OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses."

Transcrição

1 SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade. OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da UERJ. TEMA ESTRATÉGICO 2: Preencher as necessidades de pessoal identificadas na Análise Situacional. OBJETIVO ESTRATÉGICO 2: Ampliar em 25% as ações de promoção da saúde do trabalhador a cada semestre. TEMA ESTRATÉGICO 1: Promover a saúde e a segurança do trabalhador. TEMA ESTRATÉGICO 2: Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio. OBJETIVO ESTRATÉGICO 3: Promover ações de motivação para 100% dos servidores da Universidade em 48 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Valorizar as aptidões dos servidores. OBJETIVO ESTRATÉGICO 4: Capacitar e reciclar 80% do pessoal da UERJ em 40 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Identificar as necessidades de capacitação de pessoal. TEMA ESTRATÉGICO 2: Estudar condições para viabilização da capacitação. TEMA ESTRATÉGICO 3: Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas. OBJETIVO ESTRATÉGICO 5: Rever 100% das normas que regulamentam as políticas de pessoal na UERJ, em 12 meses. TEMA ESTRATÉGICO1: Implementar o estudo de Normas e Atos através de comissão de normatização.

2 OBJETIVO ESTRATÉGICO 6: Ampliar em 100% a produtividade da SRH em 24 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores TEMA ESTRATÉGICO 2: Criar melhores condições de trabalho.

3 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE1: IDENTIFICAR 80% DO QUADRO DE PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA UERJ EM 6 MESES TEMA 1: Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da UERJ Manter atualizado o Quadro de Pessoal Entrevista com os Diretores dos Componentes Organizacionais Fechamento do Quadro Ideal de cada Componente Organizacional Promover o levantamento de pessoal à disposição Realocar pessoal em disponibilidade Análise do perfil do cargo e do profissional com as características do local de solicitação Promover o acompanhamento dos servidores remanejados TEMA 2: Preencher as necessidades de pessoal identificadas na Análise Situacional Rever políticas de cessão, licenças e contratações de pessoal na UERJ Elencar todos os casos de cessão, licenças e contratação de pessoal Analisar caso a caso, verificando o tempo de cessão e licenças Analisar Atos e Normas de concessão de licenças e cessão Elaborar proposta de Concurso Público Analisar a necessidade de pessoal juntamente com o número de vagas existentes Elaborar Edital de Concurso Encaminhar para aprovação em Instância Superior Verificação de dotação orçamentária

4 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS Implementar os programas existentes Implementar Programas de promoção da saúde Implantar os projetos em elaboração OE2: AMPLIAR EM 25% AS AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR A CADA SEMESTRE Desenvolver os projetos de novas demandas Definição das áreas de atuação, por mapeamento dos agentes de risco Avaliação quantitativa da exposição dos trabalhadores aos agentes de risco TEMA 1: Promover a saúde e a segurança do trabalhador Implementar Programas de prevenção de riscos ocupacionais Implantação de medidas de prevenção e controle com aquisição de equipamentos Qualificação do servidor para medidas de preservação implantadas Revisão periódica para avaliação das medidas implementadas Mapeamento das áreas com exposição aos riscos biológicos Avaliação das medidas de controle ocupacional Implantar Programas de Biossegurança Implantação do programa de vacinação Implantação dos projetos de segurança biológica Capacitação do servidor para biossegurança

5 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS Inspeções Periódicas Recarga Instalar o conjunto de extintores de todas as edificações da UERJ Teste Hidrostático Aquisição de equipamentos OE2: AMPLIAR EM 25% AS AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR A CADA SEMESTRE Manutenção da sinalização de segurança Levantamento da atual rede de canalização das edificações TEMA 2: Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Reapropiar a Rede de Hidrantes Adequação do projeto contra incêndio e pânico com aprovação do CBMERJ Execução das obras necessárias para recuperação da rede nas edificações Execução da rede de incêndio do HUPE Aquisição dos equipamentos e sinalização das caixas de incêndio Inspeções periódicas de manutenção Capacitar e reciclar pessoas para a Brigada de Incêndio Treinamento Interno Treinamento Externo Reciclagem

6 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE3: PROMOVER AÇÕES DE MOTIVAÇÃO PARA 100% DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE EM 48 MESES TEMA 1: Valorizar as aptidões dos servidores Realização de Eventos com toda a SRH Identificar as habilidades individuais Definir cronograma de atividades Ampla divulgação e sensibilização para participação nos eventos Realização de eventos Constituição de Comissão Levantamento das habilidades dos servidores Seleção e classificação das habilidades Adequação e/ou promoção de eventos e projetos com a participação dos servidores identificados Elaborar formulário de levantamento de necessidade de capacitação de pessoal Levantar as necessidades junto aos Componentes Organizacionais Encaminhar formulário para os Componentes Organizacionais OE4: CAPACITAR E RECICLAR 80% DO PESSOAL DA UERJ EM 40 MESES TEMA 1: Identificar as necessidades de capacitação de pessoal Analisar os dados obtidos Fazer contatos para acompanhamento do preenchimento dos formulários Recebimento dos formulários Análise das solicitações verificando as justificativas apresentadas Elencar as solicitações aprovadas Definir prioridades Definir critérios para elencar as prioridades de atendimento aos pedidos de capacitação Elencar as prioridades de atendimento Respostas aos diversos componentes organizacionais

7 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE4: CAPACITAR E RECICLAR 80% DO PESSOAL DA UERJ EM 40 MESES Verificar formas de atendimento às demandas Realizar levantamento e cadastramento das instituições e instrutores internos e externos que oferecem atividades de capacitação aprovadas Relacionar cursos e preço dos mesmos para verificação de orçamento necessário TEMA 2: Estudar condições para viabilização da capacitação Definir Instituições e Eventos que atendam à demanda Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos Contatar as instituições relacionadas, analisando cursos, congressos, seminários e verificando os custos Contatar unidades internas para verificar cursos, congressos, seminários e vagas disponíveis Contatar Instrutores Verificar disponibilidade de orçamento Estabelecer critérios para a participação de servidores como instrutores Inscrição de servidores aptos para ministrar cursos Analisar e selecionar os servidores que poderão atuar como instrutores Contatar servidores selecionados Elaborar Cronograma para 2008 a 2011 Verificar período de execução dos cursos e eventos selecionados. Elaboração de cronograma de atendimento às solicitações dos Componentes Organizacionais Solicitação de verba para cursos externos, internos e instrutores TEMA 3: Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas Divulgar os Programas Elaboração e produção de material de divulgação Encaminhamento de material de divulgação para os Componentes Organizacionais Inscrição dos servidores nos cursos divulgados Realizar os diversos Programas dentro do cronograma proposto Relacionar os cursos já existentes Promover divulgação entre os Componentes Organizacionais Inscrições dos interessados Contatar unidades internas e instituições externas e instrutores Elaboração do Programa e material didático para eventos

8 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE5: REVER 100% DAS NORMAS QUE REGULAMENTAM AS POLÍTICAS DE PESSOAL NA UERJ, EM 12 MESES Estudar as Normas e Atos vigentes Convocação da Comissão de Normatização Reavaliação dos trabalhos da Comissão de Normatização TEMA 1: Implementar o estudo de Normas e Atos através de Comissão de Normatização Propor atualização da regulamentação vigente e criação da necessária Continuidade da análise da legislação Elaboração de minutas de atos e normas de acordo com estudos da Comissão Encaminhamento de minutas para superior apreciação OE6: AMPLIAR EM 100% A PRODUTIVIDADE DA SRH EM 24 MESES TEMA 1: Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores Ampliar canais de comunicação com órgãos do Estado para estreitar vínculos Contatar os responsáveis pela área de RH nos diversos órgãos Propor reuniões periódicas para análise e orientação quanto às normas Divulgar os resultados das reuniões na SRH Adequar ou criar rotinas, diante das novas orientações

9 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS Avaliação das estruturas física e funcional da SRH Relacionar as alterações necessárias Redimensionar a infra-estrutura da SRH Elaboração das propostas das novas estruturas física e organizacional OE6: AMPLIAR EM 100% A PRODUTIVIDADE DA SRH EM 24 MESES Implantação e manutenção da nova estrutura física Implantação da nova estrutura organizacional TEMA 2: Criar melhores condições de trabalho Revisar as rotinas de trabalho Promover discussões entre os diversos setores da SRH Analisar fluxo das rotinas Elaborar fluxograma ideal Análise quantitativa e qualitativa dos equipamentos e mobiliário existentes Avaliar equipamentos e mobiliário Descartar o material inservível Propor aquisições Adquirir o material proposto

10 - RESUMO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES FONTE Identificar 80% do quadro de pessoal Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da Manter atualizado o Quadro de Pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses UERJ Ampliar em 25% as ações de promoção da saúde do trabalhador a cada semestre Promover ações de motivação para 100% dos servidores da Universidade em 48 meses Capacitar e reciclar 80% do pessoal da UERJ em 40 meses Rever 100% das normas que regulamentam as políticas de pessoal na UERJ, em 12 meses Ampliar em 100% a produtividade da SRH em 24 meses Preencher as necessidades de pessoal identificadas na Análise Situacional Promover a saúde e a segurança do trabalhador Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Valorizar as aptidões dos servidores Identificar as necessidades de capacitação de pessoal Estudar condições para viabilização da capacitação Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas Implementar o estudo de Normas e Atos através de Comissão de Normatização Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores Criar melhores condições de trabalho TOTAL Realocar pessoal em disponibilidade Rever políticas de cessão, licenças e contratações de pessoal Elaborar proposta de Concurso Público TOTAL Implementar Programas de promoção da saúde Implementar Programas de prevenção de riscos ocupacionais Implantar Programas de Biossegurança TOTAL Instalar o conjunto de extintores de todas as edificações da UERJ Reapropiar a Rede de Hidrantes Capacitar e reciclar pessoas para a Brigada de Incêndio TOTAL Realização de Eventos com toda a SRH Identificar as habilidades individuais Levantar as necessidades junto aos Componentes Organizacionais TOTAL Analisar os dados obtidos Definir prioridades TOTAL Verificar formas de atendimento às demandas Definir Instituições e Eventos que atendam à demanda Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos TOTAL Elaborar Cronograma para os anos de 2008 a Divulgar os Programas Realizar os diversos Programas dentro do cronograma proposto TOTAL Estudar as Normas e Atos vigentes Propor atualização da regulamentação vigente e criação da necessária TOTAL Ampliar canais de comunicação com órgãos do Estado para estreitar vínculos - TOTAL Redimensionar a infra-estrutura da SRH Revisar as rotinas de trabalho Avaliar equipamentos e mobiliário TOTAL

11 - DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da UERJ Preencher as necessidade de pessoal identificadas na Análise Situacional Manter atualizado o Quadro de Pessoal Realocar pessoal em disponibilidade Entrevista com os Diretores dos Componentes Organizacionais Fechamento do Quadro Ideal de cada Componente Organizacional VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Promover o levantamento de pessoal à disposição Análise do perfil do cargo e do profissional com as características do local de solicitação Rever políticas de cessão, licenças e contratações de pessoal na UERJ Elaborar proposta de Concurso Público Promover o acompanhamento dos servidores remanejados Elencar todos os casos de cessão, licenças e contratação de pessoal Analisar caso a caso, verificando o tempo de cessão e licenças Analisar Atos e Normas de concessão de licenças e cessão Analisar a necessidade de pessoal juntamente com o número de vagas existentes Promover a saúde e a segurança do trabalhador Implementar Programas de promoção da saúde Elaborar Edital de Concurso Encaminhar para aprovação em Instância Superior Verificação de dotação orçamentária Implementar os programas existentes Implantar os projetos em elaboração Desenvolver os projetos de novas demandas Implementar Programas de prevenção de riscos ocupacionais Definição das áreas de atuação, por mapeamento dos agentes de risco nas Unidades da UERJ Avaliação quantitativa da exposição dos trabalhadores aos agentes de risco identificados Implantar Programas de Biossegurança Implantação de medidas de prevenção e controle com aquisição de equipamentos de proteção individual e coletiva Qualificação do servidor para medidas de preservação implantadas Revisão periódica para avaliação das medidas implementadas Mapeamento das áreas com exposição aos riscos biológicos Avaliação das medidas de controle ocupacional Implantação do programa de vacinação Implantação dos projetos de segurança biológica Capacitação do servidor para biossegurança Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Instalar o conjunto de extintores de todas as edificações da UERJ Reapropiar a Rede de Hidrantes Inspeções Periódicas Recarga Teste Hidrostático Aquisição de equipamentos Manutenção da sinalização de segurança Levantamento da atual rede de canalização das edificações Adequação do projeto contra incêndio e pânico do CBIO com aprovação do CBMERJ

12 - DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Reapropiar a Rede de Hidrantes VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Execução das obras necessárias para recuperação da rede nas edificações Execução da rede de incêndio do HUPE Aquisição dos equipamentos e sinalização das caixas de incêndio Inspeções periódicas de manutenção necessária Valorizar as aptidões dos servidores Capacitar e reciclar pessoas para a Brigada de Incêndio Realização de Eventos com toda a SRH Identificar as habilidades individuais Treinamento Interno Treinamento Externo Reciclagem Definir cronograma de atividades Ampla divulgação e sensibilização para participação nos eventos Realização de eventos Constituição de Comissão Levantamento das habilidades dos servidores Seleção e classificação das habilidades Adequação e/ou promoção de eventos e projetos com a participação dos servidores identificados Identificar as necessidades de capacitação de pessoal Levantar as necessidades junto aos Componentes Organizacionais Elaborar formulário de levantamento de necessidade de capacitação de pessoal Encaminhar formulário de levantamento de necessidade de capacitação para os Componentes Organizacionais Fazer contato com os Componentes Organizacionais para acompanhamento do preenchimento dos formulários de levantamento Estudar condições para viabilização da capacitação Analisar os dados obtidos Definir prioridades Verificar formas de atendimento às demandas Recebimento dos formulários de necessidade de capacitação de pessoal dos Componentes Organizacionais Análise das solicitações verificando as justificativas apresentadas Elencar as solicitações aprovadas Definir critérios para elencar as prioridades de atendimento aos pedidos de capacitação Elencar as prioridades de atendimento Respostas aos diversos componentes organizacionais Realizar levantamento e cadastramento das instituições e instrutores internos e externos que oferecem atividades de capacitação aprovadas Definir Instituições e Eventos que atendam à demanda Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos Relacionar cursos e preço dos mesmos para verificação de orçamento necessário Contatar as instituições relacionadas, analisando cursos, congressos, seminários e verificando seus respectivos custos Contatar unidades internas para verificação de cursos, congressos, seminários e vagas disponíveis Contatar Instrutores Verificar disponibilidade de orçamento Estabelecer critérios para a participação de servidores como instrutores Inscrição de servidores aptos para ministrar cursos

13 - DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Estudar condições para viabilização da capacitação Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos Elaborar Cronograma para os anos de 2008 a VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Analisar e selecionar os servidores que poderão atuar como instrutores Contatar servidores selecionados Verificar período de execução dos cursos e eventos, selecionados de acordo com a definição de prioridades Elaboração de cronograma de atendimento às solicitações dos Componentes Organizacionais Divulgar os Programas Solicitação de verba para cursos externos, internos e instrutores Elaboração e produção de material de divulgação Implementar o estudo de Normas e Atos através de Comissão de Normatização Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores Criar melhores condições de trabalho Realizar os diversos Programas dentro do cronograma proposto Estudar as Normas e Atos vigentes Propor atualização da regulamentação vigente e criação da necessária Ampliar canais de comunicação com órgãos do Estado para estreitar vínculos Redimensionar a infra-estrutura da SRH Revisar as rotinas de trabalho Avaliar equipamentos e mobiliário Encaminhamento de material de divulgação para os Componentes Organizacionais Inscrição dos servidores nos cursos divulgados Relacionar os cursos já existentes Promover divulgação entre os Componentes Organizacionais Inscrições dos interessados Contatar unidades internas e instituições externas e instrutores Elaboração do Programa e material didático para eventos Convocação da Comissão de Normatização Reavaliação dos trabalhos da Comissão de Normatização Continuidade da análise da legislação Elaboração de minutas de atos e normas de acordo com estudos da Comissão Encaminhamento de minutas para superior apreciação Contatar os responsáveis pela área de RH nos diversos órgãos Propor reuniões periódicas para análise e orientação quanto às normas Divulgar os resultados das reuniões na SRH Adequar ou criar rotinas, diante das novas orientações Avaliação das estruturas física e funcional da SRH Relacionar as alterações necessárias Elaboração das propostas das novas estruturas física e organizacional Implantação e manutenção da nova estrutura física Implantação da nova estrutura organizacional Promover discussões entre os diversos setores da SRH Analisar fluxo das rotinas Elaborar fluxograma ideal Análise quantitativa e qualitativa dos equipamentos e mobiliário existentes Descartar o material inservível Propor aquisições Adquirir o material proposto

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA 1 MÓDULO 20: SEGURANÇA NO TRABALHO CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA ANEXOS: 1 Fluxo do Subprocesso Constituir Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA 2 Formulário

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO

Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO Indicador: Índice de atingimento das metas propostas Meta: primeira medição Ano: 215 Gerenciamento do UG Responsável:

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 001/2016 PARA SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) COORDENADO PELO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

CARGO E REQUISITO DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA

CARGO E REQUISITO DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA CARGO E REQUISITO Advogado Completo em Direito com inscrição na OAB DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA Representar e defender judicialmente e extra judicialmente a Fundação. Analisar e elaborar pareceres

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos

MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos MÓDULO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. Política de Controles Internos Junho de 2016 ÍNDICE POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... 2 (A) Objetivo... 2 (B) Abrangência... 2 (C) Princípios Gerais... 2 (D) Diretrizes...

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Junho/2016 Edge Brasil Gestão de Ativos Ltda. 1. Objetivo Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles a serem observados para

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO (MONITORIA) EDITAL 01/2015. I. Da Caracterização do Programa de Estímulo ao Ensino de Graduação- Monitoria

PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO (MONITORIA) EDITAL 01/2015. I. Da Caracterização do Programa de Estímulo ao Ensino de Graduação- Monitoria PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO (MONITORIA) EDITAL 01/2015 DISPÕE SOBRE O EDITAL 01/2015 DO PROGRAMA DE ESTÍMULO AO ENSINO DA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO QUE VISA A OFERECER A ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO

Leia mais

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir Plano Estratégico da OISC/CPLP 2011-2016 Plano Anual de Trabalho 2015 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação,

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança

Leia mais

NOTA TÉCNICA 11 /2012

NOTA TÉCNICA 11 /2012 Proposta de Portaria que define os critérios para custeio das Unidades Básicas de Saúde Fluviais preexistentes ao Programa de Construção de Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF). Brasília, 04 de junho

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOTO CONSU 2012-04 de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Monitoria do Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP é um programa

Leia mais

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS

POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS JUNHO / 2016 SUMÁRIO POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS... Erro! Indicador não definido. 1.1. Objetivo...1 1.2. Abrangência...2 1.3. Princípios...2 1.4. Diretrizes...2 1.5. Responsabilidades...3

Leia mais

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015)

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de 2014 Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Com base na Resolução 35/2011 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que estabelece as Normas

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS COORDENAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MANUAL DE MONITORIA

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS COORDENAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MANUAL DE MONITORIA MANUAL DE MONITORIA A Coordenação de Ensino, Pesquisa e Extensão da Faculdade FACEL acredita na importância do processo de monitoria para o desenvolvimento dos acadêmicos, desta forma estabeleceu uma normatização

Leia mais

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos.

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos. NOME DO X 1/6 // 1 INTRODUÇÃO O passo seguinte à aprovação de um documento do sistema de qualidade, para que ele possa realmente se tornar efetivo, é o treinamento de todos os envolvidos na execução das

Leia mais

Aprovado por Márcia Rangel

Aprovado por Márcia Rangel Unidade Processo Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Desenvolvimento de Pessoas Realização de Eventos por Edital de Pregão Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

PROPOSTA DE TREINAMENTO IN COMPANY

PROPOSTA DE TREINAMENTO IN COMPANY DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PROPOSTA DE TREINAMENTO IN COMPANY Curso: Cursos de Desenvolvimento de Servidores Treinamento: Legislação pessoal aplicada ao

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário Data: 3/3/ Rev.: 4 1 Contratação de empresa realização de serviços limpeza de caixa SAO Para evitar transbordamento/cont aminação Contratação - licitação 2 de CFTV Monitoramento e vigilância Contratado

Leia mais

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS

SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS. Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS SÍNTESE DO PERFIL E DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DAS UNIDADES SOCIOASSISTENCIAIS Perfil e principais atribuições do Coordenador do CREAS Escolaridade de nível superior de acordo com a NOB/RH/2006

Leia mais

2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE

2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA 2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE JUNHO DE 2013 PERSPECTIVA Processos Internos TEMA

Leia mais

NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA.

NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA. NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA. QUEM SOMOS Eletropar CGTE Eletronuclear Distribuição Acre Distribuição Alagoas Cepel Amazonas Nuclear Eletrosul Distribuição Piauí Distribuição Rondônia

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto

PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA. Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto PARTICIPAÇÃO DO SINAL EM ATIVIDADES POLÍTICAS CIDADANIA Relatores da proposta: Paulo Eduardo de Freitas Laerte Silveira Porto EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROPOSTA AUTOR: Laerte Silveira Porto Participação efetiva

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TEMA ESTRATÉGICO: GESTÃO UNIVERSITÁRIA TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Objetivo 1: Aprimorar a adoção de soluções de TI nas atividades de ensino, pesquisa, extensão e gestão, auxiliando na consecução

Leia mais

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010.

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010. Gestão por Competências na Polícia Federal Brasília, 17 de Junho de 2010. Planejamento Estratégico Competências Organizacionais Fatores Críticos de Sucesso Corporativo Políticas Corporativas Competências

Leia mais

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda Governança em TI na UFF Modelo de Gestão da STI Henrique Uzêda henrique@sti.uff.br 2011-2013 Universidade Federal Fluminense 122 cursos de graduação e 359 de pós-graduação ~ 45.000 alunos de graduação

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS

PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS PLANO DE CAPACITAÇÃO DOCENTE TÍTULO I DOS OBJETIVOS Artigo 1º. O Plano de Qualificação Docente tem por objetivo o aprimoramento profissional dos professores da FACULDADE JAUENSE, de modo a promover a melhoria

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNICIPAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Centro de Referência de Assistência Social PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 CRAS: Maracanã COORDENADOR(A): Eliana de Araújo Vieira PREFEITURA DE MONTES CLAROS PLANO ANUAL DE AÇÃO 2015 QUADRO I Atividades de fortalecimento dos vínculos familiares e comunitários: Objetivo Atividades

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código Projeto Fiscalização do Exercício e Atividade Profissional 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto João Augusto de Lima Estratégico 5 Gestor(a) 6 Programa Igor de Mendonça Fernandes

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

E D I T A L Nº 062/2014

E D I T A L Nº 062/2014 E D I T A L Nº 062/2014 O Secretário Municipal de Administração de Erechim, Estado do Rio Grande do Sul, no uso de suas atribuições previstas no Decreto nº 3326/2009, TORNA PÚBLICO, para conhecimento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Santa Terezinha Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS:

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Modalidade Produto Área de Ciências Humanas e Direitos Humanos SELECIONA CURRÍCULOS

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016

Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 Política de Controles Internos Código: MSFC-P-004 Versão: 05 Emissão: 10/2011 Última Atualização em: 02/2016 OBJETIVO Garantir a aplicação dos princípios e boas práticas da Governança Corporativa, e que

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

Política de Controles Internos

Política de Controles Internos Política de Controles Internos Introdução Esta política tem por objetivo estabelecer regras, procedimentos e descrição dos controles internos a serem observados para o fortalecimento e funcionamento dos

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada de Consultoria para Planejamento da Estrutura Funcional e Organizacional

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO

CURSO DE ATUALIZAÇÃO CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde DESENVOLVIMENTO DA GESTÃO DO TRABALHO E SAÚDE DO TRABALHADOR DA SAÚDE Adryanna Saulnier Bacelar Moreira Márcia Cuenca

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDITAL Nº. 01, DE 21 DE JUNHO DE 2016 PROCESSO SELETIVO O PROFIAP da Universidade Federal de Sergipe comunica que estarão abertas inscrições para a seleção de estudantes para atuar

Leia mais

SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA. Cargos/Funções: Comprador Junior PERÍODO DE INSCRIÇÃO 20/09/2013

SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA. Cargos/Funções: Comprador Junior PERÍODO DE INSCRIÇÃO 20/09/2013 SPDM ASSOCIAÇÃO PAULISTA PARA O DESENVOLVIMENTO DA MEDICINA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO SPDM MATRIZ Nº 129/2013 PROCESSO SELETIVO DE PROFISSIONAIS PARA TRABALHAREM NA SEDE ADMINISTRATIVA DO PROJETO

Leia mais

Certificação e Auditoria Ambiental

Certificação e Auditoria Ambiental Certificação e Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental - 5 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental Auditoria Ambiental Questionário Pré-Auditoria É um instrumento utilizado na etapa de pré-auditoria,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO CALCULUS

PROCESSO SELETIVO CALCULUS PROCESSO SELETIVO CALCULUS 2012.2 O processo seletivo ocorrerá no início dos semestres letivos da uneb. Nele, baseamo-nos em um perfil previamente estipulado, que seria o perfil do membro efetivo da Calculus.

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob:

1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing do Sicoob: a) visa estabelecer diretrizes sistêmicas aplicáveis à execução do Planejamento Estratégico em vigência, no que se refere às ações de

Leia mais

Regulamento da Revista Thema

Regulamento da Revista Thema Regulamento da Revista Thema Capítulo I - Da finalidade e objetivo Art. 1 o - A Revista Thema é publicada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-rio-grandense (IFSul) através da Pró-Reitoria

Leia mais

PLANO PLURIANUAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ATENÇÃO AO IDOSO, MULHER E PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PLANO PLURIANUAL SECRETARIA MUNICIPAL DE ATENÇÃO AO IDOSO, MULHER E PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROGRAMA: 1001 - ADMINISTR GERAL OBJETIVO: Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público. FUNÇÃO 2117 Produto / Unidade de Medida Unidade

Leia mais

PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016

PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 1 PROJETO DE SOLICITAÇÃO DE DISCIPLINA NO PROGRAMA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PID/2016 I. Professor orientador: Marco Aurélio Bernardes de Carvalho II. Disciplinas de atuação: Programa Integrador de Atenção

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO MEMBRO COLABORADOR GESTÃO 2016/2 Porte Empresa Junior

EDITAL PROCESSO SELETIVO MEMBRO COLABORADOR GESTÃO 2016/2 Porte Empresa Junior EDITAL PROCESSO SELETIVO MEMBRO COLABORADOR GESTÃO 2016/2 Porte Empresa Junior A Porte Empresa Junior torna pública, por meio deste edital, a abertura do processo seletivo destinado a recrutar e selecionar

Leia mais

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES

Plano de Cargos, Carreiras e Salários CONTROLE DE REVISÕES Plano de Cargos, Carreiras e Salários Abril de 2013 CONTROLE DE REVISÕES Versão Data Responsável Descrição 0 15/04/2013 Tríade RH Desenvolvimento e Implantação do Plano 1 26/06/2013 Tríade RH Revisão do

Leia mais

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015

Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação. Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Política de Comunicação do IFRS: conceito, metodologia e participação Wilson da Costa Bueno Bento Gonçalves/RS 05/03/2015 Conceito Política de Comunicação é o conjunto sistematizado de princípios, valores,

Leia mais

MANUAL DE PROCESSOS INF03 - ACOMPANHAR PROJETO DE OBRA

MANUAL DE PROCESSOS INF03 - ACOMPANHAR PROJETO DE OBRA MANUAL DE PROCESSOS INF03 - ACOMPANHAR PROJETO DE OBRA SUMÁRIO GLOSSÁRIO (SIGLAS, SIGNIFICADOS)... Erro! Indicador não definido. I. OBJETIVO DO PROCESSO... 5 II. ÁREAS ENVOLVIDAS... 5 III. DESCRIÇÃO DAS

Leia mais

Assessoria de Comunicação Social - ASCOM

Assessoria de Comunicação Social - ASCOM UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Assessoria de Comunicação Social - ASCOM Petrolina - PE Julho de 2016 2ª Versão Apresentação A Assessoria de Comunicação Social (Ascom) da Univasf tem como

Leia mais

RECURSOS HUMANOS POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

RECURSOS HUMANOS POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Jan.205. OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir conceitos, critérios e responsabilidades para os seguintes Programas de Desenvolvimento da Ipsos: Treinamentos Técnicos, Treinamentos Comportamentais,

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA

PROGRAMA DE MONITORIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL PROGRAMA DE MONITORIA Agosto/2010 2 1. O QUE É MONITORIA A Monitoria é a modalidade de ensino-aprendizagem,

Leia mais

Alimentos Júnior Sociedade Civil em Tecnologia e Consultoria da Universidade Federal de Viçosa Departamento de Tecnologia de Alimentos II (DTA II)

Alimentos Júnior Sociedade Civil em Tecnologia e Consultoria da Universidade Federal de Viçosa Departamento de Tecnologia de Alimentos II (DTA II) Assessor Estratégico O Assessor Estratégico tem como função a elaboração do Planejamento Estratégico, análise e controle de indicadores e metas gerenciais e estratégicas, controle e acompanhamento dos

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES

Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado ENGENHARIA ELÉTRICA - TELECOMUNICAÇÕES CAMPO LIMPO PAULISTA 2014 Regulamento de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica - Telecomunicações

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

Sistema de Gestão da Prevenção em

Sistema de Gestão da Prevenção em Sistema de Gestão da Prevenção em SST Trabalho realizado por: André Andrade nº18990 Curso: Engenharia do Ambiente Data: 29/10/2008 Disciplina: PARP Índice Introdução... 3 Sistema de gestão da prevenção

Leia mais

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação

ACREDITAÇÃO HOSPITALAR. Análise Crítica da Pré e Pós Certificação ACREDITAÇÃO HOSPITALAR Análise Crítica da Pré e Pós Certificação A qualidade não é um conjunto de técnicas, é a maneira de pensar o seu próprio negócio e isso não da pra copiar. Fonte: hsm.com.br Hospital

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FMIG 2016 Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação do idoso, os dados

Leia mais

EDITAL PROEC nº 456 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB)

EDITAL PROEC nº 456 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) EDITAL PROEC nº 456 / 2016 PROCESSO DE SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), por meio da

Leia mais

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada.

ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet é cópia não controlada. Proposto por: Chefe do Serviço de Gestão do Desempenho (SEGED) Analisado por: Diretor do Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DEDEP) Aprovado por: Diretor-Geral da Diretoria-Geral de Gestão de Pessoas

Leia mais

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade

Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade Políticas de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade A Elétrica Sena Campos, empresa prestadora de serviços no ramo de manutenção elétrica tem como principal valor preservar a integridade física, mental

Leia mais

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance

Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Manual de Compliance e Controles Internos Compliance Junho de 2016 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. APLICABILIDADE... 2 3. RESPONSABILIDADES... 2 3.1. ÁREAS INTERNAS 2 3.2. COMPLIANCE 2 3.3. DIRETORIA 2 3.4.

Leia mais

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos

Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos JoelSaade Proposta de Gestão do Prof. Joei Saade Candidato a Diretor Geral do IFSP - Câmpus Guarulhos Guarulhos Agosto/2016 1. introdução Este documento reflete a Proposta de Gestão, conforme exigência

Leia mais

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS

PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Curso de Auto-aprendizagem PREVENÇÃO, PREPARAÇÃO E RESPOSTA À EMERGÊNCIAS E DESASTRES QUÍMICOS Gerenciamento de risco Químico Edson Haddad CETESB Gerenciamento de risco Propósito do PGR Programa de Gerenciamento

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/8 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS SGT/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: Capacitar Servidores Planejamento Anual ELABORADO EM:22/06/2016 REVISADO EM:15/07/2016

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO

POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO POLÍTICA DE COMPLIANCE E CONTROLES INTERNOS SUMÁRIO I - Objetivo... 2 II - Público Alvo... 2 III - Responsabilidades dos Envolvidos... 2 3.1. Responsabilidades da Administração... 2 3.2. Responsabilidades

Leia mais

INDEPAC MISSÃO VISÃO

INDEPAC MISSÃO VISÃO O INDEPAC é especializado em serviços de Consultoria e Assessoria Educacional, nas dimensões: administrativa, jurídica e pedagógica, além de oferecer cursos de formação em serviço, voltados para o aprimoramento

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA Oferta Pública de Recursos para municípios com população de até 50mil habitantes

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA Oferta Pública de Recursos para municípios com população de até 50mil habitantes PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA Oferta Pública de Recursos para municípios com população de até 50mil habitantes MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Departamento de Produção Habitacional

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA / PROJETO INCLUSÃO SOCIAL EM TEMPOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: O LUGAR DA ESCOLA

CHAMADA PÚBLICA / PROJETO INCLUSÃO SOCIAL EM TEMPOS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: O LUGAR DA ESCOLA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Autorizada pelo Decreto Federal nº 77.496 de 27-04-76 Reconhecida pela Portaria Ministerial nº 874/86 de 19-12-86 Recredenciada pelo Decreto Estadual nº 9.271

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico em Administração Módulo :III -A Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PAULINO BOTELHO Ensino Técnico Código: 091 Município: São Carlos Eixo tecnológico: Gestão Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação: Técnico em

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DA CIPA Gestão 2015 / 2016

PLANO DE TRABALHO DA CIPA Gestão 2015 / 2016 PLANO DE TRABALHO DA CIPA Gestão 2015 / 2016 1. INTRODUÇÃO A Faculdade de Medicina Veterinária/UNESP Câmpus de Araçatuba, é uma instituição que possui como principais atividades: o Ensino e a Pesquisa.

Leia mais

Seleção Interna nº 14/2013/SOF Em 26 de fevereiro de Do Objetivo

Seleção Interna nº 14/2013/SOF Em 26 de fevereiro de Do Objetivo Seleção Interna nº 14/2013/SOF Em 26 de fevereiro de 2013. Assunto: Cargo em comissão. Provimento via processo seletivo. Do Objetivo 1. A presente Seleção Interna visa ao provimento do cargo de Assistente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: TÉCNICO EM FARMÁCIA Qualificação: Técnico

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRO-REITORIA DE POS GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PESQUISA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRO-REITORIA DE POS GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PESQUISA EDITAL Nº 1, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO A Coordenação de Pesquisa (COPES), setor vinculado a Pro-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa (POSGRAP) da Universidade Federal de Sergipe, comunica

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO 1.1 Objetivos Permitir o crescimento racional e equilibrado do acervo de acordo com cada curso; Identificar os elementos adequados à formação

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO RESPONSÁVEL

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO RESPONSÁVEL 1 DE 5 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO RESPONSÁVEL 001 15/08/2014 Mudança da logomarca. Adequação ao novo modelo de documento normativo, a cultura da empresa e revisão dos cursos. Maria Heloisa

Leia mais