Experiência Número 03 Instrumentos para Medidas Elétricas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experiência Número 03 Instrumentos para Medidas Elétricas"

Transcrição

1 OBJETIVOS Compreender o funcionamento do voltímetro e do amperímetro. Utilizar o voltímetro e o amperímetro para medições em circuitos simples de corrente contínua. MÉTODO EXPERIMENTAL INTRODUÇÃO: Quase todos os trabalhos que efetuaremos no decorrer destas práticas de eletricidade e magnetismo envolverão medidas de diferença de potencial e corrente elétrica. Assim sendo, antes de partirmos para o método experimental propriamente dito, ou seja, para os procedimentos necessários à obtenção dos dados experimentais, aprenderemos a utilizar corretamente o voltímetro e o amperímetro. Grande parte dos instrumentos de medidas elétricas consta essencialmente de um galvanômetro. Um tipo de galvanômetro muito usado é o de quadro móvel, chamado galvanômetro de D'Arsonval, cujas partes essenciais estão desenhadas na figura 1. figura 1 Neste galvanômetro, a corrente elétrica passa pelas molas de suspensão e circula pela bobina que está enrolada num quadro móvel, e imersa em um campo magnético de um ímã permanente. A passagem da corrente elétrica através da bobina faz com que forças magnéticas atuem sobre a mesma; tais forças podem ser representadas por um binário. Tal binário gira a bobina e o ponteiro solidário à mesma, até uma posição em que o torque do binário defletor é contrabalançado pelo torque das forças restauradoras da mola (helicoidal) acoplada à bobina. O torque magnético defletor é proporcional à corrente que circula pela bobina móvel.

2 Deve-se observar no entanto que, para que o instrumento responda à grandeza que se quer medir, é necessário que o sistema "medido" forneça ao "medidor" a energia necessária para deslocar suas partes móveis (bobina, ponteiro, etc.). Portanto, o processo de medida provoca uma perturbação na grandeza avaliada. Convém notar que isto não ocorre apenas com circuitos elétricos, sendo uma característica das ciências experimentais. Uma vez que não se pode evitar a modificação introduzida pelo instrumento de medida, procura-se minimiza-la. É a partir de galvanômetros que se constroem amperímetros e voltímetros. O AMPERÍMETRO é um disposititivo usado para medir correntes elétricas. A medida será ideal se o instrumento não tiver resistência interna, ou seja, se ele constituir um curto-circuito entre os pontos em que se encontrar instalado. Somente nesta condição as correntes e tensões do circuito não serão alteradas pelo medidor. O amperímetro comum, que aparece esquematizado na figura 2, utiliza um galvanômetro tipo quadro móvel G de resistência interna Rm. A chave seletora, neste caso, põe em paralelo com o galvanômetro resistores convenientemente dimensionados denominados "shunts" (do inglês, shunt que significa colocar uma parte em paralelo com outra) permitindo desse modo que se varie a escala de leitura de corrente. figura 2

3 O VOLTÍMETRO é um instrumento que mede diferença de potencial (tensão ou voltagem) entre dois pontos de um circuito elétrico. A medida será ideal se o instrumento tiver resistência interna infinita, ou seja, se ele constituir um circuito aberto entre os pontos em que se encontrar instalado. Somente nesta condição as correntes e tensões do circuito não serão alteradas pelo medidor. O voltímetro comum, que aparece esquematizado na figura 3, utiliza um galvanômetro tipo quadro móvel G de resistência interna Rm que, através da chave seletora, é posto em série com resistores internos convenientemente dimensionados. Tais resistores são denominados resistências multiplicadoras, permitindo, desse modo, que se varie a escala de leitura de tensão. figura 3

4 Os procedimentos: Um cuidado preliminar na utilização de um voltímetro consiste na escolha da escala adequada para a leitura. Quando se conhece o valor máximo da tensão a ser medida, tal escolha é imediata. Quando isso não for possível, coloca-se a chave seletora no fundo de escala máximo. A seguir, reduz-se o fundo de escala até se obter uma deflexão razoável do ponteiro, de preferência com leitura acima da metade da escala. Outro cuidado que deve ser tomado é com a polaridade. Monte o circuito que aparece na figura 4. figura 4 Sendo de 10 Volts a fonte utilizada, coloque o voltímetro na escala conveniente. Meça as diferenças de potencial V01, V02, V03 e V04, operando sempre na mesma escala. Anote os resultados na tabela 1 do relatório. Calcule teoricamente as diferenças de potencial V01, V02, V03 e V04, e determine os erros percentuais dos valores medidos em relação a esses valores calculados. Anote os resultados na tabela 1 e responda a questão que se encontra na página 1 do relatório. Nesta e em outras práticas onde o amperímetro é utilizado num circuito que contém uma fonte de tensão, o máximo cuidado é necessário para evitar a inutilização do instrumento. Um amperímetro jamais deve ser ligado diretamente aos terminais de uma fonte de tensão. O motivo é que, em geral, a resistência interna do amperímetro é de baixo valor, implicando uma corrente elevada no mesmo quando ligado a fonte de tensão. Quando o estudante tiver a sua disposição uma fonte de tensão ajustável, é recomendável, também, antes de ligar a chave da fonte de tensão, deixá-la ajustada no valor de tensão zero. Este procedimento permitirá evitar danos maiores, nos casos em que, por alguma razão, o

5 circuito tenha sido montado de modo inadequado. Após ligar a chave da fonte de tensão, os instrumentos, principalmente os amperímetros, devem ser observados à medida que a tensão for ajustada para valores crescentes. Se o amperímetro for levado bruscamente ao fundo da escala, desligue prontamente a chave da fonte, confira o seu circuito e, se não encontrar a falha, chame o professor para ajudá-lo. Outra precaução que se deve tomar é, sempre que for possível, estimar o valor da corrente no seu circuito e colocar o instrumento na escala adequada. Quando esta estimativa não puder ser feita, deve-se utilizar a maior escala do instrumento. Entretanto, após estar seguro que não se está ultrapassando os limites do amperímetro, a leitura deverá ser feita na escala adequada, isto é, aquela que permite a maior deflexão do ponteiro, sem, porém, ultrapassar o limite da mesma. Observe o circuito da figura 5 e, por meio de um cálculo simples, determine a escala conveniente do amperímetro. Apresente este cálculo na página 2 do relatório. Coloque o amperímetro nesta escala conveniente, e mantenha-a para todas as medidas com este circuito. Monte o circuito da figura 5, obedecendo à polaridade indicada, isto é, ligando o terminal (-) do amperímetro ao terminal negativo da fonte e o terminal (+) do amperímetro ao ponto marcado (+) do conjunto de resistores. Anote o valor da corrente na tabela 2 do relatório. Figura 5 Ponha em curto-circuito um dos resistores e meça o novo valor da corrente no circuito. Anote o resultado na tabela 2 das folhas de relatório. Proceda da mesma forma para os outros dois resistores. Curto-circuite dois dos três resistores e meça novamente a corrente elétrica no circuito, anotando o resultado na tabela 2 do relatório. Faça a mesma coisa para os outros dois pares de resistores. Jamais curto-circuite todos os resistores. Calcule teoricamente as correntes elétricas que foram objeto de medida no circuito da figura 5. Calcule os erros percentuais dos valores medidos em relação aos valores calculados. Anote os resultados no local apropriado da tabela 2. Responda as questões das páginas 2 e 3 do relatório.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE FÍSICA DFIS

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE FÍSICA DFIS UNESDADE DO ESTADO DE SANTA CATANA - UDESC CENTO DE CÊNCAS TECNOLÓGCAS CCT DEPATAMENTO DE FÍSCA DFS FÍSCA EXPEMENTAL EXPEÊNCA 0 MEDDAS ELÉTCAS OBJETOS Utilizar corretamente o ohmímetro, o voltímetro e

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL III

FÍSICA EXPERIMENTAL III UNESDADE DO ESTADO DE SANTA CATANA - UDESC CENTO DE CÊNCAS TECNOLÓGCAS CCT DEPATAMENTO DE FÍSCA DFS FÍSCA EXPEMENTAL EXPEÊNCA NSTUMENTOS DE MEDDA. OBJETOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com

Leia mais

O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos.

O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. 7-INSTRUMENTOS DE MEDIÇÃO 7.1-GALVANÔMETRO O galvanômetro é um instrumento que pode medir correntes elétricas de baixa intensidade, ou a diferença de potencial elétrico entre dois pontos. O multímetro

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL III

FÍSICA EXPERIMENTAL III FÍSICA EXPERIMENTAL III EXPERIÊNCIA 2 CURVAS CARACTERÍSTICAS DE RESISTORES 1. OBJETIVOS 1.1. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com o uso de resistores ôhmicos e não ôhmicos. 1.2. Objetivos Específicos

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do voltímetro, amperímetro e do multímetro na função ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

Aula 15 Instrumentos de medidas elétricas

Aula 15 Instrumentos de medidas elétricas Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física Física III Prof. Dr. icardo Luiz Viana eferências bibliográficas: H. 29-7 S. 27-4 T. 23-3 Aula 15 Instrumentos de medidas

Leia mais

Capítulo 26 - Circuitos de Corrente Continua

Capítulo 26 - Circuitos de Corrente Continua RODRIGO ALVES DIAS Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Livro texto: Física 3 - Eletromagnetismo Autores: Sears e Zemansky Edição: 12 a Editora: Pearson - Addisson and Wesley 10 de maio de 2011

Leia mais

Instrumentos Eletrodinâmicos Galvanômetros

Instrumentos Eletrodinâmicos Galvanômetros Instrumentos Eletrodinâmicos Galvanômetros Um galvanômetro é um dispositivo eletromecânico no qual se produz um torque como resultado da interação entre uma corrente elétrica, que passa pela bobina do

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO

UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO UTILIZAÇÃO DO VOLTÍMETRO E DO AMPERÍMETRO OBJETIVOS: Aprender a utilizar um voltímetro e um amperímetro para medida de tensão e corrente contínua. MEDIDA DE TENSÕES: INTRODUÇÃO TEÓRICA A medida de tensões

Leia mais

Experimento 7. Instrumento de medida

Experimento 7. Instrumento de medida Experimento 7 Instrumento de medida Objetivo: Estudar a relação entre o alcance (fundo de escala) e a resistência interna de instrumento de medida. Tópicos examinados Leis de Kirchhoff; circuito; tensão;

Leia mais

Lista de Instrumentos de Medidas

Lista de Instrumentos de Medidas Lista de Instrumentos de Medidas 01. (EEM SP) É dado um galvanômetro de resistência interna igual a 0,25 Ω, que se funde, quando por ele passa uma corrente maior do que 0,15 A. a) Explique o que se deve

Leia mais

AULA EXPERIMENTAL 03 ERRO EM MEDIDAS ELÉTRICAS

AULA EXPERIMENTAL 03 ERRO EM MEDIDAS ELÉTRICAS 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS ELETRÔNICOS Métodos e Técnicas de Laboratório em Eletrônica

Leia mais

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM

EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM EXPERIMENTO 2: ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES E A LEI DE OHM 2.1 OBJETIVOS Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Medir as resistências equivalentes das associações Verificar o comportamento

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS Introdução Durante todo o curso de Laboratório de Física B, o aluno manuseará instrumentos de medidas elétricas e fontes de tensão elétrica. O instrumento de medida elétrico

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01)

ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) ANÁLISE DE CIRCUITOS I ( AULA 01) 1.0 Instrumentos e Medições: O MULTITESTE O multiteste é um instrumento de medida elétrica que, geralmente, permite executar medidas de diversas grandezas elétricas: tensão,

Leia mais

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS

INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS INSTRUMENTOS DE MEDIDAS ELÉTRICAS Introdução Durante todo o curso de Laboratório de Física B, o aluno manuseará instrumentos de medidas elétricas e fontes de tensão elétrica. O instrumento de medida elétrica

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL III

FÍSICA EXPERIMENTAL III FÍSICA EXPERIMENTAL III EXPERIÊNCIA 4 DIODOS 1. OBJETIVOS 1.1. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com diodos semicondutores. 1.2. Objetivos Específicos a) Apresentar aos acadêmicos circuitos elétricos

Leia mais

Capítulo 4 Ohmímetros

Capítulo 4 Ohmímetros Capítulo 4 Ohmímetros 4.1. Introdução Dá-se o nome de ohmímetro ao instrumento capaz de medir o valor de resistências. O ohmímetro também é construído a partir de um galvanômetro de bobina móvel e pode

Leia mais

MEEE1 Medidas Elétricas 2015 Luís Catarino. 1-Tensão (também chamada de diferença de potencial) Unidade:volt (V)

MEEE1 Medidas Elétricas 2015 Luís Catarino. 1-Tensão (também chamada de diferença de potencial) Unidade:volt (V) Grandezas elétricas mais comuns 1-Tensão (também chamada de diferença de potencial) Unidade:volt (V) 2-Corrente Fluxo de cargas elétricas que percorrem uma seção transversal por unidade de tempo Unidade:

Leia mais

Medidores de grandezas elétricas

Medidores de grandezas elétricas LEB 5030 Instrumentação e Automação para Sistemas Agrícolas Medidores de grandezas elétricas Prof. Dr. Rubens Tabile tabile@usp.br FZEA - USP INSTRUMENTOS ANALÓGICOS E DIGITAIS Instrumentos de medidas

Leia mais

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução 8aula Multiteste 43 8aula MULTITESTE Objetivo Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução O Multímetro básico permite fazer medidas de resistência elétrica, diferença de

Leia mais

Aparelhos de medidas elétricas

Aparelhos de medidas elétricas Aparelhos de medidas elétricas Os aparelhos de medidas elétricas são instrumentos que fornecem uma avaliação da grandeza elétrica, baseando-se em efeitos físicos causados por essa grandeza. Vários são

Leia mais

Medidas de campos magnéticos

Medidas de campos magnéticos INSTITUTO DE FISICA- UFBa Fev. 22 DEPARTAMENTO DE FÍSICA DO ESTADO SÓLIDO ESTRUTURA DA MATERIA I (FIS 11) Roteiro elaborado por Newton Oliveira e Iuri Pepe (Modificado em março de 23 por Ossamu Nakamura)

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 UNVERDADE DO ETADO DE ANTA CATARNA - UDEC CENTRO DE CÊNCA TECNOLÓGCA CCT DEARTAMENTO DE FÍCA DF FÍCA EXERMENTAL 3001 EXERÊNCA 11 TRANFORMADORE 1. OBJETVO 1.1. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE

FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE Laboratório 1 MEDIÇÃO DE PARÂMETROS ELÉTRICOS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE INTERIORES MEDIÇÃO DE PARÂMETROS ELÉTRICOS OBJETIVO: Medir parâmetros elétricos de tensão, corrente, potência,

Leia mais

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro

Ohmímetro, Amperímetro e Voltímetro PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DE GOIÁS ESCOL DE ENGENHRI Engenharia de Controle e utomação (Mecatrônica) Exper. 1 Ohmímetro, mperímetro e oltímetro Objetivo Realizar medidas de resistência, tensão e corrente

Leia mais

Noções básicas de circuitos elétricos simples e Lei de Ohm

Noções básicas de circuitos elétricos simples e Lei de Ohm Experimento 1 Noções básicas de circuitos elétricos simples e Lei de Ohm 1.1 Material multímetro digital; amperímetro; fonte de alimentação; resistores 10 kω e 2,2 kω. 1.2 Introdução Existem duas quantidades

Leia mais

Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro

Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro Galvanômetro - voltímetro, amperímetro e ohmímetro O galvanômetro é um aparelho que indica, através de um ponteiro, quando uma corrente elétrica de baixa intensidade passa através dele, ou seja, é um micro

Leia mais

REVISÃO DE MEDIDAS ELÉTRICAS

REVISÃO DE MEDIDAS ELÉTRICAS Amperímetros e Voltímetros DC EVSÃO DE MEDDAS ELÉCAS s m A + s m m m s, m ma, Nova Escala m V et + m V,, V Nova Escala AB m m et m ma AB m Ohmímetros. Ohmímetros Série 0 Malha : E ( + m + int ) E ( + )

Leia mais

Associação de resistores em série e em paralelo

Associação de resistores em série e em paralelo Aula Prática: Associação de resistores em série e em paralelo Introdução Suponha que você possua duas lâmpadas, cujas resistências elétricas sejam R 1 e R 2, e uma bateria cuja FEM (Força Eletro Motriz,

Leia mais

Linearidade e o Princípio da Superposição; Equivalente Thevenin e a Máxima Transferência de Potência

Linearidade e o Princípio da Superposição; Equivalente Thevenin e a Máxima Transferência de Potência NotasdeAula LabCircuitos1 2011/8/11 13:46 page 17 #25 LINEARIDADE E O PRINCÍPIO DA SUPERPOSIÇÃO; EQUIVALENTE THEVENIN E A MÁXIMA TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA 17 Linearidade e o Princípio da Superposição;

Leia mais

Fundamentos de Eletrônica

Fundamentos de Eletrônica 6872 - Fundamentos de Eletrônica Elvio J. Leonardo Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Bacharelado em Ciência da Computação 2014 Roteiro Revisão Matemática Função matemática, função

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA Experiência 03: Polaridade de transformadores monofásicos Objetivos: Obtenção

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VMA-1010

MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VMA-1010 MANUAL DE OPERAÇÃO MULTÍMETRO/ALICATE VMA-1010 1. INTRODUÇÃO Este multímetro tem uma alta sensibilidade (20kΩ/VDC - 9kΩ/VAC), e o galvanômetro é protegido através do uso de diodos. Este multímetro é um

Leia mais

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos.

Observação: É possível realizar o experimento com apenas um multímetro, entretanto, recomenda-se um multímetro por grupo de alunos. Lista de Materiais 1 multímetro. 4 pilhas de 1,5V. 2 resistores com resistências da mesma ordem de grandeza. Exemplo: R1 = 270 Ω e R2 = 560 Ω. Lâmpada com soquete com bulbo esférico (6,0V-500 ma). Resistor

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Exper. 4 Objetivo Associação de esistores dentificar em um circuito resistivo as associações serie, paralela e mista. Determinar a resistência equivalente entre dois pontos de um circuito elétrico resistivo,

Leia mais

LABORATÓRIO GALVANÔMETRO-2 1 VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO. 1 Publicado no Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 10, n. 2, ago

LABORATÓRIO GALVANÔMETRO-2 1 VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO. 1 Publicado no Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 10, n. 2, ago LABORATÓRIO GALVANÔMETRO-2 1 CASEIRO VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO Alfredo Müllen da Paz Colégio de Aplicação UFSC José de Pinho Alves Filho Departamento de Física UFSC Florianópolis SC I. Introdução No v.

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS Nome: Nota: LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDAS OBJETIVOS O objetivo deste experimento é orientar os alunos quanto à utilização correta de instrumentos de medidas elétricas,

Leia mais

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A MEASUREMENTS Medidas M-1102A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Experiência

Leia mais

TABELA INFORMATIVA. ITEM FUNÇÃO MATERIAL CARACTERÍSTICAS CARCAÇA Suporte mecânico Circuito Magnético. Ferro ou aço fundido

TABELA INFORMATIVA. ITEM FUNÇÃO MATERIAL CARACTERÍSTICAS CARCAÇA Suporte mecânico Circuito Magnético. Ferro ou aço fundido 1 ASSUNTO Nº 1 2 TABELA INFORMATIVA 3 ITEM FUNÇÃO MATERIAL CARACTERÍSTICAS CARCAÇA Suporte mecânico Circuito Magnético Ferro ou aço fundido Resistência mecânica, alta permeabilidade magnética POLOS BOBINAS

Leia mais

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA

ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA ELECTRÓNICA DE POTÊNCIA 2º TRABALHO DE LABORATÓRIO PARTE B CONVERSOR CA/CC MONOFÁSICO DE ONDA COMPLETA COMANDADO Rectificador de onda completa totalmente comandado e semicomandado GRUPO: TURNO: DIA: HORAS:

Leia mais

CÁLCULO EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UM VOLTÍMETRO EM UM CIRCUITO

CÁLCULO EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UM VOLTÍMETRO EM UM CIRCUITO CÁLCULO EXPERIMENTAL DA RESISTÊNCIA INTERNA DE UM VOLTÍMETRO EM UM CIRCUITO Caio Cesar Paz Coelho¹ Mário Henrique Gomes Pacheco² RESUMO: No uso de aparelhos de medição em circuitos elétricos (voltímetro,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 22 4.2 Experimento 2: Resistência e Resistores, Voltagem, Corrente e Lei de Ohm 4.2.1 Objetivos Fundamentar os conceitos de resistência e resistor. Conhecer o código de cores, utilizado para especificar

Leia mais

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm

Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Cap. 3 Resistência Elétrica e Lei de Ohm Instituto Federal Sul-rio-grandense Curso Técnico em Eletromecânica Disciplina de Eletricidade Básica Prof. Rodrigo Souza 3.1 Resistência Elétrica Resistência Elétrica

Leia mais

O CIRCUITO RC. Objetivo do Experimento: Investigar o processo de carga e de descarga de um capacitor.

O CIRCUITO RC. Objetivo do Experimento: Investigar o processo de carga e de descarga de um capacitor. O CIRCUITO RC Material utilizado: - Uma fonte de f.e.m. CC variável (0 30 V) - Um capacímetro (0 2 mf) - Um voltímetro (0 50 V, impedância de entrada de 1 MΩ) - Um ohmímetro (0 1 MΩ) - Uma chave Morse

Leia mais

Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 1 CIRCUITOS ELÉTRICOS SIMPLES

Grupo:... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência 1 CIRCUITOS ELÉTRICOS SIMPLES INSTITUTO DE FÍSICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Laboratório de Eletromagnetismo (4300373) 2º SEMESTRE DE 2012 Grupo:......... (nomes completos) Prof(a).:... Diurno ( ) Noturno ( ) Data : / / Experiência

Leia mais

Aula Prática 4 Caracterização de Dispositivos Eletrônicos

Aula Prática 4 Caracterização de Dispositivos Eletrônicos Aula Prática 4 Caracterização de Dispositivos Eletrônicos Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física CCA/UFES Estratégia:

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Resistência equivalente. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 4: Resistência equivalente. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplina: Circuito em Corrente Contínua Turma: AN1 Professor: Vinícius Secchin de Melo Roteiro para experiências de laboratório AULA 4: Resistência

Leia mais

MODELOS: MEDIDORES ANALÓGICOS PARA TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA

MODELOS: MEDIDORES ANALÓGICOS PARA TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA MEDIDORES ANALÓGICOS PARA TENSÃO E CORRENTE CONTÍNUA MODELOS: BRQ-72 BM-72 BM-65 BM-116 BMR-56 BM-55 BM-80 BRQ-96 BM-96 BM-86 BMR-48 BMR-65 BM-60 BMRP-55 www.anzo.com.br - contato@anzo.com.br 0 Modelo

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 300 EXPERIÊNCIA 6 TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA. OBJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com fontes de tensão (baterias) na condição de máxima transferência de potência para

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO setembro de 2015 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento 1. INTRODUÇÃO Este multímetro tem uma alta sensibilidade

Leia mais

PONTE DE WHEATSTONE Teoria e laboratório

PONTE DE WHEATSTONE Teoria e laboratório PONTE DE WHEATSTONE Teoria e laboratório OBJETIVOS: a) analisar o funcionamento de uma ponte de Wheatstone em equilíbrio; b) analisar o funcionamento de uma ponte de Wheatstone em desequilíbrio. INTRODUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 Eletricidade Básica UNIERSIDDE FEDERL DE SNT CTRIN DEPRTMENTO DE ENGENHRI ELÉTRIC EEL7011 Eletricidade Básica UL 04 EQUILENTE DE THÉENIN, NORTON E MEDIDS DE RESISTÊNCI 1 INTRODUÇÃO E OBJETIOS Nas aulas anteriores teve-se

Leia mais

LABORATÓRIO EDIFÍCIOS/PROJETOS/PROC. PRODUÇÃO ELETRO I EXPERIÊNCIA 3

LABORATÓRIO EDIFÍCIOS/PROJETOS/PROC. PRODUÇÃO ELETRO I EXPERIÊNCIA 3 TÍTULO: MULTÍMETRO II I - OBJETIVOS: a) Conhecimento do multímetro como instrumento para medida elétrica; b) Multímetro digital; c) Medida de tensão contínua (DC) e alternada (AC) com o multímetro digital

Leia mais

Experimento Prático N o 4

Experimento Prático N o 4 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Departamento de Engenharia Área de Eletricidade Experimento Prático N o Eletricidade para Engenharia Lei de Ohm e Potência Elétrica L A B O R A T Ó R I O D E E L E T R I

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de um Amperímetro Instituto Superior de Engenharia do Porto- Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida,

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 04 TEOREMAS DE THÉVENIN E NORTON

Roteiro-Relatório da Experiência N o 04 TEOREMAS DE THÉVENIN E NORTON Roteiro-Relatório da Experiência o 04 TEOREMS DE ÉVEI E ORTO 1. COMPOETES D EQUIPE: LUOS OT 1 2 3 Data: / / : hs 2. OJETIVOS: 2.1. Determinar experimentalmente os circuitos equivalentes de Thévenin e orton

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF COMPONENTES DA EQUPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LES DE KRCHHOFF ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: / / : h 1. OBJETVOS: Verificação experimental da Lei de Kirchhoff das Tensões e a Lei de Kirchhoff

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 ANÁLISE DE MALHAS E ANÁLISE NODAL

Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 ANÁLISE DE MALHAS E ANÁLISE NODAL COMPONENTES DA EQUIPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 03 ANÁLISE DE MALHAS E ANÁLISE NODAL ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: /_ /_ :_ h 1. OBJETIVOS: Verificação experimental de ciruitos mistos com três malhas

Leia mais

MEDIDAS DE RESISTÊNCIAS COM A PONTE DE WHEATSTONE

MEDIDAS DE RESISTÊNCIAS COM A PONTE DE WHEATSTONE EXPEIÊNCIA 03 MEDIDAS DE ESISTÊNCIAS COM A PONTE DE WHEATSTONE 1. OBJETIVOS a) Medir as resistências de resistores e de associações de resistores. b) Estabelecer experimentalmente a relação entre a resistência

Leia mais

1. Objectivos Verificação experimental de uma relação exponencial entre duas grandezas físicas. Fazer avaliações numéricas.

1. Objectivos Verificação experimental de uma relação exponencial entre duas grandezas físicas. Fazer avaliações numéricas. Ciências Experimentais P9: Carga e descarga do condensador 1. Objectivos Verificação experimental de uma relação exponencial entre duas grandezas físicas. Fazer avaliações numéricas. 2. Introdução O condensador

Leia mais

Eletricidade Aula 4. Leis de Kirchhoff

Eletricidade Aula 4. Leis de Kirchhoff Eletricidade Aula 4 Leis de Kirchhoff Fonte de Alimentação Vídeo 6 É um dispositivo capaz de fornecer energia elétrica para um circuito. A fonte de alimentação também pode ser chamada de gerador, e outras

Leia mais

6. CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

6. CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 6. CCUTOS DE COENTE CONTÍNUA 6. Força Electromotriz 6.2 esistências em Série e em Paralelo. 6.3 As egras de Kirchhoff 6.4 Circuitos C 6.5 nstrumentos Eléctricos Análise de circuitos simples que incluem

Leia mais

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA

Eletrodinâmica REVISÃO ENEM CORRENTE ELÉTRICA REVISÃO ENEM Eletrodinâmica CORRENTE ELÉTRICA Corrente elétrica em um condutor é o movimento ordenado de suas cargas livres devido a ação de um campo elétrico estabelecido no seu interior pela aplicação

Leia mais

ELETROMAGNETISMO. Quando uma corrente atravessa um condutor, gera em torno do mesmo um campo magnético.

ELETROMAGNETISMO. Quando uma corrente atravessa um condutor, gera em torno do mesmo um campo magnético. ELETROMAGNETISMO A relação entre o magnetismo e a corrente elétrica foi descoberta por H. C. Oersted (Hans Christian Ørsted), físico e químico dinamarquês (1777-1851). Quando uma corrente atravessa um

Leia mais

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchoff

Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchoff Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchoff. Objectivo: Aprender a medir tensões e correntes eléctricas com um oscioscopio e um multímetro digital. Conceito de resistência intema

Leia mais

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro

Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Experiência 1: Resistores, códigos de cores e ohmímetro Objetivos: - Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; - Utilizar o ohmímetro para as medidas de resistência elétrica. Teoria.

Leia mais

Resolução de circuitos série de corrente contínua

Resolução de circuitos série de corrente contínua capítulo 1 Resolução de circuitos série de corrente contínua A principal característica de um circuito série de corrente contínua (CC) é a maneira como suas partes componentes estão conectadas: eles formam

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF

Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LEIS DE KIRCHHOFF COMPONENTES DA EQUPE: Roteiro-Relatório da Experiência N o 02 LES DE KRCHHOFF ALUNOS NOTA 1 2 3 Data: / / : h 1. OBJETVOS: Verificação experimental da Lei de Kirchhoff das Tensões e a Lei de Kirchhoff

Leia mais

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita

Eletricidade Aplicada. Aulas Teóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Eletricidade Aplicada Aulas eóricas Professor: Jorge Andrés Cormane Angarita Análise da Potência Eletricidade Aplicada Introdução Existem duas formas de calcular a potência fornecida ou recebida por um

Leia mais

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT

FÍSICA GERAL E EXPERIMENTAL II PROF JOÃO RODRIGO ESCALARI ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSICA II GERADORES E LEI DE POULIETT FÍSIC GERL E EXPERIMENTL II PROF JOÃO RODRIGO ESCLRI - 2012 ESQ. - EXERCÍCIOS DE FÍSIC II GERDORES E LEI DE POULIETT 1. 4. figura representa um trecho de um circuito percorrido por uma corrente com intensidade

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV /9 Carga e Descarga de Capacitores Professor: Alunos: Turma: Data: / /20 : 2: 3: 4: 5:.. Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através

Leia mais

6. CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

6. CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 6. CCUTOS DE COENTE CONTÍNUA 6.. Força Electromotriz 6.2. esistências em Série e em Paralelo. 6.3. As egras de Kirchhoff 6.4. Circuitos C 6.5. nstrumentos Eléctricos Análise de circuitos simples que incluem

Leia mais

Notas de Aula ELETRICIDADE BÁSICA

Notas de Aula ELETRICIDADE BÁSICA Notas de ula ELETICIDDE ÁSIC Salvador, gosto de 2005. . Conceitos ásicos Fundamentais Estrutura tômica figura.0 é a representação esquemática de um átomo de ohr. Elétron () Núcleo( ou 0) Este átomo é composto

Leia mais

Introdução Noções básicas de circuitos elétricos simples

Introdução Noções básicas de circuitos elétricos simples Introdução Noções básicas de circuitos elétricos simples 1 OBJETIVO O objetivo desta aula é fazer a apresentação do curso e introduzir noções básicas relacionadas à medição de grandezas elétricas e à observação

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

O USO DO SIMULADOR PhET PARA O ENSINO DE ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES. Leonardo Dantas Vieira

O USO DO SIMULADOR PhET PARA O ENSINO DE ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES. Leonardo Dantas Vieira Universidade Federal de Goiás - Regional Catalão Instituto de Física e Química Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física O USO DO SIMULADOR PhET PARA

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO CIRCUITOS 1

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO CIRCUITOS 1 1. (Unesp 94) Por uma bateria de f.e.m. (E) e resistência interna desprezível, quando ligada a um pedaço de fio de comprimento Ø e resistência R, passa a corrente i (figura 1). Quando o pedaço de fio é

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Auto Transformador Monofásico

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Auto Transformador Monofásico Auto Transformador Monofásico Determinação do rendimento para a carga nominal Determinação do esquema equivalente reduzido ao primário Curva característica do rendimento η = f (S 2 ), para vários factores

Leia mais

MICROAMPERÍMETRO E MILIAMPERÍMETRO NO MESMO INSTRUMENTO *

MICROAMPERÍMETRO E MILIAMPERÍMETRO NO MESMO INSTRUMENTO * MICROAMPERÍMETRO E MILIAMPERÍMETRO NO MESMO INSTRUMENTO * José Carlos Xavier Eduardo Albane Haugonté Amanda Campos de Santana Departamento de Física UERJ Rio de Janeiro RJ Resumo Este trabalho propõe a

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO 1 LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE E MAGNETISMO (Laboratório criado pelo prof. Dr. Ivanor Nunes de Oliveira e desenvolvido sob sua orientação) Foto 1. Laboratório de Eletricidade e Magnetismo 2 Trabalho de

Leia mais

Projeto Transformadores

Projeto Transformadores Parte 0 Equipamentos e membros Projeto Transformadores Para esse experimento, precisaremos da seguinte lista de equipamentos: 1 gerador de sinais digital 1 transformador didático (desmontável) 2 galvanômetros

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA GERÊNCIA EDUCACIONAL DE ELETRÔNICA Fundamentos de Eletricidade LISTA DE EXERCÍCIOS 01 1) Um par de faróis de automóvel é ligado a uma bateria de

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 02 VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO DE CORRENTE CONTÍNUA 1 INTRODUÇÃO Na primeira aula

Leia mais

Laboratório de Ciências

Laboratório de Ciências Laboratório de Ciências 1º Aula CORRENTE ELÉTRICA MATERIAL A SER UTILIZADO: 1 conjunto para balanço de corrente com imã 1 aro de metal com agulha imantada (bússola) 1 fio de aço inox solução de bicarbonato

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 MEDIDA DE CORRENTE E DIFERENÇA DE POTENCIAL

EXPERIÊNCIA 1 MEDIDA DE CORRENTE E DIFERENÇA DE POTENCIAL EXPERIÊNCIA 1 MEDIDA DE CORRENTE E DIFERENÇA DE POTENCIAL I - OBJETIVO: Mostrar os princípios básicos da instrumentação para medidas da corrente e diferença de potencial. II - PARTE TEÓRICA: INTRODUÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FICHA DE COMPONENTE CURRICULAR CÓDIGO: COMPONENTE CURRICULAR: METROLOGIA E INSTRUMENTAÇÃO UNIDADE ACADÊMICA OFERTANTE: SIGLA: FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA FEELT CH

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS:

TELE - VENDAS: (0xx41) FAX GRÁTIS: TELE - ENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 PROA DE LÂMPADAS Testando a Lâmpada Com a lâmpada fora do soquete, encoste uma ponta de prova no encaixe e a outra ponta no pólo como é mostrado

Leia mais

Aula Prática 3: Determinação da Resistência elétrica em resistores

Aula Prática 3: Determinação da Resistência elétrica em resistores Aula Prática 3: Determinação da Resistência elétrica em resistores Introdução Resistores são componentes eletrônicos que oferecem certa dificuldade à passagem de corrente elétrica em um circuito. Devido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA DEPARAMENO DE ENGENHARIA ELÉRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 07 POÊNCIA MONOFÁSICA E FAOR DE POÊNCIA 1 INRODUÇÃO A análise de circuitos em corrente

Leia mais

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO

t RESOLUÇÃO COMECE DO BÁSICO t RESOLÇÃO COMECE DO BÁSICO SOLÇÃO CB. 01 Para ser resistor ôhmico o gráfico deve ser linear. Neste caso, a linearidade se observa no trecho BC. SOLÇÃO CB. 0 ' r '. i ( Equação 10 7 r'.4 4r 48 do receptor)

Leia mais

Roteiro para aula experimental

Roteiro para aula experimental Roteiro para aula experimental 4. Introdução aos circuitos de Corrente Contínua. Resistores lineares e não lineares. A lei de Ohm. Resumo Nesta aula prática vamos iniciar nosso estudo dos circuitos de

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA 1. RESISTORES EM SÉRIE E EM. Resistores em série: V = I.R1 + I.R2 = I.(R1 + R2) = I.Req, com Req = Ri

CORRENTE CONTÍNUA 1. RESISTORES EM SÉRIE E EM. Resistores em série: V = I.R1 + I.R2 = I.(R1 + R2) = I.Req, com Req = Ri 25 - CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 1. RESISTORES EM SÉRIE E EM PARALELO: Resistores em série: V = I.R1 + I.R2 = I.(R1 + R2) = I.Req, com Req = Ri 1 Solução: Primeiro se calcula a resistência equivalente

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento Informática Disciplina Sistemas de Instrumentação Engenharia de Sistemas e 1 Ano Curso Ano 2º Semestre Informática º Lectivo Aulas TeóricoPráticas Ficha de Trabalho N.º1 2005/2006 Título Conceitos

Leia mais

Experimento 1 Noções básicas de circuitos elétricos simples e Lei de Ohm

Experimento 1 Noções básicas de circuitos elétricos simples e Lei de Ohm Experimento 1 Noções básicas de circuitos elétricos simples e Lei de Ohm 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir noções básicas relacionadas à medição de grandezas elétricas e à observação de algumas

Leia mais

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR.

RESISTOR É O ELEMENTO DE CIRCUITO CUJA ÚNICA FUNÇÃO É CONVERTER A ENERGIA ELÉTRICA EM CALOR. Resistores A existência de uma estrutura cristalina nos condutores que a corrente elétrica percorre faz com que pelo menos uma parte da energia elétrica se transforme em energia na forma de calor, as partículas

Leia mais

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO

REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO ÍNDICE: PARTE I - O PROFISSIONAL DE REFRIGERAÇÃO E AR CONDICIONADO... PARTE II - FUNDAMENTOS... TIPOS DE CORRENTES ELÉTRICAS... CIRCUITOS ELÉTRICOS

Leia mais

Experimento 4. Resistência interna

Experimento 4. Resistência interna Experimento 4 Resistência interna Objetivos a - Determinar a resistência interna de uma fonte de tensão. b - Obter a curva característica para a fonte de tensão. c - Determinar a resistência da carga para

Leia mais