AULA 9 SOFT-STARTER. Prof. Marcio Kimpara

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 9 SOFT-STARTER. Prof. Marcio Kimpara"

Transcrição

1 1 COMANDOS INDUSTRIAIS AULA 9 SOFT-STARTER Prof. Marcio Kimpara UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia

2 2 Partida com Soft-Starter Soft-starters são utilizados para a partida de motores de indução do tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora ou partida direta. Trata-se de um dispositivo eletrônico que controla a tensão sobre o motor através de um circuito eletrônico de potência, constituído por 3 pares de tiristores (SCRs) dispostos em antiparalelo. O ângulo de disparo de cada par de tiristores é controlado eletronicamente para aplicar uma tensão variável aos terminais do motor durante a aceleração e a desaceleração. Na partida, a soft-starter inicia a transferência gradual de energia para o motor, iniciando assim, suavemente a aceleração do mesmo, reduzindo os trancos e golpes nos componentes mecânicos e proporcionando uma "partida suave" (soft start em inglês), controlando a corrente de partida do motor.

3 Ligação de motores à rede da concessionária Prof. Marcio Kimpara UFMS/FAENG 3 Aplicações: Bombas centrífugas (saneamento, irrigação, petróleo); Ventiladores, exaustores e sopradores; Compressores de ar e refrigeração; Britadores e moedores; Picadores de madeira; Fornos rotativos; Serras e plainas (madeira); Transportadores de carga (Correias; Escadas rolantes; Esteiras de bagagens em aeroportos; Linhas de engarrafamento.

4 4 Funcionamento O método utilizado é o de incremento linear do ângulo de condução do tiristor, em ligação antiparalelo, nas três fases, resultando em aumento suave da tensão aplicada ao motor. A tensão eficaz aplicada ao motor R S T cresce linearmente (em rampa) F1,2,3 A frequência da tensão aplicada ao motor NÃO se altera, mas apenas o seu valor eficaz. SOFT STARTER Controle dos Tiristores MIT 3-5

5 5 O ângulo de disparo dos tiristores são comandados por um módulo microprocessado, programado pelo usuário através da IHM ou externamente usando as portas digitais.

6 6 Interface Homem Máquina (IHM) Parâmetros de Regulação Ex: P02 -Tempo da rampa de aceleração(s) Parâmetros de Configuração Ex: P61 - Habilitação dos comandos Parâmetros de Leitura Ex: P73 - Corrente do motor

7 7 Características Partida Compensadora Através de comando microprocessado (chave de partida eletrônica), controla os tiristores que ajustam a tensão enviada ao estator do motor; A tensão na partida é reduzida, diminuindo os picos de corrente gerados pela inércia da carga mecânica; O ajuste da tensão de partida é feito durante um tempo pré-definido pelo usuário; A redução da tensão deve ser cuidadosa, pois o motor poderá não ter mais força (torque) para acionar a carga na partida; Controla a potência do motor, sem entretanto alterar sua frequência (velocidade de rotação). Proteção contra falta de fase, sobre-corrente e subcorrente, etc.

8 8 -Vantagens: Não provoca trancos no sistema, limita a corrente de partida Evita picos de corrente e ainda incorpora parada suave e proteções; Não possui partes móveis ou que gerem arco, como nas chaves mecânicas, o que resulta em vida útil mais longa; Controla a aceleração e também a desaceleração do motor; -Desvantagens: Não deve ser utilizado para partida de motores em anel; Deve ser protegida por fusíveis ultra-rápidos; Com a redução da tensão aplicada, reduz-se o torque produzido; Custo pode ser mais elevado que dispositivos convencionais. Dissipação de Potência: Gera aquecimento por efeito Joule nos tiristores Exigem métodos eficientes de ventilação forçada Solução: Contator By-Pass Possibilidade de geração de Interferência Eletromagnética Produção de distúrbios harmônicos

9 9 COMPARAÇÃO CORRENTES DE PARTIDA

10 10 Fusíveis Ultra Rápidos utilizados em instalações industriais na proteção de semicondutores, tiristores, MOSFETs (Equipamentos com circuitos eletrônicos) que precisam de corte rápido em caso de curto para não danificar esses elementos eletrônicos. Dimensionada para atender à tensão e corrente do motor (potência). Incorpora proteções.

11 11 Montagem Prática Lab04 Utilize o Roteiro Lab04 para proceder com a configuração mínima para partir o motor

Partida de Motores Elétricos de Indução

Partida de Motores Elétricos de Indução Partida de Motores Elétricos de Indução 1 Alta corrente de partida, podendo atingir de 6 a 10 vezes o valor da corrente nominal. NBR 5410/04: a queda de tensão durante a partida de um motor não deve ultrapassar

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Novembro de 2016 São equipamentos eletrônicos destinados

Leia mais

H6 Acionamento Eletrônico através da Soft-starter. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H6 Acionamento Eletrônico através da Soft-starter. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H6 Acionamento Eletrônico através da Soft-starter Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Introdução São CHAVES DE PARTIDA microprocessadas, totalmente digitais. Projetadas para acelerar/desacelerar e proteger

Leia mais

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Simulado 1 (S1) * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos 1 COMANDOS INDUSTRIAIS Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Simulado 1 (S1) QUESTÕES DE CONCURSOS / ENADE * As questões a seguir foram retiradas exatamente como apareceram no caderno de questões dos concursos

Leia mais

AULA 1 - INTRODUÇÃO. Prof. Marcio Kimpara

AULA 1 - INTRODUÇÃO. Prof. Marcio Kimpara COMANDOS INDUSTRIAIS AULA 1 - INTRODUÇÃO Prof. Marcio Kimpara UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia Prof. Marcio Kimpara

Leia mais

Experiência 03: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos

Experiência 03: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.1 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Porque em muitos casos é necessário utilizar um método para partir um motor

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos ANEXO 1 QUESTÕES DE CONCURSO PÚBLICO

IECETEC. Acionamentos elétricos ANEXO 1 QUESTÕES DE CONCURSO PÚBLICO ANEXO 1 QUESTÕES DE CONCURSO PÚBLICO 1- Assinale a alternativa INCORRETA:. a) Chave seccionadora comum é um dispositivo de manobra sem carga (a vazio) utilizada para fins de manutenção apenas. b) Disjuntor

Leia mais

Principais Tipos de Máquinas Elétricas

Principais Tipos de Máquinas Elétricas Principais Tipos de Máquinas Elétricas Máquina de Corrente Contínua Possibilita grande variação de velocidade, com comando muito simples. Também requer fonte de corrente contínua para alimentação do circuito

Leia mais

ESTUDO DE ACIONAMENTOS DAS CHAVES DE PARTIDAS ELÉTRICAS E ELETRÔNICAS PARA MOTORES ELÉTRICOS

ESTUDO DE ACIONAMENTOS DAS CHAVES DE PARTIDAS ELÉTRICAS E ELETRÔNICAS PARA MOTORES ELÉTRICOS ESTUDO DE ACIONAMENTOS DAS CHAVES DE PARTIDAS ELÉTRICAS E ELETRÔNICAS PARA MOTORES ELÉTRICOS Breno Pereira Dela Bruna¹, Gustavo Contessi¹, Matheus Rossetti¹, Pedro Henrique Di Francia Rosso¹, Reginaldo

Leia mais

Disciplina: ELETROTÉCNICA GERAL Professor: Guilherme Stecca Marcom

Disciplina: ELETROTÉCNICA GERAL Professor: Guilherme Stecca Marcom Disciplina: ELETROTÉCNICA GERAL Professor: Guilherme Stecca Marcom Curso: Turma: Nome: R.A.: Engª Mecânica 4º Semestre Alexandre Zecchi 1359484379 Engª Mecânica 4º Semestre Gabriel Rodrigues 1310364624

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): 6ª Aula Prática: Partida de MIT de duas velocidades - Chave Manual 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução Dahlander; -Ligar o motor em ambas velocidades

Leia mais

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento

Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento. Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento Motores de indução trifásicos e dispositivos de acionamento - Tipos e características de motores trifásicos; -. Introdução com rotor gaiola de

Leia mais

Partida e Parada Suave

Partida e Parada Suave SIKOSTART Partida e Parada Suave de Motores Trifásicos Assíncronos Partida Direta I A / I N Característica: Corrente x Rotação M / M N Característica: Torque x Rotação 6 I I = f f (u) (u) 2 M = f f (u

Leia mais

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização;

Motores de Alto Rendimento. - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; 1 Motores de Alto Rendimento - Utilizam chapas magnéticas de aço silício que reduzem as correntes de magnetização; - Mais cobre nos enrolamentos, diminuindo as perdas por efeito Joule; - Alto fator de

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7 Partida de Motores Elétricos de Indução cap. 7 1 Introdução Corrente de partida da ordem de 6 a 10x o valor da corrente nominal; 2 Influência da Partida de um Motor Consumo de Energia Demanda de Energia

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Fevereiro de 2016 Equipamento que transforma energia elétrica

Leia mais

Webinar ABB - Voltimum Softstarter

Webinar ABB - Voltimum Softstarter ABB Produtos Baixa Tensão Seminário online Especificação, Aplicação e Vantagens das Softstarters Soluções e Lançamentos (PSTX) Webinar ABB - Voltimum Softstarter Especificação, Aplicação e Vantagens Por:

Leia mais

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS

AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS AULA 9 ATUADORES ELÉTRICOS Prof. Fabricia Neres Tipos de Acionamento Os acionadores são dispositivos responsáveis pelo movimento nos atuadores. Podem ser classificados em: Acionamento Elétrico; Acionamento

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos

Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Comandos Elétricos Heitor Medeiros Florencio Comandos Elétricos na Automação Industrial Conhecimentos de

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

SOFT STARTER DE BAIXA TENSÃO TRACCON

SOFT STARTER DE BAIXA TENSÃO TRACCON SOFT STARTER DE BAIXA TENSÃO TRACCON 144 Varixx Soluções Inovadoras em Eletrônica varixx.com.br APLICAÇÕES Partida suave de motores elétricos de indução trifásicos BENEFÍCIOS Fácil e rápida instalação

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA N ODMN-VIT-ET SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA N ODMN-VIT-ET SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015 SOFT-START PARA CONTROLE DE PARTIDA E PARADA DE MOTORES DE INDUÇÃO DE BAIXA TENSÃO ABRIL DE 2015 1/6 1 Descrição Soft-starter de baixa tensão trifásico para controle de partida e parada suaves de motor

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 01 - Introdução. à Eletrônica de Potência EPO I Aula 01 ELETRÔNICA DE POTÊNCIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula

Leia mais

lectra Material Didático COMANDOS ELÉTRICOS Centro de Formação Profissional

lectra Material Didático  COMANDOS ELÉTRICOS Centro de Formação Profissional lectra Centro de Formação Profissional Material Didático COMANDOS ELÉTRICOS WWW.ESCOLAELECTRA.COM.BR COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 1. MOTORES ELÉTRICOS 1.1. Classificação de motores 1.1.1. Motores

Leia mais

AULA 4 Dimensionamento Dispositivos Partida Direta. Prof. Marcio Kimpara

AULA 4 Dimensionamento Dispositivos Partida Direta. Prof. Marcio Kimpara 1 COMANDOS NDUSTRAS AULA 4 Dimensionamento Dispositivos Partida Direta Prof. Marcio Kimpara UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 9 : Partida de MIT com chave estrela/triângulo através de dispositivos de comandos. 1 - Objetivo Executar a montagem da ligação indireta de motores trifásicos através da partida

Leia mais

Motores de Indução Trifásicos Parte II

Motores de Indução Trifásicos Parte II SEL-0437 Eficiência Energética Motores de Indução Trifásicos Parte II Prof. José Carlos de Melo Vieira Júnior E-mail: jcarlos@sc.usp.br 1 Tópicos da Aula de Hoje Análise da partida dos motores Análise

Leia mais

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente.

Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. Note os contatos auxiliares NF que fazem com que jamais as contactoras C1 e C2 possam ser energizadas simultaneamente. 4.4. Chave de Partida Série-Paralelo As chaves de partida série-paralelo são utilizadas

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES

ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ATRAVÉS DO USO DE CONVERSORES DE FREQUÊNCIA EM APLICAÇÕES COM BOMBAS CENTRÍFUGAS E VENTILADORES Henrique Matheus Engenheiro Eletricista formado pela Universidade Federal de

Leia mais

PRINCIPAIS APLICAÇÕES COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE PARTIDA INTER ACE HOMEM-MÁQUINA

PRINCIPAIS APLICAÇÕES COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE PARTIDA INTER ACE HOMEM-MÁQUINA Soft-Starter Soft-Starter Série SSW-06 são chaves de partida estática, destinadas à aceleração, desaceleração e proteção de motores de indução trifásicos. O controle da tensão aplicada ao motor, mediante

Leia mais

Eletricista de Instalações

Eletricista de Instalações Eletricista de Instalações UFCD 1183- Variadores de velocidade - instalação e ensaio 2014/ 2015 Aperfeiçoamento nos métodos de produção e sua racionalização, mediante a automação e o controle os processos.

Leia mais

Introdução às máquinas CA

Introdução às máquinas CA Introdução às máquinas CA Assim como as máquinas CC, o princípio de funcionamento de máquinas CA é advindo, principalmente, do eletromagnetismo: Um fio condutor de corrente, na presença de um campo magnético,

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 23 Gradadores UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA DE POTÊNCIA I Aula 3 Gradadores, Dr. Eng. leandromichels@gmail.com

Leia mais

Máquinas e Acionamentos Elétricos Acionamentos de Motores de Indução Trifásicos CHAVES DE PARTIDA

Máquinas e Acionamentos Elétricos Acionamentos de Motores de Indução Trifásicos CHAVES DE PARTIDA CHAVES DE PARTIDA 1 PARTIDA DIRETA O motor parte com valores de conjugado (torque) e corrente de partida plenos, pois suas bobinas recebem tensão nominal (fig. 1.1). Fig. 1.1 (a) Ligação e tensão em triângulo

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 GRUPOS MOTOGERADORES - OPERAÇÃO GMG MODOS DE OPERAÇÃO O modo de operação do GMG pode afetar certas características

Leia mais

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA

CONVERSORES DE FREQUÊNCIA CONVERSORES DE FREQUÊNCIA Introdução a inversores Convertem tensão c.c. para c.a. simétrica de amplitude e frequência desejadas A forma de onda dos inversores não é senoidal 1 Algumas aplicações dos inversores

Leia mais

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO

PRÁTICA 2 - PARTIDA ESTRELA-TRIÂNGULO DO MOTOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO Comandos Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Introdução PÁTICA - PATIDA ETELA-TIÂNGULO DO MOTO DE INDUÇÃO TIFÁICO A chave estrela-triângulo é um dispositivo auxiliar de partida de motores

Leia mais

Partida Suave de Motores

Partida Suave de Motores Partida Suave de Motores 27 4 Partida Suave de Motores Objetivos Princípios de funcionamento de uma Chave de Partida Suave; Recursos de uma chave de partida suave - Soft-Starter. Ligação da chave Soft-Starter

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 Em instalações onde não for possível a energização

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 4 : Motores de indução trifásicos (MIT). Partida manual, reversão e ligação em estrela/triângulo. 1 - Introdução: Chaves manuais de partida de motores de indução trifásicos

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 CURSO: Bacharelado em Engenharia Elétrica

Leia mais

Metodologia para redimensionamento motriz: estudo de caso

Metodologia para redimensionamento motriz: estudo de caso BEM-VINDO AO WEBINAR Metodologia para redimensionamento motriz: estudo de caso Prof. Dr. MÁRIO CÉSAR GIACCO RAMOS Ramos Engenharia Teste de som: Reunião Gerenciar minhas configurações Assistente de configuração

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO

MANUAL DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO manual do usuário PROCEL SANEAR MANUAL DE SISTEMAS DE BOMBEAMENTO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AMT rotação máxima CURVA DA BOMBA ponto de operação curva de rendimento máximo CURVA DO SISTEMA VAZÃO HEBER PIMENTEL

Leia mais

Eletrotécnica básica Atividade prática

Eletrotécnica básica Atividade prática Eletrotécnica básica Atividade prática 1 SUMÁRIO Apresentação... 3 Identificação dos terminais de motor trifásico... 5 Chave de Partida direta automática (com contator)... 7 Comando com acionamento de

Leia mais

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 - Conhecer os métodos de partidas de motores elétricos; especificar tipo de acionamento. H2 - Conhecer os equipamentos e dispositivos utilizados em acionamento Técnico em Eletromecânica

Leia mais

Sumá rio Livro Comándos Ele tricos

Sumá rio Livro Comándos Ele tricos Sumá rio Livro Comándos Ele tricos Elaborador por Ensinando Elétrica Capítulo 1 Motores Elétricos 1.1. Introdução 1.2. Motores 1.3. Motor Monofásico com Capacitor de Partida 1.4. Motor de Indução Trifásico

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Trifásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito DISPOSITIVOS Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores Contra Sobrecarga De Proteção Contra Curto-Circuito Relé Térmico Fusíveis Sobrecarga - corrente elétrica acima da corrente nominal projetada

Leia mais

Soft-Starters. eficaz controle sobre bombas, evitando desta forma o Golpe de Ariete.

Soft-Starters. eficaz controle sobre bombas, evitando desta forma o Golpe de Ariete. Soft-Starters SSW- e SSW- Soft-Starters são chaves de partida estática, destinadas à aceleração, desaceleração e proteção de motores de indução trifásicos. O controle da tensão aplicada ao motor, mediante

Leia mais

A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente através de dois diagramas:

A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente através de dois diagramas: Partidas elétricas e eletrônicas A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente através de dois diagramas: Diagrama de força: representa a forma de alimentação do motor

Leia mais

INVERSORES DE FREQÜÊNCIA

INVERSORES DE FREQÜÊNCIA INVERSORES DE FREQÜÊNCIA 1. INTRODUÇÃO A eletrônica de potência, com o passar do tempo, vem tornando mais fácil (e mais barato) o acionamento em velocidade variável de motores elétricos. Com isto, sistemas

Leia mais

26/11/ Agosto/2012

26/11/ Agosto/2012 26/11/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/11/2012 2 Motores Elétricos Conceitos Motor elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em mecânica. É o mais usado de todos os tipos de

Leia mais

Motores Energia Automação Tintas. Automação Soft-Starters SSW-03 e SSW-04. zé iria produzir a foto

Motores Energia Automação Tintas. Automação Soft-Starters SSW-03 e SSW-04. zé iria produzir a foto Motores Energia Automação Tintas Automação Soft-Starters SSW-03 e SSW-04 zé iria produzir a foto Soft-Starters Soft-Starters são chaves de partida estática, destinadas à aceleração, desaceleração e proteção

Leia mais

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 - Conhecer os métodos de partidas de motores elétricos; especificar tipo de acionamento. H2 - Conhecer os equipamentos e dispositivos utilizados em acionamento Técnico em Eletromecânica

Leia mais

3.3 PROTEÇÃO E ACIONAMENTOS ELEMENTARES DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

3.3 PROTEÇÃO E ACIONAMENTOS ELEMENTARES DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 3.3 PROTEÇÃO E ACIONAMENTOS ELEMENTARES DE MÁQUINAS ELÉTRICAS As instalações elétricas de baixa tensão são projetadas e executadas para disponibilizar energia elétrica suficiente para atender a demanda

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS PROFESSOR: WILSON MENDES CAVALCANTE APOSTILA DE ACIONAMENTOS ELÉTRICOS MÓDULO 01: CHAVES MAGNÉTICAS

COORDENAÇÃO ACADÊMICA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS PROFESSOR: WILSON MENDES CAVALCANTE APOSTILA DE ACIONAMENTOS ELÉTRICOS MÓDULO 01: CHAVES MAGNÉTICAS COORDENAÇÃO ACADÊMICA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS PROFESSOR: WILSON MENDES CAVALCANTE APOSTILA DE ACIONAMENTOS ELÉTRICOS MÓDULO 01: CHAVES MAGNÉTICAS SIMBOLOGIA SIMBOLOGIA NOMENCLATURA Contatos principais

Leia mais

Conversão de Energia II

Conversão de Energia II Departamento de Engenharia Elétrica Aula 5.2 Acionamento e Controle dos Motores de Indução Trifásico Prof. João Américo Vilela Exercício 1 Para o motor de indução trifásico que tem as curva de torque,

Leia mais

AULA 2 ELEMENTOS BÁSICOS (Laboratório) Prof. Marcio Kimpara

AULA 2 ELEMENTOS BÁSICOS (Laboratório) Prof. Marcio Kimpara COMANDOS INDUSTRIAIS AULA 2 ELEMENTOS BÁSICOS (Laboratório) Prof. Marcio Kimpara UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia Prof.

Leia mais

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana)

MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS. Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) MÁQUINAS E ACIONAMENTOS ELÉTRICOS Prof. Hélio Henrique Cunha Pinheiro Curso: Eletrotécnica (integrado) Série: 4º ano C.H.: 160 aulas (4 por semana) OBJETIVOS Compreender os princípios básicos de funcionamento

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Soft-Starters SSW07 e SSW08

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Automação Soft-Starters SSW07 e SSW08 Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação SSW07 e SSW08 Soft-starters são chaves de partida estática, projetadas para a aceleração, desaceleração e proteção de motores elétricos

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia Proposta de Prática Com Soft-Starter Para o Laboratório de Eletricidade da FGA Autor: Renato Gomez Rabello Orientador:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA AULA 05

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MADEIREIRA AULA 05 AULA 05 1) O que são correias? 2) Quais são os componentes fundamentais de um sistema de transmissão por correias? 3) Onde observamos a utilização de correias? 4) Quais são as principais características

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Curso de Engenharia de Energia PROPOSTA DE PRÁTICA COM SOFT-STARTER PARA O LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE DA FGA Autor: Renato Gomez Rabello Orientador:

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco Brasil Desenvolvimento de Modelos de Dispositivos no ATPDraw para Simulação de Partida de

Leia mais

Abril - Garanhuns, PE

Abril - Garanhuns, PE 2 0 1 2. 1 Abril - Garanhuns, PE NOÇÕES FUNDAMENTAIS UNIVERSO TECNOLÓGICO EM MOTORES ELÉTRICOS: ASSÍNCRONO GAIOLA DE ESQUILO MONOFÁSICO ROTOR BOBINADO MOTOR C.A. SÍNCRONO TRIFÁSICO ASSÍNCRONO SÍNCRONO

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES AULA 20 FRENAGEM DE MOTORES 1- Introdução Em certos trabalhos efetuados por motores elétricos, há ocasiões em que o motor deixa de ser necessário e há energia de sobra a qual poderá, porventura ser aproveitada.

Leia mais

POWERTRANS ELETR RÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK JUNIOR MONOFÁSICO

POWERTRANS ELETR RÔNICA INDUSTRIAL Manual Técnico de Instalação e Operação POWERBLOCK JUNIOR MONOFÁSICO POWERTRANS Eletrônica Industrial Ltda. Rua Ribeiro do Amaral, 83 Ipiranga SP - Fone/Fax: (11) 2063-9001 E-mail: powertrans@powertrans.com.br Site: www.powertrans.com.br Manual Técnico de Instalação e Operação

Leia mais

LINHA CFW-09HD ALIMENTAÇÃO PELO LINK DC

LINHA CFW-09HD ALIMENTAÇÃO PELO LINK DC LINHA CFW-09HD ALIMENTAÇÃO PELO LINK DC Linha CFW-09HD Adendo ao Manual CFW-09 Adendo ao Manual CFW-09 Linha CFW-09HD l. INFORMAÇÕES GERAIS Este adendo traz informações relacionadas ao inversor de freqüência

Leia mais

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas

Eng. Everton Moraes. Método LIDE - Máquinas Elétricas Eng. Everton Moraes Eng. Everton Moraes Método LIDE - Máquinas Elétricas 1 Método LIDE - Máquinas Elétricas Sumário 1. Ligação dos motores de indução trifásico (MIT)... 3 1.1. Ligação de Motores de Indução

Leia mais

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B

Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA Disciplina de Eletrônica de Potência ET66B amauriassef@utfpr.edu.br paginapessoal.utfpr.edu.br/amauriassef

Leia mais

Tecnologia em Automação Industrial 2016 ELETRÔNICA II

Tecnologia em Automação Industrial 2016 ELETRÔNICA II Tecnologia em Automação Industrial 2016 ELETRÔNICA II Aula 22 Fonte chaveada Prof. Dra. Giovana Tripoloni Tangerino https://giovanatangerino.wordpress.com giovanatangerino@ifsp.edu.br giovanatt@gmail.com

Leia mais

PRÁTICA 5 - PARTIDA ELETRÔNICA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR

PRÁTICA 5 - PARTIDA ELETRÔNICA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR 1 Introdução Comandos Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara PRÁTICA 5 - PARTIDA ELETRÔNICA: INVERSOR DE FREQUÊNCIA ESCALAR O funcionamento dos inversores de frequência com controle escalar está

Leia mais

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Dispositivos de Acionamentos Elétricos

ELETRICIDADE INDUSTRIAL. Dispositivos de Acionamentos Elétricos ELETRICIDADE INDUSTRIAL Dispositivos de Acionamentos Elétricos Contatos Em acionamentos, as chaves podem assumir duas posições: NA (normalmente aberto) inglês NO Os pinos recebem dígitos 3 e 4 NF (normalmente

Leia mais

Motores Elétricos. Conteúdo. 1. Motor Síncrono 2. Motor Assíncrono 3. Motor CC

Motores Elétricos. Conteúdo. 1. Motor Síncrono 2. Motor Assíncrono 3. Motor CC Motores Elétricos Conteúdo 1. Motor Síncrono 2. Motor Assíncrono 3. Motor CC Motores Elétricos 2 1.0 MOTOR SÍNCRONO Os motores síncronos são motores de velocidade constante e proporcional com a frequência

Leia mais

Motores de Indução 2 Adrielle de Carvalho Santana

Motores de Indução 2 Adrielle de Carvalho Santana Motores de Indução 2 Adrielle de Carvalho Santana Da aula passada... Da aula passada... PARA MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Potência Mecânica em Motor Monofásico =... Note que agora não é necessário utilizar

Leia mais

7. ENSAIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS PARRÂMETROS DE UM MOTOR DE INDUÇÃO:

7. ENSAIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS PARRÂMETROS DE UM MOTOR DE INDUÇÃO: 7. ENSAIOS PARA A DETERMINAÇÃO DOS PARRÂMETROS DE UM MOTOR DE INDUÇÃO: 7.1 - Medição da resistência dos enrolamentos do estator: Este procedimento pode ser realizado através de um equipamento apropriado,

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo Introdução Teórica Contator Contatos Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo Introdução Teórica Contator Contatos Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5 4. Parte Prática 5

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA. Prof. Marcos Fergütz mar/2014

CHAVES DE PARTIDA. Prof. Marcos Fergütz mar/2014 CHAVES DE PARTIDA Prof. Marcos Fergütz mar/2014 TIPOS DE CIRCUITOS CIRCUITO DE POTÊNCIA CIRCUITO DE COMANDO CIRCUITO QUE OPERA À CORRENTE NOMINAL DA CARGA A SER ACIONADA. CIRCUITO QUE OPERA A LÓGICA DE

Leia mais

SSW-07 Soft-starter. Motores Automação Energia Tintas. g Fácil operação. g Elevado rendimento. g By-pass incorporado. g Proteções incorporadas

SSW-07 Soft-starter. Motores Automação Energia Tintas. g Fácil operação. g Elevado rendimento. g By-pass incorporado. g Proteções incorporadas Motores Automação Energia Tintas Soft-starter g Fácil operação g Elevado rendimento g By-pass incorporado g Proteções incorporadas g Elevado regime de partida g Controle total nas três fases Soft-Starters

Leia mais

Avanços de controle e tecnologia SMC -50

Avanços de controle e tecnologia SMC -50 Relatório técnico Avanços de controle e tecnologia SMC -50 Aceleração linear sem sensor e gestão de energia Tópico Página Introdução 2 Eficácia de energia com o método de partida apropriado 3 Modos de

Leia mais

1.2.5 Controlo de velocidade de Motores DC de Íman Permanente Programa em Assembly para Comando de PMDC... 29

1.2.5 Controlo de velocidade de Motores DC de Íman Permanente Programa em Assembly para Comando de PMDC... 29 Índice Geral Prefácio... XI Agradecimentos... XII Introdução... 1 Capítulo 1 Motores de Corrente Contínua... 3 1.1 MOTOR DE CORRENTE CONTÍNUA CONVENCIONAL... 3 1.1.1 Constituição... 4 1.1.2 Princípio de

Leia mais

Aula 09 Controladores de tensão CA

Aula 09 Controladores de tensão CA Aula 09 Controladores de tensão CA Prof. Heverton Augusto Pereira Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Engenharia Elétrica - DEL Gerência de Especialistas em Sistemas Elétricos de Potência

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos II Data: / / 20 Aluno(a): 1ª Aula Prática: Partida de motores de indução monofásicos com contatores. Prof. Epaminondas de Souza Lage 1 - Objetivos: -Identificar as partes constituintes do motor de indução

Leia mais

Aplicações de conversores

Aplicações de conversores Unidade V Aplicações de conversores 1. Fontes de alimentação CC 2. Correção de FP 3. Condicionadores de energia e UPS 4. Acionamento de motores Eletrônica de Potência 2 Introdução No início do curso, algumas

Leia mais

IMPORTANTE PARA O EXAME DE ANALISTA I - * IMPORTANTES PARA OS EXAMES DE ANALISTAS I E II IMPORTANTE PARA O EXAME DE ANALISTA II - #

IMPORTANTE PARA O EXAME DE ANALISTA I - * IMPORTANTES PARA OS EXAMES DE ANALISTAS I E II IMPORTANTE PARA O EXAME DE ANALISTA II - # FUNDAÇÃO DE PESQUISA E ASSESSORAMENTO À INDÚSTRIA E INSTITUTO DE VIBRAÇÃO MTA. ORIENTAÇÃO PARA ESTUDAR PARA O EXAME DE QUALIFICAÇÃO EM ANÁLISE DE VIBRAÇÕES. ESPECIALISTAS NÍVEIS I E II IMPORTANTE PARA

Leia mais

A Modernização definitiva à sua disposição

A Modernização definitiva à sua disposição CO Miconic BX VVVF A Modernização definitiva à sua disposição A solução mais completa do mercado Os elevadores projetados há alguns anos não contavam com dispositivos para evitar a formação de degraus,

Leia mais

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil.

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Eletricidade Professor(es) Teoria: Paulo Guerra Junior Laboratório: José Gomes e Francisco Sukys Carga horária 4 Código da

Leia mais

SSW-06 Soft-starter. Proteções de tensão Controle de Torque By-pass incorporado Soft PLC incorporado IHM LCD

SSW-06 Soft-starter. Proteções de tensão Controle de Torque By-pass incorporado Soft PLC incorporado IHM LCD SSW-06 Soft-starter Proteções de tensão Controle de Torque By-pass incorporado Soft PLC incorporado IHM LCD SSW-06 Soft-Starter Soft-Starter Série SSW-06 são chaves de partida estática, destinadas à aceleração,

Leia mais

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS

SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS DLB MAQCA 1893 SISTEMA PARA ESTUDO E TREINAMENTO NO ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS COM INVERSOR DE FREQUÊNCIA E AQUISIÇÃO DE DADOS Este conjunto didático de equipamentos foi idealizado para possibilitar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano. Código: 088 Município: Garça. Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais. Habilitação Profissional: Profissional

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Novembro de 2016 Essa chave alimenta as bobinas do motor

Leia mais

Máquinas Assíncronas. Prof. Gabriel Granzotto Madruga.

Máquinas Assíncronas. Prof. Gabriel Granzotto Madruga. Máquinas Assíncronas Prof. Gabriel Granzotto Madruga gabriel.madruga@ifsc.edu.br Maquinas elétricas: INTRODUÇÃO Motores: Energia Elétrica Acoplamento Magnético Energia Mecânica Geradores: Energia Mecânica

Leia mais

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO

PEA LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO PEA 2401 - LABORATÓRIO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS I DISPOSITIVOS DE COMANDO (COM_EA) RELATÓRIO NOTA Grupo:......... Professor:...Data:... Objetivo:......... 1 - ROTEIRO 1.1 - Análise das características

Leia mais

Acionamentos Elétricos

Acionamentos Elétricos Engenharia Elétrica - 9o período Hélio Marques Sobrinho hmarx@linuxtech.com.br http://linuxtech.com.br/downloads 1 / 58 Horários das aulas Segunda e Quarta 19:00 às 20:40 2 / 58 Bibliografia Referências

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO

NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO PROGRAMA DE EFICIENTIZAÇÃO INDUSTRIAL NORMAS TÉCNICAS E FATORES DE DIMENSIONAMENTO Prof. TOMAZ NUNES DEE - UFC NORMAS NBR 7094 - Máquinas Elétricas Girantes - Motores de Indução - Especificação. NBR 5031

Leia mais

H1- Interpretar as formas construtivas dos motores síncronos e assíncronos Aula 2

H1- Interpretar as formas construtivas dos motores síncronos e assíncronos Aula 2 H1- Interpretar as formas construtivas dos motores síncronos e assíncronos Aula 2 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 2.1 Motor Assíncrono Monofásico

Leia mais

Automação Soft-Starters. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Soft-Starters. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas SSW - Soft-Starter WEG O atual estado de desenvolvimento dos acionamentos elétricos concentra o resultado de um longo período de tentativas

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos QUEM SOMOS A MEGAPRESS é fabricante de sistemas de pressurização inteligentes e também painéis de comandos voltados para área de aquecimento, possuímos profissionais capazes de desenvolver

Leia mais