ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES FÁBIO MASSALINO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES FÁBIO MASSALINO"

Transcrição

1 ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES FÁBIO MASSALINO VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES E SUAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS VILA VELHA ES 2012

2 FÁBIO MASSALINO VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES E SUAS PRINCIPAIS FERRAMENTAS Monografia apresentada ao Curso de Pós- Graduação em Sistemas de Telecomunicações da Escola Superior Aberta do Brasil como requisito para obtenção do título de Especialista em Sistema de Telecomunicações, sob orientação da Profa. Me. Janaina Costa Binda. VILA VELHA ES 2012

3 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a Zeliha Taner Massalino, minha amada esposa (in memoriam), cuja docilidade e companheirismo foram fontes de inspiração para a conclusão deste.

4 LISTA DE FÍGURAS Figura 1 Arquitetura de um sistema tradicional Figura 2 Arquitetura de um sistema virtualizado hosted Figura 3 Arquitetura de um sistema virtualizado bare-metal Figura 4 Particionamento por hardware Figura 5 Particionamento por software do tipo hosted Figura 6 Particionamento por software instalado nativamente no hardware Figura 7 Particionamento de aplicação Figura 8 Particionamento de recursos Figura 9 Particionamento de serviços Figura 10 Os componentes da arquitetura do VMware ESXi Figura 11 A console de administração DCUI Figura 12 A tela inicial do vsphere Client Figura 13 A tela de configuração do ESXi Figura 14 Os componentes do VMware VirtualCenter Server Figura 15 Hyper-V como um recurso do Windows Server Figura 16 Ferramenta de gerenciamento do Windows Server Figura 17 Ferramenta de gerenciamento do Hyper-V Figura 18 Ferramenta System Center Virtual machine Manager SCVMM

5 RESUMO A virtualização de servidores na plataforma x86 tem sido a solução na maioria das empresas para a consolidação de servidores, utilizando-se melhor os recursos disponíveis e simplificando seu gerenciamento e as soluções comerciais de empresas como VMware, Microsoft, Citrix, RedHat e Oracle garantem altadisponibilidade em ambientes virtualizados, além de diversas ferramentas que permitem executar tarefas rotineiras como ligar/desligar servidores, como mais complexas como mover estes servidores virtuais entre servidores físicos, balanceamento de cargas e backup destes. Neste trabalho apresenta-se um levantamento da bibliografia que trata deste assunto apresentando as características deste processo, apresentando suas vantagens e desvantagens, a origem da virtualização e os tipos principais. Após, apresenta as características das soluções comerciais mais utilizadas para virtualização na plataforma x86: VMware vsphere, Microsoft Hyper-V, Citrix Xen e outras disponíveis, tais como as soluções da empresa RedHat e Oracle. Esta analise visa apresentar os pontos fortes e fracos de cada solução procurando identificar onde cada solução apresenta-se como a melhor escolha. Palavra-chave: Virtualização. Hypervisor. Servidores.

6 SUMÁRIO LISTA DE FÍGURAS... 4 RESUMO... 5 INTRODUÇÃO O QUE É VIRTUALIZAÇÃO PORQUE VIRTUALIZAR? BENEFÍCIOS DA VIRTUALIZAÇÃO QUANDO UTILIZAR A VIRTUALIZAÇÃO QUANDO NÃO UTILIZAR A VIRTUALIZAÇÃO HISTÓRIA DA VIRTUALIZAÇÃO TIPOS DE VIRTUALIZAÇÃO PARTICIONAMENTO DE HARDWARE Vantagens Desvantagens PARTICIONAMENTO LÓGICO Particionamento por software Particionamento de aplicações Particionamento de recursos Particionamento de serviços Sistemas Operacionais e ambientes Runtime A PLATAFORMA VMWARE SPHERE A ARQUITETURA ESXI FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO VMWARE VIRTUALCENTER SERVER Recursos do ESX/ESXi com o uso do vcenter Recursos disponíveis no vcenter através de plug-ins A PLATAFORMA MICROSOFT HYPER-V CARACTERÍSTICAS DO HYPER-V GERENCIANDO O HYPER-V SYSTEM CENTER VIRTUAL MACHINE MANAGER Componentes do SCVMM... 50

7 4.4 Ambiente de alta-disponibilidade com Hyper-V PLATAFORMA XEN CARACTERÍSTICAS DO XEN PARAVIRTUALIZAÇÃO COM XEN OUTRAS PLATAFORMAS DISPONÍVEIS RED HAT KERNEL-BASED VIRTUAL MACHINE ORACLE VM SERVERS Características do Oracle CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 64

8 8 INTRODUÇÃO A virtualização de servidores na plataforma X86 é um dos assuntos mais abordados entre os gestores de TI nas empresas, independente de seu tamanho ou setor que atua. Garantir disponibilidade dos recursos computacionais o maior tempo possível, facilidade no gerenciamento, melhor utilização de hardware, economizar, tanto em investimentos na compra de equipamentos quanto na manutenção dos mesmos, têm sido a grande preocupação destes. As soluções comerciais de virtualização de servidores disponíveis atendem as necessidades das empresas? A consolidação de vários servidores em um mesmo hardware físico; a capacidade de servidores serem automaticamente transferidos para outros servidores físicos; a redução de consumo de energia e de custos com equipamentos físicos são os motivadores para a elaboração do presente trabalho, que busca apresentar como a virtualização de servidores pode ser uma vantagem competitiva para as empresas. O objetivo deste trabalho é apresentar os conceitos referentes à virtualização de servidores e as soluções comerciais disponíveis atualmente e apresentando as vantagens e desvantagens deste ambiente e quando utilizar. Os objetivos específicos são: explicar o que é a virtualização e as semelhanças e diferenças em relação a servidores físicos; apresentar os recursos que tornam a virtualização um diferencial competitivo, tais como alta-disponibilidade, gerenciamento centralizado e as soluções comerciais mais utilizadas no mercado. Neste contexto é apresentado o que é virtualização; justificando o porquê de se virtualizar, os benefícios, quando utilizar ou não e a historia da virtualização de servidores na plataforma x86. A partir do entendimento do que é virtualização, apresentam-se os tipos de virtualização mais comuns: por particionamento de hardware e particionamento lógico.

9 9 Em seguida, apresenta as soluções comerciais mais utilizadas no mercado para virtualização de servidores na plataforma x86. A primeira plataforma a ser analisada é a VMware vsphere, apresentando sua arquitetura, características que garantam recursos como alta-disponibilidade, balanceamento de carga entre os servidores físicos (hosts), gerenciamento centralizado através da ferramenta VMware vcenter e outros recursos possíveis através do uso de plug-ins, tais como conversão P2V (física para virtual) e gerenciador de atualização de software O Hyper-V da Microsoft é apresentado como uma solução para ambientes com servidores com o sistema operacional Windows Server, pois o mesmo permite uma melhor integração e através do System Center Virtual Machine Manager, gerenciase de forma centralizada não somente maquinas virtuais sobre esta plataforma, mas também de outras como o VMware.. A plataforma Citrix Xen é uma solução voltada para o mundo open-source, com produtos desenvolvidos tanto pela comunidade open-source quanto pela Citrix, com recursos de alta-disponibilidade, balanceamento de cargas e outras características encontradas nos concorrentes. Vale ressaltar o esforço dos desenvolvedores deste produto no sentido de garantir que as maquinas virtuais possuam desempenho semelhante ao modo nativo, através da técnica da paravirtualização. Outras plataformas disponíveis são apresentadas, tais como o Red Hat Enterprise Virtualization for Server, indicado para empresas que utilizam como base para seus sistemas operacionais o Red Hat, pois embora o Red Hat Enterprise Virtualization for Server permite hospedar maquinas virtuais de diversos sistemas operacionais; as maquinas virtuais com este SO apresentam desempenho próximo ao do servidor físico; e o Oracle VM Servers, cuja solução é a única plataforma de virtualização homologada para o famoso servidor de banco de dados Oracle, pois foi desenvolvido para prover o melhor desempenho para altas cargas de entrada/saída.

10 10 Através da consulta de livros dedicados aos temas acima, elaborou-se a revisão bibliográfica, onde foram apresentadas as características de cada solução comercial, no intuito de fazer comparativos entre as mesmas e suas similaridades.

11 11 Capítulo 1 1 O QUE É VIRTUALIZAÇÃO Segundo Buytaert et al. (2007), virtualização é um framework ou metodologia da divisão de recursos de um hardware de computador em múltiplos ambientes de execução, aplicando um ou mais conceitos ou tecnologias tais como particionamento de hardware ou software, tempo compartilhado, simulação de maquina completa ou parcial, emulação, qualidade de serviço e muitos outros. A tecnologia da virtualização consiste em fazer um computador físico comportar-se como se fosse um ou mais computadores, onde cada um destes computadores virtualizados acessem a mesma arquitetura básica de um computador físico genérico (BUYTAERT et al., 2007). Existem vários meios de se realizar isto, cada um com seus prós e contras. A ênfase deste trabalho consiste em analisar a virtualização de servidores baseada em software, embora existam outras formas, conforme mencionado no paragrafo anterior. Para permitir que um computador físico se comporte como sendo mais de um computador, as características físicas do hardware precisam ser recriadas através do uso de software. Pode-se dizer que a virtualização consiste então, em transformar o hardware em software. Isto é realizado através de uma camada de software chamada abstração. Um exemplo do uso desta camada de abstração é o HAL (Windows Hardware Abstraction Layer); através desta camada, o sistema operacional Microsoft Windows provê um meio comum em que todos os drivers e softwares possam se comunicar com o hardware em um formato comum. Isto torna mais fácil o desenvolvimento de drivers e softwares, pois não é preciso desenvolver versões especificas para cada fabricante de hardware.

12 12 Em um ambiente de virtualização, é a camada de abstração que irá recriar as características físicas do hardware, para tornar possível vários computadores utilizar-se dos mesmos recursos físicos (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Conforme Buytaert et al. (2007), virtualização é um conceito que permite que os recursos do computador sejam divididos ou compartilhados em vários ambientes simultaneamente. Estes ambientes podem interagir-se ou serem totalmente isolados entre si. Este ambiente pode estar consciente ou não de que esteja sendo executado em um ambiente virtual. Estes ambientes são conhecidos como Máquinas Virtuais (VMs virtual machines). VMs são ambientes em que neles executem sistemas operacionais - SO (Linux, Windows, etc.). De acordo com Buytaert et al. (2007), estes sistemas operacionais são conhecidos como sistemas operacionais convidados. Algo a ressaltar é que geralmente as instruções para a VM são passadas diretamente para o hardware físico, o que torna o ambiente muito mais rápido e mais eficiente do que emulação. Para melhor entendimento de um ambiente virtualizado, primeiramente é necessário entender como funciona um típico computador físico, conforme Marshall, Reynolds e Mccrory (2006). Este possui um conjunto de dispositivos de hardware em que é instalado um sistema operacional (Windows, Linux, etc.) e uma ou mais aplicações são instaladas neste SO. A figura 1 ilustra este ambiente. Figura 1 Arquitetura de um sistema tradicional Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006)

13 13 Em um ambiente virtualizado, o arranjo é ligeiramente diferente, pois o SO tem uma plataforma virtualizada em que um ou mais VMs são criadas, cada uma com um conjunto de hardware separado e capaz de ter um SO e aplicações instaladas conforme mostra a figura 2. Esta arquitetura é conhecida como arquitetura hosted (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Figura 2 Arquitetura de um sistema virtualizado hosted Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) Soluções comerciais que utilizam este tipo de arquitetura são o VMware Server, VMware Fusion, Parallel Inc. Parallels Workstation, Oracle VM VirtualBox e Microsoft Windows Virtual PC. Outro arranjo em ambiente virtualizado é um em que a plataforma de virtualização é instalada diretamente em um hardware de computador. Esta forma de virtualização provê uma plataforma em que uma ou mais maquinas virtuais possam ser criadas, cada uma sendo capaz de ter seu sistema operacional e aplicações sendo executadas sobre este (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). A figura 3 ilustra este exemplo.

14 14 Figura 3 Arquitetura de um sistema virtualizado bare-metal Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) Esta arquitetura é conhecida como arquitetura bare-metal ou hypervisor, e é a mais utilizada em ambientes de produção, pois apresenta um desempenho superior em relação ao tipo hosted, pois atua diretamente no hardware físico (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Soluções comerciais que utilizam este tipo de arquitetura são: VMware ESX/ESXi, Microsoft Hyper-V, Cytrix XenServer e Oracle VM Server. 1.1 PORQUE VIRTUALIZAR? A razão mais comum para virtualizar, segundo Victor et al. (2011), é a consolidação de servidores. Hoje em dia o gerenciamento de servidores apresenta grandes desafios: Devem permitir adicionar capacidade de processamento enquanto deve minimizar custos operacionais, que inclui energia elétrica e sistemas de refrigeração. Em datacenters que estão realmente cheios, estes requerimentos obrigam utilizar a capacidade de processamento ociosa nos servidores e aumentar a densidade da carga de trabalho de novos sistemas (VICTOR et al., 2011).

15 15 A consolidação de servidores não é o mesmo conceito da utilização de vários programas em um único servidor, onde apenas um programa é executado por vez. Vários servidores executando ao mesmo tempo, permite a utilização de várias aplicações ao mesmo tempo. Qual custo é maior: Cinco computadores executando cinco aplicações ou apenas um computador executando cinco aplicações ao mesmo tempo? Obviamente, um computador executando cinco aplicações ao mesmo tempo terá um custo maior e levará mais tempo para a conclusão do que a outra opção. 1.2 BENEFÍCIOS DA VIRTUALIZAÇÃO O uso da virtualização de servidores de acordo com Buytaert et al. (2007), traz os seguintes benefícios: a) redução de custos: com o uso da virtualização, vários servidores utilizando o mesmo hardware físico impactam em redução de custos com equipamentos, gastos com energia elétrica, refrigeração, etc.; b) portabilidade: capacidade de ter uma plataforma de hardware consistente ao invés de ter hardware real de diferentes fabricantes; c) gerenciamento: ambientes virtuais podem ser gerenciados facilmente e oferece acesso ao hardware virtual; e d) eficiência: quando a virtualização é implantada correta. 1.3 QUANDO UTILIZAR A VIRTUALIZAÇÃO De acordo com Buytaert et al. (2007), utiliza-se a virtualização de servidores para:

16 16 a) consolidação de servidores: Permite que muitos servidores físicos sejam virtualizados e hospedados em poucos servidores físicos. Muitos servidores hoje possui uma utilização baixa de seus recursos, em faixa de 8 a 12% de sua utilização; b) suporte a aplicações legadas: Permite que sistemas operacionais e aplicações que foram descontinuadas e sem suporte a hardwares novos, possam ser facilmente migrados para hardwares mais recentes sem riscos de incompatibilidade; c) suporte a sistemas operacionais múltiplos: este é um beneficio em ambientes onde o desenvolvimento e testes em vários sistemas operacionais são necessários; d) demostrar softwares: Realizar demonstrativos de softwares que podem ser executados de uma maneira eficiente e sem grandes esforços para sua implantação; e) desenvolvimento, testes e depuração: Devido ao fato do forte isolamento entre os vários SO em um ambiente virtualizado, torna-se fácil executar testes em softwares e análise de erros; f) treinamento técnico e E-Learning: Em muitas salas de aulas avançadas, tornam-se necessários diversos computadores para cada estudante. Com o uso da virtualização, companhias podem reduzir o numero de computadores exigidos para cada sala de aula e o tempo necessário para prepará-los para a próxima turma; g) continuidade de negócios: Virtualização pode ajudar uma empresa a alcançar os 99,999% de disponibilidade, ajudando a eliminar os downtimes planejados, entregando alta-disponibilidade, soluções de recuperação de desastres e ajudar com as soluções de backup;e h) HoneyPot: Máquinas virtuais podem ser facilmente configuradas para serem HoneyPot, ou seja, máquinas com o objetivo especifico de serem alvos para ataques que a rede ou determinadas aplicações podem sofrer, prevenindo com isto, que aplicações de produções possam ser comprometidas.

17 QUANDO NÃO UTILIZAR A VIRTUALIZAÇÃO Segundo Buytaert et al. (2007), não se utiliza a virtualização quando: a) testes em virtualização da plataforma x86: Não se pode testar virtualização dentro de um ambiente virtualizado. Isto irá tornar o ambiente não usável. Esta é uma limitação da plataforma x86; b) jogos no computador: Os requerimentos para execução de jogos de computador são extremamente grandes e ter a camada de virtualização entre o hardware e o jogo pode impactar no desempenho do mesmo; c) hardware e periféricos especializados: Não há meios de poder colocar em ambientes virtualizados periféricos de hardware customizado. Isto porque não há emulação ou representação destes dispositivos em ambiente virtualizado; d) testes de performance: A sobrecarga devido a camada de virtualização irá causar resultados errôneos na execução de testes de performance; e e) depurar drivers de hardware: Devido ao fato de todas as maquinas virtuais terem o mesmo hardware, não há como testar ou depurar drivers de hardware nesta plataforma. 1.5 HISTÓRIA DA VIRTUALIZAÇÃO Segundo Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), o conceito de virtualização vem sendo discutido desde a década de 1950, embora se tornou de fato uma tendência com o uso na plataforma x86, na década de No inicio da década de 1960, a IBM introduziu o conceito de Time Sharing (tempo compartilhado), que foi a direção inicial para a virtualização. Hoje muitas pessoas associam o termo Time Sharing com mainframes, mas possivelmente a plataforma x86 foi introduzida a virtualização neste mesmo

18 18 conceito, mas sobre o nome de computação On-Demand. Em 1964, IBM introduziu o IBM System/360, que tinha capacidade limitada de virtualização e foi arquitetada pelo legendário Gene Amdahl. Mais tarde em 1964, o CP-40 foi lançado e houve a primeira menção de máquinas virtuais e memória virtual. Em 1965, o System/360 Modelo 67 foi desenvolvido, juntamente com o TSS (Time Sharing System). Este foi seguido em 1967 por outro lançamento do CP-40 e CMS, que colocou em produção um sistema suportando 14 VMs, cada uma com 256k de memória virtual (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Uma nova iteração do CP-40 chamada CP-67 Versão 1 foi lançada em Esta possuía uma capacidade e estabilidade superior em relação ao antecessor. O CP-67 Versão 2 em 1969 ganhou um novo agendador e suporte a PL/I. Em 1970 a versão 3 do CP-67 tinha suporte a reserva de armazenamento que garantia melhor performance e adição de instrução SLT (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Finalmente em 1971, a versão 3.1 do CP-67 foi liberada com melhorias no desempenho de I/O. Em 1972, o System/370 Advanced Function foi liberado e possuía um novo hardware de relocação de endereços e suporte a quatro novos sistemas operacionais: VM/370, DOS/VS, OS/VS1 e OS/VS2. Como a tecnologia da virtualização começou a tornar-se popular na comunidade IBM, a MVMUA (Associação Metropolitana de Usuários de Maquinas Virtuais) foi fundada em Nova York, em A introdução do VM/370 Release 2 em 1974 continha a primeira iteração do VMA (Virtual machine Assist) Microcode. Também em 1974, Gerald J. Popek e Robert P. Goldberg criou um conjunto de requerimentos formais para arquiteturas, intitulado Formal Requirements for Virtualizable Third Generation Architectures (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Durante o período de 1974 a 1987, não houve avanços nesta área. Mas com o avanço da internet houve grande necessidade pelo suporte TCP/IP. Em 1987, a VM TCP/IP também conhecida como FAL tornou o TCP/IP disponível para máquinas virtuais (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Durante as décadas de 1980 a 1990, a necessidade de virtualização foi abandonada devido ao fato do crescimento da plataforma x86, com o uso de minicomputadores e de baixo-custo

19 19 (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Ao invés de compartilhar recursos de forma centralizada, baseada no modelo de mainframes, as organizações passaram a adotar os sistemas distribuídos de baixo custo (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). De acordo com Buytaert et al. (2007), a grande adoção do Linux e Windows como sistemas operacionais emergentes em servidores estabilizou a plataforma x86 como um novo padrão da indústria. Entretanto, a crescente demanda e o forte crescimento de servidores x86 e ambientes desktop apresentou um novo conjunto de infraestrutura de TI e desafios operacionais para este cenário. Em 1988, uma pequena companhia chamada Connectix Corporation foi fundada e provia soluções para sistemas da Apple Macintosh (MAC). A Connectix começou a tornar-se conhecida por suas soluções inovadoras para resolver problemas que a Apple não podia ou não queria resolver (BUYTAERT et al., 2007). A experiência com a plataforma MAC e PC levou a Connectix a criar um produto chamado Connectix Virtual PC 1.0 para MAC. O Virtual PC 1.0 foi uma verdadeira façanha de programação que incorporou um mecanismo de tradução de binários para traduzir instruções de um processador Intel x86 virtual para um processador PowerPc físico utilizado no MAC (BUYTAERT et al., 2007). Este exemplo de emulação levou a Connectix à tecnologia da virtualização. Em 1998, uma companhia chamada VMware foi fundada por Diane Greene e seu marido, Dr. Mendel Rosenblum junto com dois estudantes da Universidade de Stanford e um colega de trabalho de Berkley (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).. Em outubro de 1998, estes fundadores patentearam uma nova tecnologia de virtualização baseadas em pesquisas conduzidas na universidade de Stanford. Esta patente foi obtida em 28 de maio de 2002 (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). A VMware introduziu a plataforma VMware Virtual Plataform em 8 de fevereiro de Este produto é considerado por muitos como sendo o primeiro produto

20 20 comercial para virtualização na plataforma x86. Mais tarde, este produto tornou-se o VMware Workstation (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Em 2000, a VMware lançou sua primeira plataforma de virtualização para servidores, o VMware GSX Server 1.0. Este produto era instalado sobre sistemas operacionais Windows ou Linux. No ano seguinte, com o lançamento do VMware ESX Server 1.0, houve uma melhoria significativa, pois este era instalado diretamente no bare-metal e provia maior estabilidade e alta-performance por possuir um nativo hypervisor, também conhecido como Virtual machine Monitor (VMM). De 2002 até os dias atuais, o VMware continuou a liberar versões de atualizações de ambos os produtos: GSX Server (ultimamente chamado de VMware Server) e plataforma ESX, adicionando novas capacidades e aumento de performance (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).. A Connectix criou um relacionamento com a Microsoft que consistia na inclusão de pacotes do sistema operacional Microsoft com o Connectix Virtual PC para produtos Mac. E mais tarde, eles providenciaram a tecnologia de emulação PocketPC embutida na aplicação Visual StudioNET da Microsoft. No começo de 2003, ela entrou no campo da virtualização de servidores x86 com sua versão release candidate do Connectix Virtual Server. Entretanto, o Connectix Virtual Server nunca entrou no mercado, porque a Microsoft adquiriu os direitos de propriedade intelectual do Virtual PC para Mac e Windows como também do Connectix Virtual Server (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).. O plano de virtualização da Microsoft focava-se no suporte a aplicações legadas, consolidação de servidores e automação de desenvolvimento de softwares e ambientes de teste. Eles liberaram seus primeiros produtos de virtualização, o Microsoft PC 2004, no dia 02 de dezembro de Devido ao fato de aprimorar a segurança, o projeto acabou tendo atrasos e em meados de 2004 foi liberadas duas versões, o Microsoft Virtual Server 2005 Standard Edition e o Microsoft Virtual Server 2005 Enterprise Edition (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).. Assim como Connectix, a VMware também foi adquirida. A companhia foi adquirida pela EMC Corporation em nove de janeiro de 2004, embora continuasse atuando como uma subsidiaria independente, sendo ainda dirigida pela CEO Diane Greene.

21 21 Em agosto de 2007, a EMC tornou a VMware pública e vendeu cerca de 10 % da companhia, ganhando algo em torno de um bilhão de dólares (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).. Enquanto isto, outra tecnologia de virtualização de servidores estava sendo desenvolvida: a Xen (MARSHALL; BEAVER; MCCARTY, 2009). Este projeto foi descrito primeiramente em um ensaio apresentado na SOSP em Em outubro do mesmo ano, a versão 1.0 foi liberada. Originalmente, a Xen foi desenvolvida pelo Systems Research Group no laboratório de computação da universidade de Cambridge, como parte do projeto XenoServers, e foi fundada pelo UK-EPSRC. Desde então, Xen ganhou maturidade e se tornou um projeto que possibilitou pesquisas para melhorar técnicas para virtualizar recursos tais como CPU, memoria, discos e redes. Ian Pratt, professor sênior de Cambridge, liderou o projeto e ajudou a fundar a XenSource, Inc., uma companhia responsável pelo desenvolvimento do projeto Xen open-souce e também criou e vendeu uma versão do software comercial e empresarial. Contribuidores deste projeto incluem empresas como AMD, HP, IBM, Intel, Novell, RedHat e XenSource (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).. Conforme Williams e Garcia (2007), em 2006, XenSource liberou a primeira versão do XenEnterprise 3.0, um produto baseado no Xen v3.0.3 e criado para competir diretamente com o produto VMware ESX. Em agosto de 2007, XenSource Anunciou a liberação do XenEnterprise v4, baseada no Xen 3.1, que estava mais estável e tentou ser competitiva com produtos concorrentes como o VMware ESX. Neste mesmo mês, a Citrix anunciou que iria fazer como a EMC e a Microsoft em relação à plataforma de virtualização e adquiriu a XenSource por aproximadamente 500 milhões de dólares. Com a tecnologia de hypervisor como VMware ESX e Xen começou a dominar a plataforma de virtualização de servidores, a Microsoft passou a focar em algo mais competitivo do que o Microsoft Virtualx Server. Com o desenvolvimento do Longhorn ou Windows Server 2008, a companhia iniciou o desenvolvimento da sua própria tecnologia de hypervisor, originalmente chamada Viridian e depois chamada Hyper- V (MORIMOTO; GUILLET, 2009).

22 22 Fabricantes de chips como Intel e AMD continuaram a introduzir novas tecnologias para prover melhor suporte para virtualização na camada de hardware. Estas tecnologias incluem processadores multinúcleos, tecnologia de virtualização Intel (originalmente conhecida como Vanderpool e Silvervale), e AMD-V/SVM (originalmente conhecida como Pacifica). Estas tecnologias de virtualização no nível de hardware permitiram plataformas de virtualização tornarem-se mais eficientes. As tecnologias Intel-VT e AMD-V interceptaram estas instruções e passaram a controlar o hypervisor para não haver a necessidade de uma camada de software complexa podendo ocasionar problemas de desempenho. As instruções de virtualização adicionadas nos processadores AMD e Intel têm ajudado a criar novas plataformas de virtualização desde que tecnologias adicionais têm removido uma das barreiras de entrar no mercado da virtualização (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006).

23 23 Capítulo 2 2 TIPOS DE VIRTUALIZAÇÃO Atualmente existem diversas tecnologias e formas de virtualização na plataforma x86 (VICTOR et al., 2011). O conjunto de tecnologias de virtualização utilizado nos sistemas de servidores empresariais é geralmente referido como tecnologias de particionamento. Como mencionado no capitulo anterior, o foco deste trabalho é a virtualização de servidores através de software ( partitioning software ), mas é importante salientar que existem outras formas, tais como hadware partitioning, por aplicação, recursos e serviços, assim como tipos de virtualização por sistema operacional em ambientes runtime. 2.1 PARTICIONAMENTO DE HARDWARE Segundo Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), particionamento de hardware referese à tecnologia de hardware altamente especializado, que permitem que os recursos de um único computador sejam divididos em múltiplas partições, as chamadas hard partitions, onde cada uma pode hospedar uma instância de um sistema operacional. A figura 4 ilustra como funciona a virtualização por particionamento por hardware. Particionamento por hardware existe a um bom tempo, originando dos sistemas mainframes da IBM. Nos dias atuais existem diversas tecnologias de particionamento por hardware disponíveis, cada qual implementação proprietária e requer hardware e software específicos para serem utilizados. Em algumas implementações, somente um ou dois sistemas operacionais muito específicos possui suporte. Geralmente todos os componentes requeridos são disponíveis de

24 24 um único fornecedor, devido a sua natureza proprietária (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Figura 4 Particionamento por hardware Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) Vantagens As vantagens, de acordo com Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), do particionamento de hardware em relação ao por software, são: a) grande eficiência no compartilhamento de recursos e gerenciamento de capacidade. Estes sistemas são mais eficientes do que o particionamento por software porque o gerenciamento de recursos entre as hard partitions são mantidos utilizando componentes de hardware separados (memory, storage, chips, etc.); b) o software especializado (geralmente chamado de microcode) que executa o gerenciamento de recursos reside em componentes de hardware gerenciados por recursos especializados. Com isto, o desempenho disponível em cada hard partition é maximizada e não ocorre sobrecarga;

25 25 c) isolamento elétrico: Esta característica de isolamento elétrico entre as hard partitions permite que falhas ocorridas em uma partição não afetem as demais;e d) alta escalabilidade: Pelo fato de somente hardware altamente especializado permitir o particionamento por hardware, estes mesmos apresentam uma alta escalabilidade e robustez Desvantagens Segundo Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), as desvantagens do particionamento de hardware em relação ao por software, são: a) preço alto: Devido a possuir hardware e software proprietário, os custos de aquisição, suporte são elevados e o cliente acaba sendo refém do fornecedor; b) suporte limitado de vários sistemas operacionais; c) baixa portabilidade: Devido a cada fornecedor possuir tecnologia proprietária, a portabilidade de bases instaladas nas hard partitions fica limitada a somente hardwares do mesmo proprietário. Alguns fornecedores e suas tecnologias atuais. - HP npartition - IBM LPAR e DLPAR - Sun Microsystem Dynamic System Domain - Unisys Dynamic Partitioning 2.2 PARTICIONAMENTO LÓGICO

26 26 Particionamento lógico refere-se à separação de ambientes de execução em um sistema computacional usando software (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Particionamento lógico inclui particionamento por software, particionamento de recursos e particionamento de serviços Particionamento por software Conforme Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), particionamento por software é uma tecnologia baseada em software que permite um computador físico ser dividido em múltiplas partições (chamadas de soft partitions ou máquinas virtuais), cada qual, hospedando sua própria e isolada instância de um sistema operacional. Seu comportamento é semelhante ao particionamento de hardware, pois múltiplas instâncias podem coexistir em um único servidor físico, com a diferença que, pelo particionamento por software, o isolamento de cada partição e o gerenciamento dos recursos compartilhados é realizado por uma camada especial de software chamada Virtual machine Monitor (VMM) ou Hypervisor (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). O VMM, assim como os sistemas operacionais de cada soft partition, consomem recursos do mesmo conjunto de hardware, ou seja, a VMM utiliza-se de recursos de hardware, o que ocasiona degradação de desempenho, se comparado com o particionamento de hardware. Esta degradação varia de acordo com cada implementação, mas sempre causa impacto no desempenho de cada Máquina Virtual (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Existem dois tipos de particionamento por software de acordo com Marshall, Reynolds e Mccrory (2006): a) hosted: Neste tipo de implementação (conforme figura 5), a camada de virtualização é um aplicativo que é instalado em um sistema operacional. As

27 27 vantagens deste tipo de implementação é utilizar a capacidade de gerenciamento de recursos do sistema operacional utilizado, sua compatibilidade de hardware, APIs e desenvolvimento relativamente mais simples, assim como seu suporte. Como desvantagens, irá apresentar as mesmas deficiências e ineficiências do sistema operacional em que a mesma está hospedada; degradação de desempenho devido ao consumo de recursos que o sistema operacional que hospeda este apresenta. Algumas tecnologias deste tipo de implementação inclui Microsoft Virtual Server, Oracle VM VirtualBox e VMware GSX Server, em ambiente Windows e o VMware GSX Server e Oracle VM VirtualBox para Linux; Figura 5 Particionamento por software do tipo hosted Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) b) bare-metal ou Hypervisor: Conforme ilustra a figura 6, neste tipo, a camada de virtualização é instalada diretamente no hardware, com isto, apresenta um melhor desempenho, pois por não apresentar um sistema operacional intermediando, o gerenciamento dos recursos computacionais se torna mais eficiente. Atualmente, o VMware ESX Server é a implementação mais madura de um sistema de particionamento por software instalado nativamente em arquitetura baseada em x86, embora podemos citar outras tecnologias como Cytrix XenServer, Microsoft Hyper-V e Oracle VM Server.

28 28 Figura 6 Particionamento por software instalado nativamente no hardware Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) Sistemas de particionamento por software utiliza-se de combinação de emulação, simulação e pass-through (passar através) em seus métodos de abstração de hardware. Cada máquina virtual enxerga seu próprio conjunto de recursos de hardware que irá consumir Particionamento de aplicações Particionamento de aplicações é uma tecnologia baseada em software que permite que recursos do sistema operacional em que uma aplicação dependa de estar executando em um ambiente alternativo em um sistema operacional sem o conhecimento da mesma (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). O aplicativo isolado pode ser executado em múltiplas instâncias simultaneamente em um mesmo sistema operacional, por um ou mais usuários, sem uma instância de aplicação interferindo em outra. Cada instância não tem conhecimento da existência de outras, e esta implementação não requer nenhuma mudança no aplicativo para que possa ser hospedado em um sistema de particionamento de aplicações.

29 29 A grande vantagem de um sistema de particionamento de aplicações, segundo Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), é que qualquer aplicação, independente de ser usada por um ou mais usuários, pode ser gerenciada de forma centralizada e ser disponível de forma distribuída. Um único servidor pode executar muitas instâncias desta aplicação e cada estado da instância desta aplicação é escrito em um container separado. Cada container é automaticamente controlado pelo sistema de particionamento de aplicações. O particionamento de aplicações pode consolidar uma única aplicação para múltiplos computadores desktops e servidores em um único servidor e a aplicação pode ser gerenciada como uma única instância desta aplicação. O próprio sistema operacional não é completamente abstraído desta aplicação, somente certos subcomponentes, tais como sistema de arquivos, portanto somente aplicações executam normalmente em um sistema operacional começando a usar são permitidos para ser hospedado em um sistema de particionamento de aplicações. A figura 7 ilustra este exemplo (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Figura 7 Particionamento de aplicação Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006)

30 Particionamento de recursos De acordo com Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), particionamento de recursos é uma tecnologia baseada em software que abstrai como certos recursos do sistema operacional são alocados para instâncias de aplicações ou processos individuais executando em um sistema operacional (A figura 8 ilustra este tipo de particionamento). Esta tecnologia é usada para controlar consumo de recursos de aplicações e processos, permitindo maior controle granular que os providos pelo sistema operacional (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Figura 8 Particionamento de recursos Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) Os sistemas de particionamento de recursos permitem também que o consumo de recursos possa ser controlado não somente no nível de aplicações ou recursos, mas também por uma combinação de aplicações ou processos e contas de usuários (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Este tipo de virtualização permite também habilitar qualidade de serviço no sistema operacional, pois as instâncias de aplicações ou processos podem passar parâmetros, que permitem níveis mínimos e máximos de utilização de recursos tais como CPU, memoria e I/O de discos para serem efetivamente controladas e gerenciadas (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Assim, como o particionamento de aplicações, este não abstrai o sistema operacional inteiro, ao

31 31 invés disto, somente aplicações que devam ser controladas pelo sistema de particionamento de recursos são abstraídas Particionamento de serviços Conforme Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), o particionamento de serviços é uma tecnologia baseada em software em que uma única instância da aplicação prove múltiplas e isoladas instâncias de um serviço (conforme figura 9). Figura 9 Particionamento de serviços Fonte: Marshall, Reynolds e Mccrory (2006) Cada instância do serviço aparece para os consumidores do serviço como sendo uma instância de aplicação dedicada (e geralmente oferece uma instância de servidor dedicada) (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Neste tipo de virtualização, a abstração ocorre no topo da instância da aplicação, que permite que múltiplas instâncias desta aplicação possam coexistir. De acordo com Marshall, Reynolds e Mccrory (2006), o nível de isolação entre estas instâncias pode variar conforme a implementação; ocorrendo casos em que há completo isolamento entre as instâncias até o caso em que não há isolamento.

32 32 Exemplos comuns deste tipo de virtualização são servidores de banco de dados e web. Em um servidor de banco de dados, uma única instância é executada em um sistema operacional. Esta instância pode conter diversos bancos de dados. Com o particionamento de serviços, cada banco de dados pode ser configurado para aparecer para os consumidores do serviço somente como o único do servidor, embora possa ter mais de vinte bancos de dados sendo executados simultaneamente (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Outro exemplo são os servidores web modernos que permitem múltiplos web sites virtuais para serem criados e hospedados simultaneamente de uma única instância da aplicação (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Cada web site é isolado um do outro e aparece como se estivesse hospedado em seu próprio servidor dedicado, quando na realidade podem ter mais de cem web sites rodando simultaneamente de uma instância de aplicação de servidor web Sistemas Operacionais e ambientes Runtime Embora não seja usualmente descrito como um tipo de tecnologia de virtualização, sistemas operacionais são na verdade um dos tipos mais comuns de tecnologias de virtualização. Pode-se dizer que um sistema operacional é uma maquina virtual implementada em software usada para abstrair os recursos do hardware do computador (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Aplicativos que residem e executam dentro deste sistema operacional, utilizam-se das facilidades deste SO para acessar o hardware ao invés deste próprio acessar o hardware, geralmente através do modulo chamado driver de dispositivo (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Alguns frameworks de programação incluem um ambiente runtime designado para rodar no topo do sistema operacional. Softwares escritos para serem executados neste ambiente rodam no topo do sistema operacional como também dependem deste ambiente runtime (ou maquinas virtuais como são chamados) para executar

33 33 as tarefas. Este tipo de virtualização não prove um ambiente de execução completo e depende do sistema operacional e seus recursos para executar seu trabalho (MARSHALL; REYNOLDS; MCCRORY, 2006). Exemplos incluem o framework Microsoft.Net e o Sun Java.

34 34 Capítulo 3 3 A PLATAFORMA VMWARE SPHERE A companhia VMware surgiu em 1998 para prover soluções em virtualização de servidores na plataforma x86 (MISHCHENKO, 2011). Em 1999, liberou a versão VMware Workstation, que permitia executar vários sistemas operacionais sobre um sistema desktop. Isto permitia que alguém do suporte técnico que precisasse testar várias versões de sistemas operacionais, tivesse como realizar isto sem a necessidade de diversos computadores ou estar reinstalando cada versão (MISHCHENKO, 2011). Em 2001, a VMware lançou duas versões: a VMware GSX Server e ESX Server. A VMware GSX Server era semelhante a VMware Workstation, ou seja, um aplicativo executado sobre um sistema operacional (Windows ou Linux), com a diferença que era instalada em um computador servidor ao invés de um computador desktop. Mais tarde, esta versão foi renomeada para VMware Server (MISHCHENKO, 2011). A VMware ESX Server também foi lançada como uma solução centralizada para hospedar maquinas virtuais, mas com a arquitetura diferente em relação ao VMware GSX Server. De acordo com Mishchenko (2011), o ESX Server é instalado diretamente no hardware do servidor, proporcionando uma maior performance, pois não há camadas intermediarias entre o hardware e a plataforma de virtualização, elimina vulnerabilidades de segurança e a necessidade de um maior gerenciamento exigido por sistemas operacionais como Windows e Linux. A camada de virtualização, ou hypervisor, do VMware é denominada VMkernel, desenvolvida especificamente para hospedar maquinas virtuais, eliminando consumo significativo de recursos e potencias brechas de segurança (MISHCHENKO, 2011).

35 35 A VMware ESX também introduziu o formato de partição denominado VMFS: VMware Virtual machine File System. Em sua primeira versão, este formato apenas otimizava as operações das máquinas virtuais. Já na versão 2, conforme Mishchenko (2011), a VMware implementou capacidade de clusterização. Com esta capacidade, o mesmo volume podia ser acessado por vários hosts, implementando o bloqueio por arquivo. A capacidade do sistema de arquivos VMFS e as características da plataforma ESX permitiu o lançamento do VMware VirtualCenter Server, hoje conhecido por vcenter. O VirtualCenter Server possibilita o gerenciamento centralizado dos hosts ESX e inclui características inovadoras como o vmotion, que permite a migração de maquinas virtuais entre os hosts ESX, sem interrupção e clusters de alta disponibilidade (MISHCHENKO, 2011). Em 2007, a VMware lançou a segunda geração da plataforma de virtualização baremetal, denominada ESXi (ESX integrada). A ESXi 3.5 foi lançada na VMworld 2007, onde foi distribuído em um pen-drive de 1GB. O ESXi foi inicialmente desenvolvido para ser armazenado nas memórias de somente leitura, ROM, dos servidores, ou seja, de uma forma embutida, para tornar o nível da camada de virtualização livre de ataques, a instalação de patches menos frequentes e diminuição de consumo de energia, pois não necessitava de discos rígidos para serem instalados. Mas o uso da plataforma ESXi popularizou-se de duas formas: a embutida, em dispositivos de memoria flash, dentro dos servidores e a forma instalada (MISHCHENKO, 2011). A grande diferença em relação à versão ESX, que esta não possui a console de serviço baseada em Linux, que era necessária para gerenciar o ESX. Isto proporcionou uma redução significativa no tamanho da instalação do ESX, que exigia cerca de 1.1 gigabyte de espaço em disco para cerca de 90 megabyte, na ESXi, por isto a opção de se instalar em memorias flash (MISHCHENKO, 2011).

36 A ARQUITETURA ESXI Segundo Mishchenko (2011), a tecnologia por trás da arquitetura VMware ESXi representa a nova geração da plataforma de virtualização do VMware, que é a fundação dos produtos de virtualização da VMware. Através de funcionalidades equivalentes do ESX, esta plataforma elimina a necessidade de uma console de serviço baseada em Linux, reduzindo significativamente seu tamanho. O ponto central do ESXi é o VMkernel, como mostrado na figura 10. Este é o responsável por controlar o acesso do hardware para o host ESXi. Todos os demais processos são executados sobre o VMkernel (MISHCHENKO, 2011). Figura 10 Os componentes da arquitetura do VMware ESXi Fonte: Mishchenko (2011) O VMkernel é um sistema operacional baseado em POSIX (acrônimo para o nome denominado: Portable Operating System Interface, que pode ser traduzido como Interface Portável entre Sistemas Operacionais), que é uma família de normas definidas pelo IEEE e designada formalmente que tem como objetivo garantir a portabilidade do código-fonte de um programa a partir de um sistema operacional que atenda as normas POSIX para outro sistema POSIX, desta forma

37 37 as regras atuam como uma interface entre sistemas operacionais distintos (MISHCHENKO, 2011). O VMkernel foi desenvolvido pela VMware e é similar a qualquer outro sistema operacional em que este usa a criação de processos, sistemas de arquivos e threads, mas com a diferença de que o objetivo do VMkernel é somente executar maquinas virtuais, ou seja, o hypervisor foca no agendamento de recursos, drivers de dispositivos e pilhas de Entrada/Saída (MISHCHENKO, 2011). A comunicação com o VMkernel é feita através de APIs VSphere. De acordo com Mishchenko (2011), as ferramentas utilizadas para este gerenciamento são o vsphere Client, vcenter Server, vcli e outras aplicações, desenvolvidas por terceiros, que se comunicam através destas APIs. Numerosos processos são executados sobre o VMkernel, que provem gerenciamento de acesso, monitoramento de hardware, assim como também um compartimento de execução em que uma maquina virtual opera (MISHCHENKO, 2011). Estes processos são conhecidos como processos user world, e operam similarmente como aplicações em um sistema operacional qualquer, exceto que foram desenvolvidos para prover função de gerenciamento especifica para a camada de virtualização (MISHCHENKO, 2011). O processo VMM ( Virtual machine Monitor, que pode ser livremente traduzido como monitor de maquina virtual) é o responsável por fornecer um ambiente de execução em que o sistema operacional convidado opera e interage com o conjunto de hardware virtual que é apresentado a este (MISHCHENKO, 2011). Cada processo VMM tem um processo ajudante correspondente conhecido como VMX e cada máquina virtual tem um de cada processo. O processo hostd provê uma interface programática para o VMkernel. Esta é usada pela API do vsphere e para o vsphere Client quando utilizado para se conectar diretamente ao host. Este processo gerencia usuários e grupos locais como também avalia os privilégios para os usuários que interagem com o host. O hostd também

38 38 funciona como proxy reverso para todas as comunicações com o host ESXi (MISHCHENKO, 2011). Conforme Mishchenko (2011), o VMware ESXi conta com o sistema CIM (Commom Information Model, que pode ser traduzido como modelo de informação comum) para monitorar o status do hardware. Este provê um conjunto de APIs para aplicações remotas poderem consultar o status do hardware do host ESXi. Com isto, fornecedores de hardware são aptos a desenvolver seu plug-in CIM especifico para realizar este monitoramento. O processo DCUI (Direct Console User Interface) prove uma console de gerenciamento local para ESXi. O DCUI aparece como uma interface parecida com a BIOS, como mostrada na figura 11 (MISHCHENKO, 2011). Figura 11 A console de administração DCUI Fonte: Mishchenko (2011) O processo vpxa é responsável pela comunicação com o vcenter Server. Este processo roda dentro de um contexto de segurança do vpxuser. Comandos e consultas realizadas do vcenter Server são recebidas por este processo antes de ser encaminhadas ao processo hostd. O processo agente é instalado e executado quando o host ESXi é ligado em um cluster de alta disponibilidade (MISHCHENKO, 2011).

39 FERRAMENTAS DE GERENCIAMENTO Como mencionado anteriormente, a arquitetura ESXi é uma plataforma bem enxuta, onde somente processos indispensáveis ao funcionamento do host são executados neste. O gerenciamento local é feito pela DCUI, que permite realizar operações básicas no host: configurar senha do administrador (root), configurar endereço IP da placa de rede para gerenciamento de trafego, reiniciar serviços de gerenciamento do host, reiniciar ou desligar o host. Para poder interagir com o ambiente de virtualização, utilizar os recursos disponíveis da plataforma ESXi, é necessário aplicações que são executadas remotamente para realizar este gerenciamento. Independente se irá gerenciar diretamente o host ESXi, ou este gerenciamento irá ser feito através do vcenter Server, a ferramenta mais utilizada para tal, é o vsphere Client. A figura 12 mostra a tela principal do vsphere Client. Figura 12 A tela inicial do vsphere Client Fonte: Mishchenko (2011)

40 40 Através desta console, é possível verificar as informações e status referentes aos componentes de hardware do host (processador, disco, memória, etc), acessar e gerenciar as máquinas virtuais. A maioria dos elementos disponíveis para configurar o host está na aba Configuration (figura 13). Estas opções estão disponíveis tanto acessando diretamente o host como pelo vcenter Server (MISHCHENKO, 2011). Figura 13 A tela de configuração do ESXi Fonte: Mishchenko (2011) Esta aba permite verificar o status dos diversos componentes do hardware do host. As opções são exibidas de acordo com o Common Information Model (CIM) instalado no host. Também permite obter informações sobre o processador, tais como o modelo deste, o numero de soquetes, núcleos por soquete, e se o recurso Hyperthreading está habilitado (MISHCHENKO, 2011). Exibe também algumas sobre a placa-mãe do host, incluindo o nome do fabricante, modelo, e a versão da BIOS assim como, o total de memória disponível para o host, as configurações atuais das redes e armazenamento, gerenciamento de energia, licenciamento, sincronização do relógio do host com os servidores de tempo disponíveis na internet, além de configurações avançadas (MISHCHENKO, 2011).

41 VMWARE VIRTUALCENTER SERVER O VMware VirtualCenter, é a console de gerenciamento centralizado utilizado em ambientes VMware para configurar, provisionar e gerenciar ambientes virtualizados nas empresas. Através do vcenter, tecnologias como vmotion, alta disponibilidade e agendador de distribuição de recursos são habilitadas, assim como outras tecnologias, como segue abaixo (KHNASER, 2011): a) VMware Update Manager: Uma ferramenta automatizadora utilizada para gerenciar atualizações dos hosts ESX/ESXi e máquinas virtuais; b) VMware vcenter Converter: Ferramenta de conversão que permite migrar um servidor físico ou virtual para uma máquina virtual; c) VMware vcenter Guided Consolidation: Ferramenta utilizada para analisar uma infraestrutura de servidores físicos e recomendar os servidores físicos que são bons candidatos para serem convertidos para máquinas virtuais. A estrutura do vcenter é exibida conforme a figura 14: Figura 14 Os componentes do VMware VirtualCenter Server Fonte: Khnaser (2011)

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO

Virtualização. O conceito de VIRTUALIZAÇÃO Virtualização A virtualização está presente tanto no desktop de um entusiasta pelo assunto quanto no ambiente de TI de uma infinidade de empresas das mais variadas áreas. Não se trata de "moda" ou mero

Leia mais

Virtualização - VMWare e Xen

Virtualização - VMWare e Xen Virtualização - VMWare e Xen A virtualização consiste na emulação de ambientes isolados, capazes de rodar diferentes sistemas operacionais dentro de uma mesma máquina, aproveitando ao máximo a capacidade

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2

Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Tecnologias WEB Virtualização de Sistemas Prof. José Maurício S. Pinheiro UniFOA 2009-2 Conceitos Virtualização pode ser definida como técnica que combina ou divide recursos computacionais para prover

Leia mais

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes

Introdução a Virtualização. Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Introdução a Virtualização Sergio Roberto Charpinel Junior Profa. Roberta Lima Gomes Por que virtualizar? Descentralização de recursos computacionais Cloud computing Plena utilização de recursos físicos

Leia mais

Consolidação de Servidores com VMware

Consolidação de Servidores com VMware Herles da Silva Rangel Curso de Especialização em Redes e Segurança Pontifica Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) Curitiba, Maio de 2009 Resumo O presente trabalho trata da implementação de uma proposta

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB

Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Benefícios do Windows Server 2008 R2 Hyper-V para SMB Sumário Introdução... 3 Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3 Live Migration... 3 Volumes compartilhados do Cluster... 3 Modo de Compatibilidade de Processador...

Leia mais

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil.

A SALA DE AULA é meu paraíso. Nela me realizo, nela exercito minha cidadania e nela me sinto útil. Virtualização Meu nome: Nome de guerra: Meu e-mail: Marcos Vinicios Bueno Marques Professor Cidão marcos@cidao.com.br Quem sou? Professor e coordenador de cursos de TI do Senac Informática em Porto Alegre,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES 1 MEC SETEC SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO CAMPUS CUIABÁ DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO TÉCNICAS DE VIRTUALIZAÇÃO E SUAS IMPLEMENTAÇÕES

Leia mais

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007

Hypervisor. Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Hypervisor Diego Souza Gomes 3 de maio de 2007 Resumo As máquinas virtuais envolvem a criação de um sistema de computador totalmente em software. Usando-as, é possível hospedar vários computadores virtuais

Leia mais

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas

ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS. 1.1 Arquiteturas não virtualizadas ATIVIDADE 1 MÁQUINAS VIRTUAIS Existem hoje diversas tecnologias e produtos para virtualização de computadores e ambientes de execução, o que pode gerar uma certa confusão de conceitos. Apesar disso, cada

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos Professor: Otto Carlos Disciplina: Redes I Universidade Federal do Rio de Janeiro POLI/COPPE 1 Introdução Virtualização Divisão da máquina física

Leia mais

Xen e a Arte da Virtualização

Xen e a Arte da Virtualização Xen e a Arte da Virtualização Paul Barham, Boris Dragovic, Keir Fraser, Steven Hand, Tim Harris, Alex Ho, Rolf Neugebauer, Ian Pratt, Andrew Warfield University of Cambridge Computer Laboratory Microsoft

Leia mais

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão

Agenda. Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Máquinas Virtuais Agenda Histórico Máquinas virtuais X Emuladores Vantagens & Desvantagens Vmware Quemu Xen UML Comparação entre VM's Conclusão Histórico Mainframe É um computador de grande porte, dedicado

Leia mais

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe.

A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtualização Virtualização? A Academia Brasileira de Letras diz que este verbete não existe. Virtual: Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, significa: adj (lat virtuale) 1- Que não existe como realidade,

Leia mais

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares

Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM. André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Computação na Nuvem: Virtualização e Migração de VM André Meireles Estêvão Monteiro Monique Soares Agenda Overview Histórico Abordagens Desafios em x86 Snapshots Virtualização de Hardware/Plataforma/Sevidor:

Leia mais

Recursos de Gerência e Administração Aplicados a Plataformas de Virtualização

Recursos de Gerência e Administração Aplicados a Plataformas de Virtualização Recursos de Gerência e Administração Aplicados a Plataformas de Virtualização Mirelle Daiara Vieira Freitas 1, Mateus da Silva dos Santos 1, Mateus Alexandre 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Segurança

Leia mais

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado

Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br. Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado Prof. Ms. José Eduardo Santarem Segundo santarem@univem.edu.br Demonstrar o impacto que o tema virtualização tem representado no mercado de TI. Apresentar alguns conceitos e técnicas sobre a tecnologia

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Benefícios da Virtualização as para empresas

Benefícios da Virtualização as para empresas Benefícios da Virtualização as para empresas Os investimentos no processo de Virtualização na área de Tecnologia da Informação (TI) aumentaram cerca de 80% nos últimos três anos, segundo informações da

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Felipe Antonio de Sousa 1, Júlio César Pereira 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipeantoniodesousa@gmail.com, juliocesarp@unipar.br Resumo.

Leia mais

Virtualização de Software

Virtualização de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE BACHARELADO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Virtualização de Software Luana Sandrini Saft Trabalho de conclusão de curso

Leia mais

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com

Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com VIRTUALIZAÇÃO Professor Esp.: Douglas Diego de Paiva douglas.ddp@gmail.com Virtualização o que é? É uma forma de esconder as características físicas de uma plataforma computacional dos usuários, emulando

Leia mais

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com

Virtualização. Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com Virtualização Hardware Virtual? Máquina Virtual? Software ou Hardware? Profº André Luiz andreluizsp@gmail.com O problema...... os departamentos de TI passaram a ter consciência de que os recursos como

Leia mais

Consolidação inteligente de servidores com o System Center

Consolidação inteligente de servidores com o System Center Consolidação de servidores por meio da virtualização Determinação do local dos sistemas convidados: a necessidade de determinar o melhor host de virtualização que possa lidar com os requisitos do sistema

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MO809L. Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 MO809L Tópicos em Sistemas Distribuídos 1 semestre, 2015 Virtualização Virtualização Threads/processos: Modo de fazer mais coisas ao mesmo tempo. Concorrência - impressão de execução paralela em computador

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Fasci-Tech USO DA TECNOLOGIA DE VIRTUALIZAÇÃO PARA MELHOR APROVEITAMENTO DE RECURSOS DE HARDWARE

Fasci-Tech USO DA TECNOLOGIA DE VIRTUALIZAÇÃO PARA MELHOR APROVEITAMENTO DE RECURSOS DE HARDWARE USO DA TECNOLOGIA DE VIRTUALIZAÇÃO PARA MELHOR APROVEITAMENTO DE RECURSOS DE HARDWARE Luis Paulo da Silva 1 Leandro Colevati dos Santos 2 Resumo: Neste trabalho são apresentados os recursos VMware para

Leia mais

Análise das soluções tecnológicas de Virtualização

Análise das soluções tecnológicas de Virtualização Análise das soluções tecnológicas de Virtualização Neste capitulo irá-se abordar algumas das soluções tecnológicas de virtualização existentes no mercado e quais as suas funcionalidades que oferecem vantagens

Leia mais

Kaspersky Security for Virtualization. Overview

Kaspersky Security for Virtualization. Overview Kaspersky Security for Virtualization Overview Idéia da Virtualização Executar um sistema operacional como um programa dentro de outro sistema operacional Executar vários sistemas operacionais no mesmo

Leia mais

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento

Introdução. 1.1. Âmbito do Documento Introdução Embora o conceito de virtualização, não seja um conceito novo, o uso desta tecnologia vem crescendo exponencialmente nas infra-estruturas de TI. Este crescimento deve-se sobretudo aos benefícios

Leia mais

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi)

Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Virtualização Avançada com VMware Sphere 5.0 (ESXi) Treinamento Preparatório para Certificação O que é o Virtualização? É uma camada de gerenciamento entre o Hardware e Software, ou seja, é divisão de

Leia mais

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI

Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Microsoft VDI e Windows VDA Perguntas Frequentes Licenciamento de estações de trabalho Windows para Ambientes VDI Como a Microsoft licencia o Windows das estações de trabalho em ambientes virtuais? A Microsoft

Leia mais

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS

Prof. Victor Halla. Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS Prof. Victor Halla Unidade IV FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Conteúdo Estudo de Casos; Linux e Windows; Características; VMware e Xen; Características; Ferramentas; Custo total de posse TCO = Total

Leia mais

Departamento de Tecnologia da Informação

Departamento de Tecnologia da Informação Xen - O case de virtualização da Alergs XIII Enial - Brasília Novembro/2010 DTI Superintendência Administrativa e Financeira Assembleia Legislativa do RS Tópicos abordados: A infraestrutura de TI Alergs

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos

FTIN Formação Técnica em Informática. Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos FTIN Formação Técnica em Informática Sistema Operacional Proprietário Windows Prof. Walter Travassos Aula 01 SISTEMA OPERACIONAL PROPRIETÁRIO WINDOWS Competências do Módulo Instalação e configuração do

Leia mais

Mudando para a virtualização: Um guia do que é possível com a VMware

Mudando para a virtualização: Um guia do que é possível com a VMware Mudando para a virtualização: Um guia do que é possível com a VMware Você sabia que, ao longo do próximo ano, 50% das pequenas e médias empresas mudarão para a virtualização? O motivo é que a virtualização

Leia mais

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense

Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar. UFF - Universidade Federal Fluminense Gabriel Oliveira do Nascimento Rogério Libarino Aguilar 1 Introdução Mododelo: Hardware -> Sistema Operacional -> Aplicações Aplicação desenvolvida para um SO. Capacidade de processamento aumentando bastante

Leia mais

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox

VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNICAMP VirtualBox Mario Hato Instituto de Computação UNAMP 1 Motivação Infraestrutura de computação - 2000 1 PC 1 SO Vários Aplicativos Utilização Baixa < 25% App App App App App App App App X86 Windows XP X86 Windows 2003

Leia mais

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve

Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Proteção de ambientes VMware vsphere/esx com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Sistemas Virtualizados

Sistemas Virtualizados Sistemas Virtualizados Julio Cesar S. Anjos 1, Mariano Nicolao 2 1 Laboratório de Inteligência Artificial e Computação em Grid Legere Sistemas Dinâmicos Pesquisa e Desenvolvimento - Campus ULBRA/Guaíba

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro

Virtualização. Prof. Emiliano Monteiro Virtualização Prof. Emiliano Monteiro Conceitos Virtualização significa criar uma versão virtual de um dispositivo ou recurso, como um servidor, dispositivo de armazenamento, rede ou até mesmo um sistema

Leia mais

Symantec NetBackup 7 O que há de novo e tabela de comparação de versões

Symantec NetBackup 7 O que há de novo e tabela de comparação de versões Symantec 7 O que há de novo e tabela de comparação de versões O 7 permite a padronização das operações de backup e recuperação em ambientes físicos e virtuais com menos recursos e menos riscos, pois oferece

Leia mais

Virtualização para facilitar o gerenciamento

Virtualização para facilitar o gerenciamento Virtualização para facilitar o gerenciamento O atual desafio enfrentado pela indústria de tecnologia da informação (TI) é o de continuar produzindo sistemas menores, mais leves e mais rápidos e, ao mesmo

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Capítulo 1. Introdução

Capítulo 1. Introdução Capítulo 1 Introdução 1.1 O que é um sistema operacional 1.2 História dos sistemas operacionais 1.3 O zoológico de sistemas operacionais 1.4 Revisão sobre hardware de computadores 1.5 Conceitos sobre sistemas

Leia mais

Backup e recuperação para ambientes VMware com o EMC Avamar 6.0

Backup e recuperação para ambientes VMware com o EMC Avamar 6.0 White paper Backup e recuperação para ambientes VMware com o EMC Avamar 6.0 Análise detalhada Resumo Com o ritmo sempre crescente dos ambientes virtuais implantados na nuvem, os requisitos de proteção

Leia mais

Virtualização de desktop da NComputing

Virtualização de desktop da NComputing Virtualização de desktop da NComputing Resumo Todos nos acostumamos ao modelo PC, que permite que cada usuário tenha a sua própria CPU, disco rígido e memória para executar seus aplicativos. Mas os computadores

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves

Marcos Vinicios Marques Professor Cidão. Professor Marcelo Neves Virtualização Marcos Vinicios Marques Professor Cidão Professor Marcelo Neves Virtualizar??? Executar várias instâncias de um sistema operacional, ou vários sistemas operacionais em instâncias distintas,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr ESTRUTURA DE SISTEMA COMPUTACIONAL 2 O QUE FAZ UM SISTEMA OPERACIONAL? Ponto de Vista

Leia mais

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações

As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais. Helmuth Castillo - www.sxc.hu. e não gerem trabalho ou preocupações As ferramentas certas para a virtualização eficiente Ferramentas virtuais CAPA As boas tecnologias já existem. Conheça agora as ferramentas mais adequadas para gerenciar cada solução de virtualização.

Leia mais

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7

HOW TO Alterando o tipo de interface de rede na VmWare para uso no Aker Firewall 6.7 Página: 1 de 6 Introdução Este documento auxiliará na configuração das interfaces do VmWare. Solução Por padrão ao adicionar uma interface na VmWare ele configura como E1000 ou E1000e, mas em alguns casos

Leia mais

Nuvem Privada. Virtualização. Até onde pode ir sua infraestrutura virtual?

Nuvem Privada. Virtualização. Até onde pode ir sua infraestrutura virtual? Virtualização Nuvem Privada Até onde pode ir sua infraestrutura virtual? Se você tem o VMware implantado, por que não testar a solução de Virtualização Microsoft? Conheça seis motivos para fazê-lo! Você

Leia mais

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0

Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V. Versão: 1.0 Visão Geral do Recurso Live Migration no Windows Server 2008 R2 Hyper-V Versão: 1.0 Publicado: 02 de Dezembro de 2008 Índice Visão Geral Visão Geral dos Recursos do Windows Server 2008 R2 Hyper-V... 3

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO

VIRTUALIZAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO VIRTUALIZAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE EM AMBIENTE CORPORATIVO Cássio Moda 1 Fabiano Loverbeck Cremonin 2 Rodrigo Marassi Cremonin 3 Resumo Virtualização e alta disponibilidade já são uma constante nas empresas

Leia mais

Apresentação resumida

Apresentação resumida New Generation Data Protection Powered by AnyData Technology Apresentação resumida Para obter apresentação completa ou mais informações ligue (11) 3441 0989 ou encaminhe e-mail para vendas@dealerse.com.br

Leia mais

INE651600 Sistemas Operacionais I

INE651600 Sistemas Operacionais I INE651600 Sistemas Operacionais I Thiago Machado Seminário sobre Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização Definição: Permite abstrair os recursos de hardware que uma máquina possui. Criando

Leia mais

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização

Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Virtualização Microsoft: Da Estação de Trabalho ao Data Center Estudo de Caso de Solução de Cliente Fabricante Reduz os Custos, Melhora o Serviço e Dinamiza o Gerenciamento com a Virtualização Visão Geral

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK

ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK ESCOLA SUPERIOR ABERTA DO BRASIL ESAB CURSO DE REDES DE COMPUTADORES MÁRCIO DA SILVA KLAUCK VIRTUALIZAÇÃO DE SISTEMAS: Implementação com o VMware no Ambiente Servidor do Frigorífico Excelência VILA VELHA

Leia mais

Virtualização de Servidor

Virtualização de Servidor Virtualização de Servidor Sobre o documento ESTE DOCUMENTO NÃO É UMA ESPECIFICAÇÃO DE PRODUTO. Este documento suporta a versão Beta 3 do Windows Server Longhorn. As informações contidas no mesmo representam

Leia mais

Realizando o P2V - Online

Realizando o P2V - Online Realizando o P2V - Online O recurso P2V (Physical-to-Virtual) existente no System Center Virtual Machine Manager, permite a conversão de uma maquina física em virtual. Este processo pode ser realizado

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO II Pregão nº 003/2014 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA A empresa CONTRATADA deverá ser comprovadamente qualificada para os itens ofertados, deve entregar toda a estrutura de hardware e software adquirida em

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Nova solução da VMware: vsphere with Operations Management (vsom)

Nova solução da VMware: vsphere with Operations Management (vsom) Nova solução da VMware: with Operations Management (vsom) Tiago Baeta System Manager Brazil 2013 VMware Inc. All rights reserved Objetivos desta sessão Conhecer a oferta mais recente da VMware, o VMware

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência

VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS. Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência VIRTUALIZAÇÃO EM SERVIDORES DE BANCO DE DADOS Igor Lucas Coelho Santos 1 Iremar Nunes de Lima 2 Resumo: A estratégia de virtualização de servidores de banco de dados é uma tendência recente em Tecnologia

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com

Foz do Iguaçu PR Brasil luiz.baltazar@gmail.com, joao@barbosa.net.br, jorgeaikes@gmail.com Análise de Desempenho e Viabilidade do Raspberry Pi como um Thin Client utilizando o Protocolo SPICE Luiz Alberto Alves Baltazar 1, João Paulo de Lima Barbosa 1, Jorge Aikes Junior 1 1 Curso de Ciência

Leia mais

Virtualização: VMWare e Xen

Virtualização: VMWare e Xen Virtualização: VMWare e Xen Diogo Menezes Ferrazani Mattos GTA/POLI/UFRJ HTTP://www.gta.ufrj.br/ Abstract Nowadays, the concept of virtualization is being remembered as a possible solution, which has low

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES

ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES ANÁLISE DE DESEMPENHO ENTRE SOFTWARES VIRTUALIZADORES Vitor Rodrigues Tanamachi 1, Weber Poli de Oliveira 1, Alexandre Galvani 1. 1 Departamento de Informática Faculdade de Tecnologia de Bauru (FATEC)

Leia mais

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Server Automation. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DE PRODUTOS: CA Server Automation agility made possible CA Server Automation O CA Server Automation é uma solução integrada de gerenciamento de data center que automatiza o provisionamento, a aplicação

Leia mais

Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition

Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition Visão geral O Symantec Backup Exec 2014 V-Ray Edition destina-se a clientes que possuem sistemas total ou parcialmente virtualizados, ou seja, que moveram os servidores de arquivos, servidores de impressão,

Leia mais

Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda.

Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda. Virtualização e Seus Benefícios para Empresas com Hyper-v; um Estudo de Caso na Indústria de Tempero Regina Ltda. Juciely de Mesquita Rodrigues jucielyrodrigues@msn.com FCTMT Rodrigo Ronner Tertulino da

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES

VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO DE ESPECIALIZACÃO EM GERENCIAMENTO DE SERVIDORES E EQUIPAMENTOS DE REDES HUGO CHOINACKI VIRTUALIZAÇÃO DE SERVIDORES

Leia mais

PROTEÇÃO DE MÁQUINA VIRTUAL VMWARE DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

PROTEÇÃO DE MÁQUINA VIRTUAL VMWARE DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC PROTEÇÃO DE MÁQUINA VIRTUAL VMWARE DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC O PowerVault DL2000 baseado na tecnologia da Symantec Backup Exec oferece a única solução de backup em disco totalmente

Leia mais

Xen Cloud Platform Xen descomplicado

Xen Cloud Platform Xen descomplicado Xen Cloud Platform Xen descomplicado CAPA A Xen Cloud Platform facilita muito a criação e o gerenciamento de máquinas virtuais sobre o hypervisor Xen. por Boris Quiroz e Stephen Spector A revolução da

Leia mais

Symantec NetBackup for VMware

Symantec NetBackup for VMware Visão geral A virtualização de servidor é a maior tendência modificadora na área de TI atual. Os departamentos de TI, que dependem do orçamento, estão se apressando para aderir à virtualização por vários

Leia mais

SolarWinds Virtualization Manager

SolarWinds Virtualization Manager SolarWinds Virtualization Manager Gerenciamento potente e unificado da virtualização que não ultrapassa seu orçamento! A SolarWinds aprimorou a forma pela qual profissionais de TI de todo o mundo gerenciam

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Symantec NetBackup 7.1 Clients and Agents Complete protection for your information-driven enterprise

Symantec NetBackup 7.1 Clients and Agents Complete protection for your information-driven enterprise Complete protection for your information-driven enterprise Visão geral O Symantec NetBackup oferece uma seleção simples e abrangente de clientes e agentes inovadores para otimizar a performance e a eficiência

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

Virtualização de Sistemas Operacionais

Virtualização de Sistemas Operacionais Virtualização de Sistemas Operacionais Leandro Brito 1, Linsmar Pinheiro 1, Roberto Carlos Santana 1, Thiago Vasconcelos 1, Vanessa Ferraz 1 1 Curso de Sistemas de Informação na Faculdade Integrada da

Leia mais

Symantec Backup Exec 2012

Symantec Backup Exec 2012 Melhor Backup para todos Data Sheet: Backup e recuperação após desastres Visão geral O é um produto integrado que protege ambientes físicos e virtuais, simplifica o backup e a recuperação após desastres

Leia mais

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve

Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Proteção de ambientes Microsoft Hyper-V 3.0 com Arcserve Desafios do cliente Hoje em dia, você enfrenta desafios como acordos de nível de serviço exigentes e limitações de equipe e orçamento. Você procura

Leia mais

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves

Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Virtualização e Criação de uma rede Virtual utilizando Virtual Box Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Anatomia de uma máquina virtual Cada máquina virtual é um sistema completo encapsulado em um

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 05 Prof. André Lucio Competências da aula 5 Backup. WSUS. Serviços de terminal. Hyper-v Aula 04 CONCEITOS DO SERVIÇO DE BACKUP

Leia mais

O que há de novo no VMware vcenter 5.0

O que há de novo no VMware vcenter 5.0 O que há de novo no VMware vcenter 5.0 Gerenciamento eficiente da virtualização DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA DE MARKETING V 1.0/ATUALIZADO EM ABRIL DE 2011 Índice Introdução... 3 vsphere Web Client.... 4 Recursos

Leia mais