assegurar processos de qualidade garantida, testes, armazenamento e testes de compatibilidade de todo o sangue doado; facilitar a avaliação externa da qualidade, para rastreio das ITT e serologia do grupo sanguíneo, assim como implementar a acreditação reconhecida dos BTS. 6

7 Promover o uso racional do sangue e outros MPHO, através da formulação de orientações para a prescrição e uso do sangue, a formação de clínicos e prestadores de cuidados e a criação de sistemas nacionais de hemovigilância para eventos adversos, quer nos dadores, quer nos receptores. 6. PONTOS DE ACÇÃO Para enfrentar os desafios que se colocam aos NBTS e aos serviços de transplante de órgãos na Região Africana da OMS, o quadro regulador terá de ser reforçado. A formação de capacidades deverá incluir as infraestruturas, o equipamento e os recursos humanos, as boas práticas e estratégias para o financiamento sustentável da segurança do sangue e dos transplantes de órgãos. Para tal, deverão ser empreendidas as seguintes acções: Proceder à análise da situação dos MPHO na Região da OMS Formular políticas e legislação sobre o sangue a outros MPHO e criar sistemas reguladores nacionais para esses produtos. Prestar apoio aos países na área da segurança do sangue e da doação de órgãos, para possibilitar os progressos na garantia da sua qualidade e disponibilidade. Prestar apoio para a melhoria das infraestruturas e das capacidades técnicas dos NBTS e serviços de transplantes, através do fornecimento de equipamento apropriado e da formação de pessoal. Ajudar os países a reforçarem os programas de dadores de sangue, para aumentar a colheita de sangue dos VNRBD e a retenção de dadores voluntários Elaborar e implementar programas educativos acerca das doações de órgãos destinados ao público em geral e em colaboração como os média, para contribuir para a prevenção e promoção de um estilo de vida saudável. Reforçar a implementação de programas de gestão da qualidade, incluindo a melhoria das estratégias de rastreio das ITT nas dádivas de sangue e de órgãos nos serviços nacionais de transfusão de sangue e de transplante de órgãos. Prestar apoio à elaboração e implementação de orientações para o uso racional do sangue, produtos do sangue e outros MPHO, assim como aos sistemas nacionais de hemovigilância. Detectar precocemente e evitar doenças que causem insuficiência terminal dos órgãos, tais como a diabetes, doenças cardiovasculares e doenças renais, no seio de um quadro nacional que inclua uma política de supervisão reguladora. Criar um mecanismo apropriado para a recolha e tratamento de dados nos serviços de NBTS e serviços de transplante de órgãos. Estabelecer uma estreita colaboração entre os programas nacionais de sangue outros MPHO com programas complementares de cuidados de saúde e com os sectores não afectos a saúde para os quais as questões da segurança e disponibilidade do sangue e de 7

8 outros MPHO sejam relevantes. Elaborar estratégias de financiamento sustentável, para garantir, a longo prazo, a disponibilidade e a segurança do sangue e outros MPHO em todos os países da Região. 5. CONCLUSÕES Os países da Região Africana têm feito louváveis esforços para melhorar a disponibilidade e o acesso a sangue e outros MPHO seguros. Contudo, existem ainda grandes lacunas a colmatar em alguns países e sub-regiões, incluindo a coordenação dos serviços de sangue e de transplantes, a implementação de políticas, legislação e sistemas reguladores do sangue e do transplante de órgãos. A Região ainda está muito aquém de satisfazer as suas necessidades em matéria de sangue e outros MPHO e a percentagem das dádivas de sangue e de outros MPHO é ainda insuficiente. Alguns países ainda estão a rastrear todas as unidades de sangue e de outros MPHO colhidos para todas as principais ITT e terão de ser criados sistemas de gestão da qualidade em vários serviços de sangue e de transplantes. É preciso reforçar a interface clínica dos serviços de transfusão de sangue e de transplantes nos Estados-Membros, de modo a promover uma maior uso clínico apropriado do sangue e de outros MHPO. As principais causas frequentemente apontadas como podendo explicar essas lacunas são a falta de empenho dos governos de alguns países, o baixo financiamento governamental e a dependência de fundos externos, assim como a falta de recursos humanos devidamente qualificados. Essas lacunas exigem que os países empreendam acções concretas e apropriadas, com o apoio da OMS e seus parceiros, para garantir a disponibilidade e a segurança do sangue e de outros MPHO na Região Africana. Essas acções incluem o mapeamento de estratégias e de intervenções específicas e eficazes que ajudem a suprir as referidas lacunas. 7. REFERÊNCIAS 1. Twenty-eight World Health Assembly (WHA28.72) - Utilization and supply of human blood and blood products, Geneva, 3-30 May World Health Assembly - Resolution WHA58.13 on the proposal to establish a World Blood Donor Day, May World Health Assembly - Resolution WHA63.12 on availability, safety and quality of blood products, May World Health Organization - Model List of Essential Medicines 18th list (April 2013): 5. World Health Organization - Use of Convalescent Whole Blood or Plasma Collected from Patients Recovered from Ebola Virus Disease for Transfusion, as an Empirical Treatment during Outbreaks, Geneva;

9 6. International Summit on Transplant Tourism and Organ Trafficking - Istanbul Declaration, Istanbul, Turkey, April 30 May 2, World Health Assembly - Resolution WHA63.22 on Human organ and tissue transplantation, May World Health Organization, Resolution AFR/RC44/R12: AIDS control: current status of AIDS control activities in the African Region, Regional Office for Africa, World Health Organization - Blood safety: A strategy for the African Region (AFR/RC51/9 Rev.1), Brazzaville, Republic of Congo. World Health Organization, Regional Office for Africa, Regional Consultation in the African Region on Cells, Tissue and Organ Donation and Transplantation, Legal and Organizational Aspects - The ABUJA Declaration on Cells, Tissue and Organ Donation and Transplantation, Abuja, Nigeria, July 29-31, African Journal of Nephrology (2012) 15 (1): World Health Organization - Current status on blood safety and availability in the WHO African Region: Report of the 2013 Survey (in press). 25 th Southern African Transplantation Society Congress - Report of the Global Alliance for Transplantation Workshop, 29, 30 July 2013, Durban, KwaZulu-Natal, South Africa 9

Declaração de Ouagadougou sobre Cuidados de Saúde Primários e Sistemas de Saúde em África: Melhorar a Saúde em África no Novo Milénio

Declaração de Ouagadougou sobre Cuidados de Saúde Primários e Sistemas de Saúde em África: Melhorar a Saúde em África no Novo Milénio Declaração de Ouagadougou sobre Cuidados de Saúde Primários e Sistemas de Saúde em África: Melhorar a Saúde em África no Novo Milénio Uma declaração dos Estados-Membros da Região Africana da OMS Organização

Leia mais

EPIDEMIAS RECORRENTES NA REGIÃO AFRICANA DA OMS: ANÁLISE DA SITUAÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA. Relatório do Director Regional ÍNDICE

EPIDEMIAS RECORRENTES NA REGIÃO AFRICANA DA OMS: ANÁLISE DA SITUAÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA. Relatório do Director Regional ÍNDICE 22 de Junho de 2010 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima sessão Malabo, Guiné Equatorial, 30 de Agosto-3 de Setembro de 2010 Ponto 7.10 da ordem do dia provisória EPIDEMIAS RECORRENTES

Leia mais

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011

Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 4 de Julho de 2011 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima primeira sessão Yamoussoukro, Côte d Ivoire, 29 de Agosto 2 de Setembro de 2011 Ponto 16 da ordem do dia provisória RELATÓRIO DOS

Leia mais

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016

Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado. Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana. Abril de 2016 Desenvolvimento financeiro e crescimento sustentado Perspetivas Económicas Regionais para a África Subsariana Abril de 2016 Perguntas essenciais 1. Como o setor financeiro da África Subsariana desenvolveu-se

Leia mais

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10)

Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) Níveis de Desenvolvimento Global (Extremos da Distribuição dos Países - 10/10) IDH País Pontuação Esperança de vida (anos) Média de anos de Anos de esperados RNBpc PPC em USD 2008 Posição no RNBpc menos

Leia mais

Banda Larga - Definià à o Tecnica

Banda Larga - Definià à o Tecnica Banda Larga - Definià à o Tecnica O que e Banda Larga? (Broadband) Banda Larga refere-se à telecomunicação que fornece múltiplos canais de dados por cima de um meio de comunicações único, tipicamente usando

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

Apresentação de São Tomé e Principe

Apresentação de São Tomé e Principe REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DOS PEQUENOS ESTADOS INSULARES DA REGIÃO AFRICANA Apresentação de São Tomé e Principe Comores, 09-12 Mar. 2011 Por: Dr. António Lima Sumario 1. Preparação e resposta às catástrofes

Leia mais

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana

Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Fundo Fiduciário de Solidariedade Africana Temos uma abordagem singular

Leia mais

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D"

CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A Zona D CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE ÁFRICA COORDENAÇÃO INTER-REGIONAL PARA SEGURANÇA MARÍTIMA CENTRO DE COORDENAÇÃO MULTINACIONAL PARA A "Zona D" YAOUNDÉ / 11-14 de julho de 2017 Comandante Cyrille Serge

Leia mais

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação

Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Desafios e oportunidades da Graduação de PMA: O PNUD como Parceiro Estratégico no Processo de Graduação Prof. Dr. Ayodele Odusola Economista-Chefe e Chefe da Equipa de Estratégia e Análise Escritório Regional

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA

RELATÓRIO SOBRE A ELEIÇÃO DOS DEZ (10) MEMBROS DO CONSELHO DE PAZ E SEGURANÇA DA UNIÃO AFRICANA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.africa-union.org CONSELHO EXECUTIVO Décima Segunda Sessão Ordinária

Leia mais

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento

Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Envelhecimento populacional, previdência, desafogo fiscal, poupança, investimento e os desafios da produtividade e do crescimento Paulo Tafner I n st itut o T eot ônio Villela I T V Br a sília N ov embro

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 1 Que imagem você tem quando se fala em África? Pense rápido! O modo como a África é vista ou a imagem que dela nos é dada para consumo constitui uma África dos quatro

Leia mais

Pontos essenciais. Fundamento e contexto

Pontos essenciais. Fundamento e contexto Resumo Em 2006, os casos de paludismo estavam avaliados em 247 milhões entre 3,3 biliões de pessoas a risco, causando quase um milhão de mortes, na sua maioria crianças menores de 5 anos. Em 2008, havia

Leia mais

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS

ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS DECLARAÇÃO DE BRAZZAVILLE SOBRE A PREVENÇÃO E O CONTROLO DAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS ORIGINAL: INGLÊS Nós, os Ministros da Saúde e Chefes de Delegação da Região

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL 62ª Sessão do Comité Executivo da União Parlamentar Africana RELATÓRIO INTRODUÇÃO Em obediência ao despacho de missão número 0164/03/GPAN/2013, exarado por Sua Excelência

Leia mais

Quinquagésima-terceira sessão Joanesburgo, África do Sul, 1-5 de Setembro de Mesa Redonda nº 3 ÍNDICE ANTECEDENTES

Quinquagésima-terceira sessão Joanesburgo, África do Sul, 1-5 de Setembro de Mesa Redonda nº 3 ÍNDICE ANTECEDENTES WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA SANTE BUREAU REGIONAL DE L AFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL AFRICANO COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima-terceira

Leia mais

Sexagésima sétima sessão Victoria Falls, República do Zimbabwe, 28 de Agosto a 1 de Setembro de 2017

Sexagésima sétima sessão Victoria Falls, República do Zimbabwe, 28 de Agosto a 1 de Setembro de 2017 13 de Junho de 2017 COMITÉ REGIONAL PARA A ÁFRICA ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima sétima sessão Victoria Falls, República do Zimbabwe, 28 de Agosto a 1 de Setembro de 2017 Ponto 11 da ordem do dia provisória

Leia mais

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções

A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções A fiscalização legislativa orçamental e consequências na qualidade da democracia e governação actores objectivos e percepções Elisabete Azevedo-Harman (PhD) Especialista Parlamentar Senior/ Pro PALOP TL

Leia mais

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC

Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC Declaração de Sharm El Sheikh de Lançamento da Zona de Comércio Livre Tripartida da COMESA-EAC-SADC 1 DECLARAÇÃO PREÂMBULO NÓS, os Chefes de Estado e de Governo ou os Representantes devidamente Autorizados

Leia mais

Relatório Mundial de Saúde 2006

Relatório Mundial de Saúde 2006 170 Relatório Mundial de Saúde 2006 Anexo Tabela 1 Indicadores básicos para todos os Estados-Membros Números computados pela OMS para assegurar comparabilidade a ; não são necessariamente estatísticas

Leia mais

REFORÇAR O PAPEL DA MEDICINA TRADICIONAL NOS SISTEMAS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA. Relatório do Secretariado RESUMO

REFORÇAR O PAPEL DA MEDICINA TRADICIONAL NOS SISTEMAS DE SAÚDE: UMA ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA. Relatório do Secretariado RESUMO 3 de Setembro de 2013 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima terceira sessão Brazzaville, República do Congo, 2-6 de Setembro de 2013 Ponto 10 da Ordem do Dia Provisória REFORÇAR O PAPEL

Leia mais

SOLUÇÕES DE CIBERSAÚDE NA REGIÃO AFRICANA: CONTEXTO ACTUAL E PERSPECTIVAS. Relatório do Director Regional ÍNDICE. Parágrafos ANTECEDENTES...

SOLUÇÕES DE CIBERSAÚDE NA REGIÃO AFRICANA: CONTEXTO ACTUAL E PERSPECTIVAS. Relatório do Director Regional ÍNDICE. Parágrafos ANTECEDENTES... 23 de Junho de 2010 COMITÉ REGIONAL AFRICANO ORIGINAL: INGLÊS Sexagésima sessão Malabo, Guiné Equatorial, 30 de Agosto-3 de Setembro de 2010 Ponto 7.3 da ordem do dia provisória SOLUÇÕES DE CIBERSAÚDE

Leia mais

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade

Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade Política de Escopo Geográfico de Certificação de Produtor para o Comércio Justo Fairtrade 19.01.2015 Objetivo O objetivo do escopo geográfico da Fairtrade International é determinar em quais países as

Leia mais

Africanidades: alguns aspectos da História Africana dos Negros no Brasil

Africanidades: alguns aspectos da História Africana dos Negros no Brasil Africanidades: alguns aspectos da História Africana dos Negros no Brasil, travessia dos escravizados e o constrangimento de seres humanos à condição de objetos Africanidades: alguns aspectos da História

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

1. Orientações para os debates das Mesas-Redondas...3

1. Orientações para os debates das Mesas-Redondas...3 WORLD HEALTH ORGANIZATION REGIONAL OFFICE FOR AFRICA ORGANISATION MONDIALE DE LA SANTE BUREAU REGIONAL DE L AFRIQUE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE ESCRITÓRIO REGIONAL AFRICANO COMITÉ REGIONAL AFRICANO Quinquagésima-primeira

Leia mais

GUIA PRÁTICO. Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados

GUIA PRÁTICO. Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados GUIA PRÁTICO Quadro Integrado Reforçado (QIR) para o Desenvolvimento do Comércio nos Países Menos Avançados Onde trabalhamos Países : Afeganistão Angola Bangladeche Benim Burquina Faso Burundi Butão Cabo

Leia mais

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros

Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Sistema AFRICANO INTERAMERICANO EUROPEU Organização Regional da qual faz parte Estados Membros Organização da Unidade Africana (OUA) (54) África do Sul, Angola, Argélia, Benim, Botswana, Burkina Faso,

Leia mais

Fazendo Negócios em Cabo Verde

Fazendo Negócios em Cabo Verde Fazendo Negócios em Cabo Verde Svetlana Bagaudinova Especialista Sênior em Desenvolvimento do Sector Privado Leonardo Iacovone Economista Cabo Verde November 23-24, 2010 1 O que mede o Doing Business?

Leia mais

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio)

The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) The Southern Africa Network for Biosciences (SANBio) VISÃO GERAL A Rede da África Austral para Biociências (SANBio) é uma plataforma de partilha de pesquisa, desenvolvimento e inovação para colaboração

Leia mais

Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida. Destaques do Relatório EPT 2006

Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida. Destaques do Relatório EPT 2006 Bases Sólidas: S Alfabetização para a vida Destaques do Relatório EPT 2006 A alfabetização é: Um direito que ainda é negado; Essencial para atingir a Educação para todos; Fenómeno social e individual;

Leia mais

Conheça os classificados para a Copa Africana de Nações

Conheça os classificados para a Copa Africana de Nações Conheça os classificados para a Copa Africana de Nações por Por Dentro da África - domingo, setembro 04, 2016 http://www.pordentrodaafrica.com/noticias/conheca-os-classificados-para-copa-africana-de [:pb]

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS ADMINISTRAÇOES MARITIMAS AFRICANAS. Projecto de Constituição

ASSOCIAÇÃO DAS ADMINISTRAÇOES MARITIMAS AFRICANAS. Projecto de Constituição 1 ASSOCIAÇÃO DAS ADMINISTRAÇOES MARITIMAS AFRICANAS Projecto de Constituição 2 Nós, os Chefes das administrações marítimas da África: República Popular Democrática da Argélia República de Angola República

Leia mais

Nome: N.º: telefone: PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM Disciplina:

Nome: N.º: telefone:   PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM Disciplina: Nome: N.º: endereço: data: telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2015 Disciplina: MateMática Prova: desafio nota: QUESTÃO 11 Reutilizando embalagens que provavelmente iriam para o lio,

Leia mais

Colheita de Tecidos de Origem Humana

Colheita de Tecidos de Origem Humana Colheita de Tecidos de Origem Humana Programas implementados pelo Gabinete Coordenador de Colheita e Transplantação do Hospital S. José (CHLC, EPE) Seminário Doação, Colheita e Transplantação de Órgãos

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Aumenta o número de países democráticos na África

Aumenta o número de países democráticos na África Planejamento Aumenta o número de países democráticos na África Em dez anos, subiu de 11 para 48 o número de países africanos democráticos. Esse avanço fez com que alguns países começassem a atuar com maior

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Algeria Algeria Business Multimedia (ABM), Azlan, Silicon 21, Southcomp Polaris Comztek, Interdist, Westcon Africa

Algeria Algeria Business Multimedia (ABM), Azlan, Silicon 21, Southcomp Polaris Comztek, Interdist, Westcon Africa DISTRIBUIDORES AUTORIZADOS DA CISCO Para fins deste programa, a seguir está uma lista de distribuidores autorizados da Cisco para Mercados emergentes onde a Empresa participante deverá adquirir produtos

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA RELATIVO AO TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS DE ORIGEM HUMANA

PROTOCOLO ADICIONAL À CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM E A BIOMEDICINA RELATIVO AO TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS DE ORIGEM HUMANA Conselho da Europa - Série de Tratados europeus n. 186 Tradução espontânea de RA terminada em 5jul2013 A partir do original em http://conventions.coe.int/treaty/commun/quevoulezvous.asp?cl=fre&nt=186 PROTOCOLO

Leia mais

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004

V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 V CONFERÊNCIA DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA São Tomé, 26 e 27 de Julho de 2004 ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE OS ESTADOS MEMBROS DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE

Leia mais

Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da Organização da Unidade Africana (OUA);

Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da Organização da Unidade Africana (OUA); ACTO CONSTITUTIVO DA UNIÃO AFRICANA Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da Organização da Unidade Africana (OUA); 1. Presidente da República Popular e Democrática da Argélia 2. Presidente

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014 1 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 26 Setembro 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada e intensa

Leia mais

Adis Abeba, Etiópia de Março de 2011

Adis Abeba, Etiópia de Março de 2011 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL DAS NAÇÕES UNIDAS COMISSÃO ECONÓMICA PARA ÁFRICA Décima-terceira reunião do Comité de Peritos Reunião do Comité de Peritos da 4ª Reunião Anual Conjunta da Conferência da UA

Leia mais

Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência de Ministros Responsáveis pelos Recursos Animais em África. 1. Histórico. 2.

Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência de Ministros Responsáveis pelos Recursos Animais em África. 1. Histórico. 2. Estabelecimento de um Mecanismo Integrado de Regional para a Prevenção e Controlo de Doenças Animais Transfronteiriças e Zoonoses em África (IRCM) Relatório de Progresso sobre a Recomendação da 8ª Conferência

Leia mais

Informações para agir

Informações para agir Recém-nascidos africanos - Informações para agir V Os que sejam utilizados em contexto adequado e façam sentido para quem os utiliza são poderosos para melhorar as políticas, avaliar os progressos, orientar

Leia mais

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000;

CONSIDERANDO: A Declaração sobre VIH/SIDA assinada durante a Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, em Maputo em 2000; MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE O PROGRAMA CONJUNTO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE VIH/SIDA (ONUSIDA) E A COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA (CPLP) RELATIVO A APOIO PARA A REALIZAÇÃO DE ATIVIDADES DE

Leia mais

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014

Seminário Financiamento à Exportação Brasileira. 2 de Dezembro de 2014 Seminário Financiamento à Exportação Brasileira 2 de Dezembro de 2014 África: Nosso Cartão Postal 1 Visão Geral do Grupo Presença na África Estabelecido em 1862; ICBC, o maior banco chinês, detém participação

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS ESTADOS DA ÁFRICA CENTRAL E DA ÁFRICA OCIDENTAL SOBRE A SEGURANÇA NO ESPAÇO MARÍTIMO COMUM

DECLARAÇÃO DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS ESTADOS DA ÁFRICA CENTRAL E DA ÁFRICA OCIDENTAL SOBRE A SEGURANÇA NO ESPAÇO MARÍTIMO COMUM DECLARAÇÃO DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DOS ESTADOS DA ÁFRICA CENTRAL E DA ÁFRICA OCIDENTAL SOBRE A SEGURANÇA NO ESPAÇO MARÍTIMO COMUM 1. Nós, os Chefes de Estado e de Governo dos Estados da África

Leia mais

Prestação de Serviços Recursos humanos da saúde. Informação. Produtos medicinais, vacinas e tecnologias. Liderança e governação.

Prestação de Serviços Recursos humanos da saúde. Informação. Produtos medicinais, vacinas e tecnologias. Liderança e governação. 4.0 3.5 3.0 2.5 2.0 1.5 1.0 0.5 0.0 Prestação de Serviços Recursos humanos da saúde Informação A OMS apoia os países na construção de sistemas de saúde resilientes e com capacidade de resposta centrada

Leia mais

PROMOÇÃO DA SAÚDE: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA

PROMOÇÃO DA SAÚDE: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA PROMOÇÃO DA SAÚDE: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Escritório Regional para a África Brazzaville 2013 PROMOÇÃO DA SAÚDE: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA Registo no Catálogo

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Principais Descobertas e Recomendações

Principais Descobertas e Recomendações Principais Descobertas e Recomendações A Pesquisa do Orçamento Aberto 2008, uma avaliação compreensiva da transparência orçamentária em 85 países, revela que o estado da transparência orçamentária ao redor

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A FISCALIDADE CONSTRUÇÃO DO ESTADO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES EM ÁFRICA COMUNICADO DE PRETÓRIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A FISCALIDADE CONSTRUÇÃO DO ESTADO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES EM ÁFRICA COMUNICADO DE PRETÓRIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE A FISCALIDADE CONSTRUÇÃO DO ESTADO E DESENVOLVIMENTO DE CAPACIDADES EM ÁFRICA COMUNICADO DE PRETÓRIA Ao longo dos últimos dois dias, nós, os Comissários Fiscais, Administradores

Leia mais

POLIONU LISTA DE PAÍSES

POLIONU LISTA DE PAÍSES AGH Bolívia 2 Brasil 2 Chile 2 China 2 Colômbia 2 Cuba 2 Equador 2 Espanha 2 Estados Unidos da América 2 França 2 Honduras 2 Israel 2 Itália 2 México 2 Nigéria 2 Panamá 2 Peru 2 Reino Unido 2 Senegal 2

Leia mais

A Cooperação Portuguesa

A Cooperação Portuguesa FICHA TEMÁTICA A Cooperação Portuguesa Março de 2015 Política de Cooperação para o Desenvolvimento A Cooperação para o Desenvolvimento é um vetor chave da política externa portuguesa, que assenta num consenso

Leia mais

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014

OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014 OMS: ACTUALIZAÇÃO DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 3 de Outubro de 2014 De acordo com a estrutura do roteiro 1, os relatórios dos países recaem em duas categorias: países com transmissão generalizada e

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO: regulamentar, orientar e coordenar as atividades de promoção da saúde e prevenção da doença, definir as condições técnicas para adequada prestação de cuidados de saúde, planear e programar

Leia mais

ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA

ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA DESTAQUES RELATÓRIO EBOLA RESPONSE DA ROADMAP SITUAÇÃO SITUATION REPORT DO ROTEIRO DE RESPOSTA AO ÉBOLA 25 DE OUTUBRO DE 204 Desde o início do surto, ocorreram 0 4 casos de EVD em oito países afectados,

Leia mais

A DEMOGRAFIA E AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ECONOMIA NÃO RESPEITAM A CONSTITUIÇÃO NENHUMA CONSTITUIÇÃO

A DEMOGRAFIA E AS LEIS FUNDAMENTAIS DA ECONOMIA NÃO RESPEITAM A CONSTITUIÇÃO NENHUMA CONSTITUIÇÃO Envelhecimento Populacional e seus impactos sobre a Previdência e considerações sobre incentivos (regras) e seus impactos nos gastos, na poupança e na produtividade Paulo Tafner INTITUTO TEOTONIO VILLELA

Leia mais

SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE. Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global

SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE. Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global SEXAGESIMA ASSEMBLEIA MUNDIAL DE SAUDE WHA60.26 Ponto da Agenda 12.13 23 de Maio de 2007 Saúde dos Trabalhadores: plano de acção global A Sexagésima Assembleia Mundial de Saúde Considerando o projecto

Leia mais

AT Procurement Assistência Técnica em Procurement Internacional

AT Procurement Assistência Técnica em Procurement Internacional AT Procurement Assistência Técnica em Procurement Internacional Área de Intervenção e de Desenvolvimento de Negócios Mercado da Cooperação Internacional para o Desenvolvimento COOPERAÇÃO INTERNACIONAL

Leia mais

SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU. Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016

SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU. Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016 SITUACAO FARMACEUTICA DA GUINE-BISSAU Dra Zeferina Gomes Da Costa Directora, DIFARLM 26 de Outubro de 2016 PLANO : 1. INTRODUCAO 2. GESTAO FARMACEUTICA 3. POLITICA, LEGISLACAO, REGULACAO 4. SEGURANCA DE

Leia mais

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho

Controlo da qualidade e supervisão laboratorial. Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho Controlo da qualidade e supervisão laboratorial Cláudia Amorim Vaz Centro hospitalar de são João 1 julho A importância do diagnóstico precoce PHOTO CAPTION A realização dos testes de rastreio vão permitir

Leia mais

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis

Municípios e Comunidades. Saudáveis. Promovendo a qualidade de vida através da Estratégia de Municípios e Comunidades. Saudáveis Organização Pan Americana da Saúde Oficina Regional da Organização Mundial da Saúde Municípios e Comunidades Saudáveis Guia dos prefeitos e outras autoridades locais Promovendo a qualidade de vida através

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO

ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A QUALIDADE NA SAÚDE 3ª APRESENTAÇÃO PÚBLICA DE PROGRESSO CUIDADOS DE SAÚDE TRANSFRONTEIRIÇOS Direção Geral da Saúde Julho de 2012 Áreas de intervenção ASSISTÊNCIA MÉDICA ESPECIALIZADA

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS

11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS 11-12 DE FEVEREIRO DE 2010 SEVILHA DECLARAÇÃO DO FÓRUM CONSULTIVO SOBRE INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS ALIMENTÍCIOS O QUE ESTÁ NO MENU EUROPEU? INQUÉRITO PAN-EUROPEU SOBRE CONSUMO DE GÉNEROS

Leia mais

A.F.P.L.P. PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento. 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas.

A.F.P.L.P. PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento. 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas. A.F.P.L.P. Dr. Carlos Bubacar Baldé Guiné-Bissau PAINEL: Evolução da farmácia e do medicamento 1. Situação actual 2. Vantagens do sistema 3. Fragilidades 4. Perspectivas 1 A participação comunitária no

Leia mais

CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS

CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS Direcção-Geral da Saúde www.dgs.pt Ministério da Saúde CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO DOENTE (World Alliance for Patient Safety) OMS, Orientações para a Segurança Cirúrgica

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2016 a

PLANO ESTRATÉGICO 2016 a LIDERAR COM RESPONSABILIDADE PLANO ESTRATÉGICO 2016 a 6 2020 Fevereiro de 2016 LIDERAR COM RESPONSABILIDADE 1 ÍNDICE 1. CARACTERIZAÇÃO DA INTERVENÇÃO 3-4 1.1. A UNIAPAC-África 1.2. DESCRIÇÃO DO CONTEXTO

Leia mais

África e Oriente Médio Perspectivas para 2013

África e Oriente Médio Perspectivas para 2013 África e Oriente Médio Perspectivas para 13 Janeiro - 13 Resumo Executivo As economias do Oriente Médio, Norte da África e África Subsaariana vêm apresentando um desempenho bastante favorável desde o começo

Leia mais

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa

Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Oficina de Trabalho sobre Desenvolvimento de Políticas de Recursos Humanos para Países Africanos de Expressão Portuguesa Joint Africa Institute World Bank Institute World Health Organization Sandton, África

Leia mais

Telefone. operador. 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes

Telefone. operador. 1,70 1,70 Grátis Grátis Grátis Grátis Qualquer montante Permanentes Entrada em vigor: 01out2016 5.1. Ordens de transferência C/ operador Telefone S/ Internet e Mobile ATM Maq. Rede Interna 1. Transferências Internas / Nacionais Emitidas em euros 1.1 Para conta domiciliada

Leia mais

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS

Critérios de Mérito. Critério Sub critério Descrição e regras de avaliação Pontuação CRITÉRIOS QUALITATIVOS Critérios de Selecção A fim de assegurar um nível mínimo de qualidade das candidaturas, os candidatos seleccionados têm de pontuar pelo menos 30 pontos nos critérios qualitativos, sob pena de exclusão.

Leia mais

Objectivos para o desenvolvimento sustentável: Os desafios dos ODS e a Saúde

Objectivos para o desenvolvimento sustentável: Os desafios dos ODS e a Saúde ENCONTRO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE E DA SEGURANÇA SOCIAL Ilha de Santiago, 8 a 12 de Agosto de 2016 Objectivos para o desenvolvimento sustentável: Os desafios dos ODS e a Saúde 1 Transformar o

Leia mais

ACTA DA 2.ª REUNIÃO DA MESA PAN-AFRICANA DOS ÓRGÃOS NACIONAIS DE COMBATE A CORRUPÇÃO 13 DE AGOSTO DE 2008

ACTA DA 2.ª REUNIÃO DA MESA PAN-AFRICANA DOS ÓRGÃOS NACIONAIS DE COMBATE A CORRUPÇÃO 13 DE AGOSTO DE 2008 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Introdução ACTA DA 2.ª REUNIÃO DA MESA PAN-AFRICANA DOS ÓRGÃOS NACIONAIS DE COMBATE A CORRUPÇÃO 13 DE AGOSTO DE 2008 1. A terceira reunião da mesa da 2.ª Reunião

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE TRANSFUSÃO DE SANGUE

POLÍTICA NACIONAL DE TRANSFUSÃO DE SANGUE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE MINISTÉRIO DA SAÚDE POLÍTICA NACIONAL DE TRANSFUSÃO DE SANGUE MAIO DE 2006. Política Nacional de Transfusão de Sangue-1/21/2010 1 ÍNDICE 1. Introdução...3 2.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO PARA O ELEFANTE AFRICANO

PLANO DE ACÇÃO PARA O ELEFANTE AFRICANO PLANO DE ACÇÃO PARA O ELEFANTE AFRICANO O document anexo foi apresentado pelos Estados da área de distribuição do elefante africano: África do Sul, Angola, Benim, Botsuana, Burquina Faso, Camarões, Chade,

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO PROFISSIONAL Síntese do Workshop Nacional sobre o Projecto de Centros de Excelência do Ensino Superior para África

Leia mais

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE

ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE ENCONTRO SOBRE O RECURSOS ZOOGENÉTICOS AFRICANOS DE 14 15 DE ABRIL DE 2013, ABIDJAN, CÔTE D IVOIRE Por : Manuel MAIDI Abolia, Chefe do Departamento de Produção, Tecnologia e Industria Animal do ISV 1 -

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

AIDS VIH/SIDA: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA. África. ESCRITÓRIO REGIONAL para a

AIDS VIH/SIDA: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA. África. ESCRITÓRIO REGIONAL para a AIDS VIH/SIDA: ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA ESCRITÓRIO REGIONAL para a África VIH/SIDA : ESTRATÉGIA PARA A REGIÃO AFRICANA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Escritório Regional para a África Brazzaville

Leia mais

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto

Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Banco Mundial Governo de Moçambique Gestão dos Projectos Bartolomeu Soto Revisão do Desempenho da Carteira de Projectos (CPPR) 18 de Setembro de 2009 Assuntos Críticos a Considerar Desafios e Recomendações

Leia mais

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS

REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS REUNIÃO ANUAL DE REFLEXÃO MONITORIA VIRADA PARA RESULTADOS Tópicos Chuva de ideias; Contextualização; Conceptualização (monitoria e avaliação); Monitoria virada para resultados vs monitoria tradicional

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Gabinete de Estudos Princípios Gerais sobre a Iniciativa de Transparência na Indústria Extractiva (EITI) e sua Implementação em Moçambique Maputo, 23 de

Leia mais

Ajude-nos a tornar a sua dádiva mais segura, para si e para os doentes que vão receber o seu sangue.

Ajude-nos a tornar a sua dádiva mais segura, para si e para os doentes que vão receber o seu sangue. Ajude-nos a tornar a sua dádiva mais segura, para si e para os doentes que vão receber o seu sangue. Qualquer dúvida que surja, poderá esclarecê-la com os profissionais do Centro Regional de Sangue. SEGURANÇA

Leia mais

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho sobre:

Junto se enviam, à atenção das delegações, as conclusões do Conselho sobre: Conselho da União Europeia Bruxelas, 12 de dezembro de 2016 (OR. en) 15508/16 AGRI 676 AGRILEG 197 RESULTADOS DOS TRABALHOS de: para: Assunto: Secretariado-Geral do Conselho Delegações O reforço da posição

Leia mais

PLANO ESPANHOL DE PREPARAÇÃO E RESPOSTA FACE A UMA PANDEMIA DE GRIPE

PLANO ESPANHOL DE PREPARAÇÃO E RESPOSTA FACE A UMA PANDEMIA DE GRIPE PLANO ESPANHOL DE PREPARAÇÃO E RESPOSTA FACE A UMA PANDEMIA DE GRIPE Pandemia de Gripe O que é? Por que é necessário um Plano? Pandemia de Gripe O que sabemos e o que desconhecemos Outra pandemia é INEVITÁVEL

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA VIGILÂNCIA ELECTRÓNICA NO CONTEXTO DA VIGILÂNCIA E RESPOSTA INTEGRADAS ÀS DOENÇAS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS

IMPLEMENTAÇÃO DA VIGILÂNCIA ELECTRÓNICA NO CONTEXTO DA VIGILÂNCIA E RESPOSTA INTEGRADAS ÀS DOENÇAS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS IMPLEMENTAÇÃO DA VIGILÂNCIA ELECTRÓNICA NO CONTEXTO DA VIGILÂNCIA E RESPOSTA INTEGRADAS ÀS DOENÇAS NA REGIÃO AFRICANA DA OMS Implementação da vigilância electrónica no contexto da Vigilância e Resposta

Leia mais

AFR/RC51/RT/3 Página 1 INTRODUÇÃO

AFR/RC51/RT/3 Página 1 INTRODUÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO 1. O presente documento constitui um convite para um debate sobre o papel do sector da saúde na luta contra a pobreza, luta que se tornou incontornável na maioria dos países da Região

Leia mais

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves

Carta de Missão. Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Carta de Missão Ministério da Economia e do Emprego Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves Diretor De de de 201. a.. de. de 201 1. Missão do organismo O Gabinete de Prevenção e

Leia mais

OMS: Relatório da situação do Roteiro de Resposta ao Ébola 18 de Setembro de 2014

OMS: Relatório da situação do Roteiro de Resposta ao Ébola 18 de Setembro de 2014 Número de casos 1 OMS: Relatório da situação do Roteiro de Resposta ao Ébola 18 de Setembro de 2014 Este é o quarto de uma série de relatórios de situação regulares sobre o Roteiro de Resposta ao Ébola

Leia mais