The Institute of Internal Auditors IIA BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "The Institute of Internal Auditors IIA BRASIL"

Transcrição

1 The Institute of Internal Auditors IIA BRASIL Certificações Internacionais CONTINUING PROFESSIONAL EDUCATION - CPE 1

2 Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos mandatórios do Programa de Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education - CPE) para as seguintes certificações: Certified Internal Auditors (CIA); Certification in Control Self-Assessment (CCSA); Certified Government Auditing Professional (CGAP); Certified Financial Services Auditor (CFSA) e Certification in Risk Management (CRMA). Também são especificados os métodos disponíveis aos profissionais certificados que desejam manter as suas designações vigentes. Os auditores internos são responsáveis por: Manter seus conhecimentos e competências. Atualizar seus conhecimentos e competências relacionadas com a melhoria e a evolução constante das normas de auditoria interna, procedimentos e técnicas. Requisitos do programa de CPE de acordo com os Padrões Internacionais do IIA 1) Visando incentivar o entendimento e a conformidade com as Normas Internacionais do IIA, o Conselho de Certificação Profissional estabeleceu que todos os profissionais certificados devem seguir as Normas Internacionais do IIA como parte de seu programa de CPE. 2) Profissionais certificados devem rever ou receber treinamento sobre as Normas Internacionais do IIA em algum momento durante seu período de informe do programa de CPE. 3) Caso você esteja preenchendo seu formulário e ainda não tenha cumprido esse requisito, por favor, reveja as Normas Internacionais antes de enviar seu formulário. 4) Também recomendamos que você reveja as Orientações Práticas (acessível através de sua senha como associado do IIA) e de outras sessões da Estrutura Internacional de Práticas Profissionais. 2

3 Requisitos para o Informe Programa de CPE Os profissionais certificados devem se autocertificar no que se refere ao cumprimento das horas de educação continuada exigidas. É responsabilidade do profissional certificado assegurar que os créditos do programa de CPE atestados estejam em conformidade com as diretrizes estabelecidas pelo Conselho de Certificação Profissional do IIA. Os formulários de Informe do Programa de CPE, submetidos anualmente, representam declarações assinadas de que todas as exigências aplicáveis referentes à Educação Profissional Continuada foram atendidas. Os formulários devem ser entregues até 31 de Dezembro do mesmo ano. O Instituto emitirá um reconhecimento de conformidade para cada candidato que atenda os requisitos deste guia. O Conselho de Certificação Profissional do Instituto, mediante solicitação, pode conceder isenção parcial ou total dos requisitos do programa de CPE baseado em justificativas pertinentes como serviço militar ou problemas pessoais. Cada profissional certificado deve enviar ao Instituto um formulário de informe de CPE em conformidade com os requisitos do programa. Não é necessário o envio da documentação de apoio. Cada profissional certificado deve manter uma cópia do seu formulário de Informe, juntamente com toda a documentação de apoio, ao menos por um período de três anos até que os registros não se apliquem mais ao que foi submetido anteriormente. Os registros devem estar disponíveis ao Instituto dos Auditores Internos (IIA) sempre que solicitadas. Os registros mantidos por candidatos em processo de certificação, como documentação de apoio ao formulário de informe, devem incluir as seguintes informações: a. Título do programa e/ou descrição do conteúdo. b. Datas participação. c. Local do curso ou programa. d. Organização patrocinadora. e. Horas de crédito, tal como recomendado pelo patrocinador do curso. f. Carta, certificado ou outro atestado independente de conclusão do curso. g. Documentação suporte publicada, palestras e comitês ou outra participação. Status de Informe do Programa de CPE Profissionais certificados deverão identificar um status dentre os listados abaixo quando enviarem informações anuais sobre o programa de CPE. O número de créditos exigidos pelo programa de CPE varia de acordo com a certificação possuída e de acordo com o status informado. 3

4 Status Praticante Não-Praticante Aposentado Inativo Definição Ativamente realizando auditoria interna/externa ou correlatas Não realiza auditoria interna/externa ou correlatas Não executa mais auditoria interna/externa ou correlatas Automaticamente colocado nesse status quando as horas de CPE não foram entregues Usa a credencial CIA CCSA, CFSA, CGAP e CRMA SIM SIM SIM NÃO SIM NÃO 0 0 NÃO Pratica a Auditoria Interna NÃO Créditos anuais requeridos enviar os formulários de CPE dos dois últimos anos com pagamento de taxa para voltar com o status CERTIFICADO ATIVO. Taxa anual de manutenção de CPE Todos os profissionais certificados com status de praticante ou não-praticante deverão estar em dia com sua anuidade do IIA Brasil. Caso o profissional não esteja em dia com sua anuidade não será possível o envio do formulário de CPE e, ocorrerá uma alteração automática de status de ATIVO para INATIVO. Reintegração Mediante o não envio dos relatórios de CPE, o status de certificação será alterado para INATIVO e a designação não poderá mais ser utilizada até que o status volte a ATIVO. Profissionais que estiverem com status INATIVO por mais de 12 meses, terão que informar 80 horas de programa CPE, estar com sua associação vigente ao Instituto e pagar uma taxa de reativação $ 200,00 (Duzentos Dólares) por cada certificação. Declarações Todos os profissionais certificados serão obrigados a declarar o seguinte quando estiverem preenchendo o formulário de informe: Exercem suas atividades de acordo com o IPPF. Cumprirão o Código de Ética do IIA. Não levarão o IIA ao descrédito Informarão toda e qualquer condenação criminal desde o último período informado. Atividades Qualificadoras de CPE Está previsto que os profissionais certificados deverão manter elevados padrões profissionais na seleção de programas educacionais de qualidade para atender os requisitos de CPE. Os seguintes critérios gerais devem ser satisfeitos para que um programa de educação continuada 4

5 seja aceito: Contribuir para a competência profissional dos participantes Especificar nos objetivos do programa o nível de conhecimento que os participantes devem atingir, ou o nível de competência a ser adquirida com a conclusão do programa; especificar os pré-requisitos de educação ou experiência, quando apropriado para o programa; Ser desenvolvido por pessoas qualificadas em relação ao assunto e à didática; Oferecer programa com conteúdo que seja atual; Ser de nível profissional e relacionado com o Common Body of Knowledge. Ser de nível profissional e relacionado com o CCSA. Ser de nível profissional e relacionado com o CFSA. Ser de nível profissional e relacionado com o CGAP. Ser de nível profissional e relacionado com o CRMA. Os seguintes temas gerais são aceitáveis à medida que preencham outros critérios do programa de CPE: 1. Auditoria e contabilidade; 2. Gestão e comunicação (oral e escrita); 3. Ciência da Computação; 4. Matemática, estatísticas e aplicativos quantitativos em negócios; 5. Economia; 6. Direito empresarial; 7. Tópicos específicos de negócios como finanças, produção, marketing e pessoal; 8. Áreas especializadas de atividades como governo, bancos, utilidades, ou petróleo e gás. Outras atividades, além das enumeradas na presente orientação, podem ser consideradas aceitáveis se o profissional certificado demonstrar que estas contribuem para sua competência profissional. Comprovar que uma atividade específica está qualificada como aceitável e atende aos requisitos é responsabilidade do profissional. O crédito de CPE será concedido em horas, sendo aceita como hora completa um mínimo de 50 minutos. Por exemplo, 100 minutos de ensino contínuo representam 2 horas; no entanto, mais de 50 minutos e menos de 100 minutos de instrução contínua representam apenas 1 hora. Somente horas de aula ou de auto estudo são admissíveis. Para conferências e convenções diversas, com períodos individuais menores que 50 minutos, a soma dos períodos deve ser considerada como o total do programa. Por exemplo, cinco apresentações de 30 minutos seria igual a 150 minutos e devem ser contabilizadas como 5

6 3 horas de participação. Exames Serão concedidas horas de CPE para o ano em que a certificação for obtida, conforme abaixo: 1 crédito = 50 minutos Ex: treinamento com carga de 32 horas 38 créditos de CPE Serão concedidas horas de CPE para o ano em que a certificação for obtida, conforme abaixo: CIA CRÉDITOS CCSA, CFSA, CGAP, CRMA CRÉDITOS Horas concedidas para o ano em que a certificação é obtida Horas concedidas para o ano seguinte Reporte das horas CPE exigidas anualmente - PRATICANTE Reporte das horas CPE exigidas anualmente - NÃO PRATICANTE Educação Máximo de horas creditadas = 40 (48 créditos CPE) Máximo de horas creditadas = 20 (24 créditos CPE) Pelo menos 5 das 20 horas de CPE devem ser nessa categoria. 1.) Programas de educação profissional e de desenvolvimento, tais como seminários e conferências, oferecidos por empresas de auditoria e contabilidade nacionais, estaduais e municipais 2.) Sessões técnicas em reuniões em empresas de auditoria e contabilidade nacionais, estaduais e municipais e em regionais. 3.) Programas formais de treinamento internos. 4.) Programas de outros patrocinadores (industriais, associações profissionais, etc.). 5.) Aprovação em cursos oferecidos por faculdade ou universidade (cursos com crédito ou não), exceto para os cursos os quais o CIA deve cursar para satisfazer o requisito do exame CIA de bacharel ou equivalente horas de crédito de CPE são concedidas para cada hora adquirida de crédito semestral em faculdade/universidade horas de crédito CPE são atribuídas para cada hora de crédito acumulada em trimestre de faculdade/universidade 6.) Aprovação em outros exames de: - Um máximo de 40 horas pode ser concedido no ano anterior Horas de CPE são concedidas por aprovação em cada parte de outros exames de contabilidade ou auditoria (por exemplo, o exame CPA ou CA). O Instituto deve ser contatado para informação sobre o número de horas de CPE concedidas para a aprovação em outros exames de certificação profissional. 6.) Aprovação em outros exames de: - Um máximo de 40 horas pode ser concedido no ano anterior Horas de CPE são concedidas por aprovação em cada parte de outros exames de contabilidade ou auditoria (por exemplo, o exame CPA ou CA). O Instituto deve ser contatado para informação sobre o número de horas de CPE concedidas para a aprovação em outros exames de certificação profissional. Programas de ensino a distância e auto-estudo relevantes para auditoria interna que possuam evidência de conclusão. 6

7 Publicações Contribuições para publicações devem ser relacionadas à esfera de certificações ou disciplinas relacionadas ao CBOK (Common Body of Knowledge). Artigos publicados ou livros não relacionados diretamente com auditoria interna serão aceitos se os profissionais certificados comprovarem que essas atividades contribuem para sua competência na profissão de auditoria. Veja a tabela abaixo: Máximo de horas = 25 Máximo de créditos CPE = 30 Em geral, uma página completa de matéria impressa em espaçamento simples equivale a 2 horas de créditos de CPE, com os seguintes limites: Livros = 25 horas (30 créditos CPE) Artigos = 15 horas (18 créditos CPE) Pesquisas = 15 horas (18 créditos CPE) Livros = 12 horas (14 créditos CPE) Artigos = 6 horas (07 créditos CPE) Pesquisas = 6 horas (07 créditos CPE) Traduções Máximo de horas = 25 Máximo de créditos CPE = 30 Em geral, uma publicação de página completa impressa em espaçamento simples equivale a 2 horas de créditos de CPE, com os seguintes limites: Livros = 25 horas (30 créditos CPE) Artigos = 15 horas (18 créditos CPE) Pesquisas = 15 horas (18 créditos CPE) Livros = 12 horas (14 créditos CPE) Artigos = 6 horas (07 créditos CPE) Pesquisas = 6 horas (07 créditos CPE) Apresentação oral Máximo de horas = 25 Máximo de créditos CPE = 30 As horas informadas para a primeira apresentação serão baseadas no tempo de apresentação, acrescida de pelo tempo de preparação equivalente a três vezes o tempo de apresentação. Apenas o tempo de apresentação será creditado nas apresentações subsequentes do mesmo material, podendo chegar ao máximo de 05 horas de crédito de CPE por ano. 7

8 Participação Máximo de horas = 15 Máximo de créditos CPE = 18 Participação como agente ou membro de um comitê em uma organização profissional de negócios relacionados com a auditoria interna. 1 hora de CPE para cada hora de participação será creditada. Avaliações Independentes de Qualidade Máximo de horas = 20 Máximo de créditos CPE = 24 Créditos de CPE podem ser concedidos anualmente na categoria de atividades de revisão independente de garantia de qualidade. Uma hora de CPE será concedida por cada hora gasta em campo, com os seguintes limites sobre qualquer atividade de revisão de garantia de qualidade: 1. Validação (externa) independente de auto avaliação de atividade de auditoria interna (conforme definido no Professional Practices Framework): máximo de 5 horas de CPE por revisão. 2. Revisão externa de avaliação de qualidade de uma semana: máximo de 10 horas por revisão. 3. Revisão externa de avaliação de qualidade de duas semanas: máximo de 20 horas. 1. Validação (externa) independente de auto avaliação de atividade de auditoria interna (conforme definido no Professional Practices Framework): máximo de 5 horas de CPE por revisão. 2. Revisão externa de avaliação de qualidade de uma semana: máximo de 05 horas por revisão. 3. Revisão externa de avaliação de qualidade de duas semanas: máximo de 10 horas. Nenhuma hora de CPE será concedida para atividades tais como tempo de preparação e redação de relatório. 8

9 Oportunidades para compor Horas de CPE Se você está procurando algumas formas de obter suas horas de CPE - confira nossa grade de treinamentos e eventos. As conferências, seminários e o CONBRAI são ótimas formas de obter créditos de CPE. Enquanto você se mantém informado sobre temas importantes, desenvolve de suas habilidades e se relaciona com outros profissionais da área. Para mais informações acesse o nosso site e confira nosso calendário de eventos. 9

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE)

Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Diretriz Administrativa de Requisitos de Educação Profissional Continuada nº 4: 2011 Educação Profissional Continuada (Continuing Professional Education CPE) Objetivo Este documento contém os requisitos

Leia mais

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames Para os profissionais de acesso por corda. Rev. 00 SUMÁRIO 1. OBJETIVO.... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. REVISÃO... 3 5. DOCUMENTO

Leia mais

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta

PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO. Escola SENAI Anchieta PROGRAMA VIVÊNCIA PROFISSIONAL : REGULAMENTO DA PRÁTICA PROFISSIONAL / ESTÁGIO Escola SENAI Anchieta Sumário Página 01 Prática Profissional / Estágio 03 02 Da carga horária da Prática Profissional / Estágio

Leia mais

Formação e Certificação

Formação e Certificação Formação e Certificação Requisitos de CPE para CIAs Editado por Giovani Ehrhardt*. Traduzido por Ana Clara Sebastião Macedo Ventura. Resumo: Este artigo visa esclarecer os requisitos obrigatórios da Formação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA ORIENTAÇÕES EDIÇÃO 2015 DESCRIÇÃO DOS MATERIAIS 2015 Caderno de apresentação. Caderno para gestores e equipe pedagógica

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEOFÍSICA ESPACIAL TÍTULO I A ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O Curso de Pós-Graduação em Geofísica Espacial (GES) do INPE, com áreas de concentração em (i) Ciência do

Leia mais

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS

MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS MANTENEDORA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE AECISA MANTIDA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE- FPS REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES RECIFE/PE Atualizado em 21 de setembro de 2015 1 SUMÁRIO

Leia mais

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica

Padrões de Desempenho Profissional Parte 1 Modelo de Competências. Visão de Negócios. Educação continuada do. candidato. Competência Técnica IBCO Instituto Brasileiro dos Consultores de Organização ICMCI - TheInternational Council of Management Consulting Institutes Professional Standards Committee (PSC) Modelo de Competências e de Verificação

Leia mais

EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA

EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA EDITAL nº 01/2015 CHAMADA PARA CREDENCIAMENTO DE LIDERES DE GRUPOS DE PESQUISA A Coordenação de Pesquisa e Extensão (COPEX) informa à comunidade acadêmica da Faculdade Leão Sampaio que está recebendo solicitações

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA MANUAL DE ESTÁGIOS Ilha Solteira SP 2015 APRESENTAÇÃO O presente manual foi elaborado pela Comissão de Estágios do Curso de Engenharia Elétrica (CECEE) e aprovado

Leia mais

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º As Complementares (AC) atendem ao Parecer n 776/97 da CES, que trata das Diretrizes Curriculares dos cursos de graduação,

Leia mais

ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM MATEMÁTICA

ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM MATEMÁTICA ESTÁGIO OBRIGATÓRIO EM MATEMÁTICA Como funciona o Estágio no curso de matemática? O Curso de Licenciatura em Matemática atende também a essa determinação, pois integra em seu currículo as disciplinas Prática

Leia mais

CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGIMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGIMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO REGIMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Patrocínio, junho de 2013 SUMÁRIO Título I - Disposições Preliminares... 02 Título II - Da Caracterização... 02 Capítulo I Dos

Leia mais

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte

Organização da Aula. Auditoria em Certificação Ambiental. Aula 2. Auditoria Ambiental. Contextualização. Instrumentalização. Prof. Luiz Antonio Forte Auditoria em Certificação Ambiental Organização da Aula Auditorias ambientais Aula 2 Prof. Luiz Antonio Forte Critérios para qualificação de auditores Estudo de caso Auditoria Ambiental Contextualização

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Anexo X ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Anexo X ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Anexo X ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO O Colegiado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação, em conformidade às diretrizes do Projeto Pedagógico do Curso

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO - CAPES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO Normas e Critérios para Concessão de Bolsas por quota - CAPES e CNPq 2014/2015 (* Alterações aprovadas em reunião do Conselho do Programa realizada no dia 22 de agosto

Leia mais

PERÍODO DE INSCRIÇÃO DE TRABALHOS

PERÍODO DE INSCRIÇÃO DE TRABALHOS II JORNADA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM XI JORNADA DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO DO SUL II ENCONTRO DOS MESTRADOS PROFISSIONAIS EM EDUCAÇÃO E LETRAS 5 a 8 de outubro de 2016 TEMA: A BASE NACIONAL CURRICULAR

Leia mais

ORIENTAÇÕES DISCIPLINAS EAD GRADE REGULAR, DP/AD e OPTATIVAS

ORIENTAÇÕES DISCIPLINAS EAD GRADE REGULAR, DP/AD e OPTATIVAS ORIENTAÇÕES DISCIPLINAS EAD 2016.2 GRADE REGULAR, DP/AD e OPTATIVAS 1) A atribuição das notas será para a NP1 será pelo acesso e resolução dos exercícios (DE TODAS AS UNIDADES DISPONÍVEIS), considerando

Leia mais

NORMAS PARA INGRESSO DE ALUNOS NO PROGRAMA DE EXTENSÃO EM SAÚDE COLETIVA: EDUCAÇÃO CONTINUADA PESC/PPGCol /1

NORMAS PARA INGRESSO DE ALUNOS NO PROGRAMA DE EXTENSÃO EM SAÚDE COLETIVA: EDUCAÇÃO CONTINUADA PESC/PPGCol /1 NORMAS PARA INGRESSO DE ALUNOS NO PROGRAMA DE EXTENSÃO EM SAÚDE COLETIVA: EDUCAÇÃO CONTINUADA PESC/ - 2016/1 O Coordenador do -, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, comunica a abertura do processo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 017/ CONSELHO SUPERIOR

RESOLUÇÃO Nº 017/ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 017/2015 - CONSELHO SUPERIOR Regulamenta o desenvolvimento das Atividades Teórico-Práticas de Aprofundamento em áreas específicas de interesse do estudante dos cursos de licenciatura do IFPI.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES O que são as atividades complementares? - as atividades complementares são um componente curricular obrigatório segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regulamento visa orientar os alunos referente aos objetivos, critérios, procedimentos e mecanismos de

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano Mestrado e Doutorado

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano Mestrado e Doutorado Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano Mestrado e Doutorado ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA PARA AVALIAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Belo Horizonte 2015 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementares do Curso Superior de Tecnologia em Estética e Cosmética do Centro Universitário

Leia mais

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO POLÍTICA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO Última atualização: 18/03/2014 Versão A EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pela área de RH Aprovado e revisado pela Gerência de RH A reprodução e a distribuição

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema-Departamento de Ciências Biológicas

Ministério da Educação Universidade Federal de São Paulo Pró-Reitoria de Graduação Campus Diadema-Departamento de Ciências Biológicas Regulamento das Atividades Acadêmico-Científico e Culturais Normatização Regulamenta as atividades acadêmico-científicoculturais do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas, UNIFESP, Diadema. Art. 1º.

Leia mais

Nesta seção são divulgadas as perguntas frequentes sobre a Universidade Federal de Pernambuco e ações no âmbito de sua competência.

Nesta seção são divulgadas as perguntas frequentes sobre a Universidade Federal de Pernambuco e ações no âmbito de sua competência. Nesta seção são divulgadas as perguntas frequentes sobre a Universidade Federal de Pernambuco e ações no âmbito de sua competência. UFPE 1. QUAIS SÃO AS FORMAS DE INGRESSO NA UFPE? A admissão de alunos

Leia mais

FACULDADE DE MAUÁ FAMA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE DE MAUÁ FAMA MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MAUÁ FAMA CURSO BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO - BACHAREL EM SERVIÇO SOCIAL MAUÁ, 2013/2014/2015 0 1 ATIVIDADES COMPLEMENTARES As atividades complementares,

Leia mais

A análise curricular, de caráter classificatório observará os seguintes itens de acordo com o quadro de Análise curricular abaixo: Valor

A análise curricular, de caráter classificatório observará os seguintes itens de acordo com o quadro de Análise curricular abaixo: Valor ERRATA I Onde se lê 7. Da Análise Curricular A análise curricular, de caráter classificatório observará os seguintes itens de acordo com o quadro de Análise curricular abaixo: Itens Conteúdo Valor Unitário

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE FLEXIBILIZAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA. CAPÍTULO I Definição

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE FLEXIBILIZAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA. CAPÍTULO I Definição REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE FLEXIBILIZAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA CAPÍTULO I Definição Art. 1º A flexibilização curricular envolve atividades acadêmicas previstas no projeto pedagógico do Curso de Medicina

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Introdução REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Introdução O presente regulamento constitui um documento interno do curso de Ciências Contábeis e tem por objetivo reger as atividades relativas ao Estágio Supervisionado.

Leia mais

E D I T A L Nº 01/2013, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2013

E D I T A L Nº 01/2013, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CENTRO DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS PRÓ-SAÚDE

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP ANEXO II REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CURSO DE MATEMÁTICA COM ÊNFASE EM INFORMÁTICA DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO SÃO LUÍS DE JABOTICABAL SP CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENSINO DE BIOLOGIA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação na

Leia mais

Regulamento Interno Para Bolsas PCI

Regulamento Interno Para Bolsas PCI Regulamento Interno Para Bolsas PCI Introdução Este documento contém a regulamentação para o uso de bolsas do Programa de Capacitação Institucional PCI no. São estabelecidas regras para a solicitação de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ RESOLUÇÃO Nº 86/ CONSELHO SUPERIOR

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ RESOLUÇÃO Nº 86/ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 86/2016 - CONSELHO SUPERIOR Regulamenta o desenvolvimento das atividades complementares em áreas específicas de interesse do estudante dos cursos de Tecnologia e Bacharelados do IFPI. O Presidente

Leia mais

Regulamento de Formação. CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua. Artigo 1.º Conceito

Regulamento de Formação. CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua. Artigo 1.º Conceito Regulamento de Formação CAPÍTULO I Objetivo e caracterização da formação profissional contínua Artigo 1.º Conceito A formação profissional contínua compreende um conjunto de atividades para o desenvolvimento

Leia mais

Manual de Atividades Complementares

Manual de Atividades Complementares CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Manual de Atividades Complementares Belo Horizonte 1 Prezado(a) aluno(a): Este é o Manual de Atividades Complementar

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES

EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA EDITAL PIBID-UFBA Nº 13/2016 SELEÇÃO DE SUPERVISORES A Pró-Reitoria de Ensino

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 05/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 05/2014 PREÂMBULO A Confederação Nacional de Municípios CNM, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.703.157/0001-83, com sede no SCRS 505, Bloco

Leia mais

TRANSFERÊNCIA EXTERNA (EXTERIOR)

TRANSFERÊNCIA EXTERNA (EXTERIOR) EDITAL COMPLETO PARA INGRESSO POR TRANSFERÊNCIA EXTERNA (EXTERIOR) PERÍODO DE INGRESSO 2017.1 INÍCIO DAS AULAS 07 de março de 2017 PRAZO PARA SOLICITAÇÃO 13 de outubro a 16 de novembro de 2016 Local: Setor

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

Instituto de Educação Universidade de Lisboa

Instituto de Educação Universidade de Lisboa Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais 14 15 Edição Instituto de Educação da Universidade de Lisboa

Leia mais

ANEXO IV - FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO DE ISENÇÃO ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA RESIDÊNCIA MÉDICA

ANEXO IV - FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO DE ISENÇÃO ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA RESIDÊNCIA MÉDICA ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA RESIDÊNCIA MÉDICA INSTRUÇÕES GERAIS PARA SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DO PAGAMENTO DO VALOR DA INSCRIÇÃO ATENÇÃO Leia atentamente o Edital de Abertura para solicitação de isenção do pagamento

Leia mais

ANEXO II. Fichas de Avaliação das Provas Didática e de Títulos FICHA DE AVALIAÇÃO INDIVIDUAL DA PROVA DIDÁTICA EDITAL N / /2016

ANEXO II. Fichas de Avaliação das Provas Didática e de Títulos FICHA DE AVALIAÇÃO INDIVIDUAL DA PROVA DIDÁTICA EDITAL N / /2016 Ministério da Educação Fundação Universidade Federal de Rondônia Pró-Reitoria de Graduação Campus Professor Francisco Gonçalves Quiles - Cacoal ANEXO II Fichas de Avaliação das Provas Didática e de Títulos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS APLICADAS E EDUCAÇÃO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA Portaria nº. 01/10 - CCE Regulamenta os conteúdos complementares flexíveis, fixados no

Leia mais

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior.

Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. Projeto para Implantação de um Novo Curso de Mestrado em uma Instituição de Ensino Superior. PLANO GERAL DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO Com a entrada em vigor da Lei 9.394/96 Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

Sistema de Gestão do Processo de Certificação ABNT (CERTO) Guia do Auditor

Sistema de Gestão do Processo de Certificação ABNT (CERTO) Guia do Auditor Pag. Nº 1/23 SUMÁRIO 1 Comentários Gerais 2 Login 3 Segurança do Sistema 4 Área Principal 5 Ferramentas de comunicação 6 Solicitação de serviço: identificação da auditoria 7 Solicitação de serviço: documentos

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009

COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009 COORDENAÇÃO DO CURSO DE C.S.T. EM PROCESSOS QUÍMICOS PORTARIA NORMATIVA Nº 1, 14 DE SETEMBRO DE 2009 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária para compor atividades

Leia mais

MANUAL EVENTOS APOIADOS

MANUAL EVENTOS APOIADOS MANUAL DE EVENTOS APOIADOS Atualizado em 06 de Maio de 2016 1. INTRODUÇÃO... 3 2. NATUREZA DO APOIO... 3 3. PROPOSTA DE REALIZAÇÃO DO EVENTO... 3 3.1 PERÍODO DE REALIZAÇÃO DOS EVENTOS... 4 4. SERVIÇOS

Leia mais

Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012

Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012 Resolução UNESP nº 65 de 23/04/2012 Aprova o Regulamento do Programa de Pós-graduação em Ciências Odontológicas- Áreas de Odontopediatria, Ortodontia e Dentística Restauradora, Cursos de Mestrado Acadêmico

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO)

ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) ORIENTAÇÕES PARA A DEFESA DE PROJETO DE DISSERTAÇÃO (QUALIFICAÇÃO) A Defesa de Projeto de Dissertação consiste na elaboração e apresentação oral, perante banca examinadora, do projeto de pesquisa que será

Leia mais

FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Autuação Relacionamento

FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL. Autuação Relacionamento FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL Autuação Relacionamento FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL O relacionamento: Instituições públicas Organizações privadas NOVO POSICIONAMENTO DO CREA-RJ PREMIAR

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS (Dev-Apps)

ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS (Dev-Apps) FACULDADE CESAR Unidade de Educação do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEIS (Dev-Apps) PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Edital do Processo Seletivo

Leia mais

Qualificar Mais EDITAL

Qualificar Mais EDITAL Qualificar Mais EDITAL EDITAL N 001 05 de Outubro de 2016 Disponibilidade de Vagas e Regras para matrículas de Alunos e Processo seletivo para concessão de bolsas de estudo. 1. DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), através da D ireção de DIRETORIA DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR Curso Superior de Tecnologia em Design de Interiores do IFPB Campus João Pessoa EDITAL Nº 11, 23 DE OUTUBRO DE 2016 PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE COMPETÊNCIAS/CONHECIMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição:

RESOLUÇÃO N Parágrafo 2º São de responsabilidade da diretoria da instituição: RESOLUÇÃO N 2554 Dispõe sobre a implantação e implemenação de sistema de controles internos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO

Leia mais

2ª CHAMADA AO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE CONSULTORES CERNE 2 12 a 18 de janeiro de 2016

2ª CHAMADA AO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE CONSULTORES CERNE 2 12 a 18 de janeiro de 2016 2ª CHAMADA AO I EDITAL DE CREDENCIAMENTO DE CONSULTORES CERNE 2 12 a 18 de janeiro de 2016 1. APRESENTAÇÃO A Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC), com sede

Leia mais

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 - BR - Procedimento de Reclamação - Cliente Página 2 de 8 PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Guaratinguetá, SP Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 -

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA PIBID SELEÇÃO DE PROFESSOR SUPERVISOR EDITAL PIBID FEEVALE Nº. 06/2013 A Pró-reitora de Ensino da Universidade Feevale, no uso de suas atribuições,

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CRCMG Nº 352, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Estabelece o Regulamento dos cursos presenciais e a distância realizados pelo CRCMG. O PLENÁRIO DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA

DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA DIRETRIZES PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES (ACG s) DO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA FACULDADE HORIZONTINA HORIZONTINA SETEMBRO/2008 O aluno do Curso de Ciências Econômicas da Faculdade Horizontina, deverá,

Leia mais

Política de Auditoria Interna

Política de Auditoria Interna Política de Auditoria Interna 22 de outubro 2013 Define a missão, a independência, a objetividade, as responsabilidades e regulamenta a função da auditoria interna. ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. PÚBLICO ALVO...

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE INVESTIMENTOS, GESTOR DOS RECURSOS E COMITÊ DE INVESTIMENTOS

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE INVESTIMENTOS, GESTOR DOS RECURSOS E COMITÊ DE INVESTIMENTOS PARECER DE INVESTIMENTO Nº. 088/2016 Cuiabá MT, 11 de maio de 2016 CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL DE INVESTIMENTOS, GESTOR DOS RECURSOS E COMITÊ DE INVESTIMENTOS Prezados senhores diretores executivos; Enviamos

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento dispõe sobre as Atividades Complementares do Curso de Direito. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Contabilidade

Leia mais

EDITAL CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO FRUTAL CONSULTORIA JÚNIOR

EDITAL CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO FRUTAL CONSULTORIA JÚNIOR EDITAL CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS PROCESSO SELETIVO FRUTAL CONSULTORIA JÚNIOR 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A Empresa Júnior da Universidade Estadual de Minas Gerais torna público o processo seletivo destinado

Leia mais

Tabela de Conversão de horas - Atividades Complementares ESC- ECDE - EAETI - ENDH (Exceto Direito)

Tabela de Conversão de horas - Atividades Complementares ESC- ECDE - EAETI - ENDH (Exceto Direito) Tabela de Conversão de horas - s Complementares ESC- ECDE - EAETI - ENDH (Exceto Direito) GRADUAÇÃO BACHARELADO Dimensão por por Aproveitamento de disciplinas de cursos de Pós-graduação Stricto Sensu e

Leia mais

DIPLOMAS DE ESPANHOL LÍNGUA EXTRANGEIRA. I. Primeiro Passo

DIPLOMAS DE ESPANHOL LÍNGUA EXTRANGEIRA. I. Primeiro Passo DIPLOMAS DE ESPANHOL LÍNGUA EXTRANGEIRA I Primeiro Passo Informações Gerais O que são os Exames do DELE? O Instituto Cervantes organiza e administra os Diplomas do DELE (Diploma de Español como Lengua

Leia mais

EDITAL Nº SPO.046, DE 30 DE AGOSTO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DOS CURSOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº SPO.046, DE 30 DE AGOSTO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA O PREENCHIMENTO DE VAGAS DOS CURSOS DE EXTENSÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CÂMPUS SÃO PAULO EDITAL Nº SPO.046, DE 30 DE AGOSTO DE 2016 PROCESSO

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

VIII SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NORMAS

VIII SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NORMAS Núcleo de Pesquisa VIII SIMPÓSIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NORMAS 1. INSCRIÇÕES: 1.1. As inscrições dos trabalhos deverão ser feitas por 1 (um) de seus autores, no link que estará disponível no site da FACIMED

Leia mais

Resolução nº 004/2015

Resolução nº 004/2015 Resolução nº 004/2015 Dispõe sobre estágio de prática docente para os alunos do Mestrado em Direito e Instituições do Sistema de Justiça. Art. 1º O Estágio de Prática Docente (EPD) tem por objetivo aperfeiçoar

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 06/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 06/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 06/2014 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 06/2014 PREÂMBULO A Confederação Nacional de Municípios CNM, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.703.157/0001-83, com sede no SCRS 505, Bloco

Leia mais

Regimento da Comissão Especial de Sistemas de Informação CESI SBC I. Composição da CESI e seu Comitê Gestor

Regimento da Comissão Especial de Sistemas de Informação CESI SBC I. Composição da CESI e seu Comitê Gestor Regimento da Comissão Especial de Sistemas de Informação CESI SBC I. Composição da CESI e seu Comitê Gestor a. A Comissão Especial de Sistemas de Informação, doravante denominada CESI, é integrante da

Leia mais

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP

REGULAMENTO. Bolsa Instituto TIM OBMEP REGULAMENTO Bolsa Instituto TIM OBMEP A bolsa Instituto TIM OBMEP é uma iniciativa do Instituto TIM, em parceria com a Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas OBMEP com o objetivo de dar

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004.

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. MINISTÉRIO DA JUSTIÇA COMISSÃO NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA NOS PORTOS, TERMINAIS E VIAS NAVEGÁVEIS - CONPORTOS RESOLUÇÃO Nº 20, DE 05 DE MARÇO DE 2004. Dispõe sobre a regulamentação para a realização

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ

PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE MONITORIA DA FACULDADE DE MEDICINA DE ITAJUBÁ TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA Artigo 1º - O Programa de Monitoria, mantido pela Faculdade de Medicina de Itajubá,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA PARA AVALIAÇÃO DE CURRÍCULO

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA PARA AVALIAÇÃO DE CURRÍCULO Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano Mestrado e Doutorado ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DA

Leia mais

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO- ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO- ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS REGULAMENTO- ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares constituem parte da Carga Horária do Curso de Relações Internacionais da UNIFESP Osasco, em um total

Leia mais

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE INGRESSO EXTRA - VESTIBULAR TRANSFERÊNCIA E POTADOR DE DIPLOMA EDITAL Nº 01/2014, DE 11 DE JUNHO DE 2014. A Faculdade Pernambucana de Saúde torna pública as Condições de

Leia mais

INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA

INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA INDEPENDÊNCIA & OBJETIVIDADE EM AUDITORIA INTERNA Renato Trisciuzzi, CIA, CCSA, CRMA, Contador, MSC. Presidente do Conselho de Administração IIA BRASIL Independência e Objetividade Independência: A liberdade

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA

FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA FACULDADE DO VALE DO JAGUARIBE FVJ COORDENAÇÃO DOS CURSOS DE LETRAS E DE PEDAGOGIA PROJETO DE EXTENSÃO ACADÊMICA ENSINANDO PARA APRENDER: CAMINHOS DA PROFISSÃO Edital 006/2015 FVJ Seleção de alunos dos

Leia mais

14/03/2014. A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar?

14/03/2014. A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar? 14/03/2014 A importância da aplicação de metodologia na geração de resultados em Auditoria Interna Como as certificações podem ajudar? Eduardo da Costa Azevedo Gerente Executivo de Auditoria Interna Tegma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 03/2013-CMCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 03/2013-CMCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 03/2013-CMCA Regulamenta as Atividade Complementares do Curso de Engenharia Mecatrônica

Leia mais

PROCEDIMENTO DE TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

PROCEDIMENTO DE TREINAMENTO, CONSCIENTIZAÇÃO E COMPETÊNCIA APROVAÇÃO: DATA: 28.06.07 PÁGINA : 1/7 CONTROLE DE REVISÕES: Revisão Data Itens modificados Observações 00 23.02.2006 - - 01 18.06.2007 Anexo 01 Alteração de Documentos a serem treinados para Documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 RESOLVE

RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 RESOLVE INSTITUTO BRASILEIRO DE ATUÁRIA RESOLUÇÃO IBA N 02/2008 Dispõe sobre a Certificação do Atuário Responsável Técnico e do Atuário Independente O Instituto Brasileiro de Atuária - IBA, por decisão de sua

Leia mais

Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Conselho Acadêmico do Curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Conselho Acadêmico do Curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação Conselho Acadêmico do Curso de Biblioteconomia e Ciência da Informação Regulamento de Atividades Complementares São Paulo Março/2012 SUMÁRIO CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2016

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2016 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 09/2016 PROCESSO DE SELEÇÃO Nº 09/2016 PREÂMBULO A Confederação Nacional de Municípios CNM, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 00.703.157/0001-83, com sede no SCRS 505, Bloco

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador. ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial. Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador. ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento Curso Superior de Tecnologia em Gestão Empresarial Prof. Me. Vitor Paulo Boldrin Organizador ATIVIDADES ACADÊMICO-CIENTÍFICO-CULTURAIS Regulamento Jales 2016 APRESENTAÇÃO E EMENTA O presente texto visa

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO BÁSICO 2017 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS

PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO BÁSICO 2017 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS PROCESSO SELETIVO DE TUTORES MÓDULO BÁSICO 2017 POLOS UFRN CENTRAL, CENEP, MOSSORÓ, CAICÓ E ANGICOS A Coordenação de Cursos Técnicos do Instituto Metrópole Digital (IMD) da Universidade Federal do Rio

Leia mais

ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR)

ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR) ANEXO D - REGULAMENTO DE AAC (ATIVIDADE ACADÊMICA COMPLEMENTAR) REGIMENTO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - SEMESTRAL DA FACULDADE DE APUCARANA-FAP

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Campus Sobral Curso de Engenharia Elétrica

Universidade Federal do Ceará Campus Sobral Curso de Engenharia Elétrica Universidade Federal do Ceará Campus Sobral Curso de Engenharia Elétrica REGULAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO FINAL DE CURSO Comissão: - Prof. Raimundo Furtado Sampaio - Prof. André Lima - Prof.

Leia mais

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011

NÚCLEOS DE ENSINO Convite 2011 A Reitoria, por intermédio da Pró-Reitoria de Graduação PROGRAD, torna público e CONVIDA os professores da UNESP, interessados em Educação, a apresentarem propostas para obtenção de financiamento de projetos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3-PPGG/C/UNICENTRO, DE 24 DE AGOSTO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3-PPGG/C/UNICENTRO, DE 24 DE AGOSTO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3-PPGG/C/UNICENTRO, DE 24 DE AGOSTO DE 2012. Estabelece critérios para Apresentação de Solicitações de Auxílios Financeiros da para Participação de Docentes e Discentes em Eventos

Leia mais