OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses."

Transcrição

1 SRH - SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS MISSÃO DA UNIDADE: Promover as políticas de recursos humanos contribuindo para o funcionamento e aprimoramento das atividades desenvolvidas pela Universidade. OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Identificar 80% do quadro de pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da UERJ. TEMA ESTRATÉGICO 2: Preencher as necessidades de pessoal identificadas na Análise Situacional. OBJETIVO ESTRATÉGICO 2: Ampliar em 25% as ações de promoção da saúde do trabalhador a cada semestre. TEMA ESTRATÉGICO 1: Promover a saúde e a segurança do trabalhador. TEMA ESTRATÉGICO 2: Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio. OBJETIVO ESTRATÉGICO 3: Promover ações de motivação para 100% dos servidores da Universidade em 48 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Valorizar as aptidões dos servidores. OBJETIVO ESTRATÉGICO 4: Capacitar e reciclar 80% do pessoal da UERJ em 40 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Identificar as necessidades de capacitação de pessoal. TEMA ESTRATÉGICO 2: Estudar condições para viabilização da capacitação. TEMA ESTRATÉGICO 3: Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas. OBJETIVO ESTRATÉGICO 5: Rever 100% das normas que regulamentam as políticas de pessoal na UERJ, em 12 meses. TEMA ESTRATÉGICO1: Implementar o estudo de Normas e Atos através de comissão de normatização.

2 OBJETIVO ESTRATÉGICO 6: Ampliar em 100% a produtividade da SRH em 24 meses. TEMA ESTRATÉGICO 1: Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores TEMA ESTRATÉGICO 2: Criar melhores condições de trabalho.

3 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE1: IDENTIFICAR 80% DO QUADRO DE PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA UERJ EM 6 MESES TEMA 1: Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da UERJ Manter atualizado o Quadro de Pessoal Entrevista com os Diretores dos Componentes Organizacionais Fechamento do Quadro Ideal de cada Componente Organizacional Promover o levantamento de pessoal à disposição Realocar pessoal em disponibilidade Análise do perfil do cargo e do profissional com as características do local de solicitação Promover o acompanhamento dos servidores remanejados TEMA 2: Preencher as necessidades de pessoal identificadas na Análise Situacional Rever políticas de cessão, licenças e contratações de pessoal na UERJ Elencar todos os casos de cessão, licenças e contratação de pessoal Analisar caso a caso, verificando o tempo de cessão e licenças Analisar Atos e Normas de concessão de licenças e cessão Elaborar proposta de Concurso Público Analisar a necessidade de pessoal juntamente com o número de vagas existentes Elaborar Edital de Concurso Encaminhar para aprovação em Instância Superior Verificação de dotação orçamentária

4 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS Implementar os programas existentes Implementar Programas de promoção da saúde Implantar os projetos em elaboração OE2: AMPLIAR EM 25% AS AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR A CADA SEMESTRE Desenvolver os projetos de novas demandas Definição das áreas de atuação, por mapeamento dos agentes de risco Avaliação quantitativa da exposição dos trabalhadores aos agentes de risco TEMA 1: Promover a saúde e a segurança do trabalhador Implementar Programas de prevenção de riscos ocupacionais Implantação de medidas de prevenção e controle com aquisição de equipamentos Qualificação do servidor para medidas de preservação implantadas Revisão periódica para avaliação das medidas implementadas Mapeamento das áreas com exposição aos riscos biológicos Avaliação das medidas de controle ocupacional Implantar Programas de Biossegurança Implantação do programa de vacinação Implantação dos projetos de segurança biológica Capacitação do servidor para biossegurança

5 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS Inspeções Periódicas Recarga Instalar o conjunto de extintores de todas as edificações da UERJ Teste Hidrostático Aquisição de equipamentos OE2: AMPLIAR EM 25% AS AÇÕES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE DO TRABALHADOR A CADA SEMESTRE Manutenção da sinalização de segurança Levantamento da atual rede de canalização das edificações TEMA 2: Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Reapropiar a Rede de Hidrantes Adequação do projeto contra incêndio e pânico com aprovação do CBMERJ Execução das obras necessárias para recuperação da rede nas edificações Execução da rede de incêndio do HUPE Aquisição dos equipamentos e sinalização das caixas de incêndio Inspeções periódicas de manutenção Capacitar e reciclar pessoas para a Brigada de Incêndio Treinamento Interno Treinamento Externo Reciclagem

6 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE3: PROMOVER AÇÕES DE MOTIVAÇÃO PARA 100% DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE EM 48 MESES TEMA 1: Valorizar as aptidões dos servidores Realização de Eventos com toda a SRH Identificar as habilidades individuais Definir cronograma de atividades Ampla divulgação e sensibilização para participação nos eventos Realização de eventos Constituição de Comissão Levantamento das habilidades dos servidores Seleção e classificação das habilidades Adequação e/ou promoção de eventos e projetos com a participação dos servidores identificados Elaborar formulário de levantamento de necessidade de capacitação de pessoal Levantar as necessidades junto aos Componentes Organizacionais Encaminhar formulário para os Componentes Organizacionais OE4: CAPACITAR E RECICLAR 80% DO PESSOAL DA UERJ EM 40 MESES TEMA 1: Identificar as necessidades de capacitação de pessoal Analisar os dados obtidos Fazer contatos para acompanhamento do preenchimento dos formulários Recebimento dos formulários Análise das solicitações verificando as justificativas apresentadas Elencar as solicitações aprovadas Definir prioridades Definir critérios para elencar as prioridades de atendimento aos pedidos de capacitação Elencar as prioridades de atendimento Respostas aos diversos componentes organizacionais

7 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE4: CAPACITAR E RECICLAR 80% DO PESSOAL DA UERJ EM 40 MESES Verificar formas de atendimento às demandas Realizar levantamento e cadastramento das instituições e instrutores internos e externos que oferecem atividades de capacitação aprovadas Relacionar cursos e preço dos mesmos para verificação de orçamento necessário TEMA 2: Estudar condições para viabilização da capacitação Definir Instituições e Eventos que atendam à demanda Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos Contatar as instituições relacionadas, analisando cursos, congressos, seminários e verificando os custos Contatar unidades internas para verificar cursos, congressos, seminários e vagas disponíveis Contatar Instrutores Verificar disponibilidade de orçamento Estabelecer critérios para a participação de servidores como instrutores Inscrição de servidores aptos para ministrar cursos Analisar e selecionar os servidores que poderão atuar como instrutores Contatar servidores selecionados Elaborar Cronograma para 2008 a 2011 Verificar período de execução dos cursos e eventos selecionados. Elaboração de cronograma de atendimento às solicitações dos Componentes Organizacionais Solicitação de verba para cursos externos, internos e instrutores TEMA 3: Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas Divulgar os Programas Elaboração e produção de material de divulgação Encaminhamento de material de divulgação para os Componentes Organizacionais Inscrição dos servidores nos cursos divulgados Realizar os diversos Programas dentro do cronograma proposto Relacionar os cursos já existentes Promover divulgação entre os Componentes Organizacionais Inscrições dos interessados Contatar unidades internas e instituições externas e instrutores Elaboração do Programa e material didático para eventos

8 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS OE5: REVER 100% DAS NORMAS QUE REGULAMENTAM AS POLÍTICAS DE PESSOAL NA UERJ, EM 12 MESES Estudar as Normas e Atos vigentes Convocação da Comissão de Normatização Reavaliação dos trabalhos da Comissão de Normatização TEMA 1: Implementar o estudo de Normas e Atos através de Comissão de Normatização Propor atualização da regulamentação vigente e criação da necessária Continuidade da análise da legislação Elaboração de minutas de atos e normas de acordo com estudos da Comissão Encaminhamento de minutas para superior apreciação OE6: AMPLIAR EM 100% A PRODUTIVIDADE DA SRH EM 24 MESES TEMA 1: Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores Ampliar canais de comunicação com órgãos do Estado para estreitar vínculos Contatar os responsáveis pela área de RH nos diversos órgãos Propor reuniões periódicas para análise e orientação quanto às normas Divulgar os resultados das reuniões na SRH Adequar ou criar rotinas, diante das novas orientações

9 TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ESTRATÉGICAS ETAPAS Avaliação das estruturas física e funcional da SRH Relacionar as alterações necessárias Redimensionar a infra-estrutura da SRH Elaboração das propostas das novas estruturas física e organizacional OE6: AMPLIAR EM 100% A PRODUTIVIDADE DA SRH EM 24 MESES Implantação e manutenção da nova estrutura física Implantação da nova estrutura organizacional TEMA 2: Criar melhores condições de trabalho Revisar as rotinas de trabalho Promover discussões entre os diversos setores da SRH Analisar fluxo das rotinas Elaborar fluxograma ideal Análise quantitativa e qualitativa dos equipamentos e mobiliário existentes Avaliar equipamentos e mobiliário Descartar o material inservível Propor aquisições Adquirir o material proposto

10 - RESUMO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES FONTE Identificar 80% do quadro de pessoal Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da Manter atualizado o Quadro de Pessoal técnico-administrativo da UERJ em 6 meses UERJ Ampliar em 25% as ações de promoção da saúde do trabalhador a cada semestre Promover ações de motivação para 100% dos servidores da Universidade em 48 meses Capacitar e reciclar 80% do pessoal da UERJ em 40 meses Rever 100% das normas que regulamentam as políticas de pessoal na UERJ, em 12 meses Ampliar em 100% a produtividade da SRH em 24 meses Preencher as necessidades de pessoal identificadas na Análise Situacional Promover a saúde e a segurança do trabalhador Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Valorizar as aptidões dos servidores Identificar as necessidades de capacitação de pessoal Estudar condições para viabilização da capacitação Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas Implementar o estudo de Normas e Atos através de Comissão de Normatização Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores Criar melhores condições de trabalho TOTAL Realocar pessoal em disponibilidade Rever políticas de cessão, licenças e contratações de pessoal Elaborar proposta de Concurso Público TOTAL Implementar Programas de promoção da saúde Implementar Programas de prevenção de riscos ocupacionais Implantar Programas de Biossegurança TOTAL Instalar o conjunto de extintores de todas as edificações da UERJ Reapropiar a Rede de Hidrantes Capacitar e reciclar pessoas para a Brigada de Incêndio TOTAL Realização de Eventos com toda a SRH Identificar as habilidades individuais Levantar as necessidades junto aos Componentes Organizacionais TOTAL Analisar os dados obtidos Definir prioridades TOTAL Verificar formas de atendimento às demandas Definir Instituições e Eventos que atendam à demanda Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos TOTAL Elaborar Cronograma para os anos de 2008 a Divulgar os Programas Realizar os diversos Programas dentro do cronograma proposto TOTAL Estudar as Normas e Atos vigentes Propor atualização da regulamentação vigente e criação da necessária TOTAL Ampliar canais de comunicação com órgãos do Estado para estreitar vínculos - TOTAL Redimensionar a infra-estrutura da SRH Revisar as rotinas de trabalho Avaliar equipamentos e mobiliário TOTAL

11 - DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Analisar e atualizar o Quadro de Pessoal da UERJ Preencher as necessidade de pessoal identificadas na Análise Situacional Manter atualizado o Quadro de Pessoal Realocar pessoal em disponibilidade Entrevista com os Diretores dos Componentes Organizacionais Fechamento do Quadro Ideal de cada Componente Organizacional VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Promover o levantamento de pessoal à disposição Análise do perfil do cargo e do profissional com as características do local de solicitação Rever políticas de cessão, licenças e contratações de pessoal na UERJ Elaborar proposta de Concurso Público Promover o acompanhamento dos servidores remanejados Elencar todos os casos de cessão, licenças e contratação de pessoal Analisar caso a caso, verificando o tempo de cessão e licenças Analisar Atos e Normas de concessão de licenças e cessão Analisar a necessidade de pessoal juntamente com o número de vagas existentes Promover a saúde e a segurança do trabalhador Implementar Programas de promoção da saúde Elaborar Edital de Concurso Encaminhar para aprovação em Instância Superior Verificação de dotação orçamentária Implementar os programas existentes Implantar os projetos em elaboração Desenvolver os projetos de novas demandas Implementar Programas de prevenção de riscos ocupacionais Definição das áreas de atuação, por mapeamento dos agentes de risco nas Unidades da UERJ Avaliação quantitativa da exposição dos trabalhadores aos agentes de risco identificados Implantar Programas de Biossegurança Implantação de medidas de prevenção e controle com aquisição de equipamentos de proteção individual e coletiva Qualificação do servidor para medidas de preservação implantadas Revisão periódica para avaliação das medidas implementadas Mapeamento das áreas com exposição aos riscos biológicos Avaliação das medidas de controle ocupacional Implantação do programa de vacinação Implantação dos projetos de segurança biológica Capacitação do servidor para biossegurança Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Instalar o conjunto de extintores de todas as edificações da UERJ Reapropiar a Rede de Hidrantes Inspeções Periódicas Recarga Teste Hidrostático Aquisição de equipamentos Manutenção da sinalização de segurança Levantamento da atual rede de canalização das edificações Adequação do projeto contra incêndio e pânico do CBIO com aprovação do CBMERJ

12 - DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Reestruturar o Sistema de Prevenção a Incêndio Reapropiar a Rede de Hidrantes VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Execução das obras necessárias para recuperação da rede nas edificações Execução da rede de incêndio do HUPE Aquisição dos equipamentos e sinalização das caixas de incêndio Inspeções periódicas de manutenção necessária Valorizar as aptidões dos servidores Capacitar e reciclar pessoas para a Brigada de Incêndio Realização de Eventos com toda a SRH Identificar as habilidades individuais Treinamento Interno Treinamento Externo Reciclagem Definir cronograma de atividades Ampla divulgação e sensibilização para participação nos eventos Realização de eventos Constituição de Comissão Levantamento das habilidades dos servidores Seleção e classificação das habilidades Adequação e/ou promoção de eventos e projetos com a participação dos servidores identificados Identificar as necessidades de capacitação de pessoal Levantar as necessidades junto aos Componentes Organizacionais Elaborar formulário de levantamento de necessidade de capacitação de pessoal Encaminhar formulário de levantamento de necessidade de capacitação para os Componentes Organizacionais Fazer contato com os Componentes Organizacionais para acompanhamento do preenchimento dos formulários de levantamento Estudar condições para viabilização da capacitação Analisar os dados obtidos Definir prioridades Verificar formas de atendimento às demandas Recebimento dos formulários de necessidade de capacitação de pessoal dos Componentes Organizacionais Análise das solicitações verificando as justificativas apresentadas Elencar as solicitações aprovadas Definir critérios para elencar as prioridades de atendimento aos pedidos de capacitação Elencar as prioridades de atendimento Respostas aos diversos componentes organizacionais Realizar levantamento e cadastramento das instituições e instrutores internos e externos que oferecem atividades de capacitação aprovadas Definir Instituições e Eventos que atendam à demanda Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos Relacionar cursos e preço dos mesmos para verificação de orçamento necessário Contatar as instituições relacionadas, analisando cursos, congressos, seminários e verificando seus respectivos custos Contatar unidades internas para verificação de cursos, congressos, seminários e vagas disponíveis Contatar Instrutores Verificar disponibilidade de orçamento Estabelecer critérios para a participação de servidores como instrutores Inscrição de servidores aptos para ministrar cursos

13 - DETALHE TEMAS ESTRATÉGICOS AÇÕES ETAPAS Estudar condições para viabilização da capacitação Ampliar os Programas de capacitação existentes e implantar os novos programas Definir critérios para atendimento à demanda com instrutores internos Elaborar Cronograma para os anos de 2008 a VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE VALOR FONTE Analisar e selecionar os servidores que poderão atuar como instrutores Contatar servidores selecionados Verificar período de execução dos cursos e eventos, selecionados de acordo com a definição de prioridades Elaboração de cronograma de atendimento às solicitações dos Componentes Organizacionais Divulgar os Programas Solicitação de verba para cursos externos, internos e instrutores Elaboração e produção de material de divulgação Implementar o estudo de Normas e Atos através de Comissão de Normatização Atuar em consonância com os órgãos reguladores e fiscalizadores Criar melhores condições de trabalho Realizar os diversos Programas dentro do cronograma proposto Estudar as Normas e Atos vigentes Propor atualização da regulamentação vigente e criação da necessária Ampliar canais de comunicação com órgãos do Estado para estreitar vínculos Redimensionar a infra-estrutura da SRH Revisar as rotinas de trabalho Avaliar equipamentos e mobiliário Encaminhamento de material de divulgação para os Componentes Organizacionais Inscrição dos servidores nos cursos divulgados Relacionar os cursos já existentes Promover divulgação entre os Componentes Organizacionais Inscrições dos interessados Contatar unidades internas e instituições externas e instrutores Elaboração do Programa e material didático para eventos Convocação da Comissão de Normatização Reavaliação dos trabalhos da Comissão de Normatização Continuidade da análise da legislação Elaboração de minutas de atos e normas de acordo com estudos da Comissão Encaminhamento de minutas para superior apreciação Contatar os responsáveis pela área de RH nos diversos órgãos Propor reuniões periódicas para análise e orientação quanto às normas Divulgar os resultados das reuniões na SRH Adequar ou criar rotinas, diante das novas orientações Avaliação das estruturas física e funcional da SRH Relacionar as alterações necessárias Elaboração das propostas das novas estruturas física e organizacional Implantação e manutenção da nova estrutura física Implantação da nova estrutura organizacional Promover discussões entre os diversos setores da SRH Analisar fluxo das rotinas Elaborar fluxograma ideal Análise quantitativa e qualitativa dos equipamentos e mobiliário existentes Descartar o material inservível Propor aquisições Adquirir o material proposto

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CEPUERJ CENTRO DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MISSÃO DA UNIDADE: Fomentar a atividade acadêmica, promover o intercâmbio da Universidade com órgãos públicos, empresas privadas e

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA. CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA DE MONITORIA CAPÍTULO I Do Conceito de Monitoria Art. 1º - Entende-se por Monitoria, uma modalidade de ensino e aprendizagem que contribui para a formação integrada

Leia mais

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa.

TEMA ESTRATÉGICO 3: Garantir apoio técnico necessário ao funcionamento pleno das atividades, tanto de graduação quanto de pesquisa. CTC - CENTRO DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS MISSÃO DA UNIDADE: O Centro de Tecnologia e Ciências tem seu objetivo maior consubstanciado nos objetivos gerais de Ensino, Pesquisa e Extensão. No que tange ao objetivo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 108 PROGRAMA Nº- 108 AMPLIAÇÃO DO PROJETO VOLTA REDONDA CIDADE DA MÚSICA SUB-FUNÇÃO: 361 ENSINO FUNDAMENTAL Proporcionar aos alunos da Rede Pública Municipal de Volta Redonda atividades musicais diversas nos

Leia mais

Treinamento TRABALHO

Treinamento TRABALHO TÍTULO Portaria DO de Treinamento TRABALHO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE RECURSOS HUMANOS GRUPO TÉCNICO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS Estabelece Diretrizes para

Leia mais

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos.

PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. PORTARIA Nº 2.164, 30 de Setembro de 2011 Aprova o Regimento Interno da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos. O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições que lhes

Leia mais

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE)

Missão. Visão. Objetivos Estratégicos (OE) Identidade Organizacional - Acesso à informação - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos R O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é uma autarquia

Leia mais

PLANO DE AÇÃO

PLANO DE AÇÃO INSTITUTO FLORENCE DE ENSINO SUPERIOR COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PLANO DE AÇÃO 2016-207 São Luís 2016 1 INTRODUÇÃO O plano de ações da CPA define os rumos dos trabalhos que serão desenvolvidas pela

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08)

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (OFICINA 08) Oficina 07 Política de Meio Ambiente, Segurança e Saúde no Trabalho Objetivos, Metas e Programas 4.2 Política de SSTMA A Alta Administração

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

CARGO E REQUISITO DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA

CARGO E REQUISITO DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA CARGO E REQUISITO Advogado Completo em Direito com inscrição na OAB DESCRIÇÃO DOS CARGOS DE CARREIRA Representar e defender judicialmente e extra judicialmente a Fundação. Analisar e elaborar pareceres

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Institucional

Plano de Desenvolvimento Institucional Plano de Desenvolvimento Institucional Âmbito de atuação Missão Visão Elementos Duráveis Princípios Elementos Mutáveis (periodicamente) Análise Ambiental Objetivos Estratégicos Metas Planos de Ação PDI

Leia mais

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA

MANUAL DE PESSOAL CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA 1 MÓDULO 20: SEGURANÇA NO TRABALHO CAPÍTULO 2: CONSTITUIR COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES CIPA ANEXOS: 1 Fluxo do Subprocesso Constituir Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA 2 Formulário

Leia mais

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS

OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS OBJETIVOS E INDICADORES ESTRATÉGICOS PERSPECTIVA: TRE/RN e Sociedade Objetivo 1: Primar pela satisfação do cliente de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) Descritivo: Conhecer e ouvir o cliente

Leia mais

Consultoria de Suporte para Implantação do esocial. Pag. 1

Consultoria de Suporte para Implantação do esocial.  Pag. 1 Consultoria de Suporte para Implantação do esocial www.vegatech.com.br Pag. 1 O que é o esocial? Pag. 2 Prazos para implantação do esocial 2016 Julho de 2018 Janeiro de 2018 Pag. 3 esocial Nossos Diferenciais

Leia mais

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada

Hospital de Clínicas da UFTM. Macroproblema 1: falta de gestão adequada Hospital de Clínicas da UFTM Macroproblema 1: falta de gestão adequada 2016 MP1. Falta de gestão adequada NC1. Falta de um projeto de comunicação interna NC2. Falta de fluxos e rotinas administrativas

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI

Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina Saúde Indígena Convênios SPDM-MS/SESAI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 008/2017 SESMT SÃO PAULO A SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, entidade sem fins lucrativos, inscrita no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica

Leia mais

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo

FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo FEDERAÇÃO ESPÍRITA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO A FEEES e o Movimento Espírita do Estado do Espírito Santo A Federação Espírita do Espírito Santo, fundada em 1921, é constituída pelo Conselho Estadual e

Leia mais

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015

Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 Superintendência do Espaço Físico Diretrizes Orçamentárias para 2015 1. Recursos SEF 1.1. Custeio - Dotação Básica - Manutenção e Reposição de Equipamentos de Informática - Treinamento de Recursos Humanos

Leia mais

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU

I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA VETERINÁRIA/CNRMS/MEC ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU I FORUM BRASILEIRO DOS COORDENADORES DE PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA EM MEDICINA ESTRUTURA E FUNÇÕES DA COREMU Profa. Gilcinéa de Cássia Santana Coordenadora da COREMU/UFMG COREMU RESOLUÇÃO Nº 2, DE 4 DE MAIO

Leia mais

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS

Faculdade Processus REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS REGULAMENTO DO PROJETO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE PROCESSUS Dispõe sobre a oferta de atividades de Monitoria no curso de graduação da Faculdade Processus e dá outras providências.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão

ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO. 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão ORIENTAÇÕES SOBRE PROCEDIMENTOS EM EDITAIS 1 Edital Institucional de Extensão Pró-reitoria de Extensão a. Abertura de processo com o protocolo de documento oficial (memorando) encaminhado ao Gabinete contendo

Leia mais

Apresentação Processo Seletivo

Apresentação Processo Seletivo Apresentação A SofTeam Empresa Júnior de Computação, uma organização constituída e gerida pelos alunos do Departamento de Computação da Universidade Federal de Sergipe, tem a enorme satisfação de anunciar

Leia mais

PDI IFCE/PRPI

PDI IFCE/PRPI PDI 2014-2019 IFCE/PRPI Perspectiva dos Clientes da PRPI Expansão e consolidação da pesquisa científica e tecnológica Captação de recursos externos para Pesquisa e Inovação Cronograma de Metas 01 R$ 34.000.000,00

Leia mais

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP NOVEMBRO 2010 Propostas de MISSÃO para a Gestão de Pessoas da USP Criar condições para o engajamento pessoal e profissional dos servidores

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2016 Ensino Técnico Plano de Curso n.º 206 aprovado pela portaria Cetec nº 733 de 10/09/2015 Etec PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão de

Leia mais

Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO

Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO Planilha1 9. ADOTAR O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COMO INSTRUMENTO DE DESENVOLVIMENTO Indicador: Índice de atingimento das metas propostas Meta: primeira medição Ano: 215 Gerenciamento do UG Responsável:

Leia mais

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando.

1.5. O candidato deverá indicar, no ato da inscrição, a área a qual está se candidatando. EDITAL Nº 004/2017 SELEÇÃO DE MEMBROS DA COMISSÃO PROVISÓRIA DE ASSESSORIA DO ENADE DA FATENE Edital de Seleção de membros que constituirão a Comissão Provisória de Assessoria preparatória para o Exame

Leia mais

NOTA TÉCNICA 11 /2012

NOTA TÉCNICA 11 /2012 Proposta de Portaria que define os critérios para custeio das Unidades Básicas de Saúde Fluviais preexistentes ao Programa de Construção de Unidades Básicas de Saúde Fluviais (UBSF). Brasília, 04 de junho

Leia mais

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS Faculdade de Tecnologia SENAC GO Gestão de Pessoas Professor: Itair Pereira da Silva Grupo: Luís Miguel Nogueira de Resende, Valdivino de Carvalho, Rodrigo Neres Magalhães e Venicyus Venceslencio da Paz.

Leia mais

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO

FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO FLUXO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAÇÕES ESPECÍFICAS PARA PROGRAMAS/ PROJETOS COM FINANCIAMENTO EXTERNO 1. OBJETO Contratação de Serviço Terceiro Pessoa Física para os seguintes projetos/programas: -Projetos,

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA 001/2016 PARA SELEÇÃO DE SUPERVISORES MÉDICOS PARA O PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA (PROVAB) COORDENADO PELO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DA CIPA Gestão 2015 / 2016

PLANO DE TRABALHO DA CIPA Gestão 2015 / 2016 PLANO DE TRABALHO DA CIPA Gestão 2015 / 2016 1. INTRODUÇÃO A Faculdade de Medicina Veterinária/UNESP Câmpus de Araçatuba, é uma instituição que possui como principais atividades: o Ensino e a Pesquisa.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Segurança

Leia mais

Projeto de Revisão do PDI Comitê Permanente de Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional

Projeto de Revisão do PDI Comitê Permanente de Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Projeto de Revisão do PDI 2015-2019 Comitê Permanente de Acompanhamento do Desenvolvimento Institucional Dezembro/2015 Sumário 1 Introdução...2 2 Revisão do Capítulo 3: Planejamento Estratégico...4 2.1

Leia mais

REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNI-BH) CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA - CENEP EDITAL Nº 02/2012

REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNI-BH) CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA - CENEP EDITAL Nº 02/2012 REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNI-BH) CENTRO DE EXTENSÃO E PESQUISA - CENEP EDITAL Nº 02/2012 Seleção de Bolsistas e voluntários para a Escola da Maturidade UniBH O Reitor do Centro

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário

PLANO DE AÇÃO - PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Data: 30/03/2015 Rev.: 04. Ação Quem faz Por que faz Como faz Quanto ($) Prazo Status Comentário Data: 3/3/ Rev.: 4 1 Contratação de empresa realização de serviços limpeza de caixa SAO Para evitar transbordamento/cont aminação Contratação - licitação 2 de CFTV Monitoramento e vigilância Contratado

Leia mais

REALIZAR AÇÕES DE ERGONOMIA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Renata Mendes da Silva. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

REALIZAR AÇÕES DE ERGONOMIA HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Renata Mendes da Silva. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação REALIZAR AÇÕES DE ERGONOMIA HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão Inicial 11/09/2012 01 05/06/2013 02 Alteração dos itens: 6.1; 6.34; Inclusão de atividades no item 6 (do 6.19

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16.

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Esportes e Lazer. Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº /06, nº /06 e nº 16. - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Esportes e Lazer Leis nº 6.529/05 e nº 6.551/06, Decretos nº 12.660/06, nº 12.979/06 e nº 16.385/15 I - Secretaria Executiva: - auxiliar e assessorar o Secretário Municipal

Leia mais

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que?

EIXO 1 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e Avaliação Institucional* Título da Ação (o que? ANEXO 2 PLANO DE AÇÃO COMISSÃO SETORIAL DE AVALIAÇÃO CCSH Questão Geral 1.1 Como você percebe a utilização dos resultados da autoavaliação como subsídio à revisão, proposição e implementação das ações

Leia mais

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010.

Gestão por Competências na Polícia Federal. Brasília, 17 de Junho de 2010. Gestão por Competências na Polícia Federal Brasília, 17 de Junho de 2010. Planejamento Estratégico Competências Organizacionais Fatores Críticos de Sucesso Corporativo Políticas Corporativas Competências

Leia mais

PROPOSTA DE TREINAMENTO IN COMPANY

PROPOSTA DE TREINAMENTO IN COMPANY DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS PROPOSTA DE TREINAMENTO IN COMPANY Curso: Cursos de Desenvolvimento de Servidores Treinamento: Legislação pessoal aplicada ao

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE

PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE PLANO DE AÇÃO 2016 NÚCLEO DE SAÚDE 1 FORMULÁRIO 1 - PLANO DE AÇÃO 2016 Durante a discussão da Proposta Orçamentária e Diretrizes para o Plano de Ação 2016 no CONSAD foi recomendado a explicitação dos objetivos

Leia mais

PROCESSO SELETIVO CALCULUS

PROCESSO SELETIVO CALCULUS PROCESSO SELETIVO CALCULUS 2012.2 O processo seletivo ocorrerá no início dos semestres letivos da uneb. Nele, baseamo-nos em um perfil previamente estipulado, que seria o perfil do membro efetivo da Calculus.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República.

Ouvidoria - Geral da União. Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Ouvidoria - Geral da União Objetivo 6. Produzir informações estratégicas para subsidiar as tomadas de decisões do Presidente da República. Produzir dados quantitativos e qualitativos acerca da satisfação

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA

ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ORGANOGRAMA ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DAS ATIVIDADES ESTÁGIOSUPERVISIONADO INTEGRADO AO TRABALHO DE CURSO Colegiado: -Validar o

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Jeferson Seidler

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES. Jeferson Seidler CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES Objetivo A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar

Leia mais

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto

Projeto: PROJ-02 Inventário. Termo de Abertura do Projeto Inventário 2014 Termo de Abertura do Projeto 1 Aprovação do projeto Elaborado por Responsável Data Assinatura Vanessa Godoy Kinoshita Aprovado por Responsável Data Assinatura David Dutkievicz 2 1. Dados

Leia mais

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI

POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL DOS FUNDOS E CARTEIRAS GERIDOS PELO SICREDI Versão: outubro/2016 1. OBJETIVO Em concordância com as diretrizes da Política de Gerenciamento de Riscos dos Fundos e Carteiras

Leia mais

RH 01 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL CÓPIA CONTROLADA Nº: 02

RH 01 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL CÓPIA CONTROLADA Nº: 02 ESCALA CONSTRUÇÕES E EMPREENDIMENTOS LTDA. PROCEDIMENTO OPERACIONAL DE RECURSOS HUMANOS RH 01 RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL NBR ISO 9001:2008 e PBQP-H ALTERADO E FORMATADO POR: Danielle Cristina Vergílio

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES

CLUBE DE EMPREGO SOCIOHABITAFUNCHAL PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2010 2011 Identificação Entidade: Sociohabitafunchal, E.M Animadora: Célia Dantas Localização: Centro Cívico de Santo António Designação O Clube de Emprego é um serviço promovido pelo

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Página 1 de 6 RESOLUÇÃO CFN Nº 529 de 24 DE NOVEMBRO DE 2013 Aprova o regulamento sobre a Política Nacional de Comunicação (PNC) no âmbito do Sistema CFN/CRN e dá outras providências. O Conselho Federal

Leia mais

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO

TERMO DE ABERTURA DO PROJETO 1 Nome do Projeto 2 Código Projeto Fiscalização do Exercício e Atividade Profissional 3 Coordenador(a) 4 Tipo de Projeto João Augusto de Lima Estratégico 5 Gestor(a) 6 Programa Igor de Mendonça Fernandes

Leia mais

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº

- REGIMENTO INTERNO. Secretaria de Comunicação. Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº /06 e Nº - REGIMENTO INTERNO Secretaria de Comunicação Leis Nº 6.529/05 e Nº 6.551/06, Decretos Nº 12.659/06 e Nº 15.052 I - Secretaria Executiva: - assessorar o Secretário Municipal no exercício de suas atribuições;

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV)

COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO IMIP (CV) COMISSÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL AO USUÁRIO EM SITUAÇÃO DE VIOLÊNCIA DO (CV) CAPÍTULO I DA FINALIDADE DA CV - Art. 1º - A CV -, tem por finalidade: Adotar uma política institucional de atenção aos usuários

Leia mais

METAS DE SUSTENTABILIDADE 2017

METAS DE SUSTENTABILIDADE 2017 METAS DE SUSTENTABILIDADE 2017 Marketing Criar calendário de divulgação de temas específicos (Plano de Comunicação); Ajustar site para deficientes; visuais; In In company Viabilizar um workshop sobre os

Leia mais

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO

CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO CURSO: CST EM SEGURANÇA DO TRABALHO OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais Formar profissionais com conhecimentos teóricos e práticos, críticos e reflexivos capazes de desenvolver e implementar projetos de

Leia mais

Edital DGEP nº 17/2016, de 25 de abril de 2016

Edital DGEP nº 17/2016, de 25 de abril de 2016 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO SELETIVO DE INSTRUTORES INTERNOS PARA AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

A extensão e ação comunitária é o canal aberto para a interação do ensino e da pesquisa com a sociedade, estimulando a formação profissional cidadã.

A extensão e ação comunitária é o canal aberto para a interação do ensino e da pesquisa com a sociedade, estimulando a formação profissional cidadã. EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS DE ATIVIDADES DE EXTENSÃO E DE AÇÃO COMUNITÁRIA PARA 2010 A UNIVERSIDADE POTIGUAR, mantida pela APEC - Sociedade Potiguar de Educação e Cultura S.A., com sede em Natal/RN,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS COORDENAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MANUAL DE MONITORIA

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E LETRAS COORDENAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO MANUAL DE MONITORIA MANUAL DE MONITORIA A Coordenação de Ensino, Pesquisa e Extensão da Faculdade FACEL acredita na importância do processo de monitoria para o desenvolvimento dos acadêmicos, desta forma estabeleceu uma normatização

Leia mais

2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE

2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA 2ª RAE DO PLANO DE GESTÃO DA CORREGEDORIA GERAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE JUNHO DE 2013 PERSPECTIVA Processos Internos TEMA

Leia mais

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos.

XXXXXXX. Todos os técnicos responsáveis pelas atividades de inspeção em indústrias de medicamentos. NOME DO X 1/6 // 1 INTRODUÇÃO O passo seguinte à aprovação de um documento do sistema de qualidade, para que ele possa realmente se tornar efetivo, é o treinamento de todos os envolvidos na execução das

Leia mais

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação

II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação II FÓRUM CPA Comissão Própria da Avaliação 25 de maio de 2016 EIXO 1: PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Dimensão 8: Planejamento e avaliação Fragilidades Melhorar as reuniões da CPA e reestruturar

Leia mais

Plano Estratégico da OISC/CPLP Plano Anual de Trabalho 2014

Plano Estratégico da OISC/CPLP Plano Anual de Trabalho 2014 Plano Estratégico da OISC/CPLP 2011-2016 Plano Anual de Trabalho 2014 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação,

Leia mais

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS:

Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Edital VC 002/2011 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA APRESENTAÇÃO DE CURRÍCULOS DE CANDIDATOS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS: Modalidade Produto Área de Ciências Humanas e Direitos Humanos SELECIONA CURRÍCULOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 18 DE 16 DE JUNHO DE 2010. Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 26/02/2016 08:59:26 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 18, DE 16 DE JUNHO DE 2010 Altera a Resolução CD/FNDE nº 36, de 13 de julho de 2009, que estabelece

Leia mais

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir

- TCP auditoria e/ou VIC. 2. Realizar estágio no TCU/Brasil. - TCU/Brasil estágio em área a definir Plano Estratégico da OISC/CPLP 2011-2016 Plano Anual de Trabalho 2015 Objetivo Estratégico 1: Desenvolver competências essenciais ao bom funcionamento das Instituições Estratégias a,b e c: capacitação,

Leia mais

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558

Manual de Regras, Procedimentos e Controles Internos Instrução CVM 558 1. Objetivo A administração de carteiras de valores mobiliários é o exercício profissional de atividades relacionadas, direta ou indiretamente, ao funcionamento, à manutenção e à gestão de uma carteira

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF)

CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) CAPACITAÇÃO DE AGENTES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE CONTROLE SOCIAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA (PBF) ROTEIRO DE RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE CURSO (RCC) 1. OBJETIVO Promover a

Leia mais

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A.

ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. ITAÚ UNIBANCO HOLDING S.A. CNPJ 60.872.504/0001-23 Companhia Aberta NIRE 35300010230 RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO GESTÃO INTEGRADA DE RISCO OPERACIONAL, CONTROLES INTERNOS E COMPLIANCE Objetivo Este documento

Leia mais

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA

VOTO CONSU de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA VOTO CONSU 2012-04 de 26/04/2012 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Programa de Monitoria do Centro Universitário Adventista de São Paulo UNASP é um programa

Leia mais

25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance.

25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance. Diretrizes do Comitê de Compliance Par Mais Alterado em: Responsável: Modificações: 25/08/2016 Guilherme Alano Criação das diretrizes do Comitê de Compliance. 21/03/2017 Karoline Silva Atualização da Ata

Leia mais

Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC nas Ações Afirmativas PIBIC-AF/CNPq 2017/2018

Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC nas Ações Afirmativas PIBIC-AF/CNPq 2017/2018 Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC nas Ações Afirmativas PIBIC-AF/CNPq 2017/2018 (Resolução Normativa 017/2006-CNPq) A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE NÚCLEO DE EMPREENDEDORISMO EDITAL Nº 01, 10 DE MARÇO DE 2017 SELEÇÃO PARA BOLSISTAS O Núcleo de Empreendedorismo da Universidade Federal de Sergipe EMPREENDER UFS, torna público a chamada para a seleção de alunos que desejam participar

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO

PROPOSTA DE MELHORIA OBJETIVO Secretaria de Estado de Gestão e Planejamento / SEGPLAN Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado de Goiás / SEMARH PROCESSO 002 Outorga de Direito de Uso dos Recursos Hídricos Sob Domínio

Leia mais

Acompanhamento do Planejamento

Acompanhamento do Planejamento MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ENSINO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PROPLAN Acompanhamento do Planejamento A

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL I. INTRODUÇÃO: O Risco Operacional pode ser entendido como a possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de falhas, deficiência ou inadequação de processos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO (CEPE) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS - UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 37130-00 Alfenas - MG RESOLUÇÃO Nº 40/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010, DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV PROC002 Processo de Emissão de Certidão de Tempo de Contribuição PROPOSTA DE MELHORIA

GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV PROC002 Processo de Emissão de Certidão de Tempo de Contribuição PROPOSTA DE MELHORIA GOIÁS PREVIDÊNCIA - GOIASPREV PROC002 Processo de Emissão de Certidão de Tempo de Contribuição PROPOSTA DE MELHORIA FINALIDADE DO PROCESSO: Emitir Certidão de Tempo de Contribuição a fim de certificar

Leia mais

Giselle Bianca Tófoli

Giselle Bianca Tófoli CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde IMPLANTAÇÃO DE MAPA DE RISCOS E SENSIBILIZAÇÃO DAS EQUIPES DE ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE TIRADENTES - MG

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015)

Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Edital PROGRAD nº 26, de 14 de julho de 2014 Chamada para o Programa de Iniciação à Docência (PID-2015) Com base na Resolução 35/2011 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão, que estabelece as Normas

Leia mais

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda

Governança em TI na UFF. Modelo de Gestão da STI. Henrique Uzêda Governança em TI na UFF Modelo de Gestão da STI Henrique Uzêda henrique@sti.uff.br 2011-2013 Universidade Federal Fluminense 122 cursos de graduação e 359 de pós-graduação ~ 45.000 alunos de graduação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES SUBSTITUTOS E/OU TEMPORÁRIOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES SUBSTITUTOS E/OU TEMPORÁRIOS MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA CONTRATAÇÃO DE PROFESSORES SUBSTITUTOS E/OU TEMPORÁRIOS CAMPUS MATÃO 2016 1 OBJETIVOS 2 DEFINIÇÃO 3 CONTRATAÇÃO 4 DIREITOS E BENEFÍCIOS 5 RESCISÃO DO CONTRATO 6 LEGISLAÇAO

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED

Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED Perspectivas de reestruturação do Ensino Médio no Brasil: a visão do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação CONSED JULIO GREGÓRIO FILHO SECRETARIO DE EDUCAÇÃO DF Como o CONSED vem atuando

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE DOCENTE PARA O CURSO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE DOCENTE PARA O CURSO COORDENAÇÃO DO CURSO DE: SERVIÇO SOCIAL UNIDADE: FACULDADE UNINASSAU SÃO LUÍS A Faculdade Uninassau, sediada em São Luís faz saber a todos os interessados, que estão abertas as inscrições ao processo seletivo,

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2016 COMP JÚNIOR

PROCESSO SELETIVO 2016 COMP JÚNIOR Edital nº 005/2016 PROCESSO SELETIVO 2016 COMP JÚNIOR A Comp Júnior, empresa júnior de computação da Universidade Federal de Lavras, torna público o edital de abertura do Processo Seletivo 2016 para trainee

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO Faculdade de Enfermagem Luiza de Marillac 2 TÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS Artigo 1º - Os Cursos da FELM mantém estágios curriculares supervisionados que se constituem

Leia mais

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00

Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Armazenagem Responsável Sistema de Gestão Outubro 2016 rev. 00 Brasil: uma vocação natural para a indústria química País rico em petróleo, gás, biodiversidade, minerais e terras raras Objetivo Desenvolver

Leia mais