Resolução CONGREGII 03/09 de 25/06/ de 2009.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resolução CONGREGII 03/09 de 25/06/ de 2009."

Transcrição

1 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE CAMPUS II Resolução CONGREGII 03/09 de 25/06/ de Regulamenta Festas, Confraternizações, Comemorações e vendas de bebidas nos Campi II e VI do CEFET-MG O PRESIDENTE DA CONGREGAÇÃO DA UNIDADE CAMPUS II DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais, conforme resolução CD-069/08 de 02 de junho de 2008 que aprovou no âmbito do CEFET-MG o novo Estatuto da Instituição, e considerando : As deliberações da reunião da Congregação da Unidade Campus II de 25/06/2009; Que a finalidade do CEFET-MG é promover as atividades de ensino, pesquisa e extensão de forma indissociadas; Que os Campi II e VI são unidades de convivência de alunos da Educação Profissional e Tecnológica juntamente com alunos da Graduação; Que as atividades festivas concorrem diretamente com a atividade fim dos Campi II e IV e com o objetivo do CEFET-MG; Que as atividades festivas devem ser realizadas dentro das normas de controle e de segurança dos seus participantes; Que o CEFET-MG é uma instituição de ensino de Pessoa Jurídica de Direito Público não possuindo fins lucrativos com vendas de qualquer produto ou serviço; Que o CEFET-MG deve zelar pela segurança bio-psico-social da comunidade acadêmica dos Campi II e VI; RESOLVE estabelecer as seguintes medidas, aplicáveis aos Campi II e VI do CEFET- MG, para a realização, de confraternizações, comemorações e festas, organizadas ou promovidas pelos corpos docente, discente ou técnico e administrativo, bem como pelas respectivas associações, ou por entidades estudantis, diretórios, sindicatos, outras entidades e órgãos representativos da Comunidade Acadêmica: SEÇÃO I Das Definições 1

2 Art. 1º. Para os fins desta Portaria, considera-se: I. Festa: comemoração de data ou evento com fins de entretenimento, diversão ou confraternização, no âmbito dos Campi II e VI. II. Festa de Impacto: são festas temporárias de especial interesse público ocorrendo em período limitado capaz de concentrar pessoas em determinado espaço, aberto ou fechado, construído ou preparado para a atividade. III. Festa Institucional: comemoração de data ou evento com fins de entretenimento, diversão ou confraternização, no âmbito dos Campi II e VI, promovida pelo Diretor- Geral, Diretores de Pesquisa e Pós-Graduação, de Graduação, de Educação Profissional e Tecnológica, de Extensão, de Planejamento e Gestão e das Unidades, que envolva todos os níveis de ensino, aberto a toda comunidade e tenha como objetivo promover a missão do CEFET-MG. IV. Comissão Organizadora: grupo de pessoas pertencentes à comunidade acadêmica, responsável pela condução da festa, o qual assinará Termo de Responsabilidade pelo cumprimento das disposições, observando, em especial, o disposto nos artigos 11 e 12 deste documento. V. Plano de execução: documento escrito, estabelecendo o planejamento da execução da SEÇÃO II Das Festas de Baixo Impacto Art. 2º. As festas nos Campi II e VI serão autorizadas pela respectiva Direção da Unidade, após a elaboração do Plano de Execução pela Comissão Organizadora, que deverá ser protocolizado e encaminhado mediante abertura de processo com antecedência mínima de 10 (dez) dias úteis do início da realização do evento e do qual constarão obrigatoriamente: I. nome(s) do(s) responsável(eis) pela organização; II. data e horário de início e término, que devem ser previamente divulgados e afixados no local do evento, segundo a conveniência e adequação da Unidade, sem prejuízo das atividades acadêmicas dos Campi II e VI; III. designação do espaço a ser utilizado; IV. descrição do público alvo; V. estimativa do número de participantes; VI. apresentação das formas de divulgação; VII. proposta de contratação de serviços de limpeza e conservação, a critério da Direção da Unidade, e, na forma da lei, de segurança; VIII. documento a ser apresentado pelos membros da comissão organizadora, no caso de venda ou distribuição de bebidas alcoólicas assumindo a responsabilidade quanto à proibição de consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 (dezoito) anos de idade; IX. providências adicionais referentes a infra-estrutura, com vistas à adequada realização da 1º A critério da Direção da Unidade acadêmica, poderão ser solicitadas providências relativas a obtenção de alvarás para o evento junto às autoridades competentes, em especial o Corpo de Bombeiros, bem como de plantão para atendimento a emergências e policiamento público (com efetivo proporcional às dimensões do evento). 2

3 2º A critério da Direção da Unidade acadêmica, poderá ser solicitada a inclusão, no plano de execução da festa, de providências não previstas nos incisos deste artigo. 3º No caso de previsão de participação de mais de 500 (quinhentas) pessoas, aplica-se o disposto no 2º do art. 5º da presente Portaria. Art. 3º. Na hipótese da Direção da Unidade autorizar a realização da festa em seu âmbito, será designado um servidor da Unidade para supervisionar o evento e reportar as irregularidades ocorridas durante sua realização. 1º A decisão da Direção da Unidade deverá ser justificada por escrito, no prazo de 5 (cinco) dias úteis após a apresentação da proposta completa pela Comissão Organizadora da 2º Da decisão da Direção da Unidade não caberá recurso. Art. 4º. Nas festas em que haja venda de ingressos, venda de produtos de qualquer natureza ou arrecadação de produtos de qualquer natureza, a comissão organizadora deverá informar no Plano de Execução o objetivo de tal arrecadação, os preços que serão praticados na festa, a receita (lucro) que se pretende obter e a destinação do lucro obtido ou dos produtos arrecadados. 1º A Comissão Organizadora divulgará para a comunidade acadêmica envolvida, no prazo de até 30 (trinta) dias após a realização da festa, a prestação de conta dos valores e/ou produtos recebidos, especificando a destinação dos saldos remanescentes. SEÇÃO III Das Festas de Alto Impacto Art. 5º. As festas nos Campi II e VI serão autorizadas pela respectiva Direção, após a elaboração do Plano de Execução pela Comissão Organizadora, que deverá ser protocolizado e encaminhado mediante abertura de processo com antecedência mínima de 30 (trinta) dias úteis do início da realização do evento e do qual constarão obrigatoriamente: I. nome(s) do(s) responsáveis pela organização; II. data e horário de início e término, que serão previamente divulgados e afixados no local do evento, segundo a conveniência e adequação da Diretoria, sem prejuízo das atividades acadêmicas dos Campi II e VI; III. designação do espaço a ser utilizado; IV. descrição do público-alvo; V. estimativa do número de participantes; VI. apresentação dos mecanismos de divulgação; VII. proposta de contratação de serviços de segurança (na forma da lei), de limpeza e conservação; VIII. documento a ser apresentado pelos membros da comissão organizadora, no caso de venda ou distribuição de bebidas alcoólicas, assumindo a responsabilidade quanto à proibição de consumo de bebidas alcoólicas por menores de 18 (dezoito) anos de idade. 3

4 IX. providências adicionais referentes à infra-estrutura, com vistas à adequada realização da X. Concordância, por escrito, de todos os departamentos, coordenações acadêmicas/ou administrativos, cujas atividades poderão sofrer interferência devido à realização da festa; 1º A critério da Diretoria de Unidade, poderá ser solicitada a inclusão, no plano de execução, de providências não previstas nos incisos deste artigo. 2º Se a previsão do público da festa for igual ou superior a 500 (quinhentas) pessoas, será exigido, adicionalmente, que o plano de execução especifique: a) procedimentos de controle de entrada dos participantes; b) providências para a obtenção de alvarás para o evento junto às autoridades competentes, em especial o Corpo de Bombeiros, bem como de plantão de atendimento a emergências e policiamento público (com efetivo proporcional às dimensões do evento); c) procedimentos de controle e retenção de materiais no recinto da festa, incluídos armas e materiais cortantes; d) proposta de condições de infra-estrutura adequadas para a recepção do público, incluída a disponibilização de sanitários químicos; e) proposta de oferecimento de serviços médicos e ambulâncias, além de outros serviços determinados pela legislação vigente. Art. 6º. Na hipótese da Diretoria de Unidade autorizar a realização da festa acadêmica, será designado um servidor para supervisionar todo o evento. Parágrafo único. Da decisão da Direção da Unidade não caberá recurso. Art. 7º. Nas festas em que haja venda de ingressos, venda de produtos de qualquer natureza ou arrecadação de produtos de qualquer natureza, a comissão organizadora deverá informar no Plano de Execução o objetivo de tal arrecadação, os preços que serão praticados na festa, a receita (lucro) que se pretende obter e a destinação do lucro obtido ou dos produtos arrecadados. 1º A Comissão Organizadora divulgará para a comunidade acadêmica envolvida, no prazo de até 30 (trinta) dias após a realização da festa, a prestação de conta dos valores e/ou produtos recebidos, especificando a destinação dos saldos remanescentes. SEÇÃO IV Disposições Gerais Art. 8º. Esta portaria não se aplica às festas, confraternizações e comemorações em que não haja consumo de álcool e utilização de som mecânico ou música ao vivo. Art. 9º. O CEFET-MG não arcará com quaisquer ônus financeiros decorrentes da realização das festas. 4

5 Art. 10º. A comercialização e distribuição gratuita de alimentos e bebidas poderá ser feita, desde que atenda às seguintes condições: I. será de responsabilidade dos Diretores das Unidades, definir o número e a localização dos pontos de comercialização e distribuição de produtos no interior do recinto, cabendo aos promotores do evento sua instalação e retirada; II. é de inteira responsabilidade dos promotores do evento garantir as condições sanitárias e higiênicas dos alimentos e das bebidas a serem consumidos; III. todos os vasilhames e talheres a serem distribuídos aos consumidores deverão ser descartáveis, não sendo permitidas, em hipótese alguma, embalagens de vidro, exceto nas festas institucionais; IV. não será permitida a instalação de vendedores ambulantes fora da área definida para a realização das festas; V. não será permitida a comercialização, distribuição ou entrada de bebidas destiladas; VI. não será permitida a comercialização, distribuição ou entrada de quaisquer bebidas embaladas em garrafas de vidro. Art. 10. É vedado o acesso de pessoas nas festas portando armas e materiais cortantes. Art. 11. O CEFET-MG ou seus agentes não se responsabilizarão civil, penal ou administrativamente por danos materiais, pessoais ou patrimoniais decorrentes do descumprimento ou inobservância das normas estabelecidas nesta Portaria, eximindo-se de quaisquer responsabilidades perante terceiros. Art. 12. Os membros da comissão organizadora são civil e solidariamente responsáveis pelos danos eventualmente causados ao patrimônio do CEFET-MG. Art. 13. O descumprimento no disposto nesta Portaria pelos integrantes da comunidade acadêmica, poderá acarretar aos responsáveis a aplicação das sanções previstas no Regimento Interno e Disciplinar, sem prejuízo dos possíveis ressarcimentos à administração pública após apuração dos fatos. Art. 14. Esta Portaria entra em vigor 30 dias após sua publicação. Prof. Tarcísio Antônio Santos de Oliveira Presidente da Congregação da Unidade Campus II 5

RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário -CONSU RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Dispõe sobre a utilização de espaços físicos do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID

RESOLUÇÃO Nº 01/ CEFID RESOLUÇÃO Nº 01/2014 - CEFID Dispõe sobre as normas de funcionamento da Academia-Escola Dolermi Inês Gomes Bastiani. O Presidente do Conselho de Centro - CONCEFID do Centro do Ciencias da Saúde e Esporte

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º /CUn/2009, de... de... de 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º /CUn/2009, de... de... de 2009. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Bairro Trindade - 88.040-900 - Florianópolis Campus Universitário RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º /CUn/2009, de... de... de 2009. Dispõe sobre a realização

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG. Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas do Laboratório de Nutrição Experimental Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba Novembro 2012 1 CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. O Laboratório

Leia mais

Regulamento sobre a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital

Regulamento sobre a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital Regulamento sobre a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital Disciplina a realização de eventos de caráter festivo no Campus USP da Capital. Considerando que: 1. Um campus Universitário

Leia mais

PORTARIA ICT/DTA nº 014, de 12 de abril de 2013.

PORTARIA ICT/DTA nº 014, de 12 de abril de 2013. PORTARIA ICT/DTA nº 014, de 12 de abril de 2013. Dispõe sobre as Normas para Proposta de realização de Projeto de Eventos e, Normas para utilização do Anfiteatro Paulo Milton Barbosa Landim (Anf. I), do

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário. DELIBERAÇÃO Nº. 15/2016, de 18 de novembro de 2016.

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário. DELIBERAÇÃO Nº. 15/2016, de 18 de novembro de 2016. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho Universitário PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DELIBERAÇÃO Nº. 15/2016, de 18 de novembro de 2016. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

MURAIS DE COMUNICAÇÃO REGULAMENTO

MURAIS DE COMUNICAÇÃO REGULAMENTO MURAIS DE COMUNICAÇÃO REGULAMENTO NORMAS DE UTILIZAÇÃO Fevereiro 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE - IFRN CAMPUS

Leia mais

ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA

ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ANEXO I NORMAS QUE REGULAMENTAM O FUNCIONAMENTO DO RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO AWANSHI NO CAMPUS DO PARICARANA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI

RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI RESOLUÇÃO Nº 28/2016/CONSUP, DE 13 DE MAIO DE 2016. CONSELHO SUPERIOR PRO TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI Dispõe sobre o processo de prestação de serviços pela Universidade Federal do Cariri

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO RESOLUÇÃO Nº 06/2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 06/2015 Ementa: estabelece sistemática para realização de Visitas Técnicas como atividade integrante dos componentes curriculares dos cursos oferecidos pelo IFPE O

Leia mais

RESOLUÇÃO CRP-12 Nº 06/2016 DE 03 DE AGOSTO DE 2016

RESOLUÇÃO CRP-12 Nº 06/2016 DE 03 DE AGOSTO DE 2016 RESOLUÇÃO CRP-12 Nº 06/2016 DE 03 DE AGOSTO DE 2016 Aprovar o Regimento para uso dos espaços físicos da Sede e Subsedes do CRP-12. O Presidente do Conselho Regional de Psicologia 12ª Região, no uso de

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2009

RESOLUÇÃO Nº 01/2009 RESOLUÇÃO Nº 01/2009 Estabelece critérios para aprovação de solicitação de capacitação, treinamento e qualificação dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação, Menores do convênio da Cruz Vermelha

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ TÉCNICO ESTATUTÁRIO DE GOVERNANÇA E CONFORMIDADE 1. Finalidade O Comitê Técnico Estatutário de Governança e Conformidade ( Comitê ) é um órgão estatutário de caráter permanente,

Leia mais

Regras de Convivência

Regras de Convivência Regras de Convivência A UnB quer deixar para trás atos que agridem, sujem, humilhem e estabelecem relações de poder e de autoridade entre iguais. A ideia é eliminar todas as formas de preconceito e assegurar

Leia mais

Resolução n.º 001/2007/AECPD/FPD

Resolução n.º 001/2007/AECPD/FPD Resolução n.º 001/2007/AECPD/FPD Estabelece normas referentes à organização das solenidades de Colação de Grau dos concluintes dos Cursos de Graduação na FACULDADE PIO DÉCIMO. O DIRETOR GERAL DA FACULDADE

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 22-CEPE/UNICENTRO, DE 15 DE JUNHO DE 2012. Aprova o Regulamento de Normas e Utilização dos Laboratórios do Campus CEDETEG da UNICENTRO. O VICE-REITOR, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ-UEAP PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2016- PROEXT Dispõe sobre as normas para o acesso à quadra poliesportiva da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012

PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COLÉGIO PEDRO II PORTARIA N 71 DE 12 DE JANEIRO DE 2012 Redefine as atribuições dos Chefes de Departamentos Pedagógicos e dos Coordenadores Pedagógicos/ Responsáveis por Coordenação

Leia mais

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR

Profa. Dra. Gioconda Santos e Souza Martínez Presidenta do Conselho Universitário/UFRR Resolução nº 010/2015-CUni MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Av. Capitão Ena Garcez nº 2413, Bairro Aeroporto, CEP: 69.310-000 - Boa Vista/RR Fone (095)3621-3108

Leia mais

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Vitória da Conquista, Sala de Reuniões do CONSU, 14 de agosto de 2013. Salvador, Bahia Quarta-feira 4 de Setembro de 2013 Ano XCVII N o 21.227 RES. RESOLUÇÃO CONSU N.º 07/2013 O Conselho Universitário - CONSU da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, no uso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO NORTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO PARA AFASTAMENTO DE SERVIDORES DOCENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO NORTE DE MINAS GERAIS PARA QUALIFICAÇÃO EM PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU e PÓS-DOUTORADO.

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE

REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE REGULAMENTO DE APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS TÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento estabelece critérios e procedimentos referentes à concessão de apoio institucional

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO UNIVERSITÁRIO DO NORTE REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Aprovado pelo CONSUNI Nº15 em 24/05/2016 ÍNDICE CAPITULO I Da Constituição,

Leia mais

FACULDADE L5 SANTANA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR- EIRELI ATO NORMATIVO N 05/ FACULDADE LS

FACULDADE L5 SANTANA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR- EIRELI ATO NORMATIVO N 05/ FACULDADE LS FACULDADE L5 SANTANA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR- EIRELI ATO NORMATIVO N 05/2016 - FACULDADE LS Dispõe sobre o regulamento para as aulas práticas externas. A Diretora Geral da Faculdade LS, no uso de

Leia mais

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa

CAPÍTULO I. Dos Objetivos da Pesquisa RESOLUÇÃO Nº 01/2014 DISPÕE SOBRE O REGIMENTO DO GRUPO DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR FACULDADE CASA DO ESTUDANTE. A Direção Geral da IES

Leia mais

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá

REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá REGIMENTO DO CEDUC Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá Dispõe sobre a constituição e funcionamento do Centro de Educação da Universidade Federal de Itajubá. CAPÍTULO I DO CENTRO DE EDUCAÇÃO

Leia mais

EDITAL 01/2016 DE 20 DE JUNHO DE 2016 ELEIÇÃO DE COORDENADOR DE CURSO E REPRESENTANTE DOCENTE E DISCENTE NO COLEGIADO DE CURSO

EDITAL 01/2016 DE 20 DE JUNHO DE 2016 ELEIÇÃO DE COORDENADOR DE CURSO E REPRESENTANTE DOCENTE E DISCENTE NO COLEGIADO DE CURSO EDITAL 01/2016 DE 20 DE JUNHO DE 2016 ELEIÇÃO DE COORDENADOR DE CURSO E REPRESENTANTE DOCENTE E DISCENTE NO COLEGIADO DE CURSO A Comissão Eleitoral, constituída pela Portaria N 39, de 03 de junho de 2016,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INTERNA CPA REGULAMENTO INTERNO CPA/IESRN A

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS 2015 REGIME DISCIPLINAR DISCENTE DISTRIBUIÇÃO DE PONTOS APROVAÇÃO RECUPERAÇÃO REPROVAÇÃO SEGUNDA CHAMADA DE AVALIAÇÕES REVISÃO DOS RESULTADOS ELOIZA

Leia mais

PORTARIA R N.º 080/2009, de 18 de maio de Processo: /

PORTARIA R N.º 080/2009, de 18 de maio de Processo: / PORTARIA R N.º 080/2009, de 18 de maio de 2009 : 23000.091441/2009-33 O Reitor Pro Tempore do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Resolução nº 031, de 24 de maio de 2011.

Resolução nº 031, de 24 de maio de 2011. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Conselho Superior Resolução nº

Leia mais

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA

REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA REGULAMENTO PARA A UTILIZAÇÃO DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 2015 I. DOS OBJETIVOS DA ACADEMIA DE GINÁSTICA 1. Auxiliar o aluno na introdução das práticas experimentais das disciplinas específicas da área das

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO-CPA Versão 1 BARRETOS-SP 1 ÍNDICE REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA/FACISB 3 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 3 TÍTULO II DA NATUREZA E

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO PORTARIA IGCE/DTA nº 101/2009, de 17 de setembro de 2009. Dispõe sobre o Regulamento da Disciplina Trabalho de Conclusão de Curso, do Curso de Graduação em Geologia. O Diretor do Instituto de Geociências

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DA JORNADA DE TRABALHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO DE JANEIRO Anexo à Resolução nº 22 de 25 de julho de

Leia mais

Art. 2º. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições contrárias.

Art. 2º. Esta resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições contrárias. Resolução n 008/2012-CUni Estabelece normas que regulamentam o funcionamento de Restaurante Universitário - RU na Universidade Federal de Roraima. A REITORA DA, PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO, no

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO RESOLUÇÃO N 4.056, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Dispõe sobre as NORMAS DO PROCESSO DE CONSULTA À COMUNIDADE DA UNIRIO PARA INDICAÇÃO DE DIRIGENTES

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES Plantando Conhecimento para a Vida REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE CAPÍTULO I DAS CONSIDRAÇÕES PRELIMINARES Art.1º O presente Regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do Curso

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 15 DE DEZEMBRO DE 2016. Dispõe sobre regulamentação de normas e procedimentos para realização de eventos acadêmicos e administrativos, cerimonial e protocolo

Leia mais

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002

RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 RESOLUÇÃO COMPLEMENTAR N o 01/2002 De 17 de janeiro de 2002 Autoriza a criação do Centro de Treinamento Olímpico - CTO, como Órgão Complementar vinculado à Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados.

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Nº, de de 2012. Dispõe sobre as audiências públicas no âmbito do Ministério Público da União e dos Estados. O CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO, no exercício da competência

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE REGULAMENTO DO USO DO GINÁSIO POLIESPORTIVO DO IFSP CÂMPUS BARRETOS SEÇÃO I FINALIDADE Art. 1º. Este documento tem por objetivo regulamentar as condutas dos alunos, servidores e demais usuários, no que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA

UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA UNIVERSIDADE FEEVALE REGULAMENTO DA OUVIDORIA CAPÍTULO I DA OUVIDORIA Art. 1º A Ouvidoria da Universidade Feevale é um serviço que tem por finalidade garantir a efetiva comunicação e o relacionamento com

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 7-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013. O 2º, DO ART. 5º, DESTA PORTARIA, ESTÁ ALTERADO PELA RESOLUÇÃO Nº 1/2014-CEPE-CAD/UNICENTRO. Aprova o Regulamento do Centro de Línguas do Campus

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015

RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 RESOLUÇÃO Nº 287, DE 23 DE JULHO DE 2002 Revogada pela Resolução nº 752/2015 Institui linha de crédito denominada PROGER Urbano Micro e Pequena Empresa Capital de Giro, no âmbito do Programa de Geração

Leia mais

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia

Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia Regimento do Colegiado do Curso de Bacharelado em Zootecnia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS REGIMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ZOOTECNIA CAPÍTULO I Das Atribuições

Leia mais

Av. Prof. Luiz Freire, nº 500, Cidade Universitária Recife-PE -CEP: (81)

Av. Prof. Luiz Freire, nº 500, Cidade Universitária Recife-PE -CEP: (81) NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS DOS CURSOS PRONATEC CAPÍTULO I 1. DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art.1 O presente regulamento interno disciplina a organização, regulamentação

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO EM DIREITO Aprovado pelo Conselho da Faculdade de Direito em reunião extraordinário de 16/08/2013, Ata n. 11/2013 com as alterações aprovadas na reunião ordinário

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PORTARIA Nº 1641/2015-Reitoria/IFRN Natal (RN), 26 de outubro de 2015. Regulamenta a Flexibilização da Jornada de Trabalho dos Servidores Técnico-Administrativos em Educação do IFRN. O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2016

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2016 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 017/2016 Dispõe sobre a Criação, Instalação e Regulamentação do Centro de Psicologia Aplicada, que substitui e amplia as funções da Clínica de Psicologia do Departamento de Psicologia

Leia mais

PORTARIA ANP Nº 202, DE DOU REPUBLICADA DOU

PORTARIA ANP Nº 202, DE DOU REPUBLICADA DOU PORTARIA ANP Nº 202, DE 30.12.1999 - DOU 31.12.1999 - REPUBLICADA DOU 3.5.2004 Estabelece os requisitos a serem cumpridos para acesso a atividade de distribuição de combustíveis líquidos derivados de petróleo,

Leia mais

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO CUNI Nº 571. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO CUNI Nº 571 Aprova o Regimento do Alojamento Estudantil da UFOP. O Conselho Universitário da Universidade Federal de Ouro Preto, no uso de suas atribuições legais, Considerando o disposto no

Leia mais

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO

DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO DAS COORDENAÇÃO DE EIXO_TECNOLÓGICO TÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1 - À coordenação de eixo-tecnológico compete: I - Convocar e presidir as reuniões do Colegiado de Curso; II - Submeter à Coordenação

Leia mais

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Publicado no DOE em 5 jul 2016 Institui o Comitê Gestor da Rede para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios do Estado de Minas Gerais - REDESIM-MG.

Leia mais

NORMAS PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL DA EDITORA UTFPR

NORMAS PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL DA EDITORA UTFPR NORMAS PARA COMPOSIÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL DA EDITORA UTFPR A Editora da () é um órgão vinculado à, regendo-se pela legislação vigente, pelo Estatuto da Universidade, pelo Regimento Geral e por seu Regulamento,

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 100, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Define os procedimentos de indicação dos representantes do

Leia mais

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA

Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de Aos: Diretores Gerais e Diretores de Ensino dos campi do IFPA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO Memorando Circular nº 01/2015/CPAC/PROEN Belém, 24 de novembro de 2015

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REALIZAÇÃO DE VISITAS TÉCNICAS CAPÍTULO I DA ORIGEM, DEFINIÇÃO E FINALIDADES Art. 1 O presente regulamento interno disciplina a organização, regulamentação e critérios para

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 01 DE 22 DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 01 DE 22 DE SETEMBRO DE 2010 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Porto Alegre INSTRUÇÃO NORMATIVA N 01 DE 22 DE SETEMBRO

Leia mais

I Congresso Internacional de Nanotecnologia & IV Simpósio de Nanobiotecnologia e suas aplicações Regulamento 1. Disposições Gerais

I Congresso Internacional de Nanotecnologia & IV Simpósio de Nanobiotecnologia e suas aplicações Regulamento 1. Disposições Gerais I Congresso Internacional de Nanotecnologia & IV Simpósio de Nanobiotecnologia e suas aplicações Regulamento 1. Disposições Gerais O Instituto de Ciências da Saúde - ICS, o Instituto de Ciências Exatas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2011

RESOLUÇÃO Nº 12/2011 RESOLUÇÃO Nº 12/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Viçosa, órgão superior de administração, no uso de suas atribuições legais, considerando a Lei 8112, de 11/12/1990, Regime Jurídico

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD

RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD RESOLUÇÃO N. 003/2011-CD Aprova o Regulamento de Avaliação de Desempenho dos Agentes Universitários da Fecilcam. O Diretor da Faculdade Estadual de Ciências e Letras de Campo Mourão - Fecilcam, na qualidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016.

RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016. RESOLUÇÃO Nº 001 DE 15 DE JULHO DE 2016. Dispõe sobre a aprovação Ad Referendum do Regulamento para eleição dos representantes dos corpos discente, docente e técnico-administrativo do Conselho Acadêmico

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016

ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI EDITAL Nº 001/2016 ASSOCIAÇÃO PIRIPIRIENSE DE ENSINO SUPERIOR APES CHRISTUS FACULDADE DO PIAUÍ - CHRISFAPI DIRETORIA DE ENSINO EDITAL Nº 001/2016 PROCESSO SELETIVO INTERNO PARA PROJETOS DE EXTENSÃO O Núcleo de Iniciação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA ÍNDICE. Página 0. HISTÓRICO DAS REVISÕES OBJETIVO ÁREAS ENVOLVIDAS NORMAS GERAIS... 2

INSTRUÇÃO NORMATIVA ÍNDICE. Página 0. HISTÓRICO DAS REVISÕES OBJETIVO ÁREAS ENVOLVIDAS NORMAS GERAIS... 2 ÍNDICE Página 0. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 2 1. OBJETIVO... 2 2. S ENVOLVIDAS...2 3. NORMAS GERAIS... 2 4. PROCEDIMENTOS... 2 5. DISPOSIÇÕES FINAIS... 5 Anexos: Não há 1/5 0. HISTÓRICO DAS REVISÕES REVISÃO

Leia mais

fmvz - unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - CAMPUS DE BOTUCATU DIRETORIA

fmvz - unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - CAMPUS DE BOTUCATU DIRETORIA PORTARIA DO DIRETOR Nº 24, DE 15 DE MARÇO DE 2004 Regulamento Geral de Grupos de Estudos - GE, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, UNESP, Campus de Botucatu. O Diretor da Faculdade de Medicina

Leia mais

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo

Ministério da Educação. Universidade Federal de São Paulo Normas regulamentadoras sobre a consulta prévia à comunidade, relativa à eleição para a indicação dos nomes para concorrerem, em chapa única, ao cargo de Diretor (a) e Vice-Diretor (a) do Campus Diadema

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG

REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal do Norte de Minas Gerais REGULAMENTO DAS ATRIBUIÇÕES DOS COORDENADORES DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO IFNMG (APROVADO

Leia mais

PORTARIA IGCE/DTA nº 003/2008, de 30 de janeiro de 2008

PORTARIA IGCE/DTA nº 003/2008, de 30 de janeiro de 2008 PORTARIA IGCE/DTA nº 003/2008, de 30 de janeiro de 2008 Dispõe sobre o Regulamento do Trabalho de Formatura do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental. O Diretor do Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

Projecto de Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência. SKATE PARQUE _ Margem Sul _ Alcácer do Sal

Projecto de Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência. SKATE PARQUE _ Margem Sul _ Alcácer do Sal Projecto de Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência SKATE PARQUE _ Margem Sul _ Alcácer do Sal Regulamento Municipal de Gestão, Utilização e Cedência do Skate Parque Artigo 1.º (Lei habilitante)

Leia mais

Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia

Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Laboratório de Informática e Processamento Digital de Imagens Curso Superior de Tecnologia em Radiologia Janeiro de 2016 EXPEDIENTE Presidente Antônio de Almeida Lago Filho Diretor de Ensino Médico Iure

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ESCOLA AGROTÉCNICA. Edital Nº 01/2016, de 21 de setembro de 2016 CONCURSO PARA ESCOLHA DO UNIFORME ESCOLAR DA EAGRO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA ESCOLA AGROTÉCNICA. Edital Nº 01/2016, de 21 de setembro de 2016 CONCURSO PARA ESCOLHA DO UNIFORME ESCOLAR DA EAGRO Edital Nº 01/2016, de 21 de setembro de 2016 CONCURSO PARA ESCOLHA DO UNIFORME ESCOLAR DA EAGRO O Diretor Geral da Escola Agrotécnica da Universidade Federal de Roraima (EAGRO- UFRR), no uso de suas atribuições

Leia mais

Art. 3º A Comissão de Eventos auxiliará os proponentes nas atividades de:

Art. 3º A Comissão de Eventos auxiliará os proponentes nas atividades de: Capítulo I DA DEFINIÇÃO Art. 1º Para fins do disposto nesta Resolução consideram-se: I. Eventos: encontros, seminários, workshops, palestras, festas, confraternizações, visitas, jogos esportivos, feiras,

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Sociais Aplicadas

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências Sociais Aplicadas RESOLUÇÃO Nº 122/2013-CI/CSA CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 30/10/2013. Samarina de Abreu Bonatto, Secretária. Aprova a o Novo Regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) constitui-se como atividade facultativa e tem como objetivos: I - Desenvolver

Leia mais

REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE Aprovado pelo CAS Resolução nº 130/2016 REGULAMENTO DO GRUPO DE DANÇA UNIBAVE DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I Art. 1º. Este Regulamento disciplina a organização,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO TÍTULO II OBJETIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO REGULAMENTO INTERNO TÍTULO I DO CENTRO ESPORTIVO UNIVERSITÁRIO Art.lº - O CEU - Centro Esportivo Universitário, Órgão suplementar da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011.

RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO Nº 46/2011, de 03 de novembro de 2011. O Presidente do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO II

REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO II REGULAMENTO INTERNO DE TRÂNSITO CAPÍTULO I Disposições Gerais Introdução O presente regulamento tem como objetivo, regulamentar o trânsito de veículos de qualquer natureza, máquinas e ciclistas, na área

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO

ESTADO DE GOIÁS DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO ~ INSTRUÇÃO NORMATIVA N ()G5/2012/GS Estabelece normas complementares acerca da condução dos veículos utilizados pela administração direta, autárquica e fundacional do Poder Executivo e, acerca da apuração

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº03/2016, DE 17 DE MAIO DE 2016

RESOLUÇÃO Nº03/2016, DE 17 DE MAIO DE 2016 RESOLUÇÃO Nº03/2016, DE 17 DE MAIO DE 2016 Regulamenta a proposição, a aprovação, a certificação e o funcionamento das ações de extensão universitária. A CÂMARA DE EXTENSÃO DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA

Leia mais

BOLETIM DE PESSOAL IFBA GABINETE DA REITORIA Salvador, 13 de fevereiro de 2017.

BOLETIM DE PESSOAL IFBA GABINETE DA REITORIA Salvador, 13 de fevereiro de 2017. BOLETIM DE PESSOAL IFBA GABINETE DA REITORIA Salvador, 13 de fevereiro de 2017. PORTARIA N.º 398, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2017 O REITOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA BAHIA IFBA,

Leia mais

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017.

Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Portaria Nº 12, de 03 de abril de 2017. Regulamenta o Estágio Supervisionado Obrigatório dos alunos do Curso de Graduação em Engenharia Agronômica da Faculdade de Ciências Agrárias e Tecnológicas da Unesp

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA AVENIDA RIO BRANCO, 50 SANTA LÚCIA 29056-255 VITÓRIA ES 27 3357-750 INSTRUÇÃO NORMATIVA PARA CRIAÇÃO/REGULAMENTAÇÃO DAS EMPRESAS JÚNIORES

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - PRPDI Orientação Geral O Plano de Desenvolvimento Institucional -PDI, elaborado para um período de 5

Leia mais