Imago mundi - a simbólica da figura do mundo Imago Mundi the symbolic of medieval figure of the world

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Imago mundi - a simbólica da figura do mundo Imago Mundi the symbolic of medieval figure of the world"

Transcrição

1 Imago mundi - a simbólica da figura do mundo Imago Mundi the symbolic of medieval figure of the world Noeli Dutra Rossatto * Adalberto Rossatto ** RESUMO: O presente estudo analisa três ícones referentes à imagem medieval do mundo: a Figura XV do Líber Figurarum de Joaquim de Fiore; o Pantocrator da arte românica e a Lâmina XXI das Cartas de Tarô. Inicialmente, toma-se a Figura XV - Rota in rotae - de Joaquim de Fiore, que simboliza o primeiro e segundo estado da história, confeccionada com base nas visões apocalípticas de Ezequiel e João. Mostra-se que ela está composta de uma esfera exterior maior e outra interior menor, representando respectivamente o Antigo e o Novo Testamento. Os dois círculos estão entrelaçados por quatro pequenas rodas de igual diâmetro, retratando os quatro animais das visões apocalípticas: o Touro, o Homem, o Leão e a Águia. Em um segundo momento, mostra-se que tal ícone, já estudado pelos filósofos judeus medievais, foi profusamente difundido e reproduzido na arte românica e posterior. Nesse sentido, passa-se a analisar a visão do Carro Celestial ou Trono Celeste (Ma asé Merkabá) da mística judaica, segundo Maimônides, em relação com o ícone referente à representação de Cristo Cósmico ou o Senhor Entronizado (o Pantocrator), em sua versão medieval. Por fim, analisa-se a Lâmina XXI (O Mundo), em uma das versões do Tarô de Marselha. A análise pretende comprovar que os três ícones, apesar de incorporarem uma rede de significados de distintos matizes, guardam uma estrutura significante que se mantém intocável em um percurso de longa duração, fazendo com que a imago mundi medieval seja a mesma antes da entrada definitiva de Aristóteles no Ocidente. ABSTRATC: The present essay establishes a parallel between three icons referent to medieval imagery of the world. At first, it is described de figura XV Rota in rotae by the abbot Joachim of Fiore ( ), which symbolizes the first and second states of the world, highlighting that it is composed of an outer, larger sphere, both representing respectively the Old and the New Testaments. The two larger wheels are intertwined by four small wheels of equal diameter that portray the four animals of Apocalypitic vision: the Bull, the Man, the Lion and the Eagle. On a second level, attempting to explicitate the joachite icon, the support of other sources with similar symbolic content is seeked, f.y. I: the vision of the Celestial Chariot or Celestial Throne (Ma asé Merkabá) from the, jewish mystique on the comment by Maiomonides; the icon referring to the Cosmic Chirst (the Panctocrator) in its medieval version, and the XXI, Card (The World) in one of the versions of the Tarot of Marseilles. Finally, it is seeked the indication that, even with different meanings, all of these iconic referents bring forth one only meaningful structure: the imago mundi withstanding in High Middle Ages. Palavras-chave: cosmologia, Maimônides, Joaquim de Fiore, hermenêutica simbólica, simbolismo, estética. Keywords: Cosmology, Kabala, Symbolism, Medieval Aesthetics, Neoplatonism. A Figura XV do Liber Figurarum O primeiro ícone a ser analisada é a Figura XV, do Liber Figurarum, atribuído a Joaquim de Fiore. 1 Esse livro, que foi escrito na primeira metade do século XIII, é uma das principais obras de teologia figurativa e simbólica do medievo; e mesmo não sendo uma obra autêntica do * Departamento de Filosofia - Universidade Federal de Santa Maria-RS (UFSM). Grupo de Pesquisa KAL (Universidade de Barcelona). Apoio Fapergs. ** Graduação em Filosofia e Educação Artística. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Professor da Faculdade FASCLA Santa Clara e Membro do Grupo de Pesquisa: Formação Cultural, Hermenêutica e Educação (UFSM). 1 Cf. Liber Figurarum. Il Libro delle Figure dell Abate Gioacchino da Fiore. 2 vols. Ed. Leone Tondelli, Marjorie Reeves e Beatrice Hirsch-Reich. Torino, 1953; REEVES, M. and HIRSCH-REICH, B. The «Figurae» of Joachim of Fiore. Oxford, At the Clarendon Press, 1972, 360pp.; OLIVERIO, Salvatori. Gioacchino: Abate di Fiore. A cura di Mariolina Bitonti. Testi schelti da Salvatore Oliverio. San Giovani in Fiore, Amministrazione Comunali di S. G. in Fiore/Centro Internazionale di Studi Gioachimiti, 1998, 79pp.

2 abade, posto que está datada em período posterior a sua morte, guarda perfeita sintonia com a sua doutrina, conforme assegura a literatura crítica mais recente. A Figura XV circunscreve a divisão dos períodos correspondentes ao Antigo e ao Novo Testamento. Inspira-se, de forma expressa, numa das visões do profeta Ezequiel que, segundo a tradição cristã, encontra seu paralelo em outra similar visão narrada no Apocalipse de São João. O profeta Ezequiel vislumbrara quatro formas viventes (tetramorfos), cada uma delas com quatro faces, que se assemelhavam a um Homem, um Boi (ou Touro), um Leão e uma Águia. Os quatro peculiares seres da visão do profeta estão postos ao lado de quatro rodas (rotae) que tocam a terra. Diz o texto que todas são de igual tamanho. Parecem de turquesa, e giram impelidas por um espírito de vida. E estão dispostas de tal forma que uma parece estar colocada dentro de outra. Daí procede à expressão latina: rota in medio rotae. Com base nessa figura construída a partir da visão de Ezequiel e do Apocalipse, Joaquim de Fiore estabelece a divisão da história referente aos dois testamentos, o lugar ocupado pela totalidade dos textos bíblicos e as principais chaves histórico-interpretativas dos mesmos. Possivelmente seguindo o que havia sido estabelecido outrora por São Jerônimo ( ) no Commentariorum in Ezechielem, (PL, 25), depois retomado por São Gregório Magno ( ), 2 no Homiliarum in Ezequielem (PL, 76), ao interpretar o texto de Ezequiel, o Abade Joaquim continua associando duas das rodas aos dois testamentos bíblicos, e cada animal a um dos quatro evangelistas. Entretanto, o conteúdo simbólico parece agora vir conformado a uma estrita base matemática. Tudo está organizado dentro de um esquema geometricamente demarcado, no qual aparece em um plano espacial uma roda de maior diâmetro circundando outra menor. Ambas estão entrelaçadas por quatro rodas de menor porte. Duas histórias gerais Com base na Figura XV, Joaquim de Fiore propõe duas grandes divisões da história, denominadas histórias gerais (generalis historia); e quatro pequenas histórias, chamadas especiais (especiales historia). Assim, ao Antigo e ao Novo Testamento correspondem igualmente cinco 2 Cf. JERÔNIMO. Commentariorum in Ezechielem prophetam livri quatuordecim, in: J.P. MIGNE. Patrologia Latina, XXV, p ; GREGÓRIO MAGNO. Homiliarum in Ezequielem prophetam libri duo, in: J.P. MIGNE. Patrologia Latina, LXXVI, p. 834.

3 partes, pois, com efeito, cada um dos dois testamentos engloba uma história geral e quatro especiais (confira a Figura XV). Isto é o ou o FIGURA I Figura XV do Liber Figurarum (s. XIII), atribuída a Joaquim de Fiore. 3 A roda exterior e de maior tamanho no ícone joaquimita simboliza a história do povo Hebreu, transcorrida ao longo do Antigo Testamento. Essa, conforme entende o abade, e coincide com o primeiro estado do mundo, o status paterno. De acordo com suas estimativas, o início deste estado foi com Adão e seu término está registrado nos relatos de Esdras e Neemias. A roda interna, um pouco menor, assinala a história do segundo estado do mundo, o status filial, cuja periodização começa em Ozias, tem seu auge no período em que vive Jesus, estendendo-se no decurso da História da Igreja até o período em que Joaquim escrevia sua obra (última década do século XII). O final desse estado estava previsto para a segunda geração do século XIII, aproximadamente o ano 1260, período de frutificação do estado espiritual. 3 De acordo com a obra de OLIVERIO, 1998, p.67.

4 A respeito dessa segunda roda, deve-se ainda destacar dois aspectos importantes, ambos derivados da composição da Figura XV. Trata-se de notar, em um sentido, que a segunda roda não aporta o mesmo diâmetro da primeira, que é a mais externa na figura. Isso se deve a que a faixa histórica por ela demarcada ainda não se havia cumprido plenamente quando o abade escrevia seus textos. Por isso, quando a faixa de tempo ausente, que corresponde ao final do segundo estado, for realizada de fato (isto é: historicamente), a segunda roda deverá ser alargada até alcançar o mesmo diâmetro da primeira. Tal constatação decorre do fato de que as duas histórias se repetem e que, por isso, ao fim e ao cabo, as duas rodas não poderão ter diferente representação gráfica. Em segundo lugar, cabe assinalar que a roda menor, que simboliza o segundo estado, diferentemente daquela referente ao primeiro, não possui uma escritura bíblica que a relate por inteiro de modo histórico-narrativo. Sendo assim, parte da história relativa ao segundo estado já estava registrada de forma literal nos livros do Novo Testamento. A outra parte, dado que ainda não se havia realizado quando esses livros foram escritos, estava escrita de maneira simbólica, cifrada ou enigmática nas páginas do Apocalipse de João. O Apocalipse, deste modo, ganha uma função específica e um lugar bem definido dentro da História da Igreja, pois, este livro trará selada a história compreendida desde os primórdios da igreja até o século XII. Naquele momento, segundo a interpretação do abade, presenciavam-se as últimas gerações da Era do Filho. O Apocalipse de João, portanto, de modo distinto dos textos históricos propriamente ditos, fora escrito com palavras místicas, figuradas ou proféticas, visto que descrevia fatos a ocorrer em um futuro próximo. Esse livro corresponderia justamente ao interstício de tempo e espaço que faltava para que a segunda roda (estado filial) alcançasse o mesmo diâmetro da primeira (estado paterno). Quatro histórias especiais As quatro histórias especiais, representadas pelas quatro rodas pequenas na citada figura, indicam que cada um dos dois testamentos contém quatro pequenas histórias que combinam entre si. São elas: no Antigo Testamento Tobias, Jó, Judite e Ester; no Novo Testamento Lucas, Mateus, Marcos e João. A correspondência entre elas se dá em conformidade com a ordenação seguida acima. Também, há uma estrita combinação com os quatros seres viventes das visões

5 apocalípticas, assim distribuídas segundo a mesma seqüência anterior: Touro, Homem, Leão e Águia. Na figura joaquimita, cada um dos quatro animais está relacionado a um dos sentidos da leitura medieval da escritura (lectio historiae). Devido a isso, entende-se que ao mesmo em que ela é a figura do mundo, também é a figura hermenêutica que contém os tradicionais quatro sentidos da escritura (aos quais se acresce mais um), capazes de decifrar o próprio mundo. O Touro corresponde à inteligência histórica; o Homem, à inteligência moral; o Leão, à inteligência tipológica; e a Águia, às inteligências anagógica e contemplativa. Do mesmo modo, cada um deles corresponde, respectivamente, às seguintes virtudes: paciência, humildade, fé e esperança. Em sua Introdução ao Apocalipse, o abade também associará os quatro animais a quatro grupos especiais de pessoas: o Boi significa a ordem dos mártires, o Homem a dos doutores, o Leão a dos apóstolos e a Águia a dos contemplativos. 4 Por fim, nota-se ainda que a Figura XV aporta a estrutura básica que conforma a totalidade da história escrita ou ainda por escrever, referente aos dois primeiros estados do mundo. Disso resulta que essas duas histórias da humanidade estão igualmente narradas nos textos bíblicos, salvo que a primeira está narrada de forma literal; e a segunda apresenta uma parte escrita com palavras históricas e a outra por meio de palavras cifradas, seladas ou proféticas. De acordo com essa divisão, não será difícil descobrir que, decorrido o período relativo ao segundo estado, as duas rodas maiores deverão necessariamente coincidir, posto que os dois testamentos ou os dois estados do mundo, ao final, perfazem uma perfeita paridade histórica em termos de gerações transcorridas. Além disso, deve-se ainda antever que o diagrama da totalidade da história tão somente será completo quando se agregar uma terceira roda: aquela que indicará o terceiro estado da história, o status do Espírito. Porém, é necessário considerar que, desde uma perspectiva que se preocupe na hermenêutica das escrituras, não haveria necessidade de agregar aqui uma terceira roda, tendo em vista que o terceiro período não terá propriamente uma escritura que careça de interpretação. O terceiro estado será um momento em que não mais existirão as palavras históricas e as palavras místicas, pois haverá apenas o verbo interior, isto é, uma palavra sem letra gravada diretamente no espírito. 4 Veja-se JOAQUIM DE FIORE. Introdução ao Apocalipse. Tradução e notas de Noeli Dutra Rossatto. In: VERITAS. v. 47, n. 3, Porto Alegre, Setembro de 2002, p

6 Na tentativa de compreender a riqueza semiótica e hermenêutica evocada pela figura joaquimita da Rota in Rotae, busca-se, na seqüência, alguns referentes iconográficos paralelos que, na tradição mística ou esotérica, remetem à mesma estrutura simbólica evocada pelo abade. Assim, em um momento, buscar-se-ão, elementos explicativos na visão do Carro Celestial ou Trono Celeste (Ma asé Merkabá) da mística judaica, segundo a ótica de Maimônides; em outro, analizar-se-á ícone referente a Cristo Cósmico ou o Senhor Entronizado (o Pantocrator), em sua versão medieval, e a lâmina XXI (o Mundo), em uma das versões do Tarô de Marselha. Ma asé Merkabá e a mística judaica Constata o grande estudioso da mística judaica Gerson Scholen que, desde os primórdios do judaísmo já se ensinava uma doutrina esotérica nos círculos fariseus, na qual o primeiro capítulo do Gênesis - o Relato da Criação (Ma asé Bereshit) - e o primeiro capítulo de Ezequiel - a visão do Trono de Deus ou o Relato do Carro Celestial (Ma asé Merkabá) -, eram os temas favoritos para discussão e interpretação. 5 Não obstante, mesmo sendo temas reincidentes nos círculos judaicos, pouco ou nada se sabe com certeza a respeito dos mesmos. As dificuldades são imensas quando se quer estabelecer o que realmente era discutido e em que, com efeito, consiste tal mística. A respeito disso já advertia Moisés ben Maimón (Maimônides, ), ao iniciar o terceiro tomo do seu Guia dos perplexos (Moré nebujim), escrito originalmente em árabe com caracteres hebraicos, por volta de O grande filósofo medieval sublinha que o Ma asé Bereshit e o Ma asé Merkabá faziam parte dos segredos da Lei. 6 E a propósito de quem não preservava esses segredos, ele lembrava: Sabes quanto censuram os doutores a quem os revela; até dizem claramente que quem esconde os segredos da lei, claros e manifestos para os especulativos, terá uma grande recompensa. 7 Assim, pois, fica claro de saída que, na tradição mística judaica, o Ma asé Merkabá é profundo e inacessível aos espíritos não iniciados. E mais: fica posto que, segundo os preceitos judaicos, aquilo que é claro para os iniciados não pode ser ensinado a não ser os primeiros elementos, a viva voz e dirigindo-se a um só indivíduo que, a 5 Cf. SCHOLEM, G. Las grandes tendencias de la mística judía. (Tít. orig. Major trends in jewish mysticism, 1941), Trad. Beatriz Oberländer. Madrid, Siruela, 1996, p. 65ss. 6 MAIMÓNIDES. Guia de los perplejos. Versión de León Dujovne. Prólogo de Angelina Muñiz. México, Conselho Nacional para la Cultura y las Artes, 1993, T. III, p. 21. Ver também: id. ibid. T. I, introdución; T. II, cap. II; T. III, caps. I a VIII. 7 MAIMÓNIDES. ibid. T. III, p. 21.

7 rigor, já conseguiria aprender por conta própria. 8 Em suma, com observa conclusivamente Maimônides: Por essa razão, esta ciência encontra-se inteiramente extinta entre nós, de modo que não se tem nem muito nem pouco dela. E, com efeito, devia ser assim, pois ela só é transmitida por tradição, de um doutor a outro, e jamais foi escrita. 9 Tendo em vista os limites derivados do acima exposto, o presente estudo dedica-se a apontar, junto com Maimônides que é uma fonte medieval segura, alguns dos possíveis significados por ele sugeridos ao longo do seu Guia dos Perplexos. Segundo escreve, das duas visões de Ezequiel, três percepções parecem certas: a) a das quatro figuras animais ou bestas (jayot), que significam as esferas celestes; b) a das quatro rodas (ofanim) ou esferas (galgalim) que estão associadas aos quatro elementos; e c) a dos seres superiores que estão acima das esferas, o jashmal (brilho de ouro Ez 1,27). Para alguns comentadores judeus, essa terceira percepção - que não é a do Eterno, mas apenas a do seu trono de glória, é a que realmente só pode ser ensinada em seus primeiros elementos. Maimônides parece adotar essa perspectiva em sua exposição Quatro jayot Ao tratar da primeira visão de Ezequiel (Ez 1), na qual aparecem os quatro rostos atribuídos a quatro jayot (bestas), Maimônides se inclina a defender a hipótese que afirma que essas bestas representam quatro figuras humanas. Ele se ampara na constatação de que muitas faces humanas apresentam formas similares ao semblante de alguns animais. Não é difícil encontrar, segundo ele, pessoas que se parecem a um leão ou a um boi. Observa, na seqüência, que é com base nisso que os homens recebem apelidos. Deste modo, infere que, segundo o texto do profeta, a cabeça de touro do lado esquerdo, a cabeça de leão do lado direito e a cabeça de águia não designam outra coisa que um rosto humano. Ele agrega duas provas com base na exegese simbólica do texto profético. Primeiramente, argumenta de acordo com o relato da primeira visão. Nota que, depois de haver enumerado as figuras de animais (jayot) em geral, Ezequiel acrescenta a seguinte observação (Ez 1,10): Quanto à forma das faces, tinham rosto humano... De acordo com isso, 8 Cf. Id. Ib., T. III, p Id. Ib., T. III, p. 22.

8 Maimônides sugere que todas elas se referiam a figuras humanas. E, em segundo lugar, aduz uma prova decorrente de um comentário pontual da segunda visão de Ezequiel, que afirma o seguinte (Ez 10,14): Cada um tinha quatro faces, a primeira era de querubim, a segunda face era de homem, a terceira era de leão e a quarta face era de águia. Aqui, apesar de não haver uma explicação contundente manifesta, Maimônides parece querer resolver precipuamente o problema proveniente da incongruência entre os dois relados das visões de Ezequiel, posto que, na primeira, o profeta enumera um touro ou boi e, na segunda, em seu lugar, refere-se a um querubim. O filósofo andaluz faz duas observações a propósito. Por um lado, diz que a palavra hebréia kerub (querubim) designa um homem de pouca idade. De encontro a isso, acrescenta, por outro lado, que a omissão da expressão face de boi, pode ter sido para chamar a atenção a uma certa etimologia do termo hebraico boi. Posto que Maimônides não explicita mais nada a respeito, alguns intérpretes entendem que ele estaria aqui se reportando ao radical hebraico da palavra boi, que contém a idéia de contemplação, encontrada apenas entre os humanos. 10 Portanto, nos dois casos, para Maimônides, o profeta Ezequiel estaria evocando simbolicamente figuras humanas. Deste modo, estaria equiparando os significantes animais a significados humanos, pois, de qualquer forma, em última instância, as faces de touro, leão, águia e homem (ou querubim) indicariam figuras humanas. E, sendo assim, resulta reforçada a hipótese de que as quatro bestas (jayot) representam quatro tipos humanos. Tal interpretação vai de encontro à representação iconográfica egípcia dos quatro filhos de Horus, a saber: Amsef = figura humana; Hapy = um cinocéfalo; Duamuetef = um chacal; Quebehsenuf = um falcão. Todos eles eram personagens humanos que utilizavam uma máscara ritual em que figurava um desses animais. Deste modo, fica aberto o caminho para que o filósofo andaluz argumente que os quatro animais, enquanto quatro figuras humanas, estão relacionados às esferas celestes. As cabeças e as asas representam as causas dos movimentos dessas esferas. Entre essas causas, três seriam inerentes a cada esfera, a saber, sua forma esférica, sua alma e seu intelecto. A quarta causa é a inteligência superior que, como inteligência separada, é objeto de desejo das esferas. Ao que parece, Maimônides encontra em Ezequiel respaldo para reafirmar as principais doutrinas cosmológicas dos peripatéticos árabes, o que lhe autoriza dizer que, cada uma das quatro faces das 10 Id.Ib. T. III, p. 26 e 27, e em especial a nota n. 7 da p. 27.

9 figuras animalescas representa as esferas celestes: a da Lua, a do Sol, aquela dos cinco planetas e a dos três céus (firmamento, empírio e cristalino) Quatro ofanim ou galgalim Maimônides também estabelece uma diferença entre as quatro bestas (jayot) e as quatro rodas (ofanim). Faz ver que as quatro rodas eram compostas umas com as outras, como diz textualmente Ezequiel (Ez 1,16): seu aspecto e sua maneira era como se uma roda (ofan) se encontrasse no interior de outra. Essa expressão sublinha o filósofo, não foi utilizada para falar das bestas (joyat), pois, ao referi-las, o profeta não se serve das palavras no interior, mas, de modo diverso, afirma que elas estavam umas aplicadas às outras. Assim, conclui: as rodas estão compostas umas com as outras, porém, as bestas estão ligadas umas às outras. 11 Dois aspectos ainda serão realçados no Guia dos Perplexos a propósito das rodas (ofanim): um diz respeito à forma, outro ao movimento. No que se refere à forma, Maimônides segue o texto bíblico que diz: O aspecto das rodas (ofanim) e a sua forma eram como a cor de crisólito (tarshist), e as quatro tinham a mesma aparência (Ez 1,16). De acordo com esta passagem, ele aceita que elas tinham a mesma forma, figura ou semelhança; e que, ademais, apresentavam a cor do céu. Em relação ao movimento, entende que elas não possuíam movimento próprio, mas eram movidas do exterior. Maimônides associa as quatro rodas aos quatro elementos, entendendo que o movimento das mesmas, conforme refere o texto profético, advém de uma causa exterior a elas, ou seja, do movimento das esferas celestes. Desse modo, os quatro elementos, representados pelas rodas, estariam subordinados às esferas celestes e delas dependeriam quanto ao movimento. Por fim, cabe mencionar que, em apoio a essa argumentação, Maimônides refutará a opinião de Jonatan bem Uziel que, com base na referência bíblica que dizia que as rodas (ofanim) eram esféricas (galgal), afirmava que as mesmas faziam alusão aos céus ou esferas celestes. Essa afirmação de Uziel se amparava, sobretudo no texto de Ezequiel que dizia ser as rodas de cor de Tarshirsh, cor que se atribui ao céu. De outro modo, na interpretação de Maimônides, galgal aqui não indica a idéia de céu mas de giro, como se lê em outros textos bíblicos (Je 51,25 e Gn 29,10). Assim conclui: os céus são chamados galgalim porque são redondos ou esféricos. Desse modo, a intenção de Ezequiel, com efeito, não era a de indicar em momento algum as esferas 11 Cf. id. ib. t. III, p. 33ss.

10 celestes, mas de fazer que se conhecesse a figura esférica do céu. Para o filósofo judeu espanhol, de acordo com isso, deve-se entender, por conseguinte que as quatro rodas de Ezequiel são os quatro elementos, igualmente enunciados pelos vocábulos hebraicos ofanim e galgalim, e não as esferas celestes, como queria Jonatan ben Uziel. 3. O Pantocrator românico Um dos ícones mais difundidos em uma faixa de tempo que vai do século VIII ao XIII, proveniente da arte bizantina da Capadócia, é o de Cristo Senhor entronizado (Maiestas domini), também chamado de Cristo cósmico ou Pantocrator. Como o próprio nome indica, parece não haver dúvida de que os remanescentes desse ícone remontam à mística judaica do Relato do Carro Celestial ou Trono divino (Ma asé Merkabá), baseada no livro de Ezequiel. Não obstante, junto ao texto de Ezequiel, também entrará em cena o Apocalipse de João. Prova disso é que esse ícone não estará gravado apenas nas portas das igrejas ou pintado em suas naves, mas, sobretudo nas iluminuras que ilustram os comentários ao Apocalipse, tão profusamente difundidos na Idade Média, particularmente entre os séculos IX e XII. Na seqüência, serão analisadas duas miniaturas que compõem versões diferentes do mesmo tema em distintos códices do conhecido Comentário ao Apocalipse, do Beato de Liébena. Ambas as miniaturas têm por tema a visão de Deus entronizado ou a visão do cordeiro e os tetramorfos ou quatro animais. Esse comentário ao Apocalipse está datado na segunda metade do século VIII e foi escrito por um personagem que viveu em Liébena (Cantábria, Espanha). A primeira miniatura (Figura II) provém do códice do Monastério Cisterciense de San Andrés de Arroyo, copiado entre , nesse mosteiro feminino (caso único) de Palência (Espanha). 12 A segunda (Figura III), procede do Comentário ao Apocalipse, segundo o códice de Fernando I e Doña Sancha, que é uma cópia de 1047, feita por Facundo, em Leão (Espanha), a pedido do rei BEATO DE LIÉBENA. Códice del monasterio cisterciense de San Andrés de Arroyo. Barcelona, Moleiro Editor, BEATO DE LIÉBENA. Comentarios al Apocalipsis. Miniaturas del Beato de Liébena, códice de Fernando I y Doña Sancha. Barcelona, Moleiro Editor, 1995.

11 Figura II Tomadas em seu conjunto, as duas miniaturas apresentam uma composição circular que procura obedecer às regras da rígida simetria, sem esquecer evidentemente o texto apocalíptico. Não obstante, é preciso notar que apenas a miniatura do século XI, do códice de Fernando I e doña Sancha, parece seguir a esse rígido padrão estético. A miniatura datada no século XIII, por sua vez, bem mais pobre esteticamente, já não guardará esse perfeito equilíbrio de formas proporcionais, aspecto que se observa especialmente na posição assimétrica dos quatro animais, das quatro rodas e dos doze anciãos. As rodas, além de não estarem delineadas de acordo com uma linha vertical e outra horizontal, aludem tão somente motivos decorativos. Além disso, as mesmas não se encontram subdivididas internamente em quatro partes, por meio de linhas onduladas, que davam a impressão de um giro virtual. Diversamente, isso só se observa na miniatura de 1047, e é comum encontrar-se nos exemplares mais antigos, em sintonia com as descrições veterotestamentárias. Os animais, por seu turno, não seguem uma rigorosa ordenação em sentido vertical e horizontal, aspecto observado mais precisamente na posição ocupada pelo touro, que aparece deslocado a uma posição que se confunde com a da águia, dando lugar à figura central de Cristo entronizado. Outrossim, na miniatura de , os anciãos perfazem um número de nove e não de doze, como prescreve o simbolismo apocalíptico de João. Tal incidência não ocorre no diagrama do século XI, em que os anciãos guardam o número indicado pelo Apocalipse e, além disso, estão

12 distribuídos por pares numa textura simétrica, o que pode ser notado tanto na posição espacial (dois a dois) quanto na coloração das vestes (preto-amarelo ou preto-vermelho). Figura III O círculo maior, em ambas as representações iconográficas, assim como em muitas outras similares da arte românica, vem sustentado igualmente por quatro anjos. A majestade divina, por sua vez, figura na parte superior em meio aos dois círculos, e não no centro do diagrama, como normalmente consta nessa tradição iconográfica. Ainda se trata, por certo, de uma visão cósmica, pois o anel maior que envolve o conjunto se anima com a presença de estrelas brancas, se bem que, novamente, a miniatura mais antiga mantém o número nada casual de vinte e quatro estrelas, enquanto que a mais recente não guarda uma cifra determinada simbolicamente. Os seres teriomórficos, que se encontram nos dois eixos (vertical e horizontal) da miniatura, estão representados com aspecto em parte humano (corpo), em parte angélico (asas) e, em parte animal (cabeça). Esses elementos mostram uma compreensão paralela à de Maimônides que, como foi aludido anteriormente, estabeleceu a equivalência entre as representações humanas,

13 animal e divina. O centro da figura circular ou oval, em outras representações ocupadas por Cristo entronizado, aqui, nos dois casos, dará lugar a um cordeiro. Em ambas as miniaturas, no entanto, o cordeiro não cumpre as condições monstruosas exigidas pelo texto apocalíptico, isto é, sete olhos e sete cabeças, embora a presença de chifres no exemplar do século XIII o diferencie dos mais ternos exemplares dos períodos anteriores. 4. Arcano XXI do Tarô: O Mundo Segundo alguns autores, o próprio nome Tarô já traz consigo implicada uma alusão direta à Roda de Ezequiel. Alphonse Louis Constante (Paris, 1810), mais conhecido por Eliphas Levi, tradução hebréia de seu nome, seguindo de perto o que havia sido estabelecido pela obra de Guilherme Postel, dirá que esta relação se revela especialmente na distribuição das letras da palavra TARO, segundo o organograma reproduzido abaixo: 14 T O A R As letras, desse modo agrupadas, quando lidas em movimento horário, sugerem a palavra ROTA (roda em latim), que seria uma alusão à Roda de Ezequiel. De acordo com isso, sugere-se ainda que essa palavra está formada pelos caracteres do monogramo de Cristo (CHRISTO), segundo a tradição grega e latina, em que a letra R latina ( rhô grega) se encontra em meio às letras A (Alfa) e a O (Omega), isto é, o Princípio e o Fim, conforme assinala o Apocalipse de João. Por fim, a letra T (isto é: a táu sagrada), que é a última letra do alfabeto hebraico, encerraria a palavra. 14 Cf. SALAS, Emilio. El gran libro del Tarot. Barcelona, Ediciones Robinbook, 1992, p. 46ss.

14 Não obstante, o Arcano XXI do Tarô, apresentado em diversas versões da mesma carta denominada O MUNDO, é o que parece traduzir com maior fidelidade a simbologia persistente na mística judaico-cristã. Descreve-se, a seguir, algumas versões dessa carta. O Arcano XXI, nas cartas do Tarô de Visconti-Sforza (Milão, s. XV), de Carlos VI (Veneza, s. XV), de D Este e de Minchiate trazem um mesmo organograma composto por figuras de anjos que, em alguns casos, sustentam com as mãos e, em outros, apóiam os pés em um globo. Em geral, visualizam-se os quatro elementos: Terra, Fogo, Água e Ar. Não obstante, são as cartas do Tarô de Wirth e de Waite apresentam de forma mais clara, o conteúdo simbólico proveniente da visão de Ezequiel. Figura IV Nestas cartas, observa-se o modo similar de concepção espacial seguido pelas diferentes representações da arte românica, em que aparecem os quatro animais distribuídos simetricamente nos quatro ângulos da figura. No ângulo superior da esquerda, sobre uma nuvem, aparece um Anjo vestido de azul e branco, com asas e auréola avermelhada, o rosto rosado e o cabelo dourado. Ele vem associado ao elemento Água e ao Evangelho de Mateus, isto é, à compreensão moral. Paralelamente, no ângulo superior da direita, tem-se uma Águia de corpo dourado, asas azuis e auréola vermelha que, como o Anjo, se sustenta em uma nuvem branca. É o animal do

15 Evangelista João, representa o elemento Ar e a sabedoria que vem do alto através da inteligência anagógica ou contemplativa. Na parte inferior da lâmina, figuram o Leão e o Touro (ou Boi e, algumas vezes, Cavalo). O Leão, que é o animal de Marcos, postado no ângulo direito da figura, vem normalmente aureolado em vermelho ou amarelo, pois simboliza o Fogo. Por sua vez, o Touro, ligado ao elemento Terra e ao Evangelho de Lucas, é o único que normalmente carece de auréola, haja vista que, a rigor, por ele representar um elemento inferior, não traria ainda a luz espiritual. Além de permanecer aqui retratado o elemento quaternário das forças espirituais em perfeito equilíbrio, conforme sugerem os quatro ângulos da imagem, o núcleo do Arcano XXI também apresentará uma tradicional composição formal: há um círculo ou coroa central que contorna uma figura situada entre os domínios do humano e do divino. Contudo, é preciso advertir que a imagem de Cristo entronizado, que antes ocupava o centro do diagrama (e que ainda ocupará no Tarô de Jacques Vievil, de 1643), vai sendo aos poucos substituída por uma figura humana (feminina nas cartas de Jean Noblet, s. XVII), que culminará na familiar figura do Tarô de Marselha. Nesse último, a figura humana possui rosto e cabelos de homem e seios de mulher, sendo bastante plausível que queira representar um hermafrodita, isto é, a perfeita união entre o masculino e o feminino, o humano antes do pecado original, símbolo da natureza humana em sua totalidade ou síntese entre os dois entes. Do mesmo modo, não se pode deixar de assinalar que o Arcano XXI parece manter estrita relação com a doutrina neoplatônica que afirma ter o artífice supremo criado o universo mediante vinte e uma emanações. Assim, o último arcano maior do Tarô - O MUNDO - é a lâmina que indica a última esfera que dimana da divindade. Não é por acaso que aqui se tem outro ponto comum com o sistema joaquimita, pois, como já foi apontado anteriormente, o abade também lançará mão do número vinte e um, que, como uma cifra limite, estabelece uma igual divisão triádica em cada um dos três círculos ou estados do mundo, a saber, o do Pai, o do Filho e do Espírito Santo. Em suma, essa quase fiel retransmissão desses elementos simbólicos não nos pode iludir quando um aspecto fundamental: o centro da figura, antes ocupada por Cristo entronizado, representando a união entre o divino e humano, dará agora lugar a uma figura humana. Tem-se aí refletido um dos traços centrais da mentalidade dominante no humanismo renascentista, período em que foi impressa a maioria das lâminas do Tarô. Ao que parece, as cartas dos Tarôs, assim

16 como a iconografia românica em geral, continuam a desempenhar uma função de medium entre dois mundos: o Mundo das Formas (ou Idéias) e o Mundo Sensível (das Sombras). O estético figuraria aqui como um elemento mediador - que, às vezes, desempenha apenas uma função pedagógica -, entre o mundo das puras formas intelectuais e o inferior mundo das sombras. No Renascimento, as cartas do Tarô também parecem assumir um papel educativo, pois, essas lâminas ou carticellas (figurinhas), segundo afirmam alguns, foram utilizadas como recurso didático que ajudava a introduzir os jovens no conhecimento das virtudes. Porém, se a iconografia medieval tinha fundamentalmente o caráter de elevar o espírito em direção da contemplação do divino, agora a mediação iconográfica, assim como toda mediação teórica, converte-se em serva da pura operatividade técnica. Imbuído de um hermetismo mágicoesotérico, o saber teórico como um todo será também transformado em um arcano dominado por um reduzido e seleto grupo de poucos especialistas iniciados, os quais visam descobrir e manipular os secretos e mágicos poderes da natura naturans e da natureza humana. Diferentemente do mundo medieval, o sábio renascentista agora não visa mais alcançar a contemplação pela via teórica, mas objetiva habilitar uma atividade técnica eficaz porque produtiva, posto que tem eficiência produtiva. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEATO DE LIÉBENA. Códice del monasterio cisterciense de San Andrés de Arroyo. Barcelona, Moleiro Editor, Comentarios al Apocalipsis. Miniaturas del Beato de Liébena, códice de Fernando I y Doña Sancha. Barcelona. Barcelona, Moleiro Editor, GREGÓRIO MAGNO. Homiliarum in Ezequielem. In: J.P. MIGNE. Patrologia Latina, LXXVI. JERÔNIMO. Commentariorum in Ezechielem. In: J.P. MIGNE. Patrologia Latina, XXV. JOAQUIM DE FIORE. Introdução ao Apocalipse. ROSSATTO D. Noeli, In: VERITAS. Porto Alegre, v. 47, n. 3, Liber Figurarum. Il Libro delle Figure dell Abate Gioacchino da Fiore. Ed. Leone Tondelli, Marjorie Reeves e Beatrice Hirsch-Reich. Torino, 1953; REEVES, M. and HIRSCH-REICH, B. The «Figurae» of Joachim of Fiore. Oxford, At the Clarendon Press, MAIMÓNIDES. Guia de los Perplejos. Versión de León Dujovne. México, Conselho Nacional Para la Cultura y las Artes, T. III, 1993, OLIVERIO, Salvatori. Gioacchino. Abate di Fiore. A cura di Mariolina Bitonti. Testi schelti da Salvatore Oliverio. San Giovani in Fiore, Amministrazione Comunali di S. G. in Fiore/Centro Internazionale di Studi Gioachimiti, SCHOLEM, G. Las Grandes Tendencias de la Mística Judía. Madrid, Siruela, SALAS, Emilio. El gran libro del Tarot. Barcelona, Ediciones Robinbook, 1992.

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento

Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento Introdução à Bíblia e ao Novo Testamento A palavra Bíblia deriva do grego: ta biblía; plural de: ton biblíon. E significa "livros" Logo descobrimos que a Bíblia é uma coleção de livros! Nós, cristãos,

Leia mais

Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é:

Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é: Aula 1 18/02/2015 Deus criou o universo do nada! E o ponto de partida é: No principio, criou Deus os céus e a terra (Gn 1.1) O verbo hebraico bãrã, criou, denota o conceito de iniciar alguma coisa nova.

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa A SAGRADA ESCRITURA Por Marcelo Rodolfo da Costa A palavra bíblia é de origem grega do termo "biblion" que no plural significa "livros". Logo a bíblia é uma coleção de livros. Ela surge no meio de um oriente,

Leia mais

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO.

O CÂNON Sagrado compreende 46 Livros no ANTIGO TESTAMENTO e 27 Livros no NOVO TESTAMENTO. Ao contrário do que parece à primeira vista, a Bíblia não é um livro único e independente, mas uma coleção de 73 livros, uma mini biblioteca que destaca o a aliança e plano de salvação de Deus para com

Leia mais

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula Base bíblica: João 3.1-23 Texto áureo: Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (João 3.5). Preparando a aula Ore

Leia mais

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b)

PARÓQUIA NOSSA SENHORA APARECIDA e SÃO LOURENÇO Em obediência à vossa palavra, lançarei as redes (Lc 5,5b) Evangelho A palavra Evangelho significa: Boas Novas. Portando, não temos quatro evangelhos, mas quatro evangelistas que escreveram, cada um, conforme sua visão, as boas-novas de salvação, acerca do Senhor

Leia mais

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia

LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia LIÇÃO 2 Informação Básica Sobre a Bíblia A Bíblia é um livro para todo a espécie de pessoas novos e idosos, cultos e ignorantes, ricos e pobres. É um guia espiritual para ensinar as pessoas como ser-se

Leia mais

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante

Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Diferença entre a Bíblia Católica e a Protestante Hugo Goes A Bíblia é formada por duas partes: o Antigo Testamento e o Novo Testamento. Em relação ao Novo Testamento, não há nenhuma diferença entre a

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam Lição 1 Leis no tempo de Cristo Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam 2) Lei Civil do A.T. = Tinha a ver com os costumes

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER

LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER LEITURA BÍBLICA A BÍBLIA LER INTRODUÇÃO: Qualquer que seja meu objetivo, ler é a atividade básica do aprendizado. Alguém já disse: Quem sabe ler, pode aprender qualquer coisa. Se quisermos estudar a Bíblia,

Leia mais

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz?

A Unidade de Deus. Jesus Cristo é o Único Deus. Pai Filho Espírito Santo. Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? A Unidade de Deus Quem é Jesus? Como os Apóstolos creram e ensinaram? O que a Bíblia diz? Vejamos a seguir alguns tópicos: Jesus Cristo é o Único Deus Pai Filho Espírito Santo ILUSTRAÇÃO Pai, Filho e Espírito

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados

Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados Apostolado do Oratório Meditação dos Primeiros Sábados 1º Mistério Luminoso Janeiro 2015 Batismo de Nosso Senhor Introdução: Vamos dar inicio à meditação reparadora dos primeiros sábados, que nos foi indicada

Leia mais

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16

Aula 02 1.8 Divisão da Bíblia e livros a) Como os livros foram reconhecidos e aceitos? padrão regra de fé II Pedro 3:15~16 1.8 Divisão da Bíblia e livros Velho Testamento 39 livros Novo Testamento 27 livros 40 escritores diferentes Período de 1600 anos para ser escrita a Bíblia, (aprox. entre 1500 a.c. e 100 d.c.) a) Como

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO

O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO O PAI É MAIOR DO QUE O FILHO Vós ouviste o que vos disse: Vou e retorno a vós. Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu. João

Leia mais

As três revelações divinas: Moisés, Jesus e Kardec

As três revelações divinas: Moisés, Jesus e Kardec FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro II Ensinos e Parábolas de Jesus Módulo I Metodologia para o estudo do Evangelho à luz da Doutrina Espírita As três revelações

Leia mais

Nascimento e infância de Jesus

Nascimento e infância de Jesus FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Programa I Religião à Luz do Espiritismo Tomo I Cristianismo e Espiritismo Módulo II O Cristianismo Roteiro 1 Nascimento e infância

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

Apesar de toda diversidade a Bíblia toda contém uma só idéia central: Jesus Cristo, o Senhor, que ama e salva o homem pecador. Gn 3.15; Ap 19.

Apesar de toda diversidade a Bíblia toda contém uma só idéia central: Jesus Cristo, o Senhor, que ama e salva o homem pecador. Gn 3.15; Ap 19. Apresentação do Curso Existem duas formas de se estudar teologia, uma é através da Teologia Bíblica que extrai as verdades que formularão as doutrinas diretamente do texto. A outra maneira é através da

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado

18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado LIÇÃO 1 - EXISTE UM SÓ DEUS 18 Estudos Bíblicos para Evangelismo e Discipulado A Bíblia diz que existe um único Deus. Tiago 2:19, Ef. 4 1- O Deus que Criou Todas as coisas, e que conduz a sua criação e

Leia mais

ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTÉRIO DE MADUREIRA Cristologia

ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTÉRIO DE MADUREIRA Cristologia ASSEMBLÉIA DE DEUS MINISTÉRIO DE MADUREIRA Cristologia Pr. Erivelton Rodrigues Nunes Tema Indo Jesus para as bandas de Cesaréria de Felipe, perguntou a seus discípulos: Quem diz o povo ser o Filho do

Leia mais

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10

LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 LIÇÃO 1 A SUPERIORIDADE DE CRISTO Cristo é superior a tudo e a todos, portanto, reina sobre tudo e todos Hebreus 1.1-2.18; 5.1-10 1. Pesquise cinco passagens no Antigo Testamento que anunciem o Messias,

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA

17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA 17º Congresso de Iniciação Científica O CONHECIMENTO GEOMÉTRICO EM PORTUGAL NO SÉCULO XVI E SUAS APLICAÇÕES NA CARTOGRAFIA MARÍTIMA Autor(es) FLÁVIA DE ALMEIDA LUCATTI Orientador(es) JOANA DARC DA SILVA

Leia mais

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização

COMO SE TORNAR UM CRISTÃO FIEL. Apêndice 5. A Igreja de Jesus: Organização 274 Apêndice 5 A Igreja de Jesus: Organização A maneira exata como a igreja se organiza é de pouco interesse para muitos. No entanto, organização é um assunto de importância vital. A organização da igreja

Leia mais

Curso Bíblico Básico (Nível Médio) Parte VII

Curso Bíblico Básico (Nível Médio) Parte VII COMUNIDADE CRISTÃ ASSEMBLEIA DOS JUSTOS SISTEMA EDUCACIONAL BÍBLICO ECLESIÁSTICO DEPARTAMENTO DE CURSO BÍBLICO BÁSICO Curso Bíblico Básico (Nível Médio) Parte VII A Divindade do Senhor Jesus Este é o assunto

Leia mais

Ciclo de Seminários Não Técnicos 2010

Ciclo de Seminários Não Técnicos 2010 Ciclo de Seminários Não Técnicos 2010 Introdução à Bíblia Segundo a Igreja Católica Márcio Saraiva (marcio@dsc.ufcg.edu.br) 1 AVISO!!! Deixe o celular com o bluetooth ligado! 2 Agenda Motivação Introdução

Leia mais

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5 ESTUDO 09-6:1-13 A MANIFESTAÇÃO DA IRA E DA GRAÇA DE DEUS : Existem aspectos no Evangelho de Cristo que são extremamente duros, e ao mesmo tempo consoladores. Quando pensamos na seriedade do pecado diante

Leia mais

2.0 - ALGUMAS DIRETRIZES PARA O ESTUDO

2.0 - ALGUMAS DIRETRIZES PARA O ESTUDO 2.0 - ALGUMAS DIRETRIZES PARA O ESTUDO Antes de começarmos a preparar a moldura do nosso quebra-cabeças apocalíptico, há alguns princípios que devemos estabelecer para a interpretação dos textos proféticos

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição. São Mateus Ano litúrgico A Evangelho de São Mateus Ano litúrgico A O Segundo Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este Evangelho, transmitido em grego pela Igreja, deve ter sido escrito originariamente em aramaico, a

Leia mais

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino

Como a Bíblia foi composta? Escrito por Felipe de Aquino Os textos da Bíblia começaram a ser escritos desde os tempos anteriores a Moisés (1200 ac). Escrever era uma arte rara e cara, pois se escrevia em tábuas de madeira, papiro, pergaminho (couro de carneiro).

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Márcio Ronaldo de Assis 1

Márcio Ronaldo de Assis 1 1 A JUSTIÇA COMO COMPLETUDE DA VIRTUDE Márcio Ronaldo de Assis 1 Orientação: Prof. Dr. Juscelino Silva As virtudes éticas derivam em nós do hábito: pela natureza, somos potencialmente capazes de formá-los

Leia mais

Como sugestão para o melhor aproveitamento do material, indica-se:

Como sugestão para o melhor aproveitamento do material, indica-se: INTRODUÇÃO O estudo do Antigo Testamento é essencial para a compreensão da revelação dos propósitos de Deus no decorrer da historia da humanidade, por isso, Síntese do Antigo Testamento é um material que

Leia mais

Como surgiu o universo

Como surgiu o universo Como surgiu o universo Modelos para o universo Desde os tempos remotos o ser humano observa o céu, buscando nele pistas para compreender o mundo em que vive. Nessa busca incansável, percebeu fenômenos

Leia mais

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê Lição 14 Ezequiel Mede o Templo Restaurado (Ezequiel 40:1-42:20) Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê o templo restaurado. Nesta lição, vamos considerar alguns

Leia mais

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento,

OS LEVITAS Dicionário Internacional de Teologia Novo Testamento, OS LEVITAS Vamos ao um breve estudo sobre os levitas, que há muito tempo, nas igrejas evangélicas e até mesmo nos templos católicos, é um título dado aos instrumentistas e cantores. Biblicamente falando,

Leia mais

O Que é o Batismo com o Espírito Santo Deivinson Bignon

O Que é o Batismo com o Espírito Santo Deivinson Bignon O Que é o Batismo com o Espírito Santo Deivinson Bignon Todos os direitos reservados 2007 2 O Que é o Batismo com o Espírito Santo INTRODUÇÃO Eis um assunto muito polêmico no meio evangélico! Alguns profetas

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução

4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval. Introdução 1 4ª. Apostila de Filosofia História da Filosofia: Filosofia Grega: Período Helenístico Filosofia Medieval Introdução O último período da Filosofia Grega é o Helenístico (Sec. III a.c.-vi d.c.). É um período

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica

Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Igreja Nova Apostólica Internacional Aspetos inclusivos e exclusivos na fé nova-apostólica Depois de, na última edição, termos abordado os aspetos inclusivos e exclusivos no Antigo e no Novo Testamento,

Leia mais

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. (Apocalipse 1:7) A Bíblia inteira focaliza o futuro.

Leia mais

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA

Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA Uma Visão Panorâmica da ANTROPOLOGIA (Pr. Eudes Lopes Cavalcanti) 1) Etimologia Anthropos = homem; logos (logia) = estudo, tratado 2) Conceito Antropologia é a parte da Teologia Sistemática que estuda

Leia mais

Objetivo: Compreender o que é a Bíblia e como foi organizada.

Objetivo: Compreender o que é a Bíblia e como foi organizada. Capítulo 1: A Bíblia e Como ela foi Organizada Objetivo: Compreender o que é a Bíblia e como foi organizada. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção

Leia mais

O povo judeu e sua religião

O povo judeu e sua religião A Vida de JESUS O povo judeu e sua religião O POVO JUDEU Religião Deus e o relacionamento com o homem O Tabernáculo A Arca da Aliança O Templo As Escrituras As Sinagogas Grupos religiosos O POVO JUDEU

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406

Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário. Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Estudo 17 Testemunhar a Cristo: um desafio diário Em Marcha, 2015.1 IGREJA METODISTA ASA NORTE 406 Roteiro 1- Introdução 2- Fundamento Bíblico 3- Conclusão 1. Introdução Voce entende por que é importante

Leia mais

O livro Apocalipse 12 A visão das 7 trombetas II (9.1-21) JörgGarbers Ms.deTeologia

O livro Apocalipse 12 A visão das 7 trombetas II (9.1-21) JörgGarbers Ms.deTeologia O livro Apocalipse 12 A visão das 7 trombetas II (9.1-21) JörgGarbers Ms.deTeologia Introdução9.1-21 O capitulo 8 descreveu as primeiras 4 trombetas, que atacaram o ambientedoserhumano:terra, Mar,ÁguadoceeoUniverso.

Leia mais

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO

HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Pr. Jorge Luiz Silva Vieira P á g i n a 1 A origem do pecado: HAMARTIOLOGIA A DOUTRINA DO PECADO Deus não pode pecar Ele é Santo (I Pe 1.16; I Jo 1.5) e não pode ser tentado pelo mal e a ninguém tenta

Leia mais

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte

8º Capítulo. Petros Os Dons Pilares 1ª Parte 8º Capítulo Petros Os Dons Pilares 1ª Parte O texto de I Co 12:7-11 fala sobre os dons espirituais, aqui chamados de carismáticos; O texto de Ef 4:11 fala sobre os dons ministeriais, aqui chamados de dons

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras

Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras C A P Í T U L O 3 8 Pérola de Grande Valor Pérola de Grande Valor é um volume de escrituras escrito por profetas. Há cinco partes em Pérola de Grande Valor: o livro de Moisés, o livro de Abraão, Joseph

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais

Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Artes Visuais Colégio Pedro II Departamento de Desenho e Campus São Cristóvão II Coordenador pedagógico de Disciplina: Shannon Botelho 7º ano. TURMA: NOME: nº ARTE PÁLEO-CRISTÃ OU DAS CATACUMBAS Surgiu com os primeiros

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção

Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção Roteiros Homiliéticos 20º Domingo do Tempo Comum Solenidade da Assunção I. INTRODUÇÃO GERAL Em 1950, o papa Pio XII proclamou o dogma da Assunção de Nossa Senhora ao céu. Um dogma é um marco referencial

Leia mais

Texto base Jo 8: 12 a 59

Texto base Jo 8: 12 a 59 Texto base Jo 8: 12 a 59 EU SOU Eternidade, Imutabilidade e Fidelidade pactual a. A busca equivocada Após a multiplicação dos pães e peixes, Jesus deixou a multidão (Jo 6: 1 a 15) A multidão resolveu procurá-lo

Leia mais

CATEQUESE. Sua Santidade o Papa Bento XVI Vaticano - Audiência Geral Sala Paulo VI Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013

CATEQUESE. Sua Santidade o Papa Bento XVI Vaticano - Audiência Geral Sala Paulo VI Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013 CATEQUESE Sua Santidade o Papa Bento XVI Vaticano - Audiência Geral Sala Paulo VI Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2013 Queridos irmãos e irmãs, O Natal do Senhor ilumina mais uma vez com a sua luz as trevas

Leia mais

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO

MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO MARIA, ESTRELA E MÃE DA NOVA EVANGELIZAÇÃO anuncie a Boa Nova não só com palavras, mas, sobretudo, com uma vida transfigurada pela presença de Deus (EG 259). O tema da nova evangelização aparece com freqüência

Leia mais

Plano geral desta obra

Plano geral desta obra Plano geral desta obra Volume I: Ano A Domingos do Advento, Natal, Quaresma e Páscoa Solenidades do Senhor que ocorrem no Tempo Comum Volume II: Ano A Domingos do Tempo Comum Volume III: Ano B Domingos

Leia mais

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA

O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA O RENASCIMENTO FOI UM MOVIMENTO CULTURAL, OCORRIDO NO INÍCIO DA IDADE MODERNA E QUE FEZ RENASCER A CULTURA GRECO-ROMANA IDADE ANTIGA CULTURA GRECO-ROMANA ANTROPOCÊNTRICA ANTROPO = Homem CÊNTRICA = centro

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo.

MITO: vem do vocábulo grego mythos, que significa contar ou narrar algo. ORIGEM DA FILOSOFIA Nasce no século VI a.c., em Mileto (cidade situada na Jônia, região de colônias gregas na Ásia menor). Filosofia representa a passagem do saber mítico (alegórico, fantástico, fantasioso)

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Curso de Discipulado

Curso de Discipulado cidadevoadora.com INTRODUÇÃO 2 Este curso é formado por duas partes sendo as quatro primeiras baseadas no evangelho de João e as quatro últimas em toda a bíblia, com assuntos específicos e muito relevantes

Leia mais

Círculo Iniciático de Hermes

Círculo Iniciático de Hermes Círculo Iniciático de Hermes A Tríplice Muralha Druídica 1 por René Guénon em Símbolos da Ciência Sagrada, Editora Pensamento, Brasil tradução: J. Constantino Kairalla Riemma edição C:.I:.H:.: Fr. Goya

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 1) A Cruz era um instrumento de execução. Para os romanos, que tipo de pessoa era executado na cruz? E para os judeus? Resposta: Os romanos a usavam

Leia mais

Plano de salvação e História de salvação

Plano de salvação e História de salvação Igreja Nova Apostólica Internacional Plano de salvação e História de salvação O artigo que se segue aborda a questão de como a salvação de Deus se evidencia na realidade histórica. A origem do pensamento

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SANTIN, Rafael Henrique (PIBIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO Neste texto pretendemos analisar o método escolástico

Leia mais

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07

CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO. APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 CONHECENDO O ESPÍRITO SANTO APOSTILA DA CLASSE DE NOVOS MEMBROS Volume 06 de 07 A trindade sempre existiu, mas se apresenta com maior clareza com vinda de Cristo e a redação do Novo Testamento. Por exemplo,

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional

A CRIAÇÃO DE DEUS. 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A CRIAÇÃO DE DEUS 2003 Igreja de Deus Unida, uma Associação Internacional A história que nós ouvimos frequentemente como a história da criação é realmente uma história da re-criação. Há muitos anos entre

Leia mais

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência

A BÍBLIA. Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Conhecendo a Bíblia A BÍBLIA Bíblia: do grego Biblion = Livro, Livro por excelência Divisão em capítulos: Stephen Langton, em 1227 e Cardeal Hugo de Sancto Caro, por volta de 1260. Divisão por versículos:

Leia mais

1 A Criação Original de Deus e a Restauração da Terra

1 A Criação Original de Deus e a Restauração da Terra 1 A Criação Original de Deus e a Restauração da Terra GÊNESIS 1.1, 2 1 No princípio criou Deus os céus e a terra. 2 A terra, porém, estava sem forma e vazia; havia trevas sobre a face do abismo, e o Espírito

Leia mais

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA Jörg Garbers ESCRITOS & POESIA HEBRAICA INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os escritos formam a última parte do cânon do AT. Na Bíblia evangélica pertencem aos escritos os seguintes livros: Jó Salmos Provérbios Eclesiastes

Leia mais

Saber religioso e saber filosófico nos escritos de Maimônides (século XII E.C.)

Saber religioso e saber filosófico nos escritos de Maimônides (século XII E.C.) Saber religioso e saber filosófico nos escritos de Maimônides (século XII E.C.) Layli Oliveira Rosado 1 Introdução Moisés ben Maimon, ou Maimônides, nasceu por volta de 1135 E.C., em Córdoba (Andaluzia).

Leia mais

Naquela ocasião Jesus disse: "Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos

Naquela ocasião Jesus disse: Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque escondeste estas coisas dos sábios e cultos, e as revelaste aos As coisas encobertas pertencem ao Senhor, ao nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei. Deuteronômio 29.29 Naquela ocasião

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS)

QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) QUESTIONÁRIO DE TEOLOGIA SISTEMATICA (PERGUNTAS E RESPOSTAS) 1. O que é Revelação segundo a Bíblia? Revelação segundo a Bíblia é trazer a luz aquilo que estava oculto, no que se refere ao programa de Deus

Leia mais

Apocalipse. Contexto:

Apocalipse. Contexto: Apocalipse Contexto: Última década do Século I Imperador Domiciano Culto ao Imperador Perseguição imperial Igreja de mártires João é o último apóstolo vivo João, o último apóstolo vivo, exilado na ilha

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E PLENILÚNIO DE TOURO (Lua Cheia 14/5/2014 às 16h16 hora local de Argentina e Brasil) T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E Desenvolvimento e revelação ou (se preferirem) uma revelação

Leia mais

1. Perguntas a. Quem são os líderes do ministério com jovens? b. O que os caracterizam como líderes? c. Qual os requisitos para serem líderes? d.

1. Perguntas a. Quem são os líderes do ministério com jovens? b. O que os caracterizam como líderes? c. Qual os requisitos para serem líderes? d. 1. Perguntas a. Quem são os líderes do ministério com jovens? b. O que os caracterizam como líderes? c. Qual os requisitos para serem líderes? d. Todo líder é professor? e. Qual o papel do líder? f. E

Leia mais

LIÇÃO 5 Outros Dons de Serviço: (Parte 1) Ministrar, Ensinar, Exortar

LIÇÃO 5 Outros Dons de Serviço: (Parte 1) Ministrar, Ensinar, Exortar LIÇÃO 5 Outros Dons de Serviço: (Parte 1) Ministrar, Ensinar, Exortar Terminámos o nosso estudo dos quatro dons a que chamámos dons de serviço. Embora a lista de Efésios 4 indique cinco dons, considerámos

Leia mais

Humilhação e exaltação de Jesus Cristo

Humilhação e exaltação de Jesus Cristo Igreja Nova Apostólica Internacional Humilhação e exaltação de Jesus Cristo No início das explanações relacionadas com a humilhação e exaltação de Jesus Cristo, é tratada a verdadeira encarnação de Deus

Leia mais

VIA HUMANITATIS O CAMINHO VOCACIONAL DA HUMANIDADE

VIA HUMANITATIS O CAMINHO VOCACIONAL DA HUMANIDADE ITINERÁRIO DE ORAÇÃO VOCACIONAL agosto 2013 novembro de 2014 VIA HUMANITATIS O CAMINHO VOCACIONAL DA HUMANIDADE DÉCIMO PRIMEIRO ESQUEMA junho de 2014 CHAMADOS À UNIDADE Guia: Uma das caraterísticas evidentes

Leia mais

Sociedade das Ciências Antigas. São Marcos Evangelista

Sociedade das Ciências Antigas. São Marcos Evangelista Sociedade das Ciências Antigas São Marcos Evangelista De discípulo e evangelizador, a evangelista Marcos era filho de Maria de Jerusalém e primo de Barnabé. Os Atos dos Apóstolos falam da casa de Maria,

Leia mais

A ÚNICA EXPLICAÇÃO PARA A NUVEM

A ÚNICA EXPLICAÇÃO PARA A NUVEM No dia 28 de Fevereiro de 1963 um estranho fenômeno aconteceu no estado do Arizona E.U.A que deixou os cientistas sem palavras. Antes do por do sol, no estado do Arizona um SINAL apareceu nas nuvens. Uma

Leia mais

Prof. Dr. Pe. Paulo Sergio Lopes Gonçalves. Ética, Epistemologia e Religião CCHSA Faculdade de Filosofia paselogo@puc-campinas.edu.

Prof. Dr. Pe. Paulo Sergio Lopes Gonçalves. Ética, Epistemologia e Religião CCHSA Faculdade de Filosofia paselogo@puc-campinas.edu. A EXPERIÊNCIA RELIGIOSA NO COMENTÁRIO DE SANTO AGOSTINHO A PRIMEIRA EPÍSTOLA DE SÃO JOÃO João Ricardo de Moraes Faculdade de Teologia e Ciências Religisas CCHSA Joao.rdm@hotmail.com Prof. Dr. Pe. Paulo

Leia mais

Esboço para o estudo de Daniel 8 e 9 no programa Lições da Bíblia 1

Esboço para o estudo de Daniel 8 e 9 no programa Lições da Bíblia 1 Esboço para o estudo de Daniel 8 e 9 no programa Lições da Bíblia 1 I. INTRODUÇÃO (Sábado, 30/9) a. Metodologia: Dividirei em partes o capítulo 8 e o analisaremos ao longo da semana juntamente com o capítulo

Leia mais

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS

2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS 2.3. A MISSÃO NOS SINÓTICOS Sergio Bensur 1. RESUMO E OBJETIVO Resumo Os Evangelhos Sinóticos não apresentam uma visão unitária da missão. Embora tendo um pano de fundo comum cada um deles tem seu próprio

Leia mais

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO

Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 7.1 Conteúdo: Textos Sagrados: orais e escritos O que são os textos sagrados? O texto sagrado nas tradições religiosas 2 CONTEÚDO E HABILIDADES

Leia mais

Lucas 9.51-50. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém.

Lucas 9.51-50. Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. Lucas 9.51-50 51 Aproximando-se o tempo em que seria elevado aos céus, Jesus partiu resolutamente em direção a Jerusalém. 52 E enviou mensageiros à sua frente. Indo estes, entraram num povoado samaritano

Leia mais

Nos Estados Unidos da América estima-se que aproximadamente 12. crianças americanas influenciam compras que totalizam

Nos Estados Unidos da América estima-se que aproximadamente 12. crianças americanas influenciam compras que totalizam Nos Estados Unidos da América estima-se que aproximadamente 12 bilhões de dólares por ano sejam gastos com anúncios para as crianças, já que as crianças americanas influenciam compras que totalizam 500

Leia mais