PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE IMAGEM E SOM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE IMAGEM E SOM"

Transcrição

1 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE IMAGEM E SOM

2 ÍNDICE I. PERFIL DO ALUNO...p. 3 II. GRUPOS DE CONHECIMENTO: CONTEÚDOS E DISCIPLINAS...p. 11 III. TRATAMENTO METODOLÓGICO, PRINCÍPIOS DE AVALIAÇÃO, FORMAS DE ARTICULAÇÃO DAS DISCIPLINAS E TRABALHOS COMPLEMENTARES...p. 22 IV. TABELAS...p. 29

3 I. PERFIL DO ALUNO As questões que permeiam a reformulação curricular do Curso de Imagem e Som da UFSCar refletem, indiscutivelmente, carências em seu projeto inicial no que diz respeito às diretrizes que o embasam visando à formação de profissionais para trabalhar na produção audiovisual propriamente dita ou nos campos do ensino, da pesquisa e da memória do audiovisual. Hoje, cada vez mais, os processos de mudanças sociais, tecnológicas e midiáticas e suas interfaces articulam no campo da comunicação uma nova vivência, transmissão e pesquisa do conhecimento. O Conselho do Curso de Imagem e Som desta universidade, imbuído da responsabilidade de conduzir o projeto da área de Comunicação Social, habilitação Produção Audiovisual, preocupado com a relação entre universidade e sociedade e suas inter-relações com os diversos níveis de demandas técnicas, científicas e sociais, ao refletir sobre o projeto de reformulação curricular e sua inserção social, dimensiona uma concepção que, a partir das novas diretrizes curriculares, propõe sólida formação geral além de formação profissional racional, crítica, atualizada e projetiva. O perfil do aluno buscado pelo curso parte da constatação de que hoje se faz necessário para o profissional da área audiovisual não apenas a base

4 geral de formação no campo audiovisual, mas também o mínimo de especialização em alguma das suas áreas fundamentais, a saber: Produção, Roteiro, Direção, Fotografia, Som, Montagem, Hipermídia e Pesquisa. No currículo atualmente em vigor o estudante tem formação generalista, mas não tem a possibilidade de aprofundamento efetivo em nenhuma área. No Relatório da Comissão de Avaliação do MEC composta pelos profs. Lúcia Gouvêa Pimentel (UFMG) presidente, Andréa Mota Bezerra de Melo (Universidade Potiguar) membro, Antônio Cláudio Brasil Gonçalves (UERJ) membro e Tae Cássio Galli Sanchez técnico da delegacia regional do MEC avalia-se como necessária a reformulação curricular, sugerida nas considerações finais, pois segundo este documento o currículo antigo é amplo e sem definição de uma linha diretiva do curso, bem como sua proposta pedagógica, que, por não ter uma linha clara, ficou à mercê da flutuação da possibilidade de contratação de professores disponíveis mais do que às necessidades reais do curso. Isto também foi possível pelo caráter generalista do mesmo. Foi a preocupação com a especialização que levou cursos importantes como o da FÉMIS (França), da EICTVT (Cuba) e da ECA-USP (Brasil) a substanciais mudanças em seus currículos desde meados dos anos de

5 1990, conforme se pode notar pela simples análise da grade curricular destas instituições. A necessidade de especialização decorre da extensa gama dos conhecimentos necessários para cada área da atividade audiovisual, da renovação permanente da tecnologia neste campo e das exigências do mercado de trabalho altamente competitivo. Atualmente, mesmo na produção dita independente, dificilmente um profissional arvora-se a exercer várias atividades ao mesmo tempo, e não se tenha dúvida que a tão reconhecida quanto festejada qualidade técnica e estética da televisão e do cinema brasileiros contemporâneos decorrem diretamente da divisão clara das áreas de trabalho, afinal, produtores, fotógrafos ou pesquisadores têm características bastante diferentes em termos de capacitação teórica / técnica, atuação profissional e de inserção no mercado. A falta de especialização compromete diretamente a inserção do egresso seja na área prática seja na da pesquisa, pois o aluno termina o curso muitas vezes somente com conhecimentos por demais generalistas nos vários segmentos da atividade audiovisual. O novo currículo pretende ainda facilitar o diálogo do curso de Imagem e Som da UFSCar com outros cursos da mesma área do país e do estrangeiro, colocando-o num padrão semelhante de pedagogia do ensino

6 audiovisual, atualmente totalmente díspare pelos motivos já indicados. Tal necessidade já foi diagnosticada pela ampla análise dos alunos egressos reproduzida no Relatório de Avaliação do Curso do PAIUB. Pretende-se ainda corrigir alguns problemas como a excessiva separação entre as disciplinas teóricas e práticas que não possuem efetiva imbricação, repetição dos mesmos conteúdos em várias disciplinas, distribuição atabalhoada na grade curricular de várias disciplinas acarretando descontinuidade na apresentação dos conteúdos, falta de coordenação entre as disciplinas oferecidas e pouca ênfase na formação humanística geral. Alertas no sentido de evitar o excessivo enclausuramento do estudante numa única área da atividade, o que é ruim tanto do ponto de vista da formação humanística, da compreensão da atividade de forma mais ampla e mesmo para instrumentalizar o aluno de forma mínima para atuar em outros campos do audiovisual caso assim o venha a desejar, esta proposta curricular prevê formação básica comum em todas áreasao coletivo dos alunos do curso e cuja extensão é de quatro semestres. Destarte, as especializações ocorrem nos quatro semestres seguintes, completando uma formação equilibrada do profissional, que acreditamos estará pronto para atuar: na produção audiovisual realizada nos suportes tradicionais como a película ou a fita magnética seja no cinema, televisão ou vídeo independente; no campo das

7 Novas Tecnologias da Comunicação incluindo aí suportes digitais, CD- ROMs e páginas na Internet -; nos ramos da distribuição e da exibição do audiovisual seja em salas comerciais ou de arte, em canais de TV abertos ou fechados; no ensino e na pesquisa desenvolvidos nas escolas e universidades; nos centros de preservação como as cinematecas, os museus da imagem e do som e os centros de documentação privados ou estatais. Finalmente, pretende-se com o novo currículo uma formação que possibilite marcada atuação de teor crítico do egresso no seu campo profissional, quaisquer que seja ele na área do audiovisual: a grande emissora de televisão, a produtora de publicidade, a pequena produtora independente, a televisão pública, a produção independente de filmes e vídeos de quaisquer duração, os laboratórios de imagem e som, as distribuidoras de filme e/ou vídeo, as salas de exibição comerciais ou de arte, os cineclubes, os sites de internet, as empresas produtoras de conteúdo para cd-roms, o ensino, a pesquisa universitária, os centros de preservação como as cinematecas, etc. O teor crítico aqui indicado surge tanto da consciência de que além da chamada linguagem clássica, propagada sobretudo pela produção hollywoodiana ou pela televisão comercial, existem outras formas de expressão audiovisual constituídas ao longo da história como também pela atenção para com o domínio econômico exercido por grandes grupos no ramo do audiovisual.

8 Destarte, o profissional será capaz de, a partir da sua consciência crítica, influir na transformação da realidade do panorama audiovisual brasileiro, pois num país com tão grandes desigualdades é necessário tornar a produção mais democrática e instrumento efetivo de cidadania possibilitando a representação dos vários segmentos de classe, étnicos e regionais da nação, a ampliação da educação audiovisual aos segmentos mais pobres da nação e mesmo o acesso destes à realização audiovisual propriamente dita. Resumindo, o currículo do Curso de Imagem e Som empenha-se em fornecer aos discentes, futuros profissionais, por meio do currículo apresentado: a) aquisição dos conhecimentos gerais indispensáveis para entender e viver a realidade em que atuam; b) familiarização com os métodos intelectuais que asseguram a liberdade do indivíduo face às imposições e coações sociais; c) formação básica nas áreas centrais do audiovisual, a saber, Direção, Produção, Roteiro, Fotografia, Som, Montagem, Hipermídia e Pesquisa, de forma a familiarizá-lo com o processo do audiovisual como um todo; d) formação específica em alguma destas áreas de forma a preparar o estudante para o mercado de trabalho audiovisual contemporâneo, mercado este que para o egresso da UFSCar não se reduz ao interior de São Paulo, compondo-se ainda pela capital do Estado, o Rio de Janeiro e potencialmente pode se ampliar para outras cidades como Brasília, Curitiba, Porto Alegre e

9 Belo Horizonte; e) formação de teor crítico que permita a alteração do panorama audiovisual brasileiro e colabore nas transformações sociais tão exigidas pelos mais variados segmentos da sociedade brasileira. Note-se que no Relatório de Avaliação do Curso produzido pelo PAIUB, na sua página 45, listam-se as sugestões dos alunos egressos que são absolutamente harmônicas com a proposta aqui apresentada, pois para eles dever-se-ia: definir claramente a área de atuação do curso, comparar o curso com o de Audiovisual da ECA-USP, estruturar a grade curricular de forma que nos dois anos iniciais houvesse uma etapa de embasamento e nos dois finais uma etapa voltada para a especialização e, finalmente, maior interação do curso com o mercado audiovisual. Com efeito, não pode a universidade ignorar seu papel e deveres sociais, nem as realidades das profissões exercidas, potencial e efetivamente por seus egressos. Tão perigoso revela-se ignorá-las como se submeter cega e ingenuamente às suas exigências imediatas. Cabe, portanto, à Universidade, locus do conhecimento, ter uma visão projetiva-reflexiva da sociedade e principalmente do mercado de trabalho. Nessa perspectiva crítica e transformadora, tem como dever alargar o campo do conhecimento, cultivar a reflexão e a flexibilidade do espírito, com o intento de propiciar, via

10 experimentação, domínio e segurança dos formandos no trabalho profissional e preparação destes face às mudanças sociais e profissionais atuais e por vir. A perspectiva de estudo, ao mesmo tempo globalizante e concentradora, reflexiva e operacional, tem como objetivo contribuir para um olhar sistêmico da realidade e das profissões da comunicação, sempre impregnada de um saber fazer técnico e teórico numa inseparável junção e vivência mútua da teoria e prática. Assim, aliando à formação fundamental a formação tecnológica geral e especializada, o estudo das técnicas de expressão e a sensibilização à profissão trabalhados em experimentos em laboratórios, proporciona-se a futura adaptação do egresso às diversas formas da realidade fora da universidade. Desvela-se claramente, entre a técnica e a tecnologia à diferença entre o saber-fazer, que permite a prática dos métodos e procedimentos, e o conhecimento, que gera por sua vez seu entendimento e possibilita sua transformação. Há, sem sombra de dúvida, ao egresso do Curso de Imagem e Som da UFSCar, de possuir ambas.

11 II. GRUPOS DE CONHECIMENTO: CONTEÚDOS E DISCIPLINAS Optou-se por definir os grupos de conhecimento em quatro áreas: a) Linguagem e Significação; b) Cultura e Sociedade; c) Sistemas Tecnológicos; d) Organização e Método. Eles abarcam todas as possibilidades de organização do conhecimento audiovisual presentes em disciplinas existentes em diferentes cursos de capacitação, sejam de nível superior ou de nível técnico. A análise destes grupos deve ser feita horizontalmente nos diferentes perfis do curso, de modo que se configure a convivência de todos os quatro grupos de conhecimento dentro de um mesmo período, mas que suas diferentes proporções variem ao longo dos anos. Dessa forma é possível perceber a predominância do grupo de conhecimento Cultura e Sociedade nos perfis iniciais, depois a predominância do grupo de conhecimento Linguagem e Significação seguida pela predominância do grupo de conhecimento Sistemas Tecnológicos e, finalmente, total predominância do grupo de conhecimento Organização e Método nos últimos perfis do curso. É importante ressaltar que por mais que se intente classificar esta ou aquela disciplina dentro de um ou outro grupo de conhecimento, sempre haverá situações de interdisciplinaridade, principalmente ao se considerar que qualquer disciplina audiovisual tem de se reportar a questões de ordem

12 histórica, tecnológica, econômica ou de linguagem. Por exemplo, disciplinas como História do Audiovisual I, II e III, História do Audiovisual no Brasil I e II, Teoria do Audiovisual I e II e Teoria da Comunicação envolvem obrigatoriamente temas que perpassam história, sociologia, literatura, artes plásticas e filosofia para a compreensão mais abrangente das questões especificamente ligadas ao audiovisual. Todavia dentre todos os grupos de conhecimento, aquele que mais incorpora questões interdisciplinares é o de Organização e Método, pois tem como objeto o fazer audiovisual propriamente dito, em sua realidade econômico-social, lugar em que se dá a aplicação de todos os conhecimentos dos diferentes grupos. 1. Linguagem e Significação Grupo de conhecimento composto por disciplinas que tratam dos Sistemas de Linguagem característicos do campo audiovisual e de seus processos de construção da comunicação e expressão, como também por disciplinas que se constituem em ferramentas de análise dos processos de significação audiovisual.

13 DISCIPLINAS PERÍODO Oficina de Redação 1 Expressão Audiovisual I 1 Expressão Audiovisual II 2 Teoria do Audiovisual I 2 Teoria do Audiovisual II 3 Documentário 3 Introdução à Direção 4 Introdução ao Roteiro 4 Trilha Sonora 5 Direção I 5 Direção II 6 Roteiro I 5 Roteiro II 6 O grupo de conhecimento Linguagem e Significação caracteriza-se pelas condições em que se processam as informações dentro do discurso audiovisual. Esses conhecimentos podem ser de ordem analítica ou sintética. Do ponto de vista analítico devem ser considerados os conhecimentos que servem para a compreensão do significado dentro de uma obra audiovisual.

14 São disciplinas mais analíticas as Teorias do Audiovisual I e II que apresentam conceitos consagrados por diferentes e importantes pensadores desse campo. No âmbito da construção do discurso audiovisual o ponto de vista sintético compreende que a comunicação audiovisual tem origem em um processo de tradução da linguagem escrita para a linguagem audiovisual propriamente dita. Assim disciplinas fundamentalmente ligadas à linguagem escrita como Oficina de Redação, Introdução ao Roteiro, Roteiro I e II são basilares nessa atividade. A construção da obra audiovisual não se configura apenas como uma coleção de conhecimentos específicos a respeito da linguagem audiovisual, mas também pela aplicação criativa desses conhecimentos em atividades concretas de produção. Estes últimos são os motivos da inclusão das demais disciplinas relacionadas neste grupo, bem como de sua distribuição ao longo dos três primeiros anos de curso (1º ao 6º períodos). Será a partir do conhecimento a respeito da construção do significado em obras audiovisuais que será possível garantir aos estudantes o domínio do processo. 2. Cultura e Sociedade Grupo de conhecimento composto por disciplinas que permitem a compreensão das interações entre os processos comunicativos e expressivos

15 audiovisuais, a sociedade e a cultura, sejam de ordem histórica ou contemporânea. DISCIPLINAS PERÍODO Teoria da Comunicação 1 História do Audiovisual I 1 História do Audiovisual II 2 História do Audiovisual III 3 História do Audiovisual no 1 Brasil I História do Audiovisual no 2 Brasil II Na formação audiovisual, o lugar dos conhecimentos a respeito da cultura e da sociedade, é representado pelo conhecimento histórico. O realizador audiovisual enquanto agente cultural deve compreender seu papel histórico na sociedade para que possa tomar decisões que poderão afetar a vida de muitas pessoas. A introdução destas preocupações se dá na disciplina Teoria da Comunicação, onde são analisados conceitos gerais a respeito dos processos de comunicação social. As disciplinas História do Audiovisual I, II e III e História do Audiovisual no Brasil I e II visam dar ao aluno um

16 panorama da produção mundial e brasileira, de forma a esclarecer os múltiplos desenvolvimentos do audiovisual dos pontos de vista estético, econômico, tecnológico e ideológico. 3. Sistemas Tecnológicos Grupo de conhecimento composto por disciplinas que tratam da compreensão dos fundamentos técnicos e das habilidades necessárias à operacionalização dos diferentes sistemas tecnológicos envolvidos no processo de realização audiovisual. DISCIPLINAS Fundamentos da Tecnologia PERÍODO 1 Audiovisual Fotografia 2 Fotografia e Vídeo Digitais 3 Introdução à Montagem 4 Introdução à Cinematografia 4 Introdução ao Som 4 Introdução a Hipermídia 4 Som I 5 Som II 6

17 Montagem e Edição I 5 Montagem e Edição II 6 Direção de Fotografia I 5 Direção de Fotografia II 6 Hipermídia I 5 Hipermídia II 6 Animação 5 O processo de realização audiovisual pressupõe o conhecimento operacional a respeito dos equipamentos processadores de imagens e sons. A captação das imagens e sons configura-se como etapa inicial no processo de realização; posteriormente a organização dessas informações audiovisuais, dessa matéria prima, é a atividade que finalmente constrói a obra audiovisual. No âmbito da imagem os conhecimentos fotográficos são os pioneiros no âmbito da captação, seguidos pela imagem em movimento. Nesse sentido a estrutura curricular recapitula a própria origem histórica do processo. No âmbito da organização dessa matéria prima, ou seja, da produção do discurso audiovisual propriamente dito, duas linhagens básicas são observadas: a linear/não interativa e a não-linear/interativa. As duas linhagens são representadas respectivamente pelas disciplinas Introdução à Montagem e

18 Montagem e Edição I e II; e pelas disciplinas Introdução à Hipermídia e Hipermídia I e II. Na atualidade os processadores de sons e de imagens em movimentos são computadores capazes de integrar todas as atividades audiovisuais. É objetivo desta área a capacitação operacional para a utilização das câmeras de fotografia, vídeo e película, dos gravadores de áudio e vídeo, e dos computadores equipados com softwares de edição de vídeo, de criação de CDROMs, DVDs, Web Pages e animações. Em uma concepção na qual esses aparatos podem ser considerados como extensões do corpo humano, seu domínio técnico, implica em desenvolvimento cognitivo-motor, necessário à concretização do discurso feito com imagens e sons, juntamente com os conhecimentos de linguagem e dos métodos de realização. 4. Organização e Método Grupo de conhecimento composto por disciplinas que priorizam a compreensão dos processos organizacionais pelos quais são construídos os produtos audiovisuais, o desenvolvimento de habilidades gerenciais necessárias à produção audiovisual, bem como pelas disciplinas que visam o desenvolvimento do pensamento científico aplicado à pesquisa no campo do audiovisual.

19 DISCIPLINAS PERÍODO Metodologia da Pesquisa 1 Introdução à Produção 4 Realização Audiovisual I 5 Realização Audiovisual II 6 Produção I 5 Produção II 6 Pesquisa I 5 Pesquisa II 6 Elaboração de Projeto 6 Realização de Projeto 7 Coordenação de Projeto 7 Veiculação de Projeto 8 Coordenação de Veiculação 8 Estágio em Audiovisual 8 Abrem-se duas perspectivas ao se considerar a questão da Organização e Método no campo do audiovisual. Por um lado a produção de conhecimento a respeito da realização audiovisual na sociedade e por outro lado o conhecimento a respeito das estratégias sócio-econômicas da realização

20 audiovisual propriamente dita. Evidentemente que além destas questões, coloca-se em jogo também a capacidade do estudante e do profissional organizar-se frente ao conhecimento com o qual ele será confrontado, não é outra a preocupação da disciplina Metodologia da Pesquisa colocada logo no primeiro perfil do curso. A primeira perspectiva citada é observada na inclusão das disciplinas denominadas Pesquisa I e II. Enquanto que a segunda perspectiva é considerada nas disciplinas Introdução à Produção, Realização Audiovisual I e II, Produção I e II e Estágio em Audiovisual. Todavia nesta área reside a verdadeira possibilidade de experimentação do fazer audiovisual. Não é outra a intenção das disciplinas Elaboração de Projeto, Realização de Projeto e Veiculação de Projeto, que garantem ao acadêmico o autocontrole de suas proposições de desenvolvimento de comunicação audiovisual, supervisionados pelos próprios colegas e professores (a Instituição Educativa) nas disciplinas Coordenação de Projeto e Coordenação de Veiculação. Cabe lembrar que a perspectiva da pesquisa é abarcada também pela premissa da realização de projeto. É importante observar-se que o processo de comunicação audiovisual somente estará completo quando sua função social realiza-se, ou seja, quando o produto dessa realização audiovisual é exibido, veiculado para

21 uma audiência. Reside nessa questão o objetivo final da área e principalmente das disciplinas Veiculação de Projeto e Coordenação de Veiculação, que concluem a capacitação profissional no campo do audiovisual. Finalmente, na disciplina de Estágio em Audiovisual o aluno terá não apenas a possibilidade de experimentar de forma mais intensa o trabalho no campo que escolheu, como ainda de refletir sobre tal experiência. O estágio obrigatório foi regulamentado devidamente pelo Conselho de Curso, especialmente no que tange às empresas ou instituições autorizadas a oferecer o estágio e os limites de atuação dos alunos, evitando assim que estagiários sejam utilizados no lugar de profissionais.

22 III. TRATAMENTO METODOLÓGICO, PRINCÍPIOS DE AVALIAÇÃO, FORMAS DE ARTICULAÇÃO DAS DISCIPLINAS E TRABALHOS COMPLEMENTARES Os três primeiros perfis do curso concentram matérias teóricas consideradas essenciais para o desenvolvimento do aluno, tanto do ponto de vista da formação cultural geral caso das disciplinas Teoria da Comunicação (Perfil 1), Oficina de Redação (Perfil 1) e Metodologia da Pesquisa (Perfil 1) como do ponto de vista da formação especificamente audiovisual caso das disciplinas História do Audiovisual I, II e III (Perfis 1, 2 e 3), Fundamentos da Tecnologia Audiovisual (Perfil 1), História do Audiovisual no Brasil I e II (Perfis 1 e 2), Teoria do Audiovisual I e II (Perfis 2 e 3) e Documentário (Perfil 3). De forma a esboçar para o aluno a prática da atividade audiovisual estão previstas nestes três períodos as seguintes disciplinas: Expressão Audiovisual I e Expressão Audiovisual II (Perfis 1 e 2), Fotografia (Perfil 2) e Fotografia e Vídeo Digitais (Perfil 3). Enquanto as disciplinas teóricas fundamentam-se metodologicamente na discussão e análise em torno de filmes e textos, as disciplinas práticas, além deste tipo de metodologia, empregam ainda exercícios em laboratórios, nos quais o aluno deve iniciar o desenvolvimento de suas habilidades na roteirização, direção e fotografia.

23 Observe-se, entretanto, que mesmo as disciplina ditas teóricas, a partir da orientação do professor, muitas vezes propõem exercícios de caráter prático, como, por exemplo, a realização obras audiovisuais de curtíssima duração, a remontagem da imagem de um filme já existente, experiências com a banda sonora de material pré-montado, etc. As avaliações das disciplinas do curso pressupõem a participação em sala de aula, leituras de textos, anotações de textos e filmes, provas, trabalhos, seminários e a realização de exercícios audiovisuais. Quanto à articulação entre as disciplinas para além daquela mais óbvia indicada pela seqüência de determinada matéria, podemos salientar que o embasamento em história do audiovisual é fundamental, por exemplo, para a compreensão das teorias do audiovisual, assim como este conjunto de conhecimentos tem papel crucial no momento em que o estudante passa para a prática, pois já apreendeu a linguagem audiovisual e suas múltiplas potencialidades, caso contrário, não conseguiria expressar nenhuma idéia através da conjugação de imagens e sons. As disciplinas de história e teoria são o lugar do aprendizado da linguagem audiovisual propriamente dita, da educação do olhar e do exercício da análise textual audiovisual. Esta alfabetização audiovisual ocorre através da visualização orientada de vários filmes e vídeos, pois sem isso o aluno não tem como se desenvolver adequadamente em termos de expressão.

24 O 4º Perfil é um ponto de inflexão importante no curso, pois nele todos os alunos serão introduzidos nas sete áreas consideradas básicas para a realização audiovisual contemporânea: Roteiro, Som, Direção, Produção, Fotografia, Montagem e Hipermídia. Além da parte teórica haverá a devida complementação prática, mas sempre no nível da apresentação das questões essenciais de cada uma das áreas de forma a permitir ao aluno uma noção de todas elas suficiente para as escolhas que deverão ser realizadas na passagem para o perfil seguinte. As avaliações destas disciplinas devem levar em conta o que o aluno conseguiu apreender em termos de noções básicas teóricas e práticas das diferentes áreas oferecidas. No 5º Perfil o aluno deverá optar obrigatoriamente por duas dentre oito áreas de especialização disponíveis: Roteiro, Som, Direção, Produção, Fotografia, Montagem, Hipermídia e Pesquisa. Julga-se que ele está habilitado a proceder tal escolha, pois não apenas foram apresentadas todas as áreas práticas experiência ampliada através também de matérias nesse viés oferecidas nos três primeiros períodos, como ainda houve ampla formação teórica que possibilitará ao aluno escolher a cadeira de Pesquisa se esta for a sua aptidão. Evidentemente, o nível dos ensinamentos ministrados em cada uma das cadeiras de especialização é superior àquele relativo às introduções do período anterior, privilegiando-se as experiências práticas. O 5º Perfil

25 abriga também três disciplinas obrigatórias para todos os alunos: Realização Audiovisual I, Animação e Trilha Sonora. Observe-se que Realização Audiovisual I serve como disciplina guarda-chuva na qual os alunos deverão exercitar suas opções específicas no seio de uma equipe, isso através de exercícios propostos pelo professor responsável, exercícios estes que deverão congregar as especializações interrelacionando-as. Destarte, o aluno tem a experiência não apenas dentro das suas áreas de escolha, mas ainda toma contato com o funcionamento delas no conjunto complexo que é o da equipe de realização. Animação, deve-se sublinhar, tem sido veio forte na produção artística do Departamento e no Relatório de Avaliação do Curso, à página 27, foi cobrada pelos alunos maior destaque para a área, que no novo currículo encontra-se contemplada através da criação desta disciplina obrigatória. No 6º Perfil o aluno continuará a cursar as duas cadeiras anteriormente escolhidas. Aqui, novamente, o nível dos ensinamentos aumento em termos de complexidade em relação ao semestre anterior. Além disso, há duas disciplinas obrigatórias para todos os alunos: Realização Audiovisual II e Elaboração de Projeto. Realização Audiovisual II segue como disciplina guarda-chuva na qual o professor responsável deverá sugerir novos exercícios que congreguem todas as disciplinas específicas com o fito de as interrelacionar. Elaboração de Projeto é a disciplina na qual os alunos

26 começarão a desenvolver seus projetos de conclusão de curso, sob a orientação de um professor. O 7º Perfil é composto por duas disciplinas: Realização de Projeto e Coordenação de Projeto. Realização de Projeto, outra disciplina guarda-chuva, compreende a feitura propriamente dita do trabalho de conclusão de curso, no qual cada aluno estará integrado segundo a sua opção de especialização, guardadas as especificidades de cada uma das cadeiras. Coordenação de Projeto é a disciplina que visa organizar os diferentes projetos tanto do ponto de vista prático quanto acadêmico, evitando, por exemplo, sobrecarga na utilização de câmeras, gravadores ou ilhas, ou ainda, verificar a exeqüibilidade dos projetos diante das condições materiais, humanas e pedagógicas do departamento. O 8º e último Perfil é composto pelas disciplinas Veiculação de Projeto, Coordenação de Veiculação e Estágio em Audiovisual. Veiculação de Projeto, também uma disciplina guarda-chuva, visa orientar os alunos na divulgação dos seus trabalhos, fase essencial tanto na produção audiovisual quanto acadêmica e que infelizmente ainda é relegada freqüentemente ao esquecimento. O orientador preferencialmente deverá ser o mesmo da Realização de Projeto. Entretanto, a avaliação do projeto de conclusão como um todo deverá ser feita por uma banca composta pelo orientador e por mais

27 dois professores. Coordenação de Veiculação visa organizar a divulgação dos trabalhos, municiando orientadores e alunos de informações acerca de festivais, mostras, congressos, sites, revistas, etc. Na disciplina Estágio em Audiovisual o aluno deverá atuar em alguma instituição e/ou empresa autorizada junto ao curso a receber estagiários, de forma a experimentar o trabalho no seu campo profissional e a refletir sobre isto. Objetivando complementar tanto a formação humanística geral quanto a formação especificamente audiovisual dos alunos, estes terão de integralizar 28 créditos em disciplinas optativas. Na grade apresentada as optativas estão distribuídas ao longo do curso, com a previsão de oito créditos no 3º e 7º Perfis e quatro nos 2º, 6º e 8º Perfis. São entendidas como trabalhos complementares do Curso de Imagem e Som, habilitação em Produção Audiovisual: bolsas (Iniciação Científica, Trabalho, Atividade, Monitoria, etc), ACIEPE, participação em produções audiovisuais dirigidas por professores ou pelos próprios alunos quando envolverem colaboração do departamento, projetos de extensão, presença em eventos científicos ou culturais (palestras, congressos, jornadas, festivais), trabalho voluntário de alunos no âmbito do departamento, etc. À guisa de conclusão, podemos apontar que a proposta aqui apresentada tem consonância ampla com as reivindicações expressas pelos

28 alunos no Relatório de Avaliação do Curso do PAIUB, sintetizadas especialmente entre as páginas 141 e 144, e com as recomendações expressas no Relatório da Comissão Avaliadora do MEC que reconheceu o curso.

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

Universidade Federal da Bahia

Universidade Federal da Bahia + Universidade Federal da Bahia Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos UFBA NOVA BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES 2010 ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM XXXXXXXX + IDENTIFICAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.958, DE 31 DE MARÇO DE 2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Cinema

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 92/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Radialismo, Bacharelado,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 39/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual, de oferta especial, na modalidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 57/ 2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso Superior em Regência de Bandas

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 20/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 20/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 20/2015-CONSUNIV/UEA Aprova o Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Produção Audiovisual, de oferta especial, na modalidade

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Pós-Graduação em Produção Audiovisual

Pós-Graduação em Produção Audiovisual Produção Audiovisual Pós-Graduação em Produção Audiovisual Aula Inaugural - 28 de abril de 2015 Aulas aos sábados, das 8h às 15h Valor do curso: R$ 15.698,00 À vista com desconto: R$ 14.913,00 Consultar

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM FOTOGRAFIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo?

A essa altura, você deve estar se perguntando qual é a diferença entre cinema e vídeo, audiovisual e multimídia, não é mesmo? Pré-Vestibular Social Grupo SOA Suporte à Orientação Acadêmica Ela faz cinema Ela faz cinema Ela é demais (Chico Buarque) CINEMA Chegou o momento de escolher um curso. Diante de tantas carreiras e faculdades

Leia mais

Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro

Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE CINEMA E AUDIOVISUAL Coordenador do Curso: Prof. Rodrigo Octávio D Azevedo Carreiro IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Publicitária Área de Comunicação Tecnologia em Produção Publicitária Curta Duração Tecnologia em Produção Publicitária CARREIRA EM PRODUÇÃO PUBLICITÁRIA Nos últimos anos, a globalização da economia e a estabilização

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2014 383 COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO. COORDENADORA Mariana Lopes Bretas marianabretas@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2014 383 COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO. COORDENADORA Mariana Lopes Bretas marianabretas@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2014 383 COMUNICAÇÃO SOCIAL - JORNALISMO COORDENADORA Mariana Lopes Bretas marianabretas@ufv.br 384 Currículos dos Cursos do CCH UFV Bacharelado ATUAÇÃO O jornalista é um profissional

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2011 ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. APRESENTAÇÃO Este documento apresenta um conjunto geral de normas e orientações sobre as Atividades Complementares dos Cursos da FAECE (Faculdade

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

PRIMEIRO SEMESTRE. Fundamentos Teóricometodológicos SUB-TOTAL 360 TOTAL 360

PRIMEIRO SEMESTRE. Fundamentos Teóricometodológicos SUB-TOTAL 360 TOTAL 360 PRIMEIRO SEMESTRE Teórica Fundamentos da Comunicação e do Jornalismo Comunicação em Língua Portuguesa I Teoria da Comunicação Sociologia da Comunicação Introdução à Economia Fundamentos Epistemológicos

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO São Paulo 2014 ESCOLA PAULISTA DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE DIREITO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda

Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Universidade Federal Fluminense IACS - Instituto de Arte e Comunicação Social Departamento de Comunicação Social Curso de Publicidade e Propaganda Disciplinas Optativas Publicidade Carga horária total

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE JORNALISMO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso de Jornalismo da Unipampa está estruturado em oito semestres e tem carga horária total de 3.060 horas, sessenta horas a mais que o aconselhado pelas novas Diretrizes Curriculares.

Leia mais

Currículo do Curso de Comunicação Social - Jornalismo

Currículo do Curso de Comunicação Social - Jornalismo Currículo do Curso de Comunicação Social - Jornalismo Bacharelado ATUAÇÃO O jornalista é um profissional com qualificação técnica e embasamento humanístico para produção, tratamento e gerenciamento dos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

AGENDA DE CURSOS SEMESTRAL

AGENDA DE CURSOS SEMESTRAL AGENDA DE CURSOS SEMESTRAL Sobre a AIC A Academia Internacional de Cinema (AIC) abriu suas portas no dia 5 de agosto de 2004 em Curitiba, PR, oferecendo cursos livres na área de audiovisual além de curso

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO PROCESSO SELETIVO PARA ALUNOS/ESTÁGIARIOS EDITAL A Profª. Ivânia Maria de Barros Melo dos Anjos Dias, Diretora Geral das Faculdades Integradas Barros Melo, no uso de suas

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE:

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 60/00-CEPE RESOLVE: RESOLUÇÃO Nº /00-CEPE 1 Fixa o Currículo Pleno do Curso de Comunicação Social, Habilitações em Jornalismo, Relações Públicas e Publicidade e Propaganda, do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes. O,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Bacharelado em Tradução

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Bacharelado em Tradução ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Bacharelado em Tradução O elenco das Atividades Complementares previstas no Projeto Pedagógico do Curso de Tradução da UFU está dividido em quatro grupos: (1) Atividades de

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social

ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social ATIVIDADES COMPLEMENTARES - Curso de Comunicação Social As Atividades Complementares são práticas acadêmicas, obrigatórias para os alunos do UniFIAMFAAM. Essas atividades são apresentadas sob múltiplos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES S COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares, as Atividades Complementares constituem-se, também, em um dos componentes dos Cursos Superiores. As Diretrizes Curriculares objetivam servir de referência

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/

GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ GRADE CURRICULAR DO BACHARELADO INTERDISCIPLINAREM ARTES E DESIGN http://www.ufjf.br/biad/ ESTRUTURA CURRICULAR DO 1º CICLO Bacharelado interdisciplinar em Artes e Design 3 anos Componentes curriculares

Leia mais

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação

Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação Normas das Atividades Complementares do Curso de Ciência da Computação 1. Apresentação As atividades complementares são consideradas parte integrante do Currículo do Curso de Bacharelado em Ciência da

Leia mais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais

FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS FMU GUIA DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Departamento de Ciências Exatas e Gerenciais CURSOS : ADMINISTRAÇÃO CIÊNCIAS ATUARIAIS CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS

Leia mais

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA

FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA 1 FEFUC - FOLDER EXPLICATIVO DE FUNCIONAMENTO DE CURSOS CURSO DE FARMÁCIA 1ª LINHA CONCEITUAL: CARACTERIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE FARMÁCIA O PROFISSIONAL FARMACÊUTICO O Farmacêutico é um profissional da

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação

2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação 2.2.4. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes de Pós Graduação Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: DIREITO Missão O Curso se propõe a formar profissionais conscientes da finalidade do Direito como instrumento de transformação social e construção da cidadania, capazes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE ENFERMAGEM CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES E SUAS FINALIDADES Art. 1º. As atividades complementares, no âmbito do Curso de Enfermagem,

Leia mais

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011)

MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) MANUAL DA MUDANÇA DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE DIREITO (2007 2011) Aplicável a partir de 2013/1 1 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2 Quais os critérios para que a Instituição de Ensino Superior altere a

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular

LICENCIATURA EM HISTÓRIA. fgv.br/vestibular LICENCIATURA EM HISTÓRIA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados em Administração

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

A Introdução dos Domínios Adicionais no Departamento de Ciências Sociais

A Introdução dos Domínios Adicionais no Departamento de Ciências Sociais A Introdução dos Domínios Adicionais no A implantação de Domínios Adicionais em diversos cursos de graduação da PUC-Rio tem como objetivo estimular a formação interdisciplinar, capacitando os estudantes

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 75/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Cinema e Audiovisual, Bacharelado,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: 4001 Publicidade e Propaganda MISSÃO DO CURSO O curso de Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo tem como missão formar

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UFPE CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO - CAC CURSO DE LICENCIATURA EM DANÇA Coordenadora do Curso: Prof a Maria Cláudia Alves Guimarães IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. Denominação

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

Regulamento de Estágio Curricular

Regulamento de Estágio Curricular Regulamento de Estágio Curricular REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR O presente regulamento normatiza o Estágio Curricular em acordo com a Lei nº 11.788, de 25/09/2008, componente do Projeto Pedagógico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara Superior de UF: DF Educação ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de: Filosofia, História,

Leia mais

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 ANEXO 2. NORMATIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1. A partir das Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Serviço Social o planejamento acadêmico do deve assegurar, em termos

Leia mais

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

INSTITUTO METROPOLITANO DE ENSINO SUPERIOR NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO EM EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES A partir das Diretrizes Curriculares dos Cursos de Graduação do Ministério da Educação, as Atividades Complementares passaram a figurar como importante componente dos Cursos Superiores

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD.

2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. 2.2.5. Questionário a ser Respondido Pelos Estudantes em EaD. Este questionário é um instrumento de coleta de informações para a realização da auto avaliação da UFG que tem como objetivo conhecer a opinião

Leia mais

2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA

2º SEMESTRE CARGA HORÁRIA ESTRUTURA CURRICULAR Universidade Estadual da Paraíba UEPB Campina Grande - Campus I DIURNO 1º SEMESTRE CARGA HORÁRIA História da Comunicação (básica) 30 02 Filosofia da Comunicação (complementar) 30 02

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de

Diretrizes Curriculares Nacionais e com a Legislação Interna, tendo como princípio a compreensão da informática em suas bases epistemológicas de RESOLUÇÃO Nº 014/2010 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Informática, da Escola Superior de Tecnologia, da Universidade do Estado do Amazonas. O REITOR, EM EXERCÍCIO, DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Curso de Formação Profissional para Cinema abre inscrições

Curso de Formação Profissional para Cinema abre inscrições Curso de Formação Profissional para Cinema abre inscrições É hora de se profissionalizar. Em sua nona edição, curso promove um diálogo com experientes profissionais do mercado brasileiro sobre os processos

Leia mais

Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015.

Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. PROGRAMA DE PRODUÇÃO CIENTÍFICA, CULTURAL, ARTÍSTICA E TECNOLÓGICA Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Produção Científica, Cultural, Artística e Tecnológica visa fortalecer a relação

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Jornalismo REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Jornalismo do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON

ANEXO III CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON ANEO III CONDIÇÕES DE OFERTA E DE CADASTRO DO CURSO PARA A DICON (para cursos em regime de progressão em ciclos, deve ser preenchido um formulário para o 1º ciclo e uma para cada 2º ciclo) Nome do curso:

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM. Laboratório de Comunicação. Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL LABCOM Laboratório de Comunicação Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação 2005 2 SUMÁRIO I. INTRODUÇÃO... 03 II. OBJETIVOS... 03 III. CARACTERIZAÇÃO DOS SERVIÇOS...

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 80 h/a PERÍODO: 5

CARGA HORÁRIA: 80 h/a PERÍODO: 5 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA DISCIPLINA: CRIAÇÃO E PRODUÇÃO EM TV CÓDIGO: COS 1049 A02 CARGA HORÁRIA: 80 h/a PERÍODO: 5 CURRÍCULO: 2015/1 DOCENTE: Me. Alvaro de Melo Filho 1. EMENTA Redação, produção

Leia mais

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário

Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Guia de como elaborar um Projeto de Documentário Prof. Dr. Cássio Tomaim Departamento de Ciências da Comunicação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)/Cesnors Adaptação: Prof. Claudio Luiz Fernandes

Leia mais