Projeto de Revisão do PDI Comitê Permanente de Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de Revisão do PDI Comitê Permanente de Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional"

Transcrição

1 Projeto de Revisão do PDI Comitê Permanente de Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Dezembro/2015

2 Sumário 1 Introdução Revisão do Capítulo 3: Planejamento Estratégico Revisão dos objetivos estratégicos, indicadores e metas Processo de revisão do Planejamento Estratégico Revisão do Capítulo 4: Plano de Oferta de Cursos e Vagas Processo de revisão do POCV Revisão do Capítulo 6: Plano Diretor de Infraestrutura Física Processo de revisão do Plano Diretor de Infraestrutura Física Revisão dos demais capítulos do PDI Capítulo 1: Perfil institucional Capítulo 5: Organização Didático Pedagógica Capítulo 7: Organização e Gestão de Pessoal Capítulo 8: Políticas de Atendimento aos Discentes Capítulo 9: Organização Administrativa Capítulo 10: Relações Externas Capítulo 11: Educação a Distância Capítulo 12: Capacidade e Sustentabilidade Financeira Capítulo 13: Acompanhamento e Avaliação do Desenvolvimento Institucional Processo de revisão dos capítulos 1, 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e Fluxograma e cronograma geral da 1ª revisão do PDI

3 1 Introdução O PDI do IFSC, aprovado pelo Conselho Superior por meio da Resolução nº 40 de 20 de novembro de 2014, prevê em seu 13º capítulo a primeira revisão do documento durante o período de novembro de 2015 a abril de 2016, conforme o Cronograma a seguir. As diretrizes para o processo de revisão e atualização do PDI também são apresentadas no capítulo 13, sendo elas: 1. o PPI, dada a sua natureza mais perene, deverá ser avaliado formalmente em período imediatamente anterior ao do início da construção do novo PDI. O resultado da avaliação apontará a necessidade de manutenção, atualização ou de reestruturação do documento, servindo de subsídio para o processo de construção do novo PDI; 2. os demais capítulos do PDI poderão ser objeto de revisão, exceto no que se refere às políticas estabelecidas. Entretanto, é facultada a inserção de novas políticas institucionais, se justificada por análises fundamentadas dos contextos interno e/ou externo; 2

4 3. quanto ao Planejamento Estratégico, fica estabelecido que: os objetivos estratégicos vigorarão de acordo com o período de vigência do PDI, cabendo revisão somente no caso de alteração da legislação e após a avaliação pelos órgãos competentes; os indicadores poderão ser revistos de acordo com o estabelecido no cronograma geral; as metas poderão ser repactuadas de acordo com o estabelecido no cronograma geral; as iniciativas estratégicas sofrerão processo de revisão anual, tendo como instância de apreciação o Codir e de deliberação o Consup; 4. o POCV deverá ser revisado em dois momentos distintos durante a vigência do PDI, de acordo com o estabelecido no cronograma geral; 5. o Plano Diretor de Infraestrutura Física será objeto de revisão anual, em função das revisões do POCV, da disponibilidade orçamentária e de novas fases do Plano de Expansão da Rede Federal de EPCT, tendo como instância de apreciação o Codir e de deliberação o Consup. Com base nas diretrizes, o primeiro período de revisão do PDI, de novembro de 2015 a abril de 2016, compreende uma atualização de todos os capítulos do documento, exceto o Projeto Pedagógico Institucional (PPI), com revisão prevista para agosto de 2018, caso necessário, e o Plano de Oferta de Cursos e Vagas (POCV), cujas revisões compreendem períodos imediatamente anteriores aos concursos públicos previstos, de abril a julho de 2015, 2017 e Contudo, para a realização de uma revisão significativa no POCV, o processo de Harmonização Curricular dos cursos do IFSC é pré-requisito. Considerando que este processo teve seu cronograma ampliado até o segundo semestre de 2015, dada sua complexidade, a revisão do POCV prevista para o primeiro semestre de 2015 foi pontual, para orientar o edital do Concurso Público previsto para A revisão de 2015 do POCV compreende ajustes em relação a: 1) ofertas previstas para 2015 que não foram efetuadas neste ano; 2) ajustes pontuais solicitados e justificados pelos câmpus; 3) ajustes relacionados à validação de vagas pela Proen para o edital do Concurso Público, a partir de análise mais detalhada de demandas justificadas pelo câmpus e não previstas no POCV. Uma revisão profunda do POCV será realizada no período de revisão do restante do documento, com base no resultado do processo de Harmonização Curricular. Essa definição foi proposta pelo Comitê Permanente de Acompanhamento e Avaliação 3

5 do Desenvolvimento Institucional, o qual sugeriu a inclusão de novo período de revisão do POCV no cronograma de revisão do PDI, nos meses de março e abril de A proposta foi apresentada ao Codir, em 13 de abril de 2015, e ao Consup, em 29 de abril de O Consup definiu que a revisão do POCV deve iniciar em novembro 2015, paralelamente à revisão do restante do documento. Portanto, a revisão do PDI de que trata este projeto compreenderá também a atualização do POCV. 2 Revisão do Capítulo 3: Planejamento Estratégico A revisão do Planejamento Estratégico será coordenada pela Diretoria de Gestão do Conhecimento, terá início em novembro de 2015 e compreenderá a avaliação dos objetivos estratégicos, dos indicadores e das metas. A revisão das iniciativas estratégicas, de acordo com as diretrizes apresentadas no PDI, é anual, portanto não se associa ao período de revisão do documento como um todo. O item 2.2 apresenta o processo de revisão do capítulo 3 do PDI com detalhes. 2.1 Revisão dos objetivos estratégicos, indicadores e metas Os objetivos estratégicos deverão ser avaliados para que se constate a necessidade de alteração devido a mudanças na legislação. Em relação aos indicadores, para avaliar a viabilidade de sua implementação, é necessário realizar a primeira medição. Esse trabalho foi iniciado no primeiro semestre de 2015, utilizando os dados referentes a A partir da avaliação, será definido se existe necessidade de atualizar indicadores. Aqueles que demandarem atualização, serão revisados. A partir das primeiras medições dos indicadores, será possível avaliar as metas pactuadas e estabelecer as metas pendentes. As metas que necessitarem poderão ser repactuadas, com base em justificativas fundamentadas. 4

6 2.2 Processo de revisão do Planejamento Estratégico 5

7 3 Revisão do Capítulo 4: Plano de Oferta de Cursos e Vagas O Plano de Oferta de Cursos e Vagas (POCV) será atualizado de novembro de 2015 a outubro de Para realizar a revisão, de novembro de 2015 a maio de 2016 será ajustada a ferramenta para registro do plano de ofertas de acordo com as Portarias nº 818/MEC e nº 25/SETEC publicadas em agosto de Após revisada a ferramenta, a primeira parte da revisão compreenderá ajustes referentes a lista de docentes e a ofertas previstas para 2016 que não se confirmaram. A segunda parte será a atualização demandada pela Harmonização Curricular. A Pró-Reitoria de Ensino coordenará a revisão do POCV, em conjunto com Comissões Locais do POCV nos câmpus, para as quais sugere-se a seguinte composição: Chefia Depe/Diretoria de Ensino, Coordenadores de Cursos existentes e representantes dos cursos novos, Coordenador Pedagógico e representantes dos discentes. As diretrizes da revisão serão tratadas no Codir, com a participação de representantes das Comissões Locais e do Cepe. Após definidas as diretrizes, será feita a atualização do planejamento de oferta, em contínua discussão com a comunidade, a fim de ajustar o que for necessário, e a validação pelos Colegiados de Câmpus. A revisão do POCV impacta em outros capítulos do PDI, tais como: Planejamento Estratégico, Plano Diretor de Infraestrutura Física e Organização e Gestão de Pessoal. O processo de revisão do POCV é apresentado no item 3.1, a seguir. 6

8 3.1 Processo de revisão do POCV 7

9 4 Revisão do Capítulo 6: Plano Diretor de Infraestrutura Física O Plano Diretor de Infraestrutura Física, segundo diretrizes do PDI, será revisado anualmente, em função das revisões do POCV, da disponibilidade orçamentária e de novas fases do Plano de Expansão da Rede Federal de EPCT. Algumas questões apontam para a necessidade de uma revisão significativa nesse capítulo, o que justifica sua inserção no período de revisão do documento como um todo. Um dos principais aspectos que indicam para essa revisão é a necessidade de alinhamento do capítulo 6 ao planejamento da oferta do IFSC, bem como aos instrumentos de avaliação dos cursos. capítulo 6: O parecer emitido pelo Cepe sobre o PDI apresenta considerações relacionadas ao 1. Reescrever o item (Espaços Físicos Geral) indicando os critérios para tomada de decisão e diretrizes futuras. 2. O item (Acessibilidade) deve constar as diretrizes institucionais para a adequação e atender as legislações e relacionar com outras ações institucionais como o NAPNE. Não há necessidade de fazer uma abordagem metodológica. 3. No item (Diretrizes para organização de ambientes dos câmpus) deve ser revista a ordem de prioridades citada no primeiro paragrafo a fim de que espaços como a sala de convivência de servidores (item 15) tenha prioridade semelhante ou inferior a sala professores coletiva assim como outros destaques feitos nas listas das páginas 18 e 19. Outro documento que será subsídio para a revisão deste capítulo é a Planilha de Diagnóstico da Infraestrutura da Rede Federal, a qual servirá de base para um módulo a ser implantado em breve no Sistema Integrado de Monitoramento Execução e Controle (SIMEC). Esse módulo adotará nomenclatura própria, a qual poderá será utilizada como referência para toda a rede, a fim de acompanhar a implantação de sua infraestrutura física. Durante a elaboração do capítulo 6, a Comissão Temática do Plano Diretor de Infraestrutura Física solicitou à Diretoria de Assuntos Estudantis encaminhamento do item relacionado à acessibilidade a especialistas no assunto. As especialistas, professoras do Câmpus Criciúma, elaboraram uma análise que abrangeu todo o capítulo, a qual pode subsidiar sua revisão. Além das questões relatadas acima, a atualização de dados do capítulo 6 compreende: 8

10 dados apresentados no item (Bibliotecas); dados apresentados no item (Espaços Físicos); dados apresentados no item (Acessibilidade): reaplicar checklist da Acessibilidade. Importante: atualizar o nome da secretaria para Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão; a Secretaria de Educação Especial foi extinta. Link das publicações no qual se encontra o Manual de acessibilidade espacial para escolas: o direito à escola acessível: <http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_content&view=article&id=17009&itemid=913>; dados apresentados no item 6.3 (Cronograma de Implantação da Infraestrutura Física). Na elaboração desse item, foram utilizados os dados do Controle de Solicitações do Departamento de Obras e Engenharia da Reitoria. Sugere-se a constituição de uma comissão temática da Acessibilidade para coordenar a revisão desse item do capítulo 6. O processo detalhado da revisão é apresentado a seguir, no item

11 4.1 Processo de revisão do Plano Diretor de Infraestrutura Física 10

12 5 Revisão dos demais capítulos do PDI 5.1 Capítulo 1: Perfil institucional O capítulo 1, Perfil Institucional, apresenta a relação de câmpus do IFSC, sua presença no estado (Figura 1.1) e a linha do tempo da instituição (Figura 1.2), dentre outras informações. Essas informações podem necessitar atualização em 2016, verificação que deverá ser feita pela Diretoria de Comunicação Institucional. 5.2 Capítulo 5: Organização Didático Pedagógica Este capítulo será atualizado apenas se houver novas políticas institucionais relacionadas à organização didático pedagógica que devam ser apresentadas. Portanto, é necessário que a Diretoria de Desenvolvimento de Ensino avalie essa questão. 5.3 Capítulo 7: Organização e Gestão de Pessoal No capítulo 7, será necessário atualizar os dados apresentados nos itens (Composição do Corpo Docente) e (Composição do Corpo Técnico-administrativo), que se referem à composição do quadro de servidores docentes e técnico-administrativos, os quais deverão ser verificados e atualizados pela Diretoria de Gestão de Pessoas. Ainda nesse capítulo, os dados do item 7.4 (Plano de Expansão do Quadro de Pessoal) sofrerão modificações dependendo do resultado do processo de revisão do POCV. Essa atualização será feita em conjunto por Prodin e Diretoria de Gestão de Pessoas. O Cepe apontou, em seu parecer acerca do PDI, as seguintes considerações sobre o capítulo 7: 1. No item 7.1 (Diretrizes Gerais) inciso c que trata da avaliação, há necessidade de readequação textual para: desenvolvimento de competências relacionadas as diretrizes do cargo de contratação. Ou definir quais são as diretrizes. 2. O item 7.4 (Plano de Expansão do Quadro de Pessoal) deve deixar claro que o quadro não é fixo e que deve ser reavaliado no momento das readequações necessárias executadas no POCV. A necessidade de atualizar outras informações desse capítulo deverá ser avaliada pelo Colegiado de Desenvolvimento de Pessoas. 11

13 5.4 Capítulo 8: Políticas de Atendimento aos Discentes Este capítulo será atualizado se houver novas políticas institucionais relacionadas às políticas de atendimento aos discentes a serem apresentadas. Portanto, é necessário que a Diretoria de Assuntos Estudantis avalie essa questão. Contudo, no parecer do Cepe, são apresentadas algumas considerações acerca do capítulo 8, as quais, segundo definição do Consup, devem ser analisadas no primeiro processo de revisão do PDI. São elas: 1. No terceiro parágrafo da introdução identifica-se a necessidade de readequação da perspectiva central do atendimento aos discentes pautada na oferta de uma educação de qualidade como vistas à permanência ao êxito e a inclusão. 2. Rever a primeira afirmação do capítulo do ingresso e redimensionar esse item (Ingresso) de modo a explorar mais as diretrizes institucionais para os anos de apresentando seus processos, as atuais necessidades de readequação do ingresso para atender as novas demandas do IFSC. 3. Há necessidade neste capítulo em especial no subitem permanência e êxito no processo formativo que a indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão esteja presente, apontadas as diretrizes do IFSC no que tange aos processos e procedimentos relacionados ao ensino, à pesquisa e à extensão que vem contribuindo para a ampliação das competências profissionais dos discentes bem como contribuindo para a sua permanência. 4. No subitem permanência e êxito no processo formativo falta a parte da extensão e pesquisa relacionada tanto a questão de desenvolvimento técnico científico e estratégias de extensão que estejam relacionadas tanto com a formação cidadã quanto a inserção socioprofissional. 5. Há necessidade de apresentar a visão global da política de atendimento aos discentes nesse capítulo que é regida de forma institucional na resolução 01/2010 do CEPE de 30 de novembro de Os seguintes programas deveriam ser destacados no documento: Programa de Desenvolvimento Técnico-Científico, Programa de Saúde e Apoio Psicossocial, Programa de Acompanhamento Acadêmico e Suporte ao Ensino, Programa Cultura, Arte e Esporte, Programa de Incentivo à Participação Político-acadêmica, Programa de Iniciação ao Mundo do Trabalho, Programa Alimentação Estudantil, 12

14 Programa de Atendimento aos Filhos dos Estudantes e Programa Moradia Estudantil. 5.5 Capítulo 9: Organização Administrativa Este capítulo será atualizado se houver mudanças no Regimento Geral do IFSC que impactem no conteúdo apresentado. Portanto, a Diretoria de Gestão do Conhecimento deverá avaliar a necessidade de revisão. Além disso, o Cepe emitiu parecer com considerações em relação ao capítulo 9. São elas: 1. Atualizar as competências do CEPE de acordo com a resolução vigente. 2. Necessidade de apontar os fluxos dos processos nos diferentes órgãos e colegiados e determinar as hierarquias para os colegiados esclarecendo do ponto de vista da análise de processos quais as análises cabíveis em cada instância. Quanto à primeira consideração, foi feita atualização no PDI antes mesmo da aprovação do documento no Consup, restando apenas a segunda consideração para ser avaliada no processo de revisão. 5.6 Capítulo 10: Relações Externas Este capítulo será atualizado apenas se houver novas políticas institucionais relacionadas às relações externas que devam ser apresentadas. Portanto, é necessário que a Diretoria de Extensão analise o item 10.1 (Relações e Parcerias com a Comunidade, Instituições e Empresas) e o Departamento de Inovação e Assuntos Internacionais avalie o item 10.2 (Relações Internacionais), a fim de apontarem revisões necessárias. 5.7 Capítulo 11: Educação a Distância No capítulo 11, Educação a Distância, será necessário atualizar os dados apresentados nos itens 11.2 (Estrutura da Educação a Distância) e 11.3 (Oferta de Educação a Distância). A responsabilidade por essa atualização é da Diretoria do Centro de Referência em Formação e Educação a Distância. Em relação a esse capítulo, o Cepe sugere, em seu parecer, que seja dada maior ênfase para as ações futuras do que para o panorama histórico apresentado no documento. O Consup deliberou, na reunião de 1º de outubro de 2014, que essa consideração do Cepe deve ser analisada no primeiro processo de revisão do PDI. 13

15 5.8 Capítulo 12: Capacidade e Sustentabilidade Financeira No capítulo 12, Capacidade e Sustentabilidade Financeira, será necessário atualizar os dados apresentados no item (A Matriz Conif). A Diretoria de Administração será a responsável por essa atualização. 5.9 Capítulo 13: Acompanhamento e Avaliação do Desenvolvimento Institucional Ao final do processo de revisão do PDI, pode ser avaliada a necessidade de atualizar o Cronograma apresentado no capítulo 13. Essa avaliação será feita pelo Comitê Permanente de Acompanhamento e Avaliação do Desenvolvimento Institucional. 14

16 5.10 Processo de revisão dos capítulos 1, 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 13 A seguir é apresentado o processo detalhado de revisão dos capítulos 1, 5, 7, 8, 9, 10, 11, 12 e 13 do PDI. 15

17 6 Fluxograma e cronograma geral da 1ª revisão do PDI Neste item é apresentado o processo geral da revisão do PDI a ser realizada entre novembro de 2015 e abril de Com base nos processos detalhados de revisão de cada um dos capítulos do PDI, propõe-se o cronograma a seguir para execução das etapas definidas. 16

18 17

19 18

20 19

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) ALINHAMENTO INICIAL Instituto Federal de Rondônia (IFRO) STEINBEIS-SIBE do Brasil

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) ALINHAMENTO INICIAL Instituto Federal de Rondônia (IFRO) STEINBEIS-SIBE do Brasil PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI) ALINHAMENTO INICIAL Instituto Federal de Rondônia (IFRO) STEINBEIS-SIBE do Brasil Objetivo Objetivo: Apresentação da proposta de elaboração/revisão do Plano

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2014. A CÂMARA DE ENSINO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e

RESOLUÇÃO Nº 02/2014. A CÂMARA DE ENSINO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias e RESOLUÇÃO Nº 02/2014 Estabelece normas e prazos para elaboração, reformulação e avaliação dos Projetos Pedagógicos dos Cursos de Graduação da Univasf. A DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTRUÇÃO DO PDI (PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL)

COMISSÃO DE CONSTRUÇÃO DO PDI (PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COMISSÃO DE CONSTRUÇÃO DO PDI (PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL) RICARDO SILVA CARDOSO PRESIDENTE LOREINE HERMIDA

Leia mais

Apreciação do Capítulo 4 Plano de Oferta de Cursos e Vagas

Apreciação do Capítulo 4 Plano de Oferta de Cursos e Vagas Apreciação do Capítulo 4 Plano de Oferta de Cursos e Vagas Elaboração: Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Des. Institucional Comissão Temática do POCV Apresentação: Andrei Z. Cavalheiro Prodin Reunião

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

Pró-reitoria de Ensino Fluxo para Aprovação/Reformulação de Projetos Pedagógicos de Cursos

Pró-reitoria de Ensino Fluxo para Aprovação/Reformulação de Projetos Pedagógicos de Cursos Fluxo para Aprovação/Reformulação de Projetos Pedagógicos de Cursos Dezembro/2016 MODELO DE (Portal do IFSul Ensino) 1 DENOMINAÇÃO 2 VIGÊNCIA JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS 4 PÚBLICO ALVO E REQUISITOS DE ACESSO

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 41/2013/Consup Florianópolis, 25 de outubro de 2013.

RESOLUÇÃO Nº 41/2013/Consup Florianópolis, 25 de outubro de 2013. RESOLUÇÃO Nº 41/2013/Consup Florianópolis, 25 de outubro de 2013. A PRESIDENTE DO DO IFSC no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto de 15/12/2011, publicado no DOU de 16/12/2011 e atendendo

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI -

Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - Diretrizes para Elaboração Eixos Temáticos Essenciais do PDI Perfil Institucional Avaliação e Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Gestão Institucional

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Artigo 16 do Decreto nº de 09 de maio de 2006

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Artigo 16 do Decreto nº de 09 de maio de 2006 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Artigo 16 do Decreto nº 5.773 de 09 de maio de 2006 I Introdução A edição do Decreto n. 5.773, de 9 de maio de 2006, que dispõe sobre

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL CAPÍTULO 13 ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 13.1 CICLO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL O Projeto Pedagógico do IFSC - apresentado no capítulo 2 - aponta para a importância

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional data Plano de Desenvolvimento Institucional PDI - 2016-2020 Prof. Esper Cavalheiro Pró-Reitor de Planejamento - PROPLAN Profa. Cíntia Möller Araujo Coordenadora de Desenvolvimento Institucional e Estudos

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE EVANGÉLICA DE GOIANÉSIA TÍTULO I DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO Art. 1º - O presente Regulamento Interno

Leia mais

Caracterização e objetivos do PET

Caracterização e objetivos do PET UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÂO TUTORIAL - PET EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTOR(A) DO GRUPO PET CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL Nº 01/2017 A PROGRAD divulga,

Leia mais

Caracterização e objetivos do PET

Caracterização e objetivos do PET UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÂO TUTORIAL - PET EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTOR(A) DO GRUPO PET CIVIL (2016) A PROGRAD divulga, pelo presente edital,

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

RETIFICADO (Prorrogada a data de término das inscrições)

RETIFICADO (Prorrogada a data de término das inscrições) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÂO TUTORIAL - PET EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTOR(A) DO GRUPO PET CIÊNCIAS SOCIAIS EDITAL Nº 01/2017 RETIFICADO (Prorrogada

Leia mais

PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO

PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO PROPOSTA DE AUTO-AVALIAÇÃO Nesta proposta, que se enquadra perfeitamente no objetivo da Autoavaliação que é identificar o perfil e o significado de atuação da UFSJ, por meio de suas atividades, cursos,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 009 CONSUPER/2015 Dispõe sobre o Regulamento de Curso de Extensão do. O Presidente do do IFC, professor Francisco José Montório Sobral, no uso de suas atribuições conferidas pelo Decreto de

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E EMPREENDEDORISMO EM SAÚDE NITE SAÚDE CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. O Núcleo de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo em Saúde da Universidade Federal

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS

REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS REGULAMENTO DE EXTENSÃO DA FACULDADE ASCES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS Art 1º. A Extensão Acadêmica se constitui em uma prática permanente de interação universidade-sociedade, articulada ao ensino

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 023 CONSUPER/2017 Dispõe sobre sobre o Regulamento de Cursos Livres de Extensão do Instituto Federal Catarinense. A Presidente do do IFC, professora Sônia Regina de Souza Fernandes, no uso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAMA DE EDUCAÇÂO TUTORIAL - PET EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTOR(A) DO GRUPO PET BIOLOGIA EDITAL Nº 01/2017 A PROGRAD divulga, pelo presente

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal Catarinense Conselho Superior RESOLUÇÃO Nº 023 CONSUPER/2017 Dispõe sobre sobre o Regulamento de Cursos Livres de Extensão do Instituto Federal Catarinense. A Presidente do do IFC, professora Sônia Regina de Souza Fernandes, no uso

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA N 001/2010 SEED/SUED/SUDE

INSTRUÇÃO CONJUNTA N 001/2010 SEED/SUED/SUDE A Superintendente da Educação e o Superintendente de Desenvolvimento Educacional no uso de suas atribuições legais e considerando: a Lei N 9394/96 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional; o Parecer

Leia mais

Apreciação do Planejamento Estratégico e Orientações para o PAT Colégio de Dirigentes Abril/2014 campus São José

Apreciação do Planejamento Estratégico e Orientações para o PAT Colégio de Dirigentes Abril/2014 campus São José Apreciação do Planejamento Estratégico e Orientações para o PAT 2015 Colégio de Dirigentes Abril/2014 campus São José Apreciação do PE e Orientações para o PAT 2015 Sumário da Apresentação Breve informe

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA UFES

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA UFES PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2016 Proposta aprovada em Reunião Ordinária de fechamento de exercício do NAUFES realizada no dia 15 de janeiro de 2015. Vitória (ES), 15 de dezembro de 2015. Introdução UNIVERSIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DO UNIBAVE

POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO DO UNIBAVE CENTRO UNIVERSITÁRIO BARRIGA VERDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO - PROGRAD PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PROADM PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - PROPPEX POLÍTICA DE ACESSIBILIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 1190 Cria o Programa de Monitoria da UFG, fixa os objetivos e estabelece as estruturas de funcionamento da Monitoria na UFG, e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 47, DE 30 DE AGOSTO DE INSTITUIR as seguintes NORMAS PARA AS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

RESOLUÇÃO Nº 47, DE 30 DE AGOSTO DE INSTITUIR as seguintes NORMAS PARA AS ATIVIDADES DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES RESOLUÇÃO Nº 47, DE 30 DE AGOSTO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 32ª Reunião Ordinária, realizada no dia 30 de agosto de 2012, no uso das atribuições que lhe são

Leia mais

Atribuições das Decanias, Direção de Unidade Acadêmicas, Chefias de Departamento e Coordenação de Curso

Atribuições das Decanias, Direção de Unidade Acadêmicas, Chefias de Departamento e Coordenação de Curso Atribuições das Decanias, Direção de Unidade Acadêmicas, Chefias de Departamento e Coordenação de Curso Reunião de 01/11/2012 Considerando o atual Regimento interno da UNIRIO Acréscimo de novas atribuições

Leia mais

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação

Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA. 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação Dimensão 1 DIDÁTICO-PEDAGÓGICA CATEGORIAS DE ANÁLISE 1.1 Gestão Acadêmica 1.2 Projeto do Curso 1.3 Atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação 1.1 GESTÃO ACADÊMICA 1.1.1 Responsabilidade Social

Leia mais

ANEXO X REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA IES

ANEXO X REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA IES 314 ANEXO X REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE DA IES 315 REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE, INCLUSÃO E DIREITOS HUMANOS - NAID CAPÍTULO I DO OBJETIVO E SUAS FINALIDADES Art. 1º Mediante a diversidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 034/ CEPE DE 23 de Agosto de 2006.

RESOLUÇÃO Nº 034/ CEPE DE 23 de Agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 034/2006 - CEPE DE 23 de Agosto de 2006. APROVA A ALTERAÇÃO DA RESOLUÇÃO CEPE N.º 003- A/2003 NORMAS DE ESTÁGIO. O Reitor da Universidade Castelo Branco, usando de suas atribuições legais

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DAS ATRIBUIÇÕES DO COLEGIADO

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO II DAS ATRIBUIÇÕES DO COLEGIADO REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DO IF BAIANO CAMPUS SENHOR DO BONFIM (Aprovado pela reunião de Colegiado do curso de Licenciatura em Ciências da Computação em

Leia mais

PARECERES DO PROJETO

PARECERES DO PROJETO PARECERES DO PROJETO COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO(CEPE) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO DE

Leia mais

ANEXO I PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR

ANEXO I PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR ANEXO I PLANO NACIONAL DE FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR Orientações gerais às Instituições Formadoras de Educação Superior para o desenvolvimento dos CURSOS ESPECIAIS PRESENCIAIS I

Leia mais

Considerando o Planejamento Estratégico elaborado para o período de ;

Considerando o Planejamento Estratégico elaborado para o período de ; INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04/2014/REITORIA Florianópolis, 30 de maio de 2014. Assunto: Dispõe sobre a elaboração do Plano Anual de Trabalho 2015 do Instituto Federal de Santa Catarina - IFSC. A Reitora do

Leia mais

EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2017

EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2017 EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2017 JUSTIFICATIVA O estatuto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Capítulo 1, artigo 3º define como finalidade da UFSCar

Leia mais

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Regulamenta a Política de Pessoal Docente da Carreira do Magistério Superior da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá

TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil Coordenação: Profa. Tatiana Jucá TCC Trabalho de Conclusão de Curso Engenharia Civil 2016-1 Coordenação: Profa. Tatiana Jucá 2/54 Pauta de hoje Apresentação da equipe de coordenação de TCC Datas importantes e documentação válida para

Leia mais

EDITAL PROEX Nº 04/2017 EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO PARA AS ATIVIDADES DE EXTENSÃO

EDITAL PROEX Nº 04/2017 EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO PARA AS ATIVIDADES DE EXTENSÃO EDITAL PROEX Nº 04/2017 EDITAL DE FLUXO CONTÍNUO PARA AS ATIVIDADES DE EXTENSÃO SUBMISSÃO: JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 Em consonância com a Lei número 11.892, de 29 de dezembro de 2008, no artigo 7 o, inciso

Leia mais

Programa de Formação de Coordenadores de Curso

Programa de Formação de Coordenadores de Curso Programa de Formação de Coordenadores de Curso Coordenação de Avaliação Pró-reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Avaliação Universidade Federal do Pampa Instituído pela Lei 10.861 de 14 de Abril

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC.

RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. RESOLUÇÃO Nº 084/2015 CONSU/IFAC. Dispõe sobre o Regulamento das Atribuições da Coordenação Técnico Pedagógica COTEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Acre IFAC. O PRESIDENTE SUBSTITUTO

Leia mais

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá Dispõe sobre a constituição e funcionamento do Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá. CAPÍTULO I DO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a. Função da CPA neste contexto

Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a. Função da CPA neste contexto Avaliação de Cursos, Novo Instrumento de Avaliação Institucional e a Função da CPA neste contexto Profa. Dra. Marion Creutzberg Coordenadora da CPA / PUCRS Papel da CPA na avaliação de cursos de graduação

Leia mais

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Propladi Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro Petrolina-PE - CEP.: 56.304-917 Fone: (87) 2101-6804

Leia mais

EQUIPE DE ELABORAÇÃO

EQUIPE DE ELABORAÇÃO 0 1 EQUIPE DE ELABORAÇÃO EMPRESA JÚNIOR INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS EM ENGENHARIA DE PROCESSOS Caroline Lucca Belladona Diretora de Projetos Telefone: (55) 99632-5457 E-mail: projetos@itepjr.com Laura Degrandi

Leia mais

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA

NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA NORMA DE PESSOAL DOCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Regulamenta a Política de Pessoal Docente da Carreira do Magistério Superior da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS

ATUAÇÃO DA CPA. Roteiro. Avaliação do ensino superior. Avaliação do Ensino Superior. Autoavaliação na UFMS ATUAÇÃO DA CPA Avaliação do ensino superior Roteiro Avaliação do Ensino Superior Legislação SINAES Autoavaliação Institucional Dimensões Autoavaliação na UFMS Instrumentos AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO. (Documento de fluxo contínuo)

ORIENTAÇÕES PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO. (Documento de fluxo contínuo) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO Campus MORRINHOS ORIENTAÇÕES PARA CADASTRAMENTO

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017.

RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. RESOLUÇÃO CONSUNI-ILACVN Nº 06/2017, de 29 de junho de 2017. Dispõe sobre a criação do Núcleo de Informática em Ciências da Saúde, bem como aprova seu Regimento Interno. O CONSELHO DO INSTITUTO LATINO-AMERICANO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 02/2017, DE 04 DE ABRIL DE 2017 Dispõe sobre a Política de Ações Afirmativas para inclusão de pessoas negras, indígenas e com deficiência na Pós-Graduação stricto sensu na Universidade Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO - UFOP PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO EDITAL PROGRAD/PROPLAD Nº 01, de 05 de maio de 2014. As Pró-reitorias de Graduação (PROGRAD) e de Planejamento e Desenvolvimento (PROPLAD) no uso das atribuições que lhes conferem o Regimento Geral da

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Capítulo 9 Organização Administrativa

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Capítulo 9 Organização Administrativa PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2015 2019 Capítulo 9 Organização Administrativa Florianópolis Dezembro 2014 CAPÍTULO 9...9.1 ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA...9.1 9.1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E INSTÂNCIAS

Leia mais

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO AD REFERENDUM N 01, DE 06 DE JANEIRO DE 2017. Dispõe sobre Regulamento para criação, alteração e extinção de cursos Técnicos de Nível Médio e de Graduação no âmbito do Instituto Federal de Educação,

Leia mais

EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017

EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017 EDITAL DE CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO NA UFSCAR PARA O PRIMEIRO SEMESTRE DE 2017 JUSTIFICATIVA Em atenção ao art. 66 e seu parágrafo único do Estatuto Geral da Universidade Federal de São Carlos UFSCar, e

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA

REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA REGULAMENTO GERAL DO TRABALHO INTEGRADO INTERDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA TÍTULO I Dos princípios Gerais Artigo 1º. Este regulamento rege

Leia mais

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN

IV Encontro Pedagógico do IFAM 2016 DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN DIRETORIA DE ENSINO MÉDIO E TÉCNICO SISTÊMICA DET/PROEN AVALIAÇÃO DOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO DO IFAM Lei Nª 11.872/2008 Art. 7ª - Objetivos dos Institutos Federais: I - ministrar educação profissional

Leia mais

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de 2015

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI 2011-2015 1. PERFIL INSTITUCIONAL Com base no artigo 16 do Decreto Federal nº 5.773, de 09 de maio de 2006. 1.1 Missão (ASPLAN)

Leia mais

MISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

MISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO MISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO DO COLEGIADO DOS CURSOS SUPERIORES DO IFPE CAPÍTULO I DO CONCEITO Art. 1 O O Colegiado

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional Capítulo I Natureza e Objetivos Artigo 1 - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 37130-00 Alfenas - MG RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA

Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA 1 Regulamento da I CONFERÊNCIA DAS LICENCIATURAS biênio 2015/2016 PROGRAD/PRODOCÊNCIA CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO DA CONFERÊNCIA Art. 1º. A Conferência das Licenciaturas, biênio 2015/2016, promovida pela

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UTFPR

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Relações Empresariais e Comunitárias

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ARTICULAÇÃO ENTRE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO UM REQUISITO PARA A GESTÃO ESTRATÉGICA EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR Suzana Salvador

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DISCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

2 O Projeto Pedagógico do Curso (PPC) deverá conter os seguintes componentes:

2 O Projeto Pedagógico do Curso (PPC) deverá conter os seguintes componentes: científica e social, fundamentada na legislação vigente; II. inserção regional e área de abrangência do curso; III. adequação do curso às demandas do mundo do trabalho; IV. compatibilidade dos objetivos

Leia mais

Orçamento Pró Reitoria de Avaliação Institucional e Planejamento Data: Maio/2017

Orçamento Pró Reitoria de Avaliação Institucional e Planejamento Data: Maio/2017 Orçamento 2018 Pró Reitoria de Avaliação Institucional e Planejamento Data: Maio/2017 Princípio norteador Possibilitar maior inclusão da comunidade acadêmica na construção doorçamentodaufgd. 2 Captações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 006/2012 CONSUNI Homologa o Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade Federal da Fronteira Sul. O Conselho Universitário CONSUNI, da Universidade Federal da

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC

ORIENTAÇÕES AVALIAÇÃO DA EQUIPE PRONATEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO- PRONATEC

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO - FATEC-SP CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º O presente regulamento interno disciplina a organização,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2016 Dispõe sobre o fluxo de processos de parcerias no IFSC. A Reitora do Instituto Federal de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pela Lei 11.892/2008,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG

MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG MINUTA REGULAMENTO- DIRETRIZES OPERACIONAIS PARA INCLUSÃO DE CARGA HORÁRIA SEMIPRESENCIAL EM CURSOS PRESENCIAIS DO IFG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA COORDENADORIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COAI COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE I O DOCENTE AVALIA AS AÇÕES DO CURSO Prezado(a)

Leia mais

Programas de Atendimento aos Estudantes

Programas de Atendimento aos Estudantes Programas de Atendimento aos Estudantes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP Câmpus Guarulhos 1. Integração dos Ingressantes O atendimento ao estudante no IFSP Guarulhos

Leia mais

Integração dos câmpus

Integração dos câmpus Integração dos câmpus I Fórum de Graduação da Unifesp - Pró-Reitoria de Graduação Prof. Marcos Macari Profa. Sheila Zambello de Pinho Pró-Reitora de Graduação da Unesp São Paulo 2012 Histórico Unesp origem

Leia mais

EDITAL N.º 262/2016 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

EDITAL N.º 262/2016 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EDITAL N.º 262/216 PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL: SELEÇÃO DE TUTOR PET CIÊNCIAS BIOLÓGICAS O VICE-REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna pública

Leia mais

CAPÍTULO 8 POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 8.1 INGRESSO

CAPÍTULO 8 POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES 8.1 INGRESSO CAPÍTULO 8 POLÍTICAS DE ATENDIMENTO AOS DISCENTES O IFSC estabeleceu em seu planejamento estratégico, no objetivo estratégico A4, um compromisso com o atendimento efetivo às demandas dos alunos. Esse objetivo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

Instituto Federal do Paraná

Instituto Federal do Paraná Reitoria Comissão Própria de Avaliação (CPA) Regulamento Outubro 2009 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente Regulamento disciplina as competências, a composição, a organização e o funcionamento

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão

ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão a. Abertura de processo com o protocolo de documento oficial (memorando) encaminhado ao Gabinete contendo

Leia mais

Informativo Unesp. Coordenadoria de Permanência Estudantil - COPE. julho/ Especial 02

Informativo Unesp. Coordenadoria de Permanência Estudantil - COPE. julho/ Especial 02 Informativo Unesp Coordenadoria de Permanência Estudantil - COPE A Coordenadoria de Permanência Estudantil (COPE) foi criada, por deliberação do Conselho Universitário, em sessão de 15 de agosto de 2013

Leia mais

Bragança Paulista SP 2017

Bragança Paulista SP 2017 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Bragança Paulista SP 2017 Controle de Versão do Documento Versão Elaborador

Leia mais

Anexo II FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO / ATIVIDADE DE EXTENSÃO

Anexo II FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO / ATIVIDADE DE EXTENSÃO PROJETO / ATIVIDADE DE EXTENSÃO CAMPUS: CBV Aneo II REGISTRO SOB Nº FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DO PROJETO / ATIVIDADE DE EXTENSÃO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 01 Título do Projeto/Programa/Atividade Jogos

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DAS ENGENHARIAS

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DAS ENGENHARIAS FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DAS ENGENHARIAS 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DAS ENGENHARIAS (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE CESUMAR DE PONTA GROSSA. CAPÍTULO I DA NATUREZA, OBJETIVOS E FINALIDADES. Art. 1º O

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2014

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2014 PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA 2014 OBJETIVO Apresentar um conjunto de informações sobre a proposta orçamentária 2014. DO ORÇAMENTO DE 2014 - Valor estipulado pelo CONIF na matriz orçamentária. - R$ 6.748.659,00

Leia mais