6. Bióloga, Instituto de Botânica de São Paulo, Secretaria de Estado de Meio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "6. Bióloga, Instituto de Botânica de São Paulo, Secretaria de Estado de Meio"

Transcrição

1 Fungos basidiomicetos na arborização urbana de São Paulo Okino-Silva, L.K. 1 ; Dutra, S.P.B. 2 ; Mizuta, D. 3 ; Santos, T.L.T. 4 ; Galvão, R.G. 5 ; Gugliotta, A.M Bióloga, Instituto de Botânica de São Paulo, Secretaria de Estado de Meio Ambiente. 2. Graduanda em Gestão Ambiental pela Universidade de São Paulo Campus USP-Leste. 3. Engenheiro Florestal, Prefeitura do Município de São Paulo, Secretaria de 4. Engenheiro Agrônomo, Prefeitura do Município de São Paulo, Secretaria de 5. Engenheiro Agrônomo, Prefeitura do Município de São Paulo, Secretaria de 6. Bióloga, Instituto de Botânica de São Paulo, Secretaria de Estado de Meio Ambiente. Introdução Em 2013 foram avaliadas 26 indivíduos arbóreos do bairro Jardins, São Paulo, infectados por fungos basidiomicetos. Foi realizado um diagnóstico medindo os dados dendrométricos e estado fitossanitário das raízes, colo, tronco e copa, avaliando a situação do entorno e presença de demais fitopatógenos como brocas, cupins e formigas determinado manejo adequado. Coletados os basidiomas, foram levados ao Instituto de Botânica de São Paulo, para caracterização macroscópica e secagem em estufas. Das árvores avaliadas, 12 eram Caesalpinia pluviosa, 3 Holocalyx balansae, 2 Ficus microcarpa, 2 Caesalpinia ferrea, 2 Jacaranda mimosaefolia, 3 Parapiptadenia rigida, 1 Tipuana tipu e 1 Ligustrum lucidum. Ganoderma sp. foi o gênero mais freqüente infectando 23 árvores, de todas as espécies estudadas. Das árvores avaliadas, 13 serão removidas devido a fitossanidade, ou seja, esses indivíduos apresentam risco de queda pelo comprometimento do fuste causado pelo fungo. Os demais espécimes tiveram orientação de outros manejo. Palavras-Chave: Fungos, arborização, fitossanidade Abstract: In trees in Jardins neighborhood were assessment infected by fungi basidiomycetes. A diagnosis was made by measuring their dendrometric data and sanitary condition of the roots, base, trunk and crown, assessing targets situation and the presence of other pathogens such as borer, termites and ants, given appropriate management. The basidiomas were collected and taken to the Botanical Institute of São Paulo, for macroscopic characterization and drying. All trees assessed, 12 Caesalpinia pluviosa, 3 Holocalyx balansae, 2 Ficus microcarpa, 2 Caesalpinia ferrea, 2 Jacaranda mimosaefolia, 3 Parapiptadenia rigida, 1 Tipuana tipu and 1 Ligustrum lucidum, the Ganoderma sp. was the most frequent genus infecting all trees of all species. The evaluated trees, 13 are removed due phytosanitary state, ie, these individuals offer a risk of falling because his stem was compromise caused by the fungus. The remaining specimens had other management

2 guidance. Key Words: Fungi, trees, phytosanitary state Introdução Em uma cidade como São Paulo, faz-se necessário conhecer o estado fitossanitário das árvores para garantir a qualidade de vida, a segurança da população e evitar os transtornos com quedas de árvores no verão. Em 2013 foram avaliados vinte e seis indivíduos arbóreos do bairro Jardins, subprefeitura de Pinheiros, que estavam infectados por fungos basidiomicetos Metodologia Para cada espécime arbóreo infectado por fungo basidiomiceto (Figuras. 1a e 1b, 2a e 2b,3a e 3b) foi realizado um diagnóstico medindo os dados dendrométricos como Diâmetro à Altura do Peito (DAP), altura da árvore, diâmetro da copa, estado fitossanitário das raízes, colo, tronco e copa. Também foi avaliada a situação do canteiro, vegetação interferente, fiação e presença de outros fitopatógenos como brocas, cupins e formigas para determinar o manejo adequado. Após o diagnóstico, os basidiomas foram coletados para identificação e levados para o Instituto de Botânica de São Paulo, Setor de Micologia, para realizar a descrição macroscópica dos basidiomas e, posteriormente, secagem em estufa a 50 C durante 24h ou mais, se necessário. A identificação dos fungos foi baseada em caracteres macro e micromorfológicos dos basidiomas seguindo as metodologias descritas por Teixeira (1995) e Ryvarden (1991, 2000, 2004). Figura 1. A. Ganoderma sp. B.Schyzophyllum commune

3 Figura 2. A. Pleurotus ostreastoroseus B. Hydnopolyporus sp Figura 3. A. Phellinus sp. B. Auricularia sp. Resultados Das 26 árvores avaliadas, o gênero Ganoderma spp. foi o fungo mais frequente infectando todas as espécies arbóreas, conforme Tabela 1. Tabela 1: Espécimes arbóreas infectadas pelos basidiomicetos. Nome Científico Espécie do fungo Caesalpinia pluviosa Ganoderma sp. 11 Caesalpinia pluviosa Phellinus sp. 1 Caesalpinia ferrea Schyzophyllum commune Fries 1 Caesalpinia ferrea Ganoderma sp. 1 Ficus microcarpa Auricularia sp. e Pleurotus ostreatoroseus Sing. 1 Ficus microcarpa Ganoderma sp. 1 Holocalyx balansae Ganoderma sp. 3 Jacaranda sp. Ganoderma sp. 2 Ligustrum lucidum Ganoderma sp. 1 Parapiptadenia rigida Ganoderma sp. e Hydnopolyporus sp. 1 Parapiptadenia rigida Ganoderma sp. 2 Tipuana tipu Ganoderma sp. 1 Total de árvores 26 Quantidade de árvores infectadas

4 Conclusões Ao detectar a presença de fungo basidiomiceto em árvores é necessário realizar um diagnóstico detalhado, do espécime arbóreo em questão, avaliando-se assim se há comprometimento da estabilidade da árvore. Dependendo do grau de comprometimento, pode ser feita a remoção ou apenas o monitoramento da árvore.

5 Referências - Ryvarden, L Genera of Polypores. Nomenclature and taxonomy. Synopsis Fungorum 5. Oslo, Fungiflora. 363p. - Ryvarden, L Studies in neotropical polypores 2: a preliminary key to neotropical species of Ganoderma with a laccate pileus. Mycologia, 92(1): Ryvarden, L Neotropical Polypores: Part 1. Introduction, Ganodermataceae & Hymenochaetaceae. Synopsis Fungorum 19: Teixeira, A.R Método para estudo das hifas do basidiocarpo de fungos poliporáceos. Manual n o 6. Instituto de Botânica, São Paulo.

Princípios básicos para o projeto de arborização urbana

Princípios básicos para o projeto de arborização urbana Princípios básicos para o projeto de arborização urbana Respeitar os valores culturais, ambientais e de memória da cidade. Proporcionar conforto sombreamento, abrigo e alimento para avifauna, diversidade

Leia mais

LEI Nº 1.286/2005. LIDIO LEDESMA, Prefeito Municipal de IGUATEMI, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais,

LEI Nº 1.286/2005. LIDIO LEDESMA, Prefeito Municipal de IGUATEMI, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, LEI Nº 1.286/2005 DISPÕE SOBRE A PODA DE ÁRVORES NO MUNICÍPIO DE IGUATEMI-MS E DÁ PROVIDÊNCIAS CORRELATAS. LIDIO LEDESMA, Prefeito Municipal de IGUATEMI, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições

Leia mais

APA A Mangrove Basidiomycetes from Algodoal-Maiandeua, Pará State, Brasil 1

APA A Mangrove Basidiomycetes from Algodoal-Maiandeua, Pará State, Brasil 1 Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, sér. Ciências Naturais, Belém, v. 1, n. 1, p. 141-146, jan-abr. 2005 Basidiomycetes de Manguezais da APA de Algodoal-Maiandeua, Pará, Brasil 1 APA A Mangrove Basidiomycetes

Leia mais

Porto Alegre, 02 de setembro de Sr. Léo Antônio Bulling. Supervisor da SUPPJ/SMAM

Porto Alegre, 02 de setembro de Sr. Léo Antônio Bulling. Supervisor da SUPPJ/SMAM Porto Alegre, 02 de setembro de 2013 Ao Sr. Léo Antônio Bulling Supervisor da SUPPJ/SMAM Em atendimento à vossa solicitação, vimos pelo presente apresentar laudo técnico de vistoria referente ao evento

Leia mais

Chec List Journal of species lists and distribution

Chec List Journal of species lists and distribution Check List 9(4): 800 805, 2013 2013 Check List and Authors ISSN 1809-127X (available at www.checklist.org.br) Chec List Journal of species lists and distribution N o t e s on Geogra p h i c Distribution

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE PODAS E ASPECTOS FITOSSANITÁRIOS EM ÁRVORES URBANAS NA CIDADE DE LUIZIANA, PARANÁ

RELAÇÃO ENTRE PODAS E ASPECTOS FITOSSANITÁRIOS EM ÁRVORES URBANAS NA CIDADE DE LUIZIANA, PARANÁ RELAÇÃO ENTRE PODAS E ASPECTOS FITOSSANITÁRIOS EM ÁRVORES URBANAS NA CIDADE DE LUIZIANA, PARANÁ Larissa Fernanda Vieira Martins 1 ; Helisson Henrique Borsato de Andrade 2 ; Bruno Luiz Domingos De Angelis

Leia mais

MENSURAÇÃO DO DIÂMETRO DE COPA DAS ESPÉCIES DE ÁRVORES EM TRÊS AVENIDAS CENTRAIS DE GURUPI-TO

MENSURAÇÃO DO DIÂMETRO DE COPA DAS ESPÉCIES DE ÁRVORES EM TRÊS AVENIDAS CENTRAIS DE GURUPI-TO MENSURAÇÃO DO DIÂMETRO DE COPA DAS ESPÉCIES DE ÁRVORES EM TRÊS AVENIDAS CENTRAIS DE GURUPI-TO Gabriel Costa Rocha 1 ; André Ferreira dos Santos 2 ; 1 Aluno do Curso de Engenharia Florestal; Campus de Gurupi;

Leia mais

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne. FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA:

Leia mais

Caracterização da arborização do Bairro Neva, Município de Cascavel - Pr

Caracterização da arborização do Bairro Neva, Município de Cascavel - Pr 181 Caracterização da arborização do Bairro Neva, Município de Cascavel - Pr Magno Luiz Vidotto 1, Reginaldo Ferreira Santos 1,2 e Augustinho Borsoi 2 1 Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE,

Leia mais

Criptógamos do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP. Fungos, 9: Meripilaceae

Criptógamos do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP. Fungos, 9: Meripilaceae Hoehnea 35(1): 99-110, 19 fig., 2008 Criptógamos do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP. Fungos, 9: Meripilaceae Giuliana Ribeiro Leal 1 e Adriana de Mello Gugliotta 1,2 Recebido: 11.10.2007;

Leia mais

INVENTÁRIO QUALI-QUANTITATIVO DE ESPÉCIES ARBÓREAS E ARBUSTIVAS EM PRAÇAS DO BAIRRO FLORESTA NA CIDADE DE BELO HORIZONTE-MG

INVENTÁRIO QUALI-QUANTITATIVO DE ESPÉCIES ARBÓREAS E ARBUSTIVAS EM PRAÇAS DO BAIRRO FLORESTA NA CIDADE DE BELO HORIZONTE-MG INVENTÁRIO QUALI-QUANTITATIVO DE ESPÉCIES ARBÓREAS E ARBUSTIVAS EM PRAÇAS DO BAIRRO FLORESTA NA CIDADE DE BELO HORIZONTE-MG Aderbal Gomes da Silva 1 ; Aderlan Gomes da Silva 2 1. Professor Doutor do Departamento

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO FIGURA 1. Indivíduo arbóreo da espécie Munguba com o estado fitossanitário comprometido. FIGURA 2. Vista da parte aérea demonstrando a ausência de folhas.

Leia mais

Laudos de cobertura vegetal aplicado ao licenciamento ambiental em Porto Alegre - 3ª edição

Laudos de cobertura vegetal aplicado ao licenciamento ambiental em Porto Alegre - 3ª edição Laudos de cobertura vegetal aplicado ao licenciamento ambiental em Porto Alegre - 3ª edição 1. RESUMO: Curso teórico-prático direcionado a estudantes e profissionais da área ambiental com interesse no

Leia mais

ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANIZAÇÃO DO COMPLEXO BERADEIRO, MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA.

ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANIZAÇÃO DO COMPLEXO BERADEIRO, MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA. Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 ANÁLISE QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO URBANIZAÇÃO DO COMPLEXO BERADEIRO, MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA, PA. Thuanny Paula de Almeida Nascimento, IFPA - Instituto Federal

Leia mais

Distrito do Ipiranga, São Paulo, SP - BRASIL ÁRVORES do Parque da Independência, São Paulo

Distrito do Ipiranga, São Paulo, SP - BRASIL ÁRVORES do Parque da Independência, São Paulo Distrito do Ipiranga, São Paulo, SP - BRASIL 1 1 Rafael Felipe de Almeida, Simone Justamante De Sordi2 & Ricardo José Francischetti Garcia2 1.Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo. 2. Herbário Municipal

Leia mais

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015

Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 243 Avaliação de acessos do BAG jenipapo: ano 2015 Isis Bacelar Araújo 1, Ana Letícia Sirqueira Nascimento 2, Marina

Leia mais

ARTIGO. Agaricomycetes (Basidiomycota) em um fragmento florestal urbano na cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil

ARTIGO. Agaricomycetes (Basidiomycota) em um fragmento florestal urbano na cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Agaricomycetes (Basidiomycota) em um fragmento florestal

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA DA CIDADE DE RESERVA DO CABAÇAL - MT

ARBORIZAÇÃO URBANA DA CIDADE DE RESERVA DO CABAÇAL - MT ARBORIZAÇÃO URBANA DA CIDADE DE RESERVA DO CABAÇAL - MT UANDERSON GOMES VICENTE 1 E RUBENS MARQUES RONDON NETO 2 Recebido em 23.07.2010 e aceito em 07.06.2011 1 Acadêmico do curso de Engenharia Florestal

Leia mais

LEI Nº , DE 26 DE DEZEMBRO DE 2001.

LEI Nº , DE 26 DE DEZEMBRO DE 2001. LEI Nº. 4.549, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2001. Disciplina o plantio, supressão, poda, transporte e derrubada de espécies vegetais e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACAREÍ USANDO DAS ATRIBUIÇÕES

Leia mais

COMPARAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA AVALIAÇÃO QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO VIÁRIA, EM BELO HORIZONTE-MG 1.

COMPARAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA AVALIAÇÃO QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO VIÁRIA, EM BELO HORIZONTE-MG 1. COMPARAÇÃO DE TRÊS MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE DADOS PARA AVALIAÇÃO QUALI-QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO VIÁRIA, EM BELO HORIZONTE-MG 1. Aderbal Gomes da Silva 2, Wantuelfer Gonçalves 3, Hélio Garcia Leite 3,

Leia mais

Avaliação da incidência de fungos em sementes de angico (Anadenanthera colubrina) com diferentes anos de coleta e tempo de armazenamento.

Avaliação da incidência de fungos em sementes de angico (Anadenanthera colubrina) com diferentes anos de coleta e tempo de armazenamento. SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Avaliação da incidência de fungos em sementes de angico (Anadenanthera colubrina) com diferentes anos de coleta e tempo de armazenamento. Bezerra

Leia mais

OCORRÊNCIA DO CANCRO DE TRONCO EM ÁRVORES DE ACOMPANHAMENTO VIÁRIO NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

OCORRÊNCIA DO CANCRO DE TRONCO EM ÁRVORES DE ACOMPANHAMENTO VIÁRIO NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ OCORRÊNCIA DO CANCRO DE TRONCO EM ÁRVORES DE ACOMPANHAMENTO VIÁRIO NA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Bruno Luiz Domingos De Angelis 1, Rosana Miranda de Castro 2, Generoso De Angelis Neto 3. RESUMO O presente

Leia mais

Inventário e Avaliação Arbórea do Estacionamento do Parque Anhembi

Inventário e Avaliação Arbórea do Estacionamento do Parque Anhembi SÃO PAULO TURISMO AMBIENTE BRASIL ENGENHARIA Ltda. TÍTULO: Inventário e Avaliação Arbórea do Estacionamento do Parque Anhembi N.º DO CLIENTE: 106 ELABORADO: Guilherme Gurian Castanho CÓDIGO RELATÓRIO:

Leia mais

Ionete Hasse 1 ; Tobias Juan Shinosaka 2 ; Lenir Maristela Silva 3

Ionete Hasse 1 ; Tobias Juan Shinosaka 2 ; Lenir Maristela Silva 3 AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE CUPINS NA ARBORIZAÇÃO DA REGIÃO CENTRAL DE PATO BRANCO-PR. Ionete Hasse 1 ; Tobias Juan Shinosaka 2 ; Lenir Maristela Silva 3 (recebido em 25.10.2007 e aceito pra publicação em

Leia mais

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR?

CEDRO AUSTRALIANO CEDRO AUSTRALIANO DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? DE SEMENTE OU CLONADO? QUAL PLANTAR? Com o surgimento de novos materiais genéticos no mercado, existem dúvidas sobre qual é a melhor opção para o plantio de cedro australiano. Elaboramos este documento

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA AVENIDA PLÍNIO ARLINDO DE NÊS, MUNICÍPIO DE XAXIM, SC

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA AVENIDA PLÍNIO ARLINDO DE NÊS, MUNICÍPIO DE XAXIM, SC DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA AVENIDA PLÍNIO ARLINDO DE NÊS, MUNICÍPIO DE XAXIM, SC Débora Cristina Antunes da Cruz * Leila Cristina Bevilaqua * Guilherme Oliveira Santos Ferraz de Arruda ** Resumo

Leia mais

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ANGICO (Parapiptadenia rigida Benth.) PARA FINS DE ARBORIZAÇÃO URBANA

PRODUÇÃO DE MUDAS DE ANGICO (Parapiptadenia rigida Benth.) PARA FINS DE ARBORIZAÇÃO URBANA PRODUÇÃO DE MUDAS DE ANGICO (Parapiptadenia rigida Benth.) PARA FINS DE ARBORIZAÇÃO URBANA 1 Coelho, C. C.; 2 Gerber, D; 3 Pereira, P.; 4 Borineli, R; 5 Abreu, D. C. A. 6 Brun, F. G. K.; ¹Acadêmico de

Leia mais

Estudo de lei pelo COMDEMA - Piracicaba

Estudo de lei pelo COMDEMA - Piracicaba Estudo de lei pelo COMDEMA - Piracicaba Considerando a importância crescente da vegetação urbana para a manutenção e ampliação dos benefícios ecológicos, fisiológicos, sociais e econômicos e a urgente

Leia mais

PRIORIDADES DE MANEJO PARA A ARBORIZAÇÃO VIÁRIA DA ESTÂNCIA DE ÁGUAS DE SÃO PEDRO-SP, POR SETORES

PRIORIDADES DE MANEJO PARA A ARBORIZAÇÃO VIÁRIA DA ESTÂNCIA DE ÁGUAS DE SÃO PEDRO-SP, POR SETORES PRIORIDADES DE MANEJO PARA A ARBORIZAÇÃO VIÁRIA DA ESTÂNCIA DE ÁGUAS DE SÃO PEDRO-SP, POR SETORES Silvana Bortoleto 1, Demóstenes Ferreira da Silva Filho 2, Ana Maria Liner Pereira Lima 3 RESUMO A arborização

Leia mais

DIVERSIDADE DE FUNGOS MACROSCÓPICOS NA FLORESTA OMBRÓFILA MISTA DO PICO DA BANDEIRA EM MARIA DA FÉ

DIVERSIDADE DE FUNGOS MACROSCÓPICOS NA FLORESTA OMBRÓFILA MISTA DO PICO DA BANDEIRA EM MARIA DA FÉ DIVERSIDADE DE FUNGOS MACROSCÓPICOS NA FLORESTA OMBRÓFILA MISTA DO PICO DA BANDEIRA EM MARIA DA FÉ Maira Caroline Honório (1), ; Liliana Auxiliadora Avelar Pereira Pasin (2,) (1) Graduanda do curso de

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto

Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto IPEF, n.23, p.53-56, abr.1983 Análise da Produção Energética e de Carvão Vegetal de Espécies de Eucalipto J.O. BRITO, L. E. G. BARRICHELO e F. SEIXAS ESALQ - USP, Depto. de Silvicultura - 13.400 - Piracicaba

Leia mais

Ana P. G. C. Marques Rui S. Oliveira Paula M. L. Castro António O. S. S. Rangel

Ana P. G. C. Marques Rui S. Oliveira Paula M. L. Castro António O. S. S. Rangel ZINC ACCUMULATION AND TRANSLOCATION IN SOLANUM NIGRUM: : EFFECT OF ARBUSCULAR MYCORRHIZAL FUNGI AND MATRIX CONCENTRATION Ana P. G. C. Marques Rui S. Oliveira Paula M. L. Castro António O. S. S. Rangel

Leia mais

RESISTÊNCIA NATURAL DAS ESPÉCIES

RESISTÊNCIA NATURAL DAS ESPÉCIES RESISTÊNCIA NATURAL DAS ESPÉCIES Eucalyptus cloeziana, Eucalyptus mycrocoris, Eucalyptus umbra, Corymbia citriodora e Corymbia maculata À DEGRADAÇÃO PROVOCADA PELO FUNGO Agrocybe perfecta, CAUSADOR DA

Leia mais

Doutor, Universidade do Estado de Mato grosso,

Doutor, Universidade do Estado de Mato grosso, LEVANTAMENTO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DO SETOR CIDADE ALTA, ALTA FLORESTA, MATO GROSSO, BRASIL. LIFTING AFFORESTATION URBAN SECTOR CITY HIGH, ALTA FLORESTA, MATO GROSSO, BRAZIL. BASSO, Sueza 1 ; MAMEDE, Jeneffer

Leia mais

Características Gerais Seres uni ou pluricelulares, sem tecidos verdadeiros. Suas células são chamadas hifas, sendo que um emaranhado de hifas recebe

Características Gerais Seres uni ou pluricelulares, sem tecidos verdadeiros. Suas células são chamadas hifas, sendo que um emaranhado de hifas recebe REINO FUNGI Características Gerais Seres uni ou pluricelulares, sem tecidos verdadeiros. Suas células são chamadas hifas, sendo que um emaranhado de hifas recebe o nome de micélio. Características Gerais

Leia mais

BASIDIOMICETOS DA CIDADE DE CASCAVEL OESTE DO PARANÁ E SUAS APLICAÇÕES EM BIOTECNOLOGIA

BASIDIOMICETOS DA CIDADE DE CASCAVEL OESTE DO PARANÁ E SUAS APLICAÇÕES EM BIOTECNOLOGIA BASIDIOMICETOS DA CIDADE DE CASCAVEL OESTE DO PARANÁ E SUAS APLICAÇÕES EM BIOTECNOLOGIA Basidiomycetes from Cascavel City - Western Parana - and their applications in biotechnology Ingrids Mathias Vieira

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DO PATRIMÔNIO ARBÓREO DA MALHA VIÁRIA URBANA CENTRAL DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS-SP. Nivia Maria Sucomine 1 ; Almir Sales 2

CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DO PATRIMÔNIO ARBÓREO DA MALHA VIÁRIA URBANA CENTRAL DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS-SP. Nivia Maria Sucomine 1 ; Almir Sales 2 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DO PATRIMÔNIO ARBÓREO DA MALHA VIÁRIA URBANA CENTRAL DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS-SP Nivia Maria Sucomine 1 ; Almir Sales 2 (recebido em 11.01.2010 e aceito para publicação em 15.12.2010)

Leia mais

Estratégia de Melhoramento Genético para o Pinheiro Manso em Portugal

Estratégia de Melhoramento Genético para o Pinheiro Manso em Portugal Isabel Carrasquinho INIAV Oeiras, Portugal Estratégia de Melhoramento Genético para o Pinheiro Manso em Portugal Alcácer do Sal, 28 Março 2014 isabel.carrasquinho@iniav.pt A Pinus pinea L. ocupa actualmente

Leia mais

Qualidade Sanitária de Sementes de Pau-cigarra (Senna multijuga)

Qualidade Sanitária de Sementes de Pau-cigarra (Senna multijuga) Qualidade Sanitária de Sementes de Pau-cigarra (Senna multijuga) Vanessa Sperandio Schultz 1 Álvaro Figueredo dos Santos 2 Antonio Carlos Souza Medeiros 3. RESUMO Com o objetivo de se determinar a incidência

Leia mais

6 Campanha de medições

6 Campanha de medições 6 Campanha de medições A escolha dos sítios onde foram realizadas as medições é de grande importância para uma boa caracterização da perda de sinal devido à presença vegetal. Para tanto foram selecionados

Leia mais

HYMENOMYCETES DETERIORADORES DE MADEIRA EM SERRARIAS DE MANAUS, AM, BRASIL. 1

HYMENOMYCETES DETERIORADORES DE MADEIRA EM SERRARIAS DE MANAUS, AM, BRASIL. 1 HYMENOMYCETES DETERIORADORES DE MADEIRA EM SERRARIAS DE MANAUS, AM, BRASIL. 1 Maria Ν. S. RIBEIRO 2 Izonete de J. A. AGUIAR 2 RESUMO Do levantamento realizado com fungos (Hymenomycetes) deterioradores

Leia mais

Composição Florística e Síndromes de Dispersão no Morro Coração de Mãe, em. Piraputanga, MS, Brasil. Wellington Matsumoto Ramos

Composição Florística e Síndromes de Dispersão no Morro Coração de Mãe, em. Piraputanga, MS, Brasil. Wellington Matsumoto Ramos MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA VEGETAL Composição Florística e Síndromes de Dispersão

Leia mais

Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo

Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo 114 Restos Vegetais da Mangueira e sua Importância como Fonte de Inóculo em Restos Vegetais da Mangueira e Sua Importância como Fonte de Inóculo em Diferentes Sistemas de Manejo Mango Debris and Their

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ARBORIZAÇÃO URBANA

SOCIEDADE BRASILEIRA DE ARBORIZAÇÃO URBANA MANUTENÇÃO DE ÁRVORES: TÉCNICAS DE PODA E TREINAMENTO DE ESCALADA EM ÁRVORES. PRÁTICAS DE PODA, COM USO DE EQUPAMENTOS DE SEGURANÇA. ANDRÉ DUARTE PUENTE- BIÓLOGO GERSON LUIS MAINARDI ENGENHEIRO FLORESTAL

Leia mais

Gestão da Arborização Urbana Experiência do IPT. Biólogo Sérgio Brazolin CT-Floresta

Gestão da Arborização Urbana Experiência do IPT. Biólogo Sérgio Brazolin CT-Floresta Gestão da Arborização Urbana Experiência do IPT Biólogo Sérgio Brazolin CT-Floresta Áreas de Atuação em Arborização Urbana Abordagem multidisciplinar Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis - CT-Floresta

Leia mais

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS 23 a 26/10/2006, FIRJAN Emissões per capita de CO 2 (1990) *Middle East & North Africa **Centrally Planned Asia & China Source:

Leia mais

Elaboração de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para órgãos públicos e privados.

Elaboração de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos para órgãos públicos e privados. APRESENTAÇÃO Sustentare Engenharia e Consultoria Ambiental é uma empresa de consultoria ambiental fundada em 13 de março de 2012 e, desde então, prima por elaborar e executar projetos com soluções ambientais

Leia mais

LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS PERTENCENTES AO FILO BASIDIOMYCOTA NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA

LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS PERTENCENTES AO FILO BASIDIOMYCOTA NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA LEVANTAMENTO E IDENTIFICAÇÃO DE FUNGOS PERTENCENTES AO FILO BASIDIOMYCOTA NO INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CÂMPUS CONCÓRDIA Julio Cezar MOCELLIN 1 ; Ian Carlos Galon 2 ; Alessandra Farias Millezi 3 1 Bolsista

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E OPERADORES. Palestrante: JOAQUIM TEOTÔNIO CAVALCANTI NETO Engenheiro Agrônomo / Arborista Certificado

CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E OPERADORES. Palestrante: JOAQUIM TEOTÔNIO CAVALCANTI NETO Engenheiro Agrônomo / Arborista Certificado CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E OPERADORES Palestrante: JOAQUIM TEOTÔNIO CAVALCANTI NETO Engenheiro Agrônomo / Arborista Certificado Para que a floresta urbana cumpra suas funções adequadamente, se faz necessário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Registro fotográfico da Ficus elastica com diagnóstico de declínio ocasionado por Ganoderma applanatum Figura 01 Ficus elastica, vista parcial do tronco e raízes tabulares. Foto: Sandra Graciele Pereira

Leia mais

DIVERSIDADE ARBÓREA E ANÁLISE ESTRUTURAL EM JARDIM INGLÊS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO

DIVERSIDADE ARBÓREA E ANÁLISE ESTRUTURAL EM JARDIM INGLÊS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO 220 DIVERSIDADE ARBÓREA E ANÁLISE ESTRUTURAL EM JARDIM INGLÊS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Resumo A presente pesquisa objetivou catalogar as árvores do Jardim da Escola Superior de Agricultura Luiz de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DE MANEJO PARA ÁRVORES COM RISCO DE QUEDA NO BOSQUE DO JARDIM CONCÓRDIA, DOIS VIZINHOS-PR

RECOMENDAÇÃO DE MANEJO PARA ÁRVORES COM RISCO DE QUEDA NO BOSQUE DO JARDIM CONCÓRDIA, DOIS VIZINHOS-PR 1 II CONGRESSO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA UTFPR CÂMPUS DOIS VIZINHOS RECOMENDAÇÃO DE MANEJO PARA ÁRVORES COM RISCO DE QUEDA NO BOSQUE DO JARDIM CONCÓRDIA, DOIS VIZINHOS-PR Renan Zunta Raia 1 *, Flávia

Leia mais

NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS *

NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS * IPEF n.9, p.83-86, 1974 NOTA PRELIMINAR SOBRE EXPERIMENTAÇÃO EM FLORESTAS TROPICAIS * SUMMARY Jayme Mascarenhas Sobrinho ** It is a synthesis of the programme of research that is being developed by the

Leia mais

Estudo da diversidade de espécies de fungos macroscópicos do Estado de São Paulo (versão preliminar - dezembro/1996)

Estudo da diversidade de espécies de fungos macroscópicos do Estado de São Paulo (versão preliminar - dezembro/1996) Estudo da diversidade de espécies de fungos macroscópicos do Estado de São Paulo (versão preliminar - dezembro/1996) Introdução Marina Capelari Adriana de Mello Gugliotta Instituto de Botânica, Caixa Postal

Leia mais

QUALIDADE DE MATRIZES DE Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex Steud EM DIFERENTES FRAGMENTOS FLORESTAIS DE DOIS VIZINHOS-PR

QUALIDADE DE MATRIZES DE Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex Steud EM DIFERENTES FRAGMENTOS FLORESTAIS DE DOIS VIZINHOS-PR QUALIDADE DE MATRIZES DE Cordia trichotoma (Vell.) Arrab. ex Steud EM DIFERENTES FRAGMENTOS FLORESTAIS DE DOIS VIZINHOS-PR Anathan Bichel 1*, Elisandra Okada 1, Eleandro José Brun 2 [orientador] 1 Acadêmicos

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DO RAMO DA COPA NA ENXERTIA DE Pinus elliottii ENGEL. E Pinus taeda L.

INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DO RAMO DA COPA NA ENXERTIA DE Pinus elliottii ENGEL. E Pinus taeda L. IPEF n.1, p.121-124, 1970 INFLUÊNCIA DA POSIÇÃO DO RAMO DA COPA NA ENXERTIA DE Pinus elliottii ENGEL. E Pinus taeda L. Walter Suiter Filho (*) Resumo: Estudou-se a influência da posição dos ramos na copa

Leia mais

PRINCIPAIS CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM MOGI GUAÇU, SP

PRINCIPAIS CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM MOGI GUAÇU, SP PRINCIPAIS CONFLITOS DA ARBORIZAÇÃO URBANA EM MOGI GUAÇU, SP Laerte Scanavaca Júnior (1) ; Rony Felipe Marcelino Corrêa (2) (1) Mestre em Engenharia Florestal, Embrapa Meio Ambiente, Rod SP 340 km 127,5;

Leia mais

O PAISAGISMO COMO MEDIDA COMPENSATÓRIA DAS OBRAS

O PAISAGISMO COMO MEDIDA COMPENSATÓRIA DAS OBRAS O PAISAGISMO COMO MEDIDA COMPENSATÓRIA DAS OBRAS Apresentação da experiência vivenciada pela GEM - Gerência do Empreendimento da Linha 15 Prata (antigo Prolongamento Linha 2-Verde) na obtenção das autorizações

Leia mais

ARBORIZAÇÃO DE RUAS E ACESSIBILIDADE NO BAIRRO CENTRO DE CURITIBA-PR. (recebido em e aceito para publicação em

ARBORIZAÇÃO DE RUAS E ACESSIBILIDADE NO BAIRRO CENTRO DE CURITIBA-PR. (recebido em e aceito para publicação em ARBORIZAÇÃO DE RUAS E ACESSIBILIDADE NO BAIRRO CENTRO DE CURITIBA-PR Everaldo Marques de Lima Neto 1, Michella Yamamura Bardelli-da-Silva 2, Ana Raquel da Silva 3, Daniela Biondi 4 (recebido em 07.04.2010

Leia mais

Artigo original DOI: /

Artigo original DOI: / 248 Artigo original DOI: 105902/2236117018366 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 3, set-dez. 2015, p. 248-255 Revista do Centro de Ciências Naturais e

Leia mais

Árvores-B: Remoção. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Thiago A. S. Pardo

Árvores-B: Remoção. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Thiago A. S. Pardo Árvores-B: Remoção Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Thiago A. S. Pardo Desempenho da Árvore-B Baseado em suas propriedades 2 cada página, exceto a raiz e as folhas, possui no mínimo m/2 descendentes à

Leia mais

Biodeterioração da madeira no patrimônio histórico - a importância do diagnóstico para o restauro

Biodeterioração da madeira no patrimônio histórico - a importância do diagnóstico para o restauro Biodeterioração da madeira no patrimônio histórico - a importância do diagnóstico para o restauro Maria Beatriz Bacellar Monteiro*; Gonzalo Antonio Carballeira Lopez**; Takashi Yojo*** Instituto de Pesquisas

Leia mais

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda

Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Viveiricultura e Sementes florestais Profa. Cristiana C. Miranda Adaptado de Érika Cortinez- UFRRJ Contextualizando Cadeia Produtiva da Restauração Florestal SEA, 2010 Viveiros florestais permanentes Tem

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE PETROLINA-PE

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE PETROLINA-PE ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE PETROLINA-PE Uldérico Rios Oliveira 1, Mara Poline da Silva 2, Victor Alexandre Freire de Vasconcelos 3 Ivan André Alvarez 4 RESUMO & Objetivou-se realizar o levantamento

Leia mais

Resumos do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia Porto Alegre/RS 25 a 28/11/2013

Resumos do VIII Congresso Brasileiro de Agroecologia Porto Alegre/RS 25 a 28/11/2013 13754 - Controle biológico da broca da haste da mandioca Sternocoelus spp. por meio do fungo entomopatogênico Beauveria bassiana Porto Alegre, RS, 2013 Biological control of Sternocoelus spp. in cassava

Leia mais

Controle Químico de Antracnose em Mudas de Pupunheira em Viveiro

Controle Químico de Antracnose em Mudas de Pupunheira em Viveiro Controle Químico de Antracnose em Mudas de Pupunheira em Viveiro Rudimar Mafacioli 1 Dauri José Tessmann 2 Álvaro Figueredo dos Santos 3 João Batista Vida 4 RESUMO A antracnose, causada pelo fungo Colletotrichum

Leia mais

Página 1 de 11 Ato 15418 /2006 - Decreto Municipal Data 20/12/2006 Ano 2006 Fonte DOPA 27/12/2006 Pág. 6 Prefeitura Municipal de Porto Alegre DECRETO Nº 15.418, de 20 de dezembro de 2006. Dispõe sobre

Leia mais

COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA.

COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA. COMPORTAMENTO POPULACIONAL DE CUPIÚBA (GOUPIA GLABRA AUBL.) EM 84 HA DE FLORESTA DE TERRA FIRME NA FAZENDA RIO CAPIM, PARAGOMINAS, PA. HIRAI, Eliana Harumi ; CARVALHO, João Olegário Pereira de. INTRODUÇÃO

Leia mais

ESTUDO DA RELAÇÃO HIPSOMÉTRICA PARA A ESPÉCIE Joannesia princeps Vell. ESTABELECIDA EM PLANTIO MISTO. COSTA, M.P 1 ; SOUZA, C.A.M 2 ; ALMEIDA,A.Q 3 ; NAPPO,M.E 4 1,2,3,4 CCA-UFES/Eng Florestal, malconfloresta@gmail.com,

Leia mais

A Relação Entre Empresas e Legislação Sob a Ótica da Produção Mais Limpa

A Relação Entre Empresas e Legislação Sob a Ótica da Produção Mais Limpa A Relação Entre Empresas e Legislação Sob a Ótica da Produção Mais Limpa L. C. Ribas a, L. M. S. Ota b, R. M. de Oliveira c, L. A. G. Rocha d, E. C. Navarro e a. Universidade Estadual Paulista, São Paulo,

Leia mais

CAPÍTULO 3 CORTE DE CIPÓS

CAPÍTULO 3 CORTE DE CIPÓS CAPÍTULO 3 CORTE DE CIPÓS Corte de Cipós 37 APRESENTAÇÃO Os cipós são plantas trepadeiras que se desenvolvem sobre os troncos e copas de outras árvores. Os cipós ocorrem em toda a Floresta Amazônica, sendo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 2015 A Secretaria da Qualidade Ambiental de Pelotas, criada pela Lei nº 3.381, de 05 de fevereiro de 2001, de acordo com a Lei nº 4.594, de 20 de outubro de 2000 e Lei nº 4.428,

Leia mais

POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS INCONFIDENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM ESCALA COMERCIAL

POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS INCONFIDENTES PARA A PRODUÇÃO DE MUDAS EM ESCALA COMERCIAL 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG POTENCIAIS MATRIZES PRODUTORAS DE SEMENTES DE UVAIA DO IFSULDEMINAS CÂMPUS

Leia mais

Ocorrência de besouros de ambrósia (coleoptera: platypodidae) em área urbana de Campinas, SP

Ocorrência de besouros de ambrósia (coleoptera: platypodidae) em área urbana de Campinas, SP Ocorrência de besouros de ambrósia (coleoptera: platypodidae) em área urbana de Campinas, SP Jarbas M. Queiroz 1 e Maria A. Garcia 2 1 Departamento de Ciências Ambientais, IF, UFRRJ, 23890-971, Seropédica,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE.

AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA DA QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE. Lúcia Monteiro Dias Gomes 1 ; Maura Regina Ribeiro 2 & Vanuza Salgado Moreira 3 RESUMO Este estudo

Leia mais

Avaliação qualitativa e quantitativa da arborização das praças de Vinhedo, SP

Avaliação qualitativa e quantitativa da arborização das praças de Vinhedo, SP AVALIAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA DA ARBORIZAÇÃO DAS PRAÇAS DE VINHEDO, SP 75 ARTIGO CIENTÍFICO Avaliação qualitativa e quantitativa da arborização das praças de Vinhedo, SP ROBERVAL DE CÁSSIA SALVADOR

Leia mais

Curso de Engenharia Florestal

Curso de Engenharia Florestal Curso de Engenharia Florestal Dados Gerais sobre o curso Local: Campus Universitário de Gurupi Formação: Barechal Criação: Resolução CONSEPE/UFT N Implantação: 2 Sem./2007 05/2006, de 24/05/2006. Reconhecimento:

Leia mais

UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DE RIO CLARO-SP

UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DE RIO CLARO-SP UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DE RIO CLARO-SP CENTRO DE ESTUDOS DE INSETOS SOCIAIS PARCERIA: INSTITUTO BIOLÓGICO DE SÃO PAULO CURSO

Leia mais

Relação Entre a Presença de Ninhos de Abelhas sem Ferrão (Hymenoptera, Apidae, Meliponini) e o Diâmetro da Árvore Utilizada como Substrato

Relação Entre a Presença de Ninhos de Abelhas sem Ferrão (Hymenoptera, Apidae, Meliponini) e o Diâmetro da Árvore Utilizada como Substrato Relação Entre a Presença de Ninhos de Abelhas sem Ferrão (Hymenoptera, 29 Relação Entre a Presença de Ninhos de Abelhas sem Ferrão (Hymenoptera, Apidae, Meliponini) e o Diâmetro da Árvore Utilizada como

Leia mais

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO

2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO 2º RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DO PROJETO PLANTE BONITO PLANTIO NAS MARGENS DO CORREGO RESTINGA BONITO MS. 1. Apresentação O plantio de 104 mudas nas margens do córrego Restinga, localizado no perímetro

Leia mais

Avaliação de variáveis do povoamento com base em parcelas

Avaliação de variáveis do povoamento com base em parcelas Avaliação de variáveis do povoamento com base em parcelas Inventário Florestal Licenciatura em Engª Florestal e dos Recursos Naturais 4º semestre 2015-2016 Área basal média e diâmetro quadrático médio

Leia mais

A qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis impacta o aproveitamento final de mudas, a sobrevivência e o crescimento inicial

A qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis impacta o aproveitamento final de mudas, a sobrevivência e o crescimento inicial Anais da 50ª Reunião Técnico-Científica do Programa Cooperativo sobre Silvicultura e Manejo - Dias 12 e 13 de novembro de 2014 33 A qualidade de mudas clonais de Eucalyptus urophylla x E. grandis impacta

Leia mais

SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br

SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Análise da estrutura vegetacional em uma área de transição Cerrado-Caatinga no município de Bom Jesus-PI T. M.Oliveira 1 ; A. R. Alves 2 ; G.

Leia mais

3 - MATERIAL E MÉTODOS

3 - MATERIAL E MÉTODOS INVESTIGAÇÃO SOBRE O RISCO DE EXPOSIÇÃO DE SOLO CONTAMINADO NA UNIDADE DE TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS UTRE E ATERRO CONTROLADO NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO-ACRE Luana Christina E. das Neves

Leia mais

Introdução do Manejo Integrado de Pragas (MIP) na Cultura do Tomateiro em Ituverava, SP.

Introdução do Manejo Integrado de Pragas (MIP) na Cultura do Tomateiro em Ituverava, SP. Introdução do Manejo Integrado de Pragas (MIP) na Cultura do Tomateiro em Ituverava, SP. Regina Eli de Almeida Pereira 1 ; Ivair Gomes 1 ; Lívia Cordaro Galdiano 1. 1 FAFRAM - Faculdade Dr. Francisco Maeda,

Leia mais

Rede de distribuição de energia elétrica e arborização viária: o caso da Cidade de Maringá, Estado do Paraná

Rede de distribuição de energia elétrica e arborização viária: o caso da Cidade de Maringá, Estado do Paraná DOI: 10.4025/actascitechnol.v33i4.8405 Rede de distribuição de energia elétrica e arborização viária: o caso da Cidade de Maringá, Estado do Paraná Bruno Luiz Domingos De Angelis 1*, Carla Fernanda Marek

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS OCORRÊNCIAS DE QUEDAS DE ÁRVORES E AS SUAS RELAÇÕES

DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS OCORRÊNCIAS DE QUEDAS DE ÁRVORES E AS SUAS RELAÇÕES DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS OCORRÊNCIAS DE QUEDAS DE ÁRVORES E AS SUAS RELAÇÕES COM VENTOS FORTES NO ESTADO DE SÃO PAULO DE 2000 A 2007 Mayra de Oliveira Melo 1 ; Iára Regina Nocentini André 2 ; Thiago Salomão

Leia mais

New records of lignocellulolytic basidiomycetes (Fungi): Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (P.E.S.T.), Santa Catarina, Brazil

New records of lignocellulolytic basidiomycetes (Fungi): Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (P.E.S.T.), Santa Catarina, Brazil Biotemas, 21 (3): 7-14, setembro de 2008 ISSN 0103 1643 7 New records of lignocellulolytic basidiomycetes (Fungi): Parque Estadual da Serra do Tabuleiro (P.E.S.T.), Santa Catarina, Brazil Clarice Loguercio-Leite*

Leia mais

URI, campus de Santo Ângelo, RS. 2 Data recebimento: 11/09/ Data de publicação: 15/12/

URI, campus de Santo Ângelo, RS.   2 Data recebimento: 11/09/ Data de publicação: 15/12/ ISSN 1980 7694 ON LINE DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA NO MUNICÍPIO DE TUPARENDI-RS Natália Motter 1 2 Nilvane G. Müller 2 RESUMO A vegetação em vias públicas caracteriza-se como um dos mais importantes

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Engenharia Florestal

III Seminário: Sistemas de Produção Agropecuária - Engenharia Florestal SELEÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES DE ESPÉCIES FLORESTAIS NATIVAS COM USO DE PARAMETROS DENDOMÉTRICOS E QUALITATIVOS DADOS PRELIMINARES 1 Ana Paula Marques Martins 2*, Gleidy Dayane de Matos 2, Taciana Frigotto

Leia mais

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas

Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas Comparação de Variáveis Meteorológicas Entre Duas Cidades Litorâneas F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C. J. de Oliveira 5

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS unesp DISCIPLINA: TEMA: PROFESSORES: UNIVERSIDADE PAULISTA Campus de Jaboticabal FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS Departamento de Produção Vegetal Silvicultura Desrama Artificial Sérgio Valiengo

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Ciência e Natura ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência e Natura ISSN: Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência e Natura ISSN: 0100-8307 cienciaenaturarevista@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria Brasil Mendes, Flávio Henrique; Lordello Polizel, Jefferson; Ferreira da Silva Filho, Demóstenes Valoração

Leia mais

TreeX - um programa para extração de árvores em imagens laserscanner

TreeX - um programa para extração de árvores em imagens laserscanner TreeX - um programa para extração de árvores em imagens laserscanner Eliana Pantaleão 1, Luciano Vieira Dutra 1, Rodrigo de Campos Macedo 2 1 Divisão de Processamento de Imagens Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio

Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Avaliação da altura do Cedro Australiano (Toona ciliata var. australis) após diferentes níveis de adubação de plantio Josimar Rodrigues OLIVEIRA 1** ; Josiane Rodrigues OLIVEIRA²; Urbano Teixeira Guimarães

Leia mais

ESTUDO DE CASO DO RISCO DE QUEDA DE ÁRVORES URBANAS EM VIA PÚBLICA NA CIDADE DE DOIS VIZINHOS-PR

ESTUDO DE CASO DO RISCO DE QUEDA DE ÁRVORES URBANAS EM VIA PÚBLICA NA CIDADE DE DOIS VIZINHOS-PR ESTUDO DE CASO DO RISCO DE QUEDA DE ÁRVORES URBANAS EM VIA PÚBLICA NA CIDADE DE DOIS VIZINHOS-PR Paula Helena Pereira, Larissa Regina Topanotti, Sidinei Dallacort, Clézio José da Mota, Flávia Gizele König

Leia mais

ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UEFS: EXEMPLO A SER SEGUIDO OU UM GRANDE EQUÍVOCO?

ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UEFS: EXEMPLO A SER SEGUIDO OU UM GRANDE EQUÍVOCO? 103 NOTA TÉCNICA ARBORIZAÇÃO DO CAMPUS DA UEFS: EXEMPLO A SER SEGUIDO OU UM GRANDE EQUÍVOCO? José Raniere Ferreira de Santana * Gilberto Marcos de Mendonça Santos** RESUMO No presente trabalho, são apresentadas

Leia mais