A realeza de Javé um exemplo de diálogo inter-religioso Reflexões a partir do Salmo 97 Júlio Paulo Tavares Zabatiero

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A realeza de Javé um exemplo de diálogo inter-religioso Reflexões a partir do Salmo 97 Júlio Paulo Tavares Zabatiero"

Transcrição

1 A realeza de Javé um exemplo de diálogo inter-religioso Reflexões a partir do Salmo 97 Júlio Paulo Tavares Zabatiero Introdução O tema do diálogo inter-religioso 1 é de crucial relevância para o nosso tempo. O ambíguo processo de globalização do capitalismo e da cultura consumista ocidental, recolocou no plano da esfera pública e da atividade política a prática religiosa e suas ambigüidades. Em especial, o ressurgimento dos fundamentalismos, em suas formas mais virulentas, traz para o centro das discussões sobre a convivência internacional a questão religiosa. Após 11 de setembro e a resposta militar norte-americana, muçulmanos e cristãos, igualmente, devem dar conta da violência praticada por alguns de seus adeptos. Além do tema candente da paz mundial, também o não menos incendiário tema da natureza humana, colocado no cenário mundial pela pesquisa genética, demanda um olhar religioso inteligente. Em vários países a legislação sobre a pesquisa com células-tronco se debate com questões éticas e religiosas de fundo. No Brasil, que possui uma das legislações mais avançadas sobre o tema, a discussão sobre o início da vida propriamente humana do feto incide diretamente sobre a legislação e sobre a pesquisa com células-tronco embrionárias uma expressão do descontentamento de setores religiosos com a permissão para a pesquisa com células-tronco embrionárias descartadas. Em outras palavras, a questão religiosa na atualidade não se desvincula das questões éticas fundamentais que afetam a vida humana no planeta terra neste início do século XXI. De fato, a própria sobrevivência do planeta e não só a da espécie humana está em jogo em nossos dias. E não é possível que crentes e instituições religiosas, das mais variadas, não se pronunciem sobre o tema, nem deixem de agir em defesa da vida de todo o planeta. Dialogar com outras religiões, então, para as igrejas cristãs não é mais uma opção secundária, mas uma prioridade indiscutível em sua agenda missionária, se é que desejamos ser fiéis a Deus e sua vontade salvífica para o mundo por ele criado. Prioridade, 1 Dentre a volumosa literatura teológica sobre o tema, pode-se consultar, por exemplo: DUPUIS, Jacques. O cristianismo e as religiões: do desencontro ao encontro. São Paulo: Loyola, 2004; HICK, John. Teologia cristã e pluralismo religioso. São Paulo: Attar Editorial, 2005; PEDREIRA, Eduardo Rosa. Do confronto ao encontro. Uma análise do cristianismo em suas posições ante os desafios do diálogo inter-religioso. São Paulo: Paulinas,1999; SILVA, Dionísio O. da. O Comércio do Sagrado. Londrina: Descoberta,

2 em especial, para a agenda missionárias das denominações e movimentos evangélicos, que normalmente privilegiaram a questão salvífica, ao invés da propriamente teológica, nas discussões sobre diálogo inter-religioso. 2 Como tratar deste tema em uma abordagem bíblica? Primeiramente, é preciso reconhecer que a atual problemática do diálogo inter-religioso não está presente nas Escrituras como um tema desenvolvido. Não podemos, portanto, procurar textos bíblicos que tematizem diretamente a questão, pois tais não existem. Nossa alternativa é distinta. Precisamos, a partir da questão do diálogo inter-religioso, perguntar à Escritura por respostas que incidam sobre os vários ângulos da questão e nos forneçam princípios conceituais e valorativos que nos ajudem a construir a nossa teologia do diálogo com outras religiões. Como exemplo concreto desse questionamento ao texto bíblico, leio o Salmo 97 que tematiza o justo governo de Javé. Javé governa com justiça Salmo A época e a estrutura do Salmo 97 Não é fácil datar vários salmos do Antigo Testamento, especialmente aqueles que possuem um pequeno número de referentes históricos. Como a maioria dos textos poéticos, são repletos de metáforas e símbolos, que poderiam ser usados em diferentes épocas da história do povo de Deus. É necessário, então, atentar para a linguagem usada e buscar as suas relações intertextuais e interdiscursivas para datarmos o texto. O Salmo 97 é um desses salmos difíceis de datar, pela ausência de referentes históricos específicos. Todavia, ele utiliza temática e vocabulário que relembram textos bíblicos do período exílico de Judá e textos da religião babilônica. Por isso, como hipótese de trabalho, situo o salmo por volta de a.c. É uma época terrível para os judeus: Jerusalém e o Templo de Javé haviam sido destruídos. O rei, a sua corte e o sacerdócio de Jerusalém haviam sido deportados para a Babilônia, e quase metade da população de Judá havia sido morta durante a invasão pelos babilônios. A população camponesa, que restou da guerra, estava desorganizada, vivia em condições precárias, e sofria o pesado impacto das perdas financeiras, políticas, teológicas 2 A discussão teológica sobre religiões não-cristãs foi sobrecarregada e ocupada com esta preocupação soteriológica, infelizmente, por várias décadas. A preocupação soteriológica é muito importante, talvez a mais importante, mas certamente não é a única relevante. Devemos fazer muito mais do que perguntar quem e como ser salvo, devemos edificar um sólido fundamento teológico para uma verdadeira teologia pública das religiões, que nos dá diretrizes práticas para interação,cooperação e diálogo com outras religiões, nos âmbitos local, nacional e internacional. HOSEK, Pavel. Towards a public theology of religious pluralism. In: European Journal of Theology. 14.1, Acesso em

3 e, especialmente, a perda de parentes e amigos. A fé e a esperança do povo estavam abaladas diante de tamanha destruição, diante do fim da independência de Judá e do governo da dinastia de Davi 3. É certo que vários profetas haviam anunciado o juízo de Javé sobre o reino de Judá, mas mesmo assim não era fácil aceitar que essa terrível situação era conseqüência da infidelidade a Javé, conseqüência da infidelidade do seu rei e do sacerdócio que deveriam servir a Javé e ensinar a sua verdade ao povo 4. Outra resposta circulava entre os sobreviventes e os exilados de Judá: naquele tempo se acreditava que quando um país conquistava outro, os seus deuses derrotavam os deuses do país vencido. Marduque o principal deus do panteão babilônico - teria, então, derrotado Javé e, assim como o Império babilônico subjugou Judá, Marduque teria subordinado Javé ao seu séquito de deuses inferiores. Muitos judeus ficaram, por isso, em dúvida quanto ao poder e a força de Javé. Era necessário, então, reafirmar que Javé é o deus dos deuses e o senhor dos senhores (Dt 10,17). Era necessário, também, reacender a esperança na justiça das ações de Javé, e reconhecer que os que seguem a Javé precisam ter uma vida fiel à vontade de seu Deus, e que seu deus é capaz de restaurar a liberdade do seu povo. O Salmo 97 é um dos salmos que foram escritos para atender a esses propósitos: reafirmar a fé em Javé e animar a esperança do resto do povo de Judá 5. Ao declarar que Javé reina, o povo reconhece que a situação em que se encontra não é fruto da derrota de Javé pelos deuses babilônios, mas conseqüência da sua própria infidelidade ao Senhor de toda a terra. Em meio às incertezas do sofrimento, o Salmo 97 convida o pequeno povo de Deus a se alegrar, a louvar e a se regozijar diante de Javé, o rei de toda a terra. A estrutura do Salmo é simples. No verso 1 temos o convite a todos os povos para se alegrarem diante do reinado de Javé; convite que é retomado no v. 12 que se dirige aos justos, ao próprio povo de Javé, convidando-os para o louvor ao seu Deus. Os versos 1 e 12 formam, assim, uma espécie de moldura para o grande quadro da teofania de Javé (v. 2-6) e seus efeitos sobre os inimigos de Deus (v. 7) e sobre o próprio povo de Deus (v. 8-11) Especialmente em Jerusalém, onde a corte e o sacerdócio desenvolveram uma teologia que afirmava a perenidade da dinastia davídica e do Templo. Para descrições da teologia de Jerusalém, pode-se consultar, por exemplo: ALBERTZ, R. Historia de la religión de Israel en tiempos del Antiguo Testamento. Vol. 1, Madrid: Trotta, 1999, cap. 3; e GUNNEWEG, A. Teologia Bíblica do Antigo Testamento. São Paulo: Teológica/Loyola, 2005, cap. 6. Nas últimas décadas da existência do reino de Judá, especialmente Sofonias e Jeremias denunciaram os crimes e pecados da corte e sacerdócio, sendo que Jeremias em particular atacou fortemente a teologia da inviolabilidade do Templo e da perenidade da dinastia davídica. Ele faz parte de um pequeno conjunto de salmos que têm como tema principal o reinado de Javé: os salmos 47, 93, 96 a 99. Eles têm em comum a reafirmação da esperança e da fé do povo de Deus no poder de Javé. Para uma introdução e comentário aos salmos do reinado de Javé, ver, por exemplo: WEISER, Artur. Os Salmos. São Paulo: Paulus, 1994; ANDERSON, Ana F. (org.) Os Salmos do Rei: a fé e a política. Petrópolis, Vozes, Estudos Bíblicos n. 23,

4 Para nós, hoje, o Salmo 97 pode ser lido a partir da questão da relação entre diversas religiões, enfocando o tema de como manter a fé em Javé somente, no âmbito do pluralismo religioso e da ameaça de destruição da vida no planeta. 2. A mensagem do Salmo Javé reina! 1a. Javé reina: 1b. exulte a terra, 1c. regozijem-se as muitas ilhas. O primeiro verso do Salmo é um convite à alegria universal, baseado na afirmação de que Javé reina. Esta é uma afirmação de fé e esperança, pois quem estava cantando este salmo não conseguia ver, na prática, o poder soberano de Javé. Na própria abertura do salmo, o exclusivismo da teologia antiga de Jerusalém é negado. Javé não é deus somente de Israel, mas de toda a terra. Também nós não vemos sinais marcantes da realeza de Javé em nossos dias. Como afirmar, então, que nosso Deus reina? Somente pela fé e pelo reconhecimento de que a situação em que vivemos é fruto da própria ação real de Javé. Por que Deus reina, nenhuma época da história humana pode ser lida como o fim da história. Nenhuma situação histórica é definitiva. É sempre provisória, uma transição para um renovado tempo de justiça e solidariedade mas um tempo a ser construído pelos seres humanos em resposta à realeza de Deus. Na primeira afirmação teológica do salmo Javé reina, vemos um exemplo de reconhecimento de valores e conceitos de outras religiões 6. Israel foi um dos últimos povos a se organizar no antigo Oriente Médio, por isso, sua cultura e sua religião são tributárias de culturas e religiões mais antigas. O tema da realeza de Javé é um desses tributos. Em praticamente todas as religiões do antigo Oriente se afirmava que um deus reina. Nas religiões da terra palestinense, por exemplo, El e Baal eram cridos como deuses reis. El, o mais antigo, acabou sendo substituído e incorporado por Baal e, mais tarde, os judeus o substituíram pela fé em Javé que destrona tanto El como Baal para os israelitas. Mesmo afirmando a exclusividade da relação de Israel com Javé, os israelitas antigos se apropriaram de crenças dos seus vizinhos 7. A grande diferença, na apropriação da realeza 6 7 Para descrições desse reconhecimento, pode-se consultar, por exemplo: SCHMIDT, Werner. H. A fé do Antigo Testamento. São Leopoldo: Sinodal, 2004; SMITH, Mark S. The origins of biblical monotheism: Israel's polytheistic background and the Ugaritic texts. Oxford: Oxford, Oxford University Press, 2001; SMITH, Mark S. O memorial de Deus: História, memória e a experiência do divino no Antigo Israel. São Paulo: Paulus, "Se reconhecermos o Espírito de Deus como a única fonte da verdade, não lutaremos contra a verdade onde quer que ela apareça; caso contrário, estaremos ofendendo o Espírito de Deus. Porque não se pode falar mal 4

5 divina por Israel, está na forma como Javé reina. Javé é um deus que reina para libertar, não para conquistar, por isso merece ser adorado com alegria, pois Ele é fonte de alegria e vida. A memória das origens humildes e subversivas do povo de Israel alimentou a sua fé e forjou a sua teologia. Seguir a Javé não é um trabalho estafante, adorá-lo é festejar alegremente o seu reinado. A alegria e o regozijo são termos que ocorrem muitas vezes nos salmos, porque são as marcas do culto a Javé, o rei da vida. Diante dos agudos problemas de nosso tempo, somente a alegria não alienada da fé em um Deus soberanamente amoroso e justo pode nos dar motivação para agir decididamente em cumprimento à nossa vocação missionária A majestade justa e gloriosa de Javé 2a. Nuvens escuras estão ao seu redor 8 ; 2b. a justiça e o direito são o fundamento do seu trono! 3a. O fogo avança à frente dele, 3b. consumindo seus inimigos ao derredor. 4c. Seus relâmpagos iluminam o mundo; 4d. a terra os vê e treme. 5e. As montanhas derretem-se como cera na presença de Javé, na presença do Senhor de toda a terra. 6f. Os céus proclamam a sua justiça 6g. e todos os povos vêem a sua glória. O trono é uma figura para a realeza - reis sentam-se em tronos e os deuses também se assentavam em tronos. O trono de Javé está rodeado de nuvens escuras que o tornam invisível. Sabe-se que ele está lá, mas não se pode vê-lo, uma tempestade impede a visão, o céu encoberto faz o dia parecer noite sem estrelas e sem luar. Ser invisível é uma característica de Deus no Antigo Testamento. Deus é tão grandioso, tão santo e majestoso que o ser humano não pode vê-lo e permanecer vivo (Êx 33,18-23). Mesmo quando se manifesta e revela, Deus permanece oculto (Is 45,15). Para ver Deus é preciso crer! O trono de Javé tem a justiça e o direito como o seu fundamento 9. Ou seja: Deus reina com justiça e direito. Este par de palavras é muito usado em todo o Antigo Testamento. Descreve a obrigação de juízes, nos tribunais, que devem julgar honestamente, sem aceitar 8 9 dos dons do Espírito sem lançar desprezo e opróbrio sobre ele." (CALVINO, João. As Institutas da Religião Cristã: edição especial com notas para estudo e pesquisa. São Paulo: Cultura Cristã, 2006, p III/37) Repare no arranjo desta parte do Salmo: o verso 2 é uma espécie de introdução, fala de Deus assentado em seu trono. Os versos 3-6 formam uma unidade cujo tema é o movimento de Deus (a teofania). Deus sai do seu trono escuro e invisível e se manifesta visivelmente para toda a terra, com um poder irresistível. Sobre justiça e direito no Antigo Testamento, pode-se consultar, por exemplo: KNIERIM, Rolf. A interpretação do Antigo Testamento. São Bernardo do Campo: EDITEO, 1990; EPSZTEIN, Léon. A justiça social no antigo Oriente Médio e o povo da Bíblia. São Paulo: Paulinas, 1990; SICRE, José L. A justiça social nos profetas. São Paulo: Paulinas,

6 suborno, sem aceitar falsos testemunhos (Êx 22,6-9; Dt 16,18-20; Am 5, ). Descreve a obrigação dos reis: proteger o inocente, defender os pobres, libertar os oprimidos (Sl 72; Is 11,1-5). Acima de tudo, porém, descreve a ação de Javé (veja, também, Sl 85,11-12; Is 32,17-18). Esse tema não é exclusivo de Israel assim como Israel se apropriou do tema da realeza, também se apropriou do tema da justiça e do direito, presente nas teologias das cortes vétero-orientais. Também os reis de outros povos do Antigo Oriente e seus deuses eram descritos como agentes da justiça e do direito. A adoção dos temas da justiça e direito para qualificar a realeza de Javé, oferece mais um exemplo de diálogo inter-religioso ou em outras palavras, do reconhecimento da existência de verdade em outras tradições religiosas, mesmo nas de inimigos de uma nação! 10. Estes dois exemplos nos mostram que é preciso juntar discernimento à alegria. É fácil adorar a Deus no culto, mas essa adoração precisa ser inteligente, do contrário o diálogo se transforma em sincretismo, a apropriação discursiva se transforma em perda de identidade. Dentre os profetas do Antigo Testamento, encontramos no livro de Oséias as mais fortes invectivas contra o culto sincrético ao qual ele chamava de idolatria: adorar a Javé como se ele fosse Baal (especialmente o capítulo 4). A ação soberana de Javé deve se tornar o critério de julgamento das ações de seu povo, especialmente no campo da adoração e da ética. O que significava afirmar que Javé reina com justiça e direito? Significava afirmar que Ele liberta os pobres e oprimidos que clamam sob o peso da injustiça (Êx 3,6-10). Significava afirmar que Ele estabelece uma aliança com seu povo para lhe dar vida e vida digna e abundante (Dt 10,12ss). Significa que Javé defende as vítimas da injustiça e cria uma ordem social e cósmica justa, sem desigualdades, sem sofrimento para os inocentes (Is 65,15-25). Por isso se pode cantar alegremente que Javé reina: Ele, de fato e de verdade, faz o que os governantes humanos apenas podem prometer. Porque ele ouve o clamor de quem sofre, ele: exerce justiça e direito, liberta o pobre, salva a pessoa aflita, inclui as pessoas excluídas, cria uma sociedade justa e íntegra. Justiça e glória de Javé são reveladas na sua teofania. A glória de Javé é a libertação do pobre e o êxodo do escravo (Is 40,3-5). A glória de Javé é a salvação do pecador (Jo 17,2-4). Todos os povos verão o braço poderoso de Javé libertando aqueles que clamam sob o jugo da injustiça e manifestando, assim, o verdadeiro direito e a justiça do reino eterno (cf. Is 52,10). Os judeus celebram a esperança de que seu deus não fora derrotado pelos deuses babilônios. Cantar a manifestação da glória de Javé lhes proporcionava força para os germes de verdade e de bondade disseminados nas outras tradições religiosas podem ser a expressão do Espírito de Cristo, sempre operando na história e no coração dos homens. (GEFFRÉ, Claude. "Para uma nova teologia das religiões". In: GIBELINI, Rosino (ed.) Perspectivas teológicas para o século XXI. Aparecida: Editora Santuário, 2005, p. 332) 6

7 enfrentar a realidade cotidiana, com uma nova percepção de seu Deus. Passagens como as de Salmos e Isaías tornam evidente que o termo glória não é sempre usado no sentido externo, literalmente ou figurativamente físico. Ele passou a ter um significado ético e isso porque, como a santidade com que o termo está associado em Isaías 6, está conectado com Javé que é mais e mais exclusivamente visto como um ser ético 11. No diálogo inter-religioso, premissa fundamental para os cristãos é ouvir o clamor das pessoas que gemem, buscando salvação e plenitude. Ouvir o clamor é a atitude ética fundamental de Javé. Não se pode dialogar a partir da premissa da superioridade religiosa, mas a partir da escuta atenta do clamor 12. Podemos entender as religiões, por mais estranhas que nos pareçam, como expressões do angustiado clamor humano por salvação. E, se assim as entendemos, podemos aprender com nosso Deus a ouvir o clamor e a agir com justiça e direito, manifestando em nossa prática a glória libertadora de nosso Senhor A vergonha dos idólatras 7a. Envergonham-se todos os adoradores de estátuas e os que se gloriam em ídolos. 7b. Diante de Javé se prostram todos os deuses! Como pensar em diálogo inter-religioso diante de uma afirmação aparentemente tão oposta ao diálogo? O Salmo afirma que somente Javé é deus (usando linguagem de Is 43,8-13; 44,6-20), e que diante dele todos os deuses se prostram. Aqui também temos um exemplo da apropriação israelita de crenças de outras religiões vétero-orientais: o deus supremo era servido subordinadamente pelos demais deuses e deusas, que diante dele se prostravam. O próprio da fé israelita é a afirmação anterior com exceção de Javé, todos os deuses são apenas ídolos 13. Essa linguagem parece tão anti-dialogal para nós hoje! Entretanto, duas qualificações precisam ser levadas em conta para entendermos bem esta afirmação polêmica: (1) precisamos entender o salmo em seu contexto histórico: os judeus estão cantando a Javé sob o domínio do império babilônico, o qual afirmava que Javé havia sido 11 BETTERIDGE, Walter R. Glory. In: ORR, James (ed.) International Standard Bible Encyclopedia. Edição de Acesso em Sobre o clamor na Bíblia, ver, por exemplo: GERSTENBERGER, Erhard S. O clamor dos salmistas: Onde está Deus? Petrópolis: Vozes, Concilium n. 242, 1992, p ; SILVA, Valmor da. Clamor e escuta: o grito a Deus em situações extremas. São Bernardo do Campo, Instituto Metodista de Ensino Superior, 1996 (tese doutoral). 13 Sobre a idolatria na Bíblia, ver, e.g.: KRAYBILL, João N. Culto e comércio imperiais no Apocalipse de João. São Paulo: Paulinas, 2004; CARAVIAS, José L. O Deus da vida e os ídolos da morte. São Paulo: Paulinas, 1992; SANTA ANA, Júlio de. Idolatria e sacrifício. Estudos da Religião. São Bernardo do Campo: UMESP, n. 9, 1994, p ; BRUEGGEMANN, Walther. Israel's praise: doxology against idolatry and ideology. Philadelphia: Fortress, 1989; e RICHARD, Pablo (org.) A luta dos deuses: os ídolos da opressão e a busca do Deus libertador. São Paulo: Paulinas,

8 derrotado pelos seus deuses. Diante disso, afirmar que só Javé é deus era crucial para a fé, pois equivale a dizer que somente o deus que age com justiça e direito é realmente Deus. Quem se apresenta como Deus, mas não pratica a justiça e o direito, não passa de um ídolo sem poder e sem vida. Em linguagem política, não passa de fraude ideológica. (2) O reconhecimento da idolatria é fundamental para que não entremos no diálogo inter-religioso de forma ingênua. A religião não é, por si só, algo bom. Pessoas e instituições é que fazem as religiões, e a história humana tem mostrado que muitas religiões são praticadas de forma inadequada, promovendo injustiça e violência. Faz parte do diálogo inter-religioso a permanente auto-crítica das pessoas religiosas: nossa prática da fé dá testemunho de Deus ou de ídolos? Desta forma, afirmar que somente Javé é Deus não é idêntico a afirmar que somente a religião cristã é verdadeira. É afirmar que também a fé cristã pode transformar seu Deus em um ídolo, ao não ser fiel ao modo de agir do seu criador e salvador! No islamismo, por exemplo, também se afirma que Alá é justo e misericordioso. Isto deveria servir como critério para confrontar os fundamentalistas que pregam a violência como forma de seguimento a Alá. Todo seguidor de Alá que pratica a violência, que não age com justiça e direito, faz de Alá um mero ídolo assim como qualquer cristão ou cristã que deixa de praticar a vontade do pai de Jesus Cristo mancha o nome divino perante o mundo. O diálogo inter-religioso se torna impossível, não porque as religiões fazem afirmações exaltadas sobre a singularidade de seu deus; mas porque não seguem fielmente as suas próprias crenças nessa singularidade que é includente e não excludente A esperança e o compromisso do povo fiel 8a. Sião ouve e se regozija, 8b. as filhas de Judá se regozijam, por causa de tuas justas sentenças, ó Javé. 9c. Porque, tu, Javé, és o Altíssimo sobre toda a terra, 9d. elevado sobremaneira, acima de todos os deuses. 10a. Javé ama os que odeiam o mal! 10b. Protege a vida dos seus fiéis 10c. e os livra das mãos dos que praticam a maldade. 11d. A luz germina para o justo; 11e. a alegria, para os retos de coração. 12a. Regozijai-vos, ó justos, em Javé; 12b. celebrai o seu santo nome. O hino leva, então, seus celebrantes a desviarem o olhar dos outros povos e dos idólatras, e olharem para si mesmos. Sião, a montanha de Deus, o local do Templo em ruínas, ouve o cântico alegre e se regozija junto com a alegria do povo esperançoso. As filhas de Judá as cidades do interior também ouvem e se regozijam. O país todo se alegra junto com o resto do povo. A fé e a esperança têm uma face bem concreta: Javé irá 8

9 restaurar a terra destruída, o país derrotado. Judá nascerá de novo. A alegria não desconsidera a história. É por causa de tuas justas sentenças, ó Javé que a nação e o povo se regozijam. Ao olhar para a destruição, o povo enxerga a sentença justa de Deus. O passado é uma lição prática sobre a justiça e o direito de Javé. O passado próximo é o da destruição, do juízo. O passado remoto é o do êxodo, da libertação e da posse da terra. As justas sentenças de Javé são diferentes em diferentes momentos históricos, mas sempre são justas, expressões da fidelidade de Javé à sua própria palavra e ação. A alegria também tem outro motivo: a esperança 14. Javé é visto como o Altíssimo, acima de todos os deuses, o mais forte, o mais sublime, o mais poderoso de todos os deuses. Isto é esperança! A realidade parecia desmentir esta confissão esperançosa de fé. Mas a esperança não se abate quando está colocada no deus verdadeiro e justo. Esperança que não é ilusão, mas certeza de que o Senhor é fiel, e continuará a realizar a sua soberana vontade. O Altíssimo é o soberano invisível que age na história humana para libertar, para fazer vigorar a justiça e o direito em todas as nações. Os versos 8-9 declaram a esperança alegre do povo de Javé. Os versos afirmam o seu compromisso solene. Quem segue a Javé é protegido por Ele, é abençoado por Ele, encontra nele a fonte de toda felicidade. Quem segue a Javé, porém, odeia o mal, é fiel, justo e reto de coração. Odiar o mal é a outra face do amar o bem. Esta dupla exortação faz parte das tradições da sabedoria e dos profetas de Judá (Am 5,14-15a; Is 5,20; Sl 34,15; Pv 3,7; Pv 11,19; Mq 6,8). Fazer o bem é fazer a vontade de Javé, é praticar justiça, é socorrer o necessitado, é ser fiel nos relacionamentos, é ser generoso, é construir a paz, a harmonia e a justiça social. Pessoas justas e de coração reto são, portanto, as pessoas que amam o bem e vivem em fidelidade a Javé e seu projeto de liberdade e justiça para todos. A proteção e a bênção de Deus não são presentes automáticos para qualquer um que vá ao templo em busca de prosperidade. São dádivas de Javé para quem caminha com Ele em bondade, fidelidade, retidão e justiça. Não pode ser considerado culto legítimo 15 a Deus aquele que é apenas a busca egocêntrica de bênção e prosperidade. Não pode ser considerado culto legítimo a Deus aquele que visa apenas a expansão da instituição religiosa. O culto verdadeiro a Javé começa na vida justa e se concretiza na ação 14 Sobre a esperança no Antigo Testamento, veja, por exemplo: GOLDINGAY, John. Old Testament Theology. Israel's Gospel. Downers Grove: InterVarsity Press, 2003, caps , p ; PREUSS, Horst D. Old Testament Theology. Edinburgh: T&T Clark, 1996, vol. II, p ; FOHRER, Georg. Estruturas Teológicas Fundamentais do Antigo Testamento. Santo André: Academia Cristã, 2006, p Sobre a adoração e justiça na Bíblia, ver, por exemplo: KRAUS, Hans-Joachim. Teologia de los Salmos. Salamanca: Sígueme, 1985; AMORESE, Rubem M. Celebração do Evangelho: compreendendo culto e liturgia. Viçosa: Ultimato, 1997; ALLMEN, Jean-Jacques von. O culto cristão: teologia e prática. São Paulo: ASTE, 2006; MARTIN, Ralph L. Adoração na Igreja Primitiva. São Paulo: Edições Vida Nova,

10 missionária da comunidade que pratica a vontade justa de Javé 16. O diálogo inter-religioso é uma das expressões dessa justiça, pois através dele buscamos a paz, a harmonia entre os povos, e a justiça internacional. Não se trata de buscar uma única religião para toda a humanidade, mas, sim, de um projeto de vida comum a todos os seres humanos projeto que valorize a vida de todas as pessoas e de toda a criação. Conclusão Somente a prática do direito e da justiça pela igreja que adora o Deus soberano, pode dar legitimidade à sua participação nos debates públicos e no diálogo inter-religioso. Os problemas de nosso tempo não podem ser resolvidos apenas com grupos, movimentos e instituições de conversa e de êxtase religioso. Demandam grupos, movimentos e instituições religiosas que exemplifiquem em sua conduta cotidiana os valores que apresentam no debate público e no diálogo inter-religioso. Nas sociedades plurais e informatizadas de hoje em dia, a palavra não acompanhada de comportamento ético coerente tem pouco valor. Se queremos praticar o diálogo inter-religioso adequadamente, nossa primeira tarefa será a de viver de modo digno da justiça de nosso Deus. Permitam-me concluir esta palavra com uma citação: ao olhar da espera confusa de nossos contemporâneos, é importante explicitar melhor todas as harmonias da salvação cristã, não somente como reconciliação com Deus, mas como cura do mal-estar da condição humana e como sabedoria de vida, isto é, como reconciliação consigo mesmo e com toda a criação Outra forma de expressar esta tese é: a vida ética é, acima de tudo, uma vida de celebração. GRENZ, Stanley. A busca da moral. Fundamentos da ética cristã. São Paulo: Vida, 2006, p GEFFRÉ, Claude. "Para uma nova teologia das religiões". In: GIBELINI, Rosino (ed.) Perspectivas teológicas para o século XXI. Aparecida: Editora Santuário, 2005, p

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO

ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDOS NO EVANGELHO DE JOÃO ESTUDO 1 NOVA VIDA O presente curso ajudará você a descobrir fatos da Palavra de Deus, fatos os quais você precisa para viver a vida em toda a sua plenitude. Por este estudo

Leia mais

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos

Conceitos Básicos. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos Oséias Salvação Conceitos Básicos Oséias, o profeta, era filho de Beeri. Profetizou em Israel, durante o reinado de Jeroboão II (Século VIII a.c.), cumpre seu ministério por 30 anos O nome Oséias era comum

Leia mais

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT)

JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) JESUS CRISTO FOI CONCEBIDO PELO PODER DO ESPÍRITO SANTO, E NASCEU DA VIRGEM MARIA (CONT) 11-02-2012 Catequese com adultos 11-12 Chave de Bronze Em que sentido toda a vida de Cristo é Mistério? Toda a vida

Leia mais

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos.

Esperança em um mundo mal Obadias 1-21. Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Esperança em um mundo mal Obadias 1-21 Propósito: Confiar em Cristo independente do mundo em que vivemos. Introdução Obadias É o livro mais curto do Antigo Testamento. Quase nada se sabe sobre o autor.

Leia mais

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO

BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO BASES DA CONVERSÃO CRISTÃ E DO DISCIPULADO O que é uma pessoa cristã? É a pessoa que acredita que o Deus vivo é revelado em e por meio de Jesus Cristo, que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, que

Leia mais

O Antigo Testamento Deus mostra-se no Antigo Testamento como Aquele que criou o mundo por amor e permanece fiel ao ser humano, mesmo que este, pelo

O Antigo Testamento Deus mostra-se no Antigo Testamento como Aquele que criou o mundo por amor e permanece fiel ao ser humano, mesmo que este, pelo A missão na Bíblia A Bíblia No Antigo Testamento, a Missão é o convite para que o povo se purifique da idolatria e da magia e caminhe junto de Deus. No Novo Testamento, a Missão é envio aos confins do

Leia mais

Considerações sobre o Evangelho de João

Considerações sobre o Evangelho de João 1 Considerações sobre o Evangelho de João. O Evangelho de João nasceu do anúncio vivo, da memória de homens e mulheres que guardavam e transmitiam os ensinamentos transmitidos por Jesus.. O chão = vida

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO

A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO RESUMO 1 A AÇÃO EDUCATIVA NA ÓTICA DAS SETE LEIS DO APRENDIZADO Julimar Fernandes da Silva 1. RESUMO A Educação nos dias atuais é um desafio constante, tanto para a sociedade como para Igreja cristã. Nesse sentido,

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 2ª edição Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo 1 Apostila do Aluno Como Viver a Plenitude de Deus Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO

NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Domingo XXXIV e último NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, REI DO UNIVERSO Solenidade LEITURA I 2 Sam 5, 1-3 «Ungiram David como rei de Israel» Leitura do Segundo Livro de Samuel Naqueles dias, todas as tribos

Leia mais

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria

A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Ano Novo 2013 Carta Pastoral do Bispo D. Paulo Otsuka Yoshinao Diocese de Kyoto A Fe Parte 3 Vivenciemos nossa Fé com alegria Fiquem sempre alegres no Senhor! Fl.4,4. O maior presente do cristianismo é

Leia mais

ELABORAÇÃO UMA LITURGIA. Adoração e Louvor Aula 10

ELABORAÇÃO UMA LITURGIA. Adoração e Louvor Aula 10 ELABORAÇÃO UMA LITURGIA Adoração e Louvor Aula 10 Os cânticos e hinos devem ser previamente escolhidos conforme o tema do culto, a mensagem e o momento litúrgico. Exemplo Prático: Liturgia do dia 01-12-2013

Leia mais

Introdução à 26/05/2011 A doutrina de Cristo segundo as escrituras Divindade de Cristo O que a história da igreja fala sobre o assunto? A Igreja Primitiva No início do século II, o cristianismo era uma

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3

ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 ESTUDO SOBRE A DISPENSAÇÃO DA LEI (1.718 Anos) Ex 3:1-10 Ex 12:37-38 Lc 16:16 Mt 3:1-3 Definição de Dispensação: período de tempo durante o qual a humanidade é moralmente responsável diante de Deus em

Leia mais

IGREJA PRESBITERIANA DO JARDIM BRASIL ESTUDO BÍBLICO QUARTA-FEIRA REV. HELIO SALES RIOS

IGREJA PRESBITERIANA DO JARDIM BRASIL ESTUDO BÍBLICO QUARTA-FEIRA REV. HELIO SALES RIOS IGREJA PRESBITERIANA DO JARDIM BRASIL ESTUDO BÍBLICO QUARTA-FEIRA REV. HELIO SALES RIOS INTRODUÇÃO Culto é um serviço Espiritual oferecido a Deus. Expressão mais profunda do nossos sentimentos de adoração

Leia mais

LIÇÃO 01 CHAMADO PARA SER PROFETA A vocação e a vida de Jeremias Jeremias 1, 13

LIÇÃO 01 CHAMADO PARA SER PROFETA A vocação e a vida de Jeremias Jeremias 1, 13 LIÇÃO 01 CHAMADO PARA SER PROFETA A vocação e a vida de Jeremias Jeremias 1, 13 Exercícios para prática e discussão 1. Em que período e contexto Jeremias desenvolveu seu ministério? 2. Por que é importante

Leia mais

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus

A Identidade da Igreja do Senhor Jesus A Identidade da Igreja do Senhor Jesus Atos 20:19-27 (Ap. Paulo) Fiz o meu trabalho como Servo do Senhor, com toda a humildade e com lágrimas. E isso apesar dos tempos difíceis que tive, por causa dos

Leia mais

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I

DOMINGO VII DA PÁSCOA. Vésperas I DOMINGO VII DA PÁSCOA (Onde a solenidade da Ascensão não é transferida para este Domingo). Semana III do Saltério Hi n o. Vésperas I Sa l m o d i a Salmos e cântico do Domingo III. Ant. 1 Elevado ao mais

Leia mais

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...

SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!... SUMÁRIO Páginas A alegria 10 (A alegria está no coração De quem já conhece a Jesus...) Abra o meu coração 61 (Abra o meu coração Deus!...) A cada manhã 71 (A cada manhã as misericórdias se renovam...)

Leia mais

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim

Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim 5º DOMINGO DA PÁSCOA 18 de maio de 2014 Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim Leituras: Atos 6, 1-7; Salmo 32 (33), 1-2,4-5.18-19; Primeira Carta de Pedro 2, 4-9; João

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor!

Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! 16º DOMINGO DO TEMPO COMUM - 19 de julho de 2015 Jesus viu e se encheu de compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor! Leituras: Jeremias 23, 1-6; Salmo 22 (23), 1-3a.3b-4.5.6 (R/1.6a); Efésios 2, 13-18;

Leia mais

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes

Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes 17º DOMINGO DO TEMPO COMUM 26 de julho de 2015 Jesus tomou os Pães, deu graças e distribuiu-os aos que estavam sentados, assim como os peixes Leituras: Segundo Livro dos Reis 4, 42-44; Salmo 144 (145),

Leia mais

Tema: O Cordeiro e o Leão ESTUDO 2 Titulo: O Leão da Tribo de Judá Texto base: Ap 5:1-14

Tema: O Cordeiro e o Leão ESTUDO 2 Titulo: O Leão da Tribo de Judá Texto base: Ap 5:1-14 Tema: O Cordeiro e o Leão ESTUDO 2 Titulo: O Leão da Tribo de Judá Texto base: Ap 5:1-14 Ao examinarmos o contexto do cap. 5 de Apocalipse entendemos o titulo O Leão da Tribo de Judá, se refere ao ministério

Leia mais

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger

Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Ademir Ifanger Saiamos pois, a Ele, fora do arraial... Introdução Almejamos uma nova compreensão da espiritualidade, que nos impulsione a realizar o projeto integral de Deus, expressando assim genuína adoração (Jo 4.23-24).

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

Capítulo 1 A perspectiva escatológica do Antigo Testamento

Capítulo 1 A perspectiva escatológica do Antigo Testamento Capítulo 1 A perspectiva escatológica do Antigo Testamento PARA ENTENDER CORRETAMENTE A ESCATOLOGIA BÍBLICA, é preciso vê-la como um dos aspectos integrantes de toda a revelação bíblica. A escatologia

Leia mais

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Conhecendo a Bíblia A BÍBLIA Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Divisão em capítulos: Stephen Langton, em 1227 e Cardeal Hugo de Sancto Caro, por volta de 1260. Divisão por versículos:

Leia mais

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1)

Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) Ministério de Intercessão A Intercessão e a Batalha Espiritual Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens. (1 Timóteo 2:1) O que é Intercessão?

Leia mais

O último fato que agitou os apocalípticos

O último fato que agitou os apocalípticos O último fato que agitou os apocalípticos Uma suposta Profecia Maia Distorções na Ideia de Paraíso Espiritualidade comprometida apenas com a prosperidade no aqui e agora. Em nome de uma esperança futura,

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 1) A Cruz era um instrumento de execução. Para os romanos, que tipo de pessoa era executado na cruz? E para os judeus? Resposta: Os romanos a usavam

Leia mais

www.projetocasteloforte.com.br

www.projetocasteloforte.com.br Igreja Uma Comunidade Missionária Sermão pregado no Domingo, 23 de Junho de 2013 Por Josep Rossello Bispo Diocesano da Igreja Anglicana Reformada do Brasil, Na Igreja Anglicana do Vale do Paraíba Em São

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos

YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos YEHOSHUA E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos (Atos 4.12) Quando você se arrepende dos seus pecados e crê

Leia mais

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL ESTUDO 4 Palavra Viva RELEMBRANDO SANTIFICAÇÃO Nossos três grandes inimigos: O MUNDO A CARNE O D IABO 'Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne, porque

Leia mais

Os primeiros capítulos do livro de Ezequiel apresentam os temas principais. Deus estava

Os primeiros capítulos do livro de Ezequiel apresentam os temas principais. Deus estava Lição 5 Uma História de Amor Incrível: Como Deus Tratou Jerusalém Infiel (Ezequiel 16:1-17:24) Os primeiros capítulos do livro de Ezequiel apresentam os temas principais. Deus estava preparando um castigo

Leia mais

O PLANO CONTRA LÁZARO

O PLANO CONTRA LÁZARO João 12 Nesta Lição Estudará... Jesus em Betânia O Plano Contra Lázaro Jesus Entra em Jerusalém Alguns Gregos Vão Ver Jesus Anuncia a Sua Morte Os Judeus Não Crêem As Palavras de Jesus Como Juiz JESUS

Leia mais

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio

EBD ADU 2011. Aulas sobre o Espírito Santo e você. Prefácio Aulas sobre o Espírito Santo e você. EBD ADU 2011 Prefácio 1. Quem é o Espírito Santo? 2. Os símbolos do Espírito Santo 3. O Espírito Santo e as Escrituras 4. Da criação até o nascimento de Jesus 5. Do

Leia mais

ESCATOLOGIA - Doutrina das últimas coisas.

ESCATOLOGIA - Doutrina das últimas coisas. ESCATOLOGIA - Doutrina das últimas coisas. Em relação à volta do Senhor Jesus, a única unanimidade que há entre os teólogos é que ela acontecerá. Nos demais aspectos, são várias correntes defendidas. Cada

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Apocalipse. Contexto:

Apocalipse. Contexto: Apocalipse Contexto: Última década do Século I Imperador Domiciano Culto ao Imperador Perseguição imperial Igreja de mártires João é o último apóstolo vivo João, o último apóstolo vivo, exilado na ilha

Leia mais

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS

LIÇÃO TÍTULO TEXTO PRINCÍPIO VERSÍCULOS-CHAVE ALVOS TEMA CENTRAL Todos os direitos reservados por: MINISTÉRIO IGREJA EM CÉLULAS R. Ver. Antônio Carnasciali, 1661 CEP 81670-420 Curitiba-Paraná Fone/fax: (041) 3276-8655 trabalhoemconjunto@celulas.com.br edile@celulas.com.br

Leia mais

Dez minutos de oração para transformar sua vida

Dez minutos de oração para transformar sua vida STORMIE OMARTIAN Dez minutos de oração para transformar sua vida Traduzido por Susana Klassen F O C O D E O R A Ç Ã O 1 Adore e louve a Deus por quem ele é Adorar a Deus é uma das coisas mais poderosas

Leia mais

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ

CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ CELEBRAÇÃO ARCIPRESTAL DA EUCARISTIA EM ANO DA FÉ SEIA 23 DE JUNHO 2013 ENTRADA NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, NÓS SOMOS AS PEDRAS VIVAS DO TEMPLO DO SENHOR, POVO SACERDOTAL, IGREJA SANTA

Leia mais

BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS EM PALAVRA HUMANA

BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS EM PALAVRA HUMANA BÍBLIA, PALAVRA DE DEUS EM PALAVRA HUMANA 1 - Palavra de Deus testemunhada no AT e no NT. A Bíblia testemunha a Palavra de Deus que chegou ao povo de Israel formando o Antigo Testamento; é Palavra de Deus

Leia mais

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII

Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Maria, mãe de Deus, no mistério de Cristo e da Igreja Fundamentos bíblicos na Lumen Gentium VIII Quando, porém, chegou a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a Lei,

Leia mais

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler

Linha do tempo. A História é a grande mestra. Aprendamos dela! Importa saber ler Linha do tempo A História é a grande mestra Aprendamos dela! Importa saber ler 1 Como ler a História Linha reta: tudo já está determinado. Não há participação, nem liberdade Círculo: tudo se repete. O

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure. (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de

Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure. (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de 1 06.06.05 Por ocasião da Marcha para Jesus, o deputado Wasny de Roure (PT-DF) pronuncia o seguinte discurso: No próximo dia 11 de junho teremos mais uma Marcha para Jesus em Brasília, evento que acontece

Leia mais

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS

24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455. Texto 441-455 PRIMEIRA PARTE SEGUNDA SEÇÃO CAPÍTULO II: CREIO EM JESUS CRISTO, FILHO ÚNICO DE DEUS 24. Creio no Filho único de Deus. O Senhor 441-455 INTRODUÇÃO O comportamento, a mensagem, a pessoa de Jesus e toda a sua história, especialmente a o mistério pascal não podem ser explicados nem corretamente

Leia mais

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO

CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO CATEDRAL DIOCESANA DE CAMPINA GRANDE PARÓQUIA NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO SOBRE NÓS FAZEI BRILHAR O ESPLENDOR DE VOSSA FACE! 3 º DOMINGO DA PÁSCOA- ANO B 22 DE ABRIL DE 2012 ANIM: (Saudações espontâneas)

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

A BÍBLIA. Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11

A BÍBLIA. Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11 A BÍBLIA Leituras - 2 Tm 3.10-17; Sl 19, 119.105-112; Is 40.1-11 DIVISÃO E CONTEÚDO A palavra "bíblia" vem do grego bíblia, plural de biblion, que traduzido quer dizer "grupo de "livros". Desta forma a

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais

Opovo da época de Ezequiel, como fazem muitas pessoas hoje, tentava justificar seus erros

Opovo da época de Ezequiel, como fazem muitas pessoas hoje, tentava justificar seus erros Lição 6 Deus Age por Amor do Nome Dele: Sua Justiça e Misericórdia (Ezequiel 18:1-20:44) Opovo da época de Ezequiel, como fazem muitas pessoas hoje, tentava justificar seus erros pela tática perversa de

Leia mais

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO

ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO 1 ESTUDOS PARA AS CÉLULAS AS SETE VERDADES ESSÊNCIAIS DO EVANGELHO LIÇÃO Nº 01 DIA 16/06/2014 INTRODUÇÃO: Vamos começar uma nova série de estudos em nossas células. Esta será uma série muito interessante

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

Porque Deus mandou construir o tabernáculo?

Porque Deus mandou construir o tabernáculo? Aula 39 Área da Adoração Êxodo 19:5~6 Qual o significado de: vós me sereis reino sacerdotal? Significa que toda a nação, não parte, me sereis reino sacerdotal, povo santo, nação santa. Israel era uma nação

Leia mais

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO

Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO Igreja Batista Itacuruçá ESTAÇÃ ÇÃO DO EVANGELISMO ORIENTAÇÕES GERAIS Bem-vindos à nova estação dos GFs: a estação do evangelismo! Nesta estação queremos enfatizar pontos sobre nosso testemunho de vida

Leia mais

É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho

É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho XXXIII TEMPO ORDINÁRIO 14 novembro 2010 É PERMANECENDO FIRMES QUE VOCÊS IRÃO GANHAR A VIDA! - Comentário de Pe. Alberto Maggi (OSM) ao Evangelho Lc 21,5-19 Algumas pessoas comentavam sobre o Templo, enfeitado

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO

CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO CRISTOLOGIA: DOUTRINA DE CRISTO ETERNIDADE DEUS PAI LOGUS ESPIRITO SANTO A TRINDADE 1Jo.5.7 LOGUS QUER DIZER PALAVRA OU VERBO SE REFERE AO FILHO NA ETERNIDADE I - SUA PRÉ-EXISTÊNCIA 1 - SUA EXISTÊNCIA

Leia mais

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial

Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Conselho Mundial das Igrejas. Aliança Evangélica Mundial Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso Conselho Mundial das Igrejas Aliança Evangélica Mundial A missão pertence à essência da igreja. Proclamar a palavra de Deus e testemunhá-la ao mundo é

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

Demonstração de Maturidade

Demonstração de Maturidade Demonstração de Maturidade TEXTO BÍBLICO BÁSICO 2 Reis 4.12-17 12 - Então disse ao seu servo Geazi: Chama esta sunamita. E chamando-a ele, ela se pôs diante dele. 13 - Porque ele tinha falado a Geazi:

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus.

EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3. Evangelho de João Cap. 3. 1 Havia, entre os fariseus, um homem chamado Nicodemos, um dos principais dos judeus. EVANGELHO DE JOÃO, Cap. 3 LEMBRETE IMPORTANTE: As palavras da bíblia, são somente as frases em preto Alguns comentários explicativos são colocados entre os versículos, em vermelho. Mas é apenas com o intuito

Leia mais

O significado salvífico da morte de Jesus

O significado salvífico da morte de Jesus Igreja Nova Apostólica Internacional O significado salvífico da morte de Jesus 2.ª parte Depois da interpretação da morte de Jesus, na Epístola Aos Hebreus, seguem-se explanações sobre o que Jesus representa

Leia mais

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015

QUEM É JESUS. Paschoal Piragine Jr 1 31/08/2015 1 QUEM É JESUS Jo 1 26 Respondeu João: Eu batizo com água, mas entre vocês está alguém que vocês não conhecem. 27 Ele é aquele que vem depois de mim, e não sou digno de desamarrar as correias de suas sandálias

Leia mais

Sola Scriptura Somos diferentes?

Sola Scriptura Somos diferentes? Sola Scriptura Somos diferentes? Introdução: 3 pilares da Reforma Protestante: sola Scriptura, sola fide, sola gratia Mesmo em forma de afirmação, cada pilar também é negação. Por exemplo, a expressão,

Leia mais

O Discipulado e a Vida da Igreja

O Discipulado e a Vida da Igreja Série Estudo Bíblico Nº 06 O Discipulado e a Vida da Igreja Um Estudo Bíblico Sobre Adoração e Louvor Ademir Ifanger E s t u d o s B í b l i c o s P á g i n a 2 Índice Introdução... 03 1. Definindo Adoração

Leia mais

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966.

STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Azusa Revista de Estudos Pentecostais 1 STOTT, John R. W. Batismo e plenitude do Espírito Santo. São Paulo: Vida Nova, 1966. Josias Novak 1 1 A promessa do Espírito Em sua exposição Stott afirma que a

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO Planificação Educação Moral e Religiosa Católica. Ano Letivo 2015/2016 3º Ciclo 7º Ano Unidade Letiva: 1 - As Origens Período: 1º 1. Questionar a origem, o destino e o sentido do universo e do ser humano. As origens na perspetiva científica L. Estabelecer um diálogo entre a cultura e a fé.

Leia mais

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula

Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Livros Históricos 2 SEFO 2013 Livros de 1 e 2 Crônicas- 2ª Aula Igreja Evangélica Assembleia de Deus Ministério Madureira Campo de Mogi das Cruzes Conteúdo Programático Seção Título Slide 1. Introdução

Leia mais

www.projeto-timoteo.org 1ª edição Projeto Timóteo Como Crescer na Vida Espiritual Apostila do Aluno Apostila do Aluno

www.projeto-timoteo.org 1ª edição Projeto Timóteo Como Crescer na Vida Espiritual Apostila do Aluno Apostila do Aluno Como Crescer na Vida Espiritual Projeto Timóteo Apostila do Aluno Apostila do Aluno 1 Como Crescer na Vida Espiritual Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Equipe Pedagógica Dr. John Barry Dyer Marivete

Leia mais

sincretismo A visão segundo a qual não existe na história nenhuma revelação única; ela diz que existem várias e diferentes maneiras de se alcançar a realidade divina, que todas as formulações de verdade

Leia mais

FESTA DO BATISMO DO SENHOR 12 de janeiro de 2014

FESTA DO BATISMO DO SENHOR 12 de janeiro de 2014 FESTA DO BATISMO DO SENHOR 12 de janeiro de 2014 Tu és o meu Filho amado: Eu hoje te gerei! Leituras: Isaías 42, 1-4.6-7; Salmo 28 (29); Atos dos Apóstolos 10, 34-38; Mateus 3, 13-17. COR LITÚRGICA: BRANCA

Leia mais

1ª Leitura - Ex 17,3-7

1ª Leitura - Ex 17,3-7 1ª Leitura - Ex 17,3-7 Dá-nos água para beber! Leitura do Livro do Êxodo 17,3-7 Naqueles dias: 3 O povo, sedento de água, murmurava contra Moisés e dizia: 'Por que nos fizeste sair do Egito? Foi para nos

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

Pr. Ademilson Ribeiro Presidente do Ministério Graça Plena

Pr. Ademilson Ribeiro Presidente do Ministério Graça Plena Pr. Ademilson Ribeiro Presidente do Ministério Graça Plena Texto: (2º cor 9.6) "Celebrai com júbilo ao Senhor" Introdução Ao completar dez anos (10) de existência, o Ministério Graça Plena chega em 2014,

Leia mais

Tearfund: Missão, Declaração de Fé, Valores

Tearfund: Missão, Declaração de Fé, Valores Tearfund: Missão, Declaração de Fé, Valores Declaração de Propósito e Missão O propósito da Tearfund é servir a Jesus Cristo, capacitando aqueles que compartilham da fé cristã evangélica a levar boas novas

Leia mais

LIÇÃO 2 O Ensino Cristão É Importante

LIÇÃO 2 O Ensino Cristão É Importante LIÇÃO 2 O Ensino Cristão É Importante Na Lição 1, estudámos sobre o ensino cristão como ministério, assinalando a diferença entre ensinar, pregar e testemunhar. Aprendemos também que Jesus Cristo nos mandou

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA

UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA UMA AVALIAÇÃO DA MÚSICA DA NOSSA IGREJA Aula 8 Objetivo: Capacitar o aluno para avaliar toda música (os hinos, cânticos espirituais, solos, cânticos para o coral, etc.) que cantamos e ouvimos. Segunda

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

É necessário olharmos mais meticulosamente para o restabelecimento dessa nação à luz das profecias.

É necessário olharmos mais meticulosamente para o restabelecimento dessa nação à luz das profecias. Apesar dos surpreendentes e espantosos acontecimentos experimentados nestes dias, o maior de todos os sinais do fim dos tempos - e, contudo, o menos enfatizado - é o retorno do povo judeu à Terra Prometida

Leia mais

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...!

BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA. O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! BÍBLIA E HERMENÊUTICAS JUVENIS EVANGELHO DE MARCOS - SAÚDE E VIOLÊNCIA O que procuramos? Quem procura acha. Nem sempre achamos o que procuramos...! Quem procura acha. Módulo 2 Etapa 3 Nem sempre acha o

Leia mais

CULTO DE ABERTURA DO SEMESTRE FACULDADES EST- 24/02/2013 2 º DOMINGO DE QUARESMA LITURGIA DE ENTRADA

CULTO DE ABERTURA DO SEMESTRE FACULDADES EST- 24/02/2013 2 º DOMINGO DE QUARESMA LITURGIA DE ENTRADA CULTO DE ABERTURA DO SEMESTRE FACULDADES EST- 24/02/2013 2 º DOMINGO DE QUARESMA LITURGIA DE ENTRADA Assim nós invocamos a presença de Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Amém. Hino: HPD II 330 Abraço de

Leia mais

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c.

Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Os Livros dos Reis relatam acontecimentos da Monarquia iniciada por Saul e Davi e seus descendentes. Os dois reinaram entre o ano 972 a.c. à 561 a.c. Depois de Davi, veio Salomão. O Reino de Davi e Salomão

Leia mais

TRÊS VALORES ESPÍRITAS

TRÊS VALORES ESPÍRITAS TRÊS VALORES ESPÍRITAS 1 2 ENCONTROS E DESENCONTROS DE DOIS MUNDOS Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)(Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Azevedo, Israel Belo de O espiritismo

Leia mais

INTRODUÇÃO : Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento essencial

INTRODUÇÃO : Através de toda a Bíblia, a santificação tem sido um elemento essencial ESCOLA BIBLICA DOMINICAL LIÇÃO 01 e 02 ANO BASE 2011 Aplicado em 13 e 20/02/2011 TEMA: SANTIFICAÇÃO TEXTO AUREO : "Eu sou o Senhor, vosso Deus; portanto, vós vos consagrareis e sereis santos, porque eu

Leia mais

As Escrituras n 02 - A Antiga Aliança Teologia Bíblica do Pentateuco

As Escrituras n 02 - A Antiga Aliança Teologia Bíblica do Pentateuco Recomendável a leitura do Guia do Professor da série As Escrituras - AT, que traz informações gerais sobre toda a série, disponível pela internet no link www.cbn.org.br/escriturasat/suplementogeral.pdf

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho

Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Escola Básica e Secundária Dr. Vieira de Carvalho Planificação do 7º Ano - Educação Moral e Religiosa Católica Unidades Temáticas Conteúdos Competências Específicas Instrumentos de Avaliação UL1- AS ORIGENS

Leia mais