O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment"

Transcrição

1 ISSN on line O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment Dirceu André Gerardi (pucrs) Fran Espinoza (nusp/ufpr) newsletter v. 3 n. 9 junho, 2016 universidade federal do paraná (ufpr) núcleo de pesquisa em sociologia política brasileira (nusp)

2 O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment The political recruitment of Brazilian social cabinets on impeachment's times Dirceu André Gerardi (pucrs) * Fran Espinoza (nusp/ufpr) ** Resumo: O objetivo deste trabalho é analisar os fatores que influenciam na seleção dos ministros da área social em tempos de impeachment. Serão analisados os perfis profissionais de ministros indicados às pastas sociais durante os 497 dias do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, iniciado com sua posse em 1 de janeiro de 2016 até seu afastamento provisório do cargo que em 11 e 12 de maio de 2016, após votação no Senado Federal. Partimos da hipótese de que o gabinete da área social formado para o segundo mandato de Rousseff privilegiou experts, indivíduos com trajetórias e experiência no ramo de atuação dos ministérios sociais. Mas, com o aumento das instabilidades sociais e econômicas, teria ocorrido uma modificação dos padrões de recrutamento. Como resultado, identificou-se que o perfil dos ministros da área social do primeiro para o segundo mandato de Rousseff apresenta alterações. Dentre elas, estão a redução do número de mulheres e o ingresso de indivíduos com carreiras mais longas, mais velhos e pertencentes ao PT. Palavras-chaves: recrutamento; ministros; Dilma Rousseff; área social; impeachment. Abstract: O objetivo deste trabalho é analisar os fatores que influenciam na seleção dos ministros da área social em tempos de impeachment. Serão analisados os perfis profissionais de ministros indicados às pastas sociais durante os 497 dias do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, iniciado com sua posse em 1 de janeiro de 2016 até seu afastamento provisório do cargo que em 11 e 12 de maio de 2016, após votação no Senado Federal. Partimos da hipótese de que o gabinete da área social formado para o segundo mandato de Rousseff privilegiou experts, indivíduos com trajetórias e experiência no ramo de atuação dos ministérios sociais. Mas, com o aumento das instabilidades sociais e econômicas, teria ocorrido uma modificação dos padrões de recrutamento. Como resultado, identificou-se que o perfil dos ministros da área social do primeiro para o segundo mandato de Rousseff apresenta alterações. Dentre elas, estão a redução do número de mulheres e o ingresso de indivíduos com carreiras mais longas, mais velhos e pertencentes ao PT. Keywords: recruitment; ministres; Dilma Rousseff; impeachment. Este é um estudo exploratório. Seu o objetivo é discutir os fatores que influenciaram a seleção dos ministros da área social no Brasil em tempos de impeachment. Serão analisados os perfis profissionais de ministros indicados às pastas sociais durante os 497 dias do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff, iniciando com sua posse em 1 o de janeiro de 2014 até seu afastamento preliminar do cargo que ocorreu nos dias 11 e 12 de maio de 2016, após votação no Senado Federal. As variáveis utilizadas para exame do perfil profissional dos ministros são: i) idade; ii) gênero; iii) nível educacional; iv) ocupação profissional; v) número de cargos e tempo de carreira antecedentes à posse como ministro; vi) setor de origem; e vii) filiação partidária. Na primeira seção, lançamos as hipóteses de trabalho. A segunda seção deste estudo é de contextualização, onde será exposta uma breve cronologia do processo de impeachment. Na terceira seção é apresentada a metodologia e na quarta parte se demonstram os resultados do estudo, sendo 2

3 discutidos os perfis sócio-profissionais dos ministros da área social. Finalmente, na quinta parte, são apresentadas as conclusões. Hipóteses do estudo O pressuposto deste estudo é que analisar as caraterísticas profissionais e o estabelecimento do padrão de carreira da elite selecionada para dirigir ministérios sociais pode fornecer aspectos da estratégia empregada para o recrutamento da elite governante em tempos de impeachment. Vale lembrar que, embora os ministérios sociais de governos petistas tenham cumprido papel destacado na implementação de diversas políticas públicas 1, a área social, que inclui os ministérios da Saúde, Educação, Previdência, Desenvolvimento Social e Trabalho, foi responsável, em janeiro de 2015, por 89% 2 dos gastos do governo federal. Em sua maioria são despesas constitucionais previstas em lei e que foram questionadas por ativistas 3 no decorrer do segundo mandado de Dilma Rousseff. A nossa suposição é que o gabinete da área social formado para o segundo mandato de Rousseff privilegiou experts, indivíduos com trajetórias e experiência no ramo de atuação dos ministérios sociais. Portanto, acreditamos que a seleção promovida por Dilma para compor este gabinete: Hipótese 1: seguiu as mesmas diretrizes do primeiro mandato, ou seja, privilegiou a seleção de experts provenientes do setor estatal, mulheres e filiados do PT. Por outro lado, espera-se que o aumento das instabilidades sociais e econômicas enfrentadas por Rousseff entre março de 2015 e fevereiro de 2016, promoveram tanto o sacrifício de ministérios sociais como a negociação política de outras pastas, modificando os padrões de recrutamento tradicional de seu governo: Hipótese 2: Dilma reduziu o número de experts do setor estatal à frente dos ministérios sociais em favor de um aumento de indivíduos politicamente mais experientes, portadores de carreiras mais longas e conexões parlamentares que ajudariam o governo a suportar o período de instabilidade. 1 Entre eles, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, responsável por políticas de redistribuição de renda, como o Bolsa Família, programas de erradicação da pobreza, segurança alimentar <http://mds.gov.br>, e a agricultura familiar, uma das ações promovidas Ministério do Desenvolvimento Agrário, por exemplo <http://www.mda.gov.br>. Acesso: 10/05/ Ou seja, dos R$ 312,8 bilhões previstos, R$ 268,66 bilhões foram consumidos por essas cinco pastas. Acesso: 06/06/ Isso fica claro em diversas pesquisas realizadas com manifestantes com posicionamento contrário às políticas de cotas, ao pagamento de benefícios como o Bolsa Família e às políticas públicas desse governo. Estas pesquisas foram amplamente divulgadas em sites de relacionamento e de maneira pontual por agências de notícias. Uma delas foi realizada por um centro de pesquisa ligado à UFMG e pode ser acessada pelo link Acesso: 06/06/

4 Em sistemas presidenciais, exceto o cargo de presidente, a posição mais importante que alguém pode alcançar é o cargo de ministro de Estado. São escassos os estudos que estimam a composição da elite ministerial em momentos de crise política, como a enfrentada por Rousseff em seu segundo mandato. Através do estudo da nomeação de ministros, é possível verificar o nível de rotatividade e de estabilidade da elite ministerial (Camerlo, 2013). Nessa linha, alguns trabalhos se dedicam à composição interna dos gabinetes (Amorim Neto 2006), selecionando, como variável dependente, o vínculo com as políticas públicas (Altman e Castiglioni 2009) e como variável explicativa a durabilidade dos ministros (Martínez-Gallardo, 2011). González-Bustamente e Olivares (2016) afirmam que o acesso às posições mais relevantes da elite política resulta de uma rede social. Os fatores para se alcançar essas posições privilegiadas são o nível educacional, os vínculos sociais formados no campo político e a maior proximidade com centros de poder, seja desempenhando cargos no parlamento (Teruel 2004, 39), seja no partido do presidente (Inácio 2013, 64). Essas são posições que permitem a formação de conexões políticas e a obtenção de apoios que suportam as indicações para o cargo. Cronologia do processo de impeachment No dia 26 de outubro de 2014, Dilma Rousseff foi reeleita presidente da República com 51.6% de votos. Poucos meses depois, o Movimento Brasil Livre (MBL) organizou quatro grandes manifestações populares contra seu governo e contra a corrupção. A primeira ocorreu em 15 de março, a segunda em 12 de abril, a terceira em 16 de agosto e a última em 13 de dezembro de A presidente Rousseff iniciou seu segundo mandato em 1 de janeiro de 2015 marcado por dois fatos significativos: estagnação econômica e investigação por corrupção no denominado caso Lava Jato. Em maio do mesmo ano, o movimento Marcha pela Liberdade e, posteriormente, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) acusaram Rousseff de maquiar contas públicas com o objetivo de encobrir o déficit fiscal ( pedaladas fiscais ). No mês de julho, Rousseff entregou ao Tribunal de Contas da União (TCU) um documento de 900 páginas no qual expôs o porquê das supostas pedaladas fiscais do ano Dessa forma, tentou demonstrar que não descumpriu a Lei de Responsabilidade Fiscal. Mas, em outubro, o TCU considerou que Rousseff, ao acumular uma dívida com o sistema bancário público, cometera sim irregularidades. De acordo com o TCU, o Banco do Brasil, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e a Caixa Econômica Federal sustentaram os programas sociais do governo do Partido dos Trabalhadores, como o Pronaf. Em dezembro de 2015, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), autorizou a abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Na mesma semana, o juiz do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fachin, confirmou que o impeachment se produzia dentro do âmbito legal contemplado na Constituição Federal de

5 Em 2016, os parlamentares iniciaram a investigação contra a presidente. Nesse contexto de instabilidade política, Rousseff realizou mudanças no gabinete ministerial. Para alcançar alianças no Congresso, tentou nomear o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ( ) no Ministério da Casa Civil, mas este não pôde assumir, já que era acusado de estar vinculado às operações ilegais investigadas pela Lava Jato. Em 13 de abril, foi aprovado o relatório da Comissão Parlamentar dando continuidade ao processo de impedimento da presidente, com 38 legisladores a favor e 27 votos contra. Dessa forma, iniciou-se o processo de destituição de Dilma Rousseff. A votação no plenário da Câmara dos Deputados, em 17 de abril de 2016, com 350 votos a favor e 126 contra encaminhou o pedido de impedimento para votação no Senado Federal. Em 12 de maio de 2016, o Senado aprovou a abertura do processo de impeachment da presidente com 55 senadores a favor e 22 contrários. A partir desse momento, a Dilma Rousseff foi afastada do poder por até 180 dias para ser investigada pelas pedaladas fiscais. O vice-presidente, Michel Temer (PMDB), assumiu provisoriamente a presidência da República. Material e métodos Nesta pesquisa, a coleta de informações, embora considere os ministérios sociais dos gove rnos Fernando Henrique Cardoso ( ; ), Lula ( ; ) e Dilma ( ), analisa especificamente os(as) ministros(as) nomeados(as) às pastas sociais do segundo mandato de Rousseff ( ). Identificou-se que os ministérios sociais dos governos de FHC totalizaram oito e que foram ampliados para 11 nos governos Lula. A explicação para esse crescimento está no alargamento dos canais de discussão entre governo e sociedade estabelecidos através de dispositivos institucionais previstos em lei, sendo os fóruns e conferências nacionais um exemplo desta prática 4. A Secretaria Especial de Direitos Humanos, criada em 1996 e subordinada à estrutura do Ministério da Justiça, encontrou nos governos de FHC um contexto político pouco propício ao desenvolvimento de um programa de direitos humanos (econômicos e sociais) (Natalino et al. 1998). Esse cenário é modificado a partir de 2003, quando a Secretaria Especial de Direitos Humanos conquista o status de ministério e, com isso, recursos institucionais que subsidiaram, por exemplo, a realização da I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. O texto final dessa conferência foi convertido no I Plano Nacional de Políticas para as Mulheres (Cf. Brasil 2006). Desta forma, os fóruns e conferências nacionais foram um dos elementos que contribuíram com a reelaboração das diretrizes governamentais e a reestruturação administrativa, por meio da criação de novos ministérios, como o exemplo da Secretaria de Políticas e Promoção da Igualdade Racial e da Secretaria de Políticas para as Mulheres (Natalino et al. 1998). 4 No ano de 2003, foram organizadas a IV Conferência Nacional de Assistência Social e a XII Conferência Nacional de Saúde e, em 2004, a II Conferência Nacional de Segurança Alimentar e a I Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Posteriormente, essas conferências e fóruns nacionais foram reproduzidos em nível estadual e local e parte dos seus resultados utilizados como base para o desenvolvimento de políticas públicas. 5

6 A II Conferência Nacional de Segurança Alimentar é exemplar e impactou, por exemplo, reformas institucionais que precipitaram a criação do Ministério do Desenvolvimento Social e de Combate à Fome. Nesse sentido, os dispositivos institucionais citados proporcionaram ao governo contato com algumas necessidades sociais que reorganizaram a agenda de políticas públicas. O Quadro 1 apresenta a evolução dos ministérios da área social entre os governos FHC I e Lula II: Quadro 1. Evolução dos ministérios sociais por governo ( ) Quando Dilma Rousseff tomou posse em janeiro de 2011, a estrutura formada pelos ministérios sociais é a mesma do segundo governo Lula, com onze pastas. Porém, se com Lula a ampliação dos ministérios sociais decorre de um maior diálogo com a sociedade, os últimos meses do primeiro governo Rousseff seriam abalados por ondas de protestos que se intensificariam no seu segundo mandato. A reforma administrativa do governo federal, realizada em outubro de , foi o resultado imediato desses protestos. Os cortes atingiram em cheio as secretarias e alguns ministérios 6 das áreas política, social e econômica, reduzindo de 39 para 31 o número de ministérios no Brasil. 5 A reforma administrativa do governo federal que dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos ministérios refere-se à Lei nº , de 5 de abril de 2016 <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato /2016/lei/l13266.htm> a qual determina a extinção de ministérios e estabelece os novos contornos administrativos do governo. Acesso: 06/05/ Da área política: a Secretaria de Assuntos Estratégicos foi extinta. As Secretarias de Relações Institucionais, a Secretaria Geral e o Gabinete de Segurança Institucional foram incorporadas a um novo ministério: a Secretaria de Governo. Da área econômica, o Ministério da Pesca foi incorporado ao Ministério da Agricultura. 6

7 Os ministérios sociais que antes totalizavam onze, com essa reforma foram reduzidos para apenas sete. Dilma reuniu três secretarias em um só ministério: a Secretaria de Políticas para as Mulheres, Secretaria de Promoção da Igualdade Racial e Secretaria de Direitos Humanos deram origem ao Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. As pastas do Trabalho e Previdência Social se fundiram, originando o Ministério do Trabalho e Previdência Social. O impacto da reforma administrativa na área social é apresentado no Quadro 2, onde é possível acompanhar essas fusões e a manutenção de certas pastas. Quadro 2. Ministérios sociais antes e depois da reforma administrativa de 2015 Entre 1995 e 2016, a elite ministerial indicada para compor os ministérios sociais totalizou 107 indivíduos. Em seus dois governos, FHC indicou a essas pastas 22 ministros. Lula foi muito além e nos seus dois mandatos nomeou 44 ministros. Dilma Rousseff nomeou nada menos de 41 ministros: 25 no primeiro mandato e 16 no segundo (Gráfico 1): Gráfico 1. Número de ministros nomeados para as pastas sociais por governo FHC I FHC II Lula I Lula II Dilma I Dilma II Fonte: FHC e Lula elaboração própria com base em dados compilados pelo Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil; Dilma I e Dilma II: elaboração própria 7

8 Para a apresentação dos dados do Gráfico 1, a unidade de análise considerada foi o mandato ministerial: a possibilidade de alguém ocupar o cargo de ministro mais de uma vez e em diferentes governos (foi o caso de Aloizio Mercadante, ministro da Educação nos governos Dilma I e Dilma II), ou de ministros que assumiram diferentes pastas em governos distintos (Nilma Lino Gomes, ministra da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial de Dilma I e Dilma II e posteriormente a 2015, ministra das Mulheres, da Igualdade Racial, e dos Direitos Humanos) produziram casos duplicados no banco. Por isso a decisão de considerar o mandato ministerial como a unidade analítica, pois ponderamos que cada indicação ocorre em conjunturas específicas. Assim, se os casos fossem agregados, reduziriam a capacidade explicativa do recrutamento ministerial, pois a recorrência de alguns indivíduos em funções ministeriais constitui dado relevante para este estudo. A carreira da elite ministerial é um mapa útil da trajetória profissional e permite realizar inferências relacionadas às estratégias de recrutamento promovida por presidentes em períodos históricos específicos, como em tempos de impeachment. Para estabelecer esse mapeamento consideramos todos os cargos anteriormente à posse como ministro, prevalecendo como critério classificatório o maior tempo de carreira investido em um dos ambientes descritos abaixo: i) partidário: indivíduos com carreira estabelecida na cúpula de partidos do governo ou em partidos da base aliada; ii) público: indivíduos com carreira estabelecida no setor estatal, concursados ou não, como os professores universitários e secretários; iii) político: indivíduos com carreira em cargos eletivos ou ocupantes de cargos do primeiro escalão de governos local, estadual e federal. Para operacionalizar o enquadramento analítico, calculamos o montante de cargos ocupados e o tempo de carreira dos ministros em uma dessas três áreas. Por exemplo: Eleonora Menecucci, ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, estabeleceu sua carreira como professora na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), onde ocupou algumas posições e, antes de se tornar ministra, havia ocupado um cargo na reitoria de sua universidade. A classificação demonstra que Menecucci tem carreira formada predominantemente no setor público. Os dados biográficos e de carreira dos ministros foram coletados em diversas fontes, entre elas o Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro DHBB, do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC) da Fundação Getúlio Vargas, nas agências de notícias do governo federal, na biblioteca da Presidência da República e nas biografias elaboradas e divulgadas pelos próprios ministérios e seus sites. Da Plataforma Lattes, consultamos a bases de dados de currículos e as informações referentes à titulação acadêmica, atuação profissional e participação em organizações diversas. Contamos ainda com as informações dos governos de FHC e Lula cedidos pelo Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil da Universidade Federal do Paraná (UFPR). 8

9 Aspectos de gênero e origens sócio-profissionais dos ministros da área social A análise da elite ministerial indicada por Dilma Rousseff 7 para comandar as pastas da área social em seus dois governos demonstraram um avanço na questão de gênero, se comparado com os gabinetes formados por FHC, integrados exclusivamente por homens, brancos. As profissões mais comuns dos 16 ministros da área social do segundo mandato de Rousseff inidcam que 31,2% são professores, 19% são políticos e outros 19% médicos. Advogados, economistas, contadores e sociólogos têm 6,2% cada. O local de nascimento da maioria é a região Sudeste (56%), especialmente os estados de São Paulo e Minas Gerais, seguidos das regiões Nordeste (25%) e Sul (19%). A idade média dos ministros escolhidos é de 61 anos. Portanto, o gabinete de Dilma em seu segundo mandato é, em média, o mais velho desde Do ponto de vista educacional, todos os 16 ministros indicados têm diploma de curso superior, 84% concluíram esses estudos em instituições públicas e dez deles frequentaram cursos de pós-graduação, sendo que sete possuem diplomas de doutorado. A direção das pastas sociais no primeiro governo de Dilma Rousseff totalizou 25 ministros: 36% eram mulheres, as quais comandaram 5 dos 10 ministérios existentes (Cultura, Secretaria de Políticas para as Mulheres, Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Direitos Humanos e Igualdade Racial). No segundo mandato, há uma redução e elas representaram 25% dos 16 ministros indicados e ocuparam apenas quatro gabinetes (desenvolvimento social e combate à fome, mulheres, igualdade racial e direitos humanos). Entre os anos de 2003 e 2016, há um padrão na ocupação dos ministérios sociais onde as secretarias de promoção à igualdade racial e a secretaria de políticas para as mulheres foram ocupadas com exclusividade por elas como está demonstrado na Tabela 1: Tabela 1 Ministérios e secretarias ocupados por mulheres em governos do PT Pasta ocupada Lula I Lula II Dilma I Dilma II Ministério da assistência social 1 Secretaria especial de políticas de promoção da igualdade racial Secretaria especial de políticas para mulheres Ministério do desenvolvimento social e combate à fome 1 1 Secretaria especial de direitos humanos 2 Ministério da cultura 3 Ministério das mulheres, da igualdade racial e direitos humanos 1 Total Fonte: elaboração própria 7 Ver Espinoza e Gerardi, https://www.ufrgs.br/sicp/wp-content/uploads/2015/09/fran-espinosa-e-dirceu- Andr%C3%A9-Gerardi.pdf Acesso: 01/06/ A idade média dos governos anteriores é a seguinte: FHC I e II (53 e 56 anos); Lula I e II (52 anos) e Dilma I (53 anos). 9

10 Os ministérios da Saúde, Educação, Cidades, Desenvolvimento Agrário e Trabalho e Previdência Social 9 apresentam os maiores orçamentos e, além de produzirem um maior impacto político, permitem aos seus ocupantes acumular capital e visibilidade, posições que muitas vezes servem como ponte para a carreira eletiva. Verifica-se que nos mandatados de Lula e Dilma esses espaços estiveram reservados especialmente ao sexo masculino. O Gráfico 2 agrupou os ministérios existentes 10 entre 1995 e 2016 das áreas social, política e econômica. Embora a análise do gráfico possibilite identificar que a presença de mulheres está proporcionalmente concentrada em governos petistas, especialmente na área social, os dados demonstram, no geral, a sub-representação das mulheres. No segundo governo Rousseff, as mulheres desaparecem da direção de ministérios políticos, depois de apresentarem uma elevação em governos anteriores. O mesmo pode ser verificado para a área social. No primeiro mandato, as mulheres representaram 36% do total de indicados e, no segundo, apenas 25%. Esses números evidenciam que, em períodos de crise, as mulheres perdem espaços. Fato agravado pela reforma administrativa de Segundo o relatório do projeto de orçamento de 2015, os números são os seguintes: Saúde (R$ 109,2 bilhões); Educação (R$ 101,3 bilhões); Desenvolvimento Agrário (R$ 5,6 bilhões); Trabalho e Previdência (R$ 73,4 bilhões); Cidades (R$ 27,8). Fonte: Câmara dos Deputados. Relatório preliminar do projeto de Lei Orçamentária de (PL Nº 13, de 2014 CN). pp Disponível em:<http://www12.senado.leg.br/orcamento/documentos/loa/2015/elaboracao/parecer-preliminar/relatoriopreliminar/view> Acesso: 09/06/ Existe um quarto gabinete, formado pela área militar, que não entrou na conta por ser composto por homens. 10

11 Ministérios Sociais Ministérios Políticos Ministérios Econômicos newsletter. observatório de elites políticas e sociais do brasil. v. 3, n Gráfico 2. Gênero por áreas ministeriais e governo (%) Dilma II Dilma I Lula II Lula I FHC II FHC I 92% 91% 88% 89% 100% 94% 8% 9% 12% 11% 6% Dilma II Dilma I Lula II Lula I FHC II FHC I 100% 84% 90% 94% 100% 100% 16% 10% 6% Dilma II 75% 25% Dilma I 64% 36% Lula II Lula I 84% 84% 16% 16% FHC II FHC I 100% 100% 0% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Masculino Feminino Fonte: FHC e Lula elaboração própria com base em dados compilados pelo Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil; Dilma I e Dilma II: elaboração própria Pearson chi2 ministérios sociais = 12,150 Pearson chi2 ministérios políticos = 7,055 Pearson chi2 ministérios econômicos = 3,667 Ministérios sociais: FHC I (n=10); FHC II (n=12); Lula I (n=25); Lula II (n=20); Dilma I (n=25); Dilma II (n=16) Ministérios Políticos: FHC I (n=17); FHC II (n=20); Lula I (n=19); Lula II (n=25); Dilma I (n=33); Dilma II (n=26) Ministérios Econômicos: FHC I (n=12); FHC II (n=14); Lula I (n=17); Lula II (n=21); Dilma I (n=19); Dilma II (n=15) 11

12 O cálculo da carreira dos ministros da área social, indicados para o segundo mandato de Rousseff, mensurou o número total de cargos ocupados anteriormente à posse. Partimos do início da carreira e estendemos a contagem até o momento anterior à posse como ministro. Foram considerados os cargos eletivos, nomeados, os desempenhados em burocracias e na administração pública, na cúpula de partidos políticos, sindicados e associações. Dessa for ma, foi possível identificar que a construção da carreira dos 16 indicados apresenta um modelo heterogêneo e um padrão misto, com trajetórias construídas em diversos campos, como o político, o estatal, o partidário e no ativismo social. Do ambiente estatal, destacam-se os professores, os quais desempenharam funções em cargos de associações acadêmicas, de pesquisa e na reitoria de universidades. Há ainda o grupo de concursados, burocratas que ocupam, no decorrer da trajetória, cargos técnicos, de direção de estatais e secretarias do alto escalão de governos (local, estadual e federal). Entre os 16 indicados, 9 apresentam trajetória no ativismo político, sendo que 6 pertencem ao PT. Os petistas apresentam padrão de carreira longa, ocupando cargos em partidos, associações e sindicatos. Alguns estabelecem uma carreira eletiva galgando degraus no ambiente municipal, cargos legislativos e de primeiro escalão de governos (locais e estaduais). Entre os militantes, há ainda os casos como o de Nilma Lino Gomes que não possui vinculação partidária e lidera um movimento que busca igualdade racial na Bahia. As mulheres recrutadas por Dilma para seu segundo mandato provinham exclusivamente do setor público, embora este perfil seja identificado por uma intensa rotatividade dos atores (Franz e Codato 2016, 10). Os oriundos do meio acadêmico apresentam baixa proporção de cargos prévios e são recrutados em função do destaque, expertise (no ramo de atuação dos ministérios) e simbolismo 11 segundo destacou Rousseff no momento da substituição do ministro da Educação Cid Gomes, pelo professor Renato Janine Ribeiro. O Gráfico 3 apresenta a composição dos ministérios da área social dos governos Dilma segundo o setor de origem dos indicados. O primeiro dado a destacar do primeiro para o segundo governo foi a acentuada redução no percentual de indivíduos do setor político na composição do segundo gabinete de Rousseff, o qual apresenta taxa de distribuição mais equilibrada entre os setores. 11 Renato Janine Ribeiro toma posse no cargo de ministro da Educação. E-guia do estudante shtml, acesso: 20/05/

13 Gráfico 3. Setor de origem dos ministros da área social por governo (%) setor público 28% 38% setor político 31% 64% setor partidário 8% 31% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% Dilma II Dilma I Fonte: elaboração própria Antes de se tornarem ministros, os indicados às pastas da área social do segundo governo de Dilma Rousseff haviam ocupado em média 14 cargos e possuíam 30 anos de carreira. Ao quantificarmos a ocupação profissional anterior à posse, identificamos que a maior parcela dos recrutados do primeiro gabinete eram ocupantes de cargos eletivos 12 ou integrantes do primeiro escalão de governos 13 que, juntos, políticos e membros do primeiro escalão, foram responsáveis por 75% das indicações de Dilma. Tabela 2 Ocupação profissional dos ministros da área social por governo Dilma I Dilma II Ocupação anterior à posse (N) (%) (N) (%) Político 9 36% 2 13% Primeiro Escalão (governo e estatais) 9 36% 4 25% Ministros 3 12% 7 44% Professor 1 4% 1 6% Líder de Partido 2 8% 1 6% Outros 1 4% 0 0% Total % % Fonte: elaboração própria. 12 Cargos Eletivos: 7 deputados federais e 3 senadores, totalizando 10. Primeiro Escalão: 5 do primeiro escalão dos ministérios, 1 do primeiro escalão estadual e local, 1 presidente de estatal e 1 vice-presidente de estatal, totalizando 8 dos 25 indivíduos nomeados por Rousseff entre 2011 e Cinco do primeiro escalão dos ministérios, 1 do primeiro escalão estadual e local, 1 presidente de estatal e 1 vicepresidente de estatal, totalizando 8 dos 25 indivíduos nomeados entre 2011 e

14 No segundo mandato, os ministros que antes de assumir a respectiva pasta ocupavam cargos eletivos, declinam significativamente, correspondendo a 13% dos indicados. A maior parcela dos ministros da área social já estava no governo e isso é demonstrado pela expressiva quantidade de recrutados que eram ministros e alguns funcionários do primeiro escalão do governo federal que, juntos, totalizaram 69% dos indicados. Os funcionários do primeiro escalão são secretários executivos que respondem diretamente aos ministros e geralmente apresentam íntima ligação com eles, pois são pessoas indicadas por esses mesmos ministros. Já os ministros, alguns reconduzidos para a mesma função ou remanejados de outros ministérios, totalizaram a maior parte dos indicados, com 44%. Esse seria um primeiro indício de que a proximidade aos centros de poder e conexões políticas privilegiadas são elementos ponderados no momento das escolhas. Ao recrutar pessoas que conhecem o funcionamento dos ministérios, o governo reduziria os custos com o aprendizado dos ministros, evitando assim erros de condução das políticas preconizadas pelos ministérios e defendidas por Dilma. No banco de dados, procuramos compreender a trajetória anterior dos indicados às pastas sociais, mas, neste momento, em relação ao total de cargo ocupados, procedemos da seguinte maneira: incialmente quantificamos o total de cargos ocupados na trajetória anterior à posse, desse total criamos perfis que mantiveram uma proporcionalidade aproximada de 33% que refletiriam três padrões de carreira: i) carreira curta: de 1 a 7 cargos; ii) carreira média: entre 8 a 12 posições; e iii) carreira longa: entre 13 e 34 cargos. O Gráfico 4 demonstra esses padrões de carreira dos ministros da área social por governo. A segunda administração Dilma seria frontalmente abalada pela crise econômica, sucessivas ondas de protestos e uma atribulada relação com a Câmara dos Deputados. A degradação da relação entre a presidente e a Câmara dos Deputados inicia-se já pela composição do seu gabinete ministerial e o anúncio de que iria interferir na composição dos cargos de segundo escalão, acabando com a lógica da porteira fechada, pela qual um partido, após assumir um ministério, indica automaticamente os diretores das estatais e autarquias vinculadas às pastas. Seriam criados ministérios com integrantes de diversos partidos, sendo critérios para a indicação, a força dos apoios, a capacidade técnica do escolhido e o equilíbrio entre os partidos da coalizão presidencial. 14

15 Gráfico 4. Cargos prévios ocupados por ministros da área social anteriormente a posse por governo (%) 80% 70% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 20% 10% 55% 27% 18% 45% 40% 35% 32% 28% 20% 50% 44% 32% 31% 24% 19% 0% FHC I FHC II Lula I Lula II Dilma I Dilma II 1 a 7 8 a a 27 Fonte: elaboração própria com base Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil Pearson chi2 = 13,072 FHC I (n=10); FCH II (n=11); Lula I (n=25); Lula II (n=20); Dilma I (n=25); Dilma II (n=16). Grupos de pressão organizados realizaram diversos movimentos pelo país, como a greve dos caminhoneiros, que bloquearam estradas e pediam a saída da presidente do poder. Além dessas variáveis internas, o avanço da crise internacional e seus efeitos sobre o custo de vida promovido por ajustes fiscais que pressionaram um aumento de preços e o retorno da inflação, reduziram a popularidade de Dilma (em março de 2015 a aprovação da presidente foi de 13% e em agosto, 8%). A troca de ministérios por apoio político na Câmara dos Deputados não surte o efeito esperado e o governo sofre derrotas importantes na casa legislativa. As pautas bomba, como a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 443, que buscava equiparar os salários da Advocacia Geral da União e de delegados civis e federais a 90,25% do salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) 14, pretendiam causar instabilidade em meio a uma política de contenção de despesas por parte do governo. Fatos como esses forçaram Dilma a realizar uma reforma ministerial. E nesse turbilhão, a presidente anunciou a reforma administrativa que reduziu o número de ministérios e também colocou algumas pastas na mesa de negociações. O impacto disso foi a redução da participação do PT no governo. O Gráfico 5 mensura essa perda de espaço do PT especificamente nos gabinetes da área social. É possível perceber que, nos dois governos de Lula, o PT ocupou, proporcionalmente, 70% 14 Algumas das pautas bomba : Acesso: 26/08/

16 dos ministérios sociais, sendo os partidos da base aliada responsáveis por ocupar 20% dos gabinetes, e os sem partido, 10%. Tais dados demonstraram com clareza que esses ministérios, responsáveis por políticas públicas defendidas pelo governo, eram coordenados pelo Partido dos Trabalhadores. Contudo, no primeiro mandato da presidente Dilma ( ), há redução da presença de integrantes do PT em ministérios sociais da ordem de 10%, explicada pela inclusão do PDT no Ministério do Trabalho e do PP no Ministério das Cidades. Gráfico 5. Filiação partidária dos ministros área social por governo (%) 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 40% 40% 30% 40% 30% 70% 70% 60% 50% 30% 30% 20% 20% 20% 10% 10% 10% 0% FHC I FHC II Lula I Lula II Dilma I Dilma II Sem Partido Partido Base Aliada Partido do Presidente Fonte: elaboração própria FHC I (n=10); FCH II (n=11); Lula I (n=25); Lula II (n=20); Dilma I (n=25); Dilma II (n=16). No segundo mandato de Dilma, com o efeito da reforma administrativa, o Partido dos Trabalhadores perdeu ainda mais espaço nos ministérios sociais. Entre os partidos aliados, verifica-se a manutenção do mesmo percentual do primeiro mandato, embora com modificações promovidas pelas fusões e extinções de pastas. Na fusão das pastas do Trabalho e Previdência Social, o PDT e PMDB perderam espaços importantes, e o novo ministério passou a ser ocupado por um integrante do PT. Fica claro que o segundo governo de Rousseff reduz a presença do PT, mas, por outro lado, mantém o controle sobre a maioria das indicações, sendo uma das principais caraterísticas dos nomeados às pastas sociais, o ativismo político, a vinculação ao movimento estudantil, ao movimento negro e feminista, uma origem social comum entre os quadros recrutados, os quais representam mais da metade dos ministros, segundo demonstrado no Gráfico 6: 16

17 Gráfico 6. Ministros área social com passagem pelo ativismo político por governo (%) 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 90% 73% 56% 60% 56% 56% 44% 40% 44% 44% 27% 10% FHC I FHC II Lula I Lula II Dilma I Dilma II Não Sim Fonte: elaboração própria Pearson chi2 = 10,158 FHC I (n=10); FCH II (n=11); Lula I (n=25); Lula II (n=20); Dilma I (n=25); Dilma II (n=16). Isso demonstra que além de possuírem uma trajetória político-social semelhante (ativismo), os ministérios sociais estiveram reservados em sua maioria aos petistas. O que condiz com a afirmação feita de que as políticas sociais dos governos liderados pelo PT exigem quadros especializados, indivíduos que apresentam um perfil que se encaixe com o do ministério. Como exemplo, tem-se a ministra da Secretaria Especial de Políticas para Mulheres, Eleonora Menicucci de Oliveira, militante política do Partido Comunista Brasileiro 15 e companheira de Dilma durante a resistência ao autoritarismo (ambas foram presas e torturadas no mesmo centro de detenção durante a ditadura militar). A trajetória de Menicucci foi feita na Universidade Federal de São Paulo. Professora, conhecida no circuito feminista, dedicou-se ao estudo das mulheres e a sua condição nos campos da saúde, violência e do trabalho. Na vida política, foi por muitos anos consultora da Comissão Nacional de Mulheres da Central Única dos Trabalhadores (CUT). Anteriormente à posse como ministra, ocupava o cargo na pró-reitoria de Extensão da UNIFESP. Nilma Lino Gomes pode ser outro exemplo: ocupou no primeiro e segundo mandatos de Dilma a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e, posteriormente, o Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos. Nilma é docente da Universidade Federal de Minas Gerais e pesquisadora do movimento negro, tendo integrado diversos comitês relacionados à diversidade e educação de afro-brasileiros. Antes de assumir o cargo de ministra, foi reitora da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira e é negra. 15 Ver depoimento de Eleonora em: <http://www.pcb.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=3858%3atortura-durante-aditadura-relato-de-eleonora-menicucci-de-oliveira&catid=64%3aditadura&itemid=1> Acesso: 07/06/

18 Além desses casos, podemos citar ainda Renato Janine Ribeiro que ocupou a pasta da Educação. Formado em filosofia, iniciou sua carreira como professor da Universidade de São Paulo no ano de Em 2004 assumiu a diretoria de avaliação da Capes. Permaneceu pouco tempo no cargo em função da crise política e foi substituído por Aloísio Mercadante, quadro político do PT de São Paulo, que pertence à ala de confiança da presidente. Considerações finais O objetivo do trabalho era traçar o perfil dos ministros nomeados por Dilma Rousseff às pastas sociais e identificar, através disso, padrões e estratégias empreendidas para o recrutamento em tempos de impeachment. Como supúnhamos, a composição dos gabinetes da área social no segundo mandato de Dilma privilegiou indivíduos no setor de atuação dos ministérios segundo dois modelos: 1) selecionando experts, pessoas do meio acadêmico e alguns vinculados aos movimentos sociais, que ocuparam especialmente A Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Secretaria Especial de Políticas para a Igualdade Racial e Secretaria Especial de Direitos Humanos. Todos os indicados a essas pastas militavam em movimento de direitos humanos, causas feministas e no movimento negro e eram mulheres, exceto no caso do ministro da Educação, o professor Renato Janine Ribeiro. Outro dado encontrado é o de que entre os citados, apenas Eleonora Menicucci era vinculada ao PT. Os demais não eram filiados a qualquer partido. 2) recrutando pessoas que anteriormente à sua investidura no cargo de ministro já apresentavam trajetória nos ministérios e suas secretarias. Portanto, a hipótese 1 não é correta, pois o padrão de recrutamento do primeiro para o segundo mandato de Dilma Rousseff apresenta modificações significativas, sendo os homens ainda a maioria dos recrutados. Os ministérios sociais, além de terem sido ocupados por experts (que em nossas suposições descreviam os militantes de causas sociais e acadêmicos), também o foram por técnicos, pessoas que conheciam o funcionamento da burocracia, sendo este o perfil principal dos recrutados para o segundo mandato de Dilma. Estes últimos, sim, eram integrantes do PT. O consequente aumento da pressão política sobre o segundo governo Rousseff confirma a existência de uma modificação no padrão de recrutamento dos ministros da área social. A hipótese 2 intuía que o segundo mandato seria marcado por uma redução dos experts do setor estatal. Essa redução não só ocorreu, como foi além: a reforma administrativa de 2015 reduziu o espaço das pastas sociais, que confinou três secretarias em um só ministério: o ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos e retirou Janine Ribeiro da direção do ministério da Educação. A segunda parte da hipótese 2 está parcialmente correta: verifica-se que conforme o segundo governo de Rousseff avançava no tempo e a pressão política sobre seu governo aumenta, a reforma administrativa de 2015 seria utilizada para recrutar indivíduos com carreiras mais longas e conhecimento sobre o funcionamento dos ministérios, porém desconectados do mundo político, 18

19 especialmente do Congresso Nacional. Assim, as conexões políticas que possuíam esses ministros garantiram a alguns o acesso aos ministérios, mas encontravam seu fim no próprio grupo e não ajudaram o governo a suportar o período de instabilidade. Referências Altman, David, e Rossana Castiglioni Gabinetes ministeriales y reformas estructurales en América Latina, Revista Uruguaya de Ciencia Política 18(1): (8 de junho de 2016). Amorim Neto, Octavio The Presidential Calculus: Executive Policy Making and Cabinet Formation in the Americas. Comparative Political Studies 39(4): (8 de junho de 2016). Brasil Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Secretária Especial de Políticas Públicas para as Mulheres I: ago13.pdf. Camerlo, Marcelo Los ministros del Presidente, América Latina Hoy, Revista de Ciencias Sociales, Universidad de Salamanca. 64: Espinoza, Fran e André Gerardi "Gabinetes ministerias da Bolívia e Brasil: novos atores sociais ou velhas elites tecnocráticas". 1º Seminário Internacional de Ciência Política, UFRGS, Porto Alegre, 9, 10 e 11, González-Bustamente, B., e Alejandro Olivares, L La élite política gubernamental en Chile: Supervivencia de ministros ( ). En Las élites en las Américas: diferentes perspectivas, Adriano Codato y Fran Espinoza (Eds). (forthcoming). Franz, Paulo, e Adriano Codato O recrutamento ministerial no Brasil: trajetória profissional e filiação partidária de FHC a Lula. Observatory-Elites.Org: Inácio, Magna Escogiendo ministros y formando políticos: Los partidos en gabinetes multipartidistas. America Latina Hoy 64: Natalino, Marco Antonio;, Carla Coelho de; Andrade, Bruno Carvalho; Duarte, e Paulo; Castro Constituição e Política de Direitos Humanos: antecedentes, trajetórias e desafios. Ipea: 14. Teruel, Joan Rodríguez Reclutamiento y carrera ministerial de los ministros en España. VII Congreso Español de Ciencia Política y de la Administración: Democracia y Buen Gobierno:

20 * Dirceu André Girardi é doutor em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2015) e no ano de 2013 foi visiting researcher na University of Pittsburgh. Atualmente é investigador de pós-doutorado em Relações Internacionais na PUCRS. É membro do Centro Brasileiro de Pesquisas em Democracia. Bolsista Capes/Fapergs. PUCRS. E- mail: ** Fran Espinoza, politólogo, PhD en Estudios Internacionales e Interculturales (mençión internacional) pela Universidade de Deusto, País Vasco. Atualmente é investigador de pós-doutorado no Programa de Pós- Graduação em Políticas Públicas, UFPR. É integrante do Observatório de elites políticas e sociais do Brasil, UFPR. Bolsista CAPES. É também membro de FLACSO-España. 20

21 como citar: Girardi, Dirceu André; Espinoza, Fran O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment. Newsletter. Observatório de elites políticas e sociais do Brasil. NUSP/UFPR, v.3, n.9, junho. p ISSN

22 Normas para colaboração A Newsletter do Observatório de elites políticas e sociais do Brasil aceita somente notas de pesquisa originais. Elas devem apresentar resultados substantivos de pesquisas empíricas a partir da análise de dados e evidências ainda não publicados. As notas de pesquisa devem conter até 2,5 mil palavras. A decisão sobre sua publicação cabe ao Editor a partir da avaliação de dois pareceristas. Os manuscritos submetidos serão avaliados através do sistema duplo-cego. O resumo das notas de pesquisa deve ser redigido no formato IMRAD (introdução, materiais e métodos, resultados e discussão). O título da nota de pesquisa deve conter até 150 caracteres com espaços. Cada nota de rodapé deve conter no máximo 400 caracteres com espaços. As referências bibliográficas utilizadas serão apresentadas no final da nota de pesquisa, listadas em ordem alfabética obedecendo ao padrão Harvard autor-data. As contribuições devem ser submetidas aos Editores através do endereço eletrônico: 22

23 Copyright 2016 observatory of brazilian political and social elites núcleo de pesquisa em sociologia política brasileira (nusp) Newsletter. Observatório de elites políticas e sociais do Brasil. NUSP/UFPR. ISSN editores: Adriano Codato (ufpr); Wellington Nunes (ufpr) conselho editorial: Bruno Bolgnesi (ufpr); Bruno Speck (usp); Cláudio Gonçalves Couto ( fgv-sp); Débora Messenberg (unb); Emerson Cervi (ufpr); Ernesto Seidl (ufsc); Flávio Heinz (ufpr); Frederico Almeida (unicamp); Lucas Massimo (ufpr); Luiz Domingos Costa (uninter/puc-pr); Maria Teresa Kerbauy (unesp); Paulo Roberto Neves Costa (ufpr); Pedro Floriano Ribeiro (ufscar); Renato Monseff Perissinotto (ufpr); Samira Kauchakje (puc-pr) Financiamento: CNPq. Processo n / observatório de elites políticas e sociais do brasil universidade federal do paraná ufpr núcleo de pesquisa em sociologia política brasileira nusp rua general carneiro, 460 sala , curitiba pr brasil Tel (41) Fax + 55 (41) URL: One of the purposes of the observatory of elites is to condense knowledge and aggregate scholars in this field of study in Brazil through the sharing of information. Rights and Permissions All rights reserved. The text and data in this publication may be reproduced as long as the source is cited. Reproductions for commercial purposes are forbidden. The observatory of brazilian political and social elites disseminates the findings of its work in progress to encourage the exchange of ideas. The papers are signed by the authors and should be cited accordingly. The findings, interpretations, and conclusions that they express are those of the authors and not necessarily those of the observatory of brazilian political and social elites. Newsletters are available online at and subscriptions can be requested by to 23

Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014

Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014 ISSN eletrônico Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014 Luiz Domingos Costa (ufpr/nusp) newsletter v. 1 n. 2 outubro, 2014 universidade federal do paraná

Leia mais

A evolução das bancadas de direita no Brasil: uma análise da Câmara dos Deputados ( )

A evolução das bancadas de direita no Brasil: uma análise da Câmara dos Deputados ( ) ISSN on line 2359-2826 A evolução das bancadas de direita no Brasil: uma análise da Câmara dos Deputados (1945-2014) Emerson Cervi (ufpr/cpop) newsletter v. 1 n. 1 outubro, 2014 universidade federal do

Leia mais

Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014

Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014 ISSN on line 2359-2826 Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014 Luiz Domingos Costa (ufpr/nusp) newsletter v. 1 n. 2 outubro, 2014 universidade federal do

Leia mais

O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment

O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment ISSN on line 2359-2826 O recrutamento dos ministros da área social em tempos de impeachment Dirceu André Gerardi (pucrs) Fran Espinoza (nusp/ufpr) newsletter v. 3 n. 9 junho, 2016 universidade federal

Leia mais

Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de Luiz Domingos Costa (ufpr/nusp)

Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de Luiz Domingos Costa (ufpr/nusp) Políticos profissionais como candidatos: estudo preliminar das eleições gerais de 2014 Luiz Domingos Costa (ufpr/nusp) newsletter número 2 outubro, 2014 Políticos profissionais como candidatos: estudo

Leia mais

Eleições legislativas e representação partidária em três momentos da vida política brasileira: 1998, 2006 e 2014

Eleições legislativas e representação partidária em três momentos da vida política brasileira: 1998, 2006 e 2014 ISSN on line 2359-2826 Eleições legislativas e representação partidária em três momentos da vida política brasileira: 1998, 2006 e 2014 Emerson Cervi (cpop/ufpr) newsletter v. 3 n. 2 março, 2016 universidade

Leia mais

O financiamento de campanha em 2014: primeiras aproximações

O financiamento de campanha em 2014: primeiras aproximações ISSN eletrônico 2359-2826 O financiamento de campanha em 2014: primeiras aproximações Emerson Cervi (ufpr/cpop) newsletter v. 2 n. 1 janeiro, 2015 universidade federal do paraná (ufpr) núcleo de pesquisa

Leia mais

Desempenho político e fiscal nos pequenos municípios brasileiros até 5 mil habitantes

Desempenho político e fiscal nos pequenos municípios brasileiros até 5 mil habitantes ISSN on line 2359-2826 Desempenho político e fiscal nos pequenos municípios brasileiros até 5 mil habitantes Willson Gerigk (unicentro/ufpr/nisnt) newsletter v. 1 n. 3 outubro, 2014 universidade federal

Leia mais

Sistema de governo no qual o presidente da República é o chefe de governo e chefe de Estado. Caracteriza pela separação de poderes (Leg/Jud/Exec);

Sistema de governo no qual o presidente da República é o chefe de governo e chefe de Estado. Caracteriza pela separação de poderes (Leg/Jud/Exec); O Poder Executivo 1 Presidencialismo Conceito Formal Sistema de governo no qual o presidente da República é o chefe de governo e chefe de Estado. Caracteriza pela separação de poderes (Leg/Jud/Exec); EUA

Leia mais

Candidatos policiais na política nacional: uma análise dos aspirantes a deputado federal

Candidatos policiais na política nacional: uma análise dos aspirantes a deputado federal ISSN eletrônico 359-86 Candidatos policiais na política nacional: uma análise dos aspirantes a deputado federal Fábia Berlatto (ufpr/cespdh) Adriano Codato (ufpr/nusp) newsletter v. 1 n. 7 dezembro, 014

Leia mais

A redemocratização do Brasil: de 1985 aos dias de hoje

A redemocratização do Brasil: de 1985 aos dias de hoje A redemocratização do Brasil: de 1985 aos dias de hoje A fase da redemocratização teve como característica o resgate da democracia e de seu pleno funcionamento e da cidadania para os brasileiros. Presidentes

Leia mais

MINISTROS DA ÁREA ECONÔMICA NO BRASIL ( ):

MINISTROS DA ÁREA ECONÔMICA NO BRASIL ( ): V III C o n g re sso d a Associa çã o Po rtu g u e sa d e Ciê n cia Po lítica. Lisboa, 10-1 2 ma rço d e 2016 MINISTROS DA ÁREA ECONÔMICA NO BRASIL (1964-2015): por que saem e para onde vão? Dantas, Codato

Leia mais

Confira 30 nomes cogitados para ministros no governo Dilma Rousseff

Confira 30 nomes cogitados para ministros no governo Dilma Rousseff G1 - Portal de Notícias da Globo - SP 13/11/2010-14:28 Confira 30 nomes cogitados para ministros no governo Dilma Rousseff Governo Lula tem 34 ministérios e secretarias com status ministerial. Diante da

Leia mais

Em que lugares as mulheres têm maiores chances de se eleger vereadoras?

Em que lugares as mulheres têm maiores chances de se eleger vereadoras? ISSN on line 2359-2826 Em que lugares as mulheres têm maiores chances de se eleger vereadoras? Márcio Carlomagno (ufpr) newsletter v. 4 n. 1 março, 2017 universidade federal do paraná (ufpr) núcleo de

Leia mais

Radar #48 Fevereiro/2017

Radar #48 Fevereiro/2017 Radar #48 Fevereiro/2017 Após uma breve pausa em Janeiro, retomamos com o primeiro Radar de 2017, que traz o resultado do monitoramento de notícias realizado durante todo o mês de Fevereiro, de segunda

Leia mais

Brasil: Conjuntura política. Cristiano Noronha. 1 Arko Advice Abril 2016

Brasil: Conjuntura política. Cristiano Noronha. 1 Arko Advice Abril 2016 Brasil: Conjuntura política Cristiano Noronha 1 Arko Advice Abril 2016 Contexto Político Contexto Econômico Baixa popularidade (aprovação de 9%-11%) Dúvidas sobre conclusão do mandato Denúncias de corrupção

Leia mais

Como os partidos brasileiros distribuem os recursos do Fundo Partidário? Evidências a partir das eleições de 2014

Como os partidos brasileiros distribuem os recursos do Fundo Partidário? Evidências a partir das eleições de 2014 ISSN on line 2359-2826 Como os partidos brasileiros distribuem os recursos do Fundo Partidário? Evidências a partir das eleições de 2014 Bruno Marques Schaefer (ufrgs) newsletter v. 4 n. 5 setembro, 2017

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 434, DE (Do Sr. Vieira da Cunha e outros)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 434, DE (Do Sr. Vieira da Cunha e outros) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N o 434, DE 2009. (Do Sr. Vieira da Cunha e outros) Dá nova redação ao art. 101, da Constituição Federal, para alterar a forma e requisitos pessoais de investidura no

Leia mais

Departamento de Gestão Pública Marco Antônio de Carvalho Teixeira. Ambiente político e Governabiliade

Departamento de Gestão Pública Marco Antônio de Carvalho Teixeira. Ambiente político e Governabiliade Departamento de Gestão Pública Marco Antônio de Carvalho Teixeira Ambiente político e Governabiliade Governabilidade Ambiente de estabilidade que propicia ao governo plena capacidade de desempenhar suas

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 2 Julho Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Julho/2017

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 2 Julho Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Julho/2017 Indicadores CNI ISSN 2317-712 Ano 7 Número 2 Julho 17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Julho/17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Julho / 17 17. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE IMPEACHMENT

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE IMPEACHMENT PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE IMPEACHMENT AGOSTO DE 2015 JOB1057 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA O principal objetivo desse projeto é monitorar o conhecimento e a opinião da população

Leia mais

Comissão da reforma política aprova distritão e fundo de R$ 3,6 bilhões para campanhas

Comissão da reforma política aprova distritão e fundo de R$ 3,6 bilhões para campanhas Comissão da reforma política aprova distritão e fundo de R$ 3,6 bilhões para campanhas Modelo foi aprovado após votação do texto-base da reforma. Distritão divide estados e municípios em distritos e põe

Leia mais

Fundação da Ordem Social - SHIS QL 26, CONJUNTO 1 CASA 17 CEP Brasília DF (61)

Fundação da Ordem Social - SHIS QL 26, CONJUNTO 1 CASA 17 CEP Brasília DF (61) Análise de Conjuntura Política Cenário Nacional - Semana 18.09 22.09 Poder Executivo: o Pronunciamento de Temer na ONU: O presidente Michel Temer cumpriu, nesta terça-feira (19), a tradição que reserva

Leia mais

Partido, gênero e cor: a seleção de candidatos no PSTU nas eleições gerais de 2014

Partido, gênero e cor: a seleção de candidatos no PSTU nas eleições gerais de 2014 ISSN on line 2359-2826 Partido, gênero e cor: a seleção de candidatos no PSTU nas eleições gerais de 2014 Eric Gil Dantas (ufpr/nusp) Karolina Mattos Roeder (ufpr/nusp) newsletter v. 2 n. 4 janeiro, 2015

Leia mais

5º CONGRESSO NACIONAL DO PT

5º CONGRESSO NACIONAL DO PT 5º CONGRESSO NACIONAL DO PT Segunda Etapa Regimento Interno PARTIDO DOS TRABALHADORES - Diretório Nacional 1 REGIMENTO DA SEGUNDA ETAPA DO 5 º CONGRESSO NACIONAL Da Segunda Etapa do 5º Congresso Nacional

Leia mais

B.A in Social Sciences, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte Brazil.

B.A in Social Sciences, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte Brazil. Victor Araújo Departamento de Ciência Política Av. Prof. Luciano Gualberto, 315 2º andar, sala 2047 Cid. Universitária São Paulo SP CEP 05508-900 Education (2009-2013) B.A in Social Sciences, Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPP

UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPP UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP ANHANGUERA EDUCACIONAL LTDA. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPP Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Por que ministros são demitidos do gabinete? Uma análise dos governos do PSDB e do PT

Por que ministros são demitidos do gabinete? Uma análise dos governos do PSDB e do PT ISSN on line 2359-2826 Por que ministros são demitidos do gabinete? Uma análise dos governos do PSDB e do PT Paulo Franz (nusp-ufpr) newsletter v. 4 n. 4 abril, 2017 universidade federal do paraná (ufpr)

Leia mais

Avaliação do presidente Michel Temer PO e 15/07/2016

Avaliação do presidente Michel Temer PO e 15/07/2016 Avaliação do presidente Michel Temer PO813867 14 e 15/07/2016 AVALIAÇÃO DO GOVERNO INTERINO MICHEL TEMER INSTITUTO DATAFOLHA JULHO DE 2016 GOVERNO TEMER É APROVADO POR 14% E REPROVADO POR 31% 58% querem

Leia mais

Hierarquia valorativa e distribuição de capitais na burocracia brasileira

Hierarquia valorativa e distribuição de capitais na burocracia brasileira ISSN on line 2359-2826 Hierarquia valorativa e distribuição de capitais na burocracia brasileira Otávio Ventura (ipol-unb) newsletter v. 4 n. 2 março, 2017 universidade federal do paraná (ufpr) núcleo

Leia mais

Deputado de Duque de Caxias, Celso Pansera assumirá Ministério da Ciência e Tecnologia Sex, 02 de Outubro de :47

Deputado de Duque de Caxias, Celso Pansera assumirá Ministério da Ciência e Tecnologia Sex, 02 de Outubro de :47 Exercendo o primeiro mandato de deputado federal pelo PMDB-RJ, Celso Pansera vai assumir o Ministério da Ciência e Tecnologia. Seu nome foi confirmado na manhã desta sexta-feira (2) pela presidenta Dilma

Leia mais

Impasses da democracia no Brasil

Impasses da democracia no Brasil Impasses da democracia no Brasil De: Leonardo Avritzer Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. Por: Cleyton Monte Doutorando em Sociologia (UFC). Pesquisador do

Leia mais

Impasses da democracia no Brasil

Impasses da democracia no Brasil Impasses da democracia no Brasil De: Leonardo Avritzer Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016. Por: Cleyton Monte Doutorando em Sociologia (UFC). Pesquisador do

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU

DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA BASE DE PESQUISA ESTUDOS DO HABITAT - GRUPO DE ESTUDOS EM HABITAÇÃO ARQUITETURA E URBANISMO GEHAU OBSERVATÓRIO

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 1 março de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março/2017

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 1 março de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março/2017 Indicadores CNI ISSN 2317-712 Ano 7 Número 1 ço de 17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março/17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março / 17 17. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer

Leia mais

Marcelo Neri: desenvolvimento inclusivo no Brasil

Marcelo Neri: desenvolvimento inclusivo no Brasil 11 Marcelo Neri: desenvolvimento inclusivo no Brasil RESUMO: Este artigo tem como objetivo apresentar os principais temas abordados pelo palestrante Marcelo Neri no UniBrasil Futuro, com o tema Desenvolvimento

Leia mais

O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA Autores : SANTOS, Edvanderson Ramalho dos¹; ALMIRON, Adriana de²; PIPINO, Wictoria Gabriely de Souza²; OLIVEIRA,

Leia mais

O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA O PERFIL SOCIECONÔMICO DOS SENADORES DA REPUBLICA EM RELAÇÃO AO PERFIL DA POPULAÇÃO BRASILEIRA WICTORIA GABRIELY DE SOUZA PIPINO 1*, FILIPE DA SILVA OLIVEIRA 2, ADRIANA DE ALMIRON 1, EDVANDERSON RAMALHO

Leia mais

EXMO. SR. MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXMO. SR. MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL 1 LEVAR, POR GENTILEZA, ESTE ESBOÇO PARA A APRECIAÇÃO E TOMADA URGENTE DE PROVIDÊNCIAS DO CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL. ESBOÇO DA ADI CONTRA A PEC DO RECENTÍSSIMO TREM DA ALEGRIA.

Leia mais

A LISTA DE FACHIN RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA DE REDES SOCIAIS

A LISTA DE FACHIN RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA DE REDES SOCIAIS A LISTA DE FACHIN RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA DE REDES SOCIAIS 12/04/17 A LISTA DE FACHIN Nas 24 primeiras horas, a polarização tradicional entre governo e oposição deu lugar à crítica geral ao sistema

Leia mais

Plano Nacional de Trabalho Decente -

Plano Nacional de Trabalho Decente - Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD Ministério do Trabalho e Emprego Setembro de 2009 Trabalho Decente Contar com oportunidades de um trabalho produtivo com retribuição digna, segurança no local

Leia mais

SUMÁRIO. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988

SUMÁRIO. CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988 SUMÁRIO CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Publicado no Diário Oficial da União nº 191-A de 5 de outubro de 1988 Preâmbulo...1 TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS (Arts. 1º a 4º)...3 TÍTULO

Leia mais

Indicadores. da situação da mulher no Brasil

Indicadores. da situação da mulher no Brasil Indicadores da situação da mulher no Brasil A Seção INDICADORES do Observatório da Justiça traz, neste mês, de forma simples e didática, números que ajudam a entender a situação de desigualdade da mulher

Leia mais

O Depoimento de Lula

O Depoimento de Lula O Depoimento de Lula Polarização segue dominando as redes sociais, mas não é mais a única expressão relevante no Twitter e no Facebook ; Embora menos organizada do que os grupos contra e a favor do ex-presidente

Leia mais

Análise do financiamento da União destinado às instituições federais de educação superior no Brasil ( )

Análise do financiamento da União destinado às instituições federais de educação superior no Brasil ( ) Análise do financiamento da União destinado às instituições federais de educação superior no Brasil (1995-2008) Cristina Helena Almeida de Carvalho Professora da Faculdade de Educação da Universidade de

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 6 Número 3 setembro de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Setembro /2016

Indicadores CNI ISSN Ano 6 Número 3 setembro de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Setembro /2016 Indicadores CNI ISSN 2317-712 Ano 6 Número 3 setembro de 16 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Setembro /16 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Setembro / 16 16. CNI Confederação Nacional da

Leia mais

Pesquisa na Câmara dos Deputados 2017

Pesquisa na Câmara dos Deputados 2017 Pesquisa na Câmara dos Deputados 2017 Introdução A Fundação da Ordem Social (FOS) desenvolveu uma pesquisa amostral na Câmara dos Deputados, objetivando auferir a percepção dos parlamentares sobre temas

Leia mais

INFORME ESPECIAL ASSESSORIA PARLAMENTAR Nº 01

INFORME ESPECIAL ASSESSORIA PARLAMENTAR Nº 01 INFORME ESPECIAL ASSESSORIA PARLAMENTAR Nº 01 Elaborado em 09 de julho de 2013 REFORMA POLÍTICA DEPUTADOS DESCARTAM REFORMA POLÍTICA VÁLIDA PARA 2014 O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, afirmou

Leia mais

Nos bastidores, Dilma já defende novas eleições

Nos bastidores, Dilma já defende novas eleições Nos bastidores, Dilma já defende novas eleições A presidente Dilma Rousseff já admite, nos bastidores, a possibilidade de defender a proposta que prevê a convocação de novas eleições presidenciais. Se

Leia mais

O fim da. Quarta República. e o golpe civil-militar

O fim da. Quarta República. e o golpe civil-militar O fim da Quarta República e o golpe civil-militar Carlos Lacerda derrubador de presidentes Participou da ANL Contra o integralismo, os latifundiários e o imperialismo Preso durante o golpe do Estado Novo,

Leia mais

Conjuntura Política e Sucessão Presidencial. Murillo de Aragão e Cristiano Noronha

Conjuntura Política e Sucessão Presidencial. Murillo de Aragão e Cristiano Noronha Conjuntura Política e Sucessão Presidencial Murillo de Aragão e Cristiano Noronha Novembro de 2009 Ambiente político Governo bem avaliado Recuperação econômica Lula tem uma agenda legislativa Consolidar

Leia mais

Avaliação do governo Desempenho pessoal do presidente

Avaliação do governo Desempenho pessoal do presidente RESULTADOS DA 131ª PESQUISA CNT/MDA A 131ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 2 a 5 de junho de 2016 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos índices de popularidade

Leia mais

Estágio Probatório - Legislação

Estágio Probatório - Legislação Estágio Probatório - Legislação Constituição Federal/88 Art. 41. São estáveis após três anos de efetivo exercício os servidores nomeados para cargo de provimento efetivo em virtude de concurso público.

Leia mais

Radar #49 - Março/2017

Radar #49 - Março/2017 Radar #49 - Março/2017 A edição #49 do Radar traz o resultado do monitoramento de notícias 1 realizado durante todo o mês de Março de 2017, de segunda a sexta-feira, em sete sites, listados entre os mais

Leia mais

Press Kit. 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Release Eixos Dados Linha do tempo Guia de fontes Contatos

Press Kit. 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres. Release Eixos Dados Linha do tempo Guia de fontes Contatos Press Kit 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres 02 03 04 05 06 06 Release Eixos Dados Linha do tempo Guia de fontes Contatos Release 02 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 6 Número 4 dezembro de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro /2016

Indicadores CNI ISSN Ano 6 Número 4 dezembro de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Dezembro /2016 Indicadores CNI ISSN 2317-7012 Ano 6 Número 4 dezembro de 16 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Dezembro /16 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Dezembro / 16 16. CNI Confederação Nacional da

Leia mais

COMUNIDADES ONLINE DE DIREITA E DE ESQUERDA

COMUNIDADES ONLINE DE DIREITA E DE ESQUERDA COMUNIDADES ONLINE DE DIREITA E DE ESQUERDA análise da rede de identidade de organizações no Facebook AUTORA: Débora Zanini OBJETIVO Coleta e mapeamento dos movimentos e organizações mais atuantes no Facebook

Leia mais

19/08/17. Atualidades. Projeto de Reforma Política. Prof. Grega

19/08/17. Atualidades. Projeto de Reforma Política. Prof. Grega Atualidades Projeto de Reforma Política A Comissão Especial da Câmara dos Deputados concluiu nesta terça-feira (15/08/2017) a votação das emendas da parte da reforma política que necessita de alterações

Leia mais

TERCEIRO MANDATO. Terceiro mandato de Lula é aprovado por 54% no estado

TERCEIRO MANDATO. Terceiro mandato de Lula é aprovado por 54% no estado TERCEIRO MANDATO Terceiro mandato de Lula é aprovado por 54% no estado Junho de 2009 TERCEIRO MANDATO Luciana Ghidetti de Oliveira e Raquel Rocha Gomes Está tramitando na Câmara Federal a Proposta de

Leia mais

[CABEÇAS DO CONGRESSO NACIONAL] Veja a lista dos 100 parlamentares mais influentes desta sessão legislativa

[CABEÇAS DO CONGRESSO NACIONAL] Veja a lista dos 100 parlamentares mais influentes desta sessão legislativa O DIAP lançará na primeira semana de agosto, a 14ª edição dos Cabeças do Congresso Nacional, uma pesquisa sobre os 100 parlamentares mais influentes do Parlamento brasileiro. São 73 deputados e 27 senadores,

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPP

UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPP UNIVERSIDADE ANHANGUERA-UNIDERP PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPP Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Leia mais

Lula: Impeachment é conduzido por quadrilha legislativa

Lula: Impeachment é conduzido por quadrilha legislativa Lula: Impeachment é conduzido por quadrilha legislativa Em fala em seminário, o ex-presidente agradeceu à imprensa internacional pela cobertura que está fazendo da crise política Postado por Agência PT,

Leia mais

Os 20 novos ministros são: Ministério Ministro Perfil

Os 20 novos ministros são: Ministério Ministro Perfil Os 20 novos ministros são: Ministério Ministro Perfil 1 - Relações Exteriores 2 - Fazenda 3 - Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 4- Minas e Energia 5 - Agricultura Mauro Vieira Joaquim Levy

Leia mais

Governo eletrônico e os executivos municipais: o caso de Minas Gerais

Governo eletrônico e os executivos municipais: o caso de Minas Gerais 1 Governo eletrônico e os executivos municipais: o caso de Minas Gerais Marcus Abílio Gomes Pereira Ernesto Friedrich de Lima Amaral Marcela Menezes Costa Departamento de Ciência Política Universidade

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N.º, DE (do Sr. Deputado Zé Geraldo e outros)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N.º, DE (do Sr. Deputado Zé Geraldo e outros) 1 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO N.º, DE 2013. (do Sr. Deputado Zé Geraldo e outros) Altera dispositivos constitucionais, instituindo mandato com duração de 10 anos, vedando a recondução para os Ministros

Leia mais

Avaliação da presidente Dilma Rousseff PO e 03/12/2014

Avaliação da presidente Dilma Rousseff PO e 03/12/2014 Avaliação da presidente Dilma Rousseff PO813781 02 e 03/12/2014 AVALIAÇÃO DO GOVERNO DILMA ROUSSEFF DATAFOLHA/ DEZEMBRO DE 2014 DILMA É APROVADA POR 42% AO FINAL DE 1º MANDATO; 50% TÊM EXPECTATIVA POSITIVA

Leia mais

Cotas para mulheres?

Cotas para mulheres? Cotas para mulheres? Direito: PEC propõe alterar a Constituição Federal para que, nas eleições para Câmara dos Deputados, Assembleias Legislativas dos Estados, Câmara Legislativa do Distrito Federal e

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA DE REDES SOCIAIS

RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA DE REDES SOCIAIS #BrasilemGreve RELATÓRIO DE ANÁLISE ESTRATÉGICA DE REDES SOCIAIS 28/04/2017 #BrasilemGreve Greve Geral é tendência mundial com 1,1 mi de menções; Volume supera os maiores protestos em favor do impeachment

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 09/10 O IMPACTO DO REAJUSTE DO SALÁRIOMÍNIMO NAS CONTAS PÚBLICAS Novembro/2010 Túlio Cambraia Núcleo Trabalho,

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS

ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS ASSEMBLEIA NACIONAL REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS REGULAMENTO INTERNO DA REDE DE MULHERES PARLAMENTARES CABO-VERDIANAS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1 (Âmbito)

Leia mais

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock

Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock Série Provas e Concursos Manual de Direito Administrativo I Gustavo Mello Knoplock ELSEVIER 5.6. Resumo AGENTES PÚBLICOS (segundo Hely Lopes Meirelles): 1. Agentes políticos Aqueles no alto escalão dos

Leia mais

Fundação da Ordem Social - SHIS QL 26, CONJUNTO 1 CASA 17 CEP Brasília DF (61)

Fundação da Ordem Social - SHIS QL 26, CONJUNTO 1 CASA 17 CEP Brasília DF (61) Análise de Conjuntura Política Cenário Nacional - Semana 14.08 18.08 Poder Executivo: o Alteração da Meta Fiscal: Os ministros da Fazenda, Henrique Meirelles, e do Planejamento, Dyogo Oliveira, anunciaram

Leia mais

Cooperativismo e Eleições 2014 Resultados do 2º turno

Cooperativismo e Eleições 2014 Resultados do 2º turno Cooperativismo e Eleições 2014 Resultados do 2º turno Apresentação Dando continuidade ao estudo realizado após o fim do 1º turno, o Sistema OCB apresenta esta análise com a intenção de subsidiar as lideranças

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2008

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 03/2008 RESOLUÇÃO Nº 03/2008 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 41.600/2007-23 PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM.

NÃO. Art.41, 1º,III(avaliação desempenho) Art.169, 4º(excesso despesa pessoal) NÃO Idem anterior NÃO. NÃO Idem anterior SIM SIM. João Dado Deputado Federal PDT/SP Até Junho/98 Reforma Administrativa EC-19/98 - Jun Reforma Previdenciária EC-20/98 - Dez Reforma Previdenciária EC-41/03 Reforma Previdenciária EC-47/05 NÃO Estabilidade

Leia mais

Intenção de voto para presidente da Republica PO e 08/04/2016

Intenção de voto para presidente da Republica PO e 08/04/2016 Intenção de voto para presidente da Republica PO813859 07 e 08/04/2016 INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE ABRIL DE 2016 LULA (PT) E MARINA SILVA (REDE) LIDERAM INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE DA REPÚBLICA Petista

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 006/2014 - PRPGP/UFSM FIPE Sênior Programa de Bolsas de Iniciação Científica ou Auxílio à Pesquisa

Leia mais

Professor Ali Mohamad Jaha Direito Previdenciário Auditor de Controle Externo/TCM-GO/FCC/2015 DIREITO PREVIDENCIÁRIO

Professor Ali Mohamad Jaha Direito Previdenciário Auditor de Controle Externo/TCM-GO/FCC/2015 DIREITO PREVIDENCIÁRIO Auditor de Controle Externo/TCM-GO/FCC/2015 DIREITO PREVIDENCIÁRIO 52. De acordo com a Lei no 8.212/1991, as propostas orçamentárias anuais ou plurianuais da Seguridade Social serão elaboradas por Comissão

Leia mais

Um modelo para capturar a relação entre financiamento eleitoral e contratação de bens e serviços: o caso de Curitiba

Um modelo para capturar a relação entre financiamento eleitoral e contratação de bens e serviços: o caso de Curitiba ISSN on line 2359-2826 Um modelo para capturar a relação entre financiamento eleitoral e contratação de bens e serviços: o caso de Curitiba Rodrigo Rossi Horochovski (ufpr) Ivan Jairo Junckes (ufpr) Neilor

Leia mais

DataPoder360 Pesquisa Nacional de Opinião Pública

DataPoder360 Pesquisa Nacional de Opinião Pública DataPoder360 Pesquisa Nacional de Opinião Pública Maio 2017 Ficha Técnica Pesquisa Telefônica IVR Período de Campo 07 e 08 de maio de 2017 Universo Amostra Brasileiros e brasileiras com 16 anos de idade

Leia mais

006/2016 DOMINGUEIRA DE 06/03/2016

006/2016 DOMINGUEIRA DE 06/03/2016 ANEXO O SUS é uma conquista da sociedade, não é pauta bomba Por Élida Graziane Pinto e Francisco Funcia* O Sistema Único de Saúde (SUS) representa uma das grandes conquistas da sociedade brasileira. A

Leia mais

Aula anterior... Revisão geral de conteúdo. Professor: Danilo Borges

Aula anterior... Revisão geral de conteúdo. Professor: Danilo Borges Aula anterior... Revisão geral de conteúdo. Professor: Danilo Borges Partidos Políticos AULA V Partidos Políticos Brasileiros Porta-vozes da sociedade na busca da consolidação de uma sociedade de fato

Leia mais

Fontes das Normas de Previdência

Fontes das Normas de Previdência Fontes das Normas de Previdência Constituição Federal / Emendas Leis Complementares Leis Ordinárias e Medida Provisória Decretos legislativos Atos infraconstitucionais Proposta de Emenda a Constituição

Leia mais

Aumento real da aposentadoria coloca em risco salário mínimo O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (24)

Aumento real da aposentadoria coloca em risco salário mínimo O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (24) Aumento real da aposentadoria coloca em risco salário mínimo O projeto foi aprovado na Câmara dos Deputados, nessa quarta-feira (24) Matéria publicada em 26 de Junho de 2015 O ministro da Previdência Social,

Leia mais

Opinião dos Vereadores sobre a Reforma Política

Opinião dos Vereadores sobre a Reforma Política Opinião dos Vereadores sobre a Reforma Política Resultado da pesquisa sobre Reforma Política com Vereadores presentes na 1ª Mobilização Nacional de Vereadores realizada, em Brasília, nos dias 06 e 07 de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Chamada Pública

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Chamada Pública UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA Chamada Pública Abertura de Inscrições para Seleção de bolsistas de Iniciação Científica PIBIC-AF/CNPq/2012-2013 1. ABERTURA O Reitor da Universidade Estadual

Leia mais

ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2016

ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2016 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE ORÇAMENTO FEDERAL ORÇAMENTOS DA UNIÃO EXERCÍCIO FINANCEIRO 2016 PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA VOLUME III Detalhamento

Leia mais

BANCO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA: IMPLANTAÇÃO, DIFICULDADES E POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES

BANCO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA: IMPLANTAÇÃO, DIFICULDADES E POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES I Simpósio Nacional de Educação em Astronomia Rio de Janeiro - 2011 1 BANCO DE TESES E DISSERTAÇÕES SOBRE EDUCAÇÃO EM ASTRONOMIA: IMPLANTAÇÃO, DIFICULDADES E POSSÍVEIS CONTRIBUIÇÕES Paulo Sergio Bretones

Leia mais

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania

GAZETA DO POVO Vida e Cidadania GAZETA DO POVO Vida e Cidadania EDUCAÇÃO Como melhorar o ensino Receita para tornar o aprendizado em sala de aula mais eficiente inclui professor interessado e turmas menores e mais homogêneas Publicado

Leia mais

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016

EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016 EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA DA FACULDADE MULTIVIX- CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 003/2016 Chamada para submissão de Projetos de Iniciação Científica e Tecnológica A Direção Geral da FACULDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL 004/2014 - PRPGP/UFSM Auxílio à pesquisa de recém-doutores ( FIPE Enxoval ) A Pró-Reitoria de

Leia mais

UNIVERSIDADE POSITIVO

UNIVERSIDADE POSITIVO UNIVERSIDADE POSITIVO CHAMADA DE PROJETOS PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) CICLO 2012-2013 EDITAL N o 117 de 03/04/2012 Art. 1 o A Reitoria da Universidade Positivo (UP) torna público o presente

Leia mais

PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007

PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007 PORTARIA DA PROPPEX nº 002/2007 O Prof. Dr. Paulo Rogério Stella, Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão da Fundação Santo André, no uso de suas atribuições legais, constantes no Regimento Geral

Leia mais

Os Senadores associados no Brasil: ocupação e pertencimento ideológico (1986-2010)

Os Senadores associados no Brasil: ocupação e pertencimento ideológico (1986-2010) ISSN on line 2359-2826 Os Senadores associados no Brasil: ocupação e pertencimento ideológico (1986-2010) Dhyeisa Lumena Rossi (ufpr/nusp) newsletter v. 1 n. 5 novembro, 2014 universidade federal do paraná

Leia mais

ESTADOS COM MAIS DISTRITOS EM CONDIÇÕES DE SE EMANCIPAR (*) Distritos prontos para emancipação. Número atual de municípios

ESTADOS COM MAIS DISTRITOS EM CONDIÇÕES DE SE EMANCIPAR (*) Distritos prontos para emancipação. Número atual de municípios MA, BA e CE podem liderar criação de novos municípios, diz estudo 185 distritos no país atenderão à regra para se emancipar, aponta entidade. Projeto aprovado na Câmara e no Senado depende de sanção presidencial.

Leia mais

Apresentação - 30/03/2016

Apresentação - 30/03/2016 Apresentação - 30/03/2016 1 Especificações Técnicas Período De 17 a 20 de março de 2016. Abrangência Nacional Universo Eleitores com 16 anos ou mais Amostra 2002 entrevistas em 142 municípios Margem de

Leia mais

Como funcionam as eleições indiretas? Quem pode disputá-las? Há chances de eleições diretas? Confira no Carta Explica

Como funcionam as eleições indiretas? Quem pode disputá-las? Há chances de eleições diretas? Confira no Carta Explica Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Carta Educação Versão: Online Entenda as eleições indiretas Como funcionam as eleições indiretas? Quem pode disputá-las? Há chances de eleições diretas?

Leia mais

PESQUISA CNT/MDA RELATÓRIO SÍNTESE

PESQUISA CNT/MDA RELATÓRIO SÍNTESE PESQUISA CNT/MDA RELATÓRIO SÍNTESE Rodada 114 07 a 10 de julho de 2013 ÍNDICE 1 DADOS TÉCNICOS 03 2 ELEIÇÃO PRESIDENCIAL 04 3 AVALIAÇÃO DO GOVERNO 13 4 EXPECTATIVA 21 5 CONJUNTURAIS 24 5.1 MANIFESTAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA:

PROCEDIMENTOS UTILIZADOS NA REALIZAÇÃO DA PESQUISA: Curitiba, 04 de abril de 2016. Apresentamos a seguir os resultados da pesquisa de opinião pública realizada no Distrito Federal, com o objetivo de consulta à população sobre avaliação da administração

Leia mais

Intenção de voto para presidente PO e 25/02/2016

Intenção de voto para presidente PO e 25/02/2016 Intenção de voto para presidente PO813843 24 e 25/02/2016 INTENÇÃO DE VOTO PRESIDENTE FEVEREIRO DE 2016 INSTITUTO DATAFOLHA AÉCIO, LULA E MARINA DISPUTAM PREFERÊNCIA ELEITORAL DOS BRASILEIROS EM CENÁRIO

Leia mais