ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01)"

Transcrição

1 ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) 1.0 Instrumentos e Medições: O MULTITESTE O multiteste é um instrumento de medida elétrica que, geralmente, permite executar medidas de diversas grandezas elétricas: tensão, corrente e resistência entre outras. A grande maioria dos multitestes mede tensão contínua, tensão alternada (senoidal), corrente contínua e resistência. Um multiteste analógico (de ponteiro) é construído a partir de um instrumento de bobina móvel e imã permanente (BMIP) que fornece uma deflexão em um ponteiro proporcional a corrente que atravessa o instrumento. A grandeza básica medida é corrente contínua; as demais grandezas devem ser transformadas em uma corrente contínua proporcional para que possa haver uma indicação do ponteiro do instrumento. Um multiteste digital usa um circuito integrado em que uma tensão contínua é comparada com uma referência interna e o resultado mostrado em um visor de 3½ ou mais dígitos. A grandeza básica medida é tensão contínua, sendo as demais grandezas obtidas a partir de circuitos que fornecem uma tensão contínua proporcional à grandeza a ser medida Funcionamento do movimento BMIP(bobina móvel imã permanente) O movimento do sistema de bobina móvel imã permanente é a base de um multiteste analógico é mostrado na figura acima. Consta de uma bobina que pode girar dentro de um campo magnético radial gerado por um imã permanente e conformado por um núcleo de ferro doce. A bobina é suspensa for fios ou por duas hastes apoiadas em mancais de baixo atrito. Quando a Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 1

2 suspensão é por mancais, duas molas espirais mantém o conjunto em uma posição de repouso correspondente ao zero da escala. Ao circular corrente pela bobina o campo gerado tende a alinhar-se com o campo gerado pelo imã, fazendo com que um ponteiro acoplado à bobina se mova sobre uma escala graduada com um movimento angular proporcional à corrente. Esse movimento angular pode ser medido na escala que é construída de modo que a leitura corresponda à corrente que circula pela bobina. Para uso como instrumento básico do multiteste, é interessante que a deflexão do ponteiro ocorra com a menor corrente possível. A maioria dos multitestes usa movimentos BMIP cuja deflexão à plena escala corresponde à aproximadamente 50 A. 1.2 O uso do Multiteste Como foi aprendido na Física, tensão (diferença de potencial) é uma grandeza associada com dois pontos, cada um dos quais possui determinado potencial eletrostático em relação a alguma referência. O que se mede ao usar o multiteste é a diferença de potencial entre os dois pontos. O movimento da agulha sobre a escala, no caso de um multiteste analógico ou a leitura no visor, no caso de um multiteste digital, corresponde à amplitude da tensão (d. d. p.). O sentido do deslocamento da agulha ou o sinal, dependendo da localização das duas ponteiras, indica qual dos dois pontos possui o maior potencial. Resumindo, para medir tensão é necessário conectar cada ponteira a um dos dois pontos entre os quais desejamos medir a tensão. Já a medida de corrente é diferente. Corrente é uma medida relacionada com a quantidade de portadores elétricos que circula ATRAVÉS de um componente qualquer (incluindo um condutor). Para medir uma corrente é necessário que esta corrente também circule através do instrumento. Para tanto é necessário abrir o circuito e inserir as ponteiras no mesmo de modo a possibilitar a circulação da corrente que se deseja medir através do multiteste Medida de tensão contínua Multiteste analógico Nesta medida o multiteste analógico comporta-se como um amperímetro de corrente contínua muito sensível ligado em série com resistores calibrados. Estes resistores fazem com que a corrente que circula pelo instrumento seja proporcional à tensão aplicada. Se aplicarmos uma tensão contínua V aos terminais, circulará uma corrente I = V/R, Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 2

3 onde R é a resistência interna do multiteste (resistor calibrado mais resistência do fio da bobina do amperímetro). Como R é conhecido, através da medida da corrente I podemos determinar o valor da tensão aplicada: V = R I. A escala do multiteste já está convenientemente marcada em volts e as diferentes escalas podem ser escolhidas através de uma chave rotativa. É necessário lembrar que a resistência interna do multiteste pode afetar as leituras obtidas. Por exemplo, se um instrumento BMIP cuja corrente de fundo de escala é de 1mA for usado para medidas de 0-50V a resistência total do instrumento deve ser 50k pois, R = V/I = 50/0,001 = Ao medirmos a tensão sobre o resistor R B do circuito abaixo, que sabemos ser 50V. a ligação do instrumento em paralelo com R B formaria o seguinte circuito: onde a tensão lida pelo multiteste sobre R B seria: VR B = 100 (50//50)/[50+(50//50)] = 33,3...V Para que o erro introduzido pelo instrumento possa ser desprezado, é necessário que a resistência interna do multiteste na escala usada seja muito maior que a resistência equivalente do circuito no qual desejamos medir a tensão. Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 3

4 1.3.2 Multiteste Digital No multiteste digital a comparação da tensão a ser medida é, geralmente, feita com uma tensão de referência de 100mV. Se o visor pode apresentar valores de até 1,999, isto significa que a escala básica de tensão contínua é de 0 199,9mV, freqüentemente chamada de escala de 0 200mV. Para que tensões maiores possam ser medidas é necessário que circuitos apropriados sejam incluídos que fornecem na saída uma tensão que seja uma potência de 10 vezes menor que a tensão de entrada. Por exemplo, se V I = 19V deve ser feita uma divisão por 100 para que a tensão aplicada ao circuito integrado seja de 190mV e possa ser medida pelo multiteste. Como no instrumento analógico, a escala é escolhida através de uma chave seletora que, adicionalmente, ajusta a posição do ponto decimal do mostrador. A resistência de entrada do multiteste digital é fixa para todas as escalas de tensão e seu valor geralmente é de 10M. Como esta resistência é muito maior que a resistência interna da maioria dos circuitos, a interferência do multiteste digital na tensão que está sendo medida pode ser desprezada na maior parte dos casos Medida de tensão alternada Como as grandezas básicas medidas pelos multitestes são contínuas, é necessário incluir no circuito para medida de tensões alternadas um dispositivo chamado retificador que transforma tensões com forma de onda senoidal em tensões contínuas proporcionais a alguma característica da senóide (amplitude, valor médio etc) Medida de corrente contínua Multiteste Analógico Como a medida básica do multiteste analógico é de corrente contínua, basta aplicar a corrente a ser medida diretamente ao instrumento. Caso a corrente seja maior que a correspondente ao fundo de escala é necessário acrescentar circuitos derivadores que desviam parte da corrente que circula pelo circuito. Como nas medidas de tensão os derivadores são selecionados através de uma chave em que cada posição corresponde a uma escala de corrente como no circuito abaixo Multiteste digital Sendo o multiteste digital um instrumento que compara tensões contínuas, é necessário inserir no circuito resistores calibrados que produzem uma tensão proporcional à corrente e podem ser escolhidos através de uma chave. É importante observar que nos dois casos uma resistência externa é inserida no circuito onde a corrente deve ser medida, alterando a resistência do caminho de corrente. Dependendo da grandeza da resistência inserida a corrente no circuito pode ser alterada pela presença do multiteste (como exemplo, tomemos o multímetro Minipa ET-2081, que na escala de 400µA, insere uma resistência de 1KΩ em série, na escala de 40mA esta resistência cai para 10Ω e na escala de 400mA, aproximadamente cai para 1Ω) Medida de resistência Multiteste analógico Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 4

5 A Lei de Ohm é usada na forma: I = V / R. Se a tensão V for conhecida (fornecida por uma pilha ou bateria), medindo o valor da corrente I podemos calcular a resistência R. O valor da resistência vem diretamente indicado na escala do instrumento. Observe-se que a relação entre a resistência e a corrente é inversa, consequentemente a escala de resistência será não-linear e terá o zero à direita(corrente máxima). Componentes adicionais são necessários para evitar que a corrente máxima ultrapasse o valor de fundo de escala do instrumento e para compensar a variação da tensão de alimentação fornecida por pilhas ou baterias Multiteste digital A Lei de Ohm é usada na forma V = R * I. Uma fonte de corrente constante (o multímetro Minipa ET-2081 aplica 800µA na escala de 400Ω, 80µA na escala de 4KΩ, 20µA na escala de 40KΩ e 2µA na escala de 400KΩ, aproximadamente) é usada para fornecer a corrente I com valor conhecido e a resistência R pode ser determinada medindo a tensão V sobre o resistor As Medidas de Tensão no Multímetro Analógico O multímetro analógico possuí um ponteiro no painel para indicar o valor da unidade a ser medida. É menos preciso que o digital na medida de tensões ou resistências, porém é o mais eficiente no teste de componentes eletrônicos. O ideal é que o multímetro analógico tenha a escala de X1 e X10K no mínimo, quanto mais escalas melhor, observe atentamente o modelo de multímetro a seguir. Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 5

6 A medida da tensão elétrica é medida em volts, por isso o multímetro tem uma seção para a medida da tensão alternada (ACV) várias escalas várias escalas para medir o nível da tensão, e uma seção para a medida de tensão contínua (DC) e várias escalas para medir o nível da tensão. É preciso estar atento para o tipo de tensão que se deseja medir e também para o nível da tensão que se deseja medir, se não for conhecido o nível da tensão, é recomendável que se inicie a medida da tensão da escala mais alta e vá baixando a escala até conseguir uma leitura correta da tensão. Nos multímetros digitais o valor da escala é visualizado diretamente no display, já para multímetros analógicos é preciso ter atenção e uma interpretação dos valores medidos. Para um bom multímetro analógico, os valores encontrados para a medição de corrente contínua (DC) com a escalas mais comuns são 200mV, 2V, 20V, 1000V, mas dependo do tipo do multímetro podem existir outras escalas. Para a medição de corrente alternada (AC) as escalas mais comuns são 50V, 200V, 750V, 1000V, para os multímetros mais simples as escalas geralmente são 200V e 750V. A seleção da seção e das escalas é feita através de uma chave rotativa. O importante ao usar um multímetro, é saber selecionar a seção e a escala correta para o tipo da medição a ser feita, e é claro, saber interpretar o que o ponteiro indica. A seção para a medição de tensão contínua é indicada por VCC, DCV, VDC ou um V com duas linhas sobre ele, uma linha tracejada e a outra linha contínua. A seção para a medição de tensão alternada é indicada por VCA, ACV, VAC ou um V com um ~ (til) sobre ele. Para medir o nível de tensão em um determinado ponto é necessário que as pontas de prova sejam colocadas em paralelo com o ponto a ser medido. Se for de interesse medir a tensão aplicada sobre uma lâmpada devemos colocar uma ponta de prova de cada lado da lâmpada, isto é uma ligação em paralelo. No caso de uma lâmpada incandescente encostamos uma ponta de prova na rosca e outra na parte inferior e metálica do conector da lâmpada. Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 6

7 Estas medidas devem ser feitas com critério, durante uma medida nunca devemos encostar as mãos em nenhuma parte metálica da ponta de prova ou dos pontos que estão sendo medidos, caso isto aconteça corre-se o risco de choque elétrico e/ou termos uma leitura errada. É bom praticar bem antes de manipular as pontas de provas e começar a medir tudo que encontrar pela frente. Sempre, mas sempre mesmo, preste muita atenção, o borne comum, normalmente indicado por COM, e é onde deve estar sempre ligada a ponta de prova preta. O borne indicado por V/Ohms/mA é onde deve estar conectada a ponta de prova vermelha para a medição de tensão contínua ou tensão alternada, medição de resistência e medição corrente na ordem de miliampères. Nos multímetros analógicos, se for realizada uma medida de tensão contínua e o ponteiro defletir ao contrário, ou seja, para trás, isso significa que as pontas de prova estão invertidas, ou seja, a ponta de prova vermelha está sendo colocada no ponto negativo do nível de tensão que está sendo medida, e conseqüentemente a ponta de prova preta está sendo colocada no ponto positivo do nível de tensão que está sendo medido, é preciso trocar a posição das pontas de prova para uma leitura correta. A chave de liga-desliga de um multímetro digital geralmente é uma das posições da chave rotativa, mas também pode ser uma chave ao lado do instrumento, para economizar bateria, desligue o multímetro caso não esteja utilizando Para Medir tensão Alternada: Coloque a chave na escala ACV mais próxima acima da tensão a ser medida, no caso esperamos encontrar em torno de 220 volts, então escolha na seção ACV a primeira escala superior a 220 volts, em nosso exemplo a primeira escala superior é 250 volts. Não tem importância a polaridade das pontas na medição da tensão alternada, pois nos circuitos eletrônicos costuma-se ser feita a medida na entrada da rede ou nos secundários do transformadores de alimentação. Sempre lembrando que existe o perigo de tomar choques, então muito cuidado para não tocar nas partes metálicas. Abaixo vemos como deve ser feita esta medida usando a escala de ACV, lembrando que se não tiver tensão nos filamentos, o ponteiro não se moverá e se a tensão for maior que a tensão máxima que pode ser medida na escala escolhida, o ponteiro irá bater no final da escala, podendo via a danificar permanentemente o multímetro. Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 7

8 No exemplo acima não existe perigo de choque, pois espera-se encontrar um nível baixo de tensão, mas é bom se acostumar a não encostar as mãos ou qualquer parte do corpo nas pontas de provas ou em partes metálicas, pois podem mostrar tensão abaixo da que realmente existe no ponto medido, e existe o perigo de choque elétrico Para medir tensão contínua: Geralmente as tensões no circuito eletrônico são medidas em relação ao terra, então coloque a ponta preta no terra e com a ponta vermelha meça a tensão nos terminais do transistor e compare com o valor de tensão indicado no esquema. Veja abaixo: Análise de Circuitos I - Aula -1 Colégio e Cursos P&C Página 8

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do voltímetro, amperímetro e do multímetro na função ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos.

O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. 7-INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO 7.1-GALVANÔMETRO O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. O multímetro

Leia mais

Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff

Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Noções básicas de circuitos elétricos: Lei de Ohm e Leis de Kirchhoff Material 2 Resistores de 3.3kΩ; 2 Resistores de 10kΩ; Fonte de alimentação; Multímetro digital; Amperímetro; Introdução Existem duas

Leia mais

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução 8aula Multiteste 43 8aula MULTITESTE Objetivo Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução O Multímetro básico permite fazer medidas de resistência elétrica, diferença de

Leia mais

LABORATÓRIO EDIFÍCIOS/PROJETOS/PROC. PRODUÇÃO ELETRO I EXPERIÊNCIA 3

LABORATÓRIO EDIFÍCIOS/PROJETOS/PROC. PRODUÇÃO ELETRO I EXPERIÊNCIA 3 TÍTULO: MULTÍMETRO II I - OBJETIVOS: a) Conhecimento do multímetro como instrumento para medida elétrica; b) Multímetro digital; c) Medida de tensão contínua (DC) e alternada (AC) com o multímetro digital

Leia mais

Laboratório de Física Manual de Equipamentos Multímetro, Fonte e Proto-board

Laboratório de Física Manual de Equipamentos Multímetro, Fonte e Proto-board Laboratório de Física Manual de Equipamentos Multímetro, Fonte e Proto-board Centro Universitário de Vila Velha PROF. RUDSON RIBEIRO ALVES TABELA DE CONTEÚDOS 1. Multímetro Minipa ET 1001...3 1.1. TERMINAIS

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Roteiro Revisão Matemática Função matemática, função

Leia mais

Experiência Número 03 Instrumentos para Medidas Elétricas

Experiência Número 03 Instrumentos para Medidas Elétricas OBJETIVOS Compreender o funcionamento do voltímetro e do amperímetro. Utilizar o voltímetro e o amperímetro para medições em circuitos simples de corrente contínua. MÉTODO EXPERIMENTAL INTRODUÇÃO: Quase

Leia mais

Aula 15 Instrumentos de medidas elétricas

Aula 15 Instrumentos de medidas elétricas Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. icardo Luiz Viana eferências bibliográficas: H. 29-7 S. 27-4 T. 23-3 Aula 15 Instrumentos de medidas

Leia mais

Identificação do Valor Nominal do Resistor

Identificação do Valor Nominal do Resistor Conteúdo complementar 1: Identificação do Valor Nominal do Resistor Os resistores são identificados por um código de cores ou por um carimbo de identificação impresso no seu corpo. O código de cores consiste

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS Introdução Durante todo o curso de Laboratório de Física B, o aluno manuseará instrumentos de medidas elétricas e fontes de tensão elétrica. O instrumento de medida elétrica

Leia mais

Curso Técnico em Eletrotécnica

Curso Técnico em Eletrotécnica ELETROELETRÔNICA Curso Técnico em Eletrotécnica Eletricidade em Regime de Corrente Contínua 3-MEDIÇÃO Sumário Introdução 6 Medição de tensão CC 7 Voltímetro e milivoltímetro 8 Multímetro 13 Medição de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO Mini Multímetro Analógico Modelo 38073A

MANUAL DO USUÁRIO Mini Multímetro Analógico Modelo 38073A MANUAL DO USUÁRIO Mini Multímetro Analógico Modelo 38073A Por favor visite www.extech.com para traduções manual do usuário Introdução Obrigado por escolher o Mini Multímetro Analógico Modelo 38073A. O

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE

FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE Laboratório 1 MEDIÇÃO DE PARÂMETROS ELÉTRICOS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE INTERIORES MEDIÇÃO DE PARÂMETROS ELÉTRICOS OBJETIVO: Medir parâmetros elétricos de tensão, corrente, potência,

Leia mais

Curso Técnico em Eletrotécnica

Curso Técnico em Eletrotécnica Curso Técnico em Eletrotécnica Eletricidade em Regime de Corrente Contínua 10- MEDIÇÃO DE CORRENTE CONTÍNUA Sumário Introdução 6 Medição de corrente contínua 7 Instrumentos de medição da intensidade da

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VMA-1010

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VMA-1010 MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VMA-1010 1. INTRODUÇÃO Este multímetro tem uma alta sensibilidade (20kΩ/VDC - 9kΩ/VAC), e o galvanômetro é protegido através do uso de diodos. Este multímetro é um

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS Introdução Durante todo o curso de Laboratório de Física B, o aluno manuseará instrumentos de medidas elétricas e fontes de tensão elétrica. O instrumento de medida elétrico

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO OBJETIVOS: Aprender a utilizar um voltímetro e um amperímetro para medida de tensão e corrente contínua. MEDIDA DE TENSÕES: INTRODUÇÃO TEÓRICA A medida de tensões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

3) Cite 2 exemplos de fontes de Alimentação em Corrente Continua e 2 exemplos em Corrente Alternada.

3) Cite 2 exemplos de fontes de Alimentação em Corrente Continua e 2 exemplos em Corrente Alternada. Lista de exercícios Disciplina: Eletricidade Aplicada Curso: Engenharia da Computação Turma: N30 1 -) Assinale a alternativa correta. Descreva o que é tensão elétrica. a - A diferença de potencial elétrico

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 agosto de 2012 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Elétrica EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Elétrica EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA Departamento de Engenharia Elétrica EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório Aula 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1.0 INRODUÇÃO 1.1 Instrumento Eletrodinâmico

Leia mais

Aula 03- Resistência Elétrica e Associação de Resistores Eletrotécnica

Aula 03- Resistência Elétrica e Associação de Resistores Eletrotécnica Aula 03- Resistência Elétrica e Associação de Resistores Eletrotécnica Resistividade dos Materiais É a propriedade característica específica de um material, em relação a sua constituição atômica. A resistividade

Leia mais

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM 2.1 OBJETIVOS Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Medir as resistências equivalentes das associações Verificar o comportamento

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores Objetivo: Medir a corrente elétrica e a diferença de potencial em vários ramos e pontos de um circuito elétrico resistivo. Materiais: (a) Três resistências nominadas R 1, R 2 e

Leia mais

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos.

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos. Lista de Materiais 1 multímetro. 4 pilhas de 1,5V. 2 resistores com resistências da mesma ordem de grandeza. Exemplo: R1 = 270 Ω e R2 = 560 Ω. Lâmpada com soquete com bulbo esférico (6,0V-500 ma). Resistor

Leia mais

REVISÃO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

REVISÃO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Amperímetros e Voltímetros DC EVSÃO DE MEDDAS ELÉCAS s m A + s m m m s, m ma, Nova Escala m V et + m V,, V Nova Escala AB m m et m ma AB m Ohmímetros. Ohmímetros Série 0 Malha : E ( + m + int ) E ( + )

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO setembro de 2015 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento 1. INTRODUÇÃO Este multímetro tem uma alta sensibilidade

Leia mais

SINAIS E SISTEMAS MECATRÓNICOS

SINAIS E SISTEMAS MECATRÓNICOS SINAIS E SISTEMAS MECATRÓNICOS Laboratório #1: Introdução à utilização de aparelhos de medida e geração de sinal: multímetro, osciloscópio e gerador de sinais Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

Leia mais

Medida da corrente e da d.d.p.

Medida da corrente e da d.d.p. Medida da corrente e da d.d.p. 1 Fig.29.1 29.1. O princípio básico do funcionamento dos medidores elétricos é o efeito magnético que a corrente elétrica provoca ao passar por um fio. Verificou-se experimentalmente

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 02)

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 02) ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 02) 1.10 - Uso do multímetro O Laboratório que acompanha Resistores, introduz a utilização do multímetro como ferramenta indispensável para realizar medidas nos circuitos.

Leia mais

Indicadores Digitais DG48/96

Indicadores Digitais DG48/96 [1] Introdução Os indicadores digitais DG 48 e DG 96 são instrumentos para medição de tensão, corrente, temperatura ou outra variável de processo. A indicação é sempre feita de forma linear. [2] Princípio

Leia mais

Medidores de grandezas elétricas

Medidores de grandezas elétricas LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Medidores de grandezas elétricas Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP INSTRUMENTOS ANALÓGICOS E DIGITAIS Instrumentos de medidas

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

Resolução de circuitos série de corrente contínua

Resolução de circuitos série de corrente contínua capítulo 1 Resolução de circuitos série de corrente contínua A principal característica de um circuito série de corrente contínua (CC) é a maneira como suas partes componentes estão conectadas: eles formam

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua.

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. Capítulo 6 Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal. Indutância mútua. 6.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 6.2 Introdução

Leia mais

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO ÍNDICE: PARTE I - O PROFISSIONAL DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO... PARTE II - FUNDAMENTOS... TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS... CIRCUITOS ELÉTRICOS

Leia mais

Roteiro 07 Transistor Bipolar Operação como chave 2

Roteiro 07 Transistor Bipolar Operação como chave 2 Roteiro 07 Transistor Bipolar Operação como chave 2 Equipe: Objetivos: Data: / / 16 Visto Assiduidade Verificar e interpretar o funcionamento do transistor bipolar NPN como chave eletrônica em circuito

Leia mais

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal

Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal Circuitos resistivos alimentados com onda senoidal 5 5.1 Material Gerador de funções; osciloscópio; multímetro; resistor de 1 kω; indutores de 9,54, 23,2 e 50 mh. 5.2 Introdução Nas aulas anteriores estudamos

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO VMD 1015

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO VMD 1015 MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO VMD 1015 1. INTRODUÇÃO O VMD1015 é um Multímetro digital de 3 ½ dígitos (2.000 contagens), desenvolvido com o que existe de mais moderno em tecnologia de semicondutores. As

Leia mais

Experimento Prático N o 4

Experimento Prático N o 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Engenharia Área de Eletricidade Experimento Prático N o Eletricidade para Engenharia Lei de Ohm e Potência Elétrica L A B O R A T Ó R I O D E E L E T R I

Leia mais

Curso Técnico em Eletrotécnica

Curso Técnico em Eletrotécnica ELETRICIDADE EM REGIME CC Sumário Curso Técnico em Eletrotécnica Eletricidade básica em Regime de Corrente Contínua 8-FONTE CC - SIMÉTRICA Introdução 6 Fonte de CC 7 Características das fontes CC 7 Tensão

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL Agosto de 2016 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada

Figura 1 Várias formas de ondas repetitivas: (a) onda cosseno, (b) onda seno, (c) onda triangular (d) onda quadrada ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Disciplina: Laboratório de Circuitos Elétricos Corrente Alternada 1. Objetivo Uma medida elétrica é a

Leia mais

Energia e fenómenos elétricos

Energia e fenómenos elétricos Energia e fenómenos elétricos 1. Associa o número do item da coluna I à letra identificativa do elemento da coluna II. Estabelece a correspondência correta entre as grandezas elétricas e os seus significados.

Leia mais

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Elias da Silva PUC-SP

Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Elias da Silva PUC-SP 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Elias da Silva PUC-SP Equipamento 127 V 220 V Sonda Hall,tangencial, prot. cap 13610.02 13610.02 1 Gaussímetro, digital e 13610.98

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

Radiação de corpo negro, f.e.m. termoelétrica, dependência da resistência com a temperatura.

Radiação de corpo negro, f.e.m. termoelétrica, dependência da resistência com a temperatura. 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Máximo F. da Silveira Instituto de Física - UFRJ Tópicos Relacionados Radiação de corpo negro, f.e.m. termoelétrica, dependência

Leia mais

Medidas Elétricas, 2013.

Medidas Elétricas, 2013. , Medidas Elétricas.., 2013. Bibliografia para esta aula... Nesta aula Medidas Elétricas: 1. O laboratório de eletrônica: Ferramentas básicas; Kit para eletrônica. 2. Principais grandezas elétricas: Corrente

Leia mais

Símbolo do diodo emissor de luz LED

Símbolo do diodo emissor de luz LED Diodos Especiais Introdução Com a diversificação dos tipos de materiais e da forma de construção utilizados para o desenvolvimento de componentes semicondutores, foi possível observar a ocorrência de diferentes

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VAM/A 100

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VAM/A 100 MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VAM/A 100 1. INTRODUÇÃO É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções aqui contidas, para evitar possíveis danos ao alicate,

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL III

FÍSICA EXPERIMENTAL III FÍSICA EXPERIMENTAL III EXPERIÊNCIA 2 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE RESISTORES 1. OBJETIVOS 1.1. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com o uso de resistores ôhmicos e não ôhmicos. 1.2. Objetivos Específicos

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchoff

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchoff Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchoff. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um oscioscopio e um multímetro digital. Conceito de resistência intema

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO:

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: OLIMPÍADA BRASILEIRA DE FÍSICA 2016 3ª FASE 08 DE OUTUBRO DE 2016 PROVA EXPERIMENTAL NÍVEL I Ensino Fundamental 8 o e 9 o anos LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01 - Esta prova destina-se exclusivamente

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UMA PILHA TLHO PÁTCO DETEMNÇÃO D ESSTÊNC NTEN DE UM PLH Objectivo Este trabalho compreende as seguintes partes: comparação entre as resistências internas de dois voltímetros, um analógico e um digital; medida da

Leia mais

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1

CIRCUITOS ELETRICOS I: RESISTORES, GERADOR E 1ª LEI DE OHM CIÊNCIAS DA NATUREZA: FÍSICA PROFESSOR: DONIZETE MELO Página 1 Diretoria Regional de Ensino de Araguaína Colégio Estadual Campos Brasil Tocantins - Brasil Um circuito elétrico pode ser definido como uma interligação de componentes básicos formando pelo menos um caminho

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1500

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1500 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1500 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala

AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 03 Exercícios Lista 01 Lista 02 Lista 03 Resolução de exercícios em sala AULA 04 Tensão e Corrente alternada Ondas senoidais Ondas quadradas Ondas triangulares Frequência e período Amplitude e valor

Leia mais

Sistemas de Medição EXERCÍCIOS

Sistemas de Medição EXERCÍCIOS Sistemas de Medição EXERCÍCIOS Assunto: Condicionadores e Medição de Tensão e Corrente 1. O gráfico abaixo mostra a curva de calibração de um dado instrumento. Que componentes de erro você consegue identificar?

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 1: Medidas Elétricas. Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos.

LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA DIGITAL Experiência 1: Medidas Elétricas. Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos. 1 1. Objetivos Realização de medidas elétricas de tensão e corrente em circuitos resistivos. 2. Conceito 2.1 Matriz de contatos Uma grande parte dos circuitos eletrônicos, especialmente os digitais, quando

Leia mais

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES

AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Retificadores (ENG - 20301) AULA LAB 02 TRANSFORMADORES E INDUTORES 1 INTRODUÇÃO Os transformadores e indutores são componentes

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

NECESSIDADE DE EQUIPAMENTO DE TESTE

NECESSIDADE DE EQUIPAMENTO DE TESTE NECESSIDADE DE EQUIPAMENTO DE TESTE Sempre que montamos, instalamos, ou reparamos circuitos ou equipamentos elétricos/eletrônicos, deve-se conhecer a forma de medir as diversas grandezas elétricas, como

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL SÃO JOÃO DA ESCÓCIA

INSTITUTO EDUCACIONAL SÃO JOÃO DA ESCÓCIA 1 Passo lembre-se sempre, em um circuito paralelo a tensão é a mesma em todos os componentes, e a corrente se divide. 2 RM significa resistência do medidor, o medidor como mostra a figura acima, possui

Leia mais

Física Geral - Laboratório (2014/1) Propagação de erros e medida de resistores em série e em paralelo

Física Geral - Laboratório (2014/1) Propagação de erros e medida de resistores em série e em paralelo Física Geral - Laboratório (2014/1) Propagação de erros e medida de resistores em série e em paralelo 1 Medidas indiretas - Propagação de erros Propagação de erros u = f (x, y) Estimativa da grandeza associada

Leia mais

MEEE1 Medidas Elétricas 2015 Luís Catarino. 1-Tensão (também chamada de diferença de potencial) Unidade:volt (V)

MEEE1 Medidas Elétricas 2015 Luís Catarino. 1-Tensão (também chamada de diferença de potencial) Unidade:volt (V) Grandezas elétricas mais comuns 1-Tensão (também chamada de diferença de potencial) Unidade:volt (V) 2-Corrente Fluxo de cargas elétricas que percorrem uma seção transversal por unidade de tempo Unidade:

Leia mais

MODELOS: MEDIDORES ANALÓGICOS PARA TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA

MODELOS: MEDIDORES ANALÓGICOS PARA TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA MEDIDORES ANALÓGICOS PARA TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA MODELOS: BRQ-72 BM-72 BM-65 BM-116 BMR-56 BM-55 BM-80 BRQ-96 BM-96 BM-86 BMR-48 BMR-65 BM-60 BMRP-55 www.anzo.com.br - contato@anzo.com.br 0 Modelo

Leia mais

MEDIDAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS

MEDIDAS ELÉTRICAS CONCEITOS BÁSICOS MEDIDAS ELÉRICAS CONCEIOS BÁSICOS Os sistemas mecânicos de medidas são muito limitados devido a fatores tais como atrito, inércia, etc. ambém, a necessidade de rigidez faz com que estes sistemas tornem-se

Leia mais

Atividades em sala (1): Alimentação

Atividades em sala (1): Alimentação Atividades em sala (1): Alimentação Rede Eletropaulo. Estabilizador. No break. Conceitos: Potencia, Tensão e Corrente elétrica. Unidades elétricas: Watt, Volt, Ampère. Medir: Comparar com um padrão. Prática:

Leia mais

Física Geral - Laboratório (2015/2) Propagação de erros e medida de resistores em série e em paralelo

Física Geral - Laboratório (2015/2) Propagação de erros e medida de resistores em série e em paralelo Física Geral - Laboratório (2015/2) Propagação de erros e medida de resistores em série e em paralelo 1 Medidas indiretas - Propagação de erros Propagação de erros u = f (x, y) Estimativa da grandeza associada

Leia mais

PEA EPUSP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO PEA-2211 INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO. TRANSFORMADORES - Prática

PEA EPUSP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO PEA-2211 INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO. TRANSFORMADORES - Prática PEA EPUSP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ENERGIA E AUTOMAÇÃO PEA-2211 INTRODUÇÃO À ELETROMECÂNICA E À AUTOMAÇÃO TRANSFORMADORES - Prática 2014 PEA2211-2014 Transformadores Parte Prática 1 Data / / 2014

Leia mais

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo

Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Disciplina Eletrotécnica Tópico 01: Estudo de circuitos em corrente contínua (CC) Profa.: Ana Vitória de Almeida Macêdo Conceitos básicos Eletricidade Eletrostática Eletrodinâmica Cargas elétricas em repouso

Leia mais

Filtros Passa alta e passa baixa

Filtros Passa alta e passa baixa Filtros Passa alta e passa baixa Objetivo: Medir a corrente elétrica sobre o indutor e o capacitor em um circuito em paralelo de corrente alternada (AC). Materiais: (a) Dois resistores de igual resistência

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO 1 LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO (Laboratório criado pelo prof. Dr. Ivanor Nunes de Oliveira e desenvolvido sob sua orientação) Foto 1. Laboratório de Eletricidade e Magnetismo 2 Trabalho de

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: TELE - ENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 PROA DE LÂMPADAS Testando a Lâmpada Com a lâmpada fora do soquete, encoste uma ponta de prova no encaixe e a outra ponta no pólo como é mostrado

Leia mais

Associação de resistores em série e em paralelo

Associação de resistores em série e em paralelo Aula Prática: Associação de resistores em série e em paralelo Introdução Suponha que você possua duas lâmpadas, cujas resistências elétricas sejam R 1 e R 2, e uma bateria cuja FEM (Força Eletro Motriz,

Leia mais

Aparelhos de medidas elétricas

Aparelhos de medidas elétricas Aparelhos de medidas elétricas Os aparelhos de medidas elétricas são instrumentos que fornecem uma avaliação da grandeza elétrica, baseando-se em efeitos físicos causados por essa grandeza. Vários são

Leia mais

PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS

PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS UNIDADE II PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS 1. INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros elétricos, relacioná-los, analisar os seus resultados

Leia mais

Instrumentos Eletrodinâmicos Galvanômetros

Instrumentos Eletrodinâmicos Galvanômetros Instrumentos Eletrodinâmicos Galvanômetros Um galvanômetro é um dispositivo eletromecânico no qual se produz um torque como resultado da interação entre uma corrente elétrica, que passa pela bobina do

Leia mais

Centro Paula Souza ETEC Raposo Tavares Instalação e Manutenção de Computadores IMC Prof. Amaral

Centro Paula Souza ETEC Raposo Tavares Instalação e Manutenção de Computadores IMC Prof. Amaral Eletrônica Básica Conceitos de Tensão, Corrente e Resistência Elétrica Aulas de 04 a 25/08 Mesmo pensando somente em Informática, temos que conhecer algumas grandezas elétricas básicas. Essas grandezas

Leia mais

Programa de engenharia biomédica

Programa de engenharia biomédica Programa de engenharia biomédica princípios de instrumentação biomédica COB 781 Conteúdo 2 - Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 - Resistores lineares e invariantes...1 2.1.1 - Curto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 02 VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO DE CORRENTE CONTÍNUA 1 INTRODUÇÃO Na primeira aula

Leia mais

Roteiro de aula prática do sobre medição de fator de potência.

Roteiro de aula prática do sobre medição de fator de potência. Roteiro de aula prática do sobre medição de fator de potência. Italo Leonardo de Alencar Marton Orientador: Prof. Dr. José Roberto Dias Pereira. Maringá-PR Fevereiro 2017 Roteiro para aula prática sobre

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de um Amperímetro Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Laboratório de Ciências

Laboratório de Ciências Laboratório de Ciências 1º Aula CORRENTE ELÉTRICA MATERIAL A SER UTILIZADO: 1 conjunto para balanço de corrente com imã 1 aro de metal com agulha imantada (bússola) 1 fio de aço inox solução de bicarbonato

Leia mais

Olimpíadas de Física Seleção para as provas internacionais. Prova Experimental B

Olimpíadas de Física Seleção para as provas internacionais. Prova Experimental B SOCIEDADE PORTUGUESA DE FÍSICA Olimpíadas de Física 015 Seleção para as provas internacionais Prova Experimental B 16/maio/015 Olimpíadas de Física 015 Seleção para as provas internacionais Prova Experimental

Leia mais

ELETROMAGNETISMO. Quando uma corrente atravessa um condutor, gera em torno do mesmo um campo magnético.

ELETROMAGNETISMO. Quando uma corrente atravessa um condutor, gera em torno do mesmo um campo magnético. ELETROMAGNETISMO A relação entre o magnetismo e a corrente elétrica foi descoberta por H. C. Oersted (Hans Christian Ørsted), físico e químico dinamarquês (1777-1851). Quando uma corrente atravessa um

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO AUTO RANGING ITMD-920

MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO AUTO RANGING ITMD-920 MANUAL DE INSTRUÇÕES MULTÍMETRO AUTO RANGING ITMD-920 ÍNDICE Página Instruções Sobre Segurança 3 Símbolos de Segurança 4 Controle e Conectores 5 Símbolos e Anunciadores 6 Especificações 7 Instalação da

Leia mais

Indicador Digital LC 3 ½ dígitos

Indicador Digital LC 3 ½ dígitos Página 1/5 Características Processo de medição por rampa dupla Indicação automática de polaridade (+ ou -) Indicação de sobrecampo para 3 ½ dígitos (±1) Correção automática do ponto zero Tamanhos (mm):

Leia mais

Manual de Instruções Alicate Amperímetro Digital HK-A266. Todos os diretos reservados 2010 Unicoba Imp. e Exp. Ltda.

Manual de Instruções Alicate Amperímetro Digital HK-A266.  Todos os diretos reservados 2010 Unicoba Imp. e Exp. Ltda. Manual de Instruções Alicate Amperímetro Digital HK-A266 www.hikariferramentas.com.br Todos os diretos reservados 2010 Unicoba Imp. e Exp. Ltda. Operating Features Operating Features Alicate Amperímetro

Leia mais

Cap. 2 Princípios da Eletrodinâmica

Cap. 2 Princípios da Eletrodinâmica Cap. 2 Princípios da Eletrodinâmica Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza Conteúdos 2 Princípios da Eletrodinâmica 2.1

Leia mais

Aula 2 Circuito série de corrente contínua.

Aula 2 Circuito série de corrente contínua. Aula 2 Circuito série de corrente contínua marcela@edu.estacio.br Circuito em série Polaridade das quedas de tensão Potência total em circuito em série Queda de tensão por partes proporcionais Fontes de

Leia mais

Medidas de campos magnéticos

Medidas de campos magnéticos INSTITUTO DE FISICA- UFBa Fev. 22 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 11) Roteiro elaborado por Newton Oliveira e Iuri Pepe (Modificado em março de 23 por Ossamu Nakamura)

Leia mais

Aula 04- Circuitos Elétricos. Lei de Ohm, Potência e Energia

Aula 04- Circuitos Elétricos. Lei de Ohm, Potência e Energia Aula 04- Circuitos Elétricos Lei de Ohm, Potência e Energia Até agora, definimos três das grandezas físicas mais importantes em um circuito elétrico: tensão corrente elétrica resistência elétrica. O objetivo

Leia mais

Experimento 7. Instrumento de medida

Experimento 7. Instrumento de medida Experimento 7 Instrumento de medida Objetivo: Estudar a relação entre o alcance (fundo de escala) e a resistência interna de instrumento de medida. Tópicos examinados Leis de Kirchhoff; circuito; tensão;

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

CIRCUITO ELÉTRICO. Um circuito elétrico é um caminho ou itinerário para a corrente elétrica. CORRENTE ELÉTRICA

CIRCUITO ELÉTRICO. Um circuito elétrico é um caminho ou itinerário para a corrente elétrica. CORRENTE ELÉTRICA CIRCUITO ELÉTRICO Um circuito elétrico é um caminho ou itinerário para a corrente elétrica. CORRENTE ELÉTRICA A corrente elétrica é um fluxo de eletrões que transportam energia elétrica. COMPONENTES DE

Leia mais

CAPÍTULO 2 PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS

CAPÍTULO 2 PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS CAPÍTULO 2 PARÂMETROS E RELAÇÕES BÁSICAS Versião 2.0 Direitos Reservados PROCOBRE 2009 INTRODUÇÃO Para diagnosticar o comportamento de uma instalação elétrica é necessário medir os seus parâmetros elétricos,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO MA-70

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO MA-70 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO MA-70 Outubro de 2016 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do multímetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais