fundamentais. v. 1. Curitiba: Juruá, 2005.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "fundamentais. v. 1. Curitiba: Juruá, 2005."

Transcrição

1 Manoel de Souza Mendes Junior Especialista e Mestre em Direito pela PUC-PR. Professor de Direito Processual Civil da Universidade Positivo, do Curso Jurídico e do Curso de Especialização do Instituto de Direito Romeu Felipe Bacellar. Advogado em Curitiba. Os conflitos são inerentes à vida humana em sociedade; eles, contudo, perturbam a paz social. Com o objetivo de restabelecê-la, o Estado assume a tarefa de solucionar os conflitos intersubjetivos de interesses, o que faz com fundamento em seu poder. Em um Estado de direito, entretanto, o exercício do poder estatal, em todas as suas expressões (inclusive a jurisdicional), submete-se a e portanto é limitado por normas jurídicas. É por meio dessas normas que o Estadolegislador estabelece o método que deverá ser observado pelo Estado-juiz para a solução de conflitos. A esse método dá-se o nome de processo. O processo, como sua própria origem etimológica permite perceber (pro cedere = seguir adiante), não é um método instantâneo de solução de conflitos. Pelo contrário, é um método que envolve a prática de um conjunto de atos sucessivos, não só pelo Estado-juiz, mas também pelas partes. Logo, entre o momento em que alguém pede ao Estado proteção para um direito que afirma ter e o momento em que essa proteção é efetivamente concedida transcorre certo lapso temporal. Todo processo, em síntese, tem certo tempo de duração, do qual não pode prescindir. Ademais, é natural que o Estado não conceda a tutela jurisdicional aos interesses de todas as pessoas que o procuram. Seu compromisso não se 1 Artigo publicado em: DUARTE, Francisco Carlos (coord.). Tutela de urgência e risco: em defesa dos direitos fundamentais. v. 1. Curitiba: Juruá, RAÍZES JURÍDICAS Curitiba, v. 5, n. 2 jul/dez

2 limita a solucionar os conflitos, mas implica fazê-lo de forma justa. 2 Desse modo, antes de conceder a tutela jurisdicional a alguém, o Estado precisa decidir se deve fazê-lo. É preciso compreender que em um processo iniciado para a solução de um conflito entre dois sujeitos a adesão do Estado à vontade de um deles produz conseqüências desfavoráveis ao outro. O que se percebe, todavia, é que enquanto o processo se desenvolve elementos externos a ele podem provocar dano ao eventual direito do demandante. O perigo trazido pela demora do processo, conseqüentemente, precisa ser combatido por meio de um remédio urgente. O atual Código de Processo Civil brasileiro foi instituído por meio da Lei n.º 5.869, de 11 de janeiro de Essa lei, em seus pouco mais de trinta anos de existência, já sofreu diversas alterações tantas, aliás, que se pode afirmar que a concepção teórica que o estruturava, fundada na tripartição de processos (conhecimento, execução e cautelar), cada um com uma finalidade específica e com o isolamento de atividades de natureza diversa em um processo próprio, foi gradualmente rejeitada. Essa radical transformação por que passou o Código, porém, impõe ao intérprete um esforço adicional. É preciso ultrapassar a forma como a matéria foi originalmente sistematizada no Código, ver além dela e então perceber qual é a atual conformação de nosso sistema processual. O Código de Processo Civil brasileiro foi fruto de projeto apresentado ao Congresso Nacional pelo então Ministro da Justiça Alfredo Buzaid, o qual havia sido discípulo de Enrico Tullio Liebman. Liebman, professor catedrático da Universidade de Parma, deixou a Itália e veio para o Brasil no início da Segunda Guerra Mundial, por notórias razões políticas e étnicas (fascismo, anti-semitismo). 3 Aqui chegando, tornou-se professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, onde permaneceu até 1946, quando retornou a sua pátria. Durante sua estada no Brasil, Liebman promoveu encontros semanais para o estudo do processo civil em sua casa, dos quais participavam Luis Eulálio Bueno de Vidigal, Ben- 2 Nesse sentido, é importante perceber que a Constituição da República Federativa do Brasil, já em seu preâmbulo, indica que o Estado brasileiro destina-se a assegurar a justiça, a qual é, aliás, considerada como um valor supremo. Essa mesma escolha axiológica é repetida em seu artigo 3º, inciso I, que estabelece como objetivo fundamental desse Estado a construção de uma sociedade justa. Ora, sendo assim o Estado brasileiro, no desempenho de todas as suas funções, deve ter em vista a consecução desse objetivo. Não é diferente, por óbvio, com a função jurisdicional, que deverá, por obediência ao mandamento constitucional, buscar solucionar os conflitos de interesses cuja apreciação lhe é submetida de forma justa. 3 DINAMARCO, Instituições, v. 1, p RAÍZES JURÍDICAS Curitiba, v. 5, n. 2 jul/dez 2009

3 vindo Aires, Bruno Affonso de André, José Frederico Marques e Alfredo Buzaid. 4 Na Universidade de Roma, Liebman fora aluno de Giuseppe Chiovenda, 5 o mais prestigioso processualista italiano de todos os tempos, 6 responsável pela afirmação da escola sistemática de direito processual civil na Itália. 7 De acordo com Fenochietto, o Manuale di diritto processuale civile de Liebman constitui uma fiel síntese do pensamento da escola de direito processual civil italiana, um modelo de exposição de sua sistemática, nitido reflejo, no e- xento de personalidad propia, de las enseñanzas de los estudiosos de la Scuola e conclui: Liebman es Chiovenda y Chiovenda es la Escuela. 8 Nosso Código de Processo Civil, portanto, foi elaborado a partir das i- déias desenvolvidas nessa escola, 9 a qual tinha a preocupação de afirmar a autonomia do direito processual civil com relação ao direito material. A busca da autonomia levou a grandes elaborações teóricas, alcançando-se notável progresso da técnica e da dogmática processual. O sistema de direito processual civil que Buzaid herdou de Liebman adota a idéia de que existem três modalidades distintas de tutela jurisdicional, a de conhecimento, a de execução e a cautelar, às quais correspondem também espécies diversas de processos, todas autônomas entre si. As atividades cognitiva, executiva e cautelar, assim, são desenvolvidas pelo Estado mediante processos próprios, não havendo lugar para atividade de uma natureza em processo de índole distinta. Essa concepção é tão influente sobre a elaboração do Código que ele dedica cada um de seus três primeiros Livros a uma dessas espécies de processo (Livro I: Do processo de conhecimento; Livro II: Do processo de execução; e Livro III: Do processo cautelar). Seguindo ainda o pensamento de Liebman, o que distingue cada uma dessas espécies de processo das demais é a sua finalidade. Assim, o processo de conhecimento tem por objetivo a formulação da regra jurídica concre- 4 BUZAID, A influência de Liebman, p DINAMARCO, Instituições, v. 1, p CINTRA, GRINOVER e DINAMARCO, Teoria, p MARINONI, Técnica processual..., p LIEBMAN, Manual..., p. XXVI. O Manuale di diritto processuale civile de Liebman fio traduzido para o espanhol por Santiago Sentís Melendo, o qual faleceu poucos dias depois de terminar a tradução, motivo pelo qual a Presentacion do livro foi escrita por Carlos Eduardo Fenochietto. 9 Ao tratar da influência de Liebman sobre o Código de Processo Civil brasileiro de 1973, Santiago Sentís Melendo afirma que ele es el triunfo legislativo de su obra cientifica; el Maestro triunfa por medio del discípulo que presenta, como ministro, el Proyecto del Código, que es el proyecto Buzaid; he dicho repetidamente que la mejor obra que produjo Liebman en Brasil fue Buzaid, y también lo he repetido, pocas vezes único país ha reconocido, de manera más explícita, las enseñanzas del Maestro... (LIEBMAN, Manual..., p. XXVIII). Por esse motivo, DINAMARCO afirma que a leitura do Manuale de Liebman é o guia mais seguro para a perfeita compreensão de nossa lei processual (A formação..., p. 38). RAÍZES JURÍDICAS Curitiba, v. 5, n. 2 jul/dez

4 ta; o processo de execução, sua atuação prática; e o processo cautelar, assegurar o resultado útil daqueles outros dois processos. 10 Nessa estrutura, a função de prevenir a ocorrência de dano grave e de difícil reparação ao direito hipotético da parte é confiada, com exclusividade, ao processo cautelar. Atualmente percebe-se que o processo é um instrumento para que o Estado possa atingir certos objetivos nos planos jurídico, político e social. 11 Inaugura-se, assim, uma nova fase metodológica na história do direito processual civil, que pode ser chamada de fase instrumentalista. Ora, como todo instrumento, o processo deve ser avaliado por sua capacidade para atingir os fins a que se destina. Desse modo, os resultados que o processo civil é capaz de produzir na vida das pessoas passam a ser valorizados, em detrimento de estéreis construções teóricas, por mais bem elaboradas que sejam é o que se vai passar a chamar de processo civil de resultados. Essa nova postura metodológica, diferente daquela adotada na elaboração do Código, leva à necessidade de sua revisão, a qual é conduzida sob a iniciativa da Escola Nacional da Magistratura, presidida pelo Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, e do Instituto Brasileiro de Direito Processual, presidido pela Professora Ada Pellegrini Grinover. A Comissão de Reforma do Código de Processo Civil conta ainda, como um de seus membros mais ativos, com o ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça Athos Gusmão Carneiro. O Código é então submetido a uma série de pequenas reformas, promovidas por leis independentes, cujo objetivo comum é melhorar o desempenho processual no sentido de que mais e melhores resultados efetivos sejam obtidos com menor dispêndio de energia e tempo. 12 É por esse motivo que a metodologia adotada pela Comissão inclui a tentativa de localizar os pontos de estrangulamento da prestação jurisdicional e a adoção de uma postura pragmática, sem prejuízo do rigor científico, deixando de lado divergências de ordem doutrinária ou meramente acadêmicas. 13 É durante esse processo de revisão legislativa que se introduz no sistema brasileiro a tutela antecipatória genérica, consagrada no artigo 273 do Código por meio da Lei n.º 8.952, de 13 de dezembro de Manual, p DINAMARCO, A instrumentalidade..., passim. 12 WAMBIER e ARRUDA ALVIM WAMBIER, Breves comentários..., p TEIXEIRA, A reforma processual..., p RAÍZES JURÍDICAS Curitiba, v. 5, n. 2 jul/dez 2009

5 A tutela antecipatória é uma segunda espécie de tutela de urgência que o direito processual civil brasileiro compreende hoje. Assim como a tutela cautelar, ela também se destina a prevenir a ocorrência de dano irreparável ou de difícil reparação ao provável direito do autor. Contudo, ambas as espécies de tutela de urgência atuam de forma diferente. A tutela cautelar previne a ocorrência do dano por meio da conservação de bens ou de provas, sendo assim uma tutela conservativa; ela assegura a possibilidade de satisfação futura do direito hipotético do autor, sem entretanto satisfazê-lo desde logo. A tutela antecipatória, por sua vez, previne a ocorrência do dano mediante a antecipada satisfação do direito provável do autor, sendo portanto uma técnica de aceleração do tempo do processo. É possível, em síntese, diferenciar uma e outra espécie de tutela de urgência por meio do critério da satisfatividade, que é requisito positivo da tutela antecipatória e requisito negativo da tutela cautelar. 14 Como já se viu, a estrutura original do Código confiava ao processo cautelar, com exclusividade, a tarefa de prevenir a ocorrência de dano ao provável direito do autor em decorrência da demora do processo. Em outras palavras, quando o legislador pretendeu conferir a determinada situação uma tutela de urgência ele o fez no Livro III do Código, por meio de uma tutela denominada de cautelar. A instituição entre nós da tutela antecipatória genérica, porém, permitiu que se percebesse, com clareza, que a prevenção do dano pode se dar por meio da segurança e então se fala em tutela cautelar, mas também por meio da satisfação e, nesse caso, fala-se então em tutela antecipatória. À luz dessa distinção, faz-se necessária uma releitura do Livro III do Código. Ora, é natural que por não aceitar a possibilidade de antecipar-se a tutela final no interior do processo de conhecimento o legislador de 1973 haja inserido, nesse Livro, não só medidas de natureza tipicamente cautelar, mas também medidas que, hoje pode-se compreender, têm na verdade natureza antecipatória. Como o critério topológico mostra-se assim insuficiente para a determinação da natureza da tutela, 15 cabe ao intérprete separar uma da outra, por meio de cuidadosa análise da técnica utilizada para a prevenção do dano. 14 MARINONI, Tutela cautelar, p ALVARO DE OLIVEIRA, A tutela de urgência..., p. 2. RAÍZES JURÍDICAS Curitiba, v. 5, n. 2 jul/dez

6 Essa, aliás, não é uma tarefa puramente teórica, pois da inserção da medida em uma ou outra categoria decorrem relevantes conseqüências de ordem prática, como a necessidade de propositura de demanda principal no prazo de 30 dias após a efetivação da medida, que só existe com relação às medidas verdadeiramente cautelares. ALVARO DE OLIVEIRA, Carlos Alberto. A tutela de urgência e o direito de família. São Paulo: Saraiva, BUZAID, Alfredo. A influência de Liebman no direito processual civil brasileiro. São Paulo, Revista de Processo, v. 27, jul.-set. 1982, p CINTRA, Antonio Carlos de Araújo; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido Rangel. Teoria geral do processo. 16. ed. São Paulo: Malheiros, DINAMARCO, Cândido Rangel. A instrumentalidade do processo. 7. ed. São Paulo: Malheiros, Instituições de direito processual civil. v. 1, 4. ed. São Paulo: Malheiros, LIEBMAN, Enrico Tullio. Manual de derecho processal civil. Trad. Santiago Sentís Melendo. Buenos Aires: Ediciones Juridicas Europa-America, Manual de direito processual civil. v. 1, 2. ed. Trad. e notas de Cândido Rangel Dinamarco. Rio de Janeiro: Forense, MARINONI, Luiz Guilherme. Técnica processual e tutela dos direitos. São Paulo: Revista dos Tribunais, Tutela cautelar e tutela antecipatória. São Paulo: Revista dos Tribunais, TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo. A reforma processual na perspectiva de uma nova justiça. In: TEIXEIRA, Sálvio de Figueiredo. (coord.). Reforma do Código de Processo Civil. São Paulo: Saraiva, 1996, p WAMBIER, Luiz Rodrigues; ARRUDA ALVIM WAMBIER, Teresa. Breves comentários à 2ª fase da reforma do Código de Processo Civil. São Paulo: Revista dos Tribunais, RAÍZES JURÍDICAS Curitiba, v. 5, n. 2 jul/dez 2009

PLANO DE ENSINO. INSTITUIÇÃO DE ENSINO: Universidade Federal do Amazonas UFAM CURSO: Direito PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes

PLANO DE ENSINO. INSTITUIÇÃO DE ENSINO: Universidade Federal do Amazonas UFAM CURSO: Direito PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes DADOS PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO DE ENSINO: Universidade Federal do Amazonas UFAM CURSO: Direito PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes DISCIPLINA Direito Processual Civil II PRÉ-REQUISITO Direito

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

1. IDENTIFICAÇÃO 2. EMENTA 3. OBJETIVOS 4. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-17 PERÍODO: 3º PERÍODO CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

Leia mais

FACULDADE ESCOLA PAULISTA DE DIREITO. Curso de Direito - Bacharelado

FACULDADE ESCOLA PAULISTA DE DIREITO. Curso de Direito - Bacharelado 1 Faculdade Escola Paulista de Direito Curso de Direito - Bacharelado Professor: Ementa: Maria Cecília de Araujo Asperti C/H: 80 h/a Disciplina: Teoria Geral do Processo ANO: 2014 Ementa Ementa: PLANO

Leia mais

Aula 2 Teoria Geral do Processo. DEFINIÇÃO DE TEORIA GERAL DO PROCESSO.

Aula 2 Teoria Geral do Processo. DEFINIÇÃO DE TEORIA GERAL DO PROCESSO. Aula 2 Teoria Geral do Processo. DEFINIÇÃO DE TEORIA GERAL DO PROCESSO. Teoria, qual o seu significado? É um corpo de conceitos sistematizados que nos permite conhecer determinado domínio da realidade.

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS:

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS: PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Teoria Geral do Processo CARGA HORÁRIA: 80 horas PRÉ-REQUISITO: não há.

Leia mais

Renovação de Reconhecimento pela Portaria CEE/GP 211/08 de 28 de abril de D.O.E. 29/04/2008 Autarquia Municipal

Renovação de Reconhecimento pela Portaria CEE/GP 211/08 de 28 de abril de D.O.E. 29/04/2008 Autarquia Municipal DE DIREITO PROCESSUAL 2013 EMENTA Do Processo Cautelar: características, pressupostos, classificação e competência. Procedimentos cautelares comuns e específicos. Tutelas de urgência e da evidência no

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA - NAP

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA - NAP PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS NÚCLEO ACADÊMICO DE PESQUISA - NAP PROCESSO COLETIVO Cynthia Lessa Diogo Henrique Dias da Silva Eric Augusto Fernandes Giovanni Vilaça Juliana Maria Matos

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO Teoria Geral do Processo SEMESTRE/ANO 1º/2013

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO Teoria Geral do Processo SEMESTRE/ANO 1º/2013 DADOS PLANO DE ENSINO INSTITUIÇÃO DE ENSINO: Universidade Federal do Amazonas UFAM CURSO: Direito PROFESSOR: Especialista Rafael da Silva Menezes DISCIPLINA Direito Processual Civil I PRÉ-REQUISITO Teoria

Leia mais

TIPOS DE PROCESSO. Os processos são classificados de acordo. com o tipo de provimento jurisdicional. pretendido / depende do tipo de

TIPOS DE PROCESSO. Os processos são classificados de acordo. com o tipo de provimento jurisdicional. pretendido / depende do tipo de TIPOS DE PROCESSO Os processos são classificados de acordo com o tipo de provimento jurisdicional pretendido / depende do tipo de resultado esperado pela parte Processo de Conhecimento é aquele em que

Leia mais

AULA 1) Ementa. Disposições administrativas:

AULA 1) Ementa. Disposições administrativas: Curso: DIREITO Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO (Matutino) quinta-feira 10:10 a 12:40 hs Ementa Direito Material e Direito Processual: conceito, natureza, posição enciclopédica, divisão. Fontes do

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO - 20/02 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III PROFESSORA: MARCELA CÂMARA TURMA: Oferta Especial

Leia mais

Pré - Requisito: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:

Pré - Requisito: CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA - UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS Curso: DIREITO Créditos: 05 Carga Horária: 075 Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Professora: Débora Soares Guimarães

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina Direito Processual Civil

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO PROCESSUAL CIVIL

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Direito PLANO DE ENSINO 1) IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Disciplina DIREITO CONSTITUCIONAL

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO Disciplina: Processo e Jurisdição Curso: Programa de Pós-Graduação em Direito -

Leia mais

COMUNICADO ESMP Nº. 01/2016 SETOR EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD

COMUNICADO ESMP Nº. 01/2016 SETOR EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD COMUNICADO ESMP Nº. 01/2016 SETOR EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD O Diretor da Escola Superior do Ministério Público, Antonio Carlos da Ponte, COMUNICA aos Membros do Ministério Público e Servidores bacharéis

Leia mais

A IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DA TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO

A IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DA TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO A IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DA TUTELA ANTECIPADA EX OFFICIO AUTORA: Gimene Vieira da Cunha Bacharel em Direito pela Universidade Federal de Pelotas Advogada inscrita na OAB/RS sob o nº 80.830 Pós-Graduada

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º

PROGRAMA DE DISCIPLINA. Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Código da Disciplina: JUR214 Curso: DIREITO Semestre de oferta da disciplina: 3º Faculdade responsável: DIREITO Programa em vigência a partir

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Teoria Geral do Processo. Carga horária 36 horas/aula Créditos 2 Semestre letivo 3º. II Ementário

PLANO DE ENSINO. I Identificação Teoria Geral do Processo. Carga horária 36 horas/aula Créditos 2 Semestre letivo 3º. II Ementário PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Teoria Geral do Processo Código PRO0013 Carga horária 36 horas/aula Créditos 2 Semestre letivo 3º II Ementário Noções gerais da teoria geral do processo e do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO MONOCRÁTICA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO MONOCRÁTICA fls. 237 Registro: 2016.0000609797 DECISÃO MONOCRÁTICA Agravo de Instrumento Processo nº 2163570-75.2016.8.26.0000 Relator(a): Luis Mario Galbetti Órgão Julgador: 7ª Câmara de Direito Privado Voto nº:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES 2007/1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação ORGANIZAÇÃO BÁSICA DAS DISCIPLINAS CURRICULARES Disciplina: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I Curso: DIREITO Código CR PER Co-Requisito Pré-Requisito

Leia mais

TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO. Prof. Luis Fernando Alves

TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO. Prof. Luis Fernando Alves 1 TEORIA GERAL DA EXECUÇÃO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO Prof. Luis Fernando Alves www.professorluisfernando.jur.adv.br 2 4. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA EXECUÇÃO 4.1. PRINCÍPIOS DA NULLA EXECUTIO

Leia mais

FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES DAÍSE DE OLIVEIRA MOURA DIEGO DEMUNER MIELKE JANE DOS SANTOS PARIS

FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES DAÍSE DE OLIVEIRA MOURA DIEGO DEMUNER MIELKE JANE DOS SANTOS PARIS FACELI FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES DAÍSE DE OLIVEIRA MOURA DIEGO DEMUNER MIELKE JANE DOS SANTOS PARIS JURISDIÇÃO, PROCESSO E AÇÃO LINHARES ES OUTUBRO / 2011 DAÍSE DE OLIVEIRA MOURA DIEGO DEMUNER

Leia mais

LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada

LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada o Semelhança advinda da sumariedade, medida cautelar e antecipação da tutela não se confundem. Distinguem as figuras no objetivo; a medida cautelar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FACULDADE DE DIREITO PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE TEORIA DO DIREITO PROCESSUAL CIVIL CONTEMPORÂNEO - 2010 Prof. Dr. Sérgio Cruz Arenhart 1. OBJETIVOS Esta disciplina centrar-se-á

Leia mais

A REGULAÇÃO COMO DIREITO FUNDAMENTAL E O PRINCÍPIO DA

A REGULAÇÃO COMO DIREITO FUNDAMENTAL E O PRINCÍPIO DA 1 / N A REGULAÇÃO COMO DIREITO FUNDAMENTAL E O PRINCÍPIO DA VEDAÇÃO DO RETROCESSO Liliane Sonsol Gondim Bacharela em Direito, Especialista em Direito Constitucional e em Direito Ambiental, Universidade

Leia mais

PROCESSOS COLETIVOS. Bolsista Apresentador : Lessandra Bertolazi Gauer, Nome do Orientador: José Maria Rosa Tesheiner. Resumo

PROCESSOS COLETIVOS. Bolsista Apresentador : Lessandra Bertolazi Gauer, Nome do Orientador: José Maria Rosa Tesheiner. Resumo PROCESSOS COLETIVOS XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Bolsista Apresentador : Lessandra Bertolazi Gauer, Nome do Orientador: José Maria Rosa Tesheiner Faculdade de Direito, PUCRS. Resumo 1. Tutela

Leia mais

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana. Princípios Gerais da

Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Habilidades e Competências. Textos, filmes e outros materiais. Tipo de aula. Semana. Princípios Gerais da PLANO DE CURSO DISCIPLINA: EXECUÇÃO CÍVEL (CÓD. ENEX 60132) ETAPA: 6ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos, filmes

Leia mais

34. TUTELAS DE URGÊNCIA E O DEVIDO PROCESSO LEGAL URGENT TUTORIAL AND THE APPROPRIATE LEGAL PROCESS

34. TUTELAS DE URGÊNCIA E O DEVIDO PROCESSO LEGAL URGENT TUTORIAL AND THE APPROPRIATE LEGAL PROCESS 34. TUTELAS DE URGÊNCIA E O DEVIDO PROCESSO LEGAL URGENT TUTORIAL AND THE APPROPRIATE LEGAL PROCESS Autor: Ana Paula Costa da Silva Orientador: Prof. Ms. Diovani Vandrei Alvares Campus de Franca Faculdade

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Dr. Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto. Segunda 10:10 h / terça 10:10 h

PLANO DE ENSINO. Dr. Francisco José Rodrigues de Oliveira Neto. Segunda 10:10 h / terça 10:10 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS DEPARTAMENTO DE DIREITO Campus Universitário - Trindade - Caixa Postal 476 88040-900 - Florianópolis - Santa Catarina Fone: (048) 3721-9815

Leia mais

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas.

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Antecipação de Tutela: Efetividade, Momento do Requerimento; Revogação e Modificação; Fungibilidade;

Leia mais

EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO

EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS EXECUÇÃO POR COERÇÃO PATRIMONIAL E A EFETIVIDADE DO PROCESSO CIVIL BRASILEIRO Isadora Albornoz Cutin. José Maria Rosa Tesheiner (orientador) Programa de pós-graduação

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2016/2 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

TUTELA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIFUSOS E COLETIVOS

TUTELA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIFUSOS E COLETIVOS MESTRADO TUTELA DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIFUSOS E COLETIVOS EMENTA Os direitos fundamentais de terceira geração. Significado social e político da tutela dos interesses transindividuais. Direito Processual

Leia mais

PROCESSO CIVIL IV EXECUÇÃO introdução

PROCESSO CIVIL IV EXECUÇÃO introdução PROCESSO CIVIL IV EXECUÇÃO introdução Prof. Dra. Liana Cirne Lins Faculdade de Direito do Recife Universidade Federal de Pernambuco Programa Teoria geral da execução o Conceito, natureza e finalidade da

Leia mais

HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional.

HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional. 23 HERMENÊUTICA JURÍDICA: Alguns aspectos relevantes da hermenêutica constitucional. Renata Coelho Padilha Gera Juíza Federal Substituta no Espírito Santo; Mestre em Direito Constitucional; Especialista

Leia mais

D º 04 DIREITO PROCESSUAL CIVIL II

D º 04 DIREITO PROCESSUAL CIVIL II D - 31 5º 04 Semanal Semestral 04 60 DIREITO PROCESSUAL CIVIL II D.34- DIREITO PROCESSUAL CIVIL I (MATRIZ 2008/01) D.24- DIREITO PROCESSUAL CIVIL I (MATRIZ 2008/02) Da Sentença. Requisitos da Sentença.

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no3.355 de 05/12/02-DOU de 06/12/02 Componente Curricular: DIREITO PROCESSUAL CIVIL II Código: DIR-369c Pré-requisito: Direito Processual Civil I

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA LEI 9.099/95

OS PRINCÍPIOS DA LEI 9.099/95 1 OS PRINCÍPIOS DA LEI 9.099/95 Publicado em Revista da EMERJ, Rio de Janeiro, v. 12, n.45, p. 242-247, jan./mar.2009. Luciana de Oliveira Leal Halbritter Resumo: a lei 9099/95 trouxe ao ordenamento jurídico

Leia mais

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás.

liberada por se tratar de um documento não aprovado pela PUC Goiás. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação - PROGRAD Plano de Ensino 2016/1 Atenção! Este Plano de Ensino é um Rascunho. Sua impressão não está liberada por se tratar de um documento

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2014/02 DISCIPLINA: DIREITO DO CONSUMIDOR PROFESSORA: IVANA BONESI RODRIGUES LELLIS TURMA: 6º DN

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 3 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CRÉDITO: 04 NOME DA DISCIPLINA: TEORIA GERAL DO PROCESSO NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 Noções introdutórias e históricas.

Leia mais

BIBLIOGRAFIA COIMBRA EDITORA PARA ACESSO CURSO FORMAÇÃO MAGISTRATURA CEJ

BIBLIOGRAFIA COIMBRA EDITORA PARA ACESSO CURSO FORMAÇÃO MAGISTRATURA CEJ 1 A TUTELA CAUTELAR NO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO (EM ESPECIAL, NOS PROCEDIMENTOS DE FORMAÇÃO DOS CONTRATOS) Ana Gouveia Martins ISBN 972-32-1364-8 Coimbra Editora 2005-1 Ed - 604 págs. ESTUDOS DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Direito Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Ano Letivo: 2016 Semestre: 2º Semestre Turno:

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Coordenador: Leonardo Barreto Moreira Alves MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotor de Justiça Estadual 2ª edição 2016 DIREITO PROCESSUAL CIVIL Renato Bretz Pereira 1. DO PROCESSO DE CONHECIMENTO (MPE/SP/Promotor/2015)

Leia mais

AÇÃO MONITORIA. Elan Marcos de Matos TEIXEIRA¹ Priscila Moreira MARCONDES² Ariane Fernandes OLIVEIRA³ 1. INTRODUÇÃO.

AÇÃO MONITORIA. Elan Marcos de Matos TEIXEIRA¹ Priscila Moreira MARCONDES² Ariane Fernandes OLIVEIRA³ 1. INTRODUÇÃO. AÇÃO MONITORIA Elan Marcos de Matos TEIXEIRA¹ Priscila Moreira MARCONDES² Ariane Fernandes OLIVEIRA³ 1. INTRODUÇÃO. O Presente artigo tem como finalidade discutir o processo monitório e seu respective

Leia mais

O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL

O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL GUSTAVO GUSMÃO O SISTEMA FEDERATIVO E A INTERVENÇÃO FEDERAL INTRODUÇÃO: O Brasil é uma República Federativa, isto é, uma Federação composta de Estados- membros

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Faculdade de Direito Teoria Geral do Processo 2 Professor Vallisney Grupo: Daniel Rezende (13/0106607), Leonardo Maia (13/0120171), Vitor Salazar (13/0137227), Diogo Eira (13/0107701).

Leia mais

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Direito

PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Direito Disciplina: Direito Processual Civil V C.H. Teórica: 60 PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM CURSO: Direito Período Letivo: Série: Periodo: 1 sem/2013 7ª Série Não definido C.H. Outras: 20 Semestre de Ingresso:

Leia mais

2º SEMESTRE 2016 Página 1 de 5 PROGRAMA

2º SEMESTRE 2016 Página 1 de 5 PROGRAMA Página 1 de 5 PROF. DR. RODRIGO OCTÁVIO BROGLIA MENDES TURMAS 11 e 12 SEGUNDA-FEIRA, 7:25-9:00 SEMINÁRIO QUARTA-FEIRA, 11:15-12:00 TURMAS 21 e 22 SEGUNDA-FEIRA, 18:20-20:45 PROGRAMA Objetivos. Desenvolver

Leia mais

STF, ECONOMIA E SEGURANÇA JURÍDICA: A ADPF 46 (MONOPÓLIO DOS CORREIOS) 1

STF, ECONOMIA E SEGURANÇA JURÍDICA: A ADPF 46 (MONOPÓLIO DOS CORREIOS) 1 STF, ECONOMIA E SEGURANÇA JURÍDICA: A ADPF 46 (MONOPÓLIO DOS CORREIOS) 1 Bruno Ramos Pereira Mestre em Direito do Estado pela USP e assessor da diretoria da SABESP Recentemente, o Supremo Tribunal Federal

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Semanal Semestral D-01 1º Disciplina

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Semanal Semestral D-01 1º Disciplina Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária Semanal Semestral D-01 1º 04 04 60 Disciplina INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Curso DIREITO Direito, Sociedade e Estado. Direito e Ideologia. Acepções do

Leia mais

AS ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL NA REPRESSÃO AOS CRIMES AMBIENTAIS

AS ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL NA REPRESSÃO AOS CRIMES AMBIENTAIS UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, POLÍTICAS E SOCIAIS - CEJURPS CURSO DE DIREITO AS ATRIBUIÇÕES DA POLÍCIA FEDERAL NA REPRESSÃO AOS CRIMES AMBIENTAIS MARIANA TAÍS GENEHR

Leia mais

COMPETÊNCIA: NATUREZA JURÍDICA DA NORMA

COMPETÊNCIA: NATUREZA JURÍDICA DA NORMA 88 COMPETÊNCIA: NATUREZA JURÍDICA DA NORMA Doutor em Processo Civil pela PUC/SP; Ex-Diretor da Faculdade de Direito (Toledo de Presidente Prudente); Professor de Direito Processual Civil na AET de Presidente

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL QUORUM PARA RECEBIMENTO DE DENÚNCIA CONTRA PREFEITO INFRAÇÕES POLÍTICO- ADMINISTRATIVAS.

CÂMARA MUNICIPAL QUORUM PARA RECEBIMENTO DE DENÚNCIA CONTRA PREFEITO INFRAÇÕES POLÍTICO- ADMINISTRATIVAS. CÂMARA MUNICIPAL QUORUM PARA RECEBIMENTO DE DENÚNCIA CONTRA PREFEITO INFRAÇÕES POLÍTICO- ADMINISTRATIVAS. É sabido que os Prefeitos Municipais podem ser submetidos a processos de cassação de seus mandatos

Leia mais

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito

UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito 563 UMA CRÍTICA À TEORIA DAS CONDIÇÕES DA AÇÃO: A possibilidade jurídica do pedido como questão de mérito Rafael Arouca Rosa (UNESP) Introdução Dentre as mudanças propostas no anteprojeto do novo Código

Leia mais

HERMENÊUTICA JURÍDICA 30 h/a

HERMENÊUTICA JURÍDICA 30 h/a DIREITO PROCESSUAL CIVIL EMENTAS E BIBLIOGRAFIAS HERMENÊUTICA JURÍDICA 30 h/a Hermenêutica jurídica e processo. A aplicação do Direito no espaço e no tempo. A interpretação do Direito. A integração do

Leia mais

Revisão de Metodologia Científica

Revisão de Metodologia Científica Revisão de Metodologia Científica Luiz Eduardo S. Oliveira Universidade Federal do Paraná Departamento de Informática http://lesoliveira.net Luiz S. Oliveira (UFPR) Revisão de Metodologia Científica 1

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre

DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV. CH total: 72h. SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre DISCIPLINA: Direito Processual Civil IV CH total: 72h SEMESTRE DE ESTUDO: 8º Semestre TURNO: Matutino / Noturno CÓDIGO: DIR137 1. EMENTA: Aspectos gerais da execução. Liquidação de sentença. Execução de

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 82/VIII ALTERA O DECRETO-LEI N.º 433/82, DE 27 DE OUTUBRO (REGIME GERAL DAS CONTRA-ORDENAÇÕES), EM MATÉRIA DE PRESCRIÇÃO

PROPOSTA DE LEI N.º 82/VIII ALTERA O DECRETO-LEI N.º 433/82, DE 27 DE OUTUBRO (REGIME GERAL DAS CONTRA-ORDENAÇÕES), EM MATÉRIA DE PRESCRIÇÃO PROPOSTA DE LEI N.º 82/VIII ALTERA O DECRETO-LEI N.º 433/82, DE 27 DE OUTUBRO (REGIME GERAL DAS CONTRA-ORDENAÇÕES), EM MATÉRIA DE PRESCRIÇÃO Exposição de motivos O regime da prescrição no Direito de Mera

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. PLANO DE CURSO 2010/1 Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e / ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV INTEGRAL PROFESSOR: MARCELO ZENKNER TURMA: 4ºANO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO. CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-01 PERÍODO: 1 o. CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60

1. IDENTIFICAÇÃO. CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-01 PERÍODO: 1 o. CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 1. IDENTIFICAÇÃO CÓDIGO DA DISCIPLINA: D-01 PERÍODO: 1 o. CRÉDITO: 04 CARGA HORÁRIA SEMANAL: 04 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 60 NOME DA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO NOME DO CURSO: DIREITO 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS ANEXO 23 DO EDITAL 143/2011-PRH CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR NÃO-TITULAR DEPARTAMENTO DE DIREITO PRIVADO E PROCESSUAL Área de conhecimento: DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROGRAMA DE PROVA 1. Métodos alternativos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Unidade Acadêmica Especial de Letras, Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da Regional Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito do Consumidor Carga horária

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O CONCEITO LEGAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO

O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O CONCEITO LEGAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E O CONCEITO LEGAL DE CITAÇÃO E INTIMAÇÃO José Carlos Batista da SILVA 1 RESUMO: Este artigo apresenta os conceitos legais e doutrinários da citação dentro do processo civil.

Leia mais

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS

Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Hugo Goes Direito Previdenciário Módulo 02 Aula 001-005 Direito Previdenciário para o Concurso do INSS Fontes Hierarquia (ordem de graduação) Autonomia (entre os diversos ramos) Aplicação (conflitos entre

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO II DES 0312 PROGRAMA DE AULAS PROFESSOR DOUTOR VITOR RHEIN SCHIRATO MONITORES VICTORIA MALTA CORRADINI FELIPE NAPOLITANO MAROTTA MARCO ANTONIO MORAES ALBERTO 2º Semestre de 2016

Leia mais

LACIER CURSOS JURÍDICOS. CURSO AVANÇADO PARA AS 2ª e 3ª fases da MAGISTRATURA focando os concursos das 1ª, 2ª e 4ª Regiões

LACIER CURSOS JURÍDICOS. CURSO AVANÇADO PARA AS 2ª e 3ª fases da MAGISTRATURA focando os concursos das 1ª, 2ª e 4ª Regiões LACIER CURSOS JURÍDICOS CURSO AVANÇADO PARA AS 2ª e 3ª fases da MAGISTRATURA focando os concursos das 1ª, 2ª e 4ª Regiões Dinâmica do curso: -Recentes alterações legislativas (aviso prévio, lei dos transportadores,

Leia mais

CARLOS ALBERTO CARMONA CURRICULUM VITAE

CARLOS ALBERTO CARMONA CURRICULUM VITAE CARLOS ALBERTO CARMONA CURRICULUM VITAE Carlos Alberto Carmona nasceu em São Paulo, Capital, aos 10 de novembro de 1957, onde bacharelou-se em direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Leia mais

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA

f ÅâÄtwÉ wx IED / V Çv t céä à vt `öüv t cxä áátü INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO CIÊNCIA POLÍTICA 01) Não se enquadra na subdivisão de "Público" o direito: a) Constitucional b) Administrativo. c) Judiciário / processual. d) Penal. e) Comercial. 02) Não

Leia mais

TÍTULO DA DISSERTAÇÃO EM ARIAL 16

TÍTULO DA DISSERTAÇÃO EM ARIAL 16 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI VICE-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIA JURÍDICA PPCJ CURSO DE MESTRADO EM CIÊNCIA JURÍDICA

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009 MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI Nº , DE 7 DE AGOSTO DE 2009 MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica LEI Nº 12.016, DE 7 DE AGOSTO DE 2009 MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL E COLETIVO Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, buscaremos comentar a respeito

Leia mais

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. D-35 6º 04 Semanal Mensal 04 60

Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária. D-35 6º 04 Semanal Mensal 04 60 e Cód. Disciplina Período Créditos Carga Horária D-35 6º 04 Semanal Mensal 04 60 Nome da Disciplina DIREITO PROCESSUAL PENAL III Curso DIREITO D- 28 DIREITO PROCESSUAL PENAL II(MATRIZ 2008/01) D- 30 DIREITO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº DE (Apensado: PL nº 950/03)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº DE (Apensado: PL nº 950/03) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 2.689 DE 1996 (Apensado: PL nº 950/03) Altera as Leis nºs 8.437, de 30 de junho de 1992, e 5.869, de 11 de janeiro de 1973, e dá outras

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CÃMPUS JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: Câmpus Jataí Curso: Direito Disciplina: Direito Processual Civil II Carga horária semestral: 64 horas Semestre/ano: 2º semestre de 2013 Turma/Turno:

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA EXCELENTÍSSIMO SENHOR PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA PSDB e o DEMOCRATAS - DEM, agremiações partidárias com representação no Congresso Nacional e com sede nesta Capital,

Leia mais

Sucintamente relatados, decido.

Sucintamente relatados, decido. Requerente: JOÃO CÂNDIDO PORTINARI Requerido: NELSON MARCIO NIRENBERG Trata-se de ação cautelar, com pedido de concessão de efeito suspensivo a recurso especial. Sustenta estarem presentes os requisitos

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Organização Judiciária Programa I Introdução 1 Conceito e âmbito da organização judiciária: 1.1. Considerações preliminares 1.2. Conceito 1.3. Âmbito 2 Noções fundamentais

Leia mais

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas

ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas ARTIGO: O controle incidental e o controle abstrato de normas Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: Nosso ordenamento jurídico estabelece a supremacia da Constituição Federal e, para que esta supremacia

Leia mais

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal III. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º.

PLANO DE ENSINO. I Identificação Direito Processual Penal III. Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º. PLANO DE ENSINO I Identificação Disciplina Direito Processual Penal III Código PRO0077 Carga horária 72 horas/aula Créditos 4 Semestre letivo 7º II Ementário Procedimento no crime da competência do juiz

Leia mais

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I NOME DO CURSO: DIREITO

CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I NOME DO CURSO: DIREITO 1. IDENTIFICAÇÃO PERÍODO: 4º CARGA HORÁRIA SEMANAL: 03 CRÉDITO: 03 CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 45 NOME DA DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL I NOME DO CURSO: DIREITO 2. EMENTA Estrutura do Código de Processo

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DISCIPLINA 1 PLANO DE ENSINO TEORIA GERAL DO PROCESSO (JUR1060) CARGA HORÁRIA 60h/a (teórica) CRÉDITOS 4 2º semestre/2015-1 Professora Mestra Waleska Mendes Cardoso OBJETIVOS DA DISCIPLINA Compreender que a intervenção

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL LFG

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL LFG CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PROCESSUAL CIVIL LFG Professor: RAFAEL ABREU Tema da aula: NORMAS PROCESSUAIS FUNDAMENTAIS. I - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Conteúdo da cláusula do devido processo legal.

Leia mais

IMPACTOS)DA)JUDICIALIZAÇÃO)DA)SAÚDE)NA)GESTÃO)PÚBLICA) ) )

IMPACTOS)DA)JUDICIALIZAÇÃO)DA)SAÚDE)NA)GESTÃO)PÚBLICA) ) ) RESUMO IMPACTOSDAJUDICIALIZAÇÃODASAÚDENAGESTÃOPÚBLICA DanielCarlosNeto 1 Ajudicializaçãodasaúderefere8seàbuscadoJudiciáriocomoaúltimaalternativa paraobtençãodomedicamentooutratamentooranegadopelosus,sejaporfalta

Leia mais

DESEMBARGORA AMÉLIA MARTINS DE ARAÚJO. Colenda Corte Especial Eminente Desembargador Relator,

DESEMBARGORA AMÉLIA MARTINS DE ARAÚJO. Colenda Corte Especial Eminente Desembargador Relator, MANDADO DE SEGURANÇA 354029-13.2014.8.09.0000 (201493540297) IMPETRANTES SILVIO MOREIRA DA COSTA E OUTRA IMPETRADO DESEMBARGADOR RELATOR DA 4ª CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE GOIÁS RELATORA

Leia mais

Tópicos em Direito Processual Civil Carga Horária: 20 h/a

Tópicos em Direito Processual Civil Carga Horária: 20 h/a Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Civil Tópicos em Direito Processual Civil Carga Horária: 20 h/a 1- Ementa A presente

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II PATROCÍNIO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS Direito Processual Civil IV JUR 3314 Turma: C01 Prof.: Luiz Fernando Rodrigues Tavares GOIÂNIA 2012 1 OBJETIVO A disciplina

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO 5 / NOVEMBRO / 01 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO PARA OUTORGA DE DELEGAÇÕES DE NOTAS E DE REGISTRO DO ESTADO DE MINAS GERAIS EDITAL 0/011 C A D E R N O

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO PROCESSUAL PENAL

Leia mais

CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA

CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA CURSO DE DIREITO PLANO DE ENSINO DE DISCIPLINA 1) IDENTIFICAÇÃO Código DIR282 Nome DIREITO PROCESSUAL CIVIL III diurno Créditos 04 Carga horária total 68 horas/aula (17 aulas) Semestre letivo 1.º/2012

Leia mais

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO

DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO DIREITOS HUMANOS E A CONSTITUIÇÃO Aula 06 NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Identificamos a evolução histórica dos direitos humanos Direitos Humanos Direitos fundamentais Geração x Dimensões Documentos Históricos

Leia mais

PROCESSO CIVIL II. Formação do Processo. UNIC Universidade de Cuiabá. Prof. Eduardo Ramsay de Lacerda

PROCESSO CIVIL II. Formação do Processo. UNIC Universidade de Cuiabá. Prof. Eduardo Ramsay de Lacerda PROCESSO CIVIL II Formação do Processo UNIC Universidade de Cuiabá Prof. Eduardo Ramsay de Lacerda O PROCESSO O processo é uma relação jurídica, que apresenta dois aspectos: a) material, consistente no

Leia mais

PUC/SP 24/02/2016 PÁG: 01 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO SETOR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Relação de Disciplinas para o 1º/2016

PUC/SP 24/02/2016 PÁG: 01 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO SETOR DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Relação de Disciplinas para o 1º/2016 PUC/SP 24/02/2016 PÁG: 01 Código P05870 Turma: DIR01NA Professor: ÁLVARO LUIZ TRAVASSOS DE AZEVEDO GONZAGA Disciplina: FILOSOFIA DO DIREITO I ACEPÇÕES DE JUSTIÇA CLÁSSICA Código P01777/2 Professor: CLÁUDIO

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA TUTELA ANTECIPADA NO PROCESSO DO TRABALHO COMO MEIO DE FACILITAÇÃO DO ACESSO À JUSTIÇA

A FUNÇÃO SOCIAL DA TUTELA ANTECIPADA NO PROCESSO DO TRABALHO COMO MEIO DE FACILITAÇÃO DO ACESSO À JUSTIÇA A FUNÇÃO SOCIAL DA TUTELA ANTECIPADA NO PROCESSO DO TRABALHO COMO MEIO DE FACILITAÇÃO DO ACESSO À JUSTIÇA THE ROLE OF SOCIAL PROTECTION EARLY IN THE PROCESS WORK AS ACCESS TO JUSTICE FACILITATION MEDIA

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2016

PLANO DE ENSINO 2016 PLANO DE ENSINO 2016 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. PROFESSOR: JOSÉ ROBERTO MARQUES 1.2. DEPARTAMENTO: DIREITO PÚBLICO 1.3. DISCIPLINA: DIREITO AMBIENTAL 1.4. SÉRIE: 5ª TURMAS A e B 1.5. TURNOS: DIURNO E NOTURNO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Revogação do Ato Administrativo Beatriz Mattar Araújo* 1. INTRODUÇÃO Dentro do parâmetro da extinção dos atos administrativos, uma causa deve ser avaliada: a revogação Os atos administrativos

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO CIVIL COLETIVA. Aline Riegel Nilson André Canuto de Figueirêdo Lima PRT da 14ª Região

AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO CIVIL COLETIVA. Aline Riegel Nilson André Canuto de Figueirêdo Lima PRT da 14ª Região AÇÃO CIVIL PÚBLICA E AÇÃO CIVIL COLETIVA Aline Riegel Nilson André Canuto de Figueirêdo Lima PRT da 14ª Região 1. NOÇÕES GERAIS DE PROCESSO COLETIVO Itália anos 70 Mauro Cappelletti, Vittorio Denti e Andrea

Leia mais