The Institute of Internal Auditors IIA BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "The Institute of Internal Auditors IIA BRASIL"

Transcrição

1 The Institute of Internal Auditors IIA BRASIL Certificações Internacionais CONTINUING PROFESSIONAL EDUCATION - CPE 1

2 Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos mandatórios do Programa de Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education - CPE) para as seguintes certificações: Certified Internal Auditors (CIA); Certification in Control Self-Assessment (CCSA); Certified Government Auditing Professional (CGAP); Certified Financial Services Auditor (CFSA) e Certification in Risk Management (CRMA). Também são especificados os métodos disponíveis aos profissionais certificados que desejam manter as suas designações vigentes. Os auditores internos são responsáveis por: Manter seus conhecimentos e competências. Atualizar seus conhecimentos e competências relacionadas com a melhoria e a evolução constante das normas de auditoria interna, procedimentos e técnicas. Requisitos do programa de CPE de acordo com os Padrões Internacionais do IIA 1) Visando incentivar o entendimento e a conformidade com as Normas Internacionais do IIA, o Conselho de Certificação Profissional estabeleceu que todos os profissionais certificados devem seguir as Normas Internacionais do IIA como parte de seu programa de CPE. 2) Profissionais certificados devem rever ou receber treinamento sobre as Normas Internacionais do IIA em algum momento durante seu período de informe do programa de CPE. 3) Caso você esteja preenchendo seu formulário e ainda não tenha cumprido esse requisito, por favor, reveja as Normas Internacionais antes de enviar seu formulário. 4) Também recomendamos que você reveja as Orientações Práticas (acessível através de sua senha como associado do IIA) e de outras sessões da Estrutura Internacional de Práticas Profissionais. 2

3 Requisitos para o Informe Programa de CPE Os profissionais certificados devem se autocertificar no que se refere ao cumprimento das horas de educação continuada exigidas. É responsabilidade do profissional certificado assegurar que os créditos do programa de CPE atestados estejam em conformidade com as diretrizes estabelecidas pelo Conselho de Certificação Profissional do IIA. Os formulários de Informe do Programa de CPE, submetidos anualmente, representam declarações assinadas de que todas as exigências aplicáveis referentes à Educação Profissional Continuada foram atendidas. Os formulários devem ser entregues até 31 de Dezembro do mesmo ano. O Instituto emitirá um reconhecimento de conformidade para cada candidato que atenda os requisitos deste guia. O Conselho de Certificação Profissional do Instituto, mediante solicitação, pode conceder isenção parcial ou total dos requisitos do programa de CPE baseado em justificativas pertinentes como serviço militar ou problemas pessoais. Cada profissional certificado deve enviar ao Instituto um formulário de informe de CPE em conformidade com os requisitos do programa. Não é necessário o envio da documentação de apoio. Cada profissional certificado deve manter uma cópia do seu formulário de Informe, juntamente com toda a documentação de apoio, ao menos por um período de três anos até que os registros não se apliquem mais ao que foi submetido anteriormente. Os registros devem estar disponíveis ao Instituto dos Auditores Internos (IIA) sempre que solicitadas. Os registros mantidos por candidatos em processo de certificação, como documentação de apoio ao formulário de informe, devem incluir as seguintes informações: a. Título do programa e/ou descrição do conteúdo. b. Datas participação. c. Local do curso ou programa. d. Organização patrocinadora. e. Horas de crédito, tal como recomendado pelo patrocinador do curso. f. Carta, certificado ou outro atestado independente de conclusão do curso. g. Documentação suporte publicada, palestras e comitês ou outra participação. Status de Informe do Programa de CPE Profissionais certificados deverão identificar um status dentre os listados abaixo quando enviarem informações anuais sobre o programa de CPE. O número de créditos exigidos pelo programa de CPE varia de acordo com a certificação possuída e de acordo com o status informado. 3

4 Status Praticante Não-Praticante Aposentado Inativo Definição Ativamente realizando auditoria interna/externa ou correlatas Não realiza auditoria interna/externa ou correlatas Não executa mais auditoria interna/externa ou correlatas Automaticamente colocado nesse status quando as horas de CPE não foram entregues Usa a credencial CIA CCSA, CFSA, CGAP e CRMA SIM SIM SIM NÃO SIM NÃO 0 0 NÃO Pratica a Auditoria Interna NÃO Créditos anuais requeridos enviar os formulários de CPE dos dois últimos anos com pagamento de taxa para voltar com o status CERTIFICADO ATIVO. Taxa anual de manutenção de CPE Todos os profissionais certificados com status de praticante ou não-praticante deverão estar em dia com sua anuidade do IIA Brasil. Caso o profissional não esteja em dia com sua anuidade não será possível o envio do formulário de CPE e, ocorrerá uma alteração automática de status de ATIVO para INATIVO. Reintegração Mediante o não envio dos relatórios de CPE, o status de certificação será alterado para INATIVO e a designação não poderá mais ser utilizada até que o status volte a ATIVO. Profissionais que estiverem com status INATIVO por mais de 12 meses, terão que informar 80 horas de programa CPE, estar com sua associação vigente ao Instituto e pagar uma taxa de reativação $ 200,00 (Duzentos Dólares) por cada certificação. Declarações Todos os profissionais certificados serão obrigados a declarar o seguinte quando estiverem preenchendo o formulário de informe: Exercem suas atividades de acordo com o IPPF. Cumprirão o Código de Ética do IIA. Não levarão o IIA ao descrédito Informarão toda e qualquer condenação criminal desde o último período informado. Atividades Qualificadoras de CPE Está previsto que os profissionais certificados deverão manter elevados padrões profissionais na seleção de programas educacionais de qualidade para atender os requisitos de CPE. Os seguintes critérios gerais devem ser satisfeitos para que um programa de educação continuada 4

5 seja aceito: Contribuir para a competência profissional dos participantes Especificar nos objetivos do programa o nível de conhecimento que os participantes devem atingir, ou o nível de competência a ser adquirida com a conclusão do programa; especificar os pré-requisitos de educação ou experiência, quando apropriado para o programa; Ser desenvolvido por pessoas qualificadas em relação ao assunto e à didática; Oferecer programa com conteúdo que seja atual; Ser de nível profissional e relacionado com o Common Body of Knowledge. Ser de nível profissional e relacionado com o CCSA. Ser de nível profissional e relacionado com o CFSA. Ser de nível profissional e relacionado com o CGAP. Ser de nível profissional e relacionado com o CRMA. Os seguintes temas gerais são aceitáveis à medida que preencham outros critérios do programa de CPE: 1. Auditoria e contabilidade; 2. Gestão e comunicação (oral e escrita); 3. Ciência da Computação; 4. Matemática, estatísticas e aplicativos quantitativos em negócios; 5. Economia; 6. Direito empresarial; 7. Tópicos específicos de negócios como finanças, produção, marketing e pessoal; 8. Áreas especializadas de atividades como governo, bancos, utilidades, ou petróleo e gás. Outras atividades, além das enumeradas na presente orientação, podem ser consideradas aceitáveis se o profissional certificado demonstrar que estas contribuem para sua competência profissional. Comprovar que uma atividade específica está qualificada como aceitável e atende aos requisitos é responsabilidade do profissional. O crédito de CPE será concedido em horas, sendo aceita como hora completa um mínimo de 50 minutos. Por exemplo, 100 minutos de ensino contínuo representam 2 horas; no entanto, mais de 50 minutos e menos de 100 minutos de instrução contínua representam apenas 1 hora. Somente horas de aula ou de auto estudo são admissíveis. Para conferências e convenções diversas, com períodos individuais menores que 50 minutos, a soma dos períodos deve ser considerada como o total do programa. Por exemplo, cinco apresentações de 30 minutos seria igual a 150 minutos e devem ser contabilizadas como 5

6 3 horas de participação. Exames Serão concedidas horas de CPE para o ano em que a certificação for obtida, conforme abaixo: 1 crédito = 50 minutos Ex: treinamento com carga de 32 horas 38 créditos de CPE Serão concedidas horas de CPE para o ano em que a certificação for obtida, conforme abaixo: CIA CRÉDITOS CCSA, CFSA, CGAP, CRMA CRÉDITOS Horas concedidas para o ano em que a certificação é obtida Horas concedidas para o ano seguinte Reporte das horas CPE exigidas anualmente - PRATICANTE Reporte das horas CPE exigidas anualmente - NÃO PRATICANTE Educação Máximo de horas creditadas = 40 (48 créditos CPE) Máximo de horas creditadas = 20 (24 créditos CPE) Pelo menos 5 das 20 horas de CPE devem ser nessa categoria. 1.) Programas de educação profissional e de desenvolvimento, tais como seminários e conferências, oferecidos por empresas de auditoria e contabilidade nacionais, estaduais e municipais 2.) Sessões técnicas em reuniões em empresas de auditoria e contabilidade nacionais, estaduais e municipais e em regionais. 3.) Programas formais de treinamento internos. 4.) Programas de outros patrocinadores (industriais, associações profissionais, etc.). 5.) Aprovação em cursos oferecidos por faculdade ou universidade (cursos com crédito ou não), exceto para os cursos os quais o CIA deve cursar para satisfazer o requisito do exame CIA de bacharel ou equivalente horas de crédito de CPE são concedidas para cada hora adquirida de crédito semestral em faculdade/universidade horas de crédito CPE são atribuídas para cada hora de crédito acumulada em trimestre de faculdade/universidade 6.) Aprovação em outros exames de: - Um máximo de 40 horas pode ser concedido no ano anterior Horas de CPE são concedidas por aprovação em cada parte de outros exames de contabilidade ou auditoria (por exemplo, o exame CPA ou CA). O Instituto deve ser contatado para informação sobre o número de horas de CPE concedidas para a aprovação em outros exames de certificação profissional. 6.) Aprovação em outros exames de: - Um máximo de 40 horas pode ser concedido no ano anterior Horas de CPE são concedidas por aprovação em cada parte de outros exames de contabilidade ou auditoria (por exemplo, o exame CPA ou CA). O Instituto deve ser contatado para informação sobre o número de horas de CPE concedidas para a aprovação em outros exames de certificação profissional. Programas de ensino a distância e auto-estudo relevantes para auditoria interna que possuam evidência de conclusão. 6

7 Publicações Contribuições para publicações devem ser relacionadas à esfera de certificações ou disciplinas relacionadas ao CBOK (Common Body of Knowledge). Artigos publicados ou livros não relacionados diretamente com auditoria interna serão aceitos se os profissionais certificados comprovarem que essas atividades contribuem para sua competência na profissão de auditoria. Veja a tabela abaixo: Máximo de horas = 25 Máximo de créditos CPE = 30 Em geral, uma página completa de matéria impressa em espaçamento simples equivale a 2 horas de créditos de CPE, com os seguintes limites: Livros = 25 horas (30 créditos CPE) Artigos = 15 horas (18 créditos CPE) Pesquisas = 15 horas (18 créditos CPE) Livros = 12 horas (14 créditos CPE) Artigos = 6 horas (07 créditos CPE) Pesquisas = 6 horas (07 créditos CPE) Traduções Máximo de horas = 25 Máximo de créditos CPE = 30 Em geral, uma publicação de página completa impressa em espaçamento simples equivale a 2 horas de créditos de CPE, com os seguintes limites: Livros = 25 horas (30 créditos CPE) Artigos = 15 horas (18 créditos CPE) Pesquisas = 15 horas (18 créditos CPE) Livros = 12 horas (14 créditos CPE) Artigos = 6 horas (07 créditos CPE) Pesquisas = 6 horas (07 créditos CPE) Apresentação oral Máximo de horas = 25 Máximo de créditos CPE = 30 As horas informadas para a primeira apresentação serão baseadas no tempo de apresentação, acrescida de pelo tempo de preparação equivalente a três vezes o tempo de apresentação. Apenas o tempo de apresentação será creditado nas apresentações subsequentes do mesmo material, podendo chegar ao máximo de 05 horas de crédito de CPE por ano. 7

8 Participação Máximo de horas = 15 Máximo de créditos CPE = 18 Participação como agente ou membro de um comitê em uma organização profissional de negócios relacionados com a auditoria interna. 1 hora de CPE para cada hora de participação será creditada. Avaliações Independentes de Qualidade Máximo de horas = 20 Máximo de créditos CPE = 24 Créditos de CPE podem ser concedidos anualmente na categoria de atividades de revisão independente de garantia de qualidade. Uma hora de CPE será concedida por cada hora gasta em campo, com os seguintes limites sobre qualquer atividade de revisão de garantia de qualidade: 1. Validação (externa) independente de auto avaliação de atividade de auditoria interna (conforme definido no Professional Practices Framework): máximo de 5 horas de CPE por revisão. 2. Revisão externa de avaliação de qualidade de uma semana: máximo de 10 horas por revisão. 3. Revisão externa de avaliação de qualidade de duas semanas: máximo de 20 horas. 1. Validação (externa) independente de auto avaliação de atividade de auditoria interna (conforme definido no Professional Practices Framework): máximo de 5 horas de CPE por revisão. 2. Revisão externa de avaliação de qualidade de uma semana: máximo de 05 horas por revisão. 3. Revisão externa de avaliação de qualidade de duas semanas: máximo de 10 horas. Nenhuma hora de CPE será concedida para atividades tais como tempo de preparação e redação de relatório. 8

9 Oportunidades para compor Horas de CPE Se você está procurando algumas formas de obter suas horas de CPE - confira nossa grade de treinamentos e eventos. As conferências, seminários e o CONBRAI são ótimas formas de obter créditos de CPE. Enquanto você se mantém informado sobre temas importantes, desenvolve de suas habilidades e se relaciona com outros profissionais da área. Para mais informações acesse o nosso site e confira nosso calendário de eventos. 9

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE)

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos

Leia mais

Questionário associado a uma dissertação de Mestrado em Auditoria Interna

Questionário associado a uma dissertação de Mestrado em Auditoria Interna Questionário associado a uma dissertação de Mestrado em Auditoria Interna Sou aluno do Mestrado em Auditoria do Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Lisboa (ISCAL) e estou a desenvolver

Leia mais

Formação e Certificação

Formação e Certificação Formação e Certificação Requisitos de CPE para CIAs Editado por Giovani Ehrhardt*. Traduzido por Ana Clara Sebastião Macedo Ventura. Resumo: Este artigo visa esclarecer os requisitos obrigatórios da Formação

Leia mais

XV CONFERÊNCIA ANUAL DO IPAI

XV CONFERÊNCIA ANUAL DO IPAI XV CONFERÊNCIA ANUAL DO IPAI NOTAS DE ABERTURA Bom dia a todos, Em nome do IPAI, dou-vos as boas-vindas e agradeço a vossa participação nesta XV Conferência Anual de Auditoria Interna. Agradecemos a todos

Leia mais

Controle de Qualidade da Auditoria de Demonstrações. Contábeis

Controle de Qualidade da Auditoria de Demonstrações. Contábeis Controle de Qualidade da Auditoria de Demonstrações Contábeis ABORDAGEM DO TEMA Contexto Documentação Objetivo Controle de Qualidade Elementos do CQ Definição Prática Exigências CONTEXTO Contexto Documentação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO - FASS EDITAL 2017/1

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO - FASS EDITAL 2017/1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO - FASS EDITAL 2017/1 Abertura de Processo Seletivo para o Programa Institucional de Iniciação Científica da Faculdade São Sebastião

Leia mais

Manual de Atividades Complementares

Manual de Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual de Atividades Complementares Belo Horizonte 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementar

Leia mais

Norma 2110 Governança

Norma 2110 Governança Norma 2110 Governança A atividade de auditoria interna deve avaliar e propor recomendações apropriadas para a melhoria do processo de governança no seu cumprimento dos seguintes objetivos: Promover a ética

Leia mais

NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM CIÊNCIAS DOS ALIMENTOS - VÁLIDAS PARA INGRESSANTES A PARTIR DE 2012

NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM CIÊNCIAS DOS ALIMENTOS - VÁLIDAS PARA INGRESSANTES A PARTIR DE 2012 NORMAS PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM CIÊNCIAS DOS ALIMENTOS - VÁLIDAS PARA INGRESSANTES A PARTIR DE 2012 1. DEFINIÇÃO Em atendimento às Diretrizes Curriculares os alunos do Curso de Graduação

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO FUNDAÇÃO CECIERJ/DIRETORIA DE EXTENSÃO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO EDITAL 2016.2 A Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Fundação

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

A AUDITORIA INTERNA EM

A AUDITORIA INTERNA EM IPAI Instituto Português de Auditoria Interna A AUDITORIA INTERNA EM PORTUGAL 1 A Auditoria Interna 1. A Auditoria Interna A Auditoria Interna é uma actividade independente, de avaliação objectiva e de

Leia mais

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO

PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO FUNDAÇÃO CECIERJ/DIRETORIA DE EXTENSÃO PROCESSO DE SELEÇÃO PARA OS CURSOS DE ATUALIZAÇÃO EDITAL 2017.1 A Fundação Centro de Ciências e Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro Fundação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 1/2013 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica Voluntária do Universitário Módulo/ Processo

Leia mais

Normas do Doutorado. * Prova da Cultura Inglesa - mínimo de 60% de acerto. * TOEFL 70 pontos * IELTS 5,5 pontos * ITP-TOEFL 500 pontos

Normas do Doutorado. * Prova da Cultura Inglesa - mínimo de 60% de acerto. * TOEFL 70 pontos * IELTS 5,5 pontos * ITP-TOEFL 500 pontos Normas do Doutorado 1. Matrícula: A matrícula no PPG-BIOLOGIA QUÍMICA é dividida em duas etapas. A primeira, denominada pré-matrícula, consiste na entrega da documentação e do projeto de pesquisa. Após

Leia mais

EDITAL Nº 90, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2016

EDITAL Nº 90, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2016 EDITAL Nº 90, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2016 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de Extensão (PRX), tendo em vista o estabelecido na Portaria

Leia mais

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames Para os profissionais de acesso por corda. Rev. 00 SUMÁRIO 1. OBJETIVO.... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. REVISÃO... 3 5. DOCUMENTO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO - FASS EDITAL 2017/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO - FASS EDITAL 2017/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE SÃO SEBASTIÃO - FASS EDITAL 2017/2 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica da Faculdade São Sebastião FASS A Diretoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03/2015 PPGT

RESOLUÇÃO Nº 03/2015 PPGT RESOLUÇÃO Nº 03/2015 PPGT Aprova os procedimentos e pontuação para as Atividades Programadas A presidente do Colegiado do PPGT, da UDESC CEART, no uso de suas atribuições e considerando a deliberação colegiada

Leia mais

RELEVÂNCIA EXCELÊNCIA RESULTADOS. Sejam bem vindos! As 3 Linhas de Defesa no Gerenciamento Eficaz de Riscos e Controles

RELEVÂNCIA EXCELÊNCIA RESULTADOS. Sejam bem vindos! As 3 Linhas de Defesa no Gerenciamento Eficaz de Riscos e Controles RELEVÂNCIA EXCELÊNCIA RESULTADOS Sejam bem vindos! As 3 Linhas de Defesa no Gerenciamento Eficaz de Riscos e Controles The Institute of Internal Auditors The IIA The Institute of Internal Auditors The

Leia mais

NORMAS PARA INGRESSO DE ALUNOS NO PROGRAMA DE EXTENSÃO EM SAÚDE COLETIVA: EDUCAÇÃO CONTINUADA PESC/PPGCol /1

NORMAS PARA INGRESSO DE ALUNOS NO PROGRAMA DE EXTENSÃO EM SAÚDE COLETIVA: EDUCAÇÃO CONTINUADA PESC/PPGCol /1 NORMAS PARA INGRESSO DE ALUNOS NO PROGRAMA DE EXTENSÃO EM SAÚDE COLETIVA: EDUCAÇÃO CONTINUADA PESC/ - 2016/1 O Coordenador do -, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, comunica a abertura do processo

Leia mais

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica IBCO Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização ICMCI - TheInternational Council of Management Consulting Institutes Professional Standards Committee (PSC) Modelo de Competências e de Verificação

Leia mais

Aprendizado Contínuo para Auditores Internos

Aprendizado Contínuo para Auditores Internos Aprendizado Contínuo para Auditores Internos Níveis de Certificação e Treinamento ao Redor do Mundo NORMAS & CERTIFICAÇÕES Closer Look Eleftherios Tsintzas MSc, CIA, CRMA, CFSA, CFE CBOK The Global Internal

Leia mais

Unidade Sede: Rua Marquês do Herval, 701 Centro Caxias do Sul (RS) CEP: Unidade Ana Rech: Avenida Rio Branco, 1595 Bairro Ana Rech Caxias

Unidade Sede: Rua Marquês do Herval, 701 Centro Caxias do Sul (RS) CEP: Unidade Ana Rech: Avenida Rio Branco, 1595 Bairro Ana Rech Caxias OBJETIVO: As Atividades Complementares têm por objetivos: a) desenvolver a autonomia intelectual do acadêmico, favorecendo sua participação em atividades de estudos diversificados que contribuam para a

Leia mais

Procedimentos para obtenção da Certificação CFP pelos profissionais aprovados no 24º Exame de Certificação CFP

Procedimentos para obtenção da Certificação CFP pelos profissionais aprovados no 24º Exame de Certificação CFP Procedimentos para obtenção da Certificação CFP pelos profissionais aprovados no 24º Exame de Certificação CFP A Certificação CFP é uma certificação internacional de distinção, cuja filosofia global baseia-se

Leia mais

Assistente Administrativa/o I. Informação sobre o posto Brasília, DF, Brasil Prazo de candidatura: De 14 a 21 de março de 2017 Tipo de contrato:

Assistente Administrativa/o I. Informação sobre o posto Brasília, DF, Brasil Prazo de candidatura: De 14 a 21 de março de 2017 Tipo de contrato: TERMO DE REFERÊNCIA Assistente Administrativa/o I. Informação sobre o posto LOCAL: Brasília, DF, Brasil Prazo de candidatura: De 14 a 21 de março de 2017 Tipo de contrato: SSA Nível do Posto Assistente

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E ESTUDO DE PORTO FERREIRA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E ESTUDO DE PORTO FERREIRA ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS REUNIDAS ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E ESTUDO DE PORTO FERREIRA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE TECNÓLOGO EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO 2 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGIMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGIMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGIMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Patrocínio, junho de 2013 SUMÁRIO Título I - Disposições Preliminares... 02 Título II - Da Caracterização... 02 Capítulo I Dos

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR Coordenação de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias do IFPB Campus João Pessoa EDITAL Nº 11, DE 26 de outubro de 2016 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE

Leia mais

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde

Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Reunião com Associações de Empresas de Produtos para Saúde Atualização de Requisitos para Regularização de Produtos REGULAMENTO TÉCNICO DE PRODUTOS MÉDICOS RDC Nº 40/2015 GEMAT Gerência de Tecnologia de

Leia mais

Programa de Educação Profissional Continuada PERGUNTAS E RESPOSTAS NBC PG 12 (R2) EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA

Programa de Educação Profissional Continuada PERGUNTAS E RESPOSTAS NBC PG 12 (R2) EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA PERGUNTAS E RESPOSTAS NBC PG 12 (R2) EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA O objetivo dessas perguntas e respostas é dar maior orientação sobre a aplicação prática da NBC PG 12. Porém, não substitui a leitura

Leia mais

EDITAL Nº 475, DE 03 DE AGOSTO DE 2016

EDITAL Nº 475, DE 03 DE AGOSTO DE 2016 EDITAL Nº 475, DE 03 DE AGOSTO DE 2016 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), por meio de sua Pró-reitoria de Extensão (PRX), tendo em vista o estabelecido na Portaria

Leia mais

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOCENTE 2017/2

EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOCENTE 2017/2 EDITAL PARA O PROCESSO SELETIVO DOCENTE 2017/2 O Instituto Matonense Municipal de Ensino Superior IMMES torna pública a abertura das inscrições para o processo seletivo docente 2017/1, no período de 19/06/2017

Leia mais

Qualificar Mais EDITAL

Qualificar Mais EDITAL Qualificar Mais EDITAL EDITAL N 002 07 de Abril de 2017 Disponibilidade de Vagas e Regras para matrículas de Alunos e Processo seletivo para concessão de bolsas de estudo. 1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS A

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2/2014

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2/2014 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica Voluntária do Centro Universitário Módulo/

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO TÍTULO I. Da Natureza das Atividades Complementares

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO TÍTULO I. Da Natureza das Atividades Complementares REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO TÍTULO I Da Natureza das Atividades Complementares Art. 1º - As Atividades Complementares são componentes curriculares

Leia mais

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO- ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO- ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO- ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 As Atividades Complementares constituem parte da Carga Horária do Curso de Relações Internacionais da UNIFESP Osasco, em um total

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Belo Horizonte 2017 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética do Centro Universitário

Leia mais

NORMAS - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP - CAMPUS BAURU

NORMAS - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP - CAMPUS BAURU NORMAS - ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS UNESP - CAMPUS BAURU O Conselho de Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

14/03/2014. A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar?

14/03/2014. A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar? 14/03/2014 A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar? Eduardo da Costa Azevedo Gerente Executivo de Auditoria Interna Tegma

Leia mais

TRANSFERÊNCIA EXTERNA (EXTERIOR)

TRANSFERÊNCIA EXTERNA (EXTERIOR) EDITAL COMPLETO PARA INGRESSO POR TRANSFERÊNCIA EXTERNA (EXTERIOR) PERÍODO DE INGRESSO 2017.1 INÍCIO DAS AULAS 07 de março de 2017 PRAZO PARA SOLICITAÇÃO 13 de outubro a 16 de novembro de 2016 Local: Setor

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 05, DE 11 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 05, DE 11 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 05, DE 11 DE MARÇO DE 2015. A Presidente Substituta do Conselho de Câmpus do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, considerando o que foi deliberado na

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS CURRICULARES COMPLEMENTARES Artigo 1 o : As Atividades Acadêmicas Curriculares Complementares (AACC) do Curso de Graduação em Ciências Econômicas do Câmpus de Ciências

Leia mais

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores do IFPB Campus João Pessoa EDITAL Nº 11, 23 DE OUTUBRO DE 2016 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU

CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CRITÉRIOS PARA ACEITAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE BOTUCATU (Versão Professor) Botucatu - SP Agosto 2016

Leia mais

Processo de Inscrição 2006 Convênio CNPq/Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford

Processo de Inscrição 2006 Convênio CNPq/Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford Processo de Inscrição 2006 Convênio CNPq/Centro de Estudos Brasileiros da Universidade de Oxford Bolsas para estágios de pesquisa e ensino (júnior e sênior), no âmbito do Convênio de cooperação entre o

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (400 horas) Elaborado por: Profa. Me. Andréia Ayres Gabardo da Rosa Profa. Me. Karine Alves Gonçalves Mota PALMAS 2015 As atividades complementares

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Aprova o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Murialdo - FAMUR

RESOLUÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES. Aprova o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Murialdo - FAMUR 1 RESOLUÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Aprova o Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Murialdo - FAMUR O Presidente do Conselho Superior CONSUP, no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES (Ingresso até 2014/2 200 horas) Elaborado por: Profa. Me. Andréia Ayres Gabardo da Rosa Profa. Me. Karine Alves Gonçalves Mota PALMAS 2015 As atividades

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE FARMÁCIA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares são prática acadêmicas obrigatórias

Leia mais

EDITAL Nº 1, DE 17 DE JUNHO DE º CONGRESSO ABRH TEMA: GESTÃO, LIDERANÇA E ÉTICA: SEJA UM AGENTE TRANSFORMADOR.

EDITAL Nº 1, DE 17 DE JUNHO DE º CONGRESSO ABRH TEMA: GESTÃO, LIDERANÇA E ÉTICA: SEJA UM AGENTE TRANSFORMADOR. EDITAL DE INSCRIÇÃO ABRH ACADÊMICO 1. A inscrição dá direito a: a) Programação impressa/crachá e pasta. Entregue aos inscritos no credenciamento durante o evento. b) Certificado online de participação

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA O Doutorado em Engenharia Química exige, além do atendimento das condições dispostas na Regulamentação dos Cursos

Leia mais

Regulamento do curso de Engenharia de Biomédica

Regulamento do curso de Engenharia de Biomédica Regulamento do curso de Engenharia de Biomédica 1/6 Este Regulamento do curso, complementar ao Regulamento Geral dos Cursos de Graduação da UFRN, é uma consolidação de normas específicas do curso de Engenharia

Leia mais

Anexo X ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Anexo X ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Anexo X ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação, em conformidade às diretrizes do Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º - As Atividades Complementares integram

Leia mais

Universidade Estadual do Ceará - UECE Faculdade de Veterinária - FAVET Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias PPGCV

Universidade Estadual do Ceará - UECE Faculdade de Veterinária - FAVET Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias PPGCV Universidade Estadual do Ceará - UECE Faculdade de Veterinária - FAVET Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias PPGCV NORMAS PARA QUALIFICAÇÃO - MESTRADO E DOUTORADO A qualificação consiste na

Leia mais

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA

REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA REGULAMENTO DA CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA 2016 1 1. Este Regulamento contém as regras adotadas pelo ICSS para a Certificação por Experiência de Profissionais, através do reconhecimento da sua capacitação

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO EDITAL PIBIC-EM

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO EDITAL PIBIC-EM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA O ENSINO MÉDIO EDITAL PIBIC-EM 2016-2017 O da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação (PROPEP) abre as inscrições para solicitações de Bolsas do PROGRAMA

Leia mais

CONTADOR CONFIRA AQUI SE VOCÊ PRECISA CUMPRIR A NORMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA

CONTADOR CONFIRA AQUI SE VOCÊ PRECISA CUMPRIR A NORMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA CONTADOR CONFIRA AQUI SE VOCÊ PRECISA CUMPRIR A NORMA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CONTINUADA A Educação Profissional Continuada (EPC) é um programa de excelência do Conselho Federal de Contabilidade, que

Leia mais

2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL AO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO

2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL AO 3º ANO DO ENSINO MÉDIO PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA O ANO LETIVO DE 2018 IRMÃOS ATUALMENTE MATRICULADOS NO COLÉGIO, FILHOS DE MEMBROS DO CORPO DOCENTE E AMPLA CONCORRÊNCIA 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL AO 3º ANO

Leia mais

3 - DOS REQUISITOS 3.1 Para o Acadêmico Estar regularmente matriculado em curso de graduação da FARES

3 - DOS REQUISITOS 3.1 Para o Acadêmico Estar regularmente matriculado em curso de graduação da FARES EDITAL 01/2013/FARES PROCESSO SELETIVO DO PROGRAMA FARES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (VIGÊNCIA: ABRIL DE 2013 A ABRIL/2014) O Coordenador do Núcleo de Pesquisa da Faculdade Roraimense - FARES, no uso de suas

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA

REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA COPPE/UFRJ PROGRAMA DE ENGENHARIA QUÍMICA REGULAMENTAÇÃO DO DOUTORADO EM ENGENHARIA QUÍMICA O Curso de Doutorado em Engenharia Química exige, além do atendimento das condições dispostas na Regulamentação

Leia mais

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES RECIFE/PE Atualizado em 21 de setembro de 2015 1 SUMÁRIO

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES OLÍMPIA 04 ATIVIDADES COMPLEMENTARES Definição De acordo com as diretrizes curriculares nacionais, as Atividades Complementares se inserem

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

GUIA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO CAMPUS SANTO AMARO

GUIA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO CAMPUS SANTO AMARO GUIA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO CAMPUS SANTO AMARO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Considerando o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Computação

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2017 1 Este documento visa apresentar o regulamento das atividades complementares curriculares que envolvem vivências relacionadas à extensão, à iniciação científica,

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES

DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE INTERIORES EDITAL Nº 01, DE 29 DE JANEIRO DE 2013 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

Guia de preparação para o exame da Axis

Guia de preparação para o exame da Axis Diretrizes Guia de preparação para o exame da Axis Axis Certification Program Índice 1. Introdução 3 2. O que é o Axis Certification Program? 3 3. Detalhes do exame 4 4. Preparação recomendada para o exame

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES

ABNT NBR ISO/IEC NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES ABNT NBR ISO/IEC 17025 NÃO CONFORMIDADES MAIS FREQUENTES Item 4.1 Organização Legalidade do laboratório Trabalhos realizados em instalações permanentes Atendimento aos requisitos da Norma, necessidades

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES) do INPE, com áreas de concentração em (i) Ciência do

Leia mais

FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 338 Km 012 Colônia Rodrigo Silva - Barbacena / MG CEP:

FUPAC Fundação Presidente Antônio Carlos Rodovia MG 338 Km 012 Colônia Rodrigo Silva - Barbacena / MG CEP: Passo a Passo PRA VALER IDEAL INVEST CADASTRO O aluno deverá acessar o site www.creditouniversitario.com.br e clicar em CADASTRE-SE. O aluno deverá preencher todos os dados solicitados pelo PRAVALER. PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

TUTORIAL E NORMAS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS

TUTORIAL E NORMAS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS TUTORIAL E NORMAS DE TRABALHOS CIENTÍFICOS 1 - TRABALHOS CIENTÍFICOS (normas gerais) Os trabalhos serão recebidos no período de 03 de Abril a 30 de maio de 2017 pelo site www.congressodoalgodao.com.br.

Leia mais

Resolução dos Conteúdos Complementares Flexíveis (CCF) do Curso de Hotelaria

Resolução dos Conteúdos Complementares Flexíveis (CCF) do Curso de Hotelaria UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE COMUNICAÇÃO, TURISMO E ARTES CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA Resolução dos Conteúdos Complementares Flexíveis (CCF) do Curso de Hotelaria Mamanguape 2014 RESOLUÇÃO

Leia mais

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7

Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 Controle de Documentos e Registros Revisão: 00 Página 1 de 7 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 2. OBJETIVO Descrever o procedimento interno para o

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Belo Horizonte 2015 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética do Centro Universitário

Leia mais

PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR

PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR PROJETO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM DOCÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR Augustinópolis 2017.2 1 - NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Docência do Ensino Superior, com carga horária de

Leia mais

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações CREDENCIAMENTO COMO SE TORNAR UMA CERTIFICADORA DE CONTEÚDO LOCAL Coordenadoria de Conteúdo Local ANP Credenciamento de Empresas para Certificação de Conteúdo Local Base Legal: I- Contrato de Concessão,

Leia mais

REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DAS LICENCIATURAS

REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DAS LICENCIATURAS REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL DAS LICENCIATURAS CONSIDERANDO o Parecer CNE/CP N.º, 28 aprovado em 02 de outubro de 2001, a Resolução CNE/CP N.º 1 de 18 de fevereiro de 2002, a Resolução CNE/CP N.º

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES UNIVERSIDADE DE CRUZ ALTA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Capítulo I - Do Conceito e das Finalidades Art. 1º. O presente

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTES E COMUNICAÇÃO SOCIAL EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTES E COMUNICAÇÃO SOCIAL EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE ARTES E COMUNICAÇÃO SOCIAL EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA Curso: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO Natureza:

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO. Regulamento de Atividades Complementares

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO. Regulamento de Atividades Complementares CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares O presente Regulamento disciplina o funcionamento e o registro acadêmico das Atividades Complementares

Leia mais

I - Das disposições iniciais

I - Das disposições iniciais EDITAL Nº07 DE MATRÍCULA NAS CATEGORIAS DE TRANSFERÊNCIA INTERNA, TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADOR DE DIPLOMA DE GRADUAÇÃO PARA AS VAGAS RESIDUAIS DO ENSINO SUPERIOR. A Diretoria de Ensino do Instituto

Leia mais

Treinamentos EMENTA GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 20 Horas

Treinamentos EMENTA GERENCIAMENTO DE PROJETOS. 20 Horas EMENTA GERENCIAMENTO DE PROJETOS 20 Horas OBJETIVO O treinamento tem como objetivo capacitar os envolvidos em gerenciamento de projetos a aplicar, de forma prática e imediata, os conceitos e boas práticas

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES) do INPE, com áreas de concentração em (i) Ciência do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02 / COLEGIADO GESTOR

RESOLUÇÃO Nº 02 / COLEGIADO GESTOR COLEGIADO GESTOR DO MESTRADO PROFISSIONAL EM SAÚDE DA FAMÍLIA/REDE NORDESTE DE FORMAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA Estabelece critérios para os processos de Qualificação e Defesa dos discentes do Curso de Mestrado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENADORIA DE MOBILIDADE ACADÊMICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS COORDENADORIA DE MOBILIDADE ACADÊMICA EDITAL N O 11 - PROINTER/UFC, DE 18 DE SETEMBRO DE 2017 PROGRAMA DE MOBILIDADE ACADÊMICA INTERNACIONAL EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR ESTRANGEIRAS CONVENIADAS COM A UFC O Pró-Reitor de Relações Internacionais

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM SECRETARIADO EXECUTIVO Regulamento de Atividades Complementares O presente Regulamento disciplina o funcionamento e o registro acadêmico das Atividades Complementares

Leia mais

Mestrado em Ciência da Computação (MCC)

Mestrado em Ciência da Computação (MCC) Resolução interna 01/2012: Tabela de pontuação de produção científica do Programa de Mestrado em Ciência da Computação (MCC) I. A Comissão coordenadora, em reunião no dia 05/04/2012 aprovou a seguinte

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Mestrado e Doutorado-

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Mestrado e Doutorado- PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ETNOBIOLOGIA E CONSERVAÇÃO DA NATUREZA -Mestrado e Doutorado- URCA UEPB MANUAL DO PPGEtno Recife, 2016 1 O que é o PPGEtno? O Programa de Pós-Graduação em Etnobiologia e Conservação

Leia mais

PROGRAMA ERASMUS+ ACORDO ENTRE A UFRGS E A UNIVERSIDADE CA FOSCARI DE VENEZA, ITÁLIA EDITAL DOUTORADO (MOBILIDADE)

PROGRAMA ERASMUS+ ACORDO ENTRE A UFRGS E A UNIVERSIDADE CA FOSCARI DE VENEZA, ITÁLIA EDITAL DOUTORADO (MOBILIDADE) PROGRAMA ERASMUS+ ACORDO ENTRE A UFRGS E A UNIVERSIDADE CA FOSCARI DE VENEZA, ITÁLIA EDITAL DOUTORADO (MOBILIDADE) 1. Apresentação Este edital visa regulamentar a seleção de alunos de doutorado da UFRGS,

Leia mais

Qualificar Mais EDITAL

Qualificar Mais EDITAL Qualificar Mais EDITAL EDITAL N 001 05 de Outubro de 2016 Disponibilidade de Vagas e Regras para matrículas de Alunos e Processo seletivo para concessão de bolsas de estudo. 1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA

INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA Renato Trisciuzzi, CIA, CCSA, CRMA, Contador, MSC. Presidente do Conselho de Administração IIA BRASIL Independência e Objetividade Independência: A liberdade

Leia mais

NORMATIVA INTERNA FAC/MG N 009

NORMATIVA INTERNA FAC/MG N 009 NORMATIVA INTERNA FAC/MG N 009 ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE TECNOLOGIAS DA FACULDADE ADJETIVO - CETEP Este documento contém as informações necessárias para que os alunos da Faculdade Adjetivo

Leia mais

REGULAMENTO DO III CURSO DE VERÃO EM FARMACOLOGIA DO PPgPNSB/CCS/UFPB

REGULAMENTO DO III CURSO DE VERÃO EM FARMACOLOGIA DO PPgPNSB/CCS/UFPB REGULAMENTO DO III CURSO DE VERÃO EM FARMACOLOGIA DO PPgPNSB/CCS/UFPB 1. Do regulamento e sua aplicação 1.1 A Comissão Organizadora do III Curso de Verão de Farmacologia (III CVF), composta por docentes

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS Ilha Solteira SP 2015 APRESENTAÇÃO O presente manual foi elaborado pela Comissão de Estágios do Curso de Engenharia Elétrica (CECEE) e aprovado

Leia mais