VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne."

Transcrição

1 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 4 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 81 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 13 H.1 RAMO (m): 2 D.COPA (m): 5 DAP (cm): 61 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM BROCA BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS REGULAR X CUPIM X VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Presença de bromélias, orquídeas, RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES cactos e samambaias. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve Considerar-se a substituição do indivíduo devido ao ataque de cupins na região do cerne, colocando-a em risco de queda sobre a via de acesso de pedestres. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com caule oco e ataque de cupins na região do cerne.

2 VIII FOTOGRAFIAS (081) Epífita encontrada nos ramos. Afloramento de raízes no canteiro central. Indivíduo analisado. Cupins na região do cerne do indivíduo.

3 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 3 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 82 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 11 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 6 DAP (cm): 26 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO X LEVE X INSETOS BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE X REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS X FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-Se que seja feito o reparo das feridas abertas causadas por queda de galhos vivos, manutenção dos ramos ainda existentes e o reparo dos danos causados pela broca deterioradora de madeira, além de seu controle. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo reto, sem afloramento de raiz com queda de galhos e rebrota. Presença de epífitas, leve ataque de brocas deterioradoras de madeira.

4 VIII FOTOGRAFIAS (082) Presença de brocas deterioradoras de madeira com intensidade leve ao longo do caule. Tillandsias encontradas no indivíduo. Indivíduo analisado. Queda de galhos.

5 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 83 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 23 H.1 RAMO (m): 7 D.COPA (m): 17 DAP (cm): 106 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE X INSETOS BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS X REGULAR X CUPIM X VÍRUS PESADO LÍQUENS PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Costela de adão na base e bromélias RAMOS X CAULE X AMARELECIM. LESÕES na copa. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a remoção dos ninhos e bromélias encontrados na árvore para posterior substituição do indivíduo. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo com inclinação de 85, com infestação leve de broca no caule. Ataque de cupins nos galhos secos que tendem a cair, presença de ninho de aves na primeira ramificação e bromélias espalhadas pela copa.

6 VIII FOTOGRAFIAS (083) Presença de brocas deterioradoras de madeira sob o fuste do caule. Costela de Adão na base da árvore. Indivíduo analisado. Quebra e queda de galhos.

7 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 6 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 84 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 28 H.1 RAMO (m): 6 D.COPA (m): 9 DAP (cm): 110 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO X LEVE INSETOS BOM BROCA X BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS REGULAR X CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Apresenta cactos, bromélias, RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES orquídeas e samambaias sobre FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X ramos e caule. IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo devido à infestação de brocas deterioradoras de madeira ao longo do caule e à iminência de queda de galhos secos de grandes dimensões sobre o passeio público. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com presença de muitos galhos secos com iminência de queda. Apresenta também afloramento de raízes sobre o canteiro central.

8 VIII FOTOGRAFIAS (084) Broca deterioradora de madeira na região do caule. Afloramento de raiz sobre canteiro. Indivíduo analisado. Galhos secos sobre ramos e bifurcações.

9 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/03/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO ÍMPAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: \ PRECISÃO (m): 4 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 85 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 6 H.1 RAMO (m): 4 D.COPA (m): 1 DAP (cm): 80 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO X LEVE X INSETOS BOM BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Presença de costela de adão, cacto, RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES orquídea, bromélia e samambaia. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo, pois o mesmo sofreu corte severo, apresentando por consequência péssimo aspecto paisagístico, além de apresentar leve infestação de brocas. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo sem copa devido à poda drástica, com presença no ápice de podridão.

10 VIII FOTOGRAFIAS (085) Poda drástica com início de rebrota. Quebra e queda de ramos vivos. Indivíduo analisado. Fungo hospedeiro não patológico.

11 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 4 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 86 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 30 H.1 RAMO (m): 8 D.COPA (m): 14 DAP (cm): 135 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO X LEVE INSETOS BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS REGULAR X CUPIM X VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo devido à presença de roedores à sua base, sendo este fonte de transmissor de doenças aos transeuntes do local, além de diminuir a sustentação. Deve-se atentar também para a presença de brocas deterioradoras de madeira, fazendo assim o reparo dos danos gerados por esta. Outro indicativo são as raízes expostas apenas em um dos lados da árvore, podendo indicar tombamento, o que reafirma a substituição do indivíduo. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Podas anteriores e muitos galhos com iminência de queda. Ninheiro de roedores na base do caule. Apresenta afloramento de raiz sobre o canteiro central e ataque leve de brocas deterioradoras de madeira ao longo do fuste.

12 VIII FOTOGRAFIAS (086) Presença de brocas deterioradoras de madeira com intensidade leve ao longo do caule. Ninheiro de roedores e presença de cupim na base do indivíduo. Indivíduo analisado. Afloramento de raízes no canteiro central.

13 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 4 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 87 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 27 H.1 RAMO (m): 4 D.COPA (m): 16 DAP (cm): 143 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS X BOM BROCA X BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS X REGULAR X CUPIM X VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Presença de bromélias, orquídeas, RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES samambaias e cactos sobre caule e FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X ramos. Costela de adão na base. IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido ao ataque de média intensidade de cupins na região do cerne, colocando-o em risco de queda sobre a via de acesso de pedestres. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte que apresenta risco de queda de galhos. Ataque médio de cupins na base do caule na região do cerne, leve ataque de broca e seca de ponteira nos ramos. Grande possibilidade de presença de ninhos nos ramos.

14 VIII FOTOGRAFIAS (087) Presença de cupins na região do cerne. Presença de epífitas nos ramos e nas bifurcações. Indivíduo analisado. Bifurcação do caule.

15 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptos robusta Nº: 88 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 20 H.1 RAMO (m): 4 D.COPA (m): 18 DAP (cm): 83 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE X INSETOS BOM X X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS X REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Presença de bromélias sobre ramos RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES e ninhos de aves na copa. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo devido à presença de roedores na sua base, diminuindo a resistência contra ventos. Deve-se atentar também para a presença de brocas deterioradoras de madeira, enfraquecendo ainda mais a sustentação da árvore. Outro indicativo são as raízes expostas apenas em um dos lados da árvore, podendo indicar tombamento, o que reafirma a substituição do indivíduo. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte e pouco inclinado, com ataque de baixa intensidade de broca, com afloramento de raiz. Muitos ramos advindos de podas realizadas no passado, muito material vegetal morto sobre as bifurcações e ramos e presença de ninhos de roedores na base do caule.

16 VIII FOTOGRAFIAS (088) Ninheira de roedores na base da árvore. Material vegetal sobre ramos e bifurcações. Indivíduo analisado. Galhos secos pendurados sobre os ramos.

17 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: JAMELÃO ESPÉCIE: Syzygium cumini Nº: 89 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 9 H.1 RAMO (m): 2 D.COPA (m): 8 DAP (cm): 44 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Apresenta bromélias, cactos e RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES tillandsias. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE X SUBSTITUIÇÃO PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE X REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS X FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se que seja feito o reparo das feridas abertas causadas por queda de galhos vivos e manutenção dos ramos ainda existentes com uma poda leve para retirada dos galhos que ameaçam cair. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo apresenta galhos quebrados, porém em bom estado fitossanitário.

18 VIII FOTOGRAFIAS (089) Quebra e queda de galhos mortos. Queda de galhos sobre a via. Indivíduo analisado. Quebra de galhos vivos.

19 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 90 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 16 H.1 RAMO (m): 5 D.COPA (m): 5 DAP (cm): 21 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Muitos líquens, epífitas e tillandsias RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES sobre caule e copa. Poucas FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS samambaias e orquídeas. IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE X SUBSTITUIÇÃO PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE X REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS X FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se que seja feito o reparo das feridas abertas causadas por queda de galhos vivos e manutenção dos ramos ainda existentes. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo em bom estado fitossanitário, mas com quebra e queda de galhos.

20 VIII FOTOGRAFIAS (090) Quebra e queda de galhos mortos. Epífitas encontradas sobre a árvore. Indivíduo analisado. Quebra de galhos mortos.

21 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 3 NOME VULGAR: JAMELÃO ESPÉCIE: Syzygium cumini Nº: 91 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 10 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 8 DAP (cm): 29 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Poucas tillandsias sobre caule e RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES ramos. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE X REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS X FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se que seja feito o reparo das feridas abertas causadas por queda de galhos vivos e manutenção dos ramos ainda existentes. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo frondoso e com copa bem distribuída, sem patógenos aparentes, mas com queda de galhos.

22 VIII FOTOGRAFIAS (091) Quebra de galhos secos sobre a via. Copa bem formada e disposta. Indivíduo analisado. Tillandsia encontrada no caule da árvore.

23 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 3 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 92 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 0,4 H.1 RAMO (m): X D.COPA (m): X DAP (cm): X III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE X INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS PÉSSIMO X <45 FORMIGA X NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ X DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo, pois o mesmo sofreu corte severo, estando ele com formigueiros na base e em péssimo estado paisagístico. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo cortado a 40 cm do solo com início de rebrota e leve infestação de formigas na base do caule.

24 VIII FOTOGRAFIAS (092) Presença de formigueiros na região das raízes. Rebrota na região do caule. Indivíduo analisado. Região do corte.

25 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 3 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 93 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 28 H.1 RAMO (m): 5 D.COPA (m): 17 DAP (cm): 120 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM X VÍRUS PESADO X LÍQUENS PÉSSIMO X <45 FORMIGA X NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Bromélia, tillandsia e samambaia. RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ X DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido ao ataque de cupins na região do cerne, colocando-a em risco de queda sobre a via de acesso de pedestres. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com galhos secos e com presença de cupins na região do cerne, fazendo com que a árvore esteja oca na região da base do caule, com brocas e formigas.

26 VIII FOTOGRAFIAS (093) Queda de galhos secos sobre a via. Afloramento de raízes sobre canteiro e calçamento. Indivíduo analisado. Cerne atacado por cupins. Árvore oca.

27 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 25/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 3 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 94 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 18 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 5 DAP (cm): 30 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR X CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo devido à sua inclinação e péssimo aspecto paisagístico. Apresenta muitas rebrotas provenientes de podas anteriores, além de apresentar quebra e queda de galhos vivos sobre a via. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore de médio porte, que passou por podas drásticas sem haver manutenção posterior, tendo muitas brotações advindas da poda. Apresenta também a quebra e queda de muitos galhos vivos sobre a via, além de apresentar inclinação com risco de queda.

28 VIII FOTOGRAFIAS (094) Quebra e queda de galhos vivos sobre a via. Brotação advinda da quebra e queda de galho. Indivíduo analisado. Ferimento aberto causado pela quebra de galho vivo.

29 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 4 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 95 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 19 H.1 RAMO (m): 6 D.COPA (m): 7 DAP (cm): 36 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Poucas tillandsias e bromélias sobre RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES caule. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP. BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE X REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS X FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se que seja feito o reparo das feridas abertas causadas por ações antrópicas e a manutenção dos ramos existentes. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore de médio porte, aparentemente sem patógenos e com pouca inclinação. Apresenta ferimento na base do caule feito por ações antrópicas. Sem riscos de queda.

30 VIII FOTOGRAFIAS (095) Ferimentos na base do caule causados por atividade antrópica. Tillandsia sobre tronco. Indivíduo analisado. Bromélia sobre tronco.

31 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 96 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 29 H.1 RAMO (m): 5 D.COPA (m): 9 DAP (cm): 75 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO X LEVE INSETOS BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS REGULAR CUPIM X VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA X NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO X RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido à pesada infestação de cupins e fungos deterioradores de madeira, além da inclinação sobre a via de acesso de pedestres e podridões observadas nos ramos. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore de grande porte, que passou por podas drásticas manutenção posterior, apresentando novos brotos nas regiões da poda. Apresenta inclinação colocando em risco os transeuntes da praça. Alguns ramos estão podres devido ao ataque de cupins e fungos deterioradores de madeira. Ataque leve de formigas e brocas.

32 VIII FOTOGRAFIAS (096) Apodrecimento do caule pelo ataque de cupins, fungos e brocas deterioradoras de madeira. Fendilhamento na região do caule. Indivíduo analisado. Brotação advinda de poda anterior.

33 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 21/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 97 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 19 H.1 RAMO (m): 4 D.COPA (m): 11 DAP (cm): 75 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM BROCA X BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS X REGULAR X CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS PÉSSIMO X <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo, pois o mesmo apresenta fendilhamento na casca do caule e infestação mediana de brocas. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore que passou por podas drásticas sem a manutenção da condução, e por isso apresenta muitos brotos desorganizados nas regiões das podas. Apresenta ninhos de aves na copa.

34 VIII FOTOGRAFIAS (097) Fendilhamento da casca do indivíduo. Rebrota de podas antigas sem manutenção. Indivíduo analisado. Presença de aves e ninhos sobre a copa.

35 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 98 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 32 H.1 RAMO (m): 4 D.COPA (m): 12 DAP (cm): 81 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO X NINHOS REGULAR X CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Apresenta muitas tillandsias e RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES algumas bromélias sobre caule e FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X bifurcações. IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP. BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido ao ataque de brocas, inclinação sobre a via de acesso de pedestres, além do péssimo aspecto paisagístico. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore grande com muitas brotações advindas de podas e quedas de galhos mortos, com presença de muitas epífitas e com ataque moderado de brocas deterioradoras de madeira no caule.

36 VIII FOTOGRAFIAS (098) Broca deterioradora de madeira no caule. Ferimento aberto no caule. Indivíduo analisado. Quebra e queda de galhos.

37 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 21/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 99 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 30 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 9 DAP (cm): 90 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS X BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM X VÍRUS PESADO X LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA X NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS X CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido a forte infestação de formigas, cupins e brocas na árvore, além da sua elevada inclinação sobre a via de acesso de pedestres. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore de grande porte, com ataque pesado de patógenos, principalmente de brocas na região do caule. Apresenta inclinação para a via de acesso de pedestres além de afloramento de raízes no canteiro, demonstrando que há deslocamento do centro de massa da árvore tendendo a queda.

38 VIII FOTOGRAFIAS (099) Brocas deterioradoras de madeira na região do caule. Formigueiro ativo na base da árvore de formigas cortadeiras. Indivíduo analisado. Afloramento de raízes sobre canteiro.

39 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 6 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 101 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 13 H.1 RAMO (m): 8 D.COPA (m): 5 DAP (cm): 52 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO X LEVE INSETOS X BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM X VÍRUS PESADO X LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO X Costela de adão abundante até o RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES ápice, assim como as samambaias. FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X Bromélias no ápice. IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido a sua inclinação sobre a via de acesso de pedestres, além da presença de brocas, cupins e fungos deterioradores de madeira na árvore. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore em péssimo estado fitossanitário, que já sofreu podas drásticas sem manutenção posterior. Há presença de fungos e brocas deterioradoras de madeira no caule, além da presença leve de cupins. Tem uma inclinação de 75 para a via de acesso de pedestres.

40 VIII FOTOGRAFIAS (101) Ninho de abelhas sob o súber. Poda drástica anterior com muita rebrota proveniente desta. Indivíduo analisado. Presença de epífitas sobre o caule e ramificações.

41 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 102 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 28 H.1 RAMO (m): 4 D.COPA (m): 20 DAP (cm): 85 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS X BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido sua inclinação e altura voltada para calçada pública. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore com presença de ninho de abelhas sob o súber, com inclinação para a via de acesso de pedestres. Com podas antigas pesadas e presença de epífitas sobre os ramos.

42 VIII FOTOGRAFIAS (102) Ninho de abelhas sob o súber. Quebra e queda de galho vivo. Indivíduo analisado. Epífita sobre galho.

43 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 21/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 103 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 14 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 8 DAP (cm): 75 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 X PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR X CUPIM VÍRUS PESADO LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo, pois sua copa foi cortada sem manutenção posterior, estando ele em péssimo estado paisagístico. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore em bom estado fitossanitário, que já passou por podas drásticas sem haver manutenção, apresentando muitas ramificações desorientadas.

44 VIII FOTOGRAFIAS (103) Quebra e queda de galho. Poda drástica sem manutenção. Indivíduo analisado. Bromélia sobre brotação advinda de poda drástica.

45 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: \ PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 104 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 22 H.1 RAMO (m): 8 D.COPA (m): 16 DAP (cm): 76 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA X BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO X LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA X NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO Presença de samambaias, RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES bromélias e tillandsias nas FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X bifurcações. IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO X ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Deve-se considerar a substituição do indivíduo devido ao seu porte e a sua inclinação sobre a via de pedestres, além da presença de formigueiros e brocas na árvore. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo de grande porte, com infestação de formigas de pequena intensidade no lado posterior de tendência de queda e grande infestação de brocas. Apresenta muitas rebrotas no ponto das podas anteriores e ponteiras secas.

46 VIII FOTOGRAFIAS (104) Presença de formigueiro na base da árvore. Presença de brocas deterioradoras de madeira. Indivíduo analisado. Afloramento de raízes no canteiro central da via.

47 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 5 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 105 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 22 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 11 DAP (cm): 52 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM VÍRUS PESADO X LÍQUENS X PÉSSIMO <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA_ V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE X SUBSTITUIÇÃO PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE X REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se que seja feito o reparo das feridas abertas causadas por queda de galhos vivos e manutenção dos ramos ainda existentes. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore de grande porte que passou por podas e hoje apresenta muitos ramos. Apresenta risco iminente de queda de galhos sobre a via.

48 VIII FOTOGRAFIAS (105) Queda de galhos secos sobre a via. Presença de epífitas e líquens sobre a árvore. Indivíduo analisado. Rebrota advinda de podas anteriores.

49 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO PAR SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 4 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus robusta Nº: 106 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 25 H.1 RAMO (m): 3 D.COPA (m): 15 DAP (cm): 130 III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO X LEVE INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM X VÍRUS PESADO X LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS X MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS X LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo, pois o mesmo sofreu corte sem haver manutenção, apresentando fungos deterioradores de madeira e cupins na região do cerne. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Árvore de grande porte que sofreu há muito com podas e hoje apresenta muitos ramos. Apresenta queda de galhos sobre a via e o cerne destruído pelo ataque de fungos e de cupins.

50 VIII FOTOGRAFIAS (106) Caule atacado por cupins e completamente oco. Presença de cupins na região do cerne. Indivíduo analisado. Ninheira de roedores na base da árvore.

51 FICHA DE CAMPO - AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA DOS INDIVÍDUOS ARBÓREOS I- LOCALIZAÇÃO E IDENTIFICAÇÃO DATA: 22/02/2013 UF: RJ MUNICÍPIO: NOVA FRIBURGO BAIRRO: CENTRO VIA: PRAÇA GETÚLIO VARGAS LADO SISTEMA: UTM DATUM: WGS84 COORDENADAS: / PRECISÃO (m): 3 NOME VULGAR: EUCALIPTO ESPÉCIE: Eucalyptus sp. Nº: 107 II- DIMENSÕES H.TOTAL (m): 1 H.1 RAMO (m): X D.COPA (m): X DAP (cm): X III- AVALIAÇÃO FITOSSANITÁRIA ESTADO GERAL INCLINAÇÃO FITOSSANIDADE INTENSIDADE ECOLOGIA ÓTIMO 90 PULGÃO FUNGO LEVE INSETOS BOM X BROCA BACTÉRIA MÉDIO NINHOS REGULAR CUPIM X VÍRUS PESADO X LÍQUENS X PÉSSIMO X <45 FORMIGA X NUTRIENTE AUSENTE EPÍFITAS MORTA TOMBADA LAGARTA ÁCARO QUEDA DE GALHOS LOCAL DO ATAQUE SINTOMAS OBSERVADOS OBSERVAÇÕES: FOLHA FLOR MURCHA PODRIDÃO X RAMOS CAULE X AMARELECIM. LESÕES FRUTOS RAÍZ DESFOLHAM. GALERIAS X IV- ENTORNO E INTERFERÊNCIAS LOCAL PAVIMENTO DO ENTORNO AFLORAMENTO DA RAIZ TIPO DE SOLO CANT.CENT. TERRA X CERÂMICA CALÇADA ARENOSO X CALÇADA CIMENTO OUTRO CANTEIRO ARGILOSO PRAÇA X PEDRA VIA ARGILO-ARENOSO VIA GRAMA X OUTRO DRENAGEM: _AP.BOA V- DEFINIÇÃO DAS AÇÕES AÇÕES EXECUTADAS AÇÕES RECOMENDADAS PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO PODA LEVE SUBSTITUIÇÃO X PODA PESADA CONTROLE PODA PESADA CONTROLE REPARO DE DANOS FUNGICIDA REPARO DE DANOS FUNGICIDA AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO AMPLIAR CANTEIRO ADUBAÇÃO VI - MANEJO PROPOSTO Recomenda-se a substituição do indivíduo devido a presença de cupins e formigas a sua base, além do atual estado de degeneração das sobras vegetais advindas do corte da árvore. VII - OBSERVAÇÕES RELEVANTES Indivíduo cortado baixo do DAP, rebrotando. Ataque pesado de cupins e formigueiro no caule.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 12 - Arborização Urbana e Passeio Público (GAPP) A arborização deve ser sempre realizada respeitando os preceitos

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO

REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO REGISTRO FOTOGRÁFICO MUNGUBA PRAÇA DA CONSTITUIÇÃO FIGURA 1. Indivíduo arbóreo da espécie Munguba com o estado fitossanitário comprometido. FIGURA 2. Vista da parte aérea demonstrando a ausência de folhas.

Leia mais

DOENÇAS BIÓTICAS E ABIÓTICAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA. Prof a Maria Alves Ferreira

DOENÇAS BIÓTICAS E ABIÓTICAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA. Prof a Maria Alves Ferreira DOENÇAS BIÓTICAS E ABIÓTICAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA Prof a Maria Alves Ferreira DOENÇAS BIÓTICAS E ABIÓTICAS NA ARBORIZAÇÃO URBANA 1) Mecanismos de defesa em espécies arbóreas 2) Podridões em árvores vivas

Leia mais

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84

PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE. Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Registro fotográfico Sibipiruna Av. Padre Norberto, em frente ao número 84 Figura 01 Vista lateral do tronco,mostrando a presença de cupins, gameleira parasita crescendo no centro e ramos epicórmicos oriundos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Registro fotográfico da Ficus elastica com diagnóstico de declínio ocasionado por Ganoderma applanatum Figura 01 Ficus elastica, vista parcial do tronco e raízes tabulares. Foto: Sandra Graciele Pereira

Leia mais

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum.

DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. DOENÇAS DO CUPUAÇUZEIRO (Theobroma grandiflorum Willd. Spend.) Schum. Maria Geralda de Souza; Olívia Cordeiro de Almeida; Aparecida das Graças Claret de Souza Embrapa Amazônia Ocidental, Rodovia AM-010,

Leia mais

Relatório Técnico ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E DA CONDIÇÃO DE INDIVÍDUOS ARBÓREOS DA PRAÇA GETÚLIO VARGAS CENTRO NOVA FRIBURGO.

Relatório Técnico ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E DA CONDIÇÃO DE INDIVÍDUOS ARBÓREOS DA PRAÇA GETÚLIO VARGAS CENTRO NOVA FRIBURGO. Relatório Técnico ANÁLISE DA COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E DA CONDIÇÃO DE INDIVÍDUOS ARBÓREOS DA PRAÇA GETÚLIO VARGAS CENTRO NOVA FRIBURGO. Responsáveis: Ricardo Finotti (Dr.) Biólogo CRBio nº78744/02 Juliana

Leia mais

- Visa otimizar e diversificar a produção;

- Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais (SAF) - Combinação de espécies arbóreas com cultivos agrícolas (fruticultura, plantas anuais, etc) ou criação de animais; - Visa otimizar e diversificar a produção; Sistemas Agroflorestais

Leia mais

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA

Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Melhores Práticas de Manejo Poda de Árvores International Society of Arboriculture - ISA Missão: Através da pesquisa, tecnologia e educação, a Sociedade Internacional de Arboricultura promove a prática

Leia mais

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1

SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 SUMÁRIO CUIDADOS DO JARDIM NO VERÃO 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 1 CUIDADOS DO JARDIM NA PRIMAVERA 1 Adubação: 1 Irrigação: 1 Poda: 2 Limpeza: 2 CUIDADOS DO JARDIM NO OUTONO 2 Limpeza: 2 Adubação:

Leia mais

Culturas. A Cultura da Mandioca. Autor(es) Culturas A Cultura da Mandioca. Menu

Culturas. A Cultura da Mandioca. Autor(es) Culturas A Cultura da Mandioca. Menu 1 de 8 10/16/aaaa 11:25 Culturas A Cultura da Mandioca Nome Cultura da Mandioca Produto Informação Tecnológica Data Março -2001 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura da mandioca

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA

INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA INFORMAÇÕES SOBRE O PLANTIO DO EUCALIPTO NO SISTEMA DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA Informações sobre o plantio do eucalipto no Sistema de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta COLETA DE SOLO NA

Leia mais

ANEXO XIX NORMAS E PROCEDIMENTOS AMBIENTAIS PARA PODA, DESMATAMENTO E LIMPEZA DE FAIXA DE SERVIDÃO DE LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E DE TRANSMISSÃO

ANEXO XIX NORMAS E PROCEDIMENTOS AMBIENTAIS PARA PODA, DESMATAMENTO E LIMPEZA DE FAIXA DE SERVIDÃO DE LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E DE TRANSMISSÃO ANEXO XIX NORMAS E PROCEDIMENTOS AMBIENTAIS PARA PODA, DESMATAMENTO E LIMPEZA DE FAIXA DE SERVIDÃO DE LINHAS DE DISTRIBUIÇÃO E DE TRANSMISSÃO A) Legislação Aplicável A seguir, enumeramos as principais

Leia mais

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC

Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC Serviço Social do Comércio DEPARTAMENTO NACIONAL Estância Ecológica SESC-Pantanal CONCORRÊNCIA N.º 15/0009 - CC ANEXO IV MEMORIAL DE MANUTENÇÃO PAISAGISMO HOTEL SESC MEMORIAL DE MANUTENÇÃO DE JARDIM HOTEL

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO

DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS RESUMO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO URBANA DA ÁREA CENTRAL DE CORUMBÁ/MS Elinalva Silva de Lira 1 ; Joelson Gonçalves Pereira 2 ; Ana Paula Vieira da Silva 1 1 Bolsistas do Programa de Extensão Oficinas comunitárias

Leia mais

Manejo Integrado de Pragas Florestais Eucalipto como Estudo de caso. José Eduardo Petrilli Mendes FIBRIA

Manejo Integrado de Pragas Florestais Eucalipto como Estudo de caso. José Eduardo Petrilli Mendes FIBRIA Manejo Integrado de Pragas Florestais Eucalipto como Estudo de caso José Eduardo Petrilli Mendes FIBRIA Roteiro - Breve apresentação da Fibria - ÁreacomflorestasplantadasnoMS - Importância das pragas para

Leia mais

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente

Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Cupins subterrâneos Simone de Souza Prado, pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente Os cupins são insetos da ordem Isoptera, também conhecidos por térmitas, siriris ou aleluias. Estes insetos são espécies

Leia mais

NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA NORMAS AMBIENTAIS PARA SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO (MONTAGEM E DESMONTAGEM) DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA A) OBJETIVO Diretrizes ambientais a serem seguidas durante os trabalhos de manutenção (construção/montagem

Leia mais

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL

PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL PRINCIPAIS DOENÇAS E PRAGAS EM PLANTIOS DE EUCALIPTO NO BRASIL Prof. Dr. Edson Luiz Furtado - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Prof. Dr. Carlos F. Wilcken - FCA/UNESP - Campus de Botucatu Coordenadores do

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO

MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Coordenadoria de Infraestrutura e Serviços Seção de Engenharia e Arquitetura MEMORIAL DESCRITIVO PAISAGISMO Cartório Eleitoral de Pinhalzinho/SC Fevereiro,

Leia mais

Capítulo 1. Cuidados básicos com as plantas

Capítulo 1. Cuidados básicos com as plantas Curso de Jardinagem Índice Capítulo 1... 3 Capítulo 2... 7 Capítulo 3... 10 Capítulo 4... 14 Capítulo 5... 17 Capítulo 6... 20 Capítulo 7... 23 Capítulo 8... 27 Capítulo 9... 30 Estações do ano e o Jardim...

Leia mais

Data: 05/10/2012 Assunto:

Data: 05/10/2012 Assunto: Veículo: Refrescante Data: 05/10/2012 Assunto: Manejo Integrado de Pragas promove cafeicultura sustentável http://refrescante.com.br/manejo-integrado-de-pragas-promove-cafeicultura-sustentavel.html Os

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA

LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA III Congresso Brasileiro Gestão Ambiental LEVANTAMENTO DAS ÁRVORES LENHOSAS NA RESERVA DO CEAGRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA Kacieny Sousa Oliveira Intituto Feral do Pará Campos Conceição do

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS

CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS CONTROLE DE DOENÇAS E PRAGAS DAS PIMENTAS ÍNDICE Carlos Alberto Lopes Embrapa Hortaliças INTRODUÇÃO... 1 DOENÇAS... 2 1. Tombamento...2 2. Murcha-de-fitóftora (Requeima, Podridão-de-fitóftora, Pé-preto)...2

Leia mais

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL ISSN 1517-4077 Amapá ~ Ministério ~a Agricultura e do Abastecimento N 51, dez/2000, PRAGAS DO PARICÁ (Shizolobium amazonicum, Duke) NA AMAZÔNIA OCIDENTAL César A. D. Teixeira 1 Arnaldo Bianchetti' 1. Introdução

Leia mais

Inventário e análise qualitativa de árvores históricas do município de São José do Rio Preto, SP FERNANDES, CJ; PIVETTA, KLF; SOUZA, GRB; COSTA, CRX.

Inventário e análise qualitativa de árvores históricas do município de São José do Rio Preto, SP FERNANDES, CJ; PIVETTA, KLF; SOUZA, GRB; COSTA, CRX. Inventário e análise qualitativa de árvores históricas do município de São José do Rio Preto, SP FERNANDES, CJ; PIVETTA, KLF; SOUZA, GRB; COSTA, CRX. INTRODUÇÃO Há muito tempo as cidades estão crescendo

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Rotação milho e soja para aumento do rendimento

Rotação milho e soja para aumento do rendimento Rotação milho e soja para aumento do rendimento Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique.

Leia mais

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP

ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo P Her aulo P ciíio Viegas V Rodrigues LPV- LPV ESALQ-USP ANTÚRIOS PARA FLORES DE CORTE Paulo Herciíio Viegas Rodrigues LPV-ESALQ-USP Município: Pariquera Açu Local: Sítio Sakai Início de atividade: Aquisição de plântulas: 2002 Desenvolvimento de mudas (casa

Leia mais

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata).

7.16.3 Fornecimento e plantio de palmeiras das espécies Palmeira Fênix (Phoenix roebelenii), Palmeira-rabo de raposa (Wodyetia bifurcata). Página 41 de 83 Grama amendoim - Arachis repens / Família: Fabaceae Origem: Brasil / Tipo: Forração / Cultivo: Deve ser cultivado a pleno sol ou meia-sombra, em solo fértil e preferencialmente enriquecido

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

Registro Fotográfico

Registro Fotográfico PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Registro Fotográfico Figura 01: Vista geral do Pinus, onde se vê o tamanho da abertura no tronco e uma proteção que os funcionários

Leia mais

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas

Plano de Restauro Florestal. IBF Instituto Brasileiro de Florestas Plano de Restauro Florestal IBF Instituto Brasileiro de Florestas 28 de setembro de 2011 Plano de Recuperação Local do plantio da Floresta da Embaixada Alemã: Área para plantio A área do IBF onde são plantadas

Leia mais

COMUNIDADES INTERAÇÕES ECOLÓGICAS

COMUNIDADES INTERAÇÕES ECOLÓGICAS INTERAÇÕES ECOLÓGICAS Harmônicas Desarmônicas INTERAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Intraespecíficas positivas Interespecíficas positivas INTERAÇÕES ECOLÓGICAS HARMÔNICAS Intraespecíficas positivas Colônia

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE CUPINS EM POSTES DE MADEIRA MÉTODO BIORRACIONAL AUTORES : CLÁUDIO ANTÔNIO SODÁRIO ALEX SILVEIRA JOSE FRANCISCO RESENDE DA SILVA JURACY

Leia mais

Técnicas de Plantio e Poda de Árvores Urbanas

Técnicas de Plantio e Poda de Árvores Urbanas Técnicas de Plantio e Poda de Árvores Urbanas NORMA BRASILEIRA FLORESTAS URBANAS MANEJO DE ÁRVORES, ARBUSTOS E OUTRAS PLANTAS LENHOSAS Em desenvolvimento no ABNT/CEE-103 Manejo florestal, com os Capítulos:

Leia mais

PRAGAS AGRÍCOLAS. Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR

PRAGAS AGRÍCOLAS. Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR PRAGAS AGRÍCOLAS Engenheiro Agrônomo - Joelmir Silva PIRACICABA SP CULTURA: CANA-DE-AÇÚCAR 2010 2 Distribuição Espacial das Pragas < Produtividade Parte aérea Broca Formigas Solo Cupins Migdolus Cigarrinha

Leia mais

L C F 5 8 1. Recursos Florestais TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS

L C F 5 8 1. Recursos Florestais TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS TEMA N 14 PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS PRESERVAÇÃO DE MADEIRAS 1990-177.400m³ L C F 5 8 1 CONSTRUÇÃO 0,1 5,3 MOIRÕES 16,9 ESTACAS CRUZETAS OUTROS 24,5 DORMENTES 53,2 POSTES CONSTRUÇÃO 15,0% 2010-1.300.000m³

Leia mais

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA

PRODUTOS ELABORADOS MADEIRA PLÁSTICA MADEIRA PLÁSTICA A Madeira Plástica é uma opção sustentável para quem se preocupa com a causa ambiental. O grande diferencial deste produto é que sua fabricação dá-se a partir da reciclagem de toneladas

Leia mais

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO

PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO CAPÍTULO 4 PLANEJAMENTO DA EXPLORAÇÃO Planejamento da Exploração 43 APRESENTAÇÃO A localização e o tamanho dos pátios de estocagem, a posição dos ramais de arraste e a direção de queda das árvores são

Leia mais

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP

Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico. Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Principais pragas das hortaliças e perspectivas de controle biológico Terezinha Monteiro dos Santos Cividanes Pesquisador Científico APTA/SAA - SP Plantas cultivadas em sistema de aquaponia Alface Cebolinha

Leia mais

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha

Fruticultura. Bananeira : Mal do Panamá. Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:32 Fruticultura Bananeira : Mal do Panamá Nome Bananeira : Mal do Panamá Produto Informação Tecnológica Data 1985 Preço - Linha Fruticultura Resenha Informações sobre a doença do mal-do-panamá

Leia mais

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri)

ALERTA QUARENTENÁRIO. MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) ALERTA QUARENTENÁRIO MONILÍASE DO CACAUEIRO (Moniliophthora roreri) O agronegócio do cacau é um dos mais importantes para o Brasil por envolver cerca de 50.300 famílias, responsáveis pela geração de 500.000

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais

Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Ativos do Campo - Nº 04/2013 Efeito dos custos dos insumos na rentabilidade dos projetos florestais Mesmo sendo as plantações florestais intensivas em utilização de mão de obra, sobretudo em regiões montanhosas,

Leia mais

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar?

Objetivos da poda PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS. O que é poda? FERAS. O que podar? Conceito de Poda. Por que podar? Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ESALQ/USP PODA DE ÁRVORES FRUTÍFERAS FERAS O que é poda? Piracicaba - SP Agosto - 2011 Conceito de Poda O que podar? Ramos Poda

Leia mais

Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDEs em serviços de campo.

Este procedimento aplica-se a todas as Empresas de Distribuição da Eletrobras - EDEs em serviços de campo. Página: 1/8 1. OBJETIVO Este procedimento tem como objetivo determinar a metodologia para inspeção de postes em redes de distribuição Rural e Urbana em média e baixa tensão, visando garantir a uniformidade,

Leia mais

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas.

BIOMAS TROPICAIS ecossistemas tropicais florestas tropicais e as savanas. BIOMAS TROPICAIS Os ecossistemas tropicais se encontram entre as latitudes 22 graus Norte e 22 graus Sul. Os ecossistemas predominantes na maioria das áreas tropicais são as florestas tropicais e as savanas.

Leia mais

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta)

Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) Cultura Da Mandioca (Manihot esculenta subsp esculenta) CULTURA DA MANDIOCA (Manihot esculenta subsp esculenta) 1 - Características É um arbusto perene, pertencente à família botânica Euphorbiaceae, planta

Leia mais

REGISTRO FOTOGRÁFICO - AVENIDA BELCHIOR DE GODOI

REGISTRO FOTOGRÁFICO - AVENIDA BELCHIOR DE GODOI PREFEITURA MUNICPAL DE ARAGUARI SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE REGISTRO FOTOGRÁFICO - AVENIDA BELCHIOR DE GODOI Situação do estado fitossanitário de três indivíduos arbóreos da espécie Pata de vaca

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural

Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Plantio de eucalipto na pequena propriedade rural Imbatíveis em seu crescimento rápido, os eucaliptos são fonte de matériaprima para uma série de produtos de primeira necessidade, presentes em todas as

Leia mais

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010

Prof. Aline Fernandes de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 de Oliveira, Arquiteta Urbanista 2010 PATOLOGIAS EM OBRAS DE MADEIRA . A degradação de elementos de madeira surge como resultado da ação de agentes físicos, químicos, mecânicos ou biológicos aos quais

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama...

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/culturama... Página 1 de 7 Olericultura A Cultura da Mandioca de Mesa Nome Cultura da Mandioca de Mesa Produto Informação Tecnológica Data Julho -2002 Preço - Linha Olericultura Informações resumidas sobre Resenha

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO.

LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. LEVANTAMENTO DAS ESPÉCIES DE CUPINS ATACANDO RESIDÊNCIAS NOS BAIRROS DO MUNICIPIO DE GURUPI TO. Gracielle Rodrigues da Costa 1 ; Edy Eime Pereira Baraúna 2 ; Renato da Silva Vieira 3 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Cód. 30 Engenheiro II - Agrônomo

Cód. 30 Engenheiro II - Agrônomo PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRÉ SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO E MODERNIZAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO - 08/2011 Cód. 30 Engenheiro II - Agrônomo 1. Das afirmações abaixo: I - São consideradas árvores

Leia mais

LEI Nº 3.969, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012

LEI Nº 3.969, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 LEI Nº 3.969, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2012 Institui o Plano Municipal de Arborização Urbana do Município de Pato Branco - PMAU e dá outras providências. A Câmara Municipal de Pato Branco, Estado do Paraná,

Leia mais

PLANO DIRETOR DE ARBORIZAÇÃO - INSTRUÇÃO NORMATIVA N 30, EXTRAÍDO DO DIÁRIO OFICIAL N 4.461 DE 30 DE SETEMBRO DE 2008

PLANO DIRETOR DE ARBORIZAÇÃO - INSTRUÇÃO NORMATIVA N 30, EXTRAÍDO DO DIÁRIO OFICIAL N 4.461 DE 30 DE SETEMBRO DE 2008 EXTRAÍDO DO Diário Oficial MUNICÍPIO DE GOIÂNIA PLANO DIRETOR DE ARBORIZAÇÃO - INSTRUÇÃO NORMATIVA N 30, EXTRAÍDO DO DIÁRIO OFICIAL N 4.461 DE 30 DE SETEMBRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 05 DE

Leia mais

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente.

Relações Harmônicas (Não há prejuízo)- Homotípicas (Seres da mesma espécie) -Colônia Indivíduos unidos fisicamente. RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS - As relações ecológicas são aquelas que se manifestam em diferentes populações de um ecossistema que pode ocorrer em indivíduos de uma mesma espécie ou não. Relações

Leia mais

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine

O MEIO TERRESTRE. Profa. Sueli Bettine O MEIO TERRESTRE COMPOSIÇÃO E FORMAÇÃO Profa. Sueli Bettine O SOLO E SUA ORIGEM SUPERFÍCIE SÓLIDA S DA TERRA E ELEMENTO DE FIXAÇÃO DE PLANTAS ORIGEM DESAGREGAÇÃO DE ROCHAS E DECOMPOSIÇÃO DE ANIMAIS E VEGETAIS

Leia mais

Circular. Técnica TRATAMENTO DE MOURÕES PELO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA. Introdução. O Método. ²Graduando do curso de Agronomia do UNIARAXÁ.

Circular. Técnica TRATAMENTO DE MOURÕES PELO MÉTODO DE SUBSTITUIÇÃO DE SEIVA. Introdução. O Método. ²Graduando do curso de Agronomia do UNIARAXÁ. Circular 14 Técnica Araxá, MG Maio, 2015 Autores Paulo R.F. de Fravet 1 Amarildo J. C. Filho. 2 Carlos G. Borges 2 Guilherme Nogueira 2 Mara C. A. Pinto² Paulo de T.V.M. Brando 2 Rafael R. Guimarães 2

Leia mais

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS

ENCICLOPÉDIA DE PRAGAS - Folha 1 Cupins Subterrâneos ou Solo - Biologia Os cupins são também conhecidos por térmitas, formigas brancas (operários), siriris ou aleluias (alados reprodutores). São insetos da ordem Isoptera (iso

Leia mais

Ecologia: interações ecológicas

Ecologia: interações ecológicas FACULDADES OSWALDO CRUZ Curso: Engenharia Ambiental Disciplina: Microbiologia Aplicada Prof a MsC. Vanessa Garcia Aula 12 (2º semestre): Ecologia: interações ecológicas Objetivos: analisar os principais

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos

Ecossistemas e Saúde Ambiental :: Prof.ª MSC. Dulce Amélia Santos Engenharia Civil Disciplina Ecossistemas e Saúde Ambiental Relações Ecológicas Duas Aula- Relações Ecológicas Profª Msc. Dulce Amélia Santos PODEMOS CLASSIFICAR AS RELAÇÕES ECOLÓGICAS EM RELAÇÕES INTRA-ESPECÍFICAS

Leia mais

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas

Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas Ecologia Conceitos Básicos e Relações Ecológicas MOUZER COSTA O que é Ecologia? É a parte da Biologia que estuda as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente. Conceitos Básicos Espécie População

Leia mais

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É?

COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? ECO-ESCOLA PROJETO: Na Natureza tudo se transforma COMPOSTAGEM DOMÉSTICA, O QUE É? É um processo de reciclagem de matéria orgânica (de cozinha, da horta, do jardim ) realizado através de microrganismos

Leia mais

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle

Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Cupins Subterrâneos: Métodos de Controle Introdução As principais estratégias de controle de cupins serão apresentadas a seguir. É interessante frisar, neste momento, que os dados apresentados a seguir

Leia mais

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Feijão. Nome Cultura do Feijão Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 7 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Nome Cultura do Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do feijão José Salvador

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DOS MORADORES A PARTIR DO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO NA AVENIDA SETE DE SETEMBRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA

SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DOS MORADORES A PARTIR DO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO NA AVENIDA SETE DE SETEMBRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA SENSIBILIZAÇÃO AMBIENTAL DOS MORADORES A PARTIR DO DIAGNÓSTICO DA ARBORIZAÇÃO NA AVENIDA SETE DE SETEMBRO NO MUNICÍPIO DE CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA-PA Rooslany Queiroz Barreira*, Cassyo Lima Santos, Karisa

Leia mais

OURO NOBRE DO CERRADO

OURO NOBRE DO CERRADO OURO NOBRE DO CERRADO REFLORESTAMENTO DE MOGNO AFRICANO! A MADEIRA DE LEI MAIS NOBRE DO MERCADO MOGNO AFRICANO MOGNO AFRICANO - A MADEIRA MAIS NOBRE DO MERCADO A proibição da exploração de florestas naturais

Leia mais

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual

Ferrugem. (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual Ferrugem (Puccinia kuehnii) I - Histórico e Situação Atual A primeira citação de Puccinia kuehnii como agente causador de Ferrugem na cultura da Cana-de-Açúcar data de 1890. Todavia, somente no final da

Leia mais

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin

Conceitos Ecológicos. Prof. Dr. Mauro Parolin Conceitos Ecológicos Prof. Dr. Mauro Parolin Hábitat [1] ou habitat (do latim, ele habita) é um conceito usado em ecologia que inclui o espaço físico e os fatores abióticos que condicionam um ecossistema

Leia mais

FICHA BIOESPELEOLÓGICA

FICHA BIOESPELEOLÓGICA FICHA BIOESPELEOLÓGICA Área: Bocaina 1ª Campanha: 30/08/2012 Cavidade: SB-0103 Localidade: Parauapebas 2ª Campanha: 15/01/2013 Caracterização da cavidade Zonação Entrada (E) Penumbra (P) Afótica (A) %

Leia mais

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo

Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo UNIPAC Curso de Agronomia Manejo Fitossanitário na Cana-de-açúcar Insetos-Pragas GRANDES CULTURAS I - Cultura da Cana-de-açúcar Profa Dra. Fernanda Basso Eng. Agr. Msc. Bruno Lodo Introdução Os danos causados

Leia mais

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94

ARQUIVO DO AGRÔNOMO Nº 7 - DEZEMBRO/94 Foto 1. Deficiência de nitrogênio: clorose nos folíolos das folhas mais velhas com posterior necrose e queda. Foto 2. À esquerda, planta com nutrição normal; à direita, planta deficiente em nitrogênio.

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

Madeira na Construção Civil

Madeira na Construção Civil Madeira na Construção Civil INTRODUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente

Broca da madeira. Atividade de Aprendizagem 19. Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Atividade de Aprendizagem 19 Broca da madeira Eixo(s) temático(s) Vida e ambiente Tema Interações entre os seres vivos / características e diversidade dos seres vivos / manutenção da vida e integração

Leia mais

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR

CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR CUPINS DA CANA-DE- AÇÚCAR 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA Eles ocorrem em todas as regiões do Brasil e são divididos em rei, rainha, soldados e operários, cada um com um trabalho a fazer. São insetos sociais, operários

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro

EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA. Professora: Alexsandra Ribeiro CONTEÚDO: CAP. 1, 2 e 3 EXERCÍCIOS DE REVISÃO 1ª VP4 de Ciências 6ª SÉRIE 1ª ETAPA Professora: Alexsandra Ribeiro 1. O esquema abaixo nos mostra como a vida está organizada no planeta. A complexidade da

Leia mais

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO 9º Seminário de Atualização em Eucaliptocultura MATERIAL GENÉTICO ADAPTADO AO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO Profa. Luciana Duque Silva Depto. Ciências Florestais ESALQ/USP 1 FATORES QUE INFLUEM NA ESCOLHA

Leia mais

(Imagem da cartilha elaborada a partir do Plano Diretor de Arborização Urbana)

(Imagem da cartilha elaborada a partir do Plano Diretor de Arborização Urbana) PLANTIO EM ÁREAS PÚBLICAS 1 André Duarte Puente 2 Luiz Antonio Piccoli 3 Maria do Carmo Sanchotene 4 Introdução As árvores definem e estruturam o espaço urbano, por essa razão plantar árvores em cidades

Leia mais

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti

Doenças e Pragas da Videira. Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti Doenças e Pragas da Videira Eng. Agr. M. Sc. Gilson José Marcinichen Gallotti 1-INTRODUÇÃO DOENÇAS PARASITÁRIAS: Fungos, Bactérias, Vírus, Nematóides, etc. DOENÇAS NÃO PARASITÁRIAS: Resulta das condições

Leia mais

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES

RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES RELAÇÕES HARMÔNICAS (interações positivas) COLÔNIAS INTRA - ESPECÍFICAS SOCIEDADES SOCIEDADES Diferem das colônias basicamente pela independência física exibida por seus integrantes. Também caracterizam-se

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 14 Cobertura Vegetal A localização espacial e a diversidade da vegetação estão sistematicamente integradas às especificidades do meio físico e a ação humana sobre o território

Leia mais

FATORES ECOLÓGICOS. biológicos, ou bióticos, e físicos, ou abióticos, de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade.

FATORES ECOLÓGICOS. biológicos, ou bióticos, e físicos, ou abióticos, de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. FATORES ECOLÓGICOS FATORES ECOLÓGICOS Fatores biológicos, ou bióticos, e físicos, ou abióticos, de um determinado ambiente, que atuam sobre o desenvolvimento de uma comunidade. Bióticos: relações entre

Leia mais

MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS

MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS unesp 15a. Reunião Técnica PROTEF Abr/2010 MONITORAMENTO E AMOSTRAGEM DE LAGARTAS DESFOLHADORAS Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu O que é manejo integrado de pragas (MIP)? A filosofia e metodologia

Leia mais

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO

20/5/2014 RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES HARMÔNICAS INTRA-ESPECÍFICAS COLÔNIA CLASSIFICAÇÃO RELAÇÕES ECOLÓGICAS RELAÇÕES ECOLÓGICAS Os seres vivos, além de interagirem com o meio abiótico, também interagem com outros seres vivos presentes na mesma comunidade. Estas interações são as relações

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE ARBORIZAÇÃO DO ESTACIONAMENTO NA PONTE ESTAIADA, MESTRE JOÃO ISIDÓRO FRANÇA, TERESINA-PI

DIAGNÓSTICO DE ARBORIZAÇÃO DO ESTACIONAMENTO NA PONTE ESTAIADA, MESTRE JOÃO ISIDÓRO FRANÇA, TERESINA-PI Salvador/BA 25 a 28/11/2013 DIAGNÓSTICO DE ARBORIZAÇÃO DO ESTACIONAMENTO NA PONTE ESTAIADA, MESTRE JOÃO ISIDÓRO FRANÇA, TERESINA-PI Thiciane Maria Barreto Rodrigues (*), Dinael David Ferreira Lima, Dionísio

Leia mais

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios

Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico. 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios Compostagem: a arte de transformar o lixo em adubo orgânico 1 - Compostagem e Composto: definição e benefícios A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e estrume,

Leia mais

Identificação e controle de Pragas e Doenças em Plantas Ornamentais. Professora Juliana

Identificação e controle de Pragas e Doenças em Plantas Ornamentais. Professora Juliana Identificação e controle de Pragas e Doenças em Plantas Ornamentais Professora Juliana A vida no Jardim Em um jardim, assim como em ecossistema natural, existem inúmeros seres vivos que se relacionam entre

Leia mais

MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE

MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE MORINGA - BENEFÍCIOS PARA A SAÚDE Moringa é especialmente promissor como fonte de alimento nos trópicos, porque a árvore está na folha completa no final da estação seca, quando outros alimentos são geralmente

Leia mais

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS unesp MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS EM POVOAMENTOS FLORESTAIS Prof. Dr. Carlos F. Wilcken FCA/UNESP - Botucatu 1. INTRODUÇÃO As plantações florestais brasileiras ocupam área de 5,7 milhões de ha, representando

Leia mais